Page 1

Edição 566 | Junho 2017

Aproximação com o lojista Conheça o novo canal de atendimento da CDL

NITEROI

O LOJISTA

Ano XXXVIII | www.cdlniteroi.com.br

Sustentabilidade e economia

Lojistas adotam novas medidas alinhadas à preocupação com o meio ambiente

Rota Gastronômica

Projeto aposta no crescimento econômico e sustentável da Região Oceânica


De Utilidade Pública: Estadual, Lei no 5579/65 / Municipal, deliberação no 2539/65

EDITORIAL

CONSELHO SUPERIOR Presidente: Joaquim Manuel de Sequeira Pinto Vice-presidente: Ademir Antunes Carvalho MEMBROS DO CONSELHO SUPERIOR Antonio Carlos Costa Pires, Domingos de Carvalho Rodrigue, Elida Gervásio Gouvêa, Ithamar Torres Mancen, José Dornas Maciel, Lúcio Ferreira de Azevedo, Manoel Alves Junior, Orlando Cerveira Francisco, Roberto Mauricio Rocha, Salomão Guerchon. Suplentes: Gentil Moreira de Sousa e Marina Espósito Haddad. DIRETORIA ADMINISTRATIVA Presidente: Fabiano Gonçalves Vice-presidente: Luiz Vieira Diretores: Fausto Regis de Oliveira Reis, Graciele Davince Pereira, Jorge Gentile, Mauricio Nassib Moita Zarife, Oswaldo Rodrigues Vieira, Rogerio Rosetti Mendes, Ruan Carlos Teixeira de Oliveira, Sidney Moyses Vianna Freire Suplentes: Alberto Guilherme Magalhães Ducan e Felipe Reis de Almeida Gerente: Ermano Santiago CONSELHO EDITORIAL Fabiano Gonçalves e Joaquim Pinto

O LOJISTA

NITEROI

SERVIÇOS DA CDL Serviço de Proteção ao Crédito, Serviço de Relações com Usuários, Central de Informações, Central de Cadastro, Central de Processamento de Dados, Assessoria Técnica, Consultoria Jurídica, Serviço de Documentação e Divulgação e Serviço de Administração

Edição e Coordenação: Kelly Goldoni - MTE: 34527/RJ Redação: Goldoni Comunicação Diagramação e Arte: Alyne Gama Jornalistas: Paula Valviesse e Íris Marini Consultoria: Priscila Oliveira Fotos: Divulgação CDL Niterói

Publicação dirigida da CÂMARA DE DIRIGENTES LOJISTAS DE NITERÓI, contendo legislação, índices econômicos e condensado de notícias e informações de interesses do comércio lojista. Distribuição: Câmaras de Dirigentes Lojistas, Associações Comerciais, Federações do Comércio, Sindicatos e demais entidades de classe do País, identificadas com as atividades do comércio, bem como empresários e executivos especialmente cadastrados. O LOJISTA utiliza as seguintes fontes para editar o condensado de notícias: O Globo, Jornal do Commercio, A Tribuna, O Fluminense e Diários Oficiais. Os índices, estatísticas e projeções são cuidadosamente compilados, de acordo com os últimos dados disponíveis no fechamento da edição. O uso dessas informações para fins comerciais e de investimentos é de exclusiva responsabilidade e risco dos seus usuários. IMPORTANTE: As matérias assinadas são de respnsabilidade de seus autores. ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA Rua General Andrade Neves, 31, Centro, Niterói, RJ CEP: 24210-000 / Tel.Fax: (21) 2621-9919

Mais perto do lojista

A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói reconhece a rotina e o ritmo acelerado dos empresários para gerenciar seus negócios da melhor maneira possível. Sabemos que o tempo é uma moeda valiosa e, por isso, estamos buscando sempre alternativas para facilitar a comunicação e proporcionar o melhor atendimento aos nossos associados. Nesta edição da revista O Lojista trazemos como novidade o acesso às informações da entidade por meio do aplicativo WhatsApp, uma forma encontrada pela CDL de promover um atendimento rápido e personalizado a todos os empreendedores. Através desse canal é possível saber sobre as novidades da instituição, realizar consultas, agendar horários e ficar por dentro de todos os serviços oferecidos. E já que o assunto é agilidade e conforto, convidamos os empresários para conhecer nossa nova sala de Certificação Digital. Pensando no bem-estar e na otimização do tempo de todos, reformamos nossas instalações e ampliamos a estrutura do local. Além disso, investimos em equipamentos novos e modernos e na contratação de mais um funcionário para o setor, tudo para tornar o serviço, que já é um grande diferencial da entidade, mais rápido e eficiente. Falaremos também sobre um assunto que tem ganhado cada dia mais espaço dentro das empresas, a sustentabilidade. Além de economizar recursos e diminuir gastos, demonstrar preocupação com o meio ambiente também é uma forma de agregar valor à sua marca. E não são só as grandes empresas que devem se preocupar com o tema, pequenas ações podem trazer um retorno excelente para a sua empresa e para o seu orçamento. Vale a leitura! Para concluir, damos destaque a duas ações importantes realizadas na Região Oceânica: o lançamento da Rota Gastronômica, projeto amplamente apoiado pela CDL e que tem como objetivo o crescimento econômico e sustentável da região; e ainda a formação da primeira turma de “Empretecos” na localidade, que mostra o sucesso da parceria entre a entidade e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) no incentivo e desenvolvimento de empreendedores. Vamos em frente!

Fabiano Gonçalves

Presidente

Impressão Gráfica Primil (21) 3078-4300 Circulação Mensal Nacional | Conteúdo on-line CDL NITERÓI 3


EDIÇÃO 566

ÍNDICE 18

CAFÉ

EMPRESARIAL Eventos destacam gestão de qualidade e empreendedorismo materno

06

Ações sustentáveis geram redução de custos e uma identidade ecológica da marca

16

CAPA

Empretec

08

Gestão

09

10

Curtas

11

Política

12

Negócios

20

Jurídica Cidade CDL otimiza canal de atendimento via WhatsApp e amplia espaço de serviços ao lojista 4 O LOJISTA n junho 2017

21

Consultor digital Varejo

24

Comércio exterior

23 26


CAfÉ empresarial

Café Empresarial destaca gestão de qualidade e empreendedorismo materno

E

m maio, o Café Empresarial realizado pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói na Região Oceânica, explorou o tema “Gestão de qualidade – Como manter relacionamentos duradouros com seus clientes”, com palestra ministrada pela consultora de marketing digital Ingrid Meinerz. E no Centro, em homenagem ao mês das mães, a entidade promoveu uma discussão sobre empreendedorismo materno, com participação especial da coaching, desenvolvedora de pessoas e psicóloga, Giovanna Andrade, que além de empreendedora é mãe de Téo, de três anos. Com mais de 10 anos de experiência em planejamento estratégico, Ingrid Meinerz destacou o atendimento como o diferencial de qualquer negócio. Para ela, existe uma tendência de resgate do relacionamento com o cliente, como era comum nas lojas e mercadinhos de bairro, uma mudança na atenção dedicada a ele, mesmo em período de crescimento das vendas on-line, visando fidelizar o consumidor.

“Era esse relacionamento mais pessoal que fidelizava o cliente e estamos voltando a dar valor a esse atendimento. Mesmo com o e-commerce, esse contato mais íntimo da empresa com o consumidor é importante”, ressaltou Ingrid que, na sequência, apresentou aos presentes os novos “P’s” do marketing, que são: Pessoas, Processos e Projetos de evidências físicas, somados aos tradicionais três “P’s”, definidos como preço, produto/ serviço e praça. Ainda falando sobre as novas formas de comércio e consumo, a consultora explicou que a tendência é que as empresas passem a ser cada vez mais híbridas, ou seja, atuem com produtos e serviços, por isso a compreensão e inclusão dessas novas definições de marketing são importantes. De acordo com Ingrid, com a hibridização, as diferenças entre as empresas serão cada vez menores, sendo então preciso investir no atendimento como diferencial na prestação de um serviço de qualidade, para se destacar no mercado. “Precisamos mudar o conceito de vender para o conceito de servir. Nós não simplesmente vendemos produtos ou prestamos serviços, nós atendemos a necessidade do nosso consumidor. Também é preciso entender para atender, devemos parar de pensar para o cliente e pensar como o cliente, entender como é a experiência do consumidor com a nossa empresa”, disse Ingrid, que também trabalhou conceitos sobre conquista e recuperação do cliente e sobre como lidar com reclamações de uma forma positiva.

"Precisamos mudar o conceito de vender para o conceito de servir" Ingrid Meinerz, consultora de marketing digital

6 O LOJISTA n junho 2017


CAfÉ empresarial

"Competências reconhecidas no empreendedorismo são a base também da maternidade" Giovanna Andrade, coaching, desenvolvedora de pessoas e psicóloga

No evento realizado na sede da entidade, o tema escolhido foi “Forças e virtudes das mães que trabalham”, com palestra ministrada pela coaching, desenvolvedora de pessoas e psicóloga Giovanna Andrade, que além do conteúdo programado, ainda trouxe um pouco da sua experiência de vida, como mãe do Téo, de três anos, para falar dos desafios de conciliar trabalho e maternidade. Segundo Giovanna, as dificuldades da maternidade começam com a volta ao trabalho, após o nascimento dos filhos, um dos momentos decisivos para a maioria das mulheres, quando muitas delas acabam desistindo de exercer a profissão para se tornarem mães em tempo integral: “Na maioria das empresas, a licença-maternidade é de quatro meses, podendo ainda contar com mais um mês referente ao período de férias, mas a orientação é de que devemos amamentar até, pelo menos, seis meses de idade e, já nesse ponto, começa o dilema de muitas mães”, expõe Giovanna. Mas, de acordo com a coaching, apesar da grande mudança vivida pela maioria das mulheres, é preciso entender que ser mãe é mais um papel, dentre os outros diversos já

protagonizados, como ser filha, mulher, empreendedora, e deve ser gerenciado da mesma maneira, ou seja, a mulher deve definir suas prioridades de acordo com o que é mais importante para ela, mas mantendo vivas suas expectativas profissionais e seus sonhos. Nessa linha, Giovanna listou algumas das competências do empreendedorismo, como assumir riscos, ter capacidade de esforço, sacrifício e boa comunicação, fazer o gerenciamento de recursos, possuir organização e planejamento, entre outros, e destacou: “Essa é a roda do empreendedorismo, são as funções que precisamos desenvolver para alcançar o sucesso, mas todas essas competências são a base também da maternidade. Assumimos o risco por uma nova vida, às vezes estamos cansadas, mas precisamos nos esforçar e fazer alguns sacrifícios pelos nossos filhos, gerenciamos recursos ao comprar roupas e alimentação apropriadas, ser mãe demanda esforço, organização, perseverança”. Para a palestrante, o importante é ter essa clareza de que as competências de uma empreendedora e de uma mãe são as mesmas, e de que não é preciso abrir mão de nada, apenas saber gerenciar e querer investir em si mesma. “Temos as competências, mas também sabemos que no meio da nossa agenda de trabalho teremos um compromisso com os nossos filhos, como consulta com o pediatra. Eu costumo dizer que filhos costumam parir grandes empreendedoras, porque muitas mulheres possuem todas as características, mas algumas que estavam latentes afloram com a maternidade”, finalizou Giovanna.

CDL NITERÓI 7


EMPRETEC

Seminário contou com a participação de 22 empreendedores

Região Oceânica forma primeira turma de “Empretecos”

A

parceria de sucesso entre a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) para a realização do seminário de treinamento em empreendedorismo, o Empretec, contemplou em maio a Região Oceânica. A primeira turma de “Empretecos” da localidade, com 22 participantes, foi um grande sucesso e a expectativa é que outras edições do seminário sejam realizadas. O Empretec é um seminário de imersão, que utiliza uma metodologia desenvolvida pela Organização das Nações Unidas (ONU), cujo objetivo é desenvolver características de comportamentos empreendedores nos participantes. No Brasil a formação é realizada exclusivamente pelo Sebrae. “O Empretec é um seminário motivacional, de imersão, e precisa de

8 O LOJISTA n junho 2017

dedicação exclusiva. Nele buscamos ampliar o potencial dos participantes, ajudá-los a identificar suas habilidades, conhecer e praticar comportamentos empreendedores, e ainda fortalecer suas características. A ideia é trabalhar a pessoa como um empreendedor no início de montagem da empresa”, destaca Henrique Gonçalves, consultor do Sebrae e facilitador do Empretec. O primeiro contato com as metodologias do seminário ocorreu na palestra realizada no dia 9 de maio, em Itaipu. Nele, Henrique Gonçalves tirou dúvidas sobre o curso e os benefícios que o Empretec pode motivar. Segundo o consultor, o treinamento é a prática de todo o conhecimento adquirido pelo empreendedor, seja culturalmente ou em cursos específicos de gestão. Ainda de acordo com Henrique, o seminário serve para que o participante descu-

bra sua postura, alinhe suas capacidades e ao se encontrar, encontre o caminho para o sucesso. “Uma pergunta que eu ouço muito é: ‘Não seria maravilhoso poder trabalhar com aquilo que a gente gosta?’ A resposta que costumo dar é:’Viva a vida que quer viver, que você gosta de viver, mas monte o negócio que te dê condições de ter essa vida. Seu negócio tem que ser o meio para você viver a vida que quer’ ”, ressaltou Henrique. Com essa edição, Niterói chega a seis turmas formadas de “Empretecos”, como são chamados os participantes. Na Região Oceânica o seminário aconteceu do dia 22 a 27 de maio, das 8h às 18h. Durante esses seis dias, os participantes se dedicaram exclusivamente às atividades desenvolvidas no seminário, que utilizam técnicas altamente interativas, com jogos, exercícios e palestras.


GESTÃO

C

Presidente da CDL recebe Troféu Empreendedor do G10

omo presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói, Fabiano Gonçalves foi agraciado com o Troféu Empreendedor pelo G10, grupo que reúne empresários do Rio de Janeiro em prol do desenvolvimento e da troca de experiências. A premiação aconteceu no evento Encontro de Empresários, realizado pelo grupo no dia 6 de maio. Segundo o presidente do G10, professor Marcos Oliveira, a escolha do presidente da CDL de Niterói para ser homenageado foi feita em função de seus projetos junto aos empresários niteroienses, sua capacidade de administração e ainda pela promoção de iniciativas de empreendedorismo, que têm como objetivo o crescimento da cidade e do comércio local. “O Fabiano Gonçalves é um empreendedor que gera inspiração para outros empresários. À frente da CDL de Niterói, ele tem trabalhado para a geração de empregos e para a capacitação de gestores, ações que influenciam diretamente na melhora

Fabiano Gonçalves recebeu o troféu no evento Encontro de Empresários, no Rio de Janeiro da economia da cidade, que fomenta o comércio e o empreendedorismo local. Essa homenagem é nossa maneira de reconhecer a atuação e as qualidades de um jovem empreendedor, e para que suas ações sirvam de exemplos para outros”, declarou Marcos Oliveira. Após receber o troféu das mãos do presidente do G10, Fabiano Gonçalves agradeceu a homenagem e destacou

a importância do trabalho desenvolvido pela CDL para os empresários e para a população de Niterói. “Agradeço ao G10, esse importante movimento de empresários da cidade do Rio de Janeiro, pela homenagem. Recebo esse troféu em reconhecimento à nossa causa, em nome da CDL e de todos que trabalham em defesa de quem produz e gera emprego em nosso Estado”.

CDL NITERÓI 9


CURTAS

FGTS inativo é usado para o pagamento de dívidas

N

o terceiro mês do calendário de saque do saldo inativo das contas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), que até o momento já contemplou os aniversariantes de janeiro a agosto, o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) divulgou uma pesquisa que mostra que 36% dos trabalhadores que tiveram acesso ao benefício utilizaram o recurso para pagar dívidas atrasadas. Outra forma de utilização citada pelo levantamento foi o uso do saldo para antecipar o pagamento de contas, como crediários e prestações da casa ou carro, ação realizada por 10% dos consultados. Ainda de acordo com a pesquisa, entre os trabalhadores que já realizaram o saque dos recursos, 42% investiram o dinheiro em pagamentos de despesas do dia a dia. Apenas 6% usaram o saldo inativo do fundo de garantia para realizar compras e 16% investiram ou pouparam.

Fórum discute saídas para a crise econômica

A

29ª edição do Fórum Nacional, organizado anualmente no Rio de Janeiro pelo Instituto Nacional de Altos Estudos (Inae), teve como tema “Recessão, crise estadual e de infraestrutura. Para onde vai a economia brasileira?”. Na abertura do evento, o presidente interino do fórum, Raul Velloso, disse que o Brasil tem quatro apagões que precisam ser enfrentados e todos eles estão interligados. Segundo Velloso, esses apagões seriam o fiscal, de investimento, de infraestrutura e de produtividade. E sinalizou que todas as saídas dependem do governo federal. O economista ainda destacou que o Brasil precisa investir mais em infraestrutura “aqui e agora” e não daqui a seis ou oito anos, “senão, não sai da recessão”. No que tange ao apagão fiscal estadual, salientou que é um problema não resolvido e que pode atrapalhar a obtenção de um outro objetivo, que é investir e crescer mais.Na avaliação do consultor, a atual recessão econômica é causa e também consequência desses apagões. “Por isso, é complicado e difícil resolver”, manifestou. 710 O LOJISTA n junho 2017

Conheça os novos

associados da CDL Niterói a a a a a

Associados do Mês de Abril/2017 By Field Services Vídeo Monitoramento Ltda JM Tropical Fisch 2008 Com. Pescados Ltda Icaarj Ind. Com. Cadeiras RJ Ltda F B de Paiva Cons. Bombas Hidráulicas

FMI projeta crescimento de 0,2% para o Brasil em 2017

O

Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta um crescimento de 0,2% para o Produto Interno Bruto (PIB) neste ano e uma expansão econômica de 1,7% para 2018. O documento destaca que a inflação tem caído rapidamente, ficando dentro da meta ao fechar 2016 em 6,3%. O fundo ressalta ainda a emenda constitucional aprovada no fim do ano passado, que limitou os gastos do governo federal. “Essa emenda é bem-vinda, porque tem como objetivo garantir o retorno do superávit primário (economia para pagamento da dívida pública) e da sustentabilidade da dívida”, diz a análise do FMI. As reformas propostas pelo governo e o progresso da incerteza política são fatores que, na avaliação do FMI, continuaram afetando as perspectivas brasileiras. Nesse sentido, o fundo enfatiza o papel da reforma da Previdência. “É um projeto muito importante. Há uma combinação de fatores no Brasil: uma tendência demográfica das pessoas viverem mais e as famílias serem menores. O sistema que foi criado décadas atrás precisa ser modificado, atualizado, adaptado para essa nova realidade demográfica”, ressaltou o chefe de missão do FMI para o Brasil, Alfredo Cuevas.


POLÍTICA

Globalizando Por Claudia Cataldi Cientista Política e Imortal da Academia Fluminense de Letras

E

m tempos de globalização exacerbada, muitas oportunidades e possibilidades surgem todos os dias, principalmente no mundo dos negócios. Entretanto, é preciso estar muito atento e antenado aos mercados interno e externo, pois todo bônus traz consigo ônus. Ser um empreendedor no Brasil é considerado por muitos um ato de coragem e ousadia, mas existem aqueles que consideram insanidade empreender num ambiente tão incerto, onde além do elevado “custo Brasil”, convive-se rotineiramente com instabilidade política, econômica e jurídica. O fato é que toda essa universalização do comércio de produtos e serviços fez com que nossos insumos naturais e matérias primas ganhassem o mundo na mesma proporção que nossa indústria sofrera retração e encolhimento. Desse cenário tão heterogêneo e plural, surgem muitas teorias e retóricas, mas são as ações práticas que nos levam além. Cada empreendedor deve avaliar o seu modelo de negócio, que tem início na avaliação dos produtos/ serviços, seus custos, e o perfil dos seus clientes. Uma tendência resultante da Globalização são as vendas virtuais, também chamadas de comércio digital. Além de reduzir

operacionais, possibilita alcance sem fronteiras, indo ao encontro de uma tendência mundial de comodidade e praticidade, de comprar e vender, sem sair de casa ou escritório. Outro ponto importante desse mercado globalizado é a segurança da marca do produto e até mesmo da ideia. Um bom exemplo disso é a Coca-Cola, que circula mundialmente com marca exclusiva e fórmula patenteada. Não fosse essa estratégia de segurança da companhia, dificilmente a Coca-Cola seria o que é em nível mundial. Enfim, que o Brasil e nossos empreendedores, corajosos ou insanos, consigam transformar adversidades em oportunidades, provando que o brasileiro é criativo e empreendedor, não só no samba ou futebol, mas sobretudo no mundo empresarial.

CDL NITERÓI 11


Odimar Brito

NEGÓCIOS

CDL apoia criação da Rota Gastronômica da Região Oceânica Projeto une 23 estabelecimentos de quatro bairros da região e destaca vocação de Niterói para o turismo e como um dos principais polos gourmet do Estado

12 O LOJISTA n junho 2017

U

m projeto que aposta no crescimento econômico e sustentável da Região Oceânica de Niterói: a Rota Gastronômica. Foi lançada em maio e destaca a cidade como destino turístico e um dos principais polos gourmet do Estado do Rio de Janeiro. A rota da Região Oceânica difere um pouco dos outros polos já existentes na cidade, na orla de São Francisco e no Jardim Icaraí, pois é formado por restaurantes localizados em quatro bairros: Cafubá, Engenho do Mato, Piratininga e Itaipu. São 23 estabelecimentos que oferecem, em dez quilômetros de roteiro, um cardápio com variedades para todos bolsos, gostos e paladares.


NEGÓCIOS

Os empresários deram o pontapé inicial para um trabalho mais aperfeiçoado e de qualidade no que se refere à rica gastronomia encontrada nos restaurantes dessa região, garantindo assim um serviço de primeira linha. O projeto de criação da Rota foi organizado pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Estado do Rio de Janeiro (Sebrae/RJ), incentivado pela Prefeitura de Niterói, por intermédio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Indústria Naval, apoiado pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói, pela Associação Comercial de Niterói e pelos donos dos restaurantes. A presidente da Rota Gastronômica, Patrícia Crespo, explicou que a junção de todas as entidades e a Prefeitura deu um novo impulso aos empresários: “Temos as condições climáticas e belezas naturais de dar inveja. Vamos investir numa gastronomia de excelência com atrações totalmente ecléticas, para todos os gostos. O incentivo das entidades e da prefeitura foi fundamental” explicou Patrícia. Esse incentivo, de acordo com o vice-presidente da CDL, Luiz Vieira, foi a maneira encontrada pelas enti-

dades que trabalham para o desenvolvimento sustentável da cidade, de mostrar o quanto Niterói pode crescer se souber investir em projetos que destacam o empreendedorismo. “Com a Rota Gastronômica da Região Oceânica, temos mais 23 estabelecimentos interligando o polo gourmet e o turismo da cidade, formamos um grande cinturão com três polos: Região Oceânica, São Francisco e Jardim Icaraí. Esse foi mais um grande passo para nossa cidade seguir crescendo economicamente e empreendendo”. Segundo o prefeito Rodrigo Neves, a consolidação da Rota permite um planejamento ampliado, por parte do poder público, para apoio aos empresários, com logísticas que incluem ordenamento de ruas, presença de guardas municipais e os projetos que estão sendo desenvolvidos para o crescimento da região. “A região tem belezas naturais, praias, lagoas e matas preservadas. Nos últimos quatro anos, investimos mais do que foi investido em 40 anos nestes bairros. Faremos mais ainda. Para incentivar os empresários, criamos a Casa do Empreendedor,

fizemos reformas fiscais na área naval, de saúde e a Lei dos Hotéis. Com isso, dobramos o número de hotéis e trouxemos redes internacionais para a cidade. Niterói é alto astral e vamos continuar apoiando e criando incentivos. Temos ajudado e apoiado com iniciativas concretas para o empreendedorismo na cidade, e com o setor de gastronomia não será diferente. Criamos a lei de incentivo aos 52 cervejeiros, o que também significa mais postos de trabalho. Todos esses incentivos geram emprego e renda para a cidade. Além disso, hoje, o niteroiense não precisa mais procurar opções gastronômicas e de entretenimento no Rio”, disse o prefeito. Rodrigo Neves destacou que a Rota chega também num momento em que a Prefeitura iniciará o Plano Região Oceânica Sustentável, com investimentos de mais de R$ 300 milhões em obras de requalificação de vias da Região Oceânica. São obras de macrodrenagem, expansão e implantação de sistema cicloviário, construção de um Centro de Referência em Sustentabilidade Urbana, recuperação de rios, projetos de ecoturismo e gestão das praias e um plano de gestão ambiental específico.

CDL NITERÓI 13


14 O LOJISTA n junho 2017


CDL NITERÓI 15


CAPA

CDL otimiza canal de atendimento via WhatsApp e amplia espaço de serviços ao lojista

Aplicativo vai oferecer aos associados uma assistência ainda mais rápida, eficiente e personalizada 16 O LOJISTA n junho 2017


CAPA

O

WhatsApp é o aplicativo da vez, movimentando mais de um bilhão de usuários no mundo e cerca de 40 milhões de pessoas só no Brasil. O programa oferece possibilidades de envio de mensagens de texto, chamadas de voz e de vídeo e ainda o compartilhamento de imagens e documentos, sendo cada vez mais utilizado pelas empresas como canal de atendimento aos clientes. Pensando nisso, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói vem apostando nesse meio de comunicação como forma de oferecer aos seus associados uma assistência ainda mais rápida, eficiente e personalizada. E ainda no quesito atendimento, a entidade também ampliou o espaço de Certificação Digital para melhor atender as necessidades do empreendedor que deseja acessar os serviços oferecidos pela Câmara. O atendimento por meio do aplicativo é feito através do número (21) 96511.5016 e foi aperfeiçoado para ter uma função mais efetiva junto aos associados, que podem tirar dúvidas e enviar sugestões, além de solicitar informações sobre todos os serviços prestados pela entidade, desde a emissão de certificados, consultas e até mesmo sobre aluguel dos espaços da Câmara para cursos e eventos. “Comprovadamente o WhatsApp é a mídia mais utilizada entre os brasileiros atualmente. O aplicativo trouxe velocidade na comunicação e no projeto que estamos implantando, o ‘WhatsApp do Lojista’ chega para oferecer essa facilidade no atendimento aos lojistas, acompanhando a rotina e o ritmo do empreendedor. O objetivo é que esse canal, gerenciado por uma gestora, seja uma nova central de informações, tendo como foco principal esclarecer e orientar os associados sobre produtos e serviços oferecidos pela entidade, além das pessoas que têm interesse em integrar a CDL”, informa Mateus Sacramento, da Agência CMI, responsável pela consultoria de marketing e comunicação da CDL , e que está à frente do projeto. Ainda em fase inicial, o WhatsApp do Lojista está sendo atualizado com informações de todos os associados, mas também está disponível ao público, bastando apenas enviar uma mensagem solicitando o cadastro na lista de relacionamento da CDL.

“Todos os associados estão sendo cadastrados no aplicativo e informados sobre o novo canal de comunicação, através do qual eles também poderão ter conhecimento de eventos realizados pela CDL, como o Café Empresarial, cursos e outras palestras. Assim, temos uma comunicação mais rápida e pessoal com cada associado. Pelo aplicativo, também é possível agendar horário para a retirada do Certificado Digital, assim como solicitar orçamento e saber sobre a disponibilidade de locação dos espaços da entidade”, destaca Mateus, ressaltando que os associados “têm gostado muito” desse canal de comunicação mais próximo e personalizado. E o investimento da CDL vai além do digital. Para proporcionar mais conforto e praticidade aos seus associados, a instituição criou em maio o Espaço do Certificado Digital. Com isso, além de um atendimento diferenciado, com profissionais amplamente capacitados para emissão do documento, e ainda oferecer vaga em estacionamento próprio para as pessoas que desejam o serviço, agora o espaço conta com uma sala totalmente reformada e estruturada, no quarto andar da entidade. “Visando ao conforto do empresário, foi criada uma sala de espera, com TV LED, mobiliário novo, ar-condicionado, carregador de celular e mesa de café. E para agilizar o atendimento, o CDL investiu também em equipamentos novos para os certificadores e contratou mais um profissional para o setor, tudo para otimizar o tempo do empreendedor”, ressaltou Mateus.

CDL NITERÓI 17


AÇÕES SUSTENTÁVEIS

Ações sustentáveis geram redução de custos e uma identidade ecológica da marca

Lojistas adotam novas medidas alinhadas à preocupação com o meio ambiente

A

economia de recursos, de gastos e a preocupação com o meio ambiente são as palavras de ordem nas corporações há um bom tempo. Mas empresas de pequeno porte também têm adotado ações e medidas ecológicas na rotina das suas lojas como forma de tornar o negócio cada vez mais alinhado ao conceito de sustentabilidade e gerar redução de custos. Segundo a mestre em Engenharia Ambiental e especialista em Gestão Ambiental, Roberta Romero, com mudanças simples, é possível diminuir o uso de recursos naturais e economizar. “É possível, é importante e é fácil. Pequenas atitudes como, por exemplo, optar por lâmpadas econômicas, reduzir o consumo de energia e água já dão retorno econômico. Quando possível, priorizar produtos não descartáveis, ir para o trabalho a pé, de bicicleta, transporte público, organizar entre os amigos as caronas, diminuir as embalagens, trocar sacolas

18 O LOJISTA n junho 2017

plásticas por sacolas retornáveis, praticar marketing digital e outras. Todas essas atitudes são simples e de baixo custo”, comenta a especialista. Para Roberta, é importante que os proprietários de lojas aprendam a empreender com uma gestão ambiental responsável. “Além de reduzir custos, pode atrair um novo mercado consumidor com o marketing ambiental. Pesquisas revelam que atualmente no Brasil 5% dos consumidores são conscientes e 25% são sensíveis a ações sociais e ambientais”, considera. Para tornar o seu espaço ecologicamente correto, há diversos caminhos que podem ser traçados. A melhor iluminação para o seu estabelecimento é a natural, se quiser alcançar este objetivo. “Se puder optar por construções com vãos de vidros ou claraboia [caso ainda esteja construindo a loja ou reformando], sem dúvida, o retorno econômico e ambiental é enorme, mas se não for possível, a

alternativa sustentável seria a troca de lâmpadas por fluorescentes ou de LED”, recomenda. O proprietário da ‘Homem da Terra’, comércio no centro de Niterói, e presente no e-commerce, André Basile, adquiriu a loja em 2007 e, desde então, junto ao seu pai, tem comandado o negócio e promovido uma verdadeira transformação com diversas soluções ecológicas. “Temos um projeto de compensação de carbono com plantio de árvores, fazemos parte de nossas entregas com uma prestadora de serviços chamada Courrieros, com ciclistas atletas, reaproveitamos caixas para envio de nossos pedidos na loja virtual, cortamos o uso de isopor para enchimento de caixas (pedidos pela internet) e utilizamos almofadas de ar feitas de plástico que se biodegrada completamente na presença de oxigênio e microrganismos”, conta o lojista. Para o comerciante, a economia em dinheiro foi um dos principais motivos de adotar estas ações na loja.


AÇÕES SUSTENTÁVEIS

“É um erro pensarmos que implantar ações sustentáveis são caras. O investimento inicial retornou rapidamente devido a economia que fizemos e, ao mesmo tempo, conseguimos valorizar a marca juntos aos nossos clientes. Quando decidimos

"O investimento inicial retornou rapidamente devido a economia que fizemos e conseguimos valorizar a marca junto aos clientes" André Basile, empresário

parar de usar isopor para o enchimento de caixas, por exemplo, inicialmente, teríamos que fazer um investimento em uma máquina que só daria retorno após dois anos. Porém, após a implantação, a operação também ficou mais rápida, o que nos deixou com mais tempo para outros serviços. A ideia era diminuir os gastos com material de embalagem e, pelos nossos cálculos, reduzimos em 20%. Outro benefício foi que, após o fim do estoque de isopor, tínhamos um ‘novo’ espaço que poderia ser utilizado para estocar mercadorias”, relembra.

CDL NITERÓI 19


JURÍDICA

Vendedor submetido a corredor polonês será indenizado por danos morais Por Alexandre Andrade Assessor Jurídico CDL Niterói www.pereiradeandrade.adv.br

Q

uem acompanha essa coluna sabe muito bem que práticas como a que dá título à matéria dessa edição são usadas como alerta e sugeridas com veemência para que nossos leitores atentos não repitam. Já falamos da situação em que os colegas de trabalho, de um determinado empregado tido como afeminado,resolveram lhe fazer uma “homenagem” no dia do seu aniversário e colocaram um painel de aniversário de menina para fazer a comemoração. Falamos também da empresa em que o gerente tratava os empregados aos gritos e só os chamava de nomes pejorativos. Burro e imbecil eram as formas menos grosseiras que o gestor se dirigia a seus subordinados quando estava nervoso. Nos dois casos as empresas foram levadas ao tribunal, receberam a merecida punição e foram obrigadas a indenizar o empregado reclamante. A situação que destacamos no título dessa matéria também ocorre frequentemente e também não passou impune, a 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT/RJ) condenou uma empregadora a título de danos morais a pagar R$ 5 mil a seu empregado. Os Juízes acreditaram na história contada por um vendedor que diz que sofria assédio moral ao ser punido por não ter alcançado a meta de vendas. Contou que sofria pressões psicológicas por conta de cobranças feitas de forma repetitivas e prolongadas.

20 O LOJISTA n junho 2017

A humilhação, segundo contou o empregado, não parava por aí. Havia também uma espécie de exposição do seu nome como um dos cinco piores vendedores do mês e tinha que passar por um corredor polonês formado por todos os empregados da empresa. Não precisa nem dizer que a empresa negou tudo que foi dito pelo vendedor e, em sua defesa, afirmou que os argumentos além de não serem verdadeiros não passavam de mera criação fantasiosa. Particularmente acredito que a mente desse empregado não fantasiaria contornos tão cruéis para sua história laboral. Ele não teria essa capacidade macabra. É tão horripilante pensar na possibilidade do empregado inventar essas atrocidades do que, propriamente, praticá-las. A juíza Convocada Raquel de Oliveira Maciel, ao analisar o recurso do trabalhador, ressaltou que a própria testemunha trazida pela empresa confirmou a existência do “corredor polonês”, que era de conhecimento geral e se tratava de um “instrumento de punição e humilhação, sempre ligado à ideia de castigo para que todos conheçam quem é a pessoa penalizada”. Por vezes falamos orgulhosos que vivemos na era da tecnologia e que a velocidade da informação é hoje motivo de grande satisfação e ferramenta indispensável de auxílio no meio corporativo. Como entender mentes que funcionam de forma a planejar ações como a que destacamos? Há um sério descompasso e certa discrepância, ou estou enganado?


CIDADE

Batalhão de Niterói inaugura Sala de Operações e Gerenciamento de Crise

O

monitoramento irá agregar valor à segurança pública de Niterói”, declarou Rocha na última reunião do CCS. A unidade agora conta com acesso a cerca de 300 câmeras, que estão estrategicamente distribuídas pela cidade e, segundo a PM, em 160 desses equipamentos as imagens podem ser geradas e monitoradas simultaneamente no 12º BPM. A expectativa do batalhão é que, com essa ferramenta, aumente a capacidade da unidade na identificação de suspeitos, na execução de prisões em flagrante, no gerenciamento de crises e na gestão de grandes eventos. Para a CDL, o apadrinhamento dessa iniciativa é uma forma de contribuir com ações que beneficiem a cidade. De acordo com o vice-presidente da entidade, Luiz Vieira, colaborar para melhoria da segurança pública também é papel da CDL, assim como promover o bem-estar social e investir na melhoria da qualidade de vida dos moradores de Niterói, pois essas também são formas de incentivar a economia local. “Foi uma honra fazer parte da criação da Sala de Operações e Gerenciamento do batalhão. O tema foi discutido por diversas vezes nas reuniões do conselho, na sede da CDL, sempre destacando as vantagens que o uso da tecnologia pode trazer para a área de segurança pública. Sabemos o quanto a insegurança impacta na qualidade de vida da população e o quanto isso pode ser ruim para o comércio, então estamos sempre dispostos a ajudar os órgãos de segurança, defendendo os interesses econômicos do município e cumprindo também com nosIniciativa do 12º BPM foi amplamente discutida nas reuniões do Conselho Comunitário de so papel social”, declarou Luiz Viera. Segurança de Niterói

12º Batalhão de Polícia Militar inaugurou, em maio, a sua Sala de Operações e Gerenciamento de Crises, uma iniciativa que, segundo a Polícia Militar, marca a inclusão da unidade no uso da tecnologia a favor da segurança pública. Como o projeto foi amplamente apoiado pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói, o primeiro anúncio sobre a instituição da central foi feito pelo coronel Márcio Oliveira Rocha, comandante do batalhão, durante a reunião do Conselho Comunitário de Segurança (CCS), que acontece toda última quinta-feira do mês, na sede da entidade. “Estamos trabalhando para que haja uma integração das câmeras de segurança da EcoPonte, da ONG ViverBem e do Cisp (Centro Integrado de Segurança Pública) na sala de Operações e Gerenciamento. O local ainda funcionará como base para a administração de crises e acreditamos que concentrar todas essas ferramentas em um único espaço seja um ganho muito grande para a população. Esse

CDL NITERÓI 21


22 O LOJISTA n junho 2017


CONSULTOR DIGITAL

A informação pode ser sua maior aliada Por Antonio Carlos Barragan Advogado Empreendedor; consultor de alavancagem empresarial; advogado; contador;professor universitário de Direito Digital, Direito Tributário,Direito Financeiro e Perícia Contábil; Mestre em Direito Econômico e Desenvolvimento; Pós-graduado em Direito Público e MBA em Direito do Seguro

V

ivemos na era do conhecimento, em que os dados bem trabalhados podem ser transformados em informações relevantes que, por sua vez, tornar-se-ão elementos indispensáveis para a formação de conhecimento do empresário sobre determinado setor, produto, região, tipo de cliente, etc. Nesse sentido, diversas empresas têm dedicado boa parcela de seu tempo e investido significativas quantias em profissionais e recursos para a boa gestão da informação, de modo a lhe permitir alavancar os seus resultados conscientemente. A adequada organização dos dados permite um ambiente propício à geração de informação substancial para a ampliação da capacidade de competitividade e de produtividade da empresa diante dos demais players do mercado em que atua. Assim, a empresa que pretende se manter ativa e competitiva no mundo moderno e digital não tem outra alternativa senão trabalhar de modo eficaz o controle da informação e do conhecimento que detém.É de bom grado enunciar que inúmeros dados transitam pelas empresas, diariamente, mas nem todas estão atentas aos valores que aqueles dados podem agregar quando transformados em informação. Nesse aspecto é importante destacar que, em consultorias já realizadas, foi possível identificar diversas empresas que possuíam gastos elevados com a gestão da informação, mas que apresentavam baixos resultados de aproveitamento e eficácia sobre as informações obtidas. Naquelas empresas, também foi percebido que os funcionários estavam desperdiçando demasiado tempo com atividades de manuseio, captura de dados, identificação e localização de arquivos digitais, impressão e digitalização de documentos, entre outras tarefas, sem que atentassem para o real valor dos dados que transitavam em suas mãos,

o que vinha comprometendo a qualidade e a integralidade das informações que eram produzidas. Por esse viés, torna-se importante a correta organização dos dados obtidos para que o seu input consiga gerar informações relevantes para a tomada de decisão dos gestores de uma empresa, sempre atentando para a observância dos aspectos éticos e legais que norteiam a obtenção e utilização daqueles dados e informações. Conseguir dados ou informações de concorrentes por meios ilícitos, por exemplo, implicará sanções para os gestores e para a própria empresa (como indenizações), que poderão afetar tanto o patrimônio como a confiabilidade dos investidores e dos clientes naquele negócio. Da mesma forma, sanções serão adotadas para o usuário de dados que os utiliza para uma finalidade distinta daquela para a qual foi autorizado. Neste contexto, é importante dar destaque ao fato de que a empresa que cria a base de dados adquire uma proteção sobre aqueles conteúdos, passando a ser titular de direitos autorais. No Brasil, já se constata a aludida tutela jurídica da propriedade intelectual com as leis n.º9.279/96, n.º9.609/98 e n.º9.610/98. Noutro giro, frisa-se que a duração dos direitos patrimoniais do autor para exploração da base de dados, normalmente, perdura por setenta anos,na forma da supracitada lei nº9.610/98. Portanto, o empresário visionário deve agir de modo inteligente e prudente, compreendendo o universo dos dados que estão à disposição de sua empresa para, de maneira legal e ética, transformá-los em preciosas informações que farão de seu negócio um grande diferencial para o mercado empresarial em que está inserido. Empreenda de modo consciente e usufrua dos bons resultados! CDL NITERÓI 23


varejo

CDL Niterói participa de reunião sobre desenvolvimento do varejo

A

Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói, representada pelo presidente Fabiano Gonçalves e o vice Luiz Vieira, participou, em maio, da segunda edição do Programa Nacional de Desenvolvimento do Varejo (PNDV), evento realizado no Rio de Janeiro pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), com apoio do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), com o objetivo de reunir propostas para o segmento. Na ocasião, a entidade apresentou um projeto com quase 30 sugestões de iniciativas visando ao crescimento do setor. Lançado em outubro do ano passado, o convênio, que nesta edição teve como tema a elaboração de propostas de Políticas Públicas para estratégias de estruturação das demandas do varejo na agenda governamental, contou com o apoio e a participação efetiva da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado do Rio de Janeiro (FCDL/RJ) e das CDLs.

24 O LOJISTA n junho 2017


varejo

Dentre as propostas apresentadas pela entidade de Niterói, estão sugestões para problemas pontuais que atrasam o desenvolvimento do segmento, como modernização das leis trabalhistas, crédito e financiamento, segurança pública, simplificação tributária, parcerias e apoio do poder público. O projeto apresentado pela CDL, que segue o objetivo do PNDV de melhorar o ambiente de negócios e acelerar o desenvolvimento de vantagens competitivas no setor varejista, por meio da identificação, proposição e disseminação de políticas públicas e do fortalecimento das lideranças do setor, será analisado pelo convênio e as iniciativas aceitas farão parte de um relatório final que englobará ações realizadas em todas as regiões do país. Segundo a organização do PNDV, a estimativa é que, ao final do projeto, tenham sido investidos R$ 3,5 milhões, valor destinado, principalmente, à organização de eventos com líderes e dirigentes lojistas e à criação de políticas públicas para o setor.

"O Plano Nacional de Desenvolvimento do Varejo é a execução de um projeto que trará significativos avanços" Fabiano Gonçalves

Esse investimento e a organização das propostas sugeridas pelas entidades são fundamentais, de acordo com Fabiano Gonçalves, para o avanço do setor varejista: “O PNDV é a execução de um projeto que trará significativos avanços para o varejo nacional. E é isso que o setor varejista, não só do Rio de Janeiro, como também de todo o Brasil precisa. Iniciativas capazes de planejar, disseminar e executar ações que modifiquem as políticas públicas e que impactem o varejo estimulando sua produtividade”.

CDL NITERÓI 25


COMÉRCIO EXTERIOR

Equipe que não se comunica... Por Jorge Elias Milhen Consultor de Comércio Exterior da CDL Niterói www.icontrade.com.br | jorge@icontrade.com.br

C

resce desde a década passada a atenção dispensada a um assunto que desobriga a maiores explicações: equipe que compartilha conhecimentos rende mais e tem o poder de transformar empresas. Contudo, como no futebol a reunião em um mesmo time de craques pode acabar em desapontamento caso estes não se entrosem e suas competências e habilidades não sejam colocadas a serviço de um objetivo comum. Enquanto que no nobre esporte bretão [como era chamado antigamente o futebol] o técnico é o responsável direto pela técnica e tática para geração de resultados, nas empresas o primeiro passo é ter o apoio do gestor para que as mudanças possam acontecer e a troca entre setores de um mesmo time possa ganhar força e gerar benefícios para todos.

26 O LOJISTA n junho 2017

Muito comum é a situação em que todos conhecem de forma geral os objetivos de seus trabalhos, mas nem sempre é percebido por seus gerentes e gestores a importância do acompanhamento das tarefas e das trocas de informações para geração de um bem geralmente intangível: a gestão de conhecimento. Pegando carona nos conceitos definidos pelo Sebrae, ela “nada mais é do que o conjunto de atividades e práticas que permitem à empresa criar, registrar, compartilhar, proteger e usar os conhecimentos mais importantes para gerar inovações e trazer benefícios econômicos para ela mesma”. De forma prática a empresa pode, então, definir um conjunto de ferramentas que capture, registre e compartilhe conhecimentos tácitos e explícitos para servir de base para uma

verdadeira revolução. Abaixo algumas sugestões: Memória organizacional – relatos de experiências anteriores, relatórios de vendas, pesquisas de satisfação de clientes Lições aprendidas – organização de relatos ligados a processo inovativos, dificuldades encontradas e como foram solucionadas Mural de avisos – divulgação de ideias, eventos, aprendizados Portal de compartilhamento – onde informações de relevância são compartilhadas de forma segura e controlada. Voltando ao Sebrae, “O maior capital de uma empresa é o conhecimento. E a capacidade de usá-lo para desenvolver produtos, ideias e serviços é o melhor diferencial competitivo.” Agora a bola está com você! Coloque seu time em campo e bom jogo!


CDL Niterói

LOCAL

Em 2017 potencialize seus negócios fazendo os cursos 18h30 às CDL Niterói realizados pela CDL Niterói 21h30 e o Sebrae. TÉCNICAS DE VENDAS

03 agosto a 07 agosto

Conteúdo: A importância da venda consultiva; As diversas funções do vendedor; Desenvolvendo habilidades de prospecção de mercado e busca de clientes; Principais ferramentas de vendas para a entrevista de diagnóstico; Desenvolvendo a habilidade de levantar necessidades de clientes; Princípios fundamentais do processo de negociação; Organização das ações de pós-venda.

230,00

CONTROLES FINANCEIROS

17 agosto a 21 agosto

18h30 às 21h30

CDL Niterói

Conteúdo: Controle, previsão e análise do caixa; A origem dos recursos e seus registros; Análise do fluxo de caixa; Determinação do capital de giro; Apuração dos resultados da empresa.

E não esqueçam esse é o ano do e-commerce! Prepare-se 08h30 às CDL Niterói 18h00 para esta nova realidade do comércio.

230,00

ANÁLISE E PLANEJAMENTO FINANCEIRO

31 agosto a 04 setembro

Conteúdo: A administração financeira da empresa; Projetar fluxo de caixa; Fatores que influenciam o planejamento; Definição de metas com base nos resultados; Conclusão do plano: Afinal, este negócio é viável?

230,00

INICIANDO UM PEQUENO GRANDE NEGÓCIO

14 setembro a 25 setembro

08h30 às 18h00

CDL Niterói

Conteúdo: Perfil empreendedor; Identificação de oportunidades de negócios; Análise de mercado e financeira; Concepção dos produtos e serviços; Orientação para elaboração do Plano de Negócios.

340,00


28 O LOJISTA n junho 2017

O Lojista - Junho - CDL Niteroi  
O Lojista - Junho - CDL Niteroi  
Advertisement