Page 1

Prevenção Texto: Arnaldo ansar fotos: divulgação

Desidratação

Um perigo a ser evitado

combater é a diarreia prevenir a ão desidrataç

22 | Revista ABCFARMA | DEZEMBRO / 2011

ma das piores complicações da diarreia – número de evacuações e a perda de consistência das fezes, que se tornam aguadas – é a desidratação. Adultos são mais resistentes, mas bebês, crianças e idosos desidratam-se com facilidade. Boca seca, lábios rachados, letargia, confusão mental e diminuição da urina são sintomas de desidratação que, além de diminuir as reservas líquidas do corpo humano constituído por cerca de 75% de água, reduzem os níveis de dois importantes minerais: sódio e potássio. Portanto, combater a diarreia é prevenir a desidratação – inclusive evitando a destruição da flora intestinal. Já existem medicamentos com essa finalidade


Principais tipos de diarreia a) Diarreia comum:

caracteriza-se normalmente por provocar apenas fezes soltas e aguadas. Ocorre em crianças e adultos. Pode estar associada a uma combinação de estresse, remédios e alimentos. Por exemplo, excesso de gorduras, de cafeína, mudança do tipo de água ingerida ou mesmo ansiedade diante de acontecimentos importantes podem provocar esse tipo de diarreia

b)

Diarreia infecciosa:

comum em crianças, provoca, além dos sintomas da diarreia comum, febre, perda de energia e de apetite. É causada por viroses e bactérias. Se não for convenientemente tratada, pode demorar até uma semana para os sintomas desaparecerem

c)

Amebíase: pode ocasionar desde leve dor de estômago e flatulência até febre, prisão de ventre, debilidade física e fezes aguadas com manchas de sangue. É causada por um protozoário que invade o sistema gastrintestinal transportado por água ou comida contaminada. Infecção típica dos trópicos, manifestase também nos habitantes de regiões de clima temperado.

Os especialistas

enumeram as causas da diarreia Toxinas bacterianas como a do estafilococus Infecções por bactérias como a salmonella e a shighella Infecções virais Disfunções da motilidade do tubo digestivo Parasitas intestinais causadores de amebíase e giardíase Efeitos colaterais de algumas drogas, como antibióticos, altas doses de vitamina C e alguns medicamentos para o coração e câncer Abuso de laxantes Intolerância a derivados do leite pela incapacidade de digerir lactose (açúcar do leite) Intolerância ao sorbitol, adoçante obtido a partir da glicose.

Recomendações Beba muito líquido, de 2 a 3 litros por dia. Como a água não repõe a perda de sódio e potássio, procure suprir essa necessidade com soro caseiro ou outros líquidos que contenham tais substâncias. Pessoas com pressão alta, diabetes, glaucoma, doenças cardíacas ou com histórico de derrames devem consultar o médico antes de ingerir bebidas que contenha sódio, porque correm o risco de ter a pressão elevada

Não deixe de comer. Em geral, pessoas com diarreia associam comida à disfunção gastrintestinal e suspendem toda a alimentação. Tal medida, além de agravar o quadro de desidratação, suspende o fornecimento dos nutrientes necessários para o organismo reagir. Prefira arroz, caldos de carne magra, bananas, maçãs e torradas. Esses alimentos dão mais consistência às fezes e a banana, especialmente, é rica em potássio

Suspenda a ingestão de alimentos com resíduos: saladas, bagaço de frutas e fibras

Chás de camomila, erva-doce e hortelã, por exemplo, podem ajudar Evite café, leite, sucos de frutas e álcool que é um desidratante poderoso

Complemente o tratamento com medicamentos que restauram a flora intestinal biológica – que são especialmente benéficos nas diarreias causadas pelo Clostridum difficile, em decorrência do uso de antibióticos e quimioterápicos. Um dos princípios ativos mais eficientes para esse fim é o levedo Succharomyces boulardi (no Brasil, o Repoflor, da Legrand), isolado de frutas silvestres tropicais. É um microorganismo vivo, resistente à ação dos sucos gástricos, pancreáticos e biliares.

Revista ABCFARMA | DEZEMBRO/2011 | 23

Desidratação, um perigo a ser evitado  

Matéria da Revista ABCFARMA sobre Desidratação, um perigo a ser evitado