Issuu on Google+

Ano V

|

Edição 27

|

Junho - Julho

|

2013

TODOS UNIDOS PELO “HOSPITAL DO BEM” TRABALHO Diretoria da ACIC visita empresa Fezer

MELHORIAS Prédio da ACIC terá elevador

Página 22

Página 18


ÍNDICE 6

PALAVRA DO PRESIDENTE

Fenitec trará novidades na área de tecnologia para Caçador

7

Palestrantes de renome internacional no SEAD2013

19

O trabalho em prol do "Hospital do Bem"

26

Adami entre as maiores empresas do Brasil

CRIAÇÃO E EDIÇÃO Revista Atitude CNPJ: 12.253.505/0001-47 REDAÇÃO Rafael Seidel COLABORAÇÃO Daniel Keller Alvez Rosecler Faoro Cristiane Brusco (49) 3563-1116 acic@conection.com.br Tiragem: 400 exemplares DIRETORIA Presidente: Henrique Luis Basso Vice-presidente industrial: José Carlos Tombini Vice-presidente comercial: Eduardo Antonio Comazzetto 1º secretário: Carlos Alberto Lürs 2º secretário: Fahdo Thomé Neto 1º tesoureiro: Leonir Antonio Tesser 2º tesoureiro: Auri Marcel Baú Diretor de relações públicas: Jovelci Domingos Gomes Conselho fiscal José Adami Neto, Eduardo Seleme, Sandoval Caramori, Marcelo Mafessoni Tedesco, Hugo Benetti, João Machiavelli

O valor da união Quando assumimos, junto com a Diretoria da ACIC, esta presidência, sabíamos dos mais variados desafios que teríamos à frente, não apenas voltados diretamente ao setor empresarial, mas também aqueles que envolvem a comunidade como um todo. Passamos a atuar de forma intensa, sempre procurando agir de uma maneira transparente para buscar os melhores resultados. E isso tem sido alcançado. Em primeiro lugar, desencadeamos uma série de obras estruturais no prédio da nossa entidade, ampliamos a nossa rede de internet sem fio e adquirimos novos computadores com o objetivo de dar mais conforto a todos que utilizam aquele espaço. Além disso, contratamos mais uma funcionária para auxiliar no apoio aos associados, que vai trabalhar de forma direta com os núcleos setoriais, com nossos cartões e na busca de novos sócios. Queremos que todos que fazem parte da ACIC se sintam valorizados e bem atendidos quando necessitarem e contem com o apoio incondicional da associação para os seus pleitos. Além disso, não nos furtamos, junto com a Diretoria, de dar apoio às questões comunitárias e a nossa luta pelo hospital Maicé é um exemplo. Criamos o Conselho Consultivo do hospital e estamos em um nível avançado de contatos, tanto na esfera estadual quanto federal, bem como no setor interno da entidade. Já tivemos respostas positivas a

projetos até então pouco prováveis de acontecerem, mas que com a força e empenho deste grupo, liderado pela ACIC, estão sendo viabilizados. Este Conselho Consultivo tem nos trazido tantas alegrias e surpresas, principalmente quando se trata do engajamento das diversas entidades em prol do bem comum: o “Hospital do Bem”. O caso do aeroporto é outro exemplo do resultado positivo da nossa luta. Os investimentos para a contratação da empresa responsável pela manutenção vieram do Governo do Estado e agora restam apenas poucos detalhes para que tenhamos de volta os voos noturnos e por instrumentos. Nestas questões externas, como o aeroporto e o hospital, nos empenhamos e recebemos garantias do Governo do Estado de que os investimentos seriam viabilizados. Parte já foi, mas ainda estamos no aguardo do restante e esperamos que a palavra dada a nós empresários e à toda comunidade caçadorense seja cumprida. Que a união nos dá mais força, evidenciamos pelas conquistas até agora diante das mais diversas adversidades. Mas, de maneira alguma, paramos por aqui. Contando sempre com o apoio de todas as entidades, poder público e dos nossos associados, vamos prosseguir com firmeza no nosso propósito para a cada dia obtermos mais resultados positivos. Henrique Luis Basso Presidente da ACIC

A revista da ACIC é impressa com 100% de papel proveniente de reflorestamentos


ARTIGO A necessidade de articulação entre universidade e empresa Preliminarmente, cumpre firmar o conceito de que, em última análise, uma empresa sustentável consiste em organização de aprendizagem. Esta se caracteriza por estimular a inovação tecnológica e a criatividade, conquistando vantagem sobre a concorrência. Para dois pesquisadores japoneses, Ikujiro Nonaka e Hirotaka Takeuchi, no livro”The Knowledge-Creating Company”, a chave para as empresas obterem mais conhecimento consiste na transformação do conhecimento tácito em explícito, sendo que grande parte do conhecimento é criado por gerentes intermediários. Essa exigência para converter conhecimento tácito em explícito tem sido uma visão forte da atual teoria da aprendizagem. Tal abordagem tem sido discutida como sendo um processo organizacional essencial, discutindo-se como é possível realizar a transferência do conhecimento individual para a empresa e como esse conhecimento pode ser usado. Em parte o conhecimento empresarial é armazenado nos indivíduos na forma de experiência, habilidades e competências, e em parte na organização, na forma de documentos, registros, regras, regulamentos e padrões. Uma parcela de conhecimento entre uma empresa e os indivíduos é complementar e parte incongruente em virtude da matriz de crenças de cada um. Com base nesse entendimento, a aprendizagem organizacional em recorre à aquisição de compreensão, experiência, técnicas e práticas que são, em cer-

to grau, novas para a organização. A aprendizagem desse gênero se torna em novos pensamentos e ações, mudanças de comportamento e modelos mentais subjacentes, e no redesenho de ações empresariais. Almejar a relação entre conhecimento e aprendizagem também significa salientar os tipos diferentes de conhecimento fundamentais nas situações de trabalho, assim como a diversidade de tipos e níveis de aprendizagem. De sua parte, a universidade pode contribuir gerando soluções tecnológicas para o mundo empresarial, permitindo que este se revista de eficiência e eficácia, dois quesitos importantes no período de globalização. Em conclusão, sempre se faz mister considerar a manifestação do Presidente da Fiesc – Glauco José Corte: “É somente com educação de qualidade que conseguiremos elevar a produtividade do trabalho e colocar o País na rota do crescimento sustentado”

De sua parte, a universidade pode contribuir gerando soluções tecnológicas para o mundo empresarial, permitindo que este se revista de eficiência e eficácia, dois quesitos importantes no período de globalização

4

Adelcio Machado dos Santos Pós-Doutor pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); Reitor da Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP); Advogado (OAB/SC nº 4912), Administrador (CRA/SC nº 21.651), Jornalista (MTE/ SC nº 4155), filósofo e turismólogo.


GESTÃO

Gestão descomplicada

Como estabelecer uma política de preços Definir o preço de uma mercadoria é somar os custos de produção com o lucro, limitado pelo valor que os consumidores estão dispostos a pagar por ela. O preço é quanto o seu produto ou serviço vale para o consumidor. Para o seu negócio, o preço ideal de venda é aquele que cobre os custos do produto ou serviço e ainda proporciona o lucro desejado pela empresa. Analisando o quanto o consumidor está disposto a pagar, a empresa avalia se seu preço ideal de venda é compatível com praticado no mercado. Os fatores que determinam o preço são: posicionamento, objetivos da empresa, novos produtos e flexibilização. Posicionamento: O preço pode determinar o posicionamento da sua empresa. Algumas empresas desejam passar uma imagem aos seus compradores de preços imbatíveis, outras trabalham um posicio-

namento de valorização dos produtos a partir de preços altos, levando em conta o status como ferramenta principal na aquisição dos produtos/serviços. Objetivos: Os preços também podem ser fixados a partir dos objetivos, como alcançar um determinado mercado de consumidores, enfrentar ou prevenir competição, maximizar o lucro e assegurar sua própria sobrevivência. Novos produtos: A empresa pode fixar preços relativamente baixos para entrar no mercado em uma tentativa de obter uma fatia de mercado e expandir a demanda pelo seu produto. No entanto, para os consumidores, é difícil julgar a qualidade de alguns produtos e serviços quando não se pode testá-los antes da compra e, muitas vezes, os consumidores podem nivelar a qualidade do produto por baixo, devido ao preço. No caso de inovações, é possível definir preços em um nível mais alto e baixá-los gradativamente. Nesse caso, é necessário que o consumidor esteja disposto a pagar um preço alto e que a concorrência não possa entrar rapidamente com produtos similares. Flexibilização: Essa política permite à empresa definir preços diferentes de acordo com o perfil de cada comprador. Os preços não são estáticos e podem ser alterados pela prática de descontos e promoções: - Preços promocionais: reduções planejadas de curto prazo para criar um incentivo para os consumidores; - Preços por segmentos diferentes: entradas de cinemas pela metade do preço para idosos e estudantes, por exemplo; - Por regiões geográficas: dependendo da região, os preços variam devido ao transporte, impostos, entre outros fatores; - Por sazonalidade: guarda-chuva e óleo de bronzear têm preços baixos no inverno, pois a demanda por esses produtos é menor nessa época do ano; - Personalizados: variações significativas de preços de acordo com o perfil de compra do consumidor. Uma agência de turismo pode elaborar um pacote personalizado e cobrar pelas variações nos serviços adicionados. Uma empresa pode diferenciar seu preço de acordo com o potencial de compra de um determinado cliente; - Descontos para pagamentos antecipados ou à vista; - Descontos por volume de compra; - Concessões para promoções de vendas: descontos que varejistas recebem por colocarem os produtos do fabricante em locais estratégicos ou promover os seus produtos. Não se esqueça de considerar o preço dos concorrentes. Defina políticas de descontos e condições de vendas para seus clientes. Faça testes de preços com os clientes, analise as variações de vendas a partir de modificações nos preços e controle do volume de vendas. Fonte: SEBRAE

8

5


INOVAÇÃO

Fenitec acontecerá junto com o SEAD Uniarp e ACIC concretizam projeto para feira de tecnologia que terá o apoio de diversas entidades para as exposições A Feira de Inovação e Tecnologia (Fenitec) será realizada neste ano junto ao Seminário de Administração da Uniarp. Em estandes, serão apresentadas as inovações nos mais diversos setores, além de contribuir para o estabelecimento de parcerias de excelência entre instituições nomeadamente para o desenvolvimento de projetos de pesquisa e formação nas mais diversas áreas. Esta é uma concretização da parceria entre a Uniarp e a ACIC. “Há anos estamos trabalhando para que isso fosse possível e agora vamos conseguir colocar em prática”, disse o presidente da ACIC, Henrique Basso. De acordo com o presidente da Fenitec, Auri Baú, três situações estão sendo analisadas para a realização da Fenitec. “Em um primeiro momento queremos atrair o público e por isso, teremos alguns atrativos que vão chamar a atenção das pessoas. No segundo momento,

6

traremos as inovações que já estão consolidadas no mercado e no terceiro, as novidades que ainda não estão no mercado, mas podem chegar e serem difundidas”, disse. Auri lembrou que a Fenitec contará com a apresentação das novidades das entidades Sesi, Senai, Senac, palestras de inovação através do IEL e do Sebrae, a participação da ACIC, CDL, Ampe, IFSC. “Todas estas entidades vão participar para apresentar produtos, situação de inovação e difundir o que temos para inovar em Caçador”, completou. Auri lembrou que a Fenitec vai atender, durante o dia, estudantes do Ensino Médio e, mais tarde, empresários, universitários, autoridades e os palestrantes do SEAD. “Inclusive, teremos palestras específicas para os estudantes do ensino médio e para empresários”, finalizou o presidente.


UNIARP

Tudo pronto para o

SEAD 2013

Economista Ricardo Amorim, professor Marcos Cobra, o engenheiro aeronáutico Ozires Silva e o técnico da Seleção Brasileira, Felipão, estarão em Caçador O Seminário Regional de Administração- SEAD 2013 será realizado em Caçador de 24 a 27 de setembro e mais uma vez, grandes nomes nacionais e internacionais estarão no palco da arena multiuso falando sobre motivação, marketing, inovação e gestão de pessoas. O técnico pentacampeão mundial de futebol com a seleção brasileira, Luiz Felipe Scolari, o Felipão será um dos palestrantes do evento deste ano. Outros nomes confirmados são: economista Ricardo Amorim, professor Marcos Cobra e o engenheiro aeronáutico Ozires Silva. Atrações culturais de alto nível também serão os destaques do SEAD 2013 em todas as noites. O Seminário contará com apresentação do Grupo de Danças Lindental Tanz Gruppe de Treze Tílias, Três Tenores Brasileiros, Taiko, Dança Japonesa e Kendo e Espetáculo de Dança - Tango. O SEAD é uma realização da Universidade Alto Vale do Rio do Peixe (UNIARP) de Caçador através do curso de Administração, curso de Ciências Contábeis, Empresa Júnior, Governo Federal, Governo Estadual e iniciativa privada. As inscrições estão abertas no site: www.seaduniarp.com.br

PALESTRANTES 24 de setembro

RICARDO AMORIM

TEMA: “ECONOMIA MUNDIAL EM TRANSFORMAÇÃO: IMPACTOS NOS SEUS NEGÓCIOS”

25 de setembro

MARCOS COBRA

TEMA: “O NOVO MARKETING”

26 de setembro

OZIRES SILVA

TEMA: “INOVAÇÃO E TECNOLOGIA”

27 de setembro

LUIS FELIPE SCOLARI

TEMA: “AS PESSOAS DEVEM ESTAR PREPARADAS ANTES DA OPORTUNIDADE CHEGAR, NÃO DEPOIS”

7


CURSOS

Senai avalia positivamente primeiro semestre Unidade encerra período com mais de 18 cursos de qualificação profissional em andamento O primeiro semestre de 2013 foi gratificante para o SENAI Caçador, pois a unidade encerra este período com mais de 18 turmas de Cursos de Qualificação Profissional em andamento. São mais de 500 pessoas em sala de aula buscando qualificação profissional gratuita por meio do Programa PRONATEC. Todos os alunos, ao término dos cursos, estarão capacitados para atuar nos diversos segmentos industriais, dando destaque ao setor metalmecânico, eletroeletrônico, informática e gestão. Para o segundo semestre a previsão é que mais 10 turmas de cursos profissionalizantes iniciem todos oferecidos para a população de forma gratuita. Estas turmas serão formadas por cursos de Aprendizagem Industrial e Cursos de Qualificação Profissional. Estes cursos têm tempo de duração relativamente longo,

o que faz com que os alunos realmente aprendam e devolvam todas as habilidades necessárias para atuar nas indústrias de nossa cidade e região. Os cursos são focados em aulas práticas, visando com que o aluno aprenda fazendo. O uso de novas tecnologias, moderna metodologia de ensino e acima de tudo professores qualificados e atentos as reais necessidades das indústrias faz com que os novos profissionais sejam reconhecidos no mercado de trabalho. O SENAI já tem muitas experiências positivas, possuindo grande parte de seus alunos empregados em indústrias de Caçador e região, sendo que a grande parte deles trabalha em áreas afins ao curso que estão frequentando. É O SENAI formando hoje os profissionais de amanhã. Faça parte você também desta grande família.

9


IDHM

Crescimento da renda é reflexo da melhoria na educação Caçador teve avanços significativos nos índices de escolaridade e, logo, na renda O crescimento da renda dos caçadorenses na última década é reflexo da especialização e dos investimentos em educação. É isso que apontam os dados consolidados do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal divulgados recentemente no Atlas de Desenvolvimento Humano do Brasil. O IDHM de Caçador é 0,735, considerado alto. Entre 2000 e 2010, a dimensão que mais cresceu em termos absolutos foi Educação (com crescimento de 0,222), seguida por Longevidade e por Renda. Caçador ocupa a 897ª posição, em 2010, em relação aos 5.565 municípios do Brasil e a 148ª posição em Santa Catarina. O IDHM de Caçador passou de 0,601 em 2000 para 0,735 em 2010 - uma taxa de crescimento de 22,30%.

EDUCAÇÃO

A proporção de crianças e jovens frequentando ou tendo completado determinados ciclos indica a situação da educação entre a população em idade escolar do município e compõe o IDHM Educação. No período de 2000 a 2010, a proporção de crianças de 5 a 6 anos na escola cresceu 49,54% e no de período 1991 e 2000, 72,07%. A proporção de crianças de 11 a 13 anos frequentando os anos finais do ensino fundamental cresceu 43,09% entre 2000 e 2010 e 36,93% entre 1991 e 2000.

10

A proporção de jovens entre 15 e 17 anos com ensino fundamental completo cresceu 61,65% no período de 2000 a 2010 e 53,92% no período de 1991 a 2000. E a proporção de jovens entre 18 e 20 anos com ensino médio completo cresceu 92,16% entre 2000 e 2010 e 4,62% entre 1991 e 2000. Em 2010, 62,28% dos alunos entre 6 e 14 anos de Caçador estavam cursando o ensino fundamental regular na série correta para a idade. Em 2000 eram 56,54% e, em 1991, 39,91%. Entre os jovens de 15 a 17 anos, 31,89% estavam cursando o ensino médio regular sem atraso. Em 2000 eram 17,59% e, em 1991, 8,38%. Entre os alunos de 18 a 24 anos, 15,32% estavam cursando o ensino superior em 2010, 7,19% em 2000 e 6,10% em 1991. Nota-se que, em 2010, 4,04% das crianças de 6 a 14 anos não frequentavam a escola, percentual que, entre os jovens de 15 a 17 anos atingia 25,32%. Em 2010, 51,62% da população de 18 anos ou mais de idade tinha completado o ensino fundamental e 32,89% o ensino médio. A taxa de analfabetismo da população de 18 anos ou mais diminuiu 5,81% nas últimas duas décadas. ANOS ESPERADOS DE ESTUDO Em 2010, Caçador tinha 9,83 anos esperados de estudo, em 2000 tinha 8,89 anos e em 1991 9,22 anos.


Índice

TRABALHO Entre 2000 e 2010, a taxa de atividade da população de 18 anos ou mais (ou seja, o percentual dessa população que era economicamente ativa) passou de 66,61% em 2000 para 70,51% em 2010. Ao mesmo tempo, sua taxa de desocupação (ou seja, o percentual da população economicamente ativa que estava desocupada) passou de 10,08% em 2000 para 4,97% em 2010. Em 2010, das pessoas ocupadas na faixa etária de 18 anos ou mais, 10,81% trabalhavam no setor agropecuário, 0,14% na indústria extrativa, 32,07% na indústria de transformação, 4,88% no setor de construção, 1,06% nos setores de utilidade pública, 13,97% no comércio e 32,35% no setor de serviços. “Vemos, claramente, que a educação e a especialização são fundamentais para o crescimento da renda em qualquer local e em Caçador isso está sendo comprovado. Precisamos sim, continuar investindo maciçamente nestes setores e cobrar dos governantes a preocupação diuturna e, da comunidade, o empenho para cada vez mais buscar se qualificar para continuarmos crescendo”, afirmou o presidente da ACIC, Henrique Basso.

RENDA A renda per capita média de Caçador cresceu 94,26% nas últimas duas décadas, passando de R$383,13 em 1991 para R$542,59 em 2000 e R$744,28 em 2010. A taxa média anual de crescimento foi de 41,62% no primeiro período e 37,17% no segundo. A extrema pobreza (medida pela proporção de pessoas com renda domiciliar per capita inferior a R$ 70,00, em reais de agosto de 2010) passou de 7,52% em 1991 para 3,34% em 2000 e para 1,60% em 2010.

11


ENTIDADE

Diretoria da ACIC visita empresa Fezer Objetivo foi iniciar série de visitas às empresas para valorização dos associados Membros da Diretoria da Associação Empresarial de Caçador visitaram, nesta semana, a empresa Fezer como parte de algumas atividades que a entidade deve iniciar a partir de agora. “Pudemos conhecer todos os produtos da empresa, que utilizam alta tecnologia, além de visitarmos o mais novo empreendimento da família Fezer, que é a fábrica de cerveja Patrona”, destacou o presidente da ACIC, Henrique

12

Basso, parabenizando os empresários e garantindo o apoio da entidade. Henrique ainda informou que a entidade vai retomar eventos com os associados, como jantares, visando a discussão de novos projetos e a troca de informações. “Dentro disso, vamos prosseguir com as visitas aos associados. Queremos valorizar, cada vez mais, as empresas que fazem parte da ACIC”, finalizou o presidente.


ECONOMIA

Aeroporto: Mais um pleito da ACIC sendo concretizado Empresa responsável pela manutenção do local já está trabalhando e agora resta a aprovação da ANAC para retorno dos voos noturnos As melhorias no aeroporto Carlos Alberto da Costa Neves, de Caçador, fazem parte de mais um pleito da Associação Empresarial. A empresa Telear, de Porto Alegre, ficou responsável pela recuperação e manutenção periódica e preventiva dos equipamentos aeroportuários de proteção ao voo, auxílio à navegação aérea, sinalização luminosa da pista de pouso e decolagem, saída e pátio de manobras de aeronaves, e para adquirir e implantar a EPTA CAT A, de acordo com a ICA 63-10/2012 do Comando da Aeronáutica. O Governo do Estado liberou R$ 1,4 milhões para estas melhorias. O secretário Valdir Cobalchini enfatizou que vai fazer contato com a ANAC para que sejam agilizadas as vistorias, visando a liberação integral do aeroporto. “Assim, garantimos a devolução destes equipamentos e colocamos em funcionamento algo tão fundamental para Caçador”, completou Cobalchini. Além destas melhorias, Cobalchini

anunciou a licitação da empresa que fará a construção do novo terminal de passageiros. “Com este novo terminal vamos poder oferecer conforto e segurança, em um prédio moderno e adequado e até convencer empresas que fazem o transporte aéreo de vir operar em Caçador”, acrescentou. O presidente da ACIC, Henrique Basso, comemorou estas conquistas para Caçador. “Estamos satisfeitos em ver que o empenho da ACIC está se transformando em realidade”, finalizou. “O aeroporto é um fator determinante para o desenvolvimento do município e da região”, completou o vice-presidente da Fiesc, Gilberto Seleme. Para o prefeito Beto Comazzetto, o aeroporto é fundamental em diversos setores. “Tanto para a entrada de investimento, quanto na melhoria da logística das viagens e do transporte de órgãos, precisamos ter um aeroporto em funcionamento total”, salientou.

13


TRABALHO

ACIC EM Confira as principais atividades da Associação Empresarial durante os meses de junho e julho

02 JULHO

O presidente da ACIC, Henrique Basso, o presidente do Conselho Consultivo do Hospital Maicé, Leonir Tesser, o prefeito de Caçador, Gilberto Comazzetto e o secretário da Infraestrutura, Valdir Cobalchini reuniram-se com o então secretário da Saúde, Dalmo Claro de Oliveira em Florianópolis definir recursos para o Hospital. Entre as reivindicações, as principais foram: apoio na liberação de recursos para aquisição de mais três leitos de UTI e regulamentação para hospital atender alta complexidade em ortopedia e neurocirurgia.

09 JULHO

A secretária executiva da ACIC, Rosecler Faoro, participou da pré-conferência Municipal de Assistência Social no Cras Martello. Esta é uma etapa exigida antes da Conferência, para que os principais pontos a serem debatidos sejam esclarecidos quanto à importância que representam para a Assistência Social.

10 JULHO

02 JULHO

14

Visando viabilizar mais voos para Caçador, Auri Marcel Baú, tesoureiro da ACIC e Gilberto Seleme, presidente da Uniarp, reuniram-se com representantes da Brava Linhas Aéreas. Dentre reivindicações, está a alteração nos horários e frequências de voos e a inserção de uma nova linha aérea para Florianópolis, além de uma reunião com urgência com o Executivo da Brava.

O Conselho Consultivo do Maicé tomou posse na ACIC. 12 entidades são representantes neste órgão, que tem por objetivo auxiliar na resolução dos problemas, propor projetos e busca recursos para investimentos no hospital, além de auxiliar na diminuição do déficit mensal da entidade. O empresário Leonir Tesser estará à frente dos trabalhos e as entidades parceiras representadas com um titular e um suplente são Acic, Uniarp, a OAB de Caçador, a Câmara Municipal, a Secretaria Municipal de Saúde, o Sindicato dos Contabilistas, a SDR, Ampe, CDL, Unimed, Corpo Clínico do Hospital Maicé e Mitra Diocesana.


Agenda

M AÇÃO 12 JULHO

O secretário da Infraestrutura, Valdir Cobalchini, assinou ordem de serviço para a contratação de empresa que vai fazer a manutenção do aeroporto Carlos Alberto da Costa Neves. O investimento é de R$1,4 milhão.

NOVOS ASSOCIADOS DA ACIC (De 1º de junho a 31 de julho)

- Kerber Pré-Moldados - Cozigás Comércio de Gases Ltda - Designer e Service - Supermercado Preço Bom - Imóveis Fávero - Mercado Super Lebon

26 JULHO

27 JULHO

Reunião do Conselho Consultivo no Hospital Maice com os titulares e suplentes que para definições das comissões de trabalho.

O presidente da ACIC, Henrique Basso, participou de evento da posse da Diretoria Regional da ACI no Meio-Oeste, onde Adelcio Machado dos Santos é o diretor. Além disso, o jornalista Moacir Pereira fez palestra e o Prêmio FIESC de Jornalismo foi lançado. Os jornalistas caçadorenses Salomão Ribas Junior e Primo Zini foram homenageados no evento.

"Estar associado à Acic nos proporciona uma ampla visão de empreendedorismo. Também nos faz estar relacionados com a cidade de modo geral, com a qualificação profissional oferecida e com o que é mais importante: suporte ao pequeno, micro e grande empresário. Através da associação é que vamos despontando no mapa, pois por meio do que ela nos oferece, vamos apresentando nossa empresa a sociedade tornando-a conhecida nesse meio tão disputado que é o comércio". (Tânia Corrêa - Sócia- proprietária)

PARABÉNS

AOS NOVOS ASSOCIADOS!

15


ESTRUTURA

ACIC em obras Melhorias no hall de entrada do prédio e a instalação de um elevador fazem parte das mudanças estruturais na entidade A Associação Empresarial de Caçador está em obras. As melhorias estão sendo realizadas no hall de entrada do prédio da entidade, visando o bem-estar e a facilidade no acesso dos associados e comunidade em geral. De acordo com o presidente da ACIC, Henrique Basso, a instalação do elevador e a galeria são as maiores obras. “Estamos pensando na acessibilidade. Conquistamos este elevador ainda no ano passado, em uma parceria com o SEBRAE e agora vamos instalar”, disse. O elevador terá parada em dois andares, dando acesso tanto à parte administrativa da ACIC, ao próprio SEBRAE e à JUCESC, quanto ao auditório do piso superior. “Esta é uma parte das melhorias que estamos fazendo, já que ampliamos a nossa rede de internet sem fio em todas as áreas e adquirimos novos computadores para agilizar os trabalhos”, completou o presidente. Henrique afirmou ainda que fotografias das empresas caçadorenses farão parte da decoração das duas paredes da nova galeria. “O teto, inclusive, será panorâmico, assim como o elevador”, finalizou o presidente.

16


Melhorias

CONFIRA O PROJETO

17


DVDTECA

ATENÇÃ

NOVIDA

O

DES

CONH N OVO S EÇ A O S TÍTU R EC É M ͳA D Q U LO S IRIDOS

DVDTeca da ACIC dispõe de 109 títulos A DVDTeca da ACIC dispõe de 109 títulos para os seus associados. As locações são gratuitas e o associado pode ficar por até duas semanas com o DVD, conforme a necessidade. Dentre os títulos mais locados, destacam-se: - 10 Coisas para formar um líder eficaz - 3 dimensões da motivação - 4 pilares da inteligência emocional - 8 segredos do sucesso - A arte de “fechar” em vendas - A capacidade de perdoar e seus efeitos no mundo do trabalho - A motivação para a disciplina - Como chamar a atenção e punir um subordinado - Ética entre colegas de trabalho - Ética na empresa - Não deixe a emoção dominar seu desenvolvimento profissional

- O que mais irrita o cliente - O vendedor líder - Os perigos da complacência - Perca o medo e a vergonha de vender - Pessoas motivadas para ação - Pessoas que levam tudo para o lado pessoal - Por que as coisas não acontecem? - Desligue o seu piloto automático Preste atenção no que você está fazendo. - Vender não basta! É preciso fazer vendas sadias

LIGUE 3563-1116 E FAÇA A SUA RESERVA. OU VÁ ATÉ A ACIC E ESCOLHA O TÍTULO DE SUA PREFERÊNCIA

18


ECONOMIA

Maicé “O hospital do bem” Slogan, sugerido pelo presidente do Conselho Consultivo do Maicé, Leonir Tesser, demonstra um pouco do que se quer mostrar para a sociedade caçadorense: o hospital precisa de ajuda e Caçador precisa do hospital

19


SAÚDE

“O Maicé é do bem”. Esta é a frase escolhida pelo presidente do Conselho Consultivo do Maicé, Leonir Tesser, como slogan para demonstrar um pouco à sociedade caçadorense da real situação: o hospital precisa de ajuda e Caçador precisa do hospital. Depois de muitas tratativas e pressão quando foi necessária, os resultados encampados pelo Conselho Consultivo do Maicé começaram a dar frutos. O primeiro e mais importante foi a liberação de R$ 1,6 milhões em recursos para a construção de 3 novos leitos do UTIs, totalizando 10. Com isso, o hospital já está habilitado a receber, mensalmente, R$ 200 mil para custeio dos trabalhos. Agora, um projeto para a construção de mais 10 leitos de UTI (totalizando 20) já foi apresentado para o Conselho Consultivo e direção do hospital. “Estamos muito felizes por ver que tudo

20

Direção do hospital com o prefeito Beto, presidente da ACIC, Henrique Basso e presidente do Conselho Consultivo, Leonir Tesser está caminhando. Claro, que queríamos que fosse mais rápido ainda, mas mesmo assim, já podemos ver os resultados”, explicou o presidente do Conselho Consultivo, Leonir Tesser. O presidente da ACIC, Henrique Basso, também comemorou os avanços. “A cada dia, temos novidades a respeito do hospital e novidades positivas e que nos enchem de esperança e empolgam ainda mais para continuar trabalhando”, afirmou. “Continuamos avançando e vamos fazer todas as readequações necessárias para podermos nos enquadrar em todos os novos projetos que vem por aí”, salientou a irmã Elisabete, diretora do Hospital.


Esforços

As primeiras tratativas Mas, apesar das conquistas agora comemoradas, o trabalho intenso deste Conselho, que foi criado há pouco mais de dois meses, foi fundamental. A preocupação surgiu na primeira visita da Diretoria da ACIC ao prefeito Beto Comazzetto. A situação apresentada era caótica e existia a possibilidade de fechamento. Na sequência, o presidente Henrique Basso, o tesoureiro Leonir Tesser, os secretários Fahdo Thomé Neto e Carlos Alberto

Lürs, além do conselheiro João Machiavelli, foram até o Maicé para ver a realidade de perto. Saíram de lá com a missão de se empenhar na busca de soluções. Entre várias possibilidades cogitadas, foi optado pela criação de um Conselho Consultivo. Dias depois, este Conselho estava criado com a participação das 12 principais entidades locais e, mesmo antes de tomar posse, já estava trabalhando.

Audiência em Florianópolis Uma audiência entre o presidente da ACIC, Henrique Basso, o presidente do Conselho Consultivo, Leonir Tesser, o prefeito de Caçador, Beto Comazzetto, o secretário de Infraestrutura, Valdir Cobalchini, com o então secretário de Saúde, Dalmo Claro de Oliveira serviu como impulso para a vinda dos R$ 1,6 milhões do Governo do Estado. A comitiva caçadorense encaminhou para Dalmo três reivindicações do Hospital: apoio na liberação de recursos para aquisição de mais três leitos de UTI, liberação de recursos para novos centros cirúrgicos e regulamentação para hospital atender alta complexidade em ortopedia e neurocirurgia. Neste encontro, uma garantia: de que uma reunião com o governador Raimundo Colombo seria realizada. “O Hospital Maicé é um patrimônio dos caçadorenses e, a exemplo da saúde no Brasil, enfrenta dificuldades. Por isso entramos nessa luta, voluntariamente, para ten-

tarmos soluções”, argumentou Tesser. “Fiquei extremamente feliz ao ver a sociedade de Caçador, aqui representada pela Acic, junto com o poder público buscando solução para a saúde. Só assim nós vamos resolver esse e outros problemas da nossa comunidade. O presidente da Acic, Henrique Basso, por exemplo, deixou uma reunião com o presidente nacional da Volvo para estar em Florianópolis ajudando a resolver esse problema da saúde. É assim que devemos trabalhar, todos juntos, para os resultados aparecerem”, disse Cobalchini “Daqui para frente a solução é continuarmos a trabalhar juntos, envolvendo toda a comunidade de Caçador. É assim, com a união de todos, que vamos conseguir soluções para os nossos problemas”, afirmou o prefeito Beto. “A saúde é um problema de todos os caçadorenses e por isso estamos juntos nessa luta. Esse é só o primeiro passo”, lembrou Basso.

21


Esforços

Aparelho de mamografia A deputada estadual Luciane Carminatt anunciou recursos no valor de R$ 100 mil para compra de um aparelho de mamografia a ser destinado ao Hospital Maicé via Secretaria de Estado da Saúde. De acordo com Luciane, o pedido foi feito por Valmor de Paula, integrante do Conselho Consultivo do Maicé à deputada, e que agora os recursos foram conquistados. “Sempre mantivemos uma estreita relação com Caçador e a aquisição deste mamógrafo é de extrema importância para uma cidade como esta, que possui na faixa de 12 mil mulheres acima dos 40 anos, quando então se iniciam os exames para prevenção do câncer de mama”, disse.

As conquistas - Recursos do Governo do Estado na ordem de R$ 1,6 milhões para investimentos na ampliação dos leitos de UTI e reformas; - Recursos mensais, a partir de agosto, de R$ 180 mil da Prefeitura de Caçador; - Através do deputado Reno Caramori, recursos do Governo do Estado para uma nova autoclave na ordem de R$ 148 mil; - Recursos mensais do Governo Federal na ordem de R$ 200 mil para custeio das atividades do Maicé, retroativos a maio de 2013; - Através da deputada Luciane Carminatti, recursos de R$ 100 mil para um novo aparelho de mamografia; - Ja depositados na conta do hospital, recursos do Governo Federal na ordem de R$ 148 mil para aquisição de equipamentos de hemodiálise que vão ficar junto das UTIs;

Autoclave Através do deputado Reno Caramori, o Governo do Estado liberou R$ 148 mil para a aquisição de uma nova autoclave (aparelho de esterilização) para o Maicé. “Os números e a importância da atuação do Maicé, não bastasse a prioridade que precisamos dar aos assuntos de saúde atualmente, justificam a urgência do pedido feito pelo hospital”, avaliou o parlamentar.

- Readequação do Plano Diretor do Hospital, com a ampliação para um total de 20 leitos de UTI, além da reforma da emergência e dos centros cirúrgicos. Investimentos de R$ 1 milhão. - Reformas, já executadas, nas UTIs, passando de 7 para 10 leitos, inclusive com os aparelhos instalados. Para o início do funcionamento, aguarda apenas a vistoria por parte do Governo do Estado.

23


DESTAQUE

Empresário Auri Baú vice-presidente da FACISC O empresário caçadorense Auri Baú, foi eleito, por aclamação, vice-presidente regional da Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (FACISC). Ele assume o posto antes ocupado por Arnildo Carlos Gerhardt. Realizada em Curitibanos, a reunião contou com a presença de cerca de 30 representantes. Auri declarou que irá se dedicar para dar continuidade a transformação que já vem acontecendo na região. “Um desafio proposto pelo presidente da FACISC e também uma oportunidade para que Caçador ocupe este espaço de liderança regional. Nosso objetivo é tentar aproximar as ACIs (associações empresariais) que compõem a região meio-oeste. Apesar das diferenças socioeconômicas existentes, todas as cidades apresentam

Caçadorense garantiu que vai trabalhar para aproximar as ACIs

problemas em comum e também algumas soluções em comum, desde que tenhamos uma voz única”, afirmou. Outro grande desafio, segundo Auri, é a luta quase insana contra a litoralização, demonstrando que esta região que tanto produz precisa ser atendida com mais empenho pelo Governo. “Os esforços se mantêm concentrados e os investimentos de maior impacto junto ao litoral, causando um descompasso de crescimento entre este e o interior de nosso Estado”, acrescentou Auri. O presidente da ACIC, Henrique Basso, parabenizou a conquista de Auri e afirmou total apoio para os trabalhos. “Vamos trabalhar unidos para alavancar o desenvolvimento de toda a nossa região”, destacou.

25


ECONOMIA

Adami entre as maiores empresas do Brasil Ranking foi divulgado pelo anuário Melhores & Maiores da Revista Exame A Adami, de Caçador, está entre as maiores empresas do Brasil. O ranking foi divulgado pelo anuário Melhores & Maiores da revista Exame. O levantamento é feito com base em números do balanço do exercício de 2012 das empresas, além de outros dados oficiais. A empresa Caçadorense ocupa a 980ª posição e vendeu R$ 377 milhões de vendas liquidas um acréscimo de 4% já descontado a inflação com relação ao ano anterior. No parâmetro das mil maiores empresas do país, a Exame aponta 39 catarinenses. Somadas, elas alcançaram um faturamento líquido de R$ 88,48 bilhões em 2012.

26

A ADAMI S/A A história da ADAMI S/A funde-se com a história de Caçador quando o fundador da empresa, o contabilista José Rossi Adami se estabeleceu na cidade em 1938 procedente de Caxias do Sul, iniciando sua atenção no segmento madeireiro. A continuidade dos investimentos em máquinas e equipamentos de alta precisão permite aperfeiçoar os processos, diversificação da linha de produtos e sustentabilidade nos negócios. Com uma estrutura atual composta pelas Unidades de Negócio Florestal, Pasta Químico-Mecânica, Madeireira, portas e molduras (Vert), Papel, Embalagem de


Economia

JOSÉ ADAMI NETO

Presidente da Adami, membro do conselho do SINPESC e da Associação Brasileira de Papelão Ondulado (Abpo)

Papelão Ondulado e energia Elétrica, mantém um quadro funcional em constante qualificação, sendo através do trabalho desses profissionais que a prioridade da empresa se efetiva: atender as necessidades de seus clientes e oferecer produtos de qualidade. Os investimentos na base de suas florestas plantadas, manejadas de maneira sustentável e certificadas, garantem o fornecimento da matéria-prima, energia renovável e retorno econômico com um impacto ambiental mínimo. O crescimento de forma alicerçada permitiu à Adami S/A, tornar-se uma empresa valorizada pela sua eficiência operacional, comprometimento nos resultados e transparência no relacionamento. Questão Socioambiental Deve-se destacar de maneira especial a preocupação ambiental e social da empresa ao direcionar os investimentos necessários para o tratamento dos efluentes industriais. A Adami S/A conta atualmente com uma moderna estação de tratamento de efluentes aprovada e fiscalizada pelos órgãos ambientais oficiais. Os resíduos sólidos são aproveitados como matéria orgânica para fertilizar as florestas.

Em 2012 o setor de papelão ondulado no Brasil expediu 3,3 milhões de toneladas, representando 3% de crescimento em relação ao ano anterior e 9,4 bilhões de reais em faturamento. No primeiro semestre do ano de 2012 o desempenho econômico foi mais fraco, recuperando a atividade econômica durante o segundo semestre impactando positivamente o desempenho do nosso setor. Somos um país continental, a inclusão social em rumo oportuniza a possibilidade de um mercado interno extraordinário, mas será necessária a expansão de nossa produtividade geral para melhorar renda e consequentemente o aumento da demanda, pois o cenário externo que teve fundamental papel em nosso desenvolvimento até então deve retomar o seu ritmo e nível de atividade mais lentamente. Nosso produto tem características fundamentais a soluções sustentáveis em todos os aspectos, seja econômico, ambiental, social e cultural. As oportunidades para agregarmos mais mercados em soluções que o próprio produto papelão possui naturalmente em seus atributos como ser reciclável, biodegradável e renovável são infinitas e alinhadas favoravelmente à nova política de resíduos sólidos e logística reversa que o governo e a sociedade certamente irão exigir, cobrar e fiscalizar. Nossos desafios na busca de melhoria da qualidade e produtividade são importantes, temos a obrigação e a responsabilidade de renumerar a cadeia de produção adequadamente incentivando os investimentos e melhorias de processos estabelecendo resultados compartilhados com clientes, colaboradores e acionistas e a sociedade. Atualmente a empresa pode produzir 240 milhões de m2 de embalagens de papelão destinados em sua maioria aos segmentos: - Produtos alimentícios (Abates e produtos de carne, óleos e gorduras vegetais e animais, lacticínios e outro produtos alimentícios). - Químicos derivados. - Horticultura, floricultura e fruticultura. - Produtos farmacêuticos, perfumaria e cosméticos. - Avicultura. - Têxteis, vestuário, couros e calçados em geral. - Bebidas. - Produtos plásticos e borrachas. - Material elétrico e de comunicação. - Vidros e cerâmicas. - Papel e Papelão. - Fumos. - Metalúrgica. - Madeiras e Mobiliários. - Mecânica. - Materiais de transporte.

27


Vale o Click

INTERNET

A internet oferece um mundo de informações e estamos ajudando você a encontrar aquilo que realmente é relevante e interessante sobre assuntos ligados ao ambiente empresarial.

VALE O CLICK

economia.estadao.com.br Portal de economia e negócios dentro do Estadão, um dos maiores jornais do País. Informações diárias e atualizadas a respeito de assuntos voltados à economia do país e do mundo.

www.endeavor.org.br Portal com artigos, vídeos e informações das mais variadas voltadas especificamente ao empreendedorismo.

28


Motivação

COLUNA O resultado feito com pessoas Quando perguntado sobre qual o segredo de uma empresa que dá certo, tenho sem êxito respondido: O Segredo está nas pessoas. São elas que nos ajudam a fazer o resultado, ou por algum motivo, são elas também que por vezes não conseguem se comprometer com a empresa, o que pode ser um reflexo da falta de comprometimento e com elas mesmas. E para entender melhor isso precisamos falar de motivação. Não somente daquela motivação que dura poucos dias, fruto de uma “injeção de ânimo” propiciada por uma palestra, um vídeo ou uma mensagem positiva. Falo da motivação que precisa ser compreendida em todas as relações interpessoais. Assim, se sua equipe está desempenhando na totalidade suas atribuições, ela têm um motivo para esta ação, e ao contrário, se existem problemas, desmotivação e falta de comprometimento existe igualmente um motivo para esta ação. Cabe a quem está à frente do negócio e da equipe entender muito de gente. Independente de sua formação ou experiências anteriores, o segredo está nas pessoas. Não na gestão das pessoas, mas sim com as pessoas. Para isso, a seguir trato de algumas dicas práticas que podem auxiliar na construção de uma relação profissional e de resultado com as pessoas. 1. Conheça as pessoas que trabalham com você: Saiba de onde elas vêm, quais experiências anteriores, seus valores e cultura e também suas aspirações. Isso ajuda muito a compreender o que motiva e o que bloqueia sua ação no dia a dia do trabalho; 2. Deixe claro o que você espera delas. Desde o momento da contratação passando pelo convívio diário fale explicitamente quais suas funções e quais comportamentos você espera de cada pessoa. 3. Avalie as pessoas periodicamente. Use critérios objetivos para que fique mais simples sua avaliação sobre a evolução do desempenho das pessoas. Observe fatores como pontualidade, relacionamento interpessoal, proatividade, seu resultado em vendas e atendimento a clientes entre outros. Assim, você pode indicar exatamente quais são os pontos positivos e quais ainda precisam ser melhorados, de forma simples e objetiva. 4. Esteja perto da equipe. Isso não quer dizer ser “um amigo (a) incondicional”, mas sim, estar profissionalmente perto. Faça reuniões periódicas

com sua equipe. Converse individualmente sempre que perceber comportamentos não desejados. Reserve tempo para isso, não faça simplesmente em meio a um dia corrido. Envolva as pessoas estimulando que falem de suas percepções sobre o trabalho, clientes, produtos e serviços. Este é um rico material para seu negócio melhorar. 5. Cobre e reconheça. Estipule objetivos e acompanhe os resultados. Cobre as posturas desejadas e não deixe para amanhã aquela conversa difícil sobre algo que não está certo. Reconheça também quando você não estiver certo e especialmente reconheça quando a equipe estiver fazendo um bom trabalho. Lembre-se que o reconhecimento pode ser um grande motivo para ação das pessoas. Utilizando estas dicas e adaptando-as à realidade do seu negócio você estará a caminho de uma gestão com pessoas e com resultados. Os resultados não são instantâneos, pois um time se constrói ao longo do tempo e seu sucesso não se resume a apenas estes cinco pontos. Mas espero que estas simples dicas possam levá-lo a refletir sobre o papel estratégico que as pessoas desempenham em qualquer tipo de empresa. E para você que é dono do negócio ou responsável por uma equipe, perceba-se enquanto gestor de pessoas. Em muitos casos, as pessoas reproduzem comportamentos e atitudes exatamente semelhantes aos seus. E quando você consegue mudar, sua equipe igualmente muda e avança rumo a novos e perceptíveis resultados.

Daniel Keller Alvez Especialista em Gestão de Pessoas, Consultor e Instrutor. Sócio do CETEG Consultoria Empresarial

29



Revista ACIC News - Junho/Julho de 2013