Page 1

Clipping do Varejo


Cursos - Inscrições Abertas MARKETING PARA FRANQUIAS Marketing para Franquias vem atender à crescente demanda provocada pelo aquecimento do mercado e consequente necessidade das empresas em expandir seus mercados. Empresas com projetos de expansão por meio de franquias, ou aquelas que já contam com sua rede de franqueados, constatam a importância da capacitação de seus quadros para dar suporte à demanda atual e futura.

N Ú C L E O D E E S T U D O S E N E G Ó C I O S D O V A R E J O

PA G . 1


Super & Hiper Carrefour também vai construir minishoppings Fortes concorrentes nos hipermercados, Carrefour e Pão de Açúcar vão disputar o mercado de minishoppings. Segundo apuração do jornal O Estado de S. Paulo, executivos da direção do Carrefour da França estiveram recentemente no Brasil para avaliar o projeto de construção de cerca de dez empreendimentos desse tipo no País, em áreas vizinhas aos hipermercados. A intenção da rede francesa,

a segunda maior do Brasil, é aproveitar o fluxo de consumidores do autosserviço e obter renda com aluguel dos imóveis. Assim, o Carrefour espera compensar a perda de espaço das lojas de hipermercados que vem ocorrendo nos últimos anos. Os minishoppings do Carrefour deverão ter como foco o consumidor das classes B e C, que frequenta o hipermercado e está mais

preocupado com preço baixo. Se confirmada, a novidade ocorre três meses depois de o GPA inaugurar seu primeiro shopping de vizinhança, no Rio de Janeiro. Batizado de Conviva Américas, o projeto consumiu R$ 40 milhões do grupo. Segundo o Estadão, o Carrefour não quis se pronunciar sobre o assunto. (Supermercado Moderno - 16/09/2013)

N Ú C L E O D E E S T U D O S E N E G Ó C I O S D O V A R E J O

PA G . 2


Super & Hiper Walmart dobrará equipade de comércio eletrônico no Brasil A maior varejista do mundo está montando uma central de comércio eletrônico que servirá toda a América Latina. A nova sede ficará em Alphaville, grande São Paulo, e a expectativa é que, em 2014, duas mil pessoas estejam trabalhando no local. Mais que o dobro dos 900 que estarão lá ao final deste ano. Conforme SM noticiou no início da semana, o Walmart vai abrir em breve um “shopping center

virtual”, vendendo também produtos de lojas parceiras, nos moldes do que já faz o Extra. O Walmart não divulgou quanto está investindo no novo empreendimento. Mas a companhia revela que pretende abrir mais centros de distribuição, para acelerar as entregas, e começar a importar itens que hoje não estão disponíveis no mercado. O grande objetivo é ultrapassar a B2W, responsável pelos

sites das Lojas Americanas, Submarino e Shoptime, e se tornar líder em vendas pela internet no Brasil. “Podemos criar um portfólio de produtos novos e exclusivos que serão únicos no mercado brasileiro”, afirmou Flávio Dias, vice-presidente do Walmart.com. “O potencial de crescimento de comércio eletrônico no Brasil é muito grande”, destacou. (Supermercado Moderno - 16/09/2013)

N Ú C L E O D E E S T U D O S E N E G Ó C I O S D O V A R E J O

PA G . 3


Super & Hiper Após saída de Abilio, GPA investe no reposicionamento de marca própria Criada há sete anos pelo GPA, a linha de produtos saudáveis Taeq está de cara nova. Tratase de um reposicionamento de marca que inclui alteração da logomarca e das embalagens de todos os 600 itens da linha, adequação de portfólio e campanha de comunicação – sendo que, pela primeira vez em sua história, Taeq lança um filme para a televisão. “Saudabilidade é um segmento que muda constantemente e, consequentemente, surgem pesquisas e novidades sobre o tema. Queremos acompanhar essa evolução, oferecendo sempre

um mix de soluções cada vez mais completo e adequado para que nossos consumidores, por meio de uma alimentação saudável, conquistem mais da vida”, explica André Svartman, Gerente de Marcas Exclusivas do GPA. Dessa forma, o antigo slogan “Vida em equilíbrio” foi substituído pelo novo posicionamento, “Conquiste sua vida”. Durante anos, pesquisas vêm demonstrando os efeitos benéficos do estilo de vida saudável: comer bem auxilia a melhorar o desempenho e produtividade, ligando uma vida de conquista tanto profissional

como pessoal. Como resultado da pesquisa, foram privilegiados os produtos alinhados ao reposicionamento da marca, com destaque para as linhas naturais, integrais e orgânicos. Taeq ajustou seu portfolio, focando em produtos saudáveis, e prepara lançamentos para este ano, como barra de frutas, pratos prontos congelados, pacotes de frutas desidratadas e verduras processadas. (New Trade - 12/09/2013)

N Ú C L E O D E E S T U D O S E N E G Ó C I O S D O V A R E J O

PA G . 4


E-Commerce eBay lança app de moda e prepara operação no Brasil O eBay lança, nos próximos dias, a versão brasileira do aplicativo eBay Moda, para smartphones e tablets. O app vai vender roupas, calçados e acessórios. É o primeiro produto com a marca eBay no Brasil, mas não deve ser o único. A gigante do comércio eletrônico planeja montar uma operação completa no país. “Os artigos de moda são os mais procurados por brasileiros no eBay”, disse a EXAME. com Luis Arjona, o executivo responsável pela empresa no Brasil. “Moda é, também, a categoria com maior volume de vendas no site. E 15% dos brasileiros que vão ao eBay usam dispositivos móveis.” Segundo a empresa, os brasileiros compram, no eBay, um par de óculos de sol masculinos a cada 8 minutos, um par de sapatos femininos a cada 6 minutos e uma bolsa feminina a cada 4 minutos, por exemplo. São números como esses que

encorajaram a empresa lançar o eBay Moda no país. “É uma área em que podemos ser muito competitivos”, afirma Arjona. O eBay Moda deve ser liberado nos próximos dias para iPhone e iPad. Nas próximas semanas, sai a versão para smartphones e tablets com Android. O app tem três seções: Eventos, Inspiração e Meu Feed. A primeira dá acesso a liquidações relâmpago. A segunda mostra conteúdo de blogs de moda e permite buscar roupas, calçados e acessórios. A terceira aba, Meu Feed, oferece produtos de acordo com o histórico de navegação e compras do usuário. O pagamento é feito via PayPal, o sistema de pagamentos do eBay, disponível no Brasil há três anos. As informações são em português ou inglês (o usuário escolhe). E os preços são listados em dólares já com o valor equivalente em reais. O app é bastante visual e

sempre mostra as fotos em destaque. “Sabemos que o público que busca produtos de moda prefere ver fotos em vez de textos”, diz Ryan Melcher, diretor sênior de inovação em mobilidade do eBay. As mercadorias são vendidas por pessoas e empresas de diversos países. São elas que despacham os produtos diretamente ao comprador, que pode ter de pagar imposto de importação ao recebê-los. Num primeiro momento, não deve haver mercadorias brasileiras à venda. “Qualquer pessoa pode vender no eBay, mas ainda não temos uma plataforma de vendas específica para os brasileiros”, diz Arjona. Essa plataforma deve vir com o tempo. (Exame - 18/09/2013) Notícia completa em varejo.espm.br

N Ú C L E O D E E S T U D O S E N E G Ó C I O S D O V A R E J O

PA G . 5


E-Commerce Varejistas buscam integração entre e-commerce e lojas Varejistas com lojas físicas estão tentando competir com a Amazon.com e uns com os outros oferecendo o que eles esperam ser o melhor dos dois mundos: vendas online com a opção de retirada na loja, entregas e devoluções. Quando é bem sucedida, essa chamada compra omnichannel (omnicanal), que permite aos consumidores a escolha de comprar em uma loja física ou online, pode oferecer um serviço melhor, mais estoque e opções de entrega mais rápidas, disseram especialistas em e-commerce no Reuters Global Consumer and Retail Summit, na semana passada em Nova York.

Também é uma das melhores maneiras pelas quais vendedores tradicionais podem buscar competir com a Amazon, cuja presença física é limitada a centros de distribuição. “A promessa está ali, o potencial está ali, e quando funciona é algo admirável,” disse Fiona Dias, em referência à compra omni-channel. Dias é diretora de estratégia da ShopRunner, que fornece serviços de e-commerce para grandes varejistas dos EUA. Mas apenas alguns varejistas estão fazendo isso bem, disseram os especialistas. Para começar, é caro. Realizar a mudança normalmente requer softwares caros para

combinar o estoque online e o da loja. As lojas também precisam ser reconfiguradas para dar aos trabalhadores espaço para empacotar e preparar os pedidos. A equipe precisa ser treinada novamente para que eles encorajem vendas tanto na loja quanto online, mesmo que eles percam uma comissão em potencial ao vender online. E a estratégia de vendas requer grandes mudanças em como uma organização funciona – compradoresdemercadoriaspara e-commerce e lojas têm operado em separado normalmente. (Exame - 16/09/2013)

N Ú C L E O D E E S T U D O S E N E G Ó C I O S D O V A R E J O

PA G . 6


Cursos - Inscrições Abertas E-COMMERCE: OS NOVOS CAMINHOS DO VAREJO As vendas no varejo pela internet crescem a níveis surpreendentes, sempre acima da média das vendas no varejo tradicional. Esse fenômeno é mundial e insere, a cada dia, mais empresas em um revolucionário canal de negócios. Para atuar nesse contexto, as organizações buscam profissionais com visão estratégica e capacidade de adaptação aos novos desafios e oportunidades proporcionadas pelo ambiente digital, que agreguem valor às estruturas existentes e inovem constantemente. Aos empreendedores, é uma oportunidade de planejar o desenvolvimento dos negócios sobre bases de conhecimentos mais sólidas.

N Ú C L E O D E E S T U D O S E N E G Ó C I O S D O V A R E J O

PA G . 7


Mercado Baby Boomers idosos confundem anunciantes globais Há seis anos, a Universidade de Cincinnati apresentou o que chamou um “consórcio incomum” entre seus estudantes, a faculdade e corporações como a Procter Gamble Co., o colosso dos produtos de consumo sediado perto da universidade. A meta do grupo: pesquisar e desenvolver ideias de artigos para consumidores de 50 anos ou mais. “O mundo nunca viu um mercado tão poderoso” com quase US$ 3 trilhões para gastar somente nos EUA, afirmou a instituição naquele momento. As necessidades do segmento estavam “insatisfeitas”, o que requeria uma revisão dos modelos para encontrar o “ponto certo” entre essas necessidades e as possibilidades de produção.

desejos”, disse Matthew Doyle, de 57 anos, funcionário da P&G há trinta anos, líder das equipes que inventaram produtos de clareamento dentário e atual vice-presidente do laboratório de inovações, apelidado Colaboração Viva Bem. “Ninguém estava criando produtos exclusivos para eles”. A P&G e parceiros corporativos como a Boeing Co. e a fabricante dos biscoitos Oreo, a Mondelez International Inc., completaram 37 projetos com a participação de mais de 50 universidades e especialistas, cerca de 80 cidadãos idosos que contribuíram com suas opiniões e mais de 500 estudantes de design, arquitetura, engenharia, negócios e enfermagem.

Eles ainda estão procurando. “Este segmento de consumidores é um dos mais difíceis de serem abertos em termos de necessidades e de

Necessidades insatisfeitas Eles descobriram que os idosos tratam seus animais de estimação mais como netos do que como filhos, e os mimam

como tal. Eles criaram modelos biomecânicos da mão humana para entender as dificuldades dos consumidores com artrite para abrir garrafas. E eles pensaram muito sobre como facilitar a viagem da vovó pelo aeroporto. O que eles não fizeram foi comercializar um produto. Eles ainda estão procurando aqueles pontos de equilíbrio – as necessidades insatisfeitas e muitas vezes não articuladas dos consumidores mais velhos, que por décadas têm sido ignorados por gerentes, anunciantes e designers de produtos obcecados pela juventude. O problema com os produtos para idosos – além dos anúncios ruins – é que ressaltam e reforçam os efeitos debilitantes da velhice. São de caráter paliativo, ferramentas para tornar o longo adeus um pouco menos doloroso. Seu slogan poderia ser “use-os, sinta-se velho”. (Exame - 17/09/2013) Notícia completa em varejo.espm.br

N Ú C L E O D E E S T U D O S E N E G Ó C I O S D O V A R E J O

PA G . 8


Mercado Estudo da GFK traça perfil do varejo de vizinhança brasileiro Os mercados de bairro respondem por mais de 40% do volume de vendas em alimentos, higiene, limpeza e perfumaria, e esse número só cresce. O segmento composto pelos mercados de bairro, ou de vizinhança, responde por mais de 40% do volume de vendas em alimentos, higiene e limpeza e perfumaria, e vem registrando taxas de crescimento acima do supermercadista nos últimos anos. Eles já somam perto de 65 mil estabelecimentos entre 1 a 4 check outs. Estes são alguns dados da pesquisa “Mercado de Vizinhança – Uma visão 360 graus do pequeno supermercado”, realizada pela GFK. Mesmo com o avanço tecnológico, os mercadinhos de bairro mantêm clientes fiéis em busca de acesso fácil, proximidade, opções de serviços e preços similares aos praticados por grandes redes. “O crescimento do varejo de vizinhança tem sido tão

relevante, que alguns lugares já oferecem serviços que apenas os grandes ofereciam, como caixas eletrônicos, hortifruti, etc”, aponta Marco Aurélio Lima, diretor de bens de consumo da GFK. A maioria desses comerciantes tem em torno de 40 anos, 70% é de homens, 80% deles não possuem ensino superior e 85% das lojas são familiares. Segundo o diretor, o mercado de vizinhança está em crescimento e continuará num ritmo forte por duas principais razões: crescimento da economia nacional, e conveniência para o consumidor. Há um grande desafio. “Administrado por comerciantes experientes, estes estabelecimentos precisam se profissionalizar”, comenta Lima. Um dado ajuda a reforçar esta tese: 18% das lojas não possuem nenhum sistema de gestão. A pesquisa da GFK mostrou também que, com a demanda

do consumidor, estes estabelecimentos estão reduzindo a área destinada ao estoque e aumentando a de exposição, para ter à disposição um grande sortimento. A oferta de serviços ao consumidor também cresceu. Na média, estas lojas têm 4 funcionários por checkout, e 10% de seu faturamento está direcionado a gastos com folha de pagamento. Apenas um quarto desses comerciantes está preparando seus funcionários para assumir a gestão do negócio. (NoVarejo - Escrito por Ticiana Werneck 19/09/2013) Notícia completa em varejo.espm.br

N Ú C L E O D E E S T U D O S E N E G Ó C I O S D O V A R E J O

PA G . 9


Shopping Center Shopping Centers vendem 10,3% mais em Julho,diz ABRASCE As vendas nos shopping centers do país em julho cresceram 10,35% em comparação a igual período do ano passado, de acordo com pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 16, pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce). Os setores de alimentação e entretenimento foram os principais responsáveis pelo crescimento ao apresentaram, respectivamente, aumento

de 18% e 17%. Segundo a Abrasce, o bom desempenho dos dois segmentos pode ser justificado por diversos lançamentos de filmes, típicos de mês de férias escolares, o que também incentiva o consumo com alimentação. “Em todo o Brasil, a oferta do setor de alimentação é crescente, as praças de alimentação estão passando por expansões e o número

de opções de restaurantes e lanchonetes aumenta”, afirmou em nota a superintendente da Abrasce, Adriana Colloca. No acumulado dos primeiros sete meses de 2013, as vendas nos shoppings avançaram 8,21% ante o mesmo período de 2012. A associação estima que o faturamento do setor suba em torno de 10,0% neste ano. (Exame - 16/09/2013)

N Ú C L E O D E E S T U D O S E N E G Ó C I O S D O V A R E J O

PA G . 1 0


Cursos - Inscrições Abertas SHOPPER MARKETING: A INFLUÊNCIA NO MOMENTO DA COMPRA Marketing para Franquias vem atender à crescente demanda provocada pelo aquecimento do mercado e consequente necessidade das empresas em expandir seus mercados. Empresas com projetos de expansão por meio de franquias, ou aquelas que já contam com sua rede de franqueados, constatam a importância da capacitação de seus quadros para dar suporte à demanda atual e futura.

N Ú C L E O D E E S T U D O S E N E G Ó C I O S D O V A R E J O

PA G . 1 1


Mercado App permite comprar de vitrines de qualquer lugar do mundo Com o aplicativo Turnhills é possível, pela tela do telefone ou tablet, que o consumidor tenha a mesma visão de uma pessoa que caminha na frente da vitrine real - Essa bolsa na vitrine da Louis Vuitton em Londres é linda. - E esse casaco da H&M dessa vitrine em Estocolmo? - Lindo! Olha só essa camisa da Dior, na vitrine da Quinta Avenida, em NY? Vou comprar.

Esse diálogo hipotético pode muito bem ser real, e mais, as duas pessoas em questão podem estar conversando diretamente do sofá de sua casa em São Paulo, ou Madri ou, enfim, qualquer lugar do mundo. As vitrines em questão são visualizadas em tempo real pelo app da Turnhills (www. turnhills.com). Pela telinha do telefone ou tablet, o consumidor tem a mesma visão que uma pessoa que caminha na frente da vitrine

real. É como se a experiência urbana de “ver vitrines” fosse incorporada pelo mundo virtual. Assim, na telinha, podem ser conferidas as vitrines de flagships de diversas grifes, como Uniqlo, Ralph Lauren, Prda, Oscar de La Renta, Michael Kors, e outras 35. Para comprar basta clicar na foto do produto – a compra é encaminhada a sites de ecommerce parceiros. (NoVarejo - Escrito por Ticiana Werneck 19/09/2013).

N Ú C L E O D E E S T U D O S E N E G Ó C I O S D O V A R E J O

PA G . 1 2


23/09/2013

Este informativo é destinado à comunidade de interesse sobre varejo, formada por alunos, ex alunos, professores e funcionários de empresas parceiras do Retail Lab, o laboratório de Varejo do Núcleo de Estudos de Varejo da ESPM.

Produzido por: Raphael Sparvoli João do Carmo

Coordenação: Prof. Ricardo Pastore


Clipping 23/09/2013  

Clipping Setembro

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you