Issuu on Google+


REVISTA

AIPAN

EDITORIAL

MARÇO 2012

Caros colegas: Portugal vive hoje uma situação de verdadeira emergência nacional. Esta, é sem dúvida a frase mais ouvida dos últimos meses, no entanto, já decorreu um ano desta governação e o “hoje” mantém-se firme. Esta indefinição de tempo é cada vez mais grave para as nossas empresas, já de si extremamente vulneráveis, na medida em que somos permanentemente confrontados com novas medidas legislativas, de implicações directas nas tesourarias, fragilizando a competitividade das mesmas. Se não, vejamos:

“...hoje mais do que nunca, teremos de demonstrar e relevar a nossa união. (...) gostava também de deixar aqui um apelo à presença de todos os associados na Assembleia Geral,...”

• • • • •

Mercado interno em recessão; Escassez de financiamento; Atrasos nos pagamentos; Enquadramento fiscal para 2012 mais adverso; Pesados encargos financeiros e burocráticos junto das instituições e banca, que o estado continua a ignorar; • Custos da energia e combustíveis entre os mais caros da Europa; • Rigidez nas relações laborais; • Sistema judicial lento e ineficaz.

Estes serão com certeza, alguns pontos com que todos nos identificamos, no entanto, haverá muito mais no que toca particularmente ao nosso sector, nomeadamente a certificação dos programas de vendas que obrigam na maioria dos nossos associados à substituição dos equipamentos de registo e, consequente despesa associada. Isto, num espaço de dois meses entre a publicação e a entrada em vigor da lei. Logo, num período crítico para as empresas, pois ter de fazer investimento não previsto em equipamentos não produtivos, que irá coincidir com o pagamento do primeiro trimestre de IVA (forte agravamento na nossa actividade), que, como sabemos, deverá trazer graves consequências, para a grande maioria das micro e pequenas empresas. Assim, não será de espantar o contínuo crescimento do desemprego e o número crescente de insolvências, facto que aliás tem sido visível pelos números tornados públicos. Nunca como agora seria importante a redução da TSU, medida que como foi aliás bastante falada, seria decisiva para a redução dos custos do trabalho. Perante tudo isto, torna-se imprescindível que cada um de nós faça uma reflexão profunda nas respectivas organizações, no sentido de contrariar com eficiência as dificuldades de hoje, tendo como garantia a sustentabilidade de amanhã. Para isso, hoje mais do que nunca, teremos de demonstrar e relevar a nossa união. Com este propósito, gostava também de deixar aqui um apelo à presença de todos os associados na Assembleia Geral, onde disponibilizaremos tempo na agenda para falar destes e de outros assuntos que entendam relevantes para o sector.

Até lá.

SUMÁRIO 01 02 03 04 06 07 08 10 12 14 15 16 18 20 22 24 26 27 28 29 30 32 33 34 36

Editorial, Sumário e Ficha Técnica Formação PME - Padaria Santana Padaria Balio e Confeitaria 3 Condes Aniversário AIPAN 16ème Coupe D’Europe A AIPAN - Dep. de Nutrição Embalagem e Conservação Medida Estímulo 2012 Renovação dos contratos Espaço Associado - Renovação da Loja Padaria S. Pedro - Cerepal Associados da AIPAN promovem recolha de óleos alimentares usados Suspiro de Mãe - Concurso Nacional “Como ler a nossa história recente na crise do pão” Certificação prévia dos programas informáticos de facturação Certificação Prévia - FAQS Ferneto distinguida com o estatuto PME Excelência 2011 A Tradição do Pão em Portugal “Melhor Livro do Mundo sobre o Pão” Publireportagem: Contra as Pragas Marchar, Marchar C. P. Electrónica / Mapa de Férias Inovação e a Norma NP 4457:2007 Calendário Fiscal Feiras Loja AIPAN / Bolsa de Emprego Protocolos/Parcerias Receitas

FICHA TÉCNICA REVISTA AIPAN Nº 5 / MÊS MARÇO PERIODICIDADE TRIMESTRAL PROPRIEDADE AIPAN - ASSOCIAÇÃO DOS INDUSTRIAIS DE PANIFICAÇÃO, PASTELARIA E SIMILARES DO NORTE PRACETA COMERCIAL DO CHANTRE, LOJA 1 URBANIZAÇÃO DO CHANTRE 4470-134 MAIA TEL. 228 315 124 - FAX 228 315 149 TELM. 919 354 843 E-MAIL: GERAL@AIPAN.PT WWW.AIPAN.PT EDITOR AIPAN DIRECTOR ANTÓNIO FONTES SEDE DA REDACÇÃO AIPAN COLABORADORES CATARINA CARVALHO / ELISA AGUILAR / INÊS CIPRIANO / GORETTI CARVALHO / GRAÇA B. NOGUEIRA / LISETE ALVES / SÓNIA DE SOUSA NOVAIS / TEÓFILO ALMEIDA (O conteúdo da publicidade é da única responsabilidade dos anunciantes. / Os artigos assinados são da responsabilidade dos seus autores.)

DESIGN/PAGINAÇÃO DICE.PT EXECUÇÃO GRÁFICA E IMPRESSÃO GRECA ARTES GRÁFICAS Rua do Tronco, 984 - Armazém A 4465-274 S. Mamede Infesta TIRAGEM 1000 EXEMPLARES DEPÓSITO LEGAL 327351/11 Isenta de Registo na ERC ao abrigo do disposto do Decreto Regulamentar nº 8/99, de 9 de Junho, artigo 12º, 1, a).


REVISTA

AIPAN

FORMAÇÃO PME PADARIA DE SANTANA, QUALIDADE TODA A SEMANA

MARÇO 2012

PADARIA DE SANTANA, QUALIDADE TODA A SEMANA

A Padaria de Santana, a caminho de um século de existência, com uma história feita de dedicação e profissionalismo, é, actualmente, uma das empresas intervencionadas pela Formação PME proporcionada pela AIPAN. As intervenções em áreas como, atendimento ao cliente, vitrinismo, higiene e segurança alimentar e formação e consultoria na utilização das novas tecnologias, têm contribuído para o aumento da qualificação e profissionalização da nossa equipa. Assim, a participação no programa tem vindo a contribuir para excelentes melhorias, das quais os resultados já estão à vista, comprovando-se no dia-a-dia na qualidade dos nossos produtos e serviços, cada vez mais adequados ao acompanhamento das novas exigências do mercado. “O caminho faz-se caminhando.” PADARIA DE SANTANA Rua de Santana, 625 / 4465- 741 Leça do Balio Telefone: 229010370 / Telemóvel: 918700741 / Fax: 229023054 Email: padariasantana625@gmail.com

02

José Carvalho, patriarca da Padaria de Santana (foto da esquerda), faz questão de “meter as mãos na massa”, sendo um exemplo para todos os mais jovens, na utilização das novas tecnologias e apostando na formação.


REVISTA

AIPAN

FORMAÇÃO PME PADARIA BALIO E CONFEITARIA 3 CONDES

MARÇO 2012

PADARIA BALIO E CONFEITARIA 3 CONDES

ABRE NOVO ESPAÇO

Dia 18 de Março de 2012, a Padaria Balio e Confeitaria 3 Condes inaugurou um novo estabelecimento, depois das obras de restauro efectuadas e de ultrapassadas todas as formalidades burocráticas. Nesta data, foi tornada realidade e a inauguração contou com a presença dos 3 Condes, que simbolizam as três gerações nesta família: Pais, Filhos e Netos. Esta empresa tem vindo a ser intervencionada pelo programa de Formação PME, à medida da empresa, tendo as formações - nos domínios de práticas de atendimento e vitrinismo para confeitarias e padarias - assumido particular importância, que, com a abertura do novo estabelecimento, ganham maior ênfase. A qualificação das pessoas e a melhoria de processos são um meio para atingir um fim – reforçar a imagem de qualidade que a Padaria Balio e a Confeitaria 3 Condes têm granjeado ao longo dos tempos -, para tal, o contributo do Programa Formação PME tem-se revelado útil, não só pelo apoio na área comercial, mas também no domínio da validação do cumprimento de requisitos de higiene e segurança alimentar, bem como, na melhoria de processos organizacionais de controlo de gestão.

03


REVISTA

AIPAN

A FAMÍLIA AIPAN FEZ 36 ANOS A 8 DE MARÇO DE 2012

MARÇO 2012

A FAMÍLIA AIPAN

FEZ 36 ANOS A 8 DE MARÇO DE 2012 Parabéns à AIPAN e a todos os que contribuem para que esta associação seja um sucesso desde 8 de Março de 1976 a credibilizar, dignificar e valorizar o nosso sector.

“Todos reconhecemos o papel que as Associações desempenham no desenvolvimento económico e na divulgação e promoção do Concelho. São Associações como a AIPAN que constituem o verdadeiro pulsar do Concelho. Por isso mesmo, tenho o grato prazer e a honra de o felicitar pelo 36º aniversário da AIPAN, bem como a todos os membros e órgãos sociais, desejando-lhes muitas felicidades e os maiores sucessos. Da minha parte, e da Câmara Municipal da Maia, podem contar com todo o apoio que necessitarem para a concretização dos vossos objectivos. Aproveito esta oportunidade para lhe apresentar os meus melhores cumprimentos e os protestos da minha mais elevada estima e consideração pessoal. Votos de Sucessos.” Presidente Câmara Municipal da Maia | Engº António Gonçalves Bragança Fernandes

“À Direcção e colaboradores da AIPAN os n/ parabéns pela actividade e dinâmica desenvolvida ao longo destes anos.” PRODITE ZEELANDIA

“Feliz aniversário e que venham muitos mais…” Coordenação Gabinete de Saúde | Câmara Municipal da Maia

Parabéns a todos, principalmente a todas que dia-a-dia vão contribuindo para que a receita seja de um progresso contínuo.

“Não poderia deixar passar a oportunidade de felicitar a V. Associação nesta data que hoje assinala, nomeadamente pelas suas iniciativas de promoção de Saúde Pública na mui nobre causa que me é cara – a promoção de hábitos alimentares saudáveis na população portuguesa.” Nutricionista - Gabinete de Saúde | Câmara Municipal da Maia

Padaria Pastelaria A Boa Nova do Mosteiro lda.

“Votos das maiores FELICIDADES para uma Jovem de SUCESSO.” GB PLANGE

04

“Parabéns AIPAN e a todas as pessoas que contribuiram para a realidade actual.” GB PLANGE “Os nossos parabéns e desejo de muitos sucessos associativos. Que continuem a contribuir para o sucesso do Pão em Portugal.” CEREALIS “No meio de tanta preocupação, valem-nos estes momentos de aniversário, que são uma forma de energia para libertar um sorriso. Aniversário é festa. Festa é alegria. Alegria é júbilo. Júbilo é partilha. Partilha é o cerne das famílias e, a família dos padeiros não pode ficar indiferente a mais esta data.

Parabéns”

Obrigado a todos pelas simpáticas palavras.


REVISTA

AIPAN MARÇO 2012

05


REVISTA

AIPAN

16ÈME COUPE D’EUROPE

MARÇO 2012

16

ÈME

COUPE D’EUROPE

A AIPAN REPRESENTOU PORTUGAL NA 16ª EDIÇÃO DO CAMPEONATO DA EUROPA DE PADARIA E PASTELARIA ARTESANAL “LES PELLONS D´OR”.

da esquerda para a direita: Rui Lopes, António Fontes (Presidente da Direcção da AIPAN), Vitor Marques, Nelson Vilela e Américo Couto.

De 3 a 5 de Março, em Amesterdão, uma equipa constituída por Padeiros e Pasteleiros da AIPAN-Associação dos Industriais de Panificação, Pastelaria e Similares do Norte, representou Portugal num dos mais prestigiados concursos europeus de Panificação e Pastelaria Artesanal, à semelhança do que vem acontecendo há cerca de 6 anos. Estes campeonatos, que têm como principais objectivos, a valorização da profissão de Padeiro, a troca de experiências e de culturas, decorrem sob um rígido conjunto de regras de competição. Nesta edição, o tema a concurso foi a Fauna e Flora, sendo todas as receitas de Padaria e Pastelaria, além da Peça Artística, sujeitas a este tema. Nesta edição estiveram a concurso a Holanda (país anfitrião), a França, a Itália, a Dinamarca, a Espanha, a Suíça e Portugal. EUROPAIN Copa da Europa de Pastelaria 3º Lugar da Equipa Portuguesa No passado dia 7 de Março, em Paris, realizou-se mais uma edição da Copa da Europa de pastelaria integrada na feira Europain, a equipa Portuguesa constituída por Rui Costa, Jorge Antunes e Joaquim Sousa apoiados por Carlos Valente e Cláudia Gonçalves - todos eles mestres na arte de trabalhar chocolate e açúcar - conseguiu dignificar o nome do nosso país e trazer para Portugal um 3º lugar e o apuramento directo para a Copa do Mundo a realizar em Janeiro de 2013, na cidade de Leon. Esta equipa, que teve enormes dificuldades em reunir os apoios necessários para a sua deslocação a este evento, foi à última hora pa-

06

À AIPAN cabe a responsabilidade da representação da Padaria e Pastelaria Portuguesa, aliada a várias técnicas de criação e inovação, que envolvem um trabalho preparatório da equipa, iniciado há mais de 8 meses. Foram a concurso o Pão da Ceifeira, o Pão de Sêmola e Girassol, o Pão de Cereais, o Pão de Requeijão, Amêndoas e Mel e a Broa de Milho com torresmos e pimentos. Na pastelaria, o Croissant, o Caramelo de Pêra, a Piña-Colada, o Chocobanana, o Brioche Cassis e o Brioche de Laranja, traduzem a união dos ingredientes às elevadas técnicas de trabalho das massas folhadas e massa brioche. Os prémios, “Les Pellons D´Or”, são de Ouro, Prata e Bronze e contemplam a originalidade, a criatividade e a eficácia.

trocinada pelas empresas Crown Wheel, Marbela e Alliance Française, que asseguraram a presença destes jovens num evento onde estiveram reunidos os melhores da Europa….Parabéns a todos!!!

www.crownwheel.pt


REVISTA

AIPAN

A AIPAN DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO

MARÇO 2012

Inês Cipriano | Departamento Alimentar - Nutrição

A AIPAN

DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO FICHAS TÉCNICAS

ROTULAGEM

EMENTAS SAUDÁVEIS

ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS

COMPOSIÇÃO NUTRICIONAL

ÓLEOS ALIMENTARES USADOS

ADITIVOS ALIMENTARES Costuma utilizar…

. E104 Amarelo de quinoleína . E110 Amarelo-sol FCF/amarelo alaranjado S . E124 Ponceau 4R, vermelho de cochonilha O regulamento (CE) n.º 232/2012 de 16 de Março prevê novas condições de utilização tendo em conta as doses diárias admissíveis estabelecidas pelo Comité Científico da Alimentação Humana.

Para mais informações contacte o Departamento de Nutrição da AIPAN.

SABIA QUE...

PODE SOLICITAR A FICHA DE PRÉ-ADESÃO DA RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS NA AIPAN?

07


REVISTA

AIPAN MARÇO 2012

EMBALAGEM E CONSERVAÇÃO Lisete Alves | Departamento Alimentar - Qualidade

EMBALAGEM E CONSERVAÇÃO

A embalagem representa um papel fundamental na conservação dos alimentos e, de entre estes, o pão, os produtos de panificação e os produtos de pastelaria não são excepção.

Tradicionalmente, os produtos de panificação e pastelaria geralmente não eram pré-embalados, sendo que, a sua embalagem só era (e em muitos casos, ainda é) efectuada no momento de venda, utilizando para isso, quer embalagens em papel ou cartão, quer em plástico PP (polipropileno) ou PE (polietileno estirado). A função principal da embalagem é preservar as características (químicas, físicas e organolépticas) do produto embalado até ao momento do seu consumo, evitando a sua adulteração, intencional ou não, garantindo a sua segurança. No caso de embalagem no momento da venda, basicamente a sua função consiste em conferir esta protecção durante o transporte do produto, desde o local de venda até ao local de consumo. Actualmente, devido às exigências associadas ao fornecimento de outras empresas, nomeadamente a entrega dos produtos pré-embalados, temos de considerar determinados aspectos (para além das obrigatoriedades da rotulagem) para que a embalagem cumpra com eficácia a sua função, mantendo as características do produto durante o tempo de vida útil que tenha sido determinado. Aliás, através das condições de embalagem (materiais, atmosfera, etc) podemos inclusivamente prolongar este tempo de vida.

08

Assim, para conseguirmos os melhores resultados, existem alguns factores a considerar e a conjugar: • Escolha do material de embalagem, que deverá ser escolhido de acordo com a duração e finalidade que se pretenda dar ao produto e que poderá ser de: • saco de plástico microperfurado para pré-embalagem de produtos de panificação do dia (produtos que serão consumidos no mesmo dia); normalmente utilizado para embalar pão do dia, quando não se consegue garantir o total arrefecimento do mesmo e quando este for consumido no mesmo dia; não é adequado para embalar produtos quando se pretende que atinjam um tempo de vida mais longo, pois este tipo de embalagem não o conseguirá garantir, uma vez que permite a possível contaminação do produto por factores presentes no ambiente e pode permitir perda excessiva de humidade comprometendo as características do produto; • sacos de papel ou plástico ou caixas de cartão, se a embalagem for feita apenas no momento de venda; • sacos de plástico para embalagem de produtos com tempo de vida mais prolongado ou até plástico laminado e/ou metalizado, no caso de produtos com alto teor em gordura (evitando assim a sua oxidação e consequente rancificação), com selagem da embalagem para garantir a sua hermeticidade.


REVISTA

EMBALAGEM E CONSERVAÇÃO Lisete Alves | Departamento Alimentar - Qualidade

• Utilização de atmosfera modificada ou vácuo, no caso de produtos com tempo de vida mais longo, pode ajudar a prolongar esse tempo, ao reduzir a exposição do produto ao oxigénio, evitando assim a oxidação do produto e degradação do mesmo devido a crescimento microbiológico; É importante referir que a embalagem hermética de produtos de panificação e pastelaria, adequada para conservação superior a um dia, deve ser realizada com estes totalmente arrefecidos, caso contrário, poderá ocorrer condensação de humidade dentro da embalagem, colocando em risco a segurança alimentar dos alimentos embalados.

AIPAN MARÇO 2012

fico, assim como, o tempo de vida útil (validade) a indicar na rotulagem do mesmo. Para mais informações sobre como fazer este estudo de tempo de vida útil para os seus produtos embalados, contacte o Departamento de Qualidade da sua associação. A AIPAN existe para o ajudar.

Também é de salientar que, para produtos de conservação mais longa, para determinar o tempo de vida útil da forma mais correcta, deve ser realizado um estudo do tempo de vida útil recorrendo a um método mais sistemático. Isto deve ser feito com a ajuda de entidades ou laboratórios adequados para prestar este tipo de serviço, que conseguirão traçar o perfil do produto e a evolução das suas características físicas, químicas, organolépticas e, não menos importantes, microbiológicas ao longo do tempo previsto, desde a sua produção, passando pelo período de armazenamento/espera até ao seu consumo. Desta forma consegue-se determinar, de uma maneira mais fiável, qual o melhor tipo de material e condições de embalagem para um produto especí-

09


REVISTA

AIPAN

MEDIDA ESTÍMULO 2012

MARÇO 2012

Graça B. Nogueira | Departamento Jurídico

MEDIDA

ESTÍMULO 2012

No dia 14 de Fevereiro, entrou em vigor a Portaria nº 45/2012 que cria a MEDIDA ESTÍMULO 2012, que consiste na concessão, à entidade empregadora, de um apoio financeiro à celebração de contrato de trabalho com desempregado inscrito no centro de emprego há pelo menos seis meses consecutivos, com a obrigação de proporcionar formação profissional. O objectivo é apoiar a contratação e a formação profissional de desempregados inscritos há pelo menos 6 meses consecutivos no centro de emprego. Assim, as pessoas singulares ou colectivas de direito privado, com ou sem fins lucrativos, enquanto empregadores, podem receber apoios se contratarem desempregados, com um limite de contratação de 20 trabalhadores.

3. Ter ao seu serviço 5 ou mais trabalhadores; 4. Ter a situação contributiva regularizada perante a administração fiscal e a segurança social; 5. Não se encontrar em situação de incumprimento no que respeita a apoios financeiros concedidos pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P.; 6. Ter a situação regularizada em matéria de restituições no âmbito do financiamento do Fundo Social Europeu; 7. Dispor de contabilidade organizada de acordo com o previsto na Lei.

APOIO FINANCEIRO A entidade patronal, apoiada pelo estímulo 2012, que celebre contrato de trabalho, tem direito a um apoio financeiro correspondente a 50% da retribuição mensal do trabalhador.

REQUISITOS DA ENTIDADE EMPREGADORA (NO MOMENTO DA APRESENTAÇÃO DA CANDIDATURA E DURANTE TODO O Este apoio poderá ser de 60% se: PERÍODO DE DURAÇÃO DO APOIO FINANCEIRO)

- Celebrar contrato de trabalho sem termo (efectivo);

1. Estar regularmente constituída e registada; 2. Preencher os requisitos legais exigidos para o exercício da actividade ou apresentar comprovativo de ter iniciado o processo aplicável;

10

- Celebrar contrato de trabalho com desempregado que se encontre numa das seguintes situações: *Seja beneficiário do rendimento social de inserção;


REVISTA

AIPAN

MEDIDA ESTÍMULO 2012

MARÇO 2012

Graça B. Nogueira | Departamento Jurídico

*Idade igual ou inferior a 25 anos; *Pessoa com deficiência ou incapacidade; *Trabalhadora com um nível de habilitações inferior ao 3º ciclo do ensino básico; *Inscrição no centro de emprego há pelo menos 12 meses consecutivos. O apoio nunca pode ultrapassar o montante de um indexante dos apoios sociais (IAS) - 419,22€/mês, durante o período máximo de 6 meses.

REQUISITOS DE ATRIBUIÇÃO - Celebração de contrato de trabalho, a tempo completo, com desempregado inscrito em centro de emprego há pelo menos 6 meses consecutivos; - A criação líquida de emprego. O contrato de trabalho pode ser celebrado a termo resolutivo certo, por prazo igual ou superior a 6 meses, fundamentado, nomeadamente, na contratação de trabalhador à procura de 1º emprego ou em situação de desemprego de longa duração ou noutra prevista em legislação especial de política de emprego. Para haver criação líquida de emprego é necessário que a entidade empregadora registe um número total de trabalhadores igual ou superior à média dos trabalhadores registados nos 12 meses anteriores

à candidatura, acrescida do número de trabalhadores abrangidos pelo Estímulo 2012 e registar, a partir da candidatura e pelo menos durante o período de duração do apoio, com periodicidade mensal, um número total de trabalhadores igual ou superior ao número de trabalhadores registados à data da apresentação da candidatura.

PROCEDIMENTO A entidade empregadora deve indicar as ofertas de emprego no portal Netemprego do IEFP e a sua intenção de beneficiar do apoio e a modalidade de formação profissional que vai proporcionar ao trabalhador. Depois de validada a oferta de emprego pelo IEFP, o centro de emprego indica à entidade empregadora quais os desempregados que reúnem os requisitos necessários ao preenchimento da mesma. No prazo de 5 dias a contar da celebração do contrato de trabalho, a entidade empregadora deve apresentar ao IEFP a sua candidatura, em formulário próprio, juntamente com a cópia do contrato de trabalho. NB. Esta informação não dispensa a consulta integral da Portaria nº 45/2012 de 13 de Fevereiro que se anexa.

A AIPAN CADA VEZ MAIS PERTO DE SI WWW.AIPAN.PT

SABIA QUE...

A AIPAN INICIOU UM PROJECTO INOVADOR DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL?

11


REVISTA

AIPAN MARÇO 2012

RENOVAÇÃO EXTRAORDINÁRIA DOS CONTRATOS A TERMO CERTO Graça B. Nogueira | Departamento Jurídico

RENOVAÇÃO EXTRAORDINÁRIA DOS CONTRATOS A TERMO CERTO (LEI Nº 3/2012 de 10/01)

No dia 11 de Janeiro 2012, entrou em vigor o regime da Renovação Extraordinária de Contratos a Termo Certo que atinjam o limite máximo da sua duração ou o limite máximo de renovações até 30 de Junho de 2013. São abrangidos por este regime apenas os contratos a termo certo celebrados ao abrigo do Código do Trabalho, aprovado pela Lei 7/2009, de 12/2 (em vigor desde 17.02.2009). São excluídos os contratos a termo incerto e os contratos a termo certo celebrados ao abrigo de regimes especiais. O contrato a termo certo que: - atinja de 11 de Janeiro de 2012 a 30 de Junho de 2013 o limite máximo de duração (que é, em geral, de 3 anos, de 2 anos quando justificado com o lançamento de uma nova actividade de duração incerta, ou o início de laboração de empresa ou de estabelecimento pertencente a empresa com menos de 750 trabalhadores, e de 18 meses, quando justificado com o facto de o trabalhador ser pessoa à procura do 1º emprego); ou - atinja no mesmo período o limite máximo de renovações (três), pode ser objecto: - de 2 renovações extraordinárias, - com a duração total máxima inferior ou igual a 18 meses, - não podendo cada renovação extraordinária ser inferior a 1/6 da duração máxima do contrato ou da sua duração efectiva (consoante o que for inferior). O contrato objecto de renovação extraordinária não pode vigorar para além de 31 de Dezembro de 2014, sob pena de o contrato a termo se converter em contrato sem termo.

indemnização que é legalmente devida ao trabalhador quando a caducidade do contrato, a sua não renovação, resulta da iniciativa do empregador: 1. A compensação relativa ao período de vigência até à 1ª renovação extraordinária é calculada de acordo com o regime aplicável aos contratos a termo celebrados à data do início de vigência do contrato [exemplo: se o contrato teve início em 1 de Janeiro de 2010 e a 1ª renovação extraordinária ocorrer em 1.1.2013, a compensação devida relativa a este período de 3 anos será igual a 2 dias da retribuição base e diuturnidades x 36 meses, sendo o valor dos 2 dias apurado pelo recurso ao salário/hora (rm*12 / 52*horário semanal) – artº 344º, nº 2, do Código do Trabalho] 2. A compensação devida pelo período de vigência do contrato a partir da 1ª renovação extraordinária é calculada de acordo com o regime aplicável a um contrato de trabalho a termo, celebrado à data dessa renovação, ou seja, e tomando o mesmo exemplo supra, presumindo que o contrato é objecto de 2 renovações extraordinárias, prolongando-se o contrato de 1.1.2013 a 30.06.2014, a compensação relativa a estes 18 meses já é calculada de acordo com o artigo 366ºA do Código do Trabalho, aditado pela Lei 53/2011, de 14/10, em vigor desde 01.11.2011: 20 dias de retribuição base e diuturnidades por cada ano completo de antiguidade, sendo a fracção do ano calculada proporcionalmente (logo, ordenado/30*20*1,5).(ver informação anexa publicada na Revista AIPAN de Novembro de 2011-págs. 22 e 23) O trabalhador receberá, assim, uma compensação pelos 4 anos e meio de contrato que será igual à soma das referidas em 1 e 2.

A AIPAN CADA VEZ MAIS PERTO DE SI A Lei 3/2012 aprovou igualmente o regime da compensação, ou seja, a WWW.AIPAN.PT

12


REVISTA

3º CONCURSO MUNDIAL DO PÃO

AIPAN MARÇO 2012


REVISTA

AIPAN

ESPAÇO DO ASSOCIADO

MARÇO 2012

Este espaço é seu, nas próximas edições, faça-se ouvir. Escreva-nos para revista@aipan.pt

ESPAÇO DO ASSOCIADO RENOVAÇÃO DA LOJA PADARIA S.PEDRO - CEREPAL Os produtos de padaria são reconhecidos como produtos de qualidade e tem cerca de 40 variedades de pão. Entre os produtos de pastelaria o croissant é dos mais populares, tendo uma oferta de croissant simples, recheado com chocolate ou com creme. A Cerepal iniciou a sua actividade como padaria e actua na zona de Paços de Ferreira (raio de 10 a 20 km), com duas lojas próprias na freguesia de Figueiró e Raimonda, com distribuição porta-a-porta (cerca de 2000 clientes) e distribuição para revenda (principalmente pães quentes, pastelarias, escolas e cafés).

Entre os Snacks para almoço, os mais populares são: Francesinha, Cachorro Especial (com molho de francesinha), prego no pão e baguetes com vários recheios. A loja está aberta todos os dias das 7h às 24h. Ao fim-de-semana há um aumento do volume de vendas.

A loja da sede foi renovada e inaugurada, gozando de elevada notoriedade como padaria e é conhecida como Padaria S. Pedro. As lojas representam cerca de 40% do volume de negócios e a loja da sede é a mais representativa (mais de 80% das vendas em lojas), tendo dois espaços distintos: venda de pão e espaço de cafetaria e snack-bar.

No dia da inauguração foi oferecido café e bebidas a todos os clientes da loja como gesto de simpatia e forma de envolvê-los no festejo, sendo o objectivo a fidelização.

SABIA QUE... 14

A REVISTA AIPAN TAMBÉM ESTÁ DISPONÍVEL EM: http://www.aipan.pt


REVISTA

AIPAN

ASSOCIADOS DA AIPAN PROMOVEM RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS NA REDE DOMÉSTICA

MARÇO 2012

Inês Cipriano | Departamento Alimentar - Nutrição

ASSOCIADOS DA AIPAN

PROMOVEM RECOLHA DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS NA REDE DOMÉSTICA *Decreto-Lei n.º 267/2009 de 29 de Setembro Uma iniciativa de RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL Os associados da AIPAN promovem junto dos seus clientes a recolha de óleos usados domésticos, num projecto INOVADOR de RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL! A AIPAN estabeleceu um protocolo, ao nível da recolha industrial obrigatória. Mas, quisemos ir mais longe e alargámos esta recolha ao sector doméstico, através dos clientes dos associados da AIPAN.

Recolha Industrial *

O encaminhamento de óleos alimentares usados para reciclagem é obrigatório por lei! Após aderir ao protocolo ser-lhe-á entregue um depósito adaptado à quantidade de óleo alimentar usado que produz. A recolha será definida de acordo com as suas necessidades. A higienização do depósito é devidamente realizada pela entidade que faz a recolha. A recolha dos óleos alimentares usados é acompanhada da atribuição de: Modelo A – Guia de Acompanhamento de Resíduos Certificado de Recolha de Óleos Alimentares Usados * Contacte o Departamento de Nutrição para saber as vantagens do Protocolo

Para além de cumprir uma obrigatoriedade legal, este protocolo permite alargar a recolha à rede doméstica que frequenta o seu estabelecimento. Pretende-se com esta iniciativa, não só sensibilizar o consumidor para a reciclagem e encaminhamento deste resíduo, como também valorizar o seu estabelecimento enquanto ponto de recolha privilegiado.

RECOLHA DE ÓLEOS USADOS Proteja a natureza e a sua casa!

ADIRA a este protocolo, DIVULGUE a recolha entre os seus CLIENTES e colabore neste projecto de RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL!

VALORIZE

Como funciona a recolha doméstica? Sabia que 1L de óleo alimentar usado contamina 1 MILHÃO de litros de água? Sabia que o depósito do óleo alimentar usado na banca da cozinha entope e estraga a canalização?

Pergunte como aqui.

Após aderir ao protocolo de recolha de óleos alimentares usados, poderá aderir à recolha doméstica (sector responsável por 60% da produção de óleo usado). Para tal, serão deixados vasilhames adaptados à realidade doméstica no seu estabelecimento. O cliente, mediante caução, pode levantar o vasilhame e iniciar a recolha, trocando sempre que necessário o vasilhame cheio por outro limpo e vazio. Aproveite para… Sensibilizar os seus clientes informando-os dos riscos físicos e ambientais da deposição errada do óleo alimentar usado.

ESTE GESTO SIMPLES!

Exclusivo associados AIPAN

A AIPAN ajuda-o… Após aderir ao protocolo ser-lhe-á enviado material publicitário que poderá afixar no seu estabelecimento para melhor divulgar esta acção.

documento devidamente preenchido para o Departamento de Nutrição da AIPAN. O envio poderá ser efectuado por carta, fax ou e-mail.

Como posso aderir? Entre em contacto com a AIPAN e solicite a ficha de inscrição. Envie o

Contacte a AIPAN e conheça todos os benefícios inerentes da adesão a este protocolo.

15


REVISTA

AIPAN

SUSPIRO DE MÃE CONCURSO NACIONAL

MARÇO 2012

PRODIPANI

SUSPIRO DE MÃE

CONCURSO NACIONAL RECEITA DO ANO PRODIPANI

A PRODIPANI, em parceria com a Pastelaria Portuguesa, leva a concurso nacional a receita do ano, cujo tema de 2012 é o Dia da Mãe, com a criação do bolo “Suspiro de Mãe”. As receitas a concurso deverão contemplar obrigatoriamente, na confeção do bolo “Suspiro de Mãe”, produtos PRODIPANI e o uso de suspiros como elemento decorativo. Poderão concorrer somente receitas elaboradas por profissionais de Pastelaria, em representação de uma Pastelaria ou Confeitaria. O júri será composto por 3 elementos: I) Antero Pereira, Presidente da Sindipan Brasil; II) Elemento a nomear pela Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril; III) Chefe Chakall. A receita vencedora será apresentada em conferência de imprensa, na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, no dia 11 maio de 2012. A empresa vencedora para além de ter a possibilidade de registar a receita “Suspiro de Mãe”, ganha um mês de fornecimento gratuito da Prodipani. (*)

16

A receita, a foto do produto final, bem como, a identificação da empresa concorrente (nome comercial, morada e contactos) e do profissional que elabora a receita, deverão ser enviadas ao cuidado de Fernanda Rebelo, até dia 6 de maio de 2012 para: E-mail: receitadoano@prodipani.pt Ou via CTT para a morada Prodipani, Rua Perna de Pau, 40, Turcifal 2565-803 Torres Vedras Para mais informações: E-mail: receitadoano@prodipani.pt Tel.+351 261 951280 Fax. +351 261 952 250 Ao participar estará a contribuir para que 5% das receitas obtidas com esta iniciativa revertam a favor da Solidariedade Social. (*) Valor teto do prémio 700kg (mixes e melhorantes Tecpan, linhas Montanha, BigStar e Sweety)


REVISTA

AIPAN MARÇO 2012


REVISTA

AIPAN

COMO LER A NOSSA HISTÓRIA RECENTE NA CRISE DO PÃO

MARÇO 2012

Catarina Carvalho | Directora Executiva da Revista Notícias Magazine

in Revista Notícias Magazine (Diário de Notícias) - 12.02.2012

COMO LER A NOSSA HISTÓRIA RECENTE NA CRISE DO PÃO Catarina Carvalho Diretora Executiva da Revista Notícias Magazine (Diário de Notícias) catarina.carvalho@controlinveste.pt

LEIO NA IMPRENSA PORTUGUESA desta semana que há previsões de que trinta por cento das empresas produtoras de pão fechem este ano. “O setor está muito mal. Os consumidores não compram, o mercado não gira”, dizia o presente da Associação do Comércio e Indústria da Panificação, Carlos Santos, ao Dinheiro Vivo. LEIO NA IMPRENSA ESPANHOLA de domingo, na revista do El País, uma minirreportagem intitulada O Milagre dos Pães. “Sinto que estamos numa conjuntura positiva e que devemos aproveitá-la” diz Xavier Barriga, o dono de uma pastelaria chique de Barcelona chamada Turris, onde, diz-se, se vende o melhor pão de Espanha. A foto que ilustrava a reportagem era de fazer água na boca, entre o pão de molde natural, sem conservantes, a barra de sésamo, a baguete de quatro pontas… Este é o pão que não conhece crises. O pão com mais-valia, por assim dizer. O PÃO É DOS ALIMENTOS mais curiosos que há, passível de todas as análises, das económicas às sociológicas, passando pelas que, an-

18

tropologicamente, analisam como o que comemos define o que somos. Estas duas reportagens são daquelas que nos dão para ler a história nas notícias desgarradas, separadas, até, por fronteiras. Na evolução que o pão sofreu, nos últimos anos, transformando-se de forma mais básica de alimentação em objeto de degustação apurada, vulgo gourmet, pode contar-se a história das civilizações ocidentais, a portuguesa incluída. Que o pão gourmet, trabalhado, cuidado, objeto de luxo, não sinta a crise também parece poder indicar o caminho a vários padeiros aflitos que não sabem o que fazer com a sua arte. É que não há só exemplos em Espanha, há também vários em Portugal – incluindo alguns estrangeiros. O QUE OS SINTOMAS da “crise na panificação” dizem é que somos hoje muito menos pobres do que éramos, por exemplo, no início dos anos 1980. Um número elucidativo: de 1990 até 2008, o consumo do pão diminuiu em Portugal 33 por cento. Ao mesmo tempo, o consumo calórico subiu de 2700 calorias, em média, por dia, em 1996, para 3700

em 2003. Trocávamos o pão por outros alimentos mais ricos, deixámos os hidratos de carbono pelas proteínas.

à espera que a massa levede – em França, demora 12 horas para pelo menos ser chamado pão, sabiam?

QUE NÃO HAJA, mesmo com crise, nenhum sinal de aumento de consumo do pão pode significar que não estamos disponíveis para abandonar os hábitos, novos hábitos, mas duros hábitos. Podem tirar-nos subsídios, feriados, aumentar os horários de trabalho e até chamarem-nos piegas ou outras ofensas menores… Não vamos é, por dá cá aquela palha, passar a comer mais pão. Já passámos essa fase.

POSSO ESTAR MUITO ENGANADA, mas na “panificação” esconde-se tudo o que é massa congelada, liofilizada, em que qualquer parecença com o pão a sério é pura coincidência. Se forem essas as “indústrias” que vão acabar, pois que acabem. Nem vou sentir falta delas. Agora dos verdadeiros padeiros, desses que fazem orgulhosos pães – gourmet ou meio gourmet -, desses sentíramos todos muita falta. É deles que precisamos para ultrapassar esta e outras crises.

HÁ NO ENTANTO, na história do pão em Portugal, algo que me preocupa. E muito. Muita desta minha preocupação está condensada na palavra “panificação”. Estou farta, fartinha, de pedir um pão com fiambre e ser-me servido um mal-amanhado cacete congelado, sem buracos, não levedado, que, passado o calor do forno que traz consigo, se transforma numa triste e dura bola de massa prensada. O que é feito dos orgulhosos padeiros? Os que passam as noites em claro

ALGO MUDOU no reino de Portugal. Até esta crise, qualquer crise era sinal de aumento do consumo do pão. Coisa de pobres, era a explicação mais óbvia. Quando os preços sobem todos, por definição, o que menos sobe é o do pão. Por outro lado, o pão é também o alimento mais básico, o que mais enche barriga. Batendo a bota com a perdigota, parece óbvio o aumento do consumo. O que não parece nada óbvio é a diminuição que agora sentem os que fazem, ou vendem, pão.


REVISTA

AIPAN MARÇO 2012


REVISTA

AIPAN

CERTIFICAÇÃO PRÉVIA DOS PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FACTURAÇÃO

MARÇO 2012

Goretti Carvalho | Ideia Azul

CERTIFICAÇÃO PRÉVIA

DOS PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FACTURAÇÃO (PORTARIA Nº 22-A/2012 de 24 de Janeiro) Altera a Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho, que regulamentava a certificação prévia dos programas informáticos de facturação.

Para quem utiliza máquinas registadoras ou programas informáticos não certificados. Inclui também o caso das “Consultas de mesa”.

As alterações mais relevantes introduzidas são:

Esses documentos devem ser numerados sequencialmente e conter:

Requisitos para dispensa de utilização de programa certificado

- Data e hora de emissão;

Para emissão de facturas ou documentos equivalentes e talões de venda, os sujeitos passivos de IRS e IRC estão obrigadas a usar exclusivamente programas certificados pela Administração Tributária, com excepção daqueles que:

- Denominação social e NIF do fornecedor do bem ou serviço;

• Utilizam um software produzido internamente do qual detenham os direitos de autor; • Tenham emitido menos de 1000 documentos (facturas, talões de venda ou documentos equivalentes), no período de tributação anterior; • Efectuem transmissões de bens através de aparelhos de distribuição automática, ou prestações de serviços em que seja habitual emissão de bilhete de ingresso ou transporte, ou outro documento pré-impresso (ex. Metro). • Tenham tido um volume de negócios inferior ou igual a 100 000,00 euros, no período de tributação anterior (aplicável a partir de 1 de Janeiro de 2013). Até lá vigora o limite de 125 000,00 euros. A última redacção referia um limite de 150 000,00 euros, como valor de referência para 2012. Basta cumprir apenas um desses requisitos para ficar dispensado de programa certificado.

- Denominação dos bens e/ou serviços e das quantidades transmitidas; - Preço líquido + IVA ou preço com IVA incluído; - A indicação que não serve de factura. Devem também ser registados numa série específica, em base de dados, no rolo interno da fita da máquina ou no jornal electrónico, evidenciando igualmente os documentos anulados. Os que forem emitidos em modo de treino devem mencionar esse facto expressamente. Utilização de factura ou documentos emitidos em tipografia por empresários ou sociedades que usem programa de facturação certificado Só é permitido usar esses documentos, se o programa não estiver operacional, por qualquer motivo. Posteriormente terão de ser recolhidos para o respectivo programa. Documentos de transporte (DL 147/2003)

Salienta-se que são obrigados a utilizar programa certificado os sujeitos passivos, ainda que abrangidos por um dos requisitos de dispensa, quando optem, a partir de 1 de Abril de 2012, pela utilização de programa informático de facturação.

Passam a conter a assinatura prevista nos requisitos do programa informático (chave de encriptação do programador). Entrada em vigor da Portaria: 1 de Abril de 2012

Regras para equipamentos que não sejam programas de facturação nem de emissão de talões de venda

Este artigo é de natureza meramente informativa e não substitui aconselhamento profissional adequado ao caso concreto.

20


REVISTA

AIPAN MARÇO 2012


REVISTA

AIPAN

CERTIFICAÇÃO PRÉVIA DOS PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FACTURAÇÃO

MARÇO 2012

Fonte: AT Autoridade Tributária e Aduaneira

CERTIFICAÇÃO PRÉVIA

DOS PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FACTURAÇÃO (PORTARIA Nº 22-A/2012 de 24 de Janeiro) FAQ’S - PERGUNTAS FREQUENTES SITUAÇÃO: EMPRESA É UMA PANIFICAÇÃO E TRABALHA COM: 1- Programa informático certificado, que emite: P.1- Guias de remessa (dão origem a facturas através de integração) Podem estas guias depois de emitidas ser alteradas? Pois são tiradas no dia anterior para a mercadoria que começa a ser entregue a partir das 6:00h e às vezes a fábrica, por lapso, não fabrica o pedido do cliente, danifica-o ou queima-o e só pode ir no dia seguinte. E mesmo sendo guias tiradas na hora, pode acontecer algum imprevisto, ao carregar a mercadoria ou na sua trajetória até chegar ao cliente. Como podemos proceder nestes casos se as guias não puderem ser alteradas? (estas situações, acontecem diariamente, o que nos obriga a alterar as guias). (nota: as guias de remessa não são fechadas, ou seja, só têm as qualidades e quantidades, não têm preço nem imposto). R.1 – Nos termos dos artigos 6º e 7º da Portaria 363/2010, de 23 de Junho, as guias de transporte, guias de remessa e quaisquer outros documentos que sirvam de documento de transporte, devem ser assinados com a chave privada do produtor do programa.

22

O programa não pode permitir que num documento já assinado seja alterada qualquer informação fiscalmente relevante (quantidades, preços, etc…) P.2 - Facturas (as facturas são tiradas: por integração das guias do computador; por lançamento as guias de remessa manuais; e directas); Podem as facturas ter estas modalidades? R.2 – Sim, podem ter essas modalidades, mas uma vez que, a vossa empresa trabalha já com um programa certificado, a partir de 1 de Abril, deixa de poder utilizar guias de remessa manuais. Passam a ter facturas emitidas por integração das guias informáticas e facturas emitidas directamente (sem integração de guias). Pode vir a ter também facturas emitidas por lançamento de guias de remessa manuais, só em caso de inoperacionalidade do programa. É recomendável utilizar uma série diferente para cada situação. P.3 - Créditos de facturas (os créditos de facturas são tirados: por lançamento das notas de devolução manuais ou directos); Podem os Créditos de facturas ter estas modalidades? R.3- Sim, podem mas deixam de poder usar notas de devolução manuais. Só mesmo em caso de inoperacionalidade. P.4 - Vendas a dinheiro? R.4- O mesmo se aplica às Vendas a dinheiro.


REVISTA

AIPAN

CERTIFICAÇÃO PRÉVIA DOS PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FACTURAÇÃO

MARÇO 2012

Fonte: AT Autoridade Tributária e Aduaneira

P.5 2- Guias de transporte, guias de remessa e notas de devolução manuais. - As guias de transporte manuais – são passadas para a mercadoria que os motoristas transportam, mas não tem cliente certo. - As guias de remessa manuais – são passadas pelos motoristas conforme vão deixando a mercadoria nos clientes, referente a guia de transporte que levam.

Podemos continuar a utilizar estes documentos manuais? R.5- Como a empresa é obrigada a utilizar um programa certificado, não podem continuar a usar facturas ou documentos equivalentes impressos em tipografias autorizadas. Só em situações de inoperacionalidade do programa de facturação, devendo ser integrados no programa imediatamente após a cessação da sua inoperacionalidade, utilizando uma numeração sequencial própria e uma série específica, por tipo de documento.

Estas guias dão origem a facturas, (semanais, quinzenais ou mensais, de acordo com o cliente), que são tiradas através do computador, do programa certificado. As facturas referentes a estas guias têm os seguintes dados: identificação do fornecedor e cliente, qualidades, quantidades, valores, imposto e o número de todas as guias manuais com as respectivas datas.

P.6 3- Máquina Registadora (balcão de venda a público de pão quente, pastelaria, cafetaria, e bebidas) Pode ou não, o balcão continuar a usar esta registadora?

- Notas de devolução manuais – são passadas pelos motoristas, referente à mercadoria que os clientes devolvem, diariamente.

Estes esclarecimentos não dispensam a consulta da legislação aplicável e também do técnico informático, pois, por vezes, as questões são técnicas e só ele poderá encontrar a melhor solução para o problema.

Estas notas de devolução dão origem aos créditos de facturas, (semanais, quinzenais ou mensais, de acordo com o cliente), que são tirados através do computador, do programa certificado. Os créditos de facturas têm os seguintes dados: identificação do fornecedor e cliente, qualidades, quantidades, valores, imposto e o número de todas as notas de devolução manuais.

R.6 – As máquinas registadoras podem continuar a ser utilizadas, apenas nos casos em que não esteja obrigado a ter programa certificado. No caso, não podem continuar a usar máquina registadora.

SABIA QUE...

PODERÁ ESCLARECER ESTAS E OUTRAS QUESTÕES JUNTO DOS SERVIÇOS DA AIPAN?

23


REVISTA

AIPAN

FERNETO DISTINGUIDA COM O ESTATUTO PME EXCELÊNCIA 2011

MARÇO 2012

Ferneto

FERNETO

DISTINGUIDA COM O ESTATUTO PME EXCELÊNCIA 2011 A empresa Ferneto S.A., fabricante de equipamentos e líder de mercado no segmento da panificação/pastelaria em Portugal, Angola e Moçambique, foi recentemente distinguida com o Estatuto PME Excelência 2011. “PME Excelência é um estatuto de qualificação empresarial criado pelo IAPMEI que sinaliza, através de um instrumento de reputação, o mérito de empresas com perfis de desempenho superiores e que apresentam rácios de solidez financeira e de rendibilidade assinaláveis.

A empresa acrescenta ainda que “Mais que um prémio é uma responsabilidade que claramente nos motiva a conseguir sempre mais e melhor, integrando toda a equipa nos desafios a que nos propomos! A todos os colaboradores, parceiros e clientes, um muito obrigado!” Actualmente a empresa Ferneto encontra-se a preparar a sua participação em algumas das mais importantes feiras internacionais: Gulfood (Dubai, Emirados Árabes Unidos) e IBA (Munique, Alemanha).”

Para a Ferneto, este estatuto é um motivo que confirma e premeia a gestão e a estratégia que têm sido seguidas pela empresa.

www.ferneto.com

JUNTOS NO ALGARVE

GULFOOD 2012

Em Loulé, de 2 a 5 de Março, decorreu mais uma edição da feira Tecnopani (Sector Alimentar, Panificação e Pastelaria), organizada pela Expoalgarve-Nera.

De 19 e 22 de Fevereiro, a Ferneto esteve presente na Gulfood, um dos maiores eventos do Médio Oriente para os sectores de Hotelaria, Catering e Restauração, realizado no Dubai.

Desde 2004, que a empresa Ferneto marca presença, neste certame que tanto prestigia o sector de panificação e pastelaria algarvios.

No espaço de exposição de equipamentos, a Ferneto recebeu inúmeros visitantes provenientes dos 4 pontos do globo. A Prensa de Massa Ferneto - um dos equipamentos novidade – foi considerada das maiores atracções, pois cativou a curiosidade dos profissionais das indústrias alimentares.

No rescaldo desta feira, a empresa agradece a presença de todos os clientes e parceiros presentes e, uma vez mais, reconhece a sua importância no desenvolvimento e melhoria das soluções apresentadas. Como refere a empresa: “É somente, convosco e para vós que trabalhamos diariamente para aperfeiçoar as nossas performances, envoltos numa relação de parceria que proporcione crescimentos conjuntos.” Neste momento, a empresa encontra-se a preparar a sua participação na feira Ovibeja.

24

A empresa agradece a presença de todos os visitantes que estiveram neste certame.


REVISTA

AIPAN MARÇO 2012


REVISTA

AIPAN

“A TRADIÇÃO DO PÃO EM PORTUGAL” É O MELHOR LIVRO DO MUNDO SOBRE PÃO

MARÇO 2012

“A TRADIÇÃO DO PÃO EM PORTUGAL” É O MELHOR LIVRO DO MUNDO SOBRE PÃO A AIPAN e seus Associados orgulham-se de terem dado o seu contributo para o êxito desta grande obra e felicitam a autora e amiga pessoal Mouette Barboff. O livro “A Tradição do Pão em Portugal”, lançado em maio de 2011 pelo Clube do Colecionador dos CTT, recebeu a distinção de melhor livro do mundo sobre o tema “pão” dos Gourmand Awards 2012. O prémio internacional atribuído na gala dos Gourmand World Cookbook Awards foi entregue em Paris, no dia 6 de março, e recebido pela autora, Mouette Barboff, em representação dos CTT. A categoria respeitante ao pão, em que a edição portuguesa conquistou o primeiro lugar, distinguiu também “Our Daily Bread” da Irlanda (2º lugar), “The Fundamental Techniques of Classic Bread Making” dos EUA (3º lugar) e “Bröd Hemma”, da Suécia (4º lugar).

26

“A Tradição do Pão em Portugal” é uma obra que convida o leitor a acompanhar o ciclo do pão, desde que o grão é lançado à terra até aos variados pães regionais, sem esquecer algumas das receitas típicas confecionadas com aquele alimento. A autora, Mouette Barboff, etnóloga e antropóloga, é uma reputada especialista a nível internacional em temas ligados ao pão. Os Gourmand World Cookbook Awards foram criados em 1995 por Édouard Cointreau e distinguem os melhores livros sobre gastronomia e vinhos do ano.


REVISTA

AIPAN

CONTRA AS PRAGAS MARCHAR, MARCHAR!

MARÇO 2012

Publireportagem

CONTRA AS PRAGAS MARCHAR, MARCHAR!

A Desilíder é uma empresa de desinfestação que, actualmente, se situa na cidade da Maia. Fundada em Maio de 2004, sempre a apostar na formação e na qualidade dos serviços. Vocacionada para a indústria, sendo das poucas empresas do sector com certificação de qualidade. Filipe Teixeira, Presidente da Assembleia Geral da ANCPU Associação Nacional Contra Pragas Urbanas, é o director da Desilíder que, segundo nos conta, “foi um projecto ambicioso, a nível nacional, que custou muito trabalho e dedicação, muito investimento até conseguirmos alcançar o patamar de excelência em que hoje nos encontramos”. Apesar de ser um sector de actividade que ainda não está legislado, o empresário sente necessidade de se fazer primar por

uma vasta política de qualidade que vai ao encontro da satisfação do cliente. A Desilíder presta serviços de: • desratização; • desbaratização; • desparasitação; • fumigação; • aparelhos de controlo de insectos voadores. Tem uma linha telefónica activa 24 horas, com piquetes rotativos, para os problemas se resolverem

sem transtorno para o cliente.

preciso”.

Muito respeitada no mercado, a Desilíder é uma empresa que está sempre presente, sempre na vanguarda da tecnologia e da qualidade, preocupando-se com “Na Desilíder não existem con- o meio ambiente, defendendo os tratos, aqui são todos efectivos”, interesses dos seus clientes no declara Filipe Teixeira, referindo- combate às pragas urbanas. -se à sua equipa a quem não tem nada a apontar, acrescentando que “estão sempre disponíveis e também sabem que podem contar comigo para o que for Com uma excelente carteira de clientes, assume-se como uma empresa estável e com vontade de crescer.


REVISTA

AIPAN

CAIXA POSTAL ELECTRÓNICA / MAPA DE FÉRIAS Graça B. Nogueira | Departamento Jurídico

MARÇO 2012

CAIXA POSTAL ELECTRÓNICA

“Por força das alterações introduzidas pela Lei do Orçamento de Estado para 2012 (Lei n.º 64-B/2011 de 30 de Dezembro), as notificações de natureza tributária vão ser efectuadas por transmissão electrónica de dados, que equivale à remessa por via postal registada ou por via postal registada com aviso de recepção.

A activação deste serviço é da exclusiva responsabilidade dos contribuintes, devendo ser efectuada directamente no Portal das Finanças pelo próprio responsável da empresa.

A Caixa Postal electrónica passa a fazer parte do domicílio fiscal, para todos os contribuintes, sujeitos passivos de IRC/IRS e de IVA, sendo necessária a respectiva activação, até dia 30 de Março de 2012, para os que têm contabilidade organizada e enquadrados no regime normal e mensal do IVA. Para os restantes contribuintes, poderá ser efectuada até 30 de Abril de 2012.

1) Aceder à página das finanças www.portaldasfinancas.gov.pt, e entrar com a senha de acesso; 2) Clicar “Notificações”, na coluna da direita, onde diz “Adira às notificações Electrónicas” e seguir os outros passos.

A criação deste serviço é gratuita e visa facilitar a comunicação electrónica entre o Estado, os cidadãos e as empresas. Este serviço não corresponde a um endereço de e-mail comum, por isso não pode ser utilizado para divulgação a terceiros. Só os CTT colocarão correspondência por esta via.

Para activar:

Sempre que haja correspondência na caixa postal, o utilizador é alertado para esse facto através do seu e-mail “tradicional” ou por mensagem de telemóvel, para que aceda à caixa postal. Em caso de ausência de acesso à sua caixa postal electrónica, a notificação considera-se efectuada no 25º dia posterior ao seu envio.”

MAPA DE FÉRIAS Lembramos que, de acordo com o artigo 241º do Código do Trabalho, as empresas devem elaborar e afixar o respectivo Mapa de Férias até ao próximo dia 15 de Abril, com indicação do início e termo dos períodos de férias de cada trabalhador, o qual deverá manter-se afixado, entre esta data e 31 de Outubro. Para o efeito, o trabalhador deverá indicar à entidade patronal, até 31 de Março, o período de férias que pretende gozar. A marcação do período de férias deverá ser efectuada por acordo, entre o trabalhador e o empregador, cabendo a este, na falta desse acordo, marcar as férias e elaborar o respectivo mapa, ouvindo a comissão de trabalhadores, ou na sua falta, a comissão sindical ou intersindical. Na falta de acordo, o empregador só pode marcar esse período de férias, entre 1 de Maio e 31 de Outubro, salvo parecer desfavorável dos representantes dos trabalhadores.

28


REVISTA

AIPAN

INOVAÇÃO E A NORMA NP 4457:2007 Elisa Aguilar | Dice.pt - Creative Concepts

O elevado potencial para a inovação é resultante da busca da satisfação das necessidades do cliente e da adequação da resposta da empresa às ameaças resultantes das alterações do mercado. A identificação de uma oportunidade de inovação implica a melhoria de processos, o desenvolvimento de novos produtos, a melhoria de produtos existentes, ou o desenvolvimento de serviços que contribuam para um incremento significativo do desempenho do negócio, que se poderá traduzir, nomeadamente, por: servir mais clientes; servir melhor os clientes actuais; aumentar a quota de mercado; alargar para novos mercados; aumentar as receitas/lucros. As Normas Portuguesas de Gestão da IDI seguem uma abordagem PDCA (Planear, Executar, Verificar, Actuar) orientando-se para a melhoria contínua e estão alinhadas com as normas ISO de Sistemas de Gestão da Qualidade e Ambiente (a NP EN ISO 9001 - Sistemas de Gestão da Qualidade), bem como, com conceitos mais abrangentes de inovação introduzidos na última edição do Manual de Oslo, da OCDE (2005), que além dos novos produtos e serviços, considera os novos métodos de marketing ou organizacionais. Assim, em 30 de Janeiro de 2007, o Instituto Português de Qualidade publicou as seguintes Normas Portuguesas, elaboradas pela Comissão Técnica Portuguesa de Normalização CT 169 “Actividades de IDI”: NP 4456:2007 Terminologia e definições das actividades de IDI. NP 4457:2007 Requisitos do sistema de gestão da IDI. NP 4458:2007 Requisitos de um projecto de IDI. NP 4461:2007 Competência e avaliação dos auditores de sistemas de gestão da IDI e dos auditores de projectos de IDI. A norma NP 4457 define os requisitos de um Sistema eficaz de Gestão da IDI, permitindo que as organizações que o adoptem definam uma política de

MARÇO 2012

IDI e alcancem os seus objectivos de inovação. Baseia-se num modelo de inovação, suportado por interfaces e interacções entre o conhecimento científico e tecnológico, o conhecimento sobre a organização e o seu funcionamento, e o mercado ou a sociedade em geral, tal como o esquema que se segue: *

MICROENVOLVENTES – A empresa tem de identificar quem são e formas de avaliar o seu desempenho (em termos de fornecedores, consultores e distribuidores) e tem de avaliar as necessidades dos clientes. A empresa tem de pensar também nos clientes que utilizam o produto e não apenas nos clientes que compram o produto (como por exemplo os distribuidores). Tem de haver um envolvimento de todos os elementos: fornecedores, consultores, parceiros, distribuidores, clientes e concorrentes. MACROENVOLVENTES: O sistema científico e tecnológico: Pode ser uma fonte importante de ideias. A empresa tem de criar ligação

INOVAÇÃO E A NORMA NP 4457:2007

com os locais onde se faz investigação. Infraestrutura informacional: Por exemplo: INE; Eurostat ou fornecedores de dados objectivos para aquilo que será a estratégia de desenvolvimento da empresa. Financiadores: Muitas vezes existe desconhecimento sobre as linhas de apoio. Não se pode passar ao lado desta capacidade de inovar recorrendo a apoios existentes. A Inovação pode ser a implementação de: - um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente melhorado, - um processo, - um novo método de marketing: que pode acontecer no produto (alterações significativas no design, na forma, aparência, fragância, sabor ou em-

* Modelo de interacções em cadeia - Um modelo de inovação para a economia do conhecimento (Caraça, Ferreira, Mendonça (2006), Relatório COTEC, Outubro de 2006)

balagem), no preço (por exemplo, descontos), na distribuição (introdução de novos canais de vendas, abertura de lojas próprias, novos conceitos para apresentação dos produtos, etc.) ou na comunicação (publicidade, marca, alterações de símbolos e da imagem corporativa, cartões de fidelidade, etc.) - um novo método organizacional: - nas práticas de negócios, - na organização do local de trabalho ou nas relações externas. A inovação deve ser uma preocupação constante das empresas e um risco por elas assumido, inserido numa estratégia de sobrevivência e competitividade a médio e longo prazo.

29


REVISTA

AIPAN

CALENDÁRIO FISCAL MARÇO A JUNHO DE 2012

MARÇO 2012

Teófilo Almeida

CALENDÁRIO FISCAL MARÇO A JUNHO DE 2012 IVA: 1.Periodicidade Normal: Imposto liquidado em Março/2012…........... Entrega até 10 de Maio/2012 Imposto liquidado em Abril/2012................ Entrega até 10 de Junho/2012

IRC:

2.Periodicidade Trimestral: Imposto liquidado 1º. Trimestre/2012…...... Entrega até 15 de Maio/2012

Até ao dia 31 de MAIO deverá ser enviada a Declaração mod. 22, referente ao exercício de 2012 e deverá proceder-se ao apuramento e liquidação do IRC e respectiva Derrama.

Envio obrigatório VIA INTERNET. O pagamento pode ser feito nas estações dos CTT, no Multibanco ou numa tesouraria de finanças com o sistema local de cobrança até ao último dia do pagamento.

Pagamento Especial por Conta: Havendo lugar ao seu pagamento, será efectuado o 1º até 31/03/2012.

TAXA SOCIAL ÚNICA: Contribuições relativas às remunerações dos meses de: - Março/2012.....Entrega da Folha de Remunerações até 10/04 e liquidação até 20/04/2012; - Abril/2012.....Entrega da Folha de Remunerações até 10/05 e liquidação até 20/05/2012; - Maio/2012.....Entrega da Folha de Remunerações até 10/06 e liquidação até 20/06/2012;

Até ao dia 31 de MARÇO deverão estar APROVADAS as contas referentes ao exercício de 2011.

Envio da Declaração modelo 10, dos rendimentos e retenções efectuados no ano de 2011 a trabalhadores dependentes, independentes, senhorios e empresários em nome individual, até 29 de Fevereiro de 2012. IMI: Até ao dia 30 de ABRIL deverá, sendo caso disso, proceder-se ao pagamento do Imposto Municipal de Imóveis.

IRS: Retenções efectuadas a trabalhadores dependentes e independentes, senhorios e outros, nos meses de:

IMPOSTO DE SELO: Entrega do imposto arrecadado em: - Março 2012...................Entrega até 20/04/2012 - Abril 2012......................Entrega até 20/05/2012 - Maio 2012......................Entrega até 20/06/2012

- Março/2012............................................Entrega até 20 de Abril/2012 - Abril/2012................................................Entrega até 21 de Maio/2012 - Maio/2012............................................Entrega até 20 de Junho/2012

N.B: A entrega das retenções de IRS e o Imposto de selo deverão ser pagos mediante documento de cobrança, feito por transmissão electrónica de dados via Internet.

Nota1: As tabelas referentes às retenções de IRS para 2012 foram publicadas em FEVEREIRO, aplicando-se já no mês de MARÇO. Nota2: A entrega das declarações de Rendimentos recebidos em 2012 será efectuada: Em papel: de 01 de Março a 30 de Março (categoria A e H); OUTRAS durante o mês de Abril; Via internet: de 01 de Abril a 30 de Abril (categoria A e H); OUTRAS durante o mês de Junho.

IMPOSTO AUTOMÓVEL: Deverá proceder-se à liquidação do Imposto de SELO, no mês de matrícula da viatura.

30

NB: A data limite para a VISTORIA das viaturas a tal sujeitas, é a da data de MATRÍCULA e não apenas o mês.


Pasta Bianca Pasta Decor Sortido

REVISTA

AIPAN MARÇO 2012

Com a nossa Magia e a sua Imaginação surpreenda-se ...

Presente em coberturas de bolos e decoração, a Pasta Bianca e a Pasta Decor Sortido (pasta de açúcar para coberturas e modelagem) oferecem uma paleta variada de cores prontas a serem usadas. Não hesite! Contacte-nos ou adquira online: www.puratoscash-carry.pt

PURATOS SA - Av. Dr. Luís Sá, 24 - Abrunheira - 2714-509 Sintra - Portugal T: 21 915 83 00 - F: 21 925 94 05 - portugal@puratos.pt

www.puratos.pt

31


REVISTA

AIPAN

FEIRAS E VIAGENS

MARÇO 2012

FEIRA NACIONAL DE PANIFICAÇÃO, CONFEITARIA E SORVETERIA 11 a 13 de Abril de 2012 Belo Horizonte, Brasil

http://www.fariavasconcelos.com.br/minaspao/

FEIRA NORTE-NORDESTE DE PANIFICAÇÃO E FOODSERVICE 12 a 14 de Abril de 2012 Pernambuco, Brasil

ada antecip Venda artir p a s e et de bilh 2. 1 0 il de 2 de Abr

http://www.fennopan.com.br

SALÃO DE DOÇARIA 7 a 10 de Maio de 2012 Parma, Itália http://www.cibus.it/dolce_italia.php

FEIRA INTERNACIONAL DE PANIFICAÇÃO E PASTELARIA INDUSTRIAL 10 a 12 de Maio de 2012 Shangai, China http://www.bakery-china.de

FEIRA E EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DO CHOCOLATE 4 a 7 de Julho de 2012 São Paulo, Brasil http://www.expobrasilchocolate.com.br

FEIRA INTERNACIONAL DE PANIFICAÇÃO, PASTELARIA E RETALHO ALIMENTAR 17 a 20 de Julho de 2012 São Paulo, Brasil

Tradição. Inovação. Paixão. A iba 2012 – O seu mercado mundial de panificação.

www.fipan.com.br

Uma data a não perder para todos os padeiros.

FEIRA MUNDIAL DE PANIFICAÇÃO E PASTELARIA 16 a 21 de Setembro de 2012 Munique, Alemanha

A Alemanha, conhecida como «o país do pão» não é por acaso a sede da feira profissional de panificação mais importante do mundo. Descubra na iba 2012 tudo à volta da sua paixão – a arte de padeiro: Sejam os fornos a lenha, os ingredientes para a massa ou os produtos «take away» que aumentam as suas vendas tais como cafés, snacks e gelados. Até o mais moderno mobiliário para lojas será apresentado neste certame. Através de várias propostas de formação, conselhos de especialistas bem como outros temas em destaque apoiamos a gestão da sua empresa.

http://www.iba.de

EXPOSIÇÃO NACIONAL DE GELADARIA, PADARIA E CHOCOLATARIA 13 a 16 de Outubro de 2012 Lecce, Itália http://www.agrogepaciok.it

SALON DU CHOCOLAT MADRID 12 a 15 de Novembro de 2012 Madrid, Espanha

Munique

http://www.salon-du-chocolat.com

32

16. a 21. Set Representante em Portugal: MundiFeiras, Lda. Tel.: +351/22 616 49 59 mundifeiras@mail.telepac.pt


REVISTA

AIPAN

LOJA AIPAN / BOLSA DE EMPREGO

MARÇO 2012

LOJA AIPAN

BOLSA DE EMPREGO

DESCONTOS ESPECIAIS

N.º CV – AIPAN2011 / 01

A AIPAN disponibiliza aos seus associados um conjunto de produtos a preços especiais. Poderão ser adquiridos directamente na Sede da AIPAN ou enviados à cobrança via CTT.

Área Customer Service, Suporte Técnico, Secretariado, Gerência e Liderança de Equipas Nome Carlos Moita

Para usufruir de qualquer desconto através das empresas protocoladas, deverá contactar o Departamento Administrativo da AIPAN, a fim de lhe ser concedida “autorização”, de forma a identificá-lo(a) como beneficiário(a) do protocolo. VALOR ASSOCIADO

VALOR NÃO ASSOCIADO

A tradição do pão em Portugal

€ 41,00

€ 41,00

O PÃO EM PORTUGAL

€ 40,39

€ 40,39

ARTIGO

A tradição do pão em Portugal + O PÃO EM PORTUGAL Código de Boas Práticas de Higiene e Segurança Alimentar

€ 70,00

€ 81,39

€ 11,66

€ 31,80

Impressos Obrigatórios

€ 5,13

€ 10,26

Contrato Colectivo de Trabalho

€ 5,05

€ 10,09

Livrete

€ 5,13

€ 10,26

Livro de Reclamações

€ 19,55

€ 19,55

VeÓleo (8 Unidades)

€ 9,74

€ 12,82

**

**

VeÓleo (24 Unidades) IVA incluído ** Preço mediante consulta

Área Administrativa, Comercial Nome Jorge Fernando Silva Freitas

N.º CV – AIPAN2011 / 02

N.º CV – AIPAN2011 / 03

Área Administrativa, Contabilidade Nome Maria de Lurdes Queirós Pacheco

N.º CV – AIPAN2011 / 07

Área Administrativa, Contabilidade Nome Maria Isabel Marques Simão

N.º CV – AIPAN2011 / 08

Área Administrativa, Comercial Nome Ana Claudia de Pinho e Costa de Oliveira e Silva Gonçalves

N.º CV – AIPAN2011 / 09 Área Administrativa Nome Alexandra Cardoso

N.º CV – AIPAN2011 / 12

Área Engenheira Alimentar Nome Esperança Ferreira Marques

N.º CV – AIPAN2011 / 16 Área Restauração, Hotelaria Nome Rui Jorge Silva Santos

N.º CV – AIPAN2011 / 17

Área Empregada de balcão, Motorista, Distribuidora Nome Ana Paula Mota Machado

N.º CV – AIPAN2011 / 18

Área Ajudante de Cozinha, Empregada de Balcão, Distribuidora, Motorista Nome Maria Rosa Freitas Mota Machado Para consultar os CV contactar os Serviços Administrativos da AIPAN

NOVOS ASSOCIADOS PÃO QUENTE E PASTELARIA DO CALVÁRIO, UNIPESSOAL, LDA. Pão Quente Calvário Rua do Calvário, nº 87 4595-106 Frazão

33


REVISTA

AIPAN

PROTOCOLOS / PARCERIAS

MARÇO 2012

PROTOCOLOS/PARCERIAS Para usufruir de qualquer desconto através das empresas protocoladas, deverá contactar o Departamento Administrativo da AIPAN, a fim de lhe ser concedida “autorização”, de forma a identificá-lo(a) como beneficiário(a) do protocolo.

CENTRO CLÍNICO MOSS Avenida da Boavista, nº 1681-1º Andar 4100-132 Porto Tel. 226 006 757 Fax 226 006 682 moss@netcabo.pt http://clinica-moss.com A AIPAN e o Centro Clínico Moss estabeleceram um protocolo de colaboração, mediante o qual todos os Associados e os seus colaboradores, assim como os seus familiares directos (pais e filhos), poderão aceder a consultas e exames das diversas especialidades a preços especiais. Destaca-se o Serviço de Medicina no Trabalho (no Centro Clínico ou nas instalações do próprio Associado), conforme as seguintes condições: Consulta Médica; Electrocardiograma de repouso; Análises de Sangue (Colesterol Total+ Urina tipo II). Preço total: 29.90€ /por colaborador - dos 18 aos 50 anos: uma vez de dois em dois anos; mais de 50 anos: uma vez por ano (consultar condições no Departamento Administrativo AIPAN).

34

EXERTUS – Consultores, Lda Centro Empresarial da Maia Rua Eng. Frederico Ulrich, nº 3210 Bloco B - 2º andar sala 206 4470-605 Maia Tel. 229 420 196 Fax 229 443 828 E-mail: alexandre.vilaca@exertus.pt http://www.exertus.pt IDEIA AZUL – Consultores de Gestão e Fiscalidade, Lda. Edifício Alameda Av. Dr. João Canavarro, nº 305 – 4º sala 41 4480-668 Vila do Conde Tel. 252 646 896 Fax 252 647 898 E-mail: info@iazul.com http://www.iazul.com A AIPAN celebrou protocolos com ambas as empresas no sentido de viabilizar o: Acesso a consultoria e formação personalizada através do Programa Formação PME da AEP – Associação Empresarial de Portugal; Acesso ao QREN para obtenção de apoios ao investimento, através da adesão à iniciativa Projecto Conjunto da AIPAN, que visa a qualificação das empresas do sector de panificação de pastelaria; Acesso a formação modular certificada.

DICE.PT - Creative Concepts Avenida D. Afonso Henriques, 1196 sala 1001 / 4450-012 MATOSINHOS Tel. 229 351 732 Fax 229 351 734 E-mail: geral@dice.pt http://www.dice.pt A AIPAN firmou um protocolo com a dice.pt - uma agência de publicidade, que conta já com 10 anos de experiência - com vista ao estabelecimento de uma ampla interrelação adaptada às necessidades e demandas dos clientes, perante condições altamente vantajosas e preços especiais para os associados no respeitante ao fornecimento de serviços no âmbito da comunicação, nomeadamente: estudo, concepção e design de logótipos, webdesign, campanhas publicitárias, apoio e consultoria de Marketing, promoção e desenvolvimento de acções e eventos, produção gráfica de suportes gráficos e digitais, entre outros.

FRANCISCO LEITE - Mediação de Seguros, Lda. / Liberty Seguros Avenida da República, nº 847 4450-242 Matosinhos Tel. 229 389 762 / 229 374 794 Fax 229 374 794 / Tlm. 962 782 326 E-mail: f.leiteseguros@mail.telepac.pt http://www.fleiteseguros.pt A AIPAN, a este nível, possui um protocolo com a Liberty Seguros, concedendo aos Associados, mediante acordo, condições altamente vantajosas: Protecção de Acidentes de Trabalho: Protecção indústria; Plano PPR / E ; Protecção Comércio; Protecção Auto; Plano Vida Segura.

CICCOPN - Centro de Formação Profissional da Indústria da Construção Civil e Obras Públicas do Norte Rua de Espinhosa, 4475-699 Avioso S. Pedro - Maia Tel. 229 866 400 Fax: 229 821 888 E-mail: ciccopn@ciccopn.pt www.ciccopn.pt


REVISTA

AIPAN

PROTOCOLOS / PARCERIAS

MARÇO 2012

CFPSA - Delegação Norte Centro de Formação Profissional do Sector Alimentar Praça General Humberto Delgado, nº 325 – 2º 4000-288 PORTO Tel. 222 007 353 Fax 222 008 749 ana.almeida@cfpsa.pt Sede: Avenida 25 de Abril, nº 22 1679-015 Pontinha Lisboa Tel. 214 789 500 Fax 214 796 120 http://www.cfpsa.pt A AIPAN possui um protocolo com o CFPSA que contempla descontos a nível da formação e de análises laboratoriais no seu laboratório acreditado para o efeito.

UFP – UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Praça 9 de Abril, nº 349 4249-004 Porto Tel. 225 071 300 Fax 225 508 269 E-mail: geral@ufp.edu.pt http://www.ufp.edu.pt A AIPAN subscreveu um protocolo com a Universidade Fernando Pessoa para a realização de análises bromatológicas ao teor de sódio dos produtos de panificação. Deste modo, será possível que todos os n/ associados analisem o teor de sal dos seus produtos e atestem às autoridades fiscalizadoras o cumprimento da legislação em vigor.

CÂMARA MUNICIPAL DA MAIA Praça Dr. José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax: 229 418 411 E-mail: geral@cm-maia.pt http://www.cm-maia.pt A AIPAN e a Câmara Municipal da Maia possuem uma parceria no que respeita à distribuição de pãovida no almoço escolar de todas as cantinas e refeitórios do Ensino Pré-Escolar e 1ºCiclo do Ensino Básico do Concelho da Maia. Existe também um Protocolo no âmbito do Projecto “Maia Menu Saudável”. Este é um projecto de educação alimentar que tem por objectivo promover os alimentos essenciais ao crescimento e desenvolvimento das crianças, nomeadamente os que suscitam menor aceitação no almoço escolar.

USV- Representações, Consultoria em Metalurgia e Energias Renováveis, Lda. Zona Industrial de Lordelo Rua Rota dos Móveis, 45 4580-565 Lordelo Paredes - Portugal Tel. (+351) 255 891 036/7 Fax (+351) 255 891 038 E-mail: usv.geral@mail.telepac.pt http://www.usv.com.pt A AIPAN estabeleceu um protocolo com a USV no sentido de proporcionar aos nossos Associados e à rede doméstica que frequente os estabelecimentos dos associados da AIPAN, um sistema de recolha de óleos alimentares usados no estrito respeito pela legislação em vigor, com condições especiais e apelativas. Para mais informações deverá contactar o Departamento de Nutrição da AIPAN.

SPH – Sociedade Portuguesa de Hipertensão Avenida Visconde de Valmor , nº 12 R/C Dtº – A 1000-291 Lisboa Tel. 217 960 097 Fax 217 960 098 E-mail: geral@sphta.org.pt http://www.sph.org.pt

35


REVISTA

AIPAN

RECEITAS

MARÇO 2012

RECEITAS PÃO DE CEREAIS INGREDIENTES

BROA DE MILHO COM TORRESMOS E PIMENTOS

1kg far

%

3kg far

Farinha de trigo (T.65) Farinha Centeio (T.70) Farinha Integral Levedura Água Sal Massa mãe Semente de Linhaça Semente de Girassol Semente de Sésamo Milho Miúdo Açúcar mascavado

800 100 100 30 600 18 200 40 50 30 30 30

80 10 10 3 60 1,8 20 4 5 3 3 3

2400 300 300 90 1800 54 600 120 150 90 90 90

Frutos secos sortidos, damasco, fruta desidratada (adicionar no final da amassadura)

300

30

900

Total Massa (g) Temperatura da massa

2328

1kg far

%

3kg far

Farinha de Milho Sal Água quente

600 18 600

60 1,8 100

1800 54 1800

Farinha de Trigo (T65) Farinha Centeio (T70) Massa Mãe Água Levedura Azeite Açúcar

200 200 200 200 10 10 20

20 20 20 20 1 1 2

600 600 600 600 30 30 60

200 100

20 10

600 300

(Escaldar a farinha de milho e deixar arrefecer)

(Adicionar no final da amassadura)

Torresmos Pimentos Vermelhos/Verdes Total massa (g) Temperatura da massa

6984

Preparação do Isco (fermentação 12h a 20ºc) Farinha de Centeio (T70) Água tépida Fermento

350 g 280 g 3g

Massa para Decoração Farinha de Trigo Sal Água Fermento

500 g 9g 275 g 5g

PREPARAÇÃO Amassar todos os ingredientes durante aprox. 12 min. Deixar a massa em descanso durante 10 minutos. Pesar unidades de 90g. Aplicar 6 unidades de 90g em cada forma. Aplicar para a decoração folhas com sementes de papoila. Levedar durante 45 minutos aproximadamente. Cozer a 220 ºc durante aproximadamente 30 minutos.

36

INGREDIENTES

Preparação do Isco p/ 3kg farinha (fermentação 12h a 20ºc) Farinha de Milho Farinha de Centeio (T70) Água tépida Fermento

2358

28ºC

7074

200 g 200 g 240 g 5g

PREPARAÇÃO Amassar todos os ingredientes durante aprox. 10 min. Estanca da massa 30 minutos. Pesar unidades de 700g. Padejar a broa com farinha de centeio. Tender em formatos alongados. Cozer a 250 ºc durante aproximadamente 45 minutos.



REVISTA AIPAN MARÇO 2012