Issuu on Google+

alvo

LESTE

ANO 5 Nº 57 Julho/2011 - distribuição gratuita

Móveis com um toque natural de elegância

DESIGN

Foto: Rodrigo Lopes

DECORAÇÃO

Hugo França

SUSTENTABILIDADE Energia eólica e solar

TURISMO Serra gaúcha: Um roteiro tri legal

Entrevista

MONIQUE ALFRADIQUE


A Escola que forma cam

P

O

1

APOIO PEDAGÓGICO


mpeões

Parabéns aos nossos alunos pela vitória no programa O ÚLTIMO PASSAGEIRO, da Rede TV

previsão de exibição: 10/07- domingo às 19h50

www.fereguetti.com.br

atendimento@fereguetti.com.br R. Cumanachós, 54 - Penha - (11) 2684-5035 / 2791-8477


índice

editorial Idéias renováveis Em vários momentos da edição deste mês vamos nos deparar com a palavra “sustentabilidade”. De acordo com o dicionário, ser sustentável é ter a capacidade de se manter mais ou menos constante, ou estável, por um longo período, ou seja, ser sustentável é satisfazer as necessidades presentes sem comprometer as gerações futuras. Sendo assim, é fundamental que tomemos iniciativas agora, a partir das coisas simples, para que nosso planeta não sofra as consequências em um futuro não muito distante. Nesta linha “verde” trouxemos uma matéria sobre a importância da utilização de energia eólica e solar; a decoração arrojada de mobílias de fibra sintética, produto ecológico, não extraído da natureza como a fibra natural, preservando o meio-ambiente; e as obras ecologicamente corretas do designer Hugo França. Na entrevista do mês, a atriz Monique Alfradique embeleza nossa capa e conta como foi deixar de ser paquita para se tornar musa das telenovelas em que atuou. Outro assunto de destaque é uma síndrome, ainda pouco conhecida, que traz problemas cardiológicos após decepções ou desilusões amorosas: A Síndrome do Coração Partido. Vale lembrar ainda que julho é o mês das férias escolares, portanto nossas dicas culturais não poderiam ficar de fora, desta vez, elas ficam por conta do Museu da Casa Brasileira, uma opção de passeio que vai ensinar peculiaridades da história do nosso País. Se a programação pede uma viagem, trouxemos dicas de turismo para conhecer a Serra Gaúcha, um lugar encantador que vale a pena visitar. Tenha uma excelente leitura! Equipe Alvo Leste

Para anunciar

Tel.: (11) 2225-3435/Fax.: (11) 2225-3396 alvolestecomercial@uol.com.br

05

Eles também se cuidam

08

DESIGN

10

SAÚDE

12

MODA

14

CULTURA

16

Hugo França Síndrome do coração partido Detalhes que fazem diferença Uma viagem ao passado, um olhar para o futuro

DECORAÇÃO

Móveis com um toque natural de elegância

18

ENTREVISTA

22

TURISMO

28

SUSTENTABILIDADE

32

RECEITA FÁCIL

34

SOCIAL LESTE

Espaço do Leitor

Envie suas críticas e sugestões para o e-mail: alvolesteleitor@uol.com.br ou pelo fax (11) 2225-3396

BELEZA

Monique Alfradique Serra gaúcha: Um roteiro tri legal Energia eólica e solar

Panqueca de quinua com espinafre e peito de peru Pavê de chocolate com cereja

alvo

LESTE

Diretor: Nilo Targino da Silva - Projeto gráfico: Alvo Certo Publicidade Ltda - Edição de arte e diagramação: Yone Shinzato - Produção: Elizabethe Casarin Santiago, Izilda Delza de Godoi - Gerência comercial: Alzira A. Feitosa - Colaboradores: A4 Comunicação / Age Imagem / BL Assessoria e Agenciamento / Es.ti.lo Press Assessoria de Imprensa / In Assessoria de Comunicação e Imprensa / In The Press - Assessoria de Comunicação / MKT Mix Assessoria de Comunicação / Prestige Assessoria de Comunicação e MKT / RP1 Comunicação / XPress Comunicação - Jornalista responsável e redação: Douglas Martins MTB - 57.627- Distribuição: Tatuapé, Vila Carrão, Vila Formosa, Vila Matilde, Jd. Aricanduva, Penha, Parque do Carmo, Jd. Têxtil e Vila Sta. Isabel. Impressão: Neoband Soluções Gráficas - Tiragem desta edição: 15.000 exemplares. A Revista Alvo Leste não se responsabiliza por eventuais mudanças na programação fornecida, bem como pelas opiniões emitidas nesta edição e o conteúdo dos anúncios publicados, que são de total responsabilidade dos anunciantes.


BELEZA 5

Eles também se cuidam

Utilização

de cosméticos e consultas em clínicas de estética podem ter sido

considerados um dia coisas de mulher , mas a vida moderna revelou que os homens também são vaidosos e se preocupam com a beleza

H

ouve um tempo em que a preocupação de beleza masculina se restringia apenas em fazer a barba e cortar os cabelos, pois é... coisa do passado. Hoje, a indústria cosmética, salões de beleza e clínicas estéticas já estão também com a atenção voltada a este tipo de público, que vem numa crescente nos últimos anos. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), o Brasil é o segundo maior consumidor de produtos masculinos do mun-

do, tendo movimentado US$2,29 bilhões em 2009, ficando atrás somente dos EUA. Com tamanha importância é necessário investir em inovações, marketing e produtos exclusivos ao público, que soma 49% da população no País. Produtos antes esquecidos como cremes hidratantes e protetores solares já estão nas prateleiras com tipos específicos voltados para eles. Com a diminuição da resistência masculina, é cada vez mais comum ver os homens frequentando salões de


beleza e clínicas estéticas, ambientes antes dominados exclusivamente pelas mulheres. Os motivos que os levaram a mudança de comportamento são diversos, dentre eles a conscientização de que uma boa aparência pode ser uma arma de conquista, mais facilidade no mercado de trabalho e elevação da autoestima. Para a dermatologista Denise Steiner, o número de homens que procura clínicas de dermatologia e estética para o cuidado com a aparência vem crescendo em torno de 30%. “O homem tem menos vergonha, percebe que há menos preconceito e tem mais tranquilidade para evidenciar suas queixas”, explica. Segundo a especialista, os principais tipos de tratamento procurados pelos homens são: calvície, que não é estético, mas médico, limpezas de pele, peelings superficiais, uso de cremes com ácidos e vitaminas, além de fotoproteção (para cuidados com a pele exposta ao sol). Por possuírem características estéticas diferentes das mulheres, os homens precisam de cuidados especiais, por isso o mercado de cosméticos oferece diversas novidades visando atrair cada vez mais homens que se preocupam com o visual. “Produtos específicos para homens com texturas e aromas próprios agradam mais o sensorial masculino”, afirma a dermatologista. Afinal ter cuidados com aparência não é privilégio apenas das mulheres.

Dicas

de beleza

O melhor momento para fazer a barba é na hora do banho . O vapor dilata os poros e evita inflamação dando uma sensação de leveza ao se barbear . E vite banhos quentes prolongados - o calor da água desidrata a pele e pode até causar algumas doenças . exagere no gel no cabelo .

N ão

O

produto abafa

o couro cabeludo e o prejudica , opte pelos hidra tantes .

Use

sempre um creme ou loção pós - barba .

Esses

produtos ajudam a reidratar a pele do rosto .

O lhe

para as sobrancelhas , não é preciso depilá -

las deixando as moldadas , mas tirar os excessos deixa o rosto mais “ limpo ” e bonito .

C uidados

com a limpeza facial , pois a pele masculi -

na tende a ser mais oleosa que a feminina .

Fontes: Denise Steiner – CRM 36.505 – Dermatologista www.denisesteiner.com.br www.abihpec.org.br


DESIGN 8

Escultura Katumbaiá Fotos: André Godoy

Hugo França

O artista das árvores C om

a idéia de reaproveitamento da madeira e consciência ambiental , o desig -

ner transforma materiais que poderiam ir para o lixo em preciosas esculturas


B anco Kanhandura C achepô Yuru

Mesa Makiame Pedaços de troncos de árvores que a primeira vista poderiam estar descartados na natureza, sem nenhuma utilização, para o designer Hugo França este tipo de material “vale ouro”. Com sua percepção artística, consegue transformar a madeira bruta em peças decorativas, móveis e até esculturas, tudo isso sem perder as características naturais. Formado em engenharia de produção em Porto Alegre, cidade em que nasceu em 1954, Hugo França começou a desenvolver sua arte no sul da Bahia, onde viveu por alguns anos. Um dos primeiros trabalhos foi com a utilização do Pequi, árvore presente na região de Trancoso, onde contou com ajuda de indígenas Pataxós que utilizavam o material para a construção de canoas. A atividade despertou interesse no designer que começou a adaptálas para fazer os mobiliários ecologicamente corretos. Para a produção das peças, França utiliza apenas árvores que já caíram por força da natureza, o objetivo é preservar a espécie e, ao mesmo tempo, dar utilidade ao material descartado e sem valor comercial. Desde que não tenham sofrido danos irreversíveis, todas as partes da árvore podem ser

Mesa Makida utilizadas. Raízes desenterradas, troncos ocos, toras maciças e galhos são transformados em objetos únicos. A forma sai de cada pedaço de madeira encontrado, em geral, enormes toras oriundas da Mata Atlântica de Trancoso, que após detalhado trabalho escultural, se transforma em mesas, cadeiras, espreguiçadeiras, dentre outras obras. Durante todo o processo, as formas, texturas e envelhecimento natural das árvores são valorizados de modo que as esculturas mobiliárias mantenham sempre sua característica original. As obras de Hugo França podem ser conferidas em diversos locais onde estão expostas, não somente no Brasil, mas no mundo. Em São Paulo, os Parques Burle Marx e Ibirapuera já receberam suas peças com o projeto Mobiliários Públicos/ Árvores Urbanas, um dos destaques da reunião do C40 (evento que reuniu representantes de grandes metrópoles mundiais para discutir soluções ambientais), realizada na cidade. Outros trabalhos do artista estão expostos no showroom de seu atelier, localizado na rua Gomes de Carvalho, 585 – Itaim Bibi. Vale a pena conhecer. Fonte: www.hugofranca.com.br


10

SAÚDE

P

SÍNDROME DO CORAÇÃO I DO AR T

O “SOFRER DE AMOR” N ão

é letra de música romântica nem trecho de poema amoroso ,

ração

P artido

principalmente mulheres acima dos

U

Co-

é o nome desta síndrome que simula um infarto e afeta

m estresse agudo físico ou emocional, seja com o fim de um relacionamento amoroso, perda de um familiar, divórcio, ou uma forte decepção. Estas podem ser algumas das causas da Síndrome do Coração Partido, ou Síndrome de Tako–Tsubo, como foi descrita no Japão, em 1990.

60

anos

A síndrome, que provoca danos no músculo do coração, é de ocorrência rara e apresenta sintomas muito semelhantes aos casos de síndrome coronariana aguda (relacionada a complicações como o infarto). “A maior parte dos pacientes apresenta dor no peito e falta de ar, porém alguns casos podem se manifestar com choque e arritmias”, explica


o médico cardiologista Marcos Knobel. O que difere a síndrome para um infarto do miocárdio clássico, por exemplo, é que, neste caso, não há obstrução nas artérias. Outro fator que chama atenção na Síndrome do Coração Partido é por ela afetar, em sua maioria, mulheres da terceira idade. “A síndrome ocorre, com maior frequência, em mulheres acima dos 60 anos, geralmente pós-menopausa, e corresponde em torno de 1 a 2% de todos os casos de síndrome coronariana aguda”, informa o cardiologista. Uma das possibilidades que explica o fato pode estar relacionada com a diminuição do estrógeno, hormônio que protege a camada interna das artérias. Além do estresse emocional, o estresse físico causado por infecções ou cirurgias, por exemplo, pode resultar na síndrome. O mal pode causar a morte em casos mais graves, mas, apesar de sua descrição ainda ser nova, os especialistas acreditam que a mortalidade hospitalar gira em torno de 1% e a recorrência ocorre em menos de 10% dos pacientes, com baixa incidência de complicações e grande possibilidade de recuperação completa, não deixando sequelas. O cardiologista explica que o tratamento inicial é semelhante ao de um infarto do miocárdio clássico, ou seja, com exames cardiológicos, mas após a identificação da síndrome, o tratamento é distinto. “O ecocardiograma é um excelente método que contribui não só para o diagnóstico, mas também para o acompanhamento da disfunção ventricular”, alerta. Com o avanço na medicina e com novas pesquisas sobre o tema, a síndrome poderá ser melhor compreendida, não somente pelos especialistas, mas também por todos aqueles que são vítimas de acentuados momentos de estresses, muitas vezes, consequências da vida moderna, seja na exaustão do trabalho ou no sofrer de amor.

N ome

original

A síndrome foi descrita no Japão, em 1990, e recebeu o nome original de T ako -T subo , ( armadilha para caçar polvo , em japonês), devido à semelhança entre a imagem car díaca revelada no exame para observar a contração do músculo do coração , com um vaso - armadilha utilizado para capturar polvo .

Fonte: Marcos Knobel - Cardiologista clínico e médicoassistente da UTI do Hospital Israelita Albert Einstein - www.knobel.com.br


12

MODA

Detalhes que fazem a

diferença

Muitas

vezes , os acessórios podem se tornar peças chaves para transformar um visual co -

mum em um “ look ” moderno com muito charme e elegância .

P ara isso , selecionamos algumas

peças de marcas renomadas , além de acessórios que podem ser opção no seu guarda - roupa .

C onfira

as dicas de moda que proporcionam estilo e , ao mesmo tempo , valorizam o corpo ,

seja dos homens ou das mulheres .

Casaqueto Jacquard Maria Valentina www.mariavalentina.com.br

Calça efeito rede Maria Valentina www.mariavalentina.com.br

Mochila Travel Gear SAC Victorinox: 5584-8188


Relテウgio Infantry Vintage Small Second Mecha (241376) SAC Victorinox: 5584-8188

テ田ulos de Sol Gypset - Chocolate Mint HB www.hb.com.br

Gravata Kit - Vテ。rios Modelos SAC Remo Fenut (11) 2695-5515 www.remofenut.com.br

テ田ulos de Sol Pierre Cardin 5201_589916 SAC Sorel: 0800 703 9448


14

CULTUR A

UMA VIAGEM AO PASSADO,

Foto: Divulgação MCB

UM OLHAR PARA O FUTURO

O Museu

da

C asa B rasileira

preserva um acervo de mo -

bílias raras , consideradas de grande valor histórico e artístico para o país , mas também promove exposições de conscientização sustentável

M

óveis, peças decorativas e detalhes mobiliários de épocas importantes da história do nosso País estão preservados no Museu da Casa Brasileira (MCB). Paralelo a este acervo de antiguidades dos séculos XVII ao XXI, o espaço realiza diversas exposições e mostras temporárias com objetivo de propor a discussão e a troca de idéias, sejam em cursos, palestras ou rodas de debates, principalmente sobre temas pertinentes à arquitetura e ao design. O museu promove também ações educativas e recebe a visita do público com monitoramento agendado. Muitos ainda não conhecem a área que integra o conjunto arquitetônico do Solar Fábio Prado, construído durante a década de 40 e onde o Museu está instalado desde 1972. Neste local, ao redor do gramado, acontecem atividades aos fins de semana, como as apresentações musicais gratuitas, programadas para as manhãs de domingos. A preocupação em abrir espaços para reflexão visa favorecer a formação de um público mais crítico, seja ele composto por estudantes, leigos ou especialistas. Um exemplo disso é a mostra temporária “Produtos Imperfeitos, mobiliário Contemporâneo”, em exibição este mês, com o foco relacionado à sustentabilidade, uma idéia de segunda vida para os materiais utilizados. Mostra como esta comprova que o MCB vai

Foto: Divulgação MCB


muito além de ser um simples museu de arquivos e antiguidades, trata-se na verdade de um espaço democrático, onde a cultura tradicional está diretamente ligada à conscientização popular e contemporânea. O MCB é uma instituição pública pertencente à rede de 16 museus estaduais, vinculada à Secretaria de Estado da Cultura, e da qual fazem parte entre outros: Pinacoteca do Estado, Museu da Imagem e do Som (MIS), Museu de Arte Sacra, Memorial do Imigrante e Paço das Artes.

Produtos Imperfeitos, mobiliário Contemporâneo Uma das atrações que pode ser conferida no Museu da Casa Brasileira é a exposição do designer argentino Christian Ullman: Produtos Imperfeitos, mobiliário Contemporâneo. A mostra fez parte da Virada Sustentável e estará à disposição do público até 17 de julho. Onze objetos são expostos, entre mesas, luminárias, cadeiras e bancos, que utilizam materiais recicláveis e de baixo custo, como o bambu. Um dos destaques do trabalho de Ullman é uma luminária feita com cascalho de pedra brasileira, carregador de celular e lâmpada LED. “Busco produtos com o menor impacto ambiental e o maior impacto social possível”, afirma o designer.  As suas peças representam um recorte da nova geração de produtos socioambientalmente responsáveis. “São produtos pensados, desenvolvidos, produzidos e reciclados, utilizando a menor quantidade de recursos possíveis, emitindo a menor quantidade de CO2 e envolvendo a maior quantidade de mão de obra possível”, explica Christian.

S erviço F uncionamento : O MCB funciona a domingo , das 10 h às 18 h

de terça

E xposição : Produtos Imperfeitos, Mobiliário C ontemporâneo V isitação : Até 17

de julho

E ndereço : Av . Faria Lima , 2705 - Jardim Paulistano Tel. 3032-3727 I ngresso : R$ 4,00 - E studantes: R$ 2,00 Gratuito domingos e feriados

Fonte: MCB - www.mcb.sp.gov.br


DECORAÇÃO 16

Móveis com um toque natural de Peças

em fibra também es-

tão presentes em ambientes do

Casa Cor 2011, princi-

pal evento de arquitetura e decoração das

Américas,

disponível ao público até

12 de julho no Jockey Club de São Paulo. Os objetos decorativos e de paisagismo feitos com fibras podem ser vistos tanto em ambientes internos quanto externos.

As peças

deixam os espaços com tom de descontração e naturalidade.

ELEGÂNCIA Em

substituição às fibras naturais , as sintéticas , utilizadas para a produção de

móveis e peças decorativas , são alternativas artesanais para todos os ambientes

D

o lado de dentro, um confortável sofá de dois lugares com estrutura de tubo de ferro, trançado em material sintético. Do lado de fora, um conjunto para bar, ideal para receber os amigos na varanda de casa. Seja no ambiente interno ou externo, os móveis produzidos em fibra sintética são alternativas de decoração que proporcionam um design sofisticado e, ao mesmo tempo, ecologicamente correto. Os móveis são produzidos por artesãos que, com experiência e dedicação, trançam, à mão, os objetos mobiliários. O resultado final mostra que eles, além de proporcionar um diferencial decorativo, ainda possuem resistência


Foto: Via Rosa Móveis

e durabilidade. Por serem sintéticos, não estragam mesmo quando molhados, não ressecam quando expostos ao sol e não atraem cupins. Segundo a empresa Via Rosa, especializada neste tipo de material, a fibra sintética é um produto ecológico, não extraído da natureza como a fibra natural, preservando o meio ambiente. Os móveis de fibra sintética podem ser utilizados em estabelecimentos comerciais, como restaurantes, hotéis, pousadas e bares, mas também em pequenos ambientes residenciais. Exemplo disso é o conjunto de mesa e cadeiras “Trevo”, ideal para este tipo de necessidade, já que as cadeiras podem ser encaixadas, ficando “escondidas” sob a mesa.

Fibra sintética Trata- se de materiais

industrializados

com produtos derivados de petróleo compostos de polietilenos , protetores e pigmentos que são confeccionados em formato de fibras .

Eles

têm cor e

textura naturais , são leves e possuem dobra fácil , ideais para produção de móveis , cestaria , artesanato e outros produtos .

E ste

tipo de material substitui as fi -

bras naturais tais como junco , rattam ou vime , por ser mais resistente , con fortável e higiênico , além de ecologi camente correto , pois não agride a na tureza para sua confecção . além disso , produz resíduos

100%

recicláveis não

contaminando o meio ambiente .

Fonte: Via Rosa - www.moveisemvime.com.br Foto: Via Rosa Móveis


18

ENTREVISTA

MONIQUE

ALFRADIQUE

de

paquita a

musa das novelas Foto: Marco Maia


E

la já foi paquita, interpretou diversas personagens na televisão e no teatro e não foge de desafios. Estamos falando da bela atriz Monique Alfradique. Nascida em 29 de abril de 1986, em Niterói, no Rio de Janeiro, a loira soma em seu currículo papéis em telenovelas, como: “A lua me disse” e “Cama de Gato”, da Rede Globo, além de ter vivido uma patricinha vilã, em 2006, na série “Malhação”. Sua personagem mais recente na TV foi a Bárbara, da minissérie “Lara com Z”. O talento de Monique foi demonstrado também em outras áreas como no espetáculo: “Comédia dos erros”, de William Shakespeare, ou em sua participação no videoclipe da música “Alguém que te faz sorrir”, da banda Fresno. Além disso, Monique já encarou cansativas maratonas nos quadros “Dança no Gelo” e “Desafio do Faustão”. Com tanta disposição no lado profissional, longe das câmeras, ela não é diferente e, em entrevista à Alvo Leste, conta que procura usar seu pouco tempo livre para aproveitar ao máximo a companhia da família e amigos. Conheça agora um pouco mais sobre a menina paquita que se tornou musa das telenovelas. Alvo Leste - Você começou cedo a batalha para entrar na TV. Como surgiu este sonho? M.A - Tudo aconteceu de forma natural. Desde criança, gostava de ter festas com temas de personagens e, em algum momento da festa, apresentava uma performance e fazia com que os convidados me assistissem. Depois, já com nove anos, entrei para o grupo de teatro da minha escola, em seguida, para uma agência de publicidade, na qual comecei a fazer meus primeiros comerciais, desfiles e participações em novelas. Alvo Leste - O fato de ter iniciado a carreira ainda muito nova não atrapalhou seus momentos de adolescente? M.A - Não, porque sempre fiz o que gostava, então trabalhava e me divertia Alvo Leste - Você disputou a vaga de paquita com muitas meninas e venceu. Como foi esta experiência e como esta oportunidade te ajudou a ingressar na carreira de atriz? M.A - Ter trabalhado com a Xuxa, sem dúvida, ajudou minha carreira de atriz. Experiência em palco, de luz, posicionamento das câmeras, além dos cursos de teatro com Monah Delacy (mãe da Cristiane Torloni), cinema com Tizuka Yamasaki e danças com Carlinhos de Jesus. Foi depois de ter trabalhado com ela, como assistente de palco e atriz, que o Talma (diretor de novelas) me viu em uma participação no programa e me convidou para o teste, do qual viria ser a minha primeira novela: “A lua me disse”.

Alvo Leste - Como foi estrear nas novelas e atuar ao lado de renomadas atrizes como Aracy Balabanian, Maitê Proença e Débora Bloch? M.A - “A lua me disse” foi minha primeira novela e minha primeira viagem internacional com grandes atrizes que sempre admirei. Além de contracenar com Adriana Esteves, que foi, para mim, uma pessoa muito especial no meu primeiro trabalho grande na tv. Alvo Leste - Você ingressou na arte por meio do teatro. O que você acha da formação teatral na estruturação da carreira de um ator? M.A - Se você tem tempo e a oportunidade de conciliar trabalho e estudos é o ideal. No meu caso, tive que trancar a faculdade de artes cênicas no 2º período, por conta do trabalho que exigia dedicação e tempo. Alvo Leste - Você aceitaria desafios para viver seus personagens, como por exemplo, atuar em cenas ousadas, raspar o cabelo ou ganhar peso? M.A - Minha primeira cena mais ousada foi em “Na forma da lei”, em que eu vivia a Nininha e depois em “Lara com Z”, como Bárbara. Acho que numa carreira de atriz você tem que estar disponível para os personagens, mas ganhar peso para mim seria um limite, minha autoestima estaria em jogo. Alvo Leste - Entre todas as personagens que interpretou qual você destaca? M.A - Todas as personagens foram importantes, tanto no teatro quanto na tv. Elas marcam momentos, lugares e pessoas em minha vida. Alvo Leste - Você está sempre pronta para encarar desafios, foi assim no quadro “Dança no Gelo” e “Desafio do Faustão”, em que desfilou em 14 escolas de samba de SP, na mesma noite. Qual aprendizado você adquire quando enfrenta provas como estas? M.A – Na época do “Dança do Gelo estava ensaiando para a peça “A mentira”, de Nelson Rodrigues e gravando “Malhação”. Era uma correria conciliar os ensaios da coreografia do gelo com a peça e a gravação. Às vezes, queremos fazer muitas coisas ao mesmo tempo, sem se dedicar bem para uma. Acabei me machucando de verdade, rompi um ligamento do pé es Foto: Rodrigo Lopes


querdo que me fez sair do quadro do Faustão. Assim, pude me dedicar a estudar mais para o espetáculo e as gravações. Alvo Leste - Qual sua relação com a cidade de São Paulo? Costuma visitar com frequência ou somente a trabalho? M.A - Amo São Paulo, tenho muitos amigos aqui. Já morei na cidade durante um ano por conta de espetáculo em cartaz (“Comédia dos erros” - Shakespeare). Adoro sair pra jantar, assistir um bom espetáculo, encontrar os amigos... venho com frequência, geralmente quando tenho trabalho, tento dar uma esticada. Alvo Leste - Como é sua relação com a família? M.A - Sou muito família, apesar de estar sempre trabalhando, quando estou em casa tento estar 100%. Meu pai sempre viaja a trabalho também, mas tentamos conciliar horários. Sou muito ligada na minha irmã e mãe, quando estou em casa gostamos de jantar juntas e beber um vinho.

Alvo Leste - Sua carreira cheia de compromissos permite que você concilie seu tempo para o lazer com família e amigos? M.A - Sem dúvida, a companhia da minha família e amigos é essencial, mesmo que o contato não seja diário, mas hoje em dia, a tecnologia ajuda a nos manter “próximos” com quem está distante. Alvo Leste - Como é sua rotina quando não está gravando ou ensaiando? M.A - Não tenho rotina. Cada momento da minha vida me organizo de uma forma, depende se estou com teatro ou na tv. Atualmente, viajo bastante por conta do espetáculo “A Comedia dos erros”. Alvo Leste - Você tem planos para casamento, filhos...? M.A - Sem dúvida, formar uma família está nos meus planos. Alvo Leste - Após “Lara com Z” você já tem outros trabalhos programados? M.A - Estou em cartaz com o espetáculo “Escola de mulheres”, de Moliere.

Defina em uma frase: Família: Meu porto seguro, me sinto protegida. Amor: Faço tudo que amo e dou amor a quem me faz bem. Sucesso: Consequência do trabalho bem feito.

Foto: Divulgação


TURISMO 22

Foto: Divulgação Prefeitura de Gramado

Serra gaúcha: Um roteiro tri legal P ara

os “ guris ” que quiserem aproveitar as férias e a fria temperatura do inverno , uma ótima opção é conhecer as

serras gaúchas , “ tchê ”!

Muitos

País, visitar .

passeios e belíssimas paisagens encantam essa região do sul do

atrações típicas , tais como o chimarrão , música regional e gastronomia gaúcha .

Gramado

Atrações turísticas Cidade das Hortênsias

Na década de 50, o proprietário de um terreno da cidade, Oscar Knorr, plantou várias mudas da planta em seu

à pena

jardim, os vizinhos fizeram o mesmo, logo a cidade estava repleta de hortênsias.

Parque Knorr

Nos jardins do Parque Knorr, você encontra a Árvore dos Desejos, o Chalé dos Ursos, Fábrica de Brinquedos, além da primeira casa da região em estilo bávaro.

Green Land

Oportunidade de contato com a natureza onde há um lago com lodo terápico, emoção nas trilhas suspensas e na ponte pênsil. Foto: Divulgação Prefeitura de Gramado

A cidade de Gramado é marcada por suas ruas floridas e clima aconchegante, semelhante a uma cidadezinha da Europa. Recebeu este nome, pois servia de passagem para tropeiros que tocavam o gado pelos campos de cima da Serra, no final do século XIX. Ao chegarem ao topo, tanto tropeiros quanto imigrantes, encontravam um pequeno campo de grama macia e verde que servia de repouso. Este gramado, segundo alguns, foi responsável pelo batismo da cidade. O local é palco de grandes eventos nacionais, tais como o Festival de Gramado, maior festa do cinema nacional que reúne artistas, produtores, diretores e jornalistas de todo o País; o Natal Luz, um dos maiores eventos natalinos do mundo que encanta com shows de fogos, som e luzes, além de belíssimos desfiles; a Festa da Colônia, atração com muita música, jogos e gastronomia típica alemã, italiana e claro... gaúcha. Suas belezas naturais se formam pelas paisagens serranas, com florestas de araucárias, pássaros e outros animais silvestres, além do nevoeiro característico da serra, dão um ar todo especial para este refúgio.

V ale

recheada com


Canela

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Mais uma cidade coberta por hortênsias, Canela é outra atração da região serrana do Rio Grande do Sul conhecida como a capital gaúcha do Ecoturismo. Oferece variadas opções de lazer e diversão em meio à natureza, possui grande número de hotéis e pousadas, ambos rodeados por belos parques turísticos, como o Parque do Caracol e o Parque da Ferradura. A cidade tem temperaturas médias de 12º no inverno e 25º no verão, está distante cerca de 120 km da capital do Estado, Porto Alegre, e aproximadamente 830 metros de altitude. Ficou conhecida no cenário nacional por ser famosa ao que se refere à preocupação ecológica, pelos seus parques naturais, pelo clima ameno e tradições européias. Destacam-se também os espetáculos de música, dança, teatro e festas natalinas.

Atrações turísticas Cascata do Caracol

Com cerca de 130 metros de altura, a cascata está localizada no Parque do Caracol, uma área que possui mirantes, observatório ecológico, elevadores panorâmicos, trilhas e restaurantes.

Catedral de pedra

Localizada no centro da cidade, chama a atenção dos turistas por seu estilo gótico inglês e sua torre de 35 metros.

Parque da Ferradura

Lugar ideal para integração com a natureza ao seguir as trilhas até as cascatas. Oportunidade para escalar as paredes do canyon com 400 metros de profundidade.


Monumento

aos imigrantes

Foto: Divulgação

Nova Petrópolis A cidade recebeu este nome em homenagem à Majestade D. Pedro II (Nova Petrópolis: nova cidade de Pedro), mas também analogia a “Real cidade de Petrópolis”, do Rio de Janeiro, local de férias da Família Imperial da Corte. Com temperaturas negativas no inverno e podendo chegar a 30 graus no verão, o turismo é bem-vindo durante o ano inteiro nesta cidade que está a 802 metros de altitude. A cultura mostra com clareza as influências dos colonizadores alemães que chegaram à cidade, em 1858. O Festival do Folclore é um dos eventos que mostra a cultura local herdada dos primeiros povos que escolheram a região para viver. Atualmente, Nova Petrópolis faz limite com os municípios de Vale Real, Feliz, Linha Nova, Picada Café, Santa Maria do Herval, Gramado e Caxias do Sul.

Atrações turísticas Parque Aldeia do Imigrante

O Parque é o atrativo turístico de maior destaque do município. Foi criado para resgatar e preservar o passado histórico dos imigrantes colonizadores.

Labirinto Verde

Localizado na Praça da República, o Labirinto é feito com ciprestes cuidadosamente cortados em forma de “cerca viva”. As plantas formam as paredes que desenham o seu traçado.

Ninho das águias

Rampa de vôo livre, distante 4 km da cidade, com 702 metros de altura e vista espetacular para o Vale do Rio Caí e para cidade de Caxias do Sul. Fontes: www.cvc.com.br www.serragaucha.com.br www.novapetropolis.rs.gov.br


SUSTENTABILIDADE 28

eletrIcidade ecológica com vento e sol Em

tempos de aquecimento global , alterações climáticas e

idéias sustentáveis , as energias renováveis são excelentes alternativas ao sistema energético tradicional

A energia elétrica trouxe incontáveis benefícios ao de-

Força dos ventos

senvolvimento da humanidade, mas imagine se um dia essa

A energia eólica é a que vem dos ventos, ou seja, gerada

fonte se esgotasse. Assuntos como este resultam em preocu-

pelo movimento. O nome tem origem na mitologia grega: Éolo, o

pações com o meio ambiente e trazem à tona alternativas para

Deus do Vento. Podemos identificar uma usina eólica quando

utilização da eletricidade em um planeta sustentável: são as

nos deparamos com imagens de grandes cata-ventos em áreas

conhecidas energias renováveis.

abertas. Na verdade são aerogeradores ou turbinas eólicas que

Energia renovável tem origem em fontes naturais e po-

convertem a energia cinética (movimento) em elétrica.

dem se regenerar, ou seja, não se esgotam. A energia solar e

Basicamente funciona da seguinte maneira: O vento pas-

a energia eólica (dos ventos) são dois dos tipos utilizados no

sa pelas pás do aerogerador. Ao girar, as pás movimentam um

Brasil. As energias renováveis, no geral, causam pequeno im-

gerador e cria uma corrente elétrica que, por sua vez, transmite

pacto (poluição, desmatamento) ao meio ambiente.

para a rede de distribuição Foto: Divulgação MPX


comercial do Brasil, localizada em Tauá, no sertão do Ceará. A usina tem capacidade para abastecer 1,5 mil famílias. A usina ocupa uma área de 12 mil metros quadrados e conta com 4.680 painéis fotovoltaicos, que absorvem a luz do sol para transformação em energia elétrica. Para Marcus Temke, diretor de implantação e operação da MPX, toda a experiência anterior de geração solar fotovoltaica no Brasil ocorreu por meio de instalações de pequenas unidades produtoras, apenas com o objetivo de fornecer energia para regiões isoladas. Um exemplo de projeto comunitário para captação de energia solar é a iniciativa da organização não governamental Sociedade do Sol, com a produção de Aquecedores Solares a Baixo Custo (ASBC). A entidade, com pesquisa incubada pela Universidade de São Paulo (USP), desenvolve um projeto gratuito de aquecedor solar de água destinado a substituir parcialmente a energia elétrica consumida por famílias brasileiras na utilização do chuveiro, promovendo sensível economia energética, doméstica e nacional. A proposta permite a efetivação do direito à energia solar e limpa com educação ambiental, eficiência energética e baixo custo. A construção de aquecedores populares tem as mesmas características dos aquecedores industriais, só que o próprio morador pode criá-lo. Tudo para o bem social e ambiental da comunidade.

A té

debaixo d ' água

O utra No Brasil há dezenas de usinas eólicas distribuídas em diversas regiões. Segundo a fabricante de aerogeradores, Wobben Windpower, o Brasil tem um dos maiores potenciais para geração de energia de fonte hídrica, eólica e biomassa. Todas

forma de geração de energia limpa e sus -

tentável é o

Deep Green:

as

“pipas subaquáticas”, A proposta , criada

como já estão sendo chamadas .

por engenheiros suecos , se dá por meio de grandes peças com turbinas hidroelétricas que tem o for mato de um papagaio

( pipa ),

parecidos com os que

essas fontes são complementares entre si, logo, o aproveita-

são empinados pelas crianças , porém a invenção

mento delas é vital para o futuro do País. É importante também

fica ancorada no fundo do mar e é conduzida pelas

que as novas fontes energéticas sejam limpas e renováveis, já que não se esgotam e não prejudicam o meio ambiente.

Eletricidade que vem do sol A energia solar é captada por meio de grandes painéis chamados de células fotovoltaicas. É considerada uma fonte de energia limpa e renovável. Ela também pode ser utilizada em comunidades, principalmente em residências, para o aquecimento da água economizando a eletricidade tradicional. Em grande escala (alta tensão) ainda é pouco desenvolvida no Brasil, devido seu custo elevado, porém recentemente, em junho, a empresa MPX, do empresário Eike Batista, inaugurou a primeira usina solar de geração de energia em escala

fortes correntes marítimas .

A movimentação da pipa

é transmitida para sua turbina que a transforma em energia elétrica .

Para

se ter uma idéia da potência energética , cada

300 casas O s primeiros testes foram feitos em Gotemburgo , na Suécia , mas a idéia deve ser desen volvida para se expandir em outras regiões do pla neta . M ais informações no site : www . minesto . com . papagaio tem capacidade para sustentar de médio porte .


32

RECEITA FÁCIL

PAvê de chocolate com cereja cEpÊra

Rendimento: 12 porções Capacidade da forma: 1500ml. Congelamento: Embale, extraia o ar e congele Ingredientes: 600g de chocolate meio amargo 400g de chocolate ao leite 500ml de creme de leite fresco 250g de cerejas ao marasquino cepêra 200g de nozes ligeiramente picadas ½ xícara (chá) de conhaque 1 pacote de biscoito maisena ou leite 100g de raspas de chocolate para decorar Folhas de manjericão fresco

Modo de Preparo: Drene as cerejas ao marasquino cepêra, separe algumas para decorar e pique o restante. Prepare um creme no microondas ou banho-maria com os 2 chocolates e o creme de leite. Separe ¼ para a decoração. Junte as nozes e as cerejas ao marasquino cepêra picadas. Misture a calda drenada ao conhaque. Forre uma forma para bolo inglês com papel alumínio. Umedeça os biscoitos na calda e disponha de maneira decorativa, forrando o fundo e as laterais da forma. Espalhe uma camada de creme, uma camada de cerejas ao marasquino cepêra e as nozes. Repita a operação até terminar os ingredientes. Cubra com papel alumínio e leve a geladeira. Desenforme gelado, em prato de servir. Cubra com o creme de chocolate. Decore com raspas de chocolate, cerejas ao marasquino cepêra e folhas de manjericão fresco.. Fonte: Cepêra Alimentos


Panqueca de quinua

com espinafre e peito de peru Rendimento: 4 porções Tempo de preparo: 1 hora Ingredientes: Massa: 1 ovo 1 colher (chá) de manteiga ½ copo de leite Sensy (90% menos lactose) Batavo ¼ de colher (café) de sal 1 ½ colher de farinha de trigo integral ½ colher (sopa) de farinha de trigo branca 3 ½ colher (sopa) de quinua em flocos Recheio: ¼ cebola ralada ½ maço de espinafre limpo e picado ½ colher (sobremesa) de azeite de oliva 175g de peito de peru picado Sal a gosto

Modo de preparo: Massa: No liquidificador, junte o ovo, a manteiga, o leite Sensy (90% menos lactose) Batavo, o sal, as farinhas e a quinua. Bata por 2 minutos. Unte uma frigideira pequena antiaderente com um fio de óleo e aqueça. Coloque uma concha de massa e espalhe bem. Doure os dois lados. Repita a operação até acabar a massa. Reserve. Recheio: Refogue a cebola e o espinafre no azeite; acrescente o peito de peru e refogue por mais 2 minutos. Escorra a água que soltar do espinafre. Bata no liquidificador ou processador por dois minutos e tempere com sal. Recheie as panquecas e sirva com uma salada. Observação: Pode ser servida com molho de tomate. Fonte: Batavo


SOCIAL LESTE 34

02

03

01

04

05

04

01 Fulaninha & Dona Coisa

Este encontro vai provocar sentimentos ocultos da natureza humana. Fulaninha é uma jovem do interior que vem para trabalhar na casa de Dona Coisa, uma mulher moderna que tem dificuldade em tolerar as diferenças. A peça está em cartaz de 18 de junho a 27 de agosto no Teatro Silvio Romero, localizado na rua Coelho Lisboa, 334 - Tatuapé - SP. 02

Shopping Penha comemora 6 anos do Projeto de Caminhada

No dia 14 de junho, o Shopping Penha comemorou o 6º aniversário do projeto de caminhada Bom Dia Shopping Penha, iniciativa que teve como objetivo beneficiar a comunidade da região e abrir suas portas para que os frequentadores pudessem fazer atividades físicas gratuitamente. Cerca de 120 presentes dos grupos de caminhada e dança de salão estiveram no evento.

Grupo Drummond conquista 03 três torneios de futebol Atletas e professores do Colégio Carlos Drummond de Andrade (Tatuapé) e Colégio Alvorada venceram três campeonatos de futebol em diferentes categorias. Um deles contou com a participação de excraques do Corinthians. A equipe sagrou-se campeã da Copa Toon, categoria adulta. Outra vitória foi do time feminino, além do show de bola na Copa das Nações Danone, na categoria masculina sub-12.

Se Eu Cozinho... Não Lavo! A Vida do Fábio muda radicalmente com a chegada de Marinalva, amiga de sua tia, que vem do interior para trabalhar como empregada doméstica. Divertida e confusa, Marinalva promove grandes confusões para o seu novo patrão. A comédia poderá ser conferida a partir de 15 de julho a 14 de agosto, sextas e sábados, às 21h, e aos domingos às 19h, no Teatro Artur de Azevedo, localizado na avenida Paes de Barros, 955, Mooca – SP. 05 Salão Cereja Beleza Em 25 de junho, a Vila Carrão ganhou um moderno espaço de estética com equipamentos de última geração e profissionais altamente qualificados no setor de beleza. O salão proporciona, em um só ambiente, cuidados com cabelo, unha e estética e preza pela higiene com a utilização de materiais esterilizados e descartáveis. Venha conhecer! Endereço - Av. Conselheiro Carrão, 2899 - Tel - 2507-0222.



Revista Alvo Leste edição 57 - julho/2011