Issuu on Google+

1

Revista mensal . Ano 14 . nº 153 . Junho de 2013

“Em Cristo somos novas criaturas”

“O Coração de nosso Senhor

foi transpassado por uma lança, para que, através da ferida visível possamos ver a ferida invisível do seu amor!”

www.caminhoseguro.com www.caminhoseguro.com


2


editorial

3

Expediente Revista Jesus Caminho Seguro é uma publicação mensal da Associação Jesus Caminho Seguro. CNPJ 02.857.590/0001-07 Coordenação geral Maria Rita de Rosis Mazeu Coord. Depto. Comunicação Eliana Merchan Jornalista responsável Fernanda Luiz MTb 47.457 Revisão Maria de Lourdes Taube Conceição Diagramação Rodrigo Borba Fotos Arquivo|Divulgação|sxc.hu Publicidade Maria Rita de Rosis Mazeu (Lica) (17) 9145-0022 Joseimar Gonçalves da Cunha (Pim) (17) 9745-6877 Tiragem 2.500 exemplares Impressão Artes Gráficas Editora Circulação Bebedouro, Ibitiúva, Jaú, Matão, Monte Auto, Monte Azul Paulista, Ribeirão Preto, São Paulo, Taiaçu e Taiúva. Redação e Administração Rua São João, 722 – Centro Bebedouro – SP (17) 3344-3903 www.caminhoseguro.com contato@caminhoseguro.com Os artigos desta revista poderão ser reproduzidos, desde que se indique a fonte e envie cópia à Redação. O conteúdo dos textos assinados é de responsabilidade dos autores.

Um coração capaz de amar

O

mandamento que Jesus nos deixou de nos amar uns aos outros não é um peso. Inúmeras vezes, Jesus enfatizou que a habilidade de amar e servir cresceria na medida em que permanecêssemos em contato com o amor que Ele tem por nós. Então, o amor que podemos ter pelas outras pessoas é um sinal vital espiritual de nossa intimidade com o amor que emana do Coração Misericordioso de Jesus. Assim como os sinais vitais médicos podem dar uma visão sobre a nossa saúde física, assim também nosso desejo de amar e servir pode nos ajudar a avaliar como anda o nosso relacionamento com Jesus. Sabemos que Deus deseja que sejamos benevolentes com as pessoas, generosos com os pobres, perdoando aqueles que nos magoam. Guardamos esses mandamentos, mas temos consciência do quanto ainda estamos distantes deles. Mas Jesus não nos deu esses mandamentos para nos derrotar. Ele deseja que confiemos que podemos cumpri-los enquanto permanecermos junto dEle, mergulhados em seu amor, enraizados em seu Coração, “pois todo o que nasceu de Deus vence o mundo” (1 Jo 5,3-4). É muito comum encararmos o mandamento de amar apenas como meta muito difícil de alcançar, esquecendo-nos da promessa que Jesus fez de estar sempre conosco para nos fortalecer. Tendemos a nos focar apenas em nossas fraquezas e inabilidades em fazer aquilo que nos pediu. Tendemos a esquecer que Ele se tornou homem porque nos amava e desejava transformar o nosso coração para nos fazer semelhantes a Ele. Quando perdemos de vista as razões pelas quais Jesus veio, também perdemos de vista o amor que Ele está constantemente nos oferecendo, um amor que derreterá nossos corações e nos ensinará a amar. É claro que Jesus deseja nos ensinar seus mandamentos e nos mostrar onde falhamos. Mas deseja também nos ensinar como cooperar com sua graça para que sejamos capazes de viver de acordo com os padrões que Ele estabeleceu. Por isso, peçamos: “Jesus, fazei o nosso coração semelhante ao vosso Coração”. Maria de Lourdes Taube Conceição Equipe de Redação JCS

Nesta edição palavra do fundador - 04 cantinho de Maria - 05 sócio evangelizador - 06 a voz da igreja - 07 flashes - 08 comunidade - 10 capa - 12 promoção humana - 14 tesouros do coração - 15 livraria - 16 questões de fé - 17 reflexão bíblica - 18 espiritualidade - 19 saúde e cidadania - 20 pequeninos de Jesus - 21

Convite

o Pedro Festividades de Sã Junina sta Fe . ulo Pa o Sã e eira. gu fo à o eit com dir Dia 29 de junho, às 19h30 Capela São José, bedouro. no Residencial Be


4

palavra do fundador

Qual é o seu coração?

U

Somente quem se doa e ama demais tem o coração com cicatrizes e faltando pedaços

m jovem estava no centro da cidade, proclamando ter o coração mais belo da região. Uma multidão o cercou e todos admiraram o seu coração. Não havia marca ou qualquer outro defeito. Todos concordaram que aquele era o coração mais belo que já tinham visto. E o jovem ficou muito orgulhoso do seu coração. De repente, um velho apareceu diante da multidão e disse: - O coração do jovem não é tão bonito quanto o meu. A multidão e o jovem olharam para o coração do velho, que estava batendo com vigor, mas tinha muitas cicatrizes. Havia locais em que pedaços tinham sido removidos e outros tinham sido colocados no lugar, mas estes não encaixavam direito, causando muitas irregularidades. Em alguns pontos do coração, faltavam pedaços. O jovem olhou para o coração do velho e disse: - O senhor deve estar brincando... Compare nossos corações. O meu está perfeito, intacto, e o seu é uma mistura de cicatrizes e buracos. - Sim, disse o velho, o seu coração parece perfeito, mas eu não trocaria o meu pelo seu. Veja, cada cicatriz representa uma pessoa para a qual eu dei o meu amor. Tirei um pedaço do meu cora-

ção e dei para cada uma dessas pessoas. Muitas delas deram-me também um pedaço do próprio coração para que eu colocasse no meu, mas, como os pedaços não eram exatamente iguais, há irregularidades. Mas eu as estimo, porque me fazem lembrar o amor que compartilhamos. Algumas vezes, dei pedaços do meu coração a quem não me retribuiu. Por isso, há buracos. Eles doem. Ficam abertos, lembrando-me do amor que senti por essas pessoas... Um dia espero que elas retribuam, preenchendo esse vazio. - E aí, jovem, agora você entende o que é a verdadeira beleza? O jovem ficou calado e lágrimas escorriam pelo seu rosto. Ele aproximou-se do velho, tirou um pedaço do seu perfeito e jovem coração e ofereceu ao velho, que retribuiu o gesto. O jovem olhou para o seu coração, não mais perfeito como antes, porém mais belo do que nunca. Os dois se abraçaram e saíram caminhando lado a lado. E o seu coração, com qual dos dois se parece? Pedro Bution Comunidade Jesus Caminho Seguro

Móveis e eletros, roupas, sapatos e acessórios para você e toda a família a preços . Para o frio: jaquetas, camisas, moletons, abrigos para o papai, a mamãe e o filhinho. Vários acessórios: colares, brincos, óculos, pulseiras e anéis. Aceitamos e também buscamos as doações!

Rua São João, 849 – Telefone 3044-1432. - Atendimento: de segundas a sexta, das 9h às 12h e das 13h às 18h

Armazém da Moda Sofisticada ou casual Seu estilo é aqui

Rua Dr. Bahia, 1757 Jd. Casagrande Bebedouro 17 3342 6031


cantinho de Maria

A

Maria nos apresenta Jesus, o Perpétuo Socorro da Humanidade

devoção a Maria não é um simples ornamento do catolicismo, mas é parte integrante da religião. O ser humano, em todas as idades, em qualquer situação que lhe traga medo, angústia ou desespero, quer seja por necessidade física, emocional ou material, ele grita por socorro. E Deus, que nos conhece muito bem, sabendo que estamos sempre precisando de socorro, além de ter realizado toda a criação, quis vir até nós, dando-nos um “pronto socorro” perpétuo: Maria, a Mãe de Jesus, aquela que nos socorre em qualquer situação, em qualquer momento ou lugar. No Perpétuo Socorro de Maria encontramos remédio para nossas feridas e alento para nossas dores. A devoção a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro é universal, pois ela é conhecida e venerada em todos os continentes do mundo, nos quais se realiza a famosa novena perpétua em sua honra. O famoso e conhecido quadro de Nossa Senhora do Perpetuo Socorro foi pintado em estilo bizantino e apresenta Nossa Senhora, a Mãe de Deus, a Senhora das Dores, que socorre seu Filho ainda menino, assustado diante da visão de São Miguel Arcanjo, à esquerda, com o vaso de vinagre, e, à direita, São Gabriel Arcanjo com a cruz. A criança divina, assustada diante

desses instrumentos de sua Paixão, se refugia nos braços da Mãe, segurando fortemente seu polegar direito com as duas mãozinhas pequenas. Ele deve ter se movimentado nos braços da Mãe e, involuntariamente, soltou-se de seu pé a sandália, que ficou dependurada. O rosto de Nossa Senhora é sério, triste e resignado, olhando em nossa direção, mostrando-nos seu pequenino e amoroso Filho, e, ao redor, os instrumentos de sua abominável flagelação e crucificação, suscitando em nós a piedade e a devoção e nos convidando a lembrar sempre os motivos do sofrimento e das dores de Jesus para redimir a humanidade de todas as gerações. Esse quadro de origem desconhecida, segundo uma antiga tradição, teria sido pintado por São Lucas. Sabe-se, com certeza, que desde 1499 ele é venerado em Roma. Em 1866, o Papa Pio IX o entregou aos Padres Redentoristas para que divulgassem essa devoção, o que eles fazem até hoje. Maria é a Senhora que nos apresenta Jesus como nosso Perpétuo Socorro. Todos nós precisamos tê-la como nossa Mãe. Aos pés da Cruz, Jesus a entregou a João, o discípulo amado, que representa toda a humanidade – cada um de nós, amados de Jesus: “Mulher, eis aí teu filho. Filho, eis aí tua mãe” (Jo 19,26). E o Evangelho diz que desta

hora em diante ele a levou para sua casa. Também nós precisamos levar Maria para nossos lares, para nossas famílias; precisamos trazer para junto de nós a Mãe de Jesus, a Senhora do Perpétuo Socorro. Se o seu coração anda agitado e impaciente por causa de alguma situação, grite por socorro e a Mãe lhe mostrará o Perpétuo Socorro que é Jesus. Cida Rodrigues Comunidade Jesus Caminho Seguro

5


6

sócio evangelizador

Capela Nossa Senhora das Graças Missas:

Às quartas-feiras: 18h Às sextas-feiras: 7h Aos sábados: 8h

Terço da Misericórdia De segunda a sábado: 15h

Grupo de Oração:

Às segundas-feiras: 20h

Adoração ao Santíssimo

Às quartas-feiras: das 8h às 17h30

Terço dos Homens Às quartas-feiras: 20h

Noite de Espiritualidade

3ª quinta-feira do mês: das 19h30 às 21h “Ó Maria, cheia de graça, das vossas mãos voltadas para o mundo, as graças chovem sobre nós”.

Rua São João, 726 – Centro - Bebedouro


a voz da igreja

7

A 51ª Assembleia Geral dos Bispos da CNBB

E

1ª parte

ntre os dias 10 a 19 de abril passado, reuniram-se em Aparecida, junto ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, os mais de duzentos Arcebispos e Bispos das Arquidioceses e Dioceses brasileiras para a 51ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil. A Assembleia Geral dos Bispos é sempre uma manifestação da vitalidade da Igreja. Nela, as Igrejas Particulares, através dos seus legítimos pastores, manifestam suas esperanças, alegrias e, ao mesmo tempo, seus problemas e desafios. Neste ano, o tema principal “Comunidade de comunidades: uma nova paróquia”. Após um painel em que foi apresentada a Reflexão Pastoral e Análise da Situação Religiosa no Brasil (Censo 2010), foi abordado o Tema Central do encontro, permitindo aos Bispos debatê-lo em grupos, apresentando depois as sugestões para acréscimos e correções do texto. Tendo sido incorporadas as sugestões ao texto, ele foi aprovado pelos Bispos para ser publicado nos “cadernos verdes” da CNBB, a fim de ser enriquecido com sugestões das Igrejas Particulares e Organismos da Igreja do Brasil, permitindo que em 2014 venha a ser aprovado como Documento da CNBB e, assim, aconteça a esperada renovação das paróquias, como é preconizada pelo

Documento de Aparecida: “A renovação das paróquias no início do terceiro milênio exige a reformulação de suas estruturas, para que seja uma rede de comunidades e grupos capaz de se articular, conseguindo que seus membros se sintam realmente discípulos e missionários de Jesus Cristo em comunhão” (n. 172). Em seguida, foi apresentado à Assembleia o “Diretório para a Comunicação da Igreja no Brasil” que, depois de apreciado, recebeu dos Bispos sugestões para uma futura publicação. Por decisão dos Bispos, caberá ao Conselho de Pastoral da CNBB (CONSEP) fazer a aprovação do texto, após serem incorporadas as sugestões apresentadas pelo episcopado durante a 51ª Assembléia. Foi também submetido à discussão e aprovação dos Bispos o projeto de documento sobre a Questão Agrária no Brasil, cuja aprovação ficou adiada para a próxima Assembleia de 2014, uma vez que o texto deverá ser reelaborado a partir das emendas e propostas sugeridas pela maioria do episcopado. 2ª parte, na edição de julho Dom Milton Kenan Júnior Bispo Auxiliar de S. Paulo


8

flashes

Os eventos do mês de maio em Bebedouro e região Pascom realiza Semana da Comunicação

Em virtude do 47º Dia Mundial das Comunicações Sociais (12/05), a Pascom (Pastoral da Comunicação) da Diocese e da Paróquia Santo Inácio de Loyola, este ano com o tema “Redes Sociais: portais de verdade e de fé, novos espaços de evangelização”, promoveram, de 05 a 12 de maio, a Semana da Comunicação, envolvendo o Imesb e várias paróquias locais. Na noite de domingo (05/05), a programação foi aberta com missa na Paróquia São João Batista, celebrada por Pe. Leandro Nascimento, de Jaboticabal, que é Assessor Diocesano da Pascom. Ele ressaltou a necessidade da interação entre a Igreja e os meios de comunicação. A coordenadora da Pascom, Ana Paula Lopes da Silva, afirmou que verdade e fé precisam caminhar em sintonia no contexto evangelização e comunicação. Na noite de quarta-feira (8/5), o professor jornalista Ângelo Sastre discorreu sobre a metodologia da internet como ferramenta de evangelização, desenvolvimento social e cultural dentro das organizações de diversos segmentos. No dia 10, Eliana Merchan, membro da Caminho Seguro, representando a Comunidade, participou, na Paróquia São Galvão, da Mesa Redonda: A Evangelização através das ondas do Rádio, com Paulo Barbosa e Elton, ambos locutores da Rádio Comunitária de Viradouro. A Semana foi encerrada com Celebração Eucarística na Paróquia Santo Inácio, no domingo, dia 12. Guilherme Boscolo da Silva Jornalista


flashes

Curso Bíblico

Teve início no dia 06 de maio o Curso Bíblico ministrado por Monsenhor José Figuls referente ao Itinerário do cristão. O curso tem continuidade neste mês de junho, sempre às segundas-feiras, às 20h, no Salão Paroquial da Paróquia São João Batista. Quem desejar participar, ainda dá tempo, é só ir até o local nos dias e horários citados acima. Não há necessidade de inscrição.

Bebedouro “129 Anos”

Em comemoração ao aniversário da nossa Cidade Coração, celebrado no dia 03 de maio, a prefeitura preparou um mês inteiro de festividades. Na foto, o bolo dos 129 anos, cortado a quatro mãos: a primeira dama, Aline Galvão; prefeito Fernando Galvão; vice-prefeito Rômulo Cameline e a segunda dama, Luciane Cameline.

Mudanças nas paróquias locais

Depois de 11 anos à frente da Paróquia São Judas Tadeu, em maio, Pe. Expedito Ratton da Silveira se despediu dos paroquianos. Durante os próximos dois anos, Pe. Expedito estará em São Paulo, para terminar seus estudos em sociologia. Tomou posse da Paróquia São Judas Tadeu Pe. Emerson Pretus, que estava há mais de dois anos como vigário da Paróquia São João Batista. Também em maio, Pe. Rosinei Erasmo celebrou sua última missa como vigário da Paróquia N. Sra. Aparecida, onde ficou por um ano e meio. Pe. Nei agora está à frente da Paróquia N. Sra. Aparecida, em Terra Roxa.

Pe. Emerson Pretus

Pe. Expedito Ratton da Silveira

Pe. Rosinei Erasmo

9

Convite Festejando José de Anchieta, o patrono da educação, convidamos para a missa dominical e bênção com a relíquia do beato.

Dia 09 de junho, às 8h - Capela São José, no Residencial Bebedouro.


10

comunidade

Nossas ações, missões e formações São José Operário – No dia 1º de maio, na Capela São José, Pe. Pedro Paulo Scanavinno celebrou missa em honra a São José Operário, o protetor dos trabalhadores, abençoando, no final, as carteiras de trabalho. Após a missa, uma mini quermesse no barracão aos fundos da Capela.

Formação

– A partir de maio, até o final do ano, os membros da Jesus Caminho Seguro estarão participando de cursos ministrados por Frei Valmir Ramos, da Paróquia Sagrado Coração de Jesus (curso bíblico), e Pe. Sebastião Ricardo Vicente, de Monte Azul (formação humana e espiritual), em encontros mensais.

Pe. Sebastião Ricardo Vicente

Frei Valmir Ramos

Especialmente às mães – Dia 11 de maio, Pe. Sergio Bedin, de Pitangueiras (que também é cantor e escritor), celebrou missa em homenagem às mães, na Capela Nossa Sra. das Graças. Elas ficaram maravilhadas com o carisma e a voz de Pe. Sergio, que cantou em vários momentos da celebração. Após, foi oferecido às mães um delicioso café da manhã e Pe. Sérgio autografou seu novo livro: “Conversando com Maria”.


comunidade

11

Bazar “Minha mãe é um doce” – Promovido de 08 Às mães do Residencial Bebedouro a 10 de maio pela Galeria CPerrone, com a presença de várias lojas, artesãos e também da Comunidade Jesus Caminho Seguro – que expôs seu delicioso Bazar de Comestíveis.

Missão – A Comunidade Jesus Caminho Seguro, no dia 10 de

maio, ministrou palestra sobre Pentecostes aos ministros da Paróquia São Galvão.

– No Dia das Mães, após missa celebrada por Pe. Expedito, na Capela São José, as mães foram homenageadas com um delicioso café da manhã.

Presente para as mães – As crianças da Escolinha de

Futebol presentearam suas mães com um mimo personalizado, preparado com muito carinho pela coordenação da Escolinha: em cada caderninho de anotações, a foto de uma criança.


12

capa

São Francisco eo Sagrado Coração de Jesus

A

Ordem Franciscana contribuiu muito para a preparação e propagação do culto ao Sagrado Coração de Jesus. Foram dois fatores principais desta contribuição: primeiro, a espiritualidade e devoção de São Francisco à humanidade de Cristo, particularmente aos mistérios da Paixão; depois, a renovação desses mistérios na própria vida de São Francisco, que foi estigmatizado como o Crucificado. Pode-se dizer que a devoção explícita ao Sagrado Coração de Jesus nasceu no ambiente de espiritualidade Cristocêntrica (Cristo no centro de tudo) das ordens beneditina e franciscana. O franciscano São Boaventura Bagnoreggio, considerado um dos primeiros devotos do Sagrado Coração de Jesus, afirma que o único caminho para o Pai é um grande amor ao Senhor Crucificado (“Itinerarium Mentis in Deum” – Itinerário da Mente em Deus). Esse amor deve levar a uma verdadeira comunhão de corações, com Cristo e com os irmãos. Em seu livro “Vitis Mystica” (Videira Mística), encontramos um primeiro aceno explícito à devoção ao Coração de Jesus: “O Coração de nosso Senhor foi transpassado por uma lança para que, através da ferida visível, possamos ver a ferida invisível do seu amor”.

São Boaventura afirmou que o objeto dessa devoção é o infinito amor, a infinita ternura do Coração de Cristo e que o Coração de Jesus é o símbolo de seu grande amor pela humanidade. É um amor pleno, total e permanentemente novo. Disse que o nosso amor por Cristo também precisa ser assim, porque a finalidade da devoção ao Coração de Cristo é exatamente a resposta de amor a esse amor do Senhor. Os franciscanos logo fizeram do Coração de Cristo objeto de meditação e pregação, de estudo e ilustração ascético-doutrinal, de invocação e culto, chegando a ver no Coração de Cristo a síntese e a verdadeira meta de toda a sua espiritualidade ligada ao divino Redentor. Os franciscanos já celebravam internamente na Ordem a devoção ao Sagrado Coração e, em 1856, o Papa Pio IX prescreveu essa festa para toda a Igreja. Hoje, a espiritualidade do Sagrado Coração de Jesus nos faz pensar numa maneira de ser, num estilo de vida que expresse o amor de Deus, a ternura e a misericórdia dEle para com cada filho e filha.

Oração “Achei o Coração do meu Senhor, do meu irmão, do meu amigo, o Coração do meu dulcíssimo Jesus. E não hei de adorá-lo? Sim! E a Ele hei de endereçar minhas súplicas... E assim como eu achei o Vosso Coração, ó Jesus amável, que é também o meu, assim também Vos suplicarei, ó meu Deus, aceitai, ó meu Senhor, as minhas orações neste santuário de Vossa liberalidade. Melhor ainda, dignai-Vos fazer-me entrar neste Vosso Coração!” (S. Boaventura) Consagração ao Coração de Jesus Coração de Jesus, eu confio em Vós, mas aumentai a minha fé! Vós dissestes: “Pedi e recebereis”. Confiando em vossa promessa, venho pedir vossa ajuda. Vós estais mais interessado na nossa felicidade que nós mesmos, por isso, ponho em Vosso Coração os meus pedidos, as minhas preocupações, os meus sofrimentos e as minhas esperanças. Coração de Jesus, eu confio em Vós, mas aumentai a minha confiança! Jesus, manso e humilde de coração, fazei o meu coração semelhante ao Vosso. Amém!


capa

(pintura de Murilo) Esta representação característica de São Francisco, abraçado pelo crucificado e querendo beijar-lhe a chaga do lado, suscitou a passagem, fácil e natural, ao próprio Coração de Cristo, em si mesmo e como símbolo do amor e fonte de toda a graça.

Visão do Sagrado Coração de Jesus de São Boaventura de Bagnoreggio: “Doce Coração de Jesus, faz com que eu te ame sempre mais!”

13

Visão de Santa Margarida Maria Alacoque, em 04 de outubro de 1686, quando lhe apareceu nosso Senhor Jesus Cristo e lhe mostrou São Francisco: “Eis o Santo mais unido ao meu Coração; toma-o como o teu guia!”.

Imaculado Coração de Maria A comemoração do Sagrado Coração de Jesus faz referência sempre à Santíssima Trindade e ao Mistério da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor. O Sagrado Coração faz reviver a Encarnação de Jesus e, consequentemente, louvar a Virgem Maria como “Advogada nossa”. Ela foi escolhida para ser a Mãe do Salvador e colocou-se nas mãos de Deus: “Eis aqui a serva do Senhor” (Lc 1,38). Por isso, mereceu a honra de ser dada como “Mãe da Humanidade”. Em seu Imaculado Coração só cabe o amor ao Criador, a seu Filho Jesus e a

toda a humanidade. Reconhecendo o grande amor de Deus por seus filhos e filhas, a Igreja celebra estas festas religiosas, partindo desde Pentecostes, passando pelos mistérios da Santíssima Trindade, do Corpo e Sangue do Senhor e, finalmente, do Sacratíssimo Coração de Jesus e do Imaculado Coração de Sua Mãe. Frei Valmir Pároco da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus


14

promoção humana

Cobrança Ilegal de TAC e TEC Tais cobranças são abusivas, tendo as financeiras o dever de restituir aos consumidores que passarem por tal situação. A página vai continuar arejada, mas sem sobras de espaços

N

os contratos firmados com as financeiras é comum nas letras “miúdas”, muitas vezes, estarem embutidas cobranças indevidas como a TAC (Taxa de Abertura de Crédito) e TEC (Taxa de Emissão de Carnê). Estas siglas acabam trazendo ao consumidor certa confusão ou até desconhecimento, já que pela euforia da comprar sequer reparamos nestas perigosas letras. A legislação já definiu que as tais taxas são ilegais e o Banco Central do Brasil, por sua vez, proibiu expressamente suas cobranças pela prestação de serviços, por parte das instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar. É explícito que tais cobranças são abusivas, tendo as financeiras o dever de restituir aos consumidores que passaram por tal situação o valor pago indevidamente, em dobro, pela razão do “defeito do serviço”, que se diga desde já, maculado pela má-fé. O abuso não deve ser tolerado pelo Poder Judiciário, pois a empresas sabem da ilegalidade de se imputar tais cobranças ao autor, e, mesmo assim, aplicam estas taxas em contratos, impossibilitando aos mesmos a oportunidade de discutir a elaboração das cláusulas, restando-lhe, apenas, aderi-la nos tão conhecidos contratos de adesão.

Nesse sentido, o Código de Defesa do Consumidor, no artigo 42, parágrafo único, traz: “Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto ao ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça. Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável”. Posto isso, é nula a cobrança da TAC e da TEC, por não ter amparo legal, devendo as financeiras restituir o dobro, com correção monetária e juros de mora de 1% (um por cento) ao mês, a partir da citação, os valores pagos indevidamente, podendo ainda incidir danos morais, se for o caso. Fique atento! Você, consumidor, tem direitos! Não se deixe enganar! Felipe Rodrigues Frigeri, UNIFAFIBE O DIREITO AO ALCANCE DE TODOS 5ª Coletânea de Ensaios dos Acadêmicos e Professores do Curso de Direito

Rua Vicente Paschoal, 884 - centro - 17 3044 3062 - Bebedouro S.P


tesouros do coração

15

Doação de frutas Supermercado Iquegami Ilusão e Realidade

N

em sempre cuidamos ou colhemos os frutos da semente que plantamos. Colhemos frutos de cuja semente não plantamos, e plantamos semente da qual outros irão colher os frutos. Quantas vezes achamos que a nossa realização e o nosso sucesso no trabalho se devem apenas à ‘nossa’ capacidade pessoal e fruto de ‘nossa’ iniciativa?! - Será que uma frondosa árvore existiria se não houvesse raiz viva e fecunda para sustentá-la? Diz São Paulo aos Coríntios: “Eu plantei, Apolo regou, mas Deus é quem fez crescer” (1 Cor 3,6). Se houve conversão e mudança de vida, de quem é o mérito e a autoria? Semear e regar é preciso, mas fazer produzir fruto cabe a Deus. Seja qual for a sua função, cada qual receberá o salário correspondente ao seu trabalho (cf. 1 Cor 3,8). - Por que e para que frustrar-nos, querendo colher o resultado da semente que plantamos? - Por que nos orgulhar e envaidecer pelo êxito de nosso trabalho e atividade pessoais?

RODRISON

- Será que teríamos esse resultado se não houvesse alguém antes de nós para preparar o caminho, enriquecido com a graça divina? Quando Jesus ressuscitado envia seus discípulos para evangelizar, Ele lhes diz com clareza: “Ide pelo mundo inteiro e ‘anunciai’ a Boa Nova a toda criatura” (Mc 16,15). Portanto, não pede que vão e ‘convertam’, mas simplesmente que vão e ‘anunciem’, como ‘testemunhas’, em Jerusalém, por toda a Judéia e Samaria e até os confins da terrra (cf. At 1,8). Concluímos daí que a nossa responsabilidade se resume em ‘semear’, com palavras e, principalmente, pelo testemunho de vida, porque cabe ao Espírito Santo ‘converter os corações’ e modificar nossa vida. Assim como você é incapaz de realizar o papel de Deus, tampouco Deus irá suprir o que corresponde a você fazer! Cônego Pedro Paulo Scannavino Paróquia São João Batista

“A solidariedade é o sentimento que melhor expressa o respeito pela dignidade humana” (Franz Kafka) A Comunidade Jesus Caminho Seguro agradece a parceria, o apoio e a solidariedade do Supermercado Iquegami, que mensalmente doa grande quantidade de frutas para os alunos da Escolinha de Futebol, do projeto Novos Caminhos, melhorando a qualidade de vida dessas crianças e adolescentes.


16

livraria

Lançamentos: livros e cds católicos

Promoção

23 a 28 de julho

Quadros de vários tamanhos, imagens e estampas

Tel: 3344-3902


questões de fé

Q

17

Mitos e verdades sobre os Santos Juninos

ual a pessoa com mais de 40 que não cantou a divertida marchinha junina: “Com a filha de João, Antonio ia se casar, mas Pedro fugiu com a noiva, na hora de ir pro altar...”? Os mais jovens não devem conhecer, mas no Nordeste, onde se mantém o folclore, essa música ainda é muito divulgada. Nunca existiu maldade ou desrespeito nessas brincadeiras, pelo contrário, o mês de junho sempre encantou justamente pela alegria e inocência na forma de comemorar e lembrar nossos santos ao redor da fogueira. Só devemos, é claro, separar as tradições e mitos do verdadeiro significado da festa cristã, da reverência que se deve aos santos que testemunharam e dignificaram o nome de Jesus Cristo. Comum é a associação de seus nomes com certas lendas. - Santo Antônio é sempre lembrado como o santo das causas difíceis; invocado para localizar objetos perdidos ou para se encontrar um bom casamento. Brincadeiras à parte, passemos ao resumo de suas incontáveis virtudes: renunciou, quando jovem, à herança paterna e a títulos de nobreza para se consagrar a Deus, ingressando na comunidade dos Agostinianos. Por sua forte identificação com os pobres, passou depois para a ordem Franciscana, quando mudou seu nome de Fernando para Antonio, como nova criatura. Com apenas 26 anos, foi eleito provincial franciscano. Depois se entregou à evangeliza-

ção, revelando-se um exímio pregador do Evangelho. Sua atuação como sacerdote, amigo da pobreza, missionário e doutor da Igreja identificam-no como um dos mais fiéis imitadores de Cristo. - Das lendas de São João, a mais conhecida é a de que, caminhando descalço sobre brasas esparramadas à meia noite, de 23 para 24 de junho, todo homem de fé não se queimará. Tradição bem conhecida de todos e que tem também sua explicação científica. Ligada ainda a ele é a lenda que Santa Isabel teria acendido uma fogueira para avisar Maria do nascimento de seu filho. O folclore popular, na verdade, pouco combina com a vida gloriosa do Precursor João Batista. Elo entre a Antiga e Nova Aliança, foi um pregador inflamado de conversão e sacrificou a vida pelo Reino, através de sua fidelidade e denúncia dos poderosos. Colocando-se sempre como instrumento humilde e vivendo as privações do deserto, foi reconhecido por Jesus como “o maior entre os nascidos de mulher” (Mt 11,11). - São Pedro é sempre lembrado quado se trata da falta ou excesso de chuvas, numa associação de seu poder, como detentor das chaves do Reino, com o domínio sobre as precipitações. Na verdade, as chaves do Reino representam o domínio, a liderança que o rebanho precisava quando Jesus partisse. E Pedro assumiu seu papel com a impetuosidade do legítimo chefe da Igre-

ja, convertendo, em inflamado discurso, cerca de três mil pessoas. Ele intercedeu por milagres, testemunhou sem receios, enfrentou prisões e difundiu o Evangelho com risco da própria vida. Chegou ao ponto máximo de considerar como honra ser também crucificado, ele, o primeiro papa, cujo sangue se transformou em semente da nossa Igreja.

Paulo Francisco Tellaroli Comunidade Jesus Caminho Seguro

Capela São José, uro no Residencial Bebedo nho, as, missa todas as quintas-feir do às 19h30, com a participação A partir do dia 06 de ju

Apostolado da Oração.

s aos E como de costuma, missa domingos, às 8h.


18

reflexão bíblica

O homem no contexto da Criação de Deus

A

nalisemos o homem! Ele não é nada, é apenas pó! Vem o vento e o leva embora. Não tem poder para acrescentar um só dia à sua vida. O homem está nas mãos de Deus, é obra dEle e pertence a Ele. Gênesis nos relata que o homem tem dentro de si um sopro de vida. A vida do homem é um hálito de Deus. Ele o fez do barro e soprou a vida em suas narinas (cf. Gn 2,7). E sabemos que o homem não nasceu para viver só. De todos os animais, não havia sequer um que fosse capaz de preencher o vazio de seu coração. Nada na natureza podia complementá-lo. Ele somente se torna pleno com o surgimento da mulher. Mesmo o homem que não se casa tem uma relação profunda de comunicação com a mulher, seja na figura da mãe, da irmã, da professora ou das mulheres de seu local de trabalho. Até mesmo o padre precisa das paroquianas. As mulheres são a “tampa da panela”, o “ponto certo do doce”, “a nota que faltava na melodia”. O que seria do homem se não existisse a mulher? E dizemos isso, considerando a abrangência de todas as dimensões de sua vida, valorizando a presença da mulher como mãe, irmã, amiga, professora ou companheira de trabalho. Talvez possamos entender o sono profundo de Adão (cf. Gn 2,21). Sono que significa busca, anseio, procura, necessidade de encontrar. E é da busca do homem que surge a mulher. Dessa criação nasce também a necessidade

de complementaridade entre os dois. Assim podemos entender a expressão: “Deus fez para o homem uma mulher que lhe fosse adequada” (cf. Gn 2,18). O Livro do Gênesis também fala sobre a árvore proibida (cf. Gn 2,16-17). Essa árvore é o nosso limite. Comer de seu fruto significa não aceitar nossa condição, querer ser como Deus, não respeitando nossos limites: “Eu me basto!” “Eu me garanto!” “Para que preciso de Deus?”. A árvore da vida, ao contrário, é a confiança absoluta em Deus, é a dependência dEle, é fazer a sua vontade em tudo e em todas as situações (cf. Gn 2,9). Meditando sobre a nossa vida, percebemos que somos o Adão e a Eva, e que Gênesis é o relato da nossa própria existência. Foi justamente isso que o povo judeu descobriu após profunda reflexão sobre suas experiências de dor e sofrimento. Toda história de amor entre Deus e esse povo, todas as negações e as consequências da desobediência fizeram surgir o Livro do Gênesis. Hoje, homem e mulher são chamados a constituir uma família e, conhecendo o plano divino, viver na liberdade de filhos de Deus. Todos nós devemos fazer a opção pelo reino, dando testemunho, mesmo que para isso tenhamos que viver cada dia lutando contra as adversidades e as tentações da “serpente”, que nos quer levar para o caminho mais fácil e curto. João Merchan Comunidade Jesus Caminho Seguro


espiritualidade

G

19

Complementaridade nas diferenças

ostaria de evidenciar algumas diferenças significativas da personalidade, criação, vocação e estilo dos Apóstolos Pedro e Paulo. Muitos artistas os pintaram abraçados, representando os dois pilares da Igreja. Mas por que será que Jesus escolheu pessoas tão diferentes para compor o quadro dos primeiros cristãos responsáveis pela difusão do reino de Deus nesta terra? O que exatamente Jesus quis nos ensinar com isso? Pedro:– homem previsível, rústico, simples, sem estudos, impulsivo, voz altiva, muitos amigos, muito família, conservador, legalista, centralizador, fácil de ser induzido, zeloso, perfeccionista, organizado, minucioso, institucionalista, sem muita percepção das coisas, discernimento limitado, cedia sob pressão, preservava os valores a todo custo. Durante toda sua vida, teve que passar da “cana que balança com o vento pra lá e para cá”, para tornar-se “pedra fixada em um só lugar”. Talvez por isso, sentia medo do novo, medo de ficar solto, balançando com o vento como antes. Deu a vida pelo Mestre! Morreu crucificado. Não se achando digno de morrer como Jesus – prova do reconhecimento de seus pecados passados –, pediu para ser crucificado de cabeça para baixo. A maior qualidade de Pedro era a disponibilidade em mudar. Aceitava as duras correções de Jesus, por isso viveu uma história de superação totalmente dependente de

Deus. Coisa difícil para um líder hoje em dia, que acha que já está pronto. Paulo:– ousado, livre, cheio de ideais, inteligente, estudioso, coração aventureiro, teimoso, tinha dificuldade em controlar o gênio, missionário, celibatário, espiritualista, prático, didático, sabia corrigir com sabedoria, grande formador de comunidades e de líderes, discernimento rápido, falava com eloquência, não tinha medo do novo, nem de confessar suas fraquezas, nem de se posicionar diante das autoridades, não ligava de sofrer pelo Evangelho. Convicto, ninguém fazia sua cabeça, gênio forte, sem papas na língua, consciente de suas limitações. As dificuldades e desafios o tornaram mais corajoso para a luta. Enfrentou o judaísmo e o paganismo para implantar o cristianismo. Por suas convicções pautadas no Evangelho, chegou a brigar com muitos, inclusive com Pedro. Paulo era desbravador de terras longínquas, de fácil relacionamento com todos, mas homem que fez muitos inimigos, a ponto de alguns jurarem não comer mais até que Paulo fosse preso e morto. Sozinho na prisão, não parava de evangelizar. Mandava cartas e acompanhava as comunidades que formou. Morreu degolado, ciente do dever cumprido. Disse: “Combati o bom combate e guardei a fé”. Se em suas diferenças podemos encontrar a complementaridade, então a Igreja só ganhou com isso.

Mas será que a convivência foi fácil para os dois? Talvez fosse por causa dos gênios opostos que um viajava tanto e o outro só ficava em Jerusalém. Se ficassem muito perto, o choque de relacionamento poderia afetar o plano de Deus na missão a eles confiada. Mas ser diferente não significa não amar. Os conflitos entre os dois sempre aconteceram pelo Reino, para o bem da Igreja. Nunca discutiam por causa de cargos, posição ou interesses pessoais. Quer sejamos como Paulo ou como Pedro, devemos conviver fraternalmente em vista da obra a nós confiada.

Eliana Merchan Comunidade Jesus Caminho Seguro


20

saúde e cidadania

A saúde é direito de todos e dever do Estado

O

artigo 196 da Constituição Federal (1988) estabelece que “a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”. Podemos relacionar como atribuições do Estado: as campanhas de educação e prevenção, os hospitais, as campanhas de vacinação, a distribuição de medicamentos, entre outras atividades. A política de medicamentos no Brasil tenta conciliar o atendimento de doenças que se transformam em um problema de saúde pública, doenças crônicas ou graves que requerem tratamento de longo prazo ou até permanente, muitas vezes de custo elevado, e doenças cujo medicamento indicado ainda nem está disponível no mercado brasileiro. Entretanto, harmonizar essas diferentes necessidades é uma árdua tarefa. Esclerose múltipla, neoplasia maligna, alienação mental, mal de Parkinson, AIDS, diabetes, hipertensão, disfunções renais e paralisia irreversível são algumas

das doenças que devem ter medicamentos fornecidos pelo Estado. A falta dos remédios afeta a qualidade de vida de uma pessoa já debilitada e pode levar ao agravamento do quadro clínico. Quando se chega a um impasse na obtenção do tratamento é indicado recorrer rapidamente à Justiça, antes que seja tarde. Lembre-se: Saúde é um direito do cidadão e um dever do Estado. Portanto, pacientes que não têm condições de comprar devem recorrer à Justiça para a obtenção dos medicamentos que não são encontrados no SUS. Como recorrer à Justiça Em Bebedouro, procure o Juizado Especial Cível, Criminal e de Fazenda Pública, localizado na Unifafibe. Na área cível, o juizado monta o processo, sem a presença de advogado, e o serviço é gratuito. Mas, se a renda da pessoa interessada for superior a 20 salários mínimos, ela não tem o direito de usar o poder público. Para tentar obter o medicamento, o paciente, com a receita em mãos, deve primeiramente recorrer ao SUS, para tentar obter o medicamento. Se o medicamento não for encontrado, munido dos documentos necessários

(dentre eles, holerite ou comprovante de renda), o paciente deve comparecer ao Juizado Especial Cível para pedir uma ação de obrigação de fazer, com pedido de tutela antecipada. No Juizado, ele recebe a informação de que o processo é encaminhado e o pedido de tutela é apreciado pelo juiz que, se tiver os requisitos necessários para deferimento, antecipa os efeitos da tutela e o paciente pode ter acesso aos medicamentos antes que seja dada a sentença. Também de acordo com o Juizado, o valor máximo do medicamento – já considerando a quantidade ideal para o tratamento – é de até sessenta salários mínimos. Não foi estipulado um valor mínimo para que o paciente recorra à justiça, basta ele não poder pagar pelo remédio. Fonte: http://www2.uol.com.br/vyaestelar/remedios_sus.htm Por Fernanda Luiz

Informações sobre este tema e mais serviços do Juizado Especial Cível, ligue na Unifafibe – 3344-7100.


pequeninos de Jesus

21

Olá, pequeninos! Mais um dia de vida e mais uma oportunidade de agradecer ao nosso Deus pelo dom da vida e pelas bênçãos que Ele nos dá. Agradecer ao nosso Deus, também, por dar coragem às pessoas que lutam para que tenhamos um mundo melhor, com mais justiça, com melhores condições de vida e um ambiente bonito e agradável para viver. Pequeninos, vocês sabem muito bem que a limpeza é importantíssima para termos um ambiente bom para viver. E vocês também podem colaborar, criando brinquedos divertidos e legais com material reciclável. Desta forma, vocês estarão colaborando com o meio ambiente e transformando o lixo em “luxo”.

Atividade: Jogo da velha com materiais recicláveis

Materiais: EVA, papelão (pode ser o fundo de uma caixa de sapato ou até uma das laterais da caixa de leite), tinta guache, nove tampinhas de garrafa, estilete e canetinha preta. Com a tinta guache, pinte o papelão. Com o EVA, faça os quadradinhos do jogo e pontilhe com a canetinha, separando os quadradinhos um do outro. Decore as tampinhas com o EVA. Use a sua criatividade para desenhar as carinhas das tampinhas. Como jogar - Cada jogador (um de cada vez) coloca uma peça em um quadradinho. Para vencer, é necessário colocar três peças seguidas e impedir que o outro jogador consiga pôr três peças seguidas, antes que você. Ganha quem fizer primeiro uma fileira completa. Vale em todas as direções, desde que a fileira não faça esquina.

Mês de Junho licenciamento de veículos placa final 3


22


23


24


Revista Caminho Seguro - junho 2013