Page 1


Editorial

Uma trajetória de muito sucesso

Q

uem disse que sonhos não se realizam? A criação desta revista surgiu de um sonho. O nosso objetivo era informar ao público frequentador da Expoagro toda programaçã, o bem como oferecer assuntos dos mais variados dentro de um projeto gráfico que viesse atender aos visitantes da Expoagro de Campos. Durante esses 10 anos fomos em busca da inovação, o que resultou na criação de um site onde publicamos matérias da região e como de outros estados. Mas nada disso seria possível se não houvesse o apoio dos nossos parceiros que, ao anunciarem em nossa revista, fortalecem as suas marcas e nos ajudam a cumprir esse objetivo de bem informar com seriedade e respeito ao leitor. Chegar até aqui atingindo a marca de 10 anos exigiu muita dedicação e trabalho de todos nós da Revista Agronegócios, porém nunca deixamos de acreditar que poderíamos seguir em frente e que seria possível dar continuidade a esse trabalho que exige de toda a equipe um grande esforço físico e intelectual. Desde o início tivemos como missão proporcionar um ótimo retorno aos nossos parceiros com o fortalecimento de sua marca através da arte de anúncios criativos e de uma impressão gráfica de primeira qualidade. Pautamos nossos valores na ética, no relacionamento humano, respeito à diversidade, inovação, valorização ao trabalho, criticidade

Juarez Dutra Mota Relações Públicas e editor

|

JULHO

DE

2014

03

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

www.revistaagronegocios.com

e criatividade. A a nossa visão é de contribuirmos enquanto existirmos, para o sucesso da Expoagro de Campos e para o sucesso dos nossos parceiros. Somos uma revista comprometida com o segmento, atuando durante todo ano publicando matérias de interesses do agropecuarista em nosso site. Finalizando, registramos nossos agradecimentos primeiramente, a Deus, depois aos nossos familiares que nos apoiam e principalmente nossos colaboradores que estiveram conosco em algum momento nesses 10 anos. Agradecemos a Ana Paula Mairen, Enockes Cavalar, Edval Júnior, Abel Maurício Dereczynski, Maurício Faez, Gustavo Smiderle, Fúlvia DAlessandri, Simone Barreto, Sofia Vencce, Francisca Assis, Michele Mayrink Cunha, Fabiana Pinto, Paola Bittencourt, André Luís Ferreira Francisco, Luciana Fonseca, Carla Flávia,Sílvio Júnior, Guntter Ferreira Morgades, Luciano Rangel de Arruda, Vilmar Rangel, Liliane Barreto, Patrícia Daldegan, Viviane Aquino, Renato Chagas, Dib`s, Vilson Correa, Antônio Leudo, César Ferreira e Antônio Filho. Nosso obrigado a todos vocês, pois acreditem: “o sucesso não acontece por acaso”, vocês fazem parte dele. 


Expediente Editor Juarez Dutra Mota Relações Públicas - CONRERP RG 3685 Jornalista Luciano Rangel de Arruda - MTB 0499 Assessoria Jurídica Andral Nunes Tavares Filho Advogado (OAB/RJ 49212-D) Dr. Rubens de Souza Gomes Neto Advogado (OAB/RJ 141.679) Projeto Gráfico Enockes Cavalar - kanox10@gmail.com Juarez Dutra Mota Publicidade - Arte Maurício Faez Enockes Cavalar Léo Cunha Silvio Júnior | Teleprint Agenciadores Abel Maurício Dereczynski Juarez Dutra Mota Nossa Capa Modelo - Elen Rocha Arte - Maurício Faez Foto - Carlos Augusto / Impar Comunicações Maquiagem - Binho Dutra binhodutra.blogspot.com.br Editoria de Arte Enockes Cavalar kanox10@gmail.com Fotografias César Ferreira / Ascom - PMCG Ascom - UENF Dib`s Vilson Corrêa Silvana Rust Robson Oliveira / SEAPEC Carlos Augusto / Impar Comunicações

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

Impressão 5.000 (cinco mil exemplares) Colaboradores Fúlvia DÀlessandri - ASCOM/UENF Dra. Flávia Regina Cruz Dias Dr. Cristiano Chaves de Barro Dr. Sivino Amorim Neto Jorge Guilherme B. Palieraqui Patrícia Daldegan - Ímpar Comunicações Fale com a Revista Agronegócios E-mail: revistaagronegocios@yahoo.com.br juarezmota_rp@yahoo.com.br Telefone: (22) 99822-7273 Site Revista Agronegócios www.revistaagronegocios.com Observações Os artigos, reportagens e colunas desta revista são da estrita responsabilidade de seus autores. Os colaboradores e agenciadores de propaganda não mantêm vínculo empregatício com esta revista.

04

JULHO

DE

2014

|

www.revistaagronegocios.com


Fotos: Divulgação / FRC

Diretoria Executiva Fundação Rural de Campos

Frederico da Silva Mendonça - 1º Vice-Presidente

Wedson Gebara Dumas - 2º Vice-Presidente

Bruno Frederico Macabu de Aguiar 1º Secretário

Lívia Macedo de Siqueira - Presidente

José Quintino Barreto Neto 2º Secretário

Leandro Augusto Barreto Moreira 1º Tesoureiro

José Carlos dos Santos Azevedo 2º Tesoureiro

Thiago Gomes Rodrigues Diretor Técnico

Charles R. de Azevedo Jacyntho Diretor de Parque

Rodrigo Siqueira Rodrigues - Diretor de Eventos

Carlos Alberto G. Guimarães - Diretor Adjunto

|

JULHO

DE

2014

Fundação Rural de Campos

05

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

www.revistaagronegocios.com

Leonardo Souza Barroso - Diretor de Eventos

Ciro Barbosa Xavier - Diretor de Parque


| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

06

JULHO

DE

2014

|

www.revistaagronegocios.com


Índice Editorial 03 Expediente 04 Diretoria Executiva FRC 05 Palavra da Presidente 08 Agressividade dos cães 10 Pesquisa aplicada 12 O potencial da fruticultura 14 Subvenção salva lavouras 15 Lodo de esgoto fertiliza 16 Carne com ICMS zero 17 Leilões que geram milhões 18 Pecuaristas utilizam técnicas de manejo 20 Mudanças no clima 21 Energia limpa e renovável 22

27 Aula de gastronomia na ExpoAgro 28 Programação da Expoagro 30 Agricultores de sucesso 32 Vacinação 33 Pescado com nota fiscal 34 Talento Ímpar 35 Estrada de produção 38 Fundenor 44 anos 39 Artigo 40 Endocardite bacteriana 41 Solos brasileiros na internet 42 Organização da ovinocultura 44 Guia Agronegócios

|

JULHO

DE

2014

07

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

www.revistaagronegocios.com

24 Flash Social


Palavra da

Presidente H

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

á pouco mais de um ano, aceitei o desafio de assumir a presidência da Fundação Rural de Campos, esta instituição tão importante para o desenvolvimento do agronegócio em nossa região. Mas não fiz isso sozinha, tive a ajuda de muitos parceiros que, assim como eu, trabalharam e continuam trabalhando por uma gestão austera e benéfica para a FRC. Neste período, avançamos muito e já estamos conseguindo colher os bons frutos dessas mudanças. Prova disso foi o sucesso da 54ª Exposição Agropecuária e Industrial do Norte Fluminense, realizada ano passado. Acertamos em devolver à feira sua essência, perdida ao longo dos anos, que é fomentar a cadeia produtiva agrícola e pecuária. Voltamos a valorizar o homem do campo e conseguimos trazer de volta as famílias ao Parque de Exposições. Este ano, a 55ª EXPOAGRO também traz essas características, embora tenhamos incluído os shows novamente em nossa programação. Com muito esforço, conseguimos manter os preços populares para que um maior número de pessoas possa participar desta festa tão tradicional e que já faz parte do calendário de eventos da nossa cidade. Esperamos que esta edição seja mais um sucesso. Além de assumir papel de destaque na economia brasileira, o agrobusiness é uma vocação da região Norte Flumi-

08

JULHO

DE

2014

|

nense. Segundo dados do Ministério da Agricultura, o bom desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) em 2013 foi auxiliado pelo setor. O agronegócio, que teve crescimento de 7%, fez com que a economia brasileira ficasse acima da média. Sendo assim, esse relevante segmento recebeu o carinho e a devida atenção ao elaborarmos a programação da 55ª EXPOAGRO. Concurso leiteiro, cavalgada, julgamentos, leilões e uma infinidade de outras atrações voltadas para o homem do campo vão movimentar nosso Parque durante os cinco dias de festa. Vale a pena ressaltar que a presidência e a diretoria da Fundação Rural de Campos

www.revistaagronegocios.com


Acertamos em devolver à feira sua essência, perdida ao longo dos anos, que é fomentar a cadeia produtiva agrícola e pecuária. Voltamos a valorizar o homem do campo e conseguimos trazer de volta as famílias.” Lívia Siqueira estão empenhadas no resgate da missão da instituição, que é promover o desenvolvimento econômico e social regional, com ênfase no propósito da pecuária e da agricultura, trazendo de volta os valores e as tradições das primeiras feiras realizadas em Campos. Também estamos comprometidos com a tarefa de transformar a organização numa referência em agronegócio, gerando qualidade em serviços e produtos para todos os produtores rurais do Estado do Rio de Janeiro. Volto a dizer que esta não está sendo uma tarefa fácil, contudo eu e meus companheiros da Diretoria da FRC aceitamos o desafio por amor à causa e pela nossa forte ligação com o setor. Um ano de trabalho se foi, período em que tivemos importantes avanços, mas temos novos objetivos a serem alcançados. Ainda temos muito que fazer, porém estamos confiantes e otimistas. Aproveito a oportunidade para agradecer a todos que confiaram em nossa proposta e que torcem pela nossa vitória. Os bons tempos estão de volta! 

|

JULHO

DE

2014

09

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

www.revistaagronegocios.com


| Artigo

Agressividade dos

Cães

E

ste é um sério problema de comportamento cada vez mais frequente nos cães. Devido ao grande potencial que alguns cães têm de machucar um ser humano, colocando risco de vida para as pessoas, tanto para os donos como a qualquer uma vida. A estatística de acidentes provocados por mordidas de cães é assustadora. Várias raças têm pontecial de matar um homem com tanta facilidade, que é preciso lidar com esse aspecto com o máximo cuidado. Mesmo cães pequenos podem machucar seriamente uma criança. Crianças atacadas por cães podem ficar traumatizadas, ainda que não tenham sido machucadas. Existem classificações para os diferentes tipos de agressão, é importante o profissional saber identificá-las para poder controlá-las de forma mais eficiente. Os tipos de agressividade podem ser por dominância, relacionada a conflitos, possessiva, relacionada ao medo, territorial, predatória, devido à dor ou problemas médicos, por brincadeira, materna (hormonal), redirecionada, entre outras. As principais formas de agressividade são por dominância e medo. AGRESSÃO POR DOMINÂNCIA Se seu cão rosna ou ameaça mordê-lo quando você pede para ele sair da cama ou sofá, quando você tenta tirar algum objeto dele, ou ainda quando está prestes a fazer algo

que ele não goste (ex. limpar ouvido, banho), pula em todos, faz xixi em vários locais, foge, puxa a guia ao passear, late excessivamente, ele provavelmente está mostrando agressividade por dominância. A teoria mais aceita para o surgimento dos cães foi a domesticação dos lobos á 5.000 anos atrás, e uma das características herdadas foi o comportamento social e de organização dentro de um grupo que é expressada por meio de sinais corporais, vocalização e expressões faciais. Nesta organização envolve uma hierarquia onde existe um indivíduo líder, o qual é importante para formar uma estrutura funcional sem encontros agressivos. O líder do grupo tem muitos privilégios, como se alimentar primeiro comendo as melhores partes, também tem vantagem de reproduzir e passar seus genes. Mas junto com estas regalias existem muitas responsabilidades, como demarcar território, proteger a matilha, controlar os membros do grupo e manter sua liderança. O cão pode ser dominante e não agressivo, mas é muito comum existir agressividade junto com dominância, pois a dominância faz o cão sentir o dono do lugar, e quando contrariado (dominância questionada) faz com que se mostre a agressividade para afirmar isso. O comportamento de dominância pode ser predisposição genética do animal, não precisando ser ensinada ou aprendida. 

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

Atitudes para educar o seu cão Não deixa-lo pegar comida ou petisco no chão. Não subir em cama, móvel, sofá... Não latir em determinadas situações. Não pular nas pessoas. Não demarcar território Não defender membros do grupo. Não controlar saídas e entradas ou movimentos das pessoas.

10

JULHO

DE

2014

|

www.revistaagronegocios.com


Animais podem desenvolver agressividade por medo O medo é uma característica herdada, fundamental para sobrevivência do cão e que nos aproveitamos dela para ensinar aos animais o que podem e não podem fazer de modo a tornar a convivência com um cão doméstico a mais prazerosa possível para todos os lados. Quando o cão está em uma situação ameaçadora ou que promove medo ele reage instintivamente para sobreviver, encontrando duas saídas: confronto ou fuga. Quando os cães são expostos a estímulos que podem gerar medo, o resultado dependerá de diversos fatores, como sociabilidade do animal (genética, idade), da experiência anterior com estímulos semelhantes, condição emocional e até mesmo de seu estado clinico no momento da exposição.

Jorge Guilherme B. Palieraqui – Zootecnista CRMZ/RJ 519-Z

|

JULHO

DE

2014

11

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

www.revistaagronegocios.com


| Te c n o l o g i a

Pesagro/Rio

Pesquisa aplicada

Tecnologias foram criadas para o consórcio cana x feijão na baixada campista

D

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

esde 1976, com a sua criação a PESAGRO-RIO nos seus Centros de Pesquisa localizados em Niterói, Macaé, Nova Friburgo, Seropédica, Itaocara e Campos dos Goytacazes, têm procurado desenvolver e repassar tecnologias que sejam viável técnica e economicamente ao setor agropecuário do Estado do Rio de Janeiro. A antiga Estação Experimental de Campos, atualmente Centro Estadual de Pesquisa em Agro energia e Aproveitamento de Resíduos (CEPAAR, assumiu a responsabilidade de apoiar a diversificação agrícola, principalmente nas regiões Norte /Noroeste Fluminense e Baixadas Litorâneas. Grande apoio foi dado a cerca de 14 municípios, com a disponibilidade de tecnologias que favorecessem a melhoria da qualidade,

12

JULHO

DE

2014

|

produtividade e da produção de algumas graníferas, como o arroz, feijão e milho. Foram desenvolvidas tecnologias para o consorcio cana x feijão, bem como o uso intensivo de várzeas na Baixada Campista. Tecnologias para a produção de oleaginosas, principalmente com a cultura de girassol, obtendo-se bons resultados com a produção de óleo para a produção de biodiesel e aproveitamento da torta na engorda confinada de animais. Vale destacar o pioneirismo na introdução de variedades de coco anão provenientes do Centro Nacional de Coco da EMBRAPA em Sergipe. Além dos trabalhos de pesquisa junto ao setor produtivo, estabeleceram-se

www.revistaagronegocios.com


Fotos: Arquivo / Pesagro-RIO

SILVINO AMORIM NETO Pesquisador e chefe do centro de Pesquisa em Agroenergia e Aproveitamento de Resíduos.

revistaagronegocios.blogspot.com

|

JULHO

DE

2014

13

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

parcerias com algumas prefeituras, UENF, Centro Nacional de Arroz, Feijão e Milho e de Agrobiologia da EMBRAPA e o setor privado, visando tecnologias que possam beneficiar o meio rural. Tem-se disponibilizado máquinas e implementos agrícolas, bem como o processamento de análises laboratoriais, secagem de grãos e armazenamento de sementes de cultivares recomendadas pela pesquisa. Mais recentemente, numa parceira do Governo do Estado e Federal, foram repassados significativos recursos do PAC (Plano de Aceleração de Crescimento) para melhoria da infra estrutura dos Centros de Pesquisa e aquisição de veículos, máquinas e implementos agrícolas. Como contra partida do Governo Estadual, foi aprovado um Novo Plano de Cargos e Salários e a implantação do sistema de meritocracia, visando estimular a maior eficiência no trabalho. Ultimamente, significativos avanços têm ocorrido no setor de Horticultura, através de parcerias com as prefeituras de Campos, São João da Barra e o Grupo PRUMO (Porto do Açú), visando o aumento de oferta de mudas de olerícolas, bem como orientações técnicas na implantação de mandalas e estruturas para o cultivo protegido em parceria com o Programa Rio Rural. Mais de 200 produtores estão sendo beneficiados com estas ações.


| Interior

O potencial da

fruticultura

N

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

as últimas décadas, o Norte Fluminense reduziu a dimensão de sua área agrícola, num processo que está associado ao declínio da área cultivada com alguns produtos tradicionais até então, como a cana-de-açúcar, milho, arroz e feijão. Por outro lado, observou-se expressivo crescimento da produção de algumas frutíferas, com destaque para abacaxi e coco-da-baía, além da manga, goiaba e melão. Já no Noroeste Fluminense, após o período em que vigorou o programa Frutificar (que tinha por objetivo incentivar a diversificação agrícola no Estado), houve relativo crescimento de culturas como banana, coco-da-baía, manga e laranja. Porém, o processo foi pouco expressivo. A participação da fruticultura no valor da produção agrícola regional continua ainda pequena. As constatações constam do trabalho de dissertação do mestrando Douglas Vianna Bahiense, sob a orientação do professor Paulo Marcelo Souza, do Laboratório de Engenharia Agrícola (LEAG) do Centro de Ciências e Tec-

14

JULHO

DE

2014

|

Ascom | Uenf

nologias Agropecuárias (CCTA) da UENF. O trabalho será apresentado em julho no Congresso da Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural, em Goiânia, no período de 27 a 30 de julho. — A expansão da fruticultura no Norte Fluminense é um fenômeno anterior ao advento do Frutificar, mas tem se acelerado após a sua implantação, sobretudo nos anos mais recentes. Tal resultado contribuiu para retomar o crescimento do valor total da produção regional, em declínio desde o final da década de noventa, com a decadência da cana-de-açúcar — diz o mestrando, acrescentando que outra importante consequência do processo foi a melhoria dos índices de diversificação da economia regional. A pesquisa mostra que no Noroeste Fluminense a perda de importância econômica dos produtos tradicionais foi compensada pela produção de tomate e café, principalmente. — Embora os resultados evidenciem que as duas regiões têm uma economia agrícola pouco diversificada, o apoio de investimentos na fruticultura, aliado à assistência técnica e melhores práticas de gerenciamento, pode contribuir para melhorar esse quadro. Ressalta-se, portanto, a necessidade de melhores níveis técnicos, de planejamento e de gestão em todas as etapas de seleção, implantação e condução dos projetos, visando maximizar os resultados e contribuir, efetivamente, com o avanço da fruticultura na região — conclui Douglas. 

www.revistaagronegocios.com


| Cana-de-Açúcar

Subvenção salva

lavouras Secom / PMCG

A

produtores de cana, que vem acumulando perdas devido às condições climáticas -, informou o secretário de Agricultura, Eduardo Crespo. 

|

JULHO

DE

2014

15

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

www.revistaagronegocios.com

Divulgação

MP 635/13, que beneficia cerca de cinco mil produtores de cana do estado do Rio de Janeiro, foi sancionada pela presidente Dilma Roussef. A MP prevê a subvenção de R$ 12, por tonelada de cana, referente à safra 2012/2013. Depois de publicado no Diário Oficial, fica faltando apenas a publicação do decreto presidencial e o regulamento de pagamento da subvenção, para o benefício começar a ser liberado. A Medida Provisória 635 contempla os produtores dos estados do Rio de Janeiro e da região Nordeste. O objetivo é incentivar o setor, principalmente, porque os produtores tiveram perdas com a seca deste ano. O município recebeu subvenção nas safras de 2008 e 2010 no valor de R$5. - Em 2009, não solicitamos a subvenção e a referente à safra de 2011 ainda estamos tentando, através da MP 641. Essa notícia é a salvação da lavoura para os


| Fertilização do solo

Lodo de

esgoto

Divulgação

fertiliza

Luciano Arruda

N

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

estes seus 10 anos, a Revista Agronegócios vai tratar novamente de um assunto tratado na sua edição publicada em 2006 que é de extrema importância para a agricultura: o lodo de esgoto como fertilizante para a agricultura. Uma pesquisa descobriu que o lodo de esgoto, se aplicado com os devidos cuidados, pode ser uma fonte alternativa de nutrientes para culturas florestais e algumas culturas agrícolas. A descoberta é fruto de um estudo de 4 anos de doutorado do engenheiro florestal Alexandre de Vicente Ferraz na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, da Universidade de São Paulo. Ferraz avaliou se o uso agrícola do lodo de esgoto traria algum tipo de resíduo nos plantios de eucalipto e em culturas alimentícias quanto a uma possível assimilação de metais pesados pela plantas. Os resultados foram animadores, pois nem o eucalipto e nem as culturas alimentícias estudadas tiveram um aumento significativo de metais pesados em suas folhas e raízes. Além disso, o pesquisador determinou que o lodo tivesse um efeito de fertilidade no solo, similar a adubos ou fertilizantes químicos.

16

JULHO

DE

2014

|

“O lodo de esgoto pode ser considerado uma boa fonte alternativa de nutrientes para o meio agrícola desde que seja efetuado um constante monitoramento tendo em vista o seu efeito residual no ambiente”, disse Ferraz. Algumas das vantagens, além do valor extremamente baixo do lodo como adubo, seriam as despoluições dos rios, reduzindo os custos para o tratamento das águas; recuperações dos rios, permitindo a sua utilização para fins recreativos; além do aumento da atividade pesqueira e outras vantagens sociais, como a redução da mortalidade infantil, devido ao saneamento. A quantidade de logo de esgoto gerado em grandes cidade aumenta cada vez mais a cada ano. O pesquisador disse que em 2020 na cidade de São Paulo haverá cerca de 780 toneladas de lodo de esgoto sendo gerada. Assim, alternativas para destinação do lodo de esgoto como a pesquisa de Ferraz, são altamente justificadas. “Com isso diminuiríamos a dependência da sociedade urbana por aterros sanitários – devido a reciclagem do lodo no meio agrícola – e das atividades agrícolas pelos fertilizantes minerais convencionais – cujos preços têm se elevado constantemente”, explica. 

www.revistaagronegocios.com


| Negócios

Carne

com ICMS

zero

ma ótima notícia as indústrias e processadoras da proteína localizadas no Rio: O secretário de Agricultura e Pecuária do estado do Rio, Christino Áureo, divulgou que a cadeia de carnes está isenta de impostos. A isenção é uma forma de estimular o setor no estado, que embora não tenha um grande número de empresas, é muito significativo para as indústrias e processadoras da proteína. O Decreto 44.658, assinado pelo governador Sérgio Cabral e publicado no Diário Oficial da isenta de ICMS os estabelecimentos que processem e/ou industrializem carne bovina, suína, caprina, ovina, avícola, entre outras, além de pescado, no território fluminense. “Então carne in natura, carne processada,

do bife à mais sofisticada apresentação desses produtos não pagarão mais impostos. Além disso, o estado está dando um estímulo para a distribuição desses produtos, que antes tinha um imposto de 18%, que agora está vindo a zero. O mesmo acontece com o imposto da logística”, afirmou Áureo. 

|

JULHO

DE

2014

17

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

www.revistaagronegocios.com

Foto: Robson Oliveira | SEAPEC

U


| Economia

Leilões que

geram

Milhões Assessoria | FRC

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

uatro leilões de elite serão promovidos durante a 55a Exposição Agropecuária e Industrial do Norte Fluminense (EXPOAGRO), número superior à edição do ano passado. Os eventos devem movimentar cerca de R$ 2 milhões. A feira, que é realizada pela Fundação Rural de Campos (FRC), acontece entre os dias 02 e 06 de julho. Os leilões começam dia 03, às 19h, com os bovinos da raça Brahman. Já no dia 05, serão dois leilões: bovinos de leite às 18h e equinos das raças Paint Horse e Quarto de Milha às 19h. No último dia de feira, às 12h, serão leiloados gados de corte. Só com leilão de gado de corte, a expectativa é movimentar R$ 800 mil, segundo o organizador do evento, José Renato Elias Pontes. Serão disponibilizados 40 lotes para lances, compostos por bezerros machos e fêmeas.Já com o leilão das raças Paint Horse e Quarto de Milha, são esperados R$ 500 mil em movimentação financeira, de acordo o promotor Beto Almeida. Os lotes são formados por potros e animais adultos machos e fêmeas, animais domados e sêmen de garanhões conceituados. Com bovinos da raça Brahman, a expectativa é de movimentar aproximadamente R$ 400 mil,

18

JULHO

DE

2014

|

FRC / Divulgação

Q

conforme adianta o promotor do leilão, Marcos Henrique Pereira Alves. Nos lotes, 40 touros e 20 unidades de sêmen PO (Pura Origem), além de 100 animais meio-sangue Brahman. Os 60 lotes disponíveis no leilão de gado de leite devem gerar cerca de R$ 300 mil em negócios, segundo o promotor Thomaz Garcia Duque. Além de vacas, também serão negociados bezerras, novilhas e touros jovens. O Diretor de Parque da Fundação Rural de Campos, Ciro Barbosa Xavier, conta que os leilões da EXPOAGRO garantem aos criadores da região acesso a animais de alto padrão e que, dessa forma, eles conseguem melhorar a qualidade genética dos seus rebanhos. “Os leilões dessas raças só são realizados em Campos durante a nossa Exposição Agropecuária. Por isso, são tão importantes para os produtores rurais de nossa cidade”, finalizou Ciro. 

www.revistaagronegocios.com


| Te c n o l o g i a r u r a l

Pecuaristas utilizam

técnicas de manejo

Foto: Flávia Pizelli / SEAPEC

Luciano Arruda

C

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

erca de 150 pecuaristas de Campos dos Goytacazes pertencentes à microbacia do Rio Prata,estão sendo beneficiados através da técnica de manejo intensivo do gado de leite e algumas práticas sustentáveis de preservação e recuperação ambiental incentivadas pelo Programa Rio Rural, da Secretaria Estadual de Agricultura. No pastejo rotacionado, as áreas são divididas em piquetes que são submetidos a períodos alternados de pastejo e descanso. A grande vantagem deste método de pastejo é proporcionar um maior controle sobre o pasto. Ele permite definir quando e por quanto tempo as plantas estarão sujeitas à desfolha, os pastejos tendem a ser mais uniformes e a eficiência de pastejo mais elevada. A montagem de um sistema de pastejo rotacionado pode ser feita aproveitando-se apenas as divisões já existentes ou redividindo-se os pastos. No primeiro caso, deve-se começar reduzindo o número de lotes de pastejo da propriedade. Por exemplo, em uma fazenda com 6 divisões de 50 ha, onde cada uma é ocupada continuamente por lotes de 50 animais, o pastejo rotacionado deve ser iniciado reunindo-se os 300 animais em um só pasto, enquanto os outros ficam vedados. Após pastejar a primeira área, todo o lote deve ser transferido para a segunda, e assim sucessivamente, até retornar à primeira. Apesar de ser uma medida simples e

20

JULHO

DE

2014

|

barata, geralmente há muita resistência à sua adoção devido à uma série de tabus que precisam ser quebrados. Por exemplo, o pecuarista acredita que se misturar os lotes de pastejo haverá competição entre os animais, o que irá reduzir seu desempenho. No entanto, para que os animais tenham um bom desempenho o mais importante é que a oferta de forragem esteja em níveis adequados. 

www.revistaagronegocios.com


| Meio Ambiente

Divulgação / Pesagro-Rio

Mudanças no clima desafiam agricultura A

quecimento global e mudanças climáticas estão entre os principais desafios a serem enfrentados pelos pesquisadores dedicados ao melhoramento de plantas no Brasil. A conclusão é de uma pesquisa apresentada no mês de abril, na UENF, durante o Workshop sobre Melhoramento de Plantas no Brasil. O evento foi organizado conjuntamente pela UENF e Associação Brasileira de Melhoramento de Plantas (SBMP), com apoio do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE). A pesquisa, intitulada ‘Mapeamento de Competências em Melhoramento Genético Vegetal’, foi desenvolvida pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE). Segundo o estudo, a maior parte das pesquisas realizadas no Brasil na área de Melhoramento Vegetal se concentra nas grandes culturas, tais como soja, milho, algodão, seguidas de frutíferas, olerícolas, olea-

|

JULHO

DE

2014

21

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

www.revistaagronegocios.com

ginosas e espécies florestais. O trabalho detectou ainda como problema a ocorrência de ‘estresse biótico e abiótico’. O Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) é uma organização social que possui contrato de gestão com o Ministério da Ciência e da Tecnologia. A pesquisa é uma ação conjunta com a FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) e tem por objetivo traçar estratégias mundiais na área de segurança alimentar. Os dados foram apresentados pelos pesquisadores Antônio Carlos Guedes, Kátia Marzall e Igor André Carneiro (CGEE). - Estamos desenvolvendo um trabalho de interesse estratégico, tentando antever o futuro da segurança alimentar. Trabalho que, junto com a FAO, será expandido para a América Latina e o mundo inteiro. - disse Guedes. 


| Energia Foto: reativanarede.blogspot.com.br / Divulgação |

Energia limpa e

Renovável Luciano Arruda

N

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

o ano de 2005 a Revista Agronegócios tratou de um assunto que tem sido um desafio para o mundo inteiro: energia limpa e renovável. Já se previa que poderíamos ter alterações climáticas, escassez de água e etc. De lá para cá, o Brasil, por exemplo teve avanços neste aspecto, passando a ser o o quinto maior investidor em energias renováveis do mundo, somando em 2010 cerca de US$ 7 bilhões. Os dados foram publicados pela ONU e mostram que, pela primeira vez na história, investimentos mundiais em inovação tecnológica em energias alternativas superaram os

22

JULHO

DE

2014

|

investimentos em tecnologia para a energia fóssil. O levantamento mostra ainda que parte substancial da expansão dessas fontes de energia está ocorrendo justamente em mercados emergentes. No total, os investimentos em energias limpas chegaram a US$ 211 bilhões, um salto importante em relação aos últimos anos. Em 2004, por exemplo, o mundo investia apenas US$ 33 bilhões. Em média, a expansão tem sido de quase 40%, enquanto a crise mundial tem freado investimentos em todas as demais áreas. Segundo a ONU, o investimento em fontes alternativas de energia será a única solução para

www.revistaagronegocios.com


FURNAS DESENVOLVE PROJETO Decidida a diversificar e ampliar a participação das fontes renováveis em sua matriz, a empresa integra o grupo de empreendedores que recebeu concessão para implantar, no litoral do Rio Grande do Norte, os parques eólicos Miassaba III e Rei dos Ventos I e III,

previstos para entrar em operação no segundo semestre de 2012. Em 2014, será a vez dos parques Famosa I, Rosada, Pau Brasil e São Paulo, cujas construções foram asseguradas com a venda de energia no Leilão de Energia de Reserva 03/2011. Em sociedade com a Alupar, Furnas comercializou também, no final de 2011, a energia a ser produzida pelos parques eólicos Ubatuba, Pitombeira, Santa Catarina, Horizonte, Goiabeira, Nossa Senhora de Fátima, Jandaia, Jandaia I, São Clemente e São Januário - todos no Ceará. Estas 17 centrais geradoras eólicas somam 437 MW de potência instalada. Na área de transmissão, seus parceiros contam ainda com linhas em projeto e construção que somarão mais de 3,9 mil km à malha do Sistema Interligado Nacional. A excelência na operação e manutenção do Sistema de Transmissão de Itaipu credencia Furnas a se engajar em novos projetos que utilizam a tecnologia de corrente contínua, como a Linha de Transmissão Porto Velho - Araraquara 2. 

|

JULHO

DE

2014

23

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

www.revistaagronegocios.com

Foto: energiarenovaveis.net / Divulgação |

responder ao desafio de abastecer uma população cada vez maior, com demandas cada vez maiores por energia e, ao mesmo tempo, reduzir as emissões de CO2. “Hoje, 1,4 bilhão de pessoas ainda não têm acesso à eletricidade e os cálculos mostram que o mundo terá de dobrar a produção de energia até 2030”, alertou Supachai Panitchpakdi, secretário-geral da Conferência da ONU para o Comércio e Desenvolvimento. “Ao mesmo tempo, 89% da energia consumida no mundo ainda vem de fontes fósseis, com altas emissões de CO2.” Por anos, investimentos em energias renováveis foram feitos especialmente por países ricos. Em 2003, por exemplo, de cada quatro dólares aplicados em energia limpa, apenas um vinha de um país em desenvolvimento. Hoje, o mapa mudou. Na liderança dos investimentos não estão os países ricos. Em 2010, foi a China o país que mais apostou em energias renováveis, justamente para tentar superar sua dependência de petróleo, reduzir a taxa de emissão de CO2 e garantir o abastecimento para seu crescimento nas próximas duas décadas. No ano passado, os chineses somaram investimentos de US$ 49 bilhões.


Flash

Social Diretoria da Fundaç

ão Rural de Campos

Dr. Jorge Antôn io, Dr. Danie l Braga , Dr. João Marc elo, Ange la Camp os Braga e Yara dos Santo s Marti ns

Ticiani , Mery, Daniel , Jéssic a, Júlia e Delvin o, equipe admin istrativ a da Extinca mpos

Ad ria na e An de rso n Mu niz

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

Amaro Ribeiro e

Patrícia Daldegan, Lívia

Siqueira e Ellen Rocha César Queiroz e Liz Romano

Giova na e Rodol pho Morei ra

24

breu Mar ylan e e Gab riel Mam JULHO

DE

2014

|

José Luis Escoca

rd, presidente da

ACIC


FOTOS DA ABERTURA OFICIAL EM NOSSO SITE revistaagronegocios.com/abertura

Willian Junger e Jair Abre

u

Sergio Cunha e Dib`s

Equipe da Sem Limites

Equipe de funcionários e apoio

da FRC

Lu iz e Gil be rto da Ca mp os Ag ríc ola

|

JULHO

DE

2014

25

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

Alexandre da Madeireira Paricá


| Culinária

Aula de gastronomia

será uma

novidade Chef Gilson Surrage mostrando seu talento

| Ascom / FRC

Q

atividades em nosso parque de exposições todas as tardes e noites. Vale a pena ressaltar que os preços da 55ª EXPOAGRO serão populares: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada), para que o maior número de pessoas possa aproveitar o evento. Dias 02, 03, e 04, a entrada será grátis até as 16h”, ressaltou a presidente da Fundação Rural de Campos, Lívia Siqueira. 

Chef Alessandro Eller mostrando toda sua arte

|

JULHO

DE

2014

27

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

ue tal visitar a 55ª Exposição Agropecuária e Industrial do Norte Fluminense (EXPOAGRO) e, de quebra, aprender a cozinhar? Graças à parceria com o SEBRAE, este ano a feira contará com aulas-show de gastronomia, que acontecerão no pavilhão industrial do Parque de Exposições. A 55ª EXPOAGRO será realizada pela Fundação Rural de Campos (FRC) entre os dias 02 e 06 de julho. A programação já tem chefs renomados da cozinha nacional como Gilson Surrage, especialista em cozinha regional capixaba e em frutos do mar; e Alessandro Eller, coordenador do curso de Gastronomia do Centro Universitário de Vila Velha e apresentador do programa “Sabor a Bordo” no SBT ES. Quem abre o ciclo de aulas é o chef Gilson Surrage, às 20h do dia 03 de julho (quinta-feira). Também às 20h, só que do dia 04, está marcada a aula do chef Alessandro Eller. As aulas acontecem do dia 03 ao dia 05, sempre em dois horários: às 20h e às 21h30. Outros nomes, inclusive de chefs locais, estão sendo fechados. Ainda em parceria com o SEBRAE, serão realizados desfiles de moda durante a feira. Estilistas e lojas locais vão mostrar as principais tendências da estação no espaço fashion que será montado no pavilhão. “Preparamos uma programação bem diversificada, com


Fundação Rural de Campos

PROGRAMAÇÃO DIA 02 DE JULHO – 4ª

DIA 05 DE JULHO – SÁBADO

19h30min – Esgotamento do Concurso Leiteiro (1° dia) 20h - Abertura Oficial da 54ª ExpoAgro do Norte Fluminens 22h - Show de MAURÍCIO MATTAR e JÚNIOR E GUSTAVO

DIA 03 DE JULHO – 5ª 07h30min - Primeira ordenha e pesagem do gado do Concurso Leiteiro (2° dia) 08h - Abertura dos Stands 19h30min - Segunda ordenha e pesagem do gado do Concurso Leiteiro (2° dia) 20h - Leilão da Raça Brahman (Tatersal de Leilões) 23h59min - Show com o Grupo CONE CREW

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

DIA 04 DE JULHO – 6ª 07h30MIN - Terceira ordenha e pesagem do gado do Concurso Leiteiro (3° dia) 08h - Abertura dos Stands 08h - Início do julgamento da Raça Mangalarga Marchador 19h30min - Quarta ordenha e pesagem do gado do Concurso Leiteiro (3° dia) 20h - Encerramento do Julgamento da Raça Mangalarga Marchador 20h - Aula Show de Gastronomia com o chef Gilson Surrage 21h30 min – Aula Show de Gastronomia com o chef local 23h59min - Show com o Grupo de Pagode BOM GOSTO

28

JULHO

DE

2014

|

07h30min - Quinta ordenha e pesagem do gado do Concurso Leiteiro (5° dia) 08h - Continuação do julgamento da raça Mangalarga Marchador e Abertura dos Stands 09h - Julgamento da Raça Paint Horse 11h - Provas de seis balizas na pista de areia 15h - Provas de Laço de bezerro na pista de areia 18h - Leilão da Raça Girolanda 19h - Leilão da Raça Paint Horse 19h30min - Sexta ordenha e pesagem do gado do Concurso Leiteiro (5° dia) 20h - Encerramento do Julgamento da Raça Mangalarga Marchador 20h - Aula Show de Gastronomia com o chef Alessandro Eller. Encerramento do Concurso Leiteiro e entrega das premiações 20h30min - Aula Show de Gastronomia com o chef Local 22h - Desfiles de Moda 22h - Show com o Grupo ZONA SUL 23h59min - Grupo de Pagode JEITO MOLEQUE

DIA 06 DE JULHO – DOMINGO 09h - Julgamento do Grande Campeão da Raça Mangalarga Marchador 11h - Prova dos 3 Tambores (Pista de Areia) 12h - Premiação dos Grande Campeão da Raça Mangalarga Marchador 13h - Leilão de Gado de Corte (Tatersal de Leilões) 14h - Demonstração de Aeromodelismo do Clube Aero Campos 16h - Prova de Team Penning (Pista de Areia) 19h - Recreação Infantil com o Sítio do Pica Pau Amarelo (Palco Oficial)

www.revistaagronegocios.com


| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

29

2014

DE

JULHO

|

www.revistaagronegocios.com


Agricultores de São João da Barra têm conquistado a sua independência fincanceira através das mandalas

FOTO: FLÁVIA PIZELLI

| Agroecologia

Agricultores

de

Ascom | UENF

Sucesso

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

E

m São João da Barra, Norte Fluminense, agricultores que participam de pesquisa sobre cultivo protegido em mandala adaptada do Programa Rio Rural (executada há dois anos pelo Centro Estadual de Pesquisa em Agroenergia e Aproveitamento de Resíduos da Pesagro-Rio, vinculado à secretaria estadual de Agricultura) estão comemorando as mudanças na qualidade de vida e no trabalho. Um dos primeiros a aderir às práticas incentivadas, Sebastião Rangel, 46 anos, diz que as mudanças estão muito mais rápidas do que pensava. Já a agricultora Leilça Almeida, 53 anos, conquistou, há nove meses, a independência financeira e o sonho de ter o próprio negócio com a mandala montada em sua propriedade, na localidade Sabonete. - Antes trabalhava na roça dos outros, agora cuido do que é meu, onde ganho mais e, ainda por cima, estou protegida do sol. Além disso tudo, meu salário aumentou comemora. Interessado em abandonar o uso de agrotóxicos e de fertilizantes químicos, Sebastião

30

JULHO

DE

2014

|

conta que, primeiramente, aceitou a proposta de sediar em seu sítio, na localidade Folha Larga, uma das seis mandalas montadas no município através de uma parceria público-privada. Daí, começou então a produzir hortaliças folhosas como alface, repolho, couve e berinjela, que, até então, nunca tinham plantadas devido a condições climáticas e de solo inapropriadas em sua propriedade. Com as novas técnicas, Sebastião percebeu que seus produtos passaram a ser mais valorizados pelos clientes. - Eles sabem que não uso nada químico dentro da mandala e gostam mais dos meus produtos. Dizem que tem um sabor melhor e tem mesmo - revelou. O pesquisador José Márcio Ferreira, da Pesagro-Rio, explica que a técnica utilizada consiste em hortas circulares, que propiciam o melhor aproveitamento do espaço, uso de húmus de minhoca, enriquecimento do solo com material orgânico, além de cobertura de todo o espaço através de uma tela que diminui em 50% o calor e a incidência do sol, muito

www.revistaagronegocios.com


www.revistaagronegocios.com

|

JULHO

DE

2014

31

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

forte no município. - Além de São João da Barra ser muito quente, possui solo é arenoso e, em geral, pobre de nutrientes, mas a pesquisa já comprovou que é possível produzir hortaliças e melhorar a diversificação e a renda dos agricultores familiares - explicou o engenheiro agrônomo, que estima em aproximadamente R$ 11 mil os custos atuais para a montagem de uma mandala nos moldes das instaladas na zona rural sanjoanense. Mas há nove meses, Sebastião foi além da mandala e do desejo de aumentar a área considerada agroecológica. Ele aceitou a segunda proposta do Rio Rural para receber mais uma unidade de pesquisa participativa e passou a produzir o Agrobio, um fertilizante natural desenvolvido pelo Centro Estadual de Pesquisa em Agricultura Orgânica da Pesagro-Rio, que vem mudando o panorama em sua propriedade e em algumas vizinhas, acelerando a realização do sonho de produzir alimentos totalmente livres de agrotóxicos e fertilizantes químicos. 


| Va c i n a ç ã o

Rebanho

de Campos

Vacinado Secretaria de Agricultura vacina 45 mil animais contra raiva por ano

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

A

Secretaria Municipal de Agricultura vacina em torno de 45 mil animais de pequenos produtores rurais contra a raiva, a cada ano. A informação é do chefe do Departamento de Veterinária do órgão, Marcelo Sales. Porém, é necessário que o proprietário informe à secretaria quando ocorrer o nascimento de um animal. - Este trabalho de vacinação é contínuo, mas muitas vezes o produtor não avisa o nascimento de um animal. A informação é fundamental. A obrigação da vacina é do produtor, a Secretaria de Agricultura apenas ajuda ao pequeno produtor – disse Marcelo. A Defesa Sanitária do Estado é responsável em verificar a ocorrência de raiva e fazer a coleta de amostra de cérebro do animal para análise. Fechado o diagnóstico e confirmada a doença, a Defesa Sanitária comunica à Secretaria Municipal de Agricultura, que, estrategicamente, atua na vacinação de animais da área de surto. Segundo a Secretaria de Agricultura, a morte de animais acometidos pela doença é rápida, não dando tempo de qualquer intervenção, como sacrifício. A secretaria também alerta que imediatamente ao óbito, o criador deve comunicá-lo à Defesa Sanitária, para que a causa seja investigada e medidas preventivas possam ser adotadas com os outros animais da área.

32

JULHO

DE

2014

|

Foto: Secom / PMCG

Secom | PMCG

FEBRE AFTOSA A primeira etapa da Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa para bovinos terminou no último dia do mês de junho. O secretário de Agricultura, Eduardo Crespo, ressaltou que a vacinação foi realizada mediante agendamento prévio junto à Secretaria, cujos criadores entraram em contato através dos telefones: (22) 2732-1543 e (22) 2732-4344. - Para assegurar a imunização do rebanho dos pequenos produtores rurais, a Prefeitura adquiriu 65 mil doses da vacina e disponibilizou vacinadores e médicos veterinários que participaram da campanha nas propriedades dos produtores donos de até 70 cabeças de gado – destacou o secretário. - É muito importante que todos estejam com o seu rebanho vacinado, para que o Estado continue na condição de região livre da aftosa com vacinação. Se perdermos esta condição, todos ficam prejudicados, porque não podem vender os animais para corte, nem comercializar o leite, além de colocar em risco a saúde pública, por causa da doença - alerta Crespo. 

www.revistaagronegocios.com


| Psicultura

Foto: Silvana Rust

Pescado com

Emissão obrigatória para todo pescador

O

Nota Fiscal

www.revistaagronegocios.com

Litorânea de Pesca Extrativista Classista do Estado de São Paulo (Alpesc), Izaura Martins dos Santos Bilro. Na peixaria, pescado fresco não precisa do registro de inspeção. O empresário Emanuel Andrade tem as notas fiscais dos peixes e frutos do mar que comercializa e pelos documentos, pode saber a procedência dos produtos que são fiscalizados por Ibama, Polícia Ambiental e Vigilância Sanitária. – Já é bem fiscalizado. Para a gente é bom, porque sabemos de onde vem o produto e que ele é bom – diz Andrade. Já o presidente do Sindicato dos Armadores de Pesca de São Paulo acredita que as novas exigências são benéficas para o setor. – Desde que a embarcação, desde que o armador, produtor, esteja devidamente legalizado eu não vejo nenhum problema de colocar na nota fiscal o número do RGP da embarcação. A menos que uma embarcação tenha tido produção e ela esteja produzindo de forma ilegal – afirma José Ciaglia. 

|

JULHO

DE

2014

33

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

s ministérios da Agricultura e da Pesca anunciaram mudanças na nota fiscal dos pescados comercializados no país. Uma instrução normativa exige que a partir de agora a nota fiscal do pescado tenha o RGP (Registro Geral da Atividade Pesqueira), um documento que já é obrigatório para todo o pescador, e que tenha também o número do registro junto ao serviço de inspeção federal, estadual ou municipal, do estabelecimento de destino da mercadoria. A associação que representa os pescadores artesanais de São Paulo afirma que a categoria foi pega de surpresa e que falta orientação sobre a nota fiscal. – É o pescador que tem que fazer esta nota? Ou é o destino final, que vai ter que ter esta nota? A instrução, quando é publicada, já está valendo. Vai ter penalidade se ele for pego sem esta nota? Não tem prazo para se adequar. Então o ministério lança uma instrução e não dá prazo pro pescador se adequar – questiona a presidente da Associação


| Entrevista

Talento

Ímpar

Ellen Rocha, Jornalista

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

COMO SE INICIOU A SUA CARREIRA NO JORNALISMO? Bom, sou Ellen Rocha. Tenho 23 anos e me formei em Jornalismo em Mato Grosso do Sul. Assim que terminei a faculdade decidi sair do Estado em busca de um desafio maior. O mercado de trabalho na metrópole paulistana. Estudei mais a fundo a apresentação de programas jornalísticos e de entretenimento em São Paulo. Durante o curso fui convidada por um dos diretores do Grupo de Comunicação Terceira Via para fazer parte do projeto. Em menos de uma semana pousei na Planície Goytacá. E confesso... Me encantei pelas oportunidades que a cidade apresenta! Hoje faço parte da equipe de apresentadores da Terceira Via TV, assino a coluna Via Rural, no Jornal Online Terceira Via e sou repórter da Companhia de Rodeio Tony Nascimento. Em cada função tenho a oportunidade de conhecer histórias de pessoas incríveis e um pouco mais sobre essa região que tão bem me acolheu. COMO O SURGIU O INTERESSE PELO TEMA RURAL? Bem, acho que faz parte das minhas raízes. Sou Sul-mato-grossense de corpo, alma e coração. Nasci na Capital, mas me criei numa cidade com pouco mais de 20 mil habitantes. Cresci vendo histórias fantásticas de gente simples e inovações rurais que surpreendem quem vive na cidade grande. Umas das maiores vantagens em

34

JULHO

DE

2014

|

Foto: Ímpar Comunicação

A Ímpar Comunicação entrevistou a bela jornalista Ellen Rocha, que está participando da campanha de divulgação da ExpoAgro 2014 e gentilmente cedeu a sua imagem para a capa da Revista Agronegócios ser jornalista é a abertura que temos em conhecer cada entrevistado e transformar a informação em interesse público. É sensacional poder juntar essas duas paixões. A comunicação e o meio rural. PARA VOCÊ, QUAL A IMPORTÂNCIA DA EXPOAGRO PARA A REGIÃO? As exposições e feiras agropecuárias, além de movimentar a cidade nos dias de festa, apresentam ao mercado o que há de novo em tecnologia, produtos e serviços. Relações profissionais são firmadas e informações são trocadas durante cada evento. Sem contar a exposição de marcas que uma festa agropecuária proporciona. É, sem dúvida, uma das melhores formas de divulgação, negócios e entretenimento. O QUE VOCÊ ACHOU DO TRABALHO DE DIVULGAÇÃO ESTE ANO? Me agradou muito. Desde que cheguei na cidade ouvi falar sobre a tradicional Exposição Agropecuária de Campos. É sabido – até por mim que não sou daqui – que o Parque teve um tempo áureo, então acredito na volta da festa como uma força econômica da cidade. Fiquei mega feliz quando recebi o convite para atuar na campanha institucional da festa. Fazer parte de um material de divulgação da Fundação Rural de Campos, para uma apresentadora de programa rural é, sem dúvida, uma honra e traz a sensação de que o Programa Via Rural, da Terceira Via TV, vem cumprindo o seu papel. 

www.revistaagronegocios.com


| Pa t r u l h a s m e c a n i z a d a s

Estradas da Produção A

e fez a manutenção de 1,270 quilômetros de vicinais, beneficiando quatro mil produtores, moradores de comunidades rurais. As patrulhas mecanizadas que trabalham no município são compostas por retroescavadeira, motoniveladora, caminhão basculante e pá carregadeira. O secretário Alberto Mofati ressaltou também a realização de preparo de solo em 350 hectares de pequenos produtores para a recuperação de canaviais com novos plantios com espaçamento adequado para a colheita mecanizada, atendendo a visão de sustentabilidade, preconizada pela secretaria para fortalecer o setor. Na ocasião, o presidente da Coagro Frederico Paes, agradeceu a parceria do governo do estado, frisando que convênios firmados pela cooperativa permitiram a geração de mais de dois mil empregos diretos. 

Foto: Jorge Alberto / SEAPE

safra de cana-de-açúcar 2014 da Coagro - Cooperativa Agroindustrial do Estado do Rio de Janeiro, cuja a colheita estimada em 760 mil toneladas foi iniciada hoje, em Campos dos Goytacazes, terá caminho livre para seu escoamento até as usinas de beneficiamento. O convênio firmado entre a secretaria estadual de Agricultura e a Cooperativa permitiu ao Programa Estradas da Produção realizar a recuperação e a manutenção de estradas vicinais nas área produtoras. Acompanhados do presidente da Coagro, Frederico Paes e de produtores de cana, o secretário estadual de Agricultura, Alberto Mofati e a presidente da Emater-Rio e coordenadora do Estradas da Produção, Stlella Romanos visitaram trechos de vicinais recuperados. O “Estradas da Produção”, já recuperou

|

JULHO

DE

2014

35

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

www.revistaagronegocios.com


Fundenor 44anos

| Desenvolvimento Regional

Fundenor

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

A

Fundação Norte Fluminense de Desenvolvimento Regional – Fundenor, está completando 44 anos. A instituição que, somando uma sólida experiência, possui um quadro profissional de variadas especialidades e atua com métodos e instrumentos facilitadores de iniciativas públicas e privadas, está legal e integralmente habilitada a elaborar projetos e executar serviços de diferentes naturezas, com agilidade, qualidade e rigorosa obediência às leis e regulamentos. A Fundenor é entidade de direito privado, sem fins lucrativos, adotando como principal objetivo estatutário promover e apoiar o desenvolvimento socioeconômico do norte e noroeste fluminense, além de implementar ações destinadas a elevar o padrão de formação técnica, profissional e moral do homem dessas regiões. Tornou-se reconhecida na região, no Brasil e no exterior, realizando complexos trabalhos de levantamento de potencialidades econômicas, bem como elaborando e implantando projetos e programas de diferentes portes e características. Somando conhecimento e experiência em várias frentes, logo reuniu um notável acervo de estudos, levantamentos e diagnósticos referentes à maior parte dos municípios de sua área de abrangência, hoje em número de vinte e dois. Possui título de utilidade pública federal e municipal, tendo como parceiras inúmeras instituições privadas e públicas. Dentre as grandes ações realizadas durante os últimos anos, destacam-se a grande variedade de serviços à disposição de Prefeituras como os estudos que serviram de base as obras do Complexo Logístico e Industrial Farol-Barra do Furado, com levantamento plani-altimétricos e topográficos, além de projeto básico de estrutura de transpasse de areia e montagem de estrutura e organização de equipe de engenheiros para apoio ao acompanhamento e fiscalização de obras públicas licitadas. A Fundação tem sede e foro na Cidade de Campos, Estado do Rio de Janeiro, mas sua área de ação é a região

38

JULHO

DE

2014

|

geoeconômica inicialmente reconhecida como Norte Fluminense, e mais tarde desmembrada em Norte e Noroeste Fluminense do estado do Rio de Janeiro, integrada pelos Municípios de Aperibé, Bom Jesus do Itabapoana, Cambuci, Campos dos Goytacazes, Carapebus, Cardoso Moreira, Conceição de Macabú, Italva, Itaocara, Itaperuna, Laje do Muriaé, Macaé, Miracema, Natividade, Porciúncula, Quissamã, Santo Antônio de Pádua, São Fidélis, São Francisco de Itabapoana, São João da Barra, São José de Ubá e Varre-Sai. 

www.revistaagronegocios.com


| Saúde animal

Verminose

em cães A

criados em residências nas grandes cidades para guarda e companhia, aliado ao estreito contato físico com o homem, possibilitam uma maior exposição aos parasitas e às doenças que estes albergam. Larva migrans visceral determinada por T. canis e larva migrans cutânea ocasionada por Ancylostoma spp. estão entre as principais antropozoonoses transmitidas pelos cães e gatos. Ocorrem com frequência nas grandes cidades, principalmente no contato de pessoas com o solo de parques, praças e jardins. Dado ao estreito convívio dos cães com o homem torna-se fundamental o controle adequado da verminose canina, com o objetivo de diminuir a contaminação do meio ambiente pelas formas infectantes destes parasitos e, consequentemente, minimizar os riscos de infecção humana e canina. Neste contexto, os veterinários assumem importante papel como fonte de informação e na educação sanitária dos proprietários de cães. Assim, não deixe de levar o seu cãozinho ao veterinário com frequência.  Dra. Flávia Regina Cruz Dias Médica Veterinária – CRMV-RJ 6.041

B ICHOS

E

C APRICHOS

Rua dos Goytacazes, 534 lojas 1 e 2 Centro - Tel.: 2726-4808 e 99916-1363

www.revistaagronegocios.com

|

JULHO

DE

2014

39

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

Foto: conhecaja.com

s verminoses são problemas relativamente comuns na clínica médica de pequenos animais. Apesar do uso mais frequente de vermífugos, esse problema é visto diariamente em consultórios, clínicas e hospitais veterinários, causando ou não sintomatologia em seus hospedeiros. Uma profilaxia adequada é baseada em vários pontos, como acompanhamento médico veterinário para um programa de vermifugação correta desde filhote, exames parasitológicos de fezes podem ser feitos pelo veterinário periodicamente, correto destino das fezes o que evita uma autocontaminação e de outros animais que vivem no mesmo ambiente, é importante lembrar que nas fezes existem ovos. Limpeza adequada do ambiente com desinfetantes (lembrando de tirar o animal do local durante a operação). As parasitoses intestinais são de grande importância para o mundo e constituem-se em um grave problema de saúde pública. As enfermidades ocasionadas por helmintos gastrintestinais em cães têm grande importância na clínica veterinária, principalmente por Toxocara canis e Ancylostoma caninum. A infecção por um ou ambos nematóides é considerada causa primária de doença ou morte em cães filhotes. O aumento do número de cães


| Odontologia

Endocardite Bacteriana E

ndocardite bacteriana ou endocardite infecciosa é uma doença que pode ser causada além das bactérias, por fungos e vírus. Esta é uma doença no qual microrganismos se proliferam no endocárdio danificando as válvulas cardíacas. Embora com uma incidência baixa, é uma doença séria com um prognóstico ruim, apesar da terapia moderna. Na forma aguda, microrganismos invadem o tecido cardíaco normal, produzindo embolia séptica causando infecções de evolução rápida e geralmente fatal. Na forma subaguda, o resultado é a formação de colônias nas válvulas do coração ou endocárdio lesado por microrganismos, exemplo clássico é a *cardite reumática conseqüente da febre reumática.

podem induzir *bacteremia. Como protocolo existe a recomendação de profilaxia antibiótica para todos os procedimentos odontológicos que possam causar sangramento gengival, o que inclui quase todos os procedimentos do tratamento periodontal (Tratamento dos tecidos em volta do dente).  Imagens: Divulgação

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

A ENDOCARDITE PODE ATINGIR AS PESSOAS EM QUALQUER IDADE E OS SINTOMAS E SINAIS PRINCIPAIS SÃO: * Febre de longa duração * Suores noturnos persistentes * Astenia, baço aumentado de volume * Alterações cardíacas, como o agravamento súbito de uma doença cardíaca previamente existente. * Alterações cardíacas, como o agravamento súbito de uma doença cardíaca previamente existente. As pessoas portadoras de lesões valvulares do coração, congênitas ou adquiridas, são as mais propensas a apresentarem a doença. Contudo, a endocardite também ocorre em pessoas que não tenham lesões cardíacas. As endocardites surgem principalmente depois de procedimentos invasivos, em que há a invasão do organismo, como cirurgias, extrações dentárias, colocação de sondas, manipulação de abscessos (cuidado com espremer espinhas ou furúnculos!). Em alguns grupos, a metade dos casos encontrados de endocardite é em pessoas que fizeram ou fazem uso de drogas injetáveis. Outro grupo de pessoas seguidamente acometido de endocardite encontra-se entre os que foram submetidos à cirurgia cardíaca. Existem trabalhos que relatam que até 30% das válvulas artificiais implantadas nos corações são atingidas por infecção. A prática da periodontia está intimamente ligada à prevenção da endocardite infecciosa. Mesmo não havendo intervenções odontológicas, pouca higiene bucal ou outras alterações dentárias como infecções periodontais ou endodônticas

40

JULHO

DE

2014

|

Como medidas preventivas contra a Endocardite bacteriana deveram reduzir as bactérias da cavidade bucal a fim de minimizar a inflamação dos tecidos moles e *bacteremia. Estudos indicam que *bacteremia ocorre com mais frequência em pacientes com doença periodontal do que naqueles sem a doença. Medidas preventivas devem consistir de: * Definir pacientes de risco; * Introdução de higiene bucal; * Esquema de rotina de antibióticoterapia deve ser utilizado com todos pacientes suscetíveis (A dosagem e o tipo específico de antibiótico devem ser realizados previamente pelo profissional). *Bacteremia - presença de bactérias na corrente sanguínea é comum e geralmente não produz sintomas. *Cardites - são inflamaçõesde diversos tipos desencadeadas por microorganismos ou não, de natureza aguda ou crônica.

DR. CRISTIANO CHAVES CRO RJ 37146

www.revistaagronegocios.com


| Sistema de Informação

Solos

brasileiros na internet U

m sistema com nove mil perfis de solos brasileiros está disponível na internet para acesso público e gratuito. A ferramenta, criada Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), possui a maior base de dados de solos do País, reunindo resultados de pesquisas sobre o tema, desenvolvidas nos últimos 40 anos pela entidade. O sistema está disponível através do endereço www.sisolos.cnptia.embrapa.br e segundo informações da Embrapa, perfis são as unidades básicas do estudo dos solos e o seu conhecimento é fundamental para o planejamento do uso sustentável e conservação dos solos brasileiros. O sistema de informação de solos brasileiros reúne em uma única plataforma todo o resultado de pesquisa sobre o tema que a Empresa produziu nos últimos 40 anos.”É o maior banco de solos do Brasil, que permite conhecer melhor os solos brasileiros e sua distribuição no território”, explica a chefe-geral da Embrapa

ACESSO PÚBLICO Essa base de dados, desenvolvida com ferramentas de software livre, é atualizada diariamente, de forma automática, garantindo o funcionamento do sistema e a preservação das informações. Além disso, os especialistas distribuídos pelo País podem inserir os trabalhos no sistema, que serão agregados nessa base integrada e ficarão disponíveis ao público. O módulo de consulta conta com filtros de localização geográfica, identificação dos horizontes, descrição do ambiente e classificação. Isso facilita o acesso aos trabalhos, pois faz com que os resultados obtidos sejam mais adequados ao interesse do usuário. Outro recurso importante é a recuperação automática dos trabalhos inseridos nas Bases de Dados da Pesquisa Agropecuária (BDPA). Toda consulta é realizada em três etapas. É possível selecionar os atributos, os filtros - como região e classe de solo – e, dentre os resultados retornados, quais os trabalhos deseja-se acessar. Assim fica mais fácil obter um conjunto de respostas extremamente identificadas com as características de interesse de quem procura a informação. 

|

JULHO

DE

2014

41

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

www.revistaagronegocios.com

Solos, Lourdes Mendonça O sistema apresenta três módulos de entrada de dados: pedologia, fertilidade e mapeamento. A base de pedologia congrega dados sobre os perfis de solos e é a parte primordial do sistema de informação. Cada perfil é formado por camadas ou horizontes, segmentados por suas características morfológicas, mineralógicas, micromorfológicas, físicas e químicas.


| Artigo

Organização da

Ovinocultura

é caminho sem volta

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

N

a última década, presenciamos uma reviravolta na ovinocultura, com a queda da lã e as demandas fortíssimas para a carne de cordeiro. Nesta transição, o produtor brasileiro mais uma vez demonstrou sua vocação de produzir alimento, fazendo emergir um mercado que há tempos permanecia adormecido. Agora é preciso arregaçar as mangas e trabalhar mais que nunca para atender as demandas que construímos, além daquelas por qualidade que ainda estão por vir. Sabor, maciez e suculência já são caraterísticas marcantes do produto nacional, graças ao investimento realizado dentro da porteira, no melhoramento genético do plantel e com o uso de novas tecnologias. O resultado não poderia ser melhor e surpreende mesmo aqueles que resistiam ao consumo por experiências negativas no passado, quando a carne que chegava ao consumidor era de qualidade duvidosa e oriunda de animais abatidos em idade avançada. Hoje, podemos afirmar com convicção que nossa matéria-prima já é superior à boa parte daquela que vem sendo importada de outros países que fazem os ovinocultores brasileiros experimentar amarga concorrência. Claro, não podemos generalizar. A qualidade do que entra depende diretamente do bolso de quem compra. Vivenciamos um momento especial e que há muitos anos esperávamos. O consumo cresceu, forçando importação do produto num primeiro instante, e agora alavanca a organização de nossa cadeia produtiva. Para que isso aconteça de fato, como produtores temos de garantir à indústria escalas constantes para que consigam, ao menos, honrar os contratos firmados. Este elo importante está encontrando muita dificuldade para conseguir cordeiros. A resposta aparece

42

JULHO

DE

2014

|

nos preços pagos ao produtor, nunca antes tão atraentes. Em praças importantes como São José do Rio Preto e Marília, no Estado de São Paulo, o quilo de carcaça ovina está cotado a R$ 12,22 ou R$ 184,00/@ (cotação Aspaco), quase o dobro do que ganha um pecuarista que trabalha com bovinos de corte. Sou empresário, aposto nesse mercado há poucos anos, e para mim não faria sentido permanecer nele se não gerasse lucro. Com um rebanho de 17 milhões de cabeças, que não cresce nem 2% ano (dado do IBGE/FAO), a oferta de cordeiros é e continuará sendo o grande gargalo no Brasil por algum tempo. Traduzindo para o bom português, é o cenário perfeito para quem busca faturar mais ou para o criador de bovinos diversificar a renda, especialmente considerando o ciclo produtivo da espécie, muito inferior ao do boi. Enquanto, uma fazenda tecnificada abate gado de corte com 24 meses de idade, um Divulgação

www.revistaagronegocios.com


Agora é preciso arregaçar as mangas e trabalhar mais que nunca para atender às demandas que construímos, além daquelas por qualidade que ainda estão por vir.” Paulo Augusto Franzine cordeiro é terminado com até 150 dias de vida. Propriedades que investem um pouco mais em genética reduzem este intervalo um pouco mais, gerando borregos superprecoces em menos de 120 dias. A qualidade suprema conferida nesses produtos, inclusive, trouxe para cordeiros cruza Dorper e White Dorper um certificado de qualidade inédito na ovinocultura. Boi e ovino é um casamento perfeito e duradouro, e que faz grande sucesso nos países onde a ovinocultura é consolidada. Viabiliza o total aproveitamento da terra, hoje uma regra no Brasil. Outro benefício desta integração é a possibilidade de contar com renda extra para enfrentar as oscilações de mercado. Os insumos utilizados são praticamente os mesmos nas duas atividades, com cuidado maior apenas em relação ao controle sanitário do rebanho ovino, que são mais sensíveis a verminoses. Problema facilmente resolvido com vermifugação adequada e adoção do pastejo rotacionado. O boi come a parte de

* Paulo Augusto Franzine é presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Dorper (ABCDorper), selecionador de ovinos dessa raça em São Roque (SP) e produtor de carne de cordeiro em Campo Grande (MS).

|

JULHO

DE

2014

43

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

www.revistaagronegocios.com

cima do pasto, ovelha, a de baixo. Falando nisso, o mundo produz em regime extensivo e conosco não deve ser diferente. E não se preocupe se está ingressando agora na criação e conhece pouco sobre o manejo. Existem núcleos de produtores espalhados pelo território brasileiro, além das associações, entidades ligadas ao governo e até mesmo os grandes criadores, que estão empenhados em abrir suas propriedades para mostrar de que forma trabalham. Algumas, inclusive, oferecem assistência técnica, consultoria ou mesmo acesso à genética em troca da exclusividade na compra dos cordeiros, inclusive remunerando acima dos preços de mercado por qualidade. Caso deseje investir numa atividade de rápido retorno econômico, a ovinocultura é uma excelente opção. O mercado é promissor, mas é preciso atentar ao manejo para que o negócio não vá por água abaixo. Reserve as matrizes saudáveis e férteis e selecione reprodutores funcionais. Controle custos na ponta do lápis e, se não tem condições de formar um lote com número suficiente de animais para abate, una forças com seu vizinho. E que fique a lição mais importante: o consumo só cresce no Brasil por causa da qualidade da carne que produzimos. Agora, é nossa obrigação abastecer o mercado com um produto à altura. 


Para anunciar, ligue:

22 99822.7273 www.revistaagronegocios.com

AGRICULTURA E PECUÁRIA MANIA DE RAÇÕES AGROPET Av. Presidente Vargas, 85, loja D e E Pecuária - Tel.: (22) 2732-7458

EMBRAPA-EMPRESA BRASILEIRA PESQUISA AGRO PECUÁRIA Av. Francisco Lamego, 134 - Jardim Carioca Tel.: (22) 2723-2105 ASSOCIAÇÕES E NÚCLEOS

CASA DOS LAVRADORES Rua Siqueira Campos, 143, loja D - Cantro Telefax: (22) 2735-2281 E-mail: mottaemaciel@yahoo.com.br CAMPOS AGRÍCOLA Telefax: (22) 2737-6005 / 2733-1996 E-mail: contato@camposagricola.com.br SEM LIMITES AGROPECUÁRIA LTDA Av. Presidente Vargas, 80 - Pecuária Telefax: (22) 2732-7239 / 2732-7240 E-mail: semlimitesagropecuaria@gmail.com CASA DAS SEMENTES Av. 15 de Novembro, 623 - Centro Tel.: (22) 2732-6545 E-mail: casadassementes@globo.com

ACOCERJ – ASSOCIACAO DE CRIADORES DE OVINOS E CAPRINOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Av Vargas,Pres, 180 - Pecuária (FRC) Tel.: (22) 2732-3299 RJQM - ASSOCIAÇÃO DE CRIADORES DO CAVALO QUARTO DE MILHA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Av Presidente Vargas, 180 - Pecuária (FRC) Cep: 28053-100 - Email: rjqm@rjqm.com.br Campos dos Goytacazes/RJ ACOCERJ - ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE CAPRINOS E OVINOS DO RIO DE JANEIRO Av. Presidente Vargas, 180 - Pecuária (FRC) Cep.: 28053-010 - Tel.: (22) 2732-3299

AGROPET MANIA DE RAÇÕES AGROPET Av. Presidente Vargas, 85, loja D e E Pecuária - Tel.: (22) 2732-7458 PATAS E PELOS Rua Cora de Alvarenga, 353 - Corrientes Tel.: (22)2732-2901 | Cel.: (22) 9832-5187

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

ASSESSORIA E PESQUISA EMATER-EMPRESA ASSISTÊNCIA TÉCNICA EXTENSÃO RURAL EST RJ Rua Saldanha Marinho, 37 – Centro CEP: 28010-270 - Tel: (22) 2722-74 PESAGRO - ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE CAMPOS-EEC Av. Francisco Lamego, 134 - Guarus CEP 28080-000 - Tel. (24) 2723-2105 E-mail: eec@pesagro.rj.gov.br www.pesagro.hpg.com.br UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO (UENF) Av. Alberto Lamego, 2000 – Califórnia CEP: 28013-600 | Reitoria: (22) 2739-7003 Disque-Uenf: 0800 025 2004 E-mails: uenf@uenf.br reitoria@uenf.br

44

JULHO

DE

2014

|

FUNDAÇÃO RURAL DE CAMPOS Av. Presidente Vargas, 180 - Pecuária (FRC) Cep.: 28053-010 / Tel.: (22) 2732-5975 NÚCLEO DOS CRIADORES DO CAVALO MANGALARGA DE CAMPOS Av. Pres. Vargas, 180 – Pecuária Cep: 28053-100 - Tel.: (22) 2732-9338 NÚCLEO DOS CRIADORES DO CAVALO PÔNEI DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO “ÉLCIO PAES DE SÁ” Rua Ipiranga, 74 - Apto. 102 Cep: 28015-055 - Tel.:: (22) 2733-4000 ASFLUCAN – ASSOCIAÇÃO FLUMINENSE DOS PLANTADORES DE CANA Rua Conselheiro Otaviano, 233 Centro - Tel.: (22) 2723-6300 Email: asflucan.rol@terra.com.br CLÍNICAS VETERINÁRIAS BICHOS E CAPRICHOS PET SHOP Rua dos Goytacazes, 534, loja 1 e 2 – Centro Tel.: (22) 2726.4808 EMERGÊNCIA: (22) 9916.1363 E-mail: bichosecaprichospetshopveterinaria@hotmail.com

www.revistaagronegocios.com


PATAS ATIVAS VETERINÁRIA Rua Carlos de Lacerda, 567 – Pq. Rosário Campos dos Goytacazes/RJ Tel.: (22) 2738-1375 EMERGÊNCIA: (22) 9235-1889 E-mail: veronica.zavala@ig.com.br

CÃO E CIA Avenida Senador Tarcísio Miranda, 537 Pq. Tarcício Miranda - Campos/RJ Tel.: (22) 2728-3863 / 99727-9989

S.O.S VETERINÁRIA Rua Dr. Beda, 386 – Pq. Rosário Tel.: (22) 2734-4592 EMERGÊNCIA: (22) 9231-6981

POUSADA RURAL OLHO D’ÁGUA Rio Preto (Estrada Campos/São Fidélis com entrada na Pedreira Iterere) Tel:. (22)27323950 / 9902-0473 www.pousadaruralolhodagua.com.br

CANIL CANIL MANIA Rua José Caldas Carvalho, 01 - Jockey Tel.: (22) 2728-1813 / 99951-5085 Facebook/canilmaniahospedagem CUTELARIA AFIAÇÃO Rua Dr. Beda, 386 – Pq. Rosário Campos dos Goytacazes/RJ Tel.: (22) 2734.4592 Cel.: (22) 9231.6981 / 9826-2030 HARAS HARAS LEFER Leandro A. Moreira & Fernanda Moreira Tel.: (22) 9219- 7407 / 9221-7955 HARAS PRIVILEGE Rodrigo L. Venâncio Tel:. (22)8816-1757 / 9851-5093 MÁQUINAS AGRÍCOLAS BELTEC IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS LTDA Rua Rocha Leão, 137/147 – Cajú Tel.:(22) 2732-7458 E-mail: beltec@beltecimplementos.com.br

PET SHOP BICHOS E CAPRICHOS PET SHOP Rua dos Goytacazes, 534, loja 1 e 2 Centro - Tel.: (22) 2726.4808 EMERGÊNCIA: (22) 9916.1363 E-mail: bichosecaprichospetshopveterinaria@hotmail.com BICHO E CIA Rua dos Goytacazes, 893, - Parque João Maria - Campos dos Goytacazes/RJ Tel.: (22) 2726-4669 / 99988-4410

www.revistaagronegocios.com

SELARIA SELARIA PAI E FILHO Rua Alfredo Chacar, 21 – Corrientes (Próximo ao Antigo Depósito Novo na Alberto Torres) Tel.: (22) 9933-2511 SERVIÇOS DE DEDETIZAÇÃO RENATO DEDETIZADOR Tel.: (22) 9724-4592 Campos dos Goytacazes/RJ E-mail: renato-familia@hotmail.com SINDICATO SINDICATO RURAL DE CAMPOS Av. Presidente Vargas, 116 - Pecuária Campos dos Goytacazes/RJ Telefax: (22) 2732-4434 / 2732-4384 E-mail: srcampos.rol@terra.com.br VETERINÁRIOS DRA. FLÁVIA REGINA CRUZ DIAS Médica Veterinária – CRMV-RJ 6.041 Campos dos Goytacazes/RJ DRA. MANUELLA SIQUEIRA BATISTA Médica Veterinária – CRMV-RJ 10.620 Rua dos Goytacazes, 534, loja 1 e 2 – Centro - Tel.: (22) 2726.4808 EMERGÊNCIA: (22) 9916.1363 E-mail: bichosecaprichospetshopveterinaria@hotmail.com DR. REINALDO SOUZA MOREIRA Médico Veterinário – CRMV-RJ 10185 Av. Presidente Vargas, 175 – Pecuária Tel.: (22) 2732-5145 EMERGÊNCIA: (22) 9962-6960 E-mail: reinaldovet@hotmail.com DRA. VERÔNICA ZAVALA Médica Veterinária – CRMV-RJ 8421 Rua Carlos de Lacerda, 567 – Rosário Tel.: (22) 2738-1375 EMERGÊNCIA: (22) 9235-1889 E-mail: veronica.zavala@ig.com.br

|

JULHO

DE

2014

45

|| 5545ªª EExxppoossiiççããoo AAggrrooppeeccuuáárriiaa ee IInndduussttrriiaall ddee CCaam mppooss

CAMPOS AGRÍCOLA PEÇAS PARA TRATORES E IMPLEMENTOS LTDA. Av. Carlos Alberto Chebabe, 783 Telefax: (22) 2737-6005 / 2733-1996 E-mail: contato@camposagricola.com.br

POUSADAS


| Informação

Calendário de Exposições

Agropecuárias

2014

EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA - ITAOCARA 03 a 06 de Julho Organização: Prefeitura Municipal Contato: (22) 3861-4263 23ª EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA TURÍSTICA E INDUSTRIAL - QUISSAMÃ Período: 09 a 13 de Julho Organização: Prefeitura Municipal Contato: (22) 2768-6879 ou 2768-6836 72ª EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA E INDUSTRIAL - CORDEIRO Período: 12 a 20 de Julho Organização: Prefeitura Municipal Contato: (22) 2551-0145 /0339 41ª EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA PARAÍBA DO SUL Período: 16 a 20 de Julho Organização: Prefeitura Municipal Contato: (24) 2263-8695 66ª EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA DO SUL FLUMINENSE - BARRA DO PIRAÍ Período: 17 a 21 de Julho Organização: Associação Rural Sul Fluminense Contato: (24) 2443-2661

| 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Campos

35ª EXPO - MACAÉ Período: 24 a 29 de Julho Organização: Prefeitura Municipal Contato: (22) 2759-1896 35ª EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA, COMERCIAL E INDUSTRIAL STº ANTONIO DE PÁDUA Período: 30 de Julho a 03 de Agosto Organização: Prefeitura Municipal Contato: (22) 3851-0933 22ª EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA E INDUSTRIAL - CARDOSO MOREIRA Período: 31 de Julho a 03 de Agosto Organização: Prefeitura Municipal Contato: (22) 2785-1147

Torneios Leiteiros Festas e Feiras/RJ

33ª EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA - CAMBUCI Período: 04 a 07 de Setembro Organização: Prefeitura Municipal Contato: (22) 2767-2855 5ª EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA E INDUSTRIAL - CARAPEBUS Período: 03 a 07 de Setembro Organização: Prefeitura Municipal Contato: (22) 2768-3314 8ª EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA - MACUCO Período: 04 a 07 de Setembro rganização: Prefeitura Municipal Contato: (22) 2554-9100 30 ª EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA - RIO DAS FLORES Período: 04 a 07 de Setembro Organização: Prefeitura Municipal Contato: (24) 2458-1271 EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA - CARMO Período: 17 a 21 de Setembro Organização: Prefeitura Municipal Contato: (22) 2453-1159 EXPO ARARUAMA Período: 24 a 28 Setembro Organização: Prefeitura Municipal Contato: (22) 2664-4023 2º MIRALEITE - MIRACEMA Período: 22 a 26 de Outubro Organização: Prefeitura Municipal Contato: (22) 3852-1269 RODEIO MORRO GRANDE - ARARUAMA Período: 05 a 07 de Dezembro Organização: Prefeitura Municipal Contato: (22) 2664-4023 FONTE: Secretaria de Estado de Agricultura e Pecuária do Rio de Janeiro Programação Completa no site: revistaagronegocios.com/calendario/exposicoes/

EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA - BOM JESUS DO ITABAPOANA Período: 07 a 10 de Agosto Organização: Cavil | Contato: (22) 3831-1102 14ª EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA - RIO BONITO Período: 28 de Agosto a 01 de Setembro Organização: Prefeitura Municipal Contato: (21) 2734-0335

46

JULHO

DE

2014

|

www.revistaagronegocios.com


Profile for Juarez Mota RP

Agronegócios ed. 2014  

Publicação impressa anual com conteúdos voltados par a EXPOAGRO de Campos dos Goytacazes, RJ.

Agronegócios ed. 2014  

Publicação impressa anual com conteúdos voltados par a EXPOAGRO de Campos dos Goytacazes, RJ.

Advertisement