Page 1

Edição nº 12

ROBÓTICA EDUCACIONAL Os benefícios que essa nova pedagogia pode trazer às crianças


| 03

expediente

Que agradável reencontro depois de alguns meses. E até soa estranho dizer que é a primeira edição da nossa revista no ano “depois das férias”, algo que parece tão distante. Afinal, desde fevereiro - na verdade, desde janeiro, com o CEAPzinho em Férias - a escola está em plena atividade, o que garante uma pauta cheia em nossa décima segunda edição. A virtualidade - tema tratado sob uma ótica interessante aqui ao lado - também está nas páginas destinadas aos textos de alunos, em que outros assuntos, como política e padrões de beleza, também estão em debate. E tem um conto muito interessante que vale à pena ser lido. Do conto às histórias contadas. E são muitas na vida da entrevistada desta edição. Rosane Hoffmann é uma contadora de histórias que dá vida a muitos personagens que interpreta e, muitas vezes, cria. Uma das grandes novidades na grade de opções extracurriculares do CEAP em 2012 é o tema da capa desta edição: as aulas de Robótica. A Pedagogia da Robótica é o assunto em destaque, ainda que os quase setenta alunos estejam numa fase inicial, mas não menos interessante, do processo. Interessantes são os inúmeros projetos que acontecem em todos os níveis, séries e anos, com espaços nas editorias CEAPzinho e Mural. A galera aprende muito, também, viajando. Uma turma foi ao sul do Estado para uma ampla pesquisa de campo. Duas alunas foram estudar Alemão nas férias no rigoroso inverno europeu. Está tudo aqui. E você ainda confere nosso Álbum, por onde andam alguns ex-alunos e ex-professores, como eram os boletins de outras épocas na Memória, além das ações do Comitê pela Vida, GEMLI e APPA e do Especial das Mães. Boa leitura!

CEAP EM REVISTA Nº 12 - Maio de 2012 Publicação do Colégio Evangélico Augusto Pestana Edição: Assessoria de Comunicação do CEAP Projeto Gráfico: Z Comunic Diagramação: Cia de Arte Jornalista Responsável: André da Rosa Fale com a Redação: imprensa@ceap.g12.br

Os Cristãos do Futuro

“Tudo o que Deus criou é bom e recebido com ações de graças, nada é recusável”.

Timóteo 4:4

Aproveitando o lema bíblico do mês de maio, conforme as “Senhas Diárias”, escrevo sobre o inegável impacto e transformação que os avanços na área tecnológica, especialmente na área da comunicação virtual, têm nos proporcionado. Não somente em atividades comerciais, empresas, escolas, mas também em nossas atividades religiosas a tecnologia tem nos desafiado para uma transformação (ou seria adequação?) a um novo jeito de sermos divulgadores da Boa Nova. As notícias e acontecimentos do dia a dia são divulgados quase instantaneamente nos diversos meios de comunicação através de redes sociais, blogs, fóruns, etc. O próprio modelo de relacionamento entre as pessoas mais jovens está mudando. Para muitos é mais comum momentos de conversas virtuais através de redes sociais do que um relacionamento pessoal. Toda essa mudança é alavancada pela rápida inovação tecnológica que passamos. Os meios de acessos e consumo de informação estão cada vez menores e portáteis, além de financeiramente mais acessíveis. De fato, o acesso ao ambiente virtual tem se tornado tão intuitivo e portátil que muitas vezes o mundo real e virtual se confundem. Todo esse contexto pode

representar uma grande oportunidade para os segmentos educacionais e religiosos. Existem diversas possibilidades na expansão virtual. Conforme o lema do mês, de fato nada é recusável, tudo que Deus criou ou deu capacidade ao homem para ser criado, deve ser aproveitado em benefício do ser humano e usado com sabedoria para o bem de toda a humanidade. Porém, nós não podemos ficar reféns da tecnologia e abrir mão de princípios cristãos, como o convívio real entre irmãos e irmãs em Cristo. Este convívio tem que acontecer no dia a dia, tem que ser presencial e nos diferentes locais de encontro, sejam eles casas, escolas, templos, isso para que seja proporcionado em comunidade o crescimento do indivíduo e o fortalecimento mútuo da fé. Vejo um futuro cheio de possibilidades e desafios pela frente e devemos nos preparar para aproveitá-los a favor do Reino de Deus. Não podemos ignorar as mudanças saudáveis que temos sofrido devido ao crescente avanço tecnológico, mas devemos entendê-lo e aproveitá-lo sem nos tornarmos reféns, especialmente no que tange ao isolamento e individualismo que o virtual possa nos induzir. Luciano Miranda Martins Pastor Escolar do CEAP


04 |

O desafio de educar para a humanização O encontro de acolhida realizado no início do ano letivo de 2012, com professoras da Educação Infantil e dos Anos Iniciais do CEAP, foi o motivador para a realização dessa elaboração. A proposta de trabalho foi pautada inicialmente no vídeo As três palavras divinas, conto de Leon Tolstoi, produção Cenas Abertas, da Rede Globo. A obra propõe a reflexão a partir de três questões: O que move os homens? O que não sabem os homens? O que tem os homens? Assim as professoras foram desafiadas a estabelecer a relação entre as respostas das questões e seu cotidiano docente, sempre envolto em situações da vida e das vivências infantis, com toda a sua alegria, suas inseguranças, seus medos, seus desejos e vontades, enfim. Refletir sobre as diferentes dimensões do processo de educar certamente é um desafio, e na sociedade contemporânea se impõe ainda maior. Procedimentos metodológicos, diálogo com as famílias, práticas inovadoras, avaliação, entre outros temas nessa linha, estão sempre em destaque nos encontros pedagógicos, nas escolas. Partindo de Projetos Pedagógicos da Escola, pode-se implementar propostas de reflexão a respeito de princípios e valores que embasam as práticas cotidianas. Neste sentido, relação dialógica entre pedagogia e luteranismo, sugere que as elaborações educativas se construam fundamentadas na observação e vivência do amor, da compaixão e da alteridade, compreendendo que o objetivo maior é educar para a coletividade. O currículo escolar é, sem dúvida, um dos elementos do cotidiano da escola de maior contribuição na formação de pessoas, nas dimensões culturais, socioafetivas e cognitivas. Se

também constituídas pelo currículo, e por este, às vezes, reinventadas, é imperativo refletir e avaliar constantemente a respeito da contribuição efetiva deste na formação de identidades, no desenvolvimento humano e na produção cultural da sociedade. Na Escola, o currículo se materializa por meio das práticas pedagógicas, sendo estas o elemento de mediação que propicia a humanização. Por isso, vivências cotidianas pautadas no amor, na compaixão e no compromisso com o futuro contribuem para que a educação, como formação humana, seja alcançada. Não obstante, diferentes dispositivos pedagógicos inovadores não são suficientes para que isso se realize. São necessárias sim, as pessoas. As pessoas são a centralidade do currículo, por isso a importância de aliar os fazeres educativos com vistas à formação humana, compreendendo todos como aprendentes, isto é, na medida em que os profissionais buscam a humanização como essência do processo educativo, também se formam (se tornam) mais humanos para a vivência

de suas vidas. Educamo-nos à medida que interagimos, pois na interação que reconhecemos. Ao caminhar no sentido do reconhecimento do Eu, na perspectiva do outro, educamo-nos para a cooperação, para a elaboração e construção coletiva, para o bem comum. No espaço escolar o exercício do reconhecer-se é constante, pois as diferentes formas de interação, que são mediadas pela proposição de atividades intencionalmente planejadas, articulam a vivência do diálogo, do respeito à diversidade de sujeitos e suas opiniões. Na escola, portanto, ao se refletir com as crianças e com professores, sobre diferentes situações de vida ou não vida, é possível simular vivências de alteridade e busca de compreensão de contextos que geram o educar de sentimentos, a visibilidade de posições e a elaboração de argumentos, a busca de alternativas como caminhos e possibilidades para a solução de conflitos. Deizy Ritterbusch Soares Mariluza da Silva Lucchese

Coordenadoras Pedagógicas do CEAP


| 05

A contadora de histórias

Ela não é só a responsável pela Biblioteca Infantil e a professora da Hora da Conto. Rosane Schmidt Hoffmann dá vida a vários personagens que fazem parte da própria história de muitas crianças do CEAP. E talvez de você que esteja lendo essa entrevista. Será que ao menos não ouviu falar no “Amigo Livro”, ou no “Senhor Alfabeto”, ou tenha visto fotos de um abraço de braços compridos, que não paravam de crescer, ou de um outro abraço, em formato de coração, que queria ganhar abraço de todo mundo no primeiro dia de aula? Tudo isso passa, ou “sai”, da cabeça dessa professora, que tem mais de 30 anos (22 no CEAP) de criatividade dedicados às crianças. Você é muito criativa. De onde surge tanta ideia? “Venho de uma geração que a gente dava conta da Educação Física, da Música, enfim, de atividades que hoje são especiais. A gente precisava ser eclética, precisava dar conta de tudo. Isso contribuiu para encontrar saídas para dar retorno para essa lado imaginário, lúdico, fantasioso, da criança. Ela espera isso. É preciso dar alternativas para contar uma história atraente, que chame atenção das crianças, que faça elas pararem para ouvir, se concentrarem. Isso vai te desafiando para encontrar maneiras mais agradáveis de contar uma história, por exemplo. A própria criança nos impulsiona para isso, porque ela tem toda uma expectativa, ela é lúdica por natureza. No momento que tu propões contar uma história, ela já cria uma expectativa. E gostar é importante, te faz inovar, buscar coisas novas...” Como é a busca pelos personagens? Como eles surgem? “Às vezes a partir do projeto que o professor trabalha em sala de aula. O próprio projeto inspira o personagem. Ou, dependendo da história, ela mesma te inspira. Beleléu, por exemplo, trabalhava com a questão da organização das crianças. O personagem estava ali, bastou recriá-lo. No ‘Amigo Livro’ o personagem foi criado a partir do projeto. Ele se transformou em uma ‘pessoa’ e também pode existir em fantoches. O “Abraço’, que recebe as crianças da escola, surgiu da ideia de receber as crianças. Alguém disse “vamos criar um personagem”. Sobrou ‘pra Rosane’. Criei o “Quero um abraço” e encarnei o personagem”.

Foi assim com o Senhor Alfabeto. Eu precisava levar algo para os alunos do 1º ano. Comprei sopa de letrinhas, passei spray dourado, fiz pequenos saquinhos e com eles produzi chaveirinhos com “letras que iam ajudar a aprender a ler mais rápido”. Muitas crianças chegam a dormir com o chaveirinho. Pequenas coisas tem um sentido grande”

Rosane e o boneco Amigo Livro

O que acontece com as histórias que são “vividas” por personagens? “O retorno na biblioteca é imenso. São os livros mais retirado. Essas histórias passam a ter um sentido real para eles. Mesmo eles já tendo lido, conhecendo a história, retiram mais de uma vez. É muito legal”. Como é o desafio de gerar interesse nas crianças? “A criança é tão lúdica, tão especial, que qualquer coisa que você traga de diferente para contar uma história para ela se torna atrativo. Um pó, um carimbo que coloca na mão, se torna um símbolo precioso para ela.

Visitando o 1º ano como o Senhor Alfabeto

Como é a interação com as crianças, o retorno delas? “Isso é muito especial. Elas sabem que sou eu quem vive os personagens. Mas viajam junto nessa imaginação, acreditam que o personagem está ali, mesmo sabendo que sou eu. E vem me contar o que aconteceu, o que eu disse, o que foi feito, como se eu não soubesse de nada. Eu entro no jogo deles também. É muito gratificante e emocionante. O meu termômetro são eles. Quando pararem de fazer isso não terá mais sentido fazer o que eu faço. Eles curtindo, esperando, é o que eu preciso para manter o personagem”. Que incentivo você dá aos pais? “Contem histórias. Não precisa se fantasiar. Basta gostar de história. É só contar com prazer, com vontade, com alegria, viver a história. Eu contava para meus filhos quando ainda estavam na minha barriga. Depois, quando estavam crescidinhos, não fazia nada do que faço aqui na escola, mas eles se interessavam por histórias, pelos livros. E deem chance de os filhos contarem histórias para os pais, também. É uma troca interessante.Um momento de carinho e de aconchego”.


pa

06 |

Voto Nulo

A corrupção no Brasil está em quase todo o governo federal. E ela vem crescendo. Na Câmara é difícil achar algum político de ficha limpa. Mas por quê? Se todo o país tem o governo que merece o Brasil deveria ter um governo de trabalhadores esforçados. O problema é que esse povo trabalhador é influenciado drasticamente com crenças eleitorais ilusórias. Quase 1/5 da população sabe da existência do voto nulo. Mas porque o resto não sabe? O Brasil é um dos países mais corruptos do mundo. Estimativas apontam que são desviados pela corrupção cerca de 82 bilhões de reais por ano. Nos últimos 10 anos foram desviados dos cofres brasileiros 720 bilhões de reais. Com 1/3 do dinheiro da corrupção poderíamos erradicar a fome no Brasil e ainda sobraria dinheiro. Mas se a cada quatro anos acontecem eleições, por que ainda existe corrupção? É um sistema muito grande, que envolve muitas pessoas. Muitos cargos de confiança estão designados a políticos corruptos que só buscam favorecer a si mesmos.

Mas para a “salvação” do dinheiro público existe o voto nulo. Grande parte da população não tem ideia da existência dele. É sempre submetida a uma escolha para a votação “qual é o menos corrupto?“. A população brasileira geralmente não sabe, pois é controlada pela mídia que é controlada indiretamente ou diretamente pelo governo federal. O voto nulo é feito da seguinte maneira: basta pressionar o 000 + TECLA VERDE, e o voto nulo está computado. A mídia geralmente não mostra as propagandas de votos nulos, pois sabe que é arriscado, está sempre implícito “ou vote naquele, ou neste”. Segundo a legislação brasileira, se houver 51% de votos nulos em uma eleição é obrigatório haver nova eleição com candidatos diferentes daqueles que participaram da primeira. Mas se existe tanta corrupção, por que a população toda não vota nulo? Pois ninguém procura algo sobre, ninguém pesquisa, ninguém está interessado em saber sobre isso. “Política é chato”, diz a maioria. Então vamos viver nossas vidas inteiras sendo roubados por pessoas que nós mesmos colocamos no poder. As pessoas são tão influenciadas que votam no primeiro candidato que oferece ajuste salarial ou “melhores” con-

Mundo Virtual x Mundo Real Hoje em dia as pessoas se sentem mais à vontade falando em um bate-papo do que pessoalmente. Isso, muitas vezes, as prejudica, pois esquecem da realidade para viver em um mundo virtual. Redes sociais, chat’s e outros meios de interação oferecidos pela Internet são usados para a realização de encontros virtuais, assim melhorando os seus relacionamentos, já frustrados na “vida real”. As amizades pela Internet surgem através de convites para redes sociais, bate-papos e sites de relacionamentos. Você mantém um contato permanente com o amigo pois sempre estará conectado e poderá falar com ele no momento desejado, podendo realizar amizades de vários lugares do mundo e até mesmo se a amizade for forte e verdadeira você pode visitar o amigo e transformar o sentimento em duradouro e fraterno. Há pontos positivos, mas também existem os negativos, pois você não sabe se a pessoa está levando a sério o relacionamento ou se está levando como diversão passageira. Em várias ocasiões, ficamos em dúvida se o parceiro de bate-papo está sendo verdadeiro ou mentindo sobre a sua vida. Por isso, devemos cuidar com quem estamos falando ou se o site de bate-papo é seguro, pois as amizades no mundo real são mais importantes, sinceras e seguras. Então, fica a dica: separem o virtual do real, mesmo que as amizades continuem em seus pensamentos e façam parte de sua vida. Bruna Dorneles 7ª série do Ensino Fundamental

dições de vida. Hoje em dia funciona assim: “o mundo é de espertos não de inteligentes”. Ganha quem trapaceia, quem rouba. O humilde não tem lugar na sociedade. Tudo está relacionado a isso. Por exemplo, nosso antigo presidente Lula estudou apenas até a 8ª série e foi presidente de uma nação grandiosa. Collor roubou milhões do Brasil e nunca foi preso, nunca devolveu o dinheiro, apenas passou de rico para milionário. Então, para não deixar os corruptos se elegerem a população tem que começar a ter atitude, se impor diante da corrupção, tem que criar voz, ir para as ruas, protestar, lutar por um país melhor sem desigualdade social. Temos que lutar por uma vida melhor, estabelecer nossos direitos de cidadãos, acabar com as injustiças e, para isso, temos que votar conscientes, nos informar sobre os políticos que estão se candidatando, pesquisar, pois o voto faz a diferença. Temos que dar um basta e votar nulo até que não haja mais corrupção. Cada país tem o governo que merece, chega de corrupção. Yuri Groth dos Santos 1ª série do Ensino Médio


| 07

A amizade é mais forte que a vingança Era uma vez no reino da Babilônia uma princesinha chamada Luana. Ela adorava brincar com os animais e se sujar na lama. Tinha professores particulares. Seus pais, o rei e a rainha, não gostavam que ela saísse do castelo, pois o reino era cercado por uma floresta onde moravam bruxas e feiticeiros. Um dia Luana decidiu ver o mundo através dos muros. Subiu em uma árvore e pulou para fora do castelo, cada vez mais encantada com o que via. Ela só não sabia que estava sendo vigiada por Violeta, uma bruxa diferente, sem verruga ou algo do tipo. Tinha cabelos ruivos e encaracolados, olhos azuis. Mas em vez de coração, havia uma pedra de gelo. A malvada queria envenenar Luana por vingança, pois ela era apaixonada pelo rei, que no lugar da bruxa escolheu a atual rainha. A bruxa tinha uma filha que se chamava Teresa. Como Teresa

e Luana tinham a mesma idade, a bruxa lhe deu um anel que continha uma substância que mataria a princesa. Teresa começou a se aproximar de Luana para cumprir o pedido da mãe, mas as duas viraram amigas. Um dia Luana e Teresa iam se encontrar para brincar, mas o rei descobriu o destino de sua filha e defendeu-a de Teresa. Nesse momento Violeta apareceu. Mas as duas viraram muito amigas, então Teresa, desafiando a mãe, jogou o anel no chão o quebrando em mil pedaços. Violeta, de tanto desgosto, virou muitas penas coloridas. No fim, Teresa foi morar no castelo com Luana e as duas foram para sempre amigas. Giovanna Marques Burtet 6º ano do Ensino Fundamental Criação livre produzida a partir da retomada dos contos maravilhosos e do texto narrativo trabalhado nos anos iniciais.

Transformers Nos dias atuais a beleza exterior é supervalorizada, fazendo com que homens e mulheres busquem a cada dia a “perfeição” estética. Os moldes de beleza oferecidos à sociedade é a pessoa magra, com curvas salientes e “sem defeito”. Porém nem sempre foi assim. Na Idade Média, os padrões de beleza eram mulheres mais “cheinhas” com algumas “dobrinhas” na região superior dos quadris, pois se acreditava que as mulheres com o abdômen maior teriam mais fertilidade e capacidade na gravidez. O tempo foi passando e, na década de 80 do século XIX, o estereótipo para as

mulheres eram peles brancas, bochechas rosadas com vestidos longos e a famosa “bunda empinada”. Hoje, século XXI, homens e mulheres fazem cirurgias plásticas para modificarem seus corpos, tais como o implante de silicone nos seios e nádegas As mulheres querem se sentir melhores ou mais desejadas pelos homens. Adolescentes e crianças em desenvolvimento já se veem preocupadas com a aparência e querendo se modificar, também usando recursos além das cirurgias, como tatuagens, maquiagens, piercings e também do uso de roupas de marcas caras e dife-

renciadas. Em um mundo de aparência, a influência das pessoas vem de revistas de moda e novelas, mostrando o padrão que todas as mulheres “devem” buscar e fazendo as pessoas até terem problemas de saúde como Anorexia e Bulimia. Aparência é algo passageiro, hoje pode se estar bonita, porém amanhã quem sabe não. É preciso combater as mídias a mostrarem apenas pessoas “perfeitas” e deixar de iludi-las com vidas que não existem. Tiago Nikitenko Jagmin

2ª série do Ensino Médio


08 |

Comitê prepara 3º Mercado das Pulgas A terceira edição do Mercado das Pulgas vai acontecer no dia 16 de junho. Esta será uma mudança neste ano, ou seja, o fato de se concentrar em um dia apenas, funcionando das 9 às 18 horas sem fechar ao meio-dia. Novamente nas dependências do CEAP, o evento deverá atrair um público expressivo. No ano passado foram cerca de três mil consumidores e mais de cinco mil itens em mercadorias. A proposta do Mercado das Pulgas já está consolidada em Ijuí. A ideia de recomercialização e de reaproveitamento

ganhou um espaço importante, tanto que há uma certa curiosidade geral em saber que mercadorias diferentes irão surgir no mercado neste ano. Neste sentido a coordenadora do Comitê pela Vida, entidade que promove o evento, enfatiza a importância de todos os setores da sociedade ijuiense participarem não apenas como consumidores mas também como doadores. “Para além da proposta da recomercialização e do reaproveitamento, aqui em Ijuí o Mercado das Pulgas tem essa característica de ser, também, solidário, uma vez que sendo promovido pelo Comitê pela Vida ele reverte seu lucro para fins específicos”, salienta Mô-

Recomercialização é proposta do evento

nica Brandt. Neste ano os valores arrecadados serão destinados para o Lar da Menina Bom Abrigo, para a Sabeve e

Páscoa solidária O envolvimento de alunos e famílias da escola atendendo a um pedido do Comitê pela Vida permitiu que a Páscoa fosse mais doce para várias pessoas em Ijuí. A iniciativa do Comitê consistiu em solicitar doações de chocolates às famílias para montar ninhos para as instituições que abrigam crianças e adolescentes na cidade. Nas reflexões de Páscoa realizadas durante a Semana Santa pelo pastorado escolar aconteceram as entregas das doações pelas crianças. Como o volume de doces doado foi surpreendente, várias instituições puderam ser contempladas. Assim o Comitê pode confeccionar ninhos individuais para as cinquenta internas do Lar da Menina, que foram entregues em uma celebração com integrantes do Comitê pela Vida com participação do pastor escolar Luciano Martins. Também foram contempladas, com ninhos personalizados, as crianças do MEAME, além das instituições, Lar da Criança Henrique Liebich, Sabeve e Casa da Criança Feliz.

para um Fundo de Crédito Rotativo destinado à aquisição de material didático para alunos bolsistas no CEAP.

A marca do Comitê

Coordenadora do Comitê recebe simbolicamente doações

Doces permitiram contemplar várias entidades

Depois de tantos anos o Comitê pela Vida, braço social da escola, precisava de uma marca. E agora tem. Ela leva as cores do CEAP, com símbolos que remetem ao cuidado, carinho, solidariedade, fraternidade, envolvimento e aconchego, uma vez que é possível imaginar um cachecol, um abraço,um coração, mãos e identificar, ao centro, a flor de Lutero, a mesma que está na logo do CEAP.


| 09

Vivendo juntos

A Caixa do Bem

O projeto deste ano do CEAPzinho foi lançado em uma tarde de atividades no Campo do CEAP. “Aprender a viver juntos, aprender a viver com os outros” envolve crianças, professoras e famílias em tudo o que acontece em 2012 na Educação Infantil. Jogos cooperativos e sessões de abraços foram destaque na largada do projeto.

A cada semana a “Caixa do Bem”, presente que o Colecionador de Palavras trouxe para as turmas dos Níveis 4 e 5, tem uma surpresa para as crianças. Elas recebem imagens e sons relacionadas a ações e atitudes para as quais estão sendo desafiadas a desenvolverem. O cuidado com o outro é uma das ênfases.

Surpresa no pátio A “Fadinha” convidou as crianças do Nível 1 a explorarem o pátio em busca de uma caixa com muitas surpresas. Lá estava ela, com materiais diferentes, fotos de cada colega e o mascote Coelho Fofinho.

Vamos emprestar Olha aí o “Colecionador de Palavras” com os presentes que trouxe para as turmas do Nível 3. São carrinhos em que cada turma coloca brinquedos, livros e jogos de sua sala para emprestar, a cada semana, para os amigos da outra turma. A atividade “Cuidar e Emprestar” faz parte do projeto de Educação Financeira da escola.

Pedro e Tina Eles são os novos amigos das crianças do Nível 2. Estão ajudando a pensar sobre a ideia de aprender a viver juntos e com os outros, que é o projeto do CEAPzinho este ano. Eles foram “encontrados” no pátio da escola e estão visitando, a cada dia, a casa dos alunos.


10 |

Aulas de Alemão na Bavária Aprender a “se virar”, experimentar o choque cultural, conviver e aprender com as diferenças e aproveitar as muitas oportunidades de aprendizagem que uma viagem ao exterior possibilita são experiências que ficam marcadas para quem tem essa chance pela primeira vez. Especialmente na adolescência. Enquanto boa parte desse tipo de viagens acontece para países de língua inglesa, no início deste ano um grupo reuniu alunos de escolas da Rede Sinodal para passar 22 dias na Alemanha. Foi o caso de duas alunas do CEAP Acompanhadas da professora de Alemão da escola, Marlene Mueller, as alunas da 1ª série do Ensino

Médio Pietra Fischer Pascoal e Juliane Junges estudam Alemão no CEAP há quatro anos e aproveitaram muito a viagem. “Nosso conhecimento em Alemão aumentou muito. No final do ano passado, na 8ª série, fizemos uma prova de certificação. Se fôssemos realizá-la depois da viagem, teríamos conseguido um resultado muito melhor”, afirma Pietra. O grupo ficou sediado em Munique, na Bavária, região onde se fala um “dialeto diferente do que a gente aprende na escola”, observa Pietra. “Aprendemos mais porque todas as manhãs a gente estudava em Alemão aquilo que ia fazer à tarde, por exemplo, compras em algum lugar, um passeio...”, diz a colega Juliana, entusiasmada em estudar mais depois da viagem por ter percebido a importância da língua alemã.

Alunas em frente ao castelo de Neuschwanstein

Pietra, à direita, ao lado da professora Marlene, Juliane à esquerda, e o restante do grupo que foi à Alemanha

Experiências e aprendizados Surpresas com a organização dos alemães, as alunas ficaram impressionadas, por exemplo, com o Estádio Allianz Arena, em Munique. “Eles conseguem evacuar o estádio em 15 minutos em caso de algum acidente”, conta Pietra. Juliane gostou muito das visitas aos castelos medievais e em estilo rococó. “Foi interessante conhecer a história do Rei Ludwig II, da Baviera, que quase faliu o Estado construindo castelos”. Com o grupo as alunas do CEAP esquiaram na neve nas montanhas de Garmisch, visitaram a BMW Welt, ruelas de Salzburg onde Mozart passeava, a Ludwig Universität, Marienplatz, além de outros pontos turísticos. Experimentaram, além da cultura e história desta parte do velho continente, também o rigor do inverno europeu, com temperaturas de 15 graus negativos.

Imponência: grupo posa em frente ao Estádio em Munique

Prontas para esquiar nas montanhas

D e c d

Mein Tagebuch Uma das tarefas na viagem era a produção de um diário (Tagebuch) em Alemão, que precisava ser traduzido no retorno. Confira como foi um dos dias da aluna Juliana Junges. Datum: München, den 21. Januar 2012 Das habe ich heute gemacht: Wir sind mit der U-Bahn und S-Bahn zum BMW Museum gefahren. Wir sind zum OlympiaEinkaufzentrum. Das habe ich gesehen: Auto, Motorrad, ein Mann, der am Klavier spielte. Das habe ich heute probiert: Goldbären. Besonders gut hat mir geschmeckt: Frühstück. Ein Höhepunkt des Tages: Wir haben eine Schnuballschlacht gemacht. Data: Munique, 21 de Janeiro de 2012 O que eu fiz: Andamos de metrô subterrâneo e metrô rápido até o Museu da BMW. Fomos ao Shopping Olympia. O que eu vi: Carros. Motos. Um homem tocando piano. Que comida eu provei: Balinhas típicas em formato de ursinhos.. O que eu mais gostei de comer: Café da manhã. Ponto alto da tarde: Quando fizemos guerrinha de bola de neve.

E A b d

D O n


DA ava aos ciar ro, elo SoEna ce er

| 11

Uma viagem de aula

Foram dois dias intensos na viagem de estudos a Pelotas e Rio Grande. No roteiro de observações distribuído aos alunos da 2ª série do Ensino Médio - e que vai gerar uma série de trabalhos em dez disciplinas - eram 51 itens a serem observados em 12 pontos visitados. O trabalho iniciou no Centro Histórico de Rio Grande. Os alunos conheceram a doca do Mercado Municipal, o Museu Antártico e o Museu Oceanográfico, onde acompanharam, por exemplo, o processo de recuperação de animais marinhos. De barco foram a São José do Norte. Depois conheceram o Porto do Mercosul e os Molhes na Praia do Cassino. O segundo dia iniciou pelo Centro Histórico de Pelotas e incluiu visita ao memorial da Farmácia. Depois foram a Charqueadas, em São João, destaque pelos aspectos históricos ligados à Revolução Farroupilha. O museu Solar da Baronesa, a fábrica de doces Onélia e a Praia do Laranjal concluíram o roteiro.

Alunos em frente à Catedral de São Pedro, no centro de Rio Grande, a igreja mais antiga do Estado. À esquerda da foto um pé de eucalipto plantado em 1887

Recuperação de animais marinhos no Museu Oceanográfico

Caminhar nas pedras dos Molhes, no Cassino, foi um convite natural

Aprendendo a campo

“Vivenciar, pesquisar in loco, conferir a campo, tudo isso traz uma dimensão pedagógica que o teórico - por mais visual que possa ser - não consegue trazer”. A frase, do professor de Geografia Valdecir Schenkel, um dos que acompanhou os alunos, dá uma ideia do significado da viagem de estudos. “Os alunos puderam observar um pátio do porto com 8 mil veículos importados, ver a construção da Plataforma P58 da Petrobrás, o estaleiro em obras em São José do Norte - um município com 10 mil habitantes na área urbana - uma obra que vai gerar 9 mil empregos, enfim, puderam observar tudo isso de perto, o que dá uma conotação diferente do que apenas

teórica e explicativa”, diz o professor. “Eles viram parte do processo histórico que está acontecendo hoje, essa dimensão

econômica. E isso tudo possibilita agregar conceitos de todos os componentes curriculares”.

A turma toda no centro histórico de Pelotas e entrando no Solar da Baronesa


12 |

Novidade: a Pedagogia da Robótica Uma nova atividade passou a integrar a rotina de 64 alunos do CEAP em 2012: as aulas de Robótica Educacional. Uma vez por semana eles enfrentam os desafios de montagens e programações de projetos que ajudam no desenvolvimento de uma série de habilidades. A possibilidade veio com a parceria entre o CEAP e a Escola de Robótica, com sede em Novo Hamburgo e mais de 30 escolas parceiras em todo o Rio Grande do Sul. O CEAP é a única na Região Noroeste gaúcha. O curso atende estudantes de 8 a 16 anos, mas as turmas formam-se com faixas etárias semelhantes. Nelas são formados grupos de quatro alunos, que vão se repetir a cada aula, que recebem um kit Lego, “o mais avançado no mundo hoje para desenvolver programação de robótica”, afirma um dos instrutores, Flávio Freitas dos Santos. Esses grupos, com os kits, vão desenvolver a montagem e a programação de robôs. “Estas atividades vão desenvolver um trabalho em equipe, o raciocínio lógico, a criatividade, estimular a autoconfiança”, comenta a pedagoga Daise Fabíula Lopes, também instrutora do curso, dando uma ideia do caráter multidisciplinar da robótica. “O desenvolvimento de habilidades como a concentração também é algo que surge nestas aulas”, salienta Daise.

CEAP é a única escola na região com aulas de robótica

O desafio de projetar um robô O robô não vem pronto. Os alunos recebem um kit com diversos tipos de peças. Precisam reconhecer engrenagens, alavancas, pinos, encaixes, vigas, pilares e eixos. Em cada aula as crianças trabalham com montagem. “Eles começam com projetos simples, reconhecem as peças, discutem com o grupo para só depois entrar na programação”, conta a instrutora. “Nesse processo o raciocínio lógico e o trabalho em equipe vai sendo desenvolvido”. O projeto não é dado. “A imagem é criada por eles. E é aí que entra a criatividade”. Já na segunda aula a equipe cria o projeto de uma casa e, depois, um carro com dois motores, um carro com três motores e um robô básico. “Só que sem um ‘passo a passo’, só uma imagem”, diz a instrutora. Os alunos precisam focalizar as peças e encaixá-las. “O que a gente visa é o desenvolvimento. Não queremos que eles decorem coisas, mas que entendam o por quê do projeto, visualizem-no antes mesmo de trabalhar nele”. Em determinada aula o instrutor Flávio dos Santos pediu aos grupos que projetassem um carro com dois

motores. Depois de prontos os projetos, pediu que colocassem um banco e uma direção no andar de cima. “Eles questionaram ‘mas como professor?’ Eu disse que se virassem. E saíram coisas fantásticas! Eles precisam trabalhar na improvisação”, afirma. “Isso serve para a vida real”, complementa Daise Lopes.

Flávio e seus alunos: desafios a cada aula

Etapas do processo Embora o curso atenda a faixa etária dos 8 aos 16 anos, o interesse maior se concentra até os 12 anos. “Os pequenos conseguem captar melhor os desafios, desenvolvem melhor. Os maiores já acham que é coisa de brinquedo”, diz a pedagoga Daise Lopes. Dividido em três semestres, no primeiro o curso trabalha com a fase do descobrimento, curiosidade e reconhecimento das peças. Vai responder basicamente onde colocá-las, para que servem e tratar de suas substituições. Na fase intermediária, no segundo semestre, os projetos são ampliados e, por isso, com grau de dificuldade um pouco maior e programações mais difíceis, em que são introduzidos a inteligência artificial, braços mecânicos, lançador de bolas, cachorro inteligente e robô explorador. O terceiro semestre é o do nível avançado. Os alunos vão trabalhar com humanoide, um robô humano, com quatro sensores juntos, linguagem de programação, entrando na biorrobótica. Os robôs são feitos com material de sucata. Nesta fase entram as noções de eletrônica. Depois destas fases alguns alunos que mostram grande interesse pelo assunto ainda podem participar de projetos desenvolvidos pela Escola de Robótica em competições de Robótica.


| 13

Descobrimento das habilidades “A Robótica desperta capacidades que os alunos não conhecem”. A afirmação é da pedagoga Daise Lopes, instrutora do Curso de Robótica Educacional. Com a experiência de trabalhar com o curso em escolas de diferentes regiões do Estado, ela diz que, mesmo em um ou dois semestres é possível perceber mudanças no desenvolvimento de crianças e pré-adolescentes que frequentam os cursos. “A visão deles muda muito. A percepção deles do contexto do mundo lá fora muda. Eles começam a descobrir suas habilidades e o que vão querer, independente de faixa etária”. Segundo ela, esporte e língua estrangeira “eles fazem normalmente. Mas a Robótica explora a habilidade de um aluno e cada um tem habilidades e percepções diferentes. Alguns saem da Robótica e vão fazer

outros cursos para desenvolver capacidades que descobriram”, revela. Ela enfatiza que como não se exige um padrão, um aluno pode “não ser bom em programação, mas é fera em montagem. Isso é trabalho em equipe. Outro vai perceber que é bom em liderança. Na Robótica há respeito à personalidade diferente de cada um. Ali cada um faz o que gosta”. Ela revela que em uma escola o pai de uma aluna quis detalhes sobre o comportamento da filha. Ao ouvir que era concentrada nas aulas de Robótica ficou surpreso por ter recebido reclamações dos professores, já que nas aulas regulares não conseguia se concentrar. Algumas semanas depois isso mudou. “Ela não conseguia perceber isso. Passou a moderar seu comportamento. Um aluno que conversa na aula de Ro-

Daise: “A percepção de mundo dos alunos muda”

bótica está desenvolvendo sua habilidade de comunicação”. Segundo ela, a participação nas aulas de Robótica traz resultados muito bons para alunos

A Robótica na visão de uma mãe Andrey Protti Basso tem 12 anos, é aluno do 7º ano e sempre gostou de fazer montagens com lego. Claro que chegou em casa dizendo que queria frequentar as aulas do Curso de Robótica. “Era o chão dele, o caminho”, diz a mãe, Eloísa Protti. O que ela não esperava era que a irmã gêmea de Andrey, Deborah, tivesse o mesmo entusiasmo. “Me surpreendi. Fui até à escola conversar com os instrutores e percebi que poderia ser importante para o desenvolvimento da Matemática, além de outros aspectos, já que são várias áreas envolvidas na montagem e programação de um robô. Só vi pontos positivos e decidi incentivar”. Pouco tempo depois o depoimento da irmã comprova que a aposta em Andrey era acertada. “Ela conta em casa como é bom ter o mano na equipe dela, porque ele é importante na montagem dos projetos”. Com relação às expectativas que tinha com a filha Deborah, Eloísa diz já perceber diferença principalmente na concentração e no resultado de algumas provas. “Especialmente na Matemática. Antes era tudo “um bicho”. Agora não é mais. Ela se sente mais responsável, está criando o hábito e sentindo a responsabilidade de estudar, Melhorou no aspecto da concentração, também”.

Eloísa e os filhos: aposta e retorno positivo

com déficit de atenção e hiperativos e também para alunos com excelentes notas mas com dificuldades de se expressar ou muito tímidos.


14 |

MÍLIA PAINEL DA FA gar de cuidaA família é lu a das percep do. Essa é um o an nças do 2º ções das cria desenvolvido no trabalho das próprias com ajuda apresentação famílias. Na as de momen para os coleg s o ad d ar u g m tos que ficara as am er b ce per na memória, m ue acontece q s ça an mud anos. ao longo dos

r d t n r a P C

ÁGUA E ENERGIA Conhecer a Usina Velha foi uma das motivações da visita do 5º ano à Usina da Sede. Lá os alunos também coletaram água do Rio Potiribú, que abastece a cidade. Levada para o Laboratório de Química, passou pelo processo de purificação em miniestações de tratamento.

PESQUISANDO O RÁDIO Um projeto sobr eo meio de comun icação Rádio envolve os alunos da 7ª série . Além de palestra s e pesquisas sobr ea história e mudan ças no Rádio, eles visit aram várias emissoras , como a Mundial FM, pa ra dar sequência à pesq uisa.

LINHA DO TEMPO A vida inteira resumida durante uma semana em apenas uma folha. Foi o desafio dos alunos do 6º ano em um trabalho que envolveu o tempo cronológico, escala cartográfica e conteúdos de Geografia. A cada ano, imagens e informações marcantes foram relatadas.

ENCENAÇÕES MATEMÁTICAS A Matemática está no cotidian o. E a comprovação veio com o teatro. Um gru po de colegas encenava a ideia e a turma pre cisava adivinhar do que se tratava: ganhar, aum entar, subtrair, juntar, acrescentar... A criativi dade ajudou a compreender a Matemática.

t d S l l P

PINTANDO LEMBRANÇAS A convivência é a ênfase do projeto do 3º ano. E o lançamento aconteceu com a visita de um personagem interessante. O “Pintor de lembranças”. Ele deixou tantas ideias e inspirações que agora os alunos vão relatar suas lembranças escolares e familiares, o que irá fortalecer a convivência com os outros. ESTRUTURA QUESTION ADA Uma brincadeira que dava vantagem sempre aos meninos permitiu iniciar um debate sobre gê nero, injustiça social e mo delo cultural nas aulas de Sociologia na 1ª série do Ensino Médio. Question ar a estrutura social que pa rece estar pronta mas po de ser revista foi a ideia.

R

c d c d q d “ d v P J h v o u


| 15

SABEDORIA DO CUIDADO Despertar os alunos para a valorização da vida pessoal, interpessoal e ambiental. Este é um dos aspectos do projeto “A sabedoria do cuidado”, que envolve os alunos da 8ª série. A primeira produção foi de histórias em quadrinhos relativas ao tema.

FÓRUM DA ÁGUA No Dia da Água, 22 de Março, alunos do 4º ao 6º ano debate ram consumo, desper dício, contaminação e preservação da ág ua no planeta. O Fóru m da Água reuniu ce rca de 100 alunos qu e, de diferentes e criativa s importantes nu m formas, até com momento de re al atividades prática s, construção de repassaram inform ações conhecim ento.

SENHOR ALFABETO Ele veio da Alfabetolândia trazer presentes para as crianças do 1º ano. O “Senhor Alfabeto” conheceu os alunos e trouxe um Saco das Letras, Caderno das Pistas, Alfabeto do Objeto e um Caderno das Letras para cada criança, junto com um saquinho de letras douradas mágicas.

DE OLHO NO FUTURO tem envolvido os alu O Projeto Profissões de m Alé . dio sino Mé nos da 3ª série do En bre diferentes proso as tad ien or pesquisas das por grupos e sofissões, que são dividi legas, eles assistem a cializadas entre os co o Engenheiro Químipalestras, como a com -aluno da escola. co Roberto Boger, ex

LIDERANÇA ESTUDANTIL O CEAP participou do 18º Encontro de Lideranças Estudantis da Rede Sinodal, no Colégio Teutônia. Um dos objetivos foi estimular a formação de lideranças estudantis. As alunas da 1ª série do Ensino Médio Mariana Paris Ronchi e Nicole Allegranzzi estiveram lá.

FONTE DE VIDA foram abordados Centenas de ijuienses do 5º ano na Semanas ruas por alunos ção era conscientizar na da Água. A inten deste bem precioso. para a importância um copo de água Cada pessoa recebia uzida pelos alunos: com uma frase prod de vida”. “Água, fonte natural

ORIENTAÇÃO O projeto sobre Tecn ologia levou a 7ª série para uma ativid ade de Orientação desenvolvida no 27º GAC. Os alunos precisaram usar a bússo la e dar conta dos conceitos aprendidos sobre cartografia.


16 |

Turmas da 7ª e 8ª no Dia de Convivência no Campo do CEAP

Jogador profissional da Superliga Masculina de Vôlei, o ex-aluno e ex-atleta do CEAP Tiago Wes, o “Mão”, salta para cortar em treino na quadra da escola, durante período de férias em Ijuí

Equipe Fraldinha de futebol do CEAP em dia de jogo no SESC pela Copa Dunga

Culto do CEAP na Comunidade Evangélica Ijuí teve envolvimento de alunos do 4º ano e participação especial do Conjunto Instrumental da escola


| 17

Entre as várias celebrações de Páscoa no CEAP, as turmas do turno da manhã participaram do lava pés. Crianças do CEAPzinho celebraram a ceia, que teve o pão que elas mesmo haviam confeccionado

Turminha do “Tempos de Criança” vai às compras. Na volta prepara uma deliciosa salada de frutas

Famílias e professoras participam de dinâmicas em reuniões que discutiram o projeto pedagógico do CEAPzinho: “Aprender a viver juntos, aprender a viver com os outros”

Campo do CEAP recebe alunos do 4º ao 6º ano para o Dia de Convivência

Dia de reencontro: egressos de 2011 inauguram foto na galeria de ex-alunos do CEAP


18 |

Grêmio estudantil de portas abertas “Queremos dar mais transparência nas ações”. Assim começa a conversa com os novos presidente e vice do Grêmio Estudantil Monteiro Lobato, Renan Zientarski e Amanda Copetti. Eleitos junto com a nova diretoria numa disputa que teve mais uma chapa no começo de abril, eles defendem um envolvimento maior dos alunos para “gerar mais felicidade para o grupo de alunos do CEAP”, afirma Renan. Quando fala em felicidade, o presidente diz que “às vezes, com a rotina da escola, com muitas tarefas, os alunos precisam renovar o ânimo. Para isso estamos disponibilizando a mesa de pingue-pongue no recreio, cada dia da semana para uma série, vamos trazer Bandas eventualmente no recreio, vamos reformar a mesa de pebolim, distribuir lanches,

A diretoria do GEMLI 2012

negociar o prolongamento de alguns recreios...”. Depois da posse, o trabalho começou com uma grande faxina na sala da entidade. “Havia uma placa lá em que estava escrito ‘entrada somente para pessoas do setor’. Tiramos essa placa e quando estivermos lá a porta vai estar sempre aberta, a não ser que estivermos em alguma reunião. O GEMLI é de todos os alunos”, afirma o novo presidente, que defende, também, a divulgação dos valores arrecadados e gastos pelo Grêmio Estudantil para os alunos. Sobre a questão da representatividade do GEMLI, Zientarski e Amanda afirmam que “deixamos bem claro durante a campanha que queremos ser uma voz dos alunos perante a escola, em caso de problemas, reivindicações, conferir direitos e também deveres dos alunos na escola. Para isso existe o GEMLI”.

Renan e Amanda: GEMLI de todos

Para acompanhar Durante a campanha, a Chapa Ação apresentava as seguintes ações como propostas para 2012, que precisam, agora, ser acompanhadas pelos alunos. *Manhãs e tardes culturais, sociais, esportivas e saudáveis para dinâmica entre alunos e professores *Arauto trimestral, editado pelos alunos para os alunos *Palestras e atividades sobre assuntos atuais e polêmicos de interesse geral *Dias D (Dia D “saúde” com profissionais na área da saúde), além de outras datas a serem combinadas *A Gincana será anual e por turmas, com várias atividades que contarão pontos (Bandas Cover, Tarefaço, Campanha do Agasalho, Concurso de Dança...). No final, a turma vencedora receberá um prêmio surpresa! *Dia no Good Fish ou Campo do CEAP para realização de provas da gincana, além de uma atração musical/banda para diversão de todos à noite. *Distribuição de lanches, além de programações especiais no Dia do Professor, Dia do Aluno, Semana Farroupilha, entre outras datas *Escolha pelos alunos dos professores “+ +” *Carteira Estudantil bancada pelo GEMLI *Aulas de lutas/esportes marciais com professor para despertar o interesse nos alunos *Escolha do Rei e Rainha que representarão a escola em eventos *Festa do Rei e Rainha com participação de outras escolas particulares *Mesas de pingue-pongue e pebolim reformadas e disponibilizadas para os alunos durante o turno da manhã *Cinema (realizado fora dos horários de aula, com distribuição de lanches)


| 19

Famílias mais perto da escola Uma das principais conquistas da Associação de Pais, Professores e Funcionários do CEAP, a APPA, na gestão dos últimos dois anos, concluída em abril, não foi apresentada no relatório de ações ou no financeiro e patrimonial. O maior avanço foi no campo do envolvimento de pais e mães com a causa da APPA e da escola. Historicamente instituições como esta encontram na falta de tempo e da disposição para o compromisso a maior dificuldade para implementar novas ideias e ações. Aos poucos, e com um “pouco mais do que poucos”, é verdade, essa lógica começa a mudar na comunidade escolar do CEAP. A opção por eleger uma diretoria mais enxuta para o novo mandato - a presidente Tânia Arbo Persich foi reeleita - sem departamentos específicos foi proposital. “Temos um bom grupo de pais, que queremos ver ampliado, que sempre está junto, disposto a ajudar. Eles não Nova diretoria: Tânia Persich (presidente), Guilherme Fengler, (vice), fazem parte da diretoria, mas formam uma equipe que Neusa Ott (tesoureira), Maristela Casagrande (1ª secretária) e Sirlei em vários momentos está trabalhando conosco”, enfatiza Fengler (2ª secretária) a presidente. A parceria à qual ela se refere começou com alguns pais representantes de turmas que passaram a se envolver mais com a APPA a partir de algumas reuniões, que se transformaram em encontros sociais, com jantares descontraídos em que, entre uma conversa e outra, as ideias para a escola dos filhos foram discutidas. Dar continuidade ao que vinha acontecendo até aqui - em termos de investimentos e principalmente em envolvimento das famílias - é algo que está claro para a nova diretoria da APPA. Mas alguns avanços vão ser buscados. “Não queremos pensar apenas em melhorias físicas da escola. Queremos, por exemplo, investir na formação do grupo de professores, que estão todos os dias com nossos filhos. Outra ideia é criar um movimento, como existe em outras escolas da Rede Sinodal, para Aproximação: pais e mães discutem a escola em reuniões jantares evitar o consumo de álcool por nossos jovens em festas que envolvam a comunidade escolar, como, por exemplo, formaturas. As entidades públicas estão preocupadas com isso e queremos trabalhar na conscientização das famílias nesse sentido”, adianta a presidente. As parcerias com o Grêmio Estudantil e com o Centro de Professores e Funcionários também A proposta de integração segue passando pelos eventos como a feijoada em homenagem ao Dia dos Pais e o almoço de integração das famílias do CEAPzinho estão na mira da APPA.


20 |

Uma tarde de homenagens para elas O Centro Evangélico ficou cheio de carinho na tarde do dia 5 de maio. Foi quando as mães do CEAP foram homenageadas no Chá das Mães, evento realizado pela APPA em parceria com a escola. Além de compartilharem o delicioso chá com as famílias, as mamães curtiram as apresentações musicais especiais das crianças e do Conjunto Instrumental do CEAP. O Coral Infantil participou e também um grande grupo de crianças do CEAPzinho e dos Anos Iniciais, que formaram um grande coral. Rodeadas pelo carinho dos filhos, netos, esposos... as mães aproveitaram a tarde, que teve, ainda, o sorteio de prêmios.

Conjunto Instrumental fez várias apresentações

Famílias lotaram Centro Evangélico para homenagens às mães

Coral Infantil cantou para mamães

Chá em família

Crianças formaram grande coral no chá


| 21

“Se hoje sou professor, esse vínculo veio a partir da prática esportiva no CEAP, que era muito incentivada”. O depoimento é do ex-aluno que entrou na Pré-escola no CEAP e estudou até o 3º ano do Segundo Grau, curso de Análise Química, em 1977, e que hoje é professor de Educação Física na Unijuí. “A escola abriu essa possibilidade de crescer profissionalmente pela participação nas equipes que representavam o CEAP, principalmente voleibol e basquete”, acrescenta. Não por acaso que ele lembra, com carinho, de professores como Arno e Dircema Krug, Elenor Kunz, Dante e Egon Matz. “Eles foram referência de dedicação, de competência. Referência no sentido de conhecimento e disciplina”, afirma Carlan. Dos tempos de Pré-escola o exaluno lembra dos vários piqueniques, na Linha 3. “Era uma viagem. A gente ia de ônibus. Lembro do grupo de dança com a professora Brendler. Não havia teatro na época, mas as danças gaúchas incentiva-

vam muito a gente”. Entre os colegas, ele cita Antônio da Luz, que trabalha no CEAP atualmente, Guto Mallmann, Sônia Burtet, Marinês e Ângela Sandri, irmãs da professora Vera. Paulo Carlan lembra de um episódio em 1968, quando foi instituído o AI-5, em plena ditadura militar. “Reunimos um grupo da turma do CEAP e fomos protestar em frente à prefeitura. Foi um ato dos alunos, sem articulação dos professores. Não sabíamos muito bem o que era o AI-5”, lembra, rindo, trazendo à memória, também, a disciplina rígida que havia na escola. “Não era permitido usar cabelo comprido”. Para a vida, do CEAP, levou a organização, o comprometimento, a disciplina. “Isso tudo, mais o respeito pelas pessoas, marcou minha vida e minha profissão até hoje”. Ele lembra das aulas de Física onde hoje é o miniauditorio com o professor Richard Steinke, com as meninas de um lado e os rapazes de outro. E tem saudades das práticas esportivas, dos jogos interséries, do Grêmio Estudantil, dos torneios de xadrez. “Havia concursos de poesia estimulados pelo GEMLI”, lembra.

“O CEAP me ensinou a buscar meus objetivos, através dos estudos, e também a ter consideração por outras pessoas, educação e disposição para aprender. Me deu boas amizades e me permitiu conhecer pessoas maravilhosas”. A ex-aluna concluiu o Segundo Grau no CEAP em 1998. Desde a 2ª série estudava na escola, que segundo ela, exerceu várias influências na vida. “Influenciou minha percepção de que eu gostava de escrever e sentia necessidade disso. A escolha da profissão, muito precoce - entrei na universidade com 17 anos - foi mais influenciada por conhecidos e informações que recolhi. Mas é claro que assimilamos coisas durante a infância e adolescência que ficam em nossa memória consciente ou subconsciente e muitas delas no colégio. Tudo o que vivi no CEAP se tornou uma parte do que eu sou agora”. As memórias dos tempos de escola vem fragmentadas: as provas de matemática, professores contagiantes, os recreios, as semanas da escola... “Professora Eliete Boger, sempre animada, Lula, de Matemática, que conseguia fazer da pavorosa - para mim - Matemática algo um pouco atraente, o professor Renato, de

quem digo a mesma coisa, e a professora Rosana, lá da quarta série, que era querida e atenciosa. Também a Claudinha da Educação Física, o Paris da Física, o Irineu e as ‘foinha’, as aulas de Técnias Domésticas e outros professores que foram muito marcantes. É gratificante olhar para trás e perceber que tantos professores trabalhavam com amor”. Com alguns colegas, mantém amizade até hoje, com outros o contato é distante. “Tive e tenho grandes amigos na escola: Ruth, Queila, Éder, Carolina, Joice, Letícia Bührer, Karine Grimm, Ana Brendler, Oscar...”. No recreio Leila conta que ficava na escada normalmente com amigos de outra turma. Ela confessa que depois de ter sido muito levada nas primeiras séries, passou a ser muito tímida. Uma vez ganhou um concurso de desenho na escola. Não contou pra ninguém porque não queria ser “exibida”. Chegou a fazer parte de um time de futsal feminino da escola, que ainda era um pouco raro na época e não durou muito tempo.

Paulo Carlan também foi professor no CEAP, de 1985 a 1987. Cursou Educação Física na Universidade Federal do Rio Grande do Norte e trabalhou com Basquete e Educação Física no CEAP. “A experiência foi interessante. Foi um reconhecimento, primeiro, enquanto aluno, e também profissional”. Desse período ele ressalta as amizades feitas com os alunos. E continua jogando basquete com os agoara ex-alunos daquele período. Paulo Carlan é doutor em Educação Física pela UFSC e foi orientado por um ex-professor dos tempos de 4ª série no CEAP. Atua na Unijuí e trabalha com projetos indígenas na Reserva do Guarita.

Depois da escola Leila fez graduação em Desenho Industrial - Programação Visual na UFSM, fez especialização em Expressão Gráfica na PUC/RS e mestrado em Comunicação Social na mesma instituição. Atualmente dá aulas e é escritora, tendo publicado o romance Reencontro (www.leilakruger.com.br). Escreve romances, poemas e contos e pretende seguir a carreira literária “e nunca perder a vontade de aprender e a alegria de criança ou adolescente, que um dia tivemos no colégio”.


22 |

Os velhos Boletins

Registrava faltas, notas em cada matéria, observações sobre a conduta do aluno, a situação ao final do ano, se aprovado ou reprovado. Era conhecido como boletim, caderneta escolar, ou simplesmente registro do aluno, ou mesmo certificado. O Museu Escolar do CEAP reúne vários tipos de boletins de diferentes épocas.

Esta Caderneta Escolar foi da aluna Eda Gehrke de 1956 a 1959, da 1ª à 4ª série. Mais tarde ela foi professora no CEAP.

Este certificado é quase uma relíquia. De Brunhilde Sellins, datado de 1926, do Collegio Synodal Santa Cruz (hoje Mauá).

Em 1979 o boletim tinha formato ligeiramente diferente. Este era da aluna Irma Cristina Schwartz, que cursava a 5ª série.

Caderneta Escolar que pertenceu ao aluno Ludwig Reichardt Filho, usada de 1950 a 1953.

Esta é a capa do “Registro do Alumno” Ulrich Löw - fundador do jornal Correio Serrano de Ijuí e de quem o Museu Escolar do CEAP tem bom material - quando estudou no Collegio Baptista Americano-Brasileiro em 1924.

Carlos Alfredo Porcher cursou a 2ª série do Científico do CEAP em 1957. Aqui está o boletim, onde consta, na anotação interna, como resultado final, que foi “promovido”.

Mães para sempre O mês de maio nos remete a homenagens e atividades que marcaram o Dia das Mães no CEAP em outros tempos.

Em 1983 mães de alunos participaram de uma integração na “Cova”.

Em 1984 um grupo de crianças canta em homenagem às mães em um chá promovido pelo Clube de Mães da escola.


R E

O n t

Revista Ceap - Edição 12  

Revista Ceap - Edição 12

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you