Issuu on Google+


MEIO  AMBIENTE  |  PRESERVAÇÃO

Entre    julho  e  novembro,  as   baleias  cantoras  encantam   visitantes  e  pesquisadores   em  Praia  do  Forte

O regresso das jubartes A   partir   de   julho,   as   baleias   Jubarte   voltam  a  cativar  multidões  e  fazer  a  festa   na  “terra  da  alegria”,  com  seus  cantos  e   acrobacias  peculiares.  Durante  o  período   de  reprodução,  que  se  estende  até  outu-­‐ bro,  a  espécie  emigra  da  Antártica  rumo   às   águas   quentes   e   tranquilas   do   litoral   brasileiro,  para  acasalar  e  cuidar  de  seus   filhotes.   Além   de   Morro   de   São   Paulo   e   o   Parque   de   Abrolhos,   maior   berçário   destes   mamíferos   gigantes   do   Atlântico   Sul  Ocidental,  o  Litoral  Norte  também  é   agraciado   pelas   ilustres   visitantes.   Por   este  motivo,  Praia  do  Forte  se  tornou  re-­‐ ferência  mundial  em  “whale  whatching”,   termo  inglês  que  significa,  “observação  de   baleias”.  Nestes  locais  é  possível  embarcar   em  expedições  para  observar  as  Jubarte. O  passeio  é  feito  em  uma  embarcação   que   segue   a   rota   das   baleias,   onde   se   pode   apreciá-­‐las   livres   em   seu   habitat.   Segundo  Beto  Dias,  proprietário  da  Bahia   Adventure,  primeira  empresa  a  explorar  a   atividade  na  região,  este  tipo  de  turismo   já   se   firmou   no   Litoral   Norte,   atraindo   pessoas   do   mundo   todo.   “As   saídas   são   diárias  e  a  probabilidade  de  avistamento   é  de  97%”,  garante  Beto.   Em  Praia  do  Forte  o  serviço  é  oferecido  

por   empresas   especializadas   em   ecotu-­‐ rismo,   e   orientada   pelo   Instituto   Baleia   Jubarte   (IBJ).   Os   passeios   duram   apro-­‐ ximadamente   cinco   horas,   e   percorrem   uma   distância   que   chega   a   doze   milhas   da  costa.  O  estreitamento  da  plataforma   continental   no   Litoral   Norte   é   uma   das   razões   da   aproximação   destes   animais.   Calcula-­‐se  que,  pelo  mundo,  existem  40   milhões   de   “observadores   de   baleias”.   No  ano  passado,  a  atividade  gerou  cerca   de   2,1   bilhões   de   dólares,   o   dobro   do   que   ocorria   há   uma   década.   De   acordo   com  o  biólogo  Sérgio  Cipolotti,  “esse  tu-­‐ rismo  além  de  incentivar  a  segurança  das   baleias,  gera  pesquisa,  emprego,  destaca   a  importância  do  meio  ambiente  e  ainda   aquece  a  economia  local”.   O   whale   whatching   cresce   a   uma   média   de   11%   ao   ano,   desde   o   fim   dos   anos  90,  três  vezes  mais  que  a  média  mun-­‐ dial.  Só  em  2008,  13  milhões  de  pessoas   apreciaram   os   cetáceos   em   119   países,   garantindo  mais  de  13  mil  empregos.  Um   relatório   divulgado   na   reunião   anual   da   Comissão   Internacional   da   Baleia   (CIB),   realizado  na  ilha  de  Madeira,  em  Portugal,   demonstra   que   a   economia   baseada   na   observação  de  cetáceos  é,  de  longe,  muito   mais  lucrativa  do  que  o  abate  dos  animais.  

Os   passeios   custam   entre   R$   140   e   155,  e  são  realizados  por  operadoras  cer-­‐ tificadas  pelo  IBJ  .  É  feito  apenas  entre  os   meses  de  julho  a  outubro.  A  duração  é  de   aproximadamente  cinco  horas,  sendo  uma   hora  de  palestra  e  quatro  de  navegação,   incluindo  a  presença  de  um  biólogo  equi-­‐ pado  com  um  hidrofone  (aparelho  usado   debaixo   d'água   para   amplificar   os   sons   emitidos  pelos  animais). Saída:  Diariamente  às  7:00  e  9:00,  de   acordo  com  as  condições  climáticas. Traga   com   você:   filtro   solar,   roupas   leves  de  banho  e  troca,  toalha,  máquina   fotográfica  e/ou  filmadora.  É  recomenda-­‐ do  levar  agasalho  para  frio. OPERADORAS  PARCEIRAS  DO  IBJ Praia  do  Forte: Porto  Mar-­‐    (71)  3676-­‐0101 Centro  Tour-­‐  (71)  3676-­‐1091 Fly  and  Fun-­‐  (71)  3676-­‐1540 Bahia  Adventure-­‐  (71)  2104-­‐8600   Morro  de  São  Paulo: Marlins  Turismo-­‐  (71)  3652-­‐1242   Itacaré: Ecotrip-­‐  (73)  3251-­‐2191   Caravelas: Abrolhos  turismo-­‐  (73)  3297-­‐1332 BAHIA  NORTE  |  3


EDITORIAL

Nós  fazemos  jornalismo  para  você  e,  como  todos  sabem,  o   portal  da  revista  Bahia  Norte  já  está  na  rede,  reunindo  as  mais   relevantes  notícias  da  Bahia,  do  Brasil  e  do  mundo.  Mas,  para  a   gente,  isso  não  é  suficiente.  Queremos  saber  o  que  você  quer   ler,  o  que  você  quer  saber,  quais  informações  são  importantes   para  o  seu  dia-­‐a-­‐dia.  Para  isso,  estamos  fazendo  uma  revolução  

no  mês  de  agosto.  Primeiramente,  preparamos  uma  ENQUETE   ESPECIAL.  Colocamos  as  nossas  nove  editorias  de  frente  com  o   leitor  e  perguntamos  qual  delas  mais  te  interessa:  Saúde,  Políti-­‐ ca,  Educação,  Cultura,  Turismo,  Gastronomia,  Esporte,  Negócios   ou  Ecologia.  Acesse  o  portal  e  clique  na  sua  opção.  Sua  opinião   deixará  o  BN  cada  vez  mais  com  a  sua  cara!

Novos projetos, especiais para você! Envie  seu  vídeo  para  o  BN  WebTV  Música  Livre

+  Esporte

Admirador  da  arte  e  da  cultura,  o  BN  está  lançando  o  projeto  BN  WebTV  Música   Livre,  que  visa  compartilhar  no  portal  o  trabalho  de  bandas  e  músicos  que  movi-­‐ mentam  a  cenário  cultural  baiano  e  que  não  tem  espaço  nas  grandes  mídias.  Até  o   final  do  mês  de  agosto,  os  interessados  já  poderão  enviar  seu  vídeo  mobile,  que,  se   selecionado,  ficará  destacado  na  página  principal  por  uma  semana.  A  ideia  é  promo-­‐ ver  a  arte,  de  forma  moderna  e  ágil.  Por  isso,  lembramos  que  é  importante  enviar   o  arquivo  em  formato  leve  e  acessível  aos  diversos  tipos  de  sistemas  operacionais.   *Veja  as  regras  de  gravação,  envio  e  publicação  do  vídeo  mobile  no  portal  revista   Bahia  Norte  a  partir  de  06  de  agosto  de  2012.

Recebemos  muitos  e-­‐mails  nos  contando   histórias  de  esportistas  baianos  de  diversas   modalidades.   Então,   resolvemos   criar   um   espaço   dedicado   à   esses   profissionais   que   sabem   que   esporte   é   coisa   séria.   Semanal-­‐ mente,  no  portal  BN,  terá  uma  matéria  exclu-­‐ siva  falando  sobre  sua  vida,  carreira,  sonhos  e   expectativas.  Se  você  conhece  ou  é  um  desses   esportistas,  envie  já  um  e-­‐mail  para  gente.

ENVIE  SUGESTÃO  PAUTA  ou  Fale  conosco: conteudo@revistabahianorte.com.br redacao@revistabahianorte.com.br

EDITOR  RESPONSÁVEL   Raimundo  Rocha  -­‐  DRT  1089

www.revistabahianorte.com.br contato@revistabahianorte.com.br 4  |  BAHIA  NORTE  

Manuela  Bacelar Diretora  de  jornalismo  e  comunicação Portal  Revista  Bahia  Norte

BAHIA  NORTE  -­‐  AGOSTO  2012 PUBLICAÇÃO  DE  PROPRIEDADE  DA   RELEASE  PRODUÇÕES DIRETOR  DE  ARTE CNPJ  34.366.153/0001-­‐79 COMERCIAL Manoel  Ramos WƌĂĕĂDĂƌƟŶŝĂŶŽDĂŝĂ͕ϳϭͮϭǑĂŶĚĂƌ 71  3288-­‐2101  |  71  8874-­‐0909 Sala  12  |  Shopping  da  Praça  |  Centro PRODUÇÃO 71  8799-­‐9890  |  71  8264-­‐8107 Lauro  de  Freitas  |  Bahia Hugo  Rocha KƐĂƌƟŐŽƐĂƐƐŝŶĂĚŽƐĞŽƉŝŶŝƁĞƐĞdžƉƌĞƐƐĂƐŶĆŽƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŵŽďƌŝŐĂƚŽƌŝĂŵĞŶƚĞĂƐĂĚŽƚĂĚĂƐƉĞůĂƌĞǀŝƐƚĂ

ADMINISTRATIVO Maria  Saavedra


TURISMO  |  LITORAL  NORTE

Reduto naturista em Massarandupió Congregando  30  entidades  naturistas,   espalhadas  pelo  Brasil,  e  liderando  a  ex-­‐ pansão  do  naturismo  na  América  Latina,  a   Federação  Brasileira  de  Naturismo  (FBRN)   comemorará,   em   janeiro   próximo,   25   anos  de  existência  em  nova  sede.  O  novo   endereço  é  BA  099  Linha  Verde,  km  87,5,   em  Matuim/Massarandupió. Segundo   o   presidente   João   Olavo,   essa  mudança  foi  motivada  pela  melhor   localização   operacional   da   região   em   relação   aos   deslocamentos   necessários   para  atender  as  visitações  e  reuniões  nos   diferentes  espaços  naturistas  brasileiros  e   por  ser  destaque  turístico  no  litoral  norte   baiano.   Também   foi   importante   nessa   decisão  o  potencial  da  região  para  surgi-­‐ mento  de  novos  espaços  naturistas,  como   recentemente  foi  anunciada  a  criação  da   Ecovila  da  Mata  -­‐  Bahia.   “A  presença  da  FBRN  estimulará  o  sur-­‐ gimento  de  eventos  naturistas  regionais,   nacionais  e  mesmo  internacionais”,  frisa   a  secretária  da  Federação,  Rayssa  Neves.   A   região,   que   é   favorecida   pela   beleza   natural,  se  destaca  por  ser  local  de  riqueza   cultural  e  por  abrigar  grandes  empreendi-­‐ mentos  do  setor  de  turismo.  “Assim  como  

as  praias  de  Tambaba  e  do  Pinho  viraram   referência   para   Paraíba   e   Santa   Catari-­‐ na,   Massarandupió   poderá   também   se   transformar  em  referência  para  o  destino  

turístico  do  litoral  norte  baiano”,  afirma  o   diretor  de  Eventos  da  FBRN  e  presidente   em   exercício   da   Associação   Baiana   de   Naturismo  Abanat,  Waldo  Andrade.

BAHIA  NORTE  |  5


ESPECIAL  |  NOVA  ERA

A magia dos cristais Após   morar   em   Barcelona,   na   Es-­‐ panha,   por   mais   de   15   anos,   o   escritor   Francisco  Bostrom,  autor  do  best  seller   “O   Mago   dos   Cristais”   (1989),   volta   ao   Brasil,  para  compartilhar  o  conhecimento   que  adquiriu  em  sua  jornada  espiritual  e   em  suas  pesquisas  acerca  da  sabedoria   cristalina  e  seu  uso  curativo  e  espiritual,   que  ele  batizou  como  gemosofia. Aos  17  anos,  uma  viagem  com  a  famí-­‐ lia,  ao  interior  do  estado  de  Minas  Gerais,   mudou  a  vida  de  Francisco  Bostrom.  Seus   pais  receberam  o  convite  de  um  casal  de   amigos   para   conhecer   uma   cidadezinha   onde   tinham   uma   mina   de   garimpo   de   cristais.  Eles  foram.  O  jovem  Bostrom,  que   sempre  buscou  conhecimentos  espirituais   e  era  um  grande  admirador  das  pedras,   alongou  sua  estada  no  município  e  ainda   voltou  a  visitá-­‐lo  mais  algumas  vezes.  Em   um  de  seus  retornos,  através  de  um  dos   garimpeiros,  ele  recebeu  uma  mensagem   de   um   mestre   da   Tradição   do   Fogo   das   Pedras  Sagradas,  que  vivia,  isolado,  numa   planície  na  região.  Sem  pensar  duas  vezes,   Bostrom   deixou   tudo   para   traz,   montou   um  cavalo  e  junto  com  o  garimpeiro  seguiu   rumo  à  uma  nova  vida. Ali,  começou  o  que  ele  considera  hoje   sua   missão   espiritual.   A   expansão   da   consciência  cristalina  para  compreensão   do   que   os   cristais   realmente   são,   o   que   eles  significam  para  a  vida  humana  e  para   6  |  BAHIA  NORTE  

Manuela  Bacelar  |  manuela@revistabahianorte.com.br a  concepção  de  mundo.  “Quando  cheguei   na  entrada  do  platô,  O  Velho  -­‐  como  eu   chamava  meu  mestre,  ou  melhor,  como   ele   apresentou-­‐se   para   mim   -­‐   já   me   esperava.  Ele  cumprimentou-­‐me  e  ao  ga-­‐ rimpeiro;  deu-­‐me  permissão  para  entrar   em  sua  casa;  e,  com  um  gesto,  agradeceu   despedindo-­‐se   dele.   Havia   um   grande   círculo   de   cristais   hialinos,   gemas   trans-­‐ parentes,  na  entrada”,  disse  ele.   Esse   foi   o   primeiro   contato   de   Fran-­‐ cisco  Bostrom  com  a  Tradição  na  qual  ele   seria  iniciado  e  pela  qual  iria  escrever  li-­‐ vros,  morar  na  Europa,  pesquisar  aspectos   químicos,  históricos,  religiosos,  curativos  e   espirituais  para  fundamentar  a  gemosofia   e  voltar  ao  Brasil,  anos  depois,  para  trans-­‐ mitir  esse  aprendizado.   “Quando  eu  aceitei  o  convite  do  Velho,   pensei  que  ficaria  apenas  poucos  dias  ou,   quem  sabe  até  me  estenderia  por  poucas   semanas,  mas  acabei  ficando  por  lá  alguns   meses.  Lembro-­‐me  que  tinha,  aos  meus   pais,  avisado  que  seriam  alguns  dias  e  que   logo,   estaria   de   volta   ao   Rio   de   Janeiro,   mas   não   foi.   Perdi   a   noção   de   tempo   e   quando   me   dei   conta,   alguns   meses   já   haviam   passado.   Lembro   que   caminhei   bastante  para  chegar  até  o  vilarejo  mais   próximo  para  telefonar-­‐lhes  dando  notí-­‐ cias”,  recordou.

 As  vivências  e  o  aprendizado  de  Bos-­‐ trom   estão   descritos   na   trilogia   autobio-­‐ gráfica  que  reúne  os  títulos:  O  Mago  dos   Cristais,   best   seller,   publicado   em   cinco   idiomas,   onde   ele   conta   o   início   da   sua   jornada  espiritual  na  Tradição  do  Fogo  das   Pedras  Sagradas;  A  Sabedoria  das  Pedras,   que   aborda   usos   espirituais,   práticos   e   curativos  das  pedras;  e,  A  Viagem  Interior,   um  relato  de  suas  vivências  mais  profundas   e  seus  maiores  desafios  no  aprendizado. Com  o  sucesso  de  O  Mago  dos  Cristais,   Bostrom   foi   convidado   por   uma   editora   espanhola  para  publicar  o  livro  no  idioma.   Em  1993,  ele  desembarcou  no  aeroporto   de  Barcelona  para  o  lançamento  da  versão   em  espanhol,  El  Mago  de  los  Cristales.  Lá,   ele  foi  convidado  para  ministrar  cursos  e   palestras  sobre  o  tema  por  toda  a  Europa   e  teve  também  a  oportunidade  de  iniciar   o   trabalho   stricto   de   pesquisa   sobre   as   gemas.  O  autor  falou  que  fez  uma  investi-­‐ gação,  uma  pesquisa  realmente  profunda   em  termos  científicos  e  espirituais.  “Quan-­‐ do   conclui,   percebi   que   precisava   com-­‐ partilhar  esse  conhecimento.  Isso  me  fez   escrever  a  Enciclopédia  Gemológica,  que   trata  sobre  as  gemas  cristalinas,  composta   por  36  volumes,  com  18  já  finalizados,  mas   ainda  não  há  tradução  para  o  português.   Estão  todos  em  espanhol”,  concluiu.


Um   mundo   cercado   por   tecnologia   desenvolvida  com  base  no  uso  de  cristais;   sejam  cristais  de  quartzo,  cristal  líquido,   substâncias   encontradas   nos   cristais,   como  o  silício  e  o  carbono,  ou  cristais  em   outros  modos  ou  estados.    Bostrom  expli-­‐ ca  que  “dentro  de  quase  toda  tecnologia   atual,   há   quartzo.   O   quartzo   do   nosso   relógio,  é  o  elemento  essencial  do  silício,   que  é,  pode-­‐se  dizer,  a  alma  dos  compu-­‐ tadores,  dos  satélites,  das  comunicações.   Tudo  isso  é  possível  graças  ao  quartzo,  a   manipulação   da   estrutura   cristalina   do   silício,  à  esse  elemento  químico”. É  fato  que  as  pessoas  estão  cercadas   pela  tecnologia  mineral  por  todos  os  la-­‐ dos.  A  TV  LCD,  por  exemplo,  é  uma  sigla   que   traduzida   do   inglês   -­‐   liquid   crystal   display  -­‐  para  o  português  significa  visor  de   cristal  líquido.  O  microondas,  os  aparelhos   celulares,   lentes   de   óculos,   raio   laser   e   computadores  são  outros  utensílios  que   também   fazem   uso   dessa   tecnologia.   A   vida  moderna  esta  pautada  em  aparelhos   que,  de  alguma  forma,  utilizam  os  cristais   para  funcionarem. De  modo  geral,  Bostrom  diz  que  “os   cristais  são  microestruturas  que,  além  de   substâncias   químicas   poderosas,   carre-­‐ gam  em  si  luz  e  energia”  e  que  “o  cristal  

não  é  algo  externo  a  nós,  a  geometria  do   quartzo   se   reproduz   no   corpo   humano,   por   exemplo,   na   pele,   e   que   o   próprio   corpo   tem   estruturas   cristalinas”.   É   por   isso  que,  através  do  uso  dos  cristais,  o  ser   humano  pode  elevar  sua  inteligência,  am-­‐ pliar  sua  energia,  acelerar  sua  consciência   planetária,   aumentar   sua   sensibilidade   sinestésica,  auditiva,  entre  outras. Ele  fala  ainda  sobre  a  necessidade  de   minerais  na  dieta  humana,  ressaltando  o   equilíbrio  para  manter  o  balanceamento   alimentar  e  a  saúde  do  corpo.  “Os  cristais   de  sal  são  importantíssimos  para  a  vida,   mas  o  excesso  é  prejudicial”,  exemplifica. Em   termo   energéticos,   tanto   físicos   quanto   espirituais,   os   cristais   tem   pro-­‐ priedades  de  gerar,  amplificar,  intensificar   e/ou   canalizar   capacidades   humanas   através  da  energia  que  emana  e  de  suas   frequências   vibratórias,   que   entram   em   ressonância   com   a   energia   e   frequência   emitidas  pelo  homem.  Um  exemplo  sim-­‐ ples  de  como  funciona  esse  processo  é  a   capacidade  que  determinados  timbres  vo-­‐ cais,  quando  vibrando  numa  oitava  maior,   tem  de  reverberar  e  de  sincronizar-­‐se  com   o  cristal,  quebrando-­‐o.  Isso  ocorre  porque   tanto  a  voz,  onda  sonora,  quanto  a  taça   estão  vibrando  em  alta  frequência,  o  que  

promove  a  ruptura  da  estrutura.   Bostrom   diz   que   isso   é   a   correspon-­‐ dência,   a   relação   que   existe   entre   as   vibrações   que   circulam   invisivelmente,   aos   olhos   humanos,   pelo   mundo.   Com   um  posicionamento  integralista  da  vida,  o   que  o  pesquisador  vem  compartilhar  por   meio   do   que   ele   chama   de   consciência   cristalina  é  “a  necessidade  de  uma  nova   mentalidade   mundial,   mais   humana   e   aberta  às  questões  espirituais,  ou  melhor,   as  necessidades  espirituais,  para  que  não   se  valorize  apenas  o  material.  A  consciên-­‐ cia  de  que  o  humano  não  é  só  físico,  que   também  somos  espírito  e  que  tudo  está   ligado,   tanto   no   mundo   onde   vivemos,   como  dentro  de  nós”.   Ao  falar  da  civilização  moderna,  con-­‐ siderada  tecnologicamente  avançada,  de   acordo   com   Bostrom,   fala-­‐se   simultane-­‐ amente   dos   cristais,   porque   tudo   isso   acontece   com   o   poder   dessas   pedras.   “Então   se   estamos   conscientes   de   que   também   somos   portadores   das   faculda-­‐ des   que   proporcionam   essa   revolução   tecnológica,  podemos  descobri-­‐las  em  nos   mesmos  e  podemos  nos  considerar,  desse   modo,  cristais  viventes.  Isso  redimensiona   o  que  somos  capazes,  qual  o  potencial  de   cada  homem,  de  cada  mulher  e  de  como  


ESPECIAL  |  NOVA  ERA podemos   administrar   e   despertar   esta   capacidade,   porque   ela   está   intrínseca”.   Ele  ressalta  que  faz  muita  diferença  ter-­‐ -­‐se   consciência   disso.   E,   com   relação   às   escolhas,  diz  que  o  que  define  o  ser  em   sua  evolução  é  a  intensão  com  que  usará  o   conhecimento  e  as  faculdades  acionadas.  

O  PODER  DOS  CRISTAIS Para   Francisco   Bostrom   “cada   cristal   tem  uma  ‘personalidade’,  com  caracterís-­‐ ticas  próprias.  Por  isso,  ao  usá-­‐los,  é  im-­‐ portante  conhecer  suas  propriedades”.  Os   poderes  curativos  e  potencializadores  dos   cristais  são  reconhecidos  desde  o  paleolí-­‐ tico  e  nas  civilizações  antigas.  Hoje,  já  se   é  admitido  que  os  cristais  são  excelentes   condutores  e  amplificadores  de  energia. Os  cristais  são  seres  vibracionais  que   estão   em   ampla   harmonia   com   todo   o   universo,   inclusive   com   o   ser   humano.   Cada   homem   e   mulher   deve   ter   consci-­‐ ência  de  que  faz  parte  desse  sistema.  O   contato  com  os  cristais  é  uma  das  facetas   para  encontrar  a  paz  pessoal,  o  equilíbrio   e  o  equilíbrio  planetário. Dessa   forma,   quando   se   usa   os   cris-­‐ tais,   é   importante   cuidar   deles.   Depois   que  usá-­‐los,  limpe-­‐os  em  água  corrente,   passe-­‐o  por  um  incenso  ou  sopre.  Pode-­‐ -­‐se  também  purificá-­‐lo  na  chama  de  uma   vela   ou   o   expondo   à   luz   da   lua.   Se   for   transparente,  à  luz  do  sol.  Outra  opção  é   enterrá-­‐lo  em  um  potinho  durante  algum   tempo.  O  contato  com  a  natureza  é  como   um  presente  para  eles.  É  quando  eles  se   limpam,  ganham  força  e  retomam  o  con-­‐ tato  com  sua  origem.

DICAS  DE  BOSTROM Quazto   hialiano   de   grande   trans-­‐ parência   –   Capacidade   de   amplificar   a   energia  da  luz.  Quando  um  facho  de  luz   entra  no  cristal,  ele  o  intensifica.  O  nosso   pensamento   também   emite   ondas,   vi-­‐ brações  e  energia  de  luz,  luz  cristalizada   em  geometria.  Ajuda  amplificando  e  pro-­‐ porcionando  clareza  sobre  quem  somos,   o  que  queremos,  onde  nos  encontramos   etc.   Ele   intensifica   a   parte   mais   elevada   do  nosso  ser.   Quartzo   Rosa   –   Ensina-­‐nos   a   amar   incondicionalmente.  Trabalha  o  ego.  De-­‐ senvolve  nossa  capacidade  de  meditação.   8  |  BAHIA  NORTE  

Diminui  tensões  e  brigas.  Combate  o  es-­‐ tresse  e  a  depressão.  Eleva  a  autoestima   e  promove  calma  e  compaixão. Ametista   –   É   uma   pedra   espiritual   e   harmonizadora.   Elimina   inquietações.   Estimula   a   confiança   em   nossas   capaci-­‐ dades  espirituais  e  também  a  autoestima.   Dispersa  a  frieza,  a  indiferença.  Desperta   e  fortalece  a  fé.  Promove  a  serenidade  e   a  confiança. Sodalita  –  Conhecida  como  a  pedra  da   sabedoria,  conecta  com  a  mente  divina.   Também  é  muito  boa  para  os  estudantes,   fortalecendo  a  concentração  e  a  fixação   das   informações,   a   retenção   do   conhe-­‐ cimento.  Posicionada  entre  os  olhos,  na   testa,   ajuda   a   tranquilizar   a   mente   e   a   acalmar   os   nervosos.   Favorece   o   sono   regenerador. Quartzo  Verde  –  Eficaz  para  todo  tipo   de   cura.   É   uma   promotora   da   saúde.   É   indicado  para  quem  está  com  problemas   cardíacos  e  vasculares,  doenças  pulmona-­‐ res,  asma  e  viroses.  Também  é  uma  pedra   purificadora.   Transmite   tranquilidade   e   paciência   e   age   com   eficiência   contra   a   insônia. Quartzo  Citrino  –  Representa  a  energia   solar  e  o  pensamento  positivo.  Vida  que   quer  viver.  Clareza  de  pensamento  e  de   emoções.   Também   fortalece   a   força   de   vontade   e   promove   a   prosperidade   em   todos  os  aspectos.

Ônix   –   Essa   pedra   negra   é   poderosa   e   absorvente.   Ela   absorve   excesso   de   energia,   energias   desequilibradas,   pen-­‐ samentos   impuros   ou   inoportunos.   Em   situações   onde   haja   exposição   ao   ele-­‐ tromagnetismo,  é  interessante  usar  uma   ônix   para   que   o   excesso   dessa   energia   seja  absorvido. Quartzo  Fumê  –  É  o  grande  professor.   Muito  utilizado  para  estudar.  Ele  equilibra   o  eixo  psíquico.  Para  as  pessoas  conside-­‐ radas   aéreas,   cuja   mente   sonhadora   e   dispersiva  perde-­‐se  no  excesso  da  imagi-­‐ nação,  essa  pedra  é  excelente,  pois  tem   o  caráter  de  estimular  pensamentos  mais   objetivos  e  focados. Jaspe  –  Assim  como  todas  as  pedras  ver-­‐ melhas,    ajuda  na  recomposição  da  energia,   promove  vitalidade.  Excelente  para  pessoas   que  se  sentem  desanimadas  ou  desener-­‐ gizadas.  É  também  uma  rejuvenescedora.   Mas  é  importante  salientar  que  deve-­‐se  usar   com  prudência,  pois  as  pedras  vermelhas   estimulam   a   circulação   sanguínea,   então   seu   uso   não   é   recomendado   para   hiper-­‐ tensos,  cardíacos  e  outros  grupos  especiais.

MAIS  INFORMAÇÕES Francisco  Bostrom  também   é  palestrante  e  ministra   curso  sobre  os  cristais. CONTATOS institutogemosofico@gmail.com (71)  9158-­‐7853


COMPORTAMENTO  |  BALZAQUIANA

Dentro da panela de pressão Olá,   contemporâneas!   Balzaquiana   é   a   nova   coluna   de   comportamento,   dirigida   às   mulheres,   especialmente   àquelas,  que  como  eu  -­‐  permissão  para   silépse  -­‐,  estamos  nos  30.  Nosso  espaço   é  destinado  ao  inconstante  e  surpreen-­‐ dente  dia-­‐a-­‐dia  de  uma  mulher.  Nossos   desafios,  alegrias,  confusões,  atribuições   e  descobertas.  Eu  sou  Manuela  Bacelar,   mulher,  jornalista,  docente,  companhei-­‐ ra,  filha,  amiga  e  trintinha,  claro!   Espero  que  gostem.  E,  sendo  assim,   teremos  um  encontro  marcado  todo  mês,   aqui,  na  revista  Bahia  Norte. Até  os  29  anos  é  como  se  a  vida  esti-­‐ vesse  sempre  começando.  A  cada  ano,  um   novo   começo.   E,   me   digam...   Tem   coisa   melhor?!  Acreditava  que  não. Desde  pequena  sonhamos  e  fazemos   planos  para  o  futuro.  Na  adolescência,  até   parece  que  essa  é  a  nossa  missão.  Embora   vivamos  um  presente  intenso,  os  projetos   são:  Vou  fazer  faculdade  disso;  preciso  ir   àquela  festa;  um  dia,  vou  comprar  um  car-­‐ ro  desse;  quero  viajar  a  tais  lugares.  Já  na   faculdade,  o  tempo  passou,  alguns  sonhos   se  realizaram,  outros  ficaram  para  traz.   Primaveras   chegaram   e   partiram.   Os   projetos   mudaram.   E,   nos   elétricos   20   anos,  isso  é  imperceptível.  Então  pensa-­‐ mos:   -­‐   Ainda   é   cedo   para   casar.   Lá   para   os  30,  32,  eu  caso.  Ou,  ainda:  -­‐  Não  sei  se   irei  morar  em  uma  casa  ou  em  um  apar-­‐ tamento,   quando   estiver   trabalhando,   penso   nisso.   –   Não   quero   ter   filhos   por   agora.  E  mais  uma  vez,  -­‐  Lá  para  os  30,  32,   eu  engravido.  E  por  aí  vai...  Mais  planos   para  o  futuro... Não  sei  se  caminhei  até  ele  ou  se  ele   correu  até  mim,  mas  o  fato  é  que  antes   do  esperado,  eis  que  chega  os  30  anos.  De   repente,  tantas  coisas  por  fazer  e  tantas   outras  ainda  “cedo”  para  fazer.   Era  00h  quando  o  celular  começou  a   tocar  e  postes  me  parabenizando  foram   deixados  nas  redes  sociais.  Tantos  amigos   e   parentes   queridos   me   felicitavam   por   mais   um   aniversário.   Mas   este   jamais   foi  como  os  outros,  afinal  eu  acabará  de   completar  30  anos.   O  “troço”  que  dá  por  dentro  é  imedia-­‐ to,  mas  para  entendê-­‐lo...  Isso  demora  um   pouco   mais.   A   sensação   que   tive   foi   de   ter  sido  jogada  dentro  de  uma  panela  de   pressão.  O  mundo  estava  me  espremendo,  

a  pressão  atmosférica  dobrou  e  comecei  a   achar  tudo  pesado  e  tardio.  Todos  aqueles   planos   para   o   futuro   tão   organizados   –   olhando   para   traz,   as   vezes,   nem   tanto   assim   -­‐,   agora   estavam   no   deadline   (ex-­‐ pressão  que  usamos  em  jornalismo  para   sinalizar   o   prazo   limite   para   entrega   de   um  trabalho).  Conclusão:  checklist  cheio   de  pendências. Mas   nos   30,   o   tempo   não   espera   e   ao  fim  de  cada  ano  não  há  mais  um  novo   ano.   A   vida   ganha   um   ritmo   contínuo,   mais   maduro   e   estável,   diferentemente   de   mim,   principalmente   nos   primeiros   meses  com  30,  quando  tive  um  retroces-­‐ so.  Minhas  roupas  não  combinavam  mais   comigo,  cansei  do  meu  carro,  das  coisas   que   eu   gostava   e   do   meu   rosto.   Minha   TPM   triplicou,   não   conseguia   finalizar   meus  projetos  e  em  minha  cabeça  tinham   mais  dúvidas  e  preocupações  do  que  fios   de  cabelo,  que  por  sinal,  também  enjoei   deles.  Sim...  E  tudo  isso  a  120  graus  celsius   e  com  o  dobro  da  pressão  atmosférica.   Mas  não  adiantou  lutar  contra.  Eu  já   era  muito  mais  direta  em  minhas  opiniões,   não  me  preocupava  com  tantos  pequenos   detalhes  sociais  e  meus  quereres  passa-­‐ ram   a   ter   muito   mais   importância   para   mim.  Foi  quando  li  um  trecho  do  texto  do   Arnaldo  Jabor:  “A  medida  que  envelheço   e  convivo  com  outras,  valorizo  mais  ainda   as  mulheres  que  estão  acima  dos  30.  Elas   não  se  importam  com  o  que  você  pensa,   mas  se  dispõem,  de  coração,  se  você  tiver   a  intenção  de  conversar.  Se  ela  não  quer   assistir  ao  jogo  de  futebol  na  tv,  não  fica  à   sua  volta  resmungando,  vai  fazer  alguma   coisa  que  queira  fazer...    E,  geralmente,  é   alguma  coisa  bem  mais  interessante.  Ela   se  conhece  o  suficiente  para  saber  quem   é,   o   que   quer   e   quem   quer   …”   -­‐   Minha   leitura  foi  interrompida.   Eu  ouvi  o  apito  da  panela  de  pressão,   que   berrava   no   fogão   alertando   que   o   feijão  estava  cozido.  Uma  nova  fase  para   o  feijão  depois  de  toda  aquela  tensão  des-­‐ conhecida.  Uma  nova  fase  para  mim  tam-­‐ bém.  Porém,  meu  período  de  turbulência   não   durou   apenas   40   minutos   e   o   meu   emocional  em  ebulição,  muito  menos. Os  30  não  é  uma  idade,  é  uma  fase  e   vivê-­‐la  (viver-­‐me)  não  é  fácil.  Ainda  estou   na   panela   de   pressão.   Mas   esse   é   um   desafio  para  Mulher.  E  como  mesmo  no   singular,  somos  plural,  nos  batemos  aqui  e  

Nota  sobre  Balzac Conhecido   por   suas   contudentes   pontuações  psicológicas  e  considerado   o   fundador   do   realismo   na   literatura   moderna,   o   escritor   francês   Honoré   de   Balzac   escreveu   mais   de   40   obras,   listando  livros,  versos,  contos  e  peças.   Entre  1829  e  1842,  Balzac  publicou  um   dos  seus  livro  mais  populares,  intitulado   A  Mulher  de  Trinta  Anos,  um  romance   dividido  em  seis  partes,  que  conta  a  his-­‐ tória  e  as  dificuldades  de  Julie,  persona-­‐ gem  que  passa  por  conflitos,  problemas   sentimentais  e  sofre  com  o  fracasso  do   casamento.  No  decorrer  da  estória,  o  au-­‐ tor  aborda  vários  aspectos  da  vida  e  das   mudanças  pelas  quais  as  mulheres  de  30   passam.  Cunhado  a  partir  daí,  o  termo   balzaquina  entrou  na  língua  portuguesa   como   um   adjetivo,   para   qualificar   as   mulheres  nessa  fase  da  vida.

ali,  e  conseguimos.  No  dia  25  de  julho,  eu   fiz  32,  cerca  de  1.051.200  minutos  dentro   da   panela.   E,   quer   saber...   Ainda   estou   confusa   e,   as   vezes,   sinto-­‐me   perdida,   mas,  com  certeza,  mais  serena  e  segura,   e  quando  meu  celular  tocou  e  os  postes   começaram  a  chegar,  não  levei  mais  um   choque.  Simplesmente  encontrei,  esque-­‐ cido  em  mim,  o  ânimo  que  me  faltava. Há   sim...   E,   se   tem   coisa   melhor   do   que   cada   ano   ser   um   recomeço?   Hoje,   penso  que  sim.  Viver  continuamente,  uma   longa  história,  é  bom  demais!  Cada  ano  é   um  capítulo.   ...  Um  paradoxal  capítulo.  Nos  30,  conciliar  para-­‐ doxos  é  quase  uma  rotina...  A  realidade  tem  outro(s)   paradigma(s)...   Nossa   consciência   fala   sozinha   em   nossa  cabeça...  Até  a  próxima  coluna!

Manuela  Bacelar manuela@revistabahianorte.com.br redacao@revistabahianorte.com.br BAHIA  NORTE  |  9


10  |  BAHIA  NORTE  


MODA  |  TENDÊNCIA

Intenso como qualquer verão Pode  parecer  clichê,  mas  vai  e  vem  verão,  e  as  cores  sempre   ganham  destaque  nesse  período.  Nesta  primavera/verão,  em  espe-­‐ cial,  há  uma  miscelânea  de  cores,  estampas  e  tecidos,  no  entanto,   algumas  ganham  maior  ênfase,  e  marcam  as  principais  apostas  da   primavera/verão  deste  ano.  O  azul  é  o  destaque.  A  cor  esteve  entre  os  principais  tons  usados   neste  último  outono/inverno,  e  agora  segue  na  estação  mais  quente   do  ano.  A  diferença  é  que,  além  dos  variados  tons  que  a  cor  permite,   o  azul  Klein  é  o  tom  da  vez.  Ele  ganhou  esse  nome  por  causa  do   artista  Yves  Klein,  conhecido  por  suas  pinturas  monocromáticas.   Como  não  só  de  azuis  se  faz  o  verão.  Após  um  inverno  com  tons   neutros  e  escuros,  o  bom  mesmo  é  experimentar  mais  cores.  Os  tons   fluo,  intensos  e  vibrantes,  aparecem  com  toda  força  nesta  estação,   e   serão   vistos   em   todas   as   cores:   amarelo,   rosa,   laranja,   verde   e   vermelho.  Acessórios  estarão  cobertos  por  eles,  principalmente  os   sapatos  e  bolsas.   Entre  outras  tendências,  estão  as  estampas.  Elas  se  transformam   a  cada  verão,  tornando  os  looks  cada  vez  mais  divertidos.  A  aposta   da  vez  são  os  temas  étnicos,  que  além  de  cores  vibrantes,  trazem   também  a  linhas  geométricas  e  os  mosaicos.  O  brilho  metalizado   completa  todos  esse  tons  com  seu  charme.  Normalmente  visto  no   inverno,  ele  aparece  no  verão  em  cores  como  o  verde,  o  rosa  e  o  azul.   Isso  permite  que  essa  tendência  possa  ser  usada  até  durante  o  dia.  

A  moda  nada  mais  é  do  que  a  recriação  de  estilos.   Existem  algumas  tendências  que  marcaram  época,  e  que  sem-­‐ pre  reaparecem  em  versões  repagi-­‐ nadas  com  a  mudança  das  estações.   Nesta   primavera/verão,   os   óculos   trazem  tendências  dos  anos  60  e  70.   Estarão  em  alta  modelos  arredonda-­‐ dos,   armações   metalizadas,   lentes   espelhadas   ou   amplas   escurecidas   e   sombreadas.   O   modelo   gatinha,   que  ganhou  fama  com  a  atriz  Audrey   Hepburn  (foto),  é  uma  ótima  opção   para  quem  curte  o  estilo  retrô.     Lara  Guedes www.blogdalaraguedes.blogspot.com ƚǁŝƩĞƌ͗ΛůĂƌĂͺůŐ

BAHIA  NORTE  |  11


GASTRONOMIA  |  RECEITA

Carré Francês mistura costela de FRUGHLURbD molho de vinho tinto Macia,  rosada  e  com  sabor  marcante.   Elemento   fundamental   da   cozinha   con-­‐ temporânea,   a   carne   de   cordeiro   foi   in-­‐ corporada  de  forma  definitiva  ao  cardápio   dos  baianos.  Sem  deixar  de  lado  a  herança   grega,  responsável  pelo  consumo  pioneiro   do  alimento,  os  atuais  pratos  à  base  do   ovino   se   consagraram   como   elementos   imprescindíveis   à   cartela   dos   principais   restaurantes  da  cidade.  Exemplo  disso  é   o  Carré  Francês  ao  molho  de  vinho  tinto,   criado   pelo   Chef   Zezinho,   do   Ercolano.   Tendo  como  base  o  corte  francês  de  uma   das   partes   mais   saborosas   e   peculiares   do  cordeiro  -­‐  a  costela  -­‐  o  prato  ousa  na   mistura  de  ingredientes.   “Por  ser  exótico,  delicado  e  adocicado,   com  textura  sedosa,  o  cordeiro  combina   muito  bem  com  sabores  amanteigados  e  

vinhos  encorpados”,  afirma  o  Chef,  que,   para  incrementar  sua  criação,  adicionou   purê  de  mandioquinha  e  vinagre  de  fram-­‐ boesa  ao  cordeiro,  dando-­‐lhe  ainda  mais   aroma  e  sabor.   Para  os  que  gostam  da  carne,  Zezinho   dá   uma   boa   notícia:   “O   Carré   Francês   é   fácil  de  fazer”.  O  primeiro  passo,  segundo   ele,  é  escolher  bem  as  costelas  e,  só  então,   grelhá-­‐las   com   sal,   pimenta   do   reino   e   azeite  com  ervas.  “Para  o  molho,  deverão   ser  levados  à  panela  açúcar,  cebola,  alho,   caldo  de  carne,  vinho  tinto  e  vinagre  de   framboesa”,  destaca.  Só  no  final  da  recei-­‐ ta,  é  que  o  purê  é  feito,  à  base  de  mandio-­‐ quinha  cozida,  sal,  pimenta  e  manteiga.   “Preparados   os   três   itens,   é   hora   de   montar   o   prato.   Para   isto,   basta   colocar   as  costelas  sobre  o  purê  em  um  refratário,   regá-­‐las   com   o   molho   e   salpicar   cheiro   verde.  Pronto!  É  só  comer  e  correr  para   o  abraço!”,  brinca  o  Chef.  Depois  de  tanta   tentação,  fica  difícil  resistir!  Servidos?

Ingredientes Costelas:   350   gramas   de   carré   francês,   temperado   com   sal,   pimenta   do   reino   e   azeite  com  ervas. Grelhe  as  costelas  de  cordeiro,  deixando-­‐as   mal  passadas.  Reserve-­‐as.

Purê:  

120  gramas  de  mandioquinha  cozida 50  gramas  de  manteiga  sem  sal 50  gramas  de  cebola  dourada 10  gramas  de  salsinha  picada   Sal  e  pimenta  a  gosto Cozinhe   a   mandioquinha   em   água   e   sal.   Retire-­‐a   da   panela   ainda   quente   e   bata-­‐a   no   liquidificador   sem   água.   Coloque-­‐a,   novamente,   na   panela   e   tempere-­‐a   com   sal  e  pimenta.  Desligue  o  fogo,  adicione  a   manteiga  e  misture  tudo,  até  formar  uma   pasta  bem  cremosa.

Molho  de  Vinho  Tinto:

300  gramas  de  açúcar 01  litro  de  vinho  tinto  de  boa  qualidade 50  gramas  de  cebola 20  gramas  de  alho 30  gramas  de  caldo  de  carne 30  ml  de  vinagre  de  framboesa Coloque   o   açúcar   numa   panela   e   deixe-­‐o   ferver,  até  virar  uma  espécie  de  caramelo.   Junte  a  cebola  e  o  alho  e  deixe-­‐os  fritar  no   caramelo.   Adicione   o   caldo   de   carne   e   o   vinho  à  mistura,  até  que  o  álcool  do  vinho   seja   evaporado.   Acrescente   o   vinagre   de   framboesa   e   deixe   o   molho   secar   por   uns   dez   minutos.   O   Chef   alerta   que,   caso   seja   preciso   engrossar   a   mistura,   deve-­‐se   adicionar,   ainda   no   fogo,   amido   de   milho   em  doses  pequenas  e  espaçadas,  para  não   engrossá-­‐la  muito.

Montagem  do  prato

Disponha   o   purê   em   um   refratário,   colo-­‐ cando  as  costelas  sobre  ele.  Regue  o  carré   com  o  molho  de  vinho  tinto.  Salpique  cheiro   verde  e  sirva  o  prato  ainda  quente.  

12  |  BAHIA  NORTE  


BAHIA  NORTE  |  13


DIREITO  |  CONSUMIDOR

Financiamento de veículos é abusivo A  todo  instante  as  montadoras  de  ve-­‐ ículos  aquecem  o  mercado  consumerista   com  a  inserção  cada  dia  maior  dos  seus   produtos.  Além  disso,  presenciam-­‐se  di-­‐ versas  propagandas  tentadoras  na  mídia,   tais   como:   “Compre   o   seu   veículo   com   entrada   zero”.   Essas   dentre   outras,   são   propostas  que  vislumbram  os  olhares  dos   consumidores. Pois  bem,  quem  não  tem  o  desejo  de   ter  a  comodidade  de  um  automóvel  para   se  locomover,  e  não  mais  necessitar  dos   transportes  públicos?  Deixar  de  vivenciar   a   lotação   e   o   mal   estado   dos   meios   de   locomoção   em   massa?   Por   isso,   o   con-­‐ sumidor   acaba   se   preocupando   apenas   se  as  prestações  oriundas  da  compra  do   veículo   cabem   no   seu   bolso,   não   costu-­‐ mando   questionar   o   financiamento,   os   juros  embutidos  nas  parcelas,  o  número   de  prestações,  as  taxas  cobradas,  etc. Diante  da  vulnerabilidade  do  consumi-­‐ dor,  as  instituições  financeiras  se  aprovei-­‐ tam  e  cobram  taxas  consideradas  ilegais   pelo  ordenamento  jurídico  brasileiro,  tais   como:  a  taxa  de  abertura  de  crédito,  de  re-­‐ gistro  do  veículo,  de  retorno,  de  avaliação   do  bem,  taxa  de  emissão  de  boleto  e  de   liquidação  antecipada.  Ademais,  as  finan-­‐ ceiras  deixam  de  obedecer  aos  princípios   da  transparência  e  informação,  haja  vista   que   os   compradores   não   têm   conheci-­‐ mento  de  tudo  que  lhe  é  cobrado,  ficando   submetidos  a  um  contrato  de  adesão,  ou   seja,  um  contrato  em  que  as  cláusulas  são   preestabelecidas,  sem  terem  a  oportuni-­‐ dade  de  questioná-­‐las  inicialmente. Por  outro  lado,  a  sociedade  evoluiu  e   junto  com  ela  o  próprio  contrato,  que  pas-­‐ sou  a  prezar  pela  sua  função  social,  con-­‐ sistente  na  possibilidade  de  ser  alterado   para  atingir  a  respectiva  finalidade.  Dessa   maneira,  tornou-­‐se  possível  questionar  ju-­‐ dicialmente  aquelas  cláusulas  contratuais   que  cobram  juros  em  patamares  abusivos   e  extorsivos,  em  total  discrepância  com  os   valores  médios  de  mercado,  com  a  política   econômica  de  mercado  e  em  descompas-­‐ so  com  a  realidade  financeira  do  país. O   CDC   (Código   de   Defesa   do   Consu-­‐ midor)   permite   a   nulidade   de   cláusulas   abusivas,  bem  como  a  devolução  em  do-­‐ bro  de  taxas  ilegais.  Além  do  mais,  no  que   tange  à  ação  revisional  de  financiamento   de  veículos,  a  maioria  dos  juízos  concede   14  |  BAHIA  NORTE

liminar,  momento  em  que  o  autor  passa   a  depositar  em  juízo  o  valor  das  parcelas.   Em   dado   momento,   os   bancos,   em   sua   grande   maioria,   acabam   por   firmar   um   acordo  com  o  autor  da  ação,  garantindo   a  quitação  do  bem.   Note-­‐se   que   o   Direito   não   está   ao   lado   daquele   que   intenta   má-­‐fé.   O   fato   de   termos   o   Código   de   Defesa   do   Con-­‐ sumidor  a  nosso  favor,  não  nos  permite   que   compremos   um   automóvel   com   a   má-­‐intenção  de  justamente  ajuizar  ação   e  obstar  o  pagamento.  É  importante  que   fique  claro:  podemos  sim  rever  cláusulas   ilegais  e  juros  abusivos  sempre  que  esti-­‐ vermos  em  situação  de  vulnerabilidade  e   assinando   contrato   de   adesão.   Mas,   no   momento   de   firmar   o   contrato,   a   moral   requer   que   tenhamos   a   boa-­‐fé   e   a   ver-­‐ dadeira   intenção   de   cumpri-­‐lo   em   sua   íntegra,  caso  contrário,  não  haveria  razão   para  fazê-­‐lo. A  ação  revisional  é  uma  das  “armas”   que  o  direito  brasileiro  nos  permite  utilizar   para  a  busca  da  defesa  do  justo  e  correto,   que   pode   ser   ajuizada   por   aquele   que   mantém  suas  parcelas  em  dia,  por  aquele   que  possui  parcelas  em  atraso,  por  aquele  

que  já  se  encontra  como  réu  em  ação  de   busca  e  apreensão  do  veículo,  isso  porque   o  direito  de  revisar  os  juros  abusivos  assis-­‐ te  a  todos,  visto  que  garantido  pelo  Código   de  Defesa  do  Consumidor  e  Código  Civil,   independente  da  situação  de  pagamento   do  bem. O  importante  é  deixar  o  consumidor   atento  dos  seus  direitos  e  ciente  de  que   não  dá  para  abdicar  deles  em  detrimento   de  um  sistema  econômico,  muitas  vezes   perverso.  O  CDC  surgiu  exatamente  para   dar   uma   maior   proteção   e   garantia   da   aplicabilidade  dos  direitos  básicos  do  con-­‐ sumidor.  Dessa  maneira,  não  há  porque   estagnarmos  e  esperarmos  que  as  grandes   instituições  enriqueçam  sem  causa,  apro-­‐ veitando  da  boa-­‐fé  dos  clientes,  haja  vista   que  a  legislação  pátria  garante  a  defesa   do  consumidor.   Samille  Fiscina  Lima samillefiscina@hotmail.com Geisa  Rodrigues  Batista ďĂƚŝƐƚĂͺŐĞŝƐĂΛLJĂŚŽŽ͘ĐŽŵ͘ďƌ Danielle  Dias  de  Araújo ĚĂŶŝũƵƐͺĚŝĂƐΛŚŽƚŵĂŝů͘ĐŽŵ


COMUNIDADE  |  LAURO  DE  FREITAS

Menos de 10 andares é o ideal para a orla Vereador Antônio Rosalvo defende redução do gabarito na faixa litorânea de Lauro de Freitas Em  pronunciamento  na  Câmara  Mu-­‐ nicipal   de   Lauro   de   Freitas,   o   vereador   Antônio  Rosalvo  (PSDB)  voltou  a  defender   que   o   atual   gabarito   de   construção   de   prédios   na   faixa   litorânea   do   município   seja  reduzido,  e  não  ampliado,  conforme   prevê  Projeto  de  Lei  em  tramitação  desde   o  ano  passado. Projeto  de  Lei  em  tramitação  no  Legis-­‐ lativo  local  prevê  que  possam  ser  erguidos   edifícios  de  até  15  andares  em  Lauro  de   Freitas.   A   medida   modificaria   o   Plano   Diretor   de   Desenvolvimento   Municipal   (PDDM),  mas  precisa  de  maioria  absoluta   para   ser   aprovada.   Como   Presidente   da   Câmara,   Rosalvo   adianta   que   o   assunto   “não  será  votado  antes  do  final  do  ano”.   Ele  quer  antes  “alcançar  um  consenso  e   garantir   a   redução,   não   o   aumento   do   gabarito”.  A  decisão  final  pode  depender   dos  vereadores  que  serão  eleitos  em  ou-­‐ tubro  próximo. Para   Rosalvo,   “a   cidade   não   suporta   mais  prédios  a  leste  da  Estrada  do  Coco,  

Antônio  Rosalvo  defende  a  redução  do  atual   gabarito  de  10  andares  e  não  a  ampliação  para  15

onde  todo  mundo  parece  querer  morar”.   Ele   chama   atenção   para   o   que   o   PDDM   designa  como  “áreas  de  expansão  urba-­‐ na”,   todas   do   lado   oposto   da   principal   via  do  município.  “Não  foi  por  acaso  que   se   identificou   áreas   no   Caji   e   em   Areia   Branca   como   adequadas   para   expansão   urbana”,  diz.

Para  ele,  “não  faz  sentido  estimular  o   adensamento  populacional  no  entorno  de   Vilas  do  Atlântico  só  porque  os  interesses   econômicos  recomendam”.  Os  crescentes   problemas  de  trânsito  e  segurança  públi-­‐ ca,  além  da  permanente  ameaça  ao  meio   ambiente,  “são  consequência  do  adensa-­‐ mento   populacional   em   certas   áreas   de   Lauro  de  Freitas”,  diz.   No  seu  pronunciamento,  Rosalvo  des-­‐ tacou  que  “é  possível  crescer  sustentavel-­‐ mente,  organizadamente”,  bastando  para   isso  “não  ceder  a  interesses  econômicos   como  se  a  cidade  estivesse  toda  à  venda”. A  orla  foi  projetada  para  oferecer  qua-­‐ lidade  ambiental  “aliás  como  em  qualquer   cidade  bem  gerida”  e  essa  conquista  tem   que  ser  preservada  para  as  gerações  fu-­‐ turas.  Há  vinte  anos  a  paisagem  de  Vilas   do  Atlântico  era  muito  diferente  do  que   é   hoje,   observa   Rosalvo.   “O   desenvolvi-­‐ mento  econômico  transforma  a  geografia,   mas  isso  tem  que  acontecer  dentro  de  pa-­‐ râmetros  de  sustentabilidade”,  pontuou.

BAHIA  NORTE  |  15


POLÍTICA  |  ELEIÇÕES

João Oliveira tem apoio de 16 partidos Bandeiras  de  16  partidos  deram  o  tom   da  festa  de  homologação  das  candidaturas   de  João  Oliveira  (PT),  a  prefeito,  e  Chico   Franco  (PCdoB),  vice,  neste  sábado  (30)  no   Ginásio  de  Esportes  de  Lauro  de  Freitas.  As   militâncias  do  PT,  PCdoB,  PSB,  PDT,  PRB,   PSC,   PSD,   PSDC,   PPL,   PRTB,   PTdoB,   PTC,   PCB,   PRP,   PPS   e   PSDB   lotaram   a   quadra   e  arquibancadas  do  ginásio,  numa  prévia   do  que  vai  ser  a  campanha  deste  ano  nas   ruas.   No  palanque  tomado  por  presidentes   estaduais   e   municipais   dos   partidos   da   coligação,   parlamentares,   secretários   e   lideranças  comunitárias,  o  ex-­‐governador  

Waldir   Pires   abriu   os   pronunciamentos   com   uma   mensagem   para   a   chapa:   “A   cidade  está  visivelmente  melhor  do  que   quando  Moema  assumiu.  Isso  aumenta  a   responsabilidade  de  vocês  que  terão  que   fazer  muito  mais”.   Voz  embargada,  Moema  agradeceu  o   apoio  dos  15  partidos  que  se  juntaram  ao   PT  na  Coligação  “Família  forte,  povo  feliz”,   conclamou  a  militância  para  a  campanha  e   desafiou  os  adversários  a  compararem  os   16  anos  do  grupo  que  apoia  a  candidatura   deles  com  os  oito  anos  da  sua  gestão.   A  prefeita  destacou  a  competência  de   João,  morador  do  município  há  40  anos,  

e  a  “grandeza”  de  Chico  que  abdicou  da   candidatura   a   prefeito   para   apoiar   “o   projeto   que   transformou   a   cidade”.   Fez   até   poesia:   “Chico   é   grande,   é   franco   e   verdadeiro.   João  é  concentrado,  é  equi-­‐ líbrio   e   razão   para   vencer   a   eleição”.   E   terminou  lembrando  o  verso  “Deixo  em   tuas   mãos   o   meu   povo/   e   tudo   o   que   mais   amei/   mas   só   deixo   porque   sei   que  vais  continuar  o  que  fiz”,  da  despedida   de  Lula  para  Dilma. Saudado   pelas   charangas   e   a   dança   das  bandeiras,  João  Oliveira  assegurou  a   disposição  de  fazer  mais  e  melhor.  “Você,   Moema,  plantou  a  semente.  Restaurante   Popular,  creche,  consultórios  odontológi-­‐ cos,  primeira  agência  de  Correios  de  Itin-­‐ ga,  primeira  agência  do  INSS  do  município   e   fez,   principalmente,   a   integração   dos   dois  lados  do  município.  Isso  é  governar   para  a  família,  para  o  povo.  Vamos  encon-­‐ trar  contas  e  salários  dos  servidores  em   dia  e  total  transparência.  Temos  a  obrigar   de  sermos  melhores  do  você”.   Chico  Franco  também  apontou  o  tom   que  a  campanha  terá  nas  ruas.  “Digo  sem-­‐ pre  que  Lauro  de  Freitas  foi  uma  antes  de   Moema  e  outra  depois.  Optei  pelo  projeto   que  já  se  mostrou  melhor  para  a  cidade”.   Destacou  no  entanto  que  o  maior  mérito   da   prefeita   “foi   dar   valor   e   voz   ao   povo   como  nunca  se  tinha  feito  na  cidade”.

Candidato com a cara do povo Com  a  campanha    às  eleições  munici-­‐ pais  2012  a  todo  vapor,  o  que  não  falta  é   candidato  a  vereador  em  Lauro  de  Freitas.   Porém,   os   mais   comprometidos   com   a   comunidade  devem  ter  maiores  chances   de  eleição.  Este  é  o  caso  de  Paulo  Lima,   candidato  pelo  Partido  Republicano  brasi-­‐ leiro    (PRB),    agremiação  da  base  de  apoio   ao  candidato  do  PT,  João  Oliveira. Acadêmico  de  Direito  e  professor,  Lima   tem  reduto  eleitoral  forte  em  Vida  Nova,   mas  desenvolve  um  trabalho  voltado  para   as  áreas  social  e  de  educação  que  atinge   toda  a  cidade.  Ele  implantou  a  Escolinha   Bom   Jesus,   no   Parque   São   Paulo,   que   atende  a  150  crianças,  e,  hoje  conta  com   um  convenio  junto  à  Prefeitura  Municipal.   Suas  ações  na  área  social    são  direcio-­‐ 16  |  BAHIA  NORTE

nadas  para  a  qualificação  de  mão  de  obra   para  a  população  de  baixa  renda  através     de  cursos  gratuitos  de  eletricidade,  mecâ-­‐ nica,  refrigeração,  telemarketing,  dentre   outros.   Em  2008,  quando  saiu  candidato  pela   primeira  vez  e  obteve  417  votos,  implan-­‐ tou   cursos   profissionalizante   de   costura   industrial  no  Presídio  de  Lauro  de  Freitas,   com  objetivo  de  ressocialização  da  comu-­‐ nidade  carcerária. Paulo   Lima   tem   47   anos,   é   casado   e   tem   dois   filhos.   Ele   se   identifica   com   o   trabalho  social  implementado  pela  atual   prefeita  Moema  Gramacho  no  município,   e,  disse,  que  por  isso  optou  pelo  apoio  à   chapa   majoritária   encabeçada   por   João   Oliveira,  candidato  da  situação.  


ODONTOLOGIA

3288.2101  |  8799.9890  |  8827.6260

FISIOTERAPIA  E  PILATES

FISIOTERAPIA  E  PILATES

FISIOTERAPIA  E  ESTÉTICA

ODONTOLOGIA

FISIOTERAPIA

INSTITUTO  DE  BELEZA

CONSULTÓRIO  PEDIÁTRICO

BARBER  SHOP

CLÍNICA  MÉDICA

LIMPEZA  E  DETETIZAÇÃO  EM  GERAL

BAHIA  NORTE  |  17


LIVRARIA

ESPAÇO  RECREATIVO  E  PEDAGÓGICO

CENTRO  AUTOMOTIVO

ESCOLA

LAVA  JATO

REFORÇO  ESCOLAR

CONTABILIDADE

INGLÊS

CONTABILIDADE

18  |  BAHIA  NORTE

FORMAÇÃO  PROFISSIONAL


VETERINÁRIA

3288.2101  |  8799.9890  |  8827.6260

VETERINÁRIA

VETERINÁRIA

MERCADINHO

PET  SHOP

ADVOCACIA

INFORMÁTICA

MASSOTERAPIA

ACADEMIA

ACADEMIA

BAHIA  NORTE  |  19


BUFFET

RESTAURANTE

BUFFET  E  EVENTOS

RESTAURANTE

BUFFET  E  EVENTOS

CHOCOLATES  E  PRESENTES

SORVETERIA

PIZZARIA

PIZZARIA

MODA  UNISSEX

SALGADOS

FOTOGRAFIA

20  |  BAHIA  NORTE

DÉLICATESSE

FOTOGRAFIA


VIDRAÇARIA

LOCAÇÃO  E  MANUTENÇÃO

ASSISTÊNCIA  TÉCNICA

TV  POR  ASSINATURA

ASSISTÊNCIA  TÉCNICA

TV  POR  ASSINATURA

CONSÓRCIOS

SERVIÇOS  GRÁFICOS

DESINSETIZADORA

TV  POR  ASSINATURA

ARTESANATO

DESENTUPIDORA  DE  FOSSA

BAHIA  NORTE  |  21

3288.2101  |  8799.9890  |  8827.6260

ASSISTÊNCIA  TÉCNICA


MATERIAIS  DE  CONSTRUÇÃO

ESTOFADOS

COSTURA  E  REFORMA

BANHO  DE  PRATA  E  AFINS

VIDRAÇARIA

REDES  DE  PROTEÇÃO

MÁRMORES  E  GRANITOS

VIDRAÇARIA

CONSTRUÇÃO

DESINSETIZADORA

LAVANDERIA

MADEIREIRA

MADEIREIRA

MARCENARIA

22)  |  BAHIA  NORTE



REVISTA BAHIA NORTE