Page 1

CIDADE, Maio de 2009

1


CIDADE, Fevereiro de 2008

7


C APA www.revistacidade.com.br Maio, 2009 Número 36

quer saber quem 28 Governo é quem na pesca

Panorama............................. 08 Dívidas como herança Desentendimento entre prefeito e ex-prefito de Araruama sobre dívidas deixadas ....................... 14

Mais Ar Oxigenoterapia chega a Cabo Frio ................................. 16

Angela ................................... 19

12

CABO FRIO MAIS VERDE? Governo anuncia a criação de dois parques municipais................... 20

O PROBLEMA Búzios encara o desafio do saneamento

Macaé realiza A Feira de Responsabilidade Social ..................................... 22 Desenvolvimento sustentável Entrevista com o pesquisador Manuel Carvalho Gomes ......... 25

Gente ..................................... 34

40

Com quantos paus se faz uma canoa Roberto Menescal conta a história do barquinho

Ensino excepcional ......... 35 25 BPM troca de comando............................... 37 10 perguntas para o novo presidente da ACIA .................. 42 Livros ..................................... 47 Resumo ................................. 49

44

VELAS NA RAIA

Transararuama reúne 66 embarcações e inaugura novo um percurso

Barra do Furado

Novo polo de desenvolvimento para o interior do estado

Capa: Pescadores artesanais na praia da Baleia (São Pedro da Aldeia/RJ) - Foto de Jorge Martins

4

38

CIDADE, Maio de 2009


TA S VI

Benedita da Silva

E

R NT

E

Queremos que o presidente Lula faça o seu sucessor, e aí está a importância de termos o apoio do PMDB, que antes era tímido. Hoje não há nenhuma mudança que nos tire desse objetivo de respeitar e expandir essa articulação

Tatiana Grynberg

Tomás Baggio

A

secretária estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Benedita da Silva, é um exemplo de vida pública em sintonia com sua base eleitoral. Assistente social por formação acadêmica, Bené, como também é conhecida, viveu durante 57 anos no Morro do Chapéu Mangueira, no Rio de Janeiro, onde começou sua militância na Associação de Favelas do Estado do Rio de Janeiro, que logo abriu as portas para que se tornasse vereadora da capital carioca. Em seguida, foi eleita deputada federal por dois mandatos (no primeiro, entre 1987 e 1991, participou da Assembléia Nacional Constituinte, onde atuou como titular da Subcomissão dos Negros, das Populações Indígenas e Minorias). Em 1992, tida como favorita para vencer as eleições para a prefeitura do Rio, terminou o primeiro turno na frente, mas foi derrotada no segundo turno por César Maia. Em 1994, tornou-se a primeira mulher negra a ocupar uma vaga no Senado Federal. Eleita vice-governadora do Rio em 1998, na chapa de Anthony Garotinho, assumiu o governo em 2002, quando Garotinho renunciou para concorrer à Presidência da República. Assim, tornou-se também a primeira mulher negra a governar um estado brasileiro. Com a vitória de Luis Inácio Lula da Silva na eleição presidencial e o término de seu “mandato-tampão”, foi alçada no ano seguinte à Secretaria Especial da Assistência e Promoção Social, com status ministerial. Deixou o cargo após uma polêmica viagem com recursos públicos à Argentina, em que foi acusada de participar apenas de um evento religioso. Devolveu o valor das diárias e das passagens. Desde janeiro de 2007, colabora com o governo Sérgio Cabral Filho (PMDB) e, nesta entrevista, defende o apoio à reeleição do governador como forma de manutenção da aliança entre PT e PMDB no Rio, além de se declarar pré-candidata ao Senado, no ano que vem.

BENEDITA DA SILVA Secretária Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos

CIDADE, Maio de 2009

5


VIS

TA

E

E

R NT

Sua carreira política sempre foi pautada na luta pelas minorias e pelas classes sociais menos favorecidas, especialmente os negros e pobres. O que mudou no cenário brasileiro desde a sua primeira eleição para vereadora do Rio, em 1982? Muita coisa mudou após a nossa Constituição Cidadã, de 1988, quando muitos direitos foram conquistados pelas minorias. Esse processo culminou agora com o governo do presidente Lula, que consolidou esses direitos e está fazendo valer o que diz a nossa Constituição. Aos poucos, estamos vendo diminuir o preconceito contra os negros, homossexuais, enfim, com os cidadãos que sempre foram desrespeitados neste país. É claro que o Brasil tem uma dívida muito grande com esses grupos e, ainda hoje, as conquistas estão aquém do que as minorias precisam. Mas aos poucos isso vai mudando. De todos os cargos que a senhora ocupou, qual foi aquele que mais lhe permitiu desenvolver políticas que influenciaram diretamente a vida da população? Olha, eu digo que todas as vezes que disputei um cargo eletivo, não foi só por uma vontade individual, sempre foi um compromisso coletivo. Quando fui vereadora, eu era uma negra favelada, estava me apresentado ao mundo. Depois, no primeiro mandato de deputada federal, fui a voz do morro na Assembléia Constituinte. Lá tivemos a oportunidade de travar uma bela disputa dentro do contraditório, em que tivemos muitas conquistas. Lembro-me bem que muitos deputados não queriam, por exemplo, conceder os direitos trabalhistas às empregadas domésticas, e isso foi uma grande conquista. Já no segundo mandato de deputada, tivemos a responsabilidade de regulamentar a nova Constituição. Em 92 fui candidata a prefeita do Rio, em que colocamos o discurso da cidade partida, já vislumbrando os problemas que hoje afetam a cidade, como a falta de uma política para saneamento, a desordem urbana. Depois fui eleita senadora, e defendi questões que hoje são uma realidade, como a política de segurança alimentar implementada atualmente pelo governo brasileiro através do Fome Zero. Enfim, posso dizer que a única coisa que eu ainda não consegui até hoje, que é, digamos assim, o meu sonho de consumo político, é ser prefeita da cidade (Rio de Janeiro). Durante o seu curto tempo de gestão como governadora, o estado viveu um período 6

Benedita da Silva de turbulência na segurança pública e alguns projetos tiveram que ser tocados às pressas. Como avalia este período? Foi um período duro, complicado, mas de muita competência. Costumo dizer que foi um parto a fórceps, porque não tínhamos orçamento, faltava apoio político, havia uma eleição pela frente. Quer dizer, foi praticamente uma transição. Mas percebo que o que fizemos naquela época

É claro que o Brasil tem uma dívida muito grande com esses grupos e, ainda hoje, as conquistas estão aquém do que as minorias precisam ainda existe e, agora participando do governo Sérgio Cabral, tive a oportunidade de tocar projetos que foram criados naquela gestão, em um curto período de tempo. A segurança foi a nossa grande dificuldade, sem dúvidas. Mas a corporação sabe, e a própria imprensa registrou, que tivemos uma atuação firme. Enfrentamos rebeliões, fechamento de comércio. Quer dizer, não foi só a morte do (jornalista) Tim Lopes. Mas usamos a técnica e, principalmente, a inteligência. Posso dizer sem dúvidas que saímos vitoriosos desses nove meses. Durante este governo, a senhora assinou a lei de criação da APA do Pau Brasil, em Cabo Frio, onde está sendo tocado o projeto de construção do Club Med, uma grande polêmica entre ambientalistas e empresários. A senhora está por dentro desta celeuma? Qual a sua opinião sobre a construção de resorts em APAs? Tenho notícias do que vem aconte-

O que houve ali foi uma condenação midiática, e não podia ser diferente, já que esconderam as imagens em que eu participava dos compromissos políticos cendo, sei dos projetos que existem para o Reserva Peró, mas não estou por dentro a ponto de opinar sobre o assunto. Dizem que a Região dos Lagos vai ganhar mais suporte para o turismo com a chegada do Méditerrane, os governantes apostam nesse empreendimento para que haja uma maior oportunidade de trabalho na região. Por CIDADE, Maio de 2009

outro lado, tem a crítica que é feita pelos ambientalistas. Eu espero que se chegue a um consenso para o desenvolvimento do turismo sem a depredação do meio ambiente. A senhora foi responsável pela criação dos primeiros programas sociais do governo Lula, mas, para a opinião pública, o que ficou daquele período foi o episódio da viagem que motivou a sua saída. Essa história já foi absorvida pelo seu eleitorado? Bem, para o meu eleitorado, na verdade, essa história não pesou em absolutamente nada. Porque quem conhece Benedita da Silva sabe que aquele episódio não poderia prejudicar a minha credibilidade. Sabia que até hoje essa causa não foi julgada? O que houve ali foi uma condenação midiática, e não podia ser diferente, já que esconderam as imagens em que eu participava dos compromissos políticos. Esconderam a parte do café-da-manhã, que foi um evento semelhante ao que eu fui agora nos Estados Unidos para me encontrar com o presidente Obama. Esconderam as imagens da visita que fiz ao ministério argentino. Meu eleitorado é critico e me trata de forma crítica, mas sem hipocrisia. Quais são os principais projetos tocados pela Secretaria Estadual de Assistência Social? Não consigo determinar um programa que tenha maior ou menor importância, porque se eu deixar de tocar algum deles, viro manchete na mesma hora (risos). A Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos é uma pasta de muita capilaridade. Tratamos do dependente químico, mantemos abrigos para moradores de rua, implantamos os Centros de Referência para a Juventude, fazemos políticas públicas pela igualdade racial, para o idoso, a criança e o adolescente, para a comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros). Quer dizer, é muita coisa para escolher uma só. Duas correntes já estão postas dentro do PT para as eleições ao governo do estado no ano que vem. De um lado, o prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias, tenta ser candidato. No outro lado está a ala que pretende apoiar a reeleição do governo Sérgio Cabral, ao qual a senhora faz parte. Como a senhora se coloca nessa disputa interna? Eu acho que ainda está bem prematura essa questão, mas a conjuntura política


vem antecipando o debate. Não podemos fugir da defesa à nossa aliança, que passa por interesses maiores do que a minha candidatura ao Senado Federal, que eu vou disputar internamente no partido para ser candidata. Hoje temos uma base de sustentação maior do que aquela que costumávamos ter, apenas com o PC do B e o PSB, que sempre nos acompanharam. Queremos que o presidente Lula faça o seu sucessor, e aí está a importância de termos o apoio do PMDB. Precisamos manter a aliança que está dando certo e aproveitar a enorme popularidade do presidente Lula, que vai terminar o mandato com uma aprovação “como nunca antes na história deste país” (risos). Então temos, hoje, uma política de alianças mais ampla, e temos claramente o apoio do PMDB, que antes era tímido, todo mundo ficava perguntando se essa aliança devia ser feita, se não devia. Hoje não há nenhuma mudança que nos tire desse objetivo de respeitar e expandir essa articulação.

Enfrentamos rebeliões, fechamento de comércio. Quer dizer, não foi só a morte do (jornalista) Tim Lopes A senhora esteve, no começo de fevereiro, em um café-da-manhã que reuniu o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, com líderes negros de todo o mundo. Como foi este encontro e o que representa, em sua opinião, a ascensão de um negro a chefe da nação mais poderosa do planeta? Vou dizer dele a mesma coisa que ele disse do Lula: esse é o cara! É um homem com uma trajetória brilhante, que deu esperança ao povo americano e a todo o mundo. Quando Obama foi eleito, eu estava na Argentina e, no caminho para o aeroporto as pessoas me davam parabéns, todos estavam felizes. E eu só ficava babando na televisão. Ele trouxe esperanças ao mundo inteiro porque não é só nos Estados Unidos que os negros eram oprimidos. O dia do café-da-manhã, para mim, foi mágico. Eu só ficava olhando e admirando o presidente e sua esposa Michelle, que é um mulher linda, inteligente, que merece estar onde está. Não tenho dúvidas de que um novo tempo está surgindo com a presidência de Obama nos Estados Unidos.

CONHEÇA um pouco da história da Azeda e Azedinha

E

m setembro de 1998 foi criada a Área de Proteção Ambiental das praias Azeda e Azedinha, também por ação do prefeito Mirinho Braga Propriedade de Luiz Honold Reis, brasileiro, falecido em 1996, a área da Azeda e Azedinha passou para sua esposa Giselle Lise Zucco Reis, francesa (falecida, com 95 anos em 23 de maio de 2001), representada no Brasil por Raphael Gilbert Paul Lange, brasileiro, casado, banqueiro. Inicialmente vendida em 1991 ao italiano Giovani Battista Cappiali, de passagem por Búzios, a venda da Azeda causou uma forte reação popular na cidade. No dia 15 de junho de 1991, uma grande manifestação liderada pela FAPFrente de Ação Popular, uma organização alternativa de ambientalistas, resultou num abaixo assinado com 451 assinaturas pedindo ao governador do Estado do Rio a preservação daquela área. Na Azeda e Azedinha pretendia-se desenvolver um mega complexo turístico, projeto do arquiteto Octávio Raja Gabaglia, compreendendo um hotel de 46 apartamentos, um condomínio com 78 casas, 28 apartamentos de 2 quartos e 12 lojas, além de piscinas, quadras de esportes, ruas e praças. A manifestação popular teve ampla cobertura na mídia nacional, chegando ao Presidente da República Fernando Collor, que determinou que o IBAMA investigasse a venda de duas praias em Búzios. À cargo do superintendente do IBAMA RJ, José Cláudio Cardoso CIDADE, Maio de 2009

Ururahy, foi criado um grupo de trabalho para emitir parecer conclusivo sobre o projeto de empreendimento turístico para a ocupação da área Azeda e Azedinha. No dia 5 de junho de 1992, por coincidência Dia Mundial do Meio Ambiente, o relatório divulgava a seguinte conclusão: “Tendo em vista que o local apresenta particularidades não encontradas em outras regiões do país, abrigando in-

clusive algumas espécies ameaçadas de extinção e endêmicas, e também por ser um sítio de excepcional beleza cênica, o Grupo de Trabalho sugere, com fulcro no artigo 3º do Código Florestal, seja a região compreendida entre Arraial do Cabo e Armação dos Búzios, onde ocorra esse tipo de vegetação ‘Estepe Arbórea Aberta’, declarada como Área de Preservação Permanente”. A partir deste relatório, as autoridades foram informadas ser o IBAMA contrário à implantação do projeto de empreendimento turístico pretendido na área da Azeda e Azedinha. Visite o blog da prefeitura para saber mais sobre a Azeda e Azedinha. www.comunicabuzios.wordpress.com 7


POLÍTICA

Saneamento em discussão permanente Fotos: Mariana Ricci

Reunião contou com representantes de dez entidades da Região dos Lagos

Pelos menos dez entidades já confirmaram participação no Fórum Permanente de Saneamento e Saúde Ambiental da Região dos Lagos, criado no mês passado na sede da 20ª subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-Cabo Frio). O colegiado, que deverá ter regimento e membros da coordenação escolhidos dentro de um mês, terá o objetivo de manter em constante discussão os aspectos políticos de saúde e saneamento. Partiu da Associação dos Arquitetos e Engenheiros da Região dos Lagos (Asaerla), através do engenheiro sanitarista Juarez Lopes, a exposição do modelo de gestão proposto para o novo fórum. Além do presidente da subseção da OAB, Eisenhower Dias Mariano, acompanharam a fala os representantes do Conselho Estadual de Engenharia e Arquitetura (CREA-RJ), Associação de Moradores e Amigos de Cabo Frio (AMA), Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM), Capitania dos Portos e a concessionária de água e esgoto da região, Prolagos. Mureb de Azevedo Mureb representou a 8

JUAREZ LOPES: “Alternativas para a melhora do saneamento”.

secretaria de Meio Ambiente de Cabo Frio, e Ana Maria Nunes, a de Arraial do Cabo. O presidente da Câmara Municipal de Armação dos Búzios, Messias Carvalho, também esteve na mesa de debates. O fórum deverá ter três entidades na coordenação. Não há limite fixado para entidades que farão parte do corpo de trabalho, o que quer dizer que, durante a atuação do fórum, outros órgãos poderão entrar na lista de participantes. As reuniões serão mensais e abertas ao público. A próxima será no dia 11 deste mês, às 18h na 20ª subseção da OAB. “Além de uma ótima oportunidade para realizar uma fiscalização conjunta, o fórum poderá encontrar alternativas para a melhora do saneamento na região”, frisou Juarez.

TEATRO

Câmara de Búzios rejeita contas de Toninho Branco Por seis votos a três, os vereadores de Búzios rejeitaram no mês passado as contas do ex-prefeito Antônio Carlos Pereira da Cunha, o Toninho Branco (PMDB), relativas ao exercício de 2007. O relatório da Comissão de Orçamento, Finanças e Licitação da Casa Legislativa, presidida pelo vereador Lorram da Silveira, manifestou-se contrário à aprovação, seguindo relatório do Ministério Público e do corpo instrutivo do Tribunal de Contas do Estado (TCE), ratificado pelo revisor do TCE, o conselheiro Júlio Rabello. Submetida à apreciação plenária, votaram pela rejeição das contas os vereadores Lorram Silveira, Walmir Nobre, Messias Carvalho, João Carrilho, Felipe Lopes e Joice Costa. Pela aprovação das contas votaram Leandro Pereira, Evandro Oliveira e Genilson Drumond. O processo com as contas do ex-prefeito segue agora para o Ministério Público, que dará continuidade às medidas legais cabíveis.

Divulgação

FÓRUM

Raúl Gazolla em Cabo Frio “No Ar”. Este é o novo espetáculo interpretado pelo ator Raúl Gazolla, que, na companhia de Marcos Veras e Alexandra Richter, faz estreia nacional no Teatro Municipal de Cabo Frio, no início de maio. Sob a direção de Duda Ribeiro, a peça teatral faz uma homenagem bem-humorada aos programas e comunicadores do rá dio brasileiro, contando episódios marcantes e falan do dos bastidores das notícias, sátiras e rádio-novelas que marcaram a vida de milhões de ouvintes. A produção do espetáculo fica por conta da recémcriada F7 Entretenimento, comandada pelo produtor cultural Jerson Farofa.

TRANSPORTE

Nomeação a perigo Acusado pela Polícia Militar de envolvimento com as milícias e com a máfia do transporte alternativo na Zona Oeste do Rio de Janeiro, o ex-sargento da PM Francisco César de Oliveira, conhecido como Chico Bala, é o centro de uma nova polêmica, desta vez envolvendo o governo de São Pedro da Aldeia. Anunciado, durante audiência pública sobre transportes, pelo prefeito Carlindo Filho (PMDB) como novo subsecretário de Transportes da cidade, a suposta nomeação causou reação imediata do Ministério Público Estadual, que instaurou inquérito civil público e recomendou ao chefe do Executivo a sua exoneração. Diante da confusão, o prefeito garantiu, em entrevista para uma TV local, que não havia assinado a nomeação do ex-policial.

CIDADE, Maio de 2009


Panorama Fotos: Divulgação

ASTRONOMIA

“Um Olhar para o Universo”

Caramujos africanos no loteamento Novo portinho Quem passa pelo calçadão do loteamento Novo Portinho, em Cabo Frio, nas primeiras horas da manhã, precisa ter cuidado para não atropelar os caramujos africanos que circulam pelo local. Moradores colocaram placas e jogam sal sobre os bichos na tentativa de controlar a praga.

ciência e tecnologia. Dez mil livros, com informações sobre o tema, foram distribuídos para os visitantes. Seis mil foram para as escolas municipais de Búzios, através de uma parceria com a Prefeitura, que cedeu um ônibus para que os alunos da rede pública de ensino pudessem visitar a exposição durante o horário de aula.

Famosos como o casal Hans Donner e Valéria Valensa prestigiaram a exposição e foram recebidos por Bernardo Sabino

MEIO AMBIENTE PapiPress

SAÚDE

quase desconhecidas, como as colunas de Stonehenge, na Inglaterra, vídeos, e uma série de efeitos multimídias sonoros e luminosos. “A exposição buscou a atenção, principalmente, das crianças e dos jovens e apostou no resgate da observação e do relacionamento com o Universo”, afirmou Bernardo Sabino, diretor executivo da mostra. Quatro monitores guiaram os visitantes durante o passeio que por uma linha cronológica de tempo, mostrando desde o homem primitivo até a atualidade, sempre destacando sua curiosidade, instinto de preservação, fascínio pela vida, imaginação, estudos, teorias,

Mariana Ricci

Que tal experimentar o entusiasmo que Galileu Galilei teve ao ver as crateras da lua, as luas de Júpiter, as manchas solares e a compreender os mecanismos que regem os astros? Para celebrar o Ano Internacional da Astronomia, que comemora os quatro séculos desde as primeiras observações telescópicas do céu feitas por Galileu, Búzios recebeu no mês passado, no maior observatório particular da América Latina, a exposição Um Olhar Para o Universo. Dividida em módulos, a exposição apresentou esculturas gigantes que remetem a astronomia, figuras mitológicas e símbolos de culturas

Acontece mesmo O distrito de Monte Alto, em Arraial do Cabo, foi palco no mês passado de um fenômeno já previsto pelas autoridades municipais. A “cabeça d’água” é resultado de uma enorme ressaca das águas da Praia da Massambaba (extensão da Praia Grande), que inunda a restinga e chega até a Lagoa de Araruama. Como a área sofre com a ocupação irregular, a água entrou em diversas casas da localidade. A “cabeça d’água” foi tema de reportagem publicada na edição de junho do ano passado de

CIDADE, quando o biólogo Davi Aguiar, atual secretário de Meio Ambiente cabista (assumiu em janeiro deste ano), disse que o fenômeno havia acontecido pela última vez há quase dez anos.

FOTOGRAFIA

Aprenda com quem sabe Iniciantes e amantes da fotografia têm ótimas oportunidades de especialização, este mês, em Cabo Frio. A partir do dia 6 de maio, o premiado fotógrafo Marcos Homem ministra curso básico no segundo andar do prédio do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), na Rua José Bonifácio 224. O curso terá duração de dois meses, sempre às quartas-feiras a partir das 19h, e o aluno não precisa ter câmera fotográfica, uma vez que CIDADE, Maio de 2009

o equipamento será fornecido pelo curso. As inscrições podem ser feitas pelo telefone (22) 8801-2922. Outro curso, também de fotografia básica, será ministrado pelo fotógrafo Ricardo Valle na Casa dos 500 Anos, no Portinho, a partir do dia 16, aos sábados e domingos, que terá pouco menos de dois meses de duração. De acordo com Valle, as aulas são inteiramente práticas. Contatos pelo (22) 2648-8940. 9


IMPRENSA Mariana Ricci

Desvio de ‘royalties’ Investigação da Polícia Federal, desbaratada no mês passado, colocou em xeque a distribuição dos royalties do petróleo a municípios do interior do Rio de Janeiro. Um dos investigados é Victor Martins, diretor da Agência Nacional do Petróleo (ANP), irmão do ministro da Secretaria de Comunicação Social, Franklin Martins. Victor Martins, de acordo com a denúncia, estaria envolvido numa negociação para facilitar o pagamento de R$ 1,3 bilhão em royalties para determinado município. A negociação renderia uma comissão de R$ 260 milhões à sua empresa Análise Consultoria e Desenvolvimento. A empresa tem entre os sócios Josenia Bourguignon Seabra, mulher de Victor Martins.

A cidade está viva

Marconi Castro

Casa de Wolney

10

Consórcio Lagos São João elege nova diretoria

Ministro Carlos Minc elogiou as inciativas do CILSJ

PATRIMÓVEL

Apesar da mobilização da sociedade e de uma ordem judicial obrigando a restauração da casa histórica em que viveu o fotógrafo Wolney Teixeira de Souza, a prefeitura de Cabo Frio e os proprietários ainda não se manifestaram, nem deram início às obras. Desde o ano passado, artistas e agitadores culturais tentam transformar o imóvel em museu da imagem, abrigando o acervo fotográfico de Wolney. Durante a campanha eleitoral, o prefeito Marcos Mendes prometeu transformar a casa em museu, mas depois não voltou a se pronunciar sobre o assunto.

MEIO AMBIENTE

Juliana Latosinski/Prolagos

PETRÓLEO

Abril foi um mês especial para o jornal “Folha dos Lagos”, de Cabo Frio. Além de completar 19 anos de história com um café-damanhã em sua sede, o diário também promoveu, no início do mês, o lançamento do projeto Cidade Viva. O Cidade Viva é um fórum que está discutindo soluções para os problemas de desenvolvimento de Cabo Frio. Temas como a geração de emprego e renda, a universidade pública e os serviços públicos estão sendo tratados em reuniões com políticos e entidades de classe. A abertura do fórum, no Tamoyo Esporte Clube, contou com a presença do deputado estadual Paulo Melo (PMDB), que firmou compromisso de lutar pela instalação de um núcleo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) na Região dos Lagos. A coordenação do projeto Cidade Viva está sob o comando do professor Paulo Cotias.

O Consórcio Intermunicipal Lagos São João (CILSJ) tem nova diretoria. O prefeito de Araruama, Andre Luiz Mônica e Silva, foi escolhido para presidente do consórcio; o vice-presidente é o prefeito de Arraial do Cabo, Wanderson Cardoso de Brito, o Andinho; o secretário executivo Mário Flávio Moreira se reelegeu para o cargo. O CILSJ é formado por Governo do Estado do Rio de Janeiro, 12 prefeituras, 54 ONGs e sete empresas da Região dos Lagos, incluindo os municípios entre Araruama e Arraial do Cabo, além de Cachoeiras de Macacu, Casimiro de Abreu, Rio Bonito, Rio das Ostras e Silva Jardim. Foi criado em 2000 com o objetivo definir ações que contribuam para a conservação, recuperação e uso sustentado do meio ambiente local. O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, a secretária estadual de ambiente, Marilene Ramos, e o presidente do Inea, Luiz Firmino Martins Pereira, compareceram à reunião. Em seu discurso, o ministro fez questão de destacar a trajetória de sucesso do consórcio e afirmou que o grupo é um exemplo a ser seguido em todo o país. “Falo da experiência bem sucedida alcançada pelo Consórcio Lagos São João em todos os lugares que visito. Ela deve ser replicada em todo país. A união desses municípios é a razão para uma série de avanços conquistados na área ambiental nos últimos anos”, ressaltou Minc.

ARTE

Circo Chinês em Rio das Ostras O Circo Nacional da China, maior espetáculo de uma trupe estrangeira em atividade no Brasil, confirmou uma série de três apresentações em Rio das Ostras. Os espetáculos estão marcados para os dias 17, 18 e 19 de julho, no Ginásio Benedito Zarour. O Circo Nacional da China é reconhecido no mundo inteiro pela excelência na apresentação e pela grandiosidade dos seus shows que misturam dança, acrobacias, som e muitos efeitos visuais.

CIDADE, Maio de 2009


Panorama PRÊMIO

Melhores do Samba abre exposição permanente de fotografias Thadeu Burached

Divulgação

DESENVOLVIMENTO

Na contramão da crise O Aeroporto Internacional de Cabo Frio começou a receber, no mês passado, voos cargueiros semanais vindos de Miami (EUA), pela companhia Centurion. A cada voo são transportadas cerca de 65 toneladas de equipamentos, com valor estimado em US$ 5 milhões. Todo o processo de “desembaraço” da carga, realizado pela Polícia Federal, acontece no próprio terminal. A movimentação do TECA responde por 95% da receita média mensal do aeroporto.

A entrega do troféu Melhores do Samba, premio oferecido a pessoas e entidades que particiaparam do Carnaval de Cabo Frio, teve uma novidade este ano. Além de 60 troféus confeccionados pelo artista plástico Zé de Canô, a festa na Morada do Samba abriu uma exposição permanente de fotos do Carnaval cabo-friense. Setenta imagens registradas pelos fotógrafos Marcos Homem, Tatiana Grynberg, Mariana Ricci, W. Costa e Walmor Freitas ficarão no local. No mesmo dia, tomou posse a nova diretoria da Liga das Escolas de Samba de Cabo Frio, que tem João Gomes como presidente. Fotos: Marcos Homem

EVENTOS

Portinho Bohemio tem novidades Um dos eventos mais charmosos de Cabo Frio, o Portinho Bohemio, está passando por mudanças. Sob organização da Flash, do publicitário Marcel Figueira, o evento está tomando a forma de um “Movimento Cultural Urbano”, e já começou a ultrapassar a fronteira da música, dando espaço para outras artes. Daqui pra frente, novas manifestações, como artes plásticas, cênicas e outras, estarão se apresentando no Espaço Cultural Vip inaugurado com festa no dia 30 de abril, no Condomínio Casagrande, tradicional reduto da boemia cabo-friense. O Portinho Bohemio acontece na

A artista plástica Natalie nonono expôs seus trabalhos na inauguração do Espaço Vip primeira sexta-feira de cada mês, sempre apresentando uma temática musical diferente. Na última edição, o tema foi “Rock Brasil”, com apresentação de Léo Barreto e da banda Carbono 40. CIDADE, Maio de 2009

11


Ernesto Galiotto

Armação dos Búzios

Praia de João Fernandes

O

PROBLEMA

A falta de saneamento tem sido apontada pela população de Búzios como sendo o maior problema da cidade em todas as sondagens e pesquisas feitas até hoje no balneário. A primeira vez que o problema mostrou a sua dimensão, foi no ano de 1995, quando da formulação do Plano Estratégico de Búzios. A pesquisa de então apontou que 95% da população considerava a falta de saneamento o maior problema da cidade. Depois disso, a Fundação Getúlio Vargas confirmou o índice nos estudos para o Plano Diretor de 2004. Políticos em campanha, useiros e vezeiros das artes das pesquisas de campo, têm identificado o problema sistematicamente em suas pesquisas, e abusado dele, ganhando votos ao prometer resolvê-lo. Niete Martinez

N

o primeiro mês de seu mandato, o prefeito Mirinho Braga (PDT), em entrevista a CIDADE, disse que o problema de saneamento de Búzios era uma “vergonha nacional”, afirmando: “Não podemos pensar em turismo de 12

qualidade sem saneamento, não podemos pensar em meio ambiente sem saneamento, não podemos pensar a cidade sem saneamento”. Ninguém sabe exatamente a situação real do esgoto em Búzios. As consequências, porém, estão no dia-a-dia dos moradores e visitantes. Alagamentos, CIDADE, Maio de 2009

tubulações transbordando, deslizamentos, esgoto correndo a céu aberto, mau cheiro, fuga do turismo de qualidade. Medidas paliativas como a criação da Lei de Esgoto, de autoria do ex-vereador Fernando Gonçalves, uma espécie de medida compensatória para a obtenção do Habite-se em novos projetos, acabaram


“Precisamos ligar a rede urgentemente. Não poderemos mais suportar derramamento de esgoto em praias e vias públicas”, sentenciou a secretária de Meio Ambiente, Adriana Saad, em recente encontro com ambientalistas. Como primeira medida, a prefeitura realizou, junto com a concessionária Prolagos, um mapeamento para identificar ligações irregulares, ao mesmo tempo em que fiscais da prefeitura promoveram uma campanha de conscientização com os moradores do centro, onde todas as ruas já contam com rede coletora. Paralelamente, vistorias na rede instalada também começaram a ser executadas por técnicos das secretarias de Obras e Meio Ambiente, com o objetivo de identificar problemas. Outro grave problema é a desinformação. Muitas pessoas não sabem que são elas próprias as responsáveis por solicitar a ligação de suas casas à rede de esgoto. Várias reuniões foram realizadas com o objetivo de conscientizar a população. “Além das reuniões abertas também fizemos reuniões pontuais nos bairros para entender melhor o problema de cada local”, diz Wilmar. O secretário adianta que tão logo a rede esteja concluída, a prefeitura vai exigir que os moradores façam suas ligações. “Vamos ser duros, rígidos e fiscalizar intensamente”, diz, esclarecendo que isso não representará nenhum acréscimo na conta de água “A taxa de esgoto já está incluída

Parceria com a Serla para recuperar a lagoa dos Ossos PapiPress

Com a mão na massa

Sergio Quissak

por se transformar em mais problemas para a cidade. “Vários sistemas estão incompletos. Existem trechos que não ligam nada a lugar nenhum. Houve uma total falta de controle, que é o que estamos retomando. Ninguém sabia exatamente o que estava sendo executado. Existem lugares onde nem a Prolagos nem a prefeitura sabia que já tinha rede”, esclarece o secretário de Obras e Saneamento, Wilmar Mureb. “A Lei de Esgoto foi criada para dilatar os limites do crescimento em Búzios. E a contrapartida nunca se dava no próprio empreendimento que pagava a medida, e sim em locais determinados pelo antigo secretário de Planejamento. O exemplo mais gritante e evidente está aqui no Forno, onde um condomínio que ele projetou, e aprovou, foi beneficiado”, complementa Ruy Borba Filho, chefe do gabinete de Planejamento, Gestão e Orçamento. na cobrança da água, então os moradores não precisam se preocupar em receber contas mais altas depois que se ligarem à rede”, afirma.

Oh Geribá! Com esgoto correndo a céu aberto e todo tipo de ambulante ilegal perambulando ou estacionado na praia, Geribá viveu um clima de vale-tudo nos últimos anos. Desordem, lixo e muito esgoto num dos principais cartões postais da cidade. A recuperação começou com uma medida drástica. Todas as licenças de ambulantes do município foram canceladas. Na praia de Geribá, apenas aqueles que assinaram o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público estão permitidos, e não podem mais deixar seu material de trabalho sobre a areia. A prefeitura distribui kits desmontáveis que devem ser retirados diariamente, deixando a praia livre e limpa à noite. E as obras de saneamento e drenagem do bairro, reivindicação antiga dos moradores, finalmente começaram: “É uma obra complicadíssima e que vai servir como exemplo, pois será uma obra definitiva”, afirma Wilmar. Com investimento em torno de R$ 1,5 milhão, e executada com recursos próprios, a obra envolve o rebaixamento do lençol, construção de uma estação elevatória, rede de recalque, drenagem e pavimentação em todo o trecho do canto esquerdo de Geribá. Depois de concluída, todas as residências e estabelecimentos comerciais existentes no local deverão ser ligados ao sistema de CIDADE, Maio de 2009

WILMAR MUREB Secretário de Obras e Saneamento

Vamos ser duros, rígidos e fiscalizar intensamente coleta, saneando completamente o bairro. Outros pontos críticos do balneário também estão sendo sanados, segundo o secretário. É o caso do Bosque de Geribá, cuja rede de esgoto está sendo finalizada, e da Ferradura, com a conclusão das obras de três elevatórias. A lagoa dos Ossos já está recebendo obras de dragagem, através de parceria com a Serla (Superintendência Estadual de Rios e Lagoas) e deverá ter seu espelho d’água completamente recuperado. Além disso, a prefeitura está concluindo 60 metros restantes da tubulação de esgoto, que estava incompleta, e a dragagem da travessa Ângela Diniz. “Até o final de 2009 esperamos ter grande parte do problema de esgoto da cidade resolvido”, finaliza Mureb. 13


Araruama

Dívidas como her a Divulgação

R$ 70 milhões em dívidas. Esse é o combustível do combate entre o prefeito de Araruama, André Mônica, e seu antecessor, Chiquinho da Educação. Em meio à polêmica, o atual governo chegou a cogitar a decretação de Estado de Emergência.

Vanessa Campos

O

s cem primeiros dias de governo, na maior parte dos municípios da Região dos Lagos foram de dificuldade, em função da crise financeira internacional e da queda do valor referente ao repasse dos royalties de petróleo (benefício do qual os orçamentos municipais dependem consideravelmente). Dentre as cidades litorâneas, Araruama vem se destacando ao protagonizar um cenário de R$ 70 milhões de dívidas, bloqueio de recursos federais e troca de acusações entre o atual prefeito, André Mônica (PMDB), e o gestor anterior, Francisco Carlos Fernandes Ribeiro (PR), o Chiquinho da Educação, que esteve à frente do Executivo Municipal por oito anos. Passados menos de dois meses de gestão, no início de fevereiro o prefeito André Mônica desabafou, na mídia local, que “não calculava receber o quadro administrativo que o ex-prefeito Chiquinho da Educação entregou”. “Era de conhecimento geral que a administração anterior não priorizava o pagamento de dívidas. Durante a transição do governo, tomamos conhecimento de que existiam dívidas além daquelas que eram de conhecimento público. Mas, sinceramente, não imaginávamos que o endividamento fosse nessas proporções. O nosso FPM (Fundo de Participação dos Municípios) que é o maior recurso livre que o município recebe, foi bloqueado integralmente, e por conta do endividamento o município está cadastrado no CADIN (Ca14

dastro de Inadimplentes) o que faz com que não consigamos receber repasses do governo federal”, declarou André Mônica. O débito total revelado pelo atual prefeito e seu vice, Anderson Moura, ANDRÉ MÔNICA chega a R$ 70 milhões. Atual prefeito Dentre alguns documentos revelados pelo atual goAs dívidas que temos em Araruama verno, estão discriminados correspondem a mais da R$ 6.725.682,36 de dívidas metade deste orçamento com a Ampla Serviços S.A.; R$ 4.117.592,83 com Precatórios; R$ 22.113.414,14 com o Ibasma (Instituto de Benefícios das finanças era tal que a única solução aos Servidores Municipais de Araruama); seria decretar estado de emergência no R$ 30.369.642,45 com a Receita Federal município. De acordo com André Mônica, do Brasil; cerca de R$ 950.000,00 de a seu favor, existe o “bom relacionamento dívidas com o Ibama (Instituto Brasi- com os governos estadual e federal”. leiro de Meio Ambiente); e o total de “Nossa campanha foi pautada nas parR$ 163.100,17 com ECT-Correios. Com cerias e isto estamos tendo. Já recebemos tamanho endividamento, o atual prefeito já aqui o secretário nacional de Turismo, afirmou que, com um orçamento inicial de Airton Pereira, a secretária estadual de R$ 138 milhões previsto para este ano, a re- Assistência Social, Benedita da Silva, e o alidade é que a arrecadação deverá chegar a ministro Carlos Minc. Eu também já fui R$ 120 milhões. a Brasília duas vezes e fui recebido por “As dívidas que temos em Araruama todos os senadores, por vários deputados correspondem a mais da metade deste e ministros, e todos se dispuseram a ajudar orçamento. Agora, temos que escolher Araruama. Também tenho mantido contato as prioridades. Araruama tem contrastes constante com o governo do estado e tenho absurdos. Encontramos uma situação de conseguido muitas coisas com a ajuda caos”, desabafou o prefeito. dos amigos que fiz durante o tempo que trabalhei no Governo do Estado”, explicou Estado de Emergência o prefeito, destacando que as viagens ao Em meados do mês de março, o prefeito Distrito Federal podem gerar um parcelachegou a emitir uma nota, por meio de sua mento da dívida que, mesmo assim, está assessoria, afirmando que o agravamento longe de dar alívio no ano de 2009. CIDADE, Maio de 2009


r ança Jornal de Sábado

prefeito, referindo à coloração usada pelo ex-prefeito nas repartições municipais.

“Acusações são resultado da incompetência para administrar”

CHIQUINHO DA EDUCAÇÃO Ex-prefeito Se houvesse tanta dívida assim, ele não teria aumentado o salário de secretário de R$ 5 mil para R$ 8 mil e não teria pintado a cidade toda de azul

“Teremos que usar os recursos livres para sanar as dívidas do município e calculamos que conseguiremos fazer alguma coisa para chegar a um parcelamento em torno de R$ 800 mil por mês, mas este ainda será um ano de muitas dificuldades”, polemizou ele, amparado pelo discurso do vice, Anderson Moura, que colocou mais lenha na fogueira que alimenta a briga entre Chiquinho da Educação e André Mônica ao falar sobre “a nova fase” da política araruamense, representada pela mudança da cor adotada nos prédios públicos da cidade. “A cor da cidade era amarela. Todo governo adota uma característica. Contudo, ninguém está comprando tinta para pintar tudo de num dia só. Nós vamos mostrar o caminho e o reconhecimento e não é em dois meses. De acordo com a necessidade, só não vamos mais pintar tudo de amarelo. Essa cor já foi. Agora é azul celeste, de paz, momentos novos”, declarou o vice-

Ao tomar conhecimento das declarações do atual prefeito de Araruama e seu vice, o ex-prefeito Chiquinho da Educação chamou os administradores municipais de “um bando de mentirosos”. De acordo com Chiquinho, “a acusação sem fundamento é resultado da incompetência de quem não sabe administrar”. “Ele tem que apresentar estas dívidas de que ele fala. Quero que ele prove o que ele fala, dívida por dívida. Se houvesse tanta dívida assim, ele não teria aumentado o salário de secretário de R$ 5 mil para R$ 8 mil e não teria pintado a cidade toda de azul”, destacou o ex-prefeito, procurando explicar alguns débitos apontados por André Mônica. “O que existe é um acerto de contas de outros prefeitos que passaram, com o Instituto da Previdência e eu não pude saldar. Mas o Chiquinho não deixou dívidas para ninguém. Se eu deixei alguma coisa para ele pagar, não chega a R$ 8 milhões”, argumentou. Para colocar “tudo em pratos limpos”, conforme destacou o ex-prefeito, Chiquinho da Educação chegou a propor um debate público com André Mônica, em uma rádio local, quando, segundo ele, o atual prefeito deveria comprovar para a população as acusações. Em resposta, André Mônica enviou à Câmara Municipal a lista completa das dívidas da municipalidade. “Não pretendemos fazer um governo de grandes queimas de fogos, shows com grandes camarotes com serviços de buffet e ornamentação para o privilégio de meia dúzia de amigos, nem gastar o dinheiro público para comprar carros oficiais de último modelo ou com diárias de R$ 3 mil em viagens para cidades vizinhas. Isso tudo fez parte do passado”, ironizou o prefeito André Mônica. CIDADE, Maio de 2009

15


Mais Ar

N

ovidade em Cabo Frio, a oxigenoterapia hiperbárica, uma técnica oriunda da atividade de mergulho, ganhou espaço na medicina e hoje é amplamente recomendada para uma série de doenças, muito especialmente para os portadores de Diabetes. O médico hiperbarista e diretor técnico da Clinica OHLagos, Cristiano Alonso, explica que o tratamento consiste em simular um mergulho. No caso, o padrão da clínica está em torno de 14 metros de profundidade, onde o paciente respira oxigênio puro, através de uma máscara, por 90 a 120 minutos. “Na verdade o paciente faz uma hiper oxigenação tecidual. Depois de comprimida a molécula de oxigêncio fica tão pequena que é dissolvida no plasma. Com isso é possivel levar o oxigênio até tecidos que não têm boa vascularização, como ossos, tecidos infectados e queimados”, explica o médico. O tratamento reforça o sistema imu-

16

nológico melhorando a produção de células ósseas e de colágeno. Cristino explica que com isso “se consegue potencializar muito a cicatrização”, lembrando que 70% dos paciente que procuram o tratamento são diabéticos. Instalada desde março de 2008 em Cabo Frio, o OHLagos é uma das três únicas clínicas no interior do estado especializadas no tratamento. Segundo o médico, é necessário um mínimo de cinco sessões para que o paciente seja considerado em tratamento. “Cada sessão custa em torno de R$ 250,00”, informa. Apesar dos benefícios, o SUS ainda não oferece cobertura para o tratamento, e a clínica ainda não consegui seu credenciamento junto à Unimed Cabo Frio. “Estamos tentando há um ano”, conta Cristiano. A oxigenoterapía hiperbárica é um procedimento médico reconhecido pelo Conselho Federal de Medicina desde 1995. “Não é um achismo. E tem resultados muito bem documentados, com redução no custo final do tratamento do pacinete”, esclarece o médico. Niete Martinez

CIDADE, Maio de 2009

Fotos PapiPress

SAÚDE

CRISTIANO ALONSO Médico Hiperbarista

Câmara Hiperbárica

Pacientes são monitorados durante o procedimento


NUTRIÇÃO

Que cheiro é esse?

J

á reparou que muitas vezes ficamos com água na boca quando sentimos o cheiro de alguma comida que gostamos? Ou que os alimentos parecem “perder o sabor” quando ficamos resfriados? Isso acontece porque, ao decifrar o cheiro, o cérebro estimula as glândulas salivares e prepara o organismo para receber esse alimento. O olfato e paladar são dois sentidos sempre ligados: é difícil sentir um sabor sem usar o olfato. Sentir sabor é função da língua. Quando saboreamos um alimento, sabemos se ele é doce, amargo, salgado ou azedo. Podemos distinguir o gosto de uma pêra facilmente pela língua, mas uma feijoada é muito semelhante a uma bacalhoada, porque os dois são salgados. O que faz com que separemos tão bem esses alimentos é o aroma que possuem. A língua é a responsável por sentir grande parte dos sabores dos alimentos porque há nela maior concentração de quimiorreceptores, que são os responsáveis pela “identificação” dos vários gostos. No entanto, parte do gosto que sentimos dos alimentos é resultado do cheiro emitido por eles. A redução ou a perda do paladar (ageusia) e a distorção do paladar (disgeusia) podem ser causados por fatores como boca muito seca, tabagismo intenso, alcoolismo, radioterapia da cabeça, efeitos colaterais de alguns remédios, depressão, queimaduras da língua. A falta de vitaminas leva a alterações nas papilas gustativas, e o cálcio é fundamental no processo de “tradução” da reação química causada por moléculas odoríferas em impulsos elétricos. A perda total do olfato (anosmia) e a diminuição do olfato (hiposmia) também têm sido associadas ao consumo de alguns medicamentos, como os quimioterápicos e alguns antidepressivos. Os distúrbios do olfato e do paladar raramente constituem uma ameaça à vida. Entretanto, eles podem incomodar muito uma vez que afetam a capacidade de desfrutar de comidas, bebidas e aromas agradáveis.

DANUZA LIMA é nutricionista danuzalima72@hotmail.com

CIDADE, Maio de 2009

17


Cartas

PARABÉNS PELA ÓTIMA REPORTA-

www.revistacidade.com.br Maio, 2009

GEM sobre os royalties do petróleo. Visito essa região com frequencia e vejo o grande desperdício de dinheiro das prefeituras. Usaram mal os recursos e agora vão ter que correr atrás do prejuízo. Parabéns pela revista, um abraço. Roger W.Simas (Rio de Janeiro/RJ)

Publicação Mensal NSMartinez Editora ME CNPJ: 08.409.118/0001-80 Redação e Administração Praia das Palmeiras, nº 22 Palmeiras – Cabo Frio – RJ CEP: 28.912-015 cidade@revistacidade.com.br Diretora Responsável Niete Martinez niete@revistacidade.com.br Chefe de Reportagem Tomás Baggio baggio@revistacidade.com.br Reportagens João Phelipe Soares Loisa Mavignier Guimarães Neto Gustavo Araújo Pedro Paulo Campos Renato Silveira Tati Bueno Viviane Rocha Fotografias Mariana Ricci Márcia Plácido Marcos Homem PapiPress Pedro Paulo Campos Tatiana Grynberg Sérgio Quissak Vinícius Condeixa Colunistas Angela Barroso Ernesto Lindgren Danuza Lima Octavio Perelló Produção Gráfica Alexandre da Silva alecabofrio@oi.com.br Impressão Ediouro Gráfica e Editora S.A Distribuição Saquarema, Araruama, Iguaba Grande, São Pedro da Aldeia, Cabo Frio, Arraial do Cabo, Búzios, Rio das Ostras, Casimiro de Abreu, Quissamã, Campos, Macaé, Rio de Janeiro e Brasília. Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores 18

A CADA DIA QUE PASSA FICAMOS mais assutados com o que está acontecxendo com a nossa cidade. E não é só em Cabo Frio que a violência tomou conta. A cidade de São Pedro já é reduto de bandidos que vem descansar do “trabalho” por aqui. Quando alguém vai tomar alguma providência? depois que todos os turistas sumirem por causa da violência e assaltos em plena luz do dia? Fica a minha pergunta, com os meus agradecimentos. Antônio Carlos Coutinho (São CristóvãoCabo Frio/RJ MORO EM NITERÓI E VOU SEMPRE para Cabo Frio e fico com minhas primas que moram no bairro do Peró. Vi a revista e achei muito maneira. E queria dar uma idéia para voces fazerem uma matéria sobre a falta de uma programação para os jovens. Eu e as minhas primas e mais os amigos dela, acabavamos ficando em casa a noite porque a cidade não tem programação para os jovens, que são muitos e ficam sem fazer nada depois da praia. Bom, e só uma ideia para vocês, porque gostei muito da revista. Marcela de Oliveira (Niterói/RJ) QUERO DAR OS PARABÉNS A VOCÊS por essa bonita revista que tantas informaçõe nos traz todo mês. Tem um assunto que acho que seria muito bom da revista mostar. Já viram o tipo de “turista” que chega nos navios? um bando de gente que invade a cidade e não toma nem cafezinho! Quem é que está ganhando dinheiro com isso? Acho que só o navio, porque o comércio da cidade não vende nada para eles. Minha mãe tem uma lojinha na Gamboa e por isso acho que tem alguma coisa errada com esse turista que não compra nada. muito obrigado Ana Cristina de Toledo (Gamboa - Cabo Frio/RJ) CIDADE, Maio de 2009

GOSTARIA DE EXPRESSAR MEU TOTAL repudio à criação deste pedágio na BR-101. Como é possível que, além de pagarmos R$ 8,90 ou R$ 13,50 (fins de semana) para ir ao Rio de Janeiro, Via Lagos, ainda temos que pagar R$ 2,50. Isso demonstra apenas que nossos direitos cada vez estão sendo desrespeitados. O que adianta tantas promessas se o cidadão ainda precisa pagar IPVA, Seguro, impostos e ainda mais essa! A respeito do que vem ocorrendo em Búzios é lamentável que ainda a política tenha uma influência maior do que a educação, pois estamos presenciando vários cargos de adjunta serem preenchidos por pessoas que não possuem ao menos um curso superior, de preferência Pedagogia. Para onde nos leva essa nova administração que lutei tanto para eleger? Sou concursada e estou desde 2001 sugerindo eleições diretas para Diretor Geral e adjuntos. De nada adianta cursos se não existe um compromisso da comunidade acadêmica e da sociedade. A vida em Búzios é muito cara e até hoje nossos honorários estão defasados. Vivemos uma anarquia em que a filosofia não existe, somente a filosofia do QI (quem indique). Carla da Silveira (por e-mail) SÓ MESMO UM XARÁ PARA TER A mesma impressão que eu a respeito da lorpice reinante. Infelizmente o colunista tem toda razão. Criticando implacavelmente mas sem perder seu impagável senso de humor o professor nos brinda a cada número com delícias como essa. Parabéns! Ernesto de Barros (Balneário - São Pedro da Aldeia /RJ ONDE ESTÁ O DINHEIRO? A PREFEITUra de Cabo Frio parece que foi à falência! Estou ouvindo dizer que a culpa é dos royalties. Será? Isso acontecer logo depois de uma campanha onde foi preciso gastar muito dinheiro com advogados é muito esquisito. Onde estão os vereadores, pagos para fiscalizar o dinheiro do povo, que SUMIU? Marcelino Goes de Andrade (morador do Rio de Janeiro e veranista do Braga/ Cabo Frio) Cartas para o Editor Praia das Palmeiras, 22 - Palmeiras, Cabo Frio/RJ - Cep: 28.912-015 E-mail:cartas@revistacidade.com.br


A

NGELA Barroso

angela.barroso@yahoo.com.br

No altar montado no jardim da residência dos pais do noivo e diante de 500 convidados,os noivos Melissa e Ignácio prestaram seus votos religiosos ao Frei Franciscano Marco Túlio. Foram seis anos de romance que culminou em uma das mais bonitas celebrações que já aconteceu no balneário.

Melissa desfilou modelo assinado pela estilista mineira Danielle Benício que fez questão de trazer de Paris as flores que enfeitavam o cabelo e o vestido da noiva. Belíssimo.

Foram poucos os buzianos presentes, mas Alexia e sua mãe Renata Dechamps não poderiam faltar. Eram só elogios para a festa da de Melissa Cruz e Ignácio Ferreira Prata. Maria Elvira Salles Ferreira e Prata Neto, pais do noivo, receberam os convidados para a recepção,na Pousada Ferradura Resort do empresário Nelson Xavier. Tudo com muito requinte e elegância.

CIDADE, Maio de 2009

19


M E IO AMBIE NTE

CABO FRIO MAIS VERDE?

MORRO DO MICO Pressão imobiliária

Renato Silveira

20

PapiPress ess

L

á se vão quase 19 anos após a aprovação da Lei Orgânica Municipal de Cabo Frio e somente agora a municipalidade começa a se movimentar no sentido de demarcar e proteger, através da criação de parques municipais, algumas áreas de preservação já visualizadas em 1990. Oficialmente, existem na cidade cinco espaços protegidos nesse formato, entre eles o famoso Parque do Mico Leão Dourado, na fronteira com Casimiro de Abreu (há também o das Dunas, Dormitório das Garças, da Gamboa e da Praia do Forte). Agora, o governo municipal inicia os trabalhos de criação e demarcação dos Parques da Boca da Barra e do Morro do Mico, mas tudo indica que isso não é para já. O atraso para a regulamentação dessas áreas chama a atenção. Se as regras fossem seguidas, o prazo estipulado era de no máximo cinco anos, mas a cota estourou faz tempo. Até agora, foram demarcados cerca de 700 mil metros quadrados, referentes apenas aos parques do Mico Leão Dourado e Dormitório das Garças. Com a falta de regras claras, embora boa parte desses locais já sejam Áreas de Preservação Ambiental, muitos se encontram ameaçados por ocupações irregulares e visitação sem controle. O secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente de Cabo Frio, Carlos Victor Mendes, tem uma resposta na ponta da língua para explicar o enorme atraso. Segundo ele, nesse intervalo, o município preparou também o seu Plano Diretor e áreas que serão transformadas em parques, como a Boca da Barra, foram transformadas em APA, mudando as regras para a sua criação. “Tudo isso fez com que o cronograma para a regulamentação dessas áreas municipais sofressem esse atraso. Mas agora, a secretaria está envolvida diretamente nesse processo e acredito que no segundo semestre desse ano, já estaremos bem adiantados”, afirmou. Mas o processo pode não ser tão simples como o secretário acredita. Há, tanto no Morro do Mico como na Boca da Barra, áreas privadas que terão de ser desapropriadas, gerando custos em um momento de crise como o vivido pelo atual governo. Outra dificuldade está na própria gestão do espaço, que terá de ser monitorado pelas autoridades para seu bom funcionamento. Na verdade, esse processo já deveria ter sido iniciado, sob pena de pouca coisa restar de locais como o anunciado Parque do Morro do Mico. Localizado entre o Jacaré e a Estrada do Guriri, próximo ao centro da cidade e imprensado pelo processo de favelização dos bairros, já há sinais de ocupação desordenada por ali.

KÁTIA MANSUR

Ali encontra-se resquícios geológicos de um tempo em que os continentes América do Sul e África eram um só, chamado Gondwana

CIDADE, Maio de 2009


Ernesto Galiotto

Ernesto Galiotto

BOCA DA BARRA Natureza ainda preservada

Carlos Victor garante que o governo está atento ao problema e manda regularmente ao local equipes de fiscais com a missão de impedir obras e ocupações irregulares. Porém, ainda não há regras claras para a enorme área verde, que abriga uma rica fauna, inclusive com os ameaçados micos-leões-dourados.

Boca da Barra Quando se fala na histórica Boca da Barra, local de entrada dos primeiros portugueses nos idos de 1503, o problema muda de foco. Ali, a questão é regulamentar a enorme visitação pública, principalmente na Ilha do Japonês, ampliada na alta temporada com a chegada dos transatlânticos. Passar por lá numa manhã de segunda-feira implica em encontrar restos do churrasquinho de fim de semana promovido por moradores ou turistas mal educados. Com a criação do Parque, que vai da Ilha do Japonês até a Praia Brava, a área, que faz parte da APA do Pau Brasil, criada em 2001 pela ex-governadora Benedita da Silva, terá, segundo o secretário, a visitação limitada e controlada para evitar excessos e abusos. “O fluxo de visitantes passará a ser controlado, evitando o impacto ambiental da visitação desenfreada. A Guarda Marítima e Ambiental, que já realiza um trabalho por lá, ficará responsável por esse controle”, explicou Mendes. Para Kátia Mansur, diretora do Departamento de Recursos Minerais do Rio de Janeiro, órgão vinculado ao governo Estado, a criação do Parque da Boca da Barra é de vital importância para a preservação de um espaço que ajuda a explicar a origem geológica do planeta. “Ali encontram-se resquícios geológicos de um tempo em que

os continentes América do Sul e Á África eram um só, chamado Gondwana. Todas aquelas ilhas, costões rochosos e vegetação só são encontrados nessa área e no outro lado do oceano, na África. A preservação vai auxiliar na continuidade desses estudos que podem explicar a origem de nosso planeta”, comentou. Segundo ela, o uso indiscriminado do local pode acelerar seu processo de erosão natural, principalmente nas trilhas por onde os visitantes costumam passar durante suas incursões às praias locais. “Com a passagem das pessoas pelas trilhas, criam-se novas áreas de erosão, misturando o barro às rochas já sedimentadas. Isso acaba criando um novo cenário diferente do original. As pessoas devem poder visitar a área, mas com controle”, adverte.

Parque estadual Embora a legislação diga que a gestão de áreas denominadas parques devam ser realizadas pelos municípios, o Instituto Estadual do Meio Ambiente (Inea) pretende delimitar uma enorme área envolvendo sete municípios no entorno da Lagoa de Araruama, criando o Parque Estadual da Costa do Sol. De acordo com o presidente do Instituto, Luís Firmino, o estado seria o responsável pelo decreto e desapropriações, e cuidaria dos espaços em regime de cogestão com os governos municipais. “São 32 áreas que valem a pena serem transformadas em parque. Se cada município fosse criar um decreto sozinho, teria de arcar com a desapropriação e uma série de outros itens que dificultariam o processo. O Inea coloca a criação desse parque como prioridade e pretende discuti-lo com a sociedade ainda esse ano”, garantiu.

CIDADE, Maio de 2009

21


Macaé

Em busca do tempo perdido Divulgação

II Feira de Responsabilidade Social vai discutir um desejo coletivo que os mais de 30 anos de exploração petrolífera na Bacia de Campos não conseguiram concretizar: o desenvolvimento regional sustentável

Guimarães Neto*

U

m pé no planeta, outro na região. Com essa proposta e um monte de desafios, a segunda edição da Feira de Responsabilidade Social Empresarial Bacia de Campos (Feira de RSE Bacia de Campos), acontecerá nos dias 19, 20 e 21 de maio, no Centro de Convenções Jor22

nalista Roberto Marinho (Macaé Centro), em Macaé. Com o tema “Construindo Cidades Sustentáveis”, o evento terá feira de exposições, fórum com palestras, mesasredondas e painéis, além das Oficinas do Conhecimento – onde a produção acadêmica das universidades presentes na região, relacionada à RSE e à sustentabilidade, será mostrada, discutida e, posteriormente, CIDADE, Maio de 2009

entregue às autoridades locais – e a Rodada de Negócios Sustentáveis. De acordo com a publicitária Bernadete Vasconcellos, da revista Visão Social, organizadora da Feira, esta contará com empresas, prefeituras, ONG´s, universidades, entidades de classe e outras instituições envolvidas em ações nas áreas de Responsabilidade Social e Sustentabilidade.


Nesta segunda versão, a Feira de RSE Bacia de Campos coloca um desafio a mais: como buscar o desenvolvimento sustentável em um momento econômico tão difícil para os municípios da região, que sofrem com a significativa diminuição dos recursos oriundos da exploração de petróleo e gás natural? Para debater esta e outras questões, foram convidadas importantes personalidades das áreas de RSE e Sustentabilidade. Também está prevista uma mesa-redonda com jornalistas, economistas e prefeitos da região, sobre um tema bastante oportuno: a criação de mecanismos, como, por exemplo, fundos municipais de desenvolvimento sustentável que garantam um teto mínimo de recursos para as prefeituras em períodos de “vacas magras”, como este em que o preço do barril de petróleo despencou de US$ 130 para menos de U$ 50. Como na feira de 2008, serão disponibilizados estandes gratuitamente para as 20 primeiras ONG´s da região que se inscreverem, devendo estas apresentar releases com informações cadastrais e seus projetos.

Presenças Várias personalidades nas áreas de RSE e Sustentabilidade vão participar das palestras e painéis do Fórum “Construindo Cidades Sustentáveis”, na versão 2009 do evento. Entre elas, o ambientalista,

consultor e fundador da ONG SOS Mata Atlântica, Fábio Feldmann, a jornalista Amélia Gonzalez, editora do suplemento “Razão Social”, de O Globo, o consultor e especialista em turismo sustentável, José Wagner Fernandes, presidente do Instituto de Hospitalidade e gestor do Comitê Brasileiro de Turismo da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e o diretor executivo do Movimento Viva Rio, Rubem César Fernandes, que fará uma abordagem diferenciada sobre a violência urbana. Também estarão no fórum de palestras e debates o diretor do Laboratório de Meteorologia da Uenf (Universidade Estadual do Norte Fluminense) e estudioso das mudanças climáticas, prof. Valdo Marques e o ambientalista Aristides Soffiati Neto. Quanto à mesa-redonda que discutirá o desenvolvimento regional sustentável, foram convidados, além de prefeitos da Bacia de Campos, o reitor da Uenf, prof. Almy Júnior, o sociólogo e professor da Universidade Federal Fluminense, José Luiz Vianna da Cruz, o gerente regional da Onip (Organização Nacional da Indústria do Petróleo) e do IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Bicombustíveis), Alfredo Renault.

Fortalecimento Para o secretário de Meio Ambiente de Macaé, Maxwell Vaz, a II Feira de Responsabilidade Social Empresarial Bacia de

Uma ideia sustentável Evento inédito na forma e no conceito, que inseriu os municípios da área de influência da Bacia de Campos na grande discussão planetária sobre Sustentabilidade, a I Feira de Responsabilidade Social Empresarial Bacia de Campos, realizada no município de Macaé em maio de 2008, foi considerada um sucesso, apesar do caráter pioneiro e da complexidade dos temas abordados. Para isso, a Revista Visão Social contou com bons parceiros que acreditam no desenvolvimento com qualidade de vida para os cidadãos e preservação dos recursos naturais. O êxito da iniciativa foi reconhecido durante a Conferência Ethos 2008, realizada no mês de maio, em São Paulo, um dos eventos mais importantes de RSE da América Latina. Também refletiu positivamente junto aos palestrantes convidados. A I Feira de RSE Bacia de Campos teve por objetivo contribuir para a disseminação de conceitos, indicadores e ações pontuais de Responsabilidade Social Empresarial e Sustentabilidade junto às empresas e ONG´s que atuam na região, principalmente nos municípios de Macaé, Campos dos Goytacazes,

Campos “fortalece o processo de adesão, que deve envolver toda a comunidade e é importante para o fortalecimento do trabalho, já que poder público não conseguirá resolver os problemas sozinho”. Também organizador do evento, o jornalista Martinho Santafé falou sobre a importância da feira para a mobilização da sociedade em prol de assuntos importantes para diminuir as desigualdades sociais. “As contradições que vivemos na nossa região nos motivou a criar a feira. Nós sentimos que temos um papel a cumprir, é uma obrigação como cidadão”, disse. Para o coordenador da área de Responsabilidade Ambiental da Petrobras na Bacia de Campos, William Oliveira, o evento é uma ferramenta de articulação que contribui para que o tema seja discutido pela sociedade. “Para a Petrobras e outras empresas, o assunto ainda é novo e precisa ser bastante debatido. É um processo que precisa ser contínuo”, explicou. Segundo William, a Responsabilidade Social tem que estar intrínseca na identidade da empresa, que não deve começar aderir por questões de competitividade. Todas as palestras e eventos da feira são gratuitos. O credenciamento pode ser feito através do site www.feirarsebaciadecampos.com.br. * Com assessoria de Imprensa do evento.

Quissamã, Carapebus, Rio das Ostras, Cabo Frio, Casimiro de Abreu e Armação de Búzios. Participaram do evento universidades, instituições e entidades de classe, poder público e várias outras MARTINHO SANTAFÉ empresas oriundas de diretor da revista “Visão Social” estados brasileiros, e idealizador da Feira como São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo, que apresentaram projetos de aproveitamento de materiais recicláveis e de energias renováveis. O evento também cumpriu a finalidade de aproximar empresas interessadas em desenvolver ações de RSE e Organizações Não Governamentais (ONGs) que possuem projetos nesta área, viabilizando a concretização dessas ações, além de dar visibilidade às empresas que já têm atuado nesta área, servindo de exemplo para as demais.

CIDADE, Maio de 2009

23


24

CIDADE, Maio de 2009


DESENVOLVIMENTO SUS TENTÁVEL Divulgação

MANUEL CARVALHO GOMES Pesquisador

“Não destruam

as belezas da Região dos Lagos”

Tati Bueno de Lisboa

O

português Manuel Carvalho Gomes é um dos pesquisadores mais respeitados da europa, quando o assunto é o desenvolvimento sustentável. Doutor em Ensino da Geografia pela Universidade de Lisboa e presidente da Associação Portuguesa de Educação Ambiental, Gomes participa de fóruns da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) e da Universidade de Kingston, na Inglaterra. Seu principal foco de pesquisa é a Década das Nações Unidas da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (DEDS), cuja proposta foi tema de sua tese de doutorado. Admirador das belezas naturais da Região dos Lagos, que visitou no passado, o pesquisador alerta para o crescimento desordenado e aposta na participação da sociedade para a preservação do meio ambiente. “Não podemos nos esquecer que o desenvolvimento sustentável depende do equilíbrio entre a preservação do ambiente, o crescimento econômico e a justiça social. Assim, todas as partes interessadas, desde os políticos à população local, passando pela mídia e pelas empresas, deverão ter em conta que a qualidade de vida da população cabofriense hoje não deve pressupor que os seus filhos e netos tenham as mesmas possibilidades de desenvolvimento. E, por favor, não destruam a beleza natural que ainda existe na Região dos Lagos”, conclama o lusitano. Em sua caminhada para divulgar a DEDS, Gomes palestrou recentemente na Universidade da Paz, criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) na Costa Rica. Para ele, a Década é uma oportunidade de tornar possível o ideal

de “um mundo em que todos tenham a oportunidade de receber educação e aprender os valores, comportamentos e modos de vida necessários para se alcançar um futuro sustentável e uma transformação positiva da sociedade”. “Penso que os diferentes Estadosmembros da ONU, ao terem assumido a proclamação da DEDS, deveriam, de acordo com o Plano de Aplicação Internacional da Década, ter criado nos últimos anos os mecanismos necessários à sua divulgação e implementação, o que não parece ter acontecido, pois a DEDS continua a ser desconhecida para muitos. Até ao momento, nos relatórios de avaliação da Unesco, os exemplos dos países que se envolveram de forma significativa no processo de aplicação da DEDS são bastante reduzidos, tendo em conta que a ONU é constituída por 192 países”, afirma o professor. Para mudar esse quadro, Manuel Gomes considera imprescindível a partilha de experiências entre as nações, além de uma maior qualificação dos profissionais e entidades envolvidas na aplicação das diretrizes da DEDS. “É importante que as ações de formação nestas áreas se multipliquem, por CIDADE, Maio de 2009

exemplo ao nível local, onde as autarquias (prefeituras) têm uma responsabilidade acrescida no âmbito da Agenda 21, como ‘pensar global e agir local’, mas também ‘pensar local e agir global’, diz o especialista. Em sua peregrinação mundo afora, Gomes tem como principal mensagem a mudança de comportamento por parte de cada cidadão do planeta Terra. “Todos sabemos que o ambiente está cada vez mais degradado, cada vez há mais pobreza, as doenças não param de matar pessoas, e, a continuar assim a nossa qualidade de vida vai ser cada vez menor. Por isso é fundamental mudar, mudar para melhor. Assim, aquilo que eu peço é que cada um de nós pense: como é que eu estou disposto a contribuir para a mudança? Vou separar os lixos! Vou andar menos de carro! Nas eleições vou votar nos políticos mais justos! Vou estar com atenção para não destruírem o ambiente que me rodeia! Vou procurar estar mais informado para poder agir e exigir! Vou respeitar o ambiente, vou respeitar as outras pessoas, vou respeitar os animais. Vou respeitar a vida e o mundo”, conclui. 25


26

CIDADE, Maio de 2009


CIDADE, Maio de 2009

27


CAPA

Governo quer saber

QUEM É QUEM na pesca

A profissão é bíblica. Na Região dos Lagos a arte da pesca artesanal reúne técnicas ancestrais passadas de gerações para gerações desde os primórdios da colonização. A influência das comunidades pesqueiras nas praias dos balneários regionais é inegável. Eles sempre estiveram ali aos milhares, colorindo o horizonte com seus barcos ao sabor da maré. Depois chegou o turismo. A arrecadação com os royalties do petróleo passou a ser a muleta na economia dos municípios praianos. A pesca industrial foi dominando o cenário no litoral fluminense, abocanhando os melhores cardumes e acuando cada dia mais os pescadores tradicionais. Uma queda de braço de tubarão com sardinha. Uma realidade socioeconômica que a partir de agora deixará de ser meramente parte da paisagem para entrar nas estatísticas oficiais dos governos federal, estadual e municipal.

28

CIDADE, Maio de 2009


Marconi Castro

Loisa Mavignier

O

turismo desordenado, a pesca predatória, o crescimento urbano, a falta de políticas públicas e de investimentos, aliados à inexistência de estatísticas globais e localizadas, estão contribuindo para a perda da identidade cultural dos pescadores artesanais em Cabo Frio, Búzios e Arraial do Cabo, com reflexos também na pesca na Lagoa de Araruama. Os dados existentes sobre a pesca vêm de iniciativas acadêmicas isoladas e informações pulverizadas de alguns órgãos governamentais. Hoje, ninguém sabe exatamente quem pesca, quantos pescam e o que a atividade gera para a economia dos municípios na Região dos Lagos. Mas agora o governo quer saber quem é quem nessa realidade. Até porque, o Brasil tem um território marítimo de 4,5 milhões de quilômetros quadrados, a chamada Zona Econômica Exclusiva; e o estado do Rio de Janeiro está entre os maiores produtores de pescado do país. Cabo Frio está entre os primeiros do ranking estadual, além de ocupar a posição extraoficial de maior produtor de sardinha do Brasil. O eco de uma corrente deflagrada pelo governo federal, com várias frentes de trabalho, chegou ao estado e municípios. De repente, mas não por acaso, todo mundo despertou para a importância cultural e econômica da pesca industrial e artesanal fluminense. A meta é que as prefeituras façam censos, com a cooperação técnica da Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca da Presidência da República (Seap), e da Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj), para traçar o perfil do setor pesqueiro em estatísticas que servirão de base para as políticas públicas para o setor. Pelo peso na economia e por ser a única atividade que não sofre com sazonalidade do turismo, a tendência agora é que a pesca, antes ligada ao meio ambiente, passe para o âmbito das secretarias de Indústria e Comércio, a exemplo de Cabo Frio que já criou um Departamento de Pesca ligado à Coordenadoria de Indústria e Comércio; e que os municípios criem os seus Conselhos Municipais de Pesca. CIDADE, Maio de 2009

“Hoje a pesca está no escuro. Traçar uma política de pesca nos municípios é importantíssimo. Temos estimativas de 60 mil pescadores artesanais e industriais no estado, mas sabemos que isso está longe da realidade. Somando esses dados com a visão da Seap, iremos transformar isso numa minuta para fazer a estatística para o Programa de Monitoramento da Pesca Industrial do Estado do Rio de Janeiro, incluindo os principais produtores de pescado como Cabo Frio, Niterói, Rio de Janeiro e Angra dos Reis”, explica o diretor-técnico da Fiperj, Augusto da Costa Pereira.

Adequação Cabo Frio e Arraial do Cabo já estão se mobilizando para a criação dos Conselhos Municipais de Pesca. A meta da prefeitura de Cabo Frio é criar também um Fundo Municipal de Pesca que permita gerir ações de fomento ao setor. Para isso, o secretário de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente cabo-friense, Carlos Victor da Rocha Mendes, e o coordenador de Indústria e Comércio, Ricardo Azevedo, estão se reunindo com os principais segmentos pesqueiros, entre eles os armadores locais que integram o Sindicato da Indústria de Pesca do Estado do Rio de Janeiro. A orientação da prefeitura é que os empresários criem uma associação com sede em Cabo Frio. Para Carlos Victor, os números referentes à pesca no município podem influenciar no aumento do Índice de Participação dos Municípios (IPM), e abrir as portas para as linhas de crédito existentes na Seap. Em Arraial do Cabo onde existe uma reserva extrativista marinha (ResexMar) criada em 1997 para preservar o “modus vivendi” do pescador tradicional, o chefe da reserva e analista ambiental do Instituto Chico Mendes, Álvaro Braga, está empenhado em homologar o Conselho Deliberativo da Resex e aguarda apenas o desfecho burocrático em Brasília para trabalhar o plano de manejo na reserva. Búzios, por exemplo, reduto tradicionalmente pesqueiro, não possui quase nada descrito sobre as comunidades de pesca. A secretária municipal do Meio Ambiente e Pesca, Adriana Saad, acredita que existam de 1 mil a 1,5 mil pescadores nas praias de Manguinhos, José Gonçalves e Rasa. 29


Loisa Mavignier

CAPA

Muitos, porém, também interagem com o turismo. “Iniciamos um levantamento para diagnosticar a pesca em Búzios. Vamos fazer a estatística em parceria com a Fiperj. Também queremos resgatar as tradições dessas comunidades e para isso contamos com o apoio da Colônia de Pesca”, garante a secretária. A pesca na lagoa também não possui dados oficiais até hoje. De acordo com o secretário do Meio Ambiente e Pesca de São Pedro da Aldeia, Luciano Pinto, a prefeitura, com apoio da Fiperj, começaria em março a fazer o diagnóstico sobre a pesca para saber qual a produção média de pescado na Lagoa Araruama e quantos realmente têm registro de pescador profissional, já que muitos fazem bicos na pesca. Uma das metas desse ordenamento é a inclusão social do pescador artesanal, que vem perdendo espaço para as grandes empresas pesqueiras. Embora organizados em colônias e associações de classe, um quê de informalidade sempre predominou na pesca tradicional. O objetivo é preparar e incentivar essas comunidades para a maricultura, a psicultura e o beneficiamento de pescado. O superintendente da Guarda Marítima e Ambiental de Cabo Frio, o biólogo Eduardo Pimenta, avalia que os pescadores artesanais estão fadados à adequação, e a maricultura é uma boa alternativa. “Na visão do município a pesca 30

CIDADE, Maio de 2009

Loisa Mavignier

Grandes traineiras da pesca industrial dominam o cenário no litoral da Região dos Lagos

VICENZO SQUOTTO, 25 anos no mercado, exporta peixes para Itália, Portugal, França, Alemanha e EUA

industrial é rentável, gera emprego e muita renda. Estima-se que existam pelo menos 12 mil pescadores engajados na captura e nos serviços indiretos. O Rio de Janeiro é terceiro produtor de pescado do Brasil, e de Cabo Frio sai mais de 18% dessa


Extrair até esgotar De acordo com o biólogo Paulo Sérgio de Albuquerque Lacerda, do Departamento de Aqüicultura e Pesca de Cabo Frio, existem 48 embarcações de pesca industrial no município, isso sem contar as de outros estados que extraem pescado no litoral da Região dos Lagos, já que rota da sardinha vem de Itajaí (RS) até Cabo Frio e Búzios. Em Arraial do Cabo, a extração de sardinha só é permitida fora da Resex. Lacerda acredita que os estoques de sardinha, que já esteve em risco de extinção, estão se recuperando. Dados da prefeitura mostram que apenas três grandes empresas de pesca industrial de Cabo Frio produziram em 2007 um total de 15.045 mil toneladas de pescado; em 2008 esse número saltou para 27.413 mil toneladas. A sardinha encabeça o topo das espécies mais capturadas. “O que se nota no Brasil é que alguns estoques pesqueiros estão estagnados. Não estão tendo condições de se recuperar. Algumas espécies estão regredindo e outras totalmente esgotadas porque a pesca industrial só dá trégua quando há diminuição do cardume e não é mais economicamente viável. Aí partem para outra. A aquicultura está suprindo essa deficiência”, analisa Lacerda. Na avaliação dele, a pesca artesanal, embora em menor volume, também é predatória porque é feita perto da costa nos redutos de desova das espécies.

Tatiana Grynberg

produção. Juntos, Angra dos Reis e Cabo Frio são responsáveis por 40% da produção estadual”, explica. Além de abastecer os municípios, o pescado regional é comercializado por grandes mercados em Niterói, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e até no exterior. Em Cabo Frio, existem sete empresas de pesca industrial, sendo as três maiores Brasfish, Pescado Magalhães e Da Hora. Com dez barcos e mais as embarcações agregadas, a Brasfish está há 25 anos no mercado e exporta daqui uma média mensal de 70 a 80 toneladas de pescado para a Itália, Portugal, França, Alemanha e Estados Unidos. O diretor proprietário, Vicenzo Squotto, afirma que a empresa gera 100 empregos diretos e cerca de 300 indiretos. Ele garante que a pesca industrial hoje é feita a 50/70 milhas da costa. “A produção reduziu a partir de 2006. Exportamos peixes que aqui não têm valor de mercado. Também compramos peixes dos pescadores artesanais e trazemos dinheiro de fora para circular aqui”, ressalta Vicenzo.

Plano Municipal de Gerenciamento Costeiro N

a onda de ordenamento da pesca, Arraial do Cabo poderá ser a primeira da região a elaborar o Plano Municipal de Gerenciamento Costeiro (PMGC). Num trabalho paralelo à homologação do Conselho Deliberativo da Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo (ResexMar) e do seu Plano de Manejo, o chefe da reserva e analista ambiental do Instituto Chico Mendes, Álvaro Braga, com apoio do professor de Recursos do Mar do Departamento de Biologia Marinha da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Sérgio Anníbal, estão dando apoio técnico para que a prefeitura cabista edite o seu plano e, no futuro, crie uma Guarda Marítima Ambiental. Sancionada em 1988 pelo presidente da República, a lei federal nº 7.661, de 16 de maio, que orienta os estados e municípios a criar os seus Planos de Gerenciamento Costeiro, ficou na geladeira por todo esse tempo. O Plano visa a utilização racional dos recursos na Zona Costeira, de forma a contribuir para elevar a qualidade de vida de sua população, e a proteção do seu patrimônio natural, histórico, étnico e cultural. “Com o Plano, a gestão dessa área deverá passar, em médio prazo, para o município. A gestão federal hoje é para arrumar a estrutura, mas 90% do Conselho Deliberativo da ResexMar é do município. Isso é importante para que haja um esforço concentrado de todos”, explica Álvaro Braga. “Uma vez implantado, o gerenciamento pode se constituir numa peça importante do Plano Diretor do município. É o fortalecimento do sistema federativo. Cria sinergia entre os órgãos públicos”, esclarece Sérgio Anníbal. CIDADE, Maio de 2009

Wanderson Cardoso de Brito, o Andinho, prefeito de Arraial do Cabo:

A pesca é muito representativa na economia de Arraial.

1ª Guarda Marítima do Brasil Cabo Frio, por exemplo, criou a primeira Guarda Marítima Ambiental (GMA) fundamental para operacionalização do Plano Municipal de Gerenciamento Costeiro, mas ainda não elaborou a sua lei. Com poder de polícia, a GMA tem 150 funcionários com a missão de fiscalizar, ordenar as operadoras que prestam serviços náuticos, cuidar da emissão de alvará de funcionamento, da qualidade do serviço prestado e seguridade das embarcações e dos banhistas. Além disso, tem um programa de investigação e segurança da atividade pesqueira. Sobre a criação da Guarda Marítima de Arraial do Cabo, o prefeito Wanderson Cardoso de Brito, o Andinho, diz que depende da situação financeira do município, até porque uma guarda tem custos elevados. “A pesca é muito representativa na economia de Arraial. Sabemos da necessidade, mas estamos indo com cautela”, explicou. Macaé já tem um projeto para a criação de sua GMA; e Búzios já discutiu essa possibilidade no governo passado, mas o projeto não evoluiu. 31


CAPA

Turismo desordenado sufoca Resex

O

turismo desenfreado está sufocando a bacia pesqueira de Arraial do Cabo, onde a Reserva Extrativista Marinha (ResexMar) existe exatamente para garantir a exploração auto-sustentável dos pescadores artesanais e a conservação dos recursos naturais renováveis. Nas 200 milhas de costa da unidade de conservação, a pesca industrial é proibida. No entanto, a sobrecarga de embarcações - cerca de 450 em plena atividade, contrariam as regras preservacionistas da reserva marinha, o que preocupa as autoridades. O litoral cabista também é alvo de grandes traineiras de pesca industrial, que utilizam sonar para localização dos peixes, dizimando cardumes inteiros e impedindo-os de chegarem próximo à praia, onde as comunidades tradicionais tiram o seu sustento. A captura de algumas espécies está cada vez mais difícil, afirmam os pescadores. Guardiã de todas as artes tradicionais de pesca e um dos núcleos pesqueiros fluminenses mais ativos e com incontestável importância socioeconômica, Arraial do Cabo surpreende pelas 15 entidades que representam a pesca artesanal de acordo com redutos e modalidades de captura. A pesca já chegou a representar 70% da economia cabista, e hoje cerca de cinco mil pessoas ainda vivem direta ou indiretamente da atividade. As comunidades tradicionais, juntas, produzem em média de 1,5 mil a 2 mil toneladas de pescado/ ano, pelos dados da Fundação Instituto de Pesca de Arraial do Cabo (Fipac), que, em gestão compartilhada com a Colônia de Pesca Z-5, administra a Marina Pública dos Pescadores do município. 32

Arrastão na Praia Grande Arraial do Cabo

Na pesca artesanal o trabalho é árduo. Exige domínio do mar em canoas e barcos de pequeno porte. Depende do vento, da chuva, da lua e do sol, de força física no arrasto da rede, de precisão na pesca de apnéia (mergulho), e de paciência para capturar o peixe na linha ou sorte para acertar o cardume próximo à praia. Muitos herdaram a profissão de pai para filhos, mas não querem mais os seus descendentes nessa luta. Na alta temporada turística, um grande número de pescadores se dedica a passeios náuticos e à pesca esportiva. Outros, com apoio da iniciativa privada, estão partindo para o cultivo de ostras e vieiras, já que os mexilhões naturais das encostas acabaram com a extração sem controle ao longo dos anos. CIDADE, Maio de 2009

Herança indígena É em Arraial do Cabo que o sistema indígena de vigia de cardume no alto do morro é usado há mais de 200 anos. O vigia Alex José Teixeira, 78 anos, começou treinar o olhar para o peixe na adolescência. De longe orienta os pescadores na canoa para a captura do mogote (200 peixes), cardume (cerca de 500) ou manta (três a quatro mil exemplares). A habilidade do vigia é a garantia de sustento para 20 famílias em média. “A pesca aqui mudou muito. Tem muitos peixes que não vêm mais aqui na beira da costa. Os barcos grandes não deixam”, lamenta ele. Joaquim Rodrigues de Carvalho, o Quinzinho, presidente da Associação de Pescadores de Arraial do Cabo, com 530


Loisa Mavignier

Stanley Wagner

saída seria criar a Guarda Marítima e o Plano de Gerenciamento Costeiro”, avalia Paulo José. De 1990 para cá a pesca artesanal em Arraial caiu 50% em razão das grandes traineiras industriais com capacidade para armazenar até 130 toneladas de pescado/ cada. “Na reserva é proibido, mas eles vêm no peito e na raça. Isso dizimou nosso cação e o dourado diminuiu muito. Grandes barcos que vêm de fora arrastam aqui na nossa cara”, reclama o vice-presidente da Fipac, Paulo Henrique Sodré Cordeiro, ex-pescador e biólogo.

Arma de guerra ALEX TEIXEIRA, vigia

Loisa Mavignier

A pesca mudou, muitas espécies não chegam mais na praia

O presidente da Fipac, Paulo de Carvalho, classifica o sonar usado na pesca industrial como uma arma de guerra contra peixes. “São redes muito grandes. Eles têm denotado os recursos pesqueiros do país. É uma covardia. Ficam dia e noite no mar com sonar rastreando os cardumes. O pescador artesanal, não tem embarcação para ir longe da costa. O sonar deveria ser extinto da pesca brasileira”, defende ele.

Se não cuidar, acaba

PAULO DE CARVALHO, presidente Fipac

Sonar deveria ser extinto da pesca brasileira associados, explica que na Praia Grande são 42 canoas, que só vão ao mar de 21 em 21 dias para dar tempo dos recursos de renovarem. A comunidade não quer uma superpopulação de pescadores devido a escassez do pescado. “A pesca artesanal é muito sofrida. Não somos motorizados. Esperamos que o cardume venha ao nosso encontro. Meus filhos já pescaram muito, hoje, graças a Deus, estão embarcados como marinheiro e em trabalho de plataforma. O pescador tradicional não tem licença da Seap para pescar sardinha. Só o industrial pode matar. Na época da sardinha não recebemos defeso e não podemos pescar. Se pegar é enquadrado em crime ambiental. Isso é uma injustiça. Para cumprirmos nosso dever temos que ter nossos direitos”, reclama.

Vantagem científica O biólogo e diretor técnico da Fipac, Paulo José de Azevedo Silva, reúne dados sobre a pesca na ResexMar desde 92, dando uma vantagem estatística ao município. Num trabalho contínuo que começou com a tese de mestrado “Onze anos de produção pesqueira na região de Arraial do Cabo”, defendida e publicada pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2004, ele alimenta o banco de dados em Arraial do Cabo. Na reserva o mar é piscoso e já foram catalogadas 82 espécies de valor comercial entre peixes, moluscos e crustáceos. “Criou-se a reserva, fez-se um modelo, tudo lindo, mas tem que ter fiscalização permanente. Não é questão local, mas nacional. É uma questão de logística. A CIDADE, Maio de 2009

O presidente da Associação da Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo (Aremac), Eraldo Teixeira da Cunha, avalia que a dificuldade de adaptação às regras de uso da unidade de conservação é o maior problema enfrentado no município. Ele lembra que a reserva ficou sem comando por quase oito anos. “O desequilibrio está grande. Estamos cadastrando as embarcações para saber quem está irregular, e são muitos. Vai chegar uma hora que vamos ter que fazer rodízio na navegação”, diz. De 2.160 pescadores que já integraram a Colônia de Pesca Z-5 em Arraial do Cabo, o presidente da entidade Manoel Félix de Mendonça (Maneque), 76 anos, calcula que tenham sobrado de 800 a mil pescadores vinculados à colônia, reflexo da falta de dados. A inadimplência dos associados é um problema crônico nas entidades de pesca como ocorre em outras colônias - a Z-4 de Cabo Frio, e a Z-23 de Búzios. “Antes a pesca da Lula em Arraial era uma festa. Numa noite chegávamos a pegar até 11 toneladas. Hoje uma noite rende mil quilos. Isso porque o próprio pescador usa lâmpada fluorescente no fundo para atrair a lula e prejudica a sua reprodução. Que os nossos governantes façam lei para dar valor a pesca. Ainda tem muito peixe, mas se não cuidar acaba”, alerta. 33


Multimídia Jiddu Saldanha é o que se pode chamar de artista multimídia. Mestre na mímica e amante da poesia, ele agora está focado em dois projetos pra lá de especiais: é diretor artístico do grupo teatral Bicho de Porco (criado pelo ator Bruno Peixoto), e comanda o “Cinema Possível”. “Minha grande paixão, sem dúvidas, é o cinema. No Cinema Possível, fazemos filmes em baixa resolução, trabalhamos com equipamentos simples e fazemos a edição em programas caseiros, o que torna tudo mais fácil”, explica ele, orgulhoso dos frutos que já estão sendo colhidos. Este mês, por exemplo, o filme Fluxos, interamente rodado em Cabo Frio e estrelado pela cabo-friense Barbara Moraes, será exibido na Universidade de Santo Domingo, na República Dominicana. “Apesar da simplicidade do projeto, diversos artistas renomados no cinema nacional incentivam e fazem questão de participar como

Mariana Ricci

Gente

vonluntários”, ressalta. Natural de Curitiba (PR), Jiddu veio para o Rio de Janeiro durante a conferência Eco 92, apresentando sua arte de mímica. Ficou na capital até 2004, quando se mudou para Cabo Frio em busca de uma cidade menos violenta. “Pelo menos essa era a intenção”, brinca.

Turismo de qualidade

Márcia Plácido

O turismólogo Marco Simas tem uma grande responsabilidade pela frente. Atual secretário de Turismo e Cultura de Arraial do Cabo, ganhou do prefeito Wanderson Cardoso de Brito, o Andinho, a responsabilidade de mudar o perfil de turismo praticado na cidade, fazendo com que o setor impulsione a economia cabista. Para isso, começou

34

a fazer um inventário das atrações turísticas, além de ter organizado eventos que fizeram sucesso de público e crítica, como os shows de Geraldo Azevedo, Luis Melodia, Chico César e Paulinho Moska, entre outros, durante o Fest Verão, no início do ano. “Arraial tem um potencial turístico fascinante, mas precisa de um planejamento adequado, e é nisso que estamos nos empenhando nesse primeiro momento. As pessoas vão sentir uma diferença mais forte em dois ou três anos”, afirma. Uma das novidades é a elaboração do calendário de eventos da cidade, que prevê, já para este ano, a realização de um festival de cinema. No ano que vem, uma novidade será a feira de Música Popular Brasileira. “Estamos tratando a cultura como potencial turístico, como forma de desenvolver o turismo de qualidade”. CIDADE, Maio de 2009


I NCL US Ã O

Aulas de dança e exercícios físicos na Apae-Cabo Frio

Ensino excepcional Em todo o Brasil, a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) atende a mais de 250 mil pessoas portadoras de deficiências intelectuais e múltiplas em mais de duas mil unidades de ensino. O “movimento apaeano”, como é chamado, é o maior movimento social do Brasil e do mundo na sua área de atuação.

Viviane Rocha Fotos: Mariana Ricci

A

instituição está presente em todas as cidades da Região dos Lagos, e em Cabo Frio, onde foi fundada em 1980 pela filantropa Joelma Pereira Fidalgo, já atende a nada menos do que 190 portadores de deficiência. Eles recebem, diariamente, atendimento em diversas áreas como clínica ambulatorial e odontológica; pediatria, neurologia, fisioterapia (com hidroterapia), orientação psicopedagógica, fonoaudiologia, psicologia e assistência social. Fazem parte do programa também

as oficinas pedagógicas protegidas, como artesanato, informática e culinária, pintura em tecido, dança, cartonagem, bijuteria, entre outras, que são oferecidas a todos os atendidos com idade acima de 14 anos. De acordo com a atual diretora da unidade, Nilza Miqueloti, todas as oficinas têm como objetivo criar uma certa independência nas pessoas portadoras de deficiência. “Nosso trabalho é adaptá-los à realidade exterior e tudo é feito no sentido de criar independência como, por exemplo, ensiná-los a comer à mesa em um restaurante, abrir a porta de um carro, cuidar da CIDADE, Maio de 2009

sua roupa. São coisas elementares, mas que vão ajudá-los no dia-a-dia”, explica. A Apae-Cabo Frio também é pioneira no projeto Terapia Comunitária, que começou em 2008 e que faz parte do Programa de Saúde Mental. O trabalho, que é coordenado pela assistente social Rosimeire Winter, especializada no método pela Universidade Federal do Ceará (UFCE), reúne familiares das pessoas assistidas pela Apae todos os meses, e também é aberto a comunidade. Nessas rodas, são debatidas as dificuldades e os desafios de quem tem uma pessoa especial na família. A diretora educacional Jane Mello lem35


I NCL US Ã O

NILZA MIQUELOTI Diretora da APAE Cabo Frio

Alunos fazem atividades manuais orientados por professores bra do papel fiscalizador da instituição. “A Apae faz parte de uma rede de apoio às pessoas especiais e de cobrança dos direitos delas. Temos um regulamento, um estatuto, uma cláusula de acompanhar e fiscalizar a sociedade em relação aos direitos dos especiais”, afirmou Jane. E nessa empreitada, a Apae não está sozinha. Há três anos, uma pesquisa feita a pedido da Federação Nacional das Apaes mostrou que a Apae é conhecida por 87% dos entrevistados e considerada confiável por 93% deles. Essa credibilidade se reflete na participação ativa da sociedade. Um exemplo disso é a campanha de doação de recursos através da conta de luz. Quem quiser, pode fazer sua doação através da fatura, e o dinheiro é retirado automaticamente mediante autorização do contribuinte.

Inclusão social A educação pública também tem seu dever com esses cidadãos tão especiais:

Nosso trabalho é adaptá-los à realidade exterior

adaptar as escolas para receber em seu contexto alunos considerados diferentes por suas limitações é uma obrigação que deve ser cumprida pela lei de inclusão social, que determina que os portadores de deficiência precisam ter assegurados os seus direitos mais básicos, como o de ir e vir, de estudar, de lazer. Neste sentido, a Apae tem feito a sua parte, encaminhando às escolas municipais adaptadas crianças em idade escolar (7 a 14 anos) e que apresentam condições de frequentar o colégio: “Algumas crianças já estão relativamente adaptadas, mas sabemos que isso não acontece de uma hora para outra. Elas vão para a escola mas continuam sendo assistidas aqui na Apae”, garante a diretora Nilza.

Ajuda prática em Arraial do Cabo

forçar o orçamento da instituição: entregou a Apae o direito de exploração dos estacionamentos localizados na Prainha, na Praia Grande e na Praia dos Anjos. Cada turista que estaciona o seu carro em um desses espaços, paga a taxa de R$ 5, que é revertida integralmente para a Apae. Segundo o presidente da Apae-Arraial, Elço Vieira dos Santos, essa ajuda representa 70% da sobrevivência da instituição que atende 80 pessoas, e que também recebe algum recurso do governo federal e do governo estadual. A meta, agora, é montar uma enfermaria para o atendimento de primeiros socorros, mas falta o mobiliário. “Estamos abertos para receber ajuda de voluntários. Se algum empresário se sensibilizar, estamos precisamos de móveis para a enfermaria”, diz Elço.

Já em Arraial, a prefeitura da cidade encontrou uma maneira prática e eficiente de re-

APAE de Búzios tem nova diretora Já em Búzios, onde a Apae atende 92 especiais, a diretora Ângela Barroso acabou de tomar posse. Ângela, que já foi diretora da mesma instituição entre 2000 e 2005, foi também diretora social da Federação das Apae’s do estado do Rio Janeiro, e nesse novo mandato, que vai até 2010, quer trazer de volta antigos funcionários afastados. “Nos últimos meses, a Apae não funcionou como deveria, e a minha meta agora é readmitir esses profissionais que não estão mais conosco. Além disso, em parceria com a prefeitura, quero construir uma quadra de esportes e realizar a ampliação de um espaço para que as mães possam participar da terapia ocupacional junto com os filhos. Já temos a nossa piscina aquecida para a hidroterapia, mas a quadra de esportes é um sonho que precisa ser realizado”, declarou Ângela. 36

CIDADE, Maio de 2009

A NOVA DIRETORIA: Carmem, Janice, Marli, Paulo, Ana, Angela Barroso, Adriana Piotto, Fernanda Quintanilha, Maria José, Alfredo Rainho, Rosângela, Elenice, Vilani, Suzana e Mônica.


Mariana Ricci

Segurança

Troca de comando no 25º Batalhão Rafael Peçanha

E

m cerimônia realizada no último dia 30, o coronel Adílson Nascimento deixou o comando do 25º Batalhão de Polícia Militar (BPM), e para o seu lugar foi nomeado o coronel Carlos Henrique Alves de Lima, que comandava o Batalhão de Policiamento em Vias Especiais na capital carioca. De acordo com o comandante-geral da PM, Gilson Pitta Lopes, “as movimentações são rotineiras no serviço militar”. O coronel Adilson foi transferido para a Diretoria Geral de Pessoal (DGP), na capital carioca. Adilson Nascimento foi o único militar a comandar por duas vezes o 25º Batalhão, que, sediado em Cabo Frio, atende aos

municípios de Arraial do Cabo, Armação dos Búzios, São Pedro da Aldeia, Iguaba Grande, Araruama e Saquarema. Em sua última passagem, o coronel diminuiu os índices do crime conhecido como “Saidinha de Banco” ao aumentar o policiamento no centro de Cabo Frio. No entanto, teve que lidar com a ousadia de bandidos pertencentes a facções criminosas, que chegaram a ordenar o fechamento do comério em bairros com Jacaré e Manoel Corrêa. Sua última ação como comandante foi a prisão de policiais acusados de participar de assalto a pousadas em Búzios. O coronel Carlos Henrique assumiu promentendo restaurar a imagem da corporação perante os moradores e visitantes da Região dos Lagos.

CIDADE, Maio de 2009

O coronel Carlos Henrique Alves de Lima e, ao fundo, o seu antecessor, coronel Adílson Nascimento

37


Barra do Furado

Adilson dos Santos

Desenvolvimento

Gustavo Araújo

F

oi quando o governo federal resolveu construir dois piers de pedra na localidade - mais precisamente na foz do Canal das Flechas - para facilitar a entrada e saída dos barcos de pesca. O que seria uma solução, no entanto, acabou se tornando um problema ainda maior: a obra inacabada provocou uma alteração nas correntes marinhas. No lado de Campos, o mar avança a cada ano, já tendo destruído prédios e estradas. No lado de Quissamã, o que avança é a faixa de areia. A tal ponto que, de um palanque fixo construído há alguns anos para assistir às competições de surfe, já não se avista as ondas da praia. Nos próximos meses, a Barra do Furado vai virar nas páginas de economia dos principais jornais do país. Este cenário pacato deve dar lugar a um dos maiores complexos portuários do litoral brasileiro, onde se projeta a construção de um porto de apoio offshore e dois estaleiros - investimentos calculados em 700 milhões de dólares e capazes de gerar pelo menos 5 mil empregos diretos e indiretos. No lado de Campos, o Estaleiro Ilha S/A quer ocupar uma área de 1,43 milhão de metros quadrados (o equivalente a 240 campos de futebol). Outros 500 mil metros quadrados seriam reservados a empresas parceiras, fabricantes de produtos voltados à indústria naval. A outra empresa interessada em se instalar em território campista - a americana Edison Chouest - já adquiriu seu terreno às margens do Canal das Flechas e tem pronto um projeto para construir 11 berços de atracação para navios, uma área de inspeção de tubos e outra de reparo de equipamentos submarinos. Haverá, ainda, estrutura de hotelaria, dois helipontos, 38

Antônio Leudo

Se você não mora em Campos ou em Quissamã, provavelmente nunca ouviu falar na Barra do Furado, uma comunidade pesqueira com cerca de 2 mil habitantes nascida no limite entre os dois municípios. Até a década de 1970, este lugarejo de mar agitado era o paraíso dos pescadores e dos surfistas.

ROSINHA GAROTINHO Prefeita de Campos

Tenho certeza que este é um projeto que não tem volta armazéns e tanques de armazenagem de combustível e água. Quissamã atraiu o interesse do grupo coreano STX Europe, que também planeja construir um estaleiro no local. Uma quarta empresa já manifestou interesse em se instalar na região, aproveitando o clima favorável aos negócios que surge em torno dos setores naval e portuário. Trata-se da Alusa, que pretende investir R$ 250 milhões na instalação de um terminal de estoque de combustíveis e derivados de petróleo. Por enquanto, a transformação da Barra do Furado em complexo portuário, o que deve multiplicar por cinco a população CIDADE, Maio de 2009

ANTIGO PARAÍSO de surfistas deverá se transformar num dos principais pólos de desenvolvimento do interior do estado

local, esbarra justamente naquele velho problema: os piers construídos pelo governo federal na década de 70. Além de redesenhar o litoral, as correntes marinhas assorearam a entrada do Canal das Flechas, cuja profundidade, em vários trechos, chega a apenas alguns centímetros. Se o canal mal comporta a passagem de pequenos barcos de pesca, o que dizer da entrada e saída de navios? A solução do problema pode estar na parceria entre as prefeituras de Campos e de Quissamã, governo federal e governo estadual. Juntos, eles pretendem levantar um montante de R$ 120 milhões que serão


K

S I D

SopeL

Fique Tranquilo !!! Nós entregamos para você ...

DESCARTÁVEIS CONFEITARIA & SORVETE FESTAS PAPELARIA SUPRIMENTOS DE INFORMÁTICA XEROX RUA SILVA JARDIM, 88 CENTRO - CABO FRIO

usados na dragagem do leito do canal, cuja profundidade terá de chegar a 7 metros, e na instalação de um sistema de by pass, com tecnologia australiana, que possibilitará a retirada permanente de areia da foz do canal. A prefeita de Campos, Rosinha Garotinho, e o prefeito de Quissamã, Armando Carneiro, já se reuniram em Brasília com a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e com o ministro da Secretaria Especial dos Portos, Pedro Brito, que se comprometeram a destinar R$ 50 milhões através do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Outros R$ 20 milhões virão do governo do estado. Campos entrará com R$ 35 milhões e Quissamã, com R$ 15 milhões. “Tenho certeza que este é um projeto que não tem volta; não só pelos nossos esforços, mas também porque os empresários já adquiriram áreas para começar a cons-

truir”, avalia a prefeita Rosinha Garotinho, que já pensa num investimento igualmente importante: a melhoria do acesso à Barra do Furado, onde as estradas estão em péssimo estado de conservação. Na segunda quinzena de março, o diretor de Planejamento Portuário da Secretaria Especial dos Portos, Eduardo Zuma, visitou a Barra do Furado, acompanhado dos dois prefeitos, e afirmou que o governo federal tem pressa na dragagem do canal, cujo estudo de impacto ambiental já foi realizado. Zuma acredita que as obras devem começar no início do segundo semestre. As etapas seguintes virão quase que simultaneamente. “Vamos começar a construir assim que a dragagem do Canal das Flechas tiver começado”, garante o gerente de projetos da Edison Chouest, Matheus Vilela, que considera o complexo portuário de vital importância para todo o país. CIDADE, Maio de 2009

39


E S PE C I AL

Com quantos paus se faz Roberto Menescal revela os segredos de um dos barquinhos mais famosos do mundo João Phelipe Soares Fotos: Vinícius Condeixa A Bossa Nova, marcada por um misto de ousadia e otimismo, revelou artistas pra lá de conhecidos aqui e do outro lado do oceano. Alguns se aventuraram como intérpretes, outros se arriscaram como compositores e sem a menor intenção fizeram uma grande revolução no cenário musical nacional. No início foram muitos questionamentos sobre a nova maneira de se fazer música, mas a leveza do novo ritmo caiu no gosto popular e completou, no ano passado, 50 anos de história. São incontáveis as composições de sucesso que fizeram e fazem parte do cotidiano. Doces e inconfundíveis melodias já serviram como pano de fundo de novelas, filmes e, principalmente, das cenas da vida cotidiana. “Chega de Saudade, “Benção Bossa Nova”, o que pouca gente sabe é que algumas dessas músicas, e outras, tiveram como fonte de inspiração a cidade de Cabo Frio dos anos 60. Para falar melhor sobre essa envolvente relação da música com a cidade, Roberto Menescal abre a porta do seu passado nos convidando para uma viagem musical. O compositor dispensa apresentações. É conhecidíssimo como um dos fundadores da bossa nova, que se apresentou ao mundo na década de 60. Dotado de uma versatilidade musical, o capixaba mais carioca de todos os tempos desenhou o seu destino ainda na adolescência. Foi tudo por um acaso - será? Aos 11 anos ganhou uma gaita do seu pai e tirou notas do instrumento sem o menor conhecimento técnico. Surpreendendo a todos pela precocidade, arrancou uma frase do seu pai que, segundo o

ROBERTO MENESCAL Cabo Frio dos anos 60 inspirou canções famosas

compositor, foi determinante na sua vida: “Você leva jeito para a coisa!” Depois de ter experimentado a gaita, o piano clássico e o acordeom, Menesca, como é carinhosamente chamado pelos seus amigos, caiu nos braços do violão e nunca mais a sua vida foi a mesma. Roberto Menescal começou a fazer composições, o que lhe rendeu, após alguns anos, fama internacional. Já dizia sua música, “Sem intenção nossa canção, vai saindo deste mar e o sol beija

o barco e luz, dias tão azuis”. E foi assim, sem pretensão, que nasceu, em 1961, uma das mais conhecidas composições da música brasileira: “O barquinho”. A música, que estourou nas rádios durante a tal época, foi fruto de uma tarde de passeio pelos mares de Arraial do Cabo, que na época era distrito de Cabo Frio. Saudoso, o compositor revela sua história. “Eu sempre ia à Cabo Frio. Meus amigos me cobravam, pediam para levá-los comigo. Até que


uma canoa um dia eu combinei e levei todo o grupo. Estávamos eu, Nara Leão, Ronaldo Bôscoli, Carlos Lyra, entre outros, passeando pela Ilha do Cabo (também conhecida como Ilha do Farol) quando, de repente, o barco enguiça por volta das 15h. Ficamos à deriva durante duas horas. E nesse meio tempo, eu comecei a brincar com a manivela do motor, que fazia um barulho do qual eu tirei a melodia da música, mas tudo de brincadeira! No final da tarde, fomos resgatados por uma traineira que vinha da Bahia. E foi nesse momento que começamos a cantar: o barquinho vai, a tardinha cai...” Um dos primeiros intérpretes da música foi Pery Ribeiro, mas quem fez a canção cair de vez no gosto popular foi a cantora Maysa. Em janeiro o Brasil pode conferir na minissérie “Maysa, quando fala o coração” o estrondoso sucesso que a música fez naquela época. “Isso nos ajudou muito, porque a Maysa era um ggrande gr raanndee nnome om me e deu ddeeu o seu aval à Bossa No N ovvaa. a. Foi Foii bom Fo bom de bo ddemais!”. emaai ema Nova. E o barquinho ppa ass ssou ssou ou a deslizar des esliiza zar ppe elaa ondas das rádios passou pelas

de todo o país. Aquele menino, que aos 11 anos começou a se envolver com a música, viu as portas do mercado fonográfico se abrindo. Essa não foi a única composição feita nas terras da Região dos Lagos. O músico relembra um dos momentos em que, sentado nas dunas da Praia do Pontal (entre Cabo Frio e Arraial do Cabo), ao lado do seu amigo Ronaldo Bôscoli, fez nascer “Nós e o Mar”. “Lembro que eu e Bôscoli estávamos sentados na Praia do Pontal durante o entardecer. De lá, tinha-se visão de toda a extensão da Praia do Forte, mas à medida que o sol foi se pondo, a praia foi sumindo. E por isso, a primeira frase da música foi ‘Nossa praia que não tem mais fim, acabou’”.

A cidade proporcionou diversos momentos de sinestesia para os cariocas radicados pelas terras de Américo Vespúcio. A relação daquele grupo de amigos com a cidade foi intensa. “Cabo Frio foi inspiração de grande parte de nossas músicas, mas o pessoal de lá não acreditava”, explica o músico ao relembrar de um momento engraçado durante um dos passeios de barco pela cidade, onde o barqueiro perguntou à ele e ao Bôscoli sobre a profissão de cada um. “Eu não sabia o que falar para o Cecí, que sempre nos levou para pescar no seu barco. Quando o Ronaldo Bôscoli disse que éramos artistas, ele não acreditou. Mas de repente começou a tocar no rádio “Nós e o mar”, e o Ronaldo pediu para o Cecí prestar atenção na música. No final, o locutor disse: ‘Nós e o mar, com Maysa, de Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli’. Foi quando o Bôscoli falou para o barqueiro: e aí, viu? Mas o Cecí não se deu por satisfeito e disse que no mundo poderia existir vários homens chamados Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli. Ele nunca acreditou, era muito distante da realidade dele ter dois artistas dentro do seu barco, em uma cidade pequena”. A relação de Roberto Menescal com Cabo Frio vai além das suas composições. Foi em uma das viagens à cidade, na década de 60, que ele conheceu sua esposa. A lua-de-mel não poderia ter sido em outro lugar. O casal permaneceu no local durante dois meses vivendo de pesca, cercado pela brisa inconfundível que percorria o vilarejo. Foram muitos anos de história, de trabalho intenso na construção de uma carreira bem sucedida, mas apesar do tempo de estrada e do sucesso, o músico deixou de compor e tocar durante 16 anos. Nesse tempo, ele atuou apenas como produtor musical de grandes nomes que variavam entre Sidney Magal a Chico Buarque, marcando a sua pluralidade musical. Falando em trabalho, o público pode conferir seu último DVD, cujo título não poderia ser mais adequado: “50 anos de Bossa Nova” contou com a participação de cantores como Pery Ribeiro, Wanda Sá e Leila Pinheiro, entre outros. Um frescor para a memória musical. O

Menescal é precursor e ícone da Bossa Nova próximo lançamento será o “Bossa Jam”, em parceria com o guitarrista do “The Police”, Andy Summers, acreditando em mais uma expansão para a música brasileira. Esse está sendo um ano um tanto quanto diferente para o músico, que não fará novos projetos para se dedicar aos afazeres da sua gravadora. E para além do universo das notas musicais, esse também foi o ano do reencontro com a cidade. Em janeiro, após uma rápida passagem para festejar o aniversário do seu irmão, aquele, segundo o próprio, que “foi o lugar mais lindo do mundo”, se “desconfigurou”. “Já fiquei impressionado por não conseguir chegar fácil ao lugar que o meu irmão mora, onde já tive também uma casa. Para chegar ao local da festa, não tive uma grande sorte, pois peguei um daqueles dias em que a água do canal, que normalmente é cristalina, estava quase preta! Depois que soube que foi por causas não normais. À noite, passava num canal de TV local, uma vista do calçadão da Praia do Forte, aí então pirei, pois quando me lembro dali somente com dunas... não entendi mais nada. Resolvi então não passar por mais nenhum lugar e guardar na minha memória o que foi para mim o lugar “mais lindo do mundo” e que me deu inspiração para grande parte de minhas músicas.”


Flávio Pettinichi

10 PERGUNTAS

José Martins Depois de um processo eleitoral tumultuado, em que a votação chegou a ser adiada por suspeita de irregularidades, o novo presidente da Associação Comercial, Insdustrial e Turística de Cabo Frio (Acia), José Martins (Restaurante do Zé), diz que sua missão agora é unir o empresariado e fazer com que a entidade se torne mais representativa. Tomás Baggio O que significa a vitória da oposição nas eleições da Acia? Não considero como uma vitória da oposição. Digo que foi uma vitória do empresariado. A nossa oposição foi natural, porque fizemos as críticas que precisávamos fazer. O que sentiu ao receber a confirmação da vitória por apenas um voto de diferença para o segundo colocado? Percebi que só precisava de um voto para ganhar deles todos (risos). Quantas empresas estão filiadas à entidade e quantas existem em Cabo Frio? A Acia consegue representar os empresários da cidade? Filiados em dia temos entre 410 e 430, esse número varia um pouco a cada mês. Quer dizer, nem 10% das empresas estão filiadas. Vamos fazer uma campanha de novas filiações e, paralelo a isso, aumentar a quantidade de serviços prestados, porque senão o cara pensa: “pra que vou me filiar?” Vamos criar produtos que tornem a entidade mais atraente. Nossa meta é chegar a duas mil empresas filiadas. O senhor assumiu prometendo auditoria nas contas da Acia. Existe alguma suspeita? Isso é um procedimento normal, já que a antiga gestão 42

JOSÉ MARTINS Presidente da Associação Comercial de Cabo Frio passou dez anos no comando da entidade. Temos a obrigação de fazer um levantamento e prestar contas à sociedade. O que queremos fazer é uma ação corretiva. O que o senhor encontrou ao assumir a presidência, do ponto de vista administrativo? Um caminhão de erros. Há funcionários trabalhando em uma função e recebendo salário de outra função. Ou seja, isso precisa ser corrigido até mesmo para evitar que esses funcionários sofram alguma ação trabalhista, porque existe uma situação irregular. Mas não é uma coisa generalisada, posso dizer que 20% do funcionalismo está nessa situação. A Feira Forte está em cima (será entre os dias 11 e 14 de junho). Como está o planejamento? Haverá tempo para mudanças? Mudança não tem como fazer porque o tempo é curto. Vou conduzir a feira do jeito que ela foi implantada, mas vou buscar dar mais transparência com a divulgação dos gastos, dizer quanto e onde vamos empregar

o dinheiro, enfim, vou buscar um espaço maior na mídia para isso. É preciso agir com transparência porque, se eu cometer algum erro, como vou corrigir? Alguem vai ter que me avisar, chamar a atenção para o que está acontecendo. Qual será o estilo da gestão José Martins? O mais simples possível. E também transparente. O senhor apoiou o deputado Alair Corrêa durante a campanha para prefeito, e diversos correligionários do segundo colocado se empenharam na sua campanha à Acia. Qual a sua ligação com o deputado, e em que isso pode interferir na administração da entidade? É muito importante esclarecer essa questão. Teve muita gente do atual governo que também caminhou comigo nesta campanha. Minha campanha esteve voltada para os empresários, e não para um grupo político. A política eu faço da porta para fora. Quando entro no meu restaurante, por exemplo, acaba a política e

CIDADE, Maio de 2009

eu passo a administrar. Será a mesma coisa na Acia: da porta para dentro não existe grupo político. Meu grupo político é o empresariado. Como está a relação com o governo municipal. Depois que assumiu a Acia, o senhor já esteve com o prefeito? O que discutiram? A relação é ótima. Já estive com o prefeito algumas vezes para discutirmos a Feira Forte. Assim como nos outros anos, a prefeitura será parceira do evento. Quais serão os projetos de maior destaque na sua administração? Estamos montando uma assessoria de projetos especiais junto à presidência, e a principal meta, a princípio, é desenvolver o primeiro núcleo de incentivo ao varejo da região. Vamos trabalhar com educação corporativa, dar cursos aos trabalhadores e empresários, fomentar novos negócios. Enfim, antes de pensar em gerar novos empregos, temos que melhorar a qualidade do que existe em nossa cidade.


Artigo

Fazendas Orgânicas na França Iuri Guerrero

E

u estou cansado da cidade e quero ir pro mato. Cinco meses trabalhando de barman em Londres e minha conta no banco continuava magra. Ao contrário dos planos. Próximo ano (2009) estava marcado na agenda: tempo de aprender Francês. Se estivesse em São Paulo, a passagem até Paris custaria algo em torno de R$ 3000. No meu caso, o percurso foi bem menor e bem mais barato. A estratégia para França nasceu em um dia corriqueiro na terra da rainha. Lendo o suplemento de turismo do jornal inglês The Guardian (guardian.co.uk), o interior francês saltou aos olhos. Trabalho voluntário em fazendas orgânicas foi a forma encontrada de juntar o útil ao agradável. Nascido em 1971, na Inglaterra, WWOOF (‘World wide Opportunitties in Organic Farms’, em português, oportunidades mundiais em fazendas orgânicas) já está presente em mais de 30 países, dentre eles o Brasil. Até a porta da fazenda, o processo é todo virtual. Destino escolhido, então é preciso fazer o primeiro investimento. A lista das fazendas participantes de um determinado país é vendida, 15 euros foi o preço francês. O próximo passo é entrar em contato com os participantes de alguma região. Aqui por essas bandas, nessa época do ano é bem frio, outro hemisfério. A minha escolha foi óbvia então, vou para o sul da França. No entanto, há tempos que a lareira é o cantinho mais disputado da casa. O endereço da fazenda anotado é apenas uma vaga ideia do destino final. O trem apitou a estação e desembarquei assustado. Beziers é uma pequena cidade francesa que fica a 180km de Marseille. Ainda na metade do caminho, já foi preciso praticar o francês. Onde posso pegar um ônibus para Saint Pons de Thomière? Esse era a vila mais próxima da fazenda e onde Rosalind estaria me esperando. O motorista do ônibus nao entendeu para onde eu estava indo e acabei perdendo

o ponto. Fui até o destino final, no topo de uma montanha vizinha e a dona da fazenda estava quase desistindo de mim quando cheguei uma hora atrasado depois da odisseia. Há mais de trinta anos que Rosalind abandonou sua terra natal, Inglaterra. Ela faz parte daquela categoria bastante invejada e pouco copiada: hippie-rodouo-mundo-ja-fez-tudo. A fazenda foi comprada há uns dois anos e desde então ela vem recebendo wwoofers do mundo inteiro. Entre os 17 hectares de florestas de carvalho, um riacho, dois cavalos e dois cabritos, as possibilidades orgânicas são diversas. Hoje a horta esta coberta de neve, mas a última colheita de tomate, berinjela, cebola e batata ainda frequenta a mesa de jantar. O maior objetivo é criar novas formas de vida ecologicamente sustentável. Desde quando cheguei, já preparamos um terreno para as batatas, uma nova casa para as galinhas e cercamos uma área para os cavalos. Israel, EUA, Nova Zelândia ja tiveram seus representantes, além do brasileiro aqui. Todos em busca de experiências e diferentes visões do processo entre a semente e a colheita. Outra faceta dessa iniciativa é a possibilidade de estudar uma língua estrangeira. Viver em uma fazenda orgânica, participando do cotidiano de uma família francesa pode ser muito mais eficiente que anos de escola de idiomas. Apesar de inglês ser a língua corrente onde estou atualmente, a próxima parada será com certeza francofone. O visto de turista para brasileiros, de três meses, é feito no aeroporto e a gramática pode vir na bagagem de mão. O dia-a-dia na fazenda continua sendo determinado pelo clima. Ontem foi a neve que nao deu trégua. O trabalho se limitou a cortar lenha para a lareira. Ainda assim, outra lição da economia verde: a madeira vem de arvores mortas e o trabalho de um dia é suficiente para uma semana de aquecimento. Wwoof na França promete muito mais do que croissants e fotos com a Torre Eiffel. As batatas que foram plantadas já devem estar tomando corpo, Ernesto Galiotto é empresário assim como o meu francês. Au revoir. CIDADE, Maio de 2009

43


Esporte Transararuama reúne 66 embarcações e inaugura novo percurso.

VELAS NA RAIA Texto e fotos: Pedro Paulo Campos

U

m dia de muitas nuvens manchando o céu azul e vento constante foi o palco da 28ª edição da regata Transararuama, realizada no início do mês passado. A competição que percorre toda a extensão da Lagoa de Araruama reuniu, este ano, 66 embarcações de diversas classes. Os 48 quilômetros característicos do percurso (que ligava as sedes de Cabo Frio e Araruama do Camping Clube do Brasil - CCBB) foram, nesta edição, reduzidos para 35 quilômetros, com a chegada sendo transferida para o Clube Náutico de Araruama. 44

“A mudança foi provocada por uma ação tresloucada, criminosa e irresponsável da antiga administração da cidade de Araruama, em conjunto com a empresa Águas de Juturnaiba”, disparou o presidente nacional do CCBB, Luis Cláudio da Silva, referindo-se à desapropriação e destruição da sede do clube na cidade para a construção de uma Estação de Tratamento de Esgoto. Com isso, a chegada da regata passou para o Clube Náutico, próximo ao centro de Araruma. Segundo os organizadores, a união um tanto forçada com o clube veio em benefcício do evento e deverá contribuir para aumentar o número de competidores na próxima edição, já que a proximidade com o centro conferiu maior visibilidade à regata, acreditam. CIDADE, Maio de 2009

O evento foi acompanhado de perto pelo prefeito de Araruama, André Mônica, que foi homenageado ao final . O chefe do executivo fez questão de confirmar o apoio da sua gestão aos esportes náuticos que, segundo ele, “é a melhor e mais saudável forma de mostrar ao país, e ao mundo, que as ações no intento de preservar a lagoa estão dando certo”. O prefeito também declarou pretender transformar a cidade num pólo de vela na região. O percurso foi feito em pouco mais de quatro horas, e o primeiro lugar na classificação geral ficou com o iniciante Breno Mendonça Francioli, que competia na classe Optmist. Ele recebeu das mãos do Comodorodo do clube náutico de Araruama, José Alberto de Andrade, o troféu e a fita azul, prêmio máximo da edição. Na Classe Laser, que largou de Cabo Frio, o vencedor foi o velejador Luiz Jerônymo. Na Classe Hobby Cat, que largou de São Pedro da Aldeia, venceu Airton Von Sohsten de Medeiros na categoria 14, e Carlos Afonso Sodré na 16. Na Classe Dingue, que também largou de São Pedro venceu Jorge Cesar de Oliveira Guedes, tendo como proeiro José Paulo de Araujo Na Categoria Catavento chegaram em primeiro Robson Conceição de Brito e seu proeiro Bernardo Bustamante. O jovem Marco Antônio Pinheiro confirmou o favoritismo, vencendo na categoria Laser standard junior A Classe Optimist, que faturou o prêmio principal, largou da praia do barbudo, já em Araruama.

BRENO Mendonça Francioli, da classe Optmist, recebeu o troféu principal das mãos do comodoro José Alberto de Andrade


Encontro de campeões em Búzios

Búzios Saling Week foi destaque Primeira etapa da Copa Pé de Vento movimentou a enseada das Palmeiras

A

rmação dos Búzios também foi palco de uma bela disputa de vela no mês passado. Na já tradicional Buzios Saling Week, o veleiro Touchet Super, do capitão Ernesto Breda, liderou a prova com 100% de aproveitamento, ganhando quatro das cinco regatas disputadas entre os dias 18 e 20 de abril. “Todo o mérito desta vitória é da minha tripulação, estamos muito bem afinados e o resultado é apenas fruto deste entrosamento. Estou muito Feliz”, comemorou Ernesto. Em Cabo Frio, a Copa Pé de Vento teve a primeira de 10 etapas que serão disputadas no decorrer deste ano. A disputa foi na Praia das Palmeiras e reuniu amantes e iniciantes no esporte. Um grande sucesso, segundo os organizadores.

CIDADE, Maio de 2009

45


Ponto de Vista

Barbaridade, chê! Ernesto Lindgren (*)

C

ontinua a negar que sabia das ações dos “40 Ladrões & Associados”, aceitou o presidente do BC que entrou com a recomendação de comprar Letras do Tesouro americano, acumulando 220 bilhões de dólares - e uns 30 já foram embora -, o que ajudou a encher a bolha imobiliária americana, o maior conto do vigário em todos os tempos. 50 trilhões de dólares (é isso mesmo, trilhões), equivalentes a 70% do Produto Mundial, desapareceram: só existiam nos livros de contabilidade. (Quem, em Cabo Frio e Búzios, por exemplo, com o valor da terra artificialmente valorizado - uma variação da vigarice que resultou na crise americana -, comprou à vista um imóvel por 300 mil entende isso: comprou um “bonde”. (CIDADE/Nov 07). Se conseguir 150 mil numa revenda mandará rezar missa. Financiado, a mensalidade incide sobre um valor nominal que é o dobro do de mercado. Paga, sabe que se “casou” com o imóvel sem possibilidade de divórcio amigável, pode se tornar inadimplente e perdê-lo). A crise tem nome: ganância. Disse Lula: “Lá nos EUA ela é um tsunami; aqui, se ela chegar, vai chegar uma marolinha que não dá nem para esquiar” (26/10/08). Faturou na popularidade exigindo de Obama providências, mas em março foi pedir arrego, Mãinha Dilma às fanfarronices acrescendo: “Os dois têm trajetórias políticas parecidas”. Barbaridade chê! A festa foi ótima. No final de 2003 tinham-se aqui 45 milhões de celulares. Em 2008 chegou a 150 milhões. O americano imprimiu dólar, o que só ele pode fazer, como se quisesse esgotar o estoque de papel, produzindo uma espetacular desvalorização da moeda que compensou o aumento

46

do preço do barril de petróleo. E mandou ver: exportou muito, particularmente hipoteca de imóvel localizado em alguma cidadezinha no Arizona e que está com algum banco em algum lugar do mundo. O banco, que esperava receber até 15% a.a. de lucro, o comprador do imóvel tendo contraído a dívida nos Estados Unidos por 9%, já sabe que não vai receber um centavo. Resta-lhe pendurála na parede, como faz quem emoldura cheque sem fundos e coloca um aviso “Não aceito cheque”. Nunca o mundo se encontrou tão dependente do império americano. Se tosse vamos todos para a UTI com pneumonia dupla. O livro A Terceira Onda deve ser relido tendo em mente que Obama decidiu reativar a indústria siderúrgica, coisa da Segunda Onda, que é onde ainda estamos. Precisa criar empregos enquanto aqui a proposta é arrombar o “Cofrinho do Mantega”, o Fundo Soberano Nacional. Foi fácil prever que seria assim. (CIDADE/Jul 08). Lula repete “Não sei de nada”. Era o que Nixon dizia. É um brincalhão. Caso se matricule numa escolhinha de mergulho, por correspondência, quando for fazer a prova prática tentará se esquivar: “Não sei nadar!”. Capricha no sotaque: barbaridade chê! ERNESTO LINDGREN é sociólogo

CIDADE, Maio de 2009


Livros

Octavio Perelló

MÚSICA, ÍDOLOS E PODER

O PODER DOS BOATOS

(Nova Fronteira, 2008, 296 páginas), de André Midani.

(Campus, 1ª. Edição, 2009, 304 páginas), de Nicholas Difonzo, tradução de Alessandra Mussi.

DO VINIL AO DOWNLOAD

Como o próprio autor avisa no Prólogo, irão decepcionar-se os leitores que forem buscar, nesta fantástica autobiografia, considerações intelectuais sobre a música brasileira, revelações sobre as relações de intimidade com grandes artistas, ou projeções a respeito da indústria fonográfica. O sírio André Calixte Haidar Midani - um dos maiores nomes da indústria fonográfica mundial, expresidente da Phonogram (atual Universal Music), com passagens marcantes por outras companhias como a EMI-Odeon, Imperial Discos, Capitol Records e Warner Music -, optou por escrever a história de um homem de negócios fascinado pela personalidade dos artistas, que teve que conciliar o sagrado (a música) e o profano (o lucro). Trata-se do homem a quem podemos agradecidamente culpar pela repercussão da Bossa Nova, da Tropicália, da MPB e do rock nacional, que muito provavelmente não teria ocorrido da maneira como se deu, sem o empenho e o toque de Midas desta personalidade sobre a qual o jornalista Zuenir Ventura afirma que se não existisse, não poderia ser inventado, pois seria inverossímil demais. Escrito em linguagem clara e objetiva, narrando fatos que muitas vezes soam quase como improváveis, nos dando, contudo, a prazerosa impressão de estarmos em contato com as várias vidas de André Midani, este livro é uma enxurrada de descobertas, fundamental para o preenchimento de lacunas sobre a história da cultura musical brasileira a partir da final da década de 1950. Entre muitos fatos curiosos que envolvem a universalização da música pop, destaca-se o lançamento no Brasil, com estrondoso sucesso, da canção francesa “Je t’aime moi non plus”, de Serge Gainsbourg - gravada por ele e Jane Birkin -, que foi censurada por ordem direta do Vaticano, que a considerava pornográfica, e teve seu registro cassado, culminando no inacreditável episódio em que o Exército comicamente cercou a fábrica da gravadora com o intuito de destruir todos os discos que encontrasse.

Neste livro encontramos interessante abordagem sobre o que são boatos, por que os espalhamos, damos ouvidos e acreditamos neles. Para o autor os boatos são um fenômeno intrínseco das pessoas e são gerados por aqueles que estão em situações incertas ou duvidosas e buscam uma explicação. Dentre os diversos tipos de boatos, os mais comuns são aqueles que expressam algo muito desejado e também os que denotam uma forma de propaganda. Segundo estudos das fofocas militares durante a Segunda Guerra Mundial, os boatos difundiam as informações de forma precisa e mais rapidamente que os canais oficiais.

ELES FORAM PARA PETRÓPOLIS

UMA CORRESPONDÊNCIA VIRTUAL NA VIRADA DO SÉCULO (Companhia das Letras, 1ª. Edição, 2009, 264 páginas), de Ivan Lessa e Mario Sergio Conti. Lançamento mais que oportuno em época onde o correio eletrônico via internet está mais que consolidado como meio de comunicação entre pessoas, este livro reúne os e-mails trocados entre os jornalistas Ivan Lessa e Mario Sergio Conti entre os anos 2000 e 2001. O detalhe sobre o material desta obra é que tal correspondência foi mantida publicamente.

CIDADE, Maio de 2009

PÉROLAS DAS ESTANTES O homem adulto, cioso de seu pensamento e de sua consciência, acoberta-se no seu individualismo e olvida totalmente que este mesmo pensamento e esta consciência ele os deve à sociedade. (Paul Chauchard, A Linguagem e o Pensamento, Difusão Européia do Livro, 1967, 134 páginas)

47


OPINIÃO

C l á u d i a S o u z a L i m a A z e ve d o A PRIMEIRA CRÔNICA

(com grande influência de Machado de Assis)

Ao meu póstumo primo e grande amigo Democrinho

A

quela casa já não era a mesma dos meus tempos de menina. Não tinha mais o cheiro gostoso dos bolos da tia Shirley, nem mesmo o seu sorriso largo, prazeroso, do olhar de quem via a molecada saboreando os seus quitutes. Já não tinha mais o verde vivo das plantas diariamente regadas e acarinhadas por ela. Ainda assim, aquela casa tinha um QUE inexplicável... Aquele ar já não tinha mais os cânticos do meu primo, nem os seus sutis acordes ao violão, mas continuava tendo a canção no ar, a literatura de Machado e a melodia de Vinícius, porém, agora, um pouco desafinadas. A casa já não tinha as nossas carícias ingênuas, primos queridos, que apesar dos poucos encontros, eram autênticos e alegras, visto que a nossa felicidade era ver a felicidade de uns dos outros, mesmo que forçosa a nós mesmos. Eram momentos poucos e únicos, e, por isso mesmo, eram mágicos. Nós, os primos, ouvíamos com olhos fixos de interesse as histórias de nossos pais e tios, contadas detalhadamente, inúmeras vezes, com riquezas de improvisos; histórias lindas, que tinham por narrador, o maior especialista em Camões (perdoeme, interessa leitor assim dizer, posto que é, orgulhosamente, o meu pai), o grande filólogo Leodegário; outras, narradas tão enfaticamente que podíamos sentir a presença de Elizete Cardoso cantando na rodas, com tio Demócrito compondo com seu largo e fácil sorriso... poemas sendo criados ali, na hora, por grandes poetas, quase que anônimos... Naquele tempo, só pensávamos no quanto era bom estarmos juntos. Nas ruas divinas de terra de Cabo Frio, implorando por asfalto aos olhos dos políticos e tão confortáveis aos nossos pés sem sapatos. Era só atravessar a rua que, logo ali, nos 15 passos dados descalços naquela ruela de terra, tínhamos, do outro lado, a maior diversão do planeta. A casa dos Tios. Nenhuma lição de casa, sem hora para dormir, sem nem mesmo ter que tomar banho, sem cobranças... eram apenas duas famílias que, na verdade, era uma, a dos Azevedo, urgia interagir, integrar, produzir, fazer algo de bom, juntas. 48

Valia muito o velho dito popular, não importa ser desafinado, o que importa é cantar! Eu, particularmente, adorava esta parte, pois o dom musical da família tinha ficado todo com meu irmão. Eu era capaz de cantar altíssimo com potência de voz, da música mais moderna a mais antiga, sabendo as letras inteiras de cor, coisa de que os músicos, muitas vezes, se esquecem, mas, a desafinação era ruidosa e por algum tipo de milagre, só era audível aos que não eram parentes. Não sei bem quando se fez a ruptura desta magia infanto-juvenil. Infelizmente temos esta estúpida obrigação de “crescer”. Cabo Frio, antes terra de sonhos e quitutes, passou a ser uma província pequena. Penso que este novo conceito geográfico foi adquirido quando de minha volta dos estudos nos Estados Unidos e junto com esta ruptura me fiz entediantemente adulta. Deixei de ver as metáforas que me eram espontaneamente tão autênticas e passei a ver os superlativos. Riquíssimo, poderosíssimo, inteligentíssimo (este, vago, nulo). Com o passar dos anos, começamos a ir menos a Cabo Frio. A nossa casa foi invadida pelo mofo, apesar dos caprichos e cuidados de mamãe e o carinho pelos livros que meu pai tinha, os livros que lá estavam já não eram mais lidos por nós... E a tristeza dos livros... Ah, a tristeza dos livros... Não há nada de mais triste neste Mundo do que quando os livros começam a ficar tristes pelo nosso esquecimento é como se o “H” da HISTÓRIA começasse a desbotar. Se ninguém fizer nada por ele, o H, o que será do I? Ninguém que ama a história quer que ela acabe. Caro leitor, não deixemos que a história chegue ao seu último A. A casa dos Tios ainda está lá. A casa de chão de terra e Dó Maior, onde se fez a minha juventude. Poética, culta, descalça e desafinada como, infelizmente, poucos Brasileiros podem ter, essa mistura espetacular de Camões e Vinícius de Moraes, onde, ainda hoje sentimos a presença do violão bem tocado de Democrinho que cantou e encantou o Mundo. (irmão da afinada Alessandra, filho de Tio Demócrito, parceiro de Elizete) onde agora me vejo adulta, sem o romantismo de ontem, sem o primo Democrinho, sem nenhum falso superlativo e com sapato nos pés. Ah, que saudades dos bolos da tia Shirley... CIDADE, Maio de 2009


RESUMO Congresso reúne 92 secretários de Saúde

Movimento das dunas é motivo de preocupação no Peró Um estudo do Serviço Geológico do Estado do Rio de Janeiro está atento ao movimento das dunas do Peró. No último dia 29, uma equipe esteve em Cabo Frio para medir o avanço das dunas sobre as casas do bairro. O assunto é antigo e foi discutido pelos geólogos Francisco Dourado e Antônio Soares durante o 12º Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, em Goiânia, em 2005. Segundo Dourado, o Serviço Geológico do estado iniciou o trabalho depois que moradores da região tiveram bens soterrados pelo processo de movimentação das dunas. “Há cinco anos estive no local e uma coisa me chamou atenção, havia um poste que já estava com a base coberta pela duna. Desta vez procurei pelo poste e não achei, pensei que alguém pudesse tê-lo retirado de lá. Bastou procurar mais um pouco para localizá-lo, desta vez ele estava totalmente soterrado”, contou Francisco Dourado. De acordo com o geólogo, o que se pôde concluir é que as dunas do Peró continuam em movimento. “No futuro, a tendência é que a duna cobrirá tudo aqui”, previu Francisco Dourado durante visita ao Peró.

Cabo Frio tem um ano de homenagens a Teixeira e Souza Com o fim da “Semana Teixeira e Souza”, ficou instituído, oficialmente, o “Ano Teixeira e Souza” em Cabo Frio. Com o tema: “O Poeta Cruza a Avenida e Redescobre Cabo Frio no Século XXI”, o ano de homenagens promete fazer o grande escritor cabo-friense, primeiro romancista brasileiro, ser lembrado em eventos como o “Curta Cabo Frio” e o “Prêmio de Comunicação”, além de festivais de teatro e literatura, entre outros. Representado pelo apresentador Vinícius Canisso, o personagem de Antônio Gonçalves Teixeira e Souza, que desfilou pela cidade em março, vai visitar as escolas municipais da cidade durante todo o ano.

Secretários de Saúde dos 92 municípios do Estado do Rio estiveram reunidos em Búzios, no segundo Congresso Estadual de Secretarias Municipais de Saúde, organizado pelo Conselho de Secretários Municipais de Saúde (COSEMS). O encontro serviu para aprofundar temas como a dificuldade de contratação de pessoal, a criação de consórcios intermunicipais e a regionalização dos serviços visando o fortalecimento do Sistema Único de Saúde. A regionalização é outro grande desafio para a consolidação do SUS, possibilitando a ampliação do acesso, a garantia da integralidade e a diminuição das desigualdades regionais. “A regionalização é uma tendência sugerida e estimulada pelo Ministério da Saúde”, afirmou o secretário de Saúde de Búzios, Alexandre Martins. “O estado não pode, sozinho, tomar todas as decisões relacionadas à saúde. Precisamos integrar todos os municípios para a realização de ações conjuntas”, completou o secretário estadual de Saúde, Sérgio Côrtes. CIDADE, Maio de 2009

Rio das Ostras começa a conceder licença ambiental Mais uma prefeitura da Baixada Litorânea está apta a conceder licenças ambientais a empreendimentos de pequeno e médio porte. No mês passado, a Secretaria de Meio Ambiente de Rio das Ostras recebeu documentos e inciou o processo de licenciamento das atividades de uma retífica de motores, uma lavanderia e um condomínio residencial. Agora, as atividades serão vistoriadas por técnicos da Secretaria de Meio Ambiente e instruídas a reduzir a emissão de poluentes.

22

. pachelli gama . jorge cerqueira . pachelli gama . jorge cerqueira . pachelli gama . jorge cerqueira . pachelli gama . Jorge cerqueira

gravurasdesenhospinturasgravuras

GALERIA DO SOBRADO RAMALHO

TIRADENTES

MAIO2009

Cerqueira expõe em Minas

O artista plástico Jorge Cerqueira inaugurou, no início deste mês, sua mais nova exposição de gravuras, entitulada “Instantes”, na cidade mineira de Tiradentes. Os trabalhos de Cerqueira e Pachelli Gama estão na Galeria do Sobrado Ramalho, sede local do Iphan.

Regata Lagoa Viva faz sucesso em Macaé A Lagoa de Imboassica, em Macaé, foi palco no mês passado da terceira Regata Lagoa Viva, “Velejar é Preservar!”. O evento contou com a participação de mais de 30 velejadores de Macaé, Cabo Frio, Rio das Ostras e São Pedro da Aldeia, com veleiros monotipos das classes Dingue, Laser, Laser 4.7, Laser Standart e Windsurf. A qualidade da raia da lagoa para a prática da vela foi unanimidade entre os participantes. O vento constante na lagoa contribuiu para tornar a velejada mais emocionante. Estavam presentes também outros esportistas e cidadãos ligados às questões ambientais. 49


Galeria

“Congada”

Silvana Borges Formada em Arquitetura em 1989 pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Universidade Mackenzie, fez Pós-Graduação em Arteterapia pela Universidade Paulista, SP, em 2006. Iniciou profissionalmente como artista plástica em 1990 com a primeira exposição ao público. Há mais de uma década ministra aulas de pintura a óleo, técnicas mistas e workshops em seu atelier ou como convidada. Tem trabalhos em exposição permanente em Portugal e em coleções particulares. Já participou de mais de 60 exposições no Brasil e exterior.


52

CIDADE, Maio de 2009


CIDADE, Marรงo de 2009

1

Maio 2009  

Notícias do Interior do Estado do Rio de Janeiro, Cabo Frio, Búzios.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you