Page 1

9 anos ê

com voc

Edição 106 Ano 9 - Outubro 2016 Foto: Fabiano Graudin (Foto Globo) Distribuição gratuita e direcionada

www.revistaeducar.com.br


TODDLER - Segurança e bilinguismo por meio de imersão Escolher a primeira escola dos nossos pequenos não é tarefa fácil. Nos preocupamos se estarão seguros, bem cuidados e bem alimentados. Nos preocupamos se estarão recebendo toda a atenção necessária e até mesmo com a hora do soninho! No Toddler da Maple Bear Florianópolis, escola canadense bilíngue, ambiente e organização são criteriosamente pensados, desde a escolha dos móveis e brinquedos seguros, até treinamentos regulares de evacuação de incêndio e primeiros socorros. De acordo com a administradora da Maple Bear Florianópolis, Edilane Siqueira, a segurança emocional da criança recebe igual atenção. “Faz parte do comprometimento da Maple Bear criar um ambiente em que a criança é ouvida e respeitada, onde o ensino é focado no aluno e em suas necessidades e potencialidades individuais”, destaca. Na Maple Bear, os alunos são encorajados a resolver problemas e a ser independentes. Mas, e o aprendizado que queremos que eles levem para a vida toda? Trazendo uma metodologia que oferece o equilíbrio entre trabalhos individuais e coletivos, bem como rotinas bem definidas, o que contribui para o desenvolvimento da autoconfiança, o Toddler atende crianças a partir de 2 anos de idade. Toda a comunicação das professoras com os alunos é feita em inglês. As crianças desenvolvem competência no idioma imersas em um processo de aprendizagem contínua e em um ambiente escolar descontraído. Isso permite à criança apropriar-se do idioma e desenvolver uma mente bilíngue. Ao longo da Educação Infantil, são desenvolvidas habilidades de compreensão, comunicação e escrita de forma natural. A coordenadora Pedagógica da Maple Bear Florianópolis, Fabiane Dantas, explica que o Programa de Educação Infantil Maple Bear utiliza espaços de aprendizagem, onde são desenvolvidas atividades em pequenos ou grandes grupos. “É disponibilizada uma grande variedade de centros de aprendizagem, como tanques de areia e de água - para a prática de experiências científicas - centro de artes, uso de blocos para atividades de matemática, centro de informática, entre outros, que são a base da metodologia de ensino canadense, considerada uma das melhores do mundo”, enfatiza. Os tópicos apresentados às crianças são temáticos, dessa forma, os alunos aliam conhecimento ao desenvolvimento da linguagem, com a ampliação de seu vocabulário. De acordo com a professora do Toddler da Maple Bear Florianópolis, Laura Mörschel, nesse bimestre, as crianças já tiveram a oportunidade de trabalhar o tema In the Weather, momento em que os alunos fizeram experiência com água e areia, e ainda o tema Up in the sky, trabalhando os conceitos de que o sol e a lua ficam no céu. “Nesta unidade, aprenderam sobre os ventos, com o auxílio de brincadeiras com pipas”, lembra a professora. Junto a auxiliar Raphaela Teixeira, a professora Laura também trabalhou, nesse bimestre, o tema Colors and shapes, identificando e diferenciando as cores primárias e secundárias e as formas geométricas de alguns objetos. Nas últimas duas semanas do bimestre, o tema abordado no Toddler foi The circus. Nessa unidade divertida e colorida, as crianças aprenderam que o palhaço pinta o rosto, o mágico faz truques de ilusionismo, e o trapezista e o acrobata fazem movimentos que exigem muito equilíbrio e concentração. “É um método atrativo e eficiente para ensinar conceitos às crianças, fazendo com que elas, naturalmente, ampliem seu vocabulário em inglês, conhecendo novas palavras e um novo mundo maravilhoso”, conclui a professora Laura.


Educar • Outubro/2016

9 anos ê

com voc

EDIÇÃO 106 • ANO 9 • OUTUBRO 2016

EDITORA Priscilla Koerich ARTE Eduardo Carvalho Motta COLABORADORES DESTA EDIÇÃO

Auxiliadora Mesquita Carolina Fernandes Cláudia Prates Claudio Moreira Fernanda Moura Milena Luisa

REVISÃO Cláudia Prates IMPRESSÃO

As opiniões veiculadas nos artigos assinados não refletem necessariamente a opinião da revista. Os artigos e os anúncios publicados são de total responsabilidade de seus autores e/ou suas empresas. Não é permitida a reprodução de qualquer conteúdo desta publicação sem prévia autorização da editora. A Revista Educar, publicação mensal da Pequeninos Revista Educativa Ltda, tem distribuição gratuita e direcionada aos pais, em inúmeros pontos comerciais e instituições de ensino de Joinville, Florianópolis e São José / SC. Para assinatura, sugestões, críticas ou elogios, envie e-mail para educar@revistaeducar.com.br ou entre em contato pelo nosso site:

www.RevistaEducar.com.br ANUNCIE NA EDUCAR Tel. (48) 9158.3342 comercial@revistaeducar.com.br

Editorial Um dia desses… Li um livro incrível com a Rafa, minha filha. A mensagem principal do livro era de que tudo pode ter diferentes definições, e que depende só do jeito como a gente as enxerga. Por exemplo: por que o domingo parece ser tão curto e muitas vezes os outros dias duram tanto? No que diz respeito às horas, eles são iguais, porém, a velocidade do tempo parece depender daquilo que a gente faz! O mais emocionante, como em muitos outros momentos de interação com a Rafa, foi quando acabei de ler, ela me olhou e falou: “ahhh, mamãe, agora entendi porque as manhãs em que estamos juntas passam tão rápido!…” Essas tiradas que ela tem me enchem de alegria e orgulho - me fazem ter a certeza de estar no caminho certo, no caminho do amor. Esse é o show da vida, que começou assim que ela nasceu… Cada fase uma descoberta, uma transformação, um desafio… Uma delícia!! Baseada nos quase 7 anos de vida da Rafa, eu digo a vocês: queridos leitores, aproveitem cada minutinho de carinho desses serezinhos, porque passa… E passa rápido! No mês em que se comemora o Dia das Crianças, gostaria de desejar um feliz dia a todos os nossos pequenos! Que possamos zelar por eles, em um mundo onde muitos ainda sofrem agressões, abusos e são vítimas de desigualdades. Cabe a nós, pais e cidadãos, denunciar, vigiar e zelar por eles, para que continuem a espalhar vida e sorrisos genuínos por aí. Aproveitamos para comemorar mais um aniversário: a Revista Educar, essa “criança” travessa, feliz e tão comprometida com a vida, completa 9 anos! Nos propomos, todos os dias, levar a vocês, que nos leem, lindas matérias e informações para auxiliar na formação de nossos pequerruchos. Sinto-me privilegiada, hoje, de fazer parte dessa história. E fico na expectativa dos próximos anos, dos próximos desafios… A todos vocês, leitores e/ou parceiros comerciais, que entregam a nós votos de confiança, a minha eterna gratidão! Boa leitura! Até mais. Priscilla Koerich educar@revistaeducar.com.br

@RevistaEducar Revista Educar Na foto: Day (loja Catavento), Priscilla (editora Educar), a linda modelo da capa Rafaella e sua mãe Pricila

3


Índice

facebook.com/cataventobabies Rua Araranguá, 89, América Joinville - SC - (47) 3029.3212

Veja as novidades da ong Todos Pela Educação________________

Faça você mesmo

www.fotoglobo.com

Nossa capa

Educação

Crie uma linda floreira divertida_______ As fases do desenvolvimento infantil - de 0 a 6 anos_______________

Obrigada à mamãe Pricila Adriano Leal Dalcastagne e ao papai Deivid Rafael Dalcastagne pela confiança e pelo carinho conosco.

Confira as fotos mais que especiais___

Com os olhinhos brilhando e uma alegria contagiante, Rafa foi clicada pelo fotógrafo Fabiano Graudin (www.fotoglobo.com) e veste o figurino primavera-verão da loja Catavento Babies & Kids.

Conheça o trabalho beneficente da Keune Haircosmetics______________

Faça você mesmo

10

Galeria Nossa Cara

12

18 28

Fazendo o bem

PÁG.

Fobia Social

10

Capa

A doce Rafaella Dalcastagne está na capa da Educar. No mês em que completamos 9 anos, ganhamos de presente o carisma único e encantador da Rafa.

PÁG.

08

PÁG.

Relação familiar

14

30

PÁG.

Pipoca

23


Variedades

Educar • Outubro/2016

Do forno

Por Auxiliadora Mesquita

Estimulando os pezinhos O pé é um sensor poderoso de nosso corpo e que ativa o cérebro imediatamente. Para as crianças, o que é sentido em seus pezinhos estimula os processos cognitivos e traz o prazer da descoberta. O blog Aprende Jugando Con Petra tem uma sugestão de feitura de pezinhos sensoriais, imperdível e fácil de fazer. Em “pés” de EVA são colados diversos materiais com texturas diferentes, como bolinhas de algodão, esponja de limpeza, cartão ondulado e até feijões! O resultado é um “caminho” de sensações que os pequenos vão adorar, ao mesmo tempo em que seus cérebros curiosos são despertados. Em tempo: é melhor não forçar a criança a pisar sobre uma textura que ela rejeita – mas vale tentar outras vezes, sem forçar. E caminhar descalço por diversos pisos diferentes (areia, madeira, grama, piso de cerâmica, pedra, água, terra) também é muito importante!

Vestida de imaginação É o que promete a Picture This Clothing, uma empresa virtual que produz vestidos muito especiais. Com o divertido slogan de “Use a sua imaginação”, ela torna real o vestido mais bonito: aquele desenhado pela própria criança. A ideia nasceu quando Jaimee Newberry costurou um vestido para sua filha, Zia, a partir de um desenho da pequena. Esse primeiro vestido foi um tremendo sucesso com Zia e com as amiguinhas. Daí veio a ideia da empresa e, com os parceiros certos, a Picture This Clothing finalmente ganhou a internet. No site, a criança imprime um vestido e faz sua “arte” nele. O resultado é enviado de volta e transformado em um lindo vestido real, único e colorido, para qualquer garota de 2 a 12 anos arrasar por aí.

5


Variedades

Do forno

Por Auxiliadora Mesquita

Meu quarto em preto & branco

Opção pouco usual para quartos de criança, o preto e branco sempre foi considerado uma combinação sofisticada e “fria” demais para os pequenos. Mas alguns decoradores e pais ousados resolveram experimentar e o resultado é surpreendente: serenidade e uma sensação de “limpeza” vêm junto com essa tendência escandinava de decoração. Mas uma vantagem que ninguém espera é que, com o quarto em preto e branco, toda cor é imediatamente realçada – e o quarto dos pequenos se alegra e ilumina na combinação final. E você, ousaria nessa combinação contemporânea?

Uma cadeirinha de rodas para Evelyn Com apenas 4 meses de idade, a pequena Evelyn teve um tumor na coluna vertebral, que não podia ser operado. Depois de muita quimioterapia, o câncer estava em remissão. Infelizmente, Evelyn havia ficado paralisada dos braços para baixo. Mas se as perninhas não se mexiam, a curiosidade da pequena continuava a mil e ela queria sair por aí, explorando seu mundo. Entra em cena a mamãe Kim Moore, que não ia deixar esse “detalhe” atrapalhar a vida da sua filha. Passeando pelo Pinterest, ela viu a solução perfeita: usando uma cadeirinha de chão para bebês, muito comum nos EUA, e com a ajuda do marido, ela instalou rodas de bicicleta e um suporte de madeira como “chassis”. Estava criada a mini cadeira de rodas. E agora ninguém segura Evelyn, descobrindo o mundo à sua volta.


Educar • Outubro/2016

Minha bonequinha tatuada

Se mamãe e papai têm tatuagens, por que minha bonequinha não pode ter? A artesã americana Mimi Kirchner tem a solução: bonecos de pano, feitos a mão, com um delicioso ar retrô e enfeitados com tattoos. Mimi não criou os bonecos pensando nas crianças, mas pode ser uma opção para famílias descoladas que apreciam a arte na pele. Os personagens da bailarina, do marinheiro e do lenhador deixam os bonequinhos com um ar ainda mais vintage. E são feitos com esmero e cuidado, incluindo os desenhos na pele. Para quem não quer saber de tatuagens por enquanto, a loja de Mimi Kirchner no site Etsy tem dezenas de outras opções mais tradicionais, incluindo adoráveis bonequinhos e animais.

Na hora do lanchinho

Crianças costumam dizer “estou com fome” muitas vezes durante o dia. E não há nada de errado em fazer pequenos lanches. O problema é o tipo de alimento que é servido nesses momentos. Biscoitos recheados, salgadinhos, refrigerantes e sucos de caixinha não são as melhores opções. Três autoras americanas propõem um guia simples para escolher o lanchinho. Primeiro, que ele seja simples, mas composto: dos grandes grupos alimentares (proteínas, frutas, vegetais, cereais integrais, laticínios e gorduras saudáveis) escolha apenas 2 ou 3 para compor o lanche. Segundo, torne o lanche “legal” – as autoras sugerem incluir, por exemplo, o que um super-herói ou princesa “comeriam”. E a terceira dica é servir num prato pequenino: nada de tirar comida direto do pacote para a boca. E o tamanho do prato controla a porção.

7


Educação

Outubro/2016

8

A Educação como

eixo central do Brasil

Por Priscila Cruz fundadora e presidente executiva do movimento Todos Pela Educação e mestre em Administração Pública pela Harvard Kennedy School

Se todas as mães fossem alfabetizadas, a mortalidade infantil até os 5 anos de idade seria 50% menor. Poderia citar ainda muitos outros dados, mas acredito que todos nós já saibamos o quanto a Educação de qualidade pode mudar as nossas vidas e o rumo do País. Mas está na hora de mostrarmos nossa indignação e de exigirmos que o descaso histórico com a Educação seja revertido e ela seja colocada em seu devido lugar: como pilar central do projeto de desenvolvimento do País. Foi com essa reivindicação que o Todos Pela Educação, que acaba de completar dez anos, e parceiros realizou no dia 21 de setembro no Congresso Nacional um ato pela Educação Básica pública de qualidade para todos. Compartilho aqui, na íntegra o manifesto lido na ocasião, com o convite para que todos estejam junto com a gente nessa causa, que certamente é de todos nós.

MANIFESTO PELA EDUCAÇÃO

O que a vida quer da gente é coragem.* Coragem de ter vergonha. Vergonha de ter aceitado por tanto tempo, por tantos séculos, crianças e jovens sem acesso a uma Educação de qualidade. A uma Educação a que todos temos direito. A uma Educação que é direito de todos. A uma Educação para fazer do Brasil um País desenvolvido e sustentável. Essa Educação não fizemos direito. É obra que a história nos confiou. Coragem de admitir que dissemos e ainda dizemos NÃO. Dizemos NÃO às crianças mais pobres. Crianças presas no ciclo da pobreza. Presas no ciclo da exclusão. De geração em geração. Coragem de escrever outra história, História com orgulho, não com vergonha. Orgulho dos passos que vão mudar o destino do Brasil. Coragem de cumprir a maior, a mais bela, a mais importante de todas as missões: garantir essa Educação a todas as crianças e a todos os jovens. Missão que é comum a todos, que não exclui ninguém. De todos para todos. Coragem dos governos para agir e colocar a Educação no centro do projeto de nação. O maior projeto. Coragem para dizer chega, basta! Chega de aceitar que uma criança fique analfabeta. E que um jovem fique sem o aprendizado que prepara para a vida. Chega de aceitar a Educação fora do lugar estratégico para o País e para cada um de nós. A Educação, no centro, é saúde, é economia, é infraestrutura, é segurança. A Educação, no centro, muda o rumo do País de uma vez por todas. A Educação, no centro, pede mais investimento chegando a cada aluno. Na crise ou no crescimento. Investir mais e melhor. A Educação, no centro, se faz com gente. Valoriza o professor, o principal profissional do

País. Melhora a formação e a carreira do docente, do diretor e do coordenador. A Educação, no centro, avança sempre e com vigor em direção às metas do Plano Nacional de Educação. A Educação, no centro, é urgente, é inadiável, é prioridade. É aqui e agora. A Educação precisa de mais para chegar lá. Nenhum caminho é tão valioso e tão promissor para cada criança, para cada jovem, como o caminho da aprendizagem, o caminho do conhecimento! Nenhum. Nesse único caminho está o conhecimento da humanidade. Nesse único caminho estão os valores que nos fazem humanos, cidadãos, trabalhadores, pais, mães, filhos de uma nação. Esse único caminho distribui as conquistas para toda a sociedade, para um mundo melhor, menos injusto e menos desigual. Nesse único caminho está a ponte entre o presente incerto e um futuro potente para o Brasil. Em cada canto do País, em cada estado, cidade, escola e sala de aula, é hora de dar as mãos, de juntar vontades, de descobrir, de valorizar, de construir esse caminho. Aonde queremos chegar? Aonde vamos chegar? À possibilidade de sonhar, à autonomia, à consciência crítica e ao compromisso com o bem comum. Chegaremos à liberdade! É essa Educação, essa linguagem comum de liberdade, que nos levará a ser mais que uma simples parte. A ser quem transforma e quem respeita toda a vida ao redor! É essa Educação que fará o Brasil mais forte. Eu, você, todos nós juntos pela Educação!

* Adaptação livre de trecho de Grande sertão: veredas, de Guimarães Rosa

Agora que você já sabe que precisamos também de você para sermos Todos Pela Educação, contamos com a sua participação. Afinal, quem é que não sabe que a Educação é o melhor caminho para um futuro melhor? Vamos juntos nessa? www.5atitudes.org.br | www.tpe.org.br

Foto: Alexandre Ondir

Como seria o Brasil hoje se tivéssemos feito a escolha de dar lugar central à educação há 30 anos? A vida certamente seria outra. Mais empregos melhores, mais renda, mais dignidade, para muito mais gente. A vida seria muito melhor. Se todos concluíssem o ensino médio, nosso PIB seria 1 ponto percentual maior. Os jovens teriam reduzido em dezessete vezes o risco de morrer assassinados. Cada ano a mais de escolaridade aumenta em 10% a renda do trabalhador para o resto da vida. A cada 1% a mais de jovens na escola, reduzimos em 2% o número de homicídios.


O clareamento dental é indicado para todas as idades? É comum no período da adolescência uma preocupação com a estética geral, o que inclui o desejo de ter um sorriso com dentes brancos e bem alinhados. Neste contexto, surge o desejo por clarear os dentes e os pais ou responsáveis podem ter algumas dúvidas:

1- A partir de quantos anos o clareamento é indicado? O clareamento está indicado de forma segura a partir dos 15 anos de idade. A razão para este cuidado é que normalmente a polpa dentária (tecido responsável pela vascularização e inervação dos dentes) é mais volumosa nos pacientes jovens. Assim, o agente clareador pode atingir mais facilmente este tecido e promover alterações de natureza inflamatória (Figura 01).

2- Qual técnica de clareamento é mais apropriada nesta etapa da vida? O clareamento caseiro supervisionado por profissional é a técnica indicada na adolescência, pois nela é possível a utilização das menores concentrações dos agentes clareadores, bem como regular os tempos de uso. Nesta técnica é feita uma moldagem dos dentes e sobre um modelo de gesso é confeccionada uma placa de acetato personali-

Figura 01

zada que o paciente utilizará diariamente com o gel clareador selecionado (Figura 02). O tempo total para obtenção do resultado completo é de aproximadamente 01 mês.

3 - Há risco de danos aos dentes?

Figura 02

Desde que o clareamento dental esteja bem indicado e personalizado para as condições individuais de cada paciente, ou seja, sob acompanhamento profissional, trata-se de uma técnica segura e com eficácia comprovada cientificamente. Esta técnica não é definitiva, sendo necessária a manutenção ou o reclareamento, respeitando um intervalo mínimo de 01 ano e meio entre um clareamento e outro.

Dra. Simone Xavier S. Costa CRO 10.044/SC Especialista em Dentística


Faça você mesmo

Brincadeira de criança UHUUU! CHEGOU OUTUBRO, O MÊS QUE MAIS LEMBRA A ALEGRIA DE SER CRIANÇA... E uma forma simples e divertida de entreter e estimular a imaginação da criançada é transformar uma caixa de papelão em diversas opções de brincadeira. De um simples trenó que pode deslizar por um gramado a uma elaborada casinha que se transforma no melhor clubinho ou casinha de bonecas que seus filhos podem sonhar... Amamos tanto a ideia que resolvemos criar um avião para brincar com nossos pequenos e alegres pilotos curtirem muito o #DiadaFamilinha, viajando em sua imaginação por este mundo afora. E de quebra essas brincadeiras podem render fotos incríveis como recordação desse momento mágico.

PARA CRIAR ESTE AVIÃO VOCÊ IRÁ PRECISAR DE: • 2 a 3 caixas de papelão (quanto mais firme, grosso, melhor será a durabilidade do brinquedo) DICA: Procure escolher uma caixa do tamanho mais próximo do seu filho para que ele consiga brincar de forma confortável dentro dela. • Lata de batatas ou rolo de papel higiênico (para fazer o interior das hélices) • Tesoura e estilete • Cola quente • Fita adesiva • Canetas coloridas

Fotos: Juçara Hobold – Euqueti.com.br

Ok, você até pode precisar de um pouco de habilidade para montar, mas este momento é parte da brincadeira, então convide a sua família e as crianças para participar e divirtam-se.

PASSO A PASSO: 1 – Escolha uma das caixas que estiver mais inteira e se ela estiver montada (lacrada ou grampeada) evite desmontar, pois assim ela costuma manter sua firmeza, e dessa forma você só precisará cuidar das demais partes para que as crianças possam brincar com segurança. Caso a caixa não esteja montada, aproveite este momento para virá-la do avesso, ou seja, colocar a parte interna para fora. Assim o que estiver escrito na parte externa ficará para dentro e você poderá decorar do seu gosto. 2 – As demais caixas de papelão você pode abrir e começar a cortar as partes que formarão o avião. Os tamanhos abaixo são referentes a um avião de aprox.65cm comp x 58cm alt x 50cm prof. Você pode redimensionar as medidas de acordo com o tamanho da sua caixa base.


Educar • Outubro/2016 11

AS PARTES: • 4 asas aprox. 45cm x 20cm (com as pontas arredondadas, considerando 2 para cada lado) • 4 hastes entre as asas aprox. 15cm x 5cm • 4 hélices aprox. 30cm x 15cm (recortar no formato de uma folha) • 2 círculos para fixação das hélices aprox. 12 diâmetros • 1 cauda 15cm x 30 cm (considerando 30cm a parte maior da ponta da cauda) • 2 hastes 16cm x 5 cm (arredondar as pontas para dar o acabamento) 3 – Comece montando a hélice, fixando as 4 partes, com cola quente, em um dos círculos pela frente e outro por trás. Em seguida fixe o rolo na parte de trás – ele que fará a fixação final na caixa base. Reserve. DICA: Se você quiser uma hélice que gire, pense em usar um palito (mais grosso que um de churrasco) entre o círculo que fixa as hélices e a caixa base, você ainda pode esconder esse palito dentro do rolinho de papel. Porém, garanta a seu filho que o avião de papel não vai fazê-lo voar. Aqui o importante é usar a imaginação.

DICA ESPECIAL – Ao final da montagem, ofereça para as crianças lápis de cor, canetinhas de hidrocor, guache e todas as cores possíveis para que elas possam colorir o avião, a casinha ou qualquer que seja a opção da estrutura de papelão que você tenha escolhido fabricar para a brincadeira acontecer.

4 – Para fixar as asas laterais, eu sugiro que você faça pequenos rasgos com estilete e encaixe as asas antes mesmo de colá-las, assim você garante que ela ficará bem fixada, impedindo que o peso da asa faça com que ela caia. Para ficar com o ar “retrô” sugeri 2 asas, sendo uma em cima da outra com as hastes entre elas.

Espero que vocês tenham curtido a ideia e aproveitado para estimular a criatividade de seus filhos, criando brinquedos com papel reaproveitado e que podem estimular a união da família em uma deliciosa tarde de diversão.

5 – Faça o mesmo procedimento do rasgo na parte traseira, antes de fixar a cauda do avião. E para dar aquele toque especial, encaixe as suas hastes na ponta. No site www.sementinhadegente.com.br e no Canal do YouTube sempre há sugestões de outras ideias que podem ser feitos em família. E se quiser compartilhar por meio das redes sociais, os mimos feitos por vocês, não deixe de acrescentar a hashtag #SemeandoIdeias e aproveite para me seguir por lá também (@sementinhadegente).

www.sementinhadegente.com.br Milena Luisa, mãe de Artur (9), Mateus (5) e Pedro (4). Sonhadora e idealizadora do Sementinha de Gente


Do Canadá

Os sintomas do transtorno de fobia social (ou ansiedade social) podem surgir ainda na infância e o tratamento se torna necessário quando o receio de ser observado e avaliado pelos outros começa a causar sofrimento ou prejuízos em algum campo da vida Os primeiros sintomas de ansiedade do Bernardo, de seis anos, surgiram durante uma tempestade – trovões, relâmpagos e picos de energia fizeram com que o pequeno apertasse seus olhinhos e chorasse. Um dia, num acampamento da escola, bastou que uma chuva forte começasse pra que a ansiedade de Bernardo mostrasse questões relacionadas a separação e afastamento social. Desse dia em diante, Júlia, sua mãe, passou a ouvir dele frases do tipo: “não tenho amigos na escola”; “minha professora não gosta de mim”, ou ainda “não quero mais ir para a aula de música”. Ele deixou de gostar de ir para a escola e não desejava mais brincar com outras crianças. Junto com as reações de afastamento social, Bernardo sentia constantes dores de barriga e chorava quase diariamente e sem motivos aparentes. Suspeitando de que Bernardo sofria de ansiedade social, Júlia decidiu, então, procurar por um médico psiquiatra e por um grupo de terapia cognitiva para crianças. O Transtorno de ansiedade social (ou fobia social / em inglês: social phobia), segundo o Dr. Michael Cheng (psiquiatra do Children’s Hospital of Eastern Ontario, em Ottawa, Canadá) é a condição na qual a criança é tão temerosa de situações sociais que se torna difícil, para ela, interagir com outras pessoas, chegando ao ponto de causar problemas na escola ou em encontros de familiares/amigos. Kylee Goldman, um psicoterapeuta de Toronto, afirma que as crianças com fobia social costumam ter medo de serem criticadas ou rejeitadas por pessoas com autoridade para julgar outras, como professores. “Esse medo pode agravar os sintomas de estresse e chegar a interferir em sua habilidade de relaxar e se integrar em situações nas quais sua performance é determinante”, comenta Goldman.


13

Confira, a seguir, algumas dicas de ajuda de especialistas da área:

O MELHOR CAMINHO Se você acha que a sua criança pode sofrer de ansiedade social, tente descobrir um profissional (médico psiquiatra ou psicólogo) que possa direcioná-la para o melhor caminho e achar a solução do problema. E você pode ajudá-la também - há várias maneiras de fazer com que seu filho adquira mais confiança em si mesmo e interaja, sem grandes dificuldades, com outras crianças.

CARINHO NA IDA E NA VOLTA

TERAPIA COGNITIVA COM CRIANÇAS

Encontre uma forma especial de dizer tchau para a sua criança antes de ela ir pra escola. E também uma maneira diferente (e carinhosa) de recebê-la no fim das aulas, para que ela se sinta bem acolhida e livre das preocupações.

Há grupos de terapia cognitiva para crianças que ensinam diferentes estratégias, incluindo meditação e músicas calmas. Procure descobrir um em sua cidade.

OBJETO DE ESTIMA

POSITIVIDADE

Tente fazer com que seu pequeno vá para a escola na companhia de algum objeto de estimação (uma boneca, um carrinho, um travesseirinho, uma foto de alguém de que ele goste muito, um desenho feito por ele, etc). Qualquer objeto que signifique muito pra ele e que caiba em sua mochila ou em seu bolso pode acalmá-lo ou deixá-lo mais confiante.

EXPRESSANDO SEUS SENTIMENTOS Falar sobre os sentimentos da pessoa e deixar que as lágrimas escorram (caso isso aconteça) são passos importantes. Se a criança está tão sentimental a ponto de chorar, isso é, na verdade, um bom sinal. Ofereça um abraço e todo o seu carinho. Segundo o Dr. Cheng, “lágrimas são cruciais para o equilíbrio de emoções profundas.” Permita que a pessoa aflita se sinta à vontade para expressar como se sente. Ouça com atenção. Isso ajudará você a entender melhor o que ela está passando.

Seja gentil e compreensivo(a), para que a pessoa consiga pensar na ansiedade de maneira diferente. Diga frases positivas e de apoio que sejam conflitantes com o que ela esteja pensando. Muitas vezes queremos fazer algo para ajudar uma pessoa querida, mas tudo o que ela realmente precisa, naquele momento, é de um ombro amigo e do reconhecimento de que está passando por um momento difícil. A empatia pode fazer uma enorme diferença para alguém que está ansioso. E, não menos importante, vale lembrar que não é necessariamente o que você diz que realmente importa, mas como você demonstra seu apoio. Às vezes, o mais útil para quem sofre de ansiedade é simplesmente ter alguém para ouvir a sua experiência.

Cláudia Prates

Mãe do Bruno (7 anos) Estudante de Business Marketing Correspondente da Educar em Toronto, Canadá


Relação familiar

har

um ol

sobre

a

EDUCAÇÃO Cuidar de uma criança exige muita responsabilidade e cuidados constantes. Quanto menor, mais dependente e frágil ela é. No entanto, para que um dia ela possa aprender a cuidar de si e desenvolver a autonomia necessária para ser confiante o suficiente para isso, é preciso que ela tenha a chance de tentar.


Educar • Outubro/2016 15

Quando estamos falando de crianças pequenas, o domínio motor pode ser um desafio enorme. Dessa forma, ser independente e ter pequenos cuidados consigo, como trocar de roupas, escovar os dentes, comer sozinho, andar e correr pode levar bastante tempo de prática e de erros. Por isso, quando se está cuidando de uma criança, muitas vezes, é preciso fazer por ela, quando o desafio é demasiado ou quando o ato oferece perigo. Mas é preciso ter em mente, sempre, que as crianças só aprendem tentando e, se elas não forem desafiadas, serão sempre dependentes de alguém. Estar ciente do desenvolvimento motor, emocional e cognitivo da criança é a chave para dar a ela a autonomia que precisa e é capaz de receber. Por exemplo, deixar a criança tentar colocar seus sapatos é possível, mas esperar que ela consiga amarrá-los é um pouco demais. Não que ela não possa tentar, mas é bem provável que não consiga. Nessas horas, enfatize o que ela conseguiu e no que ainda precisar de ajuda, diga que ela está aprendendo, que um dia vai conseguir.

Tenha uma atitude positiva

Algumas vezes, é preciso arriscar um pouquinho, ter muita paciência e deixar a criança cair, se sujar, demorar, não conseguir ou conseguir de um jeito totalmente inusitado. Molhar a roupa, a cadeira e o chão, ao tentar tomar suco em um copo aberto, pode acontecer. Ralar o joelho ao correr e, eventualmente, cair, também. Demorar muito para colocar os sapatos e, quando finalmente conseguir, colocá-los trocados é um clássico dos pequenos! Ter uma atitude positiva com relação as conquistas diárias das crianças as ajuda a ter um olhar otimista sobre o seu desenvolvimento. No entanto, se os adultos não acreditarem que ela é capaz ou que vai demorar muito, ou que é mais fácil fazer por ela, ela nunca terá a chance de acreditar em si e de construir uma imagem confiante e positiva de seus êxitos.

Fique atento aos sinais

Quando se dá autonomia a uma criança, muita coisa pode dar errado, mas focar nessa perspectiva só vai atrapalhar o desenvolvimento e a aprendizagem dela. Não é fácil desenvolver essa sensibilidade com relação ao crescimento e as necessidades das crianças, mas estar atento ao que elas dizem é fundamental. Nem sempre essa mensagem virá de forma clara, com todas as letras. Ela pode vir disfarçada de manha, irritação, birras. Por isso, estar atento aos sinais que a criança manda é muito importante para a harmonia e o bem estar dos pequenos. Dar às crianças o que precisam para se desenvolver, dia a dia, é um desafio para toda a família. Isso porque a tarefa de ensinar exige que todos se desafiem e aprendam uns com os outros. Exercitar o olhar positivo e sensível é o segredo do sucesso na educação. Que tal tentar?

Fernanda Mello de Moura Pedagoga


Capa

Texto: Auxiliadora Mesquita Modelo de capa: Rafaella Dalcastagne Figurino da Rafaella: Catavento Babies & Kids Fotos da Rafaella: Foto Globo (Fabiano Graudin)

PREPARE-SE PARA ESSA AVENTURA!

Seu bebê nasceu e a felicidade tomou conta da família. Apesar do trabalho intenso, a alegria de ver seu filho finalmente tão pertinho é ainda maior! E daqui para frente, muitas outras alegrias e surpresas virão. As crianças crescem rapidamente e vão se transformando na frente de nossos olhos. Para acompanhar esse crescimento, preparamos um guia prático para você se preparar, se deliciar e observar esse desenvolvimento tão fantástico. Lembre-se sempre de que cada criança é única e seu crescimento também se dará de maneira individual. Por isso, aproveite: esse é o verdadeiro show da vida!


Educar • Outubro/2016 19

do primeiro mês ao de idade

Que delícia, que fofura: aquele bebezinho de olhos fechados vai ganhando peso e altura. E vai se abrindo para o mundo ao seu redor, principalmente a mamãe, o papai e a família. No primeiro trimestre, já aprende a levantar a cabeça e o peito quando deixado de bruços. Segue objetos com os olhos e leva a mãozinha à boca. Sorri de volta para o sorriso da mamãe. E agarra as coisas com força! Até os 6 meses, essas mãozinhas ficarão ainda mais espertas, procurando e pegando coisas intencionalmente. O bebê também começa a rolar de uma posição para outra: costas/bruço e vice-versa. Reconhece rostos familiares e gosta de atenção – pode até chorar se uma brincadeira parar ou se não encontrar o rosto da mamãe ou do papai. Também descobre a própria voz e começa a balbuciar e rir. Dos 6 aos 9 meses, o pequenino começa a empurrar o corpo para frente e para trás e pode começar a engatinhar. Também sabe sentar e sair da posição sentada. Aprende a bater palmas e adora brincadeiras do tipo “Cadê? Achou!”. É que o bebê aprende que um objeto pode permanecer mesmo quando não está à vista - um grande passo cognitivo. Ele também começa a decifrar expressões e as imita: raiva, choro, alegria. E presta atenção quando alguém diz “não pode”. Nos últimos três meses antes de completar 1 ano, seu bebê já vai começar a segurar coisas com o polegar e o indicador! E vai ensaiar seus primeiros passos, segurando em móveis e pessoas para andar. Apontará objetos que quer e vai passar a imitar os adultos – é hora de “dar tchau”, “mandar beijinhos” e outras gracinhas irresistíveis! Ele também irá começar a falar algumas palavras. E vai saber empilhar e separar objetos.

Aquele bebezinho pequeno e frágil cresceu. E agora quer fazer tudo sozinho! E mesmo que ele esteja aprendendo as primeiras palavras, prepare-se para ouvir dele: “Eu faço!”. É que o desenvolvimento físico e mental do pequeno o chama para experimentar a vida: ele anda e corre, consegue escalar (atenção sofás e janelas!) e se diverte empurrando com os pés, fazendo o movimento de alternar as pernas. É hora do triciclo pela casa ou no parquinho! Também já consegue chutar uma bola, mesmo que sem direção certa. E sua coordenação fina está cada dia melhor: já segura um giz de cera, coisinhas para comer e sua própria colher. Esse bebê fofo já entende muito do que se fala para ele, ainda que só possa se exprimir de maneira limitada. Até os 2 anos, isso vai melhorar muito e ele já estará falando suas primeiras frases. Também vai ser capaz de entender instruções simples e até algumas compostas por duas ações: por exemplo, “pegue a bola e coloque no cesto”. Também se diverte enchendo e esvaziando, empilhando e desempilhando – e isso é exercício mental da melhor qualidade! Para ajudar seu pequeno nessa fase, fale com ele. Quanto maior a interação e a comunicação entre os adultos e os pequenos, mais eles se desenvolvem. E aproveite para deixar que ele experimente o mundo ao seu redor. Reforce o bom comportamento com elogios. E para a hora da “teimosia”, que tal dar ao pequeno duas opções? Ele vai adorar escolher!


Capa

dos

aos

anos

Sua criança está cada vez mais ágil e curiosa: anda, corre, sobe, desce, agacha, pula e escala! Prepare-se para acompanhar toda essa energia. E aproveite para se prevenir contra o que pode afetar a segurança dela, mas sem impedir que ela se mexa, brinque e explore o mundo ao seu redor. Nessa idade, a criança já come com a colher e a maioria adora se balançar ao ritmo de uma música cativante. Ela também vai descobrir cada vez mais os “certos” e “errados” na vida dela e já entende perguntas simples. Por falar em perguntas, vai começar a fazer muitas também: prepare-se para responder a muitos “porquês” e “o quês”. Essa curiosidade também se refere ao próprio corpo e ela descobre e aprende a nomear as partes do seu corpinho. Também irá nomear objetos e fazer sentenças mais completas. Gosta de relatar coisas, a seu modo, e já começa a compreender as posições em cima, embaixo, na frente, atrás. Já é capaz de desenhar círculos, linhas e outras formas. São seus primeiros esboços, feitos com concentração e dedicação. Sua criança vai descobrir a alegria do faz de conta e começará uma evolução importante em suas brincadeiras: de brincar “junto” com outros pequenos, apenas dividindo um mesmo ambiente, para brincar junto de verdade, compartilhando a brincadeira. É que agora ela já sabe (quase sempre...) esperar a sua vez. E começa a entender e gostar da ideia de ter amigos! Essa é a hora de muitos “saltos” importantes também: vestir e tirar a própria roupa, aprender a guardar seus brinquedos, se divertir com a leitura de histórias. E começar o processo de retirada da fralda, um passo importante e delicado que marca como um divisor a vida de sua criança.


Educar • Outubro/2016 21

dos

aos

anos

Seu bebê já é mesmo uma criança e as transformações físicas e cognitivas são impressionantes: anda, corre e salta cada vez com mais segurança. Equilibra-se, pula e gira de maneira desenvolta. E quase não consegue parar de se mexer. Tantas proezas deixam seu pequeno ou pequena bem convencidos: é a hora em que eles sempre “sabem tudo”. E corrigem os adultos sem dó! Mas apesar de saberem “tanto” e de até se sentirem menos ansiosos com a distância dos pais (dormindo na casa de parentes ou colegas, por exemplo!), não se iluda: ele ainda precisa muito de mamãe e papai para ter segurança e se sentir amado. Sua criança nessa idade gosta de agradar e de ter amigos. Já consegue enxergar o ponto de vista dos outros e está aprendendo a compartilhar e a expressar o que sente. Não gosta de ser criticada e se sente culpada com os erros. Por outro lado, adora elogios e mostrar o que já consegue fazer. Também costumam surgir medos nessa fase: de errar, de ser agredido, de fantasmas, de escuro... Para compensar esses medos, a linguagem está cada vez mais desenvolvida e ela já é capaz de conversar muito bem. Aliás, falar é com ela mesma: nessa idade elas falam, contam, riem de brincadeiras com as palavras e até falam “no futuro”, sobre coisas que querem ou irão fazer. Conseguem seguir instruções e aprendem a jogar seus primeiros jogos com regras. Entendem melhor a noção de tempo (ontem, hoje, amanhã) e conseguem se concentrar por mais tempo. Também desenham figuras reconhecíveis, como pessoas, animais e objetos que conhecem. São capazes de reconhecer letras do alfabeto e de contar quantidades até 10. Adoram novidades: livros, músicas, filmes, passeios e brincadeiras encantam, divertem e ativam a imaginação. Mas a companhia das pessoas – adultos e crianças – é o verdadeiro alimento desses fabulosos seres humanos.

A aventura não para por aqui: novas emoções vão chegar aos 7, aos 8, aos 9... a jornada para mamães e papais ainda reserva muitas alegrias e surpresas. Sustos? Alguns podem acontecer. Nosso pequeno guia mostra os marcos mais comuns e quando acontecem. Não são regras rígidas. É importante sempre observar sua criança e ficar de olho em alguma dificuldade especial ou se ela deixar de fazer alguma coisa que já havia dominado. Sem ansiedade, com bom senso e muito amor, toda criança se desenvolve e cresce, descobrindo tudo aquilo de que ela é capaz!


Interação entre pais e filhos

Educar • Outubro/2016 23

A mascotinha da Revista Educar

Tema desta edição:

Horário de Verão

Conteúdo Auxiliadora Mesquita | Arte Cláudia Prates

Tem gente que ama, tem gente que odeia. Mas quando ele chega em outubro (nesse ano dia 16 de outubro), altera o relógio de todo mundo: é o horário de verão, que apareceu a primeira vez no Brasil em 1931. E entre idas e vindas, reapareceu em 1985 e não foi mais embora. No Brasil, os estados das regiões Sul e Sudeste sempre estão na grade da mudança no relógio. A região centro-oeste e o Distrito Federal costumam entrar também. Ficam de fora os do Norte e Nordeste. Mas existe quem queira acabar com ele em todo o país, alegando que a mudança de horário causa problemas de saúde e de segurança pública que não seriam compensados pelos benefícios previstos. E que benefícios são esses? Sugerido pela primeira vez por Benjamim Franklin, cientista e pensador dos Estados Unidos do século XVIII, a ideia era que, ao seguir o horário natural do nascer do sol nas diferentes estações, a luz do dia poderia ser melhor aproveitada. Ninguém na época ligou muito. Mas no começo do século XX, a Alemanha adotou o horário de verão como parte do esforço de guerra na 1ª Guerra Mundial - a mudança prometia uma economia nos gastos com carvão.

No Brasil, a volta do horário de verão na década de 80 ocorreu também por necessidade econômica. Num período de escassez hídrica e temendo dificuldades na produção de energia pelas usinas hidrelétricas, a ordem do governo era economizar. E este argumento – a economia de energia – é utilizado até hoje. Com o “adiamento” da noite, o pico de consumo no final da tarde seria evitado, diminuindo a sobrecarga no sistema. Quem é contra avalia que a alteração do relógio na parede causa alterações indesejadas e perigosas no relógio biológico. E ainda põe em situação de risco nas ruas quem precisa acordar cedo demais e sair no escuro. Numa conversa entre amigos, sempre vai aparecer quem ama ter mais tempo para aproveitar a luz do dia, praticar esportes ou curtir na rua até mais tarde. E vai ter muita gente reclamando da dificuldade de levantar cedo e até de colocar as crianças no ritmo. Seja como for, ele já está chegando. Melhor se preparar para ele e tentar aproveitar ao máximo!


Interação entre pais e filhos

em: “Lá vem o sol” PIPOCA ERA A MELHOR AMIGA DO PEDRO. E PEDRO ERA O MELHOR AMIGO DA PIPOCA. ELES ATÉ DORMIAM JUNTOS NO MESMO QUARTO. O PEDRO NA CAMA DELE, A PIPOCA NA CAMINHA DELA.

O PEDRO ERA BEM DORMINHOCO. JÁ A PIPOCA ERA ASSIM: SE ESTAVA ESCURO LÁ FORA, ELA NÃO QUERIA SABER DE SE LEVANTAR. MAS SE O SOL APARECIA, ELA SALTAVA DA CAMA, PULANDO QUE NEM UMA... PIPOCA!

DIFÍCIL MESMO ERA QUANDO CHEGAVA O HORÁRIO DE VERÃO. O SOL AINDA ESTAVA ESCONDIDO, NA HORA CERTA DELE. MAS OS RELÓGIOS DA CASA ESTAVAM ADIANTADOS EM UMA HORA! PEDRO E PIPOCA FICAVAM COM UMA PREGUIÇA DE LEVANTAR...

A MAMÃE FALAVA: “É HORA DE ACORDAR!”. E PEDRO E PIPOCA GEMIAM: “AH, NÃO, ESTÁ CEDO DEMAIS.” A MAMÃE ENTÃO LEMBRAVA: “QUEM OBEDECE O RELÓGIO, PODE BRINCAR ATÉ O SOL IR EMBORA”. ÔBA, ENTÃO LEVANTA! TÁ NA HORA DE APROVEITAR!


Educar • Outubro/2016 25

Achei para você Dia de Sol (Mary e Eliardo França) Editora Ática Em mais um delicado e lindo livro com a turma dos Pingos, os autores mostram as coisas gostosas que podemos fazer num dia de sol. Ótima opção para os pequeninos. Estações do Ano Editora TodoLivro Cheia de ilustrações fofas, para mostrar as diversas estações do ano para as crianças e descobrir o que cada uma tem a oferecer de melhor para nossas vidas.

Dia e Noite (Mary e Eliardo França). Editora Ática Dos mesmos autores e com a mesma beleza, esse livro aborda de maneira poética a alternância entre dia e noite. Com texto bem simples e direto, é uma ótima opção para os que estão aprendendo a ler – eles podem tentar ler sozinhos! O frio pode ser quente? (Jandira Masur) Editora Ática A partir de exemplos do cotidiano, este livro mostra que tudo pode ter diferentes definições, depende só do jeito como a gente vê.


Cinema, livros infantis e eventos

Trolls - novo filme da Dreamworks Ramo parte para uma jornada de descobertas e aventuras ao lado de Poppy, líder dos Trolls. Inicialmente inimigos, conforme os desafios são superados eles descobrem que no fundo combinam. Previsão de estreia: 27/10

Educar • Outubro/2016 26

Clássicos Encantados (Editora Girassol Brasil) O livro reúne os mais lindos contos de fadas de todos os tempos. Você vai encontrar príncipes e princesas, pózinho mágico, maçã envenenada, bruxas e feiticeiras, sapatinhos de cristal, bonecos que ganham vida, além de sapos e gênios – e muita, muita emoção. Para meninos e meninas, adultos e velhinhos – todos vão rir e se emocionar. Viaje pelas páginas deste livro e descubra como termina cada história. Recomendação: a partir do leitor iniciante. Beatles Heróis (Matrix Editora) Muita aventura, mistério e muito som. Conta a história de uma cidade onde as pessoas começam a não gostar mais de música e uma banda resolve investigar e descobre um vilão muito malvado que detesta música.

Foto Globo A Foto Globo possui tradição histórica no ramo da fotografia. Atualmente é administrada pelo casal de fotográfos Fabiano e Mariana. Ensaios de bebês e gestantes sempre fizeram parte do portfólio da empresa; contudo, com a chegada de Isis, filha do casal, Mariana se apaixonou por fotografias de gestante, newborn e bebês. Há 7 anos trabalhando com fotografia e 4 anos na área materno-infantil, hoje ela diz se sentir completamente realizada com as suas gestantes e seus bebês, entrando de cabeça em cada processo de criação de ensaios e, ao final, satisfazendo-se cada vez mais com os resultados alcançados. Mariana diz ainda amar ver as famílias crescendo e poder retratar momentos únicos. Atualmente, ela fotografa desde o ensaio gestante até o acompanhamento mensal. A Foto Globo conta também com novidades: estão em produção filmes acerca da história, das expectativas e do amor de quem espera seu bebê. “Estamos preparando nosso primeiro filme - uma linda, delicada e apaixonante produção”, revela Mariana com entusiasmo. Saiba mais em: www.fotoglobo.com

Patrulha Show em Florianópolis Mais uma encantadora paródia, os cães mais amados do Brasil vão embarcar em grandes aventuras no palco, com muita interação e criatividade e vão também, com a ajuda das crianças, solucionar o mistério do tesouro pirata. Espetáculo inédito com textos e roteiros originais. A aventura conta com a presença de Ryder, Capitão Rodovalho, Pirata Barba Mansa e o Jacaré Tic Tac. Domingo, 23 de Outubro de 2016 às 16hs no Teatro Álvaro de Carvalho Ingressos: www.blueticket.com.br


Galeria Nossa Cara

Taiany

Helena

Isabella

João Vitor e a mamãe Fabi

Você também!

Envie foto de seu filho para nossacara@ revistaeducar.com.br Na mensagem, escreva o nome completo e idade da criança + cidade e nomes completos dos pais. Enzo

Maria Eleonora co m

papai Vicente

Lara

Isabelly Laís

Manuella

Kadu com a mamãe Chris


Rua Princesa Izabel, 365, Centro (47) 3433.9508 • Joinville / SC turmadacuca@turmadacuca.com.br Localização central Estacionamento gratuito frente a loja


Fazendo o bem

BELEZA FRATERNA “Amor Fraternal é um sentimento de carinho muito forte, de dedicação, de interesse pela figura do outro, gerando sentimentos positivos e construtivos, podendo até, em certos momentos, levar o indivíduo a fazer grandes sacrifícios, que só seria capaz de fazer por ele mesmo.” Tudo começou quando a empresária Amélia Bellé, distribuidora da Keune HairCosmetics em Santa Catarina, surgiu com a ideia: por que não fazer um projeto social que envolvesse cabeleireiros e clientes? E assim começou o Beleza Fraterna,

realizado uma vez por mês, em uma quarta-feira, das 9h às 20h, com 40 minutos para cada atendimento. O funcionamento é simples: os cabeleireiros doam a mão de obra, já os clientes pagam R$ 50 por um tratamento e uma escova. O valor é 100% revertido para instituições de caridade escolhidas pelos parceiros. A Keune disponibiliza estrutura, produtos e equipe técnica. “A proposta é mudar mensalmente as instituições beneficiadas, de acordo com a sugestão dos parceiros cabeleireiros. Isso porque gostaríamos de ajudar o máximo de lugares possível, por isso vamos variar todos os meses. Estimamos atender em torno de 1200 pessoas até o fim deste ano, mas pretendemos dar andamento nos próximos”, diz Amélia.

As vagas são limitadas ao número de cabeleireiros, e os clientes interessados em participar precisam agendar horário com a Keune Florianópolis. A ação acontecerá nos dias: 19 de outubro; 09 de novembro; 05 de dezembro. Para participar, basta agendar com a Keune Florianópolis. Keune Florianópolis Rua Quinze de Novembro, 34 Bairro Balneário - Florianópolis, SC ane@keunefloripa.com.br (48) 3028-6633 / (48) 3028-7633

Se você muda o mundo, o mundo precisa saber disso Divulgue aqui na revista seu trabalho ou sua instituição. Envie um e-mail para: fazendoobem@revistaeducar.com.br

DOCE OU TRAVESSURA?

Papais, está chegando o HALLOWEEN, e a melhor forma de celebrar é deixando a criançada extravasar as energias com muitos doces e travessuras. Só não podemos permitir que as cáries façam travessuras nos dentinhos de seus filhos. Visite preventivamente o Odontopediatra e dê um BOO nelas!


Profile for Revista Educar

Educar 106 Outubro 2016  

Educar 106 Outubro 2016  

Advertisement