Issuu on Google+

Recortes de uma vida: Rene Cecílio e a fundação do Hospital Santa Cecília1 Aírton José de SOUZA2 Cíntia Cerqueira CUNHA3 Universidade de Uberaba, Uberaba, MG

RESUMO Este paper insere-se na linha de pesquisa em Cultura e Memória do curso de Jornalismo da Universidade de Uberaba. A proposta é estabelecer uma reflexão problematizadora da cultura e da memória por meio de uma intensa interdisciplinaridade com as ciências humanas e sociais. O objetivo é superar estereótipos sociais, estabelecer um diálogo autêntico com a diversidade cultural e recuperar a memória e as tradições da cultura oral da região. Trata-se da construção do perfil de Rene Cecílio, médico e cirurgião por mais de seis décadas, não só na cidade de Uberaba, como também em outras cidades da região. Para a composição deste perfil, o livro Perfis e como escrevê-los de Sérgio Vilas Boas serviu como referencial dada sua clareza teórica elucidativa, além de exemplos que comprovam as mais diversas formas de narrá-los.

PALAVRAS-CHAVE: livro-reportagem-perfil; medicina; memória; cultura; Rene Cecílio.

INTRODUÇÃO Escrever um livro-reportagem-perfil é uma forma de se fazer jornalismo literário e considerar todas as implicações que a junção desses dois campos da expressão humana pode proporcionar. Faz-se opção por esse termo uma vez que os teóricos alegam que uma biografia seria tarefa impossível, pois implicaria relatar toda a existência de alguém, o que seria impraticável. Assim, o termo perfil é o que mais se adapta ao que se pretende, pois não é limitador, nem tem a pretensão de ser tão amplo. É de natureza autoral, conforme afirma Vilas Boas, pois existem vários modos de reportar. Ainda, segundo Vilas Boas:

1

Trabalho de Conclusão de Curso Aluno do 8° Período de Comunicação Social – Habilitação em Jornalismo pela Universidade de Uberaba – Uniube, Uberaba-MG, e-mail: airtondesouza@yahoo.com.br 3 Orientadora do Trabalho. Especialista em Comunicação Jornalística. Mestre em Comunicação na Contemporaneidade. Professora do curso de Comunicação Social da Uniube, e-mail: cintia.cunha@uniube.br 2

1


Os processos de criação são multidimensionais. Neles, combinam-se memória, conhecimento, imaginação, sínteses e sentimentos, cinco elementos imprescindíveis ao trabalho autoral. A narrativa de um perfil não pode prescindir de todos os conceitos e técnicas de reportagens conhecidos, além de recursos literários e outros. Mas ela também está atada ao sentimento de quem participa. A frieza e o distanciamento são altamente nocivos. Envolver-se significa sentir. (BOAS, 2003, p.14)

Ainda na busca da melhor classificação para o presente trabalho, fez-se uso do livro Páginas Ampliadas de Edvaldo Pereira Lima, uma vez que ele, de maneira precisa, clarifica o tipo de texto a ser desenvolvido. Trata-se não só de um livro-reportagem e nem ao menos tem a pretensão de ser uma biografia, pois este termo, como já discutido por muitos autores, é, por demais, amplo. O que se faz é um recorte de uma determinada vida e não o relato dessa vida em sua totalidade. Há uma concordância entre os estudiosos dessa impossibilidade e um privilégio do termo recorte que parece mais apropriado a esse trabalho. Portanto, trata-se de um livro-reportagem biografia, em que se obtém o melhor dos dois termos apontados anteriormente. Trata-se da obra que procura evidenciar o lado humano de uma personalidade pública ou de uma personagem anônima que, por algum motivo, torna-se de interesse. No primeiro caso, trata-se, em geral, de uma figura olimpiana. No segundo, a pessoa geralmente representa, por suas características de vida, um determinado grupo social, passando como que a personificar a realidade do grupo em questão. Uma variante dessa modalidade é o livro-reportagem-biografia, quando um jornalista, na qualidade de ghostwriter ou não, centra suas baterias mais em torno da vida, do passado, da carreira da pessoa em foco, normalmente dando menos destaque ao presente. (LIMA, 2009, p.52)

Assim, num texto de fôlego, ao contrário do texto informativo curto, há de se prender a atenção de quem lê, pois o que se busca não é a notícia simples, facilmente digerida em linguagem direta e clara, mas a utilização de um recurso capaz de, além de informar, construir uma rede de informações aos olhos do leitor e também tocar o intelecto via caráter estético, quer seja, pela beleza. OBJETIVO Traçar um perfil do médico uberabense Renê Cecílio, sua vida pessoal, destacando sua formação acadêmica, não só nas escolas preparatórias, bem como na faculdade de Medicina no Rio de Janeiro, além de refletir sobre sua vida profissional, tendo como foco a fundação do Hospital Santa Cecília e o papel fundamental que tal instituição representou para a saúde

2


uberabense e da região. Destacar as inúmeras personalidades que aqui estiveram à época da fundação do Hospital Santa Cecília, os testemunhos que deixaram registrados e o trabalho desenvolvido por médicos da época, além de outros profissionais que lá se formaram ao longo da existência desta Instituição.

JUSTIFICATIVA O presente trabalho se justifica pelo fato de que o registro de uma vida tão rica, não só no campo pessoal, como também no campo profissional, sirva como instrumento de educação para as gerações futuras. Assim, historiadores, pesquisadores de áreas diversas que tenham como propósito conhecer o desenvolvimento da medicina em Uberaba, através de um de seus pioneiros mais representativos, poderão valer-se do presente trabalho como referencial de consulta e reflexão. Por fim, a ausência de registro significa a perda irreparável de conhecimentos dos quais todos podem usufruir para não só entender a história em sua plenitude, mas também fazer dela um referencial de conduta. Além disso, no entender de Vilas Boas:

Os perfis também só podem elucidar, indagar, apreciar a vida num dado instante. São mais atraentes quando provocam reflexões sobre aspectos objetivos e subjetivos comuns à existência de todos nós. A meu ver, é o que se pode conservar na memória. O restante empalidece com o tempo, ou adquire aquele tom desbotado típico das fotografias muito antigas. (BOAS, 2003.p.20)

MÉTODOS E TÉCNICAS UTILIZADOS Através de entrevistas, inicialmente, foram colhidos todos os depoimentos, ou seja, em entrevistas abertas, todos os relatos foram ouvidos e registrados. Após a decupagem e fazendo uma junção com as anotações feitas simultaneamente, houve uma verificação dessas informações não só com o entrevistado, mas com pessoas próximas, ou que tenham convivido com ele para corroborar o que foi registrado. Quanto à vida profissional, no caso a fundação do hospital e a atuação na sociedade, o jornal Lavoura e Comércio foi fonte de consulta documental, já que era o jornal da época em que esses fatos foram registrados. Pacientes e outras pessoas que tenham algum tipo de ligação com ele também foram ouvidos com o objetivo de se acrescentar mais alguns itens que se julgaram interessantes.

3


DESCRIÇÃO DO PRODUTO OU PROCESSO O livro-reportagem-perfil Recortes de uma vida – Rene Cecílio e a construção do Hospital Santa Cecília divide-se em dezesseis capítulos, sendo que quatro deles apresentam subdivisões. No primeiro capítulo, cujo título é “Primeiras impressões”, há as primeiras visões e reflexões do autor quando do primeiro contato que teve no interior daquela casa que sempre lhe chamou a atenção com as pessoas que lá habitam, no caso, Rene Cecílio e sua família. Houve o pré-conhecimento e discutiu-se a proposta de se fazer um livro relatando a vida do morador daquela casa, diálogos sobre preferências, inclusive de comidas e bebidas, além de comparações com outros episódios vivenciados pelo autor. O capítulo “Considerações necessárias” é a visão do repórter diante do que vai ser perfilado. Trata-se dos sentimentos experimentados, da observação das sutilezas, das particularidades que marcariam todos os encontros que teriam ao longo dos meses subsequentes para que se pudesse construir a narrativa que ora se apresenta. No capítulo “Os pais”, tem-se a primeira exigência do perfilado em relembrar os pais e o papel fundamental que tiveram na sua formação e na de seus irmãos. Relatam-se aqui todas as dificuldades encontradas por um casal oriundo da Síria e toda a construção de uma vida em terras estrangeiras, na empreitada de construir e de cuidar de uma família bastante numerosa, no caso, doze filhos e mais dois que vieram a seguir, provenientes do primeiro casamento do pai de Rene Cecílio. “Os primeiros anos” é um capítulo subdividido nas séries iniciais escolares e a préjuventude num colégio de Uberaba, o desenvolvimento intelectual do perfilado, as brincadeiras, as lembranças da infância. “Embarque para o Rio” é onde se narra a viagem feita a partir de Uberaba em direção à capital federal à época, com todas as implicações, inclusive as dificuldades de se alimentar, desse trajeto. Há momentos de ternura, quando lágrimas se fazem presentes no momento da partida. “A rotina no Rio” é um retrato fiel de como Rene Cecílio viveu no Rio de Janeiro durante a sua formação em medicina. “Sobre pássaros, lavagens estomacais e receita de frango” é um momento em que se interrompe a narrativa para que, através de exemplos e falas do cotidiano, possa-se mostrar, aos olhos do leitor, a capacidade ímpar desse médico de transitar com facilidade por diversos

4


assuntos, desde os mais espinhosos até os mais simples, passando por momentos de pura poesia com citações de autores franceses. “Subindo a Rua Tristão de Castro” é um roteiro devidamente detalhado para que se possa chegar o local onde foi, no passado, o Hospital Santa Cecília. Há um forte apelo saudosista, pois são enumeradas as casas comerciais existentes ao longo da Rua Tristão de Castro, destacando-se a forte presença da comunidade árabe. Em “Tomada de decisão” é quando os dois jovens irmãos médicos anteveem a necessidade de implantação de um projeto já intimamente acalentado. “Um aparte: a construção do hospital, suas dificuldades, a doença do irmão” é o capítulo que trata especificamente da construção do hospital, com um adendo para que se possa descrever em detalhes o caráter vanguardista do que pretendiam os seus idealizadores. Há descrições técnicas para que se possa estabelecer uma comparação com essa construção e a de outras casas do gênero. Em contraposição, há momentos de dificuldade, quando da doença de um dos irmãos e a grande necessidade de verba para o desenvolvimento da obra. Depois do trabalho, do arrojo, das dificuldades, os momentos de êxtase e alegria com a inauguração do hospital, devidamente mencionada em “Hoje é dia de festa”. Com “Os anos que seguem”, mostra-se a rotina empreendida pelo Dr. Rene Cecílio ao longo das décadas seguintes, com especial destaque para a vocação altruísta desse jovem médico. A preocupação em cuidar do outro, mesmo que esse não disponha dos recursos necessários para tal, é o que se percebe no depoimento disposto ao longo desse trecho. Há histórias vividas e presenciadas por Rene Cecílio na parte que se segue como uma forma de dar mais leveza ao texto. São momentos de graça, mas também momentos dramáticos, expostos em “Sobre pescarias, improvisos e gratidão” e em “Outras histórias”. Em “Trocando palavras”, a visão do pai sobre os filhos e o pai segundo a ótica dos filhos. Aqui também se incluem depoimentos de terceiros sobre a atuação profissional do médico Rene Cecílio, em dois momentos marcados pela dramaticidade das situações: um braço esmagado e devidamente recuperado e a cura de malária em uma jovem não tão acostumada aos trópicos.

CONSIDERAÇÕES FINAIS Não se escrevem perfis impunemente, pelo simples exercício da escrita ou, quem sabe, para a satisfação de um ego. Eles se prestam a uma finalidade, a qual é nobre, quer seja a de registrar para que as gerações futuras tenham acesso a esse registro. É comum o texto se

5


insinuar diante de nós, como se tivesse vida própria, mostrando as ações das personagens. A partir dessas manifestações, “pode-se compor um conjunto de pistas ao leitor para que ele tire suas próprias conclusões sobre o personagem”. (BOAS, 2003.p.29)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

LIMA, Edvaldo Pereira. Páginas Ampliadas: o livro-reportagem como extensão do jornalismo e da literatura. Barueri, SP: Manole, 1995.

MARIANO, Agnes Francine de Carvalho. Eliane Brum e a arte da escuta. Em Questão, Porto Alegre, v. 17, n. 1, p. 307-322, jan./jun. 2011.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de História Oral. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

MITCHELL, Joseph. O segredo de Joe Gould. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. VILAS BOAS, Sérgio. Perfis e como escrevê-los. São Paulo, Summus: 2003.

__________________. Biografias e Biógrafos. Jornalismo sobre personagens. São Paulo: Summus, 2002.

6


Paper Recortes de uma Vida