Issuu on Google+


13


14


15


16


17


19


20


21


22


27


28


29


30


31


33


34


35


36


41


44


45


É muito mais grave do que isso. Digo isto porque o município por força de um conjunto de acções, cessou actividades no mercado ao longo destes 10 anos que decorrem, e sempre que fecha um estabelecimento não o abre, não o passa a mais ninguém. Naturalmente que o mercado sofreu uma degradação e uma falta de clientes. Depois em 2005, na primeira tentativa que houve de fechar o mercado do bolhão, foram colocados andaimes, que mais não fazem que criar um obstáculo ao comércio e aos seus utilizadores. Em 2005 fiz um gesto cívico, e entreguei ou pensei que tinha entregue a todas as forças partidárias esse dever de uma entrega à cidade do projecto. Foi aquilo que eu fiz. Na ESAP fiz uma pequena exposição simbólica, num gesto muito simples, e senti também nessa altura um total alheamento dos organismos e entidades que estamos aqui a falar. Verifiquei então, que as pessoas com responsabilidade sobre a preservação do património quer arquitectónico quer humano deveriam ter acolhido tudo isso, o certo é que não o fizeram. Em 2007 ou 2008 o mercado ia ser demolido, sem que ninguém tivesse feito o que quer que seja. Isto é muito grave sobre o ponto de vista social, cultural e económico. A arquitectura muitas das vezes fecha-se em si própria, em torno do aspecto funcional, estético, volumétrico, mas não; a arquitectura é aquilo que pode dar vida, a arquitectura é para as pessoas. Deve ser pensada em função desses justos interesses que as pessoas têm.

46


47


50


51


“Não haverá deixado de observar que com frequência o solo se levanta de tal maneira que uma parte sobe em ângulo recto com o plano do solo, e logo a parte seguinte coloca-se paralela a este plano, para dar passo a uma nova perpendicular, conduta que se repete em espiral ou linha quebrada até alturas sumamente variáveis. Agachando-se e colocando a mão esquerda numa das partes verticais, e a direita na horizontal correspondente, encontra-se na posição momentânea de um degrau. Cada um destes degraus, formados como se vê por dois elementos, situa-se ligeiramente mais acima e à frente que o anterior, principio que dá sentido à escada, já que qualquer outra combinação produziria formas talvez mais belas ou pitorescas, mas incapazes de fazer a transição de um rés do chão para um primeiro piso. As escadas sobem-se de frente, pois de costas é particularmente incómodo. A atitude natural consiste em manter-se de pé, os braços pendurados sem esforço, a cabeça erguida, ainda que não tanto para que os olhos não deixem de ver os degraus imediatamente superiores ao qual se pisa, e respirando lenta e regularmente. Para subir uma escada começa-se por levantar essa parte do corpo situada à direita e abaixo, envolta quase sempre em couro, e que salvo raras excepções cabe exactamente no degrau. Colocada no degrau dita parte, que para abreviar chamaremos pé, levanta-se a parte equivalente à esquerda (também chamada pé, mas que não se deve confundir com o pé anteriormente citado), e levando-a até à altura do pé, segue-se com ela até colocá-la no segundo degrau, com o qual neste descansará o pé, e no primeiro descansará o pé. ( Os primeiros degraus são sempre os mais difíceis, até adquirir a coordenação necessária. A coincidência de nomes entre pé e pé torna difícil a explicação. Cuidado para não levantar ao mesmo tempo o pé e o pé.) Chegado desta forma ao segundo degrau, basta repetir alternadamente os movimentos até encontrar o final da escada.”

“HISTÓRIAS DE CRONOPIOS Y FAMAS”


57


58


59


60


61


64


65


67


68


69


(EN)COBRIR UM QUE COBRE E OUTRO QUE ENVOLVE

A COBERTURA DE UM BOLO PROLONGANDO-SE E COBRINDO-O POR INTEIRO! COBERTURA É O LIMITE SUPERIOR DA CONSTRUÇÃO


por cobrir entende-se a acテァテ」o de pテエr cobertura a, tapar, abrigar e/ou estar por cima de

ABRIGO CONSTRUテ好O PELO HOMEM

(DES)COBRIR


83


84


85


86


89


90


91


93


94


95


96


97


98


99


103


104


105


106


107


1 start with the base. Valley fold, repeat behind.

2 reverse fold at about 3/8, enlarge view

3 reverse fold; 4 reverse fold; 5 valley fold


6 pull them outward, enlarge view

7 montain fold and tuck it behind 8 like this, reverse fold

9 outside reverse fold the tail, squash fold the wing, repeat behind 10 reverse fold, repeat behind


11 reverse fold the head 12 reverse fold again, enlarge the view

13 pleat; 14 reverse fold; 15 fold inside, repeat on the other side


16 double robbit ear fold the tour legs 17 pleat the wings, repeat on the other wind


113


114


115


116


117


118


119


120


121


122


123


124


125


126


127



dédalo #5