Page 1

UNIVERSIDADE DE UBERABA

TAYNARA PRADO

LIVRO REPORTAGEM, DE OLHO NA BAND: O REGISTRO DOS DOIS PRIMEIROS ANOS DE UMA EMISSORA DE GESTテグ NACIONAL NO INTERIOR DE MINAS GERAIS

UBERABA- MG 2010


UNIVERSIDADE DE UBERABA

TAYNARA PRADO

LIVRO REPORTAGEM, DE OLHO NA BAND: O REGISTRO DOS DOIS PRIMEIROS ANOS DE UMA EMISSORA DE GESTÃO NACIONAL NO INTERIOR DE MINAS GERAIS

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade de Uberaba como parte das exigências curriculares do 7o período do Curso de Comunicação Social - habilitação em Jornalismo. Orientador(a): Profa. Celi Camargo.

UBERABA - MG 2010


UNIVERSIDADE DE UBERABA

TAYNARA PRADO

LIVRO REPORTAGEM, DE OLHO NA BAND: O REGISTRO DOS DOIS PRIMEIROS ANOS DE UMA EMISSORA DE GESTÃO NACIONAL NO INTERIOR DE MINAS GERAIS

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade de Uberaba como parte das exigências curriculares do 7o período do Curso de Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo. Orientador(a): Profa. Celi Camargo. Aprovada em:

BANCA EXAMINADORA

__________________________________ Profo.Dr. André Azevedo

___________________________________ Profo. Ms. Cíntia Cunha

UBERABA- MG 2010


RESUMO

O presente trabalho procura descrever o processo de produção do livro reportagem ‘’De olho na Band: o registro dos dois primeiros anos de uma emissora de gestão nacional no interior de Minas Gerais’’. O livro narra o processo de instalação da emissora em Uberaba e Uberlândia, destacando os desafios enfrentados pela gestão e os desafios do departamento de jornalismo, cuja meta é regionalizar o noticiário. Da pesquisa bibliográfica ao encontro com as fontes o livro traça o percurso de dois anos de implantação da emissora, com depoimentos emocionantes de profissionais que presenciaram a chegada e a decolagem da Band Triângulo.

Palavras-chave: Jornalismo. Band Triângulo. Regionalização. Uberaba. Uberlandia.


ABSTRACT

This paper seeks to describe the process of production of the book''Looking at the entry Band: the record of the first two years of issuing a national management in Minas Gerais.'' The book describes the installation process of the station in Uberaba and Uberl창ndia, highlighting the challenges faced by management and the challenges the department of journalism, whose goal is to regionalize the news. The literature to date with the sources the book traces the course of two years of implementation of the network, with exciting testimonials of professionals who witnessed the arrival and departure of Band Triangle.

Keywords: Band. Journalism. Band Triangle. Regionalization. Uberaba. Uberl창ndia.


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ......................................................................................................... 7 2 OBJETIVOS ............................................................................................................. 9 3 JUSTIFICATIVA..................................................................................................... 10 4 MÉTODOS E TÉCNICAS UTILIZADOS ................................................................ 11 5 ANÁLISE BIBLIOGRÁFICA .................................................................................. 12 6 REFERENCIAL TEÓRICO..................................................................................... 14 7 DESCRIÇÃO DO PRODUTO................................................................................. 15 8 CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................................... 16 REFERÊNCIAS ......................................................................................................... 17


7

1 INTRODUÇÃO

O Livro Reportagem, de olho na Band: o registro dos dois primeiros anos de uma emissora de gestão nacional no interior de Minas Gerais, narra em 100 páginas à história da implantação da Band Triângulo em Uberaba e Uberlândia. Uma história que começa com a aquisição da extinta TV Regional em 2008, pelo Grupo Bandeirantes. Como produtora estagiária da emissora, vivenciei durante o ano de 2010 a decolagem do departamento de jornalismo, cujos produtos regionais, Band Cidade; Notícias da Redação; DNA; Entrevista Coletiva e Minas Urgente começaram a veicular em novembro do ano anterior e março e outubro do ano corrente consecutivamente. O livro não tem a pretensão de ser uma biografia, mas busca retratar com fidelidade os caminhos que os pioneiros da Band Triângulo percorreram até setembro de 2010. É claro, que para falar da Band Triângulo foi preciso pesquisar a história do Grupo Bandeirantes, fundado pelo empresário João Jorge Saad, em 1948, quando ele adquiriu a rádio Bandeirantes em São Paulo. Uma história rica, que se fossemos falar detalhadamente sobre ela, daria margem para outro livro. Procuramos nos ater nos depoimentos das pessoas que ao lado do Diretor Geral, José Saad Duaialibi abraçaram a idéia de tornar a Band Triângulo uma TV competitiva no mercado regional. Quando chegou a Uberaba José Saad Duailibi conviveu com a desconfiança do mercado que assistia as tentativas fracassadas de grupos anteriores na tentativa de erguer a então TV Regional. Para muitos José Saad era mais um forasteiro tentando se aventurar em terras mineiras. Este projeto retrata como ele conseguir mudar a idéia dos investidores; e como o jornalismo da Band adquiriu credibilidade e conquistou em apenas oito meses de programação local o segundo lugar no Ibope. A garra de pessoas que trabalham na expansão do sinal da emissora, presente em cerca de 120 municípios do Triângulo, alto Paranaíba e noroeste de


8

Minas; e ainda como o jornalismo deu um novo tom ao telejornalismo praticado na regiĂŁo ĂŠ o que propĂľes o livro reportagem.


9

2 OBJETIVOS

Os objetivos deste trabalho são: a) produzir um livro reportagem que narre à história da Band Triângulo em seus dois primeiros anos de vida na região, ressaltando os diferenciais de uma gestão nacional de televisão no interior de Minas Gerais; b) mostrar os desafios do departamento de jornalismo no processo de regionalização da informação; c) registrar esse fenômeno de crescimento que a Band passou a representar na região. Um case de sucesso.


10

3 JUSTIFICATIVA

Há fatos que se conta em uma grande reportagem; há fatos que se conta em um documentário; há fatos que devem ser eternizados em um livro, para que cada página possa guardar com total fidelidade a história dos acontecimentos. Assim, como concluinte do curso de Jornalismo, poderia optar por várias formas para contar a história da Band Triângulo. Porém, devido ao número de depoimentos registrados durante a pesquisa de campo optamos pelo livro reportagem. A escolha do tema se deu pelo fato de eu ser estagiária da Band e ter a oportunidade de vivenciar o nascimento e crescimento da emissora. Esta rica vivência deveria ser registrada de alguma forma. Em 2008 o Grupo Bandeirantes comprou a concessão da TV Regional, refinanciou dívidas deixadas pela gestão anterior e deu início aos investimentos que seriam primordiais para o inicio da Band Triângulo. Essa decolagem foi marcante, pois a Band Triângulo saiu do nada, do vermelho e conseguiu em dois anos erguer e se consolidar como uma empresa de sucesso. Com dois anos de pleno funcionamento percebe-se na empresa um vasto potencial de informação, processos e adaptações de uma televisão que se adéqua aos poucos às necessidades da região, com qualidade de gestão nacional. Com base nestes fatos narrar à trajetória da primeira emissora de gestão nacional que chega ao interior do estado de Minas Gerais é uma maneira de documentar todo este processo.


11

4 MÉTODOS E TÉCNICAS UTILIZADOS

A forma de organização do trabalho para produção do livro reportagem ‘’De olho na Band: O Registro dos dois primeiros anos de uma emissora de gestão nacional no interior de Minas Gerais’’ obedeceu a etapas estipuladas pela orientadora. Em agosto de 2010 após a escolha do tema, a primeira etapa foi à pesquisa. Neste momento, buscamos em vários autores o embasamento teórico dos assuntos levantados no livro reportagem entre eles: Pierre Bourdieu, Vera Iris Paternostro, Heródoto Barbeiro, Paulo Rodolfo de Lima, Nilson Lage e William Bonner além de fontes primárias de informações sobre o Grupo Bandeirantes que é o site da BAND. Em seguida no mês de setembro foram feitas entrevistas com 18 funcionários na Band Triângulo, entre eles funcionários da antiga TV Regional e atuais gestores dos diversos departamentos da emissora em Uberaba e Uberlândia para compreender as dificuldades e processos de instalação da Band na região. Com as entrevistas registradas pelo gravador e bloco de notas passamos em outubro para a terceira etapa do trabalho em que fotografamos os departamentos de jornalismo, comercial, administrativo e expansão da emissora, bem como as estruturas físicas das sedes de Uberaba e Uberlândia e os programas jornalísticos em sua execução diária. Com base nestas fotos os capítulos foram ilustrados com as devidos registros do dia a dia da emissora na região. A quarta etapa do projeto se deu novembro, na reunião com o diretor de arte do livro, em que foi estabelecido os padrões estéticos do livro reportagem, formato, cor, fontes, seleção de fotos e outras questões gráficas. A quinta e última etapa do livro foi à revisão ortográfica do material juntamente com o paper, onde foi colocado nas normas da ABNT e impressos para os professores da banca de TCC.


12

5 ANÁLISE BIBLIOGRÁFICA

Segundo Bordieu (1997, p. 23) há uma proporção de pessoas que não lêem nenhum jornal, que estão devotadas de corpo e alma à televisão como fonte única de informação. A televisão tem uma espécie de monopólio de fato sobre a formação das cabeças de uma parcela muito importante da população.1 Vizeu (2005, p. 81) por sua vez afirma que na produção da notícia temos por um lado a cultura profissional, e por outro, as restrições ligadas á organização do trabalho sobre as quais são criadas convenções profissionais que definem a noticia legitima, o processo produtivo desde a captação do acontecimento, passando pela produção edição até a apresentação.2 Resultado: Estabelece-se assim um conjunto de critérios de relevância que definem a noticiabilidade de cada acontecimento. Já Chancelini (1999, p. 102) acredita que a expansão territorial e massificação da cidade reduziram as interações entre os bairros que ocorreram junto com a reinvenção de laços sociais e culturais que passam através do rádio e televisão. São estes meios que, com sua lógica vertical e anônima diagramam os novos vínculos invisíveis das cidades.3 Guzzoni (2001, p. 02) define que a busca por um jornalismo que de identifique mais com as comunidades vem em uma época em que a sociedade parece ter perdido suas referências com o mundo, onde já não percebe mais uma identidade com o meio em que vive. 4 A autora afirma que na era da globalização, o homem tem a necessidade de encontrar um referencial que o identifique com o seu meio. Peruzzo (2005) evidencia que a informação se constitui numa demanda regional, mas a televisão na prática está envolvida em contradições, motivadas pelos vínculos políticos e interesses econômicos que acabam por menosprezar a _______________ 1

BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997. VIZEU, Alfredo. Decidindo o que é notícia: os bastidores do telejornalismo. 4. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005. 3 CHANCELINI, Néstor García. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. 4. ed. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1999. 4 GUZZONI, Juliane. A comunidade na TV: uma análise sobre a regionalização da notícia e o processo da participaçào popular. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 24., 2001, Campo Grande, MS. 2


13

força do local em quanto fonte de informação.5 Já Schramm (1970, p. 178) considera que os meios de comunicação de massa são agentes da transformação social responsáveis por modificações comportamentais onde deve necessariamente haver transformações substanciais em concepções, crenças, e normas sociais.6 Para concluir Bordieu (1997) defende que a televisão da pouco espaço para o pensamento crítico de modo que a mesma não manipula a massa apenas pelo que transmite, mas sim pelo que emite.7

_______________ 5

PERUZZO, Cicilia M. Krohling. Mídia regional e local: aspectos conceituais e tendências Comunicação & Sociedade. São Bernardo do Campo: Póscom-Umesp, v. 26, n. 43, o p. 67-84, 1 . sem. 2005. 6 SCHRAMM, Wilbur. Comunicação de massa e desenvolvimento. Rio de Janeiro, RJ: Bloch, 1970. 7 BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.


14

6 REFERENCIAL TEÓRICO

Bonner (2009, p. 214) defende que os cidadãos brasileiros que assistem ao

telejornal

são

pessoas

de

formação

distinta,

variadas

condições

socioeconômicas, diversas posturas religiosas e ideológicas, orientação sexual e idades plurais, e que independem de suas atividades domésticas, cor da pele ou mercado de trabalho da qual fazem parte.8 No entanto são todos cidadãos brasileiros em busca de informação, eles querem que esta informação seja fornecida com absoluta clareza, com isenção e pluralidades de opiniões. Paternostro (1999, p. 61) alega que é com a imagem que a televisão compete com o radio e jornal. É com a imagem que a TV exerce o seu fascínio e prede a atenção das pessoas.9 Certeau (1994, p. 286) acredita que o grande silêncio das coisas muda-se no seu contrário através da mídia. Ontem constituído em segredo agora o real tagarela.10 Só se vêem por todos os lados noticias informações, estatísticas e sondagens. Jamais houve uma história que tivesse mostrado ou falado tanto. Já Bordieu (1997, p. 39) argumenta que a televisão não é muito propícia para a expressão do pensamento, estabelecendo um elo negativo entre a urgência do veiculo e o pensamento.11 Calabrese & Volli (2001, p. 189) defende que a notícia televisiva é um elemento variável. Não se trata da variabilidade apenas formal, do tipo onde o discurso se insere, da sua colocação numa escala, do tom e do ritmo como é pronunciada, do suporte da imagem, o mesmo fato que determina sua unidade também assume valores e características humanas.12

_______________ 8

BONNER, William. Jornal Nacional: modo de fazer. Rio de Janeiro: Globo, 2009. PATERNOSTRO, Vera Íris. O texto na tv: manual de telejornalismo. 2. ed. São Paulo: Campus, 1999. 10 CERTEAU, Michael. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1994. 11 BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997. 12 CALABRESE, Omar; VOLLI, Ugo. I telegiornali: istruzioni per l’uso. 2. ed. Roma: Gius.Lateza & Figli Spa, 2001. 9


15

7 DESCRIÇÃO DO PRODUTO

De olho na Band Triângulo: o registro dos dois primeiros anos de uma emissora de gestão nacional no interior de Minas Gerais é um livro reportagem que estabelece uma narrativa sobre o processo de instalação de uma emissora de gestão nacional no interior de Minas Gerais, abordando suas dificuldades de adaptação, obstáculos e progressos no dia a dia de seu funcionamento. São 17 entrevistas que ajudaram a tecer a história da Band Triângulo que casadas com imagens contam toda a trajetória deste canal de televisão em seus dois anos de funcionamento na região. Este livro reportagem é um projeto acadêmico, que será avaliado como Trabalho de Conclusão de Curso, do curso de Comunicação Social da Universidade de Uberaba (Uniube).


16

8 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O processo de produção do livro-reportagem me proporcionou a possibilidade de exercitar os conhecimentos adquiridos em diversas disciplinas do curso de Comunicação Social-Jornalismo. Em destaque a capacidade de entrevistar uma fonte e ir além do roteiro óbvio de perguntas que compõe um material jornalístico diário. Na busca pela proximidade com as fontes pude obter a essência de sentimentos e realizações no âmbito de trabalho que foram primordiais para a composição do livro-reportagem. O material produzido consegue ir além da factualidade, e narra a “garra’’ da emissora em desempenhar um trabalho jornalístico de qualidade no Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba e Noroeste de Minas. Com o livroreportagem “De olho na Band: o registro dos dois primeiros anos de uma emissora de gestão nacional no interior de Minas Gerais” quis mostrar ao leitor o processo de produção da notícia em suas várias esferas, o jornalismo conectado com as necessidades comerciais e questões empresariais como um todo.


17

REFERÊNCIAS

BONNER, William. Jornal Nacional: modo de fazer. Rio de Janeiro: Globo, 2009.

BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997. CALABRESE, Omar; VOLLI, Ugo. I telegiornali: istruzioni per l’uso. 2. ed. Roma: Gius.Lateza & Figli Spa, 2001.

CERTEAU, Michael. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1994.

CHANCELINI, Néstor García. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. 4. ed. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1999.

GUZZONI, Juliane. A comunidade na TV: uma análise sobre a regionalização da notícia e o processo da participaçào popular. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 24., 2001, Campo Grande, MS.

PATERNOSTRO, Vera Íris. O texto na tv: manual de telejornalismo. 2. ed. São Paulo: Campus, 1999.

PERUZZO, Cicilia M. Krohling. Mídia regional e local: aspectos conceituais e tendências. Comunicação & Sociedade. São Bernardo do Campo: PóscomUmesp, v. 26, n. 43, p. 67-84, 1o. sem. 2005.

SCHRAMM, Wilbur. Comunicação de massa e desenvolvimento. Rio de Janeiro, RJ: Bloch, 1970.

VIZEU, Alfredo. Decidindo o que é notícia: os bastidores do telejornalismo. 4. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005.

O registro dos dois primeiros anos de uma emissora de gestão nacional no interior de minas gerais  

O trabalho feito pela aluna Taynara Prado, procura descrever o processo de produção do livro reportagem ‘’De olho na Band: o registro dos do...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you