Page 1

#9

VERMELHO DESBOTADO LÍDERES MANCHAM A HISTÓRIA DO PT: DE SINDICALISTAS A MENSALEIROS


PolĂ­tica , Cotidiano

e vice-versa


EDITORIAL Por Arthur Stabile

BRECHA NADA LEGAL O brasileiro tem um grande conformismo quando falamos de política. A ideia dos eleitores é que, sai nome entra nome, nada mudará. Tudo sempre foi e sempre será assim. Isso foi potencializado com a entrada do PT na presidência e seus resultados futuros. Ou melhor, não resultados e, para piorar, um caso de corrupção: o Mensalão. Com a prisão de parte dos acusados no último mês, a esperança por mudança deu uma leve respirada. Que, instantaneamente, perdeu o efeito. Apesar de presos e condenados por corrupção, os deputados envolvidos com o caso poderão continuar representando a população na Câmara dos Deputados. Ou seja, presos por desvio de dinheiro público decidirão os rumos traçados pelo país. Isso se dá pela divisão entre os três poderes que comandam a República Federativa do Brasil. Pelo Judiciário, os deputados foram considerados culpados e, além de impedidos de ter plena liberdade, impossibilitados de representar a população. Entretanto, o regimento interno da Casa define que so-

mente representantes eleitos pela população podem retirar um posto dado pelo povo. E assim a briga segue. Quem perde com a burocracia na perda dos mandatos é a população, que pode ver decisões importantes passar pelas mãos de mensaleiros como Valdemar Costa Neto. Vale ressaltar que a divisão dos poderes deve ser clara. Porém, a transparência deve reger a Câmara. Recentemente, os deputados se mostraram inaptos à possiblidade de voto secreto para cassações de mandatos. Condenado à mais de 13 anos de prisão, o deputado Natan Donaton seguiu com seu cargo. De nada adiantou a condenação do STF e a determinação da perda do mandato. Uma forma de evitar situações constrangedoras como esta, o poder Legislativo – Senado e Câmara – deve atuar para encerrar com o Voto Secreto. Se o país perde com mensaleiros decidindo situações importantes, ele também perde com a possibilidade de deputados egoístas continuarem salvando seus pares por puro interesse partidário.

EXPEDIENTE REVISTA AMPLO www.revistaamplo.com Um dos produtos do Grupo Amplo EDITORES-CHEFE Arthur Stabile arthur.stabile@revistaamplo.com Luís Adorno luis.adorno@revistaamplo.com REPÓRTERES Alan Ank alan.ank@revistaamplo.com Monique Queiroz monique.queiroz@revistaamplo.com Nathalia Marques nathalia.marques@revistaamplo.com Yago Rudá yago.ruda@revistaamplo.com DIRETOR DE PLANEJAMENTO Marco Antonnio Badia marco.badia@revistaamplo.com DIRETOR DE MARKETING Philippe Vasconcelos philippe.vasconcelos@revistaamplo.com DIRETOR DE ARTE Thiago Jesus thiago.jesus@revistaamplo.com Acompanhe a Revista Amplo nas mídias sociais: Facebook.com/RevistaAmplo Twitter.com/RevistaAmplo YouTube.com/TVAmplo


.05

CrĂŠdito: Marcelo Casal Jr./ABr


SUMÁRIO CASA GRANDE A VOLTA DE FELICIANO .12 DESFECHO DE JANGO .13 IMPOSTOS SOBRE SUBORNO .14 ARMA PARA A ANTIGA OPOSIÇÃO .15 “FUI EU QUE FIZ!” .16 DE HERÓI A VILÃO .17 A VOLTADA MEDIDA QUE NÃO FOI .18 MAUS COMPANHEIROS .19

DE LÁ

CATASTROFE FILIPINA .24 NATALIDADE SERÁ MAIS FLEXÍVEL NA CHINA .26 SOCIALISMO À FRENTE NO OUTRO LADO DOS ANDES .28 PENSARE

“MUJER CONTRA MUJER” .29 SOBRE O DIA DA CONCIÊNCIA NEGRA .30


SUMÁRIO MAIS VALIA 32. LIMITADO 33. CAPITAL LIVRE

DITO

36. DITO

MEMÓRIA

37. MEMÓRIA

RAIO-X

38. DESASTRES NATURAIS ASSOLAM A TERRA 39. ESTRAGO DE R$ 2,4 MILHÕES 40. QUEM MATOU JOAQUIM? 41. SEM PESO NAS COSTAS 42. ARGUMENTO

ARGUMENTO PÃO E CIRCO

45. TEORIA DA PRÁTICA 46.FALEM BEM, FALEM MAL, MAS FALEM DE MIM! 47. NOVO ALEMÃO FOMINHA 48. DE 10 EM 10


AMPLO VISテグ

.10


AMPLO CASA GRANDE LUÍS ADORNO São Paulo (SP)

A VOLTA DE FELICIANO

Em 30 minutos, Comissão promove homofobia explícita. Conheça seus direitos e deveres, segundo a Constituição Justamente no feriado de Consciência Negra, a Comissão de Direitos Humanos da Câmara, liderada pelo pastor Marco Feliciano (PSC-SP), mostrou que, talvez, precisamos de um ‘dia da Consciência Homossexual’, contra a política homofobica instaurada em Brasília. Em uma sessão que durou menos de 30 minutos, a Comissão conseguiu suspender a resolução do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) que abriu caminho para a realização de casamentos gays no país. Ainda aprovou uma con-

vocação de um plebiscito sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Também foi rejeitado, sem nenhum obstáculo, um projeto de lei que pretende consolidar benefícios previdenciários a parceiros do mesmo sexo. O texto ainda será avaliado por outras duas comissões e pelo plenário da Casa, antes de ser encaminhado ao Senado. O casamento civil entre pessoas do mesmo sexo é realizado no Brasil desde que o STF (Supremo Tribunal Federal) entendeu que

deve ser reconhecida a união estável entre pessoas do mesmo sexo. Feliciano entra em contradição com os Direitos e Deveres do Cidadão, segundo a Constituição Federal de 1988. Devemos lutar para que os nossos direitos sejam respeitados, e ao mesmo tempo ter a consciência de nossos deveres e cumpri-los. Confira os direitos e deveres de todo cidadão brasileiro e saiba como se defender:

DIREITOS

DEVERES

• Ir e vir em todo território nacional em tempo Paz

• Votar para escolher nossos governantes e nossos representantes nos poderes executivos e legislativo

• Direito de igualdade perante a Lei • Direito de não ser torturado e de não receber tratamento desumano ou degradante • Direito a sua intimidade, sua vida particular, sua honra, sua imagem, à inviolabilidade de seu domicílio, de sua correspondência, de suas comunicações telegráficas, de dados e telefônicas • Direito de liberdade de expressão de atividade artística, intelectual, cientifíca, literária, e de comunicação • Direito de reunião e às liberdades políticas e religiosas • Direito à Informação, Direito de propriedade

.14

• Cumprir a leis • Respeitar os direitos sociais de outras pessoas • Prover o seu sustento com o seu trabalho; alimentar parentes próximos que sejam incapazes • Educar e proteger nossos semelhantes • Proteger a natureza • Proteger o patrimônio comunitário • Proteger o patrimônio público e social do país; Colaborar com as autoridades


AMPLO CASA GRANDE NATHALIA MARQUES São Paulo (SP)

O DESFECHO DE JANGO Retificando a história, a morte de Jango deve ser esclarecida O último dia 14 de novembro deverá entrar para os livros de história do Brasil. Foi a primeira vez que um erro militar e parlamentar, ocorrido há décadas, foi retificado. Os restos mortais do ex-presidente João Marques Belchior Goulart foram exumados para poder identificar o motivo de sua morte. À época, os militares informaram que Jango teve um ataque cardíaco. A exumação só foi autorizada pelo envolvimento da CNV (Comissão Nacional da Verdade) - que investiga os crimes cometidos por militares na ditadura (1964-1984) e pelo MPF-RS (Ministério Público Federal do Rio Grande do Sul). A família do ex-presidente acredita que ele tenha sido assassinado pela operação candor. João Goulart era Gaúcho e formado em Direito. Ingressou na política com apadrinhamento de Getúlio Vargas e fundou o PTB (Partido dos Trabalhadores Brasileiros). Foi vice-presidente no governo de Jânio Quadros, e se tornou presidente quando Quadros renunciou. Nesta época, o mundo vivia em constante pressão devido à Guerra Fria, quando houve um conflito ideológico que dividiu o mundo entre o sistema capitalismo e comunismo. Esse fronte girava em torno da hegemonia política, econômica e militar do mundo, para possuir maiores domínios e instalar seu sistema em outros pa-

íses os dirigentes do conflito. Em muitos casos, financiavam guerras civis. Na América latina, o EUA criou a operação condor (1970 – 1980) em países como Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai, Uruguai e Brasil. A operação garantia o domínio capitalista, através da instauração de governos ditatoriais, além dos assassinatos e torturas dos subversivos – quem era contra o governo. Com a possibilidade de Jango ser presidente, a elite conservadora e os militares ficaram abalados, porque, para eles, Goulart poderia implantar o comunismo no país. O então vice-presidente estava em viagem à China, com isso os militares enviaram carta ao Congresso Nacional solicitando que Ranieri Mazzilli, então presidente da Câmara, se empossasse do cargo, o que veio a acontecer. Oito meses depois a Casa aprovou inconstitucionalmente o sistema parlamentarista no país. Com isso, Jango se apossou como primeiro ministro, o que não lhe favorecia, já que possuía poucos poderes. Mesmo assim, permanecia em sua estratégia de governo o desenvolvimento econômico, combate à inflação e a diminuição do déficit público. Com o fracasso do parlamentarismo foi necessário realizar um plebiscito para que a população escolhesse qual sistema permaneceria em vigor, parlamentaris-

mo ou presidencialismo. Em 1963, o povo votou por presidencialismo, e Jango se tornou presidente do Brasil. Uma das ações do ex-presidente foi anunciar a reforma de base, que implantaria, através do decreto SUPRA, a reforma agrária e a distribuição de renda no país. Após assinar o decreto, o ex-presidente realizou no Rio de Janeiro um comício para defender a reforma política. Dentre os apoiadores da proposta estava a UNE (União Nacional dos Estudantes) e as ligas camponesas. “E, feito isto, os trabalhadores do campo já poderão, então, ver concretizada, embora em parte, a sua mais sentida e justa reivindicação. Aquela que lhe dará um pedaço de terra para trabalhar, um pedaço de terra para cultivar”, afirmou Jango em um comício. Popular com o povo e impopular com a elite. As atitudes de Jango mobilizaram a elite e as forças armadas, que em 31 de março de 1964 depôs o presidente. Para evitar uma guerra civil, Jango se exilou no Uruguai, logo depois se mudou para a Argentina, onde morreu de infarto no ano de 1976. Segundo sua família, ele teria sido assassinado por um agente argentino da Operação Condor. O exame laboratorial para descobrir a verdadeira causa da morte de Jango será realizado na Europa. O resultado deve sair no fim do ano que vem.

.13


AMPLO CASA GRANDE ARTHUR STABILE São Paulo (SP)

IMPOSTO SOBRE SUBORNO

Fiscais embolsam parte ISS de empreiteiras e deixam Prefeitura de São Paulo até R$ 500 mais pobre A cidade de São Paulo pode ter perdido 150 escolas municipais. Isso porque parte do ISS (Imposto Sobre Serviços) aplicado em construções da cidade foram desviados durante a gestão do ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD). Entre 2007 e 2012, um grupo de auditores oferecia “desconto” de 50% para grandes construções e, deste valor, somente 1/10 do total chegava aos cofres públicos. Cerca de 15 empresas estão envolvidas com o esquema, ainda sem saber se foram cooptadas ou integravam a fraude. Após investigações do MP (Ministério Público), quatro auditores respondem em liberdade. Eles estão afastados e devem receber cerca de R$ 200 mil em salários sem trabalhar por 120 dias de punição. E isso equivale a 1/3 de suas remunerações. Em resposta, a Prefeitura de São Paulo já pediu a explicação de 60 construtoras. Mas membros da antiga gestão seguem como alvos do MP. O órgão convocou para depoimento o ex-secretário de Finanças da prefeitura Paulo Walter Aluísio. Além dele, o também ex-secretário Mauro Ricardo dará explicações.

.16

Crédito: Divulgação /Alesp

“KASSAB TEM ENVOLVIMEN- de vagas amenizado - não soluTO COM EMPREITEIRAS”, DIZ cionado - mas diminuiria muito. Hoje, são 300 mil crianças fora das MEMBRO DO PSOL creches.

AMPLO: Como o senhor classifica AMPLO: Gilberto Kassab tem qual a recente fraude do ISS? responsabilidade no desvio de Carlos Giannazi: É mais uma má- verbas públicas? fia instaurada em São Paulo. Não me surpreende. Giannazi: Ele tem responsabilidade. O Kassab tem envolvimento AMPLO: Algum ponto te chamou com as empreiteiras, é uma relaatenção nesse caso? ção direta. Ficou claro que a especulação [imobiliária] cresceu no Giannazi: O envolvimento de governo dele. Teve um projeto de fiscais com grandes empreiteiras. vender um quarteirão de 20 mil Elas criam a especulação imobili- m² no Itaim Bibi para a construção ária, se beneficiam e alimentam a de prédios residenciais. E nesse máfia. Mesmo assim estas emprelugar temos nove equipamentos sas não foram punidas nem chapúblicos, como escolas e teatro. madas para se explicar. Também deve existir a investigação dos SILÊNCIO corruptores. Até o final da edição, o ex-prefeito AMPLO: O que poderia ser feito Gilberto Kassab (PSD) não atencom os R$ 500 mi supostamente deu os contatos da reportagem da Amplo. Como ex-prefeito e desviados? figura pública, apresentar sua poGiannazi: Daria para construir sição – ou defesa – era o mínimo a 150 escolas, creches... A educação ser feito. Fica aqui um exemplo de infantil poderia ter seu problema falta de transparência.


AMPLO CASA GRANDE ARTHUR STABILE São Paulo (SP)

ARMA PARA A ANTIGA OPOSIÇÃO Com Mensalão em alta, ISS vira arma para o PT se defender das acusações de corrupção Quem comemora a explosão desta denúncia é o PT. O partido está a todo o momento na mídia como referência de ações corruptas devido ao julgamento e às recentes prisões do mensalão. Agora, com este caso envolvendo um adversário em São Paulo, os petistas têm um novo argumento para se defender. “A gestão Kassab foi um descalabro”, assim definiu o atual prefeito, Fernando Haddad (PT). Mas, no âmbito nacional, quase tudo são flores. Antes era preciso aos militantes vermelhos recorrerem ao Mensalão Tucano, esquema parecido com o envolvendo o partido governista, mas que ainda não foi julgado, para se defender. Nos últimos meses, reviravoltas e denúncias mudaram os rumos e mostraram que a corrupção na política brasileira é de proporções gigantescas. PSDB, de Serra e Alckmin, e o PSD de Kassab se mostraram tão atuantes quanto o PT nessa área. Primeiro vazou a ligação de tucanos em um esquema gigan-

tesco envolvendo parte de obras nos trens metropolitanos. Agora, Kassab é o alvo. Para se desligar do esquema, Haddad garantiu que os impostos desviados serão devolvidos aos cofres públicos. “O que depende da prefeitura é a cobrança dos postos não recolhidos e a prefeitura vai fazer,” garantiu. Ele ainda afastou um secretário – Antonio Donato, da pasta de Governo – de sua gestão, supostamente envolvido no esquema. VIVA A COALIZÃO Em Brasília, tudo está indo bem. As denúncias nada interferiram na decisão de Dilma Rousseff de aceitar o apoio de Kassab para as eleições de 2014. O partido do ex-prefeito está de mãos dadas com a presidenta em 24 de seus 27 diretórios. “O apoio vem se desenhando desde o início do partido”, disse Kassab no evento que selou o namoro. Ao colocar o PSD debaixo de sua saia, Dilma Rousseff agrega tempo à sua campanha para

2014. Serão mais 1 min 32 seg para ela apresentar suas propostas de manutenção do Governo à população. Assim, iremos ver a atual presidente mais de 10 minutos ininterruptos durante a propaganda eleitoral obrigatória. “[Essa união] Mostra a falência dos partidos, sua falta de coerência e o clientelismo. É o maltrapilho criticando o esfarrapado. O PSD se mostra um partido sem cor, sem caráter”, argumentou Giannazi à Amplo. Por outro lado, três diretórios do PSD estão longe de atuar junto com o PT. Minas Gerais, Pernambuco e Acre negaram dividir campanha para a atual presidente. “Nem com peia (surra) eu apoio o PT”, declarou o líder do PSD no Senado, Sérgio Oliveira (AC). Ele se considera “bem longe” do projeto petista e que o partido no Acre não tem identidade e segue incompatível com as ideias de Dilma.

.15


AMPLO CASA GRANDE YAGO RUDÁ São Paulo (SP)

‘FUI EU QUE FIZ!’ Paulo Maluf, finalmente, perde direitos político e fica inelegível por cinco anos viam sido condenados em primeira instância no ano de 2009 sob a acusação de improbidade administrativa, a decisão apenas foi confirmada pelos desembargadores da 10ª Câmara do Direito Público. Teresa Ramos Marques, uma das três desembargadoras do caso, afirma que a decisão de condenar os réus foi bem fundamentada, pois os documentos do processo evidenciam que “as especificações sustentadas pelos réus não correspondem aos serviços executados e foram criadas com o intuito de lesar o erário, mediante o pagamento por serviços não realizados”. Maluf pretende disputar as eleições do ano que vem. No entan-

to, segundo a Lei da Ficha Limpa, ficam impedidos de disputar as eleições aqueles que “forem condenados à suspensão dos direitos políticos, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado, por ato doloso de improbidade administrativa que importe lesão ao patrimônio público e enriquecimento ilícito”, como é o caso de Maluf. Depois das manifestações de junho e julho deste ano, alguns políticos já foram julgados e condenados pela Justiça brasileira. Os mensaleiros petistas, por exemplo, já estão cumprindo pena. Alguns envolvidos em casos de corrupção também estão sendo julgados. É esperar para ver.

Crédito: Reprodução

Figura carimbada no cenário político nacional, o ex-governador paulista Paulo Maluf (PP), de 82 anos, foi condenado no início de novembro por superfaturar as obras de um túnel na zona sul de São Paulo quando era prefeito da capital paulista. A decisão do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) prevê que Maluf pague aos cofres públicos o dinheiro desviado e impede a participação do político nas eleições do ano que vem. Além de Maluf, o TJ-SP condenou quatro executivos da Emurb (Empresa Municipal de Urbanização de São Paulo) e duas empresas privadas envolvidas no caso de corrupção: a Constran S.A e a CBPO Engenharia. Os réus já ha-

.18


AMPLO CASA GRANDE NATHALIA MARQUES São Paulo (SP)

DE HERÓI A VILÃO A trajetória de Aurélio Miguel é de glória no judô à encrenca na política De altos e baixos é a trajetória do vereador Aurélio Fernandez Miguel (PR), que foi medalhista de ouro olímpico no judô, na década de 80. Mas, ao ingressar na carreira política, foi acusado pelo MP-SP (Ministério Público de São Paulo) em 2012 por corrupção passiva. Este ano está novamente na mira no MP-SP, sob suspeita de envolvimento com a fraude do ISS. Aurélio Miguel começou a lutar judô aos quatro anos de idade, por recomendações medicas para amenizar sua bronquite. No entanto, com o descobrimento de seu talento aos sete anos, disputou os primeiros campeonatos. Ao longo de sua carreira venceu diversos competições, o que fez ser considerando em 80, o melhor judoca de São Paulo e em 83 o melhor do país. O começo de ascensão de sua carreira de atleta ocorreu em 1987, quando obteve medalha de ouro nos jogos Pan-Americano de Indianápolis (EUA). No entanto, o ápice de sua trajetória foi em 1988, quando ganhou o primeiro ouro brasileiro de judô nas olímpiadas de Seul (Coréia do Sul). Suas conquistas não pararam por ai, o atleta obteve muitas outras medalhas em diversos campeonatos nacionais e internacionais. O ex-judoca foi um exemplo para muitos atletas brasileiros, isso porque, além de ser o primeiro de sua categoria a trazer o ouro olímpico para o Brasil, a luta de Miguel também ocorreu fora do tatame. Ele também ‘lutou’ por seus direitos como atleta diversas vezes contra a CBJ (Confederação Brasileira de Judô). Uma das ‘lutas’ ocorreu em 1989, quando junto com outros

companheiros – considerados a elite do judô – rompeu com a CBJ. O rompimento acarretou em falta de patrocínio para os atletas. O rompimento ocorreu porque os atletas não concordavam com as políticas adotadas pela CBJ. Uma das reivindicações era mudança no critério para a escolha da equipe olímpica. Apenas quando suas reivindicações foram atendidas, os judocas voltaram para a confederação, o que aconteceu somente em 1992. Em 2001, Miguel encerrou sua carreira como atleta, se aposentando. Quatro anos mais tarde veio a se eleger como vereado da cidade de São Paulo. Atualmente está em seu terceiro mandato consecutivo, que se encerra em 2016. Se sua carreira como judoca foi de glórias, a de político é o inverso. No ano passado o vereador foi alvo de investigação por parte do MP-SP que instaurou o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) para investigar uma possível participação do ex-atleta em um esquema que autorizava a realização de obras de médio e grande porte, com o recebimento de propina. Na ocasião Daniela Ganzalez, ex-diretora financeira da BGE, do grupo Brookfield – empresa que tem por finalidade identificar oportunidade de negócios no ramo imobiliários – afirmou que a empresa pagou R$ 1,6 milhão para liberar a construções de obras irregulares, uma das pessoas que recebeu subornou, segundo ela, foi o vereador Miguel. No entanto, a câmara engavetou a processo com a justificativa de que não havia provas suficientes. Outra situação embaraçada para Miguel foi à denúncia do jornal “Fo-

lha de S. Paulo”, que apontou que o patrimônio do vereador não condiz com o que ele recebe como político. Segundo o jornal, o patrimônio declarado por ele em 2004 era de R$ 1,4 milhão, com quatro propriedades em seu nome, em 2012 o valor passou para 25 milhões, com 25 imóveis registrados. Em uma carta aberta à população, publicada em seu blog, o vereador se justificou, dizendo que seu patrimônio é recorrente ao recebimento de herança e aos seus negócios imobiliários. No entanto, este ano novamente o ex-judoca foi citado em um caso de corrupção, desta vez foi à fraude do ISS (Imposto sobre Serviço) - quadrilha que cobrava propina de empresas e desviava impostos da prefeitura de São Paulo. Em entrevista ao portal “UOL”, o promotor de justiça, Roberto Bodini, declarou que o fiscal Eduardo Barcelos, envolvido no esquema, teria dito em depoimento que Miguel participou do esquema de corrupção e teria recebido dinheiro do suposto chefe do esquema, Ronilson Bezerra Rodrigues, para sua campanha eleitoral. Em nota o veador se defendeu, dizendo que sua relação com Ronilson Bezerra “se dá apenas e exclusivamente no âmbito institucional, na condição de vereador membro da Comissão de Finanças e Orçamento”. O MP-SP investiga o caso, de acordo com o promotor de justiça Aurélio Miguel ainda não será convocado a prestar depoimento, pois não há relações suficientes do vereador com o caso.

.17


AMPLO CASA GRANDE LUÍS ADORNO São Paulo (SP)

A VOLTA DA MEDIDA QUE NÃO FOI Redução da maioridade penal é sugerida pela segunda vez em 2013 Vira e mexe, a discussão sobre a redução da maioridade penal volta à tona. Neste mês, foi a vez do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) propor a medida. É a segunda vez em 2013 que o assunto é discutido nos bastidores de Brasília. Desta vez, o relator Ricardo Ferraço (PMDB-ES) afirma que se trata de uma ação para enfrentar o problema de “delinquência juvenil” no país. “Dá à sociedade um instrumento inteligente e eficaz para que os operadores do Direito Penal, promotores e juízes, possam fazer a distinção entre os casos de criminosos jovens na vida dos quais o ato criminoso consubstancia um infortúnio relacionado à imaturidade e aqueles em que o crime reflete uma corrupção irreparável”, justificou Ferraço. Rildo Marques, coordenador do MNDH (Movimento Nacional de Direitos Humanos), afirmou à Amplo que “achar que a violência vai diminuir pela punição é você enganar a população de que

.20

a violência vai reduzir entre os jovens”, afirmou. Para ele, “se a punição – no caso, a pessoa ser presa na cadeia, ou no Centro de Detenção – inibisse a violência, não teríamos maiores de idade matando. Então, você reduzir a maioridade penal, hoje, significa dizer: eu não cumpri a lei, porque eu ou o Estado não cumprem a lei”, deduziu. O humanista ainda aponta o problema social que deixa a brecha aberta para propostas como a do senador tucano. “Temos uma cultura individualista. Os garotos de 16, 17, 18 anos saem da rede pública sem saber ler e escrever, porque eles não têm uma atenção adequada, ou seja, voltada para aquela condição de vida”, conclui. O vereador tucano e ex-comandante da ROTA (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), Coronel Telhada, afirma, com exclusividade: “Protegidos por um ECA que permite quase total impunidade para crimes hediondos, criminosos têm trazido terror

a famílias e a sociedade brasileira, não havendo eficaz combate a esse tipos de criminosos devido a hipocrisia penal nacional”, disse. Telhada, afirmou que esperar que o que não desejam a redução da maioridade penal “um dia não sofram na pele o que muitas famílias têm sentido e se arrependam de não terem ajudado a mudar esse Brasil, que se encontra tão sofrido”, finaliza. A proposta prevê a restrição da maioridade penal para crimes hediondos, tráfico de drogas, tortura e terrorismo. Nunes afirmou que “a sociedade quer uma resposta rápida para esta questão. Esta proposta é uma solução de bom senso e equilibrada já que as medidas sócio-educativas do Estatuto da Criança e do Adolescente, tem se mostrado ineficazes e os menores se sentem confiantes na relativa impunidade que o estatuto lhes confere”.


AMPLO CASA GRANDE ARTHUR STABILE São Paulo (SP)

MAUS COMPANHEIROS Deputados do Mensalão podem seguir seus mandatos mesmo condenados por corrupção O mês de novembro de 2013 entra para a história da política e do Direito brasileiro pela prisão dos primeiros condenados no processo do Mensalão. Depois de sete anos desde a primeira denúncia de Roberto Jefferson, presidente licenciado do PTB (Partido Trabalhista Brasileiro), os resultados legais começam a surgir. Com eles, as punições aos envolvidos no caso de desvio de verbas públicas durante o governo Lula deve ter chegado à R$ 101,6 milhões segundo dados da Polícia Federal em conjunto com

o MPF (Ministério Público Federal) e do TCU (Tribunal de Contas da União). Apesar disso, o país pode seguir sendo administrado por estes mesmos políticos. José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil; José Genoino, deputado federal e ex-presidente do PT (Partido dos Trabalhadores); Delúbio Soares, ex-tesoureiro do partido; e o publicitário Marcos Valério são os primeiros a conviver com a limitação de sua liberdade. A partir de agora, a prisão fará parte de seus cotidianos. Mas não por todo o tempo.

A determinação do formato em que as penas serão executadas abre brecha para a existência de políticos presos e, mesmo assim, presentes na Câmara dos Deputados. Dirceu, Genoino e Delúbio, por um exemplo, foram condenados em regime semiaberto. Sendo assim, durante o dia eles estão livres para seguir com suas vidas, mas devem passar a noite no presídio. Com mandato de deputado federal em execução, José Genoino terá a possibilidade de ser representante da população ape-

.19


AMPLO CASA GRANDE sar de estar pagando por ações corruptas. REPRESENTANTES ENCARCERADOS Esta possibilidade existe graças à independência entre a condenação no STF (Supremo Tribunal Federal) e a cassação do cargo de representação do deputado. O regimento interno da Câmara entende que somente representantes eleitos pelo povo podem retirar um mandato dado diretamente pela população. Assim, um deputado só pode perder o cargo em votação no plenário com o mínimo de 237 votos de seus pares – em um total de 513 representantes – e não pelo Supremo. Um caso parecido aconteceu recentemente. Condenado pelo STF, o deputado Natan Donadon (PMDB-RO) teve cargo posto em votação na Casa e saiu ileso apoiado por 131 deputados, mesmo com prisão superior a 13 anos já determinada. Como aconteceu com Donadon, o Supremo pediu a cassação de Genoino por 5 votos a 4 sem que a Câmara pudesse contrariar a decisão. Porém, a Casa confirmou que irá votar a situação do ex-presidente petista em plenário, assim como no caso anterior. Sem perder automaticamente a representação após as penas, outros políticos tem a possibilidade de viver assim como Genoino. Os deputados Pedro Henry (PMDB-MT), João Paulo Cunha (PT-SP) e Valdemar Costa Neto (PR-SP) não foram cassados. Desta forma poderão seguir como representantes do povo e decidir propostas que definirão o futuro

.22


AMPLO CASA GRANDE do país. Desde que chegaram à Brasília, eles e os demais condenados estão presos em tempo integral no Complexo Penitenciário da Papuda, o que descumpre a decisão dos ministros do STF de impor o regime semiaberto. “O mandado de prisão deveria estar acompanhado de uma guia de sentença, um documento que indica o regime no qual se inicia a execução. Mas a ausência dele gerou a prisão em regime mais grave”, explica Pierpaolo Cruz Bottini, professor-doutor de Direito Penal da USP (Universidade de São Paulo). Este ponto foi levantado pelos advogados de defesa, que pedem mudança imediata neste sistema para o formato determinado pelos ministros. Segundo o professor, a falha existiu e “houve uma ilegalidade”, sendo assim, “qualquer ilegalidade cometida pelo Poder Público merece reparos”. PT CONTRA ORIGENS Logo após a entrada do PT no poder, ficou claro que o partido havia perdido parte de sua essência. Do movimento sindicalista à eleição de 2002, a transformação da sigla envolveu a mentalidade que o norteava, que passou a ser a disputa eleitoral. Para isso, alianças com antigos rivais mortais foram necessárias - casos de José Sarney (PMDB-MA) e Fernando Collor (PTB-AL). Mas o Mensalão e seu desenrolar comprovam esta teoria. O partido não seguiu seu próprio Estatuto neste caso e manteve em seu quadro os políticos envolvidos no esquema. Segundo o Art.

231, a expulsão de José Dirceu, cardiopatia “não se caracteriza José Genoino e outros membros como grave”. condenados se aplicam em dois FUGA E DESCUMPRIMENTO parágrafos: Dos 12 condenados com pedidos Parágrafo VI – improbidade no de prisão expedidos, somente exercício de mandato parlamentar Henrique Pizzolato, ex-diretor de ou executivo, bem como no de órgão marketing do Banco do Brasil, não partidário ou função administrativa; se entregou. Voltando ao episóe no parágrafo XII – condenação dio Pizzolato, o único condenado por crime infamante ou por práticas a não se apresentar à PF (Polícia administrativas ilícitas, com senten- Federal) abandonou o país rumo à Itália. ça transitada em julgado. Uma das possibilidades de Recentemente, o partido perdeu sua fuga tem como rota viagem um quadro histórico devido às de carro para o Paraguai e voo a ligações com a velha política. partir da Argentina para a Europa. Pelo partido estar ao lado de Caso o governo brasileiro tente o Sarney, Domingos Dutra (PT-MA) retorno de Pizzolato, enfrentará anunciou seu desligamento da le- alguns problemas. Com dupla genda mesmo sendo um de seus nacionalidade, ele é oficialmente fundadores. “2014 está chegando italiano, o que dificulta um proe o PT continua no curral do Sar- cesso de extradição. Para piorar a situação, o Brasil ney”, argumenta. é morada de Cesare Batistti, considerado fugitivo da Itália por ter SAÚDE FRACA Mas Genoino não levantou apenas matado quatro pessoas na década esta polêmica. Recém-operado de 70, quando integrava o grupo do coração, o petista passou mal PAC (Armados Pelo Comunismo). após a transferência para a capital Sobre Pizzolato, o Ministério da federal e precisou de atendimen- Justiça da Itália se pronunciou e to médico. Por algumas vezes, na considera Henrique um “cidadão prisão e fora dela. A defesa do livre”. Resumindo: o retorno do parlamentar pediu aposentadoria mensaleiro para o Brasil depende por invalidez, negada pela junta de uma briga diplomática que o Governo decidirá se vai ou não médica da Câmara. A pedido da PGR (Procuradoria entrar. Os onze demais mensaleiros Geral da República), ele foi examinado e teve recomendados seguiram rumo à Brasília para 90 dias de licença. No dia 24 de iniciar o cumprimento de suas julho, ele foi diagnosticado com penas mesmo antes de terminado dissecção da veia aorta, quando o julgamento. uma camada da artéria se rompe “O Supremo define se é constitue causa hemorragia interna. Em cional ao não [as prisões antes da outro momento, um laudo de conclusão do julgamento]. Ele ia cardiologistas da UnB (Universi- debater isso na sessão da quartadade de Brasília) considerou sua -feira e adiou pra quinta. O presi-

.21


AMPLO CASA GRANDE dente Joaquim Barbosa retirou da sessão. Foi ele que determinou as ordens de prisão”, explicou Hermes Guerrero, advogado de Ramon Hollerbach, ex-sócio de Marcos Valério. Um dos pontos levantados pelos advogados de defesa é a ilegalidade dos condenados em cumprirem suas penas no Distrito Federal. Eles argumentam que cada um deve ficar preso próximo de onde moram. Ou seja, quem tem residência em Minas Gerais deve cumprir por lá, em São Paulo o mesmo, e assim por diante. Hoje, todos seguem em Brasília. ANTECIPAÇÃO DAS PENAS A determinação da prisão de parte dos réus tem como fundo legal os embargos infringentes. Ou melhor, a parte da condenação que estes recursos não levam em consideração. Os julgados foram enquadrados em mais de um crime e, nos recursos, nenhum teve todos eles incluídos. “O próprio Supremo já decidiu pela inconstitucionalidade de qualquer prisão antes do fim do julgamento em inúmeras outras oportunidades. A chamada execução antecipada da pena fere o princípio da presunção de inocência”, aponta Pierpaolo Cruz Bottini. Porém, ele explica que no caso da Ação Penal 470 somente as penas já definidas estão em execução, enquanto os “pedaços ainda não definidos estão em suspenso”. Desta forma o STF entendeu que o restante da pena, como não será modificada, já pode ser posta em prática antes do final do processo. Vale lembrar que somente os condenados com mais de quatro votos favoráveis

.22

tiveram direito de apresentar os embargos infringentes. “O caso do Ramon Hollerback não é de condenação. Assim, é absurda a pena proporcional aplicada a ele. Já entrei com recurso e o julgamento está marcado para julho de 2014 e, até lá, teremos a troca do relator [Joaquim Barbosa]”, explica Guerrero. Ao pegarmos José Dirceu como exemplo, o ex-chefe da Casa Civil teve, em agosto, seus embargos declaratórios rejeitados integralmente pelo Plenário. Tanto para o crime de Formação de Quadrilha (2 anos e 11 meses) como para Corrupção Ativa (7 anos e 11 meses) os recursos foram negados. Neste caso, os ministros consideraram sua “culpabilidade extremamente elevada”. Se os ministros aceitassem a defesa para o primeiro crime, por exemplo, Dirceu teria pena reduzia mas seguiria com prisão por quase oito anos. Este foi o argumento para o pedido das prisões acontecer sem o julgamento se dar por encerrado. TRABALHADORES Em meio ao anuncio das prisões e do início do cumprimento das penas, dois condenados pelo esquema se mostram interessados em desempenhar funções para o bem da sociedade. Como? Trabalhando. Antes de ser preso, Dirceu recebeu convite para trabalhar em um hotel de Brasília, com direito a salário de R$ 20 mil e pediu à Justiça a liberação para aceitar tal atividade. O mesmo acontece com Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do PL (atual PR), que pretende trabalhar como assistente admi-

nistrativo e receberia R$ 1.250 por mês na atividade. Mas parece que eles terão dificuldades. O procurador geral da República, Rodrigo Janot, deu parecer contrário ao pedido de Lamas pelas funções do cargo não poderem ser exercidas por este. BARBOSA EM DESTAQUE Desde o início do julgamento da Ação Penal 470, nome legal do processo do Mensalão, o ministro Joaquim Barbosa se destacou em relação aos demais. Não somente por ser presidente do Supremo, mas pela atuação incisiva contra os réus, até então acusados de corrupção. Hoje estão condenados e, parte deles, presos, com ordem de prisão expedida pelo magistrado. Os advogados dos réus se mostram claramente contrários às atuações de Barbosa. “Não há dúvidas do midiatismo do julgamento”, afirmou Hermes Guerrero que, quando questionado sobre uma possível candidatura do ministro nas eleições do próximo ano, foi claro: “Na política é necessário ouvir. Paciência e tolerância são algumas de suas características. No pouco que conheço do Joaquim Barbosa, não vejo isso”. Após os recentes protestos pelo país, o presidente teve o nome levantado como sinônimo de integridade política. Alguns dos manifestantes, inclusive, pediam sua candidatura à Presidência da República. Eles alegam que o ministro, por ter colocado os mensaleiros na cadeira, representaria uma maior seriedade na política.


AMPLO CASA GRANDE O QUE É MENSALÃO? Entenda o que foi o esquema de compra de apoio e seu histórico desde as denúncias de 2005 Pela primeira vez um partido popular venceu as eleições para presidência do Brasil. Liderado por Lula, o Partido dos Trabalhadores precisou de quatro tentativas para assumir o poder. E as expectativas eras as mais esperançosas. Foi assim até que o então deputado federal Roberto Jefferson vazou um esquema de corrupção ‘nunca visto antes na história desse país’. De 2005 para cá, ano da delação de Jefferson, o processo ainda não teve fim. Porém, capítulos para a trama não faltam. Vamos agora explicar o que é o Mensalão. Para garantir o apoio de partidos às decisões do governo, integrantes do PT pagaram uma quantia mensal para membros de outros grupos. Entre eles estão PMDB, PP, PTB, PL (atual PR) e até membros do próprio PT. Ou seja, o mensalão foi uma forma encontrada para garantir a coalisão do governo e a implementação de suas propostas. Ao longo da investigação,

que rendeu num processo com mais de 50 mil páginas e 600 testemunhas ouvidas, ficou claro para a maior parte dos ministros do STF a culpa de quase todos os envolvidos. RESULTADOS DAS ESCOLHAS Aparentemente, os benefícios futuros compensam esta decisão de se juntar a antigos desafetos. Hoje, o PT é o maior partido na Câmara dos Deputados, acima até do eterno gigante PMDB. No âmbito municipal acontece o mesmo. Após as eleições do ano passado, o partido foi o que obteve o maior número de prefeituras pelo país (1.041). Sem expulsar mensaleiros e ao lado de figuras conhecidas a política nacional, o PT cresceu de tamanho. Ideologicamente, se apequenou. “Não se governa para uma região, mas para todo o país. Aprendi que esse é um país desigual, por isso as políticas têm que levar em conta esse fato, ao mesmo tempo, temos que fortalecer as forças que sustentam um governo de coalizão”, pontua a presidente Dilma.

MAROLA ELEITORAL Assim que explodiu o escândalo do Mensalão, o primeiro ponto a ser questionado foi a reeleição do presidente Lula, em 2006. Com grande apoio da classe média, ele se reelegeu mesmo com as denúncias, que pouco afetaram a sua candidatura. Assim, ficou esperado que o esquema trouxesse perdas ao PT em 2010. Passados quatro anos, Lula seguiu como homem forte e, ao escolher Dilma Rousseff sua sucessora, traçou mais um capítulo da esperada reação eleitoral da denúncia. Naquele ano, a oposição novamente atuou sem sucesso. Até hoje, nenhum candidato petista a nível nacional perdeu com a corrupção comprovada pelo STF. Agora, com os líderes históricos do partido preso, novamente está em pauta uma perda por parte do PT devido ao Mensalão. Aparentemente, o provável é que aconteça o mesmo das duas eleições anteriores. Dilma aparece com candidatura consistente para sua reeleição e, ao que tudo indica, o Mensalão novamente não vai atrapalhar os planos do partido.

ELES PODEM SEGUIR TE GOVERNANDO

ELES PODER SEGUIR TE GOVERNANDO

Deputados condenados no processo podem ser políticos pelo dia e prisioneiros à noite. Todos cumprirão penas em regime semiaberto. E, mesmo respondendo por ações corruptas, decidirão os rumos do país e o seu futuro.

José Genoino (PT-SP)

Valdemar Costa Neto (PR-SP)

João Paulo Cunha (PT-SP)

Pedro Henry (PP-MT)

Condenado a seis anos e 11 meses por Corrupção Ativa e Formação de Quadrilha.

Passará sete ano e 10 meses na cadeia; Corrupção Passiva e Lavagem de Dinheiro foram os crimes.

Pena xada em nove anos e quatro meses devido à Corrupção Passiva, Peculato e Lavagem de Dinheiro.

Por Corrupção Passiva e Lavagem de Dinheiro, o deputado passará sete anos e dois meses em regime semiaberto.

.25


AMPLO DE LÁ ALAN ANK Belo Horizonte (MG)

CATÁSTROFE FILIPINA Mais de 5 mil morrem com supertufão. Saiba como ajudar

Desastres naturais nas Filipinas são assuntos frequentes no dia a dia do país, mas a passagem do supertufão Haiyan deixou um rastro de destruição sem precedentes no mês de novembro. De acordo com Agência Nacional de Desastres do país, o número de mortos passa de 5,2 mil, calculo este que deve subir, pois as equipes de resgate estão longe de terminarem seu trabalho. A capital costeira da província de Leyte, Tacloban, com mais de 200 mil habitantes, foi a mais afetada pelo tufão. A região com diversos locais de complicado acesso vem dificultando a chegada da ajuda humanitária. A logística é o principal desafio diante da destruição significativa de estradas. Grandes carregamentos de suprimentos para ajuda básica inicial ainda ficam presos em Manila. Há um o elevado grau de dificuldade no transporte tanto terrestre como aéreo.

Equipes de limpeza trabalham incansavelmente na remoção de árvores e escombros para que caminhões com comida e água potável possam chegar aos mais necessitados. Equipes jornalísticas de todo o mundo não só registraram o desespero dos moradores locais famintos e com sede, como também acabaram enfrentando os mesmos problemas relacionados à escassez de recursos básicos para a sobrevivência. Se não bastasse as complicações do desastre para a entrega de doações, diante do estado de calamidade, crianças, mulheres e idosos são os grupos mais afetados e vulneráveis. O número de distúrbios e violência aumentou consideravelmente, e a prioridade de acordo com as autoridades locais é restabelecer a ordem.

necessários arrecadar mais de US$ 300 milhões em ajuda às vítimas que direta ou indiretamente somam cerca de 10 milhões de pessoas. A OMS (Organização Mundial da Saúde) faz alerta para a proliferação de doenças e nos próximos meses, 12 mil bebês deverão nascer na região que enfrenta problemas preocupantes com as precárias instalações médicas para atender a população.

Países e organizações humanitárias de todo mundo já anunciaram e começaram a enviar doações às Filipinas, mas o destaque negativo ficou para a China e seu comprometimento em doar apenas US$ 200 mil em dinheiro. A baixa quantia deve ser justificada devido à disputa de influência econômica e militar DOAÇÕES A ONU (Organização das Nações entre ambas as nações na região Unidas) estima que devam ser do Mar do Sul da China.

AJUDE! A Cruz Vermelha Filipina está aceitando doações em dinheiro através de seu site www.redcross.org.ph/donate).

É possível ajudar usando o cartão de crédito por meio do sistema PayPal. A organização está ajudando no resgate às vítimas e no provimento de comida e alguns suprimentos.

.24


AMPLO DE LÁ Sobreviventes tentam sobreviver NATHALIA MARQUES em meio à tragédia São Paulo (SP)

.27


AMPLO DE LÁ ALAN ANK Belo Horizonte (MG)

NATALIDADE SERÁ MAIS

FLEXÍVEL NA CHINA Para isso, polêmicas políticas passarão por mudanças

Crédito: Divulgação

A reunião do Comitê Central do Partido Comunista, no início de novembro, pode representar um marco na história recente chinesa. Políticas polêmicas no cenário internacional, como a de controle populacional, trabalho forçado e pena de morte deverão ser revistas. A reforma estatal de maior dimensão se dará no controle de natalidade populacional, mais conhecida como a política do filho único. Passarão a ser autorizados a ter dois filhos se pelo menos um dos cônjuges for filho único. A principal expectativa entre especialistas dos direitos humanos é de que o número de infanticídios caia drasticamente. Espera-se ainda que a atual taxa de 118 de homens para cada grupo de cem

.28

mulheres caia para entre 103 e 107 homens nas próximas décadas. Outro motivo para a flexibilização do controle populacional é aumentar a taxa de fertilidade no país, que atualmente está entre 1,5 e 1,6 filho por família, mas o ideal seria de pelo menos 1,8 filhos por família para se obter um crescimento saudável de acordo com autoridades chinesas. A população está envelhecendo depois de mais de 30 anos da política do filho único. A projeção de adultos economicamente ativos para cada aposentado deve ser de dois para um, respectivamente, em 2040, proporção muito baixa para se manter uma economia do tamanho da chinesa. O trabalho forçado, utilizado

como forma para punir presos políticos e criminosos na China deverá ser abolido. De acordo com o Partido Comunista, esta é uma medida que visa um esforço para proteger os direitos humanos, ficou acertado ainda que a lista de crimes passíveis à pena de morte poderá ser revista. A primeira reunião geral sob o comando do novo líder, Xi Jinping, empossado em março, vem causando grandes debates no cenário internacional, mas é vista por alguns críticos com cautela em se tratando de política chinesa. Foi deixada de fora a importante questão ambiental em debate por governos de todo o mundo.

China começa a flexibilizar a política do filho único.


AMPLO DE LÁ LUÍS ADORNO São Paulo (SP)

Crédito: Reprodução/Facebook

Guilherme Terra foi solto, depois de três meses

UM GREENPEACE VALE MAIS

QUE MUITAS PALAVRAS Mídia destaca ativista e esquece skatista A gaúcha Ana Paula Maciel foi destaque em todo o mundo. Ativista do Greenpeace, a brasileira e outras 29 pessoas foram presas na Rússia quando protestavam contra a exploração de petróleo no Ártico. Na ação, eles tentaram estender uma faixa no entorno do navio petroleiro. Foram recebidos a jatos d’água e, em seguida, presos. Ana Paula ficou dois meses em uma prisão do outro lado do mundo. Ela diz que viveu o momento mais difícil de sua vida e que o seu sofrimento naquele país fez as pessoas perceberem a mensagem de que é necessário fazer algo para salvar o Ártico.

“Não foi em vão”, resume. Para o grupo ser solto, o Greenpeace gastou aproximadamente R$ 143 mil pelas fianças. Caso semelhante é o do skatista e piloto de avião Guilherme Augusto Terra Rosa. Ele estava em Barcelona, na Espanha, desde maio para conhecer a região e gravar vídeos de manobras. Com a intenção de voltar ao Brasil na segunda quinzena de agosto, pouco antes ele foi preso acusado de abuso sexual. A colombiana Ginna Paola Pineda, que mora na cidade europeia, é quem fez a denúncia. Ela foi levada ao apartamento de Ícaro Ricardo Correia, amigo de

Rosa. Lá, a colombiana manteve relações sexuais com os dois brasileiros. Segundo a família do brasileiro, essas relações foram consensuais. A colombiana nega. Segundo familiares do skatista, havia mais pessoas no apartamento e Rosa teria assediado Ginna, que não gostou, trocou ofensas com os rapazes e saiu do local. No amanhecer do dia seguinte, a polícia invadiu a casa, perguntou quem era Guilherme e levou o brasileiro. Rosa foi solto no final de novembro por falta de provas. Contatado pela reportagem da Amplo, o brasileiro não quis se pronunciar.

.27


AMPLO DE LÁ LUÍS ADORNO São Paulo (SP)

SOCIALISMO À FRENTE NO OUTRO LADO DOS ANDES Por apenas 4%, Bachelet não ganhou as eleições no Chile no 1º turno. Relembre ‘Mulher contra mulher’ Histórica por ser a primeira mulher a governar o Chile, entre 2006 e 2010, Michelle Bachelet está muito próxima de conseguir recolocar o socialismo naquele país. Nas eleições realizadas no último dia 17 de novembro, com voto voluntário, Michelle foi apoiada por 47% da população, enquanto a ex-ministra do Trabalho Evelyn Matthei conquistou 25%. Faltando apenas 4% para Michelle ser eleita no primeiro turno, o número contrasta com a má avaliação do governo atual, de Sebastián Piñera, do partido de centro-direita Renovación Nacional (Renovação Nacional). Os 25% obtidos por Evelyn é taxa mais baixa obtida por um candidato conservador desde a volta da democracia no Chile, em 1990. “Sabíamos que o desafio de ganhar no primeiro turno era complicado. Fizemos um esforço enorme, considerando a quantidade de candidatos [9 ao todo] e o voto voluntário”, afirmou Michelle, em Santiago, depois que as urnas foram encerradas, no dia 18. “Vamos trabalhar para conseguir uma vitória decisiva”, emendou entusiasta. Os protestos de estudantes no

.28

país, seguidos desde 2011, que exigiam do atual governo mudanças na educação pública, foi bem utilizado pela ex-presidente em sua campanha. Colocando-se ao lado dos manifestantes, somando-se à expectativa de corrigir as desigualdades sociais, a ex-governante não deu chances para Evelyn, que faz parte do governo de Piñera. Ele acumula 51% de desaprovação da população. Outra promessa de Michelle Bachelet, que deve ganhar as eleições em 15 de dezembro, é que, nos 100 primeiros dias de governo, ela promoverá as reformas que não fez no governo anterior. Reformas estas previstas para acontecerem na educação e sistema tributário. Vale lembrar que o Chile é o país com pior índice de distribuição de renda entre os 34 países membros da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Satisfeita com a chegada ao segundo turno e aparentemente esperançosa, Evelyn afirmou que sua candidatura é “um projeto para um país que está acima das ideologias”. “Os segundos turnos são bons porque chamam à moderação e a centrar os discursos”,

complementou. Para o operador turístico Emerson Basoalto, de 37 anos, morador do distrito de Talca - 270 km ao sul de Santiago -, a diferença entre as candidatas é clara. “Quando falamos da Matthei, nos recordamos da ditadura. Nada próximo ao povo. Agora, Bachelet criou uma política de resgate. Por isso, muitas pessoas têm o ‘interesse’ da volta dela”, afirmou desgostoso com as candidatas que pleiteiam governar o Chile a partir do histórico palácio La Moneda. MUDANÇA DE GERAÇÃO O primeiro turno renovou as cadeiras da Câmara dos Deputados e Senado do Chile. O destaque foi a eleição de Camila Vallejo, de 25 anos, uma das líderes do movimento estudantil chileno. A vitória da militante comunista, e mais três outros dirigentes universitários, se torna importante no conjunto. Com isso, a coalisão de centro-esquerda Nueva Mayoría (Nova Maioria) consegue uma presença mais sólida nas Casas, o que vai facilitar o governo de Bachelet.


AMPLO DE LÁ LUÍS ADORNO São Paulo (SP)

‘MUJER CONTRA MUJER’ Aquelas crianças não deviam imaginar seus destinos: importantes e distintos na política chilena Na editoria ‘Pensare’ da Revista Amplo de setembro, a jornalista chilena Tamara Muñoz Cáceres escreveu um artigo, exclusivo, sobre as vidas de Michelle Bachelet e Evelyn Matthei, que disputam o segundo turno das eleições presidenciais do Chile dia 15 de dezembro. Ambas as candidatas se conheceram ainda crianças, quando seus pais, Alberto Bachelet e Fernando Matthei, eram generais das Forças Armadas do Chile e moravam na base de Quintero, na região de Valparaiso. Enquanto brincavam, as duas não sabiam que, no futuro, duelariam para governar seu país diretamente do palácio La Moneda. Palácio, que inclusive, distinguia seus pais. Socialista, o general Bachelet foi leal ao presidente Salvador Allende, morto naquele local em 1973, enquanto Matthei atuou na Junta do Governo Militar, liderado por Augusto Pinochet. A rixa não para aí: atualmente, a Justiça investiga Matthei pela morte de Bachelet.

Evelyn ganhou popularidade no país entre o fim da década de 1980 e começo de 1990, época em que integrou a “Patrulha Jovem”, um grupo de jovens políticos de centro-direita, que, inclusive, tinha como integrante o atual presidente do Chile, Sebastián Piñera. Em 2011, Matthei começou a integrar o governo de Piñera, como ministra do Trabalho. Ela foi avaliada como uma das ministras dessa gestão. Já Michelle se destaca por seu caráter conciliador e passivo. Ela foi a primeira mulher a ocupar o posto de presidente do Chile, em 2006. Apesar da alta popularidade no início de seu mandato, estas baixaram consideravelmente devido à Revolução Pinguina e às crises do Transantiago. Apesar disso, o mandato de Bachelet enfrentou bem a crise econômica mundial de 2008, e devolveu a alta na popularidade. A avaliação positiva que os chilenos fizeram sobre sua gestão alcançou níveis históricos no país próximo de deixar o cargo, fina-

lizando seu mandato com 84,1% de aprovação. “O sarcasmo da vida colocou todos os chilenos como espectadores de sua própria história. Com as candidaturas dessas duas mulheres, o Chile vive um novo período de recuperação da memória, como se alguém ou algo, com uma mão invisível, quisesse que refletíssemos para as eleições presidenciais. Dá a ideia de que a própria vida escreveu isso para aos chilenos, um tapa”, diz Tamara. “Michelle Bachelet e Evelyn Matthei são efeitos do processo da história que foi mandatado como protagonistas para terminar com uma época e construir um futuro de cumplicidade com o povo. Muitos analistas disseram que, com a eleição de Piñera como presidente, foi dado um prazo de transição. No entanto, o tempo escolheu a história para darmos um termo absoluto dessa transição”, complementa a jornalista chilena.

.29


AMPLO PENSARE DOUGLAS BELCHIOR

SOBRE O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA 20 de Novembro é o Dia Nacional da Consciência Negra. É o momento de celebrar a memória Zumbi dos Palmares e Dandara, herói e heroína do povo brasileiro. Mas acima de tudo é um dia de reflexão e busca de novas formas para enfrentar o racismo que, infelizmente ainda hoje dificulta e tira a vida de mulheres e homens em todo o país. A escravidão no Brasil – um dos maiores crimes de lesa-humanidade já vistos, ocupou ¾ de nossa história. Como herança resta não apenas as condições desiguais de desenvolvimento econômico e de condições básicas de vida dos afro-brasileiros, mas, sobretudo, a naturalização do sofrimento, da dor e da morte negra. A ideia de que a “carne mais barata do mercado é a carne negra” se reafirma pela poesia da bala, que trocada ou perdida, sempre atinge seu alvo: o corpo negro. A exposição permanente do corpo de seres humanos negros presos, torturados, mutilados e de onde violentamente se arranca a vida, não foi suficiente para sensibilizar e mobilizar de fato a sociedade como um todo e, menos ainda, os governos de quaisquer

.30

instâncias ou partidos. A indignação aumenta ao perceber que grande parte da violência é promovida justamente por aqueles que deveriam evitá-la. Segundo a Anistia Internacional, em 2011, o número de mortes por autos de resistência apenas no Rio de Janeiro e em São Paulo foi 42,16% maior do que todas as execuções promovidas por 20 países em que há pena de morte! Em São Paulo só em 2012, 546 pessoas foram mortas em decorrência de confronto com a Polícia Militar. Como parâmetro para esse escândalo, basta lembrar que os movimentos de defesa de direitos humanos reivindicam a morte e desaparecimento de 426 pessoas em 21 anos da ditadura civil-militar, iniciada em 1964. Na cidade de São Paulo, de acordo com o IBGE, 56 % dos jovens vítimas de homicídios são negros. Esse número atinge 71% nos casos de jovens mortos em confronto com a polícia. A violência estampada no índice de homicídios que atinge a população negra soma-se à precariedade dos serviços públicos e dos diversos direitos sociais, escasso para toda a classe traba-

lhadora e ainda mais limitado à população negra. Neste 20 de novembro o Movimento Negro estará nas ruas para denunciar o Estado e os governos – todos eles, por reproduzirem uma política de negação de direitos sociais, de repressão e violência através de uma segurança pública que elege o jovem negro, pobre e morador de periferias como principal alvo de sua repressão. Nossos gritos exigirão Cotas raciais em universidades e concursos públicos; Fim do Genocídio e a desmilitarização das polícias além de um debate democrático sobre um novo modelo de segurança pública para o país; Defesa da Lei 10639, que traz a história e cultura afro-brasileira para as escolas; defesa dos Quilombolas e religiões de matriz africana; Fim da violência contra mulheres negras, homossexuais, além da garantia de seus direitos; Por mais investimentos em cultura, educação, saúde e pela radial democratização dos meios de comunicação.


Crédito: Marcelo Camargo/ABr

AMPLO PENSARE

.31


AMPLO MAIS VALIA ALAN ANK Belo Horizonte (MG)

LIMITADO Venezuela vai determinar preços e lucros de empresas

Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

O então chanceler da Venezuela, Nicolás Maduro, fala à imprensa após se reunir com o presidente Lula em 2010.

A política intervencionista e desastrosa de Hugo Chávez parece ter encontrado um sucessor a altura. O atual presidente venezuelano, Nicolás Maduro, começou a intervir diretamente na economia. Em meados de novembro decretou intervenção em algumas redes varejistas de eletrodomésticos. A população acabou se aglomerando nas portas das lojas com a esperança de conseguir bens de consumo distantes, até então, de seu poder de compra. A intervenção nos preços é medida desesperada do governo em tentar conter os índices inflacionários, que beira a alta acumulada de 54% nos últimos 12 meses. Em pronunciamento na TV, Maduro se comprometeu a estender a

.32

fiscalização, da prática de preços tidos como abusivos de acordo com o governo, às empresas de sapatos, roupas, automóveis e outros bens de consumo. A equipe econômica venezuelana poderia buscar experiências similares dos países vizinhos e ver que historicamente este tipo de política populista de limitação e congelamento de preços não funciona. Na década de 1980, o Brasil tentou o mesmo tipo de tática para a contenção inflacionária, e o que acabou conseguindo foi apenas o esvaziamento das prateleiras de supermercados e afundar ainda mais o país na crise econômica.

ECONOMIA Maduro vale-se da mesma tática de Chávez, a propaganda bolivariana, e ao invés de reconhecer que o país precisa passar por uma grande reforma econômica, empurra a culpa aos opositores políticos e seus inimigos externos, Estados Unidos e Colômbia. Ele vem contando ainda com a aprovação da Lei Habilitante, que permitirá governar por decretos durante um ano, e dentre suas promessas está o aumento da perseguição aos empresários acusados de elevarem preços só para gerar descontentamento na população e consequentemente desestabilizarem seu governo.


AMPLO MAIS VALIA REDAÇÃO

CAPITAL LIVRE China comunista dá primeiros passos rumo à abertura capitalista agora o PIB local não avança mais de 7% ao ano. As novas medidas pretendem atingir este objetivo ao liberar o controle dos preços para o próprio mercado. Assim, combustíveis, eletricidade nacional, entre outros produtos e recursos deixam de ter valor com controle na mão do estado comunista. A reforma coloca a iniciativa privada, as empresas, como novo agente na economia local. O capitalismo avança sorrateiramente sobre os ideais revolucionários orientais. E

não é por acaso que o governo local apontou que deve promover mais liberalizações no setor financeiro. Após reunião para definir como serão as reformas, o governo apontou em comunicado que “acelerará a transição do padrão de crescimento econômico” e tem como objetivo com isto acelerar a “construção de um país inovador e pressionará por um desenvolvimento mais eficiente, justo e sustentável”.

.35

Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

A China está próxima de viver uma revolução política e econômica. O duro regime político que comanda o país há mais de 30 anos está prestes a reinventar o formato da economia local, soltando a rédea para as empresas. Assim, a previsão é que convivamos com uma China de comércio livre em pouco tempo. Não se pode negar que a principal intenção dos líderes chineses é impulsionar a economia local. Com crescimento acima de dois dígitos antes da crise de 2008,


AMPLO DITO “Acreditamos firmemente que, por questões humanitárias, a [prisão] domiciliar será concedida, eis que o estado de saúde de Genoino é extremamente delicado” afirmou o advogado Luiz Fernando Pacheco, que defende o deputado.

“Eu tenho muita coisa a comentar [sobre o Mensalão] e eu gostaria de falar sobre o assunto”, diz ex-presidente Lula.

“Não aceitamos humilhação”

carta de Dirceu, Genuino e Delúbio após prisões do Mensalão.

“A justiça começa a se fazer”

.36

do também ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, sobre o Mensalão.


AMPLO MEMÓRIA

Primeiro líder negro Há cinco anos, o então senador Barack Obama vencia as eleições estadunidenses e se tornava o primeiro presidente negro dos Estados Unidos. Do dia 4 de novembro, data de sua vitória, até hoje, o atual presidente recebeu o Nobel da Paz por tentar acabar com a prisão de Guantánamo e foi reeleito em 2012. Agora, passa por momento de crise política e não consegue colocar suas propostas em prática.

Morre Aleijadinho O mais famoso escultor do Barroco brasileiro morria no dia 18 de novembro de 1814. Antônio Francisco Lisboa, conhecido por todos como Aleijadinho, deixou seus traços em igrejas mineiras, como a Igreja de São Francisco, em São João del Rei. Aleijadinho é lembrado também pela doença (hanseníase) que o fez perder parte dos dedos. Assim, o artista produzia suas obras com instrumentos amarrados às mãos.

Primeira Letrada Pela primeira vez na história uma mulher integrava a Academia Brasileira de Letras. Isso só aconteceu em 1977, no dia 4 de novembro, quando Rachel de Queiroz assumiu a cadeira e número cinco. Cronista da revista O Cruzeiro durante 30 anos, a Rachel é autora de livros como os romances “O Quinze”, “O Galo de Ouro” e “Caminho de Pedras”. Ela faleceu em 2003.

.37


AMPLO RAIO-X NATHALIA MARQUES São Paulo (SP)

DESASTRES NATURAIS

ASSOLAM A TERRA Estudos apontam que aquecimento global é o motivo

Tsunamis, lagos que desaparecem, tufões, sol de 50 graus e chuva de granizo no mesmo dia. Essas estão sendo as reações do planeta terra nos últimos anos. A teoria mais aceita sobre essas reações do planeta é o aquecimento global. No entanto, existe uma parcela de cientista que contesta sua existência. Segundo a teoria do aquecimento global, a mudança climática do planeta ocorre devido às atividades humanas, sendo uma delas o aumento na queima de combustíveis fosseis que acarretaria no aumento do efeito estufa. O efeito nada mais é do que a entrada dos raios solares na superfície terrestre aquecendo e irradiando calor. Um estudo de cientistas da ONU (Organização das Nações Unidas) aponta que a temperatura da Terra deve aumentar 4,5 graus até 2100. Já no Brasil, o relatório PBMC (Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas) indica que se as emissões dos gases de combustíveis fosses continuarem no nível atual, até o final do século, o clima do nosso país ficará entre 3º e 6ª graus mais elevados que em 2001. Com essa mudança, segundo o estudo, o Brasil estará propenso a ter desastres naturais, como furacão. “Primeiro é importante

.38

ressaltar que salvo as devidas proporções e ponto de vista o Brasil já sofre com desastres naturais a exemplo das secas do Nordeste, secas e enchentes na Amazônia, chuvas intensas, alagamentos, deslizamentos no sul e sudeste do Brasil. O aumento da temperatura em torno de 3 a 6 ºC em algumas regiões do Brasil significa que é muito provável que o número de extremos climáticos como os mencionados acima [desastres naturais] poderá acelerar/agravar ainda mais esses eventos extremos”, afirma o pesquisador do CCST (Centro de Ciências do Sistema Terrestre) do INPE, Lincoln Muniz Alves. Há cientistas que não acreditam no aquecimento da terra, pois segundo eles a teoria seria uma farsa. Para o doutor em Climatologia pela USP (Universidade de São Paulo) não existe evidencias que provem o aquecimento. “A história do aquecimento global é baseada em um conceito físico que não existe, e não se consegue fazer evidência desta existência. É uma grande balela. Os cientistas perguntam onde estão às provas desta existência, e o lado de lá [cientistas e ambientalistas que acreditam] há 26 anos não nos apresentam”, disse o especialista ao jornal DCI. Ainda segundo ele, o motivo da

“farsa” seria fazer com que a teoria fosse à causa dos problemas da sociedade. “A força que eles conseguiram para manter esta ideia vem do caos ambiental. O aquecimento global se tornou o mal para todos os problemas da sociedade, e isso é ridículo”, afirmou. No entanto, para o pesquisador INPE, os cientistas que não acreditam no aquecimento global são irresponsáveis, “É no mínimo irresponsáveis esses pseudo cientistas ou se preferir chamar ‘negacionistas do clima’ tentar confundir a opinião pública e minimizar os possíveis impactos do aquecimento global. Negar a própria realidade. Além disto, a maioria dos argumentos utilizados por eles são falsos e feri os fundamentos básicos de disciplinas como, por exemplo, a física e a química”, explica. Mesmo que muitos cientistas não acreditem na teoria, em 1997 vários países assinaram o protocolo do Kyoto, que tem como objetivo reduzir a emissão de gases poluentes. Uma das bandeiras da ONU também é essa, através da Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP-19). Este ano a conferência não obteve êxito, já que nada concreto foi definido. O acordo deve ser assinado em 2015.


AMPLO RAIO-X LUÍS ADORNO São Paulo (SP)

ESTRAGO DE R$ 2,4 MILHÕES Quem ocupou vai pagar? João Grandino Rodas, no primeiro momento, quem vai arcar com os prejuízos é a instituição. “Depois vamos tentar ressarcir os cofres públicos, cobrando, judicialmente, os responsáveis pelos estragos”, afirmou. Além do prejuízo financeiro, os cursos que ficaram em greve tiveram prejuízo no andamento do semestre, como conta a estudante de ciências contábeis Juliana Lotério, de 20 anos. “Minha faculdade não aderiu à greve, mas ela atrapalha bastante a vida dos estudantes. Principalmente essa, que, ao meu ver, não tinha muito fundamento”, disse. “As condições de estudo são as mesmas de antes ou pior, pelo fato de que muitos estudantes terão que estudar nas férias”, complementou. “O DCE umas duas vezes tentou fazer o que eles chamam de ‘trancaço’, que é fechar todos os portões da universidade pra nenhum aluno conseguir entrar - mesmo aqueles que não aderiram a greve. Eu não acho que essa seja a forma de democracia que eles levantam tanto a bandeira”, finalizou Juliana.

Já a estudante de fonoaudiologia Helena Sansil, de 20 anos, se diz a favor do desenvolvimento da universidade a partir da participação de alunos, mas desaprovou o meio que encontraram nesta ocasião. “O objetivo da invasão não foi concluído por inteiro, logo gerou apenas um desgaste, físico e financeiro”, disse. “Acredito que, se os gestores dessem mais voz às solicitações dos alunos, tudo poderia ser evitado”, acrescentou. Segundo o DCE, não há a incitação à violência, tampouco a furtos de objetos da universidade. Entretanto, as pichações e depredações ocorreram em forma de protesto, após a USP cortar a luz e água da reitoria, logo no começo da invasão. O grupo exigia, com a ocupação, poder eleger reitor e vice-reitor da universidade, além de pedir o fim da lista tríplice. Hoje, o governador do Estado é quem decide quem será o reitor, independentemente da votação que ocorre na instituição.

.39

Crédito: Ernani Coimbra / Marcos Santos

Após 42 dias ocupando o prédio da reitoria da USP (Universidade de São Paulo), uma ação antidemocrática encerrou a greve encabeçada pelo DCE (Diretório Central Estudantil) da universidade. Quando alunos e USP negociavam um possível acordo para o término da greve, a universidade pediu reintegração de posse, que ocorreu na miúda, ainda quando o dia 12 de novembro raiava. Durante a ação da Tropa de Choque da PM (Polícia Militar), não houve confronto. Os alunos fugiram e apenas dois, do curso de filosofia, foram pegos e, posteriormente, presos. Um dia depois, eles foram soltos, mas respondem por um processo administrativo. Em um balanço geral da invasão, a ocupação mais prejudicou à população do que melhorou as condições de ensino da USP. A universidade contabilizou em R$ 2,4 milhões os prejuízos, que envolvem depredação, pichações, furtos de câmeras de monitoramento, equipamentos de informática, móveis, entre outros. Segundo o reitor da USP,


AMPLO RAIO-X NATHALIA MARQUES São Paulo (SP)

QUEM MATOU JOAQUIM? O menino de 3 anos foi encontrado morto jogado em um rio Uma pesquisa realizada em 2012, pelo Instituto Sangari, aponta que entre 1980 a 2010, o índice de assassinatos de crianças e adolescentes no Brasil, cresceu 346%, em três décadas foram computados 176.044 mortes por homicídio. O caso do menino Joaquim é mais uma história entre tantas, que por mais que à justiça seja feita, resultará em estatísticas. Na noite de 4 de novembro, Joaquim Pontes Marques, de 3 anos, foi supostamente deixado em sua cama para dormir. No entanto, ao amanhecer ele não se encontrava mais em seu quarto. Ele foi encontrado após cinco dias, sem vida, jogado no Rio Pardo, em Barretos, a 100 km de sua casa em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. Um exame preliminar de necropsia da Polícia Civil de São Paulo apontou que ele já estava morto antes de ser jogado no rio, pois não havia água em seu pulmão. O laudo oficial com a causa da morte ainda não foi divulgado. Entretanto, a suspeita da polícia seja de que ele tenha recebido uma alta dose de insulina - Joaquim era diabético e recebia tratamento médico. O principal suspeito é o técnico de informática e padrasto dele, Guilherme Longo. No entanto, Longo e a psicóloga e mãe do garoto, Natalia Ponte, estão presos preventivamente para andamento das investigações. O técnico de informática disse a um policial que teria ido dormir

.40

e deixado Joaquim em sua cama. “A gente o colocou para dormir. A gente foi dormir. Na hora em que a gente acordou, ele não estava mais”, afirmou. Em depoimento à polícia, Longo disse que quem telefonou para a polícia no dia do desaparecimento teria sido Natalia, no entanto, a gravação do 190, identificou ele como autor da denúncia. O padrasto do menino que é dependente químico entrou outra vez em contradição com o seu depoimento, ao afirmar que nas últimas semanas teve uma recaída, e na noite em que Joaquim desapareceu, ele saiu de sua casa para comprar droga, mas disse que voltou rápido, pois não teria achado o que procurava. Segundo o delegado, Paulo Henrique Martins de Castro, há diversas contradições nos depoimentos do casal. A mãe, Natalia, por sua vez disse que Logo teria maltratado algumas vezes o garoto, em determina ocasião quando Joaquim teria urinado na cama, o padrasto o colocou debaixo do chuveiro ainda com roupas, ela disse que teria defendido Joaquim e o retirado do chuveiro. A psicóloga também afirmou que Lago era agressivo e ameaçou diversas vezes o garoto, pois tinha ciúmes dele, disse ainda que acredita que seu companheiro tenha matado seu filho. Segundo o psicólogo clinico e professor universitário, Mário Amore, “o uso de substâncias psicoativas pode interferir no fun-

cionamento cerebral, e, dependendo da droga causar, por exemplo, aumento da impulsividade”. O MP-SP (Ministério Publico de São Paulo) investiga se ela teria sido topada durante a noite em que Joquim tinha desaparecido. Em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo, Arthur Paes, o pai do menino, afirmou que teria pedido para o menino ir morar com ele, pois o padrasto era usuário de drogas. A Polícia Civil traçou três características da personalidade de Guilherme Largo, essas seriam o vício em cocaína, hiperatividade e a facilidade de mentir, está última característica pode ser um indicio de um diagnostico de psicopatia, de acordo com o DSM-IV, que é um manual de doenças mentais dos mais utilizados no mundo, faz parte do Transtorno de Personalidade Anti-Social. No entanto, segundo o psicólogo Amore, “para classificar alguém com este transtorno, devemos observar alguns critérios, como por exemplo, propensão para enganar (mentir), usar nomes falsos ou ludibriar os outros para obter vantagens pessoais ou prazer, impulsividade ou fracasso em fazer planos para o futuro, desrespeito irresponsável pela segurança própria ou alheia, e um que eu considero muito importante: ausência de remorso após realização de alguma maldade”, explica.


AMPLO RAIO-X REDAÇÃO

SEM PESO NAS COSTAS Comissão define limite de peso para materiais escolares de alunos: 15% Livros, cadernos, canetas, lápis, borracha, tesouras, agenda, caderno de desenho, régua, apontador, estojo. Tudo isso pode ser encontrado no material de um único aluno do ensino básico. A soma de tantos materiais em um único lugar faz alunos levarem um peso elevado em suas costas rumo à escola. Porém, o Senado Federal pretende acabar com os problemas futuros causados pelo excesso de carga. Caso tudo ocorra como sugeriu o deputado Sandes Júnior (PP-GO), os estudantes poderão levar menos materiais todos os dias para a escola. Assim determina

seu projeto de lei (PLC 66/2012) aprovado pela CAS (Comissão de Assuntos Sociais) do Senado. Ele fixa que o limite de peso para cada aluno carregar em suas mochilas está fixado em 15% de seu peso total. A medida vale para todo o ensino básico e médio, tanto público como privado, e beneficia alunos entre cinco e dezessete anos. “O poder público promoverá ampla campanha educativa sobre o peso máximo permitido para o material a ser transportado pelos estudantes”, argumenta no projeto. Durante a sessão que aprovou,

em primeiro turno, a proposta, a senadora Ângela Portela (PT-RR) afirmou que espera parceria entre estudantes, professores e pais de alunos para implementar a medida, pois “não [ela] não estabelece sanção, é um projeto educativo”, pontua a relatora do projeto. Mas há quem considere a proposta desnecessária. “Estamos produzindo leis em demasia”, apontou o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR), pelo fato da medida precisar ser regulamentada pelo Ministério da Saúde. “É muita lei para coisas que não precisam de lei”, disse em sua fala.

.39


AMPLO ARGUMENTO Por Anderson Masetto

DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS É bom que se esclareça desde o princípio, concordo e apoio com a prisão dos réus do mensalão, afinal, foram julgados e condenados. Dito isso, vamos olhar para o outro lado. Um fato muito curioso dominou o noticiário brasileiro nas últimas semanas. Há tempos denúncias de cartel e superfaturamento rondam o Metrô de São Paulo e os governos do PSDB no estado mais rico da federação. No entanto, o assunto ganhou força com a divulgação de uma carta anônima de um ex-funcionário da multinacional Siemens, que dizia como o suposto esquema de corrupção funcionava. Em qualquer lugar do planeta e até mesmo aqui, se os denunciados fossem outros, a primeira providência seria mandar investigar o fato. Mas estamos no Brasil. No Brasil das elites (odeio usar este termo, mas não há nada mais adequado para classificar a distorção do que aconteceu)

.42

e que por mais de 500 anos foi governado por uma direita (também odeio este rótulo, mas se faz necessário) retrógrada e que só sabe olhar para o próprio umbigo. Pois bem. Neste Brasil, o demônio é o ministro da Justiça, pois ele teve a desfaçatez de mandar a Polícia Federal investigar as denúncias com base nessas tais cartas. Afinal, já era hora, pois o Ministério Público paulista já conhecia essa história há anos, mas não perdeu seu tempo, já que os tucanos parecem ser impossíveis de investigar. Ora seu ministro, você é responsável pela justiça e manda investigar tucanos? Que absurdo! Vá já se explicar à Câmara e ao Senado, pois isso não se faz. Neste país, compra-se votos para emenda constitucional que permite reeleição. Privatiza-se o que se faz necessário, mas a preço de banana para os amigos. E se faz

caixa dois para campanhas eleitorais de aliados em troca de apoio. E agora o senhor vem dizer que é ilegal? Explique-se! Ao mesmo tempo que vemos os condenados do mensalão sendo humilhados em praça pública com o aplauso de todos, assistimos um show da mídia e dos partidos envolvidos no que diz respeito às denúncias no metrô de São Paulo. Creio que seja natural que os culpados por um crime como o mensalão sejam julgados e presos. Mas é difícil entender como essas denúncias que circundam o governo paulista há anos não podem ser tocadas. Se não há nada a esconder, porque temer? O fato é que um partido dito de esquerda chegou ao poder em 2003, mas o Brasil nunca deixou de ser dominado por essa tal elite que enfileira os partidos ditos de direita. E assim seguimos.


AMPLO ARGUMENTO Por Marco Badia

AQUILO QUE VOCÊ NÃO PRECISA Nesta última sexta feira (29\11), aconteceu a quarta edição brasileira da chamada Black Friday “Sexta Feira Negra”, que apesar do nome difere-se em tudo da trágica “Quinta Feira Negra”, quando em 1929, houve a quebra da bolsa de Nova York e início da maior recessão econômica da América. Por outro lado a Black Friday, é um movimento comercial em que diversas lojas participam oferecendo descontos extraordinários [ou não] a seus consumidores. Uma verdadeira festa do consumo! Em meio as desenfreadas compras convido o caro leitor a uma reflexão: Hoje, o consumo da nossa sociedade, segundo pesquisas, é uma vez e meia maior do que a capacidade que tem a natureza de renovar os recursos que são utilizados para a produção dos bens que consumimos, ou seja, estamos caminhando a passos largos para a extinção destes recursos.

Uma Luz no fim do túnel: O consumo consciente! Comprar somente por necessidade e não por desejo, ou por desconto, afinal, comprar algo que não precisamos, mesmo que pela metade do preço, é pagar caro. Não prego o fim do consumismo ou do capitalismo, mas ressalto a importância e a necessidade de mais consciência sobre nossos atos e suas consequências. Como vilão desta nova consci-

ência temos o brilhantismo publicitário dos marketeiros e comunicadores, que estão a favor das marcas, incentivando o consumo de seus produtos através da criação e estimulo do desejo de consumo. Em meio a todos estes estímulos visuais de cartazes, pop up, banners e anúncios. Deixo com o caro leitor a seguinte reflexão e convite para auto análise: Você compra por necessidade ou por desejo?

.45


AMPLO PÃO E CIRCO

CONHEÇA A NOVA GERAÇÃO DE SOUVENIRS DO BRASIL A Check It Out traz uma nova geração de souvenirs ao mercado de eventos e turismo do Brasil, pois lança um olhar diferenciado sobre as nossas riquezas culturais e valores humanos. Moderna, com design exclusivo e qualidade premium, Mode oferece um site completo com produtos diferenciados e serviço ao visitante com informações e curiosidades sobre a cidade e os principais pontos turísticos. Acesse agora: www.checkitoutsouvenirs.com.br ww e siga-nos em nossas redes sociais!

.44

O pin que faltava no seu mapa.


AMPLO PÃO E CIRCO ARTHUR STABILE São Paulo (SP)

DA TEORIA À PRATICA Bom Senso F.C. põe reivindicações em campo com protestos antes das partidas Assim como a população fez em junho, jogadores de futebol também estão se manifestando. O Bom Senso F.C., grupo formado pelos atletas das quatro divisões do Brasileirão, iniciou conversas para diminuir a quantidade gigantesca de partidas durante as temporadas junto à CBF (Confederação Brasileira de Futebol). Sem respostas, o bom senso entrou em campo. Com o lema “Por um futebol melhor para todos”, o Bom Senso se mostrou pela primeira vez presente para o público que via aos estádios assistir às partidas. Antes do início de cada jogo, os times cruzavam os braços e, mesmo com o apito do juiz, se mantinham imóveis. Depois de um tempo, iniciavam a partida. Quando não foi possível protestas desta maneira por repressão da arbitragem, como no jogo entre São Paulo e Flamengo, os jogadores cotaram bola sem qualquer intenção em fazer o gol durante quase um minuto. A partir de agora, todos estão cientes de que o futebol brasileiro precisa melhorar. “A disposição da CBF é de ouvir a todos, incluindo os atletas, com os

quais busca manter permanente diálogo, mediante contatos pessoais, como os que se desenrolaram nas ocasiões em que seus representantes se reuniram com os da CBF, todos empenhados, sensatamente, na busca do equilíbrio, que trará benefícios para o esporte, alvo de todos”, assim afirmou a Confederação em nota oficial após os primeiros protestos. Dentro das reivindicações dos atletas estão: férias de 30 dias, temporada de 30 dias para preparação física, redução do número de jogos por clube/atleta, “fair play” financeiro e representação dos atletas participando dos Conselhos de Técnicos. PROBLEMA REAL Surgiu nessa semana uma denúncia dos jogadores do Náutico contra a presidência do clube. Os atletas alegam que, há dois meses sem receber, os dirigentes ameaçavam os profissionais, principalmente os que estavam lesionados. Segundo o capitão Martinez, houve quem forçasse o retorno prematuro aos campos para receber seus salários. O estopim da denúncia foi o não

recebimento de salários. Ou melhor, da divisão de pagamentos. Somente metade dos atletas receberam nessa semana pelo mês trabalhado, assim, a outra metade do elenco ficou com dívidas nas mãos. “Aqui os salários estão atrasados, e os jogadores que estão lesionados não estão recebendo, então decidimos dar um prazo a diretoria até amanhã para regularizar a nossa situação”, explicou Martinez durante coletiva. Mas o presidente do clube, Paulo Wanderley, rebateu automaticamente as acusações falando que, se o jogador estiver insatisfeito, basta “pedir para sair”. “Isso é mentira dele [Martinez]. Não tem a menor veracidade nisso. Ele está sendo leviano e mentiroso”, disse. E foi além. “Ele é que tem de dizer qual é a situação dele no Náutico. Se ele está insatisfeito, que peça para sair”, finalizou. Em nota, o Bom Senso FC disponibilizou apoio jurídico para os jogadores do Náutico e ressaltou o acordo entre clube e jogadores, definindo que não haverá greve nesta rodada do Brasileirão, medida cogitada caso os problemas permanecessem.

Reprodução / Facebook Bom Senso FC

.39


AMPLO PÃO E CIRCO ALAN ANK Belo Horizonte (MG)

FALEM BEM, FALEM MAL,

MAS FALEM DE MIM! Justin Bieber se acha Deus em turnê internacional

A vida do cantor canadense, Justin Bieber, não para de ser manchete em veículos de todo o planeta. Em sua passagem pela América do Sul, em novembro, não foi diferente. De muro pichado na Colômbia, vídeo íntimo vazado na internet no Brasil, ao desrespeito a bandeira da Argentina, o astro pop parece não ter limites. A tão comemorada turnê de Bieber por fãs sul-americanos surpreendeu os pais e autoridades locais com o péssimo comportamento do cantor. Flagrado enquanto pichava um muro de Bogotá, a equipe da celebridade teen teve que pedir ajuda à polícia local para retirar a equipe de reportagem de um telejornal que registrou boa parte do ato criminoso. Na maioria dos países latinos, pichação é crime, e esta parece ser a mais nova diversão do cantor. O “furacão” pop parece ter deixado também, mais estragos na cidade do Rio de Janeiro do que

.44

saudades. Foi expulso do hotel Copacabana Palace, saiu de um termas coberto por lençol, pichou um muro carioca e acabou virando caso de polícia. Quando tudo parecia ter se acalmado, a brasileira, Tati Neves, publicou um vídeo em que aparece com Justin dormindo em uma mansão alugada durante sua passagem pela capital. Confusões em Terra Brasilis a parte, na Argentina o comportamento de Bieber foi ainda mais escandaloso. Durante show, em Buenos Aires, um fã jogou a bandeira argentina em cima do palco, o cantor pouco se importou em checar o que era, e acabou varrendo o chão com o símbolo do país ao usar o pedestal do microfone para tirá-lo de seu espaço. A assessoria do astro negou que ele tivesse ciência do que se tratava. O vice-presidente da Argentina, Amado Boudou, criticou o fato ocorrido e disse que esta foi uma “tragédia cultural”.

O segundo show que o cantor faria na capital argentina foi cancelado devido a sintomas de uma “forte intoxicação alimentar” que Bieber sentiu. O que pode ter acontecido também, é que a segurança do cantor ficou bastante comprometida pelos argentinos enfurecidos depois do desrespeito com a bandeira daquele país, embora sua assessoria não comente que fosse por esse motivo. O desrespeito e falta de tato, tanto da equipe de Justin Bieber como do próprio cantor, refletiu diretamente nas vendas dos shows da sua turnê na Austrália. A procura e as vendas de ingressos despencaram com a imagem negativa que o cantor vem passando através de seu comportamento inconsequente. Este fato corrobora com o pensamento de que nem toda publicidade gratuita é boa e o canadense é prova disso.


AMPLO PÃO E CIRCO ARTHUR STABILE São Paulo (SP)

NOVO ALEMÃO FOMINHA Sebastian Vettel se torna o tetracampeão mais jovem da F1; Agora, acelera para ultrapassar recordes da categoria Sebastian Vettel já está com nome cravado na história da Fórmula 1. E não foi modesto em se firmar como o melhor piloto do mundo. Neste ano ele se tornou o tetracampeão mais jovem da categoria com seus 26 anos e ameaça ir muito além. O jovem pretende espalhar seu nome por outros espaços do mundo F1 já que, a partir de agora, tenta desbancar diversos recordes, a maior parte de seu compatriota Michael Schumacher. As expectativas depositadas em Vettel são as melhores possíveis já que, em quatro anos, o alemão comprovou potencial e de forma meteórica conquistou quatro títulos em quatro temporadas. De promessa, o número um do mundo confirmou anos após ano ser um piloto pronto e já consolidado. Agora em 2013, ele entrou em um novo patamar. Não apenas por ser o tetracampeão mais jovem, mas sim por iniciar uma corrida ainda mais difícil. Disputa essa que só os grandes corredores tem combustível para encarar: superar antigos ídolos. Mesmo assim, Vettel saiu vencedor na primeira volta. Ao vencer o campeonato deste ano, o piloto da RBR trouxe como bônus a quebra do primeiro re-

corde de sua carreira. Durante a temporada, foram nove vitórias consecutivas, ultrapassando Michael Schumacher e igualando Alberto Ascari, que teve esta mesma marca na nos anos de 1952 e 1953. E a segunda volta também foi bem percorrida. Com a soma de 13 vitórias no ano, Vettel iguala outra marca, a de maior número de vitorias em um único ano. Agora ele está ao lado do heptacampeão Michael Schumacher. Distante três títulos mundiais do maior campeão da F1, o jovem alemão se mostra um substituto à altura. Ou até mesmo maior. MARCAS TRAÇADAS O mais “simples” será conquistar o quinto título consecutivo em 2014. Schumi fez o mesmo entre 2000 e 2004 e é o único dono deste recorde. Outro com dificuldade não tão elevada é se tornar o piloto com maior número de GP’s (Grandes Prêmios) vencidos; hoje Vettel é o quarto maior vencedor com 39 primeiros lugares. Schumacher é o top 1, com 91. Vale lembrar que o jovem alemão tem 26 anos e, comparando com o multicampeão, 41 anos foi o seu “prazo de validade na categoria”. Com mais duas vitórias, Vettel já ultrapassa o brasileiro Ayrton

Senna. A marca de piloto mais jovem a vencer uma corrida já é seu, quando subiu ao ponto mais alto do pódio com 21 anos e 73 dias. Com nove poles nesta temporada, mais 24 o tornam recordista neste quesito, do qual Schumi também é o atual dono. Em número de pódios, Sebastian Vettel surge como o 7º da lista, com 62 aparições. Até chegar à Schumacher faltam 93. Porém, existe uma marca a ser batida que não é do heptacampeão e sim de um concorrente ainda na ativa: Fernando Alonso, corredor que mais pontuou na Fórmula 1. Os 1.606 pontos do espanhol ainda podem aumentar, o que torna a meta de Vettel e seus 1.451 de hoje um alvo com obstáculo extra. Agora, existem marcas mais complexas de serem alcançadas. A primeira delas é o total de voltas rápidas obtidas em corridas. Vettel tem 22 em GPs e precisa de mais 55 para superar Schumacher. Mas ainda tem marcas piores. Os hat-tricks, quando piloto faz pole, sai vencedor e dono da volta mais rápida, são oito atualmente. Para ser o piloto com o maior número deles, são necessários mais 15.

.47


AMPLO PÃO E CIRCO YAGO RUDÁ São Paulo (SP)

DE 10 EM 10 Cruzeiro conquista seu terceiro Brasileirão de forma impecável. De novo O campeonato brasileiro de pontos corridos começou a ser disputado em 2003. No ano de estreia desta nova fórmula de disputa, o Cruzeiro, comandado pelo meia Alex, levantou a taça de campeão com uma campanha histórica. Foram 100 pontos ganhos, 102 gols anotados e um aproveitamento de 72,4%. Dez anos depois, novamente os cruzeirenses levaram o título de campeão brasileiro para o Estado de Minas Gerais com uma campanha incrível. Este terceiro campeonato brasileiro do Cruzeiro veio com quatro rodadas de antecedência. O time comandado por Marcelo Oliveira tem o melhor ataque da competição com 75 gols e a segunda melhor defesa do ano, com apenas 34 gols sofridos, atrás somente do Corinthians que levou, até o momento, 21 gols. Números que fazem do Cruzeiro o time mais regular do campeonato. O destaque do time mineiro foi o habilidoso Éverton Ribeiro – eleito o craque do brasileirão pela CBF.

BALANÇO CORRIDO Nesses onze campeonatos de pontos corridos, muita bola rolou nos estádios nacionais. Até o fechamento desta edição foram disputadas 4.588 partidas, mais de 10.000 vezes a bola balançou às redes, e 39 clubes participaram da competição. Seis clubes alcançaram a glória máxima do futebol nacional: São Paulo (2006,2007 e 2008), Corinthians (2005 e 2011), Fluminense (2010 e 2012), Cruzeiro (2003 e 2013), Santos (2004) e Flamengo (2009). A reportagem da Revista Amplo fez um levantamento sobre os times que já participaram da “era dos pontos corridos”. O São Paulo é o destaque dos onze anos de disputas, com um aproveitamento de 56,8% dos pontos disputados, o tricolor paulista além de ser o único tricampeão nos pontos corridos, é o time que mais venceu: 211 vitórias em 436 jogos. Os são paulinos também possuem o melhor saldo de gols – diferença entre os gols feitos e os gols sofridos– 208 positivo.

O atual campeão Cruzeiro é dono do melhor ataque com 708 gols feitos, no entanto, os mineiros são também os que mais perderam, 147 derrotas. O destaque negativo fica por conta do tetracampeão brasileiro –1974, 1989, 1997 e 2000 – Vasco da Gama. Os cariocas disputaram 398 partidas. Venceram 139 jogos, empataram 117 e foram derrotados em 142 oportunidades. É o único clube campeão brasileiro que possui um número de vitórias menor que o número de derrotas na era dos pontos corridos. Em 2013 o Vasco luta para não cair para a Série B. Dos 39 clubes que já participaram do Brasileirão neste período, apenas seis clubes não foram rebaixados ainda: Flamengo, Fluminense, Internacional, São Paulo, Santos e Cruzeiro. Nesse ano, esse número pode cair para cinco, pois o tricolor do Rio corre sérios riscos de disputar a Série B de 2014.


##1100 Amplie seus meios de divulgação

ANUNCIE JÁ!

grupo.amplo@revistaamplo.com


Revista Amplo #9  
Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you