Issuu on Google+

Clipping do Varejo Shopping Center Varejo Fashion M贸veis e Eletro

Constru莽茫o Super & Hiper

Economia Internacional

Sustentabilidade

Mercado Canal Farma Marketing Mix

Marcas Pr贸prias

Tecnologia

E-Commerce


Caros Leitores Em 2012 estivemos mais uma vez juntos, trabalhando pelo varejo brasileiro. De nossa parte, oferecemos novos programas, atuamos com diversas empresas, atraímos um número maior de alunos e de parceiros em negócios, eventos e publicações. Os projetos para 2013 são grandes, assim como os desafios e por isso queremos continuar a contar com a sua presença em nossas publicações, redes sociais, cursos e em atividades no Retail Lab. Em janeiro marcaremos presença mais uma vez no congresso de varejo em Nova York para de lá, trazermos novidades para apresentálas nas aulas e palestras. No dia 28 de janeiro daremos início a mais uma turma do curso “Marketing de Varejo - da estratégia a ação” e em fevereiro, logo após o Carnaval, as novas edições dos programas de E-Commerce e Shopper Marketing. E isso é só o começo! Portanto, nesse momento só nos resta agradecer a todos pelo prestígio de sua presença e participação em nossas atividades. Aos que se uniram a nós neste ano, nosso muito obrigado e boas vindas. Tenham um Feliz Natal e um Ano Novo com muita Prosperidade. Um grande abraço, Boa leitura!

Ricardo Pastore, Prof. Msc

Coordenador do Núcleo de Estudos e Negócios do Varejo - ESPM


Clipping do Varejo

Retrospectiva

2012


Fevereiro


E-commerce Compras no comércio eletrônico superam as do varejo convencional Pesquisa realizada pela KPMG revela que as compras no comércio eletrônico estão superando as realizadas no varejo convencional. Só no continente americano 76% dos consumidores compram CDs, DVDs, livros e jogos de videogame pela internet. O estudo ainda revela que 70% dos consumidores do continente americano e da Ásia-Pacífico compram passagens aéreas e pacotes de viagens

pelo comércio eletrônico, contra 61% do continente europeu. Um dos fatores que contribuíram para esse aumento são os smartphones. É possível constatar que mais de 38% dos consumidores usaram seu celular em lojas de varejo para acessar cupons, enquanto 20% os usaram para escanear códigos QR (QR codes). (Supermercado Moderno– 06/01/2012)


Mercado Brasil é a bola da vez no varejo mundial Dos 45 minutos que durou sua palestra na National Retail Federation (NRF) em Nova York, em janeiro, o ex-presidente Bill Clinton dedicou oito minutos para falar de Brasil. “Não foi só pelo fato de um terço do congresso na NFR ser formado por brasileiros, cerca de 1,4 mil pessoas; Clinton e outras personalidades falam de Brasil porque temos cases de sucesso, varejistas que inovaram, o que há 19 anos não acontecia, pois os poucos brasileiros que iam na NFR eram ignorados”, afirma Marcos Gouvêa, diretor geral da consultoria GS&MD Gouvêa de Souza. “Estamos mais competitivos, incorporamos as melhores práticas do mercado internacional e estamos no mesmo nível, só que em menor escala; o Brasil tem vocação para o varejo”, disse Gouvêa. Alberto Serrentino, sócio sênior da GS&MD Gouvêa de Souza, exemplifica alguns cases brasileiros de sucesso no evento promovido pela sua consultoria nessa semana, que reflete sobre as tendências do varejo apresentadas na NRF.“O Grupo Pão de Açúcar é exemplo em diversificação de formatos, com lojas pequenas, médias e grandes, que atendem diversos

públicos, além dos próprios canais online de vendas”, aponta Serrentino. Outro case de sucesso é o Magazine Luiza, que inovou ao transformar seus clientes em vendedores com o lançamento do “Magazine você”, ferramenta digital em que qualquer brasileiro pode ter uma loja online da marca, deixando a cargo do Magazine Luiza a logística, pagamento, entrega e garantia de qualidade. (Brasil Econômico – 08/02/2012)


Mercado Abilio Diniz pode ficar com Casas Bahia e Ponto Frio O executivo continua negociando com o grupo Casino e pode ficar com Casas Bahia e Ponto Frio, segundo informações da revista Veja. Esse seria um dos possíveis desfechos entre o empresário brasileiro e o grupo francês. O contrato entre Diniz e o Casino – sócios no Pão de Açúcar, prevê que, em junho deste ano, o brasileiro entregue o controle ao grupo francês presidido por

Jean Charles Naouri. A data foi estabelecida em 2005, quando Naouri comprou, por 2 bilhões de reais, o direito de assumir o controle da maior rede varejista do Brasil. Mas Diniz tem resistido a entregar a empresa a seu sócio francês. Em junho de 2011, ele articulou uma fusão entre Pão de Açúcar e Carrefour, que acabou sendo barrada por Naouri. (Portal Exame – 27/02/2011)


Marรงo


Super & Hiper Casino quer formar rede na América Latina O grupo francês, que vai assumir o controle do Grupo Pão de Açúcar no próximo dia 22 de junho, está dando início a uma reestruturação, que prevê o agrupamento de todas as subsidiárias do Casino na América Latina. Além do Brasil, o grupo opera no Uruguai, na Argentina e na Colômbia A “virada” prevê a permanência vitalícia do empresário Abilio Diniz na presidência do conselho e confere a ele poder para escolher o presidente da companhia a partir de uma lista tríplice indicada pelo Casino. O acordo tem validade até 2045, mas poderá ser extinto caso um dos acionistas tenha sua participação reduzida a menos de 10% das ações com direito a voto. Isso deve ocorrer com o plano do Casino de fundir as subsidiárias latino-americanas. A primeira etapa dessa reestruturação será a extinção das ações preferenciais (sem direito a voto) do Pão de Açúcar, que serão convertidas por ações ordinárias (com poder de voto), possibilitando à varejista brasileira ascender ao Novo Mercado da Bolsa, segmento de alta transparência e de respeito aos acionistas minoritários. A operação deverá agradar

aos investidores e impulsionar as ações. Com a nova estratégia, o grupo francês acredita que Abilio decidirá sair e já trabalha com a possibilidade de que ele venda suas ações. Para isso, existe um outro acordo estabelecendo as condições de preço para a compra das ações do empresário brasileiro pelo Casino. O francês Naouri não fala com Abilio desde meados de julho do ano passado, quando soube que o brasileiro conseguira apoio do BNDES e do banco BTG Pactual para fundir o Pão de Açúcar com o Carrefour no Brasil. Procurados, o Grupo Pão de Açúcar, Abilio e o Casino não quiseram comentar. (Folha de S. Paulo – 12/03/2012)


Mercado Apple cresce e atinge valor de mercado da Petrobras Desde o falecimento de Steve Jobs, em 5 de outubro do ano passado, o valor de mercado da Apple teve expansão de 59,8%. Levantamento da consultoria Economatica mostra que o valor de mercado da Apple saltou de US$ 350,7 bilhões, em 5 de outubro, para US$ 560,4 bilhões até ontem. Considerando todas as empresas mexicanas de capital aberto na mesma data, elas apresentam valor de mercado de US$ 457,7 bilhões, compara Einar Rivero, sócio da Economatica.

Rivero destaca ainda que, de outubro até março, o valor de mercado da Apple subiu US$ 209,7 bilhões, e somente neste ano o crescimento do valor de mercado da companhia foi de US$ 184 bilhões. Tendo em vista que valor de mercado da Petrobras em 19 de março de 2012 era de US$ 179,8 bilhões, a Apple em 2012 teve crescimento de valor de mercado superior ao valor de mercado da estatal. (Brasil Econômico – 20/03/2012)


Mercado Skol lança pela primeira vez um ovo de Páscoa feito com cerveja Desenvolvido em parceria com a chocolateria Folie, o Redondinho é feito de chocolate trufado e tem em seu recheio a cerveja Skol. O resultado é uma combinação de chocolate com leve gostinho de cerveja. O presente de Páscoa da marca vem em um kit que contém 6 ovos redondos dentro de um mini-engradado personalizado. “A Skol está junto dos consumidores em todos os momentos com ousadia e irreverência e não poderia ser diferente na Páscoa. Criamos um ovo feito com cerveja para presentear nossos fãs mais engajados e também daremos a oportunidade para aqueles que são apaixonados pela marca comprarem a novidade”, afirma Pedro de Sá Earp, Diretor de Marketing de Skol.

A fan page da Skol no Facebook será a principal plataforma para comunicar o projeto, que foi desenvolvido pela F/Nazca. A marca irá presentear aqueles que mais interagem com a Skol na web e também fará uma ação em que os fãs que se marcarem nas fotos postadas do ovo Skol no Facebook receberão o kit em casa. A partir do dia 27 de março, os apaixonados pela Skol também terão a chance de comprar o Redondinho. A marca vai disponibilizar em sua fan page no Facebook uma edição limitada de kits para venda por R$ 70. A marca criou um filme para divulgar nas redes sociais, confira: (Cidade Marketing – 20/03/2012)


Abril


Super & Hiper Supermercados de SP suspendem entrega de sacolinhas na 4ª Os supermercados do Estado de São Paulo deixarão de distribuir sacolinhas plásticas descartáveis a partir desta quarta-feira (4). A data marca o fim do acordo firmado entre a Apas (Associação Paulista de Supermercados), o Ministério Público do Estado de São Paulo e o Procon-SP, que previa um período de 60 dias para adaptação dos consumidores aos novos procedimentos de compra da sacolinha. Os estabelecimentos passarão a oferecer, a partir da quarta-feira, sacolas biodegradáveis, que serão cobradas. Um acordo entre o governo do Estado e a Apas levou à suspensão de uso das sacolinhas plásticas nos supermercados de São Paulo no dia 25 de janeiro. A associação lançou a campanha “Vamos tirar o planeta do sufoco” para sustentar a inciativa. As lojas chegaram a comprar mais de 100 milhões de sacolinhas biodegradáveis e até grifes como Osklen e Cavalera despertaram para o novo filão criado pelo uso de alternativas reutilizáveis. No início de fevereiro e em meio a protestos de consumidores e de representantes da indústria plástica, no entanto, a Apas teve de firmar o acordo para prorrogar a distribuição gratuita por

um período mais longo. O acordo também institui a entrega de sacolas reutilizáveis no Dia do Consumidor. Cerca de 6 milhões de unidades foram oferecidas na data. Desde a vigência do acordo, em fevereiro, o Procon autuou 18 estabelecimentos que não cumpriram as novas regras estabelecidas. Pelas infrações, as redes podem pagar multas que de até R$ 6 milhões. (Varejista– 02/04/2012)


E-commerce Mais

de

internet

50%

dos consumidores brasileiros preferem comprar pela

Os consumidores estão cada vez mais realizando compras pela internet, é o que revela o estudo Winning over the Empowered Consumers, realizados pela IBM. A pesquisa foi feita com 28 mil consumidores em 15 países (incluindo 1,8 mil brasileiros) e mostra que mais de 50% dos consumidores no Brasil preferem as compras pela internet, pois acreditam que têm mais opções de produtos e condições melhores de preços no comércio eletrônico. “Ao contrário do varejo físico, por termos um estoque centralizado, podemos oferecer uma gama de produtos muito mais extensa, atendendo a demanda

de todos os tipos de consumidores”, explica Gustavo Furtado, CEO da Tricae (www.tricae.com.br), maior loja virtual especializada em artigos para crianças de 0 a 10 anos”. O levantamento também revela que as pessoas estão mais dispostas a fornecer informações pessoais a seus grupos favoritos de varejo em busca de uma experiência mais personalizada, pois no Brasil, 55% dos consumidores estariam dispostos a fornecer dados demográficos básicos e 41% divulgariam informações sobre estilo de vida. (Exame – 09/08/2012)


Mercado Pagamentos via mobile dobram nos últimos seis meses, diz pesquisa Os pagamentos móveis no mundo passaram de 3,7% para 6,2%, entre setembro de 2011 e março deste ano. Com o avanço dos smartphones, iPads e tablets Android, o serviço continua crescendo rapidamente e tornou a prática de compra de produtos e serviços online mais rápida e possível em qualquer lugar. A pesquisa mostra que a maior parte das comercializações em setembro globalmente era realizada em iPhones (57%), seguida pelo iPad (25%) e dispositivos com o sistema operacional Android (14%). Apenas 4% de todas as transações foram realizadas pelo Blackberry. Em seis meses, os equipamentos com Android passaram a ter 20% do mercado, roubando market share do iPhone, agora com 50% dos pagamentos. Em relação às fraudes, o risco é 50% menor em dispositivos móveis do que em pagamentos online. Apesar da alta penetração dos smartphones e do avanço dos tablets no país, o Brasil apresenta uma baixa utilização dos aparelhos para realizar compras. O acesso à internet a partir dos equipamentos é somente de 1,5% e as compras representam apenas

1% do total do comércio eletrônico. O mobile commerce, entretanto, demonstra um enorme potencial no mercado brasileiro. Segundo a Anatel, há 116 celulares para cada 100 pessoas e até 2015 mais da metade da população, cerca de 100 milhões de usuários, terá um celular com acesso à internet. (Mundo do Marketing – 11/04/2012)


Marketing Mix C&A leva os likes do Facebook para o PDV A C&A quer unir o mundo virtual ao real com o lançamento do “Fashion Like”. A ação lançada hoje, dia 18, na fan page da marca, apresenta uma prévia de 10 modelos da próxima coleção do Dia das Mães em uma aba especial. Cada peça conta com um botão “like” e, durante toda a semana, as internautas poderão dar suas opiniões a respeito das roupas, elegendo a preferida. No sábado, dia 21, todos os modelos estarão expostos na loja conceito da C&A do Shopping Iguatemi São Paulo, em

cabides especiais com um visor indicando quantos “likes” cada roupa recebeu. Os números serão atualizados em tempo real, de acordo com a interação das consumidoras no Facebook. A iniciativa é baseada no fato de que as mulheres gostam de pedir a opinião das amigas e, para incentivar a participação das internautas, a C&A criou um vídeo que explica o aplicativo. Quem assina a ação é a agência DM9DDB. (Mundo do Marketing – 18/04/2012)


Maio


Mercado Família Klein, da Casas Bahia, deseja fatia do GPA De acordo com reportagem, da edição de sábado (12/5), da Revista Veja, a família Klein antecipou a pessoas próximas a Abilio Diniz e ao grupo francês Casino que tem interesse em fazer uma oferta pela participação majoritária que o Grupo Pão de Açúcar detém na Viavarejo, varejista que une as redes Casas Bahia e Ponto Frio. Os bancos Bradesco e Citibank podem auxiliar os Klein na transação. Nenhuma proposta formal foi feita ainda e o negócio envolveria cerca de R$ 7 bilhões. O Grupo Pão de Açúcar detém 52,35% das ações ordinárias (com direito a voto) da companhia. Samuel Klein, fundador da Casas Bahia, tem 25,15%; e outros

21,85% estão com seu filho, Michel Klein. O restante - 0,6% - está em livre negociação no mercado. O acordo que criou a maior varejista de eletroeletrônicos do País, com vendas de R$ 24,2 bilhões em 2011, foi anunciado em 2009. Os sócios rediscutiram os termos do negócio e, pelas regras firmadas no ano seguinte, qualquer uma das partes pode vender suas ações a partir de julho de 2012. Procurado pela reportagem do jornal Valor Econômico, Abilio Diniz negou que tenha recebido proposta ou comunicação sobre o tema. (Supermercado Moderno – 14/05/2012)


Super & Hiper Naouri assume conselho da Wilkes Presidente do Casino vai comandar também o conselho da Wilkes, controladora do Grupo Pão de Açúcar . O presidente da rede francesa de supermercados Casino, Jean Charles Naouri, passa a acumular também o cargo de presidente do conselho de administração da Wilkes, controladora do Grupo Pão de Açúcar, líder do varejo brasileiro. A confirmação, publicada na edição dessa terça-feira, 15, pelo jornal Valor Econômico, vem acompanhada ainda

da decisão de manter o direito do empresário Abilio Diniz, sócio do Casino, de indicar os membros que formarão o novo conselho de administração do Grupo Pão de Açúcar (GPA). Até o próximo dia 22 de junho, Diniz ainda se mantém como presidente do conselho administrativo do GPA, mas após essa data, o controle passa para as mãos dos franceses, conforme acordo selado em 2005. (Meio & Mensagem – 15/05/2012)


Canal Farma Dilma veta venda de remédios em supermercados A informação foi publicada hoje (18/5) no Diário Oficial da União. A presidente Dilma Rousseff vetou a liberação da venda de medicamentos que não exigem prescrição médica em supermercados, armazéns, empórios, lojas de conveniência e similares. O item constava de MP aprovada no Congresso e cujo objeto principal concedia isenção fiscal de PIS/Pasep e Cofins para produtos destinados a portadores de deficiência física. Essa parte do texto foi sancionada pela presidente. Dilma argumentou. no texto enviado ao Congresso que explicava as razões

do veto, que a liberação “dificultaria o controle sobre a comercialização”. “Ademais, a proposta poderia estimular a automedicação e o uso indiscriminado, o que seria prejudicial à saúde pública.” Os ministérios da Saúde e da Justiça opinaram a favor do veto. O texto da medida indicava que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) deveria indicar quais produtos seriam comercializáveis sem precisar de prescrição médica. A MP foi relatada pelo senador Romero Jucá (PMDB-RR), ex-líder do governo no Senado. (Supermercado Moderno – 18/05/2012)


Super & Hiper Olofsson renuncia e Plassat assume como executivo-chefe do Nesta quarta-feira (23/5), Lars Olofsson, o executivo-chefe da varejista francesa, renunciou e Georges Plassat o substituiu imediatamente. No início deste ano, Olofsson anunciou que deixaria a empresa em junho, em meio à tentativa do Carrefour para melhorar seu desempenho e à manifestação de insatisfação de alguns acionistas. O ocorrido só fez a varejista francesa Carrefour acelerar seu processo de transição para um novo executivochefe, entregando o trabalho a Georges

Plassat, enquanto a companhia tenta impulsionar suas vendas, afetadas pela crise da dívida europeia. O comunicado divulgado nesta quintafeira (24/5) não revela os motivos da saída antecipada de Olofsson, trazendo apenas que ele teria considerado que todas as condições requeridas foram alcançadas e isso contribuiu para encurtar o período de transição. Plassat, ex-executivo-chefe da Vivarte, empresa do setor de vestuário, uniu-se ao Carrefour no início deste ano. (Supermercado Moderno – 24/05/2012)


Junho


Mercado Varejo brasileiro é o mais atrativo A crise internacional mudou o mapa dos mercados em desenvolvimento com maior potencial para atrair investimentos estrangeiros para o varejo. Países da América Latina e do Oriente Médio aparecem entre os 30 mercados mais atraentes, revela a edição deste ano do ranking feito pela consultoria americana A. T. Kearney. Por dois anos seguidos, 2011 e 2012, o Brasil lidera a lista dos mercados com maior potencial de investimento, seguido, neste ano, pelo Chile, China e Uruguai. “A participação da América Latina e dos países do Oriente Médio é forte”, diz Esteban Bowles, sócio da consultoria e líder da prática de Varejo e Bens de Consumo na América Latina. Ele destaca que, neste ano, sete países no ranking de 30 são latinoamericanos. Além do Brasil e do Chile, estão na lista dos latinos Uruguai, Peru, Colômbia, Panamá e México. Já Emirados Árabes, Omã, Kuwait, Arábia Saudita, Jordânia e Líbano engrossam a relação do países do Oriente Médio. O executivo explica que esses mercados de consumo ganharam relevância porque a crise nas economias desenvolvidas

acabou tendo reflexos nos países do leste europeu, que apresentaram sinais de saturação no consumo. Consumo No caso do Brasil, que se manteve na liderança da lista pelo segundo ano, os fatores que mais contribuíram para o País ter permanecido no topo foram os indicadores de baixa saturação de mercado e potencial de consumo, diz o consultor. Segundo a pesquisa, o tamanho do mercado varejista brasileiro aumentou15% no ano passado e os gastos com consumo têm crescido 9% ao ano desde 2007. “O crescimento da nova classe média brasileira continua impulsionando o desenvolvimento do setor varejista”, diz Bowles. Mas ele acrescenta que o varejo de luxo vem ganhando força no Brasil e em outros países da América Latina, refletindo o melhoria de poder aquisitivo da população. (Estadão – 11/06/2012)


Super & Hiper Carrefour vende negócios na Grécia A reestruturação terá um custo financeiro de € 220 milhões ao grupo francês. O grupo francês Carrefour anunciou nesta sexta-feira (15/6) que venderá a participação de 50% que detém na joint venture com a empresa grega Marinopoulos, encerrando sua presença no país. A saída do país foi justificada pelas dificuldades que enfrenta a economia grega. Em comunicado, o Carrefour afirmou que a venda permitirá à joint

venture “enfrentar os desafios do ambiente econômico da Grécia”. A participação será comprada pelo grupo Marinopoulos, e a reestruturação terá um custo financeiro de € 220 milhões ao Carrefour. A economia da Grécia teve contração de 6,5% no primeiro trimestre do ano, frente ao mesmo período de 2011. Previsões apontam para uma retração em 2012, no que seria o quinto ano de recessão. (Brasil Econômico – 15/06/2012)


Super & Hiper Problemas internos marcam semana decisiva para futuro do GPA Próximo do momento em que o Casino passará a ser acionista majoritário da companhia – o que vai ocorrer na próxima sexta-feira (22/06), o Grupo Pão de Açúcar vive um momento conturbado, segundo reportagem do Valor Econômico. De acordo com o jornal, em meio às discussões envolvendo Abilio Diniz e o grupo francês sobre o controle dos negócios, a rede enfrenta também conflitos com as duas empresas adquiridas pelo grupo para a criação da Viavarejo, Casas Bahia e Ponto Frio. Principal sócia no negócio de eletroeletrônicos, a família Klein, fundadora da Casas Bahia, já mostrou estar arrependida do negócio. Eles prometem uma oferta para se separar do restante do grupo. Enquanto isso, Lily Safra, antiga controladora do Ponto Frio, iniciou uma arbitragem para cobrar R$ 200 milhões do Pão de Açúcar por insatisfações quanto ao cumprimento do acordo de venda. Tudo isso acontece enquanto Abilio e Casino discutem nos bastidores formas para encerrar a sociedade na rede varejista. Desde 2005, está previsto que no dia 22 de junho o grupo francês assumiria a empresa, ficando com a

maioria do conselho de administração. A nova estrutura deve ser ratificada na assembleia agendada para o mesmo dia. Com os conflitos envolvendo a Viavarejo, crescem os rumores de que a companhia e o Pão de Açúcar sejam separados após a mudança desta semana. Nesse caso, a rede de eletroeletrônicos ficaria com Abilio, enquanto o Casino assumiria o controle da rede de supermercados. Os dois lados, porém, recusam-se a comentar qualquer aspecto da negociação antes do dia decisivo. (Brasil Econômico – 15/06/2012)


Super & Hiper Sai Diniz, entra Naouri no comando do GPA A transferência do controle acionário do Grupo Pão de Açúcar para os franceses do Casino, que acontece nesta sextafeira, 22, conforme acordo firmado entre o empresário Abílio Diniz e o grupo de Jean-Charles Naouri em 2005, está cercado de incertezas. A principal delas gira em torno das animosidades entre ambos os empresários, acirradas principalmente depois que Diniz tentou comprar, sem o consentimento do sócio francês, o principal rival do Casino na França, o Carrefour, no ano passado. Com a mudança, o Casino ficou com 43% do capital total do Pão de Açúcar e Abilio Diniz com 20,5%, o maior acionista minoritário. O Casino terá ainda direito a indicar oito dos 15 membros do conselho. Três deles serão apresentados nesta sexta-feira, 22, como Eleazar de Carvalho Filho, ex-presidente do BNDES, Luiz Augusto de Castro Neves, ex-embaixador do País na China e no Japão, e Roberto de Lima, expresidente da Vivo. Diniz garante três vagas, incluindo a presidência, e mais quatro membros independentes. Em 2005, o Casino pagou US$ 881 milhões pelo Grupo Pão de Açúcar, que

na época tinha um faturamento de R$ 16,1 bilhões e valia algo cerca de R$ 6 bilhões. Hoje, o maior grupo varejista do Brasil, fundado em 1948 por Valentim dos Santos Diniz, pai de Abilio, fatura R$ 52,7 bilhões e seu valor de mercado atinge a cifra de R$ 19 bilhões. (Meio & Mensagem – 22/06/2012)


E-commerce Brasil é o segundo País com maior potencial para o comércio eletrônico É o que conclui o estudo “Índice de e-Commerce de Varejo 2012”, divulgado pela A. T. Kearney na segunda-feira (25/06). A pesquisa analisa o potencial de 30 países emergentes para o desenvolvimento do varejo online. O Brasil aparece em segundo lugar, atrás apenas da China. A estimativa é que o comércio online brasileiro movimente US$ 10,6 bilhões de dólares e cresça 12% ao ano, até 2017. Na análise da empresa, os produtos

eletrônicos são as mercadorias de maior sucesso nas lojas virtuais do País. À frente do Brasil no ranking, a China já tem o segundo maior mercado virtual do mundo, atrás apenas do Estados Unidos. O comércio eletrônico chinês arrecada 23 bilhões de dólares por ano, e, segundo o estudo, pode crescer a uma taxa também anual de 29%. (Supermercado Moderno – 26/06/2012)


Julho


Mercado P&G inaugura do Jordão

gôndolas virtuais na primeira loja conceito em

Os consumidores que adoram uma novidade tecnológica podem desfrutar de mais uma iniciativa inédita da P&G Brasil no agito de Campos do Jordão, região serrana de São Paulo. Durante a temporada das férias de julho, o shopping Market Plaza, localizado no bairro de Capivari, recebe a primeira loja virtual da P&G Brasil, assinada pela NewStyle. Em uma proposta totalmente diferenciada, os consumidores podem ter uma experiência única na loja por meio do sistema de QR Code para comprar produtos que já fazem parte do seu dia a dia, como Gillette, Pantene, Pampers, Oral-B, Head & Shoulders, Ariel, Downy, Koleston, Wella, Duracell, Febreze, Always e Naturella, entre outros.

Campos

No espaço de 40 m2, diversos painéis de vídeo exibem uma gôndola virtual, na qual os consumidores adquirem produtos P&G pelo sistema de QR Codes e por tablets disponibilizados na loja. As compras são realizadas pelo Pão de Açúcar Delivery (www.paodeacucar. com.br) e, a cada compra acima de R$ 25, os consumidores recebem um brinde especial da P&G. Além dos painéis de vídeo, as marcas também utilizam um espaço central com cerca de 2 m2 para as ativações. O chão desse espaço será retroiluminado para utilizar a ambientação da marca e substituir a cenografia habitual. (Mundo do Marketing – 18/07/2012)


Mercado Sistema permite pagar compras só dizendo seu nome O ano de 2012 é aquele em que, pela primeira vez, para pagar uma compra, basta dizer seu nome ao caixa. Você entra em uma loja ou café e seu nome e foto surgem na tela do iPad com que o caixa está equipado. Ele anota seu pedido no tablet. E agora vem o momento mágico: para pagar, basta dizer seu nome. O caixa compara seu rosto à foto na tela de seu iPad, aperta um botão e a transação está concluída. Sem dinheiro, cartões ou assinaturas -não é preciso nem tirar o celular do bolso. É fantástico para o usuário e para o comerciante, porque menos trabalho na cobrança significa mais vendas. O aplicativo do lojista também oferece uma tela de análise, que mostra o quanto de cada produto foi vendido. Tudo isso é grátis para o usuário; o comerciante paga uma comissão de 2,7% à Square, criadora do sistema. O comprador baixa o aplicativo no celular, escolhe uma foto e a vincula ao seu cartão de crédito. Usando o GPS, o aplicativo lista lojas e cafés próximos que ofereçam o sistema Pay With Square. A Square diz que 75 mil

locais já o usam na cidade de Nova York. No mês passado, a Square atualizou o sistema para permitir que lojistas possam oferecer descontos em primeiras visitas, recompensas na 10ª visita e outras vantagens. Essas ofertas são exibidas na tela do aplicativo do consumidor, em uma lista dos estabelecimentos mais próximos. Há alguns probleminhas e inconveniências. Por exemplo, ele só é bom para os comerciantes grandes o suficiente para a leitora Square, mas bem menores que uma rede de varejo. (Folha de São Paulo – 20/07/2012)


Super & Hiper Casino deixa Carrefour para trás no cenário global A crise europeia atingiu de diferentes formas os grandes grupos franceses de supermercados. Enquanto o Carrefour, em um momento de reestruturação, cresceu muito pouco no primeiro semestre, o Casino registrou altas taxas de aumento das vendas no período. O Grupo, que controla o Pão de Açúcar, apurou uma expansão de 7,5% nas vendas globais de janeiro a junho. No Carrefour, entretanto, a alta foi bem menor: variação de apenas 0,9% no mundo. O que sustenta os bons números do Casino são seus diferentes formatos de lojas de pequeno porte, que têm resultados

acima dos hipermercados. O Carrefour, ao contrário, tem seu foco nas grandes unidades, que caíram de desempenho. Além disso, o investimento nos países emergentes deu resultado para o Casino. Cerca de 48% das vendas do Grupo vieram de fora da Europa neste ano, contra apenas 31% dos rivais franceses. O Carrefour cresceu menos em todas as regiões geográficas do mundo, inclusive no Brasil: alta de 5,9% nas vendas no segundo trimestre, contra 11,4% do Pão de Açúcar, que representa o Casino no País. (Supermercado Moderno – 27/07/2012)


Agosto


Mercado Empresas chinesas ficam mais perto do varejo brasileiro Como a visibilidade econômica do Brasil é cada vez maior no exterior, empresários chineses de diversos setores varejistas têm apostado no País para expandir seus negócios. Com produtos que vão de roupas a novidades eletrônicas de ponta, os asiáticos desejam ampliar ainda mais o mercado que já ocupam e não se importam em viajar até aqui para fechar seus negócios. Os números comprovam a projeção. Desde 2009 a China é o maior parceiro comercial do Brasil e, somente no último ano, as trocas bilaterais alcançaram US$ 77,1 bilhões, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Assim, nesta semana, cerca de 1.500 empresários e executivos chineses, que representam mais de 500 companhias, estão na cidade de São Paulo em busca de novos parceiros comerciais. Os negociantes estrangeiros estão na China Sourcing Fair, evento que já passou por países como Estados Unidos, Índia e África do Sul. O evento acontece até amanhã, no Centro de Exposições Imigrantes. A feira não é direcionada ao consumidor final, mas a importadores e distribuidores

dos produtos asiáticos e a varejistas em geral. “É a primeira vez em que o Brasil recebe uma comitiva tão grande da China, isso é uma mostra do interesse dos chineses. São excelentes oportunidades para os dois lados, já que eles estão abertos a parcerias e oferecem não só produtos, mas também investimentos”, explica Uta Schwietzer, diretora-executiva da Câmara Brasil-China. (DCI – 15/08/2012)


Super & Hiper Casino adquire um milhão de ações da Wilkes O Casino informou, nesta quinta-feira, ter adquirido um milhão de ações com direito a voto da Wilkes, controladora do Grupo Pão de Açúcar, em sequência ao exercício da primeira opção de venda da família Diniz, conforme previsto em acordo assinado entre ambos em 2005. O Casino agora detém 52,5% do capital votante e 70,4% do capital total da Wilkes, a holding controladora do GPA. Em 6 de agosto, o empresário Abilio Diniz, filho do fundador do Pão de Açúcar, anunciou sua decisão de exercer a primeira opção de venda de ações da controladora da companhia, equivalente a ações ordinárias da Wilkes que representam

2,4% do capital social com direito a voto por US$ 10,5 milhões. Com isso, Abilio ficou com 47,6%, concluindo o processo de transferência do controle iniciado em 22 de junho, nos termos do contrato. Adicionalmente, com a venda deste primeiro bloco de ações, o empresário brasileiro garante o direito a uma opção de venda de um segundo bloco de ações ordinárias, correspondente à totalidade de sua participação na Wilkes. A segunda opção de venda poderá ser exercida em um prazo de oito anos, a partir de junho de 2014, expirando às 18h de 22 de junho de 2022. (Exame – 23/08/2012)


Mercado Vitrines virtuais que permitem compra pelo celular chegam ao Brasil Vitrines virtuais que simulam prateleiras de supermercado estão chegando ao Brasil. Colocadas em locais públicos de grande circulação, os painéis mostram as imagens dos produtos com um código de barras. Ao posicionar o celular em frente ao código, o consumidor é direcionado à loja virtual da empresa, onde o item é adicionado a sua compra. O pagamento é feito por cartão de crédito no próprio celular e os produtos são entregues em casa horas depois. No início de julho, o supermercado Pão de Açúcar lançou uma vitrine com mais de 300 itens no Shopping Cidade Jardim,

na capital paulista. Em setembro de 2011, no aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, o Submarino colocou painéis virtuais na sala de embarque com produtos como livros e eletrônicos. A tecnologia usada não é novidade. As imagens dos produtos carregam um código de barras chamado QR code, que pode ser identificado pela maioria dos celulares com câmera fotográfica para redirecionar o acesso ao site da loja. A inovação das vitrines está na aplicação desses códigos. (G1 – 24/08/2012)


Super & Hiper Novo CEO do Carrefour diz que rede fica no Brasil Tudo o que o mercado queria do grupo Carrefour era um sinal. Não veio do jeito sonhado, ancorado num projeto agressivo e detalhado de melhorias, mas serviu para dar outro gás à crença de que pode existir uma saída - ainda que só no longo prazo - para a segunda maior rede de varejo do mundo. Na teleconferência com analistas do novo presidente mundial da rede, Georges Plassat, o francês de 63 anos escolhido para colocar o grupo nos eixos apresentou resultados com novas perdas e vendas subindo lentamente. Mas o que contou para muitos - e explica a alta de 6,7% nas ações da empresa ontem, a maior do dia na bolsa de Paris - foi entender aquilo que Plassat quer. E principalmente, o que ele não aceita de jeito nenhum. Na conversa com analistas ontem às sete horas da manhã em Paris, o comando da rede comentou a redução do prejuízo líquido (atribuído aos acionistas controladores), que passou de € 249 milhões de janeiro a junho de 2011 para € 31 milhões no mesmo período de 2012. Também reforçou que as despesas operacionais, em relação à receita, mantiveram-se praticamente estáveis. E as vendas líquidas, de € 39,6 bilhões no primeiro semestre, subiram

1,4% sobre 2011 (taxa acima da média dos últimos trimestres). As mensagens, no entanto, vieram depois na divulgação (ainda que pouco detalhada) de ações de um “plano de recuperação global” comentado por Plassat. Em meio a rumores sobre o destino de filiais em mercados emergentes, ele deixou a entender que não vai vender as operações na China e no Brasil. Até então, Plassat não havia se manifestado sobre o assunto. O antecessor Lars Olofsson rechaçava a ideia. “Estamos nos mantendo nos países maduros, vamos defender nossa posição neles. Outros importantes países são Brasil e China”, afirmou. (Mundo do Marketing – 29/08/2012)


Internacional Retailers introduce indoor navigation in apps Big-box retailers are developing indoor navigation tools to help shoppers find what they want. Some, including Target and Walgreens, have stored floor layout plans in smartphone apps. Walmart and Home Depot apps now can display aisle numbers for searched items. In a store, “I can talk to an associate, but I can’t search for a two-sided tape,” says Gibu Thomas, Walmart head of mobile and digital. “Mobile brings the (online store) to the store.” Within two weeks of Walmart’s May launch of the “In-Store” mode in its app, about 15% of page views were from shoppers in stores. Retailers traditionally were reluctant, for competitive reasons, to release detailed merchandising data. But with mobile apps becoming a key sales channel, they’ve begun adding coupons, prices, store hours and bar code scanners. Now they’re betting that item locators will help customers shop more efficiently and, as a result, buy more. About 20% of retail sales are lost because shoppers can’t find items, estimates Nathan Pettyjohn, CEO of Aisle411, an app with 9,000 store maps. A locator also can attract customers who

need only an item or two and would avoid a big-box store, lest they waste time. Nudging customers to share what they buy also gives retailers data for merchandising, inventory control and personalized deals. (USA Today – 21/08/2012)


Setembro


ESPM é número 1 em publicidade Dos 20 melhores cursos de graduação, e com mais contexto”, diz o coordenador. 19 têm a USP em primeiro lugar (isolada Então, ganharam mais espaço a ou empatada com outra universidade ou antropologia, a história, a sociologia e a faculdade). Ela só é desbancada pela filosofia. E os professores, essencialmente atuantes em empresas, passaram a ESPM de São Paulo, em publicidade. A avaliação foi feita pelos representantes buscar formação acadêmica. Hoje, 70% de Recursos Humanos das empresas têm mestrado ou doutorado. O custo para estudar nesse curso é de R$ consultadas pelo Datafolha. A USP ficou com o primeiro lugar isolado 2.460 ao mês. em dez opções, como direito e pedagogia. (Ranking Universidade Folha – 03/09/2012) Em outras nove, dividiu a liderança com mais escolas. Em publicidade, a ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing) é a única no topo. O coordenador do curso da faculdade, João Matta, atribui o resultado à tradição da escola (fundada em 1951) na área, mas também às adaptações pelas quais têm passado. O lema da ESPM, por muito tempo, foi “ensina quem faz”, o que evidencia o caráter prático do curso. Desde o segundo semestre de curso, o estudante tem contato com situações vivenciadas nas empresas e, a partir do quinto semestre, as aulas passam a Aula de merchandising com o professor Oreste Hernandes ser noturnas, permitindo que o aluno trabalhe. na ESPM, considerada a número 1 em publicidade “Mas há uns dez anos, a escola percebeu que o mercado de trabalho precisava de gente com formação mais sólida, mais crítica


Tecnologia Tecnologia móvel se tornou prioridade para o varejo m estudo referente à utilização de soluções de automação e de mobilidade para o varejo brasileiro revela que esse mercado acredita nestas tecnologias para melhor atender seus clientes. Das 150 empresas varejistas ouvidas pela BMS (Business Marketing Solution) no segundo trimestre deste ano, a pedido da Motorola Solutions, 97% consideram que as tecnologias móveis ajudam na produtividade do varejo, 95% acreditam que elas reduzem os custos para o setor e 96% concordam que utilizar as tecnologias móveis ajuda a atender melhor os clientes. A tecnologia RFID, que permite melhorar a visibilidade do estoque em tempo real e aumentar a produtividade, apesar do pouco tempo de uso no Brasil, também foi considerada pela pesquisa e promete ser uma realidade nos próximos anos. Em Santa Catarina, por exemplo, 50% das empresas varejistas pretendem utiliza-la. Já no Rio Grande do Sul, 21% pretendem implantá-la futuramente. “O varejo do futuro será movido pela tecnologia, exigindo que os vendedores estejam mais preparados e mais bem informados. Com esta pesquisa, pudemos detectar o que está sendo implantado e o

que ainda precisa ser feito para que o varejo brasileiro consiga atender as expectativas dos consumidores nos próximos anos e oferecer a cada região os avanços e soluções que ela necessita”, explica Renata Ronco, gerente de marketing da Motorola Solutions Brasil. O levantamento procurou avaliar os segmentos de drogaria, eletroeletrônico, supermercado, materiais de construção, lojas de departamentos e vestuário. O resultado completo será divulgado no final do ano e pretende contar com um total de 300 entrevistados. A margem de erro é de 4,7%, para um índice de confiança de 95%. (DCI – 11/09/2012)


Mercado Grupo Carlyle compra 60% da Tok&Stok por R$ 700 milhões O gestor de private equity Carlyle Group anunciou nesta quinta-feira a compra de 60 por cento da rede de lojas de móveis e itens decorativos Tok&Stok, sem revelar o valor da transação. Uma fonte próxima ao assunto, entretanto, disse que o negócio foi fechado por cerca de 700 milhões de reais. A operação, que deve ser concluída no quarto trimestre deste ano, foi assessorada pelo banco BTG Pactual. Ghislaine Dubrule, uma das fundadoras da rede, permanecerá como presidenteexecutiva da companhia, compartilhando a fatia restante de 40 por cento com o

outro fundador, Régis Dubrule. Criada em 1978, a Tok&Stok tem 35 lojas em 12 Estados no Brasil. Em 2011, as vendas da empresa totalizaram cerca de 1 bilhão de reais. No início de março, o Carlyle adquiriu a rede de brinquedos Ri Happy, a maior do segmento no Brasil. Dentre as participações que detém no país, o grupo controla a operadora de turismo CVC, a corretora e administradora de planos de saúde Qualicorp e a fabricante e varejista de moda íntima Scalina. (Exame – 13/09/2012)


Super & Hiper Supermercados sacolinhas

de

SP

garantem que vão manter as

A determinação da Justiça que obriga os supermercados de São Paulo a oferecer sacolas plásticas aos consumidores termina neste sábado. A partir de domingo, os estabelecimentos não precisam mais distribuir sacolinhas gratuitamente. Mas, de acordo a Associação Paulista de Supermercados (Apas), os estabelecimentos devem continuar distribuindo as sacolas até que se chegue “a um acordo equilibrado e definitivo, que concilie a preservação ambiental e a melhoria da qualidade de vida nas cidades com uma mudança gradual para hábitos mais sustentáveis de uso das sacolas plásticas”. A Apas mantém negociações com a Associação Civil SOS Consumidor e com o Ministério Público. De acordo decisão da Justiça, os supermercados estão liberados para cobrar até R$ 0,59 por sacola a partir de domingo. Segundo a determinação do desembargador Torres de Carvalho, do Tribunal de Justiça (STJ) de São Paulo, as sacolas não poderão apresentar logomarcas ou propagandas. A medida é valida até 15 de abril de 2013. Também por meio de nota, a SOS Consumidor afirma que está recorrendo

da decisão junto ao STJ e considera “abusiva a cobrança de qualquer valor pelas sacolas utilizadas para transportar compras, pois o preço delas já está embutido no preço das mercadorias”. Além disso, a associação critica a medida por não deixar claro o que ocorre depois de 15 de abril do ano que vem. (Terra – 14/09/2012)


Mercado Índia permite entrada de supermercados estrangeiros no país O governo da Índia decidiu nesta sextafeira permitir que redes de supermercados estrangeiras atuem no multimilionário mercado do país. A medida possibilitará que gigantes do setor, como a americana Walmart e a britânica Tesco, estabeleçam associações com empresas locais e vendam diretamente aos consumidores indianos. A proposta foi anunciada pela primeira vez há um ano, mas o governo recuou diante de protestos da base aliada.

Os críticos da iniciativa argumentavam que os supermercados estrangeiros destruiriam milhares de pequenas empresas que sobrevivem do comércio na Índia. O anúncio ocorre enquanto o governo indiano enfrenta reivindicações de reverter um recente aumento do preço dos combustíveis no setor energético do país, que recebe grandes subvenções estatais. (BBC Brasil – 14/09/2012)


Mercado Máquina de Vendas se arma para entrar em São Paulo Segunda maior varejista de eletrodomésticos no Brasil, a Máquina de Vendasse prepara para disputar a preferência dos consumidores em São Paulo. “Temos um plano de crescimento agressivo para a Ricardo Eletro. Queremos entrar na cidade de São Paulo, para depois conquistar a liderança nacional”, afirma Ricardo Nunes, presidente da Máquina de Vendas, sem adiantar datas para a estreia. Com este intuito, a empresa anunciou a contratação da agência de publicidade Fischer&Friends nesta quarta-feira. Principal bandeira da Máquina de Vendas, a Ricardo Eletro investe cerca de 100 milhões de reais em mídia anualmente, contando com 320 lojas distribuídas nas regiões sudeste, centro-oeste e nordeste. “Para começar esse movimento, precisávamos do

apoio de uma agência que tivesse grande expertise em varejo e estratégia comercial”, diz Nunes. Bairro a bairro Ainda não ocupada territorialmente, a cidade de São Paulo é cobiçada bairro a bairro pela concorrência. Encabeçando o ranking do varejo eletrodoméstico, o Pão de Açúcar marca presença na Grande São Paulo com 217 lojas da ViaVarejo, que reúne as marcas Ponto Frio e Casas Bahia. Em terceiro lugar na disputa, o Magazine Luiza cravou sua entrada na cidade em 2008, quando abriu as portas de 44 lojas em um único dia. Em 2011, a rede expandiu suas operações em São Paulo com a compra do Baú da Felicidade, que pertencia ao Grupo Silvio Santos. (Exame – 19/09/2012)


Mercado Michael Klein avisa Casino de que fará oferta pela Viavarejo Michael Klein quer recuperar o controle da ViaVarejo, holding criada pelo Grupo Pão de Açúcar para reunir as operações do Ponto Frio e da Casas Bahia, fundada pela sua família. A informação é do blog Radar Online, de Veja. Para isso, Klein já teria avisado ao Casino, o novo dono do Pão de Açúcar, de que fará uma oferta definitiva para comprar o controle da ViaVarejo. O plano de Klein seria se associar ao fundo americano de private equity KKR para bancar a proposta. Segundo o blog, o Casino não tem interesse em se desfazer do braço de varejo de eletroeletrônicos do Grupo Pão de Açúcar, mas tudo depende da proposta que for apresentada. A compra do Ponto Frio, em junho de 2009, e a associação com a Casas Bahia, no final do mesmo ano, representaram um avanço agressivo do Pão de Açúcar, ainda sob o comando de Abilio Diniz, no varejo de eletroeletrônicos. Gigante renegociado Os negócios combinados, naquela época, representavam cerca de 1.000 lojas e um faturamento bruto de quase 19 bilhões de reais – o suficiente para

colocar o Pão de Açúcar na liderança do setor de eletroeletrônicos. As relações com os Klein, porém, passaram rapidamente da lua-de-mel para a desconfiança. Em abril de 2010, menos de cinco meses após o anúncio do negócio, os Klein decidiram renegociar o acordo com Abilio. Naquele momento, os Klein argumentavam que seus ativos teriam sido subavaliados na parceria em cerca de 2 bilhões de reais; além disso, na condição de minoritários da nova empresa, enfrentavam dificuldades para vender suas ações. A renegociação só terminou em julho de 2010, como Pão de Açúcar concordando em injetar entre 600 milhões e 700 milhões de reais na empresa para reequilibrar as contas, além de revisar alguns pontos do acordo de acionistas. (Exame – 24/09/2012)


Super & Hiper Mesmo

com objeções de

estatuto

Abilio, GPA aprova

Uma reunião ocorrida ontem (27/09) definiu que serão feitas mudanças na administração do estatuto do Grupo Pão de Açúcar. Apesar da oposição de Abilio Diniz à maioria das alterações propostas, o Conselho de Administração decidiu por implementá-las. Foi aprovada a criação dos comitês de governança e de auditoria, proposta pelo Casino. Também ficou definida a extinção do conselho consultivo formado por economistas, que davam suporte às decisões da empresa. No ponto que mais gerou polêmica entre ambos, Abilio conseguiu criar uma regra para a proposta que permite a instalação das reuniões do conselho de administração com apenas 8 membros. Pelo acordo firmado, as reuniões devem contar com pelo menos 10 membros na primeira convocação, garantindo a presença de conselheiros independentes ou do lado do brasileiro. Na segunda convocação, no entanto, a reunião pode ser instalada com 8 membros. Também foi aprovada a criação do cargo de vice-presidente do Conselho, que poderá comandar as reuniões na ausência de Abilio, mas com poderes limitados.

mudanças no

O vice só presidirá as reuniões se Abilio Diniz não indicar alguém para o seu lugar, ou se a pessoa indicada também não comparecer. O vice não tem o poder de colocar em votação questões que reduzam o poder do brasileiro na empresa. Como envolvem mudanças no estatuto, as novas regras precisam passar pela assembleia de acionistas. Estima-se um prazo de duas semanas para que o novo estatuto seja divulgado com as alterações implementadas. (Supermercado Moderno – 28/09/2012)


Outubro


Mercado China pode ultrapassar EUA e liderar venda para o Brasil Entre janeiro e setembro deste ano, o Brasil importou mais produtos chineses do que norte-americanos. O dado indica que a China pode ultrapassar os Estados Unidos em 2012 e tornar-se o maior fornecedor de produtos para o Brasil. O país já é o principal destino das nossas exportações. Entre janeiro e setembro de 2012, o Brasil importou pouco menos de 165 bilhões de dólares em produtos. Do total, 15,2% veio da China (ante 14,5% em 2011) e 14,5% veio dos Estados Unidos (ante 15,0% no mesmo período de 2011). O Brasil importou o equivalente a 25 bilhões de dólares da China nos primeiros nove meses desse ano, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. As importações brasileiras são dominadas por matérias-primas e intermediários, que correspondem a 44,9% do total. Na sequência, vem bens-de capital, com uma participação de 21,8% e bens de consumo, com 17,6%. A China é o principal destino das exportações brasileiras. Dos cerca de 180 bilhões de reais que o Brasil exportou no período, 17,9% foram para

esse destino, quase o mesmo de 2011 (17,7%). A União Europeia respondeu por 20,2% do total, pouco abaixo de sua participação no mesmo período de 2011 (20,9%). A participação dos Estados Unidos, por sua vez, cresceu, passando de 9,8% do total para 11,5%. Das exportações, 47,7% foram de produtos básicos (com destaque para o Minério de Ferro), 36,8% de manufaturados (destaque para óleos combustíveis e aviões), 13,2% de semimanufaturados (destaque para açúcar bruto) e 2,3% foram operações especiais. No geral, as exportações brasileiras caíram 4,9% em relação aos primeiros nove meses de 2011. As importações, caíram 1,2%. (Exame – 02/10/2012)


Mercado Brasil Foods compra 49% da Federal Foods, de Abu Dhabi A Brasil Foods (BRF) anunciou ontem a aquisição de 49% da Federal Foods, companhia de capital fechado com sede em Abu Dhabi, por 36 milhões de dólares. A Federal Foods distribui os produtos da Sadia nos Emirados Árabes Unidos há mais de 20 anos. Os itens da BRF representam aproximadamente 65% da sua receita, que no ano passado chegou a 266 milhões de dólares. Com a operação, a BRF irá reforçar a parceria, abrangendo outras marcas, como a Perdix, além do portfólio da planta de produtos processados, cuja produção começará em 2013. Em comunicado ao mercado, a BRF informou que a compra está em linha com

o plano estratégico de internacionalizar a companhia acessando mercados locais, fortalecendo suas marcas e expandindo sua atuação no Oriente Médio. Considerados os destinos para os quais a BRF exporta, a região é a mais representativa: a receita líquida com as vendas para o Oriente Médio foi de 1,7 bilhão de reais no primeiro semestre, 33% do total arrecadado pela companhia no exterior. Fundada em 1991, a Federal Foods é líder na distribuição de alimentos nos Emirados Árabes Unidos. A empresa conta com 1.350 colaboradores e uma frota logística de mais de 260.000 caminhões e vans. (Exame – 05/10/2012)


Super & Hiper Pão de Açúcar: acionistas elegem vice-presidente Os acionistas do Pão de Açúcar aprovaram nesta quinta-feira, em assembleia geral extraordinária (AGE), a reforma do estatuto social da empresa, prevendo que seu conselho de administração terá um presidente e um vice e que eles poderão ser destituídos pela assembleia de acionistas, entre outros itens Os acionistas ainda elegeram Arnaud Daniel Charles Walter Joachim Strasser como vice-presidente do conselho, depois de aprovar a criação do cargo. Em 27 de setembro, reunião do conselho da empresa aprovou várias mudanças no estatuto, apresentadas pelo acionista controlador, o Casino, como a redução do quórum para realização das reuniões desse conselho de dez para oito membros. Entre as alterações aprovadas estão a previsão de que na ausência ou impedimento do presidente do órgão, ele poderá indicar outro conselheiro como seu substituto, cabendo ao vice-presidente substituí-lo, em caso de ausência de tal substituto. Foram aprovadas ainda a retirada da obrigatoriedade de que os membros do conselho sejam acionistas da companhia; a redução de sete para cinco dias do prazo para que o presidente

atenda a pedidos de convocação de reunião do órgão apresentada por outros conselheiros; a facilitação da participação remota dos conselheiros nas reuniões e a previsão de que o conselho terá um regimento interno. (Exame – 18/10/2012)


Super & Hiper Cencosud acerta compra do Carrefour na Colômbia A rede de origem chilena confirmou, ontem, que vai adquirir, por cerca de US$ 2,5 bilhões, todos os ativos do Carrefour na Colômbia. O negócio deve ser completamente fechado até o fim do ano, mas também já foi confirmado pelos franceses. São 92 unidades do Carrefour que serão repassadas à Cencosud. O grupo chileno vê na Colômbia um mercado promissor, onde a economia deve crescer cerca de 5% em 2012. A Cencosud vem adotando uma postura agressiva de expansão na América Latina. No Brasil, a companhia

possui as redes Prezunic, GBarbosa, Perini, Mercantil Rodrigues e Bretas, e faturou, em 2011, quase R$ 6 bilhões. O grupo possui ainda operações no Peru e na Argentina, atuando também nos segmentos de shopping centers e lojas de departamento. Já o Carrefour, que arrecadou cerca de US $ 2 bilhões na Colômbia no ano passado, passa por um momento de reestruturação global. A rede saiu de outros mercados ao redor do mundo, como a Grécia, e tem um desempenho fraco no seu próprio país de origem, a França. (Supermercado Moderno – 19/10/2012)


Internacional H&M

drive in-store traffic, brand awareness via app launch

sponsorship

Retailer H&M has teamed up with DailyCandy to not only be the launch sponsor of its new DailyCandy Scout mobile application, but also promote street style and brand awareness, as well as entice consumers with a $500 shopping trip. The partnership promotes the “Scout That Street Style” challenge within the app experience. App sponsorships are a great way for marketers to reach new and existing prospects. “DailyCandy editors are known as discoverers of the next, the new and the best,” said Ashley Parrish, editor in chief of DailyCandy. “With this new app, we are

putting the power of discovery into the hands of consumers. “DailyCandy Scout enables consumers to become roving DailyCandy contributors, trendspotting and sharing their favorite discoveries in real time,” she said. “With DailyCandy editors weighing in continually, liking and commenting on photos, we’re opening up the dialogue between our audience and our editors in never before seen ways. “Enabling our audience to not only consume content but to create it, facilitates a meaningful conversation with our audience.” (Mobile Commerce Daily

– 25/10/2012)


Novembro


Super & Hiper

Expandir Minimercado Extra e Assaí é prioridade do GPA para 2013

As duas bandeiras terão as maiores expansões no grupo Pão de Açúcar em 2013. Segundo Vitor Fagá, diretor de relações com investidores da companhia, serão abertas mais de 100 lojas da bandeira Minimercado Extra no próximo ano, a grande maioria em importantes centros dos Estados da região Sudeste. Hoje, são 80 lojas da bandeira, todas no Estado de São Paulo. Já o atacarejo deve elevar sua presença de 7 para 14 estados durante o ano que vem. Não foi informado quantas lojas a rede, que tem hoje 60 unidades, deve abrir no período.

Viagens O grupo Pão de Açúcar irá entrar, em breve, no negócio de pacotes de viagens, por meio da Nova Pontocom, sua empresa de comércio eletrônico. O anúncio foi feito no final da semana passada, durante a divulgação dos resultados da Via Varejo. Segundo German Quiroga, presidenteexecutivo da Nova Pontocom, até o final deste ano deve entrar em operação o portal “partiuviagens.com”, que terá parceria com uma grande empresa do setor. O nome do parceiro não foi divulgado. (Supermercado Moderno – 05/11/2012)


Mercado Procter & gamble tem novo presidente no brasil Alberto Carvalho será o novo ocupante do cargo a partir de dezembro. É a primeira vez que um brasileiro ocupa o posto máximo de chefia da operação nacional da P&G. Ele assume no lugar do egípcio Tarek Farahat, que passa a ser presidente da empresa na América Latina. Carvalho tem 21 anos na companhia, onde começou como assistente de marketing na área de cuidados com o cabelo no Brasil. Ele já foi presidente da P&G no Chile, Argentina, Uruguai e

Paraguai e dirigiu a área de marketing na Venezuela. Trabalhava com a marca Gillette nos EUA desde 2007. Formado em Engenharia pelo ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), o executivo terá a missão de seguir com o crescimento da Procter no Brasil após seis anos de gestão de Farahat. No terceiro trimestre deste ano, a P&G viu suas vendas crescerem 28% em relação ao mesmo período do ano passado. (Supermercado Moderno – 06/11/2012)


Mercado Raphael klein deixa presidência da via varejo A Via Varejo (antiga Globex) acaba de oficializar por meio de nota a saída de Raphael Klein da presidência da empresa criada em 2010 pelo Grupo Pão de Açúcar a partir da união entre Casas Bahia e Ponto Frio. Neto do fundador das Casas Bahia, Samuel Klein, e filho de Michael Klein, atual presidente do conselho de administração da companhia e dono de 21,9% do capital social da Via Varejo, Raphael Klein passa

a ser, até abril de 2013, apenas membro do conselho de administração da Via Varejo em substituição ao conselheiro José Luiz Majolo. A mudança acontece no próximo dia 22 de novembro, quando será realizada uma assembleia geral extraordinária com os acionistas da operação, e o Grupo Pão de Açúcar ainda não definiu quem será o novo CEO da Via Varejo. (Meio & Mensagem

– 08/11/2012)


Mercado Fernando yamada assume presidência da abras A Associação Brasileira de Supermercados (Abras) elegeu na quinta-feira (08) a nova diretoria para o biênio 2013/2014. Fernando Yamada, ex-presidente da Associação Paraense de Supermercado (Aspas), foi eleito por unanimidade e assume a partir de janeiro a associação nacional pelos próximos dois anos, substituindo Sussumu Honda, no cargo desde 2007. Honda assume a presidência do Conselho Consultivo da Abras para o mesmo período. Paraense, Yamada tem longa trajetória como representante do setor supermercadista.

Faz parte da diretoria da Aspas há 19 anos e da Abras há 15. Atualmente,ocupaaprimeiravice-presidência da Abras e é vice-presidente financeiro da rede de Supermercados Yamada, a primeira do ranking na região Norte, com faturamento anual de R$ 1,5 bilhão. A Abras, fundada em 11 de novembro de 1968, com sede em São Paulo e escritório institucional em Brasília, representa o setor de autosserviço no Brasil, que responde por cerca de 5,5% do Produto Interno Bruto (PIB). (Exame

– 09/11/2012)


Mercado Cybelar é nova dona da Lojas Colombo em São Paulo e Minas Depois de anos de especulações sobre quem levaria a Lojas Colombo, maior rede de varejo do Sul do país, um desfecho (ou pelo menos parte dele) parece ter sido concluído. A Cybelar, rede de eletro e móveis do interior paulista, fechou um contrato de compra e venda das 65 lojas da Colombo, em São Paulo e do Sul de Minas Gerais. A negociação foi conduzida pelos presidentes das duas companhias, Adelino Colombo, da Lojas Colombo, e Ubirajara Pasquotto, da Cybelar e o contrato fechado na sexta-feira, dia 9, em Farroupilhas, cidade onde fica a sede da varejista gaúcha. A aprovação do negócio ainda precisa passar pelo crivo do Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Criada há 60 anos, na cidade de Tietê, interior paulista, a Cybelar tem hoje mais de 90 lojas de varejo distribuídas no interior de São Paulo, 1.900 funcionários e um faturamento estimado em 460 milhões de reais. Agora com a aquisição,também terá a oportunidade de aumentar ainda mais seus negócios em cidades do interior paulista e mineiro, onde a concorrência com grandes redes de varejo são menores. “Teremos um crescimento mais focado em nossa região de origem”, disse Ubirajara

Pasquotto, presidente da rede fundada por seu pai. Segundo o empresário, todas as lojas serão mantidas e todos os colaboradores da Colombo serão absorvidos. Os planos da Lojas Colombo com a venda dos negócios em Minas e São Paulo é, além de reforçar o caixa, concentrar seus novos investimentos nas regiões onde já é líder ou tem participação de mercado bastante significativa, que são nos estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. A estimativa é que, apenas nos três estados, onde a rede possui 325 lojas, o faturamento tenha chegado a 1,38 bilhão de reais em 2011. “Nosso plano estratégico para 2013 prevê grandes investimentos nos três estados do Sul, onde também lançaremos novas linhas de negócios, sempre no setor do varejo”, adianta Adelino Colombo. A empresa afirma ainda que irá “intensificar a atuação nos multicanais de venda, como lojas físicas, televendas, mobile, atacado e corporativo, licitações e e-commerce”. Irá ainda ampliar negócios em segmentos onde já está presente, como comércio de motos e consórcios. (Exame

– 12/11/2012)


Super & Hiper Carrefour vende também sua operação na indonésia O negócio, que ainda está sendo fechado, renderá 525 milhões de euros à rede, pelos 60% que detém de sua subsidiária no país asiático. O Carrefour venderá sua participação ao conglomerado de varejo, mídia e bancos CT Group, que já detinha os 40% restantes da operação. Esta será a quinta saída do Carrefour de um mercado externo sob o comando de Georges Plassat, novo CEO da rede francesa. As vendas na Malásia, Colômbia, Grécia e Cingapura já renderam, até o momento, 2,6 bilhões de euros à rede

As vendas são parte de um plano trienal de recuperação dos resultados da empresa, necessário para curar o que Plassat diagnosticou como uma “doença grave”. O Carrefour está correndo para reduzir seu nível de endividamento, que, em 2011, estava na casa dos 9,2 bilhões de euros. Além disso, o Carrefour quer redirecionar seus investimentos para subsidiárias mais rentáveis. No centro da estratégia da rede estão os mercados de Brasil, China e Europa Central. (Supermercado Moderno – 21/11/2012)


Mercado

Uso de sacolas plásticas será normatizado com participação da abras

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) publicou na última terça-feira, 13, portaria no Diário Oficial da União, que traz as diretrizes para o funcionamento do Grupo de Trabalho (GT) sobre sustentabilidade do uso de sacolas plásticas descartáveis. A iniciativa atende a uma demanda da Abras (Associação Brasileira de Supermercados), apresentada em agosto deste ano, com o objetivo de estabelecer regras claras com relação à fabricação e ao uso de sacolas plásticas e, com isso, reduzir a insegurança jurídica e tecnológica que ameaça o setor. O GT Sacolas deverá contar com a participação de outros oito ministérios e mais representantes de todos os setores, das partes interessadas, ou seja, supermercadistas, indústria do

plástico, recicladores e representantes da sociedade civil. Em comunicado divulgado pela Abras, em agosto deste ano, a instituição declarou a importância de se criar um novo fórum de debates para examinar as tecnologias disponíveis e combater a falsificação que coloca a segurança do mercado e dos consumidores em risco, justificando o pleito junto ao MMA. A entidade assume o compromisso em contribuir com o governo, mas, sobretudo, dar resposta ao desafio socioambiental de reduzir o uso de sacolas plásticas descartáveis, para com isso manter o atendimento ao consumidor com excelência e dentro de parâmetros éticos. (Varejista

– 21/11/2012)


Mercado Black

preços

friday tira do ar

“diversas

A Black Friday brasileira, uma versão do dia do desconto americano feita por lojas nacionais na internet, apresentou problemas que provocaram uma série de queixas na manhã desta sexta-feira. As mais comuns dizem respeito a descontos “maquiados”, de produtos que tiveram valores inflados na última hora para depois serem anunciados “em promoção”. Além disso, sites fora do ar e preços pouco atrativos quando comparados com as megapromoções dos EUA também provocaram reclamações. Desde o início da promoção, na virada de quinta para sexta-feira, o site do Busca Descontos tem problemas de navegação ou está fora do ar . O Busca Descontos é o organizador e uma espécie de agregador de todas as promoções do Black Fiday brasileiro. O sistema continua apresentando problemas nesta manhã. “Sites sem estruturas para receber a promoção, espero que o Procon intervenha o quanto antes”, diz um internauta no perfil do Busca Descontos no Facebook. “Site nem abre, piada esse Black Friday. Cade o MP?”, escreve outro. Segundo o Busca Descontos, o problema ocorreu devido ao grande número de acessos, que prejudicou o funcionamento

ofertas” por maquiagem de

do servidor. Houve picos de 75 mil acessos simultâneos e, na primeira hora, a média de usuários superou em sete vezes os dados da Black Friday do ano passado, informa a assessoria do site. Os responsáveis afirmam que a situação já é normal no final desta manhã. Mas a queixa mais contundente diz respeito a descontos maquiados. Alguns produtos anunciados como “com desconto” tinham o mesmo preço há algumas semanas, porém os valores teriam sido inflados nos últimos dias para dar a impressão de que agora estão em promoção. A assessoria do Busca Descontos informa que Pedro Eugênio, dono do site organizador, ficou bastante chateado com o fato e retirou “diversas ofertas” do ar, sem precisar o número. O site informa que esse tipo de prática é de responsabilidade das varejistas participantes. “Black Friday: gaste dinheiro que você não tem, no que você não precisa, com um desconto que não existe”, dizia um usuário do Twitter. “Black Friday: tudo pela metade do dobro”, ironizava outro.o (IG – 23/11/2012)


Super & Hiper Naouri avisa abilio que não negociará sob pressão Diante do interesse do empresário brasileiro, hoje sócio minoritário do Grupo Pão de Açúcar, em sair da companhia e levar consigo a Via Varejo, Jean-Charles Naouri, dono do Casino, enviou uma resposta para acalmar os ânimos de Abílio. Ele afirma nunca ter recebido uma proposta “concreta e viável” desde a última reunião realizada em Paris, ainda em junho. Na carta, Naouri diz: “Ao passo que nos mantemos abertos a ouvir uma proposta que atenda aos interesses do GPA, Casino e todos os seus acionistas, eu reitero que não aceitaremos negociar sob pressão e ataques, e que não vamos tolerar qualquer comportamento cujo único propósito seja criar confusão e perturbar a companhia.” A mensagem chega após a ofensiva de Abílio, noticiada ontem por SM. Ele enviou carta pedindo uma definição sobre os próximos passos envolvendo o Pão de Açúcar. Mas Naouri rebate: “As ideias trazidas por seus assessores têm como objetivo reescrever a história e nunca reconheceram que temos um contrato vinculante que prevê um contexto claro para sua saída”. A situação entre os dois ficou mais delicada

após Abílio ter ido, na última segundafeira (26/11), a Paris participar de uma reunião que Naouri teria com membros da diretoria do GPA. Não convidado para o encontro apesar de ainda ser o presidente do Conselho Administrativo do grupo, o empresário foi barrado, o que considerou um desrespeito. (Supermercado Moderno – 28/11/2012)


Super & Hiper Super muffato lança 1º sistema de autoatendimento no país Os clientes de um supermercado da zona sul de Londrina da paranaense Super Muffato estão, desde a semana passada, fazendo compras sem precisar da ajuda de caixas. A rede inaugurou no endereço, segundo a própria empresa, o primeiro sistema de autoatendimento de supermercados do país com a intenção de tornar mais ágil em 20% o tempo gasto pelos clientes nos pagamentos. Por meio do sistema, os clientes da varejista podem, além de escolher os produtos nas gôndolas, pesar, conferir o preço, pagar e tirar o recibo das mercadorias compradas sem precisar da ajuda de um caixa. Comum fora do país, o sistema de self checkout tem a função de evitar ou pelo menos diminuir as filas de atendimento nos supermercados em horários de pico – e, claro, incentivar as pessoas a comprar mais. “Não se trata apenas da oferta de mais um benefício ao cliente, mas sim de uma mudança na forma com que ele se comporta na hora de concluir uma compra, passando de expectador para agente de todo o processo”, diz Everton Muffato, diretor da companhia. O sistema foi testado por dois anos, com

ajuda da fornecedora de tecnologia RMS, antes de ser implantado no endereço escolhido no último dia 21. A expectativa da empresa é implantar no primeiro trimestre do ano que vem novas unidades do self checkout em Londrina. De acordo com a empresa, a adoção da novidade fez com que seis funcionários que trabalhavam no caixa fossem treinados para ajudar os consumidores a comprar pelos novos quatro caixas instalados na loja. Com isso, outras seis pessoas foram contratadas para ocupar os seis caixas tradicionais, que foram mantidos. Com mais de nove mil colaboradores diretos, o grupo paranaense conta hoje com 40 operações de negócio, espalhadas em 13 cidades do Estado e em Presidente Prudente, no interior de São Paulo. (Exame – 28/11/2012)


Mercado Brasileiro quer consumir por meio de novos canais A Capgemini, um dos principais provedores de serviços de consultoria, terceirização e tecnologia do mundo, anunciou recentemente o estudo global “Digital Shoppers Relevancy”, que aponta mudanças significativas e a rápida inovação dos canais de varejo tradicionais e eletrônicos, de acordo com a preferência dos consumidores. A pesquisa ouviu 16 mil consumidores digitais em 16 mercados, entre países maduros, como Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos, e em desenvolvimento, incluindo Brasil, China, Índia, Rússia e México. O relatório mostra que os consumidores não são fiéis a um único canal e esperam uma integração entre lojas on-line, mídias sociais, soluções móveis e lojas físicas. 60% dos respondentes declararam que esperam que a convergência dos canais se torne uma regra até 2014, quando a experiência de compra unificada será comum. No entanto, isso será um desafio, já que mais da metade dos consumidores disseram que a forma como os varejistas, em sua maioria, posicionam-se atualmente nos diversos canais não é consistente. O Brasil está na lista dos países que detém uma evolução mais significativa

em consumo por meio de canais digitais, junto com China, Índia, México, Turquia e Rússia, confirmando que os países em desenvolvimento têm avançado mais rápido nesses processos do que em economias tradicionais. Os consumidores estão mais inclinados a usar canais digitais ao comprar produtos eletrônicos de alto valor, em comparação com outras categorias (eletrônicos comuns, moda, alimentação, materiais de construção, saúde e cuidados pessoais). Em todos os países, 54% dos entrevistados realizaram compras on-line de eletrônicos nos últimos seis meses. Essa categoria é dominada por viciados em compras digitais e compradores digitais sociais, e 59% dos consumidores digitais nessa categoria são homens. (NoVarejo – 29/11/2012)


Mercado Crescimento de atacarejos faz supermercados perderem vendas No índice acumulado de janeiro a outubro deste ano, o volume de itens vendidos pelos supermercados brasileiros recuou 0,2% em relação a igual período do ano passado, informou a Abras (Associação Brasileira dos Supermercados). Ao fim de 2012, a previsão é que o indicador fique estável em relação ao ano passado. Segundo Sussumu Honda, presidente da Abras, a retração se deve à gradual migração do consumidor para lojas de atacarejo, que não entram na estatística junto dos supermercados tradicionais. Ele aponta que o brasileiro passou a adquirir produtos básicos, que compõem a cesta básica, nos atacarejos. Com isso,

o açúcar, por exemplo, já tem retração de 9,1% nas vendas em supermercados em 2012. O arroz recuou 3,6%, e o sabão em barra 10,2% Faturamento Já em valor, as vendas reais do setor supermercadista em outubro de 2012 aumentaram 2,20% em relação a setembro, e 2,38% sobre igual mês em 2011. No índice acumulado do ano, o crescimento é de 5,18%, ante igual período de 2011. Para o fim ano, a projeção é que as vendas reais cresçam, em valor, 5% sobre o ano passado. (Supermercado Moderno – 28/11/2012)


Super & Hiper CEO do carrefour nega venda da operação brasileira Após circularem rumores sobre uma eventual venda da filial do Carrefour no Brasil, Georges Plassat, CEO da companhia, tem sido categórico ao afirmar que “jamais o Carrefour considerou a possibilidade de sair do Brasil”. Nas palavras de Plassat, dirigidas aos acionistas do grupo na última assembleia realizada, “o Brasil é uma zona poderosa que poderá se tornar uma plataforma para o nosso desenvolvimento na América Latina, a custos menores”. Com muitas dívidas, o Carrefour vem fechando algumas operações pouco rentáveis,em países como Colômbia, Malásia e Indonésia, e vai focar sua recuperação

nos países com maior potencial de crescimento, como o Brasil. O Atacadão, rede de atacarejo adquirida em 2007 pelo Carrefour, vem liderando os resultados da companhia no Brasil. Segundo especialistas, a rede se tornou “uma pepita de ouro” para o grupo francês no País. Já se cogita uma abertura de capital do negócio em um futuro próximo. O desempenho das vendas do Carrefour no Brasil representa, sozinho, quase 70% da receita da companhia na América Latina. Nos nove primeiros meses do ano, as vendas da filial subiram 9,3%, para 9,2 bilhões de euros. (Supermercado Moderno – 30/11/2012)


Dezembro


Super & Hiper Abilio terá novo papel no Pão de Açúcar A indicação por parte do Casino de nomes para o comitê de governança corporativa do Grupo Pão de Açúcar deixa ainda mais explícitas as posições antagônicas entre o sócio francês e Abilio Diniz. Para o Casino, controlador da companhia desde junho, o comitê será um agente que acelerará as boas práticas na empresa. Será uma ponte entre a diretoria e o conselho de administração, presidido pelo empresário. No fim das contas, reduzirá a interferência de Abilio no dia a dia da operação. Aí está o nó. O Casino entende que a decisão de criar um comitê forte - Maria Helena Santana, ex-presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) foi indicada deixa mais claro o novo papel de Abilio na empresa, que não está ligado com o cotidiano da operação. Para Abilio, o ponto é outro. O comitê tende a interferir nas suas atribuições dentro da empresa e portanto, fere o contrato assinado entre as partes em 2005, que determina que Abilio continuará na presidência do conselho de administração enquanto a empresa mantiver a boa performance. Na visão do empresário, seus direitos podem deixar de ser respeitados se a

sua função sofrer um esvaziamento, o que poderia motivar inclusive um litígio arbitral, em último caso. Abilio sempre preferiu, pelo menos até agora, evitar uma ida à Justiça. Não está claro se ele mudou de ideia. Em relatório para clientes datado de segunda-feira, a equipe do Itaú BBA escreve que não acredita que Abilio esteja feliz com seu status atual na empresa. “O Casino não tem pressa para negociar, está efetivamente comandando a empresa e não tem necessidade de fechar um acordo desfavorável só para ver o Sr. Diniz ir embora. Claramente Casino detém a vantagem nas negociações”. Interlocutores ligados a Abilio contam que o empresário já havia se afastado um pouco do dia a dia da rede, após a transição de poder, assim como passou a manter menor contato diário com Enéas Pestana, presidente do GPA (Valor – 06/12/2012)


Mercado Amazon estreia no brasil com preços em real Após anos de negociação, o endereço Amazon.com.br estreou no mercado nacional. Inicialmente, o e-commerce funcionará como a Loja Kindle Brasil, com mais de 1,4 milhão de eBooks com preços em reais disponíveis aos consumidores, diferente da Apple, que mesmo em solo brasileiro continua cobrando por e-books em dólares. Junto com a loja, a Amazon lançará nas próximas semanas seu leitor eletrônico, o Kindle, por R$ 299. É a primeira vez que a Amazon entra em um país apenas com operações digitais — nos vários mercados em que a varejista está, ela vende de tudo, de eletrônicos a comida. A entrada da empresa no mercado

brasileiro aconteceu apenas depois de três anos por causa das reprimendas por parte do mercado editorias. E sua entrada foi possível principalmente por causa dos acordos selados com as principais editoras do país. Segundo Mauro Palermo, diretor da Globo Livros, em entrevista ao jornal O Globo, o acordo das editoras com a Amazon prevê que elas vão determinar o preço final dos livros. “Estamos animados em lançar a Kindle Store para consumidores brasileiros, oferecendo os livros mais populares e mais vendidos de muitos autores brasileiros, com preços em reais”, disse Alexandre Szapiro, vice-presidente da Kindle. (No Varejo – 06/12/2012)


Economia Aumenta o número de varejistas que faturam mais de R$ 1 bilhão Em 2011, 58 companhias de varejo tiveram faturamento anual igual ou maior que R$ 1 bilhão, segundo o Ibevar (Instituto Brasileiro dos Executivos do Varejo). Em 2010, eram 44 empresas. Para o fim deste ano, a previsão do instituto é que o número aumente para 70 varejistas, incluindo supermercados, lojas de eletrodomésticos, roupas e até mesmo farmácias. De acordo com Eduardo Terra, vicepresidente do Ibevar, a consolidação de empresas regionais, somada à taxa de crescimento das varejistas na casa de

dois dígitos e à formalização de muitas companhias explicam esse aumento do número de empresas bilionárias. Na análise de Felisoni, presidente do instituto, esse movimento de consolidação entre empresas varejistas deve continuar avançando. No ano passado, o varejo de bens, excluindo veículos e combustíveis, movimentou R$ 1,049 trilhão, e o faturamento das 100 maiores companhias respondeu por 25% desse total. (Supermercado Moderno – 06/12/2012)


Super & Hiper Carrefour encerra vendas online no brasil Como parte de seu plano de reestruturação, o Carrefour anunciou hoje que irá suspender seu canal de e-commerce. O endereço da rede já não oferece a venda de produtos online, exibindo uma mensagem de desativação do serviço aos usuários. Segundo o Carrefour, todas as entregas de itens vendidos pelo site serão cumpridas, “bem como os demais suportes que seus clientes venham a precisar”. A empresa justificou a decisão, afirmando que vai focar outras áreas de atuação daqui para frente. Um deles é

a revitalização das lojas físicas com o conceito de “nova geração”, adotado nas unidades de Santo André e São Caetano, em São Paulo. Os supermercados contam com um volume maior de produtos e serviços, em um espaço mais sofisticado. O Carrefour também chamou a atenção para o plano de expansão do Atacadão, sua bandeira de atacarejo. A Carrefour Soluções Financeiras e o “desenvolvimento de novos formatos para atender o mercado local” completam o time de prioridades da rede francesa no país. (Exame – 07/12/2012)


Mercado Marcas próprias estão em mais da metade dos lares brasileiros É o que aponta estudo da Kantar Worldpanel em 8.200 residências em todas as regiões do País. Segundo a pesquisa, que trata apenas de produtos de consumo não-duráveis, 52% das famílias colocaram, em 2012, ao menos um produto de marca própria dos supermercados em suas despensas. O levantamento mostra que, ao contrário do que muitos pensam, estes produtos não estão tão associados ao baixo preço, mas sim à sua qualidade. Comprova isso a penetração deles nos lares de diferentes classes sociais: os itens de marca própria estão presentes em 60% dos lares das classes A e B, índice maior do que nas classes C, que registrou 52%, e D e E, com 49%.

“Os produtos de marcas próprias já não são mais relacionados a preço baixo devido à baixa qualidade. Hoje, 84% dos consumidores desse tipo de produto justificam sua escolha considerando serem itens de boa qualidade”, comenta Christine Pereira, Diretora Comercial da Kantar Worldpanel. O estudo também detalhou quais produtos de marca própria são os mais procurados por diferentes classes sociais. O óleo de soja especial é a categoria mais comprada por todos os estratos, e é seguido, nas classes A, B e C, pelo papel higiênico. Nas classes D e E, o sabão em pedra fica em segundo lugar. Outras categorias bastante lembradas são açúcar e leite longa vida. (Supermercado Moderno – 11/12/2012)


Clipping do Varejo 12

20/12/20 Shopping Center

unidade de m o c à o d a tin Varejo é desFashion o iv t a m r o f Este in s, ex o n u l a r o Construção p a , formad o j e r a v e r b o interesse s presas m e e d s io r á Móveis e Eletro funcion e s e r o s s e f alunos, pro Super & Hiper Varejo e d io r ó t a r b, o labo a L il a t e R o d parceirasEconomia SPM. E a d o j e r a V tudos de s E e d o e l c Marcas Próprias do Nú

Internacional

: oduzido por r P Mercado rvoli Raphael Spa

: Coordenação Pastore o d Sustentabilidade r a ic R . f Pro

Canal Farma mo João do Car

Marketing Mix

Tecnologia

E-Commerce


Clipping Retrospectiva