Issuu on Google+

FEVEREIRO 2012 | #06

Cinema

ÓSCARES 2012

Fotografia

christina branco

(por Rita Garcia)

Perfil

EMILIE AUTUMN

Sexo

UM PRESENTE ESPECIAL


FEVEREIRO 2012

| #06

BALANÇO OFICIAL DA MEIA-DÚZIA

Cinema

2 ÓSCARES 201

Perfil

Fotografia

chrcoistina br an

EMILIE AUTUMN

(por Rita Garcia)

Sexo

UM PRESENTE ESPECIAL

FICHA TÉCNICA DIRECTOR Tiago Matos COLABORADORES Eva Duarte Luna Santos Maria Waddington Mariana Carvalho Sílvia Silva Susana Veríssimo CRONISTAS Detinha Avelino Juvenal FOTOGRAFIA Rita Garcia CONTACTO revista21@revista21.net PERIODICIDADE Mensal

P

ois é, chegámos à meia-dúzia. Que, como diria Carlos Paião, é uma soma macambúzia. Nós preferimos dizer que é meio ano de 21. O que, tendo em conta a nossa natureza, não é nada mau. Mas não se preocupe que não nos ficaremos por aqui. Muito menos agora que já nos conhece e se familiarizou com cada um dos elementos que constitui a nossa equipa. Pelo menos esperamos que o tenha feito. Até porque é esse um dos nossos principais objectivos. Queremos que efectivamente nos leia e não que apenas nos folheie para “ver os bonecos”. Se é isso que costuma fazer, agradecemos que não nos volte a consultar. Não precisamos de si. Sabe, a verdade é que não nos interessa ser uma revista bonita ou popular, mas sim uma boa revista. E, da mesma forma, não precisamos que nos dê os parabéns e nos diga que a revista está boa se não nos especificar em concreto aquilo de que gosta. É o mínimo que merecem os nossos colaboradores. Porque temos, de facto, pessoas com talento nesta equipa, mesmo que a maioria esteja ainda a dar os primeiros passos profissionais na complicada - e subvalorizada - área da comunicação. Estamos entendidos? Então pode mudar de página e ver as coisas boas que preparámos para si este mês. Começando pelo fim, lembra-se de Rita Garcia, a nossa capa de Dezembro? Está de volta às nossas páginas, desta vez atrás da câmara. É ela a autora de um ensaio que tem a modelo Christina Branco como protagonista. E por falar em protagonistas, damoslhe a conhecer todos os nomeados dos Óscares num artigo especial onde até arriscamos previsões. Será que acertamos? Outra das nossas protagonistas do mês é a cantora Emilie Autumn. Não conhece? Não sabe o que perde. E mais? Estranhos casos de paternidade, sexo a três, um conto de máscaras e as sempre polémicas crónicas de Juvenal e Detinha Avelino. Gosta? Então comece já a ler.

Tiago Matos


38

ÍNDICE

FOTOGRAFIA

FEVEREIRO 2012 CORREIO 5 NOTÍCIAS 6 PERFIL EMILIE AUTUMN 10 CINEMA ESPECIAL ÓSCARES 2012 16 LETRAS EVA DUARTE - A MÁSCARA 22 COMPORTAMENTO ESTRANHOS CASOS DE PATERNIDADE 28 SEXO UM PRESENTE ESPECIAL 32 CRÓNICAS JUVENAL - A PALAVRA DO SENHOR 8 DETINHA AVELINO - SEGREDOS DE MULHER 36


correio

Enviem-nos os vossos comentários e sugestões para o nosso e-mail oficial: revista21@revista21.net

SERÁ VERDADE? Gostei do artigo das Loucuras de Ano Novo, tal como de outros do género em edições anteriores. Sempre tive esta dúvida, não só com a vossa revista mas com outras: essas histórias são mesmo verdadeiras? Ana S.

BELÍSSIMO Fotos belíssimas, há muito que não via nus tão bonitos. Programação visual da revista também muito boa. Berlusconi... Bene, é vero che non me piace molto questo ragazzino... Debora

É um facto: na maior parte das revistas (algumas bem grandes) é tudo falso. Somos, por isso, uma vez mais, excepção à regra.

Non preoccupatevi, Debora... A nessuno piace! Continue a acompanhar-nos.

procuramos: MODELOS e FOTÓGRAFOS com talento que queiram divulgar os seus trabalhos de nu artístico nas nossas páginas contactem-nos! 5


notícias Por: Sílvia Silva LADY GAGA: 90 MILHÕES NUM ANO!

Não há dúvidas: Gaga é a mais rentável. Segundo a revista Forbes, que elaborou uma lista das mulheres da música que mais ganharam em 2011, Lady Gaga somou 90 milhões de dólares com a venda de álbuns, merchandising e tournées. Na lista, seguem-se Taylor Swift (45M), Katy Perry (44M) e Beyoncé (35M).

OPS! NOIVO ERRADO?

Na Argentina, uma juíza do registo civil trocou a papelada e casou a noiva não com o noivo, mas com uma das testemunhas. A juíza apercebeuse do nome errado na certidão de casamento apenas no final da cerimónia. No momento, terá dito à noiva: «Ops, sinto muito. Acho que se casou com a testemunha». O erro será resolvido gratuitamente.

MCDONALDS VALE SEXO Na Califórnia, uma mulher foi acusada de prostituição após oferecer favores sexuais em troca de McNuggets. A mulher aproximou-se de um cliente parado num McDrive e abordou-o, oferecendo-lhe sexo em troca de uma caixa dos pequenos panados de frango. A resposta foi uma denúncia por prostituição, que levou à detenção da mulher.

«THE L WORD» EM PORTUGUÊS?

Chama-se «LX Menina e Moça», já tem vídeo promocional e aspira a primeira série LGBT portuguesa. Foi criada por Zara Pinto e Márcia Raposo e procura mostrar a forma como oito mulheres lidam com a sua homossexualidade. Ainda não tem comprador mas as produtoras não desistem. Dizem que já faz falta uma série assim e desejam que seja uma série para todos.

QUER UM PÉNIS MAIOR? O espanhol Joaquín Costa fez uma compra pela Internet, mas foi enganado “em tom sarcástico”. Encomendou um extensor de pénis mas, dias depois, o que recebeu foi… uma lupa. Joaquín tencionava reclamar, mas acabou por desistir, já que, tecnicamente, seria difícil provar que a lupa não faz o que era suposto.

6

OS MORTOS QUE PAGUEM A ÁGUA

No Porto, a junta de freguesia da Foz do Douro implementou uma medida que indignou a população: cobrar uma taxa anual pelo uso de água no cemitério. A factura chega a casa em nome dos mortos. Resta saber se estes têm conseguido poupar na outra vida para poderem pagar a conta.


7


crónica Por: Juvenal

www.sobpressaonaoconsigo.blogspot.com

a palavra do

T

senhor

odos os grupos sociais, raças ou etnias têm uma função bem definida, atribuída quando Deus os inventou. Por exemplo, os chineses foram inventados para mão-de-obra barata, exploração de crianças, restaurantes baratos onde um gajo os pode tratar mal e dizer “tlaz lá o clepe, ó chinês do calalho” e ainda sorriem para a gente e dizem “obligado, obligado, um tlezentos e quatlo, um catolze e arroz chao chao, obligado, obligado” e intoxicações alimentares e para um gajo poder fazer suposições sobre terem a rata atravessada (as chinesas, não os chineses e não têm, eu já investiguei e, quando muito, é ligeiramente na diagonal), os ciganos para vender turcos, venderem os telemóveis que os pretos roubam (ver mais à frente), poupar na água e diminuir as filas de espera em ginecologia e na remoção de tumores, os indianos porque alguém tinha de ter maus cabelos e dar credibilidade à expressão «odeio jacúzis, até porque se é para ficar com pintelhos na boca, mais vale ir jantar a um indiano», os pretos para roubar, jogar basket, o normal gang rape no gueto, roubar telemóveis para os ciganos venderem (ver mais atrás mas com cuidado que é para não provocar um loop infinito) e misturar cimento, os russos para violência gratuita,

8

a violação ocasional de menores, um ou outro envenenamento político e tráfico de prostitutas, os árabes para erva da boa, e por aí fora. Mas se há gente que se vê mesmo que não se percebe porque é que Deus os fez são os hippies - para espalhar sífilis, ou qualquer outra DST, já havia os pretos e parece que agora os asiáticos também estão a ficar bons nisso. São uma espécie de função pública, mas com pintelhos que vão do umbigo quase até aos joelhos, que passam a maioria do tempo a não fazer nenhum ou em manifestações onde abraçam árvores com sarongs e chinelos de meter o dedo e ficam em comunhão com a terra e o mundo e gostam de acampar e viver em grutas e mais uma série de paneleirices, que nada têm a ver com coisas de homem a sério - como ir à caça, corridas de carros e futebol - onde um gajo deixa de ligar porque, quando começa a dar Jefferson Airplane, as que já estão mais quinadas dos ácidos, começam logo a mostrar as mamas e a rata a ver se alguém as come (é como ir ao Tóquio mas sem o «Sunday Bloody Sunday») mas aquilo é coisa para parecer um Tony Ramos de tronco nu. E se há coisa onde um gajo deve evitar meter a pila é no Tony Ramos. Em escapes de carros e aspiradores também, mas as razões são outras.


9


perfil

21

curiosidades sobre

EMILIE AUTUMN

Perspicaz, provocadora, controversa. Emilie Autumn criou um mundo de gente doida onde s贸 entra quem compreende. Quer saber mais? Texto: Luna Santos

10


O VIOLINO E O BULLYING

Nasceu em 1979 na Califórnia. Com cinco anos já tocava violino. Os colegas descreviamna como «estranha» e «antisocial». Foi vítima de bullying e quis ter aulas em casa: dizia que a escola era uma «inconveniente distracção».

A VIOLAÇÃO

Os abusos sexuais que sofreu em criança explicam o coração que desenha no rosto: é um símbolo de protecção. Muitas das letras retratam também sentimentos que resultaram dessas experiências. O sarcasmo pode confundir os desatentos, mas o humor é a forma como EA lida com o que a incomoda.

O VEGANISMO

Tornou-se vegetariana por inspiração própria. Com 11 anos, olhar para um hambúrguer alertou-a: «Não entendia porque devia comer uma galinha mas não o meu cão. Decidi nunca mais comer nada que tivesse pais.» Já na adolescência, adoptou definitivamente o veganismo.

A ROUPA

Gosta de moda e da Era Victoriana. Adoptou um visual gótico-victoriano-burlesco que não agrada a todos. Com 15 anos, entrou na Escola Universitária de Música de Indiana mas dois anos depois desistiu. O motivo? Não aceitavam que usasse botas de plataforma e corpetes, e a menina não esteve pelos ajustes.

EM CRIANÇA FOI VIOLADA; MAIS TARDE TENTOU SUICIDAR-SE APÓS UM ABORTO; E DEPOIS FOI INTERNADA NUM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO. A MÚSICA

Faz música sem definição. Tem rock e industrial? Tem. Tem pop? De certa forma. Clássica? Muita. Sons eléctricos? Também. E até jazz e música celta e medieval. Emilie chamoulhe, por brincadeira, «Victorian Industrial». Já mais a sério, disse que «se é alguma categoria, talvez seja Glam Rock».

«Tentam tornar as músicas mais normais, mais gentis, mais seguras, menos blue notes, mais dança, menos cabelo, mais microphone sex, mais modelo, menos punk, mais mamas, menos rabo, mais saias, menos calças, menos exótico, mais gratuito, menos erótico, mais medíocre, menos inteligente.» Um bom resumo.

A VOZ

AS EDITORAS

Os agentes confrontaram-na com o mercado. «As pessoas da indústria estavam sempre a dizer que eu seria muito vendável se conseguisse cantar tão bem quanto tocava violino. Claro que isso me fez decidir que nunca iria cantar.» Afinal enganou-se.

O FEITIO

Quando uma editora lhe alterou músicas, Emilie, de 18 anos, bateu com a porta.

Depois da má experiência com a primeira editora, fundou a Traitor Records, para fazer tudo à sua maneira. Pretendia ainda apoiar trabalhos com valores musicais semelhantes e «não ser uma daquelas empresas que rebaixa as pessoas e as faz sentir que não têm talento».

11 DE SETEMBRO A música «By The Sword» refere-se à trágica data. Fala

11


de um cavaleiro que viaja pelo mundo em busca dos irmãos que combatem pelo bem. Não pede violência, pede esperança: But in this brotherhood we still believe / And for the ones we’ve lost our souls will grieve.

A ERA «ENCHANT»

Em 2003 sai «Enchant», o primeiro álbum. Traz um mundo de fadas, fantasmas e entidades mágicas. Segundo Emilie, «é o verdadeiro fantasy rock». No ano seguinte participou como corista e violinista no álbum «America’s Sweetheart» de Courtney Love.

O SUICÍDIO

Depois da tour com Courtney, Emilie engravidou. O horror à maternidade e o agravamento da sua bipolaridade levaram-na a um aborto induzido. Depois, tentou suicidar-se com ingestão de medicamentos.

O ASILO

A tentativa de suicídio fez com que fosse parar a um hospital psiquiátrico em Los Angeles. Sobre a estadia, revelou que ninguém tentou contactá-la ou tirá-la do asilo. Agora ostenta no braço direito uma tatuagem com o número da cela.

A ERA «OPHELIAC»

«Opheliac» é o segundo álbum. Menos celta, mais rock, menos fadas, mais sangue. As asas de fada tornam-se orelhas de rato, corpetes e drama. O nome é inspirado na Ofélia de Shakespeare. Letras irónicas, incisivas e perturbadoras trazem acusações e emoções mal digeridas.

12

A GEEK

Sim, estamos perante uma geek! É ela que grava as músicas, trata do design dos CDs e constrói o site, por isso o que vemos não é uma imagem construída senão pela própria.

O FEMINISMO

Autumn é assumidamente feminista. A letra de «Thank God I’m Pretty» ilustra-o com sarcasmo: I’m truly privileged to look this good without clothes on / Which only means that when I sing you’re jerking off / And when I’m gone you won’t remember.

O LIVRO

«The Asylum for Wayward Victorian Girls» saiu em 2010. É autobiográfico: conta a história de Emily (em vez de Emilie), que vive num asilo psiquiátrico victoriano. O livro tem «tudo o que as pessoas nunca quiseram saber sobre mim. Todas as coisas hardcore que nem os meus melhores amigos sabem, por serem muito desconfortáveis».

BLOODY CRUMPETS

São as meninas que a acompanham em palco. Além de coristas, apresentam números de circo e cabaret, com fogo, fitas, dança e acrobacia pelo meio.

BURLESQUE BLOOD SHOW

Revolta feminista com chá. Muffins e cupcakes pelo ar. Musical da Broadway e show de cabaret mórbido. Confuso? É o que se quer: liberdade para viver (e sobreviver) na loucura. A ideia é: por uma noite, não pedir desculpa e agir.

A SEXUALIDADE

Diz-se «assexual», o que na prática significa que não sente atracção. Mas há quem afirme que EA é pansexual. Calma, já explicamos. Pansexual significa potencial atracção por todos os sexos e identidades sexuais (travestis, drag queens e intersexos incluídos).

PRAGAS E RATOS

Emilie sente-se como os ratos, pelo desprezo social que enfrentam. Sir Edward, rato de estimação de EA, é mascote e embaixador do Asilo, lugar imaginário onde Emilie vive. A cantora chama carinhosamente Praga de Ratos aos fãs.

F.L.A.G.

Significa «Fight Like a Girl» e é o título do novo single. O próximo álbum, prometido para este ano, terá o mesmo nome. A ideia é dar continuidade a «Opheliac»: primeiro o desabafo, agora a revolta. Sem regras nem honra.


EMILIE AUTUMN É BIPOLAR, PANSEXUAL, VEGANA E FEMINISTA. UM COCKTAIL EXPLOSIVO NUMA PERSONALIDADE DE CULTO.

13


propostas Por: Susana Veríssimo

uma nova estrela

É

provavelmente um dos mais aguardados álbuns do ano que ainda agora começou. A expectativa em torno de «Born To Die», da até há pouco desconhecida Lana Del Rey, foi alcançada nas redes sociais através de temas como «Video Games» ou o homónimo «Born To Die», e a questão que todos colocaram, um pouco por todo o mundo, foi: poderemos estar perante uma nova superestrela da música? O álbum, de estilo pop, com Del Rey a cantar num tom intimista, dilui no conjunto das suas faixas a essência da cantora. Explora a fama, a importância dos bens materiais, a relação com o seu bad boy, a superficialidade e, em certa medida, os excessos. Já os temas «Born To Die» e «National Anthem» apelam ao patriotismo. Mas engane-se quem acha que se tratam de louvores, pois a moral dominante é Money is the anthem of success e Money is the reason we exist, ilustrando uma realidade global, que todos conhecemos. E então? Estamos perante uma nova estrela do mundo pop? O álbum é claramente trabalhado para isso, contudo não apresenta ainda grande variedade em termos de conteúdo e forma. É esperar para ver a sua evolução.

14

LANA DEL REY BORN TO DIE 2012 1. Born to Die 2. Off to the Races 3. Blue Jeans 4. Video Games 5. Diet Mountain Dew 6. National Anthem 7. Dark Paradise 8. Radio 9. Carmen 10. Million Dollar Man 11. Summertime Madness 12. This is What Makes Us Girls


A TER EM CONTA No geral, as faixas de «Goblin», de Tyler the Creator, expressam a visão que o artista tem de si próprio enquanto “fala” com o terapeuta sobre os seus problemas, tal como no álbum anterior. A parte sonora não tem muita variação, contudo é bastante característica do rapper. Tristeza, frustração, raiva e ironia percorrem todo o álbum, ao mesmo tempo que Tyler fala das suas experiências, com uma sinceridade chocante. GOBLIN TYLER THE CREATOR ANO 2011

CLÁSSICO DO MÊS «Blackout» é, antes de mais, um álbum que fica no ouvido. Lançado nos anos 80, época de excelência do rock, iniciase com «Blackout», um tema poderoso e estrondoso tal como «Dynamite», onde os agudos de Klaus Meine e a força das guitarras se complementam. «Blackout» termina com a belíssima balada «When the Smoke is Going Down». Ficará para sempre marcado como o álbum em que Meine recupera a sua voz, um marco no hard rock. BLACKOUT SCORPIONS ANO 1982

FEIOS, PORCOS E MAUS «MrMethane.com» é o primeiro e único álbum do britânico Paul Oldfield, conhecido por Mr. Methane, o único «artista profissional do peido», segundo o mesmo. É possível encontrar alguns temas famosos impregnados com o “talento” flatulento de Mr. Methane, como é o caso do Danúbio Azul e outros alterados pelo próprio autor. É simplesmente hilariante, pelo ridículo e (falta de) qualidade. MRMETHANE.COM MR. METHANE ANO 2000

15


cinema

Por: Tiago Matos

Conheça aqui as nossas apostas e todos os nomeados da 84ª edição dos Óscares.

MELHOR FILME • THE ARTIST • THE DESCENDANTS • EXTREMELY LOUD AND INCREDIBLY CLOSE • THE HELP • HUGO • MIDNIGHT IN PARIS • MONEYBALL • THE TREE OF LIFE • WAR HORSE 16

O NOVO CINEMA MUDO Quase soa a injusto. Em qualquer outro ano, The Help, The Descendants e até Hugo seriam merecidos vencedores na mais prestigiada categoria dos Óscares. Tiveram, porém, o azar de concorrer com um filme verdadeiramente especial, que pela originalidade de premissa e brilhantismo de execução, merece todas as distinções que possa alcançar. Falamos, é claro, de The Artist. O mérito ninguém lho pode tirar. Agora é esperar para ver se a Academia tem coragem de apostar num filme mudo, a preto e branco, e... francês.

APOSTA: THE ARTIST


MELHOR ACTOR • DEMIÁN BICHIR (A BETTER LIFE)

• GEORGE CLOONEY (THE DESCENDANTS)

• JEAN DUJARDIN (THE ARTIST)

• GARY OLDMAN

(TINKER TAYLOR SOLDIER SPY)

• BRAD PITT (MONEYBALL)

O NOVATO LEVA O ÓSCAR? É um dos grandes mistérios da noite. Poderá um “desconhecido” sem grande carreira levar de vencida George Clooney? O protagonista de The Descendants pode até, à partida, ser o favorito, mas, a ser justo, o prémio caberia a Jean Dujardin pelo extraordinário desempenho em The Artist.

APOSTA: JEAN DUJARDIN

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO • KENNETH BRANAGH

(MY WEEK WITH MARILYN)

• JONAH HILL (MONEYBALL)

• NICK NOLTE (WARRIOR)

BATALHA DE LENDAS A guerra aqui faz-se entre dois octagenários do cinema. São tão semelhantes Max Von Sydow e Christopher Plummer que é difícil perceber quem irá ganhar. Mas talvez o actor de Beginners consiga repetir o feito dos Globos de Ouro.

APOSTA: CHRISTOPHER PLUMMER

• CHRISTOPHER PLUMMER (BEGINNERS)

• MAX VON SYDOW

(EXTREMELY LOUD AND INCREDIBLY CLOSE)

17


MELHOR ACTRIZ • GLENN CLOSE

(ALBERT NOBBS)

• VIOLA DAVIS

(THE HELP)

• ROONEY MARA

(THE GIRL WITH

THE DRAGON TATTOO)

• MERYL STREEP

(THE IRON LADY)

• MICHELLE WILLIAMS

(MY WEEK WITH MARILYN)

A DAMA DE FERRO É outro dos grandes confrontos da noite. Viola Davis, Glenn Close (no papel de um homem, ou aliás, de uma mulher disfarçada de homem), Michelle Williams na sua segunda nomeação consecutiva... Mas ainda assim, a grande favorita é Meryl Streep pela eficaz interpretação da Dama de Ferro, Margaret Thatcher. Convém recordar que, há seis anos, Helen Mirren ganhou o Óscar com uma prestação semelhante.

APOSTA: MERYL STREEP

MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA ÚNICA HIPÓTESE Sejamos francos: a melhor e mais difícil interpretação entre as nomeadas coube a Bérénice Bejo. No entanto, esta é possivelmente a única categoria com hipótese de premiar o excelente filme que é The Help, pelo que uma das meninas de lá deve vencer. Entre Spencer e Chastain, talvez Spencer.

APOSTA: OCTAVIA SPENCER 18

• BÉRÉNICE BEJO (THE ARTIST)

• JESSICA CHASTAIN (THE HELP)

• MELISSA MCCARTHY (BRIDESMAIDS)

• JANET MCTEER (ALBERT NOBBS)

• OCTAVIA SPENCER (THE HELP)


MELHOR REALIZADOR • MICHEL HAZANAVICIUS (THE ARTIST)

• MARTIN SCORSESE (HUGO)

• TERRENCE MALICK (THE TREE OF LIFE)

• ALEXANDER PAYNE (THE DESCENDANTS)

• WOODY ALLEN

(MIDNIGHT IN PARIS)

MARTIN OU MICHEL? Martin Scorsese ou Michel Hazanavicius? Se o currículo for importante, não há grandes dúvidas: Martin. Se, por outro lado, apenas tivermos em conta os trabalhos em avaliação, quem correu mais riscos (e aliou à direcção a escrita) foi Michel. Será uma luta complicada.

APOSTA: MICHEL HAZANAVICIUS 19


MELHOR CURTA DE FICÇÃO • PENTECOST • RAJU • THE SHORE • TIME FREAK • TUBA ATLANTIC

MELHOR ARGUMENTO

MELHOR ARGUMENTO

ORIGINAL

ADAPTADO

• THE ARTIST

• THE DESCENDANTS

• BRIDESMAIDS

• HUGO

• MARGIN CALL

• THE IDES OF MARCH

• MIDNIGHT IN PARIS

• MONEYBALL

• JODAEIYE NADER

• TINKER TAYLOR

AZ SIMIN

SOLDIER SPY

MELHOR CURTA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO • DIMANCHE • THE FANTASTIC FLYING BOOKS OF MR. MORRIS

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL THE MUPPETS (“MAN OR MUPPET” - BRET MCKENZIE) RIO (“REAL IN RIO” - MENDES, BROWN, GARRETT)

LESSMORE • LA LUNA • A MORNING STROLL • WILD LIFE

MELHOR LONGA-METRAGEM DOCUMENTAL • HELL AND BACK AGAIN • IF A TREE FALLS: A STORY OF THE EARTH

Sem a aguardada nomeação de The Adventures of Tintin, Rango parece ser o único favorito numa categoria que, este ano, não conta com o brilho de um Up ou de um Toy Story 3.

APOSTA: RANGO

LIBERATION FRONT • PARADISE LOST 3: PURGATORY • PINA • UNDEFEATED

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO • UNE VIE DE CHAT • CHICO & RITA • KUNG FU PANDA 2

MELHOR CURTA-METRAGEM

• PUSS IN BOOTS

DOCUMENTAL

• RANGO

• SAVING FACE • THE BARBER OF BIRMINGHAM: FOOT

MELHOR SONOPLASTIA

MELHOR SOM

SOLDIER OF THE CIVIL

• MONEYBALL

• DRIVE

RIGHTS MOVEMENT

• THE GIRL WITH THE

• THE GIRL WITH

• GOD IS THE BIGGER ELVIS • INCIDENT IN NEW BAGHDAD • THE TSUNAMI AND

20

THE CHERRY BLOSSOM

DRAGON TATTOO

THE DRAGON TATTOO

• HUGO

• HUGO

• TRANSFORMERS:

• TRANSFORMERS:

DARK OF THE MOON • WAR HORSE

DARK OF THE MOON • WAR HORSE


MELHOR DIRECÇÃO

MELHOR MÚSICA ORIGINAL

MELHOR MONTAGEM

• THE ADVENTURES OF TINTIN

• THE ARTIST

ARTÍSTICA

• THE ARTIST

• THE GIRL WITH THE

• THE ARTIST

• HUGO • TINKER TAYLOR SOLDIER SPY • WAR HORSE

DRAGON TATTOO • HUGO

• HARRY POTTER AND THE DEATHLY HALLOWS: PT.2

• THE DESCENDANTS

• HUGO

• MONEYBALL

• MIDNIGHT IN PARIS • WAR HORSE

MELHOR FOTOGRAFIA • THE ARTIST • THE GIRL WITH THE DRAGON TATTOO • HUGO • THE TREE OF LIFE • WAR HORSE

MELHORES EFEITOS VISUAIS • HARRY POTTER AND THE DEATHLY HALLOWS: PT.2 • HUGO • REAL STEEL • RISE OF THE PLANET OF THE APES • TRANSFORMERS: DARK OF THE MOON

MELHOR MAQUILHAGEM MELHOR FILME DE LÍNGUA NÃO INGLESA • RUNDSKOP • HEARAT SHULAYIM • IN DARKNESS • MONSIEUR LAZHAR • JODAEIYE NADER AZ SIMIN

UMA CERTEZA Aqui não arriscamos um palpite. Damos uma certeza. O Óscar para Melhor Filme de Língua Não Inglesa irá para o iraniano Jodaeiye Nader Az Simin («Uma Separação»). Porquê? Porque merece. Ponto final. Se ainda não o viu, deixe os preconceitos de lado e vá ver. Temos a certeza que irá concordar.

APOSTA: JODAEIYE NADER AZ SIMIN

• ALBERT NOBBS • HARRY POTTER AND THE DEATHLY HALLOWS: PT.2 • THE IRON LADY

MELHOR GUARDA-ROUPA • ANONYMOUS • THE ARTIST • HUGO • JANE EYRE • W.E.

21


letras

Eva Duarte é uma jovem escritora portuguesa. Em 2010 publicou o romance infanto-juvenil Angelyraa – Humanidade de Cristal e o conto A Lua Também Chora. Se pretende obter uma das suas obras, entre em contacto connosco.

22

A O

A R A

C S Á M

arte

a Du v E : o Text

salão estava embriagado numa confusão de máscaras turvas e tecidos que se roçavam. Uma pequena Afrodite, uma perfeita encarnação do Amor, excitava-se com os cortejos que absorvia de todo salão. Aquele era um antro propício à paixão, mistificado pelo anonimato. E ela fervia. Cada vez que um homem se debruçava na orelha de uma mulher, Afrodite corava, bem quente; sempre que uma mulher se insinuava a um homem, o peito de Afrodite arfava debaixo do decote. O Amor era belo e era uma mulher. Ela viera ao baile de máscaras com Ele. A outra metade que a atraía por ser o que lhe faltava. A febre dela expandia-se pelo espaço. Imagine-se um salão rectangular – fácil, não? Agora limite-o com paredes imensas, que vincam o tecto e o chão. Já está? Sejam elas quebradas. Mexidas. Remexidas. Desintegradas. Moldadas de novo como barro. O salão é imenso e vive debaixo daquele tecto que ora está lá, ora sobe. O tecto é infinito e as paredes são instáveis. O chão desfaz-se suspenso pela sombra dos pés dos anónimos. O salão movia-se porque estava vivo e mascarado de salão. Afinal, é um baile de máscaras e o Amor está disfarçado de mulher. E ela viera com Ele. Decorara-Lhe a máscara para que, caso O perdesse, lhe fosse possível encontrá-Lo. Pensando bem, distraíra-se com os cortejos e desejos dos demais, que os seus olhos já não O enamoravam há algum tempo. Esticou as pestanas ao tecto e em pontas dos pés procurou-O. O salão alterava-se tanto que tal tarefa foi demorada. Reparou que os corpos não reagiam à música, apenas a outros corpos. Esperou quieta que o salão se fosse transformando, pois sabia que mais cedo ou mais tarde haveria uma transformação favorável e, aí, iria vê-Lo. Por fim, o salão moveu-se.


23


Ela correu na direcção Dele. Mas colunas rasgavam o chão constantemente, obrigando-a a contorná-las, e o seu amor era tão forte que lhe pesava nos pés. Colava-se ao chão, arrastava mármore nas solas; era um amor tão pesado que a obrigava a ajoelhar-se perante tal força. Era um amor que se queria submeter e servir. Ele parecia-lhe longe. Contudo ela é o Amor e como tal foi dotada de persistência e depressa sentiu as pernas ligeiras. Pôde correr. Sabem que o Amor nasceu doente? Sim. Nasceu com uma minúscula bactéria – tão minúscula como qualquer outra bactéria – incrustada no coração, que pode acordar a qualquer altura. Ao chegar a cinco passos Dele, a bactéria acordou, fezse doença, e a pequena Vénus, parando, segurou-se ao peito com uma enorme dor. Viu colado aos lábios Dele o beijo de Outra. Ela já ouvira falar do perigo dessas Outras; eram elas a razão daquela bactéria – depois de tanto tempo inactiva – acordar e começar a roer-lhe os órgãos como um rato. O Amor, que antes caminhava embriagada de febre, arrefecia agora. Ia perdendo o rosado do rosto e do sangue. Apertando o peito sentiu por entre os dedos o seu alfinete de prata. Arrancou-o do busto e caminhou sem vozes penduradas. Essa bactéria de que falei é comummente denominada de Ciúme. O sintoma é simples e fatal: escurece a ingenuidade para com a ideia do eternamente bom. Se analisarmos

objectivamente o Amor, este tem as mesmas armas que o Ódio. E ambos drenam a paz do espírito com a mesma finalidade: ser feliz. Irónico, não é verdade? As palavras, antes ternas, agiram sob o efeito dos sintomas. Vénus aproximou os seus cabelos de areia dos dois amantes adúlteros e espetou o alfinete no ouvido da Outra e na garganta Dele. Permitiu que caíssem a seus pés, tal como antes o peso do seu sentimento por Ele a forçava a fazer. Contemplou-os como uma deusa que assiste a um sacrifício. O salão alterou-se uma vez mais, na sua plenitude inconstante e infinita, e um pequeno círculo de pessoas olhou os três corpos; um erguido e dois deitados em sobreposição. Estava feito; nem o salão o podia alterar. Um homem rompeu pálido por entre os ombros de outros e atirou a máscara ao chão, dando voz ao rosto. Ela caiu de joelhos quando o seu crime foi reconhecido e, com a queda, veio o choro. Chorou tanto quanto se havia bebido naquele salão que, afinal, nunca se soltara da rigidez das paredes. Afrodite gemeu, tremendo. Arrancou do rosto a máscara da Outra para lhe conhecer a face e soluçou mais. Tirou depois a máscara Dele e era Outro. Ele olhava-a de frente, no público. Era o Terror feito homem e representava o seu crime. Morreu um amante sem traições por um amado que não a traíra. Ela tapou o rosto em vergonha e desfez-se em espuma, misturando sangue e pedra numa mancha.

SABEM QUE O AMOR NASCEU DOENTE?

24


25


propostas Por: Tiago Matos

um psicopata com vontade de falar...

M

EU MATO GIORGIO FALETTI CONTRAPONTO PÁGINAS 552 PVP 19,90€

uito ao jeito de Jack, o Estripador, ou do Assassino do Zodíaco, um psicopata tem o hábito de telefonar para o seu programa de rádio favorito, deixando pistas sobre os homicídios que pretende cometer. No final, despede-se com a expressão «Eu mato», que mais tarde surge escrita nos locais dos crimes. É também esta a servir de título ao novo thriller de Giorgio Faletti, um italiano que, para além de escritor, é também actor, comediante, cantor e compositor. A versatilidade de Faletti nota-se na sua escrita, e particularmente nos personagens que cria: um agente com um passado trágico, um general americano maníaco por poder, uma mascote de rádio com problemas mentais... Não é fácil identificarmo-nos com estes personagens. São, todos eles, um pouco loucos demais. Da mesma forma, também a acção se torna demasiado caótica em certas passagens. Mas, apesar de tudo, «Eu Mato» resulta. Afinal, quem não gosta de ver o circo a pegar fogo?

Um rapaz tem um dom invulgar: é capaz de roubar as sombras das pessoas com que se cruza. Consegue também falar com elas, ou pelo menos escutar-lhes os problemas (que são, naturalmente, os problemas das pessoas que as possuem), o que o leva à inevitável questão: o que fazer com tamanho poder? Um livro interessante por parte do autor de língua francesa mais lido em todo o mundo. O LADRÃO DE SOMBRAS MARC LEVY CONTRAPONTO PÁGINAS 176 PVP 15,50€

26


LEITURA PRÁTICA Se estiver grávida, é seguro andar na montanha-russa? Ou abastecer o carro? Se for picada por uma abelha, o ferrão pode prejudicar o bebé? E por que razão engordou tanto se o seu bebé pesa tão pouco? Estas são algumas das 150 questões que pode esclarecer no novo livro «Teste de Gravidez». Concebido como um gigante teste de escolha múltipla, é o manual certo para todas as futuras primeiras mamãs. TESTE DE GRAVIDEZ MELISSA HECKSCHER E EMILY SIKKING ARTEPLURAL EDIÇÕES PÁGINAS 272 PVP 13,20€

CLÁSSICO DO MÊS Foi de um febril Robert Louis Stevenson que, em apenas três dias, saiu o primeiro rascunho de uma história que se tornaria imortal. A aventura do advogado Utterson, apanhado entre o amigo Jekyll e o monstruoso Mr. Hyde, é um dos verdadeiros clássicos da literatura, e só é pena que tenha sido tão mal divulgado que, nos dias de hoje, todos pensam que a surpresa final é na verdade a premissa. Ainda assim, uma excelente leitura. THE STRANGE CASE OF DR. JEKYLL & MR. HYDE ROBERT LOUIS STEVENSON ANO 1886

FEIOS, PORCOS E MAUS Este mês resolvemos fazer algo diferente. Em vez de apresentar um mau livro e explicar, resumidamente, o porquê de ser mau, pomos-lhe apenas uma questão: era capaz de ler um livro chamado «Raios Solares Podem Ser Extraídos de Pepinos, mas o Processo é Entediante - Uma Oração Pronunciada a 4 de Julho de 1799, a Pedido dos Cidadãos de New Haven»? Pois, nós também não... SUN-BEAMS MAY BE EXTRACTED FROM CUCUMBERS, BUT THE PROCESS IS TEDIOUS - AN ORATION PRONOUNCED ON THE FOURTH OF JULY, 1799, AT THE REQUEST OF THE CITIZENS OF NEW HAVEN DAVID DAGGETT ANO 2010

27


comportamento

28

ESTRANHOS CASOS DE PATERNIDADE


«OLHE, DESCULPE, TEM SALSA?»

S

Um homem grávido, irmãos gémeos de raças diferentes, espermatozóides em recordes mundiais... Conheça aqui alguns dos mais estranhos casos de paternidade existentes no mundo. Texto: Mariana Carvalho

ó precisou de tocar à porta do vizinho, como quem pede um raminho de salsa ou um ovo emprestado, e pedir ao proprietário da casa ao lado da sua, Frank Maus, que engravidasse a sua mulher, Traute. Este pedido surgiu devido ao facto de Demetrius Soupolos ter descoberto ser estéril. Improvisando, achou que a sua sorte podia bater na porta ao lado, e fez então a proposta: Frank Maus, já pai de duas crianças, teria como recompensa 2.500 dólares para engravidar Traute num período máximo de seis meses. Mas, para surpresa de ambos, Traute não estava grávida passado esse tempo. Foi então que Demetrius o obrigou a fazer exames médicos e rapidamente descobriram que, além de partilharem a mesma mulher, também partilhavam o mesmo mal: esterilidade. A única pessoa a não ficar surpreendida foi a esposa de Frank, que acabou por assumir ter feito o mesmo com outro homem sem nunca ter contado ao marido que não era capaz de engravidar dele. Afinal, as crianças que sempre se dirigiram a Frank como seu pai, nunca foram seus filhos.

«SOU TEU TIO OU SOU TEU PAI?»

D

iz-se que os irmãos gémeos partilham tudo e que os gostos, por vezes, são equivalentes. No caso de Raymon e Richard Miller chegaram mesmo a ser iguais: escolheram a mesma mulher. Ainda que não soubessem. Consequência disso é hoje não saberem qual deles é o tio ou o pai da criança. Holly Adams, a mulher em questão, garante ter tido relações sexuais com ambos, no mesmo dia e com poucas horas de diferença. E ainda que em muitas situações o teste de paternidade esclareça todas as dúvidas existentes, no caso de gémeos ambos têm 99,9% de probabilidade de ser o pai. O caso está em tribunal porque embora os dois se tenham divertido pelo mesmo motivo, nenhum deles quer pagar a pensão alimentar da sua filha-sobrinha.

MAS QUEM SERÁ O PAI DA CRIANÇA? FOI A PERGUNTA QUE FEZ UMA MULHER QUANDO DESCOBRIU ESTAR GRÁVIDA APÓS TER SEXO COM DOIS IRMÃOS GÉMEOS, EM POUCAS HORAS DE DIFERENÇA. 29


N

GRAVIDEZ NO MASCULINO

ão é igual a todos os homens. Nem igual a todas as mulheres. A verdade é que possui características em comum com ambos os géneros: ainda que não vista boxers, usa gravata; e mesmo que mostre não possuir seios, a sua barriga inchou. E não foi de cerveja. Thomas Beattie foi o primeiro homem a engravidar, em todo o mundo. Nasceu mulher, ainda que nunca se tenha identificado como uma. Foi por isso que, aos 20 anos, decidiu que as injecções de testosterona passariam a fazer parte do seu dia-adia. Mesmo com total aparência masculina, manteve os órgãos reprodutores femininos, visto Nancy, a sua mulher, ter ficado impossibilitada de ser mãe. Chegou o dia em que Thomas decidiu constituir família. Ultrapassando todos os preconceitos e as inúmeras rejeições dos especialistas para acompanhar o seu caso, conseguiu engravidar através de inseminação artificial. Foi reconhecido legalmente como homem em 2002 e usufrui, com Nancy, dos mesmos direitos que os restantes casais. Thomas transporta o bebé na barriga durante os nove meses de gravidez e Nancy é quem os amamenta. E já lá vão três: Susan, Austin e Jensen.

«QUERIDA, CONGELEI O NOSSO FILHO»

A

penas com 16 anos de idade, Chris Biblis descobre que tem leucemia. Um dos seus médicos avisou-o que a radioterapia, tratamento pelo qual teria de passar, iria deixá-lo estéril. Foi então que Chris Biblis optou por congelar o seu sémen com o intuito de, no futuro, poder ajudar alguém a nível de paternidade. Mal ele sabia que esse alguém seria ele próprio. Após 22 anos, descongelaram um dos espermatozóides e injectaramno no óvulo da sua mulher, Melodia. A gravidez foi um sucesso e fez com que hoje sejam pais de uma menina saudável. Os especialistas da clínica de fertilidade dos EUA que acompanharam todo este procedimento dizem tratar-se de um recorde mundial.

30

THOMAS BEATTIE É HOMEM E JÁ ENGRAVIDOU TRÊS VEZES

GÉMEOS TÊM PAIS DIFERENTES

U

m casal holandês, Wilma e Willem Stuart, foram pais de gémeos através de fertilização in vitro. E, ao contrário da maioria dos pais de gémeos, estes eram capazes de distinguir os filhos à distância, visto terem nascido com tons de pele diferentes. O hospital encontrou a explicação na pipeta que deu origem à gravidez. Assumindo este caso como um lamentável erro, esta foi utilizada duas vezes sem ter sido esterilizada. O teste de ADN acabou por revelar que ao mesmo tempo que Koen era filho de Wilma, Tuen era filho do homem por quem tinham passado na sala de espera do hospital, e não de Willem.


31


sexo

Jรก lhe ofereceram um presente assim?

Texto: Maria Waddington 32


P

or esta altura, já todos os meus amigos sabem que sou responsável pela rubrica de Sexo da 21. Chegam-me, por isso, com maior frequência que antes, histórias da índole íntima de cada um. Na tentativa de me facilitar o trabalho, arranjam um ouvido para desabafar. E todos ganham no processo. Como é natural, por vezes pedem-me para utilizar um nome falso ou para esconder o pormenor X ou Y, mas o que importa aqui realçar é que já não sou eu a ir ter com as histórias. São elas que vêm ter comigo, como presentes atrasados da quadra natalícia. Aproveitando a deixa, foi isso mesmo que aconteceu quando me encontrei com a minha amiga Sofia, nos primeiros dias do ano. Conheço-a desde a infância e é já quase uma tradição trocarmos presentes “à espanhola”, ou seja, perto do Dia de Reis, quando ela regressa a Lisboa, vinda da terra que a viu nascer. Este ano comprei-lhe um perfume. Ela tinha, contudo, algo um pouco mais especial para partilhar comigo. Encontrei-a especialmente

NÃO SEI SE LHE QUERIA AGRADECER PELA SURPRESA, MAS A VERDADE É QUE NUNCA ME SOUBE TÃO BEM CHUPÁ-LO. SOFIA, LISBOA

animada e bem-disposta. A história queimava-lhe a língua. Algo a ver com um presente que tinha recebido no Natal. Após um curto jogo de «Vá lá, conta lá…», decidiu-se a fazê-lo. Mas antes, talvez seja necessária uma breve contextualização inicial: a Sofia tinha conhecido um homem interessante chamado Miguel. Viviam sem compromissos. «Quando dá, estamos juntos», era o que ela costumava dizer. No seu regresso a Lisboa, foi ele a primeira pessoa que ela quis ver. Mas, ao telemóvel, ele disse-lhe que não ia sozinho ter com ela, e que a cama estaria cheia. A Sofia diz-me que não ligou muito a isso. «Ele conhece-me muito bem e já costumava brincar com

essas coisas. Pensei que fosse apenas brincadeira, mas…» «Mas» foi a palavra que ficou no ar. «Mas» Sofia não esperava que, quando abrisse a porta, o seu Miguel estivesse acompanhado por outro homem. «Era o Luís. Já o tinha visto antes, costumávamos falar.» A surpresa não lhe agradou desde logo. Parecialhe que a nova presença significava que não poderia matar saudades do Miguel da forma que desejava. Estava errada. E não o percebeu nem mesmo quando este lhe sussurrou ao ouvido: «Hoje é em francês!» Só quando mais tarde se viu despida junto aos dois homens associou a mensagem à célebre expressão «ménage à trois».

33


ACÇÃO A TRÊS

Tudo começou com beijos e abraços. Depois deitaramse os três na cama. «O Luís beijava-me o corpo todo. O Miguel começou-me a lamber. Oral.» Perguntei-lhe de que mais se recordava. «Do cheiro. Todo o quarto cheirava a sexo. Dos corpos quentes. Pouco depois, o Luís pôs o preservativo e penetrou-me. Fiquei doida!» E como a festa era a três, agarrou-se ao órgão de Miguel até ao orgasmo. «Não sei se lhe queria agradecer pela surpresa, mas a verdade é que nunca me soube tão bem chupá-lo. E chegámos os três ao orgasmo quase ao mesmo tempo.» E depois? «Fizemos uma pausa. Mas o Miguel começou outra vez a beijar-me, a tocar-me, a apalpar-me o rabo e as mamas.» Não tardou até se tornarem novamente carícias a quatro mãos. «Pouco depois estava eu de quatro a ser comida pelo Miguel enquanto “dava asas à minha língua” no corpo do Luís. Depois trocaram. O Luís voltou a penetrar-me e fiquei sozinha na cama com ele enquanto o Miguel abriu a porta que dá acesso à marquise e foi fumar um cigarro. Lembro-me que ele disse qualquer coisa como: “Dá-lhe com muita força, que é assim que ela gosta!» E ele obedeceu. Rápido e intenso, até a dorzinha que sentia me levar a um orgasmo tão violento que perdi as forças por momentos.» Sofia estava dormente, mas a experiência não terminaria ali. «O Luís saiu do quarto para beber água, e eu aproveitei o facto de estar sozinha com o Miguel para lhe agradecer o presente.» Quando Luís regressou, Sofia estava em cima do companheiro. Ambos gritavam: «Vá, menino, mostra o que gostas», «Tu és tão boa, pequenina!» Enquanto Sofia “cavalgava”, Luís aproveitou para acariciar as suas mamas. Ficou a assistir enquanto o casal chegava a um último orgasmo. Sim, porque à terceira é de vez, «O cansaço já se fazia sentir», e a acção ficou mesmo por ali.

O DIA SEGUINTE «Da forma que contei até parece que foi uma coisa rápida, mas estivemos quase quatro horas naquilo», diz-me, orgulhosa. «Senti-me como num rodízio. Ter dois homens na cama faz-nos sentir umas divas, umas especialistas do sexo.» E depois? «Demorei, mas adormeci entre os dois. Não estava habituada a dormir num espaço tão pequeno. E só quando acordei entre eles é que me mentalizei que aquilo tinha mesmo

34

acontecido, porque até lá parecia-me um sonho.» Na verdade o sentido da questão era outro: e no dia seguinte? Remorsos? Arrependimentos? «Sabes que não sou disso!», assegura-me ela. «A vida é para ser vivida. Só se vive uma vez.» E como ficou a relação com o companheiro? «Já voltámos a estar juntos. Perguntei-lhe de onde surgiu a ideia e falámos no assunto, sem vergonhas, sem constrangimentos.» Ainda


assim, e apesar de se ter posto a hipótese, Sofia confessa não pretender repetir a experiência. «Uma vez chega, senão perde-se o encanto e torna-se corriqueiro.» Parece segura do que diz, por isso não insisto. Termina com humor, recordando uma expressão que a sua avó não se cansava de repetir quando Sofia era miúda e se recusava a ir à missa. «Três é a conta que Deus fez.» Só que aqui a oração foi outra.

SENTI-ME COMO NUM RODÍZIO. TER DOIS HOMENS NA CAMA FAZ-NOS SENTIR UMAS DIVAS, UMAS ESPECIALISTAS DO SEXO. E A VIDA É PARA SER VIVIDA. SOFIA, LISBOA

35


crónica Por: Detinha Avelino

SEGREDOS Detinha Avelino é uma escritora brasileira, residente em Lisboa. Escrevendo em espanhol, publicou os livros Seduzca Me, de contos românticos e eróticos, e Pequeña Y Rara, onde relata engraçadas e problemáticas passagens do dia-a-dia. Os seus livros podem ser encontrados em detinhaavelino.bubok.es.

36

A

de mulher

lgo que admiro nas mulheres é a cumplicidade. Numa roda de amigas compartilha-se tudo. As infidelidades, as performances dos maridos e até mesmo a falta delas. Mas o que nunca vi em reunião alguma são mulheres a falar sobre a masturbação. Quando, por lapso, o assunto vem à tona, causa um grande desconforto e é logo encerrado. Creio que isso vem de longos anos de repressão sexual ou da infância onde os pais são diligentes em instruir que masturbação é pecado ou imoral. É evidente que não preciso de colocar um autocolante no meu carro a dizer “Eu masturbo-me todos os dias”, mas não penso que esse assunto tenha de ser evitado. O que é a masturbação senão uma solitária viagem ao nosso próprio universo? Sem isso não temos como entender os nossos desejos, os pontos eróticos no nosso corpo ou a forma como gostamos de ser tocadas. A mulher, mesmo a que tem um parceiro, tem por hábito masturbar-se e, ainda que a satisfação venha de forma rápida, é garantida, o mesmo não ocorrendo nas relações sexuais. A forma mais comum de masturbação feminina é o jacto de água do duche sobre o clitóris e embora o prazer não demore mais de três minutos a chegar, é bastante satisfatório. Outra forma comum é a massagem do clitóris com os dedos humedecidos em óleo. Claro que se pode inovar e introduzir um dildo na vagina ou, melhor ainda, outro no ânus. Essa é a forma segura de se conseguir um orgasmo triplo: anal, vaginal e clitoriano. E acredite em mim: isso é melhor que sexo. Não conheço nenhuma posição sexual que proporcione à mulher um orgasmo assim. Disfrute desses momentos a sós consigo mesma. Crie um ambiente tranquilo e privado, coloque música, um vídeo, ou recorde algo que o seu parceiro lhe fez que a excitou particularmente, e dê asas à imaginação. Para usufruir plenamente dos prazeres do sexo é necessário conhecer-se bem e esta é a forma mais segura. Masturbação não é vergonha, e se as suas amigas nem sequer aceitam falar sobre isso, azar o delas. Continue com seu segredinho, mas realize-se plenamente.


37


fotografia

a arte do nu

christina branco Após ter sido a nossa capa de Dezembro, Rita Garcia está de volta à 21, desta vez como fotógrafa, apresentando Christina Branco num ensaio envolvente sobre a relação entre o corpo e a natureza, e o contraste entre esta última e as máscaras. Texto: Tiago Matos Fotografia: Rita Garcia cargocollective.com/ritastravinsky

38


39


NÃO H Á NAD MAIS A SENSU AL QU O CHE E IRO. O ARO MA NA TURAL QUE C ADA PESSO A TEM .

40


41


42


43


ICA, NA MÚS DO NTE AN E M A M I ULT RL, OT GRR I R O T MUI ST, ST COA E B , 7 L KILL, BIKINI HOLE...

44


45


IDENTIDADE VISUAL Christina Branco tem 21 anos e mora no Porto. É uma mulher simpática, versátil e inteligente, que tem como ambição nada menos que mudar o mundo. Curioso? Saiba mais de seguida!

QUANDO ME OLHO AO ESPELHO, VEJO...

Uma pessoa melancólica e com uma certa tendência triste, vê-se nos olhos. O melhor de tudo é que por pior que esteja o meu estado de espírito, nunca perco o meu sentido de humor. Sou o cliché do palhaço triste. TENHO COMO PRINCIPAL AMBIÇÃO...

Ter um pónei! Não, agora a sério. Quero deixar uma marca no mundo. O meu pai sempre disse que não se pode mudar o mundo, mas para mim isso é uma falsidade. Quero fazer dele um sítio melhor, a começar à minha volta e alastrando por toda a parte. Quero que daqui a um século continuem a falar de mim, espero que por boas razões. Quero ser lembrada. A MINHA MAIOR CONQUISTA ATÉ HOJE...

Manter um diário quase constante desde os 10 anos. Eu sei, parece pouco e estúpido, mas eu estou a manter em papel um relato de toda a minha vida, além de que é um excelente exercício de escrita criativa e de introspecção sobre os nossos actos e os dos outros. Se calhar daqui a mil anos os historiadores o estudarão para saber como vivia a (a)típica mulher do início do séc. XXI!

46

NA ESCRITA...

Gosto de tudo da Sylvia Plath, seja a ficção, os ensaios, a poesia, ou os meus preferidos, os seus diários. Como escritora amadora, quase que tenho inveja! Aquilo que ela escrevia somente para os seus olhos é cem vezes melhor do que qualquer coisa que eu escrevesse para o mundo ver. NO CINEMA...

Estou a tentar tornar-me mais cinéfila. Tenho posto o canal TCM a gravar quase todas as noites, acho que a educação numa arte tem que começar pelo início e o que é melhor que ver divas do cinema como Bette Davis, Audrey Hepburn ou Elizabeth Taylor? O GRANDE PROBLEMA DA SOCIEDADE É...

A pequenez das pessoas. A pouca capacidade para pensarem fora do seu cículo pessoal sócio-económico e ver como as outras pessoas vivem. No fundo, o egoísmo. POUCOS O SABEM SOBRE MIM, MAS...

Sou tímida! Ao ponto de na adolescência ter tido uma fobia social. Ninguém adivinha isto ao ver-me numa festa ou conhecendo-me no dia-a-dia.


47


gosto da nudez contorcida do ensaio, sem beleza óbvia. Acho que é esse o projecto: tirar a obviedade do nu, vestir camadas na pele exposta.

48


locais de interesse CHRISTINA BRANCO ASAIATRAVADA.BLOGSPOT.COM FLICKR.COM/LILINTHONTOP RITA GARCIA CARGOCOLLECTIVE.COM/RITASTRAVINSKY

O nosso estado natural e o mais belo. Não tenho problemas com o meu corpo nu, aliás, nas poucas vezes em que faço de modelo, (estou mais habituada a estar atrás da câmara) seja para um auto-retrato ou para outra pessoa, sinto-me mais nervosa com a cara.

Depois, quem sabe? Trabalhar enquanto tiro um Mestrado? Enveredar por uma área que não a da minha formação (sempre tive jeito para as letras e as artes)? Voltar para o meu país natal (Canadá), ficar aqui, ir para outro país completamente aleatório? E claro, o típico: escrever um livro, plantar uma árvore, ter um filho.

SER CAPA DA 21...

APROVEITO AINDA PARA DIZER QUE...

PARA MIM, A NUDEZ É...

Aumenta em muito a minha auto-confiança! Como já disse, sou mais fotógrafa (amadora, para já) do que modelo. A Rita Garcia pediu modelos para um projecto e eu, através de uma amiga em comum, abordei-a. Queria saber como era estar do outro lado da câmara e a Rita, que também atravessa essa dualidade modelo-fotógrafa, foi realmente a melhor pessoa para me acompanhar. Fez o melhor para me sentir confortável. Na altura foi somente para uma exposição, por isso ir para a capa da 21 foi a cereja no topo do bolo. NO FUTURO PRETENDO...

Para já, acabar a Licenciatura em Bioquímica.

Tenho um blog (asaiatravada.blogspot.com) onde despejo o meu fel sobre o mundo, a actualidade e velhos estranhos no comboio. É o meu bebé, juntamente com a minha SLR e os meus gatos, por isso vão lá todos visitar o bebé. O meu trabalho de fotografia, tanto analógico como digital, está em flickr. com/lilithontop. Se me quiserem contactar, cliquem na barra lateral direita do meu blog. Ah, e ainda queria dizer que a 21 é uma revista bastante interessante uma vez que entrevista e dá destaque aos modelos fotográficos e não tem medo de produções fotográficas ou editoriais arriscadas. Continuem!

49



Revista 21 | Edição 06 | Fevereiro 2012