Page 1

IT MÍDIA DEBATE QUESTÃO TRIBUTÁRIA É UM DOS FATORES QUE DIFICULTA O ACESSO A MEDICAMENTOS NO BRASIL

UM HOMEM HOSPITAL LONGE DE CASA, O AMERICANO LARRY MEAGHER FALA SOBRE SUA NOVA MISSÃO COMO DIRETOR EXECUTIVO DO HOSPITAL SANTA CATARINA

DE VISÃO PRAGMÁTICO AO PONTO DE PERSEGUIR O “ERRO ZERO” CLAUDIO LOTTEMBERG (FOTO), PRESIDENTE DO HOSPITAL ALBERT EINSTEIN, TEM NO CUIDADO AO PACIENTE SEU ESTÍMULO DE VIDA. O EXECUTIVO TAMBÉM NÃO DESCARTA A VOLTA A UM CARGO POLÍTICO

FOTO: RICARDO BENICHIO

lay_capa.indd 1

06/06/13 17:21


www.fanem.com.br

Quem eu sou? Eu sou a bioquímica responsável por um dos maiores laboratórios de pesquisa farmacêutica do país. Todos os dias, buscamos desenvolver medicamentos que poderão aumentar a estimativa de vida da população e, graças às Câmaras de Conservação Hematoimuno da Fanem, conseguimos administrar todo o processo com segurança e agilidade. Uma tecnologia que ajuda a salvar vidas e da qual muito me orgulho!

A cadeia de Frio da Fanem tem a mais completa e moderna tecnologia de armazenamento para sangue, vacinas, medicamentos, reagentes e outros. Com as câmaras da Fanem, podemos garantir a integridade do conteúdo, acompanhar todos os parâmetros de temperatura dos equipamentos, por meio de um software que permite o monitoramento na rede local ou via internet, além de controlar o estoque.

Fanem. Ajudando você a salvar vidas.

Untitled-1 1

06/06/13 10:21


junho de 2013 • Fh 212

04

editorial

06

CoNeXÃo SaÚde WeB

22

HoSPital o americano larry Meagher chega ao Santa Catarina para garantir a sustentabilidade da instituição

24

oPeradora Chega a hora dos hospitais e operadoras iniciarem os testes de transição de uma remuneração por serviço para uma agrupada

28

it Mídia deBate Questão tributária aparece como um dos principais obstáculos para que os medicamentos estejam ao alcance de todos

37

SaÚde BuSiNeSS SCHool identificar talentos e lideranças é a estratégia para crescer

50

MediCiNa diagNóStiCa Serviço de terceirização de exames do grupo Fleury ganha uma nova roupagem

52

regulaMeNtaÇÃo estratégia de atrair médicos estrangeiros para o Brasil gera reações, em sua maioria, contrárias

56

teCNologia gSMa e PwC mensuram os possíveis ganhos e perdas na utilização das soluções móveis na saúde

60

Burocracia trazida por mudanças na lei e monitoração de certificados digitais gera um custo muitas vezes não calculado

64

eNtre eloS Seis hospitais da capital gaúcha se uniram para administrar central de lavagem própria e economizar custos

66

Na BagageM Na África do Sul, com demétrio Silva, da abimo

67

livroS

68

SHoWrooM: eSPeCial HoSPitalar

82

PaPo aBerto governança da informação

18

PerSoNalidadeS Claudio lottemberg, do einstein, revela a importância de uma visão humanizada, mesmo com foco em gestão de processos

14

errata: diferente do que a FH havia informado na reportagem “o diagnóstico em Xeque” (edição 210, página 60), o programa de Proficiência em ensaios laboratoriais (PelM), lançado em 1977 pela SBPC/Ml, não é de acreditação, mas, sim, de comparação interlaboratorial. Já, em 1998, a entidade lançou o Programa de acreditação de laboratórios Clínicos (PalC) que, atualmente, possui mais de 100 instituições acreditadas

28 PeNSadoreS Ceo da Care Continuum alliance, Frederic goldstein, traça caminhos para uma eficiente gestão da saúde populacional

3

lay_indice.indd 3

06/06/13 17:23


Foto: Bruno Cavini

EDITORIAL

PASSOS

LENTOS O acesso aos medicamentos no Brasil é um dos mais caros do mundo. Ele está acima de 37 países integrantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e do grupo dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Esse é um dos dados, que você leitor, verá na seção IT Mídia Debate deste mês, que aborda a relação entre o acesso ao medicamento e seu alto custo. Tal discussão se torna essencial para a saúde dos brasileiros e também para a sustentabilidade do setor. Ele é custoso para o bolso do paciente, mas seus efeitos vão muito além, pois o doente que não termina o tratamento com os medicamentos em casa, como sabemos, volta ao hospital e, muitas vezes, é reinternado. Isso também se reflete nas imensas filas dos hospitais públicos e privados, na já sabida escassez de leitos, na conta dos planos de saúde e, até, nas empresas - as grandes pagadoras da saúde suplementar. Temos iniciativas como o programa Farmácia Popular do governo, que oferece cobertura gratuita para alguns tipos de medicamentos. No segmento suplementar, hoje, por obrigação, as operadoras oferecem apenas os de uso hospitalar e ambulatorial. Portanto, a ampliação do rol seria uma saída? Seria uma medida sustentável para as empresas? Por

enquanto, são questões em aberto, que prometem discussões futuras. Mas o fato é que, quando falamos sobre alternativas a esta questão, o caminhar rumo ao equilíbrio parece lento. Por esta razão, resolvemos colocar em pauta o acesso x custo, o que inclui também uma ampla discussão acerca do emaranhado tributário que compõe o preço final da assistência hospitalar. Convidamos representantes do segmento, mas sentimos a falta das grandes indústrias para apontar, de fato, quais são os obstáculos pelo ponto de vista dos fabricantes. Isso seria mais um sinal de que falta conversa entre esses elos fundamentais da cadeia? Por isso, reitero mais uma vez o convite ao debate entre todos os players - para que possamos caminhar em busca de respostas que ajudem a desenvolver o setor, o que é o compromisso da IT Mídia. Também nesta edição, você saberá um pouco mais sobre a vida de uma das grandes personalidades do setor: Claudio Lottemberg. Trazemos, ainda, a visão de um estrangeiro em terras brasileiras, que está no comando de um dos tradicionais hospitais paulistanos Lawrence Meagher, o Larry como gosta de ser chamado, do Hospital Santa Catarina. Boa leitura!

Maria Carolina Buriti Editora de Saúde 4

lay_editorial.indd 4

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

07/06/13 09:41


AF_anuncio_FH_Junho_266x310mm.pdf

1

6/6/13

10:47 AM

PARA O DR. MARCELO, INDISPENSÁVEL É TER FACILIDADE NA GESTÃO.

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Dr. Marcelo Medeiros

Diretor Institucional Grupo Saúde Bandeirantes

O Grupo Saúde Bandeirantes (SP) utiliza as soluções MV para automatizar o fluxo de informações entre os setores e integrar todos os processos de trabalho dos hospitais Bandeirantes e Le Forte. Para o Dr. Marcelo Medeiros, contar com as soluções MV desde 1999 tem facilitado a gestão dos hospitais, proporcionado informações confiáveis para tomadas de decisão, maiores ganhos financeiros e a certeza de que a parceria com a MV foi a escolha certa. Indispensável é ter mais eficiência na gestão de saúde.

/comunidademv

Untitled-2 1

06/06/13 11:44


FH | CONEXÃO SAÚDE WEB

CURTAS

Você sabia? Toda vez que você ver estes ícones pode acessar nosso portal e consultar fotos e vídeos

www.saudeweb.com.br

EXPANSÃO

Os Institutos de Traumatologia e de Medicina do Esporte do Hospital Mãe de Deus inauguraram as novas áreas de atendimento, com novos serviços e expansão dos já existentes

O Hospital Samaritano de São Paulo acaba de lançar o Núcleo de Urologia, o sexto inaugurado - parte da estratégia de criar centros especializados, para garantir atendimento integrado

Regulamentação

Félix Albuquerque Drummond, médico responsável pelo Instituto Mae de Deus, ao lado de Dunga Foto: Divulgação

A ANS amplia rol de procedimentos obrigatórios a serem ofertados pelos planos de saúde a partir de janeiro de 2014. O rol inclui 80 procedimentos médicos e odontológicos, entre medicamentos, exames, cirurgias e terapias

VAI E VEM

lay_online.indd 6

O administrador de empresas e advogado Marcelo Lacerda é o novo Presidente do Conselho Deliberativo da entidade, do qual é membro há dois anos. O corpo executivo do Hospital também conta com novidade: a criação da Superintendência Médica, que será liderada por Mauro Medeiros Borges.

MV contrata radiologista Marcello Niek

Foto: Divulgação

Alemão Oswaldo Cruz tem novos presidente do Conselho e superintendência médica

Foto: Divulgação

6

A ANS lançou o Guia Prático da Contratualização voltado para prestadores de serviços em saúde e operadoras. O Guia reúne informações sobre normas que regem esta relação

Com formação técnica e experiência prévia em desenvolvimento de sistemas, Niek passa a integrar a estratégia da empresa em ampliar o diálogo com os clientes

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

07/06/13 11:00


anuncio_26,6x31_brasanitas_hospitalar_junho_ALTA.pdf

1

6/4/13

7:22 PM

ONDE TEM BRASANITAS HOSPITALAR, TEM SERVIÇOS DE ALTA QUALIDADE.

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Não é por acaso que a Brasanitas Hospitalar é líder em higienização no segmento de saúde. Com mais de 30 anos de atuação e mais de 300 estabelecimentos atendidos, aliamos experiência, tecnologia e inovação para garantir os melhores serviços, com processos estruturados que resultam em mais qualidade e segurança. Por isso, ganhamos 6 vezes o Prêmio Top Hospitalar. Conte sempre com a nossa a nossa expertise. GRUPO BRASANITAS. NOSSA VIDA É FACILITAR A SUA.

/grupo.brasanitas

HIGIENIZAÇÃO GERENCIAMENTO HOSPITALAR DE LEITOS

MANUTENÇÃO PREDIAL

GESTÃO DE ROUPARIA

CONTROLE DE PRAGAS

/grupobrasanitas

0800 702 7714

www.grupobrasanitas.com.br

Untitled-1 1

06/06/13 10:18


FH | CONEXÃO SAÚDE WEB

CURTAS

www.saudeweb.com.br

TECNOLOGIA

George Schahin com ministra de comércio da Dinamarca, Pia Olsen Dyhr, no Instituto de Oncologia

A Unimed-BH adotou um software de agendamento online, desenvolvido pela empresa mineira Suporte Informática, e, desde a implantação em 2011, a avaliação dos clientes da operadora sobre atendimento segue melhorando

O hospital Santa Paula é o primeiro cliente da dinamarquesa Daintel - desenvolvedora de software específico para unidades intensivas e centros cirúrgicos - que promete eliminar todos os processos manuais por médicos e anestesiologistas

Em sua segunda edição, o estudo Antes da TI, a estratégia na Saúde está em campo com a missão de elaborar um índice da maturidade da TI na saúde brasileira. Participe e obtenha o relatório com os dados do Estudo 2012 Acesse: http://migre.me/etANO

Axismed tem nova gerente de Marketing e Unidade de Negócios

A publicitária Cristiane Villar Ramos da Silva assumiu o cargo da empresa que integra a área de eHealth da Telefônica Digital. A contratação é parte do projeto de disseminar no Brasil o conceito de gestão de saúde populacional

8

lay_online.indd 8

Foto: Divulgação

VAI E VEM

O PatientsLikeMe, uma rede social que permite que pacientes compartilhem informações de saúde, desenvolve plataforma de pesquisa para que os pesquisadores testem novos métodos para medirem os resultados dos pacientes

Novos cargos para André Gall e Nélisson do Espírito Santo

Leandro Tavares assume diretoria da ANS

Nélisson do Espírito Santo antigo diretor executivo do Hospital São José – assume a diretoria executiva da Casa de Saúde São José (CSSJ) no lugar de André Gall, que está na diretoria corporativa jurídica da Associação Congregação de Santa Catarina

A próxima etapa para recondução à ANS, onde ocupou o cargo de Diretor de Normas e Habilitação das Operadoras no período de 2009 a 2011, é a aprovação de seu nome no plenário do Senado e, em seguida, pela Presidente da República

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

10/06/13 09:35


Integrando o Sistema de Saúde Hospitais e Sistemas de Saúde enfrentam todos os dias a complexidade, o risco de erros humanos e buscam melhorar a eficiência no atendimento ao paciente.

A Cerner oferece um conjunto unificado de soluções digitais de capacidade comprovada para agilizar o gerenciamento, diminuir gastos e aprimorar a segurança dos pacientes.

A Líder Global em Saúde, agora no Brasil.

As soluções da Cerner® permitem que médicos, corpo de enfermagem e outros usuários autorizados compartilhem dados e agilizem os processos de uma instituição. As informações atualizadas do paciente são exibidas em tempo real em um “prontuário clínico digital”, com as ferramentas adequadas para ajudar médicos e enfermeiros a tomar decisões. Os campos simples de preencher permitem emitir prescrições, documentação e faturamento de forma rápida e precisa.

Para conhecer mais, acesse www.cerner.com.br

Cerner Brasil / Av. das Nações Unidas 14171, 15º andar - Morumbi, São Paulo, 04794-000/ www.cerner.com.br

Untitled-1 1

06/06/13 10:20


FH | conexão saúde web

números

R$ 1,9 bilhão

para a Copa e Olimpíadas Investimento foi anunciado pelo Ministério da saúde para atender a demanda dos grandes eventos de massa que o país irá receber nos próximos anos

resistência aos registros eletrônicos de saúde, segundo Delloitte

7 73% os médicos acreditam que a TI de saúde ajuda a melhorar a qualidade dos cuidados no longo prazo. Médicos mais jovens e os que trabalham em grandes clínicas foram mais propensos a dizer isso 71% dos médicos acreditam que a promessa da TI de reduzir gastos na saúde está inflada e que a tecnologia irá aumentar e não cortar os gastos. esta posição foi assumida com mais abrangência entre os médicos que trabalham sozinhos e aqueles empregados por clínicas que não pertencem às organizações de cuidado responsável 1/3 dos médicos se comunicam com pacientes via e-mail ou mensagens de texto 15% dos médicos utilizam a telemedicina para acompanhamento ou diagnósticos de pacientes 14% dos entrevistados permitem que os pacientes agendem consultas e acessem resultados de exames e registros médicos por dispositivos móveis seis em cada dez médicos não utilizam tecnologias móveis de saúde – tablets ou smartphones – para fins clínicos

Dentre os que não utilizam tecnologias móveis 44% atribuem a relutância à falta de cooperação no ambiente de trabalho 29% atribuem à preocupação com a privacidade dos pacientes 26% à ausência de programas e aplicativos apropriados.

*Fonte: Delloitte com cerca de 500 médicos escolhidos aleatoriamente no Masterfile da Associação Médica Americana (AMA)

10

lay_online.indd 10

medicamentos com imposto zero

sete medicamentos utilizados no sus tiveram o imposto de importação zerado. Para artrite reumatoide: abatacepte, cetolizumabe Pegol e Golimumabe; hepatite c: Telaprevir e boceprevir; Infecção respiratória: Palivizumabe e hemofílicos: hemoderivado Fator 8

Feira Hospitalar:

90 mil visitas

a Feira hospitalar, maior evento de saúde das américas, registrou um total de 90 mil visitas profissionais. Visitantes de 72 países foram conhecer as novidades apresentadas por 1.250 empresas

R$ 14,7demil bônus a secretaria de estado da saúde de são Paulo define critérios utilizados para liberação do PPM (Prêmio de Produtividade Médica) para os médicos da Pasta. os valores serão pago nos meses de junho e dezembro de cada ano

junho 2013 revistafh.com.br

07/06/13 11:00


BIOCOR INSTITUTO - NOSSA META É A SUA SATISFAÇÃO BIOCOR INSTITUTO QUALIDADE, COMPETÊNCIA E ACOLHIMENTO acreditado pelas normas ISO’s 9001 (qualidade), 14001 (meio ambiente) e 27001 (segurança da informação); OHSAS 18001 (saúde e segurança ocupacional); ONA Nível III (acreditação máxima com excelência); QSP 31000 (baseada na ISO 31000 – gestão de riscos); NIAHO (acreditação internacional norte-americana) e FNQ (padrões de excelência), certificação de conformidade a 100% dos requisitos legais, além de diversos prêmios nacionais e internacionais.

A VIDA COMO COMPROMISSO MAIOR!

A VIDA COMO VALOR MAIOR ALAMEDA DA SERRA, 217 - VILA DA SERRA - NOVA LIMA - MG

FONE: (31) 3289 5000 - WWW.BIOCOR.COM.BR

Untitled-4 1

06/06/13 18:26


FH | CONEXÃO SAÚDE WEB

MULTIMÍDIA

BLOGS

Leia e discuta com nossos colaboradores os assuntos mais quentes do mês: www.saudeweb.com.br/blogs

00:00

00:00

PLAY

FULLSCREEN

00:00

MUTE

00:00

PLAY

FULLSCREEN

MUTE

O CONCEITO E-SAÚDE EM DEBATE Iniciativas começam a aparecer para viabilizar o trânsito de informações do paciente entre público e privado. O IT Mídia Debate expôs essa necessidade. Confira alguns trechos Veja: http://migre.me/eTMWj ACESSO A MEDICAMENTOS X ALTOS CUSTOS Como promover o acesso a medicamentos com uma carga tributária de quase 34%? As iniciativas em andamento e outras alternativas a fim de equilibrar tal situação foi a proposta do IT Mídia Debate de maio Veja: http://migre.me/eTMYC COMO IMAGENS GERAM LAÇOS AFETIVOS ENTRE PACIENTES E PROFISSIONAIS? Veja: http://migre.me/eTN0U

SAÚDE CORPORATIVA Alberto Ogata Câncer de mama e colo do útero. Temos que reverter este quadro São traçados alguns apontamentos para que a saúde privada e pública sejam aliadas em prol do combate a essas doenças SUPRIMENTOS HOSPITALARES Ronie Reyes Gestão de OPME’s – Capítulo II – A Austeridade “A aplicação de protocolos restritivos ao fluxo de liberação de uso de OPME’s certamente reduziu as distorções dos processos. Por outro lado, conseguiu ser unânime na geração de um ambiente de descontentamento que até hoje fomenta uma relação hostil e rasa em termos de colaboração” FARMACOECONOMIA E ECONOMIA DA SAÚDE Stephen Stefani Vinagre, lâmpada e 70 mil vidas salvas Novo método de detecção do câncer de colo de útero através do vinagre (chamado de detecção visual), testado na Índia, tem resultados surpreendentes – estimativas apontam para potencial de mais de 70 mil vidas salvas a cada ano FITOMEDICAMENTOS – CIÊNCIA, ESTUDOS E DESCOBERTAS Luiz Pianowski Habeas corpus fitoterápico “Não é por ser natural que um produto pode ser considerado seguro, bem como o fato de ser sintético não o condena a ser um perigo mortal”

EU LEIO A FH

EU LEIO A FH PARA ME MANTER ATUALIZADO SOBRE AS INOVAÇÕES E MATÉRIAS INFORMATIVAS COM CONTEÚDO E CREDIBILIDADE SOBRE O SETOR SAÚDE. A FH ALÉM DE SER UMA REVISTA AGRADÁVEL DE LER, É UM DOS MAIS IMPORTANTES VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO PARA TODOS OS PROFISSIONAIS DA SAÚDE. George Schahin, presidente do Hospital Santa Paula

12

lay_online.indd 12

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

07/06/13 11:00


A LO c

Untitled-1 1

06/06/13 10:22


FH | pensadores

paulo silva Jr. | editorialsaude@.com.br

Todos no mesmo

barco

Pesquisa e resultado, Pesquisa e resultado. assim, com números e exemPlos do cenário dos estados unidos, Frederic Goldstein, ceo da care continuum alliance, levantou questões sobre a gestão da saúde PoPulacional que vão da adesão dos funcionários dentro de uma emPresa ao efetivo uso dos Programas na rotina das comPanhias

P

assando por casos pontuais como a obesidade nos eua até assuntos comuns ao brasil como a dificuldade da troca de informações frente a grande extensão territorial do País, goldstein falou por cerca de uma hora em são Paulo como principal atração de um fórum internacional promovido pela asap, aliança para a saúde Populacional . a entidade, que atua com soluções para a gestão da saúde de empresas, foi inspirada na própria care continuum alliance. veja os principais trechos da palestra:

14

lay_Entrevista.indd 14

JUnHo 2013 revistafh.com.br

06/06/13 18:18


perfil

QUeM

Goldstein é CEO da Care Continuum Alliance, principal entidade mundial em gestão de saúde populacional (GSP) e que inspirou a criação da Asap em setembro passado, a partir da preocupação de grandes empregadores brasileiros com os índices alarmantes de doenças crônicas no mundo corporativo. É um dos mais reconhecidos conferencistas do segmento e já participou de debates em câmaras legislativas de estados norte-americanos, para mudanças na legislação sobre saúde e assistência médica. o QUe FAZ

Mestre em Administração de Saúde pela Trinity University (San Antonio, Texas), presidiu duas grandes provedoras de soluções de GSP. Possui mais de 25 anos de experiência em gestão de cuidados de saúde, exercendo papel fundamental no engajamento de stakeholders em prol da saúde populacional.

GESTÃO DO INDIVÍDUO NAS EMPRESAS Você altera a população com uma pessoa de cada vez. se esquecer disso, o trabalho não vai ser feito. sabemos que somos ocupados, temos outras coisas a fazer na vida, então mudar esse comportamento é a chave. será que podemos mudar um grupo grande? será que conseguimos mostrar a mudança para esse grupo? Quando começamos a etapa inicial do mecanismo de gestão, avaliamos o que acontece em casa, que comida comem, se fazem exercícios e criamos um modelo para integrar tudo isso. Mas conseguimos mudar? a mudança pode ser psicológica, social, clínica, de qualidade de vida. e a partir daí temos de ser capazes de criar uma força de trabalho mais produtiva. Há estudos da organização Mundial de saúde (oMs) que dizem que a saúde do funcionário deva estar no ativo, porque uma empresa mais saudável deve ter um valor mais alto no mercado financeiro. o debate é esse nos eUa. A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE SAÚDE POPULACIONAL o custo médico representa 30% do que uma empresa gasta com saúde, enquanto os outros 70% estão na perda de produtividade, já que os empregados trabalham pior, faltam no serviço, vão trabalhar e não aguentam o dia completo. Uma empresa fez um estudo que viu que perdeu oito dias por ano por conta de problemas de saúde e que isso representou uma perda de Us$ 18 milhões no período, então ela quer implementar programas para ter uma empresa mais lucrativa. nos eUa, cada vez mais as empresas aceitam isso, de que o bem estar funciona e precisa estar colocado na rotina dos funcionários. nas empresas pequenas você tende a ter programas menos desenvolvidos, enquanto as maiores têm gestão populacional completa.

Foto: Divulgação

15

lay_Entrevista.indd 15

06/06/13 18:18


FH | pensadores

Foto: Divulgação

O CUSTO INDIVIDUAL nosso problema é o ônus das doenças, que é o que leva a gestão a custos cada vez mais altos. Temos 133 milhões de americanos com doenças crônicas e gastamos 75% do nosso orçamento de saúde com eles. a obesidade, por exemplo, é responsável por 27% do aumento de custo; outros 79 milhões de americanos têm um estado de pré-diabetes, sendo que menos de 10% sabem. pegando esse exemplo, eu lembro que meu avô tinha diabete tipo 2 e agora temos crianças de 10 anos com isso, imagine o custo da vida desse indivíduo? e vai sobrar para o empregador, já que quando essa criança chegar aos 21 anos e for trabalhar, vai ser problemático para o contratador. e não podemos culpar os nossos pais, não é genético, isso é estilo de vida. olha, 51% do fator de mortalidade é estilo de vida, e temos de ajudar essas pessoas a ter uma vida mais saudável. sabemos que 80% das doenças cardíacas assim como 40% dos cânceres são preveníveis se pararmos de fumar, se passarmos a comer direito e se fizermos exercício físico. se é difícil mudar o comportamento e o que as pessoas estão fazendo, pelo menos é uma boa notícia sabermos que, com mudanças de rotina, podemos alterar o cenário. RECOMPENSAS se queremos recompensar as pessoas devemos recompensar os saudáveis por permanecerem saudáveis também. porque assim terá de ser uma avaliação constante, já que no começo de um programa todo mundo entra na academia em janeiro e quando chega março está apenas pagando, sem frequentar. RESULTADOS a questão que deve ser reconhecida é que para ver os resultados

16

lay_Entrevista.indd 16

se É dIFÍCIL mUdAR o ComPoRTAmenTo e o QUe As PessoAs esTÃo FAZendo, PeLo menos É UmA BoA noTÍCIA sABeRmos QUe, Com mUdAnÇAs de RoTInA, Podemos ALTeRAR o CenÁRIo você precisa focar não só nos resultados sobre os doentes, mas sim os que engajam os indivíduos. Temos uma pesquisa nos eUa que mostra que o programa pode ser fantástico, mas só 15% das pessoas o atendem; então às vezes você tem um programa mais amplo que atende 60% das pessoas e pode te dar resultados também.

também de usar melhor nosso tempo. o que eu vejo de bom são os pequenos tempos livres que temos durante o dia. se você receber no celular a notícia que a glicose do seu sangue está alta e o que você pode ou não comer, de repente você vê a mensagem na fila do supermercado e já toma uma atitude.

TECNOLOGIAS as crianças hoje não respondem mais ao telefone, mas mandam torpedo, e isso está mudando o comportamento das pessoas. elas olham para o celular 50 vezes por dia, então isso muda o comportamento no consumo. É preciso entender como aplicar a mudança para outras indústrias. portanto, precisamos de sistemas novos, olhar fora do sistema. estamos atrasados em ver como compartilhamos os cadastros clínicos, por exemplo, e precisamos ser mais atentos às tecnologias inovadoras. Temos

ROTATIVIDADE a empresa poderia pensar: por que vou investir nesse empregado se mais tarde ele vai sair daqui? Temos de ter uma mudança na sociedade de dar valor à saúde de todos porque estamos no mesmo barco. não importa no final do dia se ele sai da empresa ou não. Mas a empresa tem de fazer isso apostando que o empregado é um ativo importante e que companhias como essas atraem novos funcionários porque eles querem estar em lugares como esse. eu escutei isso de

JUnHo 2013 revistafh.com.br

06/06/13 18:18


uma montadora de carros: colocaram uma planta num lugar e depois de dois anos falaram que se soubessem dos problemas de saúde naquele lugar, não teriam colocado a fábrica lá. então, se você pode criar um lugar legal para trabalhar, mais fábricas vão chegar ali. OBESIDADE É incrível, mas não há nenhum estado que tenha menos de 20% de obesos, com alguns batendo 35% até. [Mostra uma foto de um homem dentro de um carro e um cachorro acompanhando o veículo] essa pessoa está levando o cachorro para passear de carro, aí você já pensa que ela é preguiçosa, que ela não tem ideia do que é saúde, mas você vê calçadas nesta via? não tem calçada! será que há um local para caminhar adequadamente com segurança? então há outras coisas que temos de considerar e isso vai além da abordagem médica. ainda sobre a obesidade eu escutei falar de empresas que estão dizendo que vão ficar de olho nas condições de quem vão contratar. não sei direito o que pode ser feito porque é contra lei [não contratar alguém por estar fora do peso]. em relação aos programas temos grupos de caminhada e cantinas que estão mudando a alimentação. Há também empresas que estão evitando que os funcionários fiquem sentados. Há estudos que dizem que passar o dia todo sentado é pior que fumar, então estão fazendo com que você saia do escritório. FUMANTES Temos tido uma mudança cultural na sociedade em relação a isso. Já é proibido nos locais de trabalho e às vezes até fora dos prédios também. Já estamos tendo hospitais nos eUa que não contratam mais fumantes.

Temos de TeR UmA mUdAnÇA nA soCIedAde de dAR VALoR À sAÚde de Todos PoRQUe esTAmos no mesmo BARCo. nÃo ImPoRTA no FInAL do dIA se eLe sAI dA emPResA oU nÃo. mAs A emPResA Tem de FAZeR Isso APosTAndo QUe o emPReGAdo É Um ATIVo ImPoRTAnTe

EXEMPLO DOS EUA a pessoa paga Us$ 100 por mês para o provedor e ele tem de gerenciar isso. o que nós queremos garantir é que as rodagens de pagamento sejam estabelecidas e incluam a saúde populacional. Também estamos interessados no papel e no valor para tecnologia para a saúde: quando a nova tecnologia de informação chega, quando o telefone móvel domina o mundo, quando mais pessoas no mundo têm acesso ao telefone celular que à água corrente ou à escova de dentes. Vamos então nos comunicar com essa tecnologia ligados à nuvem. Queremos agregar o valor do bem estar para a gestão de saúde populacional. PERFIL DAS POPULAÇÕES NOS EUA Um balanço de 2012 da employer Health Benefits survey mostrou que 77% das empresas nos eUa oferecem gestão do estilo de vida aos funcionários, 76% oferecem vacinas, 55% promovem programas com exercícios físicos, 44% têm serviços de enfermagem e 21% estão trabalhando em cima de uma alimentação saudável. existem um grande movimento nos eUa para que as empresas tirem aquelas máquinas de fast food das companhias. Temos um exemplo de uma empresa que colocou um prato com hambúrguer e batata frita por Us$ 10 enquanto as saladas custam apenas Us$ 1. Já é um incentivo. DIMENSÕES DO PAÍS assim como no Brasil, os estados Unidos têm de apresentar exemplos de como resolver os problemas de tamanho geográfico. na cidade você tem vários hospitais que atraem pessoas, mas tem gente em comunidades muito distantes que não chegam aos hospitais. nos eUa já temos uma

telemedicina avançada com a capacidade de ter o resultado no laboratório sobre exames feitos à distância. acredito que vamos ter essas respostas com a base sólida de um sistema telemédico. se você tenta alavancar isso para melhorar a saúde do indivíduo não precisa que os médicos estejam necessariamente presentes. os smartphones são fantásticos e você pode fazer muita coisa com eles, como os programas na Ásia e na África que já funcionam com torpedos e você pode resolve as coisas à distância. INCLUSÃO Com a reforma da saúde veremos 30 milhões de pessoas de baixa renda que não tinham seguro médico entrar nesta gestão pelo governo. nós então ajudamos as empresas a gerar pesquisa e dar valor aos programas, ver se funcionou, provar que você pode ver mudanças, e reunir grupos para discutir a gestão como hoje. A CARE CONTINUUM ALLIANCE É a única organização do setor de saúde populacional dos estados Unidos, e nosso principal enfoque é na pesquisa, defendendo a disseminação de informação. Queremos garantir que vamos explicar às empresas e aos governos o valor da saúde populacional. Todo mundo está falando disso nos estados Unidos, nem sempre da mesma maneira, claro, mas muita gente vê isso como a solução para a crise que enfrentamos. avaliamos desde indivíduos saudáveis até complexos, e isso não pode ser apenas uma gestão de doenças crônicas. nossos membros são de várias áreas: planos de saúde, gestão, tecnologia, consultores, intermediários e até grupos internacionais como a asap.

17

lay_Entrevista.indd 17

06/06/13 18:18


em depoimento a Thaia duó

FH | personalidades

o presidenTe do hospiTal alberT einsTein e ofTalmologisTa, Claudio luiz loTTemberg, enxerga Como possibilidade a volTa a um Cargo políTiCo; aCrediTa que a relação enTre fé e mediCina é essenCial e vê de longe que o CapiTal esTrangeiro em hospiTais deve ser muiTo bem regulamenTado para não Trazer danos à soCiedade brasileira

18

lay_personalidades.indd 18

Médico oftalmologista e presidente de um dos maiores hospitais brasileiros. Considero-me um homem de visão, pois ... consegui enxergar, ainda jovem, que justiça social se faz não somente por meio de leis, mas sobretudo, com senso de solidariedade e respeito ao próximo. Hoje, os gestores devem enxergar o problema de recursos na saúde brasileira como... uma necessidade maior que o valor financeiro. Saúde não se faz só com dinheiro. Saúde se faz com envolvimento das pessoas, com compromisso de quem a presta e de quem dela necessita. Saúde não é um direito somente, saúde é um dever. Defendo o modelo de gestão compartilhada entre SUS e saúde privada porque... o primeiro, em tese, deveria financiar e atribuir regras regulando e auditando e, o segundo, com competência e instrumentalizado, deveria ser responsabilizado pela prestação da assistência propriamente dita. A saúde na sua assistência exige mudanças rápidas, e sobretudo, eficiência e efetividade e, para tal, o sistema público por força de sua organização regulada não consegue fazer as entregas necessárias. Mas o grande desafio deste modelo ainda é... o enfrentamento da visão político partidária. Para liderar uma organização como o Einstein é preciso pensar o hospital como empresa quando... se trata de gestão de processos, mas com sentimento profundamente humanizado, por se tratar de uma organização de saúde. Um hospital exige treinamento humano, aporte tecnológico, mas sobretudo, eficiência na utilização destes recursos. Mas o hospital deve ser visto como uma organização diferente de uma empresa qualquer porque... um erro, um equívoco, pode representar a perda de uma vida. O conceito erro zero, mesmo que distante do imaginário, deve ser uma obsessão num cenário hospitalar. Investimento de capital estrangeiro em hospitais brasileiros é ... tratado de maneira imprópria. Não sou contra e nem a favor, mas sou contra a forma como o capital estrangeiro se insere na mecânica mercantilista da economia. Especulativo por natureza, ele pode trazer, se não bem regulado, danos sérios junto a sociedade brasileira. Como ex- secretário de saúde da cidade de São Paulo, a visão de saúde pública me ajudou a... entender que a divisão entre o público e o privado, a rigor, não deveria existir. Da sinergia entre eles, o benefício ao cidadão seria enorme. Aprendi ainda que o funcionalismo público é de ótima qualidade e a sua motivação é pouca, posto que as turbulências políticas só agregam valor compensatório e não valor estruturante. Voltar a um cargo político é... uma possibilidade que pode ocorrer. O exercício da solidariedade não se faz só por meio da vida política e nas estruturas de Estado, mas em algum momento pode acontecer nesta vertente.

junho 2013 revistafh.com.br

07/06/13 11:27


Para mim, a relação entre fé e medicina é... essencial. Ligamos a fé ao sentido religioso e ela, dentro da visão da crença, pode existir também fora da religião. A medicina integrativa, hoje regulamentada junto ao SUS, impõe uma revisão da sociedade sobre a questão. Mesmo com a rotina atribulada: presidência de um dos maiores hospitais da América Latina, direção da Lotten Eyes, entrevistas, palestras, não deixo a medicina e a rotina de consultas e cirurgias porque... para fazer o que faço, o maior estímulo é o paciente. O fato de estar próximo a ele traz coerência a todos os meus movimentos e às minhas atitudes. Acredito que a distância dos pacientes nos torna menos sensíveis às suas causas. DICAS

Uma viagem:

Um livro:

Caim e Abel, de Jeffrey Archer Um filme:

A negociação, de Nicholas Jarecki

Foto: Ricardo Benichio

na adolescência, estudando em Israel

Ainda conseguir tempo para ser pai de cinco filhos é... uma benção. Devo a eles meu tempo e quando penso que deveria dar a todos maior suporte, é justamente deles que recebo mais. Nunca achei que o tempo fosse medido pelos minutos e que as pessoas fossem contadas pelos números. Não sei ser pela metade, sou ou não sou.

19

lay_personalidades.indd 19

07/06/13 11:27


EM TODO SISTEMA, EXISTE UMA REFERÊNCIA E NO SETOR DA SAÚDE, ESSA REFERÊNCIA PODE SER A GESTÃO DA SUA INSTITUIÇÃO.

Campanha Referencias da saude 2013_dupla.indd 2

06/06/13 11:34


Contribua para o crescimento e desenvolvimento do setor participando da 3ª edição do Referências da Saúde, estudo realizado pela IT Mídia com apoio da PwC, que retrata o grau de maturidade de gestão de negócios entre hospitais de qualquer natureza, operadoras, centros de medicina diagnóstica e de home care. Escolha a sua categoria e mande seu case. Suas boas práticas podem direcionar o mercado de saúde brasileiro. Saiba mais: www.saudeweb.com.br/estudos (11) 3823-6675 / 6700 referenciasdasaude@itmidia.com.br Apoio:

Campanha Referencias da saude 2013_dupla.indd 3

Anúncios / patrocínios: comercialsaude@itmidia.com.br (11) 3823-6695

Realização:

10/06/13 09:04


FH | hoSpitAL

A missão de deixAr As contAs do HospitAl sAntA cAtArinA (Hsc) superAvitáriAs, AindA este Ano, foi dAdA Ao experiente norte-AmericAno Larry Meagher. vejA por onde o executivo decidiu começAr Verena Souza | vsouza@itmidia.com.br

22

Lay_Hospital.indd 22

na gestão de instituições sem fins lucrativos como é o caso do Saint Mary hospital, em Connecticut (EuA), do Baylor university Medical Center, em Dallas (EuA), do complexo American British Cowdray (ABC), no México, entre muitos outros. Eficiência Munido pela respeitada trajetória, Meagher encara com entusiasmo sua meta de - grosso modo - tirar o hSC do vermelho, situação esta que há dois anos abala a sustentabilidade do grupo de 30 entidades beneficentes. “no margin, no mission” (sem margem, sem missão), repete seu preceito rumo ao superávit, que deve ser sustentado pelo tripé: qualidade, segurança e pessoas, como faz questão de enfatizar ao longo da conversa. Apesar de não divulgar o déficit, ele revela que 2013 começou com um corte entre 5% a 10% no orçamento e reestru-

Foto: Ricardo Benichio

B

em longe de casa - mais precisamente da tranquila ilha St. Simons, na costa da Georgia (EuA)-, de sua mulher e também dos cinco filhos, o norte-americano Larry Meagher, acostumado com negócios desafiadores, veio trazer ao Brasil seu conhecimento, de mais de 40 anos, sobre a área hospitalar. há oito meses, o bem-humorado “gringo” aceitou o convite do amigo josé Luiz Bichuetti, superintendente da Associação Congregação de Santa Catarina, para assumir a diretoria executiva do hospital Santa Catarina (hSC), principal mantenedor da rede filantrópica, que possui atuação também em educação e assistência social. Antes dele, esteve Denilson de Santa Clara, como diretor interino, no lugar do Manoel navarro Borges, que deixou a instituição após 14 anos. Com um portunhol desenvolto, próprio de um americano que fez história no México e, agora, tenta falar português, Meagher carrega importantes experiências

junho 2013 revistafh.com.br

07/06/13 09:29


Santa Catarina Hospital sem fins lucrativos Fundação – 1906 Área construída 61.513 m² Corpo clínico aberto Acreditado pela Acreditação Canadense e ONA III Meagher, do Santa Catarina, prioriza as renegociações com operadoras a fim de estabelecer acordos “mais justos”

Leitos operacionais – 233 Leitos de UTI – 94 Médicos cadastrados – 7.332 Funcionário ativos – 2.227 Internações – 13.708 Receita Bruta – R$ 446,1 milhões Fonte: Observatório Associação nacional de hospitais privados (Anahp) 5/2013

turação em praticamente todas as áreas para que, dessa forma, a projeção de faturar R$ 480 milhões seja alcançada. Mexer na relação com as operadoras foi o aspecto prioritário para o executivo, que mantém conversas frequentes com a SulAmérica, Bradesco Saúde, Amil e unimed, donas de cerca de 60% da receita do hospital. “A conversa com as operadoras, hoje, é muito difícil no Brasil. novas propostas de compensação estão sendo discutidas”, conta o diretor, habituado com o modelo de pagamento por desempenho dos prestadores, comumente praticado nos EuA, e ainda uma promessa no Brasil. Mesmo sem defender nenhum novo modelo de remuneração em específico, Meagher acredita que ajustes nessa relação são necessários em prol da eficiência assistencial. Enquanto o projeto piloto de um modelo alternativo de pagamento entre hospitais e operadoras está sendo testado por um grupo coordenado pela Agência nacional de Saúde Suplementar (AnS), o executivo se concentra em “cortar gordura” das mais variadas áreas e respectivos processos para, no fim, reduzir o tempo médio de internação dos 4.4 dias para 3.4 dias. “Se conseguirmos reduzir em um dia, o que é um grande desafio, criaríamos aproximadamente 90 leitos, ou seja, mais vagas e menores pressões nos custos”, explica. Atualmente a entidade, localizada na Avenida paulista, região de grande concentração hospitalar da capital, opera com cerca de 85% de taxa de ocupação.

REcuRsos Humanos para resolver a difícil equação de reduzir custos e aumentar a qualidade e segurança, o novo diretor fez questão de escolher a dedo lideranças responsáveis pela condução do projeto. uma área de qualidade e segurança foi criada e a médica Camila Sardenberg nomeada como diretora para gerenciar indicadores, avaliar os sistemas e estruturas de trabalho, assim como promover a educação continuada. A diretoria administrativo-financeira foi desmembrada em três: operações, com Denilson de Santa Clara; Finanças, liderada por Ricardo Faggion; e planejamento, Emilio herrero Filho. “Faggion não vem do setor hospitalar, eu quis alguém com experiência múltipla, com talento, sem um olhar viciado”, conta Meagher. Além disso, importantes promoções para cargos de gerência no deparamento de enfermagem também foram essencias para a reestruturação, segundo Meagher. o comprometimento do time é consequência, segundo o americano, dos valores humanos da instituição, capitaneados pela diretora geral do hospital Santa Catarina, irmã Rute Redighieri, presente na entidade desde 1963. “A irmã assegura que façamos a “capela” uma vez por semana”, brinca, ressaltando a importância de uma governança corporativa aliada à sensibilidade das irmãs de Santa Catarina, fundadoras da Associação Congregação de Santa Catarina (ACSC) em 1906.

23

Lay_Hospital.indd 23

07/06/13 09:29


FH | OPERADORA

24

Lay_operadora.indd 24

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

07/06/13 09:50


FH | OPERADORA

24

Lay_operadora.indd 24

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

06/06/13 17:59


O

desconhecimento dos custos é de um amadorismo básico: não dá para gerenciar uma padaria sem saber quanto custa o seu pão.” Essa é uma das reflexões de Carlos Eduardo Figueiredo, responsável dentro da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), por liderar a implantação dos novos modelos de remuneração no setor. O movimento, que está a todo vapor com a recente definição sobre o projeto piloto, pretende melhorar a relação entre hospitais e operadoras a fim de reduzir custos administrativos e, por consequência, melhorar a gestão e a qualidade dos serviços prestados no atendimento à população. Dentro do cronograma já descrito pela agência, é hora de hospitais e operadoras iniciarem os testes, Hospital Albert Einstein com SulAmérica, Hospital Sírio-Libanês com Bradesco, entre outros. Com as datas definidas e um número crescente de companhias que vão aderindo ao projeto piloto – que tem duração prevista até o final de 2014, a expectativa agora é de que o setor possa quebrar alguns paradigmas para alavancar um novo momento no que diz respeito à gestão da informação que consta nesses processos. “Temos de aprimorar nosso serviço de informação. É a hora de nós entendermos todo esse processo. Eu fico aflito, às vezes me impressiona a velocidade que outros lugares conseguem implementar coisas deste tipo, mas não dá para a gente virar a chave de uma hora para outra. Temos de ter a consciência de criar um ambiente para isso, com uma base técnica forte”, analisa. O executivo afirmou ainda que, após o projeto piloto, a proposta da agência reguladora é que a adesão seja voluntária. Mas que as partes precisam se mobilizar para acelerar o processo e trocar experiências. “Eu digo com tranquilidade: não esperem o piloto. Levem essa discussão para a instituição de vocês e comecem a estudar, a olhar o cenário atual. Se a gente não se mexer, o cenário é pessimista. Se não mudarmos agora, pode morrer todo mundo abraçado, já que estamos num sistema muito caro sem trazer qualidade efetiva. Isso demanda relacionamento, demanda tempo, então comecem a avançar. É questão de sobrevivência”. A mudança fará com que a remuneração dos hospitais deixe de utilizar o formato de conta aberta por serviço, o conhecido fee-for-service -, que detalha cada item utilizado na internação do paciente. Ela também faz com que ambas as partes dediquem equipes para discutir e rever contas e patamares cobrados. A intenção da nova forma de negociação é unir, portanto, tudo que é comum e frequente aos atendimentos para que sejam cobrados de forma agrupada (serviços de enfermagem, administrativos e recursos físicos, de uma seringa a um quarto com suíte, por exemplo, colocados de forma conjunta). Dentro do grupo de trabalho montado pela ANS, a fase experimental é dividida em duas etapas: primeiro, a implementação do modelo de conta aberta aprimorada; depois, o teste do modelo de procedimentos gerenciados cirúrgicos. “Como se faz um pacote hoje? Pega a média dos preços de internação num procedimento, faz um ajuste, negocia um valor e fecha com a operadora. Agora, no procedimento gerenciado, é diferente: temos de partir primeiro dos critérios de elegibilidade do hospital, do corpo clínico. Todo esse novo modelo pretende remunerar por desempenho, por padronização, por ajuste de risco, por livre concorrência”, completou o representante da ANS.

CRONOGRAMA DO PROJETO PILOTO DO NOVO MODELO DE REMUNERAÇÃO Cada uma das aplicações passa pelas fases de: preparação de hospitais e operadoras; negociação dos valores entre as partes; capacitação das equipes; implantação do modelo em formato virtual; e monitoramento da ANS após a implantação. Etapa 1 - Modelo de conta aberta aprimorada – conjunto de diárias e taxas pré-definidas que são negociadas por um preço único que já considera todos os itens incluídos no procedimento – de maio de 2013 a agosto de 2014 Etapa 2 – Modelo de procedimentos gerenciados cirúrgicos – elenco de procedimentos que serão cobrados de forma integral, considerando os insumos e recursos necessários para tal execução – de agosto de 2013 a dezembro de 2014 Fonte: ANS

25

Lay_operadora.indd 25

06/06/13 17:59


EXEMPLO PORTUGUÊS Quando o assunto é modelo de remuneração, é difícil apontar um caminho que possa ser qualificado como ideal. Mas o conhecimento de algumas iniciativas pode ajudar na reflexão sobre o assunto. Em Portugal, por exemplo, há o Diagnosis Related Groups (Grupos de Diagnósticos Homogêneos), modelo conhecido mundialmente como DRG, que também pode ser chamado de GDH, na sigla em português. O DRG foi um modelo desenvolvido por Robert Fetter na Universidade de Yale, nos Estados Unidos, quando o engenheiro industrial se preocupou com a eficiência do setor da saúde. Quem conta é o ex-secretário de saúde do Ministério de Saúde de Portugal Óscar Gaspar. Segundo ele, Fetter ainda se atentou em criar um mecanismo que fosse funcional para todos os braços da estrutura de gestão: médicos, administradores e economistas. “Os DRGs são uma forma de classificar os doentes internados em grupos clinicamente coerentes e similares do ponto de vista do consumo de recursos. Cada grupo tem um peso relativo, um coeficiente que reflete no custo esperado deste doente típico deste DRG. E então o índice de case mix (ICM) de um hospital resulta de uma relação entre doentes equivalentes ponderados pelo peso relativo dos DRGs e o número total de doentes”, explica Gaspar. “A soma das altas ponderadas dividida pelo número total de altas chega ao índice case mix de cada hospital”, completa o ex-secretário de saúde de Portugal. Até 1980, o país financiava os hospitais por custo real, “o que era uma desgraça, porque todo ano subia”, comenta Gaspar. Entre 1981 e 1984, a gestão começou a ser feita no modelo americano com preços por especialidades e por atos clínicos, “mas não sabíamos o que pagávamos, não sabíamos que duas coisas em hospitais diferentes eram a mesma coisa”, diz. Foi então que os especialistas de Yale apresentaram uma proposta de apoio técnico, e entre 1987 e 1990 foi feito um plano para reformular o financiamento dos cuidados de saúde em Portugal, com grande investimento do Estado. A partir de 1990, há 23 anos, portanto, o país se utiliza dos DRGs. “Isso providenciou uma metodologia mais racional, aumentou a equidade da distribuição, passou a premiar quem faz mais e, em casos mais complexos, a estimular quem fazia menos, conseguiu controlar os custos sem prejuízo na qualidade do serviço – tinha gente que fazia treinamentos acima do necessário, por exemplo – e nos ajudou a criar uma auditoria nacional para analisar os procedimentos”, acrescentou o português.

Gaspar, ex secretario do governo português: modelo de DGR implantado ajudou a criar auditoria nacional

Foto: Divulgação

FH | OPERADORA

RAIO-X

SISTEMA DE SAÚDE EM PORTUGAL O sistema português é uma rede nacional de saúde universal, gratuita, e que oferece cobertura à população portuguesa em praticamente todas as patologias. Gaspar destaca que 85% dos leitos em Portugal pertencem ao Estado; que há dez anos o país começou a colocar em prática as parcerias público-privadas, com

26

Lay_operadora.indd 26

hospitais estatais feitos com investimento e gerenciamento privados em contratos de até 30 anos; e que os índices de satisfação da população são bastante relevantes, variando de um mínimo de 70% de aprovação no caso de urgências até 84% para cirurgias. De acordo com ele, a despesa pública com saúde

no país está abaixo da média da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e também é menor na relação com o total de gastos do Estado. “Ou seja, Portugal não põe dinheiro demais na saúde”, pontuou. E acrescentou que o País destina 4, 9% de seu PIB para o setor de saúde.

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

06/06/13 18:00


DRGS GRUPOS DE DIAGNÓSTICOS HOMOGÊNEOS (DRGS NA SIGLA EM INGLÊS) EM PORTUGAL Problemas – Nem sempre o doente leva o cartão do SNS (Sistema Nacional de Saúde), o que dificulta a codificação; a heterogeneidade dos sistemas de informação das instituições de saúde; a dificuldade dos hospitais em reportar as informações; não adequação de alguns ponderadores; uso da codificação como fonte de receita (podem dizer que o financiamento se dá por um bom codificador, um médico que faça isso bem feito consegue muitos recursos com atos clínicos, o que demanda uma boa auditoria); subfinanciamento dos hospitais (a base de recursos para a saúde em Portugal é baixa para ser distribuída). Virtudes – revolução no tratamento da informação em saúde; aumento dos cuidados (mostrar para os hospitais que não era preciso tanto internamento); redução de tempo de demora, camas de agudos e desperdícios; possibilidade de comparar instituições (como uma gasta mais se tem o mesmo grau de avaliação da equivalente?); pagamento mais explícito e transparente. Potenciais – maior ligação entre os cuidados a serem tomados; possibilidade de se classificar os gestores de saúde. Fonte: Óscar Gaspar, ex-membro do Ministério da Saúde português

MOMENTO BRASILEIRO Figueiredo, da ANS, explicou porque o Brasil não se arrisca no modelo dos DRGs, mas deixa aberta a possibilidade para um momento posterior à atual mudança de remuneração em andamento. “Vimos que pela característica do nosso país era melhor criar um modelo brasileiro. Seria muito difícil no sistema de saúde suplementar definir um modelo único que fosse alcançar todo esse grupo. Decidimos então aprimorar a informatização e desenvolver padrões para que em um futuro breve possamos evoluir pra grupos de diagnósticos homogêneos também”, disse. E enquanto o país vai se adequando a uma forma mais moderna de gestão, o diretor-presidente da Planisa, Afonso José de Matos, faz um alerta. “No nível de gestão tivemos progressos, mas na relação dos hospitais com a saúde suplementar tudo que fizemos foi piorar. As condições da relação há dez anos eram melhores que há cinco anos, que eram melhor que hoje. E, se não arrancarmos

logo com algum sinal de conquista, vai ser ainda pior daqui outros cinco”. A consultoria é uma das especialistas neste setor de gestão dos custos na área de saúde. E Matos, há 16 anos organizando o congresso realizado em São Paulo, complementou: “desde então é a mesma batalha, mas acho que agora, finalmente, se sinaliza uma luz”. O colega de Planisa, Sérgio Lopez Bento, que participou ativamente do grupo de trabalho que definiu o formato da nova remuneração, destacou ainda as duas vertentes a serem seguidas pelos agentes no país. “Temos de melhorar nosso sistema de informações e alinhar todo o corpo clínico nesta missão, o que é um grande desafio na gestão”. Por fim, questionado sobre cenário brasileiro, Gaspar deixou uma última mensagem. “O Brasil está em evolução e o que me parece é que o País tem consciência sobre os erros que não pode cometer e os riscos de uma suposta aceleração. Tem de haver paciência e, acima de tudo, motivação”, finalizou, admitindo o otimismo.

BRASIL A FORA No caso da Unimed em São Paulo, por exemplo, foram criadas ações educacionais para que a gestão se atente aos detalhamentos dos custos. Foi feita também a migração das margens de insumo para diárias e taxas e o início da implantação da ideia de procedimentos cirúrgicos gerenciados. “O projeto da Fesp (Federação das Unimeds do Estado de São Paulo) é de implementar nos nossos hospitais próprios as diretrizes da nova sistemática de remuneração”, completou a supervisora Rita Kaluf. A companhia teve um projeto aprovado em maio do ano passado, e lançou o piloto em julho. Na sequência, contratou a consultoria da Planisa para um auxílio nas adequações à nova remuneração, iniciando a primeira etapa, a da implementação da tabela compacta em 12 hospitais, em setembro de 2012. A fase seguinte, da migração de margens de insumos, se deu em outubro, com a capacitação de profissionais começando em março deste ano e ainda em andamento – deve durar seis meses. A última parte do projeto é a implantação dos procedimentos gerenciados cirúrgicos, prevista para começar neste mês de junho. “É um projeto muito grande e desafiador. Eu comentava no início que minha impressão era estar entrando numa caverna escura, mas hoje eu já consigo ver luz”, disse Rita.

Outro exemplo é o catarinense. O gerente de atenção à saúde da Federação das Unimeds de Santa Catarina, John Decker, explicou que hoje a rede local da operadora já atua com diária compactada (algo próximo da conta aberta aprimorada) com cerca de 50 códigos para diárias, taxas de serviço e uso de equipamentos. E também está sendo feito com os sete hospitais próprios no Estado um estudo de impacto dos insumos sobre a conta hospitalar. “O trabalho foi iniciado no meio do ano passado e é bastante pesado na coleta de dados. É uma dificuldade enorme, é até vergonhoso, mas infelizmente não temos as informações do jeito que gostaríamos de ter”, analisou. Ele disse ainda que a Unimed em Santa Catarina está desde janeiro com a migração de margem concretizada: “foi feita uma análise nos quatro primeiros meses do ano e o que vimos é que a variabilidade do custo total foi muito pequena. Então a migração do material para diárias e taxas foi muito bem feita, bem calculada, a ponto de não trazer impacto para quem financia nem para o hospital. Claro que são meses atípicos para procedimentos deste tipo (os do começo do ano), mas o estudo continua e o próximo passo é a transferência de medicamentos, este um pouco mais difícil”, completou.

*Debate ocorreu durante o XVIII Congresso Brasileiro de Gestão Financeira e Custos Hospitalares, parte do ADH2013 promovido pela Planisa, em maio, durante a Feira Hospitalar em São Paulo.

27

Lay_operadora.indd 27

06/06/13 18:00


FH | It MídIa debate

Muro

tributá Determinante para o sucesso no tratamento, os meDicamentos não estão ao alcance De toDos, seja pela quase integral exclusão no rol Da ans ou pela escassez De recursos Do paciente. para Discutir o assunto, a it míDia reuniu especialistas Do setor que apontaram que um Dos principais vilões Da falta De acesso é a questão tributária

28

junho 2013 revistafh.com.br

lay_panorama_Debate.indd 28

06/06/13 17:42


tário Por Milton Leal | editorialsaude@itmidia.com.br

ona rosa MarIa de jesus teM 65 anos, é aPosentada e vIve só. eLa sofre de uMa sérIe de ProbLeMas crônIcos de saúde característIcos da terceIra Idade e PrecIsa de MedIcaMentos de aLto custo. dos quase r$ 800 que ganha MensaLMente da PrevIdêncIa socIaL, MaIs da Metade eLa deIxa na farMácIa do seu baIrro. eLa só não gasta todo o seu Parco saLárIo coM reMédIos Porque consegue gratuItaMente aLguns dos MedIcaMentos PrescrItos Por seu MédIco junto ao PrograMa federaL de dIstrIbuIção gratuIta de reMédIos, o farMácIa PoPuLar.

29

lay_panorama_Debate.indd 29

06/06/13 17:42


FH | IT MÍDIA DEBATE

A indústria e a cadeia farmacêutica contêm inúmeros participantes. Ela (a cadeia) tem pleiteado junto ao Congresso a redução da carga tributária. Mas o esforço é muito grande. O trabalho é gigantesco Liebhardt, da Interfarma

Fotos: Ricardo Benichio

30

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

lay_panorama_Debate.indd 30

06/06/13 17:42


O caso Rosa Maria é um exemplo fictício. Mas na vida real, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ela personifica um dado alarmante: os gastos com a compra de medicamentos no Brasil correspondem a 48,6% da despesa média mensal com saúde das famílias. Nas famílias com menores rendimentos, como é o caso de Rosa Maria, o peso dos medicamentos chega a ser de 74,2% sobre o orçamento. No grupo de pessoas com maiores rendimentos, este percentual também é elevado e atinge 33,6% da renda familiar. O acesso a medicamentos no Brasil é um dos mais caros do mundo: ele está acima de 37 países integrantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e do grupo dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Diante da perspectiva iminente de que a população brasileira está em acelerado processo de envelhecimento, o assunto ganha a cada dia contornos urgentes em busca de soluções para a reversão deste quadro. Por esta razão, a IT Mídia convidou representantes do setor para discutir a relação entre a falta de acesso e o alto custo dos medicamentos. Estiveram presentes o professor e vice-coordenador do grupo de pesquisa Regulação Econômica e Estratégias Empresariais

da PUC-SP, Eduardo Perillo, o diretor de assuntos econômicos da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), Marcelo Liebhardt, e o diretor da Associação Brasileira das Empresas Operadoras de PBM (Programa de Benefício de Medicamento), Pierre Schindler. Para compor a mesa, a IT Mídia também quis ouvir a indústria farmacêutica e apesar de convidar alguns representantes, não obteve retorno positivo. GARGALO TRIBUTÁRIO Ao contrário da maioria absoluta dos países do mundo, no Brasil, mais de 70% dos medicamentos são comprados exclusivamente pela população, onerando fortemente a sociedade. As compras públicas, ainda que crescentes, correspondem a apenas cerca de 20% de tudo que é comercializado. Os planos e seguros de saúde, embora beneficiem quase 50 milhões de pessoas, de acordo com o último rol da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), obrigam as operadoras a ofertarem medicamentos em dois casos durante a internação hospitalar e na quimioterapia oncológica ambulatorial. Uma série de fatores contribui para o elevado preço dos remédios no Brasil. O principal e mais inexorável destes motivos é a carga tributária incidente sobre esses produtos, que no Brasil

chega em média a 33,9% do preço final do medicamento. Enquanto isso, a média mundial de tributos sobre remédios é de 6,3%. Há quem diga que o índice global de tributos e taxas que recaem sobre o tratamento completo de um doente se aproxima de 50%. Um trabalho realizado a pedido da Associação da Interfarma identificou 86 tributos e taxas ao longo de toda cadeia de produção dos remédios. Perillo, um dos organizadores do trabalho que culminou com a publicação do livro “Tributos e Medicamentos”, afirma que existem impostos invisíveis e que no final das contas, ninguém tem a menor ideia de quanto se paga de tributo na conta final hospitalar. “Eu imagino que não deve ficar muito abaixo dos 50%”, afirmou o especialista. Um dos impostos que mais pesa sobre o valor final dos medicamentos é o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). No Estado de São Paulo, por exemplo, esse imposto é de 18% e, no Rio de Janeiro, 19%. Os tributos federais PIS e Cofins participam com outros 12% sobre o preço final dos remédios e engrossam a lista dos principais vilões do alto custo dos medicamentos no Brasil. Liebhardt acredita que a guerra tributária envolvendo os Estados dificulta a discussão sobre a

31

lay_panorama_Debate.indd 31

06/06/13 17:42


FH | IT MÍDIA DEBATE

33,9% média no

Brasil a carga tributária incidente sobre esses produtos

6,3%

média no

Mundo a carga tributária incidente sobre esses produtos

estrutura tributária do ICMS. O executivo conta que a associação vem fazendo uma espécie de peregrinação junto aos governadores de Estado no sentido de incentivá-los a reduzir a carga tributária, a exemplo do que fez o governo do Paraná, que baixou o ICMS de 18% para 12% e viu como consequência dessa medida um aumento na arrecadação devido ao maior consumo por parte da população. Durante o debate, Liebhardt afirmou que a indústria farmacêutica tem todo interesse na desoneração tributária da cadeia de produção de medicamentos e que algumas iniciativas já foram realizadas para tentar desatar este nó. Segundo ele, há alguns anos, a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) conseguiu reunir 1,5 milhão de assinaturas que ratificavam o desejo de redução dos impostos e tributos sobre os remédios. “Isso foi levado ao governo, houve um aceno de que isso seria olhado com carinho, mas nada aconteceu”, contou o executivo. Uma nova tentativa de redução dos tributos está sendo alinhavada no âmbito político. Em abril deste ano, foi lançada na Câmara dos Deputados a Frente Parla-

mentar para a Desoneração dos Medicamentos. O presidente da frente, deputado Walter Ihoshi (PSD-SP), disse que o grupo foi montado para tentar isentar os medicamentos do elevado volume de que hoje incide sobre esses produtos e faz com que o consumidor seja um dos principais prejudicados. Segundo Ihoshi, a frente já conta com mais de 200 parlamentares entre deputados e senadores. Ele apontou que, apesar de existirem outras frentes militando na área da saúde no Congresso, o grupo terá foco na redução de impostos. Além da atuação em âmbito federal, o parlamentar afirmou que haverá frentes parlamentares estaduais para articular a desoneração dos medicamentos. “A frente é um espectro amplo dessa cadeia. A indústria e a cadeia farmacêutica contêm inúmeros participantes. Hoje, tem 80 mil farmácias no Brasil, centenas de distribuidores e centenas de fabricantes de medicamentos. Essa cadeia tem pleiteado junto ao Congresso a redução da carga tributária, mas o esforço é muito grande. O trabalho é gigantesco”, avaliou o representante da Interfarma.

O acesso a medicamentos no Brasil é um dos mais caros do mundo: ele está acima de 37 países integrantes da (OCDE) e do grupo dos Brics.

32

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

lay_panorama_Debate.indd 32

06/06/13 17:43


O governo precisa incentivar a operadora. Nos Estados Unidos, 80% da venda dos medicamentos passa pela dispensação das PBMs Schindler, da Associação Brasileira das Empresas Operadoras de PBM

Fotos: Ricardo Benichio

33

lay_panorama_Debate.indd 33

06/06/13 17:43


FH | IT Mテ好IA DEBATE

Nenhuma das trテェs instテ「ncias do governo quer desonerar. Esse テゥ o primeiro muro a transpor Perillo, da PUC-SP

Fotos: Ricardo Benichio

34

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

lay_panorama_Debate.indd 34

06/06/13 17:43


Para Perillo, um dos grandes entraves para a redução da carga tributária sobre medicamentos é a falta de vontade política. “Nenhuma das três instâncias do governo quer desonerar. Esse é o primeiro muro a transpor”, declarou. Na avaliação dele, a efetiva articulação da cadeia produtiva no sentido de pressionar e fazer lobby para a defesa desta bandeira junto ao Congresso Nacional “é um trabalho hercúleo”. “É uma articulação política complexa e dos diversos setores produtivos. Isso demora”, opinou. Perillo chama a atenção para o crescimento da arrecadação fiscal no período entre 2005 e 2011 como um dos argumentos que pode ser utilizado para convencer o governo a desonerar a cadeia produtiva de medicamentos. Com a redução da evasão fiscal, o governo viu sua eficácia e eficiência aumentar no recolhimento de tributos. “O governo foi capaz de recolher mais imposto devido e ficou mais barato recolher por causa da introdução de práticas eletrônicas de fiscalização. O governo se entupiu de receber impostos. Era lógico ter uma taxa elevada de tributos, porque havia grande evasão fiscal, mas agora a situação é outra, então, dá para baixar”, avaliou. Ele também destaca um curioso movimento de transferência de divisas dentro do próprio

governo, que ao exercer seu poder de compra de medicamentos em larga escala acaba transferindo recursos originários do Ministério da Saúde para o Ministério da Fazenda. “Parte do dinheiro passeia pelos sistemas fiscais. O governo, nos três níveis, não tinha a menor ideia da quantidade de imposto que eles próprios pagam”, explicou, ao se referir que o assunto foi elucidado no âmbito da administração pública, após a apresentação do estudo que deu origem ao livro sobre o sistema de tributação de remédios no Brasil. Países com sistema de saúde públicos parecidos com o brasileiro, como os casos do Reino Unido e Canadá, não tributam ou o fazem muito pouco sobre medicamentos prescritos. “Nós temos um sistema publico de saúde que tributa pesadamente os medicamentos, mesmo aqueles que são prescritos. Isso é uma alavanca importante na argumentação com o governo”, sustentou Perillo. ALTERNATIVA Uma das alternativas para se aumentar o acesso da população aos medicamentos seria a expansão do Programa de Benefício em Medicamentos (PBM) por parte das empresas privadas. O subsídio concedido pelos empregadores para a compra de remédios já beneficia 2,5 milhões de brasileiros.

Schindler, da Associação Brasileira das Empresas Operadoras de PBM, afirmou durante o debate, que uma pesquisa realizada com 130 empresas, que representam 15% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, apontou que somente 30% delas pagam remédios para seus funcionários. Segundo ele, 87% das empresas que ainda não aderiram à prática, bastante comum nos Estados Unidos, o fariam caso houvesse algum tipo de incentivo fiscal, como ocorre, por exemplo, com o Programa de Alimentação ao Trabalhador (PAT), que deixa as empresas abaterem parte do seu Imposto de Renda em troca do benefício. “Existem projetos no Congresso para se criar o Programa de Medicamento do Trabalhador”, contou Schindler. Para ele, outra saída seria os próprios planos de saúde começaram a cobrir os custos com medicamento. “O governo gostaria disso. A ANS tentou fazer isso nos últimos anos”, disse Schindler. Contudo, ele ressaltou que as operadoras relutaram em promover uma mudança compulsória porque o governo não oferece garantias à operadora de que ela poderá repassar o custo ao consumidor. “O governo precisa incentivar a operadora. Nos Estados Unidos, 80% da venda dos medicamentos passa pela dispensação das PBMs”, explicou o diretor da associação.

35

lay_panorama_Debate.indd 35

06/06/13 17:43


it mídia deBate a relacão entre a falta de acesso e o custo dos medicamentos

esse debate teve o oferecimento dos patrocinadores da comunidade de saúde: PREMIUM:

target:

ADVANCE:

Essencial para uma vida melhor

smart:

seja você também um patrocinador: comercialsaude@itmidia.com.Br - 11 3823-6695

Marketing fixa - IT Mídia Debates.indd 2

06/06/13 11:23


Saú d e B u S i n e S S S c h o o l o s m e l h o r e s C o n C e i t o s e p r át i C a s d e g e s tã o a p l i C a d o s À s a ú d e

2

M

Conteúdo:

lay_Business_School.indd 37

Ó

D

U

L

O

0

0

1

3

6

identifiCar talentos e lideranças é a estratégia para CresCer

06/06/13 18:13


FH | SAÚDE BUSINESS SCHOOL O PROJETO ENVOLVE OS SEGUINTES TEMAS: Módulo 1 - Fabian Salum A parceria para o crescimento sustentado e explicação sustentável. Módulo 2 - Mauricio Valadares A importância de uma análise de risco nas estratégias de crescimento das organizações.

Módulo 7 - Vincent Dubois A inteligência em força de vendas em mercados competitivos.

Módulo 3 - Marcos Carvalho A gestão estratégica apoiada em processos eficientes.

Módulo 8 - Hugo Tadeu A gestão de operações com foco na inovação de processos e serviços.

Módulo 4 - Felix Jr Objetivos estratégicas alicerçadas pelo entendimento de gestão de finanças e criação de valor para as organizações.

Módulo 9 - Marcelo Dias Como evitar erros em decisões que só um CEO pode tomar?

Módulo 5 - Acrísio Tavares A governança em TI, seu diferencial e apoio para o crescimento. Módulo 6 - Paulo Villamarim Identificar talentos e Lideranças é a estratégia para crescer.

Módulo 10 – Newton Garzon A gestão por resultados o equilíbrio entre curto e longo prazos. Módulo 11 - Véras Leitura de mercado e ações que evidenciem a proposta de valor das organizações. Módulo 12 - Pedro Lins Competitividade sustentável – o conceito Blue nas organizações.

IDENTIFICAR TALENTOS E LIDERANÇAS É A ESTRATÉGIA PARA CRESCER ANDERSON DE SOUZA SANT’ANNA PAULO ROBERTO VILLAMARIM GAMA

Em nenhuma outra época na história das organizações, as pessoas com suas competências e talentos foram tão valorizadas como atualmente. De fato, se há um ponto em relação ao qual poucos se opõem é que, com o intuito de fazerem frente às transformações do atual mundo dos negócios, as organizações têm, crescentemente, necessitado de indivíduos talentosos e competentes. Para os estudiosos no campo isso se dá na medida em que fontes tradicionais de vantagem competitiva, tais como tecnologia e mão-de-obra barata, não mais se revelam suficientes para prover uma posição competitiva sustentável. Como decorrência, os indivíduos e suas competências passam a ser enfatizados como elementos centrais de diferenciação estratégica. Alguns chegam mesmo a afirmar que as organizações que agora concorrem entre si por clientes e mercados, em escala jamais vista, têm sido levadas a competirem também pelo recurso elevado à categoria de o mais importante de todos: o talento humano.

38

lay_Business_School.indd 38

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

06/06/13 18:14


Se, por um lado, essa nova realidade traz à tona a importância da valorização do chamado capital intelectual e de se reconhecer a relevância das pessoas e seu desenvolvimento como fontes primordiais de vantagens competitivas sustentáveis; por outro lado, implica em novos desafios - e oportunidades - à gestão. Em particular, estimula aos líderes e gestores à construção de ambiências organizacionais - contextos capacitantes - em que os conhecimentos, habilidades e atitudes requeridas possam ser efetivamente mobilizados, constituindo-se como competências. Tais desafios se intensificam na medida em que as transformações em curso se fundamentam em processos de mudanças estruturais profundas, não somente em nível da dinâmica da economia e dos mercados,

mas também nas dimensões sociais, demográficas, culturais e organizacionais. De fato, em nenhum outro momento pronunciou-se, de forma tão intensa, possibilidades como a de quatro gerações conviverem, simultaneamente, em um mesmo ambiente de trabalho. Progressos da ciência ampliam, continuamente, a expectativa de vida da população, assim como propiciam melhoras sem precedentes nos campos da saúde e prevenção de doenças, possibilitando a extensão do tempo de permanência no mercado de trabalho. Aposentadoria, portanto, não mais significa “vestir o pijama”, mas a possiblidade de novas trajetórias de carreira, como consultores, empreendedores, mentores, tutores ou mesmo a permanência como profissionais das próprias organizações a que se vinculam. Como resultado, não raro, já se observa, em mesmos ambientes laborais, veteranos, baby-boomers, representantes das gerações X e Y, mobilizando distintos talentos e atributos de competência.

39

lay_Business_School.indd 39

06/06/13 18:14


SAÚDE BUSINESS BUSINESS

SBF 2013_2 Duplas.indd 2

04/06/13 15:48


AGORA, CONTEÚDO, RELACIONAMENTO E NEGÓCIOS GANHARÃO UM CENÁRIO AINDA MAIS BONITO.

SBF 2013_2 Duplas.indd 3

04/06/13 15:48


O SETOR DA SAÚDE PEDIU E A IT MÍDIA ATENDEU. SAÚDE BUSINESS FORUM DE VOLTA À ILHA DE COMANDATUBA - BAHIA

SBF 2013_2 Duplas.indd 4

04/06/13 15:49


SAÚDE BUSINESS BUSINESS

Integrando a cadeia de valor da Saúde

19 A 22 DE SETEMBRO DE 2013 HOTEL TRANSAMÉRICA - ILHA DE COMANDATUBA BAHIA

Tema: Programa de Crescimento Sustentado e Sustentável

Mais informações:

11 3823-6700 / 6675

saudebusinessforum@itmidia.com.br www.saudebusinessforum.com.br

SBF 2013_2 Duplas.indd 5

06/06/13 17:09


FH | saúde business school

Em decorrência, se há algo que deve chamar a atenção, esse elemento não diz respeito a uma “crise geracional”. Até porque gerações distintas - felizmente - sempre as tivemos e esperando continuar as tendo. note-se, por exemplo, a geração maio de 1968, os hippies, a geração Rock and Roll ou Coca-cola, muitos de seus representantes hoje ocupantes de importantes posições de liderança e gerenciais tanto em nível de organizações públicas, do terceiro setor e empresariais. Se há algo, então, a que se deve atentar - e com zelo - talvez diga respeito mais diretamente à gestão da diversidade. Para sermos mais precisos, das diversidades, no plural: cultural, sócio econômica, tecnológica, de gênero, geracional. Isso nos remete, de pronto, à necessidade de desconstrução de mitos que acabam por se proliferar no calor - ou melhor, na superfície - do debate. Primeiro, há que se estar atento quanto ao risco de se considerar uma dada geração como melhor ou pior que outras, esquecendo-se que, no fundo, o que se tem são pessoas com características, valores, crenças, atitudes e comportamentos que guardam diferenças entre si, derivadas dos distintos processos de socialização e contextos sociais, econômicos e culturais em que se desenvolveram. Superar tal mito pressupõe, em especial, a capacidade de a gestão, nos diversos níveis das organizações, focar não em estereótipos, mas em facilitar sinergias e complementariedades entre esses distintos grupos e perfis, cada qual com seu brilho próprio, seus saberes específicos e possibilidades únicas de contribuição. nessa diferença, comparativamente às gerações precedentes, a tão comentada geração Y, que tanto espaço ganhou na mídia mais recentemente, tende a se distinguir por ser menos conservadora quanto a aspectos como a lealdade à empresa e a fidelidade a uma profissão. Ao contrário, vivem no ritmo do mundo atual, esperando por oportunidades de desenvolvimento pessoal, reconhecimento e crescimento profissional à velocidade da

44

lay_Business_School.indd 44

internet banda larga. Por isso, esses jovens não se importam de mudar, continuamente, de empresa e de carreira, em busca da realização de seus objetivos e expectativas. Além disso, essa geração compreende profissionais que têm fascínio pela tecnologia, facilidade para desenvolverem vários projetos e atividades, de forma simultânea, e sentem-se bastante à vontade para questionar seus superiores hierárquicos. Também tendem, muitos deles, a não abrir mão da qualidade de vida, buscando maior equilíbrio entre vida profissional e pessoal. Eis, portanto, o desafio da gestão quanto a sinergizar tais características com as das demais gerações, transformando conhecimento, habilidades e atitudes específicas em competências, em entregas, em resultados organizacionais e sociais. Em segundo lugar, urge romper com visões que atribuem o status de talento apenas aos jovens entrantes de alto potencial, aos indivíduos que vêm do “mercado” e aos “dez por cento” que se encontram na cúpula das organizações. Cabe aos líderes e gestores, ao contrário, considerar que os talentos se encontram por toda a empresa. o grande desafio - e, por conseguinte, oportunidade - constitui, novamente, em como identificá-los e promover a construção de ambiências organizacionais em que os múltiplos talentos, muitas vezes anônimos e escondidos possam se manifestar. Sem dúvida, um outro grande desafio à liderança contemporânea. Relevante, nessa direção, é ampliar a noção de talentos por toda a empre-

junho 2013 revistafh.com.br

06/06/13 18:14


sa. Considerar que tanto veteranos, baby boomers, geração X, quanto os recém-chegados da geração Y têm sua parcela de contribuição na construção da missão da organização. não esperar dos mais jovens comportamentos e atitudes que somente a vivência e a maturidade podem proporcionar e, ao mesmo tempo, saber lidar com a energia, a impetuosidade, a “ousadia” que eles comumente aportam. Ademais, é significativo o fato de que nem sempre nos encontramos em mesmo estágio de ciclo de vida pessoal. Que aos vinte anos de idade tem-se comportamentos e atitudes que guardam diferenças daqueles comumente observados aos quarenta e aos cinquenta. Ao líder e ao gestor espera-se, uma vez mais, a competência em lidar com as diferenças. Tal discurso embora amplamente difundido e não raro banalizado, nem sempre se revela de fácil operacionalização, na práti-

ca. Afinal, durante anos, em vários setores, conviveu-se, no Brasil, com uma economia fechada, mercados protegidos, reduzida concorrência inter empresas, prevalecendo relações de trabalho em que a base do contrato psicológico empresa-empregado se sustentava, como já mencionado, na díade fidelidade-estabilidade. nesse contexto, a metáfora da “escada” constituía o modelo predominante de carreira, sob o lema do clássico: “do berço à aposentadoria”. Sob esse regime, mesmos profissionais, não raro com mesmas formações, oriundos de mesmas classes sociais, de mesmas universidades ou centros de formação, selecionados por disporem de mesmos perfis profissionais, galgavam posições estratégicas, sem grandes variações de estilo e comportamento, no decorrer de carreiras de ciclo longo. Repentinamente, no entanto, o país e a economia se abrem à concorrência. E, mais

contemporaneamente, vivencia-se um contexto de quase pleno emprego, com novas gerações rapidamente se inserindo e alçando posições de comando no mercado de trabalho. Soma-se a isso, a emergência de novos perfis sociais que atingem o mercado de consumo, uma ampliação no volume e natureza das formações - para além das opções clássicas: Direito, Medicina, Engenharia - que se ampliam e se tornam cada vez mais multidisiciplinares; os valores e a ética em relação ao trabalho se veem, igualmente, alterados. Concomitantemente, as carreiras se tornam cada vez mais “proteanas”. Como o deus Proteu alteram-se continuamente de forma; tornam-se mais “flexíveis”, “múltiplas”, em “zigue-zague” e com ciclos cada vez mais curtos. Resultado: os contratos psicológicos empresa-empregados alteram-se para relações do tipo empregabilidade-resultado. Da noção de “berço à aposentadoria”, para a máxima do nosso poeta:

45

lay_Business_School.indd 45

06/06/13 18:14


FH | saúde business school

“[...] que seja eterno, enquanto dure”. Assim sendo, as carreiras “modernas” se apresentam desenhadas mais pelo indivíduo, que pela organização, podendo ser redirecionada, de tempos em tempos, para atender às necessidades de seu ocupante. A transição do modelo tradicional para o modelo de carreira proteana não se dá, todavia, sem tensões e sua prática envolve dificuldades consideráveis, trazendo à tona novos desafios. Por exemplo, o de o indivíduo aprender a melhor administrar o equilíbrio entre vida profissional, familiar e pessoal, assim como lidar com novos valores e significados em relação ao trabalho e à carreira, essa ultima associada a seu projeto de vida, em sentido mais amplo. Em essência, a verdadeira revolução dessa perspectiva é levar as pessoas a se considerarem mais donas de suas próprias carreiras, a estarem no comando de seus próprios destinos. Em decorrência, concepções clássicas sobre comprometimento, carreira, satisfação no e com o trabalho, reconhecimento, atração e retenção, autoridade e estilo de liderança são

46

lay_Business_School.indd 46

colocadas sob judicie. Fórmulas tradicionais parecem não mais funcionar como dantes. Velhos mapas e manuais não mais parecem permitir uma leitura fidedigna da realidade. noções como “gestão de pessoas”, “gestão de gente”, “gestão do capital humano”, “gestão de talentos” passam, então, a ganhar espaço, comparativamente a de “administração de recursos humanos”. Gerir talentos pressupõe, todavia, ir além de mudanças nas denominações de áreas e diretorias. Implica revistar conceitos, crenças e concepções muitas vezes arraigadas e, não raro, inconscientes. Significa desenvolver novos estilos de liderança e gestão aptos à construção de contextos capacitantes que viabilizem às organizações atrair, desenvolver e, como resultado, estabelecer as condições que permitam a retenção das competências e talentos requeridos, assegurando o desempenho, desenvolvimento contínuo e sustentabilidade da organização. Implica, a partir de esforço contínuo e inspiração de suas lideranças, em rever políticas e práticas direcionados à gestão, em especial de seus elementos humanos. Finalmente, não se pode ignorar as possibilidades desse movimento em torno da gestão de talentos, em sentido mais amplo, em contribuir com resultados que venham a propiciar às organizações o desenvolvimento de projetos de mudança que as coloquem no real caminho da modernidade, considerando uma de suas dimensões centrais, porém, muitas vezes, ignorada: o elemento humano.

junho 2013 revistafh.com.br

06/06/13 18:14


Foto: Divulgação

Entrevista com o autor

AnDERSon DE SouZA SAnT’AnnA Pós-doutor em Teoria Psicanalítica pela universidade Federal do Rio de janeiro. Doutor em Administração pela universidade Federal de Minas Gerais. Professor, Gerente de Desenvolvimento e Coordenador do núcleo de Desenvolvimento de Liderança, da Fundação Dom Cabral.

01. Resumidamente quais seriam as principais orientações para que uma organização consiga promover sinergias entre profissionais com diferentes crenças e comportamentos, construídos ao longo do contexto cultural, econômico e social de cada um? um importante componente na promoção de maior sinergia e complementariedade de competências, crenças e comportamentos é, acima de tudo, reconhecer as diferenças. Estar ciente que cada pessoa, a partir de sua história, vivências e contexto de origem aporta formas singulares de ver e lidar com o mundo. não querer, portanto, que todos pensem e ajam da forma como pensamos e agimos. Isso pode parecer fácil em nível teórico, mas nem sempre o é, na prática. Demanda estarmos abertos a reconhecer que ninguém fará as coisas, necessariamente, da forma como faríamos ou desejaríamos. Que cada um é uma singularidade, com conhecimentos, atitudes e habilidades peculiares, que necessitam ser mobilizados - gerenciados e liderados - considerando suas especificidades. Em decorrência, desenvolvermos a capacidade de sermos não somente bons leitores de contextos, mas também de pessoas, constitui um bom ponto de partida, além de duas das principais - e mais valorizadas - competências em gestão de pessoas e liderança. 02. Que desafios e oportunidades diferentes gerações (veteranos, baby boomers, X,Y) que convivem em um mesmo ambiente de trabalho trazem para a gestão corporativa? Sob um padrão de competitividade em que criatividade, inovação, agregação de valor e diferenciação constituem fatores chave de vantagem competitiva e sustentabilidade, a capacidade de as organizações irem além da produção e oferta de commodities torna-se componente central. Para inovar e agregar valor são necessárias, no entanto, ideias que fogem ao convencional, formas diferenciadas de se ver o mundo, assim como as rotinas do dia-a-dia. nesse sentido, as possibilidades que aportam diferentes grupamentos geracionais - assim como culturais, sociais, profissionais, de formação - com suas distintas formas de ver e decodificar os contextos em que se inserem, bem como as atividades que desenvolvem, apresenta-se relevante. Logo, se bem articulados podem representar uma rica fonte de inovações, diversidade e diferenciação. Em termos concretos, enquanto os mais seniores podem aportar experiência, vivência; os mais jovens podem agregar, por exemplo, maior abertura para correr riscos. o desafio, todavia, é, justamente, a capacidade de os gestores e líderes em orquestrar - por meio de políticas, práticas de gestão e comportamentos - tal patrimônio de diversidade, transformando-o em resultados. Em outros termos, a oportunidade e o desafio é como construir ambiências organizacionais - contextos capacitantes - em que tal diversidade possa ser canalizada na direção dos objetivos propostos. E em como fomentar o desenvolvimento de lideranças para tal.

03. Como lidar com uma computação cada vez mais pessoal (BYOD) e garantir uma produtividade efetiva, ou seja, sem dispersão? Como aspectos para se assegurar uma produtividade efetiva nesse contexto poderia-se apontar, em primeiro lugar, a clareza de propósitos em relação aos objetivos e resultados da atividades ou projetos que se desenvolve por meio dela. Desenvolver uma atividade significativa, com a qual se identifica e atribui sentido, independentemente da mídia ou equipamento utilizado, tende a nos “capturar” e envolver mais amplamente. Sem dúvida, o volume de estímulos, o aumento considerável dos graus de liberdade quanto a caminhos a seguir, sem uma dose de disciplina, pode redundar em paralisia senão em dificuldades de tomada de decisões ou dispersão. Certamente, o grande desafio do contemporâneo relaciona-se não tanto à escassez, como no passado, mas ao excesso. É uma demanda pela domínio e aplicação de uma variedade de habilidades sem precedentes, por volumes cada vez maiores de sites, informações, redes sociais e oportunidades de inter-relacionamentos virtuais; de autonomia, não raro superior ao grau em que se está preparado assumir. Efeitos colaterais da falta de disciplina e de não se saber estabelecer limites pode ser o estresse informacional, a ansiedade, bem como a perda de foco e a dispersão no trabalho, com seus impactos negativos, tanto em nível organizacional, quanto pessoal. 04. Com a rápida automatização dos ambientes hospitalares, quais são os novos pré-requisitos para que um profissional da saúde seja considerado um talento? Com as transformações nos ambientes organizacionais, decorrentes de novas tecnologias e modelos de gestão, algumas competências, sem dúvida, ganham cada vez mais espaço. Dentre elas, poderíamos salientar a capacidade de o profissional gerar resultados efetivos, de se comprometer com os objetivos da organização, de trabalhar em equipes, de comunicação, de relacionamento interpessoal, de visão sistêmica, de lidar com ambiguidades e contradições. Certamente, cada área de atuação, cada setor demanda tais competências – e outras mais específicas, técnicas - em graus diferenciados. uma importante constatação, todavia, é que um “talento” não emerge apenas da posse desse elenco de requisitos mas, acima de tudo, da capacidade de os mobilizar, de os transformar em desempenho efetivo, em valor para seus clientes, internos e externos. Em outros termos, o “talento” é uma resultante da mobilização de atributos de competências certos, na medida certa, no lugar certo e na hora certa. Para tal, um pré-requisito distintivo é, uma vez mais, a ciência e a arte de ser um bom leitor das demandas do ambiente, dos clientes; assim como da busca contínua por se conhecer, a seus desejos, limites e potencialidades.

47

lay_Business_School.indd 47

06/06/13 18:14


Foto: Divulgação

Entrevista com o autor

ANDERSON DE SOUZA SANT’ANNA Pós-doutor em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professor, Gerente de Desenvolvimento e Coordenador do Núcleo de Desenvolvimento de Liderança, da Fundação Dom Cabral.

01. Resumidamente quais seriam as principais orientações para que uma organização consiga promover sinergias entre profissionais com diferentes crenças e comportamentos, construídos ao longo do contexto cultural, econômico e social de cada um? Um importante componente na promoção de maior sinergia e complementariedade de competências, crenças e comportamentos é, acima de tudo, reconhecer as diferenças. Estar ciente que cada pessoa, a partir de sua história, vivências e contexto de origem aporta formas singulares de ver e lidar com o mundo. Não querer, portanto, que todos pensem e ajam da forma como pensamos e agimos. Isso pode parecer fácil em nível teórico, mas nem sempre o é, na prática. Demanda estarmos abertos a reconhecer que ninguém fará as coisas, necessariamente, da forma como faríamos ou desejaríamos. Que cada um é uma singularidade, com conhecimentos, atitudes e habilidades peculiares, que necessitam ser mobilizados - gerenciados e liderados - considerando suas especificidades. Em decorrência, desenvolvermos a capacidade de sermos não somente bons leitores de contextos, mas também de pessoas, constitui um bom ponto de partida, além de duas das principais - e mais valorizadas - competências em gestão de pessoas e liderança. 02. Que desafios e oportunidades diferentes gerações (veteranos, baby boomers, X,Y) que convivem em um mesmo ambiente de trabalho trazem para a gestão corporativa? Sob um padrão de competitividade em que criatividade, inovação, agregação de valor e diferenciação constituem fatores chave de vantagem competitiva e sustentabilidade, a capacidade de as organizações irem além da produção e oferta de commodities torna-se componente central. Para inovar e agregar valor são necessárias, no entanto, ideias que fogem ao convencional, formas diferenciadas de se ver o mundo, assim como as rotinas do dia-a-dia. Nesse sentido, as possibilidades que aportam diferentes grupamentos geracionais - assim como culturais, sociais, profissionais, de formação - com suas distintas formas de ver e decodificar os contextos em que se inserem, bem como as atividades que desenvolvem, apresenta-se relevante. Logo, se bem articulados podem representar uma rica fonte de inovações, diversidade e diferenciação. Em termos concretos, enquanto os mais seniores podem aportar experiência, vivência; os mais jovens podem agregar, por exemplo, maior abertura para correr riscos. O desafio, todavia, é, justamente, a capacidade de os gestores e líderes em orquestrar - por meio de políticas, práticas de gestão e comportamentos - tal patrimônio de diversidade, transformando-o em resultados. Em outros termos, a oportunidade e o desafio é como construir ambiências organizacionais - contextos capacitantes - em que tal diversidade possa ser canalizada na direção dos objetivos propostos. E em como fomentar o desenvolvimento de lideranças para tal.

03. Como lidar com uma computação cada vez mais pessoal (BYOD) e garantir uma produtividade efetiva, ou seja, sem dispersão? Como aspectos para se assegurar uma produtividade efetiva nesse contexto se poderia apontar, em nível organizacional, ênfase dos gestores e das lideranças em integração e coordenação. Já em nível individual caberia enfatizar a clareza de propósitos em relação aos objetivos e resultados das atividades ou projetos que se desenvolve, de forma descentralizada, por meio de BYODs. Desenvolver uma atividade significativa, com a qual se identifica e atribui sentido, independentemente da mídia ou equipamento utilizado, tende a nos “capturar” e envolver mais amplamente. Sem dúvida, o volume de estímulos, o aumento considerável dos graus de liberdade quanto a caminhos a seguir, sem uma dose de disciplina, pode redundar em paralisia senão em dificuldades de tomada de decisões ou dispersão. Certamente, o grande desafio do contemporâneo relaciona-se não tanto à escassez, como no passado, mas ao excesso. É uma demanda pelo domínio e aplicação de uma variedade de habilidades sem precedentes, por volumes cada vez maiores de sites, informações, redes sociais e oportunidades de inter-relacionamentos virtuais; de autonomia, não raro superior ao grau em que se está preparado assumir. Efeitos colaterais da falta de disciplina e de não se saber estabelecer limites pode ser o estresse informacional, a ansiedade, bem como a perda de foco e a dispersão no trabalho, com seus impactos negativos, tanto em nível organizacional, quanto pessoal. 04. Com a rápida automatização dos ambientes hospitalares, quais são os novos pré-requisitos para que um profissional da saúde seja considerado um talento? Com as transformações nos ambientes organizacionais, decorrentes de novas tecnologias e modelos de gestão, algumas competências, sem dúvida, ganham cada vez mais espaço. Dentre elas, poderíamos salientar a capacidade de o profissional gerar resultados efetivos, de se comprometer com os objetivos da organização, de trabalhar em equipes, de comunicação, de relacionamento interpessoal, de visão sistêmica, de lidar com ambiguidades e contradições. Certamente, cada área de atuação, cada setor demanda tais competências – e outras mais específicas, técnicas - em graus diferenciados. Uma importante constatação, todavia, é que um “talento” não emerge apenas da posse desse elenco de requisitos mas, acima de tudo, da capacidade de os mobilizar, de os transformar em desempenho efetivo, em valor para seus clientes, internos e externos. Em outros termos, o “talento” é uma resultante da mobilização de atributos de competências certos, na medida certa, no lugar certo e na hora certa. Para tal, um pré-requisito distintivo é, uma vez mais, a ciência e a arte de ser um bom leitor das demandas do ambiente, dos clientes; assim como da busca contínua por se conhecer, a seus desejos, limites e potencialidades.

47

lay_Business_School.indd 47

07/06/13 09:55


Saúde buSineSS School

Saúde Business School é uma iniciativa da IT Mídia.

Todos os direitos reservados.

lay_Business_School.indd 48

06/06/13 18:14


C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Untitled-1 1

06/06/13 10:24


FH | medicina diagnóstica

OpiniãO

reFerenciada Verena souza | vsouza@itmidia.com.br

50

Lay_Medicina.indd 50

a

pós a compra de vários laboratórios menores nos últimos anos, o Fleury sentiu a necessidade de reestruturar seu serviço de terceirização de exames de análises clínicas para hospitais, clínicas e outras empresas de medicina diagnóstica. Bandeiras como Biesp, criesp, Lego, entre outras adquiridas, prestavam o serviço de apoio com o apelo a preços baixos, o que foge da estratégia da marca “premium” Fleury. depois de mais de seis meses planejando um novo posicionamento no mercado, a companhia investiu em força de vendas, tecnologia e contratou novos funcionários para, ao invés de ganhar em volume e preço, consolidar-se como laboratório referência para exames especializados, diagnósticos complexos e serviço de segunda opinião. apesar de não existirem dados consistentes de market share do segmento de medicina diag-

nóstica, a gerente corporativa em soluções em medicina diagnóstica do grupo Fleury, débora Byrro, estima que 10% de todo o volume do mercado de terceirização de exames sejam de casos especiais, o que representa em torno de 20% do faturamento das companhias, por serem mais caros. “Para fazer um exame da forma mais barata possível, uma série de “features” essenciais para a qualidade de um exame diagnóstico não podem estar presentes. só o nosso corpo de técnicos já não consegue competir nesse mercado, que é bem polarizado – ou a demanda é por preço ou pela necessidade de especialização”, conta débora. mesmo o serviço de apoio sendo uma prática comum no mercado e realizada pelo laboratório há mais de vinte anos, o objetivo, agora, é deixar de ser receptivo, tendo em vista as oportunidades

Fotos: Divulgação

O serviçO de terceirizaçãO de exames dO GrupO Fleury, há mais de vinte anOs nO mercadO, Ganha uma nOva rOupaGem. cOm um pOsiciOnamentO mais prOativO, a cOmpanhia investiu em tecnOlOGia e pessOal para adequar O serviçO de apOiO à visãO de valOr da OrGanizaçãO junho 2013 revistafh.com.br

06/06/13 18:24


o diFeRenciaL É Que PRimamos PeLo diagnóstico e nÃo PeLo ResuLtado do eXame. ceRtamente o nosso Índice de conVeRsas com os cLientes, antes mesmo de PRocessaR o eXame, Vai seR maioR do Que da concoRRÊncia

Foto: Divulgação

dÉBoRa, do FLeuRY

Alberto, do Flery, ressalta o valor que a venda consultiva representa para o serviço de apoio laboratorial

crescentes impulsionadas pelo setor aquecido. estima-se que apenas entre 5% a 10% do volume de exames feitos por um laboratório são caracterizados como especializados e, por isso, é comum a terceirização do serviço para um laboratório de referência. alguns exemplos de exames com esse perfil são testes moleculares e de citogenética. “o diferencial é que primamos pelo diagnóstico e não pelo resultado. certamente o nosso índice de conversas com os clientes, antes mesmo de processar o exame, vai ser maior do que da concorrência”, enfatiza débora ao explicar que a instituição fará o monitoramento das amostras desde a saída do laboratório até a chegada à central do grupo, localizada no bairro do jabaquara, em são Paulo. o conceito de venda consultiva é outro diferencial de approach, suportado por uma equipe comercial nova composta por oito pessoas, com formação técnica nas áreas de diagnóstico. “a ideia é auxiliar o laboratório na decisão do envio. Verificar se o que eles acham que precisam de fato é isso”, afirma o diretor executivo de negócios – hospitais e empresas do grupo, Fernando alberto. além da assessoria técnica na hora da venda, o grande valor do serviço ofertado está Central de processamento de por trás dos médicos especializados que auexames de análises clínicas xiliam na interpretação do resultado, prindo Grupo Fleury, localizado no bairro Jabaquara, da cipalmente nos casos de segunda opinião. capital paulista de acordo com a executiva, líder do projeto, exames de hiV figuram entre os pedidos de segunda opinião mais frequentes. aumentar a capilaridade e ser reconhecido como parceiro dos principais laboratórios e hospitais do País é a meta do Fleury, que atualmente detém cerca de 1.500 exames em seu portfólio, e 800 clientes, entre grandes laboratórios e hospitais do Brasil. o sistema para que os clientes possam fazer o pedido eletronicamente, antes mesmo da amostra chegar ao destino final, está em fase de implantação e contribuirá, ainda mais, para a consolidação do novo posicionamento no mercado.

51

Lay_Medicina.indd 51

06/06/13 18:24


FH | REGULAMENTAÇÃO

IMPORTAR PARA

ASSISTIR? Patricia Santana | editorialsaude@itmidia.com.br

COM A NOVA ESTRATÉGIA DE ATRAIR MÉDICOS ESTRANGEIROS, O MINISTÉRIO DA SAÚDE CAUSOU REAÇÕES, EM SUA MAIORIA, CONTRÁRIAS POR PARTE DAS ENTIDADES DE CLASSE, ACADÊMICOS E PROFISSIONAIS DE SAÚDE. HÁ OS QUE VEEM COMO SOLUÇÃO PARA A ESCASSEZ DE MÉDICOS EM ÁREAS CARENTES, OUTROS DIZEM PREJUDICAR O DESENVOLVIMENTO SOCIAL E HUMANO DA MÃO DE OBRA INTERNA

52

Lay_Regulamentacao.indd 52

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

07/06/13 10:17


F

ormas de suprir a carência de médicos no Brasil, principalmente no interior e em periferias de grandes centros urbanos, estão em estudo pelo Ministério da Saúde. E a contratação de médicos estrangeiros para atuar na atenção básica do Sistema Único de Saúde (SUS) aparece entre as possibilidades. Recentemente a atração de profissionais da Espanha e Portugal veio à tona – por meio de um programa com período de tempo pré-determinado e restrito às áreas carentes, periferias das grandes cidades e municípios de interior. A ideia seria fazer intercâmbios com os dois países europeus, que possuem grande quantidade de profissionais qualificados e desempregados em razão da crise econômica. Apesar de Cuba também ter ficado sob os holofotes em relação ao tema, o Ministério não confirmou negociações com a ilha. O Brasil conseguiu avançar mais com a Espanha, tendo visitado algumas províncias, como Catalunha e Andaluzia, no mês de maio. Ficou claro que há interesse de intercâmbio de profissionais. O governo espanhol estima que pode ter 20 mil médicos desempregados, contando com quem já está no sistema público e aqueles que estão para se formar neste semestre. A pasta ainda não definiu como será o processo de implantação deste programa, portanto não fez nenhuma previsão

quanto aos impactos na legislação. Entretanto, o Ministério da Saúde tem deixado claro que não haverá validação automática de diploma, que não serão admitidos profissionais vindos de países com menos médicos que o Brasil e que só serão atraídos formados em instituições de ensino autorizadas e reconhecidas por seus países de origem. Ônus Na opinião do conselheiro do Conselho Federal de Medicina (CFM) pelo Mato Grosso do Sul, Mauro Ribeiro, interiorizar profissionais médicos é uma “pseudo-assistência”. “Não adianta interiorizar médicos a força. O que regula o trabalho é o mercado, com economia e estrutura adequadas. Cabe ao governo interiorizar o médico, trazendo um plano de carreira de estado nos mesmos moldes que existem para juízes e procuradores, por exemplo”. Segundo Antonio Carlos Lopes, diretor da Faculdade de Medicina da Unifesp, os médicos estrangeiros não estão preparados para atuar no Brasil. “Isso envolve formação e educação médica, para que haja humanismo na prática da medicina. Uma

saída é que seja feito um estágio prévio para se atualizar. Além disso, quem está bem em seu País de origem não se submete a dificuldades em outro. Atrair profissionais que não foram retidos em seus países, não trará a nata dos profissionais médicos ao Brasil. Antes de revalidar o diploma, é preciso fazer um exame psicotécnico para avaliar condições morais, éticas, religiosas, senso de humanismo, relação médico e paciente”, critica. Para o acadêmico, o principal impacto da atração de médicos estrangeiros ao Brasil será sentido pela própria população. “Para ter um médico mal formado atuando aqui é melhor não ter. O governo brasileiro precisa de uma política pública que contemple áreas carentes e não uma medida emergencial”, argumenta. Na mesma linha, o CFM é contra a medida, apontando que existe uma falta de infraestrutura de saúde generalizada. “O médico é um profissional importante, mas existe toda uma equipe multiprofissional, além de postos de saúde, hospitais, laboratórios, equipamentos de diagnóstico, sistema de referência, transporte. Senão você co-

53

Lay_Regulamentacao.indd 53

07/06/13 10:17


FH | REGULAMENTAÇÃO

O REVALIDA HOJE Atualmente, no Brasil, a revalidação de diplomas estrangeiros pode ser feita pelo Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos (Revalida), exame nacional realizado em diversas capitais do país, ou por processos próprios de universidades públicas que optaram por não aderi-lo. Desde que foi criado, em 2011, 37 universidades participam. Com o Revalida, o médico pode passar a atuar na profissão de seis meses a um ano no país. A prova ocorre anualmente em duas etapas, objetivas e discursivas.

loca um médico em uma cidade do interior sozinho, que não terá condição de oferecer uma assistência digna ao cidadão”, pontua o conselheiro Ribeiro. Questionado pela FH quanto a outras medidas para sanar o problema da falta de mão de obra médica em regiões carentes do Brasil, o Ministério informou que, em parceria com o Ministério da Educação, está desenvolvendo um conjunto de ações voltadas para esta questão, como a abertura de vagas de graduação em medicina, a ampliação das bolsas de residência médica e o desenvolvimento de programas como a Valorização do Profissional da Atenção Básica (Provab). A segunda edição do Provab, lançado em dezembro de 2012, oferece curso de especialização em Saúde da Família, bolsa federal no valor de R$ 8 mil mensais e bônus de 10% em provas de residência para médicos interessados em atuar em localidades com dificuldade de prover profissionais. Atualmente, cerca de 4 mil médicos estão atuando pelo programa em todo o país.

Ribeiro ,do CFM (RS), diz que medida não leva em conta a falta generalizada de infraestrutura da saúde brasileira

*Exame é conduzido pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, em colaboração com a subcomissão de Revalidação de Diplomas Médicos, da qual participam representantes dos ministérios da Saúde, da Educação e de Relações Exteriores, além da Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais do Ensino Superior (Andifes) e também do Inep Foto: Márcio Arruda

54

Lay_Regulamentacao.indd 54

EXEMPLO DO PARÁ O Hospital Regional do Marajó, localizado no município de Breves (PA), é um caso típico da falta de acesso à mão de obra qualificada. O acesso de Belém para o Hospital só é possível via barco, mas esse trajeto leva 12 horas. Na cidade não existem médicos. Portanto, não há como contratar mão de obra local. Mesmo os profissionais contratados de Belém precisariam fazer esse trajeto e o acesso por barco inviabiliza o trabalho, em virtude do tempo desperdiçado. “A dificuldade é encontrar profissionais que aceitem viver em locais e cidades tão distantes. Por exemplo, no caso de Breves, um médico experiente, portanto com mais de 30 anos, casado com filhos, pensará duas vezes em fixar residência numa ilha que fica a 12 horas de barco da capital”, pondera o diretor geral do Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH), José Cleber do Nascimento Costa. Por esse motivo, o Instituto responsável pela gestão do hospital, encontrou uma solução: criar condições de trabalho interessantes para fixar esses profissionais. “O que oferecemos é o transporte aéreo, o alojamento para os médicos no próprio hospital e plantão concentrado em uma semana. Assim os profissionais são levados semanalmente para o hospital de avião, prestam atendimento por uma semana e depois voltam para os locais de origem”, conta Costa. De acordo com o executivo, em todos os hospitais gerenciados pelo INDSH existe a tentativa de manter o mesmo padrão de profissionais e atendimento dos hospitais dos grandes centros. “Só aceitamos médicos titulados. Para isso, investimos em infraestrutura para que os profissionais tenham condições de trabalho para exercerem sua função com segurança; esse é o primeiro ponto. Depois analisamos a quantidade a ser contratada de forma a garantir a demanda de aten-

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

10/06/13 09:39


EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL Canadá, Estados Unidos, Inglaterra e Austrália têm programas de atração de médicos estrangeiros para o interior e periferias de grandes cidades (percentual de estrangeiros)

40%

25%

22%

17%

Para Lopes, da Unifesp, os médicos estrangeiros não estão preparados para atuar no Brasil

1%

*Dados do Ministério da Saúde. A experiência internacional tem apontado para duas estratégias complementares entre si: uma em que o médico se submete a exame de validação do diploma e obtém o direito de exercer a medicina em qualquer região; e outra específica para as zonas mais carentes, em que se concede autorização especial para atuação restrita àquela área, na atenção básica, por um período fixo

INFRAESTRUTURA • 17 especialistas são levadas semanalmente para darem atendimento no Ambulatório, internação, uTI Adulto, Pediátrica e neonatal do Hospital Regional do Marajó, localizado no município de Breves, localizado no Pará • Especialidades: são 2 cirurgiões, 2 ortopedistas, 2 anestesistas, 2 pediatras (sendo um neonatologista), 2 clínicos, 2 intensivistas, 1 nefrologista, 1 cardiologista, 1 oftalmologista, 1 radiologista e 1 infectologista + coordenações médicas • Origem dos médicos: 60% dos médicos são de Belém, 20% de cidades do Norte, Nordeste e Centro-Oeste e 20% são do Sudeste • Tempo instalados no Hospital: Focam por 7 dias em esquema de plantão 24 horas, lembrando que o hospital é de referência • Custo médio com mão de obra: os profissionais recebem cerca de R$ 2.000,00 por plantão. • Custo médio com o fretamento: o contrato é de R$ 60 mil/mês para o transporte semanal dos profissionais.

Foto: Divulgação

dimento. Posteriormente analisamos como pode ser feito o plantão dessas equipes e a questão salarial”, conta Costa. O diretor acredita que seja louvável a medida do governo federal de atrair médicos estrangeiros, afinal “há países na Ásia, como o Butão, que enfrentam a falta de médicos e aceitam profissionais vindos de outros lugares e essa tem se revelado uma boa saída para garantir uma assistência de saúde para os habitantes, melhorando inclusive o IDH do país”. Como administrador, Costa acredita que é preciso estudar e avaliar bem o perfil da instituição e buscar alternativas para conseguir contratar e reter profissionais competentes, de forma que o custo disso não inviabilize a saúde financeira da instituição e no caso do Brasil.

55

Lay_Regulamentacao.indd 55

07/06/13 10:17


FH | tecnologia

56

lay_Tecno.indd 56

junho 2013 revistafh.com.br

07/06/13 10:36


Em potEncial Em um mEsmo rElatório é possívEl antEvEr os ganhos ou pErdas quE o Brasil tErá nos próximo quatro anos com as soluçõEs móvEis na saúdE. tudo vai dEpEndEr dE como vai EscolhEr invEstir E sE planEjar Martha Funke | editorialsaude@itmidia.com.br

A

adoção de soluções de saúde móvel (mHealth) poderia colaborar para as políticas de saúde latino-americanas, gerar economia superior a US$ 14 bilhões somente no Brasil, atender mais de 28 milhões de pacientes, considerados pobres, e crônicos e outros tantos cidadãos com potencial para desenvolver dificuldades relacionadas a diabetes, maternidade, doenças cardiovasculares e circulatórias. Entretanto, o pleno desenvolvimento do conceito exige avanços regulatórios, além de investimentos em infraestrutura e tecnologia. As promissoras conclusões são de pesquisa realizada pela consultoria PwC para a GSMA, organização mundial que reúne operadoras de serviços móveis e demais empresas participantes da cadeia de valor do segmento, como fabricantes de equipamentos e softwares. O estudo foi realizado no Brasil e no México levando em conta a maior disponibilidade e confiabilidade dos dados. “São os países com mais informações de qualidade, onde o processo seria feito com mais segurança e permitiria extrapolação”, justifica o diretor de mHealth da GSMA, Michael Curran. Segundo ele, a pesquisa demonstra a transformação socioeconômica que a adoção da mHealth pode provocar na América Latina nos próximos quatro anos. Os resultados indicam que, só no Brasil e no México, o número de pacientes que poderiam ser tratados com apoio soma mais de 40 milhões – sem necessidade de criar nova estrutura de saúde, apenas levando em conta os cuidados que podem ser dispensados de forma remota, principalmente aqueles relacionados à informação e monitoramento. Aplicativos em celulares, por exemplo, podem ser amplamente utilizados em prol do bem-estar e educação, com dicas e explicações para orientar o paciente, inclusive com apoio de centrais de atendimento para esclarecimento de dúvidas. Segundo Curran, a educação com o suporte de informações por meio de comunicação móvel, de forma bem direcionada, incentivaria o autogerenciamento por parte dos cidadãos e estimularia a melhoria de estilo de vida e cuidados com a saúde, mitigando os riscos causados

nas quatro condições em foco (diabetes, maternidade, doenças cardiovasculares e circulatórias). “Isso pode reduzir a possibilidade de desenvolver uma condição crônica”, diz. O aspecto monitoramento envolve o uso de dispositivos para serem utilizados pelos pacientes para medições de sinais como batimentos cardíacos ou nível de açúcar, cujos resultados podem ser enviados por celular. Concorrem para essa possibilidade, de acordo com Curran, questões como a queda de custos dos equipamentos. “A partir de informações armazenadas em nuvem o médico pode perceber alterações e entrar em contato com o paciente”, descreve. “O paciente pode fazer isso de casa, com mais segurança, facilidade, constância e economia, e os dados estarão sempre guardados.” Mesmo no Brasil, o especialista observa que as operadoras móveis, como a Vivo, já estão desenvolvendo serviços para suportar pacientes neste sentido. A Vivo, exemplifica, criou iniciativas como central de atendimento e está desenvolvendo serviços para gerenciar pacientes com doenças crônicas. “A TIM também está testando serviços com monitoramento remoto. Mas o alcance das ações é limitado principalmente por questões regulatórias”, aponta Curran. A superAr A regulamentação é uma das chaves para alcançar os benefícios da mHealth. A GSMA propõe um framework que leve em conta também os impactos econômicos do conceito, incluindo questões como desenvolvimento, emprego, segurança e outras questões envolvidas no cenário mais amplo. “É importante deixar as regras claras para pacientes, profissionais, empresas, assegurando a todos os stakeholders que as tecnologias estão sendo utilizadas dentro do permitido”, defende. “Os reguladores precisam permitir oportunidade para testes e projetos pilotos de mHealth no Brasil para avaliar os melhores resultados.” Uma das regulações atuais colocadas em cheque por restringir a prática da medicina é a lei do escopo e da prática, que limita que instituições protocoladas – uma operadora

57

lay_Tecno.indd 57

10/06/13 09:37


FH | tecnologia

COMO?

Frente a todas as possibilidades da saúde móvel – ainda distante de grande parte das instituições hospitalares -, o Hospital das Clínicas (HC), o maior complexo hospitalar da América Latina, está começando pelo mais básico. A entidade acaba de instalar o acesso à internet através de rede wi-fi e dispositivos móveis nos prédios da Administração, Informática e escola de educação permanente (eep), somando cerca de 500 colaboradores. “Chegamos a instalar uma rede sem fio simples. Mas a demanda cresceu muito e não atendia bem a todos”, diz o gerente de Conectividade do Núcleo especializado em Tecnologia da Informação (NeTI) do Complexo HC, Jorge Futoshi Yamamoto. Motivado pelo aumento do número de usuários utilizando seus próprios dispositivos, inclusive conectando roteadores wireless à rede corporativa, foi decidida a aquisição da solução Aerohive, com sistema virtual de controle e facilidade para expansão da rede. A iniciativa acabou sendo sinérgica com o serviço do Google, que resolveu o problema causado pelas limitações no servidor de e-mail do hospital. Os logins e senhas foram unificados para rede e correio eletrônico, e o banco de dados passou a ser controlado pela área de rH. “Quando o funcionário sai, são desligados e-mail e acesso à rede”, afirma o gerente. Os access points da Aerohive são organizados em grupos que compartilham o controle da informação entre eles. A instalação dos aparelhos foi iniciada em janeiro, levou um mês para ser concluída e consolidou uma estrutura que suporta a conexão de mais de mil aparelhos ao mesmo tempo. em média 70 dispositivos utilizam a rede por dia, entre smartphones, tablets e notebooks. segundo Yamamoto, já está sendo avaliada sua extensão para a área clínica. “A radiologia está perto de fazer aquisição e o pessoal da psiquiatria também está interessado, até por questões humanitárias. Além de criar um portal do visitante, o paciente ou parente em tempo de espera pode usar a internet”, diz. A meta é, em dois anos, alcançar todo o hospital, principalmente a área assistencial.

58

lay_Tecno.indd 58

EM UM CENÁRIO IDEAL, A ADOÇÃO DE SOLUÇÕES MÓVEIS, NOS PRÓXIMOS QUATRO ANOS, TRARIA UMA ECONOMIA DE US$ 14 BILHÕES PARA O BRASIL E US$ 3,8 BILHÕES PARA O MÉXICO

como a Vivo, diz curran –, possam incluir diagnóstico em seu portfólio de serviços, apenas informações educativas. uma ligação do médico de sua casa para um paciente, por exemplo, pode não ter validade por este tipo de limitação. De acordo com o relatório da gSMa, tais aspectos podem ser mais bem avaliados, frente ao potencial da mhealth. entre outros cálculos, estima-se que só com a melhoria de qualidade e eficiência da assistência a economia supere uS$ 14 bilhões no Brasil e uS$ 3,8 bilhões no México. outro potencial vislumbrado pela pesquisa de que as soluções móveis poderiam colaborar com o desafio de prestar cuidados de saúde universais para uma população enorme e dispersa, como a brasileira, driblando pressões sobre recursos e podendo aumentar o alcance e a eficiência dos gastos. o relatório indica a necessidade de abordar as barreiras regulatórias, econômicas, estruturais e tecnológicas que limitam o setor. além da definição do marco regulatório, é sugerido o incentivo ao cuidado preventivo e contínuo, em lugar dos

Curran, da GSMA: superar a fragmentação dos sistemas de saúde, que restringem o compartilhamento de informações e alinhamento de processos é um dos desafios para a mHealth

Foto: Divulgação

COMEÇANDO PELO BÁSICO

tratamentos individuais e prescrições médicas que embasam os sistemas atuais, construindo evidência clínica que demonstre o impacto da mhealth para atrair a adesão de toda a comunidade clínica e pagantes, incluindo governos e seguradoras. outro desafio a superar é a fragmentação dos sistemas de saúde, que restringem o compartilhamento de informações e alinhamento de processos – fundamental para a expansão da mhealth –, bem como a falta de interoperabilidade e padronização das soluções, que limita a escalabilidade. “Sem tais medidas, apenas 10% da população mais favorecida se beneficiará em 2017”, alerta curran. os dados levantados pelo estudo indicam que sem a adoção da saúde móvel de forma ampla, a economia no Brasil seria limitada a uS$ 1,5 bilhão, com ganhos no PiB chegando a apenas uS$ 500 milhões e 900 milhões no México. “combinados, os dois países podem ganhar uS$ 12,9 bilhões no produto interno bruto, caso a adoção da mhealth atinja seu potencial em 2017.”

junho 2013 revistafh.com.br

07/06/13 10:36


O CAMINHO MAIS CURTO PARA UMA TI EFICIENTE.

Já esta no ar a 2ª edição do Estudo “Antes da TI, a Estratégia na Saúde”, que visa promover um levantamento sobre as reais motivações dos investimentos de TI dos prestadores de serviço e fontes pagadoras brasileiras, a fim de gerar informações que permitam estabelecer referências para os gestores do setor. Como resultado dessa análise, a IT Mídia começará a desenvolver um conjunto de índices que poderão ser utilizados pelos gestores de TI para aprimorar seus planos de ação em busca de construir uma TI mais eficiente. Para isso, convidamos você a participar dessa iniciativa contribuindo com as suas respostas e visão.

Participe, conclua e acesse o report do estudo! Campo: 30 de abril a 26 de julho de 2013

Saiba mais: www.saudeweb.com.br/estudos (11) 3823-6675 / 6700 antesdatisaude@itmidia.com.br

Antes da TI saude.indd 2

06/06/13 16:40


FH | tecnologia

Martha Funke | editorialsaude@itmidia.com.br

RegRas complexas, atualizações tRibutáRias, monitoRamento de ceRtificados digitais, as fontes desses custos ocultos são as mais diveRsas e, se não houveR atenção, o bolso das empResas vai sentiR muito, inclusive de saúde

$$

$

Driblando os custos

invis í 60

lay_Tecno_Vitor.indd 60

junho 2013 revistafh.com.br

07/06/13 11:45


P

rocessos manuais, duplicação de dados, checagem, cadastramento. a área de ti tem andado de olho em operações corriqueiras que podem acarretar custos ocultos com consumo excedente de recursos valiosos como tempo, mão de obra e, claro, dinheiro. um custo, frequentemente difícil de calcular, mas que, quando mapeado e combatido, pode trazer mais que redução de gastos, mas uma melhora na eficiência operacional. em resposta, surgem ferramentas e soluções que colaboram para eliminar gastos tão desnecessários quanto, muitas vezes, invisíveis. Veja o caso da transportadora americana. na ponta do lápis, a empresa está economizando de tudo, de funcionários a capital de giro, desde que a gerente de sistemas de informações Shirley cristina Rosseto dedicou-se a buscar soluções para otimizar processos e cortar gastos mais aparentes, como aqueles com o papel gasto com as diversas vias para a impressão do conhecimento de transporte rodoviário de carga (ctRc), que acoberta as mercadorias entre a localidade de origem e o destinatário da carga e o documento utilizado para contabilizar receitas e realizar o faturamento nas transportadoras. a redução de vias exigiu regime especial na Secretaria da Fazenda (Sefaz) paulista e rendeu o convite para participação no projeto de ct-e, o conhecimento eletrônico, criado em 2007. Dois anos depois, a transportadora tornou-se a primeira empresa no País a emitir o documento digital, cortando de uma tacada só riscos de falhas, tempo de serviço, R$ 50 mil ao mês com o fim da impressão, manuseio e armazenagem de formulários e gastos com postagens. outras economias nem sequer eram imaginadas inicialmente, como os ganhos de produtividade pela revisão de processos pela ótica da legislação e a melhoria nos prazos de recebimento. “o faturamento também passou a ser eletrônico, com envio da fatura no dia da emissão. ganhamos no mínimo dois dias”, diz a executiva, que, no momento, participa do piloto de criação de um manifesto eletrônico de documento fiscal para reduzir a parada

dos caminhões em postos fiscais e do projeto Brasil iD, que, no futuro, deve substituir o manifesto por uma solução com etiquetas RFiD nos produtos e antenas de leitura nos postos.

Com emissão digital de doCumentos, transportadora ameriCana Cortou gastos e melhorou proCessos

AutomAção e IntegrAção necessárIAs a especialista em soluções tributárias e contábeis Synchro foi parceira da empresa neste processo. o ct-e nasce no tMS (sistema de gerenciamento de transporte) da transportadora, onde é gerado um arquivo XMl com os dados do conhecimento. o arquivo segue para o software fiscal da Synchro, que gera lotes e os valida junto à Sefaz, obtendo autorização para gerar o Documento auxiliar do conhecimento do transporte eletrônico (Dacte) – enviado por e-mail instantaneamente ao tomador do serviço. “a agilidade é importante”, resume antonio calandrielo, diretor de documentos eletrônicos da Synchro. além disso, ele lembra que a monitoria da legislação para adequar o produto às mudanças legais também reduz a necessidade do cliente ter equipe para isso. a otimização de funcionários, segundo calandrielo, também resulta de processos como a integração para automatizar o recebimento de documentos eletrônicos. a Synchro contabiliza 14 clientes usuários do ct-e, cerca de 300 para solução de nF-e e já tem um cliente – a rede nordestina g Barbosa – utilizando sua solução de nota fiscal eletrônica ao consumidor. também está envolvida, com a embratel, no piloto de desenvolvimento da nF-e de telecomunicações.

s íveis 61

lay_Tecno_Vitor.indd 61

07/06/13 11:45


FH | tecnologia

de olho nos ceRtificados

62

lay_Tecno_Vitor.indd 62

shimabokuro, da unimed, percebeu

que uma atuação mais assertiva pode evitar muitas horas extras, cortando uma fatia razoável do orçamento

Foto: Photogama

o monitoramento automatizado do ciclo de vida de certificados digitais, que chegaram para facilitar, mas quando em grandes quantidades têm uma gestão complexa, é a proposta da e-safer, ferramenta de origem israelense que varre, captura e gerencia as informações de certificados distribuídos pela infraestrutura. “se uma empresa tem uma centena de servidores com seus certificados e pessoas com outros tantos, vai gastar muitas horas para a gestão desta população”, aponta o diretor comercial William Bergamo. A solução já está implantada no Banco Alfa e está sendo testada em mais duas instituições. nichos bem explorados em cenários em que a rapidez é tudo, a integração é a chave. A especialista em soluções de comércio exterior Bysoft levou isso em conta no desenvolvimento de facilitadores como i-trade, segmentados por verticais da cadeia. “o sistema faz toda a parte documental, conversão de câmbio, fatura”, enumera a diretora-executiva edneia moura chebabi. um dos clientes da Bysoft é a tito global trade services, fornecedora de serviços em logística internacional e comércio exterior que adotou o i-Broker para melhorar processos cotidianos da exportação graças à integração com os sistemas da receita Federal. “o sistema permite o intercâmcio com o erP do cliente e demais sistemas, eliminando o retrabalho e a duplicidade de controles”, descreve o gerente de tI Velci Ferretto.

junho 2013 revistafh.com.br

07/06/13 11:45


oS cuStoS ocultoS SÃo DiFÍceiS De iDentiFicaR e aValiaR. a gente SaBe Que eXiSte, MaS nÃo conSegue colocaR na Ponta Do lÁPiS. ShiMaBoKuRo, Da uniMeD nesse mundo tão complexo, automação e integração de processos são as pegadas que a holding Votorantim resolver adotar para melhorar a produtividade e ganhar assertividade em processos de áreas como recursos humanos, controladoria e finanças. com base no conceito business process management (BPM), o centro de serviços compartilhados que atende as indústrias do grupo passou a obter maior efetividade. Segundo o diretor corporativo de tecnologia Fábio Faria*, a empresa teve ajuda como o aporte da experiência em otimização de processos da Deloitte e solução de storage da eMc, que automatizou, por exemplo, parte do monitoramento de nF-e, colaborando com a verificação sistêmica de valores de impostos pagos. “era tudo manual. em uma primeira etapa foram atendidos 22 processos”, diz o executivo. a henkel também apostou na automação para eliminar processos manuais como as pesquisas em sites governamentais para a análise fiscal de clientes e fornecedores. “no cenário atual, onde a receita consolida todas as informações no SPeD, estarmos com os cadastros atualizados e corretos é fundamental para evitarmos autuações e questionamentos por parte das autoridades fiscais”, afirma o gerente de ti egberto lotito, que junto do gerente de projeto, joão alves, e do gerente tributário, alessandro D´andrea, formou a linha de frente responsável pela iniciativa, que conta com o suporte de uma solução da audicom, e enfrentou desafios como implantar a conexão da ferramenta com o eRP SaP e liberação de portas. “nossa política de segurança é muito forte.” os resultados somam aumento de agilidade da informação, melhoria da qualidade

do processo e garantia de correção das informações para geração dos diversos SPeDs que devem ser entregues. Segundo leonardo Saraiva, gerente jurídico do grupo Meta, do qual a audicom faz parte, a solução da marca atua em duas linhas – validando os fornecedores de seus clientes junto aos principais órgãos públicos e promovendo o saneamento de cadastros por meio de acesso a informações fiscais por web services em sites como os da Receita Federal, Sintegra, PiS e Suframa. “a validação preventiva evita erros em notas fiscais, a anulação de créditos fiscais e o pagamento de multa e juros gerados quando se toma crédito de fornecedores inidôneos”, diz Saraiva. De quebra, elimina a necessidade de funcionários dedicados à verificação manual, com a única função de digitar cnPjs seguidamente em sites de consulta. os custos semiaparentes relacionados às horas das equipes chamam a atenção de Walter Shimabukuro, da unimed. “os custos ocultos são difíceis de identificar e avaliar. a gente sabe que existe, mas não consegue colocar na ponta do lápis”, diz. Mas entre uma elucubração e outra, ele percebeu que, mesmo com a necessidade de evitar impactos e atuar principalmente fora do horário do expediente, uma atuação mais assertiva pode evitar muitas horas extras, cortando uma fatia razoável do orçamento. “isso é palpável. o resto está nas nuvens”, brinca o cio, empenhado no processo de virtualização dos data centers da companhia. * Fabio Faria deixou a Votorantim e assumiu como CIO na CSN em meados de maio

63

lay_Tecno_Vitor.indd 63

07/06/13 11:45


FH | ENTRE ELOS

LAVAGEM

COLETIVA Paulo Silva Jr. | editorialsaude@itmidia.com.br

A LAVANDERIA, UMA DAS POUCAS COM CAPACIDADE DE SUPRIR A DEMANDA HOSPITALAR DE PORTO ALEGRE (RS), ANUNCIA QUE VAI FECHAR AS PORTAS. PROBLEMA? SOLUÇÃO. ISSO PORQUE SEIS HOSPITAIS DA CAPITAL GAÚCHA SE UNIRAM, COMPRARAM A PLANTA E OS EQUIPAMENTOS DA EMPRESA E AGORA ADMINISTRAM, JUNTOS E DE ACORDO COM A NECESSIDADE DE CADA UM, A PRÓPRIA CENTRAL DE LAVAGEM. A INICIATIVA COMEÇOU COM A CRIAÇÃO, NO FINAL DO ANO PASSADO, DA ASSOCIAÇÃO DE HOSPITAIS DE PORTO ALEGRE, FUNDADA POR GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO, DIVINA PROVIDÊNCIA, MÃE DE DEUS, ERNESTO DORNELLES, SÃO LUCAS DA PUC E HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE– O CORPO DIRETOR CONTA COM UM REPRESENTANTE DE CADA MEMBRO. E A PRIMEIRA AÇÃO DO SEXTETO FOI EM TORNO DA COMPRA DA ENTÃO ECOCLEAN E GESTÃO DA AGORA LAVANDERIA DA AHPA, INAUGURADA EM MAIO. DEPOIS, A TENDÊNCIA É QUE ELES SIGAM TOMANDO AÇÕES EM CONJUNTO NO QUE DIZ RESPEITO A FATORES COMUNS QUE NÃO INCITAM A CONCORRÊNCIA, COMO O TRABALHO DE MANUTENÇÃO PREDIAL OU O FRACIONAMENTO DE MEDICAMENTOS.

64

lay_entre elos_novo.indd 64

1

A

Ecoclean optou por atuar em novos segmentos e tanto a planta quanto os equipamentos da lavanderia foram comprados pelos seis hospitais que investiram proporcionalmente ao uso de cada um e têm, a partir de agora, preços de custo iguais para todos os seis sócios. Tem capacidade de lavar 25 toneladas por dia e possui espaço físico para uma ampliação prevista para os próximos anos.

Foto: Divulgação

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

07/06/13 09:43


LAVANDERIA DA AHPA A aquisição da lavanderia marca o primeiro passo da Associação dos Hospitais de Porto Alegre, que vinham observando dilemas semelhantes na área de higienização de têxteis. E a união dos seis hospitais passa por situações diferentes em cada uma das gestões. O Conceição, por exemplo, é um dos três (Mãe de Deus e Ernesto Dornelles também) que lava 100% do material (11 toneladas/dia) na ex-lavan-

deria Ecoclean, hoje AHPA. Os outros enviam – ou enviarão – apenas uma parcela da demanda. “Identificamos que o Conceição vai utilizar X da capacidade, o outro Y, o outro Z, e a partir disso a gente fez uma proporção para a aquisição. Para a lavagem propriamente dita, teremos o mesmo preço para todos e a valores de custo”, conta o presidente da AHPA e diretor-superintendente do Conceição, Carlos Eduardo Nery Paes.

Assim, os valores não variam mais de acordo com o contrato que o hospital estabelecia com a lavandeira. Todos trabalham com o mesmo preço e, como a companhia não tem fins lucrativos, o capital será revertido em investimento. “Agora temos a certeza que a lavanderia vai trabalhar na qualidade máxima e que não teremos disputa por valores, já que só é cobrado o custo operacional”, completa Nery Paes.

2 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

L

igado às unidades de ensino da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, o Clínicas tem uma área construída de 128 mil m², um total de 795 leitos e 33 salas de centros cirúrgicos. Possui uma lavanderia própria, na sede do complexo hospitalar, de 1400 m² e 116 funcionários que trabalham 24 horas para dar conta de uma demanda de 8 toneladas de roupa por dia.

Foto: Divulgação

O Clínicas vive uma situação diferente na sociedade montada em prol da lavanderia: foi um investidor do projeto, mas ainda não está utilizando o serviço. “Temos uma lavanderia própria onde passam 8 toneladas de roupas. Mas como temos a previsão de duplicar nossa área construída, já sabemos que nossa lavanderia está no limite e não será suficiente para um prazo de um ano”, explica a vice-presidente do hospital e diretora da AHPA, Tanira Torelly. A operação foi vantajosa para o Clínicas porque agora, com o modelo de sócio-proprietário da lavanderia, a lavagem a preço de custo dá tranquilidade para que o hospital comece a terceirizar o serviço muito em breve. “A tendência é essa (terceirização da lavagem). Porque os hospitais aumentam os leitos, as atividades, mas não funcionam sem lavanderia, que é um processo que precisa trabalhar 24h, com funcionários num ritmo pesado. Então a tendência é buscar isso fora, e a gente já se adiantou nesta iniciativa pioneira”, acrescenta. Como o Clínicas ainda não está utilizando as máquinas da lavanderia da AHPA, o hospital não gasta nada com o empreendimento, já que a única injeção de recursos se deu no início deste ano, com a compra da planta e das máquinas. Quando passar a usar os serviços, pagará por tonelada de roupa lavada, que deve ter um aumento gradual assim que o hospital superar as atuais 8 toneladas de tecidos.

65

lay_entre elos_novo.indd 65

07/06/13 09:43


A Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo) levou as empresas participantes do Projeto Brazilian Health Devices, realizado em parceria com a Apex-Brasil, para o Africa Health Exhibition & Congress 2013, que ocorreu em Johanesburgo, África do Sul. Um dessas empresas é a Loktal Medical que enviou seu representante de vendas internacional, Demétrio Silva, para participar do evento. Veja como foi.

Foto: Arquivo Pessoal

FH | na bagagem

Fotos: Shutterstock

A CiDADE... johanesburgo é uma cidade muito agradável e hospitaleira no que diz respeito aos turistas. no caso brasileiro, a ligação histórica de nossas raízes, as manifestações de nossa cultura (música, esportes, etc) tornam este “cuidar”, “abraçar” ainda mais especial. não há um sul- africano que não mencione nossos esportistas, michel Teló, gal, gil e as nossas novelas. Definitivamente o legado pós-Copa do mundo foi bem positivo. não poderia deixar de citar aqui o gautrain (metrô) que liga a cidade nos seus pontos mais importantes.

Demétrio Silva, representante de vendas internacional da Abimo.

O EvEntO

Para a Loktal Medical foi a oportunidade de explorarmos novos mercados no continente. o mercado sulafricano, por si só é forte, bem estruturado e busca novos produtos dentro do segmento para abastecer o mercado interno. os outros países do continente também nos visitaram; em especial os países de língua portuguesa.

DiCAS no capítulo turismo indicaria como importantes de serem visitados, ainda que rápido, os seguintes:

Foto: Shutterstock

Apartheid Museum – museu “memória” do que a nação viveu em relação ao racismo; o que foi feito para vencê-lo. aula de cidadania pura!

Ellis Park Stadium – Palco da Copa do mundo 2010.

Origins Centre – museu de arqueologia que conta, principalmente a origem do povo africano – enoch Sononga ave. Johannesburg Fort – Kotze St., hillbrow Top of Africa – magnífica vista da cidade a partir de um dos prédios mais emblemáticos. Carlton Centre – main St. near Krus St. Wonder Cave – Terceira maior caverna da África do Sul; localizada no Rinoceronte Park. Route a / Krondraai Road.

66

lay_bagagem.indd 66

Fotos: Arquivo Pessoal

The Lion Park – Como o nome já sugere, um zoo a céu aberto dedicado à preservação dos leões, leopardos, panteras...você consegue até brincar com os filhotes de leões. SENSACIONAL! IMPERDÍVEL!

Foto: Arquivo Pessoal

rEStAurAntE na área de Sandton – bairro como o dos jardins em São Paulo há inúmeras opções; todas muito boas. Para não ter erros, mandela Square é o local! Restaurantes de todos os tipos de cozinha; da local á internacional. ainda em Sandton, indicaria o The bull Run Restaurant. Local lindo com um pátio externo sensacional e cozinha que vai das carnes aos frutos do mar com excelência a preços inacreditavelmente honestíssimos para a qualidade que apresenta. Serviço para ficar na memória. www.thebullrun.co.za 011 884 1400.

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Shutterstock

a Loktal Medical avaliou o evento como extremamente positivo. estamos certos que à médio prazo, teremos resultados bastante satisfatórios; incluindo-se aí, fechamento de negócios.

Evento: AfricA HeAltH exHibition

& congress 2013 Data: 7 e 9 de Maio Local: Johanesburgo, África do sul

Vai viajar e participar de algum evento na área da Saúde? Envie sua sugestão para mburiti@itmidia.com.br

junho 2013 revistafh.com.br

07/06/13 10:01


FH | LIVROS

BOA LEITURA

O médico internista e oncologista do Instituto do Câncer – Hospital Mãe de Deus, Stephen Stefani acaba de lançar a quarta edição do livro “Clínica Médica”. Nele, o autor ajuda a solucionar os problemas práticos do dia a dia. Ele conversou com a FH sobre os principais pontos da obra.

Foto: Divulgação

Analice Bonatto | editorialsaude@itmidia.com.br

Quais são as novidades desta edição? Stephen Stefani: Ao mesmo tempo em que o livro mantém a ideia original – ele tem o tamanho ideal para o médico, por exemplo, levá-lo no bolso -, está mais robusto, com mais conteúdo em áreas clínicas fundamentais. A aquisição de informações médicas que estamos acompanhando merece uma revisão crítica e sofisticada com os temas contemporâneos e os consolidados, mas, principalmente, com uma visão organizada e didática. O que mais dificulta o bom atendimento médico a pacientes hospitalizados no Brasil ? Stefani: A velocidade da informação é quase tão impressionante quanto a quantidade de informação que existe. O Brasil, com suas carências orçamentárias e de infraestrutura precisa de um ‘companheiro’ para tomada da melhor decisão possível em todo momento. Sustentar e registrar cada conduta médica em uma boa base científica é compromisso com o paciente e uma segurança para todo profissional de saúde.

Resumidamente, o que é fundamental para o bom atendimento médico de pacientes hospitalizados e de ambulatório? Stefani: Exercer atividade com responsabilidade e respeito sempre foi e é essencial, mas atualmente a necessidade de seguir diretrizes científicas e recomendações consistentes passou a ter uma importância particularmente especial, uma vez que a qualquer momento os profissionais são chamados para justificar suas condutas e manejos. Com atual quantidade de informação é muito difícil seguir a literatura de todas as áreas. Dessa forma, uma compilação crítica elaborada por internistas e especialistas em várias destas especialidades é uma preciosidade. De que forma o livro colabora para o aprimoramento da prática diária dos profissionais da saúde? Stefani: Um bom material técnico não só ajuda a solucionar os problemas práticos do dia a dia, mas gera a necessidade oportuna de ampliar o tema e trafegar em um ambiente de medicina crítica, científica, objetiva e prática. Temos uma geração inteira de profissionais que usa o livro e, muito frequentemente, colaboram com seu aprimoramento de uma forma que seu uso fica mais personalizado para as necessidades dos tempos atuais. Clínica Médica (4°edição) Autor: Stephen Stefani e Elvino Barros Editora: Artmed Número de páginas: 1092 Preço: R$124

DIAGNÓSTICOS, INTERVENÇÕES E RESULTADOS DE ENFERMAGEM - SUBSÍDIOS PARA A SISTEMATIZAÇÃO DA PRÁTICA PROFISSIONAL

RECEITA PARA EXCELÊNCIA

Coeditada com a Associação Brasileira de Enfermagem (ABEn), a obra promove uma abordagem de todo processo envolvido no cotidiano da profissão. O título expõe 699 diagnósticos, 1312 resultados e 2625 intervenções na área, com diferentes cenários da enfermagem brasileira, incluindo ensino, clínica, pesquisa administração/ gerenciamento do cuidado de enfermagem.

Neste livro, os leitores podem conhecer a trajetória do modelo de negócios do Sistema de Saúde da Universidade da Califórnia (UCLA) que, em pouco tempo, deixou de ser uma escola de medicina para se transformar em um centro de excelência mundialmente famoso. O autor destaca que seus líderes atingiram o sucesso em quatro importantes áreas: Crescer e manter a qualidade; Inspirar inovação e gerar coesão; Equilibrar avanços tecnológicos com humanidade; Obter reconhecimento e respeito por feitos extraordinários.

Organizadoras: Telma Ribeiro Garcia e Marcia Regina Cubas Editora: Elsevier Número de páginas: 192 Preço: R$ 59

Autor: Joseph A. Michelli Editora: Bookman Tradução: Iuri Duquia Abreu Número de páginas: 280 Preço: R$ 68

67

Lay_Livros.indd 67

07/06/13 09:31


FH | showroom • EspEcial hospitalar

destaques do mês

Mais de mil empresas de saúde apresentaram suas inovações durante a Feira Hospitalar (21 a 24 de maio) - considerada o mais importante fórum de saúde da América Latina. Confira alguns destaques:

Desempenho preciso a câmara de armazenamento científico, da indrel, foi desenvolvida para o armazenamento controlado de vacinas, sangue, medicamentos etc. em temperaturas uniformes de 2°c a 8 °c. o equipamento é parte da linha de refrigeradores inteligentes refrimed desenvolvida com o sistema de comando digital em lcD para oferecer informações reais e precisas sobre o que ocorre com o equipamento, tais como alarmes de temperaturas fora de faixa e registros de acontecimentos. www.indrel.com.br

Tecnologia Tri-sTaple os grampeadores com tecnologia tri-staple™, da covidien, é parte dos produtos para utilização em cirurgia bariátrica. a tecnologia oferece recargas Endo Gia com maior variedade de espessuras de tecido, simplificando o processo de seleção do cartucho. Disponível em três tamanhos de grampos no mesmo cartucho, conta com lâmina nova a cada disparo e superfície escalonada para melhor adaptação à espessura tissular. o produto está entre os equipamentos do caminhão da saúde covidien que levará capacitação em cirurgia minimamente invasiva aos profissionais de saúde do país. www.covidien.com

precisão e rapiDez a caneta cVhp Griff, da wEm Equipamentos Eletrônicos, que obteve registro na anvisa no final de 2012, foi desenvolvida para proporcionar baixos níveis de sangramento graças ao sistema eletrocirúrgico que corta e coagula por gás argônio, considerado a forma de energia mais avançada para uso em eletrocirurgia e endoscopia hoje. www.wem.com.br

68

lay_vitrine.indd 68

junho 2013 revistafh.com.br

07/06/13 11:15


leve e compacTo a solução em ventilação da air liquide Brasil é o monnal t60, aparelho cirúrgico portátil emergencial para todo o tipo de transporte, inclusive aéreo, com ventilação invasiva ou não para pacientes de neonatal a pediátrico e adulto. Destaca-se por permitir o atendimento ao paciente de maneira imediata, além de ser leve e compacto com alça de fácil transporte. www.br.airliquide.com

Tecnologia neonaTal De ponTa a incubadora de transporte it 2158, da Fanem, que obteve recentemente a licença de comercialização, foi desenvolvida tanto para transporte intra-hospitalar como externo, visando aumentar a eficácia dos atendimentos aos recém-nascidos em situações de emergência. para tanto, o equipamento conta com display de lED de 5,7” e funcionalidades como oximetria de pulso, analisador de oxigênio, controle da temperatura do ar e da pele. o modelo dispõe de até quatro cilindros do tipo E, com comutação semiautomática entre cada par, dispensando as conexões manuais e possibilitando maior autonomia no fornecimento de ar. www.fanem.com.br

exame mais rápiDo o D-EVo, da Fujifilm, é um detector portátil para a digitalização de equipamentos de raios-X, desenvolvido para agilizar o trabalho dos serviços de radiodiagnóstico. considerado leve e fácil de usar, o equipamento possibilita a pré-visualização das imagens em apenas um segundo, proporcionando ganhos de produtividade. o equipamento também diminui o tempo de espera dos pacientes e reduz sua exposição à radiação, graças à tecnologia iss (irradiation side sampling). www.fujifilm-latinamerica.com/br

69

lay_vitrine.indd 69

07/06/13 11:15


FH | showroom • EspEcial hospitalar

conTrole De higienização De mãos o sistema automático de monitoramento e controle de higienização de mãos, da senfio, reúne crachá inteligente, dispenser e sensor de presença. pelo sistema, sempre que um profissional usar um dispenser senfio uma codificação eletrônica será enviada ao seu crachá, informando que ele iniciou uma higienização. com base nessa informação, o crachá repassa a ação para o software localize senfio onde ficará registrada a higienização. o objetivo é reduzir o número de infecções hospitalares. www.senfio.com

Design e versaTiliDaDe o extrator obstétrico a vácuo Kiwi®, da inoVE, é um sistema descartável formado por uma cúpula fetal e uma bomba a vácuo manipulada pela mão, com medidor de pressão, no modelo omnicup para parto vaginal. Este modelo visa à segurança em todas as posições fetais de apresentação cefálica. indicado nos partos normais sob as condições: gravidez a termo; membranas amnióticas rotas; polo cefálico encaixado; dilatação cervical completa; suspeita de comprometimento fetal; contrações uterinas diminuídas; exaustão materna e sob a utilização de um médico treinado. www.inove.med.br

comoDiDaDe e segurança a cama hm.2002 E, da hospimetal® foi projetada para proporcionar conforto e comodidade aos pacientes. para isso, além das funções de uma cama motorizada que auxilia diretamente o trabalho dos profissionais de saúde, ela foi desenvolvida para que o paciente acione os movimentos da cama, controle a temperatura do ar condicionado, acesse à internet e controle a iluminação do ambiente. www.hospimetal.com.br

70

lay_vitrine.indd 70

junho 2013 revistafh.com.br

07/06/13 11:16


proTeção e higiene o rodízio agile, da schioppa, é considerado ideal para os equipamentos hospitalares onde são importantes o design, a segurança e a higiene. o produto foi desenvolvido com uma capa para proteger a entrada de poeira, além de proporcionar rodagem macia e silenciosa, proteção ao piso e resistência ao desgaste e aos impactos. www.schioppa.com.br

sisTema ágil o sistema de válvulas integradas para cilindros de oxigênio de grande porte, da white martins, foi projetado com o regulador de pressão e o fluxômetro integrados ao cilindro para tornar o oxigênio medicinal disponível imediatamente ao paciente. o equipamento tem o objetivo de reduzir custos com acessórios de gasoterapia dispensando a montagem e manutenção de conexões e fluxômetros. Esta solução pode administrar uma vazão de 0,5 a 25 litros por minuto de oxigênio e o fluxo pode ser ajustado de acordo com a necessidade terapêutica por meio de um botão. www.whitemartins.com.br

71

lay_vitrine.indd 71

07/06/13 11:16


FH | market place

STILUS

3” a 4”

KG

capacidade até 70kg

Leveza e estilo em um único rodízio! A série Stilus possui design arrojado e revestimento específico. A cor pode ser definida de acordo com a necessidade de cada cliente e suas rodas duplas permitem leveza e harmonia nas curvas, com uma movimentação suave e silenciosa. Podem ser utilizados com ou sem freio e possuem diferentes tamanhos.

ZAFIRA

Rodízios Hospitalares

Resistência e bloqueio total da proliferação de fungos e bactérias.

4” a 5”

KG

capacidade até 100Kg

Fabricado em nylon poliamida 6.0, cor gelo com pista de esferas no cabeçote de giro. Proporciona rodagem macia e silenciosa, ótima proteção ao piso, excelente resistência química, ao desgaste e aos impactos, resultando em ótima relação custo benefício. A velocidade de trabalho indicada é até 4km/h.

FUTURA

KG capacidade até 100Kg 3” a 5” Fabricado em nylon poliamida 6.0, com fibra de vidro, possui força mecânica máxima. Além de sua superfície anti-corrosão, estes rodízios são resistentes a esterilização em altas temperaturas. Os garfos, rodas e calotas possuem a mesma cor, o que proporciona ao rodízio um design contemporâneo.

EVOLUTION

4” a 6”

EVIDENCE

5” a 8”

AGILE

4”

NEW AVANTECH

6”

KG

capacidade até 130Kg

Fabricado em nylon poliamida 6.0, com fibra de vidro, apresenta força e capacidade de carga superior para uma movimentação contínua. Com design contemporâneo, proporcionam rodagem silenciosa e são recomendados para qualquer tipo de ambiente.

KG

capacidade até 150Kg

www.dgrau3.com.br

Fabricado com estrutura interna em aço revestido por peças injetadas para diminuir a entrada de poeira e facilitar a limpeza. Ótima proteção ao piso com baixo ruído no deslocamento e excelente resistência a abrasão e impactos. Possui sistema de freio moderno de fácil acionamento com dois pedais.

KG

capacidade até 80Kg

Fabricado com nylon 6 injetado, disponível nas cores azul, cinza, gelo e verde. São ideais para equipamentos hospitalares onde são importantes o design, a segurança e a higiene, já que sua capa protege a entrada de poeira. Proporcionam rodagem macia e silenciosa, ótima proteção ao piso, excelente resistência química, ao desgaste e aos impactos, resultando em ótima relação custo benefício. Design, higiene e segurança em um só rodízio!

KG

capacidade até 150Kg

Fabricado com estrutura interna em aço revestido por peças injetadas em material termoplástico, para diminuir a entrada de poeira e facilitar a limpeza sem tirar o rodízio de serviço. Possui um sistema de freio que ao ser acionado trava o freio de giro e da roda nos quatro rodízios ao mesmo tempo, além da trava direcional para manobras em locais de difícil acesso.

ACESSÓRIO: BUMPER O bumper redondo foi desenvolvido para aplicação em camas hospitalares, com a função de proteger contra impactos durante a sua movimentação, além de evitar danos em caso de choque com as paredes. Produzido com composto termoplástico (PVC) injetado, é resistente a impactos e ao desgaste.

ACESSÓRIO: CAPA PLÁSTICA A capa plástica é injetada em polipropileno de alto impacto e possui perfil arredondado que se encaixa perfeitamente nos cantos da base das camas hospitalares, cobrindo a fixação dos rodízios e parte da estrutura da cama.

Rua Álvaro do Vale, 284. São Paulo - SP - Brasil Tel: 55 11 2065.5200 • vendas@schioppa.com.br www.schioppa.com.br facebook.com/schioppabrasil

72

lay_MKT.indd 72

junhoC 2013 revistafh.com.br M Y SCHIOPPA - Anúncio REVISTA FH - JUN/2013 - FORMATO: 26,6 x 31 cm - DGRAU3 K

06/06/13 18:27


73

lay_MKT.indd 73

06/06/13 18:28


FH | market place

74

lay_MKT.indd 74

junho 2013 revistafh.com.br

07/06/13 13:34


Higienização Hospitalar: soluções integradas que permitem um ambiente cirúrgico livre de infecções. Em outras palavras, você trabalhando em condições adequadas. Os serviços de Higienização Hospitalar do Grupo Tejofran são soluções integradas com atuação em todas as áreas: limpeza concorrente, terminal, cirúrgica e imediata. Além de todo composto de governança hospitalar. Ou seja: seu hospital operando em condições adequadas. Para saber mais, ligue e agende uma visita:

0800 7707681 www.tejofran.com.br

75

lay_MKT.indd 75

06/06/13 18:28


FH | market place

76

lay_MKT.indd 76

junho 2013 revistafh.com.br

06/06/13 18:28


Provamos que um desfibrilador básico, além de acessível, também pode ser avançado, confiável e prático.

www.instramed.com.br

Nova linha Apolus: basicamente o que você queria. O melhor custo-benefício em um equipamento voltado para função básica de desfibrilação, sem abrir mão da segurança de um fabricante consagrado que desenvolve e produz no Brasil há mais de 25 anos, oferecendo agilidade, garantia de pós-venda e suporte técnico em todo o país como só o fabricante pode proporcionar. • Pás multifuncionais adulto e infantil integradas com indicador de carga pronta e contato com o paciente.

• Energia bifásica entregue de até 360J, limitada eletronicamente em 50J quando utilizado com pás infantis.

• Conexão para sincronismo com monitor cardíaco externo (cardioversão).

• Inicialização instantânea. Pronto para choque em menos de 6 segundos.

• Leve e robusto com grandes alças em ambos os lados que facilitam o uso. • Desenho sem cantos vivos, projetado para o transporte de emergência.

• Principais funções concentradas em apenas um botão com operação no padrão 1, 2, 3.

Instramed - A marca brasileira de tecnologia médica

77

lay_MKT.indd 77

06/06/13 18:28


FH | MARKET PLACE

IT MÍDIA DEBATE QUESTÃO TRIBUTÁRIA É UM DOS FATORES QUE DIFICULTA O ACESSO A MEDICAMENTOS NO BRASIL

UM HOMEM

E aí, HOSPITAL

DE VISÃO

LONGE DE CASA, O AMERICANO LARRY MEAGHER FALA SOBRE SUA NOVA MISSÃO COMO DIRETOR EXECUTIVO DO HOSPITAL SANTA CATARINA

DE PRAGMÁTICO AO PONTO ” PERSEGUIR O “ERRO ZERO (FOTO), CLAUDIO LOTTEMBERG L PITA HOS DO TE PRESIDEN NO ALBERT EINSTEIN, TEM CUIDADO AO PACIENTE SEU UTIVO ESTÍMULO DE VIDA. O EXECVOLTA A TAMBÉM NÃO DESCARTA A UM CARGO POLÍTICO

FOTO: RICARDO BENICHIO

06/06/13 17:21

lay_capa.indd 1

a Revista FH? Faça comentários, críticas e sugestões em nossos canais de atendimento: atendimento@itmidia.com.br | (11) 3823-6675 ou (11) 3823-6700. Aproveite e curta a nossa página no Facebook: facebook.com/saudeweb

78

lay_MKT.indd 78

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

06/06/13 18:28


C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

79

lay_MKT.indd 79

06/06/13 18:28


FH | EXPEDIENTE

Gerente E acava

ADELSON DE SOUSA Presidente Executivo adelson@itmidia.com.br

www.revistafh.com.br Receba as últimas notícias do mercado em tempo real, diariamente em seu email. Assine a newsletter do SAÚDE WEB: www.saudeweb.com.br

PRESIDENTE EXECUTIVO ADELSON DE SOUSA • adelson@itmidia.com.br VICE -PRESIDENTE EXECUTIVO MIGUEL PETRILLI • mpetrilli@itmidia.com.br

GERENTE ADMINISTRATIVA E OPERAÇÕES Emanuela Araújo earaujo@itmidia.com.br GERENTE FINANCEIRO Marcos Lopes marcos@itmidia.com.br

MIGUEL PETRILLI Vice -presidente Executivo mpetrilli@itmidia.com.br

COMO RECEBER REVISTA FH www.revistafh.com.br/assinar CENTRAL DE ATENDIMENTO AO LEITOR atendimento@itmidia.com.br (11) 3823-6615 (11) 3823-6675 COMO ANUNCIAR comercialsaude@itmidia.com.br | Tel.: (11) 3823.6600 Rio de Janeiro: Sidney Lobato • sidney.lobato@itmidia.com.br (21) 2565-6113 – (21) 8838-2648

MARIA CAROLINA BURITI Editora de Saúde mburiti@itmidia.com.br

USA: Huson International Media Tel.: (1-408) 879-6666 - West Coast | Tel.: (1-212) 268-3344 - East Coast ralph@husonusa.com Europa: Huson International Media Tel.: (44-1932) 56-4999 - West Coast | t.holland@husonmedia.com

TRABALHE CONOSCO rh@itmidia.com.br

IMPRESSÃO Log & Print Gráfica e Logística S.A.

REVISTA FH

A revista FH é uma publicação mensal dirigida ao setor médico-hospitalar. Sua distribuição é controlada e ocorre em todo o território nacional, além de gratuita e entregue apenas a leitores previamente qualificados. As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídiaou quaisquer outros envolvidos nessa publicação. As pessoas que não constarem no expediente não têm autorização para falar em nome da IT Mídia ou para retirar qualquer tipo de material se não possuírem em seu poder carta em papel timbrado assinada por qualquer pessoa que conste do expediente. Todos os direitos reservados. É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia S.A.

VERENA SOUZA Editora Adjunta de Saúde vsouza@itmidia.com.br

FRANCISCO YUKIO PORRINO Editor de Arte e Vídeo fporrino@itmidia.com.br

GAB THAIA DUÓ Repórter de Saúde thaia.duo@itmidia.com.br

gmar BRUNO CAVINI Produtor de Arte e Vídeo bcavini@itmidia.com.br

INSTITUTO VERIFICADOR DE CIRCULAÇÃO

IT Mídia S/A Praça Prof. José Lannes, 40 • Edifício Berrini 500 • 17º andar 04571-100 • São Paulo • SP Fone: 55 11 3823.6600 | Fax: 55 11 3823.6690 www.itmidia.com.br

80

lay_Expediente.indd 80

CONSELHO EDITORIAL REVISTA FH Cláudio Giulliano A. da Costa • Diretor comercial para OPME da Bionexo Gonzalo Vecina Neto • Superintendente corporativo do Hospital Sírio-Libanês João Carlos Bross • Superintendente da Bross Consultoria e Arquitetura Osvino Souza • Professor e Pesquisador da Fundação Dom Cabral Paulo Marcos Senra Souza • Diretor da Amil Sérgio Lopez Bento • Diretor técnico da Planisa

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

06/06/13 18:33

r


ANDRÉ CAVALLI Gerente Executivo de Vendas acavalli@itmidia.com.br ERIC OUCHI Gerente de Marketing Digital eric.ouchi@itmidia.com.br

GABRIELA VICARI Gerente de Marketing Comunicação gvicari@itmidia.com.br

CRISTIANE GOMES Gerente de Marketing Revistas cgomes@itmidia.com.br

GABY LOAYZA Gerente de Estudos e Análises gloayza@itmidia.com.br

MARCELO MALZONI BARRETO Gerente Comercial de Saúde mmalzoni@itmidia.com.br (11) 99637-7665 EMERSON MORAES Gerente de Marketing Fóruns emoraes@itmidia.com.br

GABRIELA MARCONDES Gerente de Negócios gmarcondes@itmidia.com.br (11) 97144-2543 DANIELLA IGLESIAS Executiva de Contas daniella.candia@itmidia.com.br (11) 97144-2542

RODRIGO MORAIS Executivo de Contas rmorais@itmidia.com.br (11) 99655-6413

SUELLEN MARQUES Executiva de Contas suellen.marques@itmidia.com.br (11) 99639-7527

MÁRCIO LIMA Gerente de Relacionamento com Clientes mlima@itmidia.com.br

81

lay_Expediente.indd 81

06/06/13 18:34


Foto: Magdalena Gutierrez

PAPO ABERTO

GOVERNANÇA

DA INFORMAÇÃO O que vem a ser isso? Alguns de vocês podem estar se perguntando. E a resposta é simples: a governança da informação é como a empresa lida com seus dados, ou seja, qual a política que rege esta questão. É cada vez mais comum recebermos e-mails ou telefonemas de organizações com as quais não temos, e nunca tivemos, qualquer relacionamento. Como chegam até nós? Simples, cadastros com informações que passamos para uma compra ou outra iniciativa são negociados à luz do dia. E para quem mora em São Paulo é fácil ver isso acontecer em CDs ou outra forma de armazenamento em plena Praça da Sé, centro da capital. Isso demonstra a falta de governança da informação. E na Saúde onde entra esta questão? Os dados dos pacientes são guardados em registro e hoje em sua maioria já estão no formato eletrônico dentro do que é chamado do eletronic health record (EHR). A Accenture, que fez um estudo recente junto a 3,7 mil médicos de diversos países sobre o tema, define a governança da informação como os processos, funções, padrões e tecnologias que permeiam a criação da informação assim como seu armazenamento. A comunicação sobre estas informações, valores e uso efetivo e seguro como apoio aos objetivos estratégicos da empresa. A consultoria destaca que, se bem feita, a governança permite que a saúde eletrônica garanta melhores cuidados para os pacientes, maior eficiência e redução de custos. Em contrapartida, processos mal planejados do uso da informação podem eliminar os benefícios da saúde eletrônica. Em outra pesquisa, esta realizada pela Delloite junto a 500 médicos também de diferentes nacionalidades, um índice alto, de

73%, acredita que a TI de saúde ajuda a melhorar a qualidade dos cuidados médicos no longo prazo. E dentro dos projetos de registros médicos eletrônicos, a Accenture identificou seis passos que, de acordo com a consultoria, podem ajudar as organizações de saúde a navegarem rumo aos registros eletrônicos e se beneficiar destes. São os seguintes os pontos: 1. Implementação deste tipo de registro deve partir da estratégia da empresa e não uma iniciativa específica de TI 2. Fica o alerta para o fato de que geralmente estes processos acabam ficando mais longos e mais caros do que o previsto no início 3. Os gastos de TI tendem a aumentar e é necessário alinhamento da liderança e perseverança 4. Falta mão de obra qualificada e com conhecimento para este tipo de projeto 5. Para dar suporte à implementação e à operação de sistemas de registros médicos eletrônicos deverá haver uma mudança na maneira de pensar e de agir da instituição de saúde de forma a extrair o que de melhor estes sistemas podem agregar 6. É essencial criar uma cultura para a adoção do sistema e dos novos procedimentos que ele agrega para que haja envolvimento de toda a força de trabalho Apesar de todos estes alertas, as evidências verificadas junto às instituições de saúde mostram que as parte envolvidas, da organização ao paciente, têm muito ganhar com estes novos procedimentos.

Stela Lachtermacher Diretora Editorial IT Mídia 82

lay_stela.indd 82

JUNHO 2013 REVISTAFH.COM.BR

06/06/13 17:46


Salusse Marangoni Advogados reúne a segurança de uma banca tradicional, com profissionais altamente qualificados, aos mais modernos recursos de tecnologia, tudo visando um atendimento ágil, pessoal e focado na obtenção de resultados. A área de Direito Regulatório do escritório tem forte atuação na área da saúde, tanto em questões consultivas e preventivas quanto contenciosas. Com atuação direta perante os órgãos reguladores do setor (entre eles ANS e ANVISA), o escritório conta com uma assessoria especializada para a gestão de operadoras e seguradoras de planos privados de assistência à saúde, bem como hospitais e laboratórios de diagnose e terapia. Atuação direta em questões societárias e contratuais (análise e elaboração de contratos em geral), tanto em atos do dia a dia dos clientes quanto em operações específicas e estruturadas, que demandam uma expertise diferenciada. Salusse Marangoni Advogados possui duas décadas de experiência com o mais elevado reconhecimento da comunidade empresarial, e atua também nas seguintes áreas do Direito:

ÁREAS DE ATUAÇÃO

Untitled-1 1

- Administrativo

- Imobiliário

- Arbitragem

- Mercado de Capitais

- Civil e Contencioso

- Penal Empresarial

- Comercial

- Previdenciário

- Consumidor

- Propriedade Intelectual

- Contratual

- Societário

- Família e Sucessões

- Trabalhista

- Fusões e Aquisições

- Tributário

06/06/13 10:24


Os gases medicinais agora são medicamentos. Conte com nossa experiência.

Conheça as soluções Linde Healthcare em: • Gases medicinais • Infraestrutura hospitalar • Oxigenoterapia domiciliar • Terapias do sono e ventilação • Consultoria e serviços especializados

ento m a n o ci e Fun dicinais d o ã e ç oriza Gases M ) t u A e Em → AF mpresa d ais e n i c de E i ed bris m a ( f s idade → Un o Brasil todo

Linde: Living healthcare

Linde Gases Ltda. /LQ G H + HD O W K F D U H $ O 0 D P R U p ž H ž D Q G D U HV $ O SK D Y LO O H 7HO F U F O J EU # O LQ G H F R P Z Z Z O LQ G H K HD O W K F D U H F R P EU

Untitled-3 1

% D U X HU L 6mR 3D X O R

% U D V LO

LHC.MIDIA.BRA.0613.001-01

$ /LQ G H + HD O W K F D U H G R P LQ D D U HJ X O D P HQ W D omR G R V J D V HV P HG LF LQ D LV com sólida experiência em mercados de saúde dos cinco continentes. 7U D ED O K D P R V F R P R F R P SU R P LV V R G H W U D ] HU D V P HO K R U HV V R O X o} HV HP tratamentos de saúde para os pacientes dentro e fora do hospital. ( [ SHU Lr Q F LD D O LD G D j V P D LV LQ R Y D G R U D V H V HJ X U D V V R O X o} HV HP J D V HV medicinais do mercado.

06/06/13 16:46

Revista FH - Ed. 212  

A REVISTA DE GESTÃO, SERVIÇOS E TECNOLOGIAS PARA O SETOR HOSPITALAR - Ano 20 • Edição • 212 • Junho de 2013

Revista FH - Ed. 212  

A REVISTA DE GESTÃO, SERVIÇOS E TECNOLOGIAS PARA O SETOR HOSPITALAR - Ano 20 • Edição • 212 • Junho de 2013

Advertisement