Page 1

2

JUNHO

2009


EDIÇÃO JUNHO / 2009 EDITORIAL Diplomacia e Paciência. Sempre!....4

Postos & Serviços é uma publicação mensal do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Lava-rápidos e Estacionamentos de Santos e Região (Resan). Rua Manoel Tourinho, 269

CHECK-UP

SOS NORDESTE

NO COMPRESSOR. EVITE ACIDENTES!

das vítimas de enchentes............6

Revenda adere à campanha em prol

- Alerta contra golpe...................6

Um dos equipamentos de maior risco numa empresa, tanto que existe uma norma brasileira para regulamentar sua manutenção e uso, os compressores exigem inspeção

Macuco - Santos/SP / 11015-031

periódica. Evite acidentes.

- Carta do Leitor .......................6 MOTIVAÇÃO E SUCESSO ‘O vendedor e a crise’, artigo do

P&S decifrou a NR-13 para

Tel: (13) 3229-3535

facilitar a vida

www.resan.com.br

do revendedor. Página 5

secretaria@resan.com.br

consultor Luiz Marins..............7 PROIBIDO FUMAR Saiba como ficar por dentro da lei

Presidente

antifumo e evitar ser autuado....8

José Camargo Hernandes PASSO A PASSO

Jornalista responsável, textos e

P&S traz detalhes dos testes de ál-

editoração eletrônica

cool e gasolina em postos ....10 e 11

Christiane Lourenço

GARANTIA

(MT b. 23.998/SP) E-mail

Amostra-testemunha continua sua

imprensa@resan.com.br

‘melhor amiga’..........................12

BLITZ DO GLP

Colaboração: Gabriela Mangieri,

EXEMPLO

Luiz Alberto Carvalho, Marize

Força-tarefa da Prefeitura de Santos, com ANP e outros

Albino Ramos e Maria do Socorro G.

agentes de fiscalização, percorreu estabelecimentos de

Costa

Santos denunciados pela venda clandestina de botijões de

Impressão: Demar Gráfica

GLP. A operação poderá se repetir em outras cidades do

Tiragem: 1.600 exemplares

Página 15

Estado.

Fotos: Divulgação e Resan

MURAL DA QUALIDADE

As opiniões emitidas em artigos assinados publicados nesta revista são

Acompanhe mensalmente as dicas do Resan que podem

de total responsabilidade de seus

representar mais qualidade no atendimento de seus clientes

autores. Reprodução de textos au-

no dia a dia e também em economia, preservação do meio

torizada desde que citada a fonte.

ambiente e garantia de cumprimento da legislação dos

O Resan e os produtores da revis-

setor.

ta não se responsabilizam pela ve-

Página 9

dade dos produtos e serviços di-

Já está em vigor a lei federal que permite novo

vulgados em anúncios veiculados

parcelamento de débitos com a União, aqueles vencidos

neste informativo.

até 30 de novembro do ano passado. O pagamento poderá ser feito em 180 meses, inclusive dívidas com a Receita Federal.

cionário do Posto Mar Azul continua conquistando prêmios........13 PAÍS DOS IMPOSTOS Dia da Liberdade de Impostos mostra preço real da gasolina.....14 BOA NOTÍCIA Mercado retoma venda de carros...16 INDICADORES Ranking de preços .....................17

DÍVIDAS

racidade das informações e quali-

Jaciel é exemplo de superação. Fun-

ANIVERSÁRIO Confira nomes da 2ª quinzena de junho e 1ª de julho......................18

Página 16

Minha dor é perceber que, apesar de termos feito tudo o que fizemos, ainda somos os mesmos e vivemos... como nossos pais Elis Regina / Belchior JUNHO

2009

3


EDITORIAL JOSÉ CAMARGO HERNANDES

DIPLOMACIA E PACIÊNCIA. SEMPRE!!

D

Das inúmeras atribuições que temos como representante regional de uma categoria de significativa importância socioeconômica, como é, sem dúvida, a dos revendedores de combustíveis, estão inseridos os constantes encontros que procuramos estabelecer com as mais importantes e influentes autoridades governamentais. O périplo pelos gabinetes das autoridades de todas as esferas de poder, pode parecer, aos não acostumados com essas circunstâncias, uma atividade glamorosa. Não podemos negar que em algumas ocasiões, até que tem um certo charme, afinal nem todos os cidadãos tem a oportunidade de conhecer pessoalmente e privar de alguns momentos com importantes autoridades, particularmente as que têm uma maior exposição à mídia. Contudo, esses encontros, que procuram sempre ser marcados pelo

respeito e cordialidade, são na verdade reuniões de trabalho, onde cada parte, diplomaticamente, defende pontos de vista nem sempre convergentes. Nem sempre o poder da oratória, os bons argumentos e também dossiês compostos por documentos, legislações, estatísticas, fotos e tantos outros instrumentos de convencimento são suficientes para garantir, numa primeira oportunidade, o ponto de vista daquilo que consideramos justo. Embora de nossa parte procuremos sempre conduzir essas reuniões com objetividade e foco na defesa dos interesses e reivindicações da revenda, nem sempre temos sucesso e atendimento aos pleitos apresentados de imediato. Na maioria das vezes, nossos interlocutores se comprometem a refletir sobre o assunto e na adequação e enquadramento às políticas que emanam de instâncias superiores. São posicionamentos, às vezes paradoxais, com os quais temos que aprender a conviver enquanto buscamos novas estratégias de abordagem. Assim tem sido, por exemplo, ao tratamento que desde 2002 temos dado à grave questão dos PAs. Esse foi o tema do recente encontro, suscitado pela presidência e diretoria da Fecombustíveis com diretores e superintendentes da ANP, realizado no Rio de Janeiro dia 13 de maio. Fomos incumbidos pela Federação a preparar e conduzir minuciosa apresentação

4

JUNHO

2009

do dossiê sobre esse tema que, como dissemos, desde 2002 tem merecido do Resan atenção especial. Lutamos na defesa da calamitosa situação em que se encontram os revendedores de diesel, particularmente os que exploram postos de estrada, devido a concorrência predatória de PAs irregularmente instalados e operados. Essa situação foi, mais uma vez, pormenorizadamente apresentada às autoridades máximas da ANP, que paciente e elegantemente nos ouviram. Certamente será analisada à exaustão pelo excelente corpo técnico que possui a agência. O que nós, revendedores, assim como tantas outras categorias não estamos livres é da burocracia do serviço público. São muitas as idas e vindas, documentos submetidos a departamentos diversos, pareceres, audiências públicas, mais estudos até que uma portaria seja revogada ou outra nova criada em sua substituição. Se seremos, desta vez, atendidos em nossas reivindicações, só o tempo dirá. Por isso, seja sobre esse assunto ou outro qualquer que aflija a revenda é que mais uma vez conclamamos a todo revendedor, em especial aos nossos associados, para que estejam atentos, mantenham contato com as autoridades de seu município, manifestem sua opinião ao representante legislativo a quem destinou seu voto, participem das reuniões, do cotidiano de seu sindicato, fundamente suas expectativas com a leitura frequente das circulares, clippings, avisos que lhes enviamos, visite diariamente o Portal Resan, capacite-se e participe. Nossa revista tem sido dedicada exclusivamente à atualização do setor. De nossa parte, reafirmamos o compromisso de jamais esmorecer!


COMPRESSORES GERAM RISCOS SEVEROS E EXIGEM INSPEÇÃO PERIÓDICA

T

Todo posto de combustível está sujeito à fiscalização do Ministério do Trabalho quanto ao cumprimento da NR13, que estabelece as regras de manutenção e inspeção em vasos compressores, mais conhecidos como compressores. Os equipamentos existentes nos postos têm volume maior de 20 litros e pressão mínima de 7 kg (ou 100 libras), o que obriga o cumprimento da norma regulamentadora. Um acidente com um compressor é capaz de provocar danos de grande monta devido à quantidade de ar comprimido dentro do vaso. Aliás, para explicar melhor o assunto é preciso destacar que o equipamento é formado por um motor, uma unidade compressora e um vaso de pressão. Apenas o vaso é submetido à NR, por ser ele o gerador de riscos. Segundo Mauro Borges Garcia, da MCO Manutenção e Comércio Ltda, a NR-13 determina que todo o equipamento tenha uma inspeção inicial, que pode ser feita no ato da instalação ou quando o sistema for entrar em funcionamento pela primeira vez; uma inspeção periódica, que no caso dos postos deve ocorrer a cada cinco anos para as partes externas e a cada dez anos na verificação interna; e testes hidrostáticos. PRIMEIRA VEZ

Nos postos, compressores são usados na calibragem de pneus, na troca de óleo, equipamentos de lavagem, entre outros

O LIVRO O Registro de Segurança, constituído por livro de páginas numeradas, pastas ou sistema informatizado ou não, com confiabilidade equivalente, deve conter todas as ocorrências importantes que possam influir nas condições de segurança dos vasos (compressores); e os dados gerados na inspeção de segurança.

Na primeira inspeção realizada, o proprietário do compressor deve apresentar ao engenheiro o prontuário enviado pelo fabricante, com de Ultrassom para determinar a espessura das chapas que as especificações sobre a válvula de segurança, formam o vaso de pressão. manômetro (indicador de pressão), especificações dos “Há um desgaste natural das chapas por conta da materiais, qualificação do soldador e o resultado do umidade do ar. Por isso é feito o monitoramento. Se a teste hidrostático realizado no ato da fabricação. espessura reduzir daquela especificada pelo fabricante, Com esses dados, o engenheiro por exemplo de 3 para 2,5 mm, é “Apesar do custo, o responsável fará a abertura do chamarefeito o cálculo de PTMA (Pressão do Livro de Registro de Segurança, irá descumprimento da NR-13 Máxima de Trabalho Admissível) e a recolher a Anotação Técnica Responpressão recomendada para o vaso pode pode até provocar problesável (ART) e realizar o teste ser reduzida”, explica Borges. mas com as seguradoras em hidrostático na instalação (ensaio em casos de sinistros. É como INTERNA que o vaso é abastecido com água e se você um carro segurado pressurizado com a água até atingir A vistoria interna dos vasos deve ser fosse dirigido por um moto1,5 vezes a pressão máxima de feita (no caso dos postos) a cada dez rista sem habilitação”, trabalho). Por fim, o equipamento anos. Nessa inspeção, um sistema de Mauro Borges receberá um prontuário. câmera é introduzido no recipiente para Diretor comercial da MCO observar o estado das paredes internas. PERIÓDICA CUSTOS No caso dos postos, a inspeção deve ocorrer de cinco em cinco anos. Além dos relatórios, da ART, da verificação visual do estado do equipamento, o engenheiro faz a medição com aparelho

O investimento do dono de posto no cumprimento da NR-13 varia de R$ 980,00 a R$ 1.400,00 na inspeção inicial e de R$ 550,00 a R$ 700,00 nas periódicas. JUNHO

2009

5


CAMPANHA ‘SOS NORDESTE’ SE ESPALHA PELO PAÍS; REVENDA DÁ SUA CONTRIBUIÇÃO

O

Os revendedores da base do Resan interessados em participar da campanha nacional de doações para as vítimas das enchentes do Nordeste poderão transformar seus postos em pontos de arrecadação de doações. Depois, os donativos poderão ser levados para um dos sete pontos de arrecadação instalados na Baixada Santista como parte da campanha “SOS Nordeste – Fome e Sede têm pressa”. Até o final do mês, 49 pessoas já tinham morrido em decorrência das enchentes, segundo balanço da Secretaria Nacional de Defesa Civil (Sedec). No total, 408 mil pessoas tiveram que abandonar suas casas devido às fortes que já causaram danos a 429 municípios localizados em 12 estados: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba,

REVENDEDORES SOLIDÁRIOS. PARTICIPE!! Os revendedores de Alagoas, associados ao SindicombustíveisAL organizaram a campanha Revendedores Solidários – Faça da Solidariedade o Combustível de sua Vida! Doe seu agasalho e ajude as vítimas das chuvas. A Fecombustíveis também apoia as campanhas. O diretor da ANP, Allan Kardec, nascido no Maranhão, também vem pedindo ajuda da categoria para minimizar o sofrimento dos desabrigados do Nordeste. Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Amazonas, Pará e Santa Catarina.

QUADRILHA DE CAMINHONEIROS LESA POSTOS DE RODOVIA EM VÁRIOS ESTADOS

U

Uma quadrilha composta por quatro ou mais motoristas da cidade de João Pessoa (PB), foi identificada por passar cheques clonados em nome da Rodogrande Transportes de Campo Grande (MS) e da Transportadora Londrifruti, de Londrina (PR). Portanto, o alerta deve ser dado aos funcionários dos postos para que fiquem alertas caso sejam identificadas as seguintes placas (que podem estar invertidas entre os caminhões): KFO-5710 - MMQ-9129 - (Scania 113 vermelha) ADP-4440 - MXM-0660 - (Volvo NL-10 Branco) SCANIA 112 BRANCO - FAIXA CINZA (no parabrisa está escrito “Basta ter fé”). A quadrilha usaria documentos falsos ou roubados de: Fagner Torres, RG 2.399.465 – Telefones: (41) 8820-2800 e (66) 92212976

6

6 JUNHO

2009

Adílson Aparecido Peres, CPF 128.844.148-78 e RG 22.254.837 – SSP/SP Jorge Martins da Silva, CPF 921.167.016-00 – Telefones: (38) 3223-6339/9124-1620- MG Gilson da Silva Cabral, Telefone: (83) 8855-9278 Postos lesados entre 6/5/2009 até 21/ 5/2009: Posto Malaquias II = R$ 4.000,00 Posto Cupim - Paranaguá = R$ 6.000,00 Tecno Pneus - Ponta Grossa = R$ 8.100,00 Posto Alexandria - Candido Mota (SP) = R$ 1.900,00 Posto Taquari – São Paulo = R$ 5.000,00 Posto Mendonça – Sabaudia (PR) = R$ 4.000,00 Posto Kennedy – Ourinhos (SP) = R$4.000,00

PONTOS DE ENTREGA DE DONATIVOS NA REGIÃO Santos Fundo Social de Solidariedade – Avenida Conselheiro Nébias, 388 São Vicente Fundo Social de Solidariedade – Rua Benedito Calixto, 205 Itanhaém Fundo Social de Solidariedade – Rua Cunha Moreira, 61 Mongaguá Fundo Social de Solidariedade – Avenida Marina, 65 Cubatão Fundo Social de Solidariedade – Rua da Cidadania, 277 Bertioga Fundo Social de Solidariedade – Rua Pereira de Campos, 67 Praia Grande Praça São Pedro – Vila Caiçara Guarujá Fundo Social de Solidariedade- Rua Cavaleito Nami Jaffet, 549

CARTA DO

LEITOR A Câmara Municipal de Santos, em sessão realizada no dia 11 de maio, aprovou requerimento de autoria do vereador Adílson Júnior, subscrito pelos Edis srs. Braz Antunes Mattos e Marcelo Del Boso, transmitindo a V.Sa. os votos de congratulações desta Casa Legislativa pelos dezesseis anos de fundação do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Lava-rápidos e Estacionamentos de Santos e Região. Marcus De Rosis Presidente (Santos, 12/maio/2009)


MOTIVAÇÃO & SUCESSO

O VENDEDOR E A CRISE O associado cadastrado no Portal Resan receberá semanalmente um artigo do Professor Marins, um dos mais renomados consultores empresariais do País

Por Prof. Luiz Marins

Se há uma palavra que ninguém gosta de ouvir é “crise”. Principalmente quem trabalha em vendas. E, sem dúvida alguma, parece que a dita cuja está querendo aportar, novamente, à terra de Cabral. A crise financeira internacional que assola, principalmente a Europa e EUA, nos dá uma visão bastante certa de que teremos alguns momentos de dificuldade pela frente, também no Brasil. E nestes momentos, qual o comportamento que deveremos ter como empresa e como profissionais de vendas? A situação que nos traz tanta preocupação é resultante de uma crise de crédito e consequente alto custo do dinheiro. Hoje, sem dúvida, o produto mais “caro” que existe é o próprio dinheiro. Nestes momentos, que são sempre transitórios, a empresa e mesmo as pessoas físicas devem voltar-se para a sua segurança e lutar, séria e serenamente pela sua sobrevivência. E a palavra, embora seja um pouco dura demais é mesmo “sobrevivência”, pois que correm sempre o risco de desaparecerem em meio à crise, se não forem suficientemente adultas e serenas. Como a crise é sempre uma crise de investimentos e de financiamento das atividades, as empresas devem, nesta hora, ter a maior saúde financeira possível. O conceito de “caixa forte” é fundamental. Todos os recursos do capital de giro de uma empresa devem estar dentro da empresa, seguros e otimizados. Empresas que tem o seu capital próprio nas mãos de outras empresas ou pessoas dificilmente poderão sobreviver. Assim, são preceitos fundamentais deste momento econômico: a) INDEPENDÊNCIA DE CAPITAL DE TERCEIROS: As empresas (e mesmo as pessoas físicas) devem fazer todo o esforço possível para que mantenham a maior independência possível do capital de terceiros. Isto significa, não estar dependente de crédito, seja em bancos ou de outra maneira, seja direta ou indiretamente. Todos nós

sabemos que há uma escassez de crédito. E todo esforço para se livrar dessa dependência é válido e necessário neste momento. (b) REDUZIR DRASTICAMENTE O AUTOFINANCIAMENTO: O autofinanciamento ocorre quando vendemos a prazo. Isto quer dizer, quando financiamos, com recursos próprios, a compra de nosso próprio produto ao cliente. Este é o principal sorvedouro invisível de uma empresa. Se alguém colocar o custo real de uma carteira de duplicatas, de um “contas a receber”, mesmo numa empresa que aparentemente tenha obtido resultados positivos, verá que, não teve resultados compensatórios. E esses prejuízos serão obtidos mesmo que a empresa consiga receber esses créditos, hoje de duvidosa realização. Basta fazermos o cálculo do custo do dinheiro e teremos o motivo da quebra de muitas empresas que não acordaram para essa realidade e continuam a vender a prazo, fazendo financiamento próprio de suas vendas em épocas de crise. E a pior das contradições é que quanto mais a empresa vender, mais ela sofrerá e mais rapidamente quebrará! Além disso, temos que considerar que a empresa comercial ou industrial não tem vocação para financiar vendas. Isto porque ela não tem mecanismos legais que o sistema bancário possui e nem mesmo a tradição e agilidade bancária ao cobrar seus débitos. Assim, a empresa comercial, ao cobrar, transige no prazo, transige nos juros de mora, “dá mais um ou dois dias...” etc. E é bom que não se tenha nenhuma ilusão, pois esta é a principal razão, repito, da quebra da maioria das empresas em épocas de crise: falta de caixa. Assim, em benefício da saúde financeira da empresa e portanto da manutenção do pleno emprego , do resguardo do patrimônio empresarial, todo o corpo de funcionários, principalmente os vendedores, devem ter essa maturidade e profissionalismo para

evitar a pressão por prazos. Se o cliente não tem condições de comprar, é melhor não vender do que faze um “furo” em nosso próprio barco. As exceções, se por ventura existirem, devem ser tratadas com extremo cuidado como real “exceção”, isto é, devem ser evitadas ao máximo. E aí deve estar um fator de alta profissionalização do homem de vendas, pois é justamente nesta época que os clientes pressionam por mais prazos e descontos. Ter uma visão adulta e séria do efeito arrasador de uma carteira de duplicatas é essencial para qualquer profissional de vendas nesta época. O que é preciso ser compreendido é que em épocas de crise, todos perdemos: o País perde, as empresas perdem e as pessoas perdem. Há empresas que adotam como meta, sair de crise com o mesmo patrimônio apenas. Nada mais. Da mesma forma, todos sabemos, de antemão, que ganharemos menos, mas o importante é que possamos manter nosso patrimônio e nosso emprego nesta fase. É hora, pois, de abrirmos o guarda-chuva e esperarmos a tempestade. É hora de cuidar do caixa. Pense nisso. Sucesso! Divulgação / José Neto

Marins é colunista do Portal Resan JUNHO

2009

7


NÃO SE ESQUEÇA DO CARTAZ DE ‘PROIBIDO FUMAR’ Lei Lei antifumo antifumo também também atinge atinge as as lojas lojas de de conveniência conveniência

S

Se nas pistas dos postos de combustíveis já não era permitido fumar por questões de segurança, com a nova legislação antifumo do Estado de São Paulo, sancionada pelo governador José Serra no dia 7 de maio e que entrará em vigor no dia 6 de agosto, o cigarro deverá ser banido de qualquer área ou estabelecimento anexo ao posto. A lei que proíbe o fumo em ambientes fechados de uso coletivo já é aplicada em cidades como Paris, Nova York e Buenos Aires para promoção de ambientes livres da poluição pela fumaça do cigarro. A responsabilidade, no entanto, pelo cumprimento da lei recai sobre os comerciantes, que devem, entre outras medidas, advertir os fumantes e afixar avisos sobre a proibição em locais visíveis. As sanções poderão ser aplicadas pela Vigilância Sanitária e Procon, atingindo exclusivamente os estabelecimentos que descumprirem a nova lei. Não haverá fiscalização e nem penalidades aos fumantes. Um canal para denúncias da população sobre locais que infringirem a legislação será divulgado pela Secretaria de Saúde do Estado. Pela nova lei, não será permitido consumir cigarros, charutos, cigarrilhas, charutos, cachimbos, narguiles ou quaisquer outros produtos fumígenos em bares, restaurantes, danceterias, boates, cinemas, shoppings, bancos, supermercados, açougues, padarias, farmácias, repartições públicas, instituições de saúde e escolas. Também fica proibido fumar em casas de espetáculo, ambientes de trabalho, estudo, culto religioso, lazer, esporte e entretenimento, bibliotecas, espaços de exposições, veículos de transporte coletivo, táxis e nas áreas comuns de condomínios, hotéis, pousadas e dos condomínios residenciais e comerciais.

88

JUNHO JUNHO JUNHO

2009 2009 2009

Cartazes com alerta sobre a proibição de fumar e a retirada de cinzeiros são as primeiras providências a serem tomadas pelos estabelecimentos comerciais Cinzeiros e bitucas servirão como evidências do descumprimento à lei A lei prevê ainda que somente o cheiro da fumaça de cigarro já pode ser considerado um indicativo de irregularidade

ONDE A LEI NÃO SE ENQUADRA?

A

A multa aplicada será de R$ 792,50, na primeira notificação, e o dobro na segunda. Na terceira autuação, o prédio será interditado pela Vigilância Sanitária por 48 horas, podendo ser fechado por até 30 dias em reincidências

A lei não se aplica às residências, às vias públicas e aos espaços ao ar livre, às instituições de tratamento de saúde que tenham pacientes autorizados a fumar, às tabacarias e aos locais de culto religioso em que o uso de produto fumígeno faça parte do ritual. O fumo em quartos de hotéis, pousadas e similares, desde que estejam ocupados, será liberado. Não haverá restrição aos estádios de futebol, que são considerados locais abertos. A nova legislação também não se aplicará a cadeias e centros de detenção, que possuem regulamentação própria.

É PROIBIDO FUMAR

FUMAÇA LIBERADA

SHOPPINGS E LOJAS Proibido fumar e fumódromos também não são permitidos.

MESAS NAS CALÇADAS Em mesas na calçada de bares e restaurantes, desde que o local não esteja isolado por toldos e coberturas laterais PARQUES, PRAÇAS E VIAS PÚBLICAS Desde que em locais ao ar livre ESTÁDIOS DE FUTEBOL QUARTOS DE HOTÉIS E POUSADAS Desde que os quartos estejam ocupados por hóspedes. TABACARIAS Será permitido fumar, desde que esses locais sejam utilizados exclusivamente para venda e consumo de produtos fumígenos.

BARES E RESTAURANTES Nenhum tipo de fumódromo está autorizado. HOTÉIS E POUSADAS Em áreas fechadas ou parcialmente fechadas de uso coletivo, como saguões, restaurantes e corredores CONDOMÍNIOS Em áreas fechadas ou parcialmente fechadas de uso coletivo, como hall de entrada, corredores e salões de festa.

EMPRESAS E ESCRITÓRIOS No interior desses estabelecimentos não será permitido fumar e nem pode existir fumódromos. BOATES E CASAS DE SHOWS Proibido fumar e fumódromos também devem ser banidos. ESCOLAS, MUSEUS E BIBLIOTECAS CINEMAS E TEATROS No interior desses estabelecimentos não será permitido fumar. Nenhum tipo de fumódromo está autorizado. VEÍCULOS PÚBLICOS OU PRIVADOS DE TRANSPORTE COLETIVO Em ônibus e táxis é proibido fumar


JUNHO

2009

9


PARA NÃO ERRAR... PASSO A PASSO DOS TESTES DE QUALIDADE DA GASOLINA E DO ÁLCOOL (ETANOL)

10 10

JUNHO

2009

Além das duas provetas de um litro cada e de uma terceira de 100 ml, tenha densímetros para óleos minerais de 0,700 a 0,750 ou 0,750 a 0,800 e um termômetro de 0 a 50º C. A água destilada deve ficar num frasco com conta-gotas para facilitar a adição exata do produto.

GASOLINA ASPECTO VISUAL Colete um litro de amostra da gasolina na proveta de 1.000 ml ( 1 litro), colocando-a em uma superfície plana, protegida do sol e correntes de ar, observando se o produto está límpido e isento de material em suspensão. ○

Nesta edição, Postos & Serviços traz um passo a passo completo sobre como promover os testes de qualidade na gasolina e no álcool. O procedimento é exatamente o mesmo que deve ser realizado caso algum consumidor queira ver o resultado da análise do combustível vendido na bomba do seu posto. Portanto, ter um funcionário capacitado para promover o teste é premissa fundamental para evitar problemas tanto com clientes quanto para garantir o atendimento à legislação em vigor. Mais do que ter as provetas, termômetros e densímetros, o posto deve manter um local apropriado para as análises, com armário fechado onde as amostras-testemunhas (caso essa seja a opção escolhida) ficarão guardadas. A operação recomeça a cada descarregamento de combustíveis no posto. É nesse momento e tão somente agora que o revendedor poderá se resguardar de possíveis contestações da conformidade dos produtos. Na gasolina, os testes incluem o teor de álcool, aspecto visual (aparência) e densidade. Já no álcool, a análise irá apurar também o aspecto visual, o teor alcoólico e a massa específica.

TODO CUIDADO É POUCO Depois de verificado se os compartimentos de entrada e saída, bocais de entrada ou escotilha superior e válvulas dos bocais de descarga do caminhão-tanque estão lacrados, o funcionário responsável pelo recebimento do produto deve coletar a amostra de dentro do tanque. Para analisar o combustível, a ANP determina a retirada de, aproximadamente, 10 litros do produto em balde apropriado e limpo.

TEOR DE ÁLCOOL Numa proveta de 100 ml com ro lha de vidro esmerilhada (graduada com divisões de 1 ml) coloque 50 ml de gasolina e mais 50 ml de água destilada (solução de água com 100 gramas de sal por litro). Utilize superfície plana para verificar o nível exato dos produtos. Qualquer mililitro a mais irá alterar o resultado final. ○

Coletar amostra-testemunha não é mais um procedimento obrigatório nos postos revendedores desde a publicação da Resolução ANP 09/2007. Entretanto, a análise dos produtos descarregados pelas distribuidoras ou mesmo trazidos ao posto em caminhões próprios continua sendo exigida, com os dados devidamente anotados no Registro de Análise de Qualidade. Nos casos de revendedores que não queiram realizar os testes, o formulário deverá ser preenchido com os dados enviados pela companhia, responsabilizando-se caso haja qualquer reclamação por parte do consumidor ou acusação de não-conformidade do produto por parte da fiscalização.

1

2 3

Vede o frasco.

Em movimentos leves, movimente a proveta seguidas vezes de cabeça para baixo (repetir por pelo menos três vezes), para misturar as fases.

4

A gasolina (menos densa) ficará se parada da água, que é mais pesada e descerá para o fundo do recipiente absorvendo o álcool anidro.

5

Nesse teste, a parte que contém a água e o álcool atingiu 62 ml. A diferença entre a quantidade inicial de álcool é de 12 ml, que deve ser multiplicado por 2. RESULTADO 24% de álcool misturado à gasolina. Como a especificação atual da ANP permite uma mistura entre 24% e 26%, o produto está aprovado.


vada” e o resultado correspondente à “Temperatura Observada” de 26º C. 1 Volume Inicial de gasolina foi de 50 ml. A conversão encontrada na ta 2 Volume Inicial de água foi de 50 ml. bela foi de 0,7418, que estava 3 Volume final da mistura da água mais o dentro do estabelecido pelo boletim da companhia, que traz as álcool anidro vai ser de 62 ml a 63 ml especificações do produto. A dife4 Volume final da Gasolina vai ser de rença entre os dados coletados e o 37 ml a 38 ml. informado pela distribuidora não poderá nunca ser maior ou menor 5 Diferença entre o volume inicial e o do que 0,003. final de água vai ser de mais 12 ml a Observação: As distribuidoras são 13 ml. obrigadas a informar na Nota Fis6 Multiplicando a diferença por 2, cal do produto o valor da densidade relativa da gasolina obteremos resultado entre 24 e 26 ml de comercializada, conforme determiálcool, atual especificação permitida na a Portaria-ANP nº 71/98. (25% + ou - 1% de anidro na mistura)

são de 0,5º C. No nosso teste, a temperatura encontrada foi de 26º C. Exemplo: Com a densidade do álcool a 0,805, e com a temperatura de 26º C, qual será o Teor Alcoólico? - Procure na tabela a coluna correspondente à temperatura encontrada de 26º C e localize o valor 0,805 achado para a Massa Específica. Na coluna da direita, na mesma linha da Massa Específica encontrada está indicado o Teor Alcoólico que será de 92,9º INPM ou porcentagem em peso. - Portanto, o produto estará dentro das especificações, já que o mínimo do teor alcoólico permitido seria de 92,6º INPM e máximo de 93,8º INPM Observação: quanto mais baixo o teor alcoólico mais água terá o produto e vice-versa, quanto maior o teor alcoólico menos água terá o combustível analisado.

PASSO A PASSO

4

1

Coloque o densímetro na proveta, até que ele flutue livremente, sem encostar nas paredes. A leitura é feita sem retirá-lo do interior do recipiente e do contato com o produto.

2

Coloque o termômetro na gaso lina de modo que o mercúrio fique totalmente imerso no produto, deixando-o em contato por 2 minutos.

ÁLCOOL

DENSIDADE RELATIVA

ASPECTO VISUAL Colete um litro de amostra do álcool na proveta de 1.000 ml (1 litro), colocando-a em uma superfície plana, protegida do sol e correntes de ar, observando se o produto está límpido e sem partículas em suspensão.

TEOR ALCOÓLICO / MASSA ESPECÍFICA ○

3

Nesse teste, os resultados foram de 0,737 para densidade e 26º C para a temperatura. Exemplo: Com a densidade a 0,737 e temperatura de 26º C anotadas na planilha, o próximo passo será fazer a conversão a 20º C. Procure o valor 0,737 na coluna da tabela “Densidade Obser-

1

Faça a leitura sem retirar o instru mento da proveta. A densidade admitida no álcool está entre 0,8076 a 0,8110 de Massa Específica e o Teor Alcoólico está entre 92,6 a 93,8. Na amostra colhida, o resultado encontrado para a densidade foi de 0,805. Observação: Não é aconselhável efetuar o arredondamento na leitura da densidade, pois a correção poderá coincidir com os níveis máximos e mínimos permitidos, o que determina que o produto poderá estar fora das especificações.

2

Colocar o termômetro no álcool de modo que o mercúrio fique totalmente imerso no produto, deixandoo por dois minutos, no mínimo. A leitura deve ser feita sem a retirada do termômetro da proveta e com preci-

Caso sejam constatadas irregularidades no combustível durante os testes de qualidade, o revendedor é obrigado a recusar o recebimento do produto e comunicar o fato à ANP, em no máximo 24 horas, informando o tipo de combustível, a data da ocorrência, o número e data de emissão da nota fiscal e o CNPJ do emitente da Nota Fiscal. JUNHO

2009

11


AMOSTRA-TESTEMUNHA CONTINUA A SER SUA ‘MELHOR AMIGA’ Procedimento serve de prova de defesa em caso de processo administrativo ou judicial que coloque a qualidade em xeque

C

Como o diesel é o único produto cuja análise não pode ser feita no posto, pela incapacidade de identificar a quantidade de biodiesel na mistura, o Resan orienta o revendedor a manter a amostra-testemunha do produto apesar da não obrigatoriedade prevista na Resolução 09/2007, da ANP. Nos demais produtos (álcool e gasolina), depois de realizados os testes e anotados os resultados nos registros de análise de qualidade, não há segredo em guardar o produto em frascos de vidro escuro (de responsabilidade do revendedor), com capacidade de um litro e fechado com tampa plástica, sendo acondicionado dentro do envelope de segurança numerado fornecido pela distribuidora. Nesses casos, o revendedor deve comunicar a distribuidora de sua intenção de guardar a amostra-testemunha, para que o envelope seja enviado junto com o carregamento. Caso a distribuidora não forneça o envelope, a ANP recomenda recusar o produto. Devem ser coletadas amostras de todos os compartimentos com combustível a ser descarregado. Antes da coleta, o frasco da amostra-testemunha deverá ser lavado duas vezes, agitandoo com cerca de 200 ml do combustível recebido. A numeração/código dos envelopes deve ser anotada no canhoto da nota fiscal pelo representante da distribuidora e conferido pelo responsável do posto na hora em que for feita a coleta. Dentro do envelope, juntamente com o vidro da amostra, deverão ser colocados os lacres dos compartimentos do caminhão-tanque. No caso do revendedor possuir caminhãopróprio, a amostra deverá ser retirada na base e os números dos lacres dos compartimentos do caminhão-tanque serão anotados no exterior do envelope de segurança. É necessário que as amostras sejam guardadas em lugar arejado, sem incidência direta de luz e distantes de fontes de calor. A ANP recomenda guardar as amostras-testemunha dos dois últimos recebimentos para poder vinculá-las às contraprovas. Não se esqueça que a amostra-testemunha pode ser utilizada como prova de defesa em caso de processo administrativo ou judicial, desde que sejam seguidos rigorosamente os procedimentos descritos no Regulamento Técnico nº 1, especificado na Resolução nº9. 12 12

JUNHO

2009


“MINHA VIDA É UMA CORRIDA DANADA... LITERALMENTE..” Sete horas diárias na administração de um posto, uma pausa para o almoço, três horas de musculação e quatro horas de treino. É essa a rotina corrida de Jaciel Paulino, um funcionário da revenda há 19 anos, mas que há 11 que se divide entre as atividades do setor administrativo do Auto Posto Mar Azul, na Ponta da Praia, em Santos, e o atletismo.

Jaciel nasceu em Nossa Senhora do Cambucá, em Pernambuco, mas veio morar em Santos aos 2 anos de idade, um pouco depois de contrair poliomielite, doença que o tornou paraplégico. Largou os estudos antes de concluir o colegial e começou a trabalhar no Auto Posto Mar Azul com 17 anos, como auxiliar administrativo, cargo que atua até hoje, aos 36. Há 11 anos, o auxiliar resolveu entrar no time de basquete do Rebouças, em Santos, para melhorar a qualidade de vida. Ruim de arremessos, mas bom de corrida, ele passou a se dedicar ao atletismo. Um professor da academia do Rebouças se interessou pelo atleta e assim resolveram descobrir juntos como funcionava a corrida em cima de cadeiras de rodas. Quem vê o atleta atualmente mal sabe dos problemas pelos quais já passou. Em sua primeira competição, em Caieiras (SP), em 2003, Jaciel corria com a cadeira cedida pela prefeitura, que era grande demais. Sem luvas, sem saber adaptar a cadeira ao seu corpo e sem muita experiência, se desequilibrou e tombou no fim da corrida, ficando em último lugar. Assim como a experiência e o talento, o reconhecimento foi crescendo a cada dia até que conseguiu o patrocínio da Fila. O problema com a cadeira veio se resolver apenas 2 anos depois, quando o patrocinador o presenteou com uma cadeira importada, mais leve e mais adaptável. Pai de duas filhas e à espera de um menino, o atleta tem pouco tempo para ficar em casa. Além dos treinos, quase todos os finais de semana Jaciel compete. Mesmo com tanta correria, Jaciel tem planos para o ano que vem: recomeçar a

Tricampeão dos 10KM Tribuna FM, Jaciel é funcionário do Auto Posto Mar Azul

faculdade de Educação Física que teve que largar há quatro anos por dificuldades financeiras. “Eu penso no futuro”. ESCOLINHA Os planos deste campeão não param por aí. Ele e sua equipe “Fast Wheels” querem abrir uma escolhinha de atletismo no Rebouças para novos atletas cadeirantes. A intenção é tirar os deficientes de casa, e torná-los profissionais e incentivá-los além do es-

porte, sobretudo na educação. “Queremos que o esporte seja uma porta para um mundo novo. É a verdadeira inclusão social”. A especialidade de Jaciel são as provas de 100 metros, mas já ganhou muitos outros títulos. Ele comenta decepcionado sobre a diferença de premiação entre deficientes e não-deficientes. “Quase nenhuma competição dá prêmio em dinheiro para deficiente, dão só o troféu”.

NO POSTO, DEDICAÇÃO E COMPANHEIRISMO

M

Mesmo muito ligado aos esportes, Jaciel nem pensa em largar o posto. “Quando estou viajando para competições, fico com a cabeça no posto, quero voltar logo porque sei que sempre tem algo para resolver”. O posto foi seu primeiro e único emprego até hoje. Nesses anos todos, seus colegas de trabalho e clientes acompanham também sua trajetória nos esportes. De noite, quando treina pelas ruas perto do Rebouças, passa na frente do posto que trabalha durante o dia. Jaciel é tricampeão dos 10 Km Tribuna FM. A torcida é tão grande que uma cliente do posto ouviu no rádio que ele havia ganhado a prova e passou no posto na mesma hora para avisar os companheiros de trabalho. Sem adaptação, Jaciel chega ao escritório do posto pelas escadas, com suas muletas. É dessa forma que ele vem levando a vida, superando obstáculos e servindo de exemplo para quem está à sua volta. JUNHO

2009

13


SEM IMPOSTOS, GASOLINA É VENDIDA A R$

1 O

1,4624

145. Guarde esse número. Toda vez que alguém lhe perguntar como é viver no país dos impostos, responda simplesmente que é o mesmo que ter de trabalhar 145 dias para pagar tributos. Nesse ano, por exemplo, o brasileiro trabalhou de 1º de janeiro a 25 de maio para cumprir suas obrigações com o Fisco. Como os combustíveis estão entre os produtos mais tributados, pela primeira vez em São Paulo, aconteceu o Dia da Liberdade de Impostos em que o litro da gasolina foi vendido a R$ 1,4624 para o consumidor final. Com os impostos devidamente acrescidos, o mesmo produto custava, na data, R$ 2,399. A iniciativa do Instituto Mises Brasil e do Movimento Endireita Brasil ocorreu concomitantemente em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre. O protesto já é conhecido em outros países como Free Tax Day. Embora não tenha sido organizado por entidades ligadas à revenda de combustíveis, a gasolina, diesel e o álcool são os principais exemplos dos percentuais exorbitantes de tributos como a CIDE, PIS, Cofins e ICMS que incidem nesses produtos. Para Ricardo Salles, um dos organizadores do protesto, o objetivo principal é “permitir que a população perceba o quanto os gastos governamentais pesam no bolso. A sobrecarga tributária impede o crescimento econômico e quem sofre mais são as pessoas com menor renda”. Postos & Serviços entrevistou Patrícia Kulaif, proprietária do Centro Automotivo Portal das Perdizes, onde seis mil litros de gasolina foram destinados à campanha. Ela disse que decidiu apoiar o Dia da Liberdade de Impostos para colaborar com a difusão de informações. “Precisamos conscientizar o consumidor, porque ele não sabe o percentual de impostos que incide sobre o preço da gasolina. Se não fosse a alta carga tributária, nós poderíamos cobrar menos pelo combustível. Essa é uma informação que a maioria das pessoas não tem conhecimento”. A diferença no preço do combustível foi paga pelas entidades organizadoras do protesto. Um exemplo de que combustível mais barato faria girar a roda da economia é que uma fila de veículos se formou no posto, com motoristas tentando pegar senhas desde antes das 7 horas. As vendas foram limitadas a 25 litros de gasolina por veículo.

A

14

JUNHO

2009

Em SP, protesto ocorreu apenas em um posto da Capital


FORÇA-TAREFA FISCALIZA VENDA DE GLP NA REGIÃO cadastramento para revendedores de GLP para estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo (Capital), Mato Grosso do Sul, Paraíba e Pernambuco. O prazo, iniciado em 6 de abril, segue até 6 de fevereiro de 2010. O prazo para os revendedores do Acre, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Paraná, Rondônia e Sergipe expirará em 18 de agosto deste ano. COMO PROCEDER

O cadastramento dos revendedores de GLP da Baixada Santista e Vale do Ribeira já foi encerrado pela ANP. Entretanto, quem perdeu o prazo para preenchimento do cadastro ou deixou de encaminhar a documentação para a Agência poderá figurar como ponto de venda clandestino. Assim, para regularizar a situação é preciso encaminhar documentação à empresa G & P Projetos e Sistemas Ltda, contratada pela ANP para cadastrar os estabelecimentos que comercializam GLP em todo o País. O alerta é necessário já que várias operações de fiscalização estão sendo realizadas por uma força-tarefa que inclui ANP, prefeituras, Agência Metropolitana da Baixada Santista (Agem) e Polícia Militar para verificar desde irregularidades no acondicionamento dos botijões até a inexistência de alvará de funcionamento, laudo do Corpo de Bombeiros e a falta de autorização da ANP para o exercício da atividade de revenda de gás. A ANP faz nesse momento o

O

Revendedores interessados em vender GLP e que ainda não estejam autorizados pela ANP, ou seja, os revendedores novos, deverão encaminhar seus requerimentos de autorização diretamente para a G & P Projetos e Sistemas Ltda., no endereço Avenida Rio Branco, 99 – 12º andar – Centro – CEP 20040004 - Rio de Janeiro/RJ. A empresa procederá a análise da documentação, mas caberá à Agência a concessão da outorga de autorização para o exercício da atividade de revenda de gás liquefeito de petróleo. O início da venda de GLP só poderá ocorrer após a publicação da autorização no Diário Oficial da União.

REQUISITOS NECESSÁRIOS Requerimento para o exercício da atividade de revenda de GLP modelo disponível no site da ANP: www.anp.gov.br/petro/revenda_glp.asp Ficha Cadastral - modelo disponí vel no site da ANP no endereço: www.anp.gov.br/petro/revenda_glp.asp - com assinatura do sócio da revenda ou do representante legal, acompanhada de cópia autenticada da procuração, com reconhecimento de firma; Comprovante de inscrição e de situação cadastral no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica – CNPJ, contemplando a atividade de revenda de GLP, referente a cada estabelecimento, matriz ou filial, da empresa requerente; Cópia do documento de inscrição estadual; Cópia autenticada do estatuto ou contrato social arquivado na Junta Comercial e, quando alterado, de sua mais recente consolidação, contemplando a atividade de comércio varejista de GLP dentre as atividades econômicas da empresa; Cópia autenticada do alvará de licença de funcionamento, expedido pela prefeitura, contemplando a regularidade para a revenda de GLP; Certificado do Corpo de Bombei ros Militar, que contemple a habilitação para a atividade de revenda de GLP, de acordo com a regulamentação vigente e a capacidade de armazenamento das instalações em quilogramas de GLP, em conformidade com a legislação aplicável (Resolução ANP nº 5/08 – que adota a NBR 15514:2007).

1 2

3 4 5

6 7

INTERDIÇÕES, MULTAS E 677 BOTIJÕES APREENDIDOS

A

A primeira ação de vistorias em pontos de venda irregular de GLP em Santos aconteceu dia 14 de maio. No total, 11 locais em diferentes pontos da cidade foram vistoriados, dos quais seis foram interditados. A ANP e a Secretaria Municipal de Finanças, que integram a força-tarefa, multaram nove estabelecimentos, enquanto a

Guarda Municipal registrou um boletim de ocorrência. O saldo da operação terminou com 677 botijões apreendidos. Os pontos vistoriados apresentaram irregularidades de armazenamento, segurança, falta de licença para a venda, e a ausência de sistema de proteção de incêndio. O maior índice de irregularidades foi encontrado na Zona Noroeste. JUNHO

2009

15


PUBLICADALEI PARA RETOMADA DAS VENDAS DE CARROS PARCELAMENTO DE 0KM É BOA NOTÍCIA DÍVIDAS COM A UNIÃO parcelamento de débitos federais PARA A REVENDA DE O(vencidos até 30 de novembro de COMBUSTÍVEIS 2008) trazido pela lei 11.941/2009, O setor de venda de veículos retomou os mesmos rumos do primeiro semestre do ano passado. Segundo dados divulgados no dia 4 de junho pela Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), o licenciamento de 1,150 milhão de veículos nos primeiros cinco meses deste ano ano mostra vendas quase idênticas às do mesmo período do ano passado, com queda de apenas 0,1%. O presidente da Anfavea, Jackson Schneider, ressaltou que a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e a melhora no crédito ocorrida a partir de abril possibilitaram o resultado. “Estamos no mesmo ritmo, considerando que 2008 foi o melhor ano da história”, avaliou. Levando em conta apenas maio, os 247 mil veículos vendidos representam crescimento de 5,4% em relação a abril e de 2,1% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Schneider acredita que o fim da redução do IPI na venda de veículos novos, previsto para o próximo dia 30, levará à antecipação das vendas neste mês. Consequentemente, ele estimou que haverá queda no número de unidades comercializadas em julho. “Temos nossas preocupações referentes a isso [fim do IPI reduzido]. E temos que esperar para ver qual vai ser a contundência desse fato a partir de julho e as suas consequências para o nosso mercado e para a produção destinada a esse mercado.” Segundo o presidente da Anfavea, não está havendo negociação com o governo federal para pedir uma prorrogação do benefício fiscal. 16

JUNHO

2009

O

poderá ser feito em até 180 meses. Estão abrangidos nesse parcelamento: a) débitos administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) e os débitos para com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN); b) saldo remanescente dos débitos consolidados no REFIS, no PAES, no PAEX, no parcelamento previsto no art. 38 da Lei nº 8.212 de 1991 (parcelamento previdenciário), e no parcelamento previsto no art. 10 da Lei nº 10.522 de 2002 (parcelamento federal), mesmo que tenham sido excluídos dos respectivos programas e parcelamentos; c) débitos decorrentes do aproveitamento indevido de créditos do IPI oriundos da aquisição de matérias-primas, material de embalagem e produtos intermediários relacionados na TIPI com incidência de alíquota 0 (zero) ou como não-tributados. Os débitos que não foram objeto de parcelamentos anteriores poderão ser pagos ou parcelados com redução de multas e juros. O prazo para opção pelo pagamento a vista ou pelos parcelamentos de débitos aqui tratados deverá ser efetivada até o último dia útil de novembro de 2009. REMISSÃO Foram remitidos os débitos com a Fazenda Nacional, inclusive aqueles com exigibilidade suspensa que, em 31 de dezembro de 2007, estejam vencidos há cinco anos ou mais e cujo valor total consolidado, nessa mesma data, seja igual ou inferior a R$ 10.000,00 (dez mil reais).


RANKING DE CUSTOS E PREÇOS ABRIL X MAIO 2009 Confira os índices máximos e mínimos e as variações de preços e custos de combustíveis, segundo dados oficiais da Agência Nacional de Petróleo (ANP). Os índices citados são referentes à média nacional, do Estado de São Paulo e de cinco cidades da Baixada Santista (Santos, São Vicente, Praia Grande, Itanhaém, Cubatão e Guarujá) e devem ser utilizados apenas como fonte de informação para o gerenciamento dos postos revendedores.

INDICADORES

ABRIL (1) Semana 26 a 30

PREÇO AO CONSUMIDOR

PREÇO DA DISTRIBUIDORA

MAIO (2) Semana 24 a 30

PREÇO AO CONSUMIDOR

PREÇO DA DISTRIBUIDORA

VARIAÇÕES (2-1)

METODOLOGIA:

Média Consumidor

Média Distribuidora

O Levantamento de Preços e de Margens de Comercialização de Combustíveis abrange Gasolina Comum, Álcool Etílico Hidratado Combustível e Óleo Diesel Comum, pesquisados em 411 municípios em todo o Brasil, inclusive Estado de São Paulo e as cidades de Santos, São Vicente, Praia Grande, Itanhaém, Cubatão e Guarujá. O serviço é realizado pela empresa Polis Pesquisa LTDA., de acordo com procedimentos estabelecidos pela Portaria ANP Nº 202, de 15/08/00. O trabalho paralelo desenvolvido pelo Resan consiste em compilar os dados e calcular as médias de preços e custos praticados pela revenda e pelas distribuidoras, sempre com base nos dados fornecidos pelo site da ANP. Mais informações pelo www.anp.gov.br ou pelo 0800-900267.

CONFIRA OS VALORES DE FORMAÇÃO DOS PREÇOS DA GASOLINA E DIESEL

Fonte: Fecombustíveis (*) Valores médios estimados

PARA ANUNCIAR, LIGUE (11) 5641-4934 OU (11) 9904-7083 INFORMAÇÕES PELO (13) 3229-3535 JUNHO

2009

17


Variedades

ANIVERSARIANTES 2ª QUINZENA DE JUNHO 16 17

22 23

Posto Avenida - Santos Auto Posto Vila Nova - Cubatão

Posto Cubatão Locatelli - Cubatão

Onisvaldo da Costa Ribeiro

Bruno Tasca

Posto Laridany - Miracatu

Posto JB 4 Irmãos - Jacupiranga

Posto Alvorada de Miracatu 9

Auto Posto Ferreira Amado -

Adriano Gomes de Barros

São Vicente

Auto Posto Vila Mirim - Praia Grande

Vilmar Gavazzoni

Luís Fernando Dias Penha

Auto Posto Lambari -Miracatu

Auto Posto Fulgor - Santos

Morada do Sol Auto Posto - Miracatu Posto de Abastecimento 137 -

Marciano Francisco Franco Karim Ibrahim Hejazi

Miracatu 10

26 28

Mônica Fente Diaz Garcia

Luiz Roberto Favoretto Auto Posto Iberá - Itanhaém Manuel Fernando Saraiva Amaral Auto Posto Tamburello - Santos

Posto Santo Antônio - Santos 11 12

tíveis Ltda - Juquiá José Camargo Hernandes Auto Posto Jd Anchieta - Santos Auto Posto Arrastão - Santos 2

Rita Santana de Oliveira Auto Posto Avalanche - São Vicente

Almor Fernandes Morais Auto Posto Malibu - São Vicente Maria Esther Eiras Rodriguez Auto Posto Itanhaém - Itanhaém

Alberto José de Carvalho Neto Fase Quattro Comércio de Combus

Husseim Hejaije Auto Posto e Transp. Hussein - Juquiá

1ª 1ª QUINZENA QUINZENA DE DE JULHO JULHO 1

Josué Leite de Paula Auto Posto Filadélfia de Peruíbe

Auto Posto Savoy - Juquiá

14

Paulo Marciano Franco Centro Autom Gov. Mário Covas - Santos

15

06 - Piso salarial 2009: Categoria Postos de serviços

MAIO

Dulce Antunes Amado

Pariquera-açu

Centro Autom Gov. Mário Covas - Santos 25

Artur Schor

Daniel Locatelli

Auto Posto Búfalo do Vale 19

3

Armando Augusto Ribeiro Super Posto 200 Milhas - Santos Presidentes dos Sindicatos 01/07 - José Camargo Hernandes Sindicato Resan - Santos

07 - Visita ao SENAC/ Santos; 13 - Reunião com o Diretor de Abastecimento da ANP, Allan Kardec, acompanhado pelo presidente da FECOMBUSTÍVEIS, Paulo Miranda Soares, no Rio de Janeiro/RJ; 14 - Reunião com o Sindicato dos Trabalhadores em Trocas de Óleo para negociação da Convenção Coletiva de Trabalho, representado pelo vicepresidente Flávio Ribas e pelo assessor Avelino Morgado, em Santos/SP; 20 - Reunião do Conselho de Representantes da FECOMBUSTÍVEIS, no Rio de Janeiro/RJ; 26 - Reunião ordinária do Conselho Regional do SENAC, em São Paulo/SP;

SAÚDE OCUPACIONAL

AV. ANA COSTA, 136 - VILA MATHIAS - SANTOS TELEFAX (013): 3226-6116 www.labormed-sso.com.br - e-mail: labormed@labormed-sso.com.br

ESTACIONAMENTO PARA CLIENTES NO LOCAL 18 JUNHO

2009

29 - Participação no Jantar de Aniversário do Clube de Integração ALMA, acompanhado dos diretores Artur Schor e Ricardo Araújo, no Guarujá/SP; Dados fornecidos pela secretaria do Resan: Marize Albino Ramos Secretária Maria do Socorro G. Costa Telemarketing


JUNHO

2009

19


13_7_2009_16_19_16  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you