Page 1


ESPAÇO UNIMED Chegou em Icaraí, a mais nova unidade própria da Unimed Leste Fluminense, o Espaço Unimed.

Conheça nossos serviços: Ÿ pediatria Ÿ exames de imagem para crianças e

adultos Ÿ promoção à saúde Roberto Silveira, 387 - Icaraí - Niterói Tel: 2718 9200 Quem se protege do sol Central de marcação aproveita todos os dias de folia. de exames: Feliz Carnaval. 0800 079 7200 4020 7200


De Utilidade Pública: Estadual, Lei no 5579/65 / Municipal, deliberação no 2539/65

Palavra da Presidência

CONSELHO SUPERIOR Presidente: Joaquim Manuel de Sequeira Pinto Vice-presidente: Ademir Antunes Carvalho MEMBROS DO CONSELHO SUPERIOR Antonio Carlos Costa Pires, Domingos de Carvalho Rodrigue, Elida Gervásio Gouvêa, Ithamar Torres Mancen, José Dornas Maciel, Lúcio Ferreira de Azevedo, Manoel Alves Junior, Orlando Cerveira Francisco, Roberto Mauricio Rocha, Salomão Guerchon. Suplentes: Gentil Moreira de Sousa e Marina Espósito Haddad. DIRETORIA ADMINISTRATIVA Presidente: Fabiano Gonçalves Vice-presidente: Luiz Antonio Francisco Vieira Diretores: Fausto Regis de Oliveira Reis, Graciele Davince Pereira, Jorge Gentile, Mauricio Nassib Moita Zarife, Oswaldo Rodrigues Vieira, Rogerio Rosetti Mendes, Ruan Carlos Teixeira, Sidney Moyses Vianna Freire Suplentes: Alberto Guilherme Magalhães Ducan e Felipe Reis de Almeida Gerente Geral: Walter Monnerat CONSELHO EDITORIAL Fabiano Gonçalves, Joaquim Pinto e Walter Monnerat SERVIÇOS DA CDL Serviço de Proteção ao Crédito, Serviço de Relações com Usuários, Central de Informações, Central de Cadastro, Central de Processamento de Dados, Assessoria Técnica, Consultoria Jurídica, Serviço de Documentação e Divulgação e Serviço de Administração

Goldoni Comunicação (21) 2711-6459 | 3617-3334 www.goldonicomunicacao.com.br Coordenação Editorial: Kelly Goldoni - MTE: 34527/RJ Redação: Goldoni Comunicação Diagramação: Alyne Gama Capa: Alyne Gama Jornalistas: Lene Costa, Milena Bouças e Natássia Lima Fotos: Divulgação CDL Niterói

Publicação dirigida da CÂMARA DE DIRIGENTES LOJISTAS DE NITERÓI, contendo legislação, índices econômicos e condensado de notícias e informações de interesses do comércio lojista. Distribuição: Câmaras de Dirigentes Lojistas, Associações Comerciais, Federações do Comércio, Sindicatos e demais entidades de classe do País, identificadas com as atividades do comércio, bem como empresários e executivos especialmente cadastrados. O LOJISTA utiliza as seguintes fontes para editar o condensado de notícias: O Globo, Jornal do Commercio, A Tribuna, O Fluminense e Diários Oficiais. Os índices, estatísticas e projeções são cuidadosamente compilados, de acordo com os últimos dados disponíveis no fechamento da edição. O uso dessas informações para fins comerciais e de investimentos é de exclusiva responsabilidade e risco dos seus usuários. IMPORTANTE: As matérias assinadas são de responsabilidade de seus autores. Endereço para Correspondência Rua General Andrade Neves, 31, Centro, Niterói, RJ CEP: 24210-000 / Tel.Fax: (21) 2621-9919

Páscoa, a época mais doce do varejo brasileiro!

A

capa desta edição da revista O Lojista traz em sua matéria principal a Páscoa, que em 2016 será comemorada na penúltima semana de março. Esse adiantamento na celebração religiosa nos faz pensar em sua essência sublime, porque nela refletimos questões como comunhão, amor e fé, sentimentos tão necessários para todos os seres humanos. Para nós, que fazemos parte desta família lojista, esta data possui um significado muito grande, pois a entendemos como uma oportunidade de estarmos irmanados com os nossos familiares, amigos, colaboradores e, também, com os nossos clientes. Tenho por certo, que neste momento tão delicado política e economicamente, a expectativa do comércio para a data é bem consciente. E baseados nas análises de especialistas do setor varejista, esperamos um crescimento bem menor em relação às vendas, sobretudo, se compararmos com o ano passado. Além da Páscoa, nessa revista traremos diversas matérias que, de forma clara e objetiva, enriquecem nosso conhecimento e nos ajudam em nossa luta diária. Para tanto, abordaremos um assunto de extrema relevância, que é o cuidado com o atendimento ao cliente. Em nossa coluna Entrevista, o Consultor Estratégico Empresarial, Coach e diretor da Pro-Genth Talentos Humanos, José Carlos Coelho, falará sobre como o atendimento pode beneficiar o processo de fidelização do cliente com o produto ou serviço.

A alteração na Lei do ICMS também será tema de uma matéria nesta edição. Nosso Judiciário, por uma questão muito procedente, derrubou esta emenda que trazia severas perdas para empreendedores e consumidores do Brasil. Isso é uma vitória para nossa categoria! Não poderia deixar de mencionar nesse texto a reabertura da ponte que dá acesso à Ilha da Boa Viagem. Em se tratando de Niterói, este feito é visto por mim como um marco, já que aos 41 anos, morando nesta cidade, pude, pela primeira vez, contemplar a bela paisagem onde o passado se comunica com o presente de uma forma muito próxima. Por fim, espero que gostem da leitura! E tenham em mente que 2016 tem tudo para ser um ano de excelência e muita alegria! Até a próxima!

Fabiano Gonçalves Presidente

Impressão: Gráfica Power Print (21) 3078-4300 Circulação Mensal Nacional | Tiragem: 7.000 Exemplares

CDL NITERÓI

3


SUMÁRIO CAPA

22

O comércio se enfeita para a chegada do período mais doce do ano

03 Palavra da Presidência 08 CDL Participa 09 CDL Jovem 10 Matéria 11 Comércio exterior 12 Turismo 13 Segurança 14 Gestão empresarial

17 24 27 29 32 36 37 38

Café Empresarial

Matéria Fique atento

06 Primeiro Café Empresarial da CDL Niterói homenageia o Dia Internacional da Mulher

Leis tributárias

ESPECIAL

CDLs em ação

07 Parabéns às mulheres, que de sexo frágil não têm nada

Política

ENTREVISTA

18 Invista no atendimento do seu negócio e destaque-se!

Coaching

Nessa casa tem história

Fique por dentro

25 Elida Gervásio é homenageada em mais uma edição do “Nessa casa tem história”

Jurídica

Cidade

26 Acessibilidade para todos

Empreendedorismo

28 A doce trajetória da fábrica dos bolos de Maria Emília

Investimento

31 Niterói atrai investimentos para o mercado de beleza

Personalidade

18

4

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016

33 Restaurante Siri: a receita do sucesso

CIDADE

35 Niterói vive a expectativa da chegada das Olimpíadas Rio 2016


CDL NITERテ的

5


Café Empresarial

Primeiro Café Empresarial da CDL Niterói homenageia o Dia Internacional da Mulher

O

primeiro Café Empresarial de 2016 foi um grande sucesso! Cerca de duzentas pessoas se reuniram na sede da entidade, no dia 08 de março, que desta vez se vestiu de “rosa” para celebrar o Dia Internacional da Mulher. Além das diversas homenagens às mulheres presentes, o evento contou com a palestra ”A mulher e o empreendedorismo”, ministrada pela consultora do Sebrae, Elaine Von Seehausen. Como já é de costume, na abertura do acontecimento, o presidente da CDL Niterói, Fabiano Gonçalves, convidou os lojistas presentes a tomar seus assentos. Em seguida, após o rito de abertura e as apresentações, dando continuidade ao projeto “Nessa casa tem história”, da CDL Jovem, iniciado em 2015, a conselheira Elida Gervásio Gouvêa recebeu uma placa comemorativa. O Café Empresarial contou, ainda, com uma homenagem do presidente da entidade para sua esposa, Carolina Siggelkow.

6

Anuncio_BateoPé_Niteroi.indd 1

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016

No evento, as funcionárias da entidade também foram homenageadas “Aproveito a oportunidade para fazer uma homenagem para uma pessoa muito importante na minha vida. E digo, não é fácil ser a esposa de um político e presidente de uma entidade. São muitas horas fora de casa e ela é quem, além de ser professora universitária e arquiteta, consegue segurar a barra e cuidar das crianças e da casa. Por isso, deixo claro que se hoje consegui alcançar meus objetivos em minha carreira foi porque pude contar com a força da minha querida esposa. Muito obrigado meu amor!”, diz emocionado. Para finalizar em grande estilo, a palestrante falou sobre a evolução do papel da mulher no empreendedorismo. De maneira detalhada e descontraída, Elaine explicou como a mulher pode, a partir de procedimentos empreendedo-

res de comportamentos, conquistar seus objetivos. Neste dia tão significativo para as mulheres, ao finalizar sua palestra, a consultora deixou mensagem. “Meninas, continuem a luta! Já conquistamos muito, mas ainda temos muito a conquistar. Não podemos desaminar frente aos desafios. Só assim conseguiremos atingir a valorização, o respeito e o reconhecimento do papel da mulher”, finaliza. O Café da Manhã Empresarial acontece todas as segundas terças-feiras do mês, às 9h, no terceiro andar do prédio da CDL Niterói. Provando o compromisso da entidade com a qualificação dos empresários lojista e de serviço todos os meses o evento traz palestras que abordam assuntos de relevância e que são ministradas por especialistas. l

15/12/15 11:53


Especial

Parabéns às mulheres, que de sexo frágil não têm nada

P

ara muitas pessoas, o mês de março pode não ter grande representatividade. Já para outras, este mês pode ser muito significativo, pois nele muitos comemoram seus aniversários. Mas para as mulheres, este mês de 31 dias possui uma enorme importância. Afinal, é nele que, desde 1908, se comemora o Dia Internacional da Mulher. Certamente, um dia é pouco para homenagear essa incansável figura que, além de mãe, dona de casa e esposa, ainda consegue ser dona de sua independência financeira. A verdade é que desde que cerca de 1500 mulheres - abraçando uma causa em prol da igualdade econômica e política nos Estados Unidos - foram à rua em protesto, muita coisa mudou e a mulher passou a exercer um fundamental papel no contexto social. No entanto, ainda hoje, em plena era da tecnologia, liberdade do pensamento e de igualdade, esta classe, que representa a maior parte da população brasileira, vem quebrando tabus e ganhando espaços, sobretudo, no mundo dos negócios, antes ocupados apenas por homens. Sempre correndo atrás de sua independência, algumas mulheres encontram no empreendedorismo o caminho para se inserir no mercado de trabalho.

Levando tudo isso em conta, o destaque é infinito e aparecem desde as coisas mais simples até as mais complexas, mostrando que de sexo frágil, a mulher não tem nada! Prova disso são os resultados positivos que revelam trajetórias que servem de inspiração para muita gente. O presidente da CDL Niterói, Fabiano Gonçalves, afirma que o papel da mulher no mercado de trabalho é muito importante. Para ele, as multifacetas próprias da natureza feminina na administração da casa, dos filhos e do trabalho, fazem com que a mulher, a cada dia, desempenhe seu papel no empreendedorismo com muita garra e vontade de vencer. "Não é de hoje que a mulher, desde a dona de casa até a que ocupa um cargo mais alto, exerce um papel importante no mercado de trabalho. Em Niterói, podemos trazer inúmeras histórias que ilustram a força deste ser no empreendedorismo. A dona Henriqueta, da Gruta de Santo Antônio, é uma delas. Ela era costureira e, após o falecimento de seu esposo, teve que assumir o negócio para garantir o sustento de sua família. Hoje, com a ajuda dos filhos, o Chef Alexandre e Marcelo, e muito trabalho, transformou o lugar em um renomado restaurante de alta gastronomia", conta. l

CDL NITERÓI

7


CDL participa

S.O.S MARICÁ! CDL SE MOBILIZA PARA AJUDAR MORADORES

T

odo ano acontece a mesma coisa. Quando as fortes tempestades do fim do verão começam a cair, muitas pessoas veem seus sonhos, seus bens e tudo que levaram anos para construir sendo destruídos pela chuva. Infelizmente esse ano não foi diferente. Após a enchente que atingiu Maricá, moradores do Condomínio Carlos Marighela, em Itaipuaçu, sofrem com o rastro de destruição causado pelo temporal. O condomínio foi inaugurado em julho do ano passado. O fato dos 1472 apartamentos terem sido construídos, sem a devida drenagem e em uma área pantanosa, pode ter favorecido a tragédia. "Uma situação caótica, onde os moradores perderam muita coisa. Infelizmente anos de luta perdidos em instantes. Mas, ainda tem muita coisa para ser feita e todos nós podemos colaborar", completa o presidente da CDL Niterói, Fabiano Gonçalves. Dessa maneira, Fabiano em companhia dos diretores da CDL Niterói, Ruan Carlos Teixeira e Sidney Moyses estiveram no conjunto habitacional para ajudar a população. O drama dos moradores tem sido amenizado pelos esforços de várias pessoas, que assim como os representantes da entidade, se sensibilizaram e uniram forças para levar donativos. “A situação de Maricá é de emergência, e requer que a prefeitura trabalhe com medidas enérgicas para diminuir o sofrimento das vítimas e fazer o cadastramento das famílias para que seja ressarcido o que foi perdido”, afirma o diretor Ruan Carlos. Além de Itaipuaçu, outras regiões da cidade foram atingidas pelas chuvas, e a prefeitura decretou estado de calamidade pública. É certo que ainda existe muita coisa a ser feita, e a CDL Niterói se prontificou para receber doação de alimentos, roupas de cama e colchão. “Quem puder ajudar será muito bem-vindo. A CDL está à disposição!”, ressalta Fabiano. l

8

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016

O presidente da CDL Niterói, Fabiano Gonçalves e os diretores da entidade, Ruan Carlos Teixeira e Sidney Moyses


CDL Jovem

OLIMPÍADAS 2016 INCENTIVANDO O EMPRESARIADO NITEROIENSE A SE REINVENTAR

E

m contrapartida ao cenário econômico/político que o país atravessa e seus diversos desafios, muito se fala das oportunidades que surgem, ainda mais quando se trata da realização de grandes eventos, como os Jogos Olímpicos de 2016 na cidade do Rio de Janeiro. Niterói encontra-se em posição privilegiada. Mesmo não sendo a cidade-sede dos jogos, fica situada a mínimas distâncias da capital do Estado, tornando-se um atrativo para turistas e delegações nacionais e estrangeiras que procuram tranquilidade e modicidade nos preços de hospedagem frente ao que é ofertado pela cidade-sede dos jogos. Então, diante desta mínima análise, sabendo que a cidade apresenta ampla capacidade turística e desenvolve infraestrutura para recepcionar quem estará aqui hospedado, se verifica que os empresários e empreendedores locais estejam atentos e preparados, alinhados com seus planejamentos e com equipes capacitadas para recepcionar, reter e proporcionar à população turística e local, a excelente experiência de consumir produtos e serviços de nossa cidade.

“A sugestão é que sejam criadas parcerias, que inovem, desenvolvam e otimizem soluções para que seus negócios tenham a capacidade de faturar e de se especializar cada vez mais” Sendo assim, a sugestão é que sejam criadas parcerias, que inovem, desenvolvam e otimizem soluções para que seus negócios tenham a capacidade de faturar e se especializar cada vez mais. Dessa forma, o ganho se torna imenso, pois a cidade e a população local ganham com a melhora dos produtos e serviços oferecidos, o turismo se torna mais atraente, uma vez que o turista que visitou a cidade tende a retornar e a fazer propaganda de Niterói, e, finalmente, o empresariado, é quem ganha com a melhora de seu faturamento. Portanto, é necessário que os empresários da cidade busquem, acima de tudo, motivação para gerar soluções frente a tudo que estão enfrentando, conjecturadas com estratégias e parcerias, para que a experiência olímpica de estar, morar e se hospedar em Niterói se torne inesquecível, à medida que

o comércio se predispõe a um processo de melhoria contínua da gestão de seus negócios, com foco em uma visão macro de constante evolução comercial. l Empresário, não pense apenas que setores ligados ao turismo devam se preparar. Todos os setores devem pensar em buscar soluções e propor ideias para aproveitar esse momento próspero, e que tudo isso sirva de aprendizado para que esse momento se torne um ciclo constante ininterrupto de prosperidade.

Juliano Gentile Diretor da CDL Jovem Niterói

CDL NITERÓI

9


Matéria

Mercado de festas em alta

I

nstabilidade financeira e altos índices de desemprego. Estes fatores negativos parecem não frear o mercado de festas. Afinal, quem é que nunca se animou na hora de programar aquela festança para celebrar o casamento, a festa de filho ou a formatura? A verdade é que tudo nesse mercado funciona para tornar nossos sonhos em realidade. Talvez essa seja a receita para que este segmento movimente bilhões de reais e mesmo em meio à recessão econômica que o país enfrenta, esse comércio cresce a cada dia. De acordo com o recente levantamento da Associação Brasileira de Eventos Sociais (ABRAFESTA), somente em 2015 o setor de festas infantis movimentou R$ 16,8 bilhões. Diante deste cenário animador, a competitividade se torna um grande desafio para donos de casa de festas. Por este motivo, segundo o dono das casas de festas infantis “Era uma vez” e “Gato Xadrez”, em Niterói, Edu Freire, a maneira de se destacar neste competitivo mercado é mantendo o foco na segurança e em um padrão de qualidade. "Tratamos nossa casa como se fosse uma família, queremos sempre que nossos clientes saiam felizes e para isso toda linha de produção, desde a equipe de ven-

10

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016

da, cozinha, limpeza e monitores precisam estar felizes também. Acreditamos e apostamos nisso e temos colhido bons resultados até aqui", diz. No mercado de festas há mais de 15 anos, Edu afirma que, em 2001, percebia uma grande carência em Niterói para a realização de festas infantis com o padrão de qualidade e segurança que buscava para os próprios filhos. "Tive a ideia de montar, junto com a minha esposa, um ambiente saudável e lúdico, com opções de brinquedos e interatividade com qualidade para as crianças e que também fosse agradável para os pais e convidados", explica. Todo este saldo positivo deve-se ao fato de que o comércio de eventos sociais no Brasil é altamente maduro e registra uma demanda crescente em todas as regiões do país. Segundo o presidente da ABRAFESTA, Ricardo Dias, o mercado de festas continuará crescendo em 2016, mesmo com o cenário de crise anunciado até 2017. “O mercado de eventos sociais registra uma demanda crescente em todas as regiões do país. As empresas prestadoras de serviços estão cada vez mais atentas às necessidades, as novas tendências e produtos diferenciados”, afirma Ricardo. l


Comércio exterior

O que deu errado... Na importação?

C

ontinuando nossa conversa do mês anterior, explicito alguns problemas que causam tremenda dor de cabeça aos importadores, mas que podem ser evitados: PRODUTO ERA DIFERENTE DA AMOSTRA/CATÁLOGO – Um dos piores pesadelos do importador é quando recebe seus produtos diferentes do que foram encomendados ao exportador. Falta de padronização, produtos inadequados às exigências de órgão anuentes – como Inmetro, Ministério da Agricultura, etc. – características distintas daquelas que foram discutidas durante a negociação são algumas das ocorrências. Não há muita saída neste caso a não ser o estabelecimento de uma empresa no exterior que verifique fisicamente a carga, seja por amostragem ou em sua totalidade. Isto resolvido, deve-se combinar quem assume o custo da operação, que pode sair caro. Geralmente o importador é o responsável, uma vez que é ele quem está querendo uma proteção extra, mas é uma livre negociação com o exportador. CLASSIFICAÇÃO FISCAL/NCM ESTAVA ERRADA – A NCM - Nomenclatura Comum do Mercosul estabelece, com

Geralmente o importador é o responsável, uma vez que é ele quem está querendo uma proteção extra, mas é uma livre negociação com o exportador mais prioridade, os tributos a serem pagos na Alfândega brasileira e por isso a Receita Federal terá extrema atenção nesta matéria. Uma vez que esteja errada, multas serão aplicadas, sem contar a demora burocrática para acerto da pendenga, que poderá levar a cobranças extras de armazenagem. Solução? Assumir, juntamente com o despachante aduaneiro, a classificação. O despachante tem sua experiência, mas em certos casos, como produtos químicos, máquinas e outras engenhocas, a experiência do empresário/técnico é decisiva. Assim, tenha a certeza de ter um profissional qualificado junto ao despachante para, em conjunto, realizarem esta importante tarefa.

DOCUMENTOS DE EMBARQUE ERRADOS – Invoice, Packing List, entre outros documentos, devem estar rigorosamente de acordo com os preceitos da Receita Federal. No entanto, não é incomum que o exportador desatento ou desorganizado não dê atenção especial a este tema. Minha sugestão: enviar ao exportador, por e-mail, um rascunho de como estes documentos devem ser preenchidos e solicitar que estes sejam enviados para validação do importador antes da carga embarcar. A burocracia aumenta, mas assim como no caso de classificação errada, a RFB não dará prosseguimento ao processo de nacionalização sem os documentos estarem em ordem e o risco da taxa extra de armazenagem também dá suas caras. Situações como esta podem acontecer, mas, sabendo como evitá-las, o risco é mínimo! Avante! l Jorge Elias Milhem Consultor de Comércio Exterior da CDL Niterói www.icontrade.com.br jorge@icontrade.com.br CDL NITERÓI

11


Turismo

C

onhecida como um dos cartões postais mais bonitos da cidade de Niterói, a ponte que leva a Ilha e a Igreja Boa Viagem foi reinaugurada no fim de fevereiro. Após passar mais de 20 anos fechada, a ligação de 105 metros de extensão que leva ao portal da Ilha foi restaurada e volta a integrar o roteiro turístico da cidade. O projeto para a reforma surgiu de uma parceria entre a Prefeitura de Niterói e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O local será administrado pelo grupo de escoteiros Gaviões do Mar.

12

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016

Reprodução/Internet

Bem-vindos a Ilha da Boa Viagem Segundo alguns relatos históricos, a Ilha foi batizada com esse nome porque os navegadores da época, sempre ao chegarem ou saírem da Baía de Guanabara, se ajoelhavam no convés das embarcações para agradecer pela boa viagem. Outra curiosidade está relacionada à igreja que fica no topo da Ilha e é virada para o mar porque, neste local, no século XVIII, padres davam bênçãos a marinheiros que se lançavam ao oceano. Essas e outras histórias poderão ser conhecidas pelo público que visitarem a Ilha a partir de agora. No entanto, para

que haja um maior controle e o patrimônio não seja danificado, as visitas serão limitadas a certos horários. De acordo com o prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, o planejamento de visitação foi estabelecido também para preservação do meio ambiente. "A prefeitura vai trabalhar para que possamos fazer a restauração necessária da capela com todo o acompanhamento do Iphan. A população da cidade e os visitantes merecem conhecer a história da Ilha e desfrutar deste local tão bonito", ressalta o prefeito. l


Reprodução/Internet

Segurança

Comércio seguro. Previna-se!

O

s estabelecimentos comerciais sempre foram alvos frequentes de bandidos. Se, por um lado, os criminosos enxergam nestes espaços a possibilidade de furtar alguns produtos, o caixa e até mesmo as pessoas, por outro lado, os comerciantes criam estratégias para combater esse tipo de crime. No entanto, para os especialistas em segurança pública, o caminho mais seguro será sempre o da prevenção. “O marginal sempre espera pegar você de surpresa. É importante que na abertura e fechamento do estabelecimento, o comerciante não deixe a porta meio aberta. Na hora do fechamento, deixe algum funcionário do outro lado da rua tomando conta e diversifique sempre o horário e as pessoas que vão levar o malote do dinheiro ao banco. E, é claro, se estiver desconfiado de alguém, espere um pouco antes de ir embora, ou, qualquer coisa, chame a

polícia”, aconselha o vice-presidente da CDL Niterói, Luiz Vieira. Em Niterói, os dados mais recentes divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), em levantamento realizado no ano passado, apontam que o número de roubos a comércios na cidade aumentou, passando de 27 para 37 casos. Por isso, para ajudar na segurança do comércio, a Prefeitura de Niterói dobrou o número de efetivos da Guarda Municipal. Luiz Vieira afirmou que nas operações os guardas têm autuado e apreendido algumas pessoas. “A presença da Guarda Municipal, ainda que não esteja armada, dá uma sensação de segurança. No entanto, nós não podemos, como comerciantes, achar que para estarmos seguros é preciso ter um guarda em cada porta, até porque isso é impossível. O que precisamos, de fato, é criar condições de segurança”, afirma. E para criar essas condições, tudo é válido e inclui também o processo de

educação e apoio às crianças e adolescentes. Para se ter uma ideia, atualmente nem mesmo as câmeras de segurança – que antes eram utilizadas a fim de intimidar o criminoso – são mais eficazes. “A tendência da pessoa que entrou no mundo do crime, infelizmente, é de evoluir. Quem rouba uma carteira, depois rouba um celular, um banco e um comércio. O criminoso já não se importa em ser filmado. Antes, ele colocava máscara, abaixava o boné, mas hoje dá até ‘tchauzinho’. Ele não está preocupado, pois sabe que ele será identificado, será preso e depois estará solto na rua de novo. O código penal precisa ser reformulado”, analisa Luiz Vieira. Na verdade, na hora de pensar em segurança e prevenção, o importante é ter em mente que cidadão e governo possuem um papel importante neste processo. Por isso, comerciantes, fiquem atentos a todas essas dicas e saibam o momento certo de agir! l CDL NITERÓI

13


Gestão empresarial

Como inovar e cortar custos ao mesmo tempo Estamos em meio a esforços para preparar a empresa para se sair bem na crise, e torna-se claro que inovar é um caminho inevitável. Mas como continuar a investir em inovação e ainda manter os custos em dia? Mário Teixeira, de São Paulo Inovar é essencialmente focar no cliente, embora existam inovações que podem ser decorrentes de outros públicos. Mas o que significa “focar no cliente”? Significa conhecer as três necessidades que ele tem. A primeira é qualidade. O cliente precisa encontrar valor ou satisfação no produto. A segunda é preço, que depende da qualidade e de seus custos. Por fim, há a disponibilidade. Ou seja, ter o produto disponível para que possa ser vendido. Algumas empresas pensam em inovação de produto (sempre com o

1

14

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016

objetivo de colocar alguma novidade no mercado) quando não têm capacidade em seus sistemas operacionais internos de entregar o produto dentro das especificações e com um nível de custo razoável. Muitas vezes você conduz inovações em processos exatamente para baixar os custos ou promover melhor a presença dos produtos na gôndola. Feito isso, é preciso conhecer as necessidades do cliente, bem como as tendências sociais e de consumo. Sugiro que você busque o QFD (quality function deployment), método de inovação que considera as preferências do consumidor e permite chegar a excelentes resultados. Chamo a atenção para o fato de que seu produto pode ter algumas características que são apreciadas pelos clientes e outras que não são — e que ainda

assim adicionam custos. Simplesmente elimine estas últimas. Foque nos clientes e terá surpresas agradáveis.

2

Trabalho numa empresa que se preocupa muito com o desenvolvimento de lideranças. Porém, não sabemos como escolher entre líderes de áreas diferentes para uma nova posição. Como montar um sistema que nos ajude a saber quem está mais apto a assumir cargos de chefia? Jéssica Teixeira, do Ceará Você precisa de uma “Fábrica de Líderes”. Como montar isso? Você terá de desenvolver a capacidade de recrutar e selecionar gente boa e com características para operar de acordo com a cultura da empresa e as necessidades de desempenho. Se você não sabe fazer isso bem, é melhor procurar ajuda para aprender.


Gestão empresarial

Em paralelo, mantenha metas bem desdobradas para todas as lideranças da empresa até o nível de supervisor. Atribua uma nota de zero a 100 ao nível de atingimento de metas de cada um. Cada executivo deve ter de três a cinco metas, e todas devem ter seu peso determinado em conjunto com as chefias. Leve esses dois valores a um gráfico conhecido como “nine box”, com nove categorias da combinação entre desempenho e potencial. A partir daí inicie a seleção das pessoas. Aqueles que se posicionarem numa área que abranja pelo menos 70% de cada eixo são os melhores líderes. Portanto, são também as pessoas que você deve considerar para uma futura promoção. Estudei um dos métodos de gestão que o senhor prega, o PDCA (sigla em inglês para “planejar, executar, checar e corrigir”). Em sua visão, qual dessas etapas é a mais esquecida? Carlos Sampaio, de São Paulo Todas. A principal delas é o planejamento. A maioria de nós simplesmente faz as coisas sem nem mesmo refletir, pedir a opinião de outras pessoas ou levantar informações a respeito. Em outras palavras: sem planejar.

3

Em primeiro lugar, recrute e selecione todo ano. Depois, monte um sistema de avaliação de desempenho conhecido como “avaliação 360 graus”. Esse sistema de avaliação deve ter como base os valores da organização e prever feedbacks diários para cada funcionário. Com essa avaliação você pode atribuir uma nota de zero a 100 a cada executivo.

O planejamento é uma atividade na qual todos deveríamos investir mais tempo. É com uma reflexão bem-feita que qualquer pessoa constrói bons planos de ação. Todo o processo de análise que pode envolver a utilização de estatística, e até mesmo práticas de big data, faz parte da fase de planejamento. Depois vem a execução: somos procrastinadores. Gostamos de deixar tudo para depois, e muita coisa fica sem fazer. Ora, se você não executa um plano, nada acontecerá — por melhor que ele seja. Em terceiro, vem a verificação. Quem não tem indicadores e gráficos não sabe o que está ocorrendo de fato. Como dizia Kaoru Ishikawa, que ajudou a desenvolver e a disseminar a teoria da qualidade na gestão: “Se você não mede, não gerencia”. Finalmente, vêm as ações corretivas. Quando há algum desvio da rotina ou resultado não atingido, você deve procurar saber o que ocorreu e corrigir o rumo. Pouquíssimas pessoas no Brasil fazem isso. l Professor Vicente Falconi Consultor e sócio-fundador do Instituto de Desenvolvimento Gerencial (INDG) Fonte: exame.abril.com.br

CDL NITERÓI

15


16

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016


Matéria

A nova terceira idade

E

les dispõem de tempo para descansar, se dedicar à família e possuem potencial de consumo de R$ 7,5 bilhões, o dobro da média nacional. No entanto, apesar dessas particularidades, os consumidores da terceira idade passam despercebidos diante dos olhos do comércio em geral. A falta de uma estratégia específica para atrair esse potencial consumidor faz com que o mercado brasileiro não esteja preparado plenamente para atender às demandas desse público. Em vista disso, a preocupação se torna abrangente. Até porque, a tendência é de que nas transações comerciais este represente um nicho promissor. De acordo com um levantamento recente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), até 2025, a população idosa deve ultrapassar a marca de 30 milhões de indivíduos, sendo eles em sua maioria mulheres (55,7%), brancos (54,5%) e moradores de áreas urbanas (84,3%). Logo, as atividades econômicas ligadas a produtos, serviços e entretenimento têm que estar atentas a essa nova maneira de consumir. “A tendência é que a pirâmide dê uma achatada em 2025 e seremos o maior número de pessoas com mais de 90 anos na história do país”, afirma o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas Niterói (CDL) e também economista, Fabiano Gonçalves.

Por este motivo, vale a pena investir e pensar em estratégias para atrair esse tipo de público, que, ao contrário do que se pensa, está abrindo portas para novas oportunidades no mercado e que não é nada conservador em seus hábitos de consumo. Sendo assim, diferente de outros municípios, Niterói já começou a se preparar, principalmente em Icaraí e São Francisco, onde há uma concentração maior no número de idosos. Segundo Fabiano Gonçalves, o município está se adequando, aos poucos, a essa nova realidade.

“Hoje, Niterói já conta com academias que têm a presença do cardiologista e médicos permanentes, com projetos de ginásticas nas praias da cidade, sem falar do teatro e do Cine UFF, que recebe muitas pessoas que estão, em minha opinião, na melhor idade”, diz. Além disso, já se observa no comércio do município a presença de lojas de moda conceitual voltadas para este tipo de público, vagas de estacionamento, além de drogarias e supermercados bem ambientados, com produtos que contenham letras grandes, para uma melhor visualização. l

CDL NITERÓI

17


Entrevista

Invista no atendimento do seu negócio e destaque-se!

E

m tempos de crise, uma coisa é certa: a preocupação em encontrar meios verdadeiramente diferentes de conquistar ou fidelizar clientes se transforma em meta. E só ter regras próprias não ajuda a manter percepções fortes na mente dos consumidores. Nessa hora, alguns pontos, como a criação de um ambiente esteticamente acolhedor, organizado, bem sinalizado, uma proposta inovadora em produtos, tornam-se essenciais para alcançar o desejo compartilhado por todos os lojistas, que é a fidelização dos clientes. Entretanto, o que muito empresário parece não entender é que, além destes fatores, a maneira como mantemos nossos colaboradores felizes, treinados e se sentindo confortáveis em suas escolhas é decisiva para um atendimento de excelência. E é por conhecer a importância do atendimento que esta edição da revista O Lojista traz um bate-papo com o Consultor Estratégico Empresarial e Coach, José Carlos Coelho. Nessa coluna, o especialista, que tem 25 anos de experiência em empresas multinacionais, fala um pouco sobre como a oferta de um atendimento diferenciado pode ajudar o sucesso de qualquer negócio. “Atualmente o mercado oferece produtos com características muito semelhantes e será a prestação do serviço o fator determinante na percepção de valor. Acredito que quando este processo se apresenta de forma coletiva, ou melhor dizendo, em equipe, a satisfação é superior e garante o sucesso nas vendas”, enfatiza. O Lojista - Como saber se a equipe está qualificada para atender bem? José - É complexa essa resposta, pois há de se conhecer o negócio e o perfil ideal do profissional para garantia de um atendimento de qualidade. Se o resultado não acontece, decerto há

18

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016

algum fator complicador. Além do posicionamento profissional, tem que haver identidade e amor pelo negócio por parte do colaborador e da equipe. Se o “gostar do que faz” já existe, trata-se de um bom sinal; somado a um programa de T&D (Treinamento e Desenvolvimento), o resultado tenderá a ser sempre positivo. O Lojista - Quais são os investimentos que o empresário precisa fazer para oferecer ao seu público-alvo um atendimento de excelência? José - Existem várias formas para se empreender na capacitação e qualificação profissional das pessoas. Em se tratando de atendimento, o setor de RH deve, com suas lideranças, selecionar os colaboradores que atuam diretamente com o público-alvo e inscrevê-los nos cursos abertos existentes no mercado com esse objetivo, como proposto pela própria CDL de Niterói; ou contratar empresas, também parceiras da entidade, especializadas em Consultoria, Treinamento e Desenvolvimento Humano, para formatação de um Programa Personalizado para cada segmento lojista, que permita a identificação das pessoas certas (através de avaliações psicoprofissionais), e o uso de outras ferramentas de gestão que medem desempenhos e permitem observar a melhoria contínua, acompanhar os resultados e o retorno dos investimentos. O Lojista - Oferecer um atendimento que transmita confiança pode ajudar a construir uma marca forte? José - Sim. A confiança é o pilar central em qualquer relação humana e transação comercial, pois todos saem fortalecidos e, em se tratando de negócios, naturalmente, esse fator cria valores superiores às pessoas e marcas envolvidas.

O Lojista - Você acredita que o atendimento interfira na aproximação entre uma marca e seus clientes? José - Isso também é verdade! Da mesma forma que o bom atendimento atrai e aproxima os clientes de uma marca, o atendimento inadequado afeta diretamente o nível de satisfação e afasta o interessado da marca em questão. O Lojista - Entender todos os processos envolvidos no negócio e participar ativamente da construção de seus resultados ajuda na construção de uma equipe qualificada? José - O gerenciamento sempre se fez e fará necessário à qualidade da gestão do negócio, porém sabemos que só isso não é o bastante. A liderança por competência faz grande diferença, em se tratando de mobilização de gente para resultados. O líder moderno vem conquistando espaço e se tornando essencial à nova visão empresarial. Como ressalta Vicente Falconi: “Enquanto o líder faz as coisas certas, através de pessoas, o gerente faz apenas certas coisas”.


Entrevista

contra na loja, isso demonstra sua predisposição para comprar. O papel dos responsáveis pelo atendimento será apenas de servir de ponte para o fechamento. Preparados, os consultores de vendas devem esclarecer dúvidas e motivar, se possível, a aquisição também de produtos associados, a partir de um mix com valor agregado para melhor suprir as necessidades e satisfação desses clientes. Isso contribuirá para sua fidelização, não apenas quanto à marca dos produtos, mas à loja e ao profissional de atendimento que lhe apresentou soluções e atenção diferenciada.

O Lojista - Atualmente, os clientes desejam ver sua personalidade traduzida em produtos ou serviços. Neste contexto, qual é o papel do atendente? José - A personalidade de uma marca ou de um serviço depende da Cultura estabelecida pela organização. Uma cultura bem definida em seu propósito, princípios e valores com esse foco, será uma empresa mais competitiva, inovadora e motivadora, voltada a serviços e atendimento de qualidade. O papel do atendente é o de criar esses valores, que deverão ser percebidos pelos clientes, e, assim, através da satisfação desses, apoiar a empresa na conquista de suas metas e posições de mercado. O Lojista - Atualmente os clientes estão mais informados e exigentes. O que o atendente deve fazer para agradar este consumidor? José - Os profissionais que atuam nos setores de atendimento necessitam se antecipar ao tempo, pesquisar tendências e novidades de seu segmento e se manter informados, pois somente com conhecimentos além irão surpreender, cativar e encantar seus clientes.

Consultor Estratégico Empresarial e Coach, José Carlos Coelho

“Da mesma forma que o bom atendimento atrai e aproxima os clientes de uma marca, o atendimento inadequado afeta diretamente o nível de satisfação e afasta o interessado”

O Lojista - Oferecer um atendimento personalizado aos clientes ajuda na fidelização da marca? José - Nesse momento da economia, o atendimento personalizado se torna uma ferramenta fundamental para viabilizar o negócio, pois se o cliente tem em mente o que deseja e já se en-

O Lojista - Que dicas você daria para um empresário que deseja criar uma marca forte? José - Antes da criação de uma empresa e suposta marca forte, é fundamental que seja realizado um profundo estudo de viabilidade econômica do negócio, considerando ao máximo os fatores críticos de sucesso e todos os riscos envolvidos, com criações de cenários estratégicos realistas, otimistas e pessimistas. Essa é a principal dica. Muitos se esquecem desse último e importante processo, a fim de não serem surpreendidos com eventos e fatores adversos não pensados ou calculados. Há inúmeros equívocos e situações que podem ser evitadas, pois muitos entram no negócio na base da motivação e do entusiasmo. Por outro lado, após sinalização e certificação de ser esse ou aquele o negócio mais adequado ao empreendimento, considerando todos os aspectos positivos evidenciados nos estudos, surge um dos maiores desafios, que é a contratação das PESSOAS CERTAS, que atuarão no nicho de mercado definido na estratégia de marketing e de vendas, a fim da consolidação de resultados e estabelecimento da sonhada marca forte e promissora. Enfim, os desafios não terminam por aqui. Isso é apenas o começo da trajetória de sucesso de um novo negócio ou mesmo um negócio maduro e que necessita se reinventar ou se modernizar. l CDL NITERÓI

19


20

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016


Gráfica Power Print define um novo Posicionamento: Ser referência em impressões que não passam desper cebidas.

Tels.: (21) 3O78-43OO / (21) 7813-3659 Rua São Sebastião, 36 - Centro - Niterói - RJ Contato@graficapowerprint.com.br www.graficapowerprint.com.br CDL NITERÓI

21


Capa

O comércio se enfeita para a chegada do período mais doce do ano

22

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016


Capa

E

les já estão espalhados pelas prateleiras de diversas lojas para anunciar a chegada do período mais doce do ano. Expostos de uma maneira deliciosamente atraente, os ovos, as caixas e até mesmo as cestas de chocolate dão as boas-vindas à Páscoa. E, mesmo diante de um cenário nada animador para a economia brasileira, empresários acreditam no crescimento das vendas para este ano. Para Cristiane Salkini, franqueada do Grupo CRM, mesmo com a redução de compras diárias de chocolates, o consumidor vai se permitir presentear a família e amigos em uma data tão simbólica para os brasileiros. “As expectativas são boas, porque essa é a melhor data comemorativa para o segmento de chocolate. A Kopenhagen se preparou muito bem para a ocasião: ampliou e diversificou ainda mais sua linha de produtos voltada para a Páscoa neste ano. Nas minhas lojas, esperamos um aumento de 6%”, diz. E, de fato, como apontou Salkini, a Páscoa é muito esperada pelos fabricantes de chocolate, uma vez que representa a terceira data mais lucrativa do ano. De acordo com uma pesquisa recente do Ibope, 75% dos brasileiros consomem o doce regularmente. Com ovos em diferentes tipos e tamanhos, as opções na hora da compra são inúmeras e o valor também é diferenciado. Na Kopenhagen, por exemplo, a linha de Páscoa começa com o Ovinho Nhá Benta 20g, que custa R$ 8,30 e vai até a Cesta Premium 2.415, que é comercializada por R$ 605,90. Dessa forma, a diferenciação do preço, aliado à variedade de produtos, faz com que a procura dos consumidores se torne ainda mais abrangente. E até mesmo as pessoas que têm algum tipo de restrição se rendem às ofertas de produto - que não contenha lactose, glúten e veganas. “Além dos tradicionais chocolates diet que já temos, estamos lançando esse ano a Cesta Diet, composta por Ovo Língua de Gato Diet 300g, Ovo Diet Finesse ao Leite 150g, Ovinhos Diet ao Leite 300g, Língua de Gato Diet 85g e Bombons Diet ao Leite 105g”, adianta Salkini. INDÚSTRIA DO CHOCOLATE Atrás apenas dos Estados Unidos e Alemanha, o Brasil se mostra como um grande consumidor e produtor de chocolates do mundo, com consumo de 2,5 kg por ano. E para atender à demanda do período da Páscoa, o mercado de chocolate começa a se preparar, aproximadamente, um ano antes. Para ter-se uma ideia da importância da celebração para o comércio, só na Kopenhagen, o pedido de Páscoa para este ano foi efetuado em agosto de 2015.

“No início de janeiro recebemos nossa primeira das sete entregas de Páscoa. A exposição destes itens sazonais começou na primeira quinzena de fevereiro. Também no mês de fevereiro, treinamos toda a equipe em produtos e abordagem de vendas”, conta Salkini. Diante do preparo e antecipação para as vendas, todos saem ganhando. Prova disso é que para ajudar no aquecimento do setor, foram gerados empregos temporários. Segundo um levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab), para 2016, as lojas especializadas geraram 29 mil empregos temporários em todo o país. As vagas são para produção, promoção e venda de produtos no período de outubro de 2015 a março de 2016. Só no ano passado, a Páscoa foi responsável pela produção de 19,7 mil toneladas de chocolate, o que corresponde a cerca de 80 milhões de ovos de Páscoa em todo o país. A tendência é de que esse número aumente em 2016. l

VENDA DO PESCADO

Assim como o chocolate, as empresas que trabalham com a venda do pescado já estudam números crescentes desde o início da Quaresma, período de 40 dias que antecede a Páscoa. Em Niterói, o diretor da Associação dos Comerciantes e Amigos do Mercado São Pedro, Atílio Guglielmo, conta que a expectativa para este ano é de que as vendas cheguem à casa de 100 toneladas de peixes. Em uma semana normal, são vendidas 50 toneladas. "A Quaresma é uma das épocas do ano em que as vendas aumentam bastante. No ano passado, vendemos 130 toneladas. Esse ano, apesar de sermos sempre otimistas, a previsão é de atingirmos 100 toneladas, pois este ano a Páscoa é no fim do mês e, com isso, algumas pessoas ficam sem dinheiro. A previsão é de vendas menores em relação ao ano passado, mas, se olharmos por outro ângulo, serão maiores, se comparados a um dia normal. Ainda assim, estamos no lucro", explica. Durante os 40 dias da Quaresma, o peixe ganha a preferência da mesa de muitos religiosos. O costume de substituir outros tipos de carne pelo peixe, neste período, está ligado a uma forma de praticar o jejum e a abstinência, uma prática indicada pela Igreja Católica como devoção.

CDL NITERÓI

23


Fique atento

Reinventar-se

é preciso!

C

riada no Brasil em 25 de janeiro de 1663 - para atender às demandas da Corte Portuguesa e colocá-la em pé de igualdade com outros países da Europa - a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), ou, simplesmente, Correios, que detém o monopólio postal e possui pouquíssimos concorrentes, convive hoje com inúmeros problemas e defasagens no serviço prestado. Tanta ineficiência acaba transformando seus usuários em reféns de uma situação muito complexa. Atualmente, os Correios, por não possuírem uma estrutura que atenda os 5585 municípios do Brasil, não conseguem entregar um produto com eficiência e no prazo proposto. Além disso, existe, ainda, a questão das tarifas do frete, quando, muitas vezes, o valor cobrado se sobrepõe ao produto adquirido pelo consumidor. Tanta falta de proteção só gera mais insatisfação e ainda impede que mais transações sejam realizadas no comércio eletrônico. Assim, na qualidade de líder de uma entidade de classe, como é a CDL Niterói, que luta para impulsionar o crescimento do comércio, gostaria de enfatizar a importância de realizarmos

24

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016

uma reflexão, sobretudo, por parte dos nossos parlamentares federais, sobre o monopólio problemático da estatal e sobre o fim da proteção contra a concorrência. Meu desejo é de que eles, de forma racional, proponham leis que defendam o consumidor e permitam que a iniciativa privada opere também neste mercado com livre concorrência. Até porque, ressalto, o que alimenta a eficiência de um mercado é a concorrência. Este, a meu ver, é o melhor caminho. É direito do consumidor a escolha por preços acessíveis e logísticas diferenciadas. E inadmissível que não haja opções, quando se adquire um produto no mercado eletrônico, no momento da contratação do serviço de entrega.

Por fim, deixo aqui meu desabafo e meu pedido aos deputados federais que considerem esta questão. Neste momento em que o Brasil precisa incentivar a atividade econômica, é de suma importância uma revisão e discussão sobre o monopólio desta estatal ineficiente e que custa (mesmo sendo uma geradora de caixa) um verdadeiro absurdo para os cofres públicos. E não se esqueçam: juntos, somos mais fortes! l

Fabiano Gonçalves Presidente da CDL Niterói


Nessa casa tem história

Elida Gervásio é homenageada em mais uma edição do “Nessa casa tem história”

E

m celebração ao Dia Internacional da Mulher, a coluna desta edição “Nessa casa tem história” traz uma matéria especial sobre a trajetória da conselheira da CDL Niterói, Elida Gervásio Gouvêa. Com pelo menos 50 anos dedicados ao comércio, ela teve a sua vida marcada pelo compromisso e dedicação aos negócios. E, foi diante dessas qualidades, que a CDL Jovem resolveu homenageá-la durante o Café Empresarial, evento mensal realizado pela entidade. O presidente da CDL, Fabiano Gonçalves, entregou a placa de homenagem à conselheira. Para ela, o sentimento é de gratidão e amor. “Quando recebi o convite, foi uma alegria imensa. A minha história está ligada diretamente à atividade comercial e a CDL faz parte de um ciclo prazeroso da minha vida. Presenciei as mudanças e, juntos, passamos por todos os obstáculos com êxito. Posso dizer que me sinto muito honrada em fazer parte dessa associação”, diz. E, com o passar do tempo, Elida fez da CDL Niterói a sua segunda casa. O

PREÇO ESPECIAL PARA ASSOCIADO

CDL

Com 50 anos de dedicação ao comércio, Elida nunca se afastou de seu trabalho seu empenho pela entidade durante todos esses anos fez com que ela se tornasse a primeira conselheira da associação. “Vivemos em uma sociedade onde o homem sempre está à frente da empresa, conduzindo os negócios, tendo uma função sempre muito privilegiada. Então, quando o Luiz Rodrigues me chamou para ser a primeira conselheira da CDL, ele utilizou como argumento a visão mais humanista que, geralmente, nós, mulheres, trazemos na veia e carregamos para a vida”, conta. Diante disso, a sua ampla experiência no comércio – que começou ao lado dos pais libaneses e depois se estendeu junto ao esposo em sua loja “Elida Moda”-, ajudou a construir uma entidade próspera, além de levar ao comerciante novas ideias por meio de debates e trocas de experiências.

GRÁFICA PRIMIL

EXPRESS

Personalize seus produtos! Fácil imprimir conosco! Agendas Canecas Sandálias Cartazes Cadernos

Além disso, Elida nunca esteve fora do comércio. Foi como empresária que ela reconheceu que poderia agregar algo, não somente a sua loja, mas também ao comércio como um todo. Logo, atuar, ainda hoje, como conselheira na CDL com participação ativa nos processos da associação faz dela um nome raro no meio dessa casa que representa as classes lojista e de serviço. l

Cartão comemorativo Rótulo para champagne Kit para festas Revelação de fotos Blocos

SERVIÇOS GRÁFICOS CARTÃO DE VISITA • FOLHETOS REVISTAS • MAT. PROMOCIONAIS

CONVITES CASAMENTO • 15 ANOS CONVITES EM GERAL

IMPRESSÃO DIGITAL

Coloque seu nome aqui!

Coloque sua foto aqui!

IMPRESSÃO DE FOTOS • XEROX ENCADERNAÇÃO • PLASTIFICAÇÃO

BRINDES PERSONALIZADOS CADERNO • AGENDA • BLOCOS

ARTIGOS DE PAPELARIA PAPÉIS • ENVELOPES • MATERIAL EM GERAL

SINALIZAÇÃO BANNER • ADESIVO DECORATIVO • LETREIROS

Rua Moreira César, 282 / Lj. 116 - Icaraí - Niterói - RJ Tel.: 3628-4300 - Cel.: 21 7876-6173 • grafica@graficaprimil.com.br CDL NITERÓI Anuncio institucional CDL 19x8cm

25


Cidade

Acessibilidade para todos

I

r e vir faz parte do direito básico de todo cidadão. No entanto, para o deficiente físico, este direito parece sofrer limitações que vão além de sua condição. Afinal, é comum encontrarmos, nas cidades, calçadas mal planejadas, falta de rampas de acesso, entre outras dificuldades, que não facilitam em nada a vida dessas pessoas. Assim, para mudar um pouco esta realidade, entrou em vigor, em janeiro deste ano, a nova Lei 13.146, de 06 de julho de 2015, que garante a acessibilidade para as pessoas com deficiência e obriga comerciantes a construírem rampas de acesso. Na verdade, a obrigatoriedade de garantir acessibilidade já existia e era baseada na Lei 10.098/2000 – Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência -, mas algumas alterações foram feitas para a adequação à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência.

26

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016

Além da falta de consciência de alguns motoristas, que estacionam seus carros nas rampas de acesso à calçada, os cadeirantes têm ainda de conviver com barreiras arquitetônicas e falta de planejamento que dificultam ainda mais o seu cotidiano. Para a Secretária Municipal de Acessibilidade e Cidadania de Niterói, Carmen Lúcia Lopes Fogaça, o maior problema enfrentado pelos deficientes físicos na atualidade é a barreira atitudinal, pois é ela que impede o direito do cidadão de ir e vir livremente. “Tivemos muitos avanços com a implantação desta nova lei, mas as mudanças foram para todas as pessoas com deficiência e não apenas para cadeirantes”, afirma Carmen. Portanto, a efetiva interação do ser

humano com o ambiente construído depende de sua própria capacidade, mas é preciso ter a preocupação de criar espaços de uso democrático para diferentes pessoas. A lei, que já está em vigor, faz alterações no Estatuto da Cidade, no Código Civil, no Código de Trânsito Brasileiro e cria o Cadastro Nacional de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Cadastro - Inclusão). Por isso, é importante ressaltar que, sejam barreiras urbanísticas, nos transportes, nas comunicações ou tecnológicas, nada deve impedir o portador de necessidades especiais de ter acesso a qualquer lugar, pois também paga impostos, assim como as pessoas que não têm nenhuma limitação funcional e merecem ter seus direitos respeitados. l


Leis tributárias

Novas regras para o IR – Pessoa Física

A

larmado com a queda brutal na arrecadação tributária durante todo o exercício de 2015, o Governo Federal preparou mudanças substanciais para as pessoas físicas obrigadas a prestar a famigerada Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda. Todas com o intuito deliberado de cruzar informações, à cata de indícios de omissão de rendimentos e sonegação fiscal. Doravante: • Profissionais das áreas de saúde e da advocacia estão obrigados a informar o CPF de seus clientes, de modo a cotejar – caso a caso – as declarações de IR de prestador e tomador dos serviços; • Os contribuintes estão obrigados a inserir o número do CPF de seus dependentes com idade de 14 (quatorze) anos ou mais; • Não há mais a necessidade de informar os ganhos tributáveis auferidos por cônjuge ou companheiro. Basta declinar o número de seu CPF. O sistema da Receita Federal cruzará automaticamente as informações;

Lembrando que estão obrigados a prestar contas à Receita aqueles contribuintes que se enquadrem em pelo menos uma das hipóteses abaixo relacionadas: • Que receberam mais de R$ 28.123,91 de renda tributável no ano (salário, por exemplo); • Que Ganharam mais de R$ 40 mil isentos, não tributáveis ou tributados na fonte no ano (como indenização trabalhista); • Que tiveram ganho com venda de bens (imóveis, por exemplo); • Que compraram ou venderam ações em Bolsas de Valores; • Que receberam mais de R$ 140.619,55 em atividade rural (agricultura, por exemplo) ou tenham prejuízo rural a ser compensado no ano calendário de 2015 ou nos próximos anos;

Que eram proprietários de bens avaliados em mais de R$ 300.000,00; Que venderam uma casa e compraram outra num prazo de 180 dias, lançando mão da isenção de IR no momento da venda.

O prazo para a entrega da Declaração se inicia em 01/03, e se esgota em 29/04. Convém atentar para evitar o atraso, pois a multa aplicada à entrega extemporânea varia entre R$ 165,74 e 20% do valor de imposto devido. l

José Carlos Carvalho Consultor Tributário josecarlos@oliveira.com www.oliveiracarvalho.com

CDL NITERÓI

27


Empreendedorismo

A DOCE TRAJETÓRIA DA FÁBRICA DOS BOLOS DE MARIA EMÍLIA “Não há nada melhor do que oferecer uma fatia de bolo acompanhada por um café expresso quentinho, suco ou refrigerante bem gelado, e perceber a alegria e satisfação que posso proporcionar a esse povo tão querido”

E

las têm o dom de conciliar muitas tarefas e realizá-las ao mesmo tempo – desde cuidar da casa, a educar os filhos, praticar esportes, se aperfeiçoar em um novo idioma – e, como se isso não bastasse, as mulheres buscam cada vez mais espaço no mundo dos negócios, decidindo assim, tomar o caminho do empreendedorismo, como aconteceu com a empresária Maria Emília Costa, da Fábrica dos Bolos, em Niterói. Depois de uma trajetória de mais de 24 anos como assistente da presidência em multinacionais, a empresária Maria Emília resolveu, com o apoio do marido, Sílvio Costa, fundar seu próprio negócio. Diante de muitas pesquisas e procura por franquias, o casal se encantou com as que ofereciam bolos caseiros. E mal sabia Maria Emília que o seu sonho já estava perto de se tornar realidade. “Decidimos escolher a franquia que melhor se adaptasse aos nossos ideais,

28

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016

pois queríamos aquela que não utilizasse massas ou misturas prontas, nem essências e nem qualquer ingrediente que fossem artificiais. Com a ajuda de um amigo nosso, Marcos Flores – que é um dos maiores especialistas tributários do país – chegamos a Fábrica dos Bolos, uma franquia de Brasília que prima pela qualidade e exige produtos de primeira linha, sem nada artificial”, conta a empresária. Com isso, o sonho de fazer o verdadeiro “bolo da vovó” foi tomando forma. E hoje, há três anos no bairro Maria Paula, em Niterói, a Fábrica de Bolos conta com uma extensa variedade de bolos tradicionais, especiais, diet, fitness, sem glúten e lactose, além de bolos salgados. Diante de tanta oferta, a franquia cresceu e produz por mês, em média, 3000 bolos com mais de 50 opções de sabores. Os queridinhos dos clientes são cucas de banana e abacaxi, bolos

de laranja, milho com requeijão, aipim com goiabada, indiano e tapioca, além do bolo salgado de queijo com calabresa. Para Maria Emília, assumir o próprio negócio foi e continua sendo um desafio, principalmente, em uma cidade carente de incentivos fiscais, segurança e estrutura. No entanto, ela ressalta que, enquanto empreendedora, sua maior alegria é poder oferecer aos clientes e amigos, um ambiente agradável. “Não há nada melhor do que oferecer a eles uma fatia de bolo acompanhada por um café expresso quentinho, suco ou refrigerante bem gelado, e perceber a alegria e satisfação que posso proporcionar a esse povo tão querido de Maria Paula, Rio do Ouro e Pendotiba”, afirma. Além de Niterói, a Fábrica dos Bolos possui franquia em São Gonçalo e no Rio de Janeiro, além de outras espalhadas pelo Brasil. E para aqueles que esperam por novidades, Maria Emília adianta que a franquia está com diversas receitas em desenvolvimento e outras em fase final de aprovação, para lançamento em breve. l


CDLs em ação

CDLs do estado se unem contra pacote tributário sancionado pelo Governo Estadual Representantes da FCDL Rio de Janeiro realizaram um movimento com os deputados estaduais para discutir a norma que atinge diretamente o setor produtivo

O

por FCDL Rio presidente da FCDL Rio de Janeiro, Marcelo Mérida se reuniu na sede da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), com os deputados Ana Paula Rechuan, Bruno Dauaire, Carlos Osório, Edson Albertassi, Julianeli, Luis Paulo, Papinha, Marta Rocha e Tiago Mohamed, dando início a um movimento para revisar a Lei 7176/15 que determina a criação da "Taxa Única de Serviços Tributários da Receita Estadual", aprovada pela assembleia em dezembro de 2015. Através do novo pacote tributário sancionado pelo governador Luiz Fernando Pezão, o empresário que emite Nota Fiscal terá que pagar trimestralmente de R$ 900,00 a 30.000,00 à Secretaria de Fazenda e Finanças, causando um cenário negativo em um dos principais setores que movimentam a economia do estado, com fechamentos de estabelecimentos, redução de arrecadação de impostos e aumento de demissões. Os deputados se sensibilizaram com a causa e se comprometeram a levar as reivindicações à Alerj. Para a deputada Ana Paula Rechuan, é ex-

tremamente negativo o impacto que o comércio poderá sofrer. "Me reuni com os representantes das CDLs do estado e mobilizei os deputados da Casa e o presidente Jorge Picciani, para que juntos possamos revisar e discutir essa lei preocupante, com o secretário de Estado de Fazenda, Julio Bueno, em uma reunião urgente", disse. Para o presidente Marcelo Mérida, ter o apoio da via política é importante para abrir um diálogo com o Governo Estadual. “A preocupação é muito grande, pois as consequências são negativas com a taxa alta, muito acima da razoabilidade. Os deputados não tinham noção das sequelas que prejudicarão os lojistas. Agora, com a união das CDLs do estado e os deputados estaduais, poderemos debater uma solução urgente para este pacote tributário", ressaltou. Estiveram presentes no encontro, o 3° vice-presidente da FCDL Rio de Janeiro, Carlos Monjardim, os diretores de Produtos e Serviços, Financeiro e Distrital, André Luis Amêndola, Ricardo Caldas e Valter Ornellas, e também, o presidente da CDL Resende, Paulo Barcelos.

O presidente da CDL Niterói, Fabiano Gonçalves, que também é vice-presidente da FCDL Rio apoia o movimento e está engajado nesta luta. "Vamos lutar para que haja uma audiência pública para mostrarmos para esses senhores, legisladores do Rio de Janeiro, que nós lojistas unidos somos fortes e não vamos retroceder. Não queremos isenção de nossas obrigações tributárias, mas exigimos uma contribuição mais justa. Assim, não pouparemos esforços para que essa lei seja revogada", finaliza. CDLs em ação A FCDL Rio de Janeiro está contanto com as CDLs de todo estado para alertar os associados sobre as graves consequências da Lei 7176/15. A CDL Volta Redonda iniciou, em janeiro, o Fórum Permanente com o apoio de entidades empresariais do município para discutir assuntos pertinentes para melhorias do setor, como o pacote tributário. Os representantes se reuniram com o deputado estadual, Edson Albertassi que também é presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Alerj, para expor a indignação com mais uma taxa tributária. A CDL Campos promoveu um encontro com o deputado estadual Antônio Marcos Papinha, que se comprometeu a discutir o assunto com demais parlamentares. Já a CDL Resende realizou uma reunião no dia 11 de março, com a deputada estadual Ana Paula Rechuan, para saber os caminhos jurídicos e políticos adotados contra a lei. l

Anuncie na Revista O Lojista e amplie seus negócios! Tel: (21) 2621-9919 Entre em contato conosco e peça para falar com um dos nossos representes.

CDL NITERÓI

29


ASSOCIADO DESFRUTE DOS Cidade SERVIÇOS PRESTADOS PELA CDL CONSULTAS SPC - SPCheques Analítica - SPC Mix (SPC + consulta de cheques) SPCheque - SPCtopfísica+ - SPC Fone - Confirme PF - SPC Busca SPC Localiza PF/PJ - SPC Relatório - SPC Score - SPC Auto-pefin Chequenet - Concentre - Relato - Credit Bureau SERVIÇO DE CADASTRO E INFORMAÇÃO Cadastro físico (sem certidão) - Cadastro jurídico (sem certidão)

SERVIÇO DE RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO Inclusão de registros PF/PJ - Carta de cobrança com ar ou simples

ASSESSORIA E CONSULTORIA JURÍDICA CDL NITERÓI A Assessoria e Consultoria Jurídica CDL Niterói presta atendimento na área trabalhista e em causas Cíveis e de Defesa do Consumidor LOCAÇÃO DE ESPAÇOS COM PREÇOS ESPECIAIS PARA ASSOCIADOS Auditório com 164 poltronas, salões, refrigeradores, sala de treinamento para 40 e 60 pessoas e sala de eventos com cozinha completa.

CERTIFICAÇÃO DIGITAL SPC

10%

DESCONTO PARA ASSOCIADOS

O Certificado Digital SPC é um documento eletrônico para comprovar a Identidade de pessoas físicas, empresas e sistemas, garantindo maior segurança em suas transações on-line e a troca eletrônica de documentos, mensagens e dados, com validade jurídica. Além disso, com a Certificação Digital SPC, você ganha em agilidade e em economia.

CONVÊNIOS Unimed - Estácio de Sá - Universo - Unilassale - Maria Thereza

REVISTA BIMESTRAL DA CDL Faça seu anúncio

BALCÃO DE EMPREGOS Recrutamento e seleção de candidatos

30

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016

Informações Telefone: (21) 2621-9919 - www.cdlniteroi.com.br Rua General Andrade Neves, 31 - Centro - Niterói


Investimento

Niterói atrai investimentos para o mercado de beleza

C

onhecida por sua infraestrutura e qualidade de vida, Niterói tem atraído cada vez mais investimentos, principalmente, no mercado de beleza. Enquanto outros setores da economia apresentam queda, as empresas que trabalham com produtos de beleza, higiene pessoal, saúde e bem estar parecem correr na contramão da crise, pois essa indústria mostra um crescimento, em média, de 10% a 15% ao ano. A preocupação com o corpo e a beleza, dia após dia, conquista mais adeptos entre mulheres e homens e isso acaba movimentando o mercado em todo o país. Segundo dados levantados pela Fecomércio RJ junto ao Ministério do Trabalho, a evolução de estabelecimentos e empregados das atividades de beleza foi de 41,3% e 21,6% em Niterói, um crescimento maior do que o município do Rio, que foi de 24,3% e 19,8%. Isso prova que a cidade possui hoje diversas clínicas especializadas. Diante desse cenário positivo, algumas empresas internacionais estão voltando seus olhares para este mercado no município. Assim, visualizando todas estas qualidades, o médico venezuelano e cirurgião plástico, Dr. Billy Spence, teve a ideia de trazer para São Francisco, bairro nobre de classe média alta, a Spence Imagem & Beleza.

Com um novo conceito, a clínica possui os moldes de um SPA urbano, com aparelhos, técnicas e tratamentos modernos, pensados para atender a um público que tinha carência de um SPA urbano no bairro. "O niteroiense é nacionalmente reconhecido por sua preocupação com a qualidade de vida, beleza e bem estar. Por isso, esse mercado está sempre em movimento na cidade e foi um dos motivos porque eu escolhi Niterói para inaugurar a Spence Imagem & Beleza", ressalta Dr. Spence. Por isso, o conceito da clínica que vai unir beleza e saúde em um mesmo lugar é que beleza é coisa séria e precisa ser acompanhada de perto por profissionais responsáveis e de confiança. Pois, para se destacar no mercado, é importante ter conhecimento, profissionalização e uma boa dose de inovação. l

CDL NITERÓI

31


Política

Será possível? S

ei que me arrisco a tocar no assunto "beijocação" geral no Carnaval. Afinal, a coisa está tão desenfreada, que talvez eu que seja de outra era, ou planeta... Mas, também já tive 16 e, depois, 20 anos. E pelo que me recordo, jamais beijei 80 bocas numa tarde, em competição com as amigas. Desculpem os beijoqueiros, é apenas um desabafo e a verdadeira expressão da liberdade de imprensa, ou melhor, do livre pensar. Cada um que faça o que quiser com a própria boca! Muitos adeptos assim dirão. No entanto, o fato de o governo, assustado com o "evento", sem ter nenhuma comprovação científica, começar a divulgar que a Zika é transmissível pela saliva, só para dar uma segurada no comportamento da rapaziada, foi o fim. Como se nada fosse suficiente para convencer essa galera, di-

gamos, mais animada, a se comportar. Peço perdão de novo e, na mesma linha, ouso perguntar: o que há de bacana ou agradável em se arriscar tanto? E não estou falando de Zika, mas de hepatite, de cárie, de herpes, e de outras "coisitas" mais que não acho necessário descrever... Isso sem falar da parte social. Como já mencionei anteriormente, não conheço uma empresa que se orgulhe de contratar a maior beijoqueira ou o campeão de troca de salivas do pedaço. Sobre o lado sentimental, confesso, que vou passar desta vez, porque nem me parece caber falar de envolvimento e paixão. Alguém tinha que ter a coragem de falar nisso, porque, hoje, com a tal da inclusão de tudo, expressar nosso pensamento sobre determinados assuntos parece um crime e a maioria tem medo. l

Claudia Cataldi Jornalista e membro titular da Academia Fluminense de Letras

32

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016


Personalidade

Restaurante Siri: a receita do sucesso

H

á 37 anos trabalhando no setor do comércio, o empreendedor Adriano Gadini tem muitas histórias para contar. À frente do Restaurante Siri como gerente há nove anos, em Niterói, as experiências adquiridas durante todo esse tempo ajudaram a fazer com que o estabelecimento se tornasse referência em frutos do mar na cidade. Hoje, com média de 12 mil pessoas circulando por mês – com variação em feriados, fins de semana e estação de ano -, Gadini afirma que o bom atendimento, fartura e qualidade dos produtos foram os diferenciais para que o Siri se tornasse um restaurante de sucesso. “Meu maior desafio será sempre o meu cliente satisfeito. É em cima disso que todos do Siri trabalham. É necessário focar no cliente, pois dele virá seu sucesso ou a sua ruína”, diz.

“Meu maior desafio será sempre o meu cliente satisfeito. É em cima disso que todos do Siri trabalham. É necessário focar no cliente, pois dele virá seu sucesso ou a sua ruína”, Adriano Gadini

E foi voltando à atenção às necessidades do cliente que muitas ideias surgiram - desde o conforto do local até a diversidade dos produtos. Sendo assim, o estabelecimento se tornou ideal para um encontro entre amigos ou mesmo um passeio em família. “Nosso compromisso é sempre aliar custo e benefício. O Risoto de Camarão grande, por exemplo, atende bem até seis pessoas. Se dividido por esse número, hoje, ele sairia em torno de R$ 26 reais por pessoa. Ou seja, um programa que atende a todos, sem distinção. Desde um casal a um grupo maior”, explica. E mesmo com uma retração econômica que “devastou” muitos setores comerciais, o Restaurante Siri não deixou de prezar pela qualidade. O estabelecimento reavaliou propostas e se empenhou na busca por criatividade, controle de custos e até mesmo investimento. Com isso, ele se manteve estável e continuou levando ao consumidor o que o Siri tem de melhor: qualidade e bom gosto! Desta maneira, um dos primeiros passos foi lançar novas promoções, com pratos inéditos, e investir em melhoria operacional/comodidade. Gadini lembra ainda que, basta passar por lugares do cotidiano e notar quantas empresas já fecharam. “Imagina ter que conviver com aumentos de produtos, serviços públicos, impostos, etc. E ainda manter qualidade, atendimento e preço condizente. Eu diria que, mais uma vez, vamos superar a crise e torço muito que todos os comerciantes consigam se manter ativos até que tudo volte ao normal”, afirma. Na verdade, para superar a crise em tempos de incertezas, as empresas necessitam de líderes autênticos e envolvidos. E isso, Adriano Gadini tem de melhor. Sempre focado na equipe, nos negócios e atento aos movimentos do mercado, ele trabalha diariamente para que o Siri seja reconhecido cada vez mais. Talvez a receita do sucesso de uma empresa esteja por trás de um profissional que tenha sensibilidade para gerenciar a sua equipe. l CDL NITERÓI

33


Coaching

34

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016


Cidade

NITERÓI VIVE A EXPECTATIVA DA CHEGADA DAS OLIMPÍADAS RIO 2016

Z

ika, crise na saúde, desaceleração da economia e desemprego. A lista dos problemas com que os cidadãos dos municípios do estado do Rio de Janeiro convivem parece não ter fim. No entanto, isso não abala o mundo esportivo quando o assunto é a chegada dos Jogos Olímpicos Rio 2016. E na mesma direção anda a expectativa dos empresários dos segmentos do varejo, de serviço e do turismo de Niterói. Faltando poucos meses para o início das Olimpíadas de 2016, as atividades econômicas da "Cidade Sorriso" - que é um dos centros economicamente mais importantes do estado - intensificam o trabalho para gerar empregos e ofertar mercadorias de qualidade a preços competitivos durante as Olimpíadas. Para o presidente da CDL Niterói, Fabiano Gonçalves, as Olimpíadas Rio 2016 trarão resultados muito positivos para os ramos de hotelaria e de gastronomia. Sendo assim, provando que o município metropolitano está preparado para atender à demanda do megaevento, o H Niterói Hotel, localizado na orla do bairro do Ingá, Zona Sul, vive com otimismo a aproximação dos jogos e espera que a proximidade com o Rio favoreça o aumento da procura por hospedagem nesse período.

“Estamos desenvolvendo, com algumas artesãs, uma louça da cidade que será vendida como lembrança para os turistas. Além disso, vamos potencializar dois pratos que fazem parte da tradição culinária de Niterói: a sardinha e o bacalhau”, ressalta Fabiano "Estamos à espera de um aumento no número de hóspedes neste período. Mas, devido à situação atual do país, entendemos que essa procura poderá ser menor do que esperávamos na época do lançamento da candidatura do Rio. Registramos um tímido aumento, após o Carnaval", enfatiza um dos sócios proprietários do hotel, Rodrigo Alvite. Apesar das incertezas, a realização dos grandes eventos esportivos sempre contribui para a criação de um clima de otimismo que impulsiona investimentos e a economia do país. Desta maneira, a expectativa é de que o evento também impacte em segmentos como o de cultura, de transporte, casas de câmbio

e o comércio varejista, principalmente os shopping centers. Pensando nisso, já existe um projeto com algumas artesãs para a criação de louças de cerâmica comemorativas. Além disso, será proposta para os estabelecimentos a introdução no cardápio de pratos à base de sardinha e bacalhau, pelo fato de Niterói ter sido um dos maiores centros pesqueiros de sardinha. "Estamos desenvolvendo, com algumas artesãs, uma louça da cidade que será vendida como lembrança para os turistas. Além disso, vamos potencializar dois pratos que fazem parte da tradição culinária de Niterói: a sardinha e o bacalhau", ressalta Fabiano. Ainda sobre o assunto, Fabiano afirma que "o público que virá assistir às partidas que farão parte dos Jogos Olímpicos possui um poder aquisitivo superior, se comparado com o da Copa do Mundo. Ele vem para assistir a modalidades específicas e, por isso, precisa ficar hospedado em algum lugar. São pessoas que se preparam para aproveitar o período olímpico e também para conhecer os pontos turísticos e a gastronomia. Sendo assim, este evento traz consigo uma oportunidade ímpar para mostrar as qualidades da cidade, fazendo com que os turistas queiram voltar", explica. l CDL NITERÓI

35


Coaching

Mais sofisticação para a gastronomia de Niterói

O

s dining clubs mais sofisticados de New York, Londres e Paris se fazem presentes agora em Niterói com o Dome Dining Club. A primeira casa do gênero em todo o Rio de Janeiro, o Dome é localizado na areia da Praia de Icaraí, com vista para o Museu de Arte Contemporânea e o Cristo Redentor. A iniciativa é de um grupo de empresários niteroienses, apaixonados por gastronomia e música, que uniu forças com Luiz Augusto Paiva, que por 15 anos atuou no ramo de restaurantes e entretenimento nos Estados Unidos.  

Apoiado no tripé da alta gastronomia, música de qualidade e um ambiente exclusivo, que remete aos mais suntuosos dining clubs do mundo, a proposta do Dome é satisfazer um público mais exigente no tocante à diversão de alto padrão. Para chegar à seleção de pratos da alta gastronomia, o Dome contou com o talento do chef Ronaldo Canha. O Dome é composto por três distintos ambientes de entretenimento: o Dome Dining Club - um restaurante e lounge; o Dome Exclusive - um club prive; e o Dome Beach Club – dedicado a eventos de segmentos diversos. Mais do que um espaço físico, Dome é uma atmosfera de bom gosto e luxo para transformar momentos de diversão em experiências marcantes. Deixe-se seduzir pelo requinte Dome e seja envolvido por esta atmosfera de esplendor onde a gastronomia, a música e o ambiente estão em perfeita harmonia para deleitar os seus sentidos. Ainda mais com a maravilhosa vista da Praia de Icaraí, contorno panorâmico do Rio de Janeiro. l Luiz Augusto Paiva Coach Executivo e Empresarial luizaugusto@laplivecoaching.com.br www.laplivecoaching.com.br

36

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016


Fique por dentro

Alívio para o e-commerce

T

udo indicava que 2016 seria um ano "daqueles" para os empreendedores brasileiros, principalmente, para os que atuam no e-commerce. No entanto, o fim da cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços) trouxe novos rumos para este segmento. Afinal de contas, a Emenda Constitucional 87/2015, que entrou em vigor em 1º de janeiro, trazia um novo sistema de cobrança para o imposto sobre as vendas interestaduais. Esta nova cobrança aumentava a burocracia e o peso do imposto na contabilidade e causaria um impacto enorme para o comércio eletrônico. "Com a nova regra do ICMS, os impostos estaduais das mercadorias passariam a ser repartidos entre os estados de origem e de destino do bem. Com isso, o empresário teria que se cadastrar nas secretarias de Fazenda de cada estado para onde iria vender, aumentando ainda mais a burocracia, sem perspectiva de tornar o mercado mais dinâmico", explica o presidente da

Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL) do Rio de Janeiro, Marcelo Mérida. Diante deste cenário, representantes de diversas entidades empresariais se posicionaram contra e travaram uma verdadeira luta para que fosse realizada uma revisão na legislação que fosse a favor dos empresários. E a resposta veio através do ministro do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, que, ao julgar improcedente, suspendeu por liminar o convênio firmado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), a pedido da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). De acordo com o presidente da CDL Niterói, Fabiano Gonçalves, a decisão do STF de derrubar esta emenda é de suma racionalidade. "Pelo menos uma vez na história podemos ver o Judiciário tendo um bom entendimento de uma lei que podemos considerar antagônica em relação às atividades econômicas do país. Acredito que se essa lei fosse adiante, o Brasil poderia parar, pois seria gasto

muito mais tempo calculando e preenchendo guias de produtos entre estados do que propriamente vendendo", avalia Fabiano. O ICMS incide sobre produtos e serviços considerados essenciais no país. Dessa maneira, se esta nova regra permanecesse, haveria impactos operacionais e financeiros imensos para a economia brasileira. Para o coordenador do SEBRAE no Leste Fluminense, Américo Diniz, a nova regra traria prejuízos não só para os empresários, mas, também, para os consumidores. "Como nenhum empresário opera seu negócio no prejuízo, o que de fato deverá ocorrer é que repassarão para os preços esse acréscimo no custo e, em decorrência disso, as vendas poderão reduzir", explica. Em relação aos consumidores, Américo continua: ”O preço final certamente seria maior com a nova lei. É importante deixar claro que se entrasse em vigor, essa nova regra contribuiria, de alguma forma, para o aumento da inflação”, finaliza.  l CDL NITERÓI

37


Jurídica

A solução de conflitos pela mediação e conciliação, finalmente uma realidade

P

ossivelmente, quando você estiver lendo essa matéria, muito se estará falando sobre a entrada em vigor do novo código de processo civil e de como essa nova legislação privilegiou a mediação e a conciliação como medidas rápidas para solução de conflitos na esfera judicial. Não que o antigo Código deixasse de lado essa previsão. Todos nós já tivemos a experiência de, pelo menos uma vez na vida, termos sido chamados para uma audiência de conciliação. Ocorre que, no geral, nesses procedimentos, os Conciliadores ou Juízes se limitavam a perguntar às partes se tinham alguma proposta para conciliação, sem nenhum empenho para a solução consensual do litígio, o que acabava por prolongar, por anos a fio, um processo que poderia ter solução mais rápida e eficiente para as partes. O Novo Código acatou os anseios do Conselho Nacional de Justiça, de estimular o que este chamou de “Cultura da Paz”, trazendo no texto aprovado, grande destaque para a Mediação e Conciliação. Mas, então, o que de fato é conciliação e mediação e qual a diferença entre elas?

Conciliação é uma forma de resolução de conflitos, onde um terceiro, neutro e imparcial, chamado conciliador, facilita a comunicação entre pessoas que mantêm uma relação pontual na busca de seus interesses e na identificação de suas questões, através de sua orientação pessoal e direta, buscando um acordo satisfatório para ambas. Mediação, por sua vez, é a forma de resolução de conflitos, onde um terceiro, neutro e imparcial, chamado mediador, facilita a comunicação entre pessoas que mantêm uma relação continuada no tempo, na busca de seus interesses e na identificação de suas questões com uma composição satisfatória para ambas. Para exemplificar bem o que estamos tentando passar através desses breves comentários, destacaremos abaixo um acordo homologado por um juiz de Santana, em São Paulo, que nos pareceu caracterizar bem o espírito que a nova legislação pretende promover. Após a separação, um casal discutia a posse do cão de estimação. O magistrado encaminhou o caso para o Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania, para a tentativa de acordo.

Com a ajuda de profissional capacitado para mediar o diálogo, as partes chegaram a um acordo: a posse compartilhada do animal, alternada a cada mês. Ao designar a sessão, o magistrado destacou que o caso envolvia “questões não resolvidas e oriundas da dissolução de relação conjugal” e que a mediação poderia ajudar. No acordo, ficou estabelecida multa de R$ 50 por dia em caso de não cumprimento injustificado da obrigação. Todas as despesas com o animal serão de responsabilidade de ambas as partes, que se obrigam a arcar com eventuais emergências veterinárias enquanto estiverem de posse do cão, exceto quanto às vacinas de rotina, cujos gastos serão divididos igualmente entre as partes. Com a homologação, o acordo tem a mesma validade de decisão judicial, sem a possibilidade de interposição de recurso. A nós, cidadãos de bem e do bem, cabe promover a tal “cultura da paz” a todos os segmentos da sociedade em que estivermos inseridos e ficarmos na torcida para que, brevemente, vivamos tempos em que não precisemos de mediadores, conciliadores ou julgadores, simplesmente porque aprenderemos a viver sem promover conflitos. l Alexandre Andrade Assessor Jurídico da CDL Niterói www.pereiradeandrade.adv.br

ASSESSORIA E CONSULTORIA JURÍDICA É NA CDL NITERÓI A Assessoria e Consultoria Jurídica da CDL Niterói presta atendimento na Área Trabalhista e em causas Cíveis e de Defesa do Consumidor. A Área Trabalhista é realizada com o acompanhamento do processo, da fase inicial até o seu arquivamento. Com relação às causas Cíveis e de Defesa do Consumidor, são prestadas apenas consultorias. Nos dois casos, é necessário que o associado agende sua visita junto à sede da CDL Niterói. Então não perca tempo! Esta é mais uma vantagem da assossiação em nossa entidade! Associe-se e usufrua dos benefícios!

Tel.: (21) 2621-9919 - Ramal 2252 38

O LOJISTA | MARÇO/ABRIL 2016


cursos Período

04/04 a 08/04

03 agosto a 07 agosto

17 agosto a 21 agosto

31 25/04 agosto a a 04 setembro

29/04

14 setembro a 25 setembro

Horário

Local

Curso

Valor

ATENDIMENTO AO CLIENTE Conteúdo: A importância da satisfação LOCAL do cliente; Perfil do profissional de atendimento; Momentos da verdade das 18h30 às CDL TÉCNICAS DE VENDAS empresas; Agregar valor gera encantamento R$ 230,00 21h30 Niterói Conteúdo: A importância da venda consultiva; As diversas funções do vendedor; do cliente; Os sete pecados no atendimento 18h30 Desenvolvendo habilidades de prospecção de mercado e busca de clientes; Principais ferramentas de vendas para a entrevista de diagnóstico; Desenvolvendo a habilidade de 230,00 às CDL Niterói ao cliente; Ações estratégicas para fortalecer levantar necessidades de clientes; Princípios fundamentais do processo de negociação; 21h30 Organização das ações de pós-venda. a relação com o cliente; Medindo a satisfação doFINANCEIROS cliente. CONTROLES 18h30 às 21h30

Conteúdo: Controle, previsão e análise do caixa; A origem dos recursos e seus registros; Análise do fluxo de caixa; Determinação do capital de giro; Apuração dos resultados da empresa.

230,00 TÉCNICAS DE VENDAS Conteúdo: A importância da venda consultiva; As diversas funções do vendedor; ANÁLISE E PLANEJAMENTO FINANCEIRO Desenvolvendo habilidades de prospecção Conteúdo: A administração financeira da empresa; Projetar fluxo de caixa; 08h30 que influenciam o planejamento; Definição de metas com base nos às NiteróiCDL Fatores deresultados; mercado e busca de clientes; Principais 230,00 às18h30CDL Conclusão do plano: Afinal, este negócio é viável? R$ 230,00 18h0021h30 Niterói ferramentas de vendas para a entrevista de diagnóstico; Desenvolvendo a habilidade de INICIANDO UM PEQUENO GRANDE NEGÓCIO levantar necessidades de clientes; Princípios Conteúdo: Perfil empreendedor; Identificação de oportunidades de 08h30 fundamentais do processo de negociação; negócios; Análise de mercado e financeira; Concepção dos produtos e 340,00 às CDL Niterói serviços; Orientação para elaboração do Plano de Negócios. Organização das ações de pós-venda. 18h00 CDL Niterói

CDL NITERÓI

39


O lojista Março 2016  
O lojista Março 2016  
Advertisement