Page 23

Mais de 600 expositores, 85 mil títulos e 200 estandes, distribuídos nos 24 mil metros quadrados do Hangar - Centro de Convenções

A Feira do Livro esteve sempre lotada

de Convenções e Feiras da Amazônia, a Rede Nacional de Adolescentes e Jovens Vivendo com HIV e Aids – Jovens + Pará, para o lançamento da 2ª edição da Revista AZT, fruto do concurso “Vidas em Crônica” do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, do Ministério da Saúde.

Produzido de forma artesanal, os livros em miniaturas cabem no bolso, e até no dedo humano, com edições menores que um polegar.

“Giovanni Gallo – O Ítalo Marajoara” em exposição na Feira do Livro

O Fórum Benedito Nunes, abriu espaço para alguns dos principais escritores pedidos no vestibular das maiores faculdades e universidades do país. A programação teve com palestrantes professores da Universidade Federal do Pará (UFPA), com debates após encerradas as palestras.

Uma exposição que reúne imagens poético-documentais da ilha do Marajó, sob o olhar do italiano Giovanni Gallo, ex-padre jesuíta e criador d’O Museu do Marajó, pode ser apreciada na Feira do Livro, que acontece no Hangar- Centro de Convenções da Amazônia. As imagens apresentadas na mostra fazem parte de um intenso trabalho de pesquisa, documentação e reprodutibilidade do Acervo do Museu do Marajó.

Os menores livros do mundo na Feira do Livro Um estande chama atenção dos leitores, é o estande dos Menores Livros do Mundo. Público visita a XV Feir PanAmazônica do Livro

Leituras obrigatórias do vestibular

Feira do Livro supera as expectativas e encerra com crescimento de 20% nas vendas A Feira Pan-Amazônica do Livro encerrou com números que expressam a importância do evento para o Estado e o país: 536 editoras, divididas em 200 estandes, 150 toneladas de livros expostos, tendo vendido 13 milhões e 800 mil exemplares; 85 mil títulos à disposição para as 420 mil pessoas que circularam nos 10 dias da feira. Números que tiram o fôlego dos que a acompanharam em ritmo de maratona. O resultado disso tudo foi o aumento em 20% das expectativas de venda, mostrando que sim, o paraense é ávido por leitura e a Feira é o grande ponto para a aquisição.

Dulcinéa Paraense durante a sessão de autógrafos do seu primeiro livro Dulcinéa Paraense – a flor da pele

“O maior ganho da Feira foi colocar o livro como principal atração. Tivemos editoras que deram até 50% de desconto para venda, o que ajudou a superar a previsão de bons negócios. A Feira Pan-Amazônica do Livro é sem dúvida, um dos locais mais importantes para o mercado literário”. As positivas afirmações são de Robério Silva, presidente da Associação Brasileira de Difusão do Livro – ABDL, a maior parceira da Feira do Livro.

www.paramais.com.br

Feira do Livro retoma o foco do estímulo à leitura.indd 23

Governador Simão Jatene na Feira do Livro

A noite de encerramento da XV Feira Pan-Amazônica do Livro teve a presença de sua grande homenageada, a poetisa Dulcinéia Paraense, que do auto de seus 93 anos de idade, autografava seu livro e distribuía sorrisos e gentilezas. No fórum Benedito Nunes, a popular cantora italiana Mafalda Minozzi dava o tom do encerramento com um show de pouco mais de uma hora. Falando em português, Mafalda agradeceu ao público “de uma cidade que tem tantos nomes, e que, de fato, parece uma menina morena” Pará+ 23

15/09/2011 15:02:12

Pará+ 115  
Pará+ 115  

Terruá Pará

Advertisement