Page 80

01

Debaixo dos nossos pés O chão que lisboa pisa e o chão que Olisipo pisou: a propósito dos pavimentos do teatro romano de Lisboa por Lídia Fernandes

Debaixo dos nossos pés. O chão que lisboa pisa e o chão que Olisipo pisou: a propósito dos pavimentos do teatro romano de Lisboa

[80]

Debaixo dos nossos pés – Pavimentos históricos de Lisboa é o título da exposição que terá lugar em março de 2017 no Museu de Lisboa - Torreão Poente, na Praça do Comércio. Com esta exposição pretende-se apresentar, de forma diacrónica, os múltiplos modos de pavimentar o chão da cidade de Lisboa. A exposição recua temporalmente até ao momento em que o homem, pela primeira vez, encontra soluções para revestir os caminhos que pretendeu percorrer. Hoje mal damos pelo chão que pisamos. O asfalto por onde os carros passam, as calçadas a preto e branco, as pedras basálticas de cor negra ou o revestimento rosa das pedras de lioz de alguns dos espaços públicos da cidade, revelam soluções de enorme diversidade que, por tão comuns, não nos merecem já admiração ou surpresa. Não se pense, no entanto, que uma ou outra forma de revestir o chão traduz uma opção casuística ou meramente pragmática. Muitas interrogações se colocaram aos homens que tiveram por missão decidir com que material e de que forma se pavimentaria a cidade.

02

Do latim pavimentum, significa este termo a capa, ou revestimento, com que se reveste o solo, tendo por objetivo criar uma superfície homogénea que facilite a passagem, a circulação, a ligação de um local a outro. Este intento apenas foi possível quando o homem decidiu, em algum momento, pavimentar por onde pretendia andar. Debaixo dos Nossos Pés pretender mostrar esta outras histórias e, deste modo, conhecer melhor a cidade que, de Felicitas Iulia Olisipo se tornou, por muitos e diversos caminhos, na Lisboa de hoje. De época romana datam alguns pavimentos de enorme beleza e qualidade, como acontece com os mosaicos ornamentados geometricamente ou com motivos mitológicos.

BICA 1  
Advertisement