Page 1

Cervelli

ISSN 2176-9451

Volume 16, Number 6, November / December 2011

VersĂŁo em portuguĂŞs Dental Press International


v. 16, no. 6

Dental Press J Orthod. 2011 November/December;16(6):1-160

November/December 2011

ISSN 2176-9451


EDITOR CHEFE Jorge Faber

Eduardo Lenza UnB - DF - Brasil

Clín. Partic. - GO - Brasil

Eduardo Silveira Ferreira

UFRGS - RS - Brasil

Enio Tonani Mazzieiro EDITORA ASSOCIADA Telma Martins de Araújo

PUC-MG - MG - Brasil Univ. de Saint Louis - EUA

Eustáquio Araújo UFBA - BA - Brasil

Fabrício Pinelli Valarelli

UNINGÁ - PR - Brasil

Fernando César Torres EDITORES ADJUNTOS

Fernanda Angelieri Matheus Melo Pithon

Clín. Partic. - RS - Brasil UERJ - RJ - Brasil

Gisele Moraes Abrahão

(artigos online) Daniela Gamba Garib

UMESP - SP - Brasil

Giovana Rembowski Casaccia HRAC/FOB-USP - SP - Brasil USP - SP - Brasil UESB - BA - Brasil

Glaucio Serra Guimarães

UFF - RJ - Brasil

Guilherme Janson

FOB-USP - SP - Brasil

Guilherme Pessôa Cerveira

ULBRA-Torres - RS - Brasil

Gustavo Hauber Gameiro EDITOR ADJUNTO

UNIFOR - CE - Brasil

Helio Scavone Júnior

(Odontologia baseada em evidências) David Normando

UFRGS - RS - Brasil

Haroldo R. Albuquerque Jr. UFPA - PA - Brasil

UNICID - SP - Brasil

Henri Menezes Kobayashi

UNICID - SP - Brasil

Hiroshi Maruo

PUC-PR - PR - Brasil

EDITORA ADJUNTA

Hugo Cesar P. M. Caracas

UNB - DF - Brasil

(revisão língua inglesa)

Jesús Fernández Sánchez

Univ. de Madrid - Madrid - Espanha

Flávia Artese

UERJ - RJ - Brasil

PUBLISHER Laurindo Z. Furquim

Jonas Capelli Junior

UERJ - RJ - Brasil

José Antônio Bósio

Univ. de Marquette - Milwaukee - EUA UERJ - RJ - Brasil

José Augusto Mendes Miguel UEM - PR - Brasil

José Fernando Castanha Henriques José Nelson Mucha

UFF - RJ - Brasil

José Renato Prietsch CONSELHO EDITORIAL CIENTÍFICO Adilson Luiz Ramos Danilo Furquim Siqueira Maria F. Martins-Ortiz

UFRGS - RS - Brasil

José Vinicius B. Maciel UEM - PR - Brasil UNICID - SP - Brasil ACOPEM - SP - Brasil

PUC-PR - PR - Brasil

Julia Cristina de Andrade Vitral Júlia Harfin

FOB-USP - SP - Brasil UFF - RJ - Brasil

Karina Maria S. de Freitas

UNINGÁ - PR - Brasil

Larry White

Adriana C. da Silveira Adriana de Alcântara Cury-Saramago Adriano de Castro Aldrieli Regina Ambrósio Alexandre Trindade Motta Ana Carla R. Nahás Scocate Ana Maria Bolognese Andre Wilson Machado

UFF - RJ - Brasil

HRAC/USP - SP - Brasil

Liliana Ávila Maltagliati

USC - SP - Brasil

UCB - DF - Brasil

Lívia Barbosa Loriato

PUC-MG - MG - Brasil

SOEPAR - PR - Brasil

Luciana Abrão Malta

Clín. Partic. - SP - Brasil

UFF - RJ - Brasil UNICID - SP - Brasil UFRJ - RJ - Brasil UFBA - BA - Brasil

Luciana Baptista Pereira Abi-Ramia Luciana Rougemont Squeff

ABO - PR - Brasil

Luiz G. Gandini Jr.

UFSC - SC - Brasil FOAR/UNESP - SP - Brasil Univ. de Oslo - Noruega

PUC-RS - RS - Brasil

Luís Antônio de Arruda Aidar

Armando Yukio Saga

UNISANTA - SP - Brasil FOB-USP - SP - Brasil FOAR-UNESP - SP - Brasil

Luiz Sérgio Carreiro

UEL - PR - Brasil

Marcelo Bichat P. de Arruda

UFMS - MS - Brasil

Marcelo Reis Fraga

UFJF - MG - Brasil

Clín. Partic. - PR - Brasil

Márcio Rodrigues de Almeida

Camila Alessandra Pazzini

UFMG - MG - Brasil

Marco Antônio de O. Almeida

Camilo Aquino Melgaço

UFMG - MG - Brasil

Marcos Alan V. Bittencourt

Carla D'Agostini Derech

UFSC - SC - Brasil

Carla Karina S. Carvalho

ABO - DF - Brasil

Maria C. Thomé Pacheco

ABO - RS - Brasil

Maria Carolina Bandeira Macena

Bruno D'Aurea Furquim

Carlos A. Estevanel Tavares Carlos Martins Coelho Cauby Maia Chaves Junior Célia Regina Maio Pinzan Vercelino Christian Viezzer Clarice Nishio Cristiane Canavarro Eduardo C. Almada Santos Eduardo Franzotti Sant'Anna

UFMA - MA - Brasil

UNIMEP - SP - Brasil UERJ - RJ - Brasil UFBA - BA - Brasil

Marcos Augusto Lenza

Maria Perpétua Mota Freitas

UERJ - RJ - Brasil UFRJ - RJ - Brasil

Luciane M. de Menezes Luiz Filiphe Canuto

Björn U. Zachrisson

UFVJM - MG - Brasil

Leopoldino Capelozza Filho

UFRJ - RJ - Brasil

Ary dos Santos-Pinto

UNINCOR - MG - Brasil

Leniana Santos Neves Univ. de Illinois - Chicago - EUA

Antônio C. O. Ruellas Arno Locks

AAO - Dallas - EUA

Leandro Silva Marques

Ortodontia

Clín. Partic. - SP - Brasil

Univ. de Maimonides - Buenos Aires - Argentina

Júlio de Araújo Gurgel Julio Pedra e Cal Neto

Consultores EDITORIAIS

FOB-USP - SP - Brasil

UFG-GO - Brasil UFES - ES - Brasil FOP-UPE - PB - Brasil ULBRA - RS - Brasil

UFC - CE - Brasil

Marília Teixeira Costa

UFG - GO - Brasil

FOB-USP - SP - Brasil

Marinho Del Santo Jr.

Clín. Partic. - SP - Brasil

UFRGS - RS - Brasil Univ. de Montreal - Canadá UERJ - RJ - Brasil FOA/UNESP - SP - Brasil UFRJ - RJ - Brasil

Maristela S. Inoue Arai Mônica T. de Souza Araújo Orlando M. Tanaka Oswaldo V. Vilella Patrícia Medeiros Berto

Univ. Médica e Odontológica de Tokyo - Japão UFRJ - RJ - Brasil PUC-PR - PR - Brasil UFF - RJ - Brasil Clín. Partic. - DF - Brasil


Patricia Valeria Milanezi Alves

Clín. Partic. - RS - Brasil

Pedro Paulo Gondim

UFPE - PE - Brasil

Renata C. F. R. de Castro

Dentística Maria Fidela L. Navarro

Renata Rodrigues de Almeida-Pedrin

CORA - SP - Brasil

Disfunção da ATM

Ricardo Machado Cruz

UNIP - DF - Brasil

José Luiz Villaça Avoglio

Ricardo Moresca

UFPR - PR - Brasil

Paulo César Conti

Robert W. Farinazzo Vitral

Univ. Tecn. do México - México

Roberto Rocha

UFSC - SC - Brasil

Rodrigo César Santiago

UFJF - MG - Brasil

Rodrigo Hermont Cançado

UNINGÁ - PR - Brasil Clín. Partic. - SP - Brasil FOB-USP - SP - Brasil

Tarcila Triviño Weber José da Silva Ursi Wellington Pacheco

Fonoaudiologia CEFAC-FCMSC - SP - Brasil

Esther M. G. Bianchini Implantologia Carlos E. Francischone

FOB-USP - SP - Brasil

UFPA - PA - Brasil

Sávio R. Lemos Prado Sérgio Estelita

CTA - SP - Brasil FOB-USP - SP - Brasil

UFJF - MG - Brasil

Roberto Justus

Rolf M. Faltin

FOB-USP - SP - Brasil

UMESP - SP - Brasil

UMESP - SP - Brasil FOSJC/UNESP - SP - Brasil

Ortopedia Dentofacial Dayse Urias

Clín. Partic. - PR - Brasil UNIP - SP - Brasil

Kurt Faltin Jr.

PUC-MG - MG - Brasil Periodontia

Biologia e Patologia Bucal Alberto Consolaro

UEM - PR - Brasil

Maurício G. Araújo FOB-USP - SP - Brasil

Edvaldo Antonio R. Rosa

PUC - PR - Brasil

Prótese

Victor Elias Arana-Chavez

USP - SP - Brasil

Marco Antonio Bottino

UNESP-SJC - SP - Brasil

Sidney Kina

Clín. Partic. - PR - Brasil

Bioquímica e Cariologia Marília Afonso Rabelo Buzalaf

FOB-USP - SP - Brasil

Radiologia Rejane Faria Ribeiro-Rotta

UFG - GO - Brasil

Cirurgia Ortognática Eduardo Sant’Ana

FOB/USP - SP - Brasil

COLABORADORES CIENTÍFICOS

Laudimar Alves de Oliveira

UNIP - DF - Brasil

Adriana C. P. Sant’Ana

FOB-USP - SP - Brasil

Liogi Iwaki Filho

UEM - PR - Brasil

Ana Carla J. Pereira

UNICOR - MG - Brasil

Rogério Zambonato

Clín. Partic. - DF - Brasil

Luiz Roberto Capella

Waldemar Daudt Polido

Clín. Partic. - RS - Brasil

Mário Taba Jr.

O Dental Press Journal of Orthodontics (ISSN 2176-9451) é continuação da Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial (ISSN 1415-5419).

CRO - SP - Brasil FORP - USP - Brasil

Indexação:

desde 1999

O Dental Press Journal of Orthodontics (ISSN 2176-

desde 2011

9451) é uma publicação bimestral da Dental Press International. Av. Euclides da Cunha, 1.718 - Zona 5 - CEP 87.015-180 - Maringá / PR - Fone/Fax: (0xx44) 3031-9818 - www.dentalpress.com.br - artigos@dentalpress.com.br. desde 1998

Diretora: Teresa R. D'Aurea Furquim - Diretor Editorial: Bruno D’Aurea Furquim - Diretor de marketing: Fernando Marson - Analista da informação: Carlos Alexandre Venancio - PRODUTOR EDITORIAL: Júnior Bianco - Diagramação: Fernando Truculo Evangelista - Gildásio Oliveira Reis Júnior - Tatiane Comochena - Revisão/COPYDESK: Ronis Furquim Siqueira - TRATAMENTO DE IMAGENS: Andrés Sebastián - Biblioteca/NORMALIZAÇÃO: Simone Lima Lopes Rafael - Banco de Dados: Adriana Azevedo Vasconcelos - submissão de artigos: Simone Lima Lopes Rafael - Cursos e Eventos: Ana Claudia da Silva - Rachel Furquim Scattolin - Financeiro: Roseli Martins - Comercial: Roseneide Martins Garcia - EXPEDIÇÃO: Diego Moraes - Secretaria: Rosane Aparecida Albino. JORNALISMO: Beatriz Lemes.

desde 1998

BBO

desde 1998

desde 2008

desde 2002

desde 2005

desde 2008

desde 2008

desde 2009

Dental Press Journal of Orthodontics v. 1, n. 1 (set./out. 1996) - . -- Maringá : Dental Press International, 1996 Bimestral ISSN 2176-9451 1. Ortodontia - Periódico. I. Dental Press International.

CDD 617.643005


Sumário

6

Editorial

15

O que há de novo na Odontologia / What’s new in Dentistry

22

Insight Ortodôntico / Orthodontic Insight

28

Entrevista com Lysle E. Johnston Jr. / Interview

Artigos Online / Online Articles

33

Análise do emprego do cálculo amostral e do erro do método em pesquisas científicas publicadas na literatura ortodôntica nacional e internacional

The use of sample size calculation and error of method in researches published in Brazilian and international orthodontic journals David Normando, Marco Antonio de Oliveira Almeida, Cátia Cardoso Abdo Quintão

36 Avaliação in vitro da força liberada por elásticos em cadeia

In vitro evaluation of force delivered by elastic chains Andréa Fonseca Jardim da Motta, Adriana de Alcantara Cury-Saramago, Lincoln Issamu Nojima

38

Estudo cefalométrico prospectivo dos efeitos da terapia de tração reversa da maxila associada à mecânica intermaxilar

Prospective cephalometric study of the effects of maxillary protraction therapy associated with intermaxillary mechanics Juliana de Oliveira da Luz Fontes, Guilherme Thiesen

Artigos Inéditos / Original Articles

41

Estudo cefalométrico do posicionamento dentário em jovens brasileiros feodermas com “oclusão normal” Cephalometric study of tooth positioning in young Brazilian Afro-Caucasian individuals with “normal occlusion” Eduardo Jacomino Franco, Arnaldo Pinzan, Guilherme Janson, José Fernando Castanha Henriques, Célia Regina Maio Pinzan-Vercelino

52

Avaliação cefalométrica dos resultados do aparelho de protração mandibular (APM) associado ao aparelho fixo em relação às estruturas dentoalveolares e tegumentares em pacientes portadores de má oclusão de Classe II, 1ª divisão

Cephalometric evaluation of the effects of the joint use of a mandibular protraction appliance (MPA) and a fixed orthodontic appliance on the dentoalveolar and soft tissue structures of patients with Angle Class II, division 1 malocclusion Alexandre Magno de Negreiros Diógenes, Rildo Medeiros Matoso, Emmanuelle Medeiros de Araújo, Kenio Costa Lima, Raniere Luiz dos Santos Sousa

63

Resistência ao cisalhamento da colagem dos compósitos Concise e Transbond XT com e sem agente de união Shear bond strength of composites Concise and Transbond XT with and without bonding agent Alexandre Maêda Neves, Fábio Lourenço Romano, Américo Bortolazzo Correr


69 78

84

Análise de Bolton: uma proposta alternativa para a simplificação de seu uso Bolton analysis: An alternative proposal for simplification of its use Karina Eiras Dela Coleta Pizzol, João Roberto Gonçalves, Ary dos Santos-Pinto, Adriano Porto Peixoto Modificações no pogônio e no nariz de acordo com o modo respiratório Changes in pogonion and nose according to breathing patterns Orlando Tanaka, Suelem Tisiane Fabianski, Lílian Mary Karakida, Luégya Amorin Henriques Knop, Luciana Borges Retamoso Respiração bucal no contexto multidisciplinar: percepção de ortodontistas da cidade do Recife Mouth breathing within a multidisciplinary approach: Perception of orthodontists in the city of Recife, Brazil Valdenice Aparecida de Menezes, Luiza Laranjeira Cavalcanti, Tâmara Cavalcanti de Albuquerque, Ana Flávia Granville Garcia, Rossana Barbosa Leal

93

Avaliação das tensões liberadas por elásticos ortodônticos em cadeia: estudo in vitro

Assessment of force decay in orthodontic elastomeric chains: An in vitro study Claudia Kochenborger, Dayanne Lopes da Silva, Ernani Menezes Marchioro, Diogo Antunes Vargas, Luciane Hahn

100

Tratamento ortodôntico-cirúrgico da assimetria facial esquelética: relato de caso Orthodontic-surgical treatment of skeletal facial asymmetry: Case report Susiane Allgayer, Fernanda Santos Mezzomo, Waldemar Daudt Polido, Gabriella Rosenbach, Carlos Alberto Estevanell Tavares

111

Coleta e cultura de células-tronco obtidas da polpa de dentes decíduos: técnica e relato de caso clínico

Collection and culture of stem cells derived from dental pulp of deciduous teeth: Technique and clinical case report Alan Araujo de Jesus, Milena Botelho Pereira Soares, Ana Prates Soares, Renata Campos Nogueira, Elisalva Teixeira Guimarães, Telma Martins de Araujo, Ricardo Ribeiro dos Santos

119

Caso Clínico BBO / BBO Case Report

Má oclusão de Classe I com biprotrusão e ausência dos primeiros molares inferiores

Angle’s Class I malocclusion with bimaxillary dental protrusion and missing mandibular first molars Aldino Puppin Filho

130

Tópico Especial / Special Article

Extrações de molares na Ortodontia Molars extraction in orthodontics Marco Antônio Schroeder, Daniela Kimaid Schroeder, Diego Júnior Silva Santos, Michelle Machado Leser

158

Normas para publicação / Information for authors


Editorial

Precisamos de propostas – e concretas – para melhorar a qualidade do atendimento odontológico no Brasil “Vende-se o sonho, entrega-se o pesadelo”. Com essa frase o ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello, resumiu o seu voto pela constitucionalidade do exame da Ordem dos Advogados do Brasil. Ele definiu, de certa forma, o processo acerca da formação do bacharel em direito no Brasil. O questionamento da constitucionalidade da prova foi apresentado na forma de um recurso, por um bacharel na área. Mais cedo, no mesmo dia da manifestação do ministro, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, havia afirmado: “O exame de Ordem constitui, portanto, medida claramente adequada para garantir a qualificação do profissional e proteger os direitos de terceiro”.1 Esse importante fato, forçosamente, nos faz refletir sobre a possibilidade de uma prova para a Odontologia (e também outras áreas da saúde, como a Medicina): o Exame do Conselho Federal de Odontologia. Muitos países, como Inglaterra e EUA, veem na obrigatoriedade desses exames para a nossa profissão a única forma de garantir a qualificação do profissional e proteger a saúde de sua população. No Japão, os graduados em Odontologia prestam uma prova de habilitação após um curso de graduação de seis anos. É muito importante alertar que um profissional da saúde precisa ter certo conhecimento mínimo para poder ser um profissional da saúde, caso contrário, ele se torna um profissional da doença.

Dental Press J Orthod

Obviamente, essa não é a única medida necessária para melhorar a qualidade do atendimento ao nosso povo. A obrigatoriedade da educação continuada também é uma delas. Na Itália, essa apreensão é tão intensa que um dentista por lá precisa se ausentar do atendimento por quase duas semanas, todos os anos, para obter o número de créditos de educação continuada que o habilite a manter sua licença de trabalho válida. Talvez esse seja um número de horas exagerado. Alguns estados americanos, como o de Illinois, exigem 48 horas de educação continuada a cada três anos para renovar sua licença de trabalho.2 Os créditos de educação continuada podem ser obtidos tanto com aulas presenciais quanto com respostas a questionários elaborados a partir de artigos, como os presentes no DPJO. No Brasil, não há exigência legal de nenhuma natureza e é lugar-comum que muitos profissionais se formem e jamais busquem atualização. Entretanto, essa discussão não poderia eclipsar o principal astro desse tema, que é a educação superior na área odontológica. Muito se discute sobre a qualidade dessa educação. Seguramente ela não é perfeita, todavia, se julgarmos essa qualidade do ponto de vista objetivo da produção de conhecimento, ela está entre as melhores do mundo. Agora, é claro que as boas escolas dividem espaço com as fracas, sem contar o fato — de conhecimento de quase todos aqueles que são professores no Brasil — de que várias escolas

6

2011 Nov-Dec;16(6):6-8


Editorial

de nível superior pressionam os professores a aprovar alunos que não atingiram as notas necessárias para aprovação. E a controvérsia não termina por aí. Se no momento há tanta evasão da profissão, significa que muitas escolas são simplesmente desnecessárias. O aluno compra um canudo vazio, pois não exercerá a profissão. Assim, temos um problema calcado, principalmente, em um tripé. Temos várias escolas fracas — e que a população brasileira não precisa —, formando profissionais sem qualificação verificada e, para piorar, muitos deles não mantêm uma educação continuada. Esse cenário se contrapõe à realidade de termos uma das melhores Odontologias do mundo e significa que uma parcela da população brasileira é atendida com excelência e outra, possivelmente, é atendida por profissionais da doença.

Qual é o modelo ideal? Ações efetivas para fechar as desnecessárias faculdades fracas? A instituição de programas obrigatórios de educação continuada? A seleção daqueles comprovadamente aptos a serem profissionais da saúde, por meio de uma prova realizada pelo CFO e aplicada aos bacharéis? Ou adotar simultaneamente mais de uma dessas medidas? Qualquer nova proposição, desde que concreta e factível, é bem-vinda. Estou aberto a críticas, sugestões e discussões.*

Boa leitura. Jorge Faber Editor-chefe faber.jorge@gmail.com

Referências 1.

2.

PGR e Marco Aurélio se manifestam pela constitucionalidade do exame da OAB. 2011. [Acesso em: 2011 Jul 10]. Disponível em: http://extra.globo.com/noticias/brasil/pgr-marco-aureliose-manifestam-pela-constitucionalidade-do-exame-daoab-2885992.html. Illinois State Dental Society. Continuing education: Q & A. [2011]. [Cited 2011 Oct 10]. Available from: http://www.isds.org/ ContEd/QandA.asp.

Dental Press J Orthod

* Obviamente, tornar o tratamento acessível é uma das frentes necessárias, e isso tem sido feito pelo Governo Federal por meio do programa Brasil Sorridente. Possivelmente, essa é a única ação de impacto real que vimos surgir nas últimas décadas.

7

2011 Nov-Dec;16(6):6-8


Editorial Especial

Com a palavra, o Prof. Dr. David Normando

Ao longo dos últimos cinco anos, servi como editor-chefe da Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial que, em 2010, passou a ser editada em inglês e a se chamar Dental Press Journal of Orthodontics. Li, então, milhares de artigos e escrevi 30 editoriais. Esse é o 31º e último deles. O encerramento de todo ciclo nos move, naturalmente, à reflexão e elencamos fatos e pessoas importantes. Infelizmente, não conseguiria, no espaço desse editorial e com justiça, mencionar todas as pessoas que foram muito importantes para o jornal e para mim como seu editor. Para representar todo esse corpo de mentes fabulosas, comentarei brevemente sobre cinco pessoas. Cada uma representa um setor do jornal. A primeira delas é o Sr. Ronis Furquim, da equipe da Editora Dental Press. Ele é um indivíduo de conhecimento desniveladamente acima da média, possui português invejável e capacidade de leitura crítica tão aguçada que redefiniu meus padrões de qualidade para esse atributo. Ronis, você personifica os funcionários dessa empresa na busca da excelência e seu trabalho permeia cada artigo aqui publicado. Doutores Teresa e Laurindo Furquim, a sua paixão pela nossa profissão se materializou numa empresa que é símbolo de qualidade em Odontologia. A Odontologia brasileira tem uma dívida com vocês. Sou grato pela confiança que depositaram em minhas mãos ao me convidar para ser editor desse jornal.

Dental Press J Orthod

A Dra. Telma Martins de Araujo, uma profissional e uma pessoa sublime. A sua inexcedível perfeição está presente em tudo que edita nesse jornal, no Curso de Especialização do Centro de Ortodontia e Ortopedia Facial Professor José Édimo Soares Martins, bem como em suas outras atividades como importante liderança em nossa especialidade. Tenho orgulho de ser seu amigo e profunda admiração por você. Por fim, Dr. David Normando, quero dividir a minha alegria em vê-lo como o novo editor desse jornal. Você é, sem dúvida, um exemplo para a Odontologia brasileira. Somente uma palavra pode definir como um menino que estudou em diversas escolas públicas no interior da Região Norte do Brasil se torna o editor-chefe de uma das principais publicações da Ortodontia mundial: meritocracia. Diante da competência que demostrou como editor adjunto, nada mais justo do que o convidarmos para assumir o cargo do qual me despeço com essas palavras. Finalizo meu último editorial desejando-lhe não sorte, porque sua competência lhe alforria dessa necessidade, mas, sim, trabalho. Só esse pode dignificar ainda mais o ser humano. Com a palavra, o Prof. Dr. David Normando, editor-chefe do Dental Press Journal of Orthodontics.

Jorge Faber faber.jorge@gmail.com

8

2011 Nov-Dec;16(6):6-8


O

que há de novo na

Odontologia

Teleortodontia: ferramenta de auxílio à prática clínica e à educação continuada André Luciano Pasinato da Costa*, Alcion Alves Silva**, Cléber Bidegain Pereira***

Resumo Introdução: a Tecnologia da Informação (TI) está revolucionando os relacionamentos in-

terpessoais. Esse novo contexto tornou possível exercer à distância as profissões da área da saúde, um conceito denominado telessaúde. A essência dessa área é a oferta, à distância, de serviços e informação sobre saúde. Nesse contexto, a Ortodontia como especialidade não pode ficar alheia a esses avanços. Objetivo: esse artigo se propôs a investigar — através de revisão não sistemática da literatura — quais dentre as tecnologias disponíveis são passíveis de ser utilizadas no desenvolvimento de serviços de teleortodontia, como ferramentas de auxílio à prática clínica e à educação continuada. O uso de tecnologias já acessíveis no mercado pode viabilizar os serviços de teleortodontia no país. Apesar desse artigo ter analisado as condições técnicas e as tecnologias relacionadas ao objeto de estudo, concentra-se no campo das questões éticas/morais, legais e econômicas do processo. Palavras-chave: Telemedicina. Ortodontia. Computadores. Informática. Tecnologia. Sistemas de informação.

INTRODUÇÃO A Tecnologia da Informação (TI) tem provocado mudanças nas relações interpessoais. Numa sociedade globalizada, interconectada eletronicamente e sem fronteiras, o exercício à distância das profissões está entre as novas experiências. O desenvolvimento de programas de comunicação, associado à construção de computadores mais avançados, tem permitido a transmissão de informações de modo rápido e eficiente. Esse

novo contexto tornou possível exercer à distância as profissões da área da saúde1,2,3, um conceito denominado telessaúde. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), telessaúde (telemedicina, teleodontologia, etc.) é a provisão de serviços associados aos cuidados com a saúde, nos casos em que a distância é um fator crítico. Tais serviços podem ser providos por meio do uso de tecnologias de comunicação, com os objetivos de educação continuada

Como citar este artigo: Costa ALP, Silva AA, Pereira CB. Teleortodontia: ferramenta de auxílio à prática clínica e à educação continuada. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):15-21.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* Mestre em Biologia Celular e Molecular pela PUCRS. Especialista em Ortodontia pela Universidade Cruzeiro do Sul. ** Doutor em Odontologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre em Ortodontia pela Universidade Camilo Castelo Branco. *** Especialista em Ortodontia pelo Conselho Federal de Odontologia.

Dental Press J Orthod

15

2011 Nov-Dec;16(6):15-21


Teleortodontia: ferramenta de auxílio à prática clínica e à educação continuada

Validação da teleortodontia Experiências realizadas por várias instituições demonstram as oportunidades para o campo da teleortodontia2,3,5,6,7,11-14,23. Os resultados do estudo comparativo desenvolvido entre as clínicas Yakima Valley Farm Workers Clinic e Odessa Brown Children’s Clinic (Washington) não demonstraram diferenças significativas entre os grupos após o tratamento clínico e o uso da teleortodontia2. Segundo esse estudo, os desfechos dos casos tratados à distância sugerem a validade clínica da técnica. O atual nível das tecnologias existentes viabiliza o desenvolvimento da teleortodontia, pois essas são acessíveis e de baixo custo. Do ponto de vista científico, identificar as limitações desses serviços, além das implicações legais e o impacto na relação profissional/paciente, representa o primeiro passo

para o aproveitamento das possibilidades geradas por esse novo conceito6,7,9,23. O desenvolvimento de ferramentas que possibilitem agendar, diagnosticar, planejar, transferir dados, fazer teleconferências e facilitar o processo de educação continuada é a ação para tornar realidade esses serviços. Entretanto, a digitalização dos dados clínicos e sua transmissão por meio da rede mundial de computadores ainda geram discussões com relação à segurança. Por esse motivo, ênfase tem sido dada à investigação dos recursos de certificação e assinatura digital. Por fim, cabe observar que não é somente o desenvolvimento da tecnologia computacional (hardware e software) que fará a consolidação da teleortodontia. Essa nova realidade também altera o contexto das relações sociais, abrindo um vasto campo de questões éticas, morais, legais e econômicas.

Teleorthodontics: Auxiliary tool for the clinical practice and continuing education Abstract Introduction: The Information Technology (IT) is revolutionizing the interpersonal relationships. This new context has made it possible to exercise the health professions at distance, a concept called telehealth. The essence of this area is to provide services and health information for individuals in their own communities. In this context, the orthodontics, a dentistry specialty, can not remain oblivious to the progress. Objective: This non systematic review aims to investigate which of the technologies are likely to be utilized to develop the teleorthodontics like a tool for helping the clinical practice and the continuing education. The use of the technologies that exist on the market, associated with the use of freeware computer programs and the internet can facilitate the services of teleorthodontics. Although this review had analyzed the available technologies, it should be noted that other questions are important to be stressed, like: Ethical, moral, legal and economics. Keywords: Telemedicine. Orthodontics. Software. Computer. Informatics. Technology. Information systems.

Dental Press J Orthod

20

2011 Nov-Dec;16(6):15-21


Costa ALP, Silva AA, Pereira CB

Referências 13. Kopycka-Kedzierawski DT, Billings RJ, McConnochie KM. Dental screening of preschool children using teledentistry: a feasibility study. Pediatr Dent. 2007;29(3):209-13. 14. Kopycka-Kedzierawski DT, Bell CH, Billings RJ. Prevalence of dental caries in Early Head Start children as diagnosed using teledentistry. Pediatr Dent. 2008;30(4):329-33. 15. Amável R, Cruz-Correia R, Frias-Bulhosa J. Remote diagnosis of children dental problems based on non-invasive photographs - a valid proceeding? Stud Health Technol Inform. 2009;150:458-62. 16. Silva AA. Prática clínica baseada em evidências. São Paulo: Ed. Santos; 2009. 17. Blobel B. Advanced and secure architectural EHR approaches. Int J Med Inform. 2006;75(3-4):185-90. Epub 2005 Aug 19. 18. Wozak F, Ammenwerth E, Hörbst A, Sögner P, Mair R, Schabetsberger T. IHE based interoperability - benefits and challenges. Stud Health Technol Inform. 2008;136:771-6. 19. Hartvigsen G, Johansen MA, Hasvold P, Bellika JG, Arsand E, Arild E, et al. Challenges in telemedicine and e-Health: lessons learned from 20 years with telemedicine in Tromsø. Stud Health Technol Inform. 2007;129(Pt 1):82-6. 20. Schabetsberger T, Ammenwerth E, Andreatta S, Gratl G, Haux R, Lechleitner G, et al. From a paper-based transmission of discharge summaries to electronic communication in health care regions. Int J Med Inform. 2006;75(3-4):209-15. Epub 2005 Aug 22. 21. Graschew G, Roelofs TA, Rakowsky S, Schlag PM, Heinzlreiter P, Kranzlmüller D, Volkert J. New trends in the virtualization of hospitals—tools for global e-Health. Stud Health Technol Inform. 2006;121:168-75. 22. Cone SW, Hummel R, León J, Merrell RC. Implementation and evaluation of a low-cost telemedicine station in the remote Ecuadorian rainforest. J Telemed Telecare. 2007;13(1):31-4. 23. Favero L, Pavan L, Arreghini A. Communication through telemedicine: home teleassistance in orthodontics. Eur J Paediatr Dent. 2009;10(4):163-7.

1. Helveston EM, Neely DE, Cherwek DH, Smallwood LM. Diagnosis and management of strabismus using telemedicine. Telemed J E Health. 2008;14(6):531-8. 2. Berndt J, Leone P, King G. Using teledentistry to provide interceptive orthodontic services to disadvantaged children. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2008;134(5):700-6. 3. Fricton J, Chen H. Using teledentistry to improve access to dental care for the underserved. Dent Clin North Am. 2009;53(3):537-48. 4. World Health Organization. Information technology in support of health care. [Cited 2010 May 3] Available from: http://www.who.int/eht/en/InformationTech.pdf. Acesso em: 03/05/2010. 5. Dolan B. The American dentists: ethics, technology and education for the twenty-first century. J Hist Dent. 2009;57(3):100-8. 6. Mandall NA, Qureshi U, Harvey L. Teledentistry for screening new patient orthodontic referrals. Part 2: GDP perception of the referral system. Br Dent J. 2005;199(11):727-9; discussion 723. Erratum in: Br Dent J. 2006;200(2):69. 7. Bradley SM, Williams S, D’Cruz J, Vania A. Profiling the interest of general dental practitioners in West Yorkshire in using teledentistry to obtain advice from orthodontic consultants. Prim Dent Care. 2007;14(3):117-22. 8. Belala Y, Issa O, Gregoire JC, Wong J. A secure mobile multimedia system to assist emergency response teams. Telemed J E Health. 2008;14(6):560-9. 9. Kaufman DR, Pevzner J, Rodriguez M, Cimino JJ, Ebner S, Fields L, et al. Understanding workflow in telehealth video visits: observations from the IDEATel project. J Biomed Inform. 2009;42(4):581-92. Epub 2009 Apr 7. 10. Maglaveras N, Chouvarda I, Koutkias VG, Gogou G, Lekka I, Goulis D, et al. The Citizen Health System (CHS): a modular medical contact center providing quality telemedicine services. IEEE Trans Inf Technol Biomed. 2005;9(3):353-62. 11. Blanchet KD. Innovative programs in telemedicine: the University of Pittsburgh Medical Center (UPMC) Stroke Institute Telemedicine Program. Telemed J E Health. 2008;14(6):517-9. 12. Kopycka-Kedzierawski DT, Billings RJ. Teledentistry in innercity child-care centres. J Telemed Telecare. 2006;12(4):176-81.

Enviado em: 19 de agosto de 2011 Revisado e aceito: 11 de outubro de 2011

Endereço para correspondência André Luciano Pasinato da Costa Rua Rui Barbosa 242, Centro CEP: 95.180-000 – Farroupilha/RS E-mail: andre@aliagestao.com.br

Dental Press J Orthod

21

2011 Nov-Dec;16(6):15-21


Insight Ortodôntico

O movimento ortodôntico não induz reabsorção cervical externa OU

O movimento ortodôntico não altera cor, volume e nem induz inflamação gengival Alberto Consolaro*, Renata B. Consolaro**

Resumo

Nesse trabalho, procurou-se explicar — anatômica e funcionalmente — como se estrutura e se organiza a região cervical dos dentes, para fundamentar os seguintes questionamentos: 1) Por que ocorre Reabsorção Cervical Externa na dentição humana?; 2) Por que na gengivite e na periodontite não se tem Reabsorção Cervical Externa?; 3) Por que depois do traumatismo dentário e da clareação interna pode ocorrer a Reabsorção Cervical Externa?; 4) Por que o movimento ortodôntico não altera a cor e o volume gengival durante o tratamento?; 5) Por que o movimento ortodôntico não induz Reabsorção Cervical Externa, mesmo sabendo-se que a região cervical pode ser muito exigida? A existência de antígenos sequestrados na dentina, a presença de janelas de dentina na região cervical de todos os dentes, a reação do epitélio juncional e a distribuição dos vasos sanguíneos gengivais podem justificar por que a Reabsorção Cervical Externa não ocorre e nem a cor e o volume gengival são alterados no movimento ortodôntico. Palavras-chave: Reabsorção dentária. Reabsorção cervical externa. Movimento ortodôntico. Gengiva.

Como se estrutura e SE organiza a região cervical dos dentes Na superfície da região cervical dos dentes, o término do esmalte e o início do cemento criam uma linha reconhecida como junção amelocementária (Fig. 1). Na circunferência do colo de todos os dentes humanos, essa linha alterna três tipos de relação

entre o esmalte e o cemento3,7. Em algumas áreas da junção amelocementária, o cemento recobre o esmalte (Fig. 4); em outras, o esmalte e o cemento se encontram topo a topo; mas em outras regiões, o esmalte e o cemento ficam distantes e promovem microexposições de dentina, em gaps ou janelas voltadas para o tecido conjuntivo gengival.

Como citar este artigo: Consolaro A, Consolaro RB. O movimento ortodôntico não induz reabsorção cervical externa. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):22-7.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* Professor Titular de Patologia da FOB-USP e da Pós-graduação da FORP-USP. ** Professora Doutora Substituta da FOA-Unesp e da Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI).

Dental Press J Orthod

22

2011 Nov-Dec;16(6):22-7


Consolaro A, Consolaro RB

promove hiperplasia epitelial juncional e a exposição direta da dentina permite o reconhecimento antigênico por parte dos macrófagos. 5) A gengiva recebe vasos de origem periodontal, óssea, periosteal e mucosa, de tal forma que sua nutrição e drenagem não são afetadas, mesmo quando os vasos do ligamento periodontal ficam comprimidos durante o movimento ortodôntico. Por tudo isso, não ocorre inflamação na inserção conjuntiva e nem morte celular na gengiva durante o movimento ortodôntico, não se alterando a cor nem o volume, nem se expondo a dentina nas janelas da junção amelocementária, o que seria necessário para se iniciar uma reabsorção cervical externa.

Considerações Finais 1) A dentina tem proteínas consideradas antígenos sequestrados e, quando exposta aos tecidos conjuntivos, tende a ser reabsorvida, como uma forma de eliminação por parte do organismo. 2) Na junção amelocementária, as janelas de dentina presentes em todos os dentes permanentes podem expô-la quando ocorrer uma inflamação induzida na inserção conjuntiva. 3) Antes que ocorra a exposição de dentina na junção, a gengivite e a periodontite revelam uma hiperplasia do epitélio juncional que recobre as janelas e coloca a dentina no meio bucal. 4) No traumatismo dentário e na clareação interna, a inflamação do conjuntivo gengival não

The orthodontic movement does not induce external cervical resorption OR

The orthodontic movement does not change the color, the volume neither induce gingival inflammation Abstract In this paper we tried to anatomically and functionally explain how it is structured and organized the cervical region of the teeth to substantiate the following questions: 1) Why External Cervical Resorption occurs in human dentition?; 2) Why in gingivitis and periodontitis there is no external cervical resorption?; 3) Why External Cervical Resorption can occur after the dental trauma and internal bleaching?; 4) Why orthodontic movement does not change the color and the gingival volume during treatment?; 5) Why orthodontic movement does not induce external cervical resorption, even being known that the cervical region can be much required? The existence of sequestered antigens in the dentin, the presence of windows of dentin in the cervical region of all teeth, the reaction of the junctional epithelium and the distribution of gingival blood vessels may explain why the external cervical resorption does not occur and neither the color and gingival volume are changed in the orthodontic movement. Keywords: Tooth resorption. External cervical resorption. Orthodontic movement. Gingiva.

Referências

7.

1.

8.

2. 3. 4. 5. 6.

Consolaro A. Reabsorções dentárias nas especialidades clínicas. Maringá: Dental Press; 2005. Esberard R, Esberard RR, Esberard RM, Consolaro A, Pameijer CH. Effect of bleaching on the cemento-enamel junction. Am J Dent. 2007;20(4):245-9. Francischone LA, Consolaro A. Morphology of the cementoenamel junction of primary teeth. J Dent Child (Chic). 2008;75(3):252-9. Glickman I. Periodontia clínica de Glickman. Rio de Janeiro: Interamericana; 1983. Lascala NT, Moussalli NH. Periodontia clínica e especialidades afins. São Paulo: Artes Médicas; 1980. Lindhe J, Karring T, Lang NP. Tratado de Periodontia clínica e Implantodontia oral. 3ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1999.

Dental Press J Orthod

9.

Neuvald L, Consolaro A. Cementoenamel junction: microscopic analysis and external cervical resorption. J Endod. 2000;26(9):503-8. Newman MG, Takei HH, Klokkevold, PR, Carranza, FA. Carranza’s clinical periodontology. 10ª ed. St. Louis: Saunders Elsevier; 2006. Zander HA, Hurzeler B. Continuous cementum apposition J Dent Res. 1958;37(6):1035-44.

Enviado em: 7 de outubro de 2011 Revisado e aceito: 11 de outubro de 2011

Endereço para correspondência Alberto Consolaro E-mail: consolaro@uol.com.br

27

2011 Nov-Dec;16(6):22-7


Entrevista

Uma entrevista com

Lysle E. Johnston Jr. • Graduado em Odontologia pela Michigan School of Dentistry e em Ortodontia pela Michigan’s Horace H. Rackham School of Graduate Studies. • Especialista em Anatomia pela Queen’s University, Belfast. • Doutor em Anatomia pela Case Western Reserve University. • Ex-chefe do Departament of Orthodontics and Pediatric Dentistry da University of Michigan. • Diretor dos programas de Ortodontia da Case Western Reserve University (1971-76) e da Saint Louis University (1976-91). • Professor da University of Michigan, Saint Louis University e Case Western Reserve University. • Membro do American College of Dentistry, do International College of Dentistry e do Royal College of Surgeons, Inglaterra. • Ex-diretor da Edward H. Angle Society of Orthodontists. • Editor de vários periódicos, entre eles o American Journal of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics e o Journal of Orthodontics (britânico).

Lysle E. Johnston Jr. é Professor Emérito de Odontologia na University of Michigan e de Ortodontia na Saint Louis University. Formou-se em Odontologia pela Michigan School of Dentistry, em 1961, e em Ortodontia pela Michigan’s Horace H. Rackham School of Graduate Studies, em 1964. Especializou-se em Anatomia na Queen’s University de Belfast (Irlanda do Norte, 1961-62) e recebeu seu PhD também em Anatomia na Case Western Reserve University, em 1970. Antes de retornar à University of Michigan, onde foi chefe do Department of Orthodontics and Pediatric Dentistry, dirigiu os Departamentos de Ortodontia da Case Western Reserve University (1971-76) e da Saint Louis University (1976-91). Atualmente, leciona Estatística, Cefalometria, Crescimento Facial, Desenvolvimento Oclusal e História da Ortodontia nessas três escolas. Ao longo de sua carreira acadêmica, Dr. Johnston orientou mais de 100 teses de mestrado e participou da formação de mais de 500 especialistas em Ortodontia. Tem feito inúmeras palestras e recebido diversos prêmios e títulos, entre os quais o prêmio Albert H. Ketcham do American Board of Orthodontics, o prêmio Jarabak da American Association of Orthodontists Foundation, o prêmio Dewey da American Association of Orthodontics e o 5º Prêmio Internacional da Sociedade Italiana. Proferiu diversas palestras magnas: a Mershon e a Salzmann, da American Association of Orthodontics, a Angle Memorial Lecture, da E.H. Angle Society of Orthodontists (por duas vezes), a Northcroft, da British Society for the Study of Orthodontics e a Arthur Taylor Memorial, da Australian Society of Orthodontics. Membro do American e do International College of Dentistry e membro-eleito da Royal College of Surgeons (Inglaterra), Dr. Johnston foi Diretor da Edward H. Angle of Orthodontists e integrou o quadro editorial de vários periódicos, incluindo o American Journal of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics e The (British) Journal of Orthodontics. Atualmente, reside em Torch Lake, uma pequena cidade no norte do Michigan. Cristiana (Kika) Vieira de Araújo

Como citar esta seção: Johnston Jr. LE. Entrevista. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):28-32.

Dental Press J Orthod

28

2011 Nov-Dec;16(6):28-32


Entrevista

a interagir com Robert Moyers e Jimmy (James) Scott (Belfast) e, talvez por osmose, me interessei pela academia. Daí, quase que completamente por acidente, tornei-me diretor do programa da Case Western Reserve apenas seis meses após terminar meu PhD. Desde então, minha carreira transcorreu de maneira ordenada. Se minha versão de Ortodontia ainda tem apelo para mim? Visto ter tido uma carreira bem-sucedida, a resposta seria “sim” — porque, afinal, ainda é uma “especialidade do homem pensante”.

era muito dinheiro. Para um jovem de uma numa zona rural isolada, aquilo pareceu uma coisa assustadoramente rentável. Com o passar dos anos, meus objetivos foram se distanciando do fator dinheiro, mas bem que começaram muito semelhantes aos de 99% dos que buscam a especialidade. Como nunca tirei uma nota B no colégio nem na universidade, tinha a opção de seguir a carreira que quisesse. A parte menos complicada foi entrar na Odontologia e, depois, na Ortodontia. Com o passar do tempo, comecei

Cristiana (Kika) Vieira de Araújo » Mestre e Especialista em Ortodontia pela Saint Louis Universty. » Professora da Especialização em Ortodontia e Diretora do Programa de Fellowship em Ortodontia e Pesquisa Clínica da Jacksonville University School of Orthodontics.

Dental Press J Orthod

Enviado em: 19 de setembro de 2011 Revisado e aceito: 26 de outubro de 2011

Endereço para correspondência Lysle E. Johnston Jr. E-mail: lejjr@umich.edu

32

2011 Nov-Dec;16(6):28-32


Artigo Online*

Análise do emprego do cálculo amostral e do erro do método em pesquisas científicas publicadas na literatura ortodôntica nacional e internacional David Normando**, Marco Antonio de Oliveira Almeida***, Cátia Cardoso Abdo Quintão****

Resumo Introdução: o dimensionamento adequado da amostra estudada e a análise apropriada do

erro do método são passos importantes na validação dos dados obtidos em determinado estudo científico, além das questões éticas e econômicas. Objetivo: esta investigação tem o objetivo de avaliar, quantitativamente, com que frequência os pesquisadores da ciência ortodôntica têm empregado o cálculo amostral e a análise do erro do método em pesquisas publicadas no Brasil e nos Estados Unidos. Métodos: dois importantes periódicos, de acordo com a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), foram analisados, a Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial (Dental Press) e o American Journal of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics (AJO-DO). Apenas artigos publicados entre os anos de 2005 e 2008 foram analisados. Resultados: a maioria das pesquisas publicadas em ambas as revistas emprega alguma forma de análise do erro do método, quando essa metodologia pode ser aplicada. Porém, apenas um número muito pequeno dos artigos publicados nesses periódicos apresenta qualquer descrição de como foram dimensionadas as amostras estudadas. Essa proporção, já pequena (21,1%) na revista editada nos Estados Unidos (AJO-DO), é significativamente menor (p=0,008) na revista editada no Brasil (Dental Press) (3,9%). Conclusão: os pesquisadores e o corpo editorial, de ambas as revistas, deveriam dedicar uma maior atenção ao exame dos erros inerentes à ausência de tais análises na pesquisa científica, em especial aos erros inerentes a um dimensionamento inadequado das amostras. Palavras-chave: Bioestatística. Cálculo amostral. Erro do método.

Como citar este artigo: Normando D, Almeida MAO, Quintão CCA. Análise do emprego do cálculo amostral e do erro do método em pesquisas científicas publicadas na literatura ortodôntica nacional e internacional. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):33-5.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* Acesse www.dentalpress.com.br/revistas para ler o artigo na íntegra.

** Professor da Disciplina de Ortodontia da Faculdade de Odontologia da UFPA. Doutor em Ortodontia pela UERJ. Mestre em Clínica Integrada pela FOUSP. Especialista em Ortodontia pela PROFIS-USP. *** Mestre e Doutor em Ortodontia pela UFRJ. Professor Titular de Ortodontia, UERJ. **** Mestra e Doutora em Ortodontia pela UFRJ. Professor Adjunto da Disciplina de Ortodontia, UERJ.

Dental Press J Orthod

33

2011 Nov-Dec;16(6):33-5


Análise do emprego do cálculo amostral e do erro do método em pesquisas científicas publicadas na literatura ortodôntica nacional e internacional

Journal of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics (AJO-DO). Foram avaliados 92 artigos originais publicados na Dental Press (2005-2007) e 94 artigos originais publicados no AJO-DO (2007-2008). Os resultados demonstraram que, no período avaliado, o cálculo amostral foi utilizado em somente 3,9% dos artigos publicados na Dental Press, ao passo que foi utilizado em pouco mais de 21% dos artigos publicados no AJO-DO, com diferença estatisticamente significativa entre os periódicos. Já o estudo do erro do método foi reportado em 60,9% dos artigos da Dental Press e em 76,6% dos artigos do AJO-DO. Os autores da presente pesquisa concluíram que, apesar do estudo do erro ser comumente empregado, houve um número bastante restrito de artigos em que foi realizado o cálculo amostral em ambos os periódicos, com uma redução ainda mais acentuada, de forma estatisticamente significativa, na Dental Press. Devido a isso, maior atenção deveria ser dispensada — por revisores, pesquisadores e editores — ao dimensionamento adequado das amostras em estudos ortodônticos, com vistas a obter resultados científicos mais confiáveis.

Resumo do editor A evolução da ciência depende, de modo fundamental, de estudos metodologicamente bem delineados. Recentemente, dois aspectos metodológicos têm ganhado destaque: o erro do método e o cálculo do tamanho da amostra. O erro do método, em geral, é obtido por meio da duplicação de parte das mensurações realizadas em um intervalo de tempo, de forma a determinar se os dados analisados são reproduzíveis, o que atestará a confiabilidade da metodologia empregada na pesquisa. Por outro lado, as amostras analisadas devem possuir um tamanho adequado para que possam demonstrar diferenças clínicas importantes em termos estatísticos, quando essas existirem. Em decorrência da importância científica desses cálculos, o presente estudo objetivou analisar a frequência de uso, na literatura ortodôntica nacional e internacional, do dimensionamento amostral e do erro do método. Foram selecionados dois periódicos científicos da literatura ortodôntica com o maior fator de impacto no Brasil e no exterior, segundo a Capes: respectivamente, a Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial (Dental Press) e o American

Questões aos autores 1) Quais aspectos devem ser considerados, em um estudo clínico prospectivo, para a definição do tamanho da amostra? O dimensionamento adequado da amostra a ser estudada, assim como a análise apropriada do erro do método, são passos importantes na validação dos dados obtidos em um determinado estudo científico, além das questões éticas e econômicas. Um estudo utilizando amostra pequena pode não produzir resultados úteis, expondo os seus participantes (amostra) a riscos desnecessários, enquanto uma amostra de tamanho excessivo usa mais recursos do que o necessário, além de expor um excessivo número de indivíduos aos riscos que possam existir. Para entendermos a importância do cálculo amos-

Dental Press J Orthod

tral, precisamos compreender o que significa “poder” em estatística. O poder expressa a probabilidade de detectar um efeito verdadeiro. Amostras pequenas reduzem o poder de um estudo, contudo, amostras demasiadamente grandes proporcionam, geralmente, significância estatística entre os grupos3 estudados, mesmo quando a diferença é muito pequena e considerada clinicamente sem importância. Além do nível de certeza desejado, expresso pelo valor p e pelo poder, outros fatores fazem parte da receita que define o tamanho amostral1,2,4, sendo eles: a) O efeito clínico mínimo que o pesquisador deseja constatar na variável principal (primária) do estudo desenvolvido.

34

2011 Nov-Dec;16(6):33-5


Normando D, Almeida MAO, Quintão CCA

tabela 1 - Frequência absoluta e relativa (%), diferença relativa, valor p e poder para os artigos com análise estatística (A) e com descrição do cálculo amostral (B), publicados na Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial e no American Journal of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics. Descrição

Dental Press 2006-2007

AJO-DO 2007-2008

Diferença (%)

Artigos originais com análise estatística (A)

51 (100%)

57 (100%)

----

Artigos com descrição do cálculo amostral (B)

2 (3,9%)

12 (21,1%)

-17,2

Valor p

Poder

0,008**

0,78

**p<0,01.

quem se preocupar com essa questão ganhará pontos na avaliação dos revisores e editores. Em uma entrevista recente publicada nesse periódico5, o então editor do AJO-DO, David Turpin, enfatizou que fica “...espantado com a quantidade de autores que conduzem estudos bastante criativos, mas submetem um manuscrito sem ter mesmo se dado ao trabalho de calcular o número de sujeitos necessários para que as conclusões sejam estatisticamente significativas...”. A Ortodontia brasileira já é a que mais publica no mundo. E conseguirá lograr maior êxito aquele pesquisador que dedicar maior atenção ao planejamento e execução dos métodos estatísticos. Em outras palavras, a inspiração ainda é importante, mas a expiração tornou-se o diferencial.

b) Como os dados obtidos vão ser mensurados (escala contínua, ordinal ou nominal). c) O tipo de teste estatístico a ser usado e se é unicaudal ou bicaudal. d) A variabilidade dos dados obtidos. 2) Qual a importância da realização de estudos como o presente? Os resultados da presente investigação revelaram que apenas 3,9% dos artigos publicados na Revista Dental Press nos anos de 2006-2007 apresentavam dados sobre o cálculo amostral, percentual significativamente menor (P=0,008) em comparação ao American Journal of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics (AJO-DO), que apresentava pouco mais de 21% dos seus artigos com a descrição dos métodos utilizados para o cálculo amostral (Tab. 1). Esses dados refletem uma desatenção preocupante dos pesquisadores e revisores quanto a esse importante fator de introdução de erros na avaliação estatística dos dados obtidos em publicações nesses dois importantes periódicos.

Referências 1. Browner WS, Newman TB. Sample size and power based on the population attributable fraction. Am J Public Health. 1989 Sep;79(9):1289-94. 2. Lenth RV. Some practical guidelines for effective sample size determination. Am Statistician. 2001;55(3):187-93. 3. MacFarlane TV. Sample size determination for research projects. J Orthod. 2003 Jun;30(2):99-100. 4. Phillips C. Sample size and power: What is enough? Semin Orthod. 2002;8(2):67-76. 5. Turpin DL. Uma entrevista com David L. Turpin (editor-chefe do AJO-DO). Dental Press J Orthod. 2010;15(2):33-8.

3) Como os autores veem a pesquisa científica ortodôntica brasileira no cenário mundial? A Ortodontia como ciência tem evoluído constantemente, o que inclui o emprego de métodos estatísticos em nossa especialidade. No Brasil, esse crescimento é visivelmente mais rápido. Nas décadas anteriores, conseguíamos publicar estudos que hoje provavelmente não seriam aceitos, devido a questões metodológicas. Isso inclui o emprego do cálculo amostral e do erro do método. A competitividade exige padrões mais acurados e, portanto,

Dental Press J Orthod

Enviado em: 7 de agosto de 2008 Revisado e aceito: 31 de agosto de 2008

Endereço para correspondência David Normando Rua Boaventura da Silva, 567-1201 CEP: 66.055-090 – Belém/PA E-mail: davidnor@amazon.com.br

35

2011 Nov-Dec;16(6):33-5


Artigo Online*

Avaliação in vitro da força liberada por elásticos em cadeia Andréa Fonseca Jardim da Motta**, Adriana de Alcantara Cury-Saramago**, Lincoln Issamu Nojima***

Resumo Objetivo: avaliar in vitro e comparar a redução de intensidade das forças liberadas por três grupos de elásticos em cadeia, com diferentes configurações, de um mesmo fabricante, medidas em intervalos de tempo preestabelecidos. Métodos: os segmentos de elásticos em cadeia foram alongados e mantidos ativados durante o experimento com o auxílio de um dispositivo desenvolvido especialmente para esse fim e para possibilitar a leitura das forças. A avaliação da degradação da força foi realizada medindo-se a intensidade da força ao longo do tempo, e calculando-se o percentual de força perdida em relação à força inicial, em cada intervalo de tempo e para cada amostra testada. Resultados e Conclusões: os dados coletados foram submetidos a análises estatísticas e os resultados demonstraram que, nos momentos seguintes ao inicial, a intensidade da força variou, dentro dos grupos e entre os grupos, nos diferentes momentos. A leitura dos valores das forças remanescentes em cada momento, comparada à referência da força inicial, resultou em valores diferentes, com significância estatística, em todas as comparações efetuadas dentro de cada grupo de elásticos (curto, médio, longo). Após a análise dos resultados das comparações entre os grupos de elásticos em cadeia, conclui-se que, apesar de verificados alguns resultados estatisticamente significativos para a comparação das magnitudes das forças liberadas em cada momento, essas diferenças parecem não ter expressão clínica, demonstrando que, aparentemente, o espaçamento entre os elos não representa uma característica clinicamente significativa na degradação da força ao longo do tempo. Palavras-chave: Aparelhos ortodônticos. Materiais dentários. Elastômeros.

Resumo do editor A utilização dos elásticos em cadeia na Ortodontia data dos idos de 1960 e cresce com o passar do tempo devido às muitas vantagens que apresentam, como: economia, conforto, facilidade em sua inserção e remoção, além de não requererem cooperação do paciente. Apesar dessas vantagens, os elásticos em cadeia apresentam como desvantagem a incapacidade de manter, ao longo do tempo, a intensidade de força contínua. Suas propriedades

mecânicas modificam-se com o tempo, pois sofrem alteração em função da quantidade de distensão a que são submetidos, absorvem água e saliva, sofrem deformação permanente e, ainda, são sensíveis ao pH salivar e à variação de temperatura no meio bucal. A dimensão das cadeias elásticas, assim como a sua configuração, descritas como curta, média ou longa, também parecem influenciar em seu comportamento. Dessa forma, a proposta dos autores do presente trabalho foi avaliar in vitro e comparar

Como citar este artigo: Motta AFJ, Cury-Saramago AA, Nojima LI. Avaliação in vitro da força liberada por elásticos em cadeia. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):36-7.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* Acesse www.dentalpress.com.br/revistas para ler o artigo na íntegra. ** Doutora em Ortodontia pela UFRJ. Professora Adjunta da Universidade Federal Fluminense. *** Professor Adjunto de Ortodontia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Dental Press J Orthod

36

2011 Nov-Dec;16(6):36-7


Motta AFJ, Cury-Saramago AA, Nojima LI

a redução da força inicialmente liberada por três grupos de elásticos em cadeia, com diferentes espaçamentos entre os elos. Para a realização dessa pesquisa, foram selecionados elásticos em cadeia da cor cinza, marca Morelli, com três diferentes espaçamentos entre os elos: curto, médio e longo (n=20). No intuito de simular a situação clínica, confeccionou-se um dispositivo com uma base fixa e outra móvel, com ganchos nas extremidades, que serviu para manter os elásticos ativados durante o experimento e permitir a leitura da magnitude das forças liberadas. Os segmentos de elástico em cadeia foram colocados no dispositivo e alongados buscando-se uma liberação de força inicial com magnitude aproximada de 200gf. Foram realizadas mensurações nos seguintes intervalos de tempo: inicial; 1h; 24h; 1, 2, 3 e 4 semanas.

Os resultados obtidos demonstraram que, nos períodos inicial, 1h e 24h, os elásticos com espaçamento curto apresentaram valores estatisticamente maiores que os grupos médio e longo (p<0,05). Os grupos médio e longo, por sua vez, não apresentaram diferenças entre si (p>0,05). Não houve diferenças estatisticamente significativas entre os grupos de elásticos quanto à força remanescente, na primeira e segunda semanas após o início do processo (p>0,05). Na terceira semana, os elásticos curtos apresentaram valores estatisticamente menores que os demais. Na quarta semana, todos os grupos foram diferentes entre si, com o grupo longo apresentando maiores médias, seguido dos grupos curto e médio. Concluiu-se que o espaçamento entre os elos não parece representar uma característica clinicamente significativa na degradação da força ao longo do tempo.

Questões aos autores

longo, os elásticos ortodônticos ainda são objeto de pesquisas com resultados algumas vezes divergentes. A contínua realização de trabalhos clínicos e laboratoriais, com metodologias bem delineadas e abordagens que incluam biocompatibilidade, características cromáticas e morfológicas, além das propriedades mecânicas do material, é fundamental para a evolução tecnológica dos elásticos ortodônticos.

1) De acordo com a afirmação dos autores de que a força dissipada inicialmente nos elásticos testados é de aproximadamente 20%, questiona-se: seria clinicamente aceitável adicionar 20% a mais de força no momento da instalação dos elásticos em cadeia? A aplicação de forças superiores à considerada ótima para uma determinada movimentação ortodôntica parece não influenciar significativamente no resultado clínico final do movimento dentário esperado. Além disso, a força de maior intensidade poderia causar complicações, como o desconforto ao paciente e a reabsorção óssea solapante. Outra questão a ser discutida envolve a observação de que forças maiores levam a perdas também maiores nas primeiras 24 horas. Assim, não se justificaria o acréscimo de força além da indicada como força ótima em Ortodontia.

3) As cadeias elásticas nacionais e importadas apresentam eficiência semelhante? A eficiência do material em questão independe da nacionalidade. Existem vários fatores que influenciam nas propriedades mecânicas dos elásticos, como a composição do material, o fabricante e métodos de esterilização. Além disso, existem também variáveis ambientais, como saliva, dieta, temperatura e pH, capazes de influenciar na eficiência clínica das cadeias elásticas. Enviado em: 22 de agosto de 2008 Revisado e aceito: 26 de novembro de 2008

2) Os autores vislumbram evoluções tecnológicas na área de materiais dentários, para os elásticos ortodônticos? Apesar de utilizados há um tempo relativamente

Dental Press J Orthod

Endereço para correspondência Andréa Fonseca Jardim da Motta (Ortodontia/UFF) Rua Mario Santos Braga, nº 30, 2º andar, Campus Valonguinho CEP: 24.020-140 – Centro, Niterói/RJ E-mail: afjmotta@gmail.com

37

2011 Nov-Dec;16(6):36-7


Artigo Online*

Estudo cefalométrico prospectivo dos efeitos da terapia de tração reversa da maxila associada à mecânica intermaxilar Juliana de Oliveira da Luz Fontes**, Guilherme Thiesen***

Resumo Objetivo: o diagnóstico e o tratamento precoce do Padrão III são temas ainda muito discutidos

na literatura ortodôntica. A tração reversa associada à expansão rápida da maxila constitui a abordagem mais popular e estudada, produzindo os melhores resultados no menor período de tempo. O foco deste estudo foi avaliar as mudanças gradativas ocorridas no complexo dentofacial em crianças com Padrão III de crescimento tratadas com tração reversa da maxila associada à mecânica intermaxilar. Métodos: a amostra foi constituída por 10 pacientes Padrão III, com média de idade de 8 anos e 2 meses ao início do tratamento, tratados consecutivamente com aparelho expansor de Haas modificado, arco lingual modificado, elásticos intermaxilares e máscara de Petit para tração reversa da maxila por 9 meses. Foram realizadas 4 telerradiografias em norma lateral de cada paciente, uma correspondente ao início do tratamento e as demais em intervalos regulares de 3 meses (T1, T2, T3 e T4). As grandezas cefalométricas foram comparadas entre os tempos através de Análise de Variância de Medidas Repetidas, complementada pelo Teste de Comparações Múltiplas de Tukey. Resultados: pôde-se observar que as alterações esqueléticas mais significativas ocorreram nos primeiros 3 meses de tratamento, sendo que, após esse período, elas se mantiveram constantes até o final do tratamento. Ocorreram poucas compensações dentárias e as alterações verticais ocorridas apresentaram significado clínico reduzido. Conclusão: a terapia empregada obteve não só uma correção do trespasse horizontal entre as arcadas, mas também uma melhora no relacionamento sagital entre as bases ósseas e na estética tegumentar. Palavras-chave: Prognatismo. Técnica de expansão palatina. Aparelhos de tração extrabucal. Má oclusão.

Resumo do editor Apesar da baixa prevalência da má oclusão de Classe III quando comparada às demais más oclusões, suas marcantes características faciais conduzem à necessidade de abordagens terapêuticas

precoces. O tratamento dessa má oclusão representa um dos principais desafios para o ortodontista na sua prática clínica, devido ao seu complexo controle e dificuldade de predição do padrão morfogenético de crescimento do paciente até a fase adulta.

Como citar este artigo: Fontes JOL, Thiesen G. Estudo cefalométrico prospectivo dos efeitos da terapia de tração reversa da maxila associada à mecânica intermaxilar. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):38-40.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* Acesse www.dentalpress.com.br/revistas para ler o artigo na íntegra. ** Especialista em Ortodontia pela UNISUL. *** Mestre em Ortodontia e Ortopedia Facial PUC/RS. Professor de Ortodontia da UNISUL.

Dental Press J Orthod

38

2011 Nov-Dec;16(6):38-40


Fontes JOL, Thiesen G

Dentre as modalidades de tratamento precoce da má oclusão de Classe III, a tração reversa da maxila constitui o protocolo mais difundido e estudado na literatura ortodôntica. A proposta dos autores do presente trabalho foi avaliar o efeito da tração reversa da maxila associada ao uso de mecânica intermaxilar mediante elásticos sagitais de Classe III. Para isso, realizou-se um estudo cefalométrico com uma amostra de 10 pacientes, sendo 6 do sexo feminino e 4 do sexo masculino, tratados consecutivamente com o aparelho expansor de Haas modificado, seguido do uso da máscara facial de Petit para tração reversa da maxila por um período de 9 meses. Ao uso da máscara foram associados elásticos com orientação de Classe III ancorados no aparelho expansor e em um arco lingual de Nance modificado (Fig. 1). As alterações dentárias, esqueléticas e tegumentares foram avaliadas por meio de

telerradiografias em norma lateral obtidas em quatro tempos distintos: T1, início do tratamento, antes da instalação dos aparelhos; T2, após 3 meses de tratamento; T3, após 6 meses de tratamento; e T4, após 9 meses de tratamento, imediatamente antes da remoção dos aparelhos. Após a coleta dos dados, realizou-se a aplicação de testes estatísticos. Os resultados demonstraram que as alterações esqueléticas mais significativas ocorreram nos primeiros 3 meses de tratamento, sendo que, após esse período, elas se mantiveram constantes até o final do tratamento. Ocorreram poucas compensações dentárias e as alterações verticais ocorridas apresentaram significado clínico reduzido. Dessa forma, os autores concluem que a terapia empregada obteve não só uma correção do trespasse horizontal, mas também uma melhora no relacionamento sagital entre as bases ósseas e na estética facial.

Figura 1 - Dispositivos ortodônticos utilizados no presente trabalho.

Questões aos autores aumenta-se o deslocamento anterior da maxila. Assim, buscamos, em pacientes em crescimento, tentar potencializar esse efeito ortopédico sem a necessidade de recursos de ancoragem esquelética ou anquilose de caninos decíduos. Usamos para isso um arco lingual reforçado com ganchos por vestibular, além de ganchos na distal do disjuntor de Haas, para utilização de elásticos com orientação de Classe III, que aplicavam de 200 a 350 gramas, 24 horas por dia. Entretanto, pela comparação dos nossos achados com os resultados descritos na

1) Quais foram os ganhos reais ao adicionar os elásticos com orientação de Classe III à terapêutica com máscara facial? Nossa ideia era avaliar os efeitos de forças intermaxilares incorporadas à terapia de protração maxilar por meio da ERM e máscara facial de Petit, visto que alguns autores relataram na literatura o uso de dispositivos intermaxilares visando potencializar os efeitos esqueléticos da tração reversa da maxila1-4. Tais autores alegam que, ao aumentar a força aplicada na protração maxilar,

Dental Press J Orthod

39

2011 Nov-Dec;16(6):38-40


Estudo cefalométrico prospectivo dos efeitos da terapia de tração reversa da maxila associada à mecânica intermaxilar

literatura, observa-se que essa terapia empregada não conseguiu aumentar drasticamente o efeito ortopédico almejado no tratamento interceptativo do Padrão III. Entretanto, em alguns pacientes bastante colaboradores, essa potencialização dos efeitos esqueléticos foi obtida5. Isso comprova que a colaboração do paciente é essencial para a obtenção de bons resultados com a protração maxilar6 e que o uso de maiores níveis de força para esses pacientes pode ser bastante benéfico.

no presente trabalho, não maximiza a participação dentoalveolar no tratamento; porém, também não foi possível potencializar significativamente os efeitos esqueléticos da terapia. Entretanto, nosso maior achado foi constatar que, dentre os efeitos gradativos ocorridos durante o tratamento, praticamente todas as alterações esqueléticas significativas ocorreram nos primeiros 3 meses de tratamento — sendo que, após esse período, elas se mantiveram praticamente constantes até o seu término.

2) A utilização dos elásticos intermaxilares não poderia potencializar o efeito ortodôntico dessa terapia? Essa era uma de nossas indagações iniciais quando planejamos essa pesquisa, além, é claro, de avaliar os efeitos dentários e esqueléticos induzidos pela terapia de protração maxilar ao longo desse tratamento (com avaliações cefalométricas de 3 em 3 meses). Assim, os resultados apresentados deixam claro que o emprego concomitante da máscara facial e terapia intermaxilar, conforme proposto

3) Vocês pretendem continuar com essa linha de pesquisa? Quais os trabalhos futuros? Sim, nossa intenção é continuar estudando formas de tratamento para o Padrão III em crescimento. Infelizmente, como não possuímos grupo controle longitudinal de pacientes Padrão III, temos a intenção de aumentar a amostra apresentada, além de compará-la com outros diferentes métodos de protração maxilar, como o uso de máscara facial isolada, mentoneira com ganchos (Skyhook), dentre outros.

Referências 1.

Ferro A, Nucci LP, Ferro F, Gallo C. Long-term stability of skeletal Class III patients treated with splints, Class III elastics, and chincup. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2003 Apr;123(4):423-34. 2. Haas AJ. Palatal expansion: just the beginning of dentofacial orthopedics. Am J Orthod. 1970;57(3):219-55. 3. Haas AJ. JCO interviews. J Clin Orthod. 1973;7(4):227-45. 4. Liou EJ, Tsai WC. A new protocol for maxillary protraction in cleft patients: repetitive weekly protocol of alternate rapid maxillary expansions and constrictions. Cleft Palate Craniofac J. 2005;42(2):121-7.

5.

6.

Thiesen G, Fontes JOL, Zastrow MD, Lima MH, Nuernberg N. Tração reversa da maxila associada à mecânica intermaxilar no tratamento precoce do Padrão III: relato de caso. Rev Clín Ortod Dental Press. 2009;8(4):84-92. Vieira GL, Menezes LM, Lima EM, Rizzatto S. Dentoskeletal effects of maxillary protraction in cleft patients with repetitive weekly protocol of alternate rapid maxillary expansions and constrictions. Cleft Palate Craniofac J. 2009;46(4):391-8.

Enviado em: 18 de outubro de 2008 Revisado e aceito: 14 de maio de 2009

Endereço para correspondência Juliana de Oliveira da Luz Fontes Rua Hermínio Millis, 66 – Bom Abrigo CEP: 88.085-320 – Florianópolis/SC E-mail: juliana.fontes@gmail.com

Dental Press J Orthod

40

2011 Nov-Dec;16(6):38-40


Original Article

Cephalometric study of tooth position in young Afro-Caucasian Brazilian individuals with normal occlusion Eduardo Jacomino Franco*, Arnaldo Pinzan**, Guilherme Janson***, José Fernando Castanha Henriques****, Célia Regina Maio Pinzan-Vercelino*****

Abstract Objective: the purpose of this study was to achieve a specific cephalometric pattern for young

Afro-Caucasian Brazilian individuals and verify the presence of dimorphism between genders. Methods: the sample was composed of 40 lateral cephalograms of young Afro-Caucasian Brazilian individuals (mulattos), 20 males (mean age 13.25 years) and 20 females (mean age 13.10 years), with normal occlusion and no previous orthodontic treatment. The cephalometric variables were determined according to the analyses of DOWNS, STEINER, RIEDEL, TWEED, McNAMARA, RICKETTS and INTERLANDI. Independent t test was applied to compare the variables between genders. Results: the maxillary and mandibular incisors were protruded and buccally tipped. There was no statistically significant difference between genders in all variables. Conclusions: it was observed that young Afro-Caucasian individuals without skeletal alterations and normal occlusion showed specific tooth position and facial features in relation to the other Brazilian ethnic groups. Keywords: Ethnic groups. Cephalometrics. Incisors.

Como citar este artigo: Franco EJ, Pinzan A, Janson G, Henriques JFC, Pinzan-Vercelino CRM. Cephalometric study of tooth position in young Afro-Caucasian Brazilian individuals with normal occlusion

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* MSc and Specialist in Orthodontics by FOB-USP. Professor of the Specialization in Orthodontics, Rio de Janeiro and Brasilia. ** Associate Professor of Orthodontics at Bauru Dental School - USP. *** Head Professor of Orthodontics at Bauru Dental School, University of São Paulo. Coordinator of the Post Graduation Course in Orthodontics (Msc degree) at FOB-USP. **** Head Professor of Orthodontics at Bauru Dental School, University of São Paulo. Coordinator of the Post Graduation Course in Orthodontics (PhD degree) and Specialization at FOB-USP. ***** Ph.D. in Orthodontics, FOB/USP. Assistant Professor, Masters Program in Dentistry (Area of Concentration: Orthodontics), UNICEUMA (São Luís, MA).

Dental Press J Orthod

41

2011 Nov-Dec;16(6):41-51


Cephalometric study of tooth position in young Afro-Caucasian Brazilian individuals with normal occlusion

groups showed in the literature, indicating the need for a specific or differentiated analysis for diagnosis and orthodontic treatment planning; » there was no dimorphism between genders; » Further studies should be conducted in Afro-Caucasian individuals with skeletal discrepancy (Pattern II, Pattern III, short face and long face).

CONCLUSIONS The results showed the mean values of dental cephalometric variables in young AfroCaucasian Brazilian individuals (Pattern I) with “normal occlusion”, which leads to the following conclusions: » the distinct characteristic observed in cephalometric patterns of Afro-Caucasian individuals differs from values of other ethnic

ReferEncEs 1. ALCALDE, R.E. et al. Cephalometric norms in Japanese adults. J Oral Maxillofac Surg, Philadelphia, v. 56, n. 2, p. 129-34, Feb. 1998. 2. ALEXANDER, T.L.; HITCOCK, H.P. Cephalometric standards for American negro children. Am J Orthod, St. Louis, v. 74, n. 3, p. 298-304, 1978. 3. ALTEMUS, L.A. Cephalofacial relationships. Angle Orthod, Appleton, v. 38, n. 3, p. 175-84, Jul. 1968. 4. ALTEMUS, L.A. A comparison of cephalofacial relationships. Angle Orthod, Appleton, v. 30, n. 4, p. 223-40, 1960. 5. AVILA, J.B. Antropologia Física. Rio de Janeiro: Agir, 1958. 6. AZEVEDO, T. Cultura e situação racial no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966. 7. BACON, W.; GIRARDIN, P.; TURLOT, J.C. A comparison of cephalometric norms for the African Bantu and a Caucasoid population. Eur J Orthod, London, v. 5, n. 3, p. 233-40, 1983. 8. BERTOZ, F.A. Determinação da linha “I” em melanodermas brasileiros, masculinos de 12 a 17 anos, com oclusão normal. Bauru, 1981. 55p. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo. 9. BJORK, A. Some biological aspects of prognathism and occlusion of the teeth. Acta Odont Scand, Stockolm, v. 9, n. 1, p. 1-40, 1950. 10. BRIEDENHANN, S.J.; ROOS, E.C. A cephalometric appraisal of the Herero-speaking negro male. J Dent Assoc S Afr, Cape Town, v. 43, n. 11, p. 569-75, 1988. 11. BROADBENT, B.H. A new X-ray technique and its application to orthodontia. Angle Orthod, Appleton, v. 1, n. 2, p. 45-66, 1931. 12. CAPELOZZA, L.F. Diagnóstico em Ortodontia. Maringá: Dental Press, 2004. 13. COBEN, S.E. The integration of facial skeletal variants. Am J Orthod, St. Loius, v. 41, n. 6, p. 407-34, 1955. 14. CONNOR, A.M.; MOSHIRI, F. Orthognathic surgery norms for American black patients. Am J Orthod, St. Louis, v. 87, n. 2, p. 119-34, Feb. 1985. 15. COOKE, M.S.; WEI, S.H. A comparative study of southern Chinese and British Caucasian cephalometric standards. Angle Orthod, Appleton, v. 59, n. 2, p. 131-8, Summer. 1989. 16. COTTON, W.N.; TAKANO, W.S.; WONG, W.M. The Downs analysis applied to three other ethnic groups. Angle Orthod, Appleton, v. 21, n. 4, p. 213-20, Oct. 1951. 17. DAHLBERG, G. Statistical methods for medical and biological students. New York: Interscience, 1940. 18. DANDAGENA, T.C.; NANDA, R.S. Bialveolar protrusion in a zimbabwean sample. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v. 123, n. 2, p. 133-137, 2003.

Dental Press J Orthod

19. DOWNS, W.B. Analysis of the dentofacial profile. Angle Orthod, Appleton, v. 26, n. 4, p. 191-212, Oct. 1956. 20. DRUMMOND, R.A. A determination of cephalometric norms for the Negro race. Am J Orthod, St. Louis, v. 54, n. 9, p. 670-82, Sep. 1968. 21. ENLOW, D.H.; HANS, M.G. Essentials of facial growth. Philadelphia: W.B. Saunders, 1996. 22. FONSECA, R.J.; KLEIN, W.D. A cephalometric evaluation of American Negro women. Am J Orthod, St. Louis, v. 73, n. 2, p. 152-60, Feb. 1978. 23. GORMLEY, M.B.; CARLO, J.M.; REARDON, J.R. Cranioskeletal morphology for a segment of the black urban population using sella nasion as a cranial base line. Quintessence International, Chicago, v. 6, n. 3, p. 67-70, 1975. 24. HARRIS, J.E.; KOWALSKI, C.J.; WALKER, S.J. Distribuition of the mandibular incisor-mandibular plane angle in nubian schoolchildren. J. Dent.Res, Chicago, v. 54, n. 3, p. 699, may. 1975. 25. HOUSTON, W.J.B. The analysis of errors in orthodontic measurements. Am J Orthod, St. Louis, v. 83, n. 5, p. 38290, May. 1983. 26. HWANG, H.S.; KIM, W.S.; MCNAMARA, J.A., JR. Ethnic differences in the soft tissue profile of Korean and EuropeanAmerican adults with normal occlusions and well-balanced faces. Angle Orthod, Aplleton, v. 72, n. 1, p. 72-80, Feb. 2002. 27. INTERLANDI, S. Linha “I” na análise morfodiferencial para diagnóstico ortodôntico. Rev. Fac. Odont. Usp, Bauru, v. 9, n. 2, p. 289-310, jul./dez. 1971. 28. INTERLANDI, S. Orthodontia: Bases para a iniciação. São Paulo: Artes Médicas. Ed. da Univ. de São Paulo, 1977. 29. JACOBSON, A. The craniofacial skeletal pattern of the South African Negro. Am J Orthod, St. Louis, v. 73, n. 6, p. 681-91, Jun. 1978. 30. JACOBSON, A.; OOSTHUIZEN, L. The craniofacial skeletal pattern of the south african bantu. J. Dent. Ass. S. Afr., Cape Town, v. 25, n. 10, p. 361-5, 1970. 31. KOWALSKI, C.J.; NASJLETI, C.E.; WALKER, G.F. Differencial diagnosis of adult male black and white population. Angle Orthod, Aplleton, v. 44, n. 4, p. 346-350, 1974. 32. MARGOLIS, H.I. The axial inclination of the mandibular incisors. Am J Orthod, St. Louis, v. 29, n. 10, p. 571-94, 1943. 33. MARTINS, D.R. Estudo comparativo dos valores cefalométricos das análises de Downs, Tweed, Steiner e Alabama, com os adolescentes brasileiros, leucodermas, de origem mediterrânea. Bauru, 1979. 141p. Tese

50

2011 Nov-Dec;16(6):41-51


Franco EJ, Pinzan A, Janson G, Henriques JFC, Pinzan-Vercelino CRM

34. 35. 36.

37. 38.

39.

40.

41.

42.

43.

44. STEINER, C.C. Cephalometrics for you and me. Am J Orthod, St. Louis, v. 39, n. 10, p. 729-55, 1953. 45. TAKAHASHI, R. Determinação cefalométrica das alturas faciais anterior e posterior, em jovens brasileiros, descendentes de xandodermas e leucodermas, com oclusão normal. Bauru, 2002. 182p. Tese (Doutorado) - Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo. 46. TAKAHASHI, R. Padrão cefalométrico FOB-USP para jovens nipo-brasileiros com oclusão normal. Bauru, 1998. 130p. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo. 47. TWEED, C.H. The Francfort mandibular plane angle in orthodontic diagnosis, classification, treatment planning and prognosis. Am J Orthod, St. Louis, v. 32, n. 4, p. 175-221, 1946. 48. TWEED, C.H. Frankfort Mandibular Incisor Angle (FMIA) in diagnosis treatment planning and prognosis. Angle Orthod, Aplleton, v. 24, n. 3, p. 121-169, jul. 1954. 49. TWEED, C.H. Indications for the extraction of teeth in orthodontic procedure. Am J Orthod, St. Louis, v. 30, n. 8, p. 405-28, 1944. 50. TWEED, C.H. A philosophy of orthodontic treatment. Am J Orthod, St. Louis, v. 31, n. 2, p. 74-103, Feb. 1945. 51. UCHIYAMA, L.M.A.F. Estudo cefalométrico das alturas faciais anterior e posterior, em jovens brasileiros melanodermas, com “oclusão normal”. Bauru, 2005Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Odontologia de Bauru. Universidade de São Paulo. 52. VAN DER LINDEN, F.P.G.M. Crescimento e Ortopedia Facial. São Paulo: Quintessence, 1990. 53. VARGAS, J.N. et al. Avaliação Comparativa entre a Linha Sela-Násio e o Plano Horizontal de Francfort como Parâmetros para o Diagnóstico das Posições Ânteroposterior e Vertical das Bases Ósseas, em Jovens Brasileiros Leucodermas com Más Oclusões de Classe I e II de Angle*. Rev Dent Press Ortod Ortop Facial, Maringá, v. 4, n. 2, p. 13-22, 1999.

(Livre Docência) - Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo. MARTINS, D.R. et al. Atlas de crescimento craniofacial. São Paulo: Ed. Santos, 1998. MCNAMARA, J.A., JR. A method of cephalometric evaluation. Am J Orthod, St. Louis, v. 86, n. 6, p. 449-69, Dec. 1984. MEDEIROS, M.A.Q.B. Estudo cefalométrico do padrão dentário de jovens brasileiros melanodermas do sexo feminino com “oclusão normal”. Ortodontia, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 18-33, Abr. 1988. MONTAGU, A. Introdução à antropologia física. São Paulo: Cultrix, 1969. MORAES, C.; FREITAS, M.R.; HENRIQUES, J.F.C. Cefalometria - Determinação do padrão esquelético das adolescentes melanodermas brasileiras, com “oclusão normal”. Ortodontia, São Paulo, v. 22, n. 4, p. 4-14, 1988. OKUYAMA, C.C. Preferência do perfil tegumentar em jovens melanodermas, leucodermas e xantodermas de ambos os sexos, avaliados por ortodontistas, leigos e artistas plásticos. Bauru, 1995. 94p. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo. OLIVEIRA, J.N. Estudo longitudinal e comparativo da variação do pogônio com os incisivos inferiores, em relação à linha NB, em adolescentes brasileiros, leucodermas, de 12 aos 18 anos de idade, com “oclusão normal”. Bauru, 1977Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo. PINZAN, A. “Upgrade” nos conceitos da interpretação das medidas cefalométricas. In: Nova visão em ortodontia, ortopedia funcional dos maxilares. 1 ed. São Paulo: Santos, 2006. RADDI, I.M.G.; HENRIQUES, J.F.C.; MARTINS, D.R. Determinação da linha “I” em xantodermas nipo-brasileiros, dos 12 anos aos 18 anos e 6 meses, com “oclusão normal”. Ortodontia, São Paulo, v. 22, n. 3, p. 24-32, set./dez. 1989. RICKETTS, R.M.A. A foundation for cephalometric communication. Am J Orthod, St. Louis, v. 46, n. 5, p. 330357, 1960.

Enviado em: xxxx Revisado e aceito: xxxx

Contact address Eduardo Jacomino Franco Av. Araucárias- Lote 1835-qualis Odontologia- Sala 412 CEP: 71.936-250 - Brasília-DF E-mail: orthofranco@yahoo.com.br

Dental Press J Orthod

51

2011 Nov-Dec;16(6):41-51


Artigo Inédito

Avaliação cefalométrica dos resultados do aparelho de protração mandibular (APM) associado ao aparelho fixo em relação às estruturas dentoalveolares e tegumentares em pacientes portadores de má oclusão de Classe II, 1ª divisão Alexandre Magno de Negreiros Diógenes*, Rildo Medeiros Matoso**, Emmanuelle Medeiros de Araújo***, Kenio Costa Lima****, Raniere Luiz dos Santos Sousa*****

Resumo Objetivo: avaliar cefalometricamente as alterações tegumentares e dentoalveolares em jovens brasileiros portadores de má oclusão de Classe II, 1ª divisão, tratados com APM associado à Ortodontia corretiva fixa. Métodos: a amostra consistiu-se de 28 pacientes (16 do sexo feminino e 12 do sexo masculino), com idade média de 13,06 anos, tratados por um período médio de 14,43 meses. As alterações foram medidas em 56 cefalogramas específicos, obtidos das telerradiografias laterais feitas antes e após o tratamento, por dois examinadores calibrados para identificar as alterações tegumentares e dentoalveolares, utilizando-se grandezas cefalométricas lineares e angulares. As variáveis independentes (sexo, idade, padrão facial, tipo de APM, arco, técnica e tempo de tratamento) foram consideradas e analisadas com as grandezas cefalométricas lineares e angulares. As respostas ao tratamento foram analisadas e comparadas pelos testes Wilcoxon Signed Ranks e Mann-Whitney para um nível de significância de 5%. Resultados: os resultados mostraram mudanças dentoalveolares de grande magnitude, provocando, assim, mudanças favoráveis no tecido mole. Observou-se, ainda, que as variáveis idade, tipo de APM e técnica utilizada influenciaram no tratamento. Conclusões: o APM mostrou-se uma alternativa eficaz para o tratamento da má oclusão de Classe II, 1ª divisão, propiciando alterações dentoalveolares e tegumentares com resultados clínicos satisfatórios. Palavras-chave: Cefalometria. Aparelho de Protração Mandibular. Má oclusão de Classe II, 1ª divisão. Alterações dentoalveolares e tegumentares.

Como citar este artigo: Diógenes AMN, Matoso RM, Araújo EM, Lima KC, Sousa RLS. Avaliação cefalométrica dos resultados do aparelho de protração mandibular (APM) associado ao aparelho fixo em relação às estruturas dentoalveolares e tegumentares em pacientes portadores de má oclusão de Classe II, 1ª divisão. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):52-62.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros, que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* Especialista em Ortodontia pela ABO-EAP/RN. ** Mestre em Ortodontia pela USP. Professor e Coordenador da Disciplina de Ortodontia do Departamento de Odontologia da UFRN. Professor do Curso de Especialização em Ortodontia da ABO-EAP/RN. *** Especialista em Ortodontia pela ABO-EAP/RN. **** Doutor em Ciências (Microbiologia Médica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e do Programa de Pós-Graduação em Odontologia da UFRN. ***** Especialista em Ortodontia pela ABO-EAP/RN.

Dental Press J Orthod

52

2011 Nov-Dec;16(6):52-62


Diógenes AMN, Matoso RM, Araújo EM, Lima KC, Sousa RLS

po com uso dos APMs 3 e 4, devido à sua maior efetividade. 3. Técnica: verificou-se maior inclinação vestibular dos incisivos inferiores e maior extrusão nos molares superiores no grupo que utilizou braquetes da técnica Edgewise.

As variáveis independentes estudadas que apresentaram-se estatisticamente significativas foram: 1. Idade: houve maior inclinação dos incisivos inferiores no grupo com idade menor que 13,06 anos. 2. Tipo de APM: constatou-se menor extrusão de incisivos e molares superiores no gru-

Cephalometric evaluation of the effects of the joint use of a mandibular protraction appliance (MPA) and a fixed orthodontic appliance on the dentoalveolar and soft tissue structures of patients with Angle Class II, division 1 malocclusion Abstract Objective: To evaluate soft tissues and dentoalveolar cephalometric alterations in Brazilian individuals with Class II, division 1 malocclusion treated with the mandibular protraction appliance (MPA) associated with fixed orthodontic appliance. Methods: The sample consisted of 28 patients (16 females and 12 males), with mean age of 13.06 years and mean treatment time of 14.43 months. The alterations were measured through 56 lateral cephalometric radiographs obtained at the beginning and at the end of the treatment and evaluated by two examiners trained to identify the dentoalveolar and soft tissues changes assessed by linear and angular cephalometric measurements. The independents variables (gender, age, facial pattern, MPA version, archwire, technique, usage time) were considered and analyzed with the linear and angular cephalometric measurements. The responses of the treatment were analyzed and compared using the Wilcoxon Signed Ranks and Mann-Whitney tests with a 5% level of significance. Results: Significant dentoalveolar changes occurred, resulting in an improvement in the soft tissue. In addition, it was observed that age, MPA model and used technique influenced on the treatment. Conclusions: The MPA was effective for Class II, division 1 treatment presenting changes in the dentoalveolar and soft tissue structures with satisfactory clinical results. Keywords: Cephalometrics. Mandibular Protraction Appliance. Class II, division 1. Dentoalveolar and soft tissues changes.

Referências 1. Almeida-Pedrin RR, Pinzan A, Almeida RR, Almeida MR, Henriques JFC. Efeitos do AEB conjugado e do Bionator no tratamento da Classe II, 1ª divisão. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2005;10(5):37-54. 2. Björk A. Facial growth in man, studied with the aid of metallic implants. Acta Odontol Scand. 1955;13(1):9-34. 3. Coelho Filho CM. Mandibular protraction appliance for Class II treatment. J Clin Orthod. 1995;29(5):319-36. 4. Coelho Filho CM. Clinical application of the Mandibular Protraction Appliance. J Clin Orthod. 1997;31(2):92-102. 5. Coelho Filho CM. Emprego do aparelho de protração mandibular no tratamento das maloclusões das Classes I e II. 9º Livro Anual do Grupo Brasileiro de Professores de

Dental Press J Orthod

6. 7. 8. 9.

61

Ortodontia e Odontopediatria. São Paulo; GBPOO; 1997. p. 122-9. Coelho Filho CM. The Mandibular Protraction Appliance n. 3. J Clin Orthod. 1998;32(6):379-84. Coelho Filho CM. Emprego clínico do aparelho de projeção de mandíbula. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 1998;3(5):69-130. Coelho Filho CM. Crônica de uma vida na Ortodontia. In: Feres MAL, Teodoro L. Ortodontia: algumas histórias de sucesso. 1ª ed. Curitiba: Editek; 1999. p. 23-30. Coelho Filho CM. O aparelho de Protração Mandibular. In: Baptista JM. E-book de Ortopedia Facial e Ortodontia. 1ª ed. Curitiba: Editek; 2000.

2011 Nov-Dec;16(6):52-62


Avaliação cefalométrica dos resultados do aparelho de protração mandibular (APM) associado ao aparelho fixo em relação às estruturas dentoalveolares e tegumentares em pacientes portadores de má oclusão de Classe II, 1ª divisão

20. Pancherz H. The effects, limitations and long-term dentofacial adaptations to treatment with the Herbst appliance. Semin Orthod. 1997;3(4):232-43. 21. Pancherz H, Ruf S, Kohlhas P. Effective condylar growth and chin position changes in Herbst treatment: a cephalometric long-term study. Am J Orthod. 1998;114(4):437-46. 22. Ricketts RM. Bioprogressive therapy. Denver: Rocky Mountain Orthodontics; 1979. 23. Rothstein TL. Facial morphology and growth from 10 to 14 years of age in children presenting Class II, division 1 malocclusion: a comparative roentgenographic cephalometric study. Am J Orthod. 1971;60(6):619-20. 24. Siqueira DF. Estudo comparativo, por meio de análise cefalométrica em norma lateral, dos efeitos dentoesqueléticos e tegumentares produzidos pelo aparelho extrabucal cervical e pelo aparelho de protração mandibular, associados ao aparelho fixo, no tratamento da Classe II, 1ª divisão de Angle [tese]. Bauru (SP): Universidade de São Paulo; 2004. 25. Tweed CH. Clinical orthodontics. St. Louis: CV Mosby; 1966. 2v. 26. Vale DMV. Avaliação cefalométrica das estruturas dentoesqueléticas em jovens portadores de Classe II, divisão 1, brasileiros, leucodermas e de origem mediterrânea [dissertação]. Bauru (SP): Universidade de São Paulo; 1985. 27. White LW, Coelho Filho CM. Treating adults with the mandibular protaction appliance. 2003. [Cited 2004 Oct 20]. Available from: http://www.oc-j.com/jan03/MPA2.htm.

10. Coelho Filho CM. Mandibular Protraction Appliances IV. J Clin Orthod. 2001;35(1):18-24. 11. Coelho Filho CM. O Aparelho de Protração Mandibular IV. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2002;7(2):49-60. 12. Coelho Filho CM. O Aparelho de Protração Mandibular (APM) no tratamento de pacientes adultos. In: Sakai E, Martins NS, Fiúza SC, Barbosa RLL, Grimberg JC, Pereira CCB, et al. Nova visão em Ortodontia e Ortopedia Facial. 1ª ed. São Paulo: Ed. Santos; 2002. p. 457-63. 13. Coelho Filho CM. Entrevista com Carlos Martins Coelho Filho. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2003;2(5):5-11. 14. Enlow DH. Crescimento Facial. 3ª ed. São Paulo: Artes Médicas; 1993. 15. Konik M, Pancherz H, Hansen K. The mechanism of Class II correction in late Herbst treatment. Amer J Orthod. 1997;112(1):87-91. 16. Lai M. Molar distalization with the Herbst appliance. Semin Orthod 2000;6(5):119-28. 17. Manfredi C, Cimino R, Trani A, Pancherz H. Skeletal changes of Herbst appliance therapy investigated with more conventional cephalometrics and European norms. Angle Orthod. 2001;71(3):170-6. 18. Pancherz H. Treatment of Class II malocclusions by jumping the bite with the Herbst appliance: a cephalometric investigation. Am J Orthod. 1979;76(4):423-42. 19. Pancherz H. The Herbst appliance: its biologic effects and clinical use. Am J Orthod. 1985;87(1):1-20.

Enviado em: 26 de agosto de 2008 Revisado e aceito: 21 de abril de 2009

Endereço para correspondência Alexandre Magno de Negreiros Diógenes Rua Duodécimo Rosado, 322 – Nova Betânia CEP: 59.607-020 – Mossoró / RN E-mail: clinicaalexandrediogenes@bol.com.br

Dental Press J Orthod

62

2011 Nov-Dec;16(6):52-62


Artigo Inédito

Resistência ao cisalhamento da colagem dos compósitos Concise e Transbond XT com e sem agente de união Alexandre Maêda Neves*, Fábio Lourenço Romano**, Américo Bortolazzo Correr***

Resumo Objetivo: avaliar a resistência ao cisalhamento da colagem de braquetes e o Índice de Rema-

nescente de Adesivo (IRA) dos compósitos Concise e Transbond XT com ou sem agente de união. Métodos: a amostra consistiu de 60 incisivos bovinos divididos em 4 grupos (n=15). Em todos os corpos de prova foram realizados profilaxia com pedra-pomes e condicionamento do esmalte com ácido fosfórico a 37%. Nos Grupos 1 e 2, foram colados braquetes com o compósito Concise, respectivamente, com e sem aplicação da resina fluida. Nos Grupos 3 e 4, utilizou-se o Transbond XT, respectivamente, com e sem aplicação do XT Primer. Nesses dois últimos grupos, as colagens foram fotopolimerizadas por 40 segundos. O ensaio de resistência ao cisalhamento da amostra foi realizado em máquina Instron à velocidade de 0,5mm/min e, em seguida, foi avaliado o IRA. Resultados: com relação à resistência ao cisalhamento, o Grupo 4 foi estatisticamente superior aos Grupos 1 e 2 (p<0,05) e sem diferença estatística significativa em relação ao Grupo 3 (p>0,05). Não foram encontradas diferenças estatísticas significativas entre os Grupos 1, 2 e 3 (p>0,05). Como resultados do IRA, o Grupo 3 foi estatisticamente superior ao Grupo 2 (p<0,05), porém sem diferenças estatísticas significativas em relação ao Grupos 1 e 4 (p>0,05). Não foram encontradas diferenças estatísticas significativas entre os grupos 1, 2 e 4 (p>0,05). Conclusão: os compósitos Concise e Transbond XT obtiveram valores de resistência adesiva adequados com ou sem a utilização de seus respectivos agentes de união. Palavras-chave: Resistência ao cisalhamento. Colagem dentária. Ortodontia.

INTRODUÇÃO Inicialmente, para realização do tratamento ortodôntico eram utilizados acessórios soldados a bandas cimentadas em todos os dentes, o que exigia que fossem previamente separados.

Essa montagem do aparelho comprometia a estética do paciente, causava infiltrações e doenças gengivais, além de ser extremamente traumática e consumir muitas horas de cadeira1,2. Com o desenvolvimento da técnica do condicionamento ácido6,

Como citar este artigo: Neves AM, Romano FL, Correr AB. Resistência ao cisalhamento da colagem dos compósitos Concise e Transbond XT com e sem agente de união. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):63-8.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* Especialista em Ortodontia pela Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL/MG. ** Professor Doutor do Departamento de Clínica Infantil, Odontologia Preventiva e Social, área de Ortodontia da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. *** Doutor em Materiais Dentários pela Faculdade de Odontologia de Piracicaba da Universidade Estadual de Campinas.

Dental Press J Orthod

63

2011 Nov-Dec;16(6):63-8


Neves AM, Romano FL, Correr AB

Conclusão 1. Os compósitos Concise e Transbond XT obtiveram valores de resistência adesiva adequados com ou sem a utilização de seus respectivos agentes de união. 2. A ausência do agente de união não interferiu na adesão dos compósitos Concise e Transbond XT ao esmalte bovino. 3. Na avaliação do IRA, a maioria das fraturas ocorreu na interface braquete/compósito, restando material aderido ao esmalte após a descolagem.

É importante avaliar o IRA após o procedimento de descolagem para verificar a quantidade de compósito aderido ao esmalte, sendo ideal que todo o material utilizado na colagem permaneça aderido à superfície dentária (escore 33). Nos grupos desse experimento, a maioria das fraturas ocorreu na interface braquete/compósito, restando alguma quantidade de compósito no esmalte, com predominância do escore 33. Esses achados são comumente encontrados em trabalhos que utilizaram compósitos como material de fixação de acessórios14,20,23.

Shear bond strength of composites Concise and Transbond XT with and without bonding agent Abstract Objective: The aim of this study was to evaluate the shear bond strength of brackets and the Adhesive Remnant Index (ARI) of composites Concise and Transbond XT with and without the use of a bonding agents. Methods: The sample consisted of 60 bovine incisors divided into four groups (n=15). All teeth were subjected to prophylaxis with pumice and enamel etching with phosphoric acid at 37%. In Groups 1 and 2 brackets were bonded with Concise composite with and without application of enamel bond resin, respectively. In Groups 3 and 4, Transbond XT was used with and without XT Primer application, respectively. In these latter two groups bonding was light-cured for 40 seconds. Specimen shear strength testing was performed on an Instron machine at 0.5 mm/min, and ARI was subsequently evaluated. Results: Shear strength in Group 4 was statistically different from Groups 1 and 2 (p<0.05) but not from Group 3 (p>0.05). There were no significant differences between Groups 1, 2 and 3 (p> 0.05). ARI in Group 3 was statistically higher than in Group 2 (p<0.05), but not significantly different from Groups 1 and 4 (p>0.05). There were no significant differences between Groups 1, 2 and 4 (p>0.05). Conclusion: The composites Concise and Transbond XT showed adequate bond strength with or without the use of their respective bonding agents. Keywords: Shear strength. Dental bonding. Orthodontics.

Referências 1. Alexander JC, Viazis AD, Nakajima H. Bond strengths and fracture modes of three orthodontic adhesives. J Clin Orthod. 1993;27(4):207-9. 2. Artun J, Zachrisson B. Improving the handling properties of a composite resin for direct bonding. Am J Orthod. 1982;81(4):269-76. 3. Artun J, Bergland S. Clinical trials with crystal growth conditioning as an alternative to acid-etch enamel pretreatment. Am J Orthod. 1984;85(4):333-40. 4. Artun J. A post-treatment evaluation of multibonded ceramic brackets in orthodontics. Eur J Orthod. 1997;19(2):219-28. 5. Bengtson NG, Bengtson AL, Carvalho DS, Rossetto SM. Estudo comparativo da força adesiva de quatro materiais para colagem de braquetes. Rev Dental Press Ortod Ortop

Dental Press J Orthod

Facial. 2003;8(3):43-7. 6. Buonocore M. A simple method of increasing the adhesion of acrylic filling materials to enamel surfaces. J Dent Res. 1955;34(6):849-53. 7. Correr Sobrinho L, Consani S, Sinhoretti MAC, Correr GM, Consani RLX. Avaliação da resistência ao cisalhamento na colagem de bráquetes, utilizando diferentes materiais. Rev ABO Nac. 2001;9(3):157-62. 8. Dolci GS, Mazzocco KC, Loguercio AD, Osinaga PWR. Resistência de união entre bráquetes metálicos e esmalte: avaliação de diferentes materiais. Ortodon Gaúch. 2000;4(2):144-56. 9. Farquhar RB. Direct bonding comparing a polyacrylic acid and a phosphoric acid technique. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1986;90(3):187-94.

67

2011 Nov-Dec;16(6):63-8


Resistência ao cisalhamento da colagem dos compósitos Concise e Transbond XT com e sem agente de união

20. Pithon MM, Santos RL, Oliveira MV, Ruellas ACO. Estudo comparativo in vitro da resistência ao cisalhamento da colagem e do índice de remanescente resinoso entre os compósitos Concise e Fill Magic. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2006;11(4):76-80. 21. Prévost AP, Fuller JL, Peterson LC. The use of an intermediate resin in the acid-etch procedure: retentive strength, microleakage, and failure mode analysis. J Dent Res. 1982;61(2):412-8. 22. Reynolds IR. A review of direct orthodontic bonding. Br J Orthod. 1975;2(3):171-8. 23. Romano FL, Ruellas ACO. Estudo comparativo in vitro da resistência ao cisalhamento da colagem e do índice de remanescente resinoso entre os compósitos Concise e Superbond. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2003;8(1):69-75. 24. Rosa CB, Pinto RAC, Habib FAL. Colagem ortodôntica em esmalte com presença ou ausência de contaminação salivar: é necessário o uso de adesivo auto-condicionante ou de adesivo hidrofílico? Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2008;13(3):34-42. 25. Tavas MA, Watts DC. Bonding of orthodontic brackets by transillumination of a light activated composite: an in vitro study. Br J Orthod. 1979;6(4):207-8. 26. Tavas MA, Watts DC. A visible light-activated direct bonding material: an in vitro comparative study. Br J Orthod. 1984;11(1):33-7. 27. Vieira S, Leichsenring A, Casagrande FA, Vianna MS, Lima MH. Adesão em Ortodontia - Parte I. J Bras Ortodon Ortop Facial. 2002;7(40):344-50. 28. Wang WN, Meng CL. A study of bond strength between light- and self-cured orthodontic resin. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1992;101(4):350-4.

10. Flores AR, Sáez E G, Barceló F. Metallic bracket to enamel bonding with a photopolymerizable resin-reinforced glass ionomer. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1999;116(5):514-7. 11. Guan G, Asai Y, Matasa CG, Hattori T, Mitani S. Resistência da colagem em relação à interface esmalte-adesivo. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 1998;3(3):93-9. 12. Jassem HA, Retief DH, Jamison HC. Tensile and shear strengths of bonded and rebounded orthodontic attachments. Am J Orthod. 1981;79(6):661-8. 13. King L, Smith RT, Wendt SL Jr, Behrents RG. Bond strengths of lingual orthodontic brackets bonded with light-cured composite resins cured by transillumination. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1987;91(4):312-5. 14. Menezes LFS. Influência do agente de união e da viscosidade do compósito em colagens ortodônticas [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal do Rio de Janeiro; 1991. 15. Miura F, Nakagawa K, Masuhara E. New direct bonding system for plastic brackets. Am J Orthod. 1971;59(4):350-61. 16. Moin K, Dogon IL. Indirect bonding of orthodontic attachments. Am J Orthod. 1977;72(3):261-76. 17. Mondelli AL, Feitas MR. Estudo comparativo da resistência adesiva da interface resina/bráquete, sob esforços de cisalhamento, empregando três resinas compostas e três tipos de tratamento na base do bráquete. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2007;12(3):111-25. 18. Newman GV. Bonding plastic orthodontic attachments to tooth enamel. J New Jersey Dent Soc. 1964;35(4):346-58. 19. Pinzan CRM, Pinzan A, Francisconi PAS, Lauris JRP, Freitas MR. Estudo comparativo da resistência às forças de cisalhamento, de colagem de bráquetes ortodônticos, testando dois tempos diferentes de condicionamento ácido, com e sem homogeneização das pastas. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2001;6(6):45-9.

Enviado em: 18 de setembro de 2008 Revisado e aceito: 26 de abril de 2009

Endereço para correspondência Fabio Lourenço Romano AV: Engenheiro José Herbert Faleiros, 600 - casa 78 CEP: 14.098-780 – Ribeirão Preto/SP E-mail: flromano@terra.com.br

Dental Press J Orthod

68

2011 Nov-Dec;16(6):63-8


Artigo Inédito

Análise de Bolton: uma proposta alternativa para a simplificação de seu uso Karina Eiras Dela Coleta Pizzol*, joão roberto gonçalves**, ary dos santos-pinto**, adriano porto peixoto***

Resumo Introdução: as discrepâncias entre o tamanho mesiodistal dos dentes superiores e inferiores

e seus efeitos sobre a oclusão têm sido relatados há muito tempo. O método proposto por Bolton para o diagnóstico de discrepância de tamanho dentário é, inegavelmente, um dos mais difundidos no meio ortodôntico, devido à sua relativa simplicidade. Entretanto, a aplicação desse método requer cálculos matemáticos e o uso de tabelas que, muitas vezes, inviabilizam a sua utilização durante a avaliação clínica. Objetivo: avaliar o método proposto por Wolford, que não requer o uso de tabelas, como alternativa ao método tradicional de Bolton. Métodos: a amostra foi composta por 90 pares de modelos dentários iniciais de pacientes adultos, com diferentes más oclusões. A proporção entre os dentes inferiores e superiores foi calculada para cada paciente, resultando na obtenção de dois índices (a razão total e a razão anterior). Os índices foram obtidos por meio do método originalmente proposto por Bolton e por um método alternativo, composto por duas fórmulas (uma simplificada e a variação da mesma), que foram analisadas separadamente. Resultados: comparadas ao método de Bolton, as fórmulas simplificadas mostraram uma tendência de superestimar as discrepâncias dentárias inferiores (total e anterior), embora em pequena proporção. Conclusões: ambas as fórmulas do método alternativo podem ser utilizadas em substituição ao método tradicional, uma vez que mostraram diferenças médias menores que 0,58mm quando comparadas ao método de Bolton, não apresentando, portanto, significância clínica. Palavras-chave: Análise de Bolton. Discrepância de tamanho dentário. Diagnóstico. Tratamento ortodôntico.

INTRODUÇÃO Uma oclusão normal pode ser definida como aquela que apresenta 28 dentes corretamente ordenados na arcada e em harmonia com todas

as forças estáticas e dinâmicas que sobre eles atuam, ou seja: a oclusão normal é estável, sã e esteticamente atrativa19. Contudo, inúmeros fatores exercem influência no correto relacionamento

Como citar este artigo: Pizzol KEDC, Gonçalves JR, Santos-Pinto A, Peixoto AP. Análise de Bolton: uma proposta alternativa para a simplificação de seu uso. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):69-77.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* Doutora em Ortodontia pela Faculdade de Odontologia de Araraquara (UNESP). Professora da disciplina de Ortodontia dos cursos de graduação e pós-graduação do Centro Universitário de Araraquara (UNIARA). ** Professor do Departamento de Clínica Infantil da Faculdade de Odontologia de Araraquara (UNESP). *** Mestre em Ortodontia pela Faculdade de Odontologia de Araraquara (UNESP). Doutorando em Ciências Odontológicas, área de Ortodontia, Faculdade de Odontologia de Araraquara (UNESP).

Dental Press J Orthod

69

2011 Nov-Dec;16(6):69-77


Pizzol KEDC, Gonçalves JR, Santos-Pinto A, Peixoto AP

Bolton analysis: An alternative proposal for simplification of its use Abstract Introduction: Mesiodistal size discrepancies between upper and lower teeth and its effects on occlusion have already been reported. The Bolton’s method for diagnosing tooth size discrepancies is, undeniably, one of the most spread out among orthodontists due to its simple usage. However, the application of this method requires mathematical calculations, which many times hinder its use during the clinical evaluation. Objective: Evaluate an alternative method (presented by Wolford) that does not require the use of tables, aiming at substituting the Bolton’s traditional method. Methods: The sample was composed by 90 pairs of initial dental models of adult patients, with different malocclusions. The ratio between inferior and superior teeth was calculated for each patient, resulting in the attainment of two indices: The total ratio and the anterior ratio. The indices had been obtained by Bolton’s method and an alternative method, composed by 2 formulas (one simplified and the other, the variation of this one), that had been separately analyzed. Results: Compared with Bolton’s method, the simplified formulas had shown a trend to overestimate inferior dental discrepancies (total and anterior), although in small proportion. Conclusion: Both formulas of the alternative method can be used in substitution to the traditional method, as they had shown mean differences smaller than 0.58 mm (not clinically significant), when compared with the Bolton’s method. Keywords: Bolton’s analysis. Tooth size discrepancy. Diagnosis. Orthodontic treatment planning.

Referências 14. Nie Q, Lin J. Comparison of intermaxillary tooth size discrepancies among different malocclusion groups. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1999;116(5):539-44. 15. Pizzol KEDC, Gonçalves JR, Santos-Pinto PR, Dela Coleta R, Glaglianoni DG. Estudo comparativo da discrepância nas dimensões dentárias em pacientes portadores de diferentes deformidades esqueléticas. Rev Odontol Unesp. 2005;34(4):149-54. 16. Proffit WR. Contemporary orthodontics. 3rd ed. St. Louis: Mosby; 2000. 17. Sheridan JJ. The Readers’ Corner. J Clin Orthod. 2000;34:593-7. 18. Smith S, Buschang PH, Watanabe E. Interarch tooth size relationships of 3 populations: “Does Bolton´s analysis apply?” Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2000;117:169-74. 19. Vellini-Ferreira F. Ortodontia: diagnóstico e planejamento clínico. São Paulo: Artes Médicas; 1998. 503 p. 20. Wolford LM. Orthodontics for orthognathic surgery. In: Miloro M. Peterson’s principles of oral and maxillofacial surgery. 2ª ed. Londres: BC Decker; 2004. p. 1111-34.

1. Arya BS, Savara BS, Thomas D, Clarkson Q. Relation of sex and occlusion to mesiodistal tooth size. Am J Orthod. 1974;66(5):479-86. 2. Ballard ML. Asymmetry in tooth size: a factor in the etiology, diagnosis and treatment of malocclusion. Angle Orthod. 1944;14(3):67-70. 3. Bishara SE, Jakobsen JR, Abdallah EM, Fernandez Garcia A. Comparisons of mesiodistal and buccolingual crown dimensions of the permanent teeth in three populations from Egypt, Mexico, and the United States. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1989;96(5):416-22. 4. Bolton WA. Disharmony in tooth size and its relation to the analysis and treatment of malocclusion. Angle Orthod. 1958;28(3):113-30. 5. Bolton WA. The clinical use of a tooth size analysis. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1962;48(7):504-29. 6. Crosby DR, Alexander CG. The occurrence of tooth size discrepancies among different malocclusion groups. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1989;95(6):457-61. 7. Freeman JE, Maskeroni AJ, Lorton L. Frequency of Bolton tooth size discrepancies among orthodontic patients. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1996;110(1):24-7. 8. Halazonetis DJ. The Bolton ratio studied with the use of spreadsheets. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1996;109(2):215-9. 9. La Torre I, Ramos AL. Análise de Bolton e estratégia clínica. Rev Clín Ortod Dental Press. 2007;6(1):69-84. 10. Lavelle CLB. Maxillary and mandibular tooth size in different racial groups and different occlusal categories. Am J Orthod. 1972;61(1):29-37. 11. McLaughlin RP, Bennett J, Trevisi HJ. Mecânica sistematizada de tratamento ortodôntico. São Paulo: Artes Médicas; 2002. p. 279-303. 12. Motta ATS, Rodrigues S, Quintão CCA, Capelli Jr J. Análise da discrepância de tamanho dentário em pacientes da clínica de Ortodontia da FO/UERJ. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2004;9(3):83-90. 13. Neff CW. Tailored occlusion with the anterior coefficient. Am J Orthod. 1949;35(4):309-13.

Dental Press J Orthod

Enviado em: 19 de setembro de 2007 Revisado e aceito: 12 de dezembro de 2009

Endereço para correspondência Karina Eiras Dela Coleta Pizzol Av. Maria Antonia Camargo de Oliveira, 170, Vila Suconasa CEP: 14.807-120 – Araraquara/SP E-mail: nkpizzol@ig.com.br

77

2011 Nov-Dec;16(6):69-77


Artigo Inédito

Modificações no pogônio e no nariz de acordo com o modo respiratório Orlando Tanaka*, Suelem Tisiane Fabianski**, Lílian Mary Karakida**, Luégya Amorin Henriques Knop***, Luciana Borges Retamoso***

Resumo Introdução: o perfil mole do indivíduo é resultado de mudanças complexas que ocorrem nos tecidos duros e moles das estruturas faciais. O pogônio e o nariz são estruturas dominantes na face e influenciam no grau de convexidade do perfil. Assim, é fundamental a análise das estruturas do pogônio e a inclusão das estruturas nasais no plano de tratamento ortodôntico. Objetivo: avaliar longitudinalmente as modificações dimensionais no plano anteroposterior do pogônio e do nariz de indivíduos com má oclusão de Classe II, divisão 1 de Angle, em dois momentos distintos do desenvolvimento craniofacial. Métodos: foram realizados traçados cefalométricos sobre telerradiografias em norma lateral de 40 indivíduos, sendo 23 respiradores predominantemente nasais (RN) e 17 predominantemente bucais (RB). Resultados: foram obtidas as medidas lineares e angulares LS’-Pog’, LS’-B’, B’-Pog’, Pog’-PogTeg’, Linha NB, Pog-NB, N’-Prn, Prn-NPog, N-Prn-Sn e Prn-Sn-LS. O teste ANOVA a dois critérios com medidas repetidas foi aplicado para indicar diferenças entre os valores médios dessas variáveis segundo os momentos e/ou modo respiratório. Observou-se que as variáveis LS’-B’, Pog’-PogTeg’, Linha NB e Pog-NB, N’-Prn, Prn-NPog, N-Prn-Sn e Prn-Sn-LS apresentaram diferença significativa (p≤0,05) quando comparados os momentos final e inicial, embora não houvesse diferença significativa entre os modos respiratórios. Em nenhuma das variáveis se observou interação entre o modo respiratório e os momentos. Conclusão: há alteração estatisticamente significativa do pogônio e do nariz no plano anteroposterior no decorrer do crescimento, porém sem qualquer interferência do modo respiratório. Palavras-chave: Nariz. Pogônio. Respiração nasal. Respiração bucal.

INTRODUÇÃO O perfil mole do indivíduo é resultado de mudanças que ocorrem nos tecidos esqueléticos e tegumentares das estruturas da face, e a inter-relação entre os componentes dos tecidos moles

da face — como o nariz, os lábios e o pogônio — modifica-se durante o crescimento e no decorrer do tratamento ortodôntico. Sendo assim, é importante compreender as tendências normais do crescimento dessas estruturas18. Ao nascimento,

Como citar este artigo: Tanaka O, Fabianski ST, Karakida LM, Knop LAH, Retamoso LB. Modificações no pogônio e no nariz de acordo com o modo respiratório. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):78-83.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* Professor Titular do Curso de Odontologia da PUCPR. Diplomado pelo Board Brasileiro de Ortodontia. ** Estudante da graduação em Odontologia na PUCPR. *** Estudante do mestrado em Ortodontia na PUCPR.

Dental Press J Orthod

78

2011 Nov-Dec;16(6):78-83


Tanaka O, Fabianski ST, Karakida LM, Knop LAH, Retamoso LB

Changes in pogonion and nose according to breathing patterns Abstract Introduction: The soft profile results from complex changes in the head and facial soft tissues. The pogonion and the nose are dominant facial structures that determine the degree of profile convexity and should, therefore, be analyzed and included in orthodontic treatment planning. Objective: To conduct a longitudinal evaluation of the anteroposterior dimensional changes of the pogonion and the nose of individuals with Angle Class II, division 1 malocclusion at two time points during craniofacial development. Methods: Cephalometric tracings of lateral radiographs were obtained for 40 individuals classified according to their predominant breathing pattern; 23 were nose breathers (NB), and 17, mouth breathers (MB). Results: Linear and angular measures were obtained: Ls-Pog, Ls-B, B-Pog, Pog-soft tissue Pog, NB Line, Pog-NB, N-Prn, Prn-NPog, N-Prn-Sn and Prn-SnLs. Two-way ANOVA was used to detect differences between mean values according to time points and breathing patterns. The Ls-B, Pog-soft tissue Pog, NB Line and Pog-NB, N-Prn, Prn-NPog, N-Prn-Sn and Prn-Sn-Ls variables had significant differences (p≤0.05) between the two time points, but there were no significant differences between breathing patterns. No interaction was found between breathing patterns and time points for any variable. Conclusion: The pogonion and the nose undergo significant changes in the anteroposterior plane along growth, but breathing patterns do not affect changes significantly. Keywords: Nose. Pogonion. Nose breathing. Mouth breathing.

Referências 1. 2. 3.

4. 5. 6. 7. 8. 9. 10.

11. 12. 13. 14. 15.

16.

Bjork A. Variations in the growth pattern of the human mandible: longitudinal radiographic study by the implant method. J Dent Res. 1963;42(1)Pt 2:400-11. Bowker W, Meredith HV. A metric analysis of the facial profile. Angle Orthod. 1959;29(3):146-6. Brant JCO, Siqueira VCV. Alterações no perfil facial tegumentar, avaliadas em jovens com Classe II, 1ª divisão, após o tratamento ortodôntico. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2006;11(2):93-102. Chaconas SJ. A statistical evaluation of nasal growth. Am J Orthod. 1969;56(4):262-84. Czarnecki ST, Nanda RS, Currier GF. Perceptions of a balanced facial profile. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1993;104(2):180-7. Enlow DH, Harris DB. A study of the postnatal growth of the human mandible. Am J Orthod. 1964;50(1):25-50. Fitzgerald JP, Nanda RM, Currier GF. An evaluation of the nasolabial angle and the relative inclinations of the nose and upper lip. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1992;102(4):328-34. Formby WA, Nanda RS, Currier GF. Longitudinal changes in the adult facial profile. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1994;105(5):464-76. Genecov JS, Sinclair PM, Dechow PC. Development of the nose and soft tissue profile. Angle Orthod. 1990;60(3):191-8. Hoffelder LB, de Lima EM. Avaliação dos tecidos tegumentares da região do nariz, dos lábios e do mento em indivíduos brasileiros com Classe II esquelética. J Bras Ortodon Ortop Facial. 2006;11(61):70-82. Hoffelder LB, de Lima EM, Martinelli FL, Bolognese AM. Softtissue changes during facial growth in skeletal Class II individuals. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2007;131(4):490-5. Holdaway RA. The soft tissue covering of the skeletal face as related to orthodontic problems. Am J Orthod. 1964;50(6):405-20. Koch R, Gonzales A, Witt E. Profile and soft tissue changes during and after orthodontic treatment. Eur J Orthod. 1979;1(3):193-9. Lessa FCR, Enoki C, Feres MFN, Valera FCP. Lima WTA, Matsumoto MAN. Influência do padrão respiratório na morfologia craniofacial. Rev Bras Otorrinolaringol. 2005;71(2):156-60. Maltagliati LA, Henriques JFC, Janson G. A influência do tratamento ortopédico nas estruturas faciais de indivíduos com má oclusão de Classe II, 1ª divisão: um estudo comparativo. J Appl Oral Sci. 2004;12(2):164-70. Pereira PSG, Kajiwara JK, Grellet M. Estudo morfológico do desenvolvimento da cartilagem quadrangular do nariz e implicações nas cirurgias septoplásticas. Rev Bras Otorrinolaringol. 2002;68(2):209-17.

Dental Press J Orthod

17. Posen JM. A longitudinal study of the growth of the nose. Am J Orthod. 1967;53(10):746-56. 18. Prahi-Andersen B, Ligthelm-Bakker AS, Wattel E, Nanda R. Adolescent growth changes in soft tissue profile. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1995;107(5):476-83. 19. Proffit WR, Fields HW, Sarver DM. Contemporary orthodontics. 4th ed. St. Louis: C.V. Mosby; 2007. 20. Reis SAB, Capelozza Filho L, Cardoso MA, Scanavini MA. Características cefalométricas dos indivíduos Padrão I. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2005;10(1):67-78. 21. Ricketts RM. Planning treatment on the basis of the facial pattern and an estimate of its growth. Angle Orthod. 1957;27(1):14-37. 22. Ricketts RM. A influence of orthodontic treatment on facial growth and development. Angle Orthod. 1960;30(3):103-33. 23. Rosenstein SW. A longitudinal study of anteroposterior growth of the mandibular symphysis. Angle Orthod. 1964;34(3):155-67. 24. Wieler WJ, Barros AM, Barros LA, Camargo ES, Ignácio SA, Maruo H, et al. A combined protocol to aid diagnosis of breathing model. J Dent Clin Res. 2007;3(2):101-14. 25. Saga AY. Estudo comparativo das dimensões craniofaciais entre respiradores predominantemente nasais e bucais na maloclusão Classe II, divisão 1 de Angle. 2002 [dissertação]. Curitiba (PR): Universidade Católica do Paraná; 2002. 26. Salgado JAP, Moraes LC, Castilho JCM, Moraes MEL. Avaliação do ângulo nasolabial, em radiografia cefalométricas laterais, dividido em ângulo superior e inferior, por uma linha paralela ao plano de Frankfort, em indivíduos portadores de má-oclusão Classe II e Classe III de Angle. Ciênc Odontol Bras. 2003;6(3):40-7. 27. Spinelli MLM, Casanova PC. Respiração bucal. 2002. [Acesso 12 fev 2002]. Disponível em: www.odontologia.com.br/artigos. 28. Subtelny JD. A soft tissue growth and treatment changes. Am J Orthod. 1961;31(2):105-22. 29. Steiner CC. Cephalometrics for you and me. Am J Orthod. 1953;39(10):729-55.

Enviado em: 7 de novembro de 2007 Revisado e aceito: 25 de fevereiro de 2009

Endereço para correspondência Orlando Tanaka Rua Imaculada Conceição, 1155 – Centro CEP: 80.215-901 – Curitiba / PR E-mail: tanakaom@gmail.com

83

2011 Nov-Dec;16(6):78-83


Artigo Inédito

Respiração bucal no contexto multidisciplinar: percepção de ortodontistas da cidade do Recife Valdenice Aparecida de Menezes*, Luiza Laranjeira Cavalcanti**, Tâmara Cavalcanti de Albuquerque**, Ana Flávia Granville Garcia***, Rossana Barbosa Leal****

Resumo Objetivo: avaliar o conhecimento de cirurgiões-dentistas especialistas em Ortodontia da ci-

dade de Recife/PE, Brasil, sobre respiração bucal, bem como verificar os seus protocolos de atendimento. Métodos: estudo transversal mediante entrevista individual e estruturada com 90 profissionais inscritos na Sociedade Pernambucana de Ortodontia e Ortopedia Facial. O formulário contendo 14 perguntas foi testado pelo método de validação de “face”. Resultados: o sexo feminino foi prevalente (55,6%); para 78,9% dos pesquisados, a maior titulação foi a especialização; a maioria trabalhava apenas em clínica particular (67,8%) e 38,9% dos entrevistados eram docentes. Os critérios de diagnóstico mais utilizados foram: postura corporal (97,8), vedamento labial (96,7) e olheiras (86,7%), com percentuais semelhantes entre os grupos quanto ao tempo de graduado; o uso da placa metálica de Glatzel foi baixo (3,3%). Com relação às sequelas da respiração bucal, os maiores percentuais foram para as alterações craniofaciais 94,4% (más oclusões) e as corporais 37,8% (postura). O tempo de duração da respiração bucal (84,4%) foi o item mais citado pelos pesquisados como associado a sequelas. Para nenhum dos itens avaliados verificou-se associação significativa com o tempo de graduado, ao nível de significância de 5%. Para a maioria dos entrevistados, tanto do serviço público como privado, o protocolo de atendimento do respirador bucal deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar. Conclusões: a maioria dos entrevistados, independentemente da experiência profissional, tem conhecimento da síndrome do respirador bucal e da necessidade de um tratamento diferenciado dentro de uma visão abrangente de multidisciplinaridade. Palavras-chave: Respiração bucal. Ortodontia. Percepção.

INTRODUÇÃO A respiração bucal é um distúrbio respiratório comum na infância e um dos problemas mais preocupantes de saúde pública5. A sua duração prolon-

gada pode ocasionar15,16,21 uma série de alterações estruturais e funcionais do sistema estomatognático, com repercussões nos contextos físico, psicológico e social. Os problemas advindos dessa síndrome e

Como citar este artigo: Menezes VA, Cavalcanti LL, Albuquerque TC, Garcia AFG, Leal RB. Respiração bucal no contexto multidisciplinar: percepção de ortodontistas da cidade do Recife. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):84-92.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* Doutora em Odontopediatria pela Faculdade de Odontologia da FOP/UPE. Professora da Faculdade ASCES e Universidade de Pernambuco (UPE). ** Aluna de Graduação em Odontologia, Faculdade ASCES. *** Doutora em Odontopediatria pela Faculdade de Odontologia da FOP/UPE. Professora do Departamento de Odontologia da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). **** Professora Assistente da Faculdade ASCES.

Dental Press J Orthod

84

2011 Nov-Dec;16(6):84-92


Menezes VA, Cavalcanti LL, Albuquerque TC, Garcia AFG, Leal RB

atendimento integrado para a melhoria da qualidade de vida do indivíduo16,21. Contudo, a dificuldade de acesso aos serviços públicos e o desconhecimento da população sobre as sequelas provocadas pela patologia em si podem interferir nesse contexto.

centração, agitação, ansiedade, medo, depressão, desconfiança, impulsividade6,19 e dificuldades de aprendizagem20,30. Esses dados confirmam a opinião dos entrevistados e de outros autores1,7, para os quais é fundamental a prevenção e o diagnóstico precoce da respiração bucal, objetivando reduzir o comprometimento do ajuste psicossocial. A maioria dos profissionais pesquisados reconhece o respirador bucal como um paciente especial, portador de uma série de afecções e sequelas, que necessita de um tratamento diferenciado e interdisciplinar, dentro de uma visão abrangente de multidisciplinaridade (Tab. 4, 5). Esse fato pode ser justificado pela ênfase dada ao problema nos últimos anos, reconhecendo-se a importância do

CONCLUSÕES » Um percentual elevado de profissionais tem conhecimento da síndrome da respiração bucal e de suas sequelas para o paciente. » O tratamento multidisciplinar é imprescindível para a reabilitação integral do indivíduo de acordo com a maioria dos ortodontistas/ortopedistas pesquisados.

Mouth breathing within a multidisciplinary approach: Perception of orthodontists in the city of Recife, Brazil Abstract Objectives: To assess the knowledge of orthodontists in the city of Recife, Brazil, about mouth breathing, and to examine their treatment protocols. Methods: In this cross-sectional study, members of the Orthodontics and Facial Orthopedics Association of Pernambuco responded individual structured interviews. A form with 14 questions, validated using the face value method, was used to collect data. The level of significance was set at 5%. Results: Of the 90 participants, 55.6% were women; the highest educational level was a specialization degree for 78.9%; most worked only in private practice (67.8%), and 38.9% were also professors. The most frequent diagnostic criteria were: body posture (97.8%), lip sealing (96.7%), and dark circles under the eyes (86.7%), and these percentages were similar for groups according to years since graduation. The use of the Glatzel mirror was infrequent (3.3%). The most frequently mentioned mouth breathing sequelae were craniofacial (94.4%) and body posture (37.8%) changes. According to interviewees, mouth breathing duration (84.4%) was the item most often associated with sequelae. There were no significant associations between years since graduation and any of the factors under analysis. Most respondents, whether working in private clinics or in the public healthcare system, believed that mouth breathers should be treated by a multidisciplinary team. Conclusions: Most orthodontists, regardless of experience, have knowledge of the mouth breathing syndrome and understand the need of specialized treatment within a multidisciplinary approach. Keywords: Mouth breathing. Orthodontics. Perception.

Referências 1. Alvarenga AL, Pádua IPM, Silveira IA. O respirador bucal. Pro Homine. 2003;2(2):21-5. 2. Andrade FV, Andrade DV, Araújo AS, Ribeiro ACC, Deccax LDG, Nemr K. Alterações estruturais de órgãos fonoarticulatórios e más oclusões dentárias em respiradores orais de 6 a 10 anos. Rev CEFAC. 2005;7(3):318-25. 3. Bianchini AP, Guedes ZCF, Vieira MM. Estudo da relação entre a respiração oral e o tipo facial. Rev Bras Otorrinolaringol. 2007;73(4):500-5.

Dental Press J Orthod

4. Bicalho GP, Motta AR, Vicente LCC. Avaliação da deglutição em crianças respiradoras orais. Rev CEFAC. 2006;8(1):50-5. 5. Carvalho GD. SOS respirador bucal: obstáculos nas diferentes estruturas dificultando ou impedindo o livre processo respiratório. [on line] 1999 oct-nov-dec [Acesso 2005 Feb 10] . Disponível em: http://www.ceaodontofono. com.br/artigos/art/1999/out99.htm. 6. Carvalho GD. Síndrome do respirador bucal ou insuficiente respirador nasal. Rev Secret Saúde. 1996;2(18)22-4.

91

2011 Nov-Dec;16(6):84-92


Respiração bucal no contexto multidisciplinar: percepção de ortodontistas da cidade do Recife

7. Cintra CFSC, Castro FM, Cintra PPVC. As alterações orofaciais apresentadas em pacientes respiradores bucais. Rev Bras Alergia Imunopatol. 2000;23(2):78-83. 8. Correa MSNP. Odontopediatria na primeira infância. In: Altmann EBC, Vaz ACN. Atualização fonoaudiólogica em Odontopediatria. 2ª ed. São Paulo: Ed. Santos; 2005. p. 56-69. 9. Coimbra C. O tratamento da respiração bucal. 2002. [Acesso 2003 Mar 24]. Disponível em: www.jfservice.com.br/viver/ arquivo/dicas/2002/10/17-Cal/. 10. Coelho MF, Terra VHTC. Implicações clínicas em pacientes respiradores bucais. Rev Bras Patologia Oral. 2004;3(1):17-9. 11. Costa CMF. Influência do tratamento da respiração oral na sintomatologia de crianças com transtorno do déficit de atenção/hiperatividade [dissertação]. 2007. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2007. 12. Cunha DA, Silva GAP, Motta MEFA, Lima CR, Silva HJ. A respiração oral em crianças e suas repercussões no estado nutricional. Rev CEFAC. 2007;9(1):47-54. 13. Di Francesco RC, Bregola EGP, Pereira LS, Lima RS. A obstrução nasal e o diagnóstico ortodôntico. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2006;11(1):107-13. 14. Ferraz MJPC, Souza MA. Respiração bucal. Uma abordagem interdisciplinar. 2003. [Acesso 2005 out 14]. Disponível em: www.respiremelhor.com.br/artigos.php. 15. Jorge TM, Duque C, Félix GB, Costa B, Gomide MR. Hábitos bucais: interação entre Odontopediatria e Fonoaudiologia. J Bras Odontopediatr Odontol Bebê. 2002;5(26):342-50. 16. Leal RB. Elaboração e validação de um instrumento para avaliar a qualidade de vida do respirador oral [dissertação]. Recife (PE): Universidade de Pernambuco; 2004. 17. Lessa FCR, Enoki C, Feres MFN, Valera FCP, Lima WTA, Matsumoto MAN. Influência do padrão respiratório na morfologia craniofacial. Rev Bras Otorrinolaringol. 2005;71(2):156-60. 18. Lemos CM, Junqueira PAS, Gomez MVSG, Faria MEJ, Basso SC. Estudo da relação entre oclusão dentária e a deglutição no respirador oral. Arq Int Otorrinolaringol. 2006;10(2):114-8. 19. Lusvargui L. Identificando o respirador bucal. Rev APCD. 1999;53(4):265-74.

20. Marchesan IQ. Avaliação e terapia dos problemas da respiração. In: Marchesan IQ. Fundamentos em Fonoaudiologia: aspectos clínicos da motricidade oral. São Paulo: Guanabara Koogan; 1998. 21. Menezes VA, Leal BR, Pessoa RS, Pontes RMES. Prevalência e fatores associados à respiração oral em escolares participantes do projeto Santo Amaro-Recife, 2005. Rev Bras Otorrinolaringol. 2006;72(3):394-9. 22. Parizotto SPCOL, Nardão GT, Rodrigues CRMD. Atuação multidisciplinar frente ao paciente portador da síndrome da respiração bucal. J Bras Clín Odontol Int. 2002;6(36):445-9. 23. Paiva JB. Entrevista. Identificando o respirador bucal. Rev APCD. 1999;53(4):265-74. 24. Queluz DP, Gimenez CMM. A síndrome do respirador bucal. Rev CROMG. 2000;6(1):4-9. 25. Rodrigues HOSN, Faria SR, Paula FSG,Motta AR. Ocorrência de respiração oral e alterações miofuncionais orofaciais em sujeitos em tratamento ortodôntico. Rev CEFAC. 2005;7(3):356-62. 26. Saffer M, Rasia Filho AA, Lubianca Neto JF. Efeitos sistêmicos da obstrução nasal e da respiração oral persistente na criança. Rev AMRIGS. 1995;39(3):179-82. 27. Schlenker WL, Jennings BD, Jeiroudi MT, Caruso JM. The effects of chronic absence of active nasal respiration on the growth of the skull: a pilot study. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2000;117(6):706-13. 28. Suliano AA, Rodrigues MJ, Caldas Júnior AF, Fonte PP, Porto-Carreiro CF. Prevalência de maloclusão e sua associação com alterações funcionais do sistema estomatognático entre escolares. Cad Saúde Pública. 2007;23(8):1913-23. 29. Spinelli MLM, Casanova PC. Respiração Bucal. 2002 fev [Acesso 2006 set 24]. Disponível em: www.odontologia.com. br/imprimir.asp?id=224&idesp=14. 30. Vera CFD, Conde GES, Wajnsztejn R, Nemr K. Transtornos de aprendizagem e presença de respiração oral em indivíduos com diagnóstico de transtornos de déficit de atenção /hiperatividade (TDAH) CEFAC. 2006;8(4):441-55.

Enviado em: 13 de novembro de 2007 Revisado e aceito: 4 de dezembro de 2008

Endereço para correspondência Valdenice Aparecida de Menezes Rua Carlos Pereira Falcão 811/602 – Boa Viagem CEP: 51.021-350 – Recife/PE E-mail: valdmenezes@hotmail.com

Dental Press J Orthod

92

2011 Nov-Dec;16(6):84-92


Artigo Inédito

Avaliação das tensões liberadas por elásticos ortodônticos em cadeia: estudo in vitro Claudia Kochenborger*, Dayanne Lopes da Silva**, Ernani Menezes Marchioro***, Diogo Antunes Vargas****, Luciane Hahn*****

Resumo Introdução: os materiais elastoméricos são considerados importantes fontes de força para a movimentação ortodôntica. Objetivo: avaliar a liberação de tensões de quatro marcas comerciais

de elásticos ortodônticos em cadeia (Morelli, Ormco, TP e Unitek), em função do tempo, quando mantidas tensionadas por uma força inicial de 150g e imersas em saliva artificial a 37ºC. Métodos: os elásticos em cadeia foram tensionados entre pinos de aço, fixados em uma placa de resina acrílica à distância de 15mm (Morelli e TP) e de 16mm (Unitek e Ormco), ambas medidas correspondendo a uma força de 150g. A leitura da quantidade de tensão liberada pelos elásticos foi realizada com um dinamômetro nos intervalos 30 minutos, 7, 14 e 21 dias. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância (ANOVA) (p≤0,05) e ao teste de Comparações Múltiplas de Tukey. Resultados: após 30 minutos de teste, verificou-se redução entre 19% e 26,67% na quantidade de tensão liberada pelos elásticos; e entre 36,67% e 57% após 21 dias de estiramento constante. Conclusões: os elásticos em cadeia que apresentaram comportamento mais estável foram os da marca TP, pois relataram menor perda de potencial elástico nos intervalos de tempo testados. Os da marca Unitek demonstraram maior redução de tensão liberada. As marcas Ormco e Morelli obtiveram resultados semelhantes entre si. Palavras-chave: Elastômeros. Materiais dentários. Saliva artificial. Elasticidade.

INTRODUÇÃO E REVISÃO DE LITERATURA A biomecânica ortodôntica utiliza sistemas de forças que têm como objetivo promover a movimentação dentária na arcada. Existem atualmente no mercado sistemas de braquetes autoligáveis7 que eliminam a necessidade da utilização de elásticos modulares durante o tra-

tamento. Entretanto, quando se fala de braquetes convencionais, os materiais elastoméricos são considerados importantes fontes de força para a movimentação de dentes. O termo elastômero refere-se a materiais que retornam à sua configuração inicial após sofrerem deformação5,12.

Como citar este artigo: Kochenborger C, Silva DL, Marchioro EM, Vargas DA, Hahn L. Avaliação das tensões liberadas por elásticos ortodônticos em cadeia: estudo in vitro. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):93-9.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* Aluna do curso de Especialização em Ortodontia na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (FO-PUCRS). ** Mestranda em Ortodontia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (FO-UFRJ). *** Doutor em Ortodontia pela UNESP-Araraquara. Mestre em Ortodontia pela FO-UFRJ. Professor Adjunto da disciplina de Ortodontia na FO-PUCRS. **** Especialista em Ortodontia pela FO-PUCRS. Mestrando em Ortodontia na FO-PUCRS. ***** Doutora em Ortodontia pela UNESP-Araraquara. Coordenadora do curso de Especialização em Ortodontia da Sobracursos.

Dental Press J Orthod

93

2011 Nov-Dec;16(6):93-9


Kochenborger C, Silva DL, Marchioro EM, Vargas DA, Hahn L

Assessment of force decay in orthodontic elastomeric chains: An in vitro study Abstract Introduction: Elastomeric materials are considered important sources of orthodontic forces. Objectives: To assess force degradation of four commercially available orthodontic elastomeric chains (Morelli, Ormco, TP and 3M Unitek) over time, while kept continuously stretched by a force of 150 g and placed into synthetic saliva at 37 ºC. Methods: The synthetic elastics were stretched between stainless steel pins fixed to an acrylic resin plate at a distance equivalent to a force of 150 g (15 mm - Morelli and TP; 16 mm - Unitek and Ormco). Intensity of forces delivered was read by a dynamometer at different intervals: 30 minutes, 7 days, 14 days and 21 days. The results were subjected to statistical tests (ANOVA and Tukey). Results: There were reductions between 19% and 26.67% after 30 minutes, and between 36.67% and 57% after 21 days of activation in the amount of stress generated by the elastics during the tests. Conclusions: TP elastomeric chains exhibited a smaller percentage of force decay and showed greater stability at all intervals tested, while the 3M Unitek brand displayed a higher percentage of force degradation, even when compared to the Ormco and Morelli brands, which achieved similar results. Keywords: Elastomers. Dental materials. Synthetic saliva. Elasticity.

Referências 1. Alexandre LP, de Oliveira JG, Dressano D, Paranhos LR, Scanavini MA. Avaliação das propriedades mecânicas dos elásticos e cadeias elastoméricas em Ortodontia. Rev Odonto. 2008;16(32):53-63. 2. Almeida RR, Petry H, Itziar S, Fernandez J. Degradação da força das cadeias de elastômeros. Rev Odonto. 1991;24(3):11-3. 3. Araujo FBC, Ursi WJS. Estudo da degradação da força gerada por elásticos ortodônticos sintéticos. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2006;11(6):52-61. 4. Ash JL, Nikolai RJ. Relaxation of orthodontic elastomeric chains and modules in vitro and in vivo. J Dent Res. 1978;5(5-6):685-90. 5. Baty DL, Storie DJ, Von Fraunhofer JA. Synthetic elastomeric chains: a literature review. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1994;105(6):536-42. 6. Bishara SE, Andreasen GFA. A comparison of time related forces between plastic elastics and latex elastics. Angle Orthod. 1970;4(4):319-28. 7. Bortoly TG, Guerrero AP, Rached RN, Tanaka O, GuarizaFilho O, Rosa EA. Sliding resistance with esthetic ligatures: An in-vitro study. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2008;133(3):340e1-e7. 8. De Genova DC, McInnes-Ledoux P, Weinberg R, Shaye R. Force degradation of orthodontic elastomeric chains: a product comparison study. Am J Orthod. 1985;87(5):377-84. 9. Ferriter JP, Meyers CE, Lorton L. The effect of hydrogen ion concentration on the degradation rate of orthodontic polyurethane chain elastics. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1990;98(5):404-10. 10. Huget EF, Patrick KS, Nunez LJ. Observations on the elastic behavior of a synthetic orthodontic elastomer. J Dent Res. 1990;69(2):496-501. 11. Hwang CJ, Cha JY. Mechanical and biological comparison of latex and silicone rubber bands. Am J Orthod Dent Orthop. 2003;124(4):379-86. 12. Jeffries CL, von Fraunhofer JA. The effects of 2% alkaline glutaraldehyde solution on the elastic properties of elastomerics chain. Angle Orthod. 1991;61(1):25-30.

Dental Press J Orthod

13. Martins MM, Mendes AM, Almeida MAO, Goldner MTA, Ramos VF, Guimarães SS. Estudo comparativo entre as diferentes cores de ligaduras elásticas. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2006;11(4):81-90. 14. Matta ENR, Chevitarese O. Avaliação laboratorial da força liberada por elásticos plásticos. Rev SBO. 1997;4(4):131-6. 15. Silva DL, Kochenborger C, Marchioro EM. Force degradation in orthodontic elastic chains. Rev Odonto Ciênc. 2009;24(3): 274-8. 16. Stevenson JS, Kusy RP. Force application and decay characteristics of untreated and treated polyurethane elastomeric chains. Angle Orthod. 1994;64(6):455-67. 17. Taloumis JL, Smith TM, Hondrum SO, Lorton L. Force decay and deformation of orthodontic elastomeric ligatures. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1997;11(1):1-11. 18. Von Fraunhofer JA, Coffelt MTP, Orbell GM. The effects of artificial saliva and topical fluoride treatments on the degradation of the elastics properties of the orthodontics chains. Angle Orthod. 1992;62(4):265-74. 19. Wong Ak. Orthodontic elastics materials. Angle Orthod. 1976;46(2):196-204.

Enviado em: 2 de fevereiro de 2010 Revisado e aceito: 15 de agosto de 2011

Endereço para correspondência Cláudia Kochenborger Rua Felizardo Furtado, 279-501 CEP: 90.670-090 – Porto Alegre/RS E-mail: clauk83@hotmail.com

99

2011 Nov-Dec;16(6):93-9


Artigo Inédito

Tratamento ortodôntico-cirúrgico da assimetria facial esquelética: relato de caso Susiane Allgayer*, Fernanda Santos Mezzomo**, Waldemar Daudt Polido***, Gabriella Rosenbach****, Carlos Alberto Estevanell Tavares*****

Resumo Introdução: as assimetrias faciais representam um desequilíbrio entre as estruturas esque-

léticas homólogas da face. A maioria das pessoas apresenta algum grau de assimetria facial, pois é rara a condição de perfeita simetria. Todavia, somente quando é perceptível aos olhos do paciente, essa assimetria passa a ser relevante. Em tal condição, a correção ortocirúrgica ou o tratamento ortodôntico são possibilidades normalmente adotadas. Objetivo: o presente trabalho, baseado em uma revisão de literatura, é ilustrado por um caso clínico cujo tratamento consistiu em cirurgia ortognática Le Fort I para avanço e rotação da maxila e, na mandíbula, o tratamento foi conservador. Conclusão: o conhecimento da queixa principal e da expectativa do paciente e exames de diagnóstico bem realizados são itens importantes na decisão do plano de tratamento e no sucesso do resultado final. Palavras-chave: Assimetria facial. Ortodontia corretiva. Extração dentária. Estética.

INTRODUÇÃO A simetria facial se refere a um estado de equilíbrio em que os dois lados da face se relacionam perfeitamente bem e, portanto, apresentam o mesmo tamanho, mesma forma e mesma posição. Inversamente, o termo assimetria é utilizado quando existe um desequilíbrio quanto às partes homólogas componentes do complexo dentofacial, assim afetando a proporção entre as estruturas1.

Muitas vezes, a assimetria facial se apresenta de forma subclínica. Nessa condição, a desarmonia esquelética existe, porém está mascarada pelos tecidos moles que a recobrem2,3. Assim, os tecidos moles que se sobrepõem às estruturas ósseas, como o músculo masseter, podem minimizar ou até mesmo compensar uma deformidade esquelética presente. Portanto, quando existe uma discrepância entre as medidas esqueléticas e a aparência facial,

Como citar este artigo: Allgayer S, Mezzomo FS, Polido WD, Rosenbach G, Tavares CAE. Tratamento ortodôntico-cirúrgico da assimetria facial esquelética: relato de caso. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):100-10.

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* Aluna do curso de Doutorado em Ortodontia da PUCRS. Mestre em Ortodontia e Ortopedia Facial pela PUC/RS. Especialista em Ortodontia pela ABO/RS e Especialista em Endodontia pela UPF. ** Especialista em Ortodontia pela ABO/RS. *** Doutor e Mestre em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial pela PUC/RS. Coordenador do curso de especialização em implantodontia ABORS. **** Mestre e Especialista em Ortodontia pela UERJ. Professora do Curso de Especialização em Ortodontia da ABORS. ***** Doutor e Mestre em Ortodontia pela UFRJ. Professor do Curso de Especialização em Ortodontia da ABORS. Diplomado pelo Board Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial (BBO).

Dental Press J Orthod

100

2011 Nov-Dec;16(6):100-10


Tratamento ortodôntico-cirúrgico da assimetria facial esquelética: relato de caso

Orthodontic-surgical treatment of skeletal facial asymmetry: Case report Abstract Introduction: Facial asymmetries consist of an imbalance between the homologous skeletal structures of the face. Most people present some degree of facial asymmetry, since a state of perfect balance is rare. The asymmetry is relevant only when it is perceivable by the patient. The orthodontic surgical correction or orthodontic treatment are normally adopted for this condition. Objective: This study, based on a literature review, has been illustrated by a case report comprising Le Fort I orthognathic surgery for maxillary advancement and rotation, with conservative treatment in the mandible. Conclusion: Knowledge on the patient’s chief complaint and expectations, as well as proper diagnostic examinations, are important factors to decide the treatment plan and for the final treatment outcome. Keywords: Facial asymmetry. Corrective orthodontics. Tooth extraction. Esthetics.

Referências 18. Joondeph DR. Mysteries of asymmetries. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2000;117(5):577-9. 19. Shroff B, Siegel SM. Treatment of patients with asymmetries using asymmetric mechanics. Semin Orthod. 1998;4(3):165-79. 20. Mucha JN. As limitações do tratamento ortodôntico nãocirúrgico. In: Medeiros PJ, Medeiros PP. Cirurgia ortognática para ortodontista. São Paulo: Ed. Santos; 2004. p. 29-56. 21. Rizzatto SM, Menezes LM, Farret MM, Lima EM, Belle R, Lanes MA. Surgically assisted rapid maxillary expansion combined with maxillary protraction in an adult: a patient report. World J Orthod. 2009;10(4):334-44. 22. Lima EMS, Farret MM, Araújo LL. Tratamento ortodônticocirúrgico da má-oclusão de classe III: relato de caso. Rev Clín Ortod Dental Press. 2010 dez-jan 2011;8(6):61-70. 23. Kurt G, Uysal T, Sisman Y, Ramoglu SI. Mandibular asymmetry in Class II subdivision malocclusion. Angle Orthod. 2008;78(1):32-7. 24. Letzer GM, Kronmam JH. A Posteroanterior cephalometric evaluation of craniofacial asymmetry. Angle Orthod. 1967;37(3):205-11. 25. Sutton PRN. Lateral facial asymmetry: methods of assessment. Angle Orthod. 1968;38(1):82-92. 26. Williamson EH, Simmons MD. Mandibular asymmetry and its relation to pain dysfunction. Am J Orthod. 1979;76(6):612-7. 27. Chebib FS, Chamma AM. Indices of craniofacial asymmetry. Angle Orthod. 1981;51(3):214-26. 28. Woo TL. On the asymmetry of the human skull. Biometrika 1931;22(3-4):324-41. 29. Lundström A. Some asymmetries of the dental arches, jaws and skull, and their etiological significance. Am J Orthod. 1961;47(2):81-106. 30. Villegas C, Uribe F, Sugawara J, Nanda R. Expedited correction of significant dentofacial asymmetry using a “surgery first” approach. J Clin Orthod. 2010;44(2):97-103.

1. Fischer B. Asymmetries of the dentofacial complex. Angle Orthod. 1954;24(4):179-92. 2. Peck S, Peck L, Kataja M. Skeletal asymmetry in esthetically pleasing faces. Angle Orthod. 1991;61(1):43-8. 3. Masuoka N, Momoi Y, Ariji Y, Nawa H, Muramatsu A, Goto S, et al. Can cephalometric indices and subjective evaluation be consistent for facial asymmetry? Angle Orthod. 2005;75(4):651-5. 4. Silva EDO, Laureano Filho JR, Rocha NS, Annes PMR, Tavares PO. Tratamento cirúrgico de assimetria mandibular: relato de caso clínico. Rev Cir Traumat Buco-Maxilo-Fac. 2004;4(1):23-9. 5. Medeiros JP, Medeiros PP. Cirurgia ortognática para o ortodontista. 2nd ed. São Paulo: Ed. Santos; 2004. 6. Haraguchi S, Takada K, Yasuda Y. Facial asymmetry in subjects with skeletal Class III deformity. Angle Orthod. 2002;72(1):28-35. 7. Yamashiro T, Okada T, Takada K. Case report: facial asymmetry and early condylar fracture. Angle Orthod. 1998;68(1):85-90. 8. Duthie J, Bharwani D, Tallents RH, Bellohusen R, Fishman L. A longitudinal study of normal asymmetric mandibular growth and its relationship to skeletal maturation. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2007;132(2):179-84. 9. Peck H, Peck S. A concept of facial esthetics. Angle Orthod. 1970;40(4):284-318. 10. Shah S, Joshi M. An assessment of asymmetry in the normal craniofacial complex. Angle Orthod. 1978;48(2):141-8. 11. Bell WH, Proffit WR, White RP. Surgical correction of dentofacial deformities. Hardcover: Saunders; 1980. v. 1. 12. Legan HL. Surgical correction of patients with asymmetries. Semin Orthod. 1998;4(3):189-98. 13. Carlini JL, Gomes KU. Diagnóstico e tratamento das assimetrias dentofaciais. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2005;10(1):18-29. 14. Burstone CJ. Diagnosis and treatment planning of patients with asymmetries. Semin Orthod. 1998;4(3):153-64. 15. Kokich VO, Kiyak HA, Shapiro PA. Comparing the perception of dentists and lay people to altered dental esthetics. J Esthet Rest Dent. 1999;11(6):311-24. 16. Anhoury PS. Nonsurgical treatment of an adult with mandibular asymmetry and unilateral posterior crossbite. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2009;135(1):118-26. 17. Janson G, Camardella LT, Freitas MR, Almeida RR, Martins DR. Treatment of a Class II subdivision malocclusion with multiple congenitally missing teeth. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2009;135(5):663-70.

Dental Press J Orthod

Enviado em: 29 de agosto de 2010 Revisado e aceito: 20 de janeiro de 2011

Endereço para correspondência Susiane Allgayer Rua Furriel Luiz Antônio de Vargas, 134 – Mont’Serrat CEP: 90.470-130 – Porto Alegre/RS E-mail: susianeallgayer@gmail.com

110

2011 Nov-Dec;16(6):100-10


Artigo Inédito

Coleta e cultura de células-tronco obtidas da polpa de dentes decíduos: técnica e relato de caso clínico Alan Araujo de Jesus*, Milena Botelho Pereira Soares**, Ana Prates Soares***, Renata Campos Nogueira****, Elisalva Teixeira Guimarães*****, Telma Martins de Araujo******, Ricardo Ribeiro dos Santos*******

Resumo Introdução: as células-tronco (CT) possuem capacidade de induzir a regeneração tecidual

e, portanto, apresentam um potencial terapêutico. Assim como a medula óssea e o cordão umbilical, a polpa dentária é uma das fontes disponíveis de CT. O seu fácil acesso e o fato de os dentes decíduos não serem órgãos vitais, que normalmente são descartados após a esfoliação, provêm um atrativo para testes de segurança e viabilidade terapêutica dessas células. Objetivos: descrever a coleta, o isolamento e o cultivo de CT obtidas da polpa de dentes decíduos, assim como a sua caracterização por meio de citometria de fluxo e da indução da diferenciação em linhagens osteogênica e adipogênica. Métodos: as CT foram obtidas de forma relativamente simples e apresentaram boa capacidade proliferativa, mesmo a partir de pouca quantidade de tecido pulpar. Resultados: a análise por citometria de fluxo confirmou as características de CT mesenquimais, com baixos níveis de expressão dos antígenos CD34 e CD45, que são marcadores de células hematopoiéticas, e altos níveis de expressão dos antígenos CD105, CD166, CD90 e CD73, que são marcadores de CT mesenquimais. A plasticidade das células foi confirmada pela identificação de depósitos de cálcio nas culturas que receberam meio osteogênico, e de acúmulo lipídico intracelular nas culturas que receberam meio adipogênico. Conclusões: as CT de dentes decíduos têm um potencial promissor de aplicação em regeneração tecidual. Sendo assim, é importante difundir entre os cirurgiões-dentistas o conhecimento sobre a existência e as características dessa fonte de CT, discutindo a técnica utilizada, suas limitações e possíveis indicações. Palavras-chave: Células-tronco. Terapia tecidual. Técnicas de cultura de células. Dentes natais.

Como citar este artigo: Jesus AA, Soares MBP, Soares AP, Nogueira RC, Guimarães ET, Araujo TM, Santos RR. Coleta e cultura de células-tronco obtidas da polpa de dentes decíduos: técnica e relato de caso clínico. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):111-8. * ** *** **** ***** ****** *******

» Os autores declaram não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

Doutor em Biotecnologia pela UEFS/Fiocruz. Pesquisadora Titular da Fundação Oswaldo Cruz/BA. Coordenadora do Laboratório de Engenharia Tecidual e Imunofarmacologia (LETI). Graduada em Odontologia pela UFB. Mestre em Biotecnologia pela UEFS/Fiocruz. Doutora em Patologia pela Fiocruz/BA. Professora Titular de Ortodontia na UFBA. Presidente do Board Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial. Pesquisador Titular do Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz Fiocruz/BA. Coordenador de pesquisas básicas do Hospital São Rafael (HSR) – Monte Tabor, Centro Ítalo Brasileiro de Promoção Sanitária.

Dental Press J Orthod

111

2011 Nov-Dec;16(6):111-8


Jesus AA, Soares MBP, Soares AP, Nogueira RC, Guimarães ET, Araujo TM, Santos RR

Collection and culture of stem cells derived from dental pulp of deciduous teeth: Technique and clinical case report Abstract Introduction: Stem cells (SC) are cells capable of inducing tissue regeneration, and therefore present a therapeutic potential. In addition to the bone marrow and the umbilical cord, the dental pulp is one of the available sources of SC. Furthermore, the facts that deciduous teeth are easily accessed and are not vital organs, usually discarded after exfoliation, make SC from the pulp of human exfoliated deciduous teeth attractive to be used for safety and viability tests. Objectives: To describe the collection, isolation and culture of SC obtained from the pulp of deciduous teeth, as well as their characterization by flow cytometry and the induction of these cells into osteogenic and adipogenic lineages. Methods: The SC were easily obtained and showed a good proliferation capacity, even coming from a small amount of pulp tissue. Results: The flow cytometry analysis confirmed the mesenchimal SC characteristics of the cells, with low level of expression of CD34 and CD45 antigens, which are markers for hematopoietic cells, and high levels of CD105, CD166, CD90 and CD73 antigens, which are mesenchymal SC markers. The plasticity of the cells was confirmed by the identification of calcium deposits in cultures that received osteogenic medium and intracellular lipid accumulation in the cultures that received the adipogenic medium. Conclusion: The application of SC obtained from deciduous teeth for tissue regeneration is promising and should be further investigated. This highlights the importance of spreading among dentists the knowledge about the existence and characteristics of this source of SC, discussing the technique, its limitations and possible applications. Keywords: Stem cells. Cell culture techniques. Deciduous teeth.

Referências 1. Becker C, Jakse G. Stem cells for regeneration of urological structures. Eur Urol. 2007;51(5):1217-28. Epub 2007 Jan 18. 2. Christou YA, Mooret HD, Shaw PJ, Monk PN. Embryonic stem cells and prospects for their use in regenerative medicine approaches to motor neuron disease. Neuropathol Appl Neurobiol. 2007;33(5):485-98. 3. Cummings BJ, Uchida N, Tamaki SJ, Anderson AJ. Human neural stem cell differentiation following transplantation into spinal cord injured mice: association with recovery of locomotor function. Neurol Res. 2006;28(5):474-81. 4. Krebsbach PH, Robey PG. Dental and skeletal stem cells: potential cellular therapeutics for craniofacial regeneration. J Dent Educ. 2002;66(2):766-73. 5. Lechner A. Stem cells and regenerative medicine for the treatment of type 1 diabetes: the challenges lying ahead. Pediatr Diabetes. 2004;5 Suppl 2:88-93. 6. Prentice DA, Tarne G. Treating diseases with adult stem cells. Science. 2007;315(5810):328. 7. Ricardo SD, Deane JA. Adult stem cells in renal injury and repair. Nephrology (Carlton). 2005;10(3):276-82. 8. Rice CM, Halfpenny CA, Scolding NJ. Stem cells for the treatment of neurological disease. Transfus Med. 2003;13(6):351-61.

Dental Press J Orthod

9. Santos RR, Soares MBP, Carvalho ACC. Transplante de células da medula óssea no tratamento da cardiopatia chagásica crônica. Rev Bras Med Trop. 2004;37(6):490-5. 10. Soares MBP, Lima RS, Rocha LL, Takyia CM, Pontes-deCarvalho LC, Carvalho ACC, et al. Transplanted bone marrow cells repair heart tissue and reduce myocarditis in chronic chagasic mice. Am J Pathol. 2004;164(2):441-7. 11. Zhan Y, Wang Y, Wei L, Chen H, Cong X, Fei R, et al. Differentiation of hematopoietic stem cells into hepatocytes in liver fibrosis in rats. Transplant Proc. 2006;38(9):3082-5. 12. Yamada Y, Nakamura S, Ito K, Sugito T, Yoshimi R, Nagasaka T, et al. A feasibility of useful cell-based therapy by bone regeneration with deciduous tooth stem cells, dental pulp stem cells, or bone marrow-derived mesenchymal stem cells for clinical study using tissue engineering technology. Tissue Eng Part A. 2010;16(6):1891-900. 13. Lyra AC, Soares MB, da Silva LF, Fortes MF, Silva AG, Mota AC, et al. Feasibility and safety of autologous bone marrow mononuclear cell transplantation in patients with advanced chronic liver disease. World J Gastroenterol. 2007;13(7):1067-73. 14. Soares AP, Knop LAH, Jesus AA, Araújo TM. Células-tronco em Odontologia. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2007;12(1):33-40.

117

2011 Nov-Dec;16(6):111-8


Coleta e cultura de células-tronco obtidas da polpa de dentes decíduos: técnica e relato de caso clínico

15. Miszta-Lane H, Mirbolooki M, James Shapiro AM, Lakey JR. Stem cell sources for clinical islet transplantation in type 1 diabetes: embryonic and adult stem cells. Med Hypotheses. 2006;67(4):909-13. Epub 2006 Jun 9. 16. Miura M, Gronthos S, Zhao M, Lu B, Fisher LW, Robey PG, et al. Shed: Stem cells from human exfoliated deciduous teeth. Proc Natl Acad Sci USA. 2003;100(10):5807-12. Epub 2003 Apr 25. 17. Nakamura S, Yamada Y, Katagiri W, Sugito T, Ito K, Ueda M. Stem cell proliferation pathways comparison between human exfoliated deciduous teeth and dental pulp stem cells by gene expression profile from promising dental pulp. J Endod. 2009;35(11):1536-42. Epub 2009 Sep 20. 18. Koyama N, Okubo Y, Nakao K, Bessho K. Evaluation of pluripotency in human dental pulp cells. J Oral Maxillofac Surg. 2009;67(3):501-6. 19. Huang GT, Gronthos S, Shi S. Mesenchymal stem cells derived from dental tissues vs. those from other sources: their biology and role in regenerative medicine. J Dent Res. 2009;88(9):792-806. 20. Nogueira RC. Isolamento, caracterização e análise da estabilidade citogenética após expansão in vitro de células tronco mesenquimais derivadas do epitélio amniótico, tecido adiposo e polpa de dente decíduo humano [dissertação]. Feira de Santana (BA): Universidade Federal de Feira de Santana; 2009. 21. Maler JM, Spitzer P, Lewczuk P, Kornhuber J, Herrmann M, Wiltfang J. Decreased circulating CD34þ stem cells in early Alzheimer’s disease: evidence for a deficient hematopoietic brain support? Mol Psychiatry. 2006;11(12):1113-5. 22. Young MJ. Stem cells in the mammalian eye: a tool for retinal repair. APMIS. 2005;113(11-12):845-57.

23. Batouli S, Miura M, Brahim J, Tsutsui TW, Fisher LW, Gronthos S, et al. Comparison of stem-cell-mediated osteogenesis and dentinogenesis. J Dent Res. 2003;82(12):976-81. 24. Gronthos S, Brahim J, Li W, Fisher LW, Cherman N, Boyde A, et al. Stem cell properties of human dental pulp stem cells. J Dent Res. 2002;81(8):531-5. 25. Nolla CM. The development of the permanent teeth. J Dent Child. 1960;27:254-66. 26. Martinello T, Bronzini I, Maccatrozzo L, Iacopetti I, Sampaolesi M, Mascarello F, et al. Cryopreservation does not affect the stem characteristics of multipotent cells isolated from equine peripheral blood. Tissue Engineering: Part C. Forthcoming 2009. 27. Ding G, Wang W, Liu Y, An Y, Zhang C, Shi S, Wang S. Effect of cryopreservation on biological and immunological properties of stem cells from apical papilla. J Cell Physiol. 2010;223(2):415-22. 28. Perry BC, Zhou D, Wu X, Yang FC, Byers MA, Chu TM, et al. Collection, cryopreservation, and characterization of human dental pulp-derived mesenchymal stem cells for banking and clinical use. Tissue Eng Part C Methods. 2008;14(2):149-56. 29. Woods EJ, Perry BC, Hockema JJ, Larson L, Zhou D, Goebel WS. Optimized cryopreservation method for human dental pulp-derived stem cells and their tissues of origin for banking and clinical use. Cryobiology. 2009;59(2):150-7. Epub 2009 Jun 16. 30. American Academy of Pediatric Dentistry. Policy on stem cell. Reference Manual. 2008;31(6):84.

Enviado em: 21 de fevereiro de 2011 Revisado e aceito: 30 de junho de 2011

Endereço para correspondência Alan Araujo de Jesus Av. ACM, 585, bloco A, sala 806 CEP: 41.825-000 – Salvador / BA E-mail: araujoalan@yahoo.com.br

Dental Press J Orthod

118

2011 Nov-Dec;16(6):111-8


Caso Clínico BBO

Má oclusão de Classe I com biprotrusão e ausência dos primeiros molares inferiores* Aldino Puppin Filho**

Resumo

O presente relato de caso descreve o tratamento ortodôntico de uma paciente de 24 anos de idade, portadora de má oclusão de Classe I de Angle, com protrusão dos incisivos superiores e inferiores, além de perda recente dos primeiros molares inferiores. O tratamento idealizado envolveu a exodontia dos primeiros pré-molares superiores, aliada ao fechamento dos espaços presentes na arcada inferior. O resultado obtido demonstra a necessidade de planos de tratamento individualizados e a importância dos conceitos biomecânicos para movimentar adequadamente os dentes. Esse caso clínico foi apresentado à Diretoria do Board Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial (BBO), representando a categoria livre escolha, como parte dos requisitos para obtenção do título de Diplomado pelo BBO. Palavras-chave: Má oclusão Classe I de Angle. Ortodontia Corretiva. Biomecânica. Fechamento de espaço ortodôntico.

História e etiologia Paciente do sexo feminino, leucoderma, com 24 anos de idade, apresentava bom estado geral de saúde, histórico moderado de doença cárie, restaurações satisfatórias, saúde periodontal e perda recente dos primeiros molares inferiores. Como queixa principal, questionou sobre a possibilidade de fechar os espaços dos dentes perdidos. Quando inquirida sobre sua aparência facial, relatou que se achava “dentuça”.

DIAGNÓSTICO Após análise e avaliação dos dados obtidos no exame clínico e por meio dos outros elementos de diagnóstico (fotografias extra e intrabucais; radiografias cefalométrica de perfil, panorâmica e periapicais; e modelos de gesso) pôde-se verificar que a paciente apresentava perfil convexo, sem selamento labial passivo, com protrusão dos lábios superior e inferior (Ls-Linha S=2mm e Li-Linha S=3mm). A altura facial anteroinferior se apresentava levemente

Como citar este artigo: Puppin Filho A. Má oclusão de Classe I com biprotrusão e ausência dos primeiros molares inferiores. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):119-29.

» O autor declara não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* Relato de caso clínico, categoria livre escolha, aprovado pelo Board Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial. ** Mestre em Odontologia, área de concentração Ortodontia (UERJ). Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial (UERJ). Diplomado pelo Board Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial (BBO).

Dental Press J Orthod

119

2011 Nov-Dec;16(6):119-29


Puppin Filho A

Angle’s Class I malocclusion with bimaxillary dental protrusion and missing mandibular first molars Abstract This case report describes the orthodontic treatment of a 24-year-old woman presenting an Angle’s Class I malocclusion with bimaxillary dental protrusion and missing first mandibular molars. Treatment plan involved the extraction of maxillary first premolars and closing mandibular first molars spaces. Treatment outcomes demonstrate the need of customized treatment planning, and the importance of biomechanic concepts in achieving proper orthodontic tooth movement. This case was previously presented to the Directors of the Brazilian Board of Orthodontics and Facial Orthopedics (BBO), representing the free choice category, as part of the requirements to become a BBO Diplomate. Keywords: Angle Class I malocclusion. Corrective orthodontics. Biomechanics. Orthodontic space closure.

Referências 1. Puppin Filho A. Avaliação quantitativa de medidas dentofaciais relacionadas à altura da linha do sorriso [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2002. 2. Aras A. Vertical changes following orthodontic extraction treatment in skeletal open bite subjects. Eur J Orthod. 2002;24(4):407-16. 3. Tweed CH. Clinical orthodontics. St. Louis: C.V. Mosby Company; 1966. 4. Steiner C. Cephalometrics as a clinical tool. In: Riedel RA. Vistas in orthodontics. Philadelphia: Lea & Febiger; 1962. 397 p.

5.

Zachrisson B. JCO interviews: Dr. Bjorn Zachrisson on excellence in finishing: Part 1. J Clin Orthod. 1986;20(7):460-82. 6. Proffit WR, Fields HW Jr. Contemporary orthodontics. 2nd ed. St Louis: Mosby Year Book; 1993. 7. Isaacson RJ, Lindauer SJ, Davidovitch M. The ground rules for arch wire design. Semin Orthod. 2001;7(1):34-41. 8. Andrews LF. Straight-Wire: the concept and the appliance. San Diego: L.A. Wells; 1989.

Enviado em: 2 de agosto de 2011 Revisado e aceito: 26 de agosto de 2011

Endereço para correspondência Aldino Puppin Filho Av. Américo Buaiz, 501, sala 1002 Torre Norte, Enseada do Suá CEP: 29.050-911 – Vitória/ES E-mail: puppinf@gmail.com

Dental Press J Orthod

129

2011 Nov-Dec;16(6):119-29


Tópico Especial

Extrações de molares na Ortodontia Marco Antônio Schroeder*, Daniela Kimaid Schroeder**, Diego Júnior Silva Santos***, Michelle Machado Leser****

Resumo

O tratamento ortodôntico com extração de molares em pacientes adultos é tecnicamente mais complexo, devido a inúmeros fatores. Em geral, o espaço a ser fechado é maior do que o espaço dos pré-molares e, por isso, a ancoragem é crítica e o tempo de tratamento mais longo. É comum esses casos apresentarem algum grau de comprometimento periodontal por causa da idade dos pacientes e, portanto, necessitam de maior controle da mecânica ortodôntica para reduzir os efeitos colaterais do fechamento do espaço. Por isso, bons resultados de finalização são mais difíceis de ser alcançados. Sendo assim, este artigo tem como objetivo apresentar as razões para a indicação de extração de molares nos tratamentos ortodônticos, as contraindicações, as diferentes fases da mecânica ortodôntica, esclarecer os fatores envolvidos nesse tipo de planejamento e tratamento e apresentar casos clínicos tratados com extração de molares. Palavras-chave: Má oclusão Classe I de Angle. Extração dentária. Ortodontia Corretiva.

INTRODUÇÃO O número de pacientes adultos que se submetem a tratamento ortodôntico representa uma parcela significativa nos consultórios dos ortodontistas. É comum encontrar nesses pacientes algum grau de comprometimento, ou mesmo a ausência, de um ou mais molares.

Em casos que apresentam falta de espaço para o alinhamento dos dentes, protrusão dentária ou assimetrias intra-arcadas, nos quais a exodontia de dentes permanentes está indicada, os molares comprometidos podem se tornar a primeira opção de extração quando os pré-molares estão em melhores condições.

Como citar este artigo: Schroeder MA, Schroeder DK, Santos DJS, Leser MM. Extrações de molares na Ortodontia. Dental Press J Orthod. 2011 Nov-Dec;16(6):130-57.

» O autor declara não ter interesses associativos, comerciais, de propriedade ou financeiros que representem conflito de interesse, nos produtos e companhias descritos nesse artigo.

* Mestre em Ortodontia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor de Ortodontia da Universidade Estácio de Sá. Diplomado pelo Board Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial (BBO). ** Mestre em Ortodontia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Diplomada pelo Board Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial (BBO). *** Especialista em Ortodontia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro. **** Especialista em Ortodontia pela Universidade Gama Filho.

Dental Press J Orthod

130

2011 Nov-Dec;16(6):130-57


Schroeder MA, Schroeder DK, Santos DJS, Leser MM

Molars extraction in orthodontics Abstract Orthodontic treatment with molar extractions in adult patients is technically more complex because of several factors. In general, the space to be closed is larger than premolar spaces, the anchorage is critical and treatment time is longer. It is common for these cases to present some sort of periodontal involvement due to patient’s age and, therefore, need of more orthodontic anchorage control to reduce space closure side effects. Because of all these factors good finishing results are harder to be achieved. So, the purpose of this article is to show the reasons for molar extraction indications and the different phases of orthodontic mechanics, to explain the aspects involved in this kind of planning and treatment, and describe some treatments with molar extractions. Keywords: Angle Class I malocclusion. Tooth extraction. Corrective orthodontics.

Referências 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7.

8. 9. 10. 11. 12. 13. 14. 15.

16. 17.

18. Waters D, Harris EF. Cephalometric comparison of maxillary second molar extraction and nonextraction treatments in patients with Class II malocclusions. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2001;120(6):608-13. 19. Haas AJ. Let’s take a rational look at permanent second molar extraction. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1986;90(5):361-3. 20. Richardson M, Mills K. Late lower arch crowding: the effect of second molar extraction. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1990;98(3):242-6. 21. Mezomo MB, Pierret M, Rosenbach G, Tavares CAE. A extração de segundos molares superiores para o tratamento da Classe II. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2004;15(3):94-105. 22. Moffit AH. Eruption and function of maxillary third molars after extraction of second molars. Angle Orthod. 1998;68(2):147-52. 23. Artun J, Behbehani F, Thalib L. Prediction of maxillary third molar impaction in adolescent orthodontic patients. Angle Orthod. 2005;75(6):904-11. 24. Peterson LJ, Ellis, Hupp EJR, Tucker MR. Princípios do tratamento de dentes impactados. In: Peterson LJ. Cirurgia oral e maxilofacial contemporânea. Rio de Janeiro: Elsevier; 2005. p. 197-205. 25. Almendros-Marqués N, Alaejos-Algarra E, Quinteros-Borgarello M, Berini-Aytés L, Gay-Escoda C. Factors influencing the prophylactic removal of asymptomatic impacted lower third molars. Int J Oral Maxillofac Surg. 2008;37(1):29-35. 26. Eriksson L, Hillerup S, Reibel J, Persson, Brun A. Traumatic changes of the inferior alveolar nerve and gasserian ganglion after removal of a mandibular third molar: report of a case. J Oral Maxillofac Surg. 2006;64(12):1821-5. 27. Lago-Méndez L, Diniz-Freitas M, Senra-Rivera C, Gude-Sampedro F, Gándara Rey JM, García-García A. Relationships between surgical difficulty and postoperative pain in lower third molar extractions. J Oral Maxillofac Surg. 2007;65(5):979-83. 28. Artese F. Pergunte a um expert. Rev Clín Ortod Dental Press. 2006;5(1)14-23. 29. Cornelis MA, De Clerck HJ. Maxillary molar distalization with miniplates assessed on digital models: a prospective clinical trial. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2007;132(3):373-7. 30. Sugawara J, Daimaruya T, Umemori M, Nagasaka H, Takahashi I, Kawamura H, et al. Distal movement of mandibular molars in adult patients with the skeletal anchorage system. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2004;125(2):130-8.

Bennett JCM, McLauglin RP. O tratamento ortodôntico na dentição com aparelho pré-ajustado. São Paulo: Artes Médicas; 1998. Sandler PJ, Atkinson R, Murray AM. For four sixes. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2000;117( 4):418-34. Hom BM, Turley PK. The effects of space closure of the mandibular first molar area in adults. Am J Orthod. 1984;85(6):457-69. Stepovich ML. A clinical study on closing edentulous spaces in the mandible. Angle Orthod. 1979;49(4):227-33. Schroeder MA. Má oclusão Classe I de Angle com acentuada biprotrusão, tratada com extração de dentes permanentes. Dental Press J Orthod. 2009;14(4):137-48. Carvalho RS, Nelson D, Kelderman H, Wise R. Guided bone regeneration to repair an osseous defect. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2003;123(4):455-67. Feng X, Oba T, Oba Y, Moriyama K. An interdisciplinary approach for improved functional and esthetic results in a periodontally compromised adult patient. Angle Orthod. 2005;75(6):1061-70. Kessler M. Interrelationships between orthodontics and periodontics. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1976;70(2):154-72. Newman GV. Limited orthodontics for the older population: multidisciplinary modalities. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1992;101(3):281-85. Roberts W, Chacker FM, Burstone CJ. A segmental approach to mandibular molar uprighting. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1982;81(3):177-84. Braun S, Sjurse NRC, Legan H L. On the management of extraction sites. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1997;112(6):645-55. Nanda R, Diaz MAT. Orthodontic space closure. Dent Clin North Am. 1981;25(1):95-107. Stanley HR, Alattar M, Collett WK, Stringfellow HR Jr, Spiegel EH. Pathological sequelae of “neglected” impacted third molars. J Oral Pathol. 1988;17(3):113-7. Diedrich P, Wehrbein H. Orthodontic retraction into recent and healed extraction sites. A histologic study. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1997;58(2):90-9. Rivera Circuns AL, Tulloch JF. Gingival invagination in extraction sites of orthodontic patients: their incidence, effects on periodontal health, and orthodontic treatment. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1983;83(6):469-76. Reitan K. Principles of retention and avoidance of posttreatment relapse. Am J Orthod. 1969;55(6):230-44. Freitas MR, de Lima DV, de Freitas KM, Janson G, Henriques JF. Strategic maxillary second-molar extraction in Class II malocclusion. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2009;136(6):878-86.

Dental Press J Orthod

Enviado em: 31 de maio de 2011 Revisado e aceito: 10 de novembro de 2011

Endereço para correspondência Marco Antonio Schroeder Rua Visconde de Pirajá, 444 sobreloja 205 – Ipanema CEP: 22.410-002 – Rio de Janeiro/RJ E-mail: drmarco@orthonet.com.br

157

2011 Nov-Dec;16(6):130-57


N ormas

de apresentação de originais

— O Dental Press Journal of Orthodontics publica artigos de investigação científica, revisões significativas, relatos de casos clínicos e de técnicas, comunicações breves e outros materiais relacionados à Ortodontia e Ortopedia Facial.

formatação Dos MANUSCRITOS — Submeta os artigos através do site: www.dentalpressjournals.com.br — Organize sua apresentação como descrito a seguir:

— O Dental Press Journal of Orthodontics utiliza o Sistema de Gestão de Publicação, um sistema on-line de submissão e avaliação de trabalhos. Para submeter novos trabalhos visite o site: www.dentalpressjournals.com.br

1. Autores — o número de autores é ilimitado; entretanto, artigos com mais de 4 autores deverão informar a participação de cada autor na execução do trabalho. 2. Página de título — deve conter título em português e em inglês, resumo e abstract, palavras-chave e keywords. — não devem ser incluídas informações relativas à identificação dos autores (por exemplo: nomes completos dos autores, títulos acadêmicos, afiliações institucionais e/ou cargos administrativos). Elas deverão ser incluídas apenas nos campos específicos no site de submissão de artigos. Assim, essas informações não estarão disponíveis para os revisores.

— Outros tipos de correspondência poderão ser enviados para: Dental Press International Av. Euclides da Cunha 1718, Zona 5 CEP: 87.015-180, Maringá/PR Tel.: (44) 3031-9818 E-mail: artigos@dentalpress.com.br — As declarações e opiniões expressas pelo(s) autor(es) não necessariamente correspondem às do(s) editor(es) ou publisher, os quais não assumirão qualquer responsabilidade pelas mesmas. Nem o(s) editor(es) nem o publisher garantem ou endossam qualquer produto ou serviço anunciado nesta publicação ou alegação feita por seus respectivos fabricantes. Cada leitor deve determinar se deve agir conforme as informações contidas nesta publicação. A Revista ou as empresas patrocinadoras não serão responsáveis por qualquer dano advindo da publicação de informações errôneas.

3. Resumo/Abstract — os resumos estruturados, em português e inglês, de 250 palavras ou menos são os preferidos. — os resumos estruturados devem conter as seções: INTRODUÇÃO, com a proposição do estudo; MÉTODOS, descrevendo como o mesmo foi realizado; RESULTADOS, descrevendo os resultados primários; e CONCLUSÕES, relatando, além das conclusões do estudo, as implicações clínicas dos resultados. — os resumos devem ser acompanhados de 3 a 5 palavras-chave, também em português e em inglês, adequadas conforme orientações do DeCS (http://decs. bvs.br/) e do MeSH (www.nlm.nih.gov/mesh).

— Os trabalhos apresentados devem ser inéditos e não publicados ou submetidos para publicação em outra revista. Os manuscritos serão analisados pelo editor e consultores, e estão sujeitos a revisão editorial. Os autores devem seguir as orientações descritas adiante.

4. Texto — o texto deve ser organizado nas seguintes seções: Introdução, Material e Métodos, Resultados, Discussão, Conclusões, Referências, e Legendas das figuras. — os textos devem ter no máximo 3.500 palavras, incluindo legendas das figuras e das tabelas (sem contar os dados das tabelas), resumo, abstract e referências. — as figuras devem ser enviadas em arquivos separados (leia mais abaixo). — insira as legendas das figuras também no corpo do texto, para orientar a montagem final do artigo.

ORIENTAÇÕES PARA SUBMISSÃO Dos MANUSCRITOS — Os trabalhos devem, preferencialmente, ser escritos em língua inglesa. — Apesar de ser oficialmente publicado em inglês, o Dental Press Journal of Orthodontics conta ainda com uma versão em língua portuguesa. Por isso serão aceitas, também, submissões de artigos em português.

5. Figuras — as imagens digitais devem ser no formato JPG ou TIF, em CMYK ou tons de cinza, com pelo menos 7 cm de largura e 300 DPIs de resolução. — as imagens devem ser enviadas em arquivos independentes. — se uma figura já foi publicada anteriormente, sua legenda deve dar todo o crédito à fonte original. — todas as figuras devem ser citadas no texto.

— Nesse caso, os autores deverão também enviar a versão em inglês do artigo, com qualidade vernacular adequada e conteúdo idêntico ao da versão em português, para que o trabalho possa ser considerado aprovado.

Dental Press J Orthod

158

2011 Nov-Dec;16(6):158-60


N ormas

de apresentação de originais

Essas autorizações devem ser guardadas indefinidamente pelo autor responsável pelo artigo. Deve ser enviada folha de rosto atestando o fato de que todas as autorizações dos pacientes foram obtidas e estão em posse do autor correspondente.

6. Gráficos e traçados cefalométricos — devem ser citados, no texto, como figuras. — devem ser enviados os arquivos que contêm as versões originais dos gráficos e traçados, nos programas que foram utilizados para sua confecção. — não é recomendado o envio dos mesmos apenas em formato de imagem bitmap (não editável). — os desenhos enviados podem ser melhorados ou redesenhados pela produção da revista, a critério do Corpo Editorial.

10. Referências — todos os artigos citados no texto devem constar na lista de referências. — todas as referências devem ser citadas no texto. — para facilitar a leitura, as referências serão citadas no texto apenas indicando a sua numeração. — as referências devem ser identificadas no texto por números arábicos sobrescritos e numeradas na ordem em que são citadas. — as abreviações dos títulos dos periódicos devem ser normalizadas de acordo com as publicações “Index Medicus” e “Index to Dental Literature”. — a exatidão das referências é responsabilidade dos autores e elas devem conter todos os dados necessários para sua identificação. — as referências devem ser apresentadas no final do texto obedecendo às Normas Vancouver (http://www. nlm.nih.gov/bsd/uniform_requirements.html). — utilize os exemplos a seguir:

7. Tabelas — as tabelas devem ser autoexplicativas e devem complementar, e não duplicar, o texto. — devem ser numeradas com algarismos arábicos, na ordem em que são mencionadas no texto. — forneça um breve título para cada tabela. — se uma tabela tiver sido publicada anteriormente, inclua uma nota de rodapé dando crédito à fonte original. — apresente as tabelas como arquivo de texto (Word ou Excel, por exemplo), e não como elemento gráfico (imagem não editável). 8. Comitês de Ética — os artigos devem, se aplicável, fazer referência ao parecer do Comitê de Ética da instituição. 9. Declarações exigidas Todos os manuscritos devem ser acompanhados das seguintes declarações, a serem preenchidas no momento da submissão do artigo: — Cessão de Direitos Autorais Transferindo os direitos autorais do manuscrito para a Dental Press, caso o trabalho seja publicado. — Conflito de Interesse Caso exista qualquer tipo de interesse dos autores para com o objeto de pesquisa do trabalho, esse deve ser explicitado. — Proteção aos Direitos Humanos e de Animais Caso se aplique, informar o cumprimento das recomendações dos organismos internacionais de proteção e da Declaração de Helsinki, acatando os padrões éticos do comitê responsável por experimentação humana/animal. — Permissão para uso de imagens protegidas por direitos autorais Ilustrações ou tabelas originais, ou modificadas, de material com direitos autorais devem vir acompanhadas da permissão de uso pelos proprietários desses direitos e pelo autor original (e a legenda deve dar corretamente o crédito à fonte). — Consentimento Informado Os pacientes têm direito à privacidade que não deve ser violada sem um consentimento informado. Fotografias de pessoas identificáveis devem vir acompanhadas por uma autorização assinada pela pessoa ou pelos pais ou responsáveis, no caso de menores de idade.

Dental Press J Orthod

Artigos com até seis autores

Sterrett JD, Oliver T, Robinson F, Fortson W, Knaak B, Russell CM. Width/length ratios of normal clinical crowns of the maxillary anterior dentition in man. J Clin Periodontol. 1999 Mar;26(3):153-7.

Artigos com mais de seis autores

De Munck J, Van Landuyt K, Peumans M, Poitevin A, Lambrechts P, Braem M, et al. A critical review of the durability of adhesion to tooth tissue: methods and results. J Dent Res. 2005 Feb;84(2):118-32.

Capítulo de livro

Kina S. Preparos dentários com finalidade protética. In: Kina S, Brugnera A. Invisível: restaurações estéticas cerâmicas. Maringá: Dental Press; 2007. cap. 6, p. 223-301.

Capítulo de livro com editor

Breedlove GK, Schorfheide AM. Adolescent pregnancy. 2nd ed. Wieczorek RR, editor. White Plains (NY): March of Dimes Education Services; 2001.

Dissertação, tese e trabalho de conclusão de curso

Beltrami LER. Braquetes com sulcos retentivos na base, colados clinicamente e removidos em laboratórios por testes de tração, cisalhamento e torção [dissertação]. Bauru (SP): Universidade de São Paulo; 1990.

Formato eletrônico

159

Câmara CALP. Estética em Ortodontia: Diagramas de Referências Estéticas Dentárias (DRED) e Faciais (DREF). Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2006 nov-dez;11(6):130-56. [Acesso 2008 Jun 12]. Disponível em: www.scielo.br/pdf/ dpress/v11n6/a15v11n6.pdf.

2011 Nov-Dec;16(6):158-60


C omunicado

aos

A utores

e

C onsultores - R egistro

de

E nsaios C línicos

primários de ensaios clínicos são: www.actr.org.au (Australian Clinical

1. O registro de ensaios clínicos Os ensaios clínicos se encontram entre as melhores evidências

Trials Registry), www.clinicaltrials.gov e http://isrctn.org (Internatio-

para tomada de decisões clínicas. Considera-se ensaio clínico todo pro-

nal Standard Randomised Controlled Trial Number Register (ISRC-

jeto de pesquisa com pacientes que seja prospectivo, nos quais exista

TN). Os registros nacionais estão sendo criados e, na medida do possí-

intervenção clínica ou medicamentosa com objetivo de comparação de

vel, os ensaios clínicos registrados nos mesmos serão direcionados para

causa/efeito entre os grupos estudados e que, potencialmente, possa ter

os recomendados pela OMS. A OMS propõe um conjunto mínimo de informações que devem

interferência sobre a saúde dos envolvidos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os ensaios clí-

ser registradas sobre cada ensaio, como: número único de identificação,

nicos controlados aleatórios e os ensaios clínicos devem ser notificados

data de registro do ensaio, identidades secundárias, fontes de financia-

e registrados antes de serem iniciados.

mento e suporte material, principal patrocinador, outros patrocinado-

O registro desses ensaios tem sido proposto com o intuito de

res, contato para dúvidas do público, contato para dúvidas científicas,

identificar todos os ensaios clínicos em execução e seus respectivos

título público do estudo, título científico, países de recrutamento, pro-

resultados, uma vez que nem todos são publicados em revistas cien-

blemas de saúde estudados, intervenções, critérios de inclusão e ex-

tíficas; preservar a saúde dos indivíduos que aderem ao estudo como

clusão, tipo de estudo, data de recrutamento do primeiro voluntário,

pacientes; bem como impulsionar a comunicação e a cooperação de

tamanho pretendido da amostra, status do recrutamento e medidas de

instituições de pesquisa entre si e com as parcelas da sociedade com

resultados primárias e secundárias. Atualmente, a Rede de Colaboradores está organizada em três

interesse em um assunto específico. Adicionalmente, o registro permite

categorias:

reconhecer as lacunas no conhecimento existentes em diferentes áreas,

- Registros Primários: cumprem com os requisitos mínimos e

observar tendências no campo dos estudos e identificar os especialistas

contribuem para o Portal;

nos assuntos. Reconhecendo a importância dessas iniciativas e para que as revis-

- Registros Parceiros: cumprem com os requisitos mínimos, mas

tas da América Latina e Caribe sigam recomendações e padrões inter-

enviam os dados para o Portal somente através de parceria com um dos Registros Primários;

nacionais de qualidade, a BIREME recomendou aos editores de revistas

- Registros Potenciais: em processo de validação pela Secretaria

científicas da área da saúde indexadas na Scientific Library Electronic

do Portal, ainda não contribuem para o Portal.

Online (SciELO) e na LILACS (Literatura Latino-americana e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde) que tornem públicas estas exigências e seu contexto. Assim como na base MEDLINE, foram in-

3. Posicionamento do Dental Press Journal of Orthodontics

cluídos campos específicos na LILACS e SciELO para o número de

O DENTAL PRESS JOURNAL OF ORTHODONTICS apoia

registro de ensaios clínicos dos artigos publicados nas revistas da área

as políticas para registro de ensaios clínicos da Organização Mundial

da saúde.

da Saúde - OMS (http://www.who.int/ictrp/en/) e do International

Ao mesmo tempo, o International Committee of Medical Jour-

Committee of Medical Journal Editors – ICMJE (http://www.wame.

nal Editors (ICMJE) sugeriu aos editores de revistas científicas que

org/wamestmt.htm#trialreg e http://www.icmje.org/clin_trialup.htm),

exijam dos autores o número de registro no momento da submissão

reconhecendo a importância dessas iniciativas para o registro e divul-

de trabalhos. O registro dos ensaios clínicos pode ser feito em um dos

gação internacional de informação sobre estudos clínicos, em acesso

Registros de Ensaios Clínicos validados pela OMS e ICMJE, cujos en-

aberto. Sendo assim, seguindo as orientações da BIREME/OPAS/OMS

dereços estão disponíveis no site do ICMJE. Para que sejam validados,

para a indexação de periódicos na LILACS e SciELO, somente serão

os Registros de Ensaios Clínicos devem seguir um conjunto de critérios

aceitos para publicação os artigos de pesquisas clínicas que tenham

estabelecidos pela OMS.

recebido um número de identificação em um dos Registros de Ensaios Clínicos, validados pelos critérios estabelecidos pela OMS e ICMJE, cujos endereços estão disponíveis no site do ICMJE: http://www.icmje.

2. Portal para divulgação e registro dos ensaios

org/faq.pdf. O número de identificação deverá ser registrado ao final

A OMS, com objetivo de fornecer maior visibilidade aos Registros

do resumo.

de Ensaios Clínicos validados, lançou o portal WHO Clinical Trial Se-

Consequentemente, recomendamos aos autores que procedam o

arch Portal (http://www.who.int/ictrp/network/en/index.html), com

registro dos ensaios clínicos antes do início de sua execução.

interface que permite busca simultânea em diversas bases. A pesquisa, nesse portal, pode ser feita por palavras, pelo título dos ensaios clínicos ou pelo número de identificação. O resultado mostra todos os ensaios existentes, em diferentes fases de execução, com enlaces para a descrição completa no Registro Primário de Ensaios Clínicos corres-

Atenciosamente,

pondente. A qualidade da informação disponível nesse portal é garantida pelos produtores dos Registros de Ensaios Clínicos que integram a rede recém-criada pela OMS: WHO Network of Collaborating Clinical

Jorge Faber, CD, MS, Dr

Trial Registers. Essa rede permitirá o intercâmbio entre os produtores

Editor do Dental Press Journal of Orthodontics

dos Registros de Ensaios Clínicos para a definição de boas práticas e

ISSN 2176-9451

controles de qualidade. Os sites para que possam ser feitos os registros

E-mail: faber@dentalpress.com.br

Dental Press J Orthod

160

2011 Nov-Dec;16(6):158-60

v16n6-pt  

Revista Dental Press Journal Of Ortodontics - PT

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you