Issuu on Google+

FELIZ MÚSICA NOVA

Apostas de personalidades para 2010

SEXO

Prazer molhado

Edição nº 29 | Janeiro 2010 | www.acapa.com.br

MERGULHE FUNDO

Exercícios na água para um corpo perfeito

NOITE

Clubbers de carteirinha


editorial

COM O PÉ DIREITO...

Qual foi o artista que marcou a música em 2009 e quem deve ser a promessa em 2010? Foi essa a pergunta de Tino Monetti para quase 50 personalidades do Brasil e do mundo. A resposta você confere a partir da página 10. Quem promete ser notícia também este ano é o diretor Marcelo Laffitte, que lança seu já premiado longa-metragem Elvis & Madona nos cinemas do país. Ele adianta detalhes do filme em entrevista a William Magalhães. A primeira edição de 2010 apresenta uma reportagem de João Marinho sobre homens que curtem uma transa bem quente e úmida com outro homem e ainda uma matéria de Erik Galdino sobre gays que batem cartão nos clubes. Marcelo Hailer sugere modelos de tênis de cano alto para qualquer ocasião e Thais Martins ensina como cuidar bem da sua boca. Como não poderia faltar, tem ainda nosso editorial de moda com o deslumbrante Franklin. Com o pé direito e cheios de energia. É assim que começamos 2010. Boa leitura e toda a sorte do mundo hoje e sempre, Capa Franklin (Mega) foi clicado por Daniela Carrasco em Paranapiacaba (SP). Ele usa camisa Fabrizio Alfaiataria e cueca Surrender.

Paco Llistó

SUMÁRIO

EXPEDIENTE

Música 10 Apostas para 2010

DIRETOR EXECUTIVO

Sergio Di Pietro sergio@ibe.com.br

Entrevista 30

EDITOR CHEFE Paco Llistó paco@acapa.com.br EDITOR DE ARTE Régis Olivar regis@ibe.com.br REDAÇÃO

Marcelo Laffitte_30

Se joga na água_36

Diana Carvalho diana@acapa.com.br Erik Galdino erik@ibe.com.br Marcelo Hailer marcelo@acapa.com.br William Magalhães william@acapa.com.br COLABORADORES Daniela Carrasco, Gelbh Costa, Heloisa Caprioli, João Marinho, Leandro Lourenço, Nerone Prandi, Paulo Basile, Tino Monetti e Thais Martins PUBLICIDADE Bruno Niz bruno@ibe.com.br Gustavo Vianna gustavo@ibe.com.br PARA ANUNCIAR (11) 3284.4564

Portfólio_16

Prazer molhado_44

Para enviar seu COMENTÁRIO, escreva para

redacao@acapa.com.br

Marcelo Laffitte

Saúde Higiene bucal

38

Tecnologia Aplicativos do Facebook

41

Sexo 44

Prazer molhado

Seções

Cult Atitude Portfólio Moda Noite Beleza Estilo Achados Retrato

06 08 16 20 34 36 40 48 50

A Capa é uma publicação da Infonet Business Ltda. Rua Condessa Siciliano, 85, Jardim São Paulo, CEP 02044-050, São Paulo, SP. Janeiro/2010. A revista A Capa é uma publicação mensal e de distribuição gratuita. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução ou cópia dos textos, fotos, ilustrações e outros elementos contidos nesta revista sem a sua expressa autorização.

www.acapa.com.br 3


cult POR REDAÇÃO

Estante O eterno maldito “Bendito Maldito - Uma Biografia de Plínio Marcos”, do jornalista Oswaldo Mendes, é resultado de mais de 15 horas de fitas gravadas com o dramaturgo para falar de sua vida e contar suas histórias. Em 2003, “Dois perdidos numa noite suja” virou filme com Débora Falabella interpretando Paco, um menino trans que sonha em ser astro da música, mas, para se sustentar, trabalha como michê nos banheiros públicos da Big Apple. Título Bendito Maldito – Uma Biografia de Plínio Marcos. Editora Leya Brasil. Preço R$ 44,90

Exposição Sebastião Salgado A Galeria Tempo abriga a exposição do fotógrafo Sebastião Salgado. No total, são 22 fotografias de diferentes séries, todas em preto e branco, no formato 50x60cm. Em cartaz até 20 de fevereiro de 2010. De terça a sexta, das 12h às 19h; sábados das 14h às 18h. Galeria Tempo - Av. Atlântica, 1782, loja E, Copacabana, Rio. Entrada franca

Teatro Loba de Ray-Ban Duas mulheres e um homem se apaixonam nos bastidores de um teatro. Julia (Christiane Torloni) é casada com o personagem de Leonardo Franco e tem um romance com uma jovem atriz (Maria Maya). A peça discute a moral e a honestidade nas relações. Em 1987, Raul Cortez viveu o triângulo amoroso com Leonardo Franco em outra versão da peça, escrita por Renato Borghi. Christiane Torloni fazia a esposa de Raul. Reestreia 15 de janeiro de 2010. Quinta e sábado, 21h; sexta, 21h30; domingo, 19h. Teatro Shopping Frei Caneca - Rua Frei Caneca, 569 - 6º andar. Ingresso: R$ 70,00 (quinta) e R$ 80,00 (sexta a domingo).

6 www.acapa.com.br


atitude

HELL & HEAVEN FOTOS LEO AZEVEDO

8 www.acapa.com.br


música

FELIZ MÚSICA A Capa perguntou a quase 50 personalidades do Brasil e do mundo, de várias áreas, qual foi o artista que marcou suas vidas em 2009 e quais são suas apostas musicais para 2010. Abaixo, a lista completa com todos os entrevistados e suas preferências. (PS: E um doce para quem adivinhar qual foi o nome mais citado na pesquisa...) TEXTO TINO MONETTI FOTOS ARQUIVO PESSOAL 2010

FELIPE MOROZINI

LAS BIBAS FROM VIZCAYA

The Do

Blood Shake

Fever Ray

Lady Gaga

SANTIAGO NAZARIAN

MARCOS CARIOCA

Filipe Catto

Lady Gaga

Röyksopp

Maria Gadú

MARCELONA

ELI MEJORADO

Lady Gaga

Little Annie

Lady Gaga

The Juan MacLean

RENATA BASTOS

FERNANDA GUEDES

Lady Gaga

Amy Winehouse

Ladyhawke

Madonna

CARLOS TUFVESSON

ANDRÉ ALMADA

Maria Gadú

Lady Gaga

Lady Gaga

Lady Gaga

LINDINALVA ZBOROWSKA

10 www.acapa.com.br

2009

CAROL SGANZERLA

Paloma Faith

VV Brown

Lady Gaga

Marina & The Diamonds


música CLARAH AVERBUCK Clarah Averbuck & The Oneyedcats Clarah Averbuck & The Oneyedcats IDA FELDMAN

NINA LOPES Beyoncé Lady Gaga

DANIEL PEIXOTO

Cansei de Ser Sexy

Blood Shake

AC/DC

Little Boots

EBONY Estelle Beyoncé

LARISSA MARQUES

JULIANO CORBETTA Lady Gaga Lady Gaga

FACUNDO GUERRA

Thiago Salvioni

YACHT

Moderat

The XX

ANDREA GRAM

NINA LEMOS

The Golden Filter

Otto

Santigold

Cérebro Eletrônico

ALISSON GOTHZ

PAULO GAZELLE

La Roux

Lady Gaga

Grace Jones

Britney Spears

SERGIO MATTOS

JOHNNY LUXO

Maria Gadú

Miley Cyrus

Céu

Lady Gaga

BRUCE LABRUCE

BARBIE DA SILVA

Ssion

Cooly G

Gossip

Bat For Lashes

JOÃO FEDERICI

ANDRÉ FISCHER

Patrick Wolf

Glasvegas

Lady Gaga

Black Eyed Peas

www.acapa.com.br 11


música LEILOCA PANTOJA

SUZY CAPÓ

Pedro Zopelar

Hungry Hearts

The Phenomenal Handclap Band

Radiohead

MÁRCIO VERMELHO

TODD VEROW

LCD Soundsystem

Lady Gaga

Azari & III

Lady Gaga

DACIO PINHEIRO Air Lady Gaga

JACKSON ARAÚJO

LALAI LUNA Delphics The XX

RICARDO OLIVEROS

Something A La Mode

Lady Gaga

The XX

Lady Gaga

CHRISTIAN PETERMANN Jónsi Birgisson Ting Tings

VITOR ANGELO

ALUÍZIO ABRANCHES Moreno Veloso e Davi Moraes The Killers RICARDO GAIOSO

Lady Gaga

Miike Snow

Beyoncé

Beth Ditto

PEDRO ANDRADE The Tamper Trap Fred Falke

MADAME MIM Madame Mim Lady Gaga

EDUARDO CORELLI The XX Classixx

12 www.acapa.com.br


música

“All we hear is Lady-o-Gaga...”

S “

he is the champion, my friends. Lady Gaga reinou absoluta em 2009 e foi a campeã de nossa pesquisa, também

Alguém não respondeu Lady Gaga em 2009? (Juliano Corbetta)

“Sem dúvida alguma, Lady Gaga é a diva do momento...”

“Lady Gaga. Estava na hora de ter alguém com esse punch no cenário.” (Carlos Tufvesson)

“Marcante mesmo foi a Lady Gaga. Em 2009, ela emplacou 5 hits (‘Just Dance’, ‘Love Game’, ‘Poker Face’, ‘Paparazzi’, ‘Bad Romance’) e é um ‘must’ na pista de qualquer DJ.”

“Pode parecer lugar-comum, mas estou apostando muito na Lady Gaga. No começo do ano passado, eu achei que ela era apenas um produto fabricado e que ia se diluir em pouco tempo. Em 2010, ela vai saturar e se tornar ‘overexposed’, e aí será o momento em que ela vai fazer uma virada e alcançar um outro patamar dentro da cultura pop e da indústria. Estou de olho na loira e na maneira como ela vai administrar a carreira.”

(Nina Lopes)

(Lindinalva Zborowska)

(André Almada)

para 2010. A seguir, veja algumas das opiniões e frases de nossos entrevistados sobre a nova princesa da cultura pop

A Gaga nos marcou (à força). (Las Bibas From Vizcaya)

“Lady Gaga não é nenhuma novidade, mas a sua capacidade de se reinventar está mostrando que 2010 será mais um ano de realeza pra mocinha.”

CONTRAPONTO DE VISTA: Para mim, quem marcou mesmo 2009 foi Grace Jones, única e absoluta, com seus 61 anos de idade, deixando qualquer porcaria como Lady Caca no chinelo... (Alisson Gothz)

(Marcos Carioca) “A colocação da Lady Gaga, com certeza, e ela ainda deve render por um bom tempo!” (Marcelona) “Eu aposto na Lady Gaga em 2010. Eu tinha uma preguicinha dela, mas ela aconteceu em 2009 e, com certeza, a gente ainda vai falar muito dela!” (Renata Bastos)

www.acapa.com.br 13


portfólio

DE NERONE PRANDI MOSTRA-ME OS DENTES! EU NÃO ME ASSUSTO COM TEU RUGIDO. NÃO TENHO MEDO DE TI. PARA MIM, EU E TU SOMOS A CRUEZA DO DESEJO.

NERONE PRANDI É ILUSTRADOR, PORNÓGRAFO E ARQUITETO ATORMENTADO. HÁ ANOS OBSERVA O DESEJO SEXUAL HUMANO, SEU TRABALHO PODE SER CONFERIDO NO BLOG WWW.NERONEILUST.BLOGSPOT.COM. 16 www.acapa.com.br


moda

20 www.acapa.com.br


moda

SOBRE TEXTO PACO LLISTÓ • FOTOS DANIELA CARRASCO ASSISTENTE DE FOTOGRAFIA GIANE VOLTARELLI EDIÇÃO DE MODA LEANDRO LOURENÇO MAKE-UP ISRAEL SCOBAR • MODELO FRANKLIN (Mega)

E

rrante e solitário, ele caminha rumo à desolação. Não tem sequer um destino nem mesmo um objetivo a cumprir. Sabe, no entanto, que é necessário lutar con-

tra todas as intempéries da natureza se quiser sobreviver ao caos. Sua única certeza é que o sol um dia voltará a brilhar e, mais forte e decidido, poderá enfim reinar absoluto.

Cueca SURRENDER, Camisa ZARA, Colete LOFT 88 e Jeans TAKESHY KURUSAWA.

www.acapa.com.br 21


moda

22 www.acapa.com.br


moda

Camisa MARIO QUEIROZ e Colete IMPERIAL para LOFT 88; na pรกgina ao lado, Camisa MARIO QUEIROZ, Colete IMPERIAL para LOFT 88, Cinto LOFT 88 e Jeans IMPERIAL.

www.acapa.com.br 23


moda

24 www.acapa.com.br


moda

Camisa FABRIZIO ALFAIATARIA e Cueca SURRENDER; na pรกgina ao lado, Calรงa MARIO QUEIROZ, Botas JADSON RANIERE e Cinto LOFT 88.

www.acapa.com.br 25


moda

ONDE ENCONTRAR: marioqueiroz.com.br loft88.com.br jadsonraniere.blogspot.com fabrizioalfaiataria.com.br imperial.st surrender2.com takeshykurosawa.com zara.com.br

26 www.acapa.com.br


entrevista

MARCELO LAFFITTE

CINEASTA ADIANTA

ELVIS & MADONA

TEXTO WILLIAM MAGALHÃES FOTO DIVULGAÇÃO

C

om a experiência do mercado de cinema, o diretor carioca Marcelo Laffitte fala sobre a experiência de rodar o filme Elvis & Madona, uma história de amor entre uma lésbica e uma travesti que deve emocionar e divertir os espectadores brasileiros em 2010.

o amor da sua mulher, logicamente a nora do acusado. Detalhe: o pai havia se tornado uma travesti anos antes de conhecer a moça. A partir disso, passei quase dois anos ruminando pensamentos e construindo personagens, situações, enredo etc.

Em entrevista à revista A Capa, Marcelo fala sobre os 11 anos que separam a ideia inicial do filme pronto, mostra que fazer cinema no Brasil não é fácil, mas que com parcimônia e o bom e velho jeitinho, tudo se resolve.

Quanto tempo levou para o roteiro ficar

Em 2000, o Ministério da Cultura abriu inscrições para um concurso de projetos de baixo orçamento, decidi escrever e o roteiro ficou pronto em menos de uma semana. Só voltei a trabalhar nas cenas e diálogos quando efetivamente conseguimos os recursos para filmar, e, por conta de adequação do orçamento e da temporalidade (em 2000 quase ninguém tinha celular), a trama mudou em alguns pontos. Mesmo durante a filmagem, por conta da falta de dinheiro, tive que reescrever, suprimir e criar várias situações no próprio set.

pronto? O que serviu de inspiração para a história? Primeiro surgiu a ideia de fazer uma história de amor entre uma lésbica e uma travesti. Foi em 1998, num quarto de hotel em Miami, quando passei o controle remoto por um programa de auditório hispânico, onde um filho acusava o pai de ter seduzido e roubado

E o filme, quanto tempo demorou para ser rodado e finalizado? Ganhamos o concurso do MinC em 2006, cujo dinheiro só saiu em abril de 2007. Reescrevi o roteiro, começamos a preparação em agosto e a filmar em setembro. Filmamos por cinco semanas, o dinheiro acabou e ainda restavam três dias

Para 2010, além de querer lançar bem seu longa-metragem, Marcelo está trabalhando num projeto de filmar um roteiro escrito por ninguém menos que Ziraldo.

30 www.acapa.com.br


entrevista para filmar, que era justamente o final da história. Foi um período muito complicado, que durou sete meses, porque não havia filme e tudo seria literalmente jogado fora. Em junho de 2008, o produtor resolveu custear esses três dias e conseguimos rodar o que faltava. Montamos o filme na casa de um amigo, mas não havia recursos para finalizar. Só com o patrocínio da Oi, em março de 2009, foi que viabilizamos a finalização. No seu blog você diz sentir que Elvis & Madona é um filme que também fala para jovens. Por que tem essa percepção? A personagem Elvis é uma moça na casa dos 25 anos, com boa formação, mas sem um trabalho que a realize (ela é entregadora de pizzas). Acho que essa é a crise existencial da grande maioria dos jovens do século XXI, que estão cada vez mais dependentes do sustento da família e só conseguem se libertar quando já estão com 30 anos ou mais. Conhece algum caso da vida real de amor entre uma lésbica e uma travesti, como no filme? Indicado por André Fischer (diretor do Mix Brasil), falei por telefone com Lu e Gabi, um casal muito badalado da noite paulistana dos anos 90. Lu era baterista da banda “As Mercenárias” e Gabi era uma travesti que fazia filme pornô. Na época em que conversei com as duas, elas estavam para comemorar 10 anos de casamento. Hoje acho que estão separadas e parece que Gabi virou mãe de santo, Mãe Gabi.

lado, com a conscientização de seu papel na sociedade, as minorias começaram a se unir e exigir um espaço de ocupação que atendesse às suas necessidades. Trabalhar com uma história que fala de uma relação entre uma lésbica e uma travesti gerou algum tipo de dificuldade para conseguir levantar verba para o filme? Todas as dificuldades do mundo. Nenhuma empresa quer ver sua marca ligada a um universo que o mainstream retrata sempre como marginal, barra pesada e, consequentemente, sofrido e baixo astral. Somente o Ministério da Cultura aposta em projetos assim (ainda bem, não é?). Só depois que o filme estava montado e com um resultado muito feliz, foi que as empresas começaram a se interessar. Como se deu a pesquisa das gírias gays utilizadas no filme? Essa foi grande contribuição de José de Carvalho, o Derinho, contratado para colaborar com o roteiro na fase de preparação da filmagem. Ele é baiano e estudioso do candomblé, e trouxe todo um vocabulário yorubá para os diálogos: ocó, aqué, aguenda etc. Depois Gabriel Moura, que compôs Força na Peruca (gravada por Gilberto Gil para o filme), aprofundou o assunto e descobriu que essas gírias eram usadas pelos marginais do Rio no começo do século XX, e que perduraram na tradição oral entre as travestis da Lapa e da Glória.

A temática da diversidade sexual tem permeado algumas produções. Como você enxerga essa movimentação e, na sua

Igor Cotrim e Simone Spoladore, embora relativamente conhecidos, não são globais. A Maitê Proença e o José Wilker fazem apenas uma pequena participação. O

opinião, por que isso tem acontecido? Talvez haja dois componentes. Primeiro, há um passivo sócio-cultural que a sociedade brasileira deve às suas minorias. E as artes em geral, que são um reflexo dos pensamentos emergentes e vanguarda dos movimentos sociais, faz a sua parte ao inserir os segmentos historicamente marginalizados. Por outro

fato de ter o nome de um global no elenco ajuda ou atrapalha na hora da captação? Com certeza, ajuda. Tem um tal de “pacote” que o mercado adora comprar: histórias leves, para um público amplo, de baixa classificação etária e com atores conhecidos. No caso de Elvis e Madona, a participação da Maitê, do Buza Ferraz e do Zé Wilker foi totalmente afetiva, www.acapa.com.br 31


entrevista pois são amigos e companheiros de outros filmes meus, os curtas Vox Populi e Banquete. O cinema brasileiro costuma ser aplaudido no estrangeiro. Falta ser aplaudido pelos brasileiros? Eu tenho certeza que o cinema brasileiro já é aplaudido pelos brasileiros. O que falta é fazer nosso cinema chegar até eles, ocupar mais salas, ficar mais tempo em cartaz. Não é mais possível que filmes de Hollywood entrem no país com 200, 300, até 600 cópias, e ocupem 90% de nossas salas. O espectador fica literalmente sem opção: ou assiste 2012 ou Lua Nova ou Avatar. Elvis & Madona é um filme gay? Não, não vejo como tal. Fiz um filme cujos personagens centrais são gays, porém, é um filme que não discute causa ou consequência, não faz julgamentos de valor e nem aponta o caminho para a terra prometida. Ouvi uma frase de

32 www.acapa.com.br

um espectador de Natal, quando participamos e vencemos o FestNatal, que me disse o seguinte: “Eu nunca me imaginei torcendo pela felicidade de uma travesti e de uma lésbica. Só o seu filme conseguiu fazer isso comigo”. Essa frase já valeu todo o esforço. Quando o filme entra em cartaz? Conseguiram apoio para a distribuição? Ainda não sei. Neste momento, há três distribuidoras avaliando o filme. Vamos ver o que eles fazem com esse “pacote”. Por fim, quais são seus planos para 2010? Além de lançar (e lançar bem!) Elvis & Madona, quero captar e talvez filmar um roteiro do Ziraldo, chamado Viagem ao Verão, que é uma espécie de La Dolce Vita carioca. Um filme ágil que transita no Rio de Janeiro de norte a sul e de leste a oeste, com personagens humanos, mas muito diferenciados. Ziraldo e eu estamos muito animados com esse novo projeto.


noite

CLUBBERS DE Viciados em baladas contam suas experiências na noite TEXTO ERIK GALDINO

N

os anos 90, surgia no Brasil a cultura clubber. A principal diversão dos jovens de visual bastante colorido eram as famosas raves, que hoje já se espalharam pelo país e são consideradas o principal destino dos amantes da música eletrônica. No entanto, o significado da palavra clubber vai além de um visual ou de uma estética. Além de personificarem um comportamento, os apaixonados por noite, música e diversão representam também uma forma de expressão cultural. É no clube, com pouca luz e muita fumaça, que os “club addicted” (ou viciados em clubes) se revelam. Exemplo clássico desse movimento é “Party Monster”, de 2003, estrelado por Macaulay Culkin. No filme, que mostra a cena novaiorquina de uma maneira bastante fiel, o ex-protagonista de “Esqueceram de Mim” interpreta Michael Alig, um dos fundadores da cultura clubber ou “club kids”. Na vida real, cidades populosas como São Paulo, Rio de Janeiro ou Nova York possuem tantas opções noturnas que é possível se divertir em todos os dias da semana, inclusive às segundas-feiras. “Pessoas que têm uma cultura clubber adoram sair, beber, dançar, se divertir e encontrar pessoas com interesses em comum”, diz André Almada, proprietário do clube The Week, com presença em São Paulo e Rio. A noite está intrinsecamente ligada à cultura gay, tanto no Brasil quanto no exterior. “É no clube que as pessoas encontram uma forma 34 www.acapa.com.br

de tirar o estresse”, acredita Paulo Agulhari, DJ residente dos clubes Megga e Bubu, em São Paulo. A capital paulista tem ainda um fator que faz com que a cultura noturna seja ainda mais forte: a falta de recursos naturais como válvula de escape para o cotidiano. “São Paulo, por não ser uma cidade de praia, faz com que a diversão de uma parte das pessoas seja o clube. Eu percebo que no Rio e em outras cidades não é assim, elas até podem ir ao clube todo


noite final de semana, mas saem mais cedo para ir à praia no dia seguinte”, pontua Agulhari. Moradores de cidades litorâneas, sobretudo Florianópolis e Rio, “são mais vaidosos e têm um maior cuidado com o corpo”, ressalta o estudante César de Souza, 21, morador do Leblon. Mas essa não é uma regra. O paulistano Alex Ramos, 25, assistente de Recursos Humanos, não consome bebidas alcoólicas, mas se considera amante da noite. “Faço parte de uma equipe de corrida, procuro ter uma alimentação saudável, bebo muita água e durmo bastante, sempre que dá”, diz. Clubber desde os 14 anos, Alex afirma que é, na verdade, “viciado em música”. “Sou um bom ‘arroz de festa’. No clube, tem aquela animação e todo mundo acaba ficando igual debaixo da mesma luz estrobo”, acredita.

O fotógrafo Fábio Motta, 29, também é daqueles que não perde uma festa. Às segunda-feiras, seu lugar preferido é a noite “On The Rocks”, do clube paulistano D-Edge. Para ele, a noite precisa ter “amigos, boa música e animação”. O fotógrafo acaba, quase sempre, em um after, não em um clube, “mas em casa ou na dos amigos”. Fábio diz que cultiva mesmo “a paixão pelo underground”, posição diferente de Alex, que vê as festas diurnas como “uma extensão dos clubes”. “Quanto mais eu danço, mais pista eu conheço”, diz. Mas será que é preciso frequentar um clube para fazer parte da cultura clubber? Os elementos básicos podem estar também em casa. Luan Rodrigues, 19, estagiário de engenharia hidráulica, costuma beber na casa de amigos às sextas-feiras e não dispensa uma balada aos sábados para encerrar a jogação. Luan conta que só diminuiu o ritmo depois de começar a trabalhar. “Saía de quarta e quinta. Ainda continuo saindo nesses dias, mas faço uma coisa mais light, um barzinho da faculdade no horário de aula, por exemplo”, diz Luan, que gostaria que a rotina fosse diferente. “Toda segunda eu falo para o pessoal da faculdade, ‘prometo que não vou sair na sexta e nem no sábado’. Daí chega quinta e já estou com planos de festas na sexta, sábado e, às vezes, no domingo”, confessa. Para André Almada, a noite ajuda a “integrar pessoas de diferentes classes sócio-econômicas e culturais”. E clubber de carteirinha gosta mesmo é de uma boa festa. “Não tenho preferência, só quero me divertir de uma forma espontânea, legítima e natural, vou do inferninho bagaceira até o clube mais moderno, hype e descolado da cidade, estou onde rola o basfond”, ferve Alex. “Como diz uma letra do Cazuza, ‘pro dia nascer feliz, o mundo inteiro acordar e a gente dormir’”, conclui. www.acapa.com.br 35


beleza

SE JOGA

No verão, nada melhor do que aliar condicionamento físico e diversão em modalidades refrescantes embaixo d’água

C

TEXTO PAULO BASILE

om a chegada do verão, multidões recorrem às atividades físicas para deixar o corpo em dia. Mas se você não suporta a ideia de ficar puxando ferro enclausurado em academias, uma alternativa para matar sua sede por um corpo saudável é se jogar nas piscinas. Muito além do solitário nado crawl, cada vez mais academias investem em modalidades aquáticas que misturam malhação, condicionamento físico e relaxamento.

aquáticas. “Quem pratica atividade física na água se beneficia por trabalhar em uma zona de frequência cardíaca inferior a dos exercícios em solo, porque a pressão que a água oferece ao corpo contribui para a melhora da circulação”, explica Alessandra Toassa, coordenadora de natação da unidade Oscar Freire da academia Competition, em São Paulo. Além disso, há impacto menor nas articulações, o que diminui o risco de lesões.

Essas atividades apresentam algumas particularidades que auxiliam na potencialização dos exercícios. “A pressão hidrostática e o empuxo, força contrária à força da gravidade, potencializam os movimentos na água. Além disso, o trabalho respiratório é muito correto”, afirma Fabiana Tazzi, coordenadora de esportes aquáticos da unidade Morumbi da Academia Cia Athletica, em São Paulo.

O conforto do meio também é recompensador. Além de a água ter propriedades terapêuticas, ajudando no equilíbrio muscular, “esses exercícios são eficientes na queima de gorduras sem que aluno perceba a sensação incômoda da sudorese”, afirma Alessandra.

Se comparadas aos exercícios realizados em solo, muitas são as vantagens das modalidades

Quando a pessoa está imersa, a recuperação dos batimentos cardíacos se faz de 20% a 30% mais rápida do que em solo. Porém, a temperatura da água influi diretamente no aproveitamento das atividades. Segundo o autor do livro Hydro Fitness e Hidroginástica – 1000 exercícios, o professor de Educação Física Lúcio Rogério dos Santos, o ideal é que a piscina esteja entre 26 e 28°C, pois água muito quente leva ao relaxamento e à flacidez muscular e água muito fria provoca rigidez excessiva nos músculos.

Mix aquático

Muito além da clássica hidroginástica, técnicas de musculação, danças aeróbicas e até mesmo algumas lutas marciais migraram para as piscinas. Há até adaptações dentro da água de moda-

36 www.acapa.com.br


beleza lidades olímpicas, como o triatlo totalmente aquático, “onde a pessoa pedala em bicicletas submersas, corre na piscina usando esteiras especiais e depois realiza a natação”, conta Fabiana Tazzi. Os acessórios das aulas são os mais variados possíveis. Pesinhos, pranchas, esteiras, bicicletas, camas elásticas, boias... tudo para intensificar o trabalho. Embora a atrofia muscular seja bem menor na água do que nas atividades de musculação em solo, o trabalho de condicionamento físico se faz presente em várias partes do corpo ao mesmo tempo. Há também os esportes realizados em água, como o biribol, uma espécie de vôlei na água, e o pólo aquático, geralmente adaptado, pois o pólo verdadeiro é realizado em piscinas fundas em que os competidores não tocam com os pés no chão. “Há a brincadeira lúdica, o trabalho em equipe, o condicionamento físico e, logicamente, a sensação agradável de estar dentro d’água”, conclui Fabiana. Confira algumas das principais atividades aquáticas oferecidas nas academias: Hidroaeróbica: Com a ajuda de halteres vazados, boias de borracha em forma de macarrão e outros acessórios, os exercícios trabalham pernas, panturrilhas e braços. Deep Running: Com o auxílio de coletes e caneleiras flutuantes, o usuário realiza em piscinas fundas uma espécie de cooper aquático,

que enrijece o abdome e ajuda no condicionamento físico. Water running: Realizada com esteiras especiais submersas. Os exercícios, excelentes para a circulação e condicionamento físico, trabalham as pernas e abdome. Acqua Spin: Bicicletas especiais simulam manobras de ciclismo que auxiliam no trabalho das pernas e na perda de peso, dando ênfase ao sistema cardiorrespiratório. Triatlo aquático: Com alto gasto calórico e trabalho cardiovascular intenso, as três atividades que compõe o triatlo (corrida, natação e ciclismo) são realizadas dentro d´água, usando as técnicas de Deep Running, Acqua Spin e natação. Watsu: Trabalho terapêutico que mistura relaxamento, alongamento e técnicas de massagem do shiatsu. Ideal para aliviar estresse, ansiedade, dores agudas ou crônicas, insônia e desenvolver de forma correta a respiração. Acqua Jump: Exercícios aeróbicos são realizados sob uma pequena cama elástica individual, favorecendo o equilíbrio, a coordenação motora e a melhora da capacidade cardiovascular. Hidrotrekking: Aulas que aliam movimentos de lutas marciais com exercícios de musculação, utilizando acessórios como halteres e pranchas. Recomendado para alunos com alto condicionamento físico. Hidropilates: Utilização dentro da água de técnicas e movimentos semelhantes à Yoga e ao Pilates. Auxiliam na coordenação motora, equilíbrio, resistência física, flexibilidade e aumento da força muscular.

Saiba onde você pode se exercitar embaixo d’água: São Paulo

Rio de Janeiro

- Formula (www.formulaacademia.com.br)

- Stella Torreão (www.stellatorreao.com.br)

- Competition (www.competition.com.br)

- Rio Sport Center (www.riosportcenter.com.br)

- Bio Ritmo (www.bioritmo.com.br)

- A! Body Tech (www.abodytech.com.br)

- Cia Athletica (www.ciaathletica.com.br)

- Acqua Fitness (www.acquafitnessacademia.com.br)

- Reebok Club (new.reebokclub.com.br)

- Body Planet (www.bodyplanet.com.br)

- Kainágua (www.kainagua.com.br)

- Estação do Corpo (www.estacaodocorpo.com.br) - Aquatop (www.aquatop.com.br) www.acapa.com.br 37


saúde

BOCA

Você sabe cuidar bem da sua boca? TEXTO THAIS MARTINS

E

scova de dentes, creme dental, fio dental, antisséptico bucal e visitas periódicas ao dentista. Quem não conhece esse ritual? Porém, devido à correria do dia a dia, ao estresse e à alimentação errada, deixamos de lado um pouco esses cuidados. “A boca é a porta de entrada do tubo digestivo, importante comunicação do sistema externo com o interno do corpo. Germes e pus, presentes nas doenças, são engolidos junto com a saliva e os alimentos, podendo espalhar infecções”, orienta o cirurgião-dentista, especialista em ortodontia, Dr. Cléber Bidegain Pereira. Os velhos hábitos ainda são a melhor maneira de obter uma boa limpeza: passar o fio dental para remover a placa bacteriana e os resíduos de alimentos; escovar os dentes com um creme dental específico para cada problema (identificado pelo dentista); aplicar o antisséptico para matar os germes que causam o mau hálito, a placa bacteriana e a gengivite; e visitar o dentista regularmente. Nem sempre aparecem doenças bucais só por causa do descuido da higiene. Pessoas com diabetes, por exemplo, também podem ser prejudicadas. A diabetes, quando não é controlada, compromete o organismo causando retardo de cicatrização de um modo geral, inclusive na boca. “A flora bucal fica alterada o que predispõe a gengivites, estomatites e doença periodontal. No diabético, ocorre com mais facilidade, podendo levar à perda dos dentes”, diz o professor titular da Faculdade de Ondontologia da PUCRS, Dr. Flávio Augusto Marsiaj Oliveira. No caso da diabetes, os cuidados devem ser redobrados. “Pessoas nessas condições de38 www.acapa.com.br

vem visitar o dentista a cada três ou quatro meses”, completa o professor. Outro agravante é o estresse. Quem sofre pressão no dia a dia acaba descontando a tensão nos dentes, o que é chamado de bruxismo, ato de ranger os dentes danificando os tecidos de sustentação e a estrutura dentária. Pode provocar também distúrbios na articulação da mandíbula com o crânio, gerando até lesões graves na articulação. “Uma placa relaxante pode atenuar o problema, mas só deve ser recomendada por um especialista”, finaliza Dr. Cléber.

Identifique o tipo de profissional mais adequado para o seu problema dentário: - Odontopediatra: especializado no atendimento de crianças. - Endodontista: diagnostica e trata de enfermidades da polpa dentária e canais. - Ortodontista: especializado na correção da posição dos dentes por meio de aparelhos ortodônticos. - Periodontista: especializado no diagnóstico e tratamento das doenças da gengiva. - Protético: especializado na confecção de coroas e próteses dentárias, conhecidas como dentaduras. - Protesista dental: especializado em prótese dental. É habilitado para atuar diretamente com o paciente. - Patologista bucal: usa procedimentos laboratoriais para diagnosticar problemas bucais. - Cirurgião bucal/maxilofacial: remove cistos, tumores e dentes.


estilo

ALTO

Das quadras às passarelas

TEXTO MARCELO HAILER FOTOS DIVULGAÇÃO

O

s tênis de cano alto surgiram nos anos 80, nos pés dos jogadores de basquete norte-americanos. A ideia era que eles pudessem evitar danos nos tornozelos dos atletas e garantir melhor suporte para as performances. Deu certo. Logo surgiram os modelos personalizados com estrelas do esporte como, por exemplo, Nike Michael Jordan ou Adidas Magic Johnson. Mas, em meados dos anos 90, o modelo deu uma sumida, ficando restrito só a quem praticaba o esporte. Agora o cenário mudou. Os tê-

nis de cano alto voltaram com tudo de um ano pra cá. Na última edição da São Paulo Fashion Week (SPFW), inúmeros estilistas usaram os calçados para ilustrar a passarela. Diferente dos modelos comercializados nos anos 80 e 90, que eram bem simples, os tênis de cano alto da atualidade são ousados e pra lá de coloridos. Destaque para os exemplares das marcas Adidas, Nike, Rebook e Globe. E como estamos no verão, bermuda é a peça obrigatória no vestuário. Veja a seguir alguns modelos que separamos pra você arrasar no look.

Nike Dunk Hi Premium Speckled

Lacoste Hironia

Puma First Round Santa Cruz

Adidas Top Ten Hi Black/Red 40 www.acapa.com.br


tecnologia

PASSADO, PRESENTE E FUTURO

O

TEXTO ERIK GALDINO

Orkut é tão 2004... A rede social do momento é o Facebook, que no Brasil ainda luta para alcançar a popularidade do antecessor, mas já está cheio de gente bacana que não apenas utiliza a ferramenta para se comunicar, como também para se distrair com os milhares de jogos virtuais que estão disponíveis gratuitamente.

Friends For Sale (Passado) Foi o primeiro joguinho a se popularizar entre os gays, em 2008. A graça era comprar e vender amigos, ganhar dinheiro e ter em sua lista os mais belos da noite. A disputa era tão grande, que alguns gostosões eram comercializados dezenas de vezes por dia. Após algumas reformulações do aplicativo, em 2009 ele tentou ficar popular novamente, mas a onda já tinha passado.

Distribua Mágoas (Presente, quase passado) Criado pelo promoter paulistano Vinicius Yamada, o aplicativo brasileiro mais gay da rede é uma divertida seleção de gongos para seus amigos. A ideia é “Está magoado? Não seja egoísta! Compartilhe! Distribua mágoas várias vezes!”, como diz a descrição do aplicativo que tem goma de mascar no cabelo, Lacraia ensinando seus filhos a dançar, jacaré no seco anda?, giletada de travesti, entre outros.

FarmVille (Presente) A fazendinha estourou em julho deste ano e continua em alta. Quando você se cadastra, ganha um pedaço de terra e um dinheirinho. Com essas moedas você precisa plantar e colher para ter lucros e ir dando vida a sua terrinha. Amigos lhe mandam presentinhos como árvores, animais e decoração. O hype é ter a maior e a mais bem decorada fazenda; ter uma casa cara e tratores também confere status. Tem muita gente milionária por lá e o assunto já fez bastante parte das rodinhas até em boates. E onde tem gay tem pegação, na fazendinha não é diferente. Rolam uns flertes bem discretos nas plaquinhas que você pode deixar na fazendinha amiga.

Mafia Wars (Presente, quase passado)

Dicas Bafo (Presente)

Neste aplicativo, o jogador tem que ser o mais mafioso em sua rede de amigos para se tornar o mais poderoso e temido pelos demais. É preciso ganhar dinheiro através de pequenos trabalhos, para então comprar armas e estocá-las para combater os outros mafiosos.

Cheio de pajubá, Maria Bethânia sugere dicas muito divertidas e algumas meio pesadas para os usuários do aplicativo como “xuca para kuendar sem cheque”, “tempo é dinheiro. Relógio de pobre está sempre atrasado”, “lave seu cu”, “compre um vibrador novo”, “deixa de mágoa bi”, entre outras.

Voz e vídeo no Facebook (Futuro) A aposta para este ano é que pipoquem aplicativos para conversa por voz e vídeo na rede. Talvez o Facebook se torne uma das principais ferramentas de comunicação e acabe de vez com o e-mail, como muitos especialistas da área já apontam.

www.acapa.com.br 41


sexo

MOLHADOS Urolagnia, pissing, water sports, chuva dourada. Os nomes podem ser vários, mas o prazer é um só: curtir uma transa quente e bem úmida TEXTO JOÃO MARINHO

P

or natureza, sexo é uma atividade com troca de fluidos: a saliva, o líquido préseminal, o esperma, as secreções vaginais, o suor. É claro que, na era do sexo seguro, nem todos os fluidos devem ser trocados impunemente. Há pessoas que vão mais longe e põem na lista um outro líquido: o xixi, mijo, ou, para os mais educados, a urina. O designer gráfico Jairo Neris*, 30, é consumidor assíduo de pornografia na internet. Foi em um de seus passeios on-line que se deparou com o pissing pela primeira vez. Pissing, ou water sports, é uma gíria em inglês para as diferentes práticas que envolvem urina: excitar-se ao ver alguém urinar, exibir-se enquanto urina, molhar-se a si mesmo, tomar ou dar um “banho” – o que popularmente se conhece como chuva dourada, ou golden shower –, dar ou receber a urina na boca, beber e até mesmo inserir, ou permitir-se receber o líquido no ânus ou na vagina. Quem sabe, tudo junto. “Logo de cara, eu achei esquisito. Depois, fiquei curioso e comentei com meu então namorado. ‘Você quer fazer isso?!’, perguntou ele, meio espantado. Eu disse que era só curiosidade – e era mesmo. Só que, da curiosidade, passei a ter tesão vendo os vídeos”, conta Jairo. 44 www.acapa.com.br

A primeira vez pode ser estranha até para quem, diferentemente de Jairo, sempre acalentou sonhos molhados. É o caso do comerciante Roberto da Silva*, 29. “Eu já tinha vontade. Costumava mijar em mim mesmo durante o banho. Aí, pela internet, conheci um cara e disse que queria provar mijo [...]. Ele me comeu e depois pediu que eu fosse pro banheiro e me ajoelhasse [...]. Abri a boca e tomei um pouco. O resto foi no meu corpo. O mijo dele era forte, e, como era a primeira vez, achei estranho – mas curti”, conta Roberto, ressaltando que o parceiro, a princípio, ficou sem graça. É claro, porém, que muitos “querem saber”, e isso cria até um mercado e gera lucro! É o que comenta Marcello Rodriguez, 33, produtor de filmes adultos de fetiche: “Em quatro anos, a maior parte dos filmes que gravei foi de pissing, a maioria entre mulheres. Dá uns 300 vídeos! Gays, gravei uns 15”. Vende bem? “Um dos filmes que produzi, de xixi com fisting, vendeu 450 cópias em 15 dias”. Nada mal, se considerarmos que o filme era de uma produtora nacional, distribuído no Brasil.


O que entra sai Objetivamente, é provável que a rejeição que muitos têm à ideia de misturar mijo e sexo venha mais da educação que de eventuais malefícios. Água e ureia são os componentes principais da urina. A ureia é a forma pela qual o organismo elimina amônia, um subproduto comum do metabolismo celular. Como a amônia é muito tóxica, o fígado quebra as moléculas e dá origem à substância. “Cerca de 95% da urina é água e ureia”, explica o médico Murilo Sarno*, 33. Outro componente, encontrado em menor quantidade, é o ácido úrico. Se existir em grandes quantidades no organismo, o ácido úrico pode, entre outros problemas, cristalizar-se nas articulações, criando um tipo de artrite, ou nos rins, criando pedras. Isso, porém, só acontece se houver problemas no sistema urinário. Caso contrário, a ingestão, por exemplo, simplesmente faz com que o corpo reenvie a ureia e o ácido úrico de volta aos rins e volte a eliminá-los. Para haver problema, seriam necessários porres de litros e litros do líquido amarelado...

Saúde molhada

mente relacionados ao contato boca-pênis – e todos eles aumentam se houver presença de sangue ou se a pessoa receber urina dentro do ânus ou vagina. Embora, de uma forma geral, a urina já cause menos problemas que o esperma, dentre os “esportes aquáticos”, o mais seguro é a chuva dourada, e na pele íntegra.

Instinto selvagem

Nada impede que alguém curta dar e receber urina, e nem todos são bebedores. Mas, de qualquer forma, de onde viria esse prazer úmido? O psiquiatra Bernardo de Gregório, 45, explica: “O interesse sexual humano pela urina certamente vem desses instintos primitivos, somados ao fato da, digamos, proximidade anatômica entre o sistema urinário e o reprodutor. Também existe associada a ideia de dominação/submissão, expressa como uma espécie de humilhação imposta pelo fato de urinar sobre outra pessoa”. O consultor de informática Renato Gomes*, 28, que já urinou em alguns parceiros, concorda: “Tem o lance de subjugar, ver o limite do outro, mandar nele e ele obedecer, marcar território”.

A história é outra quando pensamos em “visitantes indesejáveis”. É o caso, por exemplo, do vírus da hepatite B, que pode ser transmitido através da urina. Além disso, “se a pessoa que urina tiver uma infecção urinária bacteriana há um risco relativo de que quem bebe desenvolva

No entanto, há uma pergunta que, para muitos, não quer calar: é normal? Com a palavra, Bernardo de Gregório: “Essas práticas, denominadas urolagnia cientificamente, fazem parte do grupo de desvios da conduta sexual chamados parafilias. A rigor, qualquer

infecção na garganta. Não é comum, mas pode acontecer”, explica Murilo. Para o HIV, risco baixo, mas “se a pessoa urina logo depois de ter ejaculado e o outro bebe, os riscos aumentam, pois pode haver resquícios de esperma”.

parafilia seria uma situação patológica – mas, na verdade, se não ocorre uma compulsão sexual ou não há uma obrigatoriedade nesse comportamento, podemos encarar a urolagnia como a realização possível de uma fantasia sexual comum”. Então, tá.

O médico também esclarece que, se o sexo oral é desprotegido, há outros riscos tipica-

* Os nomes foram alterados a pedido dos entrevistados

www.acapa.com.br 45


cult

TEXTO RÉGIS OLIVAR FOTOS DIVULGAÇÃO

R540 Rocking Bench é um banco feito de pontos entrelaçados, parecido com as cadeiras utilizadas nas regiões do interior do Brasil. A peça é criação do estúdio Fetiche Design. micasa.com.br fetichedesign.com.br

Be@rbrick, marca japonesa de toy, lança Be@rbrick 200% “Chogokin” Chrome. A nova versão é cromada e extremamente limitada! Mede 15cm. colette.fr bearbrick.com

Criada pela Homade, a caixa de som portátil para iPod tem design inspirado em uma grande peça de LEGO. Compatível com qualquer modelo de iPod. Disponível em versões colorida, preta ou branca. homade-product.com gadgetz.com.br 48 www.acapa.com.br


cult CDs

PickUrPine, paliteiro de porco espinho da marca britânica Suck. Uk, é feito de silicone e tem lugar para 29 palitos. Mede 6cm x 13,5cm. suck.uk.com

Lungs é o primeiro álbum da banda britânica Florence and The Machine. Traz os singles Dog Days Are Over e You’ve Got the Love.

A banda inglesa Friendly Fires lança o primeiro álbum. Com os singles Paris, Jump in the Pool e Skeleton Boy.

No Baggage é o 2º álbum da carreira solo da cantora irlandesa Dolores O´Riordan. Destaque para o single The Journey.

A marca italiana SUPER, conhecida no mercado da eyewear/ moda, lança a coleção Sideview. Nas cores Havana Glitter, Grey e Black. retrosuperfuture.com

Wall of Arms é o 2º álbum da banda londrina de indie rock The Maccabees. Traz os singles No Kind Words e Love You Better.

www.acapa.com.br 49


FOTO DIVULGAÇÃO

retrato

Em passagem pelo país, a diva trans nova-iorquina AMANDA LEPORE confirmou novo disco para 2010. 50 www.acapa.com.br



Edição 29