Page 1

Edição 569 | Setembro 2017

Ano XXXVIII | www.cdlniteroi.com.br

Crescer dentro de uma rede de franquias é uma boa oportunidade de negócio

Multifranqueados Marketing Olfativo

Estímulo a um dos sentidos mais sensíveis do consumidor marca a experiência de compra

Sua empresa está nas mídias sociais?

Presença nas redes é fundamental para atingir os consumidores conectados

NITEROI

O LOJISTA


De Utilidade Pública: Estadual, Lei no 5579/65 / Municipal, deliberação no 2539/65

EDITORIAL

CONSELHO SUPERIOR Presidente: Joaquim Manuel de Sequeira Pinto Vice-presidente: Ademir Antunes Carvalho MEMBROS DO CONSELHO SUPERIOR Antonio Carlos Costa Pires, Domingos de Carvalho Rodrigue, Elida Gervásio Gouvêa, Ithamar Torres Mancen, José Dornas Maciel, Lúcio Ferreira de Azevedo, Manoel Alves Junior, Orlando Cerveira Francisco, Roberto Mauricio Rocha, Salomão Guerchon. Suplentes: Gentil Moreira de Sousa e Marina Espósito Haddad. DIRETORIA ADMINISTRATIVA Presidente: Fabiano Gonçalves Vice-presidente: Luiz Vieira Diretores: Fausto Regis de Oliveira Reis, Graciele Davince Pereira, Jorge Gentile, Mauricio Nassib Moita Zarife, Oswaldo Rodrigues Vieira, Rogerio Rosetti Mendes, Ruan Carlos Teixeira de Oliveira, Sidney Moyses Vianna Freire Suplentes: Alberto Guilherme Magalhães Ducan e Felipe Reis de Almeida Gerente: Ermano Santiago CONSELHO EDITORIAL Fabiano Gonçalves e Joaquim Pinto

O LOJISTA

NITEROI

SERVIÇOS DA CDL Serviço de Proteção ao Crédito, Serviço de Relações com Usuários, Central de Informações, Central de Cadastro, Central de Processamento de Dados, Assessoria Técnica, Consultoria Jurídica, Serviço de Documentação e Divulgação e Serviço de Administração

Coordenação: Kelly Goldoni - MTE: 34527/RJ Redação: Goldoni Comunicação Diagramação e Arte: Alyne Gama Jornalistas: Paula Valviesse e Suzana Moura Consultoria: Priscila Oliveira Fotos: Divulgação CDL Niterói

Publicação dirigida da CÂMARA DE DIRIGENTES LOJISTAS DE NITERÓI, contendo legislação, índices econômicos e condensado de notícias e informações de interesses do comércio lojista. Distribuição: Câmaras de Dirigentes Lojistas, Associações Comerciais, Federações do Comércio, Sindicatos e demais entidades de classe do País, identificadas com as atividades do comércio, bem como empresários e executivos especialmente cadastrados. O LOJISTA utiliza as seguintes fontes para editar o condensado de notícias: O Globo, Jornal do Commercio, A Tribuna, O Fluminense e Diários Oficiais. Os índices, estatísticas e projeções são cuidadosamente compilados, de acordo com os últimos dados disponíveis no fechamento da edição. O uso dessas informações para fins comerciais e de investimentos é de exclusiva responsabilidade e risco dos seus usuários. IMPORTANTE: As matérias assinadas são de respnsabilidade de seus autores. ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA Rua General Andrade Neves, 31, Centro, Niterói, RJ CEP: 24210-000 / Tel.Fax: (21) 2621-9919

Empreendedorismo e liderança em destaque

Nesta edição da revista O Lojista, damos destaque às ações executadas em benefício dos negócios. Sabemos que, diante de um cenário de instabilidade, é difícil decidir investir, mas existem muitas oportunidades no mercado que garantem a ampliação dos empreendimentos, além de possibilidades de inovar em favor da manutenção dos mesmos. O segmento de franquias, por exemplo, continua em destaque. E dentro dele existe a perspectiva de crescer investindo em multifranquias. Para quem já possui um negócio consolidado, é possível investir na ampliação do número de lojas, seja da mesma rede ou em novos setores, garantindo mais espaço no mercado com a segurança e o apoio do franqueador. Segundo a Associação Brasileira de Franchising Rio de Janeiro (ABF Rio), muitas redes facilitam a aquisição de novas lojas com linhas de crédito ou condições comerciais mais atrativas. Outra forma de atrair mais clientes é inovar, e nesse quesito trazemos como diferencial o investimento em marketing olfativo. Muitas empresas estão investindo na climatização através de aromas exclusivamente produzidos para o seu negócio, e o uso dessa técnica pode marcar a experiência de compra e ser uma nova maneira de identificar os produtos ou serviços. Estar bem posicionado também é fundamental, por isso damos destaque também ao marketing digital e a participação das empresas nas mídias sociais. Com a internet cada vez mais incorporada à vida das pessoas, surge um novo mercado, o on-line. E para conseguir alcançar esse nicho, os empreendimentos devem estar em total sintonia com as novas tecnologias e formas de interagir com o consumidor. Pensando nisso, conversamos o consultor e professor de Marketing de diversas universidades no Rio de Janeiro, João Vitor Rodrigues, que dá dicas sobre como as empresas que devem usar as mídias e o marketing digital da melhor forma e obter bons resultados. Para concluir, destacamos que setembro é um mês de grandes eventos sobre empreendedorismo, inovação e varejo. E a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói não poderia ficar de fora desse movimento, por isso estamos organizando dois workshops em nossa sede. Vale a participação! Vamos em frente!

Fabiano Gonçalves

Presidente

Impressão Gráfica Primil (21) 3078-4300 Circulação Mensal Nacional | On-line CDL NITERÓI 3


EDIÇÃO 569

ÍNDICE 10

CAFÉ

EMPRESARIAL

Café Empresarial da CDL aborda temas sobre gestão e marketing digital

Multifranqueado: determinação para tornar-se um

08

06

Eventos

16

CAPA

11

Jurídica Marketing digital Curtas

18

Consultor digital Marketing olfativo Comércio exterior 4 O LOJISTA n setembro 2017

12

21 24 26


CAfÉ empresarial

Café Empresarial da CDL aborda

temas sobre gestão e marketing digital

F

uncionários capacitados e um bom posicionamento no mercado digital podem fazer toda a diferença em um negócio. Pensando nisso, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói trouxe para as edições de agosto do Café Empresarial palestras ministradas por dois especialistas nessas áreas: Lucia Gadelha, consultora de Gestão de RH e pedagoga e Elias Júnior, formado em Informática, Administração de Empresas e com uma longa carreira em Marketing Digital e E-commerce. No Café Empresarial da Região Oceânica, Lucia Gadelha falou sobre o tema “Gestão de Pessoas: como evitar custos”. Segundo a consultora, dentre as estratégias de gestão, estimular o autodesenvolvimento dos funcionários é um modelo inovador, que apresenta vantagens para o colaborador e melhora o alcance dos objetivos da empresa. “Gestão é uma via de mão dupla, as empresas investem nessa competência e, consequentemente, as pessoas contribuem para que a organização prospere”, afirmou Lucia, que também destacou que o capital humano tem sido considerado o grande diferencial competitivo nos empreendimentos, capaz de assegurar a longevidade e o crescimento dos negócios.

Lucia ainda falou sobre o mapeamento de competências, ferramenta estratégica que visa estabelecer o perfil do candidato que melhor se enquadre em determinada vaga, e que evita perda de tempo, além de gastos desnecessários. “Erros de seleção geram custos altos. O grande desafio das empresas atualmente é selecionar profissionais capacitados e talentosos o suficiente para suprir as exigências do mercado”. Já no evento da sede, no Centro, Elias Júnior ministrou a palestra sobre “Marketing Digital: atraindo e retendo clientes para seu e-commerce”, buscando mostrar aos empresários presentes a importância de evoluir e acompanhar as novas tecnologias e as mudanças do mercado. “Por que minha empresa tem que estar nas mídias sociais? Para fortalecer a sua marca, alcançar pessoas interessantes, além de se aproximar e interagir com potencias clientes. Nas mídias tudo anda muito mais rápido. Foco no digital, sempre! Agora, em quais redes minha empresa tem que estar? Para isso, você precisa ter bem definido seu público-alvo e onde ele está”, afirmou Elias. Do mobile marketing até as mídias sociais, o consultor Elias apresentou dados sobre a mudança no consumo, o mercado digital e o novo perfil do consumidor “hiperco-

O capital humano tem sido considerado o grande diferencial competitivo nos empreendimentos

6 O LOJISTA n setembro 2017


CAfÉ empresarial

nectado”. Além disso, ele também mostrou algumas ferramentas de gerenciamento para o comércio on-line e avaliou a importância das empresas conhecerem seu público-alvo para melhor se posicionarem no meio digital. “Sempre me perguntam a fórmula rápida para se ganhar muito dinheiro com marketing digital, mas posso dizer que essa fórmula não existe, pois é preciso trabalhar muito. Essa vertente do marketing tem alguns pontos importantes, é como um grande guarda-chuva, que agrega diversos segmentos como mobile marketing, mídias sociais, remarketing, entre outros. Se eu desenvolvo uma campanha focada no mobile marketing, significa que eu quero atingir pessoas que tenham acesso a conteúdos através de dispositivos móveis, como smartphones e tablets, então esse é o meu segmento, meu público”, começou Elias Júnior. Segundo o palestrante, dados extraídos do E-bit mostram que, até o final de 2017, o mobile será responsável por 75% do tráfego de internet no Brasil, fazendo com que os dispositivos móveis superem consideravelmente o uso dos computadores e até TV. Mas, de acordo com Elias Júnior, para alcançar esse público crescente, é preciso estar adaptado, é fundamental produzir conteúdo adequado para plataformas móveis, e não adianta simples-

Até o final de 2017, o mobile será responsável por 75% do tráfego de internet no Brasil

mente criar um site e esperar que os clientes se identifiquem com o formato que até então foi pensado apenas para o desktop. “Com o crescimento da oferta de dispositivos, a melhora da tecnologia e da internet, juntamente com as experiências de compra positivas, a previsão é de que as transações por telefone tenham um aumento de 30% esse ano, em comparação com 2016. O público digital está crescendo e a maioria das pequenas e médias empresas (PMEs) ainda estão usando ferramentas ultrapassadas”, exemplificou.

CDL NITERÓI 7


EVENTOS

III Fórum Nacional do Comércio O papel do varejo na retomada do crescimento é tema do evento organizado pela CNDL

A

Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) realiza nos dias 24 e 25 de outubro o III Fórum Nacional do Comércio, em Brasília. O evento, que conta com a participação de vários convidados, entre economistas, administradores e jornalistas, todos com grande destaque em suas áreas de atuação, visa proporcionar momentos de discussão sobre a economia do país, ampliando esse debate para as esferas política, econômica e institucional, com o intuito de submeter ao poder público propostas que redirecionem a política econômica para assegurar maior competitividade às empresas dos setores de comércio e serviços. Realizado pela primeira vez em 2013, o fórum tem entre os seus objetivos promover o desenvolvimento dos negócios do varejo no Brasil; disseminar informações inovadoras para que empresas e lojistas melhorem seus desempenhos e fortalecer canais que possam melhorar a per-

formance organizacional das empresas. O evento ainda se propõe a tornar-se referência como ferramenta de apoio ao autodesenvolvimento dos varejistas nacionais. Organizado pela CNDL, com realização da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) do Distrito Federal, o evento é direcionado a empresários e, sobretudo, aos representantes das 27 Federações Estaduais e as mais de 1.500 CDLs de todo o Brasil, com intuito de estimular o conhecimento de novas técnicas utilizadas para fomentar os negócios e a troca de informações e experiências, melhorando ainda mais a articulação institucional das entidades. Os interessados deverão se inscrever através dos contatos disponíveis no site do fórum www. forumnacionaldocomercio.org.br. O pacote inclui material e certificado de participação, duas diárias de acomodação, jantar de abertura e de encerramento, almoço e translado de chegada e de saída. Os valores ainda podem ser divididos em boletos mensais. No dia 24 estão previstos a recepção e o credenciamento dos participantes, cerimônia de abertura e jantar. Já no dia 25, acontecem os painéis: “O papel da UNECS (União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços) na melhoria do ambiente de negócios e comércio”; “O sistema financeiro e o desenvolvimento do varejo”; “Crescendo com a inovação”; e “O setor de comércio e serviço e a retomada do crescimento econômico”.

Fórum tem entre seus objetivos promover o desenvolvimento dos negócios do varejo 8 O LOJISTA n setembro 2017

Curso de liderança estratégica é destaque na CDL

A

Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói promove entre os dias 19 e 21 de setembro o workshop sobre “Liderança Estratégica para Formar Equipes de Alto Desempenho”. O curso, dividido em dois dias, com duração total de oito horas, é voltado para empresários, gerentes, supervisores e demais profissionais que estão sendo preparados para assumir um cargo de liderança.

A consultora Lúcia Gadelha com o presidente da CDL Fabiano Gonçalves O curso será ministrado na sede da entidade, na Rua General Andrade Neves, 31, 5º andar, no Centro de Niterói, e é uma grande novidade que faz parte da missão da CDL de oferecer a melhor qualificação para os empresários da cidade e seus colaboradores. O investimento é de R$ 350, com 15% de desconto para associados. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail comercial@cdlniteroi.com.br ou através do telefone (21) 2621-9919. Os painéis estão divididos pelos temas: A evolução dos modelos de gestão e liderança; Os novos paradigmas organizacionais; O papel do gestor-líder; Alinhamento com a estratégia organizacional e planejamento da empresa; Principais aspectos da liderança situacional; Competência do líder no processo de gestão; Autoconhecimento visando à excelência profissional; Estilos gerenciais predominantes na liderança; Processo de comunicação na gestão participativa; e Regras básicas para delegar tarefas.


EVENTOS

CDL promove 1º Workshop de Segurança Condominial e Empresarial de Niterói

A

Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói, junto com o 12º Batalhão de Polícia Militar, outras entidades representativas do comércio, sindicatos e conselhos regionais, promoverão em setembro o 1º Workshop de Segurança Condominial e Empresarial do município. O curso acontece entre os dias 25 e 29, no auditório da entidade, na Rua General Andrade Neves, 31, no Centro. A capacitação é voltada para porteiros, zeladores, síndicos e subsíndicos, auxiliares de serviços gerais e vigilantes, mas está aberta a todos os interessados. O curso será realizado das 9h às 12h20 na segunda, quarta e sexta-feira, e das 14h às 17h20 na terça e quinta-feira. As inscrições podem ser feitas até o dia 15 de setembro, no setor de comunicação (P5) do batalhão de Niterói, ou na cerimônia de abertura que acontecerá na sede da entidade no dia 22, às 18h. São 180 vagas por dia, e para participar é necessário apresentar identidade, CPF, comprovante de residência e doar um quilo de alimento não perecível. Os temas abordados são: Segurança do Trabalho, apresentado pelo Sindicato dos Condomínios Comerciais, Residenciais e Mistos de Niterói e São Gonçalo (SinCond); Aspectos Jurídicos e Exercício Ilegal da Profissão, ministrado pelo Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci); Qualidade no atendimento, com presença do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae); Primeiros Socorros, com colaboração do Corpo de Bombeiros; e Segurança Pública, com informações e dados do 12º BPM.

Conferência Anprotec de Empreendedorismo e Ambientes está com inscrições abertas

C

onsiderado o maior encontro de empreendedorismo inovador da América Latina e um dos maiores do mundo, a Conferência da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) acontece entre os dias 23 e 26 de outubro, no Centro de Convenções Sul América, na Cidade Nova, no Rio de Janeiro. Em sua 27ª edição, o evento terá como tema “Inovação e empreendedorismo transformando cidades”. Realizada pela Anprotec e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), em parceria com o Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com a proposta de discutir o papel a ser desempenhado por ambientes de inovação e mecanismos de geração de empreendimentos no Brasil e no mundo, a conferência está com inscrições abertas. Para participar basta acessar o site do evento conferenciaanprotec.com. br, nele estão disponíveis os valores e toda a programação de minicursos, workshops e dos painéis de debate.

CDL NITERÓI 9


CDL JOVEM

Multifranqueado:

determinação para tornar-se um

Por Roberta Rocha Diretora da CDL Jovem Niterói

S

er um multifranqueado significa ter várias franquias que podem ser da mesma marca ou não, podendo, até mesmo, ser empresas de setores diferentes. Segundo um relatório da Associação Brasileira de Franchising (ABF), essa é uma realidade consolidada nos EUA e na Europa e que passou a ter mais expressão no país. No Brasil, este ainda é um movimento recente e que indica a profissionalização do franchising. Para os estudiosos da área, a tendência é que o Brasil tenha cada vez mais multifranqueados. “É uma tendência de mercado concentrar várias operações nas mãos de multifranqueados. Vale ressaltar que isso não significa que os franqueados individuais vão perder espaço”, diz Guilherme Siriani, sócio-diretor da consultoria BA Stockler.

Sim eu quero! Porque ser um multifranqueado? De forma geral, ter várias franquias é uma vantagem para o empreendedor, já que consegue, assim, profissionalizar a gestão, criar uma estrutura comum de RH e financeiro, por exemplo, e também potencializar seus ganhos. “Além do faturamento maior, ele ganha também em escala e negociação, seja em logística, campanhas de marketing e até taxas da franqueadora”, conta o especialista. Do ponto de vista da franqueadora, ter um mesmo franqueado administrando várias unidades significa ter uma rede mais forte, já que os multifranqueados costumam ser bons parceiros de negócio uma vez que em razão da necessidade de atuação, possuem estrutura mais embasada e forte para lidar com várias operações e costumam reservar territórios para investir. WOW! Os desafios de ser um multifranqueado A responsabilidade de gestão do negócio está na mão do franqueado, apesar de ter a franqueadora na retaguarda. Por isso, ser multifranqueado traz também muitos desafios que o empreendedor precisa enfrentar todos os dias. Um deles é construir uma estrutura de BackOffice [suporte] sólida, que sirva de apoio e ajude a administrar vários negócios, que muitas vezes estão em endereços distintos e até em setores diferentes. Os multifranqueados costumam investir em áreas de administração, contabilidade, RH e 710 O LOJISTA n setembro 2017

treinamento para que a operação possa girar mais rápido e dentro da necessidade específica de cada negócio. Outro desafio está relacionado a saber delegar. Com várias unidades, o franqueado nem sempre consegue estar no dia a dia das operações. Por isso, ele deve buscar gerentes capacitados para cumprirem seu papel na franquia. Sem saber delegar, ele tem muitas chances de não conseguir administrar todos os seus negócios. E atrelada a isso, está a necessidade de investir em muito treinamento e capacitação, o que nem sempre é fácil. Além de tudo isso, antes de entrar em várias redes diferentes, o franqueado também precisa se certificar de que a franqueadora está pronta para lidar com um perfil como o dele, precisa estudar sobre a área, conhecer seu público-alvo e verificar se os outros contratos permitem atuação naquele mercado. Para ser um multifranqueado é importantíssimo considerar o seguinte: 1. Avalie se pretende investir no mesmo setor e para isso é fundamental consultar seu público, ou se pretende investir em setores diferentes, para isso, procure bons parceiros 2. Você precisa criar uma estrutura de apoio, (RH, contabilidade, DP, etc) para todas as unidades, garantindo um ganho de escala; 3. Capacitar para poder delegar: é essencial para que as franquias tenham sucesso mesmo sem a presença constante do franqueador; 4. Entenda se a rede que você quer entrar está pronta para lidar com franqueados que já controlam várias unidades. 5. Faça planejamento, ele é a chave para a sustentabilidade do crescimento; 6. Estude sobre a região onde pretende implantar sua franquia, converse com sua franqueadora e se preciso, adapte-se ao local de atuação. Prepare-se e vá em frente! Se depois de avaliar todas as questões aqui tratadas, você entendeu que o trabalho é árduo, constante, cansativo e exige muita dedicação, mas também entendeu que é um caminho de movimentação, prosperidade e realização, reúna todas as suas forças, arregace as mangas e vá em frente!


Banco é responsabilizado por repasse de cédula falsa a cliente Por Alexandre Andrade Assessor Jurídico CDL Niterói www.pereiradeandrade.adv.br

C

onfesso aos leitores que até me deparar com o título dessa matéria não tinha pensado na possibilidade de receber notas falsas retiradas de um caixa eletrônico mantido, instalado e manuseado apenas pela instituição financeira da qual sou cliente e pior, a responsabilidade pelo repasse das notas falsificadas ser atribuída a mim. É de dar frio na espinha. Tenho certeza que até os mais controlados e personalidades reconhecidamente serenas não passam incólumes aos turbulentos pensamentos gerados pela possibilidade de se ver envolvido em situação semelhante, no mínimo absolutamente desagradável. É uma circunstância em que você, cidadão comum, consumidor final, poderá ter que reunir meios de provar que houve negligência na prestação de serviço prestado pelo Banco. O pior é que já existem regras específicas previstas pelo Banco Central do Brasil e pelo Conselho Monetário Nacional da forma de se proceder no caso de receber uma cédula suspeita de um terminal de auto-atendimento ou caixa eletrônico, o que nos leva a crer que a ocorrência de situações similares é constante.

A justiça já vem sendo convocada a se manifestar a respeito. Foi o que aconteceu na 3ª Câmara de Direito Civil de São Paulo que analisou o pedido de uma consumidora que sacou um valor para realizar pequenos pagamentos e foi surpreendida com a informação de que suas cédulas eram falsas. Depois de fazer o pagamento e voltar para sua residência foi surpreendida com ligação informando-lhe que usara uma nota falsa - justamente uma das que havia sacado no terminal do banco. A consumidora em razão disso foi compelida a assinar um documento para apuração da ocorrência de cédula falsa, que foi encaminhada ao Banco Central para averiguações, além de ter seus pagamentos estornados. O banco alegou em Juízo não ter responsabilidade por ser instituição estranha àquela que causou o suposto abalo moral, e que não há prova de que a nota falsificada tenha efetivamente saído de um de seus postos de autoatendimento. Contudo, o relator, desembargador Saul Steil, não acolheu tais argumentos. Ele considerou que as provas levam

Marcos Santos-USP Imagens

JURÍDICA

à conclusão de que os fatos narrados pela autora são verídicos. Para o magistrado, caberia ao réu a produção de provas capazes de extinguir, modificar ou impedir o direito da autora, todavia ele não colacionou aos autos quaisquer documentos ou provas capazes de eximi-lo. “Estabelecidas estas premissas, evidenciado está o ilícito praticado pelo requerido, uma vez que é de responsabilidade das instituições financeiras a conferência da autenticidade das cédulas que circulam em dispositivos sob seu domínio, não se podendo transferir este ônus aos clientes que, por certo, carecem de conhecimentos técnicos necessários para tanto”, explicou o desembargador. A decisão foi unânime (Apelação Cível n. 0001029-85.2010.8.24.0036), e o montante indenizatório estabelecido em R$ 25.000,00. A grande questão a se levantar é: em que podemos confiar? Na minha santa ingenuidade cheguei a imaginar que essa movimentação feita através do caixa automático seria segura. Aliás, pensava que as transações realizadas dentro do ambiente bancário eram seguras. O que mais vamos testemunhar?

CDL NITERÓI 11


MARKETING DIGITAL

As empresas estão cada vez mais apostando nas mídias sociais para alavancar os negócios

A pesquisa é a melhor estratégia nas redes sociais

A

tualmente, a internet está incorporada à vida das pessoas de tal forma que é praticamente impossível fazer qualquer coisa sem ela, quase tudo passa pela rede. É cada vez mais difícil conhecer pessoas desconectadas de seus celulares, com o mundo ao alcance das mãos. E no ramo empresarial não é diferente. Com a tecnologia a cada dia mais avançada e inovadora, as empresas estão cada vez mais apostando nas mídias sociais para alavancar seu negócio e fazer com que o seu segmento fique em maior evidência. Mas será que as empresas sabem usar esse artifício tão poderoso da maneira correta? Para atender essa demanda crescente, nunca se falou tanto em Marketing Digital - conjunto de estratégias voltadas para a promoção de uma marca na internet. Ele se difere do marketing tradicional por envolver o uso de diferentes canais on-line e métodos que permitem a análise dos resultados em tempo real. O marketing digital surgiu na década de 1990, e mudou a maneira de como as empresas utilizam a tecnologia na promoção de seus negócios. O termo vem se tornando cada vez mais popular à medida que as pessoas passaram a utilizar mais dispositivos digitais no processo de compra, seja para pesquisarem sobre os produtos ou realizar as compras de fato. 12 O LOJISTA n setembro 2017

Um estudo recente feito pela mLabs, empresa de gestão de redes sociais, apontou que as empresas presentes nas redes têm usado mais o Instagram do que o Facebook, devido a sua efetividade em engajamento, às famosas e desejadas curtidas, comentários e compartilhamentos. Foi constatado no estudo que o Facebook, apesar de ter mais cliques nas publicações, não tem métricas de engajamento tão elevadas como o Instagram. Para dar dicas para as empresas sobre como usar as mídias e o marketing digital da melhor forma e obter bons resultados, conversamos com o consultor e professor de Marketing de diversas universidades no Rio de Janeiro, João Vitor Rodrigues. De acordo com ele, o investimento em internet e em mídias sociais não conseguirá atingir todo o seu público-alvo sem a mais importante ferramenta para se posicionar no meio digital: a pesquisa. Como o pequeno e médio empresário podem se posicionar no meio digital, e qual a importância de acompanhar o avanço da tecnologia e esse novo público “hiperconectado”? A pesquisa é extremamente importante para conhecer os hábitos de compra do seu público na internet. Com o estudo em mãos, a empresa tem como saber quais platafor-


MARKETING DIGITAL

mas de mídia ele usa, com que frequência, qual a forma de busca na internet e o que o interessa ver e acompanhar. Para o pequeno ou médio empresário, antes de investir em mídias sociais, é importante que ele procure antes conhecer muito bem o seu público para traçar a estratégia mais adequada. Não é criando canais e páginas em todas as mídias sociais que você vai ter sucesso e sim, escolhendo aquelas mídias que vão te auxiliar a atingir seus objetivos. Não é necessário um investimento alto em pesquisa, atualmente há muitas consultorias que prestam esse tipo de serviço com preço adequado para o tamanho das empresas. Além disso, se o empresário tiver conhecimento de pesquisa e a capacidade de fazer uma boa análise de mercado e da relação dos seus produtos e serviços com as tecnologias digitais, ele também pode fazer isso por conta própria.

avaliações desse conteúdo, do relacionamento com o público e etc. A empresa não deve estar em todas ou em mais de uma mídia social porque os concorrentes estão ou todas as outras marcas estão. Nesse jogo estratégico é mais inteligente e obtém melhores resultados, quem tem um bom planejamento estratégico e o executa da forma mais adequada para aumentar seu resultado.

É realmente importante comprar espaço de anúncios nas redes sociais? Esse investimento tem retorno a curto, médio ou longo prazo? Em quase todas as mídias sociais a empresa precisa investir em anúncios. Pode acontecer de uma determinada “A empresa deve estar instituição realizar um trabalho extraornas mídias onde o dinário com produção de conteúdo e relacionamento e conseguir o engajapúblico dela está” mento e a conversão do público, mas isso são casos excepcionais, a melhor João Vitor Rodrigues, maneira e a mais eficaz são os anúncios. Consultor e professor Os resultados dependem do tipo de Como o empresário deve escolher as de marketing produto ou serviço que você oferece. As mídias que deseja usar? empresas que trabalham com E-comApós entender o comportamento do seu público em relação ao uso dessas tecnologias, a esco- merce podem trazer resultados à curto prazo; investimenlha de qual mídia social a ser utilizada é a última etapa do to em branding, por exemplo, para venda de serviços, conseguem resultados a médio ou longo prazo. processo de planejamento para entrar no mundo digital. A empresa pode estar em mais de uma rede? Sim, mas não necessariamente deve estar em todas. A empresa deve estar nas mídias onde o público dela está, onde há maior probabilidade de conseguir atingir seus objetivos de negócios. Ele deve estar nas mídias em que for capaz de desenvolver um bom trabalho e é muito interessante contratar uma agência de consultoria especializada e experiente para produzir conteúdo, realizar análises e

Nessa nova era de mercado, como o E-commerce e as redes estão moldando esses comportamentos? As redes estão contribuindo para que o consumidor esteja cada vez mais informado, mais conectado com as marcas e os produtos, em diferentes plataformas e momentos. Portanto, não é a tecnologia que deve orientar a estratégia, mas principalmente um profundo conhecimento do público-alvo.

CDL NITERÓI 13


CAPA

14 O LOJISTA n setembro 2017


CAPA

CDL NITERÓI 15


CAPA

Multifranquias

trazem oportunidades de crescimento

O

segmento de franquias tem crescido, apesar da atual situação econômica do país. E em ambiente de instabilidade, dar continuidade aos negócios apostando no sistema de multifranquias é uma forma de investir em expansão com segurança, podendo contar com o auxílio da rede. Ser multifranqueado não significa necessariamente ter várias lojas da mesma rede, mas sim investir no segmento de franquias, muitas vezes diversificando com empreendimentos de outros setores. No entanto, essa escolha dependerá do potencial de negócios do gestor e da aceitação da rede de franquias. A projeção da Associação Brasileira de Franchising Rio de Janeiro (ABF Rio), associada às expectativas do mercado para o ano de 2017, com crescimento do PIB em 0,34% e inflação abaixo do centro da meta, em 3,45%, reforça a trajetória atual e a manutenção da intenção de crescimento do setor este ano, que deve ficar entre 7% e 9%. Segundo a presidente da ABF Rio, Eliane Bernardino, o empenho das marcas por buscar franqueados interessados em administrar várias unidades tem se intensificado, isso porque os empresários com esse perfil agregam conhecimentos de gestão mais avançados e maior disponibilidade de capital, o que agiliza o processo de expansão das redes com segurança. Além disso, incluir multifranqueados como público-alvo também é uma estratégia de oxigenação das redes, ao trazer um empresário com a visão e experiência de outros ramos. De acordo com a associação, o mercado de franquias brasileiro registrou um crescimento nominal de 6,8% no segundo trimestre deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado. O faturamento de abril a junho passou de R$ 35,180 bilhões para R$ 37,565 bilhões. “Embora o índice registrado no segundo trimestre de 2016 (crescimento de 8,1%) seja maior do que o deste ano, considerando-se a inflação (o IPCA acumulado de 12 meses foi de apenas 3%), o resultado foi superior, apontando ganhos significativos frente a um panorama macroeconômico ainda desafiador. Considerando-se períodos mais longos, de 6 e 12 meses, nota-se que o setor mantém um ritmo de crescimento nominal moderado na casa dos 8%”, explica Eliane Bernardino. 16 O LOJISTA n AGOSTO setembro 2017 2017

Para os empresários Sérgio Teodoro e Cristiane Salkini, franqueados do Rei do Mate e Kopenhagen, a opção pelas marcas se deu pela tradição e seriedade dos produtos e das redes. O investimento começou em 2000, com o Grupo CRM (Kopenhagen), e, em 2005, eles decidiram ampliar o mercado apostando em outra marca do segmento de alimentação, o Rei do Mate. “Com a Kopenhagen, começamos com uma loja no Shopping Itaipu Multicenter e depois ampliamos. Atualmente são quatro lojas em Niterói: uma em São Francisco, duas em Icaraí e mais a do shopping na Região Oceânica. Já com a Rei do Mate, a primeira franquia foi aberta em Icaraí, depois inauguramos outras lojas em Niterói e duas no Rio de Janeiro. São marcas muito consolidadas no mercado,e isso contribui favoravelmente para quem busca abrir franquias”.

Estar consolidado no mercado é fundamental para expandir “O franqueador sempre vê com ‘bons olhos’ a expansão do seu franqueado na rede, desde que ele atue rigorosamente dentro dos padrões da Marca”, destaca a empresária Cristiane Salkini, que ainda orienta os interessados em se tornarem multifranqueados a estar com sua primeira operação totalmente consolidada; expandir dentro da própria marca; buscar abrir operações de marca do mesmo segmento para aproveitar o conhecimento adquirido na gestão; oferecer oportunidades de crescimento aos funcionários e tentar expandir levando em consideração o aspecto da distância das lojas para otimizar o tempo entre as operações. A ABF considera dois tipos de multifranqueados: o “multi-unidade”, que são aqueles que têm mais de uma unidade de uma mesma rede; e o “multi-bandeira”, que têm mais de uma unidade de marcas diferentes. De fato, diversificar setores é mais custoso, porém ajuda a dispersar riscos. Logo, segundo a associação, é preciso fazer uma análise caso a caso de quando essa estratégia vale realmente a pena. “É preciso haver um cuidado para que sejam respeitadas as cláusulas de confidencialidade no caso de um fran-


CAPA

queado multi-bandeira. Também é fundamental lembrar que os diferentes contratos de franquia de um mesmo franqueado ou grupo não podem ser entre marcas que sejam concorrentes entre si. Ou seja, um franqueado que tem uma franquia de uma loja de chocolates pode ter uma franquia de comida chinesa, ou pizzaria, ou de escola de idiomas, mas nunca duas marcas do mesmo ramo de negócios, porque normalmente as empresas franqueadoras têm restrições a isso”, ressalta a presidente da ABF Rio. A consolidação da primeira loja é determinante para que o empresário amplie o número de franquias. De acordo com Eliane Bernardino, os conhecimentos de gestão e delegação de tarefas devem estar bem desenvolvidos, isso porque o empresário, dificilmente conseguirá ter a mesma presença de antes. Logo, a equipe deve realizar este papel, por mais que o empreendedor continue na supervisão. Outro fator chave destacado pela presidente da associação é a questão financeira: “Mais unidades demandam um maior fluxo de caixa, de forma que o empreendedor já deve ter um ativo financeiro mais desenvolvido. E no caso de franqueados multi-bandeira, por mais que haja sinergia, ele deve ter cuidado para não misturar ou desvirtuar a identidade das marcas com as quais opera”. O desafio de ter uma equipe engajada também é comentado pela gestora Sandra Srour Plosk, responsável pela operação da rede de franquias O Boticário, em Niterói: “O desafio da multifranquia é ter uma equipe unida e engajada, que esteja constantemente sendo treinada e reciclada para o encantamento do cliente. Problemas financeiros atingem a todos, nossos funcionários são sensíveis a isso, pois vivenciam a crise econômica na vida privada, porém,

“O empenho das marcas por buscar franqueados interessados em administrar várias unidades tem se intensificado” Eliane Bernardino, presidente da ABF Rio

como vendemos a magia da beleza física e interior, precisamos todos os dias encantar o cliente”. Para Sandra, operar com diversas lojas da mesma rede pode ser mais confortável quando levado em consideração a possibilidade de dividir o risco do seu negócio. “Muitas vezes ocorrem problemas pontuais em uma loja e os clientes migram para a loja mais próxima quando são fiéis a marca. Entendo a importânciada solidez de uma marca, da sua seriedade e de sua relevância no mercado em que atua”.

Redes oferecem facilidades para quem pretende investir Segundo a ABF, muitas redes facilitam a aquisição de novas lojas com linhas de crédito ou condições comerciais mais atrativas. Outro incentivo comum é de que o franqueado assuma uma unidade em dificuldades – no sistema chamado de repasse de unidade –, o que favorece o dinamismo do setor e a permanência da marca no local. “Começam a aparecer casos também de redes que têm áreas ou grupos especializados nas tratativas com multifranqueados. Isso, porém é muito recente”, diz Eliane Bernardino.

CDL NITERÓI 17


CURTAS

Condutores passam a usar carteira de motorista eletrônica em fevereiro

O

Conselho Nacional de Trânsito (Contran) estabeleceu que a nova Carteira de Habilitação Eletrônica (CNH-e) começa a valer a partir de fevereiro de 2018. O documento é opcional, uma vez que a habilitação impressa continuará a ser emitida, mas terá a mesma validade da habilitação física, trazendo facilidades aos motoristas, que poderão ter acesso ao arquivo digital da CNH por meio de seus próprios telefones celulares. Os interessados deverão fazer um cadastro no portal do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) ou no balcão do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), com uso de um certificado digital, e a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói está apta para auxiliar os condutores na retirada desse certificado. O serviço, oferecido a pessoas físicas e jurídicas pela CDL, possibilita a emissão do e-CNPJ, versão digital do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, o e-CPF, versão digital do Cadastro de Pessoa Física. O tempo de vigência do documento é de um a até três anos, conforme escolha do condutor. Para a implantação da versão digital da CNH, um aplicativo para aparelhos do tipo smartphone foi desenvolvido pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro). Com ele, os agentes de trânsito poderão checar os dados dos documentos, através da leitura do QRCode (do inglês, Código de Resposta Rápida). Assim, o condutor que tiver aderido ao modelo digital poderá apresentá-lo a qualquer autoridade de trânsito, evitando multas caso tenha esquecido ou perdido o documento impresso.

18 O LOJISTA n setembro 2017

Desemprego

cai em todas as regiões

O

desemprego no Brasil fechou o segundo trimestre do ano com retração em 11 das 27 unidades da federação. Segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa, que ficou em 13%, representa 13,5 milhões de pessoas sem ocupação. Houve quedas em todas as grandes regiões. A exceção foi o Nordeste onde, embora tenha havido retração de 16,3% para 15,8%, técnicos consideram que há estabilidade. Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) relativa a abril, maio e junho, comparativamente ao trimestre imediatamente anterior. Os dados indicam que o desemprego no Sudeste passou de 14,2% para 13,6%. Para o total do país, o desemprego caiu de 13,7% para 13%. (Com EBC) Pedro Ventura-Agência Brasília


CURTAS

Pesquisa mostra mudança no hábito de comprar

Pesquisa mostra confiança dos empresários no crescimento da economia

U

ma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com varejistas e prestadores de serviços mostra que para 39% dos empresários a economia irá crescer no segundo semestre. O levantamento foi feito com 822 empresários de todos os portes dos segmentos de comércio e serviços nas 27 capitais e no interior. Para 43% dos entrevistados, o segundo semestre será melhor para a economia do que o primeiro, e 38% acham que será igual. Entre os 8% que acreditam que o cenário será pior, as principais consequências serão a dificuldade de manter as contas em dia (27%), a necessidade de reduzir o estoque de produtos (22%) e a dificuldade em economizar e fazer reserva financeira (22%). Já quando indagados sobre o cenário do segundo semestre para suas empresas, 56% dos varejistas acreditam que será melhor do que foi nos primeiros seis meses, e 47% esperam que o volume de vendas da empresa seja maior. Entre os 6% que consideram que o semestre será pior para seu negócio, os principais motivos são acreditar que o cenário econômico seguirá ruim e, portanto, atrapalhará os negócios (49%) e porque as vendas estão ruins (39%). (Com SPC Brasil)

Conheça os novos

associados da CDL Niterói a Lla Material Eletrico E Hidraulico Eireli Me / Marechal Eletrica a De Luca Assistencia Medica Ltda Me a Nair Maria Assef De Souza / Hari Atelie a Agatha Allan De Moraes / Cerejeira a Mega Point Var E Restaurante Eireli a Escola Canadense Educação Gliobal Ltda / Maple Bear Canadian a Cafugaz Comercio De Gas Ltda Epp a Condominio Do Edificio Residencial Start a Contraprova Analise, Ensino E Pesquisa Ltda

O

Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes lojistas (CNDL) entrevistaram 673 internautas das 27 capitais sobre o hábito de comprar pela internet. A pesquisa, divulgada em agosto, revela que 22% dos consumidores brasileiros que realizaram alguma compra pela internet no último ano, possuem o hábito de utilizar sites e aplicativos de descontos. De acordo com o levantamento, pratos em bares e restaurantes (48%), comidas delivery (39%) e itens de vestuário, calçados e acessórios (33%) são os produtos mais comprados em sites ou aplicativos exclusivos de oferta de descontos. Em média, o valor das compras realizadas nestes sites é de R$ 246. Na comparação com os anos anteriores, 52% consideram ter diminuído a frequência de compras nesses sites e aplicativos, e 25% mantiveram a mesma quantidade. Seis em cada dez entrevistados (61%) usufruíram de todos os cupons e/ou descontos adquiridos, mas 40% já deixaram de utilizar algum. Entre os produtos que foram comprados e não utilizados estão: passagens (27%), pacotes de viagem (25%) e cursos (23%). O principal motivo para deixar de usar o cupom/desconto é a expiração do prazo (43%). Já entre os que utilizaram ao menos um dos cupons adquiridos, 78% ficaram satisfeitos com os produtos e serviços, ao contrário dos 22% que não ficaram. Para estes, o principal problema foi o atendimento do lugar, que deixou a desejar. (Com SPC Brasil)

Região Metropolitana ganha novo mapa

A

Câmara Metropolitana do Rio de Janeiro elaborou um novo mapa da região. O levantamento apresenta dados de insfraestrutura, transporte, ocupação do solo, além de áreas de risco de todas as cidades incluídas na Região Metropolitana do Estado do Rio: Belford Roxo, Cachoeiras de Macacu, Duque de Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Itaguaí, Japeri, Magé, Maricá, Mesquita, Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu, Paracambi, Queimados, Rio Bonito, Rio de Janeiro, São Gonçalo, São João de Meriti, Seropédica e Tanguá. A proposta é de que o mapa se consolide como instrumento para formulação de políticas públicas, pois através dele será possível analisar melhor o modelo de ocupação do território metropolitano, assim como as áreas com maior densidade populacional, permitindo uma análise mais dinâmica e abrangente de como e para onde levar os investimentos. CDL NITERÓI 19


20 O LOJISTA n setembro 2017


CONSULTOR DIGITAL

Franqueando um novo olhar empreendedor Por Antonio Carlos Barragan Advogado Contador; consultor empresarial; professor de Direito Digital, Direito Tributário, Direito Financeiro e Perícia Contábil; mestre em Direito Econômico e Desenvolvimento; especialista em Direito Digital e pós-graduado em Direito Público.

E

m franco crescimento, ainda que em tempos de crise, está o mercado brasileiro de franquias (também denominado “franchising”). Aquele formato empresarial tem resistido a muitas crises e tem demonstrado ser uma opção para o empresariado brasileiro na busca por bons resultados baseados no trabalho em rede. Destaca-se que a fórmula da franquia permite maior capacidade de franqueadores e franqueados obterem ganhos com marcas que apresentam bons produtos ou serviços e atendimento de alto nível. Além disso, a franquia também gera maior flexibilidade e capacidade de negociação com os fornecedores. Neste cenário, merecem relevo as figuras da master franquia e do multifranqueado. No que se refere à master franquia, percebe-se que ela revela o modelo de negócios que se baseia no suporte disponibilizado pelo master franqueado para aos demais franqueados (franqueados comuns). Tal modalidade permite à franqueadora optar pela concessão de mais ou me-

nos direitos e obrigações ao master franqueado, que passa a ser um franqueado com mais qualificação na rede da franquia. Diante disso, o master franqueado servirá de ponto de suporte da franqueadora, em determinada região, para a obtenção de novos franqueados e o treinamento e suporte dos franqueados que já estejam em operação. Neste contexto, o master franqueado aporta um investimento maior que o franqueado comum perante a franqueadora – é efetuado o pagamento da Taxa de Master Franquia –, tendo, em contrapartida, a participação das receitas geradas no território em que atua. Noutro giro, há o multifranqueado (ou franqueado profissional, como alguns denominam) que se caracteriza como a modalidade de franquia em que o franqueado tem mais de uma unidade de franquia da mesma marca ou de marcas de redes distintas. Nesta linha de entendimento, o multifranqueado se distingue do master franqueado, porquanto somente

opera em suas unidades sem possuir qualquer atuação na busca de novos franqueados ou na gestão e suporte das unidades de outros franqueados já em operação. A multifranquia tem apresentado um bom crescimento, haja vista a confiança e o bom resultado que algumas marcas franqueadas têm gerado para os seus franqueados, levando-os a optarem por aquela nova modalidade de franquia. Assim, aqueles franqueados passam a expandir os seus negócios assumindo mais de uma unidade da mesma marca. Por concluir, é possível afirmarmos que, diante das opções de negócios que o mercado atual apresenta, a master franquia e a multifranquia surgiram como bons caminhos para a inovação ou expansão das atividades empresariais. Portanto, siga em frente, inove e faça bons negócios!

CDL NITERÓI 21


VESTIBULAR 2017

FAÇA SUA MATRÍCULA COM

BOLSAS DE ESTUDO DURANTE

TODO CURSO

VÁLIDO TAMBÉM PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA E EX-ALUNOS QUE NÃO CONCLUÍRAM SEUS ESTUDOS

*Oferta válida apenas para evadidos a mais de um ano e apenas para os alunos que se matricularem nos cursos da modalidade presencial a partir do dia 10/0 de 2017.2 (agosto e setembro) serão exigíveis, a partir do mês imediatamente subsequente a conclusão do curso (prazo regular de conclusão do Curso) matrícula). Caso o aluno tranque, cancele, abandone ou desista do curso antes da conclusão, ocorrerá imediatamente o vencimento antecipado das mensalida as mensalidades de julho, agosto e setembro de 2017 (dependendo do mês em que for feita a matrícula). Para as demais mensalidades do curso a partir do m bolsa de estudos no percentual de 40% (quarenta por cento) para o curso de Odontologia e 60% (sessenta por cento) para os demais cursos, exceto o Cu Medicina. Após aplicação do percentual de desconto da bolsa, se o valor líquido da mensalidade for inferior a R$ 300,00 (trezentos reais), o beneficiado de unidade. As mensalidades não contempladas por essa oferta deverão ser quitadas, mensalmente, conforme datas previstas no Contrato de Prestação de educacionais. Consulte as condições da oferta no momento da contratação. A oferta não é válida para o curso de Medicina. A oferta não é cumulativa com o sujeitos a disponibilidade de 2017 vagas e a formação de turmas, conforme descrito no edital do processo seletivo. Estas condições podem ser alteradas sem avis 22 O LOJISTA n setembro


CONSULTOR DIGITAL

As mensalidades de julho e agosto você paga só depois de formado. UNIDADE NITERÓI: (21) 3803-0664 Rua Visconde do Rio Branco, 123, Centro - Niterói

08/2017 até 15/09/2017, para cursar o segundo semestre de 2017 (2017.2). As mensalidades, de julho de 2017 até o mês em que for efetuada a matrícula ) acrescidas de correção monetária anual pelo IPCA, desde a data de vencimento da respectiva parcela ( julho, agosto e setembro, dependendo do mês de ades proteladas, devendo o aluno quitá-las no prazo máximo de 30 dias, contados da ocorrência de um destes eventos. Esta oferta abrangerá exclusivamente mês subsequente em que a matrícula for realizada no 2º semestre de 2017, será aplicada sobre o preço bruto das mensalidades, durante todo o curso, uma urso de Medicina. Para as unidades de Jequié/BA e Bom Jesus da Lapa/BA o percentual de bolsa é de 25% (vinte e cinco por cento), exceto para o curso de everá pagar o valor mínimo de R$ 300,00 (trezentos reais), nunca menos que esse valor. O candidato deve verificar a quantidade de bolsas disponíveis na e Serviços Educacionais, aplicável a cada semestre letivo. O valor da mensalidade sofrerá reajuste anual nos termos do contrato de prestação de serviços outras bolsas, descontos, ofertas ou financiamentos estudantis públicos ou privados, exceto bolsa para Ex alunos e Transferência Externa. Os cursos estão so prévio. CDL NITERÓI 23


MARKETING OLFATIVO

Sucesso nas vendas tem como aliada a memória afetiva

E

ntrar em uma loja e sentir aquele cheiro que remete à sua infância, família ou que te lembre um momento muito especial... Isso é possível! As empresas estão cada vez mais investindo na climatização através de perfumes exclusivamente produzidos para o seu negócio, e o nome dessa inovação é marketing olfativo. O uso dessa técnica pode marcar a experiência de compra e ser uma nova maneira de identificar os produtos ao estimular um dos sentidos mais sensíveis do consumidor, o olfato! Os americanos foram os primeiros a fazerem do aroma um aliado, usando-o para manter os apostadores mais tempo diante das mesas de jogos nos cassinos de Las Vegas, na década de 1970. No Brasil, esse é um conceito novo, iniciado na década de 1990 por alguns supermercados dispostos a atrair a atenção dos consumidores para as áreas de pouco tráfego ou para um novo produto em oferta. Há pelo menos três anos percebeu-se uma demanda mais significativa por parte do varejo, e a moda se instaurou. Milhares de aromas podem ser reproduzidos artificialmente, transformando-se em um instrumento de marketing na

24 O LOJISTA n setembro 2017

disputa pela fidelidade do consumidor. Especializada em marketing olfativo, a empresa Básico Aroma, fortalece a identidade de marcas corporativas por meio da criação de fragrâncias personalizadas. A ideia é trabalhar a memória afetiva dos clientes através do aroma, além de criar um universo de significados para a comunicação entre as marcas e o seu consumidor. Renata Silva, sócia-fundadora da Básico, destaca que nos dias de hoje, o sucesso do negócio está diretamente relacionado à experiência vivida pelo consumidor, ao invés do produto em si. Segundo ela, as empresas passam a levar em consideração as necessidades, expectativas e percepções dos clientes, e assim investem na experiência do consumidor para tornar a empresa mais competitiva no mercado. “Aromatizar é traduzir uma identidade, é criar uma gama de significados para a

“Aromatizar é traduzir uma identidade, é criar uma gama de significados para a marca” Renata Silva, sócia-fundadora da Básico Aroma


MARKETING OLFATIVO

marca, transportando o cliente para um sagem que a empresa quer passar para universo sensorial e conceitual. Os aromas o cliente, características do espaço a ser são ótimas ferramentas de marketing para aromatizado, entre outras. Algumas maras empresas construírem uma forte relação cas consultam seu público, outras apenas emocional com seus clientes, já que nossa a diretoria e equipe de marketing da prómemória olfativa é responsável, segunpria empresa. A escolha final deve desdo estudos, por 75% das nossas emoções. crever a marca e proporcionar aos seus Logo, se investimos na identidade olfativa e clientes, através de um ambiente aconreforçamos a marca, consequentemente, chegante, uma sensação de bem-estar, atraímos e fidelizamos clientes”, diz. gerando uma experiência prazerosa”, diz A Básico Aroma é a única no ramo a ter Renata. fábrica própria no Rio de Janeiro, com laQuando decidiu optar pelo marketing boratório e linha de produção de aromas. olfativo na sua esmalteria, Maíza NasciA empresa atua com clientes como Beach mento, se colocou no lugar de seus clienPark, Rede Windsor, Etna, FirstClass, Retes para ter certeza de que proporcioserva, Aquamar, Shop 126, entre outros. naria uma sensação única quando elas Renata pontua ainda, que a aromatização entrassem em sua loja. De acordo com “O retorno foi se tornou uma ferramenta essencial para expressado pelos elogios a empresária, há várias marcas no mera identificação e posicionamento das cado que ela consegue identificar pela das nossas clientes” marcas. fragrância e quis, então, trazer esse conMaíza Nascimento, “A essência desenvolvida será o DNA ceito para a Joséphine Esmalteria, localiproprietária da olfativo do empreendimento e a escolha zada em Icaraí, na Zona Sul de Niterói. A Joséphine Esmalteria não deve ser baseada em uma única opifragrância escolhida para sua unidade é nião. É importante analisar a predomia floral, bem delicada, em concordância nância do público e o perfil do cliente. As recordações ol- com o estilo de sua loja. fativas atingem 35% se comparadas aos demais sentidos”, “O retorno foi expressado pelos elogios das nossas explica. clientes. E foram tantos, que resolvemos até criar o aroA empresária conta que para que sua equipe de perfu- matizador da Joséphine, com a mesma fragrância, para a mistas inicie o processo de criação da identidade olfativa venda interna. Assim, as clientes tiveram a oportunidade é fornecido um briefing a ser preenchido pelo cliente com de ter nosso aroma em casa”, conta. todas as informações necessárias sobre a marca. Maíza ressalta ainda que o objetivo do investimento é “Para o desenvolvimento da identidade olfativa, nos que o ambiente de sua esmalteria seja extremamente acobaseamos nas informações fornecidas no briefing, como lhedor e que a cliente se sinta em casa enquanto tem seu o posicionamento da marca, perfil do público-alvo, a men- momento de cuidados.

CDL NITERÓI 25


COMÉRCIO EXTERIOR

Seguro empresarial: ter ou não ter? Por Jorge Elias Milhen Consultor de Comércio Exterior da CDL Niterói www.icontrade.com.br | jorge@icontrade.com.br

R

ecentemente em um encontro com empresários de diversos ramos, percebi certa preocupação, aparentemente comum a todos, no tocante à existência de uma quantidade excessiva de opções no mercado de seguros empresariais, e conversei com o especialista Michel Chamovitz, no ramo há mais de 20 anos, para buscar entender a questão. Também me motivou o fato de ter verificado, ao longo dos anos, negócios que simplesmente desapareceram da noite para o dia sem que qualquer seguro houvesse. Minha recordação mais intensa me remete às grandes e mortais enchentes que atingiram Nova Friburgo e Teresópolis há alguns anos. Além das dezenas de vítimas mortais, dezenas de negócios desapareceram com a força das águas. Segundo Chamovitz, o mercado caminha na direção de uma solução Tailor Made ou algo “sob medida”. São apólices empresariais que, para atender com maior precisão aos riscos ou inquietudes inerentes a determinados mercados, passam a contratar seguros de forma específica. Estes criam

26 O LOJISTA n setembro 2017

cláusulas adicionais para academias, bares e restaurantes, clínicas e consultórios, concessionárias, escolas, estética e beleza, hotéis e pousadas, pet shop e clínicas veterinárias e perfumarias, entre outras. Isso se dá, por exemplo, porque a quantidade de espelhos em uma academia ou em um salão de beleza geralmente é muito diferente da quantidade de espelhos em um pet shop. Apólices diferenciadas, como “lucros cessantes” e “seguro de perda ou pagamento de aluguel do imóvel” beneficiando locador e locatário são outras, entre muitas das soluções. Visto por esse ângulo, percebe-se que as seguradoras, ainda que possuam produtos de massa, estão cada vez mais caminhando na direção de apólices personalizadas. Esse fato é de fundamental importância para minimizar o risco do empresário atento a este movimento e que tem consciência de todos os seguros que existem. Agora que você sabe da existência desta possibilidade sob medida, a decisão está na sua mão de correr os riscos ou não. E de dormir mais tranquilo... Ou não. Sucesso!


28 O LOJISTA n setembro 2017

O Lojista Setembro  
O Lojista Setembro  
Advertisement