Issuu on Google+

A Chacina no Garimpo1 Diego da Silva PRADO2 Helenaldo Oliveira TRISTÂO3 Celi CAMARGO4 Universidade de Uberaba, Uberaba, MG

RESUMO A Chacina no Garimpo é um livro reportagem que descreve o assassinato de dez pessoas de uma mesma família, na cidade de Conceição das Alagoas (MG), no dia 26 de julho de 1981. Pai, filhos e netos foram mortos a mando de um ente da família, em uma emboscada que deixou as vítimas sem chance de defesa. Através de pesquisa nos autos do processo que julgou e condenou quatro envolvidos, leitura dos jornais da época, entrevistas com familiares das vítimas e dos algozes foi possível contar em profundidade esta história. PALAVRAS-CHAVE: Chacina, Investigação, Garimpo.

1 INTRODUÇÃO

A Chacina no Garimpo é um livro reportagem, que relata detalhes de um crime que chocou o triangulo mineiro, onde dez pessoas de uma única família foram mortas, com requintes de crueldade. Com base nos relatórios policiais e nas pesquisas de campo em que foram entrevistas fontes próximas das vítimas, foi possível a construção do livro. A narrativa literária e de grande fôlego conta a trajetória de vida de um homem simples, produtor rural, viúvo, pai de 13 filhos que foi morto devido a ganância de um dos genros.

A história se passa na cidade de Conceição das Alagoas também conhecida como

Garimpo devido a atividade econômica que deu origem ao município, no ano de 1981. Todas as vítimas moravam em uma das fazendas da família situada na zona rural.

Segundo consta no Livro

Reportagem de Eduardo Belo (2006), para escrever um livro reportagem é necessário um bom planejamento que começa com a pesquisa preliminar que assegure um conhecimento mínimo, porém sólido, do assunto. Essa pesquisa irá tornar-se, depois, mais extensa e acurada para sustentar a apuração do tema e a montagem do texto. O domínio inicial sobre a pauta ajuda a estabelecer os rumos da


reportagem. 2. OBJETIVOS

Reconstruir a história da chacina buscando elementos novos e mostrar como estão hoje os os familiares das vítimas e também onde estão os acusados do crime.

3. JUSTIFICATIVA

O livro trata de uma tragédia que marcou a história da região e que apesar de muito conhecida, poucas pessoas conhecem a fundo a verdade. Apesar de ser um fato lamentável onde uma família é quase toda dizimada, trata-se de uma realidade vivida até os dias de hoje, em que a ganância fala mais alto do que os valores e a ética. Procuramos retratar através da descrição pormenorizada dos fatos e dos personagens envolvidos toda a história com maior grau de realismo possível. Os críticos admitem que o atual jornalismo literário melhorou muito, ao ter injetado, particularmente, a construção através de cenas, a escolha mais variada de perspectiva – angulação -, o aproveitamento mais dinâmico do diálogo e das vozes dos personagens, o uso de detalhes significativos do ambiente. (Páginas Ampliadas, Edvaldo Pereira Lima). 4 MÉTODOS E TÉCNICAS UTILIZADOS

Nossa proposta de fazer o livro reportagem “A Chacina no Garimpo”, surgiu através das historias contadas pelos nossos pais, que ficaram chocados com tanta crueldade e por serem da Cidade de Conceição das Alagoas. A chacina que marcou décadas e ainda provoca comoção e divide a família até os dias de hoje. Para dar início a este trabalho partimos para pesquisa no Arquivo Publico de Uberaba, que guarda todos os jornais publicados na época da chacina. Tivemos acesso aos laudos da policia constantes nos autos do processo, no fórum de Conceição das Alagoas. A partir daí procuramos entrar em contato com personagens que estavam presentes no caso, como por exemplo, o jornalista que cobriu toda a chacina


com exclusividade, Paulo Nogueira; o delegado que dirigiu as investigações Mário Zucatto; o advogado Antônio Batista que ajudou na remoção nos corpos das vítimas; a tia da única sobrevivente da chacina; Aline Vaz, filha do acusado de ser o mandante do crime.

Nas entrevistas de campo

utilizamos gravadores, e todo material após as entrevista foi decupado, para auxiliar na preparação do livro.

5 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO

O livro A Chacina no Garimpo relata em 142 páginas a tragédia que abalou a população do Triângulo Mineiro, na década de 1980 quando dez pessoas integrantes da família Ramos foram mortas a bala e podão, por ganância. Além da narrativa que buscou preservar através da descrição fiel dos fatos o grau de realismo exigido numa obra de não ficção, o livro traz também fotografia cedidas pelo jornalista Paulo Nogueira. Através da combinação entre narração e descrição buscou-se apresentar uma narrativa atraente para o leitor.

6 - CONSIDERAÇÕES

A produção de um livro reportagem contribuiu para que nós, estudantes de jornalismo, pudéssemos através das pesquisas, das entrevistas compreender o quanto é importante o empenho do jornalista na sociedade, para a informação e esclarecimentos dos fatos. Foi possível certificar o quanto é árdua a missão do repórter ao ter que indagar as fontes, quando elas não querem falar sobre o assunto. É nesse ponto que entra a técnica aliada à habilidade da arte de se entrevistar.

7- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BELO, Eduardo. Livro-reportagem / Eduardo Belo. – São Paulo : Contexto,2006. CAPOTE, Truman. A Sangue Frio / relato verdadeiro de um homicídio múltiplo e suas consequências. São Paulo: Companhia das letras, 2003.


LIMA, Edvaldo Pereira Páginas Ampliadas: o livro reportagem como extensão do jornalismo e da literatura. Campinas, SP : Editora da UNICAMP, 1995

1 Trabalho submetido a disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso. 2 Aluno do 8º. Semestre do Curso de Jornalismo da Uniube, e-mail: diegoprado10@terra.com.br 3 Aluno do 8º. Semestre do Curso de Jornalismo da Uniube, e-mail: helenaldo.oliveira@hotmail.com 4 Orientadora do trabalho. Professora do curso de Comunicação Social da Uniube, e-mail: celi.camargo@uniube.br

.


Livro-Reportagem 'Chacina no Garimpo' - Paper