Issuu on Google+

0

ISSN 1980-2269

0

Volume 4 - Número 4 outubro / novembro / dezembro 2010

DENTAL PRESS INTERNATIONAL


Revista Dental Press de

Periodontia e Implantologia

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):1-112

ISSN 1980-2269


Sumário

volume 4, número 4, out./nov./dez. 2010

ExplicaçõES E aplicaçõES Reparação e Regeneração: conceitos universais Alberto Consolaro

14

pErguntE a um ExpErt Qual o antibiótico para periodontite agressiva? Luciene Cristina de Figueiredo

24 EntrEviSta Maurice A. Salama

8

rEviSÃO DE litEratura A obesidade como fator de risco para doença periodontal: revisão de literatura André Barbisan de Souza, Leandro Chambrone, Rogério Toshiro Passos Okawa, Cléverson de Oliveira e Silva, Maurício Guimarães Araújo

30


caSO SElEciOnaDO Coroas cimentadas em implantes de conexão sem parafuso Maurício Clavijo Beltrán, Verônica Beltrán Clavijo, Guilherme da Gama Ramos

40

caSO clínicO

artigO inéDitO

Diagnóstico diferencial da Paracoccidioi-

Avaliação dos tecidos peri-implantares em

domicose com a doença periodontal em

pacientes reabilitados com próteses totais

regiões endêmicas: relato de caso

fixas implantossuportadas

Marisana Piano Seben, Alex Schaun,

Suzanne Mascarenhas Guerrera,

Ires Lise Pansera, João Carlos Bispo da Silva

Viviane Rabelo, André Carlos de Freitas,

Junior, Carina Gisele Costa Bispo,

Robson G. Mendonça, Sérgio Wendell,

Aline Claudia Ribeiro Medeiros

Luis Rogério Duarte

73

89

rEviSÃO DE litEratura

caSO clínicO

Platform switching: uma realidade na

Distração osteogênica em Implantodontia:

preservação da crista óssea ao redor de

relato de caso

implantes – revisão de literatura

Valdir Cabral Andrade, Claudio Ferreira Nóia,

Armando Rodrigues Lopes Pereira Neto, Aline

Rafael Ortega-Lopes, Renato Mazzonetto

Franco Siqueira, João Gustavo Oliveira de Souza,

102

rEviSÃO DE litEratura Reabilitação oral em pacientes periodontais: seriam os implantes a melhor solução? Raquel Vicente Lopes, William Meirelles Frossard, Ângela Maria Vidal Moreira, Ricardo Carvalhaes Fraga

53

caSO clínicO Utilização de enxerto alógeno na Odontologia: relato de caso clínico Erica Hohlenwerger Fraguas, Marna Costa Ribeiro, Guilherme Paes de Barros Carrilho, Samy Tunchel, Wilson Roberto Sendyk, Ilan Weinfeld

64

Ernesto Barquero Cordero, Ricardo de Souza Magini, Daniel Romeu Benchimol de Resende

81


EDITORES Carlos Eduardo Francischone - FOB-USP/Bauru, USC/Bauru Maurício Guimarães Araújo - UEM/PR

Diretora Teresa R. D'Aurea Furquim aNaLiSta Da iNForMaÇÃo Carlos Alexandre Venancio

EDITORAS ASSISTENTES Carina Gisele Costa Bispo - UEM/PR Flávia Matarazzo - UEM/PR Flávia Sukekava - FO/USP

ProDUtor eDitoriaL Júnior Bianchi ProDUÇÃo GráFica e eLetrôNica Andrés Sebastián Fernando Truculo Evangelista Gildásio Oliveira Reis Júnior Tatiane Comochena

PUBLISHER Laurindo Z. Furquim - UEM/PR CONSULTORES INTERNACIONAIS Jean-Paul Martinet - Universidade de Buenos Aires Jorge Luis Garcia - Argentina José Valdívia - Chile Juan Carlos Abarno - Uruguai Luiz Meirelles - Universidade de GBG (Göteborg) Paulo Maló - Portugal

iNterNet Edmar Baladeli

CONSULTORES NACIONAIS Angelo Menuci Neto - ABO/RS César Augusto Magalhães Benfatti - UFSC/SC Eduardo Feres - UFRJ/RJ Elaine Cristina Escobar Gebara - FMU/SP Francisco A. Mollo Jr. - UNESP-Araraquara/SP Giuseppe Alexandre Romito - FUNDECTO - USP/SP Gustavo Jacobucci Farah - UEM/PR Hugo Nary Filho - USC/SP João Garcez Filho - Clínica particular - Aracaju/SE José Cícero Dinato - UFRGS/RS Luiz Antonio Salata - FORP - USP/SP Luis Lima - USP/SP Marco Antonio Bottino - UNESP-São José dos Campos/SP Mario Groisman - UNIGRANRIO/RJ Marly Kimie Sonohara Gonzales - UEM/PR Paulo Martins Ferreira - USP - Bauru/SP Ricardo de Souza Magini - UFSC/SC Ricardo Fisher - UERJ/RJ Ronaldo de Barcelos Santana - UFF/RJ Sidney Kina - Clínica particular - Maringá/PR

DePartaMeNto coMerciaL Roseneide Martins

BaNco De DaDoS Adriana Azevedo Vasconcelos DePartaMeNto De cUrSoS e eVeNtoS Ana Claudia da Silva Rachel Furquim Scattolin

SUBMiSSÃo De artiGoS Roberta Baltazar de Oliveira BiBLioteca Marisa Helena Brito NorMaLiZaÇÃo Marlene G. Curty reViSÃo Ronis Furquim Siqueira DePartaMeNto FiNaNceiro Roseli Martins Márcia Cristina Plonkóski Maranha Secretaria Rosane Aparecida Albino

A revista Dental Press de Periodontia e implantologia (ISSN 19802269) é uma publicação trimestral (quatro edições por ano) da Dental Press Ensino e Pesquisa Ltda. - Av. Euclides da Cunha, 1.718 - Zona 5 CEP 87.015-180 - Maringá/PR - Brasil. Todas as matérias publicadas são de exclusiva responsabilidade de seus autores. As opiniões nelas manifestadas não correspondem, necessariamente, às opiniões da Revista. Os serviços de propaganda são de responsabilidade dos anunciantes. Assinaturas: dental@dentalpress.com.br ou pelo fone/fax: (44) 3031-9818.

Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação (CIP) Revista Dental Press de Periodontia e Implantologia / Dental Press International. -v. 1, n. 1 (jan./fev./mar.) (2007) – . -- Maringá : Dental Press International, 2007-

INDEXAÇÃO:

Trimestral.

Revista Dental Press de Periodontia e Implantologia

ISSN 1980-2269. 1. Periodontia. Implantologia (Odontologia) – Periódicos I. Dental Press International. II. Título. CDD. 617.643005

é indexada pela BIREME, na base BBO - 2007.


Editorial Editores

ANO NOVO, NOVOS SONHOS!

Prof. Dr. Carlos Eduardo Francischone

Prof. Dr. Maurício Guimarães Araújo

Chegamos ao final de mais um ano e a impressão que eu tenho é que ele passou muito rápido! Acredito que o balanço desse ano foi muito positivo, tanto para a economia brasileira como para a Odontologia. Um ano de grandes eventos, dos quais quero destacar dois em especial: o Seminário da Academia Internacional de Osteologia (Osteology Foundation), em abril, e o ITI Brasil Congress, em Campinas no mês de setembro. Isso mostra a importância do profissional brasileiro no cenário mundial, e com certeza 2011 não será diferente. Por falar em 2011, a Revista Dental Press de Periodontia e Implantologia estará iniciando seu quinto ano de vida. Mudanças estão sendo planejadas para deixá-la cada vez mais agradável e inspiradora para nosso público. Um novo projeto gráfico, novas seções e a inclusão de mais artigos são algumas das novidades. Nesta última edição de 2010, Dr. Maurice A. Salama é entrevistado pelo Dr. João Carlos Cerveira Paixão, e compartilha com os leitores um pouco de seu vasto conhecimento. André Barbisan de Souza e colaboradores, por meio de uma revisão de literatura, discutem “A obesidade como fator de risco para a doença periodontal”. Ainda, a pergunta “Reabilitação oral em pacientes periodontais: seriam os implantes a melhor solucão?” é respondida por Raquel Vicente Lopes e colaboradores. O relato de caso clínico sobre a “Utilização de enxerto alógeno na Odontologia”, de autoria de Erica Hohlenwerger Fraguas e colaboradores, procura demonstrar que os enxertos ósseos alógenos podem ser utilizados nas reabilitações dos maxilares como alternativa aos enxertos autógenos. Marisana Piano Seben e colaboradores apresentam um relato de caso sobre o “Diagnóstico diferencial da Paracoccidioidomicose com a doença periodontal em regiões endêmicas”, procurando, assim, auxiliar o cirurgião-dentista na identificação dessa lesão e no correto diagnóstico. A revisão de literatura realizada por Armando Rodrigues Lopes Pereira Neto e colaboradores, sobre “Platform switching: uma realidade na preservação da crista óssea ao redor de implantes”, é apresentada como solução para os casos de implantes curtos, implantes de diâmetro amplo e espaço protético limitado. Ao analisar a “Avaliação dos tecidos peri-implantares em pacientes reabilitados com próteses totais fixas implantossuportadas”, Suzanne Mascarenhas Guerrera e colaboradores confirmam a necessidade de se estabelecer um programa de terapia de suporte para o paciente reabilitado com implantes osseointegrados. Por fim, mas não menos importante, Valdir Cabral Andrade e colaboradores relatam um caso clínico onde a “Distração osteogênica em Implantodontia” mostrou ser uma boa alternativa, com alto potencial para regeneração óssea e ganho de tecido mole em rebordo alveolar atrófico. Finalizo convidando cada leitor a voltar a atenção para os sentimentos mais profundos e refletir sobre eles. Analisar erros e acertos, dúvidas e temores, mas ver também os momentos de coragem, audácia e vitória. Um ótimo ano a todos!

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):5

5


Entrevista

Entrevista

Maurice A. Salama Dr. Maurice A. Salama concluiu seus estudos universitários na Universidade Estadual de Nova Iorque em Binghamton, em 1985, onde recebeu seu Bacharelado em Biologia. Dr. Salama recebeu seu Doutorado de Medicina Dental da Universidade da Pennsylvania School of Dental Medicine, onde mais tarde obteve a certificação dupla nas especialidades de Ortodontia e Periodontia, bem como a formação em um treinamento sobre implantes no Centro Branemark em Penn. Ele foi condecorado com o prêmio George Coslet e bolsas Richard Chase na Universidade da Pensilvânia durante os seus estudos de pós-doutoramento. Dr. Salama completou sua residência prática geral em um hospital-base credenciado à ADA, no centro médico Maimonides na cidade de Nova Iorque. Em 1988, teve a oportunidade de ampliar seus horizontes clínicos através de cooperações com a Universidade Hebraica de Jerusalém e com o Hospital Beth Israel na cidade de Nova Iorque. Seu histórico único inclui treino especializado em Ortodontia, Cirurgia Periodontal e Implantes Dentários. Dr. Salama é um membro ativo da Academia Americana de Ortodontia, Academia Americana de Periodontia, Academia de Osseointegração, Fraternidade Internacional de Odontologia Alpha Omega, Sociedade Dental P. Thomas Hinman, Associação Dental da Georgia e Associação Dental Americana. Também atuou, semanalmente, como perito odontológico para a Fox TV (WAGA) em Atlanta, Geórgia. Atualmente, Dr. Salama atua nas faculdades da Universidade da Pensilvânia e do Medical College da Geórgia como assistente clínico e professor de Periodontia. Dr. Salama é um membro permanente do comitê científico da líder mundial online em educação odontológica com o website DENTALXP.com. Ele também é membro do Time de Prática Dental de Atlanta (Atlanta Dental Team), que é uma equipe multidisciplinar conhecida no mundo todo por suas pesquisas clínicas em Odontologia Reconstrutiva e Estética Dental. A dupla natureza de suas especialidades de formação faz do Dr. Salama um autor frequente na literatura odontológica e, dessa forma, um conferencista requisitado nacional e internacionalmente. Dr. Salama gosta de ensinar, jogar basquete e passar tempo com sua esposa e dois filhos.

8

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):8-13


Salama MA

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):8-13

9


Salama MA

brevemente poderemos fazer o mesmo

empresas como a Organogenisis, traba-

com osso e gengiva.

lhando com tecnologias de “organismos vivos” com o objetivo de reconstituir os

Existe algum aspecto específico da

tecidos perdidos utilizando tecnologia de

Odontologia — seja em termos de

cultura de tecidos; a OralDNA Labs, que faz

tratamento ou produtos, diagnósti-

diagnóstico precoce de doenças sistêmicas

co salivar, regeneração de células-

através de exames de saliva, como parte

tronco e sua relação com a saúde

dos exames de rotina de higiene; e o Sleep

em geral etc. — que tenha chama-

Solutions Group, que se dedica ao diagnós-

do sua atenção durante o último

tico e tratamento da apneia do sono como

ano e que ainda continue dominan-

parte do exame dentário total e tecnologias

do seu interesse?

que visam ao bem-estar e saúde total do

O assunto a que me referi acima é a

corpo. É isso que me entusiasma hoje, mas

minha paixão. Atualmente, estou ligado a

o futuro está repleto de possibilidades!

ENtrEvIStADO

Entrevistador

Maurice A. Salama

João Carlos Cerveira Paixão

» Bacharel em Biologia pela Universidade Estadual de

» Especialista em Prótese pela Universidade Santo Amaro.

Nova Iorque, em Binghamton. » Doutorado em Medicina Dental pela Pennsylvania School of Dental Medicine. » Especialista em Ortodontia e Periodontia pela Pennsylvania School of Dental Medicine. » Condecorado com o prêmio George Coslet e com bolsas Richard Chase na Universidade da Pensilvânia. » Membro ativo da Academia Americana de Ortodontia, Academia Americana de Periodontia, Academia de

» Colaborador em diversos artigos científicos e livros de Implantodontia e Reabilitação, publicados no Japão, Itália e Brasil. » Palestrante em mais de 9 países. » Consultor em Biotecnologia para diversas empresas de Implantodontia no Brasil e exterior. » Pesquisador convidado pela Università di Padova, onde coordena várias linhas de pesquisa com implantes odontológicos.

Osseointegração, Fraternidade Internacional de Odontologia Alpha Omega, Sociedade Dental P. Thomas Hinman, Associação Dental da Georgia e Associação Dental Americana. » Assistente Clínico e Professor de Periodontia na Universidade da Pensilvânia e no Medical College da Geórgia. » Membro do Time de Prática Dental de Atlanta (Team Atlanta).

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):8-13

13


Explicações e aplicações

Reparação e Regeneração: conceitos universais ou Osso não se regenera, osso se repara! ou Contribuição para o esclarecimento de uma confusão terminológica Alberto Consolaro

A reconstrução das áreas lesadas em nosso

Essa migração de vasos e células em direção ao

corpo pode ser feita por reparação ou por rege-

centro da área lesada se faz porque as plaquetas

neração. O que determina se vai ser reparação

e macrófagos localizados centralmente liberam

ou regeneração não é o resultado final, mas sim

grande quantidade de mediadores estimuladores

o tipo de tecido envolvido (Fig. 1). Os tecidos

da proliferação e da quimiotaxia. Os vasos neo-

conjuntivos são os únicos vascularizados e,

formados e as células migrantes utilizam a rede

quando inflamam — ou quando o sangue coa-

de fibrina como estrutura de ancoragem.

gula no seu interior —, imediatamente se for-

Juntamente com os vasos neoformados, as

ma uma rede de fibrina invadida por brotos de

células indiferenciadas e jovens, e as células

células endoteliais, que aparecem nas paredes

inflamatórias que já estavam na área agredida,

dos vasos vizinhos e formam, na área lesada,

acabam preenchendo as partes lesadas do cor-

uma rica trama de vasos neoformados. A an-

po e constituem uma massa vermelha mais ou

giogênese (como esse fenômeno é conhecido)

menos gelatinosa, frágil, sem consistência ou

representa um dos fenômenos essenciais da

resistência às forças de tração ou pressão, e

reparação tecidual.

conhecida como tecido de granulação. Se prestarmos bastante atenção nesse tecido, existem

O CONCEItO DE tECIDO DE grANUlAçãO

pontinhos mais vermelhos que se destacam e

Nos tecidos conjuntivos, a invasão das áreas

criam um aspecto granulado, daí os médicos

lesadas pelos vasos neoformados, ou angiogê-

na Idade Média darem o nome de tecido de

nese, é seguida, quase simultaneamente, pela

granulação para essa estrutura (Fig. 2, 3). Os

migração de células teciduais indiferenciadas,

grânulos representam as alças e curvas dos va-

ou células-tronco teciduais, e por células jovens.

sos por entre as células jovens e inflamatórias.

14

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):14-23


Consolaro A

REFERÊNCIAS PARA LEITURA COMPLEMENTAR

10. Majno G. The healing hand: man and wound in the ancient world. Cambridge: Harvard University Press; 1975. 11. Martin P. Wound healing – aiming for perfect skin regeneration.

1. Balbino CA, Pereira LM, Curi R. Mecanismos envolvidos na cicatrização: uma revisão. Braz J Pharmac Sc. 2005 jan-mar;

Science. 1997 Apr 4;276(5309):75-81. 12. McKinney RV Jr. Clarification of the terms granulomatous and granulation tissue. J Oral Pathol. 1981 Oct;10(5):307-10.

41(1):27-51. 2. Baserga R. The cell cycle. N Engl J Med. 1981 Feb

13. Michalopoulos GK, Frances MC. Liver regeneration. Science. 1997 Apr 4;276(5309):60-6.

19;304(8):453-9. 3. Clark RAF, Henson PM. The molecular and cellular biology of wound repair. New York: Plenum Press; 1988. 4. Consolaro A. Inflamação e reparo. Maringá: Dental Press; 2010. 5. Cotran RS, Kumar V, Collins T. Robbins pathologic basis of disease. 6 ed. Philadelphia: Saunders; 1999. th

6. Faria JL. Anatomia patológica geral. 2ª ed. Rio de Janeiro:

14. Peacock EE, Winkle WV. Surgery and biology of wound repair. Philadelphia: Saunders; 1970. 15. Rose KJ. O corpo humano no tempo: uma máquina com sentimentos, reações e transformações. São Paulo: McGraw-Hill; 1989. 16. Rothe MJ, Falanga V. Growth factors and wound healing. Clin Dermatol. 1991 Oct-Dec;9(4):553-9.

Guanabara Koogan; 1977. 7. Gallin JI, Goldstein IM, Snyderman R. Inflammation: basic principles and clinical correlates. 2nd ed. New York: Raven

17. Rubin E, Farber JL. Patologia. 3ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002. 18. Sternberg SS. Histology for pathologists. New York:

Press; 1992. 8. Guimarães SAC. Patologia básica da cavidade bucal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1982. 9. Kissane JM. Anderson’s pathology. St. Louis: CV Mosby; 1985.

Raven; 1991. 19. Zweifach BW, Grant L, McCluskey RT. The inflammatory process. New York: Academic Press; 1965.

Alberto Consolaro • Professor Titular da FOB-USP (Bauru) e da Pósgraduação da FORP-USP (Ribeirão Preto).

Endereço para correspondência Alberto Consolaro E-mail: consolaro@uol.com.br

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):14-23

23


pergunte a um Expert

Qual o antibiótico para periodontite agressiva? luciene Cristina de Figueiredo

intrODuçÃO

a moderada e é normalmente consistente com a presen-

As doenças periodontais são um grupo de infecções

ça de fatores locais. Já a periodontite agressiva, também

que possuem como fator etiológico primário as bactérias

subdividida em localizada e generalizada, apresenta carac-

presentes na cavidade bucal, especialmente as que coloni-

terísticas clínicas claramente identificáveis, o que a torna

zam as superfícies dos dentes, supra e subgengivalmente,

suficientemente diferente da periodontite crônica3. É uma

organizadas num biofilme cuja presença acomete as es-

infecção que acomete indivíduos sistemicamente sau-

truturas de proteção e sustentação dos dentes, levando

dáveis, caracterizada por uma grande perda de inserção

à perda de inserção, de tecido ósseo e, eventualmente,

clínica associada a uma rápida destruição óssea alveolar,

do elemento dentário . Muitos avanços tecnológicos nas

atingindo normalmente indivíduos jovens2,3.

1

áreas da imunologia e biologia molecular, ocorridos princi-

A raspagem e alisamento radicular (RAR) é a terapia

palmente nas duas últimas décadas, facilitaram sobrema-

mais comumente utilizada para o tratamento periodontal.

neira o entendimento da etiopatogenia das periodontites,

Apesar de levar, na maioria das vezes, a uma melhora

incluindo a microbiota patogênica relacionada a cada tipo

nos parâmetros clínicos periodontais, a RAR é, muitas

de doença e o perfil do hospedeiro. Esses conhecimentos

vezes, insuficiente para garantir a estabilidade clínica ao

têm facilitado o direcionamento de terapias mais especí-

longo do tempo, principalmente em casos de doenças

ficas para cada paciente, que, sendo fundamentadas nos

mais severas4. Sendo assim, outras terapias coadjuvan-

fatores etiológicos da infecção, podem trazer melhores re-

tes à RAR, como os antibióticos sistêmicos, têm sido pro-

sultados clínicos e microbiológicos em longo prazo.

postas com o objetivo de potencializar os efeitos clínicos

De acordo com a Academia Americana de Periodon-

e microbiológicos da forma de terapia escolhida5.

tia, as periodontites podem ser classificadas na sua forma

O ponto de partida para se definir uma terapia, seja

crônica e na sua forma agressiva . A periodontite crônica,

em Odontologia ou nas diversas áreas da Medicina, é a

subdividida em localizada e generalizada, é mais preva-

compreensão da etiologia e progressão das diferentes en-

lente em adultos. A sua progressão pode variar de lenta

fermidades. Neste contexto, vale ressaltar que as doenças

2

24

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):24-9


Qual o antibiótico para periodontite agressiva?

rEfErênciaS 1. Socransky SS, Haffajee AD. Evidence of bacterial etiology: a historical perspective. Periodontol 2000. 1994 Jun;5:7-25. 2. Armitage GC. Development of a classification system for periodontal diseases and conditions. Ann Periodontol. 1999

13. Faveri M, Figueiredo LC, Duarte PM, Mestnik MJ, Mayer MP, Feres M. Microbiological profile of untreated subjects with localized aggressive periodontitis. J Clin Periodontol. 2009 Sep;36(9):739-49. 14. Teles RP, Haffajee AD, Socransky SS. Microbiological goals of

Dec;4(1):1-6. 3. Lang N, Barthold P, Cullinan M, Jeffcoat M, Mombelli A. Consensus Report: aggressive periodontitis. Ann J Clin Periodontol. 1999

periodontal therapy. Periodontol 2000. 2006;42:180-218. 15. Deas DE, Mealey BL. Response of chronic and aggressive periodontitis to treatment. Periodontol 2000. 2010 Jun;53:154-66.

Dec;4(1):53. 4. Cugini MA, Haffajee AD, Smith C, Kent RL Jr, Socransky SS. The effect of scaling and root planing on the clinical and microbiological parameters of periodontal diseases: 12-month results. J Clin Periodontol. 2000 Jan;27(1):30-6. 5. Herrera D, Alonso B, León R, Roldán S, Sanz M. Antimicrobial therapy in periodontitis: the use of systemic antimicrobials against the subgingival biofilm. J Clin Periodontol. 2008 Sep;35(8

16. Novak MJ, Polson AM, Adair SM. Tetracycline therapy in patients with early juvenile periodontitis. J Periodontol. 1988 Jun;59(6):366-72. 17. Mandell RL, Socransky SS. Microbiological and clinical effects of surgery plus doxycycline on juvenile periodontitis. J Periodontol. 1988 Jun;59(6):373-9. 18. Van Winkelhoff AJ, Tijhof CJ, Graaff J. Microbiological and clinical results of metronidazole plus amoxicillin therapy in Actinobacillus

Suppl):45-66. 6. Kamma JJ, Nakou M, Persson RG. Association of early onset periodontitis microbiota with aspartate aminotransferase activity in gingival crevicular fluid. J Clin Periodontol. 2001

actinomycetemcomitans-associated periodontitis, J Periodontol. 1992 Jan;63(1):52-7. 19. Guerrero A, Griffiths GS, Nibali L, Suvan J, Moles DR, Laurell L, et al. Adjunctive benefits of systemic amoxicillin and metronidazole

Dec;28(12):1096-105. 7. Faveri M, Mayer MP, Feres M, Figueiredo LC, Dewhirst FE, Paster BJ. Microbiological diversity of generalized aggressive periodontitis by 16S rRNA clonal analysis. Oral Microbiol Immunol. 2008

in non-surgical treatment of generalized aggressive periodontitis: a randomized placebo-controlled clinical trial. J Clin Periodontol. 2005 Oct;32(10):1096-107. 20. Mestnik MJ, Feres M, Figueiredo LC, Duarte PM, Lira EA, Faveri

Apr;23(2):112-8. 8. Cortelli JR, Cortelli SC, Jordan S, Haraszthy VI, Zambon JJ. Prevalence

M. Short-term benefits of the adjunctive use of metronidazole

of periodontal pathogens in Brazilians with aggressive or chronic

plus amoxicillin in the microbial profile and in the clinical

periodontitis. J Clin Periodontol. 2005 Aug;32(8):860-6.

parameters of subjects with generalized aggressive periodontitis.

9. Yang HW, Huang YF, Chan Y, Chou MY. Relationship of Actinobacillus actinomycetemcomitans serotypes to periodontal

J Clin Periodontol. 2010 Apr;37(4):353-65. 21. Gomi K, Yashima A, Iino F, Kanazashi M, Nagano T, Shibukawa

condition: prevalence and proportions in subgingival plaque. Eur J

N, et al. Drug concentration in inflamed periodontal tissues after

Oral Sci. 2005 Feb;113(1):28-33.

systemically administered azithromycin. J Periodontol. 2007

10. Ishikawa I, Kawashima Y, Oda S, Iwata T, Arakawa S. Three case reports of aggressive periodontitis associated with Porphyromonas

May;78(5):918-23. 22. Haffajee AD, Patel M, Socransky SS. Microbiological changes

gingivalis in younger patients. J Periodontal Res. 2002

associated with four different periodontal therapies for the

Oct;37(5):324-32.

treatment of chronic periodontitis. Oral Microbiol Immunol. 2008

11. Gajardo M, Silva N, Gómez L, León R, Parra B, Contreras A, et al. Prevalence of periodontopathic bacteria in aggressive

Apr;23(2):148-57. 23. Yashima A, Gomi K, Maeda N, Arai T. One-stage full-mouth

periodontitis patients in a Chilean population. J Periodontol. 2005

versus partial-mouth scaling and root planing during the effective

Feb;76(2):289-94.

half-life of systemically administered azithromycin.

12. Fine DH, Markowitz K, Furgang D, Fairlie K, Ferrandiz J, Nasri C, et al. Aggregatibacter actinomycetemcomitans and its relationship

J Periodontol. 2009 Sep;80(9):1406-13. 24. Haas AN, Castro GD, Moreno T, Susin C, Albandar JM,

to initiation of localized aggressive periodontitis: longitudinal

Oppermann RV, et al. Azitromycin as an adjunctive treatment of

cohort study of initially healthy adolescents. J Clin Microbiol. 2007

aggressive periodontitis: 12-months randomized clinical trial. J

Dec;45(12):3859-69.

Clin Periodontol. 2008 Aug;35(8):696-704.

28

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):24-9


Figueiredo LC

25. Loesche WJ, Giordano JR, Hujoel P, Schwarcz J, Smith BA. Metronidazole in periodontitis: reduced need for surgery. J Clin Periodontol. 1992 Feb;19(2):103-12. 26. Feres M, Haffajee AD, Allard K, Som S, Socransky SS. Change

29. Watts T, Palmer R, Floyd P. Metronidazole: a double-blind trial in untreated human periodontal disease. J Clin Periodontol. 1986 Nov;13(10):939-43. 30. Kaner D, Bernimoulin JP, Hopfenmüller W, Kleber BM,

in subgingival microbial profiles in adult periodontitis subjects

Friedmann A. Controlled-delivery chlorhexidine chip versus

receiving either systemically-administered amoxicillin or

amoxicillin/metronidazole as adjunctive antimicrobial therapy for

metronidazole. J Clin Periodontol. 2001 Jul;28(7):597-609.

generalized aggressive periodontitis: a randomized controlled

27. Carvalho LH, D’Avila GB, Leão A, Haffajee AD, Socransky SS, Feres M. Scaling and root planing, systemic metronidazole and professional plaque removal in the treatment of chronic periodontitis in a Brazilian population: I. Clinical results. J Clin Periodontol. 2004 Dec;31(12):1070-6.

clinical trial. J Clin Periodontol. 2007 Oct;34(10):880-91. 31. Montvale, NJ. Medical Economics Co; Physicians’ Desk Reference. 46th ed. 1992. 2170-4. 32. Anvisa. Dicionário de especialidades farmacêuticas 2006/07. 35. ed. Rio de Janeiro: EPUC, 2007.

28. Uygun A, Kadayifci A, Safali M, Ilgan S, Bagci S. The efficacy of bismuth containing quadruple therapy as a first-line treatment option for Helicobacter pylori. J Dig Dis. 2007 Nov;8(4):211-5.

lUCIENE CrIStINA DE FIgUEIrEDO - Professora titular da Universidade Guarulhos. - Vice-coordenadora do Programa de Pós-graduação em Odontologia da Universidade Guarulhos. - Mestre e Doutora em Periodontia – Faculdade de Odontologia de Araraquara (UNESP).

Endereço para correspondência luciene Cristina de Figueiredo E-mail: lfigueiredo@ung.br

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):24-9

29


revisão de literatura

A obesidade como fator de risco para doença periodontal: revisão de literatura

André Barbisan de SOUzA*, Leandro CHAMBrONE**, Rogério Toshiro Passos OKAWA***, Cléverson de OlIvEIrA E SIlvA*, Maurício Guimarães ArAÚJO*

Palavras-chave

resumo

Obesidade. Índice de massa corporal.

A doença periodontal se caracteriza por um processo inflamatório no tecido periodontal de suporte, o qual tem como fator etiológico principal o biofilme dental, podendo ser essa uma inflamação gengival reversível (gengivite) ou irreversível, quando há uma perda de inserção conjuntiva e óssea (periodontite). A obesidade é considerada como fator de risco para diversas doenças sistêmicas, tais como hipertensão, diabetes melito tipo 2, doença coronariana e síndrome metabólica. Dessa forma, o objetivo deste estudo é apresentar as evidências científicas que relacionam a obesidade como um possível fator de risco para a doença periodontal. Onze estudos foram incluídos: nove estudos transversais e dois estudos de caso-controle. Todos os estudos analisados sugeriram uma relação entre a doença periodontal e a obesidade, no entanto os trabalhos apresentaram grande discrepância em relação à definição de doença periodontal e nos critérios utilizados na caracterização da obesidade. Apenas um estudo levou em consideração o sangramento à sondagem. Deste modo, baseado nas informações obtidas, não é possível afirmar que a obesidade tenha relação com as doenças periodontais.

Doença periodontal. Fatores de risco.

* Departamento de Odontologia da Universidade Estadual de Maringá – UEM/PR. ** Departamento de Estomatologia da Universidade de São Paulo – USP/SP. *** Departamento de Medicina da Universidade Estadual de Maringá – UEM/PR.

30

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):30-9


A obesidade como fator de risco para doença periodontal: revisão de literatura

CONSIDErAçÕES FINAIS

de. Desta forma, não é possível afirmar que

Apesar da maioria dos estudos avaliados

a obesidade tenha relação com as doenças

sugerir que a obesidade é o segundo maior

periodontais ou, ainda, que seja um fator de

fator de risco para doença periodontal , esses

risco para essas. A comprovação da obesidade

apresentaram uma grande discrepância em re-

como fator de risco para doença periodontal

lação à definição de periodontite, bem como

poderá ser avaliada através de estudos padro-

houve diferenças em relação às mensurações

nizados (estudos de coorte prospectivos) com

da gordura corporal e à definição de obesida-

acompanhamento a longo prazo.

21

Obesity as a risk factor for periodontal disease: a literature review ABStrACt Periodontal disease is characterized by the inflammation of periodontal tissues. The bacteria biofilm which is organized in subgingival is the main etiological factor. It can range from a simple reversible gingival inflammation, called gingivitis, to attachment and bone loss, called periodontitis. Obesity is proven to be a risk factor for several systemic diseases such as hypertension, type 2 diabetes, coronary diseases and metabolic syndrome. The aim of the present review was to evaluate the available literature on the relationship between obesity and periodontal disease. Eleven studies were included in this review: 9 cross-sectional and 2 case-control studies. All the studies analyzed suggested a relationship between periodontal disease and obesity. There was, however, a large discrepancy concerning the definition of periodontal disease, as well as different criteria for measuring obesity and different populations, making the data non-comparable. Moreover, in just one study bleeding on probing was included among the periodontal measurements. Therefore, based on the information collected, it was not possible to demonstrate that obesity is actually related to periodontal diseases and, hence, that it can be considered as a risk factor. KEYWORDS: Obesity. Body mass index. Periodontal disease. Risk factors.

rEfErênciaS 1. Al-Zahrani MS, Bissada NF, Borawskit EA. Obesity and periodontal disease in young, middle-aged, and older adults. J Periodontol. 2003 May;74(5):610-5. 2. Al-Zahrani MS, Borawski EA, Bissada NF. Increased physical

3. Alabdulkarim M, Bissada N, Al-Zahrani M, Ficara A, Siegel B. Alveolar bone loss in obese subjects. J Int Acad Periodontol. 2005 Apr;7(2):34-8. 4. Albandar JM, Brunelle JA, Kingman A. Destructive periodontal

activity reduces prevalence of periodontitis. J Dent. 2005

disease in adults 30 years of age and older in United States,

Oct;33(9):703-10.

1988-1994. J Periodontol. 1999 Jan;70(1):13-29.

38

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):30-9


Souza Ab, Chambrone L, Okawa RTP, Oliveira e Silva C, Araújo MG

5. Borges I Jr, Moreira EA, Wilhem Filho D, Oliveira TB, Silva

20. Nakamura T, Tokunaga K, Shimomura I, Nishida M, Yoshida

MB, Fröde TS. Proinflammatory and oxidative stress markers

S, Kotani K, et al. Contribution of visceral fat accumulation

in patients with periodontal disease. Mediators Inflamm.

to the development of coronary artery disease in non-obese men. Atherosclerosis. 1994 Jun;107(2):239-46.

2007:45794. 6. Brunetti MC. Periodontia médica: uma abordagem integrada.

21. Nishida N, Tanaka M, Hayashi N, Nagata H, Takeshita T, Nakayama K, et al. Determination of smoking and obesity as

São Paulo: Senac; 2004. 7. Buhlin K, Gustafsson A, Pockley AG, Frostegård J, Klinge B. Risk factors for cardiovascular disease in patients with periodontitis. Eur Heart J. 2003 Dec;24(23):2099-107. 8. Dalla Vecchia CF, Susin C, Rösing CK, Oppermann RV, Albandar JM. Overweight and obesity as risk indicators for periodontitis in adults. J Periodontol. 2005

periodontitis risks using the classification and regression tree method. J Periodontol. 2005 Jun;76(6):923-8. 22. Payne BJ, Locker D. Relationship between dental and general health behaviors in a Canadian population. J Public Health Dent. 1996 Summer;56(4):198-204. 23. Perlstein MI, Bissada NF. Influence of obesity and hypertension on the severity of periodontitis in rats. Oral

Oct;76(10):1721-8. 9. Ekuni D, Yamamoto T, Koyama R, Tsuneishi M, Naito K, Tobe K. Relationship between body mass index and periodontitis in young Japanese adults. J Periodontal Res. 2008

Surg Oral Med Oral Pathol. 1977 May;43(5):707-19. 24. Pischon N, Heng N, Bernimoulin JP, Kleber BM, Willich SN, Pischon T. Obesity, inflammation, and periodontal disease. J Dent Res. 2007 May;86(5):400-9.

Aug;43(4):417-21. 10. Genco RJ, Grossi SG, Ho A, Nishimura F, Murayama Y. A proposed model linking inflammation to obesity, diabetes, and periodontal infections. J Periodontol. 2005 Nov;76(11

25. Rithchie CS. Obesity and periodontal disease. Periodontol 2000. 2007;44:154-63. 26. Saito T, Shimazaki Y, Sakamoto M. Obesity and periodontitis. N Engl J Med. 1998 Aug 13;339(7):482-3.

Suppl):2075-84. 11. Hujoel PP, Cunha-Cruz J, Kressin NR. Spurious associations in oral epidemiological research: the case of dental flossing and obesity. J Clin Periodontol. 2006 Aug;33(8):520-3. 12. Khader YS, Bawadi HA, Haroun TF, Alomari M, Tayyem RF. The

27. Saito T, Shimazaki Y, Koga T, Tsuzuki M, Ohshima A. Relationship between upper body obesity and periodontitis. J Dent Res. 2001 Jul;80(7):1631-6. 28. Saito T, Shimazaki Y, Kiyohara Y, Kato I, Kubo M, Iida M,

association between periodontal disease and obesity among

et al. Relationship between obesity, glucose tolerance, and

adults in Jordan. J Clin Periodontol. 2009 Jan;36(1):18-24.

periodontal disease in Japanese women: the Hisayama study.

13. Kongstad J, Hvidtfeldt UA, Gronbaek M, Stoltze K, Holmstrup P. The Relationship between body mass index and periodontitis in the Copenhagen City Heart study. J Periodontol. 2009 Aug;80(8):1246-53. 14. Kopelman PG. Obesity as a medical problem. Nature. 2000

J Periodontal Res. 2005 Aug;40(4):346-53. 29. Saito T, Shimazaki Y. Metabolic disorders related to obesity and periodontal disease. Periodontol 2000. 2007;43:254-66. 30. World Health Organization. The World Health Organization warns of the rising threat of heart disease and stroke as overweight and obesity rapidly increase. [Accessed 2006

Apr 6;404(6778):635-43. 15. Lang NP, Joss A, Orsanic T, Gusberti FA, Siegrist BE. Bleeding on probing. A predictor for the progression of periodontal

Feb 23]. Available from: http://www.who.int/mediacentre/ news/releases/2005/pr44/en/index.html.

disease? J Clin Periodontol. 1986 Jul;13(6):590-6. 16. Lang NP, Adler R, Joss A, Nyman S. Absence of bleeding on probing. An indicator of periodontal stability. J Clin Periodontol. 1990 Nov;17(10):714-21. 17. Lindhe J, Karring T, Lang NP. Tratado de periodontia clínica e implantodontia oral. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004. 18. Linden G, Patterson C, Evans A, Kee F. Obesity and periodontitis in 60-70-year-old men. J Clin Periodontol. 2007 Jun;34(6):461-6. 19. Merchant AT, Pitiphat W, Rimm EB, Joshipura K. Increased physical activity decreases periodontitis risk in men. Eur J Epidemiol. 2003;18(9):891-8.

Endereço para correspondência André Barbisan de Souza Rua Quintino Bocaiúva, 935, Ap. 704 CEP: 07.020-160 – Zona 7 – Maringá / PR E-mail: andrebarbisan@gmail.com

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):30-9

39


Caso Selecionado

Coroas cimentadas em implantes de conexão sem parafuso Maurício Clavijo Beltrán, Verônica Beltrán Clavijo, Guilherme da Gama Ramos resumo

A reabilitação protética de implantes por meio de coroas cimentadas é um tema controverso, uma vez que problemas, como a remoção dos excessos de cimento e o acesso ao parafuso do munhão, são descritos na literatura. O objetivo deste trabalho é avaliar, por meio de um caso clínico, a utilização de coroas cimentadas sobre implante com conexão do tipo locking taper na reabilitação protética em região posterior de mandíbula. A conexão locking taper consiste em uma conexão cônica com inclinação de 1 a 1,5º entre o munhão e o implante, sem parafuso, unidos friccionalmente por uma soldadura fria entre metais. A ausência de parafuso torna a conexão locking taper versátil porque possibilita uma cimentação extrabucal das coroas metalocerâmicas nos munhões e inserção do conjunto coroa-munhão livre de excessos de cimento no implante. Selamento bacteriano, estabilidade óssea peri-implantar e redução do número de componentes protéticos são vantagens dessa conexão protética. Concluímos que coroas unitárias cimentadas em implantes locking taper oferecem uma boa opção de tratamento para o edentulismo parcial, no entanto mais estudos são necessários. Palavras-chave: Implante dentário. Fricção. Retenção de prótese dentária.

INtrODUçãO A Odontologia reabilitadora atual preconiza que, sempre que possível, o profissional deve optar pelo conservadorismo e segurança. Com esse intuito, a Implantodontia tem buscado terapias que possam aumentar a previsibilidade clínica do implante dentário1,2, buscando não comprometer a saúde peri-implantar e a estética da prótese implantossuportada. Estudos mostram que a conexão protética cone morse tem como vantagens uma maior estabilidade óssea peri-implantar, melhor selamento bacteriano, redução do espaço na interface implante-munhão e um melhor comportamento biomecânico frente às cargas mastigatórias, quando comparada à conexão hexágono externo3-10.

40

A estética da prótese sobre implante é beneficiada quando se opta pela cimentação da coroa metalocerâmica sobre o munhão preparado em vez da fixação por aparafusamento. Além do ganho estético, consiste em uma técnica mais simplificada, uma vez que não há necessidade de restauração e mascaramento do orifício do parafuso com resina composta, um material restaurador com propriedades ópticas, físicas e mecânicas distintas da cerâmica de cobertura das coroas implantossuportadas11,12,13. A principal desvantagem da cimentação de coroas implantossuportadas sobre os munhões se encontra na difícil remoção dos excessos do agente cimentante no interior da mucosa peri-implantar, podendo causar inflamação e até perda óssea, quando executada insatisfatoriamente14.

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):40-52


Beltrán MC, Clavijo VB, Ramos GG

Cemented crowns in screwless implant connection ABSTRACT The prosthetic rehabilitation with cemented crowns in oral implants is a controversial topic, since problems like removing luting excess and accessing the abutment screw are described in the literature. The aim of this article is to evaluate, through a clinical case, the application of locking taper implant cemented crowns in posterior mandibular area. Locking taper consists of a screwless 1-1.5º morse taper connection among abutment and implant, united by a frictional cold welding. The screwless quality makes locking taper versatile because it allows an extraoral luting of metaloceramic crowns in implant abutments and insertion of integrated abutment-crown without luting excess in oral implants. Bacterial sealing, bone stability around the implant, reduction in prosthetic components are advantages of this prosthetic connection. The authors concluded that single cemented crowns in locking taper implants offers a good treatment option for partial edentulism, but further studies are suggested. KEYWORDS: Dental implantation. Friction. Dental prosthesis retention.

REFERÊNCIAS

7. Maeda Y, Satoh T, Sogo M. In vitro differences of stress concentrations for internal and external hex implant- abutment

1. Holm-Pedersen P, Lang NP, Müller F. What are the longevities of teeth and oral implants? Clin Oral Implants Res. 2007 Jun;18

connection: a short communication. J Oral Rehabil. 2006 Jan;33(1):75-8. 8. Pappalardo S, Milazzo I, Nicoletti G, Baglio O, Blandino G,

Suppl 3:15-9. 2. Tomasi C, Wennström JL, Berglundh T. Longevity of teeth and

Scalini L, et al. Dental implants with locking taper connection

implants – a systematic review. J Oral Rehabil. 2008 Jan;35 Suppl

versus screwed connection: microbiologic and scanning electron

1:23-32.

microscope study. Int J Immunopathol Pharmacol. 2007 Jan-

3. Silva FD, Valiati R, Pfeiffer AB. Implicações da perda óssea periimplantar em área estética. Innov Implant J. 2008;3(5):47-53. 4. Kwan N, Yang S, Guillaume D, Aboyoussef H, Ganz SD, Weiner S. Resistance to crown displacement on a hexagonal implant abutment. Implant Dent. 2004 Jun;13(2):112-9. 5. Kitagawa T, Tanimoto Y, Odaki M, Nemoto K, Aida M. Influence

Mar;20(1 Suppl 1):13-7. 9. Coppedê AR. Estudo biomecânico da conexão implante/ pilar protético em implantes do sistema cone-morse [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Universidade de São Paulo; 2007. 10. Bastos PL. Influência do comprimento, da ferulização e do

of implant/abutment joint designs on abutment screw loosening

tipo de conexão de implantes na distribuição de tensões

in a dental implant system. J Biomed Mater Res B Appl Biomater.

em próteses parciais posteriores: análise fotoelástica [tese]. Piracicaba (SP): Universidade Estadual de Campinas; 2008.

2005 Nov;75(2):457-63. 6. Dibart S, Warbington M, Su MF, Skobe Z. In vitro evaluation of

11. Almeida OA, Freitas Jr AC, Pellizzer EP. Restaurações cimentadas

the implant-abutment bacterial seal: the locking taper system. Int J

versus parafusadas: parâmetros para seleção em prótese sobre

Oral Maxillofac Implants. 2005 Sep-Oct;20(5):732-7.

implante. Innov Implant J. 2006;1(1):15-20.

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):40-52

51


Coroas cimentadas em implantes de conexão sem parafuso

12. Oliveira JLG. Resistência a fratura de coroas metalocerâmicas

26. Toledo FL. Resistência à remoção por tração de coroas

implanto-suportadas cimentadas e parafusadas [dissertação].

de NiCr cimentadas sobre munhões usinados em ligas de

Bauru (SP): Universidade de São Paulo; 2009.

titânio, irradiados ou não por laser [dissertação]. Bauru (SP):

13. Lee A, Okayasu K, Wang HL. Screw-versus cement-retained implant restorations: current concepts. Implant Dent. 2010

Universidade de São Paulo; 2007. 27. Piattelli A, Scarano A, Paolantonio M, Assenza B, Leghissa GC, Di Bonaventura G, et al. Fluids and microbial penetration in the

Feb;19(1):8-15. 14. Weber HP, Kim DM, Ng MW, Hwang JW, Fiorellini JP. Peri-implant soft-tissue health surrounding cement- and screw-retained implant restorations: a multi-center, 3-year prospective study. Clin Oral

internal part of cement-retained versus screw-retained implantabutment connections. J Periodontol. 2001 Sep;72(9):1146-50. 28. Markarian R. Biomecânica da transmissão de cargas em implantes unitários em função dos materiais protéticos: análise fotoelástica

Implants Res. 2006 Aug;17(4):375-9. 15. Chapman RJ, Grippo W. The locking taper attachment for implant abutments: use and reliability. Implant Dent. 1996

e dinâmica [dissertação]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2005. 29. Torres EM. Análise fotoelástica das tensões geradas por diferentes

Winter;5(4):257-61. 16. Muftu A, Chapman RJ. Replacing posterior teeth with freestanding implants: Four-year prosthodontic results of a prospective study. J Am Dent Assoc. 1998 Aug;129(8):1097-102. 17. Urdaneta RA, Marincola M, Weed M, Chuang SK. A screwless

planejamentos de próteses parciais fixas parafusadas sobre implantes cone morse [tese]. Ribeirão Preto (SP): Universidade de São Paulo; 2008. 30. Beltrán MC, Kopp G, Colodi M, Tomazinho PH, Mazzonetto R.

and cementless technique for the restoration of single-tooth

Aesthetical approach in immediate implant with frictional morse

implants: a retrospective cohort study. J Prosthodont. 2008

taper connection. Braz J Oral Sci. 2008;8(3):173.

Oct;17(7):562-71. 18. Bozkaya D, Muftu S. Efficiency considerations for the purely tapered interference fit (TIF) abutments used in dental implants. J Biomech Eng. 2004;126(4):393-402. 19. Di Carlo F, Marincola M, Quaranta A, Bedini R, Pecci R. Analisi MicroTac di impianti a connessione conometrica. Dent Cadmos. 2008;76(3):55-60. 20. Aloise JP, Curcio R, Laporta MZ, Rossi L, Silva AM, Rapoport A. Microbial leakage through the implant-abutment interface of morse taper implants in vitro. Clin Oral Implants Res. 2010;21(3):328-35. 21. Gentile MA, Chuang SK, Dodson TB. Survival estimates and risk factors for failure with 6 x 5.7-mm implants. Int J Oral Maxillofac

Maurício Clavijo Beltrán • Especialista em Prótese Dentária pela FOB-USP. • Especializando em Implantodontia pela APCD - Piracicaba. verônica Beltrán Clavijo • Especialista em Periodontia pela FOP-UNICAMP. • Especializanda em Implantodontia pela APCD – Piracicaba.

Implants. 2005;20(6):930-7. 22. Venuleo C, Chuang SK, Weed M, Dibart S. Long term bone level stability on short implants: a radiographic follow up study. J Oral Maxillofac Surg. 2008;7(3):340-5. 23. Marincola M, Paracchini L, Morgan V, Schulte J. Short implants: biomechanical principles and long term predictability. Quintessence

guilherme da gama ramos • Mestre e doutor em Clínica Odontológica / Prótese Dentária pela FOP-UNICAMP. • Professor da especialização de Implantodontia da APCD – Piracicaba.

Int. 2008; 24(5):45-53. 24. Urdaneta RA, Marincola M. The integrated abutment crown, a screwless and cementless restoration for single-tooth implants: a report on a new technique. J Prosthodont. 2007 JulAug;16(4):311-8. 25. Amaral ALC. Análise comparativa de técnicas de moldagem para próteses implantossuportadas [dissertação]. Araraquara (SP): Universidade Estadual Paulista; 2009.

52

Endereço para correspondência Maurício Clavijo Beltrán Rua Marechal Deodoro, 857 conj. 1905 Centro CEP: 80.060-010 - Curitiba / PR E-mail: maucbeltran@gmail.com

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):40-52


revisão de literatura

Reabilitação oral em pacientes periodontais: seriam os implantes a melhor solução? Raquel Vicente lOPES*, William Meirelles FrOSSArD**, Ângela Maria Vidal MOrEIrA***, Ricardo Carvalhaes FrAgA****

Palavras-chave

resumo

Prótese periodontal. Implantes

A solução reabilitadora ideal a ser escolhida quando o paciente sofre de doença periodontal avançada sempre foi um dilema na Odontologia. O tratamento somente da doença periodontal não restabelece ao indivíduo sua estética e função satisfatórias. A capacidade biológica dos dentes comprometidos periodontalmente de sustentar próteses parciais fixas foi, ao longo dos anos, demonstrada em vários estudos. O objetivo deste artigo foi comparar, através de uma revisão de literatura, a eficiência e os benefícios do tratamento restaurador para esses pacientes com exodontias múltiplas e implantes e próteses periodontais. Pode-se concluir que: 1) o tratamento com próteses periodontais é viável e demonstra índices de sucesso desde que se obedeça a critérios como design da prótese, adaptação marginal e controle de higiene do paciente; 2) os implantes osseointegrados com instalação de prótese parafusada em carga imediata também são satisfatórios e demonstram ser uma opção de tratamento para esses pacientes.

osseointegrados. Doença periodontal.

* Especialista em Prótese Dentária – Universidade Estadual do Rio de Janeiro. ** Professor Doutor em Odontologia – Universidade Estadual do Rio de Janeiro. *** Professora Doutora em Odontologia – Universidade Estadual do Rio de Janeiro. **** Professor Doutor em Odontologia – Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):53-63

53


Reabilitação oral em pacientes periodontais: seriam os implantes a melhor solução?

uso de implantes maquinados, a taxa de sucesso é inferior, após 5 anos, quando comparada à de sítios sadios, sendo de 91%.

CONClUSãO

Após a revisão de literatura apresentada, foi possível concluir que:

Dessa forma, pode-se pensar que, para

1. O tratamento com próteses periodontais é

o paciente comprometido periodontalmete,

viável e demonstra índices de sucesso, des-

há duas saídas: a instalação de uma prótese

de que se obedeça a critérios como: design

periodontal ou a exodontia dos elementos re-

da prótese, adaptação marginal e controle

manescentes e a instalação de implantes. No

de higiene do paciente.

segundo caso, o planejamento de uma próte-

2. Os implantes osseointegrados com instala-

se imediata parafusada nos implantes diminui

ção de prótese parafusada em carga ime-

o tempo de edentulismo do paciente, além de

diata também são satisfatórios e demons-

aumentar sua autoestima e sua capacidade

tram ser uma opção de tratamento para

de se alimentar .

esses pacientes.

3

Oral rehabilitation in periodontal patients: should be implants the best solution ABStrACt The choice of the ideal rehabilitation solution when the patient has advanced periodontal disease has always been a dilemma in dentistry. If the treatment focus only the periodontal disease it does not restore to the patient satisfactory aesthetic and function. The biological capacity of periodontally compromised teeth to support fixed partial dentures has been demonstrated, over the years, in several studies. The aim of this paper was to compare, through a literature review, the efficiency and benefits of restorative treatment for these patients with multiple extractions and periodontal implants and prostheses. What one might conclude is: 1) treatment with periodontal prosthesis is feasible and demonstrates success rates since it meets the criteria as: correct design of the prosthesis, marginal adaptation and patient´s hygiene control, 2) the osseointegrated implants with the installation of screwed prosthesis in immediate loading are also satisfactory and show to be another treatment option for these patients. KEYWORDS: Periodontal prosthesis. Osseointegrated implants. Periodontal disease.

62

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):53-63


Lopes RV, Frossard WM, Moreira AMV, Fraga RC

rEfErênciaS 1. Amsterdam M. Periodontal prosthesis: twenty-five years in retrospect. Alpha Omegan. 1974 Dec;67(3):8-52.

9. Nevins M. Periodontal prosthesis reconsidered. Int J Prosthodont. 1993 Mar-Apr;6(2):209-17.

2. Branemark PI, Hansson BO, Adell R, Breine U, Lindström J,

10. Nyman S, Lindhe J. A longitudinal study of combined

Hallén O, et al. Osseointegrated implants in the treatment

periodontal and prosthetic treatment of patients with

of the edentulous jaw. Experience from a 10-year period.

advanced periodontal disease. J Periodontol. 1979

Scand J Plast Reconstr Surg Hand Surg. 1977;11(Suppl.

Apr;50(4):163-9. 11. Pegoraro LF, Do Valle AL, De Araujo CRP, Bonfante G.

16):1-132. 3. Castellon P, Block MS, Smith MB, Finger IM. Immediate loading

Prótese fixa. 7ª ed. São Paulo: Artes Médicas; 2004.

of the edentulous mandible: delivery of the final restoration

12. Schnitman PA, Wöhrle PS, Rubenstein JE, Silva JD, Wang

or a provisional restoration – wich method to use? J Oral

NH. Ten-year results for Branemark implants immediatety

Maxillofac Surg. 2004 Sep;62(9 Suppl 2):30-40.

loaded with fixed prostheses at implant placement. Int J Oral

4. Hunt P, Norkin F, Serrano J. The periodontal prosthesis mode

Maxillofac Implants. 1997 Jul-Aug;12(4):495-503.

of transition to an implant-supported dentition. Compend

13. Scott BJJ, Leung KCM, McMillan AS, Davis DM, Fiske J. A

Contin Educ Dent. 2006 Jan;27(1):12-22. 5. Knabe C, Schendel KU. The use of implant-supported titanium prosthesis for treatment of periodontally compromised patients including functional and orthodontic

transcultural perspective on the emotional effect of tooth loss in complete denture wearers. Int J Prosthodont. 2001 Sep-Oct;14(5):461-5. 14. Tealdo T, Bevilacqua M, Pera F, Menini M, Ravera G, Drago

therapy. Report of 2 cases. Clin Oral Implants Res. Aug;

C, et al. Immediate function with fixed implant-supported

8(4):332-8;1997.

maxillary dentures: a 12-month pilot study. J Prosthet Dent.

6. Laurell L, Lundgren D. Chewing ability in patients restored with cross-arch fixed partial dentures. J Prosthet Dent. 1985

2008 May;99(5):351-60. 15. Walton JN, Gardner FM, Agar JR. A survery of crown and fixed partial denture failures: length of service and reasons

Nov;54(5):720-5. 7. Malo P, Araujo NM, Rangert B. Implants placed in immediate

for replacement. J Prosthet Dent. 1986 Oct;56(4):416-21.

function in periodontally compromised sites: a five-year

16. Yi SW, Carlsson GE, Ericsson I, Wennström JL. Long-term

retrospective and one-year prospective study. J Prosthet

follow-up cross-arch fixed partial dentures in patients

Dent. 2007 Jun;97(6 Suppl):S86-95.

with advanced periodontal destruction: evaluation of

8. Muzzi L, Nieri M, Cattabriga M, Rotundo R, Cairo F, Pini PGP. The potential prognostic value of some periodontal

occlusion and subjective function. J Oral Rehabil. 1996 Mar;23(3):186-96.

factors for tooth loss: a retrospective multilevel analysis on

17. Yi SW, Carlsson GE, Ericsson I. Prospective 3-year study of

periodontal patients treated and mantained over 10 years.

cross-arch fixed partial dentures in patients with advanced

J Periodontol. 2006 Dec;77(12):2084-9.

periodontal disease. J Prosthet Dent. 2001 Nov;86(5):489-94.

Endereço para correspondência raquel vicente lopes Av. Lúcio Costa 3.600, bl. 5 apt. 1.502 CEP: 22.630-010 – Tijuca / RJ E-mail: raquelvicente@live.com

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):53-63

63


caso clínico

Utilização de enxerto alógeno na Odontologia: relato de caso clínico Erica Hohlenwerger FrAgUAS*, Marna Costa rIBEIrO**, Guilherme Paes de Barros CArrIlHO***, Samy tUNCHEl****, Wilson Roberto SENDYK*****, Ilan WEINFElD******

Palavras-chave

resumo

Aloenxerto. Criopreservação. Implante

As perdas ósseas nos arcos maxilares têm sido motivo de grande preocupação na Implantodontia por limitar a instalação de fixações. As técnicas de reconstrução óssea possibilitaram a ampliação das indicações para a instalação de implantes osseointegrados em locais anteriormente inacessíveis. O enxerto autógeno intrabucal é o procedimento mais utilizado na correção de defeitos de rebordo. Nas regiões onde a quantidade e o custo são fatores limitantes ao tratamento com os enxertos autógenos convencionais, surgem novas possibilidades como o uso dos aloenxertos. Protocolos de captação e estocagem realizados pelos bancos de ossos permitem uma maior segurança no uso dos aloenxertos. O objetivo deste estudo é relatar um caso clínico de reconstrução com aloenxerto em uma paciente que possuía um defeito ósseo decorrente de processo infeccioso dental em maxila. Desta forma, pode-se demonstrar que os enxertos ósseos alógenos podem ser utilizados nas reabilitações dos maxilares como alternativa aos enxertos autógenos.

dentário. Atrofia.

* Mestre em Odontologia com área de concentração em Implantodontia pela Universidade de Santo Amaro UNISA, São Paulo. ** Especialista em Periodontia e Implantodontia pela Universidade de Santo Amaro UNISA, São Paulo. Mestre em Odontologia com área de concentração em Implantodontia pela Universidade de Santo Amaro UNISA, São Paulo. *** Mestre em Odontologia com área de concentração em Implantodontia pela Universidade de Santo Amaro UNISA, São Paulo. **** Especialista em Implantodontia pela Universidade de Santo Amaro UNISA, São Paulo. Mestre em Odontologia com área de concentração em Implantodontia pela Universidade de Santo Amaro UNISA, São Paulo. ***** Coordenador do Mestrado em Odontologia com área de concentração em Implantodontia pela Universidade de Santo Amaro UNISA, São Paulo. ****** Doutor em Odontologia com área de concentração em Diagnóstico Bucal pela Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo- FOUSP. Professor Titular da disciplina de Patologia da Universidade de Santo Amaro, UNISA.

64

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):64-72


Fraguas EH, Ribeiro MC, Carrilho GPb, Tunchel S, Sendyk WR, Weinfeld I

devido à viabilidade celular, que se apresenta

das proteínas ósseas morfogenéticas (BMP).

reduzida pelas alterações de pH, tensão de oxigênio e liberação de citocinas2. Ainda, a ausência de células vivas dificulta o processo da manutenção da matriz óssea

CONClUSãO

Mesmo frente às limitações, o enxerto aló-

, que

geno se mostrou uma alternativa viável para

funciona tanto como uma membrana biológi-

a reconstrução óssea em áreas estéticas, dis-

ca — pela sua arquitetura tridimensional —

ponibilizando quantidade de tecido necessá-

como uma fonte osteoindutora, pela presença

rio e diminuindo a morbidade pós-operatória.

9,14

Bone allografts in implant Dentistry ABStrACt The lack of bone tissue limits the insertion of osseointegrated fixtures and is motive of concern in Implant Dentistry. The techniques of bone reconstruction allowed the expansion of indications for the installation of anchorages in places previously impractical. The grafting autogenous intra-oral is the most commonly used in tissue reconstruction to rehabilitation with implants. In areas where the quantity and cost are limiting factors to treatment with conventional autografts, there are new possibilities as the use of allografts. The development of tissue banking improves the methods of processing and storage, increasing the quality and safety of banked bone. The aim of this study was to report a case of reconstruction with allograft in one patient who had a bone defect caused by dental infection process in the jaw. Thus, one can demonstrate that the allograft may be used in the rehabilitation of the jaws as an alternative to autografts. KEYWORDS: Homograft. Cryopreservation. Dental implantation. Atrophy.

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):64-72

71


Utilização de enxerto alógeno na Odontologia: relato de caso clínico

rEfErênciaS 1. Adell R, Eriksson B, Lekholm U, Brånemark PI, Jemt T. Long-term follow-up study of osseointegrated implants in the treatment of totally edentulous jaws. Int J Oral Maxillofac Implants. 1990 Winter;5(4):347-59. 2. Baptista AD, Sorrilha A, Tormes TAM, Abdoune YA, Croci AT, Camargo OP, et al. Estudo histológico dos enxertos ósseos homólogos humanos: a histological study of human allografts. Acta Ortop Bras. 2003 out-dez;11(4): 220-4. 3. Betz RR. Limitations of autograft and allograft: new synthetic solutions. Orthopedics. 2002 May;25(5 Suppl):s561-70. 4. Brasil. Ministério da Saúde. Acesso em: 2009 jul 15. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/area.

11. Galea G, Kearney JN. Clinical effectiveness of processed and unprocessed bone. Transfus Med. 2005 Jun;15(3):165-74. 12. Heiple KG, Chase SW, Herndon CH. A comparative study of the healing process following different types of bone transplantation. J Bone Joint Surg Am. 1963 Dec;45:1593-616. 13. Hernigou P, Delepine G, Goutallier D, Julieron A. Massive allografts sterilised by irradiation. Clinical results. J Bone Joint Surg Br. 1993 Nov;75(6):904-13. 14. Inclán A. The use of preserved bone graft in orthopaedic surgery. J Bone Joint Surg. 1942;24:81-96. 15. Kingma MJ, Hampe JF. The behaviour of blood vessels after experimental transplantation of bone. J Bone Joint Surg Br.

cfm?id_area=1004. 5. Buck BE, Malinin TI, Brown MD. Bone transplantation and human immunodeficiency virus. An estimate of risk of

1964 Feb;46:141-50. 16. RBT. Registro Brasileiro de Transplante. 2008 jan-dez;

acquired immunodeficiency syndrome (AIDS). Clin Orthop

14(2). Acesso em: 2009 jul 15. Disponível em: http://www.

Relat Res. 1989 Mar;(240):129-36.

abto.org.br/abtov02/portugues/populacao/rbt/anoXIV_n2/

6. Burchardt H. The biology of bone graft repair. Clin Orthop

index.aspx?idCategoria=2. 17. RBT. Registro Brasileiro de Transplante. 2009 jan-jun; 15(2).

Relat Res. 1983 Apr;(174):28-42. 7. Chase SW, Herndon CH. The fate of autogenous and homogenous bone grafts. J Bone Joint Surg Am. 1955

Acesso em: 2009 jul 15. Disponível em:http://www.abto. org.br/abtov02/portugues/populacao/rbt/anoXV_n2/index. aspx?idCategoria=2.

Jul;37-A(4):809-41. 8. Boer HH. The history of bone grafts. Clin Orthop Relat Res.

18. Simonds RJ, Holmberg SD, Hurwitz RL, Coleman TR, Bottenfield S, Conley LJ, et al. Transmission of human

1988 Jan;(226):292-8. 9. Friedlaender GE. Bone grafts. The basic science rationale for clinical applications. J Bone Joint Surg Am. 1987

immunodeficiency virus type 1 from a seronegative organ and tissue donor. N Engl J Med. 1992 Mar 12;326(11):726-32.

Jun;69(5):786-90. 10. Friedlaender GE, Strong DM, Sell KW. Studies on the antigenicity of bone. I. Freeze-dried and deep-frozen

19. Wilson PD. Experiences with a bone bank. Ann Surg. 1947 Dec;126(6):932-45.

bone allografts in rabbits. J Bone Joint Surg Am. 1976 Sep;58(6):854-8.

Endereço para correspondência Marna Costa ribeiro Cardoso Av. Iraí, 143, conj. 92 CEP: 04.082-000 – Moema – São Paulo / SP E-mail: marna.ribeiro@yahoo.com.br

72

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):64-72


caso clínico

Diagnóstico diferencial da Paracoccidioidomicose com a doença periodontal em regiões endêmicas: relato de caso Marisana Piano SEBEN*, Alex SCHAUN**, Ires Lise PANSErA***, João Carlos Bispo da SIlvA JUNIOr****, Carina Gisele Costa BISPO*****, Aline Claudia Ribeiro MEDEIrOS******

Palavras-chave

resumo

Paracoccidioidomicose. Doença perio-

A Paracoccidioidomicose é uma infecção fúngica causada pelo Paracoccidioides brasilienses, muito comum na população latino-americana. A via inalatória, atualmente, é considerada a principal porta de entrada da infecção, podendo ocorrer disseminação linfática ou hematogênica para diferentes regiões do organismo, inclusive a cavidade bucal. Desta forma, é importante que o cirurgiãodentista esteja familiarizado com o mecanismo de contágio, com os exames diagnósticos e com o tratamento adequado aos pacientes. O objetivo deste trabalho é apresentar um caso clínico de Paracoccidioidomicose com manifestação clínica bucal passível de ser confundida com Doença Periodontal, no intuito de auxiliar os cirurgiões-dentistas a procederem ao correto diagnóstico e encaminhamento para tratamento dessa doença.

dontal. Diagnóstico diferencial.

* Especialista e Mestre em Ortodontia e Ortopedia Facial, Professora do Curso de Especialização em Ortodontia e Implantodontia da Uningá Chapecó e Cirurgiã-Dentista do CEO da Prefeitura Municipal de Chapecó/SC. ** Especialista em Saúde Coletiva pela Uningá e Cirurgião-Dentista do CEO da Prefeitura Municipal de Chapecó/SC. *** Especialista em Saúde Pública pela Unochapeco/ Fiocruz, Especialista em Cirurgia e Traumatologia Buco-maxilo Facial pela ULBRA e Cirurgiã-Dentista do CEO da Prefeitura Municipal de Chapecó/SC. **** Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial e Professor dos Cursos de Especialização em Ortodontia da Uningá. ***** Mestre e Doutora em Clínica Integrada pela FOUSP, Professora Adjunta do Departamento de Odontologia da Universidade Estadual de Maringá. ****** Mestranda em Odontologia Integrada, Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Maringá.

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):73-80

73


Seben MP, Schaun A, Pansera IL, Silva Junior JCb, bispo CGC, Medeiros ACR

CONSIDErAçÕES FINAIS

inclusive a mucosa bucal. Desta maneira, o cirur-

A PCM é uma doença fúngica sistêmica e en-

gião-dentista tem fundamental papel na identifica-

dêmica. Embora a via primária de infecção seja

ção dessa lesão, no correto diagnóstico diferencial,

a pulmonar, vários sítios anatômicos podem ser

especialmente com a doença periodontal, e enca-

acometidos pela disseminação linfo-hematológica,

minhamento para tratamento adequado.

Differential diagnosis of Paracoccidioidomycosis and periodontal disease in endemic regions: case report ABStrACt Paracoccidioidomycosis is a fungi infection caused by Paracoccidioides brasilienses, much common in Latin American population. Inhalatory way is considered, nowadays, the principal entrance door of the infection, with possible lymphatic or blood dissemination to different parts of body, even the oral cavity. Thus, it is important for the clinician the knowledge about contamination ways, diagnosis exams and the adequate treatment for patients. The aim of this work is to present a clinical case of Paracoccidioidomycosis with clinical oral manifestation that can be confounded with periodontal disease, intending to help clinician to accomplish the correct diagnosis forward to the treatment of this illness. KEYWORDS: Paracoccidioidomycosis. Periodontal disease. Differential diagnosis.

rEfErênciaS 1.

Almeida OP, Jorge J, Scully C, Bozzo L. Oral manifestations of paracoccidioidomycosis (South American blastomycosis). Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 1991;72:430-5.

5. Bisinelli JC, Telles FQ, Josias AS, Rapaport A. Manifestações estomatológicas da paracoccidioidomicose. Rev Bras Otorrinol. 2001 set-out;67(5):683-7. 6. Bittencourt JIM, Oliveira RM, Coutinho ZF. Mortalidade por

2. Araújo NS, Araújo VC. Patologia bucal. São Paulo: Artes Médicas; 1984.

paracoccidiodomicose no Estado do Paraná, Brasil, 19801998. Cad Saúde Pública. 2005 nov-dez;21(6):1856-64.

3. Barbosa W, Daher RR. Blastomicose sul-americana:

7. Cabral LA, Guimarães S, Norberto N, Castro IS, Unterkircher

Paracoccidioidomicose. In: Veronesi R, editor. Doenças

CS, Marcucci G, et al. Emprego da imunofluorescência direta

infecciosas e parasitárias. 8ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara

no diagnóstico da paracoccidioidomicose. Rev Odontol Univ

Koogan; 1991. p. 634-46.

São Paulo. 1994 jan-mar;8(1):27-32.

4. Bicalho RN, Santos MF, Aguiar MC, Santos VR. Oral

8. Cerri A, Genovese WJ, Bordini PJ, Samartine R.

paracoccidioidomycosis: a retrospective study of 62 Brazilian

Paracoccidioidomicose periodontal. Odontol Mod.1986

patients. Oral Dis. 2001 Jan;7(1):56-60.

set;13(8):13-8.

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):73-80

79


Diagnóstico diferencial da Paracoccidioidomicose com a doença periodontal em regiões endêmicas: relato de caso

9. Coutinho ZF, Silva D, Lazera M, Petri V, Oliveira RM, Sabroza PC, et al. Paracoccidioidomycosis mortality in Brazil (19801995). Cad Saúde Pública. 2002 set-out;18(5):1441-54. 10. Del Negro G, Lacaz CS, Fiorillo AM. Paracoccidioidomicose. Blastomicose Sul Americana. São Paulo: Sarvier; 1982. 11. Fonseca JB. Blastomicose sul-americana. Estudo das lesões dentais e para dentais sob o ponto de vista clínico e histopatológico. Rev Fac Odontol. 1963;1:1-38. 12. Fornajeiro NN, Maluf MLF, Takahachi G, Svidzinski TIE. Inquérito epidemiológico sobre a paracoccidioidomicose utilizando a gp43 em dois municípios do noroeste do

19. Migliari DA, Sugaya NN, Mimura MA, Cuce LC. Periodontal aspects of the juvenile form of paracoccidioidomycosis. Rev Inst Med Trop São Paulo. 1998 jan-fev;40(1):15-8. 20. Montenegro MRG. Formas clínicas de paracoccidioidomicose. Rev Inst Med Trop. 1986;28:203-4. 21. Neville BW, Damm DD, Allen CM, Bouquot JE. Patologia oral e maxilo facial. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004. 22. Pagliari AV, Arce GAT, Piazzetta CM. Aspectos clínicos das lesões de paracoccidioidomicose na mucosa bucal. Dens. 1995 jan-dez;11:41-8. 23. Quagliato Jr R, Grangeia TAG, Massucio RAC, Capitani

Paraná, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 2005 mar-

EM, Rezende SM, Balthazar AB. Associação entre

abr;38(2):191-3.

paracoccidioidomicose e tuberculose: realidade

13. Hassessian A, Ishikawa EM, Alencar FI, Marcucci G. Estudo da prevalência de lesões bucais em pacientes portadores de paracoccidiodomicose na região de Campo Grande – Mato Grosso do Sul. RPG Rev Pós-Grad. 2000 jul-set;7(3):214-8. 14. Azevedo IAC, Silva PC, Oliveira RM, Azevedo LR, Machado MA, Lima AA. Case of recurrent paracoccidioidomycosis in female 10 years after initial treatment. Bull Tokyo Dent Coll.

e erro diagnóstico. J Bras Pneumol. 2007 maiojun;33(3):295-300. 24. Silva DFV. Detecção molecular de Paracoccidioides brasiliensis por PCR em biópsias de lesão bucal de paracoccidioidomicose [dissertação]. Londrina (PR): Universidade Estadual de Londrina; 2008. 25. Shikanai-Yasuda MA, Telles Filho FQ, Mendes RP, Colombo AL, Moretti ML. Consenso em paracoccidioidomicose. Rev

2007 May;48(2):67-72. 15. Maluf MLF, Pereira SRC, Takahachi G, Svidzinski TIE. Prevalência de paracoccidioidomicose-infecção determinada

Soc Bras Med Trop. 2006 maio-jun;39(3):297-310. 26. Tolentino ES, Barbosa BA, Taveira LAA, Chinellato

através de teste sorológico em doadores de sangue na

LEM. Manifestações bucais da paracoccidioidomicose:

região Noroeste do Paraná, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop.

considerações gerais e relato de caso. RFO. 2010 jan;15(1):71-6.

2003 jan-fev;36(1):11-6. 16. Marques SA. Paracoccidioidomicose: centenário do primeiro relato de caso. An Bras Dermatol. 2008 maio-

27. Veronesi R, Focaccia R. Blastomicose Sul-Americana (Paracoccidioidomicose). In:______. Tratado de infectologia. São Paulo: Atheneu; 1996. p. 1803.

jun;83(3):271-3. 17. Martinez R, Ferreira MS, Mendes RP, Telles Filho FG.

28. Vieira EMM, Borsatto-Galera B. Manifestações clinicas

Blastomicose sul-americana: paracoccidioidomicose -

bucais da paracoccidiodomicose. Rev Patol Trop. 2006 jan-

Paracoccidioidomycosis. In: Veronesi R, Focaccia R, editores.

abr;35(1):23-30.

Tratado de infectologia. São Paulo: Atheneu; 2002. v. 2, p.1101-31. 18. Melhado RM, Araújo CSA, Piazzetta CM, Tanaka FY. Paracoccidiodomicose bucal: apresentação de casos clínicos. Arq. Ciências Saúde UNIPAR. 2002 maio-ago;6(2):141-3.

Endereço para correspondência Carina gisele Costa Bispo Av. Anchieta 384 sala 05 sobreloja – Centro CEP: 87.010-350 – Maringá / PR E-mail: carinagc@yahoo.com

80

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):73-80


revisão de literatura

Platform switching: uma realidade na preservação da crista óssea ao redor de implantes – revisão de literatura

Armando Rodrigues Lopes PErEIrA NEtO*, Aline Franco SIQUEIrA**, João Gustavo Oliveira de SOUzA***, Ernesto Barquero COrDErO***, Ricardo de Souza MAgINI****, Daniel Romeu Benchimol de rESENDE*****

Palavras-chave

resumo

Plataforma. Crista óssea. Distâncias

A Implantologia atual admite como padrão de normalidade a perda de tecido ósseo marginal ao nível da primeira rosca de implantes osseointegráveis (Bränemark System®). Em áreas estéticas e/ou de pequena disponibilidade óssea, esse fenômeno traz prejuízos no posicionamento cervical do tecido mole, na conformação da papila interproximal e na diminuição da superfície do implante para osseointegração. O conceito de Platform Switching, utilização de plataformas expandidas e componentes protéticos de menor diâmetro que medialisam a junção implante-abutment, minimiza ou elimina essa perda óssea. O objetivo desse artigo é expor essa ferramenta para preservação da crista óssea ao redor de implantes osseointegráveis.

biológicas.

* Especialista em Periodontia FOB – USP, Mestre e Doutorando em Implantodontia UFSC. ** Mestre e Doutora em Implantodontia UFSC. *** Mestre e Doutorando em Implantodontia UFSC. **** Especialista, Mestre e Doutor em Periodontia FOB - USP. Coordenador do Programa de Pós-graduação em Odontologia UFSC. ***** Mestre e Doutor em Periodontia FOB - USP.

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):81-8

81


Pereira Neto ARL, Siqueira AF, Souza JGO, Cordero Eb, Magini RS, Resende DRb

Platform switching: a reality on crestal bone preservation around dental implants – literature review ABStrACt The current implant dentistry considers the loss of marginal bone tissue at the level of the first thread of osseointegrated implants (“ad modum” Bränemark) as normal. In aesthetic areas and/or areas of small bone availability, such phenomenon impedes the cervical positioning of the soft tissue, the interproximal papilla contour, and reduces the surface of the implants for osseointegration. The concept of Platform Switching uses expanded platforms and narrower diameter prosthetic components that medialize the implant-abutment junction (IAJ). Thus, minimizing or eliminating bone loss. The purpose of this article is to expose this tool for preservation of the crestal bone of osseointegrated implants in a literature review. KEYWORDS: Platform. Crestal bone. Biological width. Interproximal papillae. Prosthesis. Esthetics.

rEfErênciaS

7. Buser D, Weber HP, Donath K, Fiorellini JP, Paquette DW, Williams RC. Soft tissue reactions to non-submerged

1. Abrahamsson I, Berglundh T, Lindhe J. The mucosal barrier following abutment dis/reconnection: an experimental study in dogs. J Clin Periodontol. 1997;8:568-72.

unloaded titanium implants in beagle dogs. J Periodontol. 1992 Mar;63(3):225-35. 8. Luongo R, Traini T, Guidone PC, Bianco G, Cocchetto R,

2. Albrektsson T, Zarb G, Worthington DP, Eriksson RA. The

Celletti R. Hard and soft tissue responses to platform

long-term efficacy of currently used dental implants: a

switching. Int J Periodontics Restorative Dent. 2008

review and proposed criteria of success. Int J Oral Maxillofac

Dec;28(6):551-7. 9. Chun HJ, Shin HS, Han CH, Lee SH. Influence of implant

Implants. 1986;1(1):11-25. 3. Alomrani AN, Hermann JS, Jones AA, Buser D, Schoolfield J,

abutment type on stress distribution under various loading

Cochran DL. The effect of machined collar on coronal hard

condition using finite element analysis. Int J Oral Maxillofac

tissue around titanium implants: a radiographic study in the canine mandible. Int J Oral Maxillofac Implants. 2005 Sep-

Implants. 2006 Mar-Apr;21(2):195-202. 10. Cochran DL, Hermann JS, Schenk RK, Higginbottom FL, Buser D. Biological with around titanium implants. A

Oct;20(5):677-86. 4. Baumgarten H, Cocchetto R, Testori T, Meltzer A, Porter S. A new implant design for crestal bone preservation: initial observations and a case report. Pract Proced Aesthet Dent. 2005 Nov-Dec;17(10):735-40. 5. Berglundh T, Lindhe J. Dimensions of the periimplant mucosa. Biologic width revisted. J Clin Periodontol.

histometric analysis of the implanto-gingival junction around unloaded and loaded nonsubmerged implants in the canine mandible. J Periodontol. 1997 Feb;68(2):186-98. 11. Ericsson I, Persson LG, Berglundh T, Marinello CP, Lindhe J, Klinge B. Different types of inflammatory reactions in periimplant soft tissues. J Clin Periodontol. 1995 Mar;22(3):255-61.

1996;23:971-3. 6. Brochu JF, Anderson JD. Influence of early loading on bony

12. Gomez-Roman G. Influence of flap design on peri-implant

crestal height and stability: a pilot study. Int J Prosthodont.

interproximal crestal bone loss around single-tooth implants.

2005 Nov-Dec;18(6):506-12.

Int J Oral Maxillofac Implants. 2001 Jan-Feb;16(1):61-7.

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):81-8

87


Platform switching: uma realidade na preservação da crista óssea ao redor de implantes – revisão de literatura

13. Grunder U. Stability of the mucosal topography around

27. Todescan FF, Pustiglioni FE, Imbronito AV, Albrektsson T,

single-tooth implants and adjacent teeth: 1-year results. Int J

Gioso M. Influence of the microgap in the peri-implant hard

Periodontics Restorative Dent. 2000 Feb;20(1):11-7.

and soft tissues: a histomorphometric study in dogs. Int J

14. Grunder U, Gracis S, Capelli M. Influence of the 3-D bone-to-implant relationship on esthetics. Int J Periodontics Restorative Dent. 2005 Apr;25(2):113-9. 15. Hansson HA, Albrektsson T, Brånemark PI. Structural aspects of the interface between tissue and titanium implants. J Prosthet Dent. 1983 Jul;50(1):108-13. 16. Hermann JS, Cochran DL, Buser D, Schenk RK, Schoolfield JD. Biologic Width around one- and two piece titanium implants. A histometric evaluation of unloaded nonsubmerged and submerged implants in the canine mandible. Clin Oral Implants Res. 2001Dec;12(6):559-71. 17. Jansen JA, Wijn JR, Wolters-Lutgerhorst JM, Van Mullem PJ. Ultrastructural study of epithelial cell attachment to implant materials. J Dent Res. 1985 Jun;64(6):891-6. 18. Lazzara RJ, Porter SS. Platform switching: A new concept in

Oral Maxillofac Implants. 2002 Jul-Aug;17(4):467-72. 28. Trisi P, Keith DJ, Rocco S. Human histologic and histomorphometric analyses of hydroxyapatite-coated implants after 10 years of function: a case report. Int J Oral Maxillofac Implants. 2005 Jan-Feb;20(1):124-30. 29. Yoo RH, Chuang SK, Erakat MS, Weed M, Dodson TB. Changes in crestal bone levels for immediately loaded implants. Int J Oral Maxillofac Implants. 2006 MarApr;21(2):253-61. 30. Novaes Jr AB, Oliveira RR, Muglia VA, Papalexiou V, Taba M. The effects of interimplant distances on papilla formation and crestal resorption in implants with a cone morse connection and a platform switch: a histomorphometric study in dogs. J Periodontol. 2006 Nov;77(11):1839-49. 31. Atieh MA, Ibrahim HM, Atieh AH. Platform switching for

implant dentistry for controlling post-restorative bone levels.

marginal bone preservation around dental implants: a

Int J Periodontics Restorative Dent. 2006 Feb;26(1):9-17.

systematic review and meta-analysis. J Periodontol. 2010

19. McKinney RV Jr, Steflik DE, Koth DL. Evidence for a juncional epithelial attachment to ceramic dental implants: a

Oct;81(10):1350-66. 32. López-Marí L, Calvo-Guirado JL, Martín-Castellote B, Gomez-

transmission electron microscopic study. J Periodontol. 1985

Moreno G, López-Marí M. Implant platform switching

Oct;56(10):579-91.

concept: an updated review. Med Oral Patol Oral Cir Bucal.

20. Misch CE, Suzuki JB, Misch-Dietsh FM, Bidez MW. A positive correlation between occlusal trauma and peri-implant bone loss: literature support. Implant Dent. 2005 Jun;14(2):108-16. 21. Oates TW, West J, Jones J, Kaiser D, Cochran DL. Long-term changes in soft tissue height on the facial surface of dental implants. Implant Dent. 2002;11(3):272-9. 22. Pilliar RM, Deporter DA, Watson PA, Valiquette N. Dental implant design: effect on bone remodeling. J Biomed Mater

2009 Sep 1;14(9):e450-4. 33. Fickl S, Zuhr O, Stein JM, Hürzeler MB. Peri-implant bone level around implants with platform-switched abutments. Int J Oral Maxillofac Implants. 2010 May-Jun;25(3):577-81. 34. Wagenberg B, Froum SJ. Prospective study of 94 platformswitched implants observed from 1992 to 2006. Int J Periodontics Restorative Dent. 2010 Feb;30(1):9-17. 35. Canullo L, Fedele GR, Iannello G, Jepsen S. Platform switching and marginal bone-level alterations: the results of

Res. 1991 Apr;25(4):467-83. 23. Schroeder A,Van der Zypen E, Stich H, Sutter F. The reactions of bone, connective tissue, and epithelium to

a randomized-controlled trial. Clin Oral Implants Res. 2010 Jan;21(1):115-21.

endosteal implants with titanium-sprayed surfaces. J Maxillofac Surg. 1981 Feb;9(1):15-25. 24. Smith DE, Zarb GA. Criteria for success of osseointegrated endosseous implants. J Prosthet Dent. 1989 Nov;62(5):567-72. 25. Tal H, Artzi Z, Moses O, Nemcovsky CE, Kozlovsky A. Spontaneous early exposure as submerged endosseous implants resulting crestal bone loss: a clinical evaluation between stage I and stage II sugery. Int J Oral Maxillofac Implants. 2001 Jul-Aug;16(4):514-21. 26. Tarnow DP, Cho SC, Wallace SS. The effect of inter-implant distance on the height of inter-implant bone crest. J Periodontol. 2000 Apr;71(4):546-9.

88

Endereço para correspondência Armando r. lopes Pereira Neto Rodovia Amaro Antonio Vieira 2463, apto 405 C CEP: 88.034-101 – Florianópolis - SC / Brasil E-mail: armandopn@gmail.com

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):81-8


Artigo Inédito

Avaliação dos tecidos peri-implantares em pacientes reabilitados com próteses totais fixas implantossuportadas Suzanne Mascarenhas GueRReRa*, Viviane Rabelo**, André Carlos de FReITaS***, Robson G. MeNDoNÇa****, Sérgio WeNDell*****, Luis Rogério DuaRTe******

Palavras-chave

Resumo

Parâmetros clínicos. Implantes

Este estudo propõe uma avaliação das condições dos tecidos peri-implantares em pacientes reabilitados com próteses totais fixas sobre implantes em maxilas e/ou mandíbulas, atendidos no Curso de Especialização em Implantodontia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). A amostra constituiu-se de oito pacientes, e foram analisados mobilidade, dor, profundidade de sondagem, índice de placa, índice de sangramento, supuração e faixa de tecido ceratinizado. De um total de 49 implantes avaliados, apenas um (2,04%) apresentou peri-implantite (com supuração e profundidade de sondagem de 6mm). Os resultados confirmam a necessidade de se estabelecer um programa de terapia de suporte para o paciente reabilitado com implantes osseointegrados.

osseointegrados. Peri-implantite.

* Especialista em Periodontia pela ABO-BA. Especialista em Implantodontia pela UFBA. ** Especialista em Periodontia pela UFES. Especialista em Odontogeriatria pela Unigranrio. Mestre em Implantologia pela USC/Bauru. Coordenadora do Curso de Especialização em Implantodontia Funorte/Reclident. *** Mestre em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial pela Universidade Federal de Pernambuco. Doutor em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial pela PUC-RS. Coordenador do Curso de Especialização da FOUFBA. **** Especialista em Implantodontia pela ABO-BA. Mestre em Odontologia pela FOUFBA. Professor de Cirurgia do Curso de Odontologia da UEFS. ***** Especialista em Implantodontia pela ABO-BA. Mestre em Odontologia pela FOUFBA. Professor do Curso de Especialização em Implantodontia da FOUFBA. ****** Especialista em Implantodontia pela ABO-BA. Mestre em Implantologia pela USC/Bauru. Professor do Curso de Especialização em Implantodontia da UFBA. Coordenador do Curso de Especialização em Implantodontia do Funorte/Reclident. Doutor em Implantodontia pela São Leopoldo Mandic/Campinas.

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):89-101

89


Avaliação dos tecidos peri-implantares em pacientes reabilitados com próteses totais fixas implantossuportadas

CONSIDErAçÕES FINAIS

avaliados, apenas 1 (2,04%) apresentou

Dentro das limitações desse trabalho, podese concluir que:

peri-implantite, respondendo bem ao tratamento.

• Os pacientes reabilitados na maxila demons-

• Baseado nos resultados encontrados,

traram maior dificuldade no controle da placa,

pode ser demonstrada a importância do

independentemente da face e do tipo de im-

monitoramento do paciente reabilitado

plante (convencional ou zigomático).

com implantes através de um programa

• Pode-se observar que, dos 49 implantes

de terapia de suporte.

Evaluation of peri-implant tissues in patients rehabilitated with total fixed prostheses ABStrACt The aim of this study was to evaluate the peri-implants tissues conditions in the patients whose maxillae and/ or mandibles were rehabilitated using implant supported total fixed prostheses in the Specialist Implantodontology Program at the Federal University of Bahia (UFBA). The sample comprised of eight patients and the following factors were analyzed: mobility, pain, probing depth, the amount of plaque present, the amount of bleeding, suppuration and the keratinized tissue. Of a total of 49 implants evaluated, only one presented periimplantitis (with suppuration and a probing depth of 6mm). The results confirmed the necessity of establishing a therapeutic support program for patients rehabilitated with osseointegrated implants. KEYWORDS: Clinical parameters. Osseointegrated implants. Peri-implantit.

rEfErênciaS

4. Barreto M, Leal M, Ribeiro AC, Bulhões MV. Monitoramento e manutenção em implantes zigomáticos. In: Lenharo A, Bezerra

1. Albrektsson T, Isidor F. Consensus report of session IV. In: Lang NP, Karring T, editors. Proceedings of the First European Workshop on Periodontology. London:

long-term efficacy of currently used dental implants: a review and proposed criteria of success. Int J Oral Maxillofac Implants. 1986 Summer;1(1):11-25. 3. Atassi F. Periimplant probing: Positives and Negatives.

100

1ª ed. São Paulo: Artes Médicas; 2009. cap. 12, p. 177-90. 5. Berglundh T, Lindhe J, Lang P, Mayfield L. Mucosite e Periimplantite. In: Lindhe J, editor. Tratado de periodontia

Quintessence; 1994. p. 365-9. 2. Albrektsson T, Zarb G, Worthington P, Eriksson AR. The

Implant Dent. 2002;11(4):356-62.

F, editor. Monitoramento e manutenção da saúde periimplantar.

clínica e implantologia oral. 3ª ed. São Paulo: Ed. Santos; 1997. cap. 44, p. 988-7. 6. Berglundh T, Persson L, Klinge B. A systematic review of the incidence of biological and technical complications in implant dentistry reported in prospective longitudinal studies of at least 5 years. J Clin Periodontol. 2002;29 Suppl 3:197-212.

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):89-101


Guerrera SM, Rabelo V, Freitas AC, Mendonça RG, Wendell S, Duarte LR

7. Bauman GR, Mills M, Rapley JW, Hallmon WH. Clinical parameters of evaluation during implant maintenance. Int J Oral Maxillofac Implants. 1992 Summer;7(2):220-7. 8. Hämmerle CF, Berglundh T, Lindhe J, Ericsson I. A utilização de implantes na reabilitação oral: casos clínicos. In: Lindhe J, editor. Tratado de periodontia clínica e implantologia oral. 3ª ed. São Paulo: Ed. Santos; 1997. cap. 33, p. 690-713. 9. Hämmerle CF, Glauser R. Clinical evaluation of dental implant treatment. Periodontol 2000. 2004;34:230-9. 10. Lang NP, Mombelli A, Brägger U, Hämmerle CH. Monitoring disease around dental implants during supportive periodontal treatment. Periodontol 2000.

18. Misch CE. Prótese sobre implantes. São Paulo: Ed. Santos; 2006. 19. Mish CE, Meffert RM. Escala de qualidade de saúde do implante: uma verificação clínica do contínuo processo saúde-doença. In: Mish CE, editor. Prótese sobre implantes. São Paulo: Ed. Santos, 2006. p. 596-603. 20. Misch CE, Perel ML, Wang HL, Sammartino G, GalindoMoreno P, Trisi P, et al. Implant success, survival, and failure: The Internacional Congress of Oral Implantologists (ICOI) Pisa Concensus Conference. Implant Dent. 2008 Mar;17(1):5-15. 21. Mombelli A, Mühle T, Brägger U, Lang NP, Bürgin WB. Comparison of periodontal and peri-implant probing by

1996 Oct;12:60-8. 11. Lang PL, Bragger U, Tonetti M, Hammerle CF. Terapia Periodontal de Suporte (TPS). In: Lindhe J, editor. Tratado de periodontia clínica e implantologia oral. 3ª ed. São Paulo: Ed. Santos. 1997. cap. 27, p. 603-19. 12. Lang NP, Nyman SR. Supportive maintenance care for pacients with implants and advanced restorative therapy. Periodontol 2000. 1994 Feb;4:119-26. 13. Lang NP, Löe H. The relationship between the width of keratinized gingiva and gingival health. J Periodontol. 1972

depth-force pattern analysis. Clin Oral Implants Res. 1997 Dec;8(6):448-54. 22. Mombelli A, Lang NP. Clinical parameters for the evaluation of dental implants. Periodontology 2000. 1994 Feb;4(1):81-6. 23. Mombelli A, Lang NP. The diagnosis and treatment of periimplantitis. Periodontol 2000. 1998 Jun;17:63-76. 24. Pepelassi EA, Tsiklakis K, Diamanti-Kipioti A. Radiographic detection and assessment of periodontal endosseuos defects. J Clin Periodontol. 2000 Apr;27(4):224-30.

Oct;43(10):623-7. 14. Lang NP, Wilson TG, Corbet EF. Biological complications

25. Shibli JA, Martins MC, Lotufo RFM, Marcantonio Jr E. O que

with dental implants: their prevention, diagnosis and

é periimplantite? In: Lotufo RFM, Lascala Jr. NT, editores.

treatment. Clin Oral Implants Res. 2000;11 Suppl

Periodontia e Implantodontia - desmistificando a ciência. São Paulo: Artes Médicas; 2004. p. 423-42.

1:146-55. 15. Lindhe J, Berglundh T. A mucosa periimplantar. In: Lindhe J, editor. Tratado de periodontia clínica e implantologia oral. 3ª ed. São Paulo: Ed. Santos; 1997. cap. 29, p. 631-9. 16. Matos DAD. Diferentes sistemas de implantes podem

26. Soares APF, AzoubeL MCF, Bezerra F, Lenharo A. Monitoramento e manutenção da saúde periimplantar. 1ª ed. São Paulo: Ed. Santos; 2009. 27. Wennström J, Lindhe J. The role of attached gingiva for

influenciar a qualidade da microbiota periimplantar? In:

maintenance of periodontal health. Healing following

Francischone CE, Nary Filho H, Dias DA, Lira HG. editor.

excisional and grafting procedures in dogs. J Clin

Osseointegração e tratamento multidisciplinar. São Paulo: Quintessence; 2005. cap. 3, p. 35-53. 17. Meffert RM. Manutenção dos implantes dentários. In: Misch CE, editor. Prótese sobre implantes. São Paulo: Ed. Santos;

Periodontol. 1983 Mar;10(2):206-21. 28. Wennström J, Lindhe J. Plaque-induced gingival inflamation in the absence of attached gingiva in dogs. J Clin Periodontol. 1983 May;10(3):266-76.

2006. cap. 29, p. 587-95.

Endereço para correspondência Suzanne Mascarenhas guerrera Av. Garibaldi nº 1133, Centro Odonto-Médico Itamaraty sala 303 CEP: 40.170-130 – Ondina – Salvador / Ba E-mail: suzanneguerrera@yahoo.com.br

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):89-101

101


caso clínico

Distração osteogênica em Implantodontia: relato de caso

Valdir Cabral ANDrADE*, Claudio Ferreira NóIA*, Rafael OrtEgA-lOPES**, Renato MAzzONEttO***

Palavras-chave

resumo

Distração osteogênica. Implantes

As deficiências ósseas horizontais e verticais dos maxilares requerem, na maioria das vezes, cirurgias prévias para o aumento ósseo quando se pensa em reabilitação com implantes. Para pacientes que procuram tratamento com o intuito de melhorar ou recuperar a função mastigatória, a fonética e a estética bucal, existem diversos tipos de tratamentos para recuperar a altura óssea perdida dos rebordos alveolares, visando uma futura reabilitação com implantes osseointegrados. A distração osteogênica é uma técnica empregada para o ganho de tecido ósseo e de tecidos moles em cirurgia ortopédica e vem sendo aplicada desde 1996 por cirurgiões bucomaxilofaciais para reconstrução de rebordos alveolares mandibulares e maxilares, com a finalidade de permitir a instalação de implantes osseointegrados bem posicionados e com maior previsibilidade de sucesso, quando submetidos a cargas funcionais. A técnica consiste no alongamento dos tecidos moles e duros, permitindo bons e previsíveis resultados, além de apresentar menor morbidade e dispensar a necessidade de um segundo local cirúrgico quando comparada à técnica de enxertos. O objetivo deste trabalho é demonstrar a aplicabilidade desta técnica através do relato de um caso clínico de uma paciente com atrofia do rebordo alveolar que foi submetida a procedimento de distração osteogênica, com posterior instalação de implantes osseointegráveis.

dentários. Reabsorção óssea.

* Mestrando em CBMF na FOP/UNICAMP. ** Especialista em Implantodontia pela FOP/UNICAMP. Mestrando em CTBMF na FOP/UNICAMP. *** Pós-doutorado em CTBMF pela Universidade de Charlotte/EUA. Professor Titular da FOP/UNICAMP.

102

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):102-10


Andrade VC, Nóia CF, Ortega-Lopes R, Mazzonetto R

óssea e ganho de tecido mole em rebordo al-

e enxertos é válida, pois a distração osteogêni-

veolar atrófico, cujo osso formado é capaz de

ca alveolar resolve de forma rápida e previsível

suportar cargas funcionais provenientes das

grandes defeitos verticais do rebordo, criando

próteses implantossuportadas. Essa técnica é

um leito receptor adequado com suficiente

um método confiável e previsível para recons-

tecido mole, que ajudará no recobrimento do

truir rebordos alveolares atróficos, tendo como

enxerto em bloco, evitando, assim, deiscências.

resultado um adequado ganho ósseo num

Além disso, o ganho de tecido mole gerado com

tempo menor, com um baixo risco de compli-

a distração mostrou grande vantagem estética

cações. A indicação da associação da distração

na região que foi submetida à distração.

Distraction osteogenesis in implantology: case report ABSTRACT The horizontal and vertical bone defects of the jaws in most cases require surgery for the bone increase when considering implants rehabilitation. For patients seeking treatment in order to improve or restore the chewing function, phonetics and oral aesthetics, there are several types of treatments to restore lost bone height of alveolar ridges, seeking a future reconstruction with osteointegration implant. Distraction osteogenesis is a technique for gaining bone and soft tissue in orthopedic surgery and has been applied since 1996 by maxillofacial surgeons for reconstruction of mandibular and maxillary alveolar ridges, in order to allow the installation of dental implants well positioned and greater predictability of success, when subjected to functional loads. The technique consists of stretching soft and hard tissue allowing good and predictable results, and have lower morbidity and obviate the need for a second surgical site when compared to the graft technique. The objective is to demonstrate the applicability of this technique through a case report of a patient with atrophy of the alveolar ridge that was submitted to Distraction Osteogenesis procedure, with subsequent placement of osseointegrated implants. KEYWORDS: Osteogenesis. Distraction. Dental implants. Bone resorption.

REFERÊNCIAS

3. Mazzonetto R, Maurette AM, Maurette PE, Torrezan JFR. Distracção osteogénica para a recontrução de rebordos

1. Pereira Filho VA, Hochuli Vieira E, Gabrielli MAC, Queiroz TP, Chávez OFM. Distração osteogênica mandibular para instalação de implantes: relato de caso. Rev Cir Traumatol Buco-maxilo-fac.

alveolares atróficos. Rev Port Estomatol Cir Maxilofac. 2005;46:213-20. 4. Chiapasco M, Romeo E, Vogel, G. Vertical distraction osteogenesis of edentolous ridges for improvement of oral

2007 jan-mar;7(1):51-8. 2. Zaffe D, Bertoldi C, Palumbo C, Consolo U. Morphofunctional and clinical study on mandibular alveolar distraction osteogenesis. Clin Oral Implants Res. 2002 Oct;13(5):550-7.

implant positioning: a clinical report of preliminary results. Int J Oral Maxillofac Implants. 2001 Jan-Feb;16(1):43-51. 5. Maurette AM, Maurette PE, Mazzonetto R. Evaluación clínica

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):102-10

109


Distração osteogênica em Implantodontia: relato de caso

y radiográfica de la técnica de distracción osteogénica en la reconstrucción de rebordes alveolares atróficos en la region anterior del maxilar superior. Rev Esp Cirur Oral Maxilofac.

19. Oda T, Sawaki Y, Ueda M. Alveolar ridge augmentation by distraction osteogenesis using titanium implants: an experimental study. Int J Oral Maxillofac Surg. 1999 Apr;28(2):151-6. 20. Valcanaia T, Palma FR, Chaves Júnior AC. Reposicionamento

2005;27:137-42. 6. Dahlin CA. Origem científica da regeneração óssea guiada. In: Buser D, Dahlin C, Schenk RK. Regeneração óssea guiada na implantodontia. São Paulo: Quintessence; 1996. p. 31-48. 7. Chiapasco M, Consolo U, Bianchi A, Ronchi P. Alveolar

de implantes osseointegrados com a utilização de dispositivos protéticos para distração óssea alveolar. BCI. 2001 nov-dez; 9(32):302-5. 21. Klein C, Papageorge M, Kovács A, Carchidi JE. Initial

distraction correction of vertically deficient edentulous ridges: a

experiences using a new implant based distraction system for

multicenter prospective study on humans. Int J Oral Maxillofac

alveolar rigde augmentation. Int J Oral Maxillofac Surg. 2001

Implants. 2004 May-Jun;19(3):399-407. 8. Ilizarov GA. The principles of the Ilizarov method. Bull Hosp Jt

Apr;30(2):167-9. 22. Bouguignon Filho AM, Dias ECLCM, Chiarelli FM, Rós L. Distração osteogênica na região de anterior de mandíbula: relato

Dis Orthop Inst. 1988;48:1-11. 9. Ilizarov GA. The tension-stress effect on the Genesis and growth of tissues. Part 1: the influence of stability fixation and soft tissue preservation. Clin Orthop Rel Res. 1989;238:249-81. 10. Ilizarov GA. The tension-stress effect on the genesis and growth of tissues. Part 2: The influence of the rate and frequency of distraction. Clin Orthop Relat Res. 1989 Feb;(239):263-85. 11. Chin M, Toth BA. Distraction osteogenesis in maxillofacial surgery using internal devices: review of five cases. J Oral Maxillofac Surg. 1996 Jan;54(1):45-53. 12. Horiuchi K, Uchida H, Yamamoto K, Hatano N. Anteroinferior distraction of the atrophic subtotal maxillary alveolus for implant placement: a case report. Int J Oral Maxillofac Implants. 2002

de caso clínico. UFES Rev Odontol. 2003 set-dez;5(3):39-45. 23. Takahashi T, Funaki K, Shintani H, Haruoka T. Use of horizontal alveolar distraction osteogenesis for implant placement in a narrow alveolar ridge: a case report. Int J Oral Maxillofac Implants. 2004 Mar-Apr;19(2):291-4. 24. McAllister BS, Gaffaney TE.Distraction osteogenesis for vertical bone augmentation prior to oral implant reconstruction. Periodontol 2000. 2003;33:54-66. 25. Block MS, Almerico B, Crawford C, Gardiner D, Chang A. Bone response to functioning implants in dog mandibular alveolar ridges augmented with distraction osteogenesis. Int J Oral Maxillofac Implants. 1998 May-Jun;13(3):342-51. 26. Robiony M, Polini F, Costa F, Politi M. Osteogenesis distraction

May-Jun;17(3):416-23. 13. Raghoebar GM, Heydenrijk K, Vissink A. Vertical distraction of the severely resorbed mandible. The Groningen distraction device. Int J Oral Maxillofac Surg. 2000 Dec;29(6):416-20. 14. Jensen OT, Cockrell R, Kuhike L, Reed C. Anterior maxillary

and platelet-rich plasma bone restoration of the severely atrophic mandible: preliminary results. J Oral Maxillofac Surg. 2002 Jun;60(6):630-5. 27. Maurette PE, Maurette AM, Mazzonetto R. Distracción

alveolar distraction osteogenesis: a prospective 5-year

ostetogênica alveolar: una alternativa en la reconstrucción de

clinical study. Int J Oral Maxillofac Implants. 2002 Jan-

rebordes alveolares atróficos: descripción de 10 casos. Rev Esp Cirug Oral y Maxilofac. 2004;26:41-7.

Feb;17(1):52-68. 15. Block MS, Chang A, Crawford C. Mandibular alveolar ride

28. Uckan S, Haydar SG, Dolanmaz D. Alveolar distraction: analysis

augmentation in the dog using distraction osteogenesis. J Oral

of 10 cases. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod.

Maxillofac Surg. 1996 Mar;54(3):309-14.

2002 Nov;94(5):561-5.

16. McCarthy JG, Schreiber J, Karp N, Thorne CH, Grayson BH. Lengthening the human mandible by a gradual distraction. Plast Reconstr Surg. 1992 Jan;89(1):1-8. 17. Barbosa RPL, Paiva JB, Rino Neto J, Miranda SL. Avaliação das alterações transversais mandibulares em paciente tratado com expansão média da sínfise por meio da distração osteogênica. Ortodontia. 2003 jan-abr;36(1):87-100. 18. Rubio-Bueno P, Naval L, Rodriguez-Campo F, Gil-Díez JL, Díaz-González FJ. Internal distraction osteogenesis with a unidirectional device for reconstruction of mandibular segmental defects. J Oral Maxillofac Surg. 2005 May;63(5):598-608.

110

Endereço para correspondência valdir Cabral Andrade FOP/UNICAMP – Av. Limeira, 901, Areião CEP: 13.414-903 – Piracicaba / SP E-mail: valdirandrade@fop.unicamp.br

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):102-10


normas de apresentação de originais

— A Revista Dental Press de Periodontia e Implantologia, dirigida à classe odontológica, destina-se à publicação de relatos de casos clínicos e de técnicas, artigos de interesse da classe ortodôntica, comunicações breves e atualidades. — A Revista Dental Press de Periodontia e Implantologia utiliza o Sistema de Gestão de Publicação, um sistema on-line de submissão e avaliação de trabalhos. Para submeter novos trabalhos visite o site: www.dentalpressjournals.com

2. Resumo/Abstract — os resumos estruturados, em português e inglês, de 250 palavras ou menos são os preferidos. — os resumos estruturados devem conter as seções: INTRODUÇÃO, com a proposição do estudo; MÉTODOS, descrevendo como o mesmo foi realizado; RESULTADOS, descrevendo os resultados primários; e CONCLUSÕES, relatando o que os autores concluíram dos resultados, além das implicações clínicas. — os resumos devem ser acompanhados de 3 a 5 palavraschave, ou descritores, também em português e em inglês, as quais devem ser adequadas conforme o MeSH/DeCS.

— Outros tipos de correspondência poderão ser enviados para: Dental Press International Av. Euclides da Cunha 1718, Zona 5 CEP: 87.015-180, Maringá/PR Tel.: (44) 3031-9818 E-mail: artigos@dentalpress.com.br — As declarações e opiniões expressas pelo(s) autor(es) não necessariamente correspondem às do(s) editor(es) ou publisher, os quais não assumirão qualquer responsabilidade pelas mesmas. Nem o(s) editor(es) nem o publisher garantem ou endossam qualquer produto ou serviço anunciado nesta publicação ou alegação feita por seus respectivos fabricantes. Cada leitor deve determinar se deve agir conforme as informações contidas nesta publicação. A Revista ou as empresas patrocinadoras não serão responsáveis por qualquer dano advindo da publicação de informações errôneas.

3. Texto — o texto deve ser organizado nas seguintes seções: Introdução, Material e Métodos, Resultados, Discussão, Conclusões, Referências, e Legendas das figuras. — os textos devem ter o número máximo de 4.000 palavras, incluindo legendas das figuras, resumo, abstract e referências. — envie as figuras em arquivos separados (ver logo abaixo). — também insira as legendas das figuras no corpo do texto, para orientar a montagem final do artigo. 4. Figuras — as imagens digitais devem ser no formato JPG ou TIF, em CMYK ou tons de cinza, com pelo menos 7 cm de largura e 300 dpis de resolução. — as imagens devem ser enviadas em arquivos independentes. — se uma figura já foi publicada anteriormente, sua legenda deve dar todo o crédito à fonte original. — todas as figuras devem ser citadas no texto.

— Os trabalhos apresentados devem ser inéditos e não publicados ou submetidos para publicação em outra revista. Os manuscritos serão analisados pelo editor e consultores, e estão sujeitos a revisão editorial. Os autores devem seguir as orientações descritas adiante.

5. Gráficos e traçados cefalométricos — devem ser enviados os arquivos contendo as versões originais dos gráficos e traçados, nos programas que foram utilizados para sua confecção. — não é recomendado o envio dos mesmos apenas em formato de imagem bitmap (não editável).

ORIENTAÇÕES PARA SUBMISSÃO DE MANUSCRITOS — Submeta os artigos através do site: www.dentalpressjournals.com — Organize sua apresentação como descrito a seguir:

— os desenhos enviados podem ser melhorados ou redesenhados pela produção da revista, a critério do Corpo Editorial.

1. Página de título — deve conter título em português e inglês, resumo e abstract, palavras-chave e keywords. — não inclua informações relativas aos autores, por exemplo: nomes completos dos autores, títulos acadêmicos, afiliações institucionais e/ou cargos administrativos. Elas deverão ser incluídas apenas nos campos específicos no site de submissão de artigos. Assim, essas informações não estarão disponíveis para os revisores.

6. Tabelas — as tabelas devem ser autoexplicativas e devem complementar, e não duplicar o texto. — devem ser numeradas com algarismos arábicos, na ordem em que são mencionadas no texto. — forneça um breve título para cada uma. — se uma tabela tiver sido publicada anteriormente, inclua uma nota de rodapé dando crédito à fonte original. — apresente as tabelas como arquivo de texto (Word ou Excel, por exemplo), e não como elemento gráfico (imagem não editável).

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):111-2

111


normas de apresentação de originais

7. Comitês de Ética — Os artigos devem, se aplicável, fazer referência a pareceres de Comitês de Ética. 8. Referências — todos os artigos citados no texto devem constar na lista de referências. — todas as referências listadas devem ser citadas no texto. — com o objetivo de facilitar a leitura do texto, as referências serão citadas no texto apenas indicando a sua numeração. — as referências devem ser identificadas no texto por números arábicos sobrescritos e numeradas na ordem em que são citadas no texto. — as abreviações dos títulos dos periódicos devem ser normalizadas de acordo com as publicações “Index Medicus” e “Index to Dental Literature”. — a exatidão das referências é de responsabilidade dos autores; as mesmas devem conter todos os dados necessários à sua identificação. — as referências devem ser apresentadas no final do texto obedecendo às Normas Vancouver (http://www.nlm.nih. gov/bsd/uniform_requirements.html). — utilize os exemplos a seguir:

Dissertação, tese e trabalho de conclusão de curso Beltrami LER. Braquetes com sulcos retentivos na base, colados clinicamente e removidos em laboratórios por testes de tração, cisalhamento e torção. [dissertação]. Bauru (SP): Universidade de São Paulo; 1990. Formato eletrônico Câmara CALP. Estética em Ortodontia: Diagramas de Referências Estéticas Dentárias (DRED) e Faciais (DREF). Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2006 novdez;11(6):130-56. [Acesso 12 jun 2008]. Disponível em: www.scielo.br/pdf/dpress/v11n6/a15v11n6.pdf.

Artigos com até seis autores Sterrett JD, Oliver T, Robinson F, Fortson W, Knaak B, Russell CM. Width/length ratios of normal clinical crowns of the maxillary anterior dentition in man. J Clin Periodontol. 1999 Mar;26(3):153-7. Artigos com mais de seis autores De Munck J, Van Landuyt K, Peumans M, Poitevin A, Lambrechts P, Braem M, et al. A critical review of the durability of adhesion to tooth tissue: methods and results. J Dent Res. 2005 Feb;84(2):118-32. Capítulo de livro Kina S. Preparos dentários com finalidade protética. In: Kina S, Brugnera A. Invisível: restaurações estéticas cerâmicas. Maringá: Dental Press; 2007. cap. 6, p. 223-301. Capítulo de livro com editor Breedlove GK, Schorfheide AM. Adolescent pregnancy. 2nd ed. Wieczorek RR, editor. White Plains (NY): March of Dimes Education Services; 2001.

112

* Para submeter novos trabalhos acesse o site: www.dentalpressjournals.com

Rev Dental Press Periodontia Implantol. 2010 out-dez;4(4):111-2


perio v04n04