Issuu on Google+

EDIÇÃO MARÇO / 2008 EDITORIAL Tal qual num roubo de obra de arte ...............................3 ANP Agência divulga dados sobre desempenho do mercado..............4

Postos & Serviços é uma publicação

CUSTO-BENEFÍCIO

mensal do Sindicato do Comércio

- Bandeira branca chega a 44% RESOLUÇÃO

Varejista de Derivados de Petróleo,

Apenas 95PA’s se cadastraram na

Lava-rápidos e Estacionamentos de

ANP até agora ..........................5

Santos e Região (Resan).

- Relatório do Ibama até dia 31

Rua Manoel Tourinho, 269

- Notas diversas

Macuco - Santos/SP / 11015-031 Tel: (13) 3222-3535

15 ANOS DO RESAN

www.resan.com.br

Sindicato inicia discussão sobre

secretaria@resan.com.br

evento comemorativo ................6 SEGURO

Presidente José Camargo Hernandes Jornalista responsável, textos e editoração eletrônica

P&S apurou o custo de uma lavagem. Especialistas sugerem que revendedores invistam num serviço mais profissional. Nem sempre as duchas grátis valem a pena. Confira os detalhes.

CURSOS

Christiane Lourenço (MT b. 23.998/SP) E-mail imprensa@resan.com.br Colaboração: Thiago Chichorro e

Páginas 10 e 11

crédito .....................................13

Páginas 10 e 11

de total responsabilidade de seus autores. Reprodução de textos au-

por Santos. Jásão 30 quilômetros

Página 7

sinados publicados nesta revista são

Fotos: Divulgação e Resan

Comgás avança com rede de gás

- Postos podem ser consumidores

As opiniões emitidas em artigos as-

Tiragem: 1.600 exemplares

GÁS NATURAL

Resan organiza cursos de treinamento e qualificação para frentistas. Inscreva já a sua equipe

As mulheres revendedoras associadas ao Resan provam o porquê a brasileira está entre as mais empreendedoras do mundo, segundo pesquisa divulgada pelo Sebrae. Hoje, elas respondem por 41% da População Economicamente Ativa (PEA) do País.

Impressão: Demar Gráfica

- Resultados das pesquisas Resan

de tubulação.............................12

MULHERES NOTA 10

Luiz Alberto Pereira de Carvalho

Sindicato tem nova corretora.......9

SAUDADE

IRPF Leão está de olho nos cartões de - Cresce uso dos cartões em 116% DÍVIDAS Prorrogados

prazos

para

parcelamento de dívidas ..........14 COLUNA Confira dicas sobre conveniência do colunista Cláudio Correra ......15 INDICADORES Ranking de preços .....................17 ANIVERSÁRIO Confira nomes da 2ª quinzena de

racidade das informações e quali-

Resan lamenta a morte do criador da F-Truck, Aurélio Felix, grande amigo da revenda da região

dade dos produtos e serviços di-

Página 16

tástico, da Globo....................19

torizada desde que citada a fonte. O Resan e os produtores da revista não se responsabilizam pela ve-

vulgados em anúncios veiculados neste informativo.

2 Março 2008

março e 1ª de fevereiro................18 MAX GEHRINGER Leia artigo do consultor do Fan-

Amo a liberdade, por isso deixo as coisas que amo livres ...Se elas voltarem é porque as conquistei. Se não voltarem é porque nunca as possuí (John Lennon)


EDITORIAL JOSÉ CAMARGO HERNANDES

N

“TAL QUAL NUM ROUBO DE OBRA DE ARTE”

Não precisa ser muito observador para acompanhar como as cidades têm crescido, alcançado um bom índice de desenvolvimento urbano, a forma como a engenharia e a arquitetura avançam, o melhor poder aquisitivo da população... Entretanto, há algumas barreiras que não temos conseguido vencer: a da insegurança pública. Se nossas crianças estão na escola, se temos atualmente um índice de desemprego baixo e se também há programas sociais que assistem mais diretamente as famílias necessitadas, como explicar essa criminalidade latente? Não temos tido sossego para deixar nossas empresas após um dia inteiro de trabalho e ir para casa em busca do descanso merecido. Basta o telefone tocar para o frio percorrer a espinha à espera de uma notícia ruim. E quando falo de uma má notícia não quer dizer que perdemos dinheiro num assalto ao frentista ou à loja de conveniência. Me refiro aos riscos a que todos estamos expostos diante da violência a que audaciosas quadrilhas de bandidos nos expõem.

Para esses marginais, a vida perdeu o valor. Como reverter essa situação?

“O pior de tudo isso é a impotência. Não há para quem reclamar” Eu mesmo tive uma experiência no início deste mês que surpreendeu mais uma vez o mercado de combustíveis do Brasil. Uma quadrilha, diferente daquelas que insistem em assaltar nosso caixa com até certa regularidade, mostrou que o crime organizado está espalhado por todas as frestas da sociedade. Uma rede de informação se criou para que os assaltantes chegassem ao posto onde estavam várias bombas de combustíveis, novinhas, aguardando para a instalação, que deveria ocorrer nos próximos dias após o assalto. Numa operação rápida, as bombas foram colocadas dentro de um caminhão e, como num passe de mágica, sumiram. O pior de tudo isso é a impotência. Não há para quem reclamar e nem como tentar rastrear esses equipamentos. Tudo que consegui fazer foi informar os sindicatos de todo o País e algumas empresas de instalação de bombas o número de série dos produtos roubados. O cerne da questão é: se há quem rouba bombas de combustível é porque há quem compre, ou melhor, quem tenha feito a encomenda. Tal qual num roubo de obra de arte. A única diferença entre eles é que num caso há o interesse da polícia mundial e, no outro, o empre-

sário fica com o prejuízo e o desgaste. Quanto ao mercado de combustíveis, a situação continua favorável. Quando eu escrevia esse artigo vi uma matéria em que o mundo alcançou a cifra incrível de um bilhão de automóveis. Em seis anos, os países emergentes - entre eles o Brasil - venderão mais carros que os Estados Unidos e Europa. Para nós, significa, no mínimo, a estabilidade das vendas. Entretanto, temos que estar sempre atentos às investidas de maus empresários, tanto na distribuição dos combustíveis quanto dos demais agentes do mercado. Por exemplo, na última reunião da Fecombustíveis, o superintendente de Abastecimento da ANP esteve presente e nos falou de sua surpresa quanto à baixa adesão dos pontos de abastecimento (PA’s) à resolução que os obriga a se cadastrar. Hoje, a concorrência que há entre os agentes que operam no setor de combustíveis é nosso maior desafio. Agora, quanto ao Resan, estamos entrando num período importante de nossa história, que são os primeiros 15 anos do sindicato. Estamos organizando um grande evento, que irá mesclar confraternização com capacitação técnica e integração dos nossos associados com o mercado nacional. Para que tudo seja um grande sucesso, precisamos do apoio de cada um de nossos sócios e amigos. Até mais!

“Para que tudo seja um grande sucesso, precisamos do apoio de cada um de nossos sócios e amigos” Março

2008

3


ÁLCOOL GANHA MERCADO

A

A informalidade no mercado de álcool combustível caiu de 15% em 2003 para 3% em 2007. Outro fator de destaque para esse mercado foi o aumento de quase 50% do consumo de hidratado, principalmente devido a medidas regulatórias adotadas pela ANP e, especificamente, pelo Governo do Estado de São Paulo. As vendas de veículos flex e a queda nos preços reais e o aumento da renda per capita contribuíram para o aumento da demanda. No geral, o consumo de combustíveis teve um crescimento médio de 7,6% na comparação entre 2006 e 2007, percentual superior às primeiras estimativas do crescimento do PIB. Divulgados pela ANP durante seminário sobre desempenho do mercado de combustíveis em 2007, realizado no último dia 19, os dados mostram que a comercialização de óleo diesel, gasolina C, álcool hidratado e GLP (gás de cozinha) gerou faturamento bruto de R$ 166,2 bilhões, ou seja, 5,3% acima do constatado no ano anterior, e arrecadou R$ 53,1 bilhões, com crescimento de cerca de 4%, beneficiando os estados que também arrecadaram mais impostos. OUTROS PRODUTOS O consumo de óleo diesel também apresentou aumento expressivo, de 6,31% entre 2006 e 2007. O gás natural veicular (GNV), no entanto, sofreu redução de 31% no número de kits de conversão instalados.

Medidas regulatórias aumentaram consumo de hidratado no mercado formal

E

BANDEIRA BRANCA CHEGA A 44%

Edson Silva, superintendente de Abastecimento da ANP, informou ainda que os postos de combustíveis bandeira branca ampliaram a sua participação no mercado. Em 2007, os postos sem vínculo com distribuidoras representavam 44,1% dos estabelecimentos autorizados a operar no País. Em 2006, o número oficial era de 40,4%. No geral, o País ganhou novos 1.547 postos de um ano para outro. O Brasil tinha 35.702 postos de combustíveis no final de 2007, dos quais 15.744 eram desvinculados de companhias, enquanto em 2006 eram 34.165 (13.815 sem bandeira). Na região do Resan, que inclui Baixada Santista, Litoral Sul e Vale do Ribeira, há 78 postos

Na base do Resan, onde há 262 postos em funcionamento, 78 são bandeira branca, o que significa dizer que 30% dos estabelecimentos não têm vínculos com as distribuidoras 4 Março 2008

bandeira branca. A região Centro-Oeste tem o maior percentual de postos de bandeira branca: 54,5% do total, seguida de 50% na região Norte; 48,0% no Sudeste e 46,7% no Nordeste. Na região Sul os postos independentes somam apenas 27,6%. A BR Distribuidora, que continua líder, ampliou a sua participação no mercado, onde no segmento de gasolina responde por 25,3% do mercado. A Ipiranga ficou na vice-liderança (15,3%); a Shell/Sabba vem depois com 11,7%, seguida pela Chevron (9,3%), Esso (7,5%) e Alesat (5,8%). DIESEL E ÁLCOOL No mercado de óleo diesel a participação da BR atingiu 32,9%, seguida da Ipiranga (22,0%), Shell/ Sabba (11,3%), Chevron (8,85), Esso (4,8%) e Alesat (3,4%). Na comercialização de álcool a participação da BR é menor, com 18,2%, seguida de Ipiranga (12,7%), Shell/Sabba (11,0%), Chevron (6,9%), Petrosul (5,2%) e Esso (5,1%). No mercado de GLP, a líder de mercado é o grupo holandês SHV (23,42%), seguido do Ultra (23,25%), Liquigas (21,72%), e o Nacional (18,26%).


APENAS 95 PA’S SE CADASTRARAM NAANP, CONFORME DETERMINAA LEI

N

Na última reunião da Fecombustíveis, o superintendente de Abastecimento da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Edson Silva, que assumiu o cargo em dezembro do ano passado, se apresentou oficialmente aos vários presidentes de sindicatos que compõem a diretoria da entidade. Ele falou dos principais problemas a serem resolvidos como, por exemplo, a polêmica dos pontos de abastecimento (PA´s), cuja Resolução 12 está em vigor desde janeiro, obrigando-os a se cadastrar na

Edson Silva, da ANP, esteve na reunião da Fecombustíveis onde falou dos PA’s

RELATÓRIO DO IBAMA DEVE SER ENTREGUE ATÉ O DIA 31

O

Os postos revendedores devem entregar até o dia 31 (de março) o Relatório Anual de Atividades do Ibama 2008 (ano-base 2007). Os associados que desejarem cumprir a obrigação com apoio do sindicato devem enviar a quantidade total de venda de combustíveis (por produto - gasolina, álcool, diesel e lubrificantes - e em litros) e a senha de acesso até o dia 20 para o e-mail secretaria@resan.com.br ou fax (13) 3222-3535. A entrega deste relatório é obrigatória. Sem ele, o Resan se exime da responsabilidade de fazer o encaminhamento de dados para o Ibama. TCFA Também no dia 31 acontece o vencimento do pagamento da primeira parcela da TCFA de 2008. O boleto deve ser emitido no site do Ibama (www.ibama.gov.br)

Agência, mas até então apenas 95 estavam inscritos. O cadastramento é condição número 1 para a obtenção da licença de funcionamento e para que as distribuidoras e TRR´s possam abastecê-los. José Hernandes, do Resan, que esteve na reunião do Rio de Janeiro, explica que Silva disse estranhar o fato de tão poucos PA´s estarem cumprindo as regras, já que o processo é bem simples. A resolução obriga a todos os estabelecimentos que mantiverem tanques aéreos com capacidade a partir de 15 metros cúbicos a se cadastrarem. Hernandes lembra que pela Resolução 7, de 7/3/2007, artigo 16, uma distribuidora só pode comercializar combustível com o consumidor que disponha de PA e que atenda a legislação vigente. “ Ou seja, pela atual Resolução 12, os PA´s têm que estar cadastrados. Os que não estiverem não podem receber combustível”. Edson Silva disse que irá investigar os motivos da baixa adesão.

M

PL QUER ENVOLVER POSTOS NA RECICLAGEM DE ÓLEO Mais um projeto de lei envolvendo postos de combustíveis está em tramitação na Câmara Federal. Desta vez, o PL 2074/07, do deputado William Woo (PSDB-SP), se aprovado, obrigará todos os postos de gasolina, hipermercados e empresas vendedoras ou distribuidoras de óleos de cozinha a manter estruturas para coleta de óleo de cozinha usado. O objetivo é evitar que esse produto seja jogado em ralos e vasos sanitários, contribuindo para a preservação do meio ambiente.

A

MAIS POSTOS CASSADOS A Secretaria da Fazenda de SP cassou a eficácia da inscrição estadual de mais 13 postos no mês de fevereiro por comercializarem combustível adulterado. Na base do Resan, três postos não-associados foram cassados, um em São Vicente e outros dois em Barra do Turvo. No total, 518 postos já foram fechados em todo o Estado. Março

2008

5


RESAN SE PREPARA PARA ORGANIZAR SEU PRIMEIRO EVENTO TÉCNICO

C

Uma das últimas pesquisas realizadas pelo Resan apurou que 93,5% dos associados que responderam ao questionário querem comemorar os 15 anos de fundação do sindicato. Desse total, 67,5% sugerem a organização de um encontro de revendedores, com a promoção de um ciclo de palestras, seguido de um evento social. Os preferidos pelos associados são um jantardançante ou uma grande festa numa discoteca. O Resan já recebeu o apoio da Fecombustíveis para a realização do evento. “Agora, dependemos dos associados nos apoiarem nessa iniciativa. Trata-se de um grande passo já que autoridades de todo o País serão convidadas a vir à nossa região para discutir o mercado nacional. Não podemos nos arriscar a ter uma baixa participação dos nossos próprios revendedores. Pecisamos da presença maciça da categoria”, disse José Camargo Hernandes, presidente do Resan. Para dar início às discussões para a organização do evento técnico e de integração, esteve em Santos nos últimos dias 4 e 5 (de março) o assessor de comunicação da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis), Celso Figueiredo Borges. O primeiro dia da visita foi de troca de idéias. Ao contrário do segundo, voltado para idas ao Mendes Convention Center, local programado para o evento, reuniões de trabalho e um pequeno seminário sobre comunicação. Em todos os momentos, Celso esteve acompanhado pela assessoria do Resan. Puramente de caráter técnico, com definição de metas e articulação de modelos, o raciocínio da equipe margeou a constituição de um evento divisor de águas. A intenção é que a construção das atividades do debute do Resan siga as novas tendências, 6 Março 2008

entre elas o objetivo do trabalho coletivo. “O Paulo Miranda (presidente da Federação) e sua diretoria criaram as vice-presidências espalhadas pelas regiões do País, por exemplo. O segredo é descentralizar para agregar mais´´, sugeriu Celso. Outro ponto abordado foi sobre a necessidade das revendas avançarem na gestão, “gerando mudanças, porque se não mudar o risco de não dar certo é muito maior´´. Assim, a festa de 15 anos de fundação do Resan deve ser marcada, na opinião do assessor, pelo amadurecimento de uma entidade que saiu da “préadolescência´´. TÁTICAS As táticas de divulgação, além das maneiras usadas para levar o maior número de revendedores possíveis, foram debatidas. Para Celso o problema é muito maior. “Não basta dizermos para o revendedor ir. Temos que mostrar a importância que o evento tem. (...) Fazer do

sindicato algo gostoso, em que todos se sintam bem´´. Citou exemplos de quando trabalhava no Minaspetro, entidade do setor que congrega os postos do estado de Minas Gerais. O mais notável: na primeira atividade que organizou apareceram apenas 25 revendedores, sentados no meio de 125 cadeiras vazias. A decepção foi grande. Apenas três anos depois a coisa mudou. Celso precisou arrumar cadeiras para que todos se acomodassem. O bloco, agora, está na rua. A perspectiva é de que o evento do Resan tenha exposições, simpósios, atualizações e, como não poderia faltar, um espaço voltado para as famosas confraternizações. É só aguardar!

Celso Borges, da Fecombustíveis: “Não basta dizermos para o revendedor ir. Temos que mostrar a importância que o evento tem. (...) Fazer do sindicato algo gostoso, em que todos se sintam bem´´

BR PROMOVE MAIS UM CURSO NO RESAN

No último dia 5, a BR Distribuidora realizou mais um treinamento para frentistas na sede do Resan. O programa Troca Mais Lubrax, que tem como objetivo capacitar o frentista como um agente de vendas do produto, reuniu 72 funcionários dos postos da região em duas turmas.


TREINAMENTO NO RESAN

T

Transformar seu frentista num vendedor é a melhor alternativa de investir em seu negócio. Pensando nisso, o Resan acaba de formatar cursos de treinamento para a equipe de postos da região com objetivo de capacitar e treinar funcionários e até gestores para, sobretudo, oferecer um atendimento de qualidade ao cliente. Os cursos acontecerão entre os dias 26 e 30 de maio. No entanto, as inscrições já estão abertas para que as turmas sejam formadas e distribuídas entre os vários módulos. Os treinamentos serão ministrados pela Consultoria Especializada em Combustíveis (Conespe), uma empresa formada por profissionais com mais de 15 anos de experiência no mercado, todos originários de grandes companhias distribuidoras. Segundo Júlio Panzariello, um dos sócios-proprietários, a grande

rotatividade de funcionários, a falta de comprometimento dele com a empresa e a má qualificação das equipes de venda são responsáveis diretos por um resultado ruim no faturamento. Parte da culpa nesses casos é do gestor do posto – seja o dono ou o gerente. “Eu tenho visto nos postos que os frentistas têm uma atuação limitada. Atuam como agente operacional e não como vendedor; eles basicamente colocam o combustível no tanque. Poucos fazem uma manobra para levar o motorista para gasolina aditivada”. Panzariello fala também do desconhecimento dos frentistas dos lubrificantes, por exemplo. “Eles não sabem fazer uma venda adicional, não sabem dar orientações sobre a troca de óleo. Novamente repito, falta qualificação da equipe de vendas”.

É preciso substituir as figuras do frentista e do atendente de loja pela de um vendedor. Esse é o segredo

A grande falha é que muitas vezes o frentista não conhece o que está vendendo

E

ATENDIMENTO E VENDAS

C

TREINAMENTO DE FRENTISTA Com técnicas de vendas, o curso faz uma abordagem de como deve ser o trabalho operacional, a ação de venda de produtos como lubrificantes, a exposição correta dos argumentos e produtos, limpeza, organização e postura pessoal. Objetivo é melhor preparar para o dia-a-dia do funcionário. “O bom frentista tem que dar bom dia ao cliente, saber mostrar as vantagens dos produtos à venda no posto. É preciso mostrar que nem sempre o produto mais barato é o mais adequado. Por exemplo, o frentista tem que conhecer o que é a gasolina aditivada, saber fazer contas simples das vantagens para o veículo.... Enfim, o frentista tem que levar a informação ao cliente”, complementa Júlio Panzariello.

E

SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE Esse treinamento é obrigatório para frentistas segundo a legislação do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), sob o risco de o posto sofrer autuação. É um curso essencialmente teórico, mas que resume as normas de segurança em vigor, desde riscos de contaminação e sinistros (incêndios e explosões) que envolvem a atividade até o manuseio dos equipamentos como extintores. Também inclui noções de como fazer o abastecimento e a descarga de produtos sem riscos de contaminação do meio ambiente e à segurança .

Esse curso é voltado para lojas de conveniência. Fala bastante de varejo e dá visão do negócio, que hoje exige do gestor ações como planograma (a correta exposição dos produtos na área de vendas), definição de estratégias, aproveitamento de áreas de compra planejada, por impulso, de vendas promocionais. O currículo do curso aplica ainda os principais conceitos usados nas grandes redes de varejo no segmento de conveniência. Todos os cursos garantem certificado para os participantes.

Eles não sabem fazer uma venda adicional, não sabem dar orientações sobre a troca de óleo. Novamente repito, falta qualificação da equipe de vendas

Março

2008

7


NA PONTA DO LÁPIS, LAVAGEM CUSTA R$ 3,25. DUCHA GRÁTIS VALE A PENA?

V

Você sabia que a lavagem de um carro por 15 minutos consome, em média R$ 0,25 de energia? Postos & Serviços apurou que os custos incluem ainda R$ 0,80 por 2.200 litros de água, R$ 0,20 por dois litros de xampu e cerca de R$ 4,00 por dois funcionários usados no serviço. Os gastos estimados por carro lavado chegam, então, a R$ 3,25. Na ponta do lápis, será que o investimento vale a pena? Até em função da demanda, praticamente todos os postos têm uma área para esse serviço. Muitos deles se dedicam apenas às lavagens dadas como cortesia em abastecimentos acima de 20 litros. Na verdade, a chamada ducha grátis ganhou muita importância na conquista de clientes, mas há casos em que ela depõe contra o seu negócio. Nessa reportagem, P&S aponta os prós e contras em se investir num serviço de lavagem mais profissional. A construção de um lava-rápido automatizado pode exigir um investimento inicial de até R$ 60 mil. O espaço é outro fator importante no estudo do negócio: o ideal é que além da área para lavagem e secagem dos veículos, haja espaço para o estacionamento dos carros lavados e para o estoque de produtos. Adriano Gomes de Barros, do Auto Posto Bem Bom, de Praia Grande, garante que o investimento é lucrativo. “Antigamente tínhamos a ducha. A pessoa abastecia e ganhava a lavagem rápida. Porém os tempos mudaram; os clientes exigem mais. A máquina serve para fidelizar o cliente. No meu caso, eu não tenho lucro, porém o cliente volta mais vezes no posto e acaba abastecendo”. As máquinas novas têm uma tecnologia de ponta. Adriano Barros desmente o mito de que o lava-rápido arranha o carro. “Tudo depende de como ele é utilizado. Se o posto não fizer a pré-lavagem (do veículo), a máquina acaba empurrando a areia e a poeira já existente no carro. É nessa hora que o carro é arranhado; não tem 8 Março 2008

Lava-rápido no Auto Posto Bem Bom, de Praia Grande, serve como atrativo para clientes

nada a ver com as cerdas da máquina, que por sinal mudaram com o passar dos anos. Hoje em dia existem tecnologias que impedem ao máximo o dano ao carro.” OS RISCOS DA CORTESIA Segundo Rafael Galea, da empresa Leone Equipamentos, “é importante não cair na tentação de dar ducha gratuita, pois além de não lavar o veículo corretamente você estará perdendo seu cli-

ente para lavagens especializadas. O pior é perder a chance de fidelização daqueles consumidores acostumados a voltar ao posto uma vez por semana para a lavagem do veículo”. Na verdade, investir numa lavagem mais profissional não exige a compra de grandes equipamentos e um investimento tão alto. A pedido de P&S, a Leone montou um orçamento que serve de base para quem quiser incrementar seu negócio.


NÃO É PRECISO MUITO PARA INCREMENTAR O NEGÓCIO NO POSTO. FAÇA AS CONTAS

A

Áreas de 4 metros de largura por 7 a 8 metros de comprimento são suficientes para a montagem de um lava-rápido simples, manual. Partindo do ponto que todo posto já possui um compressor de ar, consultores da Leone Equipamentos, empresa especializada no setor, informam que são indicados, ainda, lavadora de alta pressão, máquina emulsionadora de xampu e aspirador profissional.

1

Lavadora de alta pressão: de R$2. 500,00 a R$3.200,00. O equipamento proporciona economia de água (gasto médio de 800 litros por hora contra os 1.200 litros que saem de uma mangueira comum).

2

Máquina emulsionadora de xampu com contador e temporizador para maior controle de custos: de R$1.000,00 a R$1.500,00.

A

RESAN TEM NOVA CORRETORA DE SEGUROS

A Marítima Seguros é a companhia de serão feitas a partir do preenchimenseguros que prestas serviços ao Resan to e da assinatura da proposta de adedesde o dia 1º de março. Representada são, encaminhada aos associados na pela corretora Costa-Mar Corretora de Circular 02/2008 e que tambaém está Seguros, a assessoria de corretagem disponível para consulta no Portal de seguros implica em produtos espe- Resan (www.resan.com.br). Devidacíficos para postos de serviços, den- mente preenchido e assinado o dotre eles o seguro de vida dos funcioná- cumento deve ser enviado ao Resan rios dos associados. por fax ou entregue diretamente na O contrato assinado com o sindi- secretaria. O protocolo da adesão cato prevê o oferecimento de preços junto à Marítima Seguros será feito e serviços especiais para os associa- diariamente ao final do expediente do dos na contratação das várias moda- sindicato. lidades de seguros como RC guarda IMPORTANTE de veículos de terceiros, subtração de bens e valores, vendaval, incênPara que não restem dúvidas dio, entre outros, além de uma gama quanto à inclusão e aos dados fornede produtos como consórcio, segu- cidos, não serão mais aceitas proposro de autos, previdência, financia- tas por telefone. Para maior comodimento e residencial. dade dos associados, a Costa Mar Com relação ao seguro dos fun- Corretora de Seguros irá agendar um cionários é preplantão semaciso destacar innal na sede do formações imsindicato. O Verifique mensalmente no portantes como corretor José boleto de cobrança da mensalio limite de idade Pereira da Cosdade se a relação de seus para inclusão no ta Filho, diretor funcionários está completa e os seguro, que é de da Costa Mar, nomes escritos corretamente. 65 anos. Além também está O objetivo é evitar que algum disso, as includisponível para empregado não esteja coberto pela sões a partir de o atendimento apólice. Qualquer erro constatado 1º de março de deve ser comunicado imediatado cliente pelo mente à secretaria do sindicato novos funcionátelefone (13) pelo telefone (13) 3222-3535 rios na apólice 3229-7999.

CONFIRA OS RESULTADOS DAS PRINCIPAIS PESQUISAS RESAN

3

Aspirador profissional para pó e líquidos de 1 a 3 motores (modelo mais indicado para o litoral devido à areia fina): de R$1.000,00 a R$2.500,00;

4

Braço mecânico para articulação da mangueira de lavagem permitindo a lavagem de até dois veículos simultaneamente: de R$280,00 ate R$380,00.

MANUTENÇÃO DE BOMBAS - Principais marcas de bombas: GBR (14,4%), Wayne (6,5%), Daruma (0,3%) e Vedder Root (0,3%). Manutenção: - em 66,1% dos casos pela distribuidora e em 32,3% pelo próprio posto; - 35,3% dos entrevistados disseram não manter contratos de manutenção com alguma empresa; - Dos que mantêm, a Gilbarco aparece em 33,8 %, seguida pela GBR (10,7%), J.Bianco (9,2%), Corassi (3%) e Wayne (1,5%).

TRANSPORTE E COLETA DE VALORES - CARRO FORTE - Contrato para serviço de coleta e transporte de valores: 35,5% das empresas mantêm contrato e 64,5%, não 39,5% das que não contam com o serviço têm o desejo de contratá-lo, enquanto 36,8% não manifestaram interesse e 23,7% não se manifestaram - Para os entrevistados, a coleta deveria ser: Uma vez por dia para 32,5% dos que responderam à enquete. Março

2008 9


ELAS TÊM UM TALENTO NATO

V

Você sabia que a mulher brasileira está entre as maiores empreendedoras do mundo? Um estudo que mede o grau de empreendedorismo entre diversos povos, divulgado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), mostra que as brasileiras representam 38% dos empreendedores do País. É uma das maiores participações femininas no mundo. Um exemplo claro da conquista do mercado empresarial pelas mulheres é que a cada ano aumenta o número de franquias comandadas por elas. Uma pesquisa realizada pela Rizzo Franchise, mostra que a participação feminina nas franquias aumentou de 20% para 50% em três anos. No setor de combustíveis, a habili-

dade feminina é reconhecida tanto pelas equipes de funcionários e clientes quanto por revendedores antigos, muitos deles pais, irmãos e maridos das mulheres que hoje comandam os negócios. Exemplos não faltam. Entretanto, Postos & Serviços teve que escolher algumas personagens para ilustrar essa reportagem em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado no último dia 8 de março. O talento nato para lidar com o público é uma vantagem a mais. Entretanto, muitas têm se dedicado às tarefas administrativas em que a atenção aos detalhes e minúcias tem feito a diferença. Quando estão nas pistas, elas se destacam até porque nem todos os clientes imaginam ver à frente de um posto uma mulher.

Segundo dados do Dieese, as mulheres correspondem a 41% da População Economicamente Ativa (PEA) do Brasil e mais de um quarto das famílias são chefiadas por elas, que também possuem maior nível de escolaridade que os homens

“Ele não acreditou que uma mulher poderia cuidar de um posto” Desafio é o que não faltou a Mônica Maria Fernandes, do Auto Posto Xixová, que desde 1996, quando tinha 26 anos, passou a trabalhar ao lado do irmão. Formada em Administração de Empresas e Direito, ela desenvolveu uma receita própria para lidar com um mercado ainda machista, com equipes essencialmente masculinas e até com preconceito de clientes. “Tive de adotar uma postura diferente, o que inclui até o modo de vestir. É preciso demonstrar mais seriedade até do que a atividade exigiria, tomar cuidado com palavras para que não haja interpretação errada e ter posição firme, independente da situação”. Ela lembra uma vez em que pediu a um cliente que tirasse o carro de uma área em que o estacionamento era proibido. “O homem reclamou e foi perguntar para o frentista quem eu era. Quando soube que eu era a dona, ele não acreditou que uma mulher podia cuidar de um posto de combustíveis”. Sabe qual a característica da Mônica mais reconhecida pelos funcionários: “Eu me dedico a detalhes, cobro mais. Tem que ser meio mãezona, cuidar de um por um, ser objetiva”.

CURIOSIDADE

PRIMEIRA MULHER DIPLOMADA NO BRASIL A primeira mulher a conquistar um diploma no Brasil foi a médica Rita Lobato Velho Lopes (1867-1960), que só pode iniciar seus estudos depois que o imperador dom Pedro II assinasse um decreto-lei. 10

Março 2008


DESAFIOS NÃO FALTAM “Trabalho há 12 anos com posto. Sempre aceitei todos os desafios: em qualquer ramo que entrei estava sempre disposta a aprender. Tenho um filho, tento trabalhar e cuidar de casa ao mesmo tempo, mas é difícil. Com o tempo, entretanto, a gente acaba se acostumando”. Patrícia Storti de Souza, do Auto Posto Praia do Forte

“Só Deus para administrar esse corre-corre” Dona Malu, como é conhecida entre os revendedores Maria de Lourdes Aparecida Masieiro Ribeiro, frentistas e seus clientes, tem apenas quatro anos de experiência à frente do Auto Posto Pedro Lessa. Ela assumiu a empresa após ficar viúva. Até então, sua rotina de trabalho se resumia à educaç ã o . “ Tr a b a l h e i d u r a n t e 2 4 anos no Sesi, onde supervisionava 14 escolas em cinco cidades do interior” Mãe de dois filhos, ela teve que aprender a dividir o tempo entre o trabalho, o posto e outro comércio que herdou do marido. Na opinião de muita gente, mulheres como dona Malu são como mulheres-maravilhas. Heroína ou não, ela resume: “Não tem jeito, eu tenho que fazer mercado, levar os filhos na escola... Meu dia inteirinho é corrido. Só Deus para administrar esse corre-corre”. Quando está no batente, porém, exerce uma liderança espontânea. Mais uma lição de dona Malu: “O chefe manda, porém o líder é natural, ele conquista a liderança, ou nasce com ela. Mandar, qualquer um manda! Sou exigente e meus funcionários sabem disso”.

Para os frentistas.... ... os dois (chefes homem e mulher) exigem igualmente. As mulheres são mais perfeccionistas, mas não tenho problema em trabalhar com elas. Valdemar Caíres, do Xixová

“Estou tão acostumada com o ambiente de um posto de combustíveis, onde trabalho há mais de 30 anos, que para mim é uma atividade normal mesmo para uma mulher. Os funcionários não têm problema em ter uma mulher como chefe, até porque eu cuido mais da parte administrativa” Nilcen Martis Dantas, do Auto Posto Shalon

Mulheres Elas sorriem quando querem gritar. Elas cantam quando querem chorar. Elas choram quando estão felizes. E riem quando estão nervosas.

... nas horas certas ela é exigente, mas no dia-a-dia é bom trabalhar com mulher, eu prefiro. Elas também são mais tolerantes.

Wagner, frentista do Praia do Forte

Elas brigam por aquilo que acreditam. Elas levantam-se para injustiça. Elas não levam “não” como resposta quando acreditam que existe melhor solução. Elas andam sem novos sapatos para suas crianças poder tê-los. Elas vão ao medico com uma amiga assustada. Elas amam incondicionalmente. Elas choram quando suas crianças adoecem e se alegram quando suas crianças ganham prêmios. Elas ficam contentes quando ouvem sobre um aniversário ou um novo casamento. Pablo Neruda Março

2008

11


POSTOS PODEM SER CONSUMIDORES DE GÁS NATURALPARAECONOMIZAR ENERGIA

S

Seis meses após o início da instalação da rede de gás natural em Santos pela Comgás, mais de 30 quilômetros de tubulação já foram implantados de um total de 200 quilômetros previstos na primeira fase do projeto. Embora o foco da empresa não seja o GNV e, sim, o gás natural para residências e comércios, os postos podem ser beneficiados enquanto consumidores. Em entrevista a Postos & Serviços, o gerente comercial da Baixada Santista da Comgás, Wagner Longo explicou que o gás poderá substituir a energia elétrica ou mesmo o GásLP usado nas cozinhas de lojas de conveniência e até no sistema de ar-condicionado. Os benefícios não podem ser medidos sem a análise e a execução de um projeto por parte dos técnicos da empresa. “A Comgás tem uma equipe que cuida de novas aplicações como ar-condicionado e geração (de energia a partir do gás)”. A maioria das lojas de conveniência – por questão de logística – adaptaram seus equipamentos para o sistema elétrico, até como forma de aproveitar a eficiência energética trazida pelas redes de alta tensão que são transformadas em baixa. “Talvez para uma loja a utilização do gás não pese tanto na economia (em comparação com a energia elétrica), mas existe a possibilidade de colocar uma máquina de pequeno porte para gerar energia para o sistema de ar-condicionado”, explica Longo, destacando que podem haver vantagens em se deslocar o consumo do ar-condicionado para um sistema a gás.

A segunda fase do projeto da Comgás prevê a instalação de mais 140 quilômetros de rede 12 Março 2008

A intenção da empresa é iniciar o fornecimento do gás natural às residências até meados deste ano. As obras estão avançadas: até agora já foram instalados 30 quilômetros de rede subterrânea

SEGMENTO RESIDENCIAL ESTÁ MAIS RECEPTIVO DO QUE A EXPECTATIVA

A

A receptividade ao gás natural em Santos surpreendeu a equipe da Comgás. Até o final de fevereiro, algo em torno de 1.600 proprietários de apartamentos já habitados assinaram contrato com a empresa, além de construtoras de oito prédios em construção, o que soma mais dois mil apartamentos. Os primeiros prédios já convertidos para o novo sistema poderão ser abastecidos com gás natural já a partir de julho. Nas residências, duas das principais aplicações são no uso diário do fogão e do aquecedor de água, o que é um grande atrativo diante da economia de 30% de energia elétrica. A economia –

já descontando o gasto com gás – chega aos 20%. Já na atividade comercial, sobretudo no comércio varejista formado por lanchonetes, bares, padarias e restaurantes, o gás é o combustível de equipamentos de cocção, fogões industriais, fritadeiras, chapas. Numa padaria, por exemplo, há vantagens em se substituir a energia elétrica do forno pelo gás. Os grandes consumidores – como shoppings centers, hotéis e prédios comerciais – têm se interessado mais pelo sistema de arcondicionado a gás. Nesses casos é possível criar sistemas de geração de energia com gás natural.


LEÃO ESTÁ DE OLHO NOS CARTÕES DE CRÉDITO

O

Contadores alertam para problemas na hora do contribuinte declarar o Imposto de Renda

O cartão de crédito é o maior vilão na prestação de contas ao leão. Com o início do prazo para a entrega do Imposto de Renda, todos os contadores entrevistados por Postos&Serviços alertaram os revendedores para o rigor que a Receita Federal vem adotando nos últimos anos. O cruzamento de dados pelo Fisco tem exigido muito mais detalhismo por parte dos contadores na hora de elaborar a declaração. Os gastos com cartões de crédito serão o alvo da Receita neste ano, segundo informou Luiz Rinaldo, da Plumas Assessoria Contábil. “Tanto os cartões quanto as contas correntes bancárias terão suas informações cruzadas. Temos sempre que analisar se os valores correspondentes a essas movimentações estão compatíveis com declaração de rendimentos. Caso contrário, o contribuinte ficará na malha fina”. Detalhes nem sempre pensados pelo contribuinte já estão na ponta da língua dos contadores. As mulheres devem constar como dependentes dos maridos em que situações? “Se elas tiverem pró-labore nas empresas a melhor alternativa é separar as declarações em

O

busca de uma redução da carga tributária”, explica Rinaldo. O controle dos rendimentos do brasileiro chegou a tal ponto que qualquer valor que entra na conta corrente do contribuinte é registrado pela Receita Federal, que depois utiliza essa informação para o cruzamento de dados”. O contador Osmar Carvalho, da Contalex, destaca que uma das principais alterações anunciadas para a declaração do IRPF neste ano é a exigência da colocação do número do recibo da entrega feita no ano passado. “Os revendedores não podem esquecer de entregar ao contador os extratos bancários enviados pelos bancos, com impostos retidos na fontes, aluguéis recebidos ou pagos, extratos de cartões de crédito...”. Outra mudança é com relação aos filhos dependentes maiores de 18 anos, cujo CPF deverá ser informado. Até o ano passado, essa obrigatoriedade era aplicável somente aos dependentes maiores de 21 anos. A principal intenção da Receita Federal é evitar que o contribuinte omita os rendimentos dos dependentes informados na declaração.

CARTÕES USADOS EM PEQUENAS DESPESAS FAZEM AUMENTAR O USO EM 116% NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS O número de transações feitas com cartão de crédito cresceu 116% nos últimos cinco anos. Cada vez mais popular, o cartão vem sendo usado para pagar desde pequenas despesas até parcelamentos de compras de eletrodomésticos. O uso cresceu a partir do aumento das transações pela internet, mas os dados das administradoras mostram que o valor médio de compra vem caindo, o que demonstra a preferência pelos cartões no simples ato de comprar uma revista, pagar o táxi ou uma compra de pães na padaria. O valor médio do ticket por compra caiu de R$ 79 em 2003 para R$ 76,3 em 2007, segundo

levantamento feito pela administradora de cartões Itaú. A tendência para esse segmento de crédito é que o valor médio continue caindo. Entre os usuários com a renda mais baixa, o valor médio se manteve estável, na faixa de R$ 61, entre 2003 e 2007. Para o cliente com renda acima de R$ 2.500, o valor médio por transação caiu de R$ 121,1 para R$ 112,1 nesse intervalo. A compra à vista para essa categoria equivale a 57,9% do faturamento. Já o valor da compra média por sexo passou de R$ 73,8 para R$ 73,3 nos últimos cinco anos entre as mulheres, enquanto o volume de transações aubiu 123,5% no intervalo analisado.

Gastos são registrados online na Receita

Portanto, o contribuinte que possuir dependentes maiores de 18 anos que ainda não possuam CPF deve providenciar o documento, a fim de que o prazo para apresentação da declaração, que se encerra no dia 30 de abril, seja cumprido.

EM SP, CONTRIBUINTE ESTÁ DISPENSADO DO RECONHECIMENTO DE FIRMA

P

Pelo decreto nº. 52.658, assinado pelo governador Serra em janeiro, o contribuinte está dispensado do reconhecimento de firmas ou de cópias autenticadas em transações realizadas com administração pública do Estado de São Paulo, a menos que haja determinação legal expressa nesse sentido. O referido decreto é válido para as secretarias de Estado, fundações e autarquias, como o Instituto de Pesos e Medidas (Ipem-SP). A medida faz parte de um pacote para desburocratização do Estado. Março

2008

13


PREFEITURAS PRORROGAM PRAZO PARA PARCELAMENTO DE DÉBITOS

A

A Prefeitura de Santos prorrogou o prazo para adesão de contribuintes inadimplentes ao Programa de Parcelamento Incentivado (PPI) até o dia 3 de abril. Os débitos inscritos na dívida ativa podem ser pagos em até dez anos, com descontos nos valores das multas e juros. Originalmente o prazo se extinguia no último dia 3 (de março). As adesões são feitas através do site www.santos.sp.gov.br, onde é possível visualizar os débitos, simular as formas de pagamento e os descontos. O PPI surgiu depois que um grupo de empresários de Santos, representados pela Unisempre, uma entidade que congrega dezenas de sindicatos da região, se reuniu com o prefeito João Paulo Tavares Papa para solicitar a adoção de uma política semelhante ao Refis do Governo Federal.

simulações sobre as formas de pagamento, descontos e vantagens. São eles: 1) Paço Municipal (Praça Mauá) 2) Departamento de Administração Tributária (Rua XV de Novembro, 195, 4° andar) 3) Administração Regional da Zona Noroeste (Avenida Nossa Senhora de Fátima, 456) 4) Administração Regional dos Morros (Avenida Santista, 700, Nova Cintra) 5) Administração Regional do Centro Histórico (Praça Iguatemi Martins, s/ n° - Mercado Municipal). O atendimento ao público é das 9h às 17h. Informações pelo telefone 3201-5025.

INFORME-SE Há cinco pontos de informação montados pela Adminsitração Municipal Entre os impostos que podem ser parcelados está onde também se pode fazer o IPTU de imóveis comerciais e residenciais

E

EM GUARUJÁ, REFIS VAI ATÉ ABRIL Em Guarujá, a Prefeitura dá até o dia 7 de abril para a adesão ao programa de Recuperação Fiscal do Município (Refis). Tributos gerados até 31 de dezembro de 2006 relativos IPTU, ISS e ITBI (Imposto Sobre a Transmissão Inter-Vivos a Qualquer Título por Ato Oneroso de Bens Imóveis e Direitos a Eles Relativos). O débito pode ser dividido em até 120 prestações, desde que a parcela mínima seja de 20 Ufs (Unidade Fiscal do Município = R$ 34,20. Não haverá cobrança de multa para a quitação da dívida em 12 meses. O parcelamento em até 30 vezes concede isenção de 50%, ou seja, a multa corresponderá a 10% do valor. A partir da 61ª parcela serão incididos juros de 1% ao mês sobre o valor do débito, até a efetiva quitação. Os interessados devem se dirigir à Central de Recuperação de Ativos, no Anexo Pitangueiras (Rua Mário Ribeiro, 261, em Pitangueiras), de segunda a sexta-feira, das 10 às 16 horas.

14

Março 2008

O

PPI DE SP TERMINA NO FINAL DO MÊS

S

Segue até o dia 31 de março o prazo para adesão ao Programa de Parcelamento Incentivado (PPI) do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) do Governo do Estado. Segundo a Secretaria da Fazenda, mais de 42 mil paulistas já aderiram ao PPI parcelando R$ 9,6 bilhões em dívidas. Com o programa, o contribuinte em débito com o Fisco estadual poderá quitar dívidas com desconto de até 75% na multa e de até 60% nos juros, se a opção for a parcela única. Há ainda a opção para pagamento em até 15 anos (180 parcelas mensais), com redução de 50% na multa e de 40% nos juros incorridos até o momento do ingresso no programa. Para parcelar em mais de dez anos, o valor mensal das prestações será fixado com base no faturamento do interessado, sendo a primeira parcela correspondente a, no mínimo, 1% da receita bruta mensal média do estabelecimento em 2006. O juro para o parcelamento em até 12 vezes será de 1% ao mês calculado de acordo com a tabela Price. Para quem optar pelo parcelamento entre 13 e 180 meses será usada a taxa Selic. O ingresso no programa será por meio do site www.ppidoicms.sp.gov.br.

CUBATÃO TAMBÉM AMPLIA PRAZO Outro município da região com parcelamento de dívidas do contribuinte é Cubatão, onde o Programa de Recuperação Fiscal (Refis) foi prorrogado até o dia 28 de março. O prazo original era para ter sido encerrado no dia 28 de fevereiro, mas a grande procura e problemas no sistema de informática fizeram com que o prefeito Clermont Castor assinasse decreto com a prorrogação. Os interessados devem se dirigir à Arrecadação Municipal (andar térreo do Paço) ou obter informações pelos telefones 3362-6412 e 3362-6165. Já os contribuintes inscritos na dívida ativa, ou seja, aqueles cujos débitos foram contraídos até o ano de 2004 devem se dirigir à Procuradoria Fiscal (também no térreo do Paço). Mais informações pelo 3362-6483.


“O PÃO DE QUEIJO ESTAVA QUENTINHO”

A

Por Cláudio Correra, consultor da MPP Marketing, especialista em mercado de varejo e conveniência

As notícias recentes apontam crescimento nas vendas dos combustíveis e dos automóveis muito acima do indicado pelo PIB nacional. A indústria automobilística já não consegue abastecer o mercado de carros populares e alguns modelos intermediários. Para caminhões pesados, a fila de espera é ainda maior. Como consequência dessas variáveis, os negócios de postos de serviços que agregam valor através da oferta de outros serviços podem aproveitar essa brecha de mercado que deverá continuar em franca evolução. Tem muito tempo que ouço dos revendedores que o mercado estava estagnado ou em queda, mas agora não há desculpas: ou o revendedor fica de olho no concorrente que está aproveitando esse novo consumidor que acaba de comprar um carro ou o verá conquistar seus clientes. Aliás, esses clientes precisam ser analisados e vistos pelo seu potencial de compra e de serviços, que certamente estão mudados. Eles esperam por novidades ou mesmo uma forma mais profissional de atendimento ou de prestação de serviços. Observe que o consumidor do automóvel procura comprar perto de casa ou no caminho de volta do trabalho. Ele espera parar num ponto de venda que lhes ofereça o máximo do que precisa comprar para o seu dia-a-dia, sem complicação e tudo muito rápido. É isso que está acon-

tecendo nas pequenas e calmas cidades, onde parece que a vida não passa, mas o que todos querem é ter tempo para ociosidades e não vê-lo consumido pela demora no atendimento dos locais escolhidos para as compras. Um bom exemplo é observar o comportamento dos consumidor e s n o final de semana num shopping center, onde brigam por uma vaga no estacionamento, estão a passeio nos corredores e quando sentam para um café querem ser atendidos no máximo em 3 minutos, para voltar rápido ao lazer. O mesmo acontece em outros tipos de lojas em que a demora do vendedor é motivo para insatisfação ou mesmo para ir embora. Imagine o que é conveniente para o cliente que vai a uma loja para uma troca de uma roupa que lhe foi dada de presente e não serviu. A troca é um ato chato para o cliente e indiferente para o vendedor, que já havia feito a sua parte na venda, recebido a comissão e agora terá que repetir a dose. Nesse momento, se houver treinamento e motivação, o bom vendedor aproveita para

vender outros produtos ou, no mínimo, usar do poder de sedução para conquistar o consumidor para visitas futuras. Os mais espertos e eficientes acompanham o cliente até a porta para entregar a sacola com as compras. Ficção? Não! É a realidade das boas lojas que fazem sucesso. Como é sempre bom lembrar das experiências positivas de compra, parei para abastecer num posto de serviços num grande cidade, daqueles de passagem onde o cliente não é dos mais fiéis. O frentista, além de me cumprimentar, após ligar a bomba, ofereceu a loja de conveniência com o complemento de que o pão de queijo estava saindo naquela hora. Para completar, enquanto saboreava a iguaria o profissional fez o trabalho completo e a atendente da loja complementou que podia pagar num único cartão emitido na pista. O mais agradável não foi apenas o pão de queijo, o café e os serviços gratuitos. O frentista, assim que recebeu o meu cartão, fez com que eu me sentisse único, pela simples gentileza de me tratar pelo nome. O posto em questão é de uma rede que treina, motiva e incentiva os frentistas para que atendam bem a todos os clientes e sempre ofereçam serviços adicionais. Não se esqueça: aumente suas vendas melhorando o atendimento. Março

2008

15


PAÍS PERDE UM GRANDE HOMEM, O SANTISTA AURÉLIO FELIX, CRIADOR DA FÓRMULA TRUCK

U

Um dos maiores ídolos dos revendedores de combustíveis da Baixada Santista e Vale do Ribeira, o santista Aurélio Batista Félix, criador da Fórmula Truck, faleceu, aos 49 anos, no último dia 5 (de março), em Passo Fundo (RS). Aurélio foi vítima de um enfarto ocorrido logo após o encerramento da primeira etapa da temporada 2008 da categoria, em Guaporé (RS). Ele chegou a ser submetido a uma angioplastia, mas teve uma hemorragia, que acabou agravando seu estado de saúde e levando-o a óbito. Aurélio Batista Félix nasceu em Santos, no dia 24 de abril de 1958, e desde criança sempre teve muito contato com caminhões. Era filho de caminhoneiro e ficava fascinado ao ouvir histórias das viagens de seu pai. Aos 9 anos começou a manobrar caminhões e, aos 11, já guiava automóveis pela rua. Pouco depois, aos 16,

16

Março 2008

O santista Aurélio Batista Felix realizava mais um sonho: levar a F-Truck para outros países

ficou conhecido no bairro por fazer com uma Kombi algumas das manobras que mais tarde fariam parte do show nas provas da F-Truck. O trabalho como caminhoneiro começou mesmo aos 17 anos, quando assumiu a boléia por conta de uma doença do pai. Ele participou da primeira prova de caminhões realizada

no Brasil, em Cascavel, em 1987, considerada o berço da Fórmula Truck. Dali surgiu o Racing Truck, em 1989, funcionando na mesma sede da sua transportadora (a ABF), em Santos. Aos poucos, o filho de caminhoneiro e já vice-presidente do Sindicato dos Motoristas Autônomos da Baixada Santista foi preparando alguns caminhões que tirava da sua própria frota e os transformava em caminhões de corrida. As provas-exibição começaram em 1993, já reunindo perto de 10 mil pessoas nos autódromos. Em 1994, Aurélio fez uma apresentação oficial em Interlagos e mostrou o Fórmula Truck para empresários, autoridades esportivas e imprensa. O reconhecimento do trabalho veio com a aprovação da Fórmula Truck pela Confederação Brasileira de Automobilismo para a criação definitiva do campeonato brasileiro em 1996. Em 2008, Aurélio realizava o sonho da internacionalização da categoria, com negociações adiantadas para uma corrida na Argentina.

17


INDICADORES Confira os índices máximos e mínimos e as variações de preços e custos de combustíveis, segundo dados oficiais da Agência Nacional de Petróleo (ANP). Os índices citados são referentes à média nacional, do Estado de São Paulo e de cinco cidades da Baixada Santista (Santos, São Vicente, Praia Grande, Itanhaém, Cubatão e Guarujá) e devem ser utilizados apenas como fonte de informação para o gerenciamento dos postos revendedores.

RANKING DE CUSTOS E PREÇOS JANEIRO X FEVEREIRO JANEIRO (1) Semana 20 a 26

PREÇO AO CONSUMIDOR

FEVEREIRO (2) Semana 24 a 29

PREÇO AO CONSUMIDOR

METODOLOGIA:

PREÇO DA DISTRIBUIDORA

PREÇO DA DISTRIBUIDORA

VARIAÇÕES (2-1)

Média Consumidor

Média Distribuidora

O Levantamento de Preços e de Margens de Comercialização de Combustíveis abrange Gasolina Comum, Álcool Etílico Hidratado Combustível e Óleo Diesel Comum, pesquisados em 411 municípios em todo o Brasil, inclusive Estado de São Paulo e as cidades de Santos, São Vicente, Praia Grande, Itanhaém, Cubatão e Guarujá. O serviço é realizado pela empresa Polis Pesquisa LTDA., de acordo com procedimentos estabelecidos pela Portaria ANP Nº 202, de 15/08/00. O trabalho paralelo desenvolvido pelo Resan consiste em compilar os dados e calcular as médias de preços e custos praticados pela revenda e pelas distribuidoras, sempre com base nos dados fornecidos pelo site da ANP. Mais informações pelo www.anp.gov.br ou pelo 0800-900267.

CONFIRA OS VALORES DE FORMAÇÃO DOS PREÇOS DA GASOLINA E DIESEL

Fonte: Fecombustíveis (*) Valores médios estimados

SAIU NA IMPRENSA Pela primeira vez na história, a frota mundial de P veículos atinge 1 bilhão de unidades. Em seis (O Estado de S.Paulo, 5/3/2008)

anos, os países emergentes - entre eles o Brasil - venderão mais carros que os tradicionais mercados, como Estados Unidos e Europa. As conclusões são da Organização Mundial da Indústria Automobilística (Oica). Em 2007 foram vendidos cerca de 73 milhões de unidades de veículos no mundo. Desses, 30 milhões foram vendidos nos países emergentes. Março

2008

17


Variedades

ANIVERSARIANTES Não houve emissão de

2ª QUINZENA DE MARÇO 17

Maria Pureza Rodrigues Gomes

19

Dilson Augusto Duarte Filho

Auto Posto Acarau - Guarujá

1ª QUINZENA DE ABRIL 5

Auto Posto Canal Ok - Santos Edson Monico de Carvalho Carvalho & Hamamoto - Santos Patrícia Storti de Souza 20

Auto Posto Praia do Forte - Praia Grande Pablo Docampo Estevez

6

Auto Posto Via Uno - Santos

7

Fórmula Indy Comércio e Serviços Autom Ltda - Santos Clean Car Super Lavagem Autom e Comércio Ltda - Santos

9

Auto Posto Praia Azul - Mongaguá Auto Serviços Indaiá - Santos Auto Posto Via de Rossano - Santos Regina Peres Lopes Fonseca

10

Auto Posto Continental de São Vicente

11

Ltda - São Vicente R. P. Lopes Fonseca - Santos Ricardo Martins de Lima Auto Posto Avalanche - São Vicente 23

Cláudia Cirineo Sacco Lopes Auto Posto Beira Mar de Cananéia Ltda. Cananéia Mônica Lopes Fonseca Auto Posto Continental de São Vicente

26

Fernando Antônio Geraldini

29

Auto Posto Vera Cruz Mongaguá - Mongaguá Nilza Dias Penha Auto Posto Fulgor - Santos

31

Luiz Carlos Eboli Villamarim Auto Posto Espumas - Santos

13 15

João de Andrade Fernandes Auto Posto Xixová - Praia Grande Marta Tavares da SIlveira Posto de Serviço Badejo de Bertioga Auto Posto Riviera de São Lourenço Auto Posto Farol - Bertioga Auto Posto Althamar - Santos Auto Posto Betmar - Bertioga Carolina Rosa Cabral Carolina Rosa Cabral - Santos Marco Antônio Nunes Mendes Floripes da Conceição N. Mendes - Santos Maria Celeste Amaral Sampaio Fernandes Auto Posto Bertioga - Bertioga Antônio Augusto Salgueiro Antunes Auto Posto Nacional de Santos - Santos Newton de Arruda Leme Júnior Posto de Serviços Pap’s Enseada - Guarujá Luiz Carlos Fernandes Posto de Serviço Padre Anchieta - Bertioga Nadir Aparecida Vivolo Rotondaro Auto Posto San Remo - Santos José Queiroz Homem Tavares & Queiroz - Santos Aldair de Souza Auto Posto Praia do Forte - Praia Grande Ildo Dutra de Almeida Auto Posto Agenor de Campos - Mongaguá Auto Posto Flórida Mirim - Mongaguá Posto Mont Mar Ltda.

Circular para os associados em fevereiro

FEVEREIRO 20 Reunião do Conselho de Representantes da Fecombustíveis, no Rio de Janeiro;

27 Reunião com Sind Empregados em Postos de Serviços, em Santos, representado pelos diretores Ricardo Lopez e Ricardo Aráujo;

28 Reunião da Comissão de Estudo de Distribuição e Armazenamento de Combustíveis (CEDAC), em São Paulo, representado pelo assessor Avelino Morgado;

Presidentes dos Sindicatos

29 Reunião Ordinária do Con-

17/03 - José Afonso Nóbrega - Sind Pernambuco 25/03 - José Carlos Ulhoa Fonseca - Distrito Federal 29/03 - Abel Salvador Mesquita Jr - Sind Roraima 29/03 - Walter Tannus Freitas - Sind Bahia 04/04 - Algenor Barros Costa - Sind Camboriu 05/04 - Athos Moreira Borges - Sind Acre

selho Regional do SENAC, em Campos do Jordão;

- Solenidade de Posse da Diretoria do Sind Contabilistas de Santos e Região, em Santos, representado pelo diretor Gilson Dutra.

SAÚDE OCUPACIONAL

AV. ANA COSTA, 136 - VILA MATHIAS - SANTOS TELEFAX (013): 3233-2877 www.labormed-sso.com.br - e-mail: labormed@labormed-sso.com.br

ESTACIONAMENTO PARA CLIENTES NO LOCAL 18 Março 2008

Dados fornecidos pela secretaria do Resan: Marize Albino Ramos Secretária Maria do Socorro G. Costa Telemarketing

PARA ANUNCIAR, LIGUE (11) 5641-4934 OU (11) 9904-7083


‘ENTENDER DE GENTE’

D

Durante minha vida profissional, eu topei com algumas figuras cujo sucesso surpreende muita gente. Figuras sem um vistoso currículo acadêmico, sem um grande diferencial técnico, sem muito networking ou marketing pessoal. Figuras como o Raul. Eu conheço o Raul desde os tempos da faculdade. Na época, nós tínhamos um colega de classe, o Pena, que era um gênio. Na hora de fazer um trabalho em grupo, todos nós queríamos cair no grupo do Pena, porque o Pena fazia tudo sozinho. Ele escolhia o tema, pesquisava os livros, redigia muito bem e ainda desenhava a capa do trabalho - com tinta nanquim. Já o Raul nem dava palpite. Ficava ali num canto, dizendo que seu papel no grupo era um só, apoiar o Pena. Qualquer coisa que o Pena precisasse, o Raul já estava providenciando, antes que o Pena concluísse a frase. Deu no que deu. O Pena se formou em primeiro lugar na nossa turma. E o resto de nós passou meio na carona do Pena - que, além de nos dar uma colher de chá nos trabalhos, ainda permitia que a gente colasse dele nas provas. No dia da formatura, o diretor da escola chamou o Pena de “paradigma do estudante que enobrece esta instituição de ensino”. E o Raul ali, na terceira fila, só aplaudindo. Dez anos depois, o Pena era a estrela da área de planejamento de

uma multinacional. Brilhante como sempre, ele fazia admiráveis projeções estratégicas de cinco e dez anos. E quem era o chefe do Pena? O Raul. E como é que o Raul tinha conseguido chegar àquela posição? Ninguém na empresa sabia explicar direito. O Raul vivia repetindo que tinha subordinados melhores do que ele, e ninguém ali parecia discordar de tal afirmação. Além disso, o Raul continuava a fazer o que fazia na escola, ele apoiava. Alguém tinha um problema? Era só falar com o Raul que o Raul dava um jeito. Meu último contato com o Raul foi há um ano. Ele havia sido transferido para Miami, onde fica a sede da empresa. Quando conversou comigo, o Raul disse que havia ficado surpreso com o convite. Porque, ali na matriz, o mais burrinho já tinha sido astronauta. E eu perguntei ao Raul qual era a função dele. Pergunta inócua, porque eu já sabia a resposta. O Raul apoiava. Direcionava daqui, facilitava dali, essas coisas que, na teoria, ninguém precisaria mandar um brasileiro até Miami para fazer. Foi quando, num evento em São Paulo, eu conheci o vicepresidente de recursos humanos da empresa do Raul. E ele me contou que o Raul tinha uma habilidade de valor inestimável:... ele entendia de gente. Entendia

Max Gehringer é um dos mais respeitados consultores e palestrantes do País tanto que não se preocupava em ficar à sombra dos próprios subordinados para fazer com que eles se sentissem melhor, e fossem mais produtivos. E, para me explicar o Raul, o vice-presidente citou Samuel Butler, que eu não sei ao certo quem foi, mas que tem uma frase ótima: “Qualquer tolo pode pintar um quadro, mas só um gênio consegue vendê-lo”. Essa era a habilidade aparentemente simples que o Raul tinha, de facilitar as relações entre as pessoas. “Perto do Raul, todo comprador normal se sentia um expert, e todo pintor comum, um gênio.” Essa era a principal competencia dele. “Há grandes Homens que fazem com que todos se sintam pequenos. Mas, o verdadeiro Grande Homem é aquele que faz com que todos se sintam grandes”. Texto de Max Gehringer escrito especialmente para a CBN. A reprodução do artigo teve a expressa autorização do autor.

Março

2008

19


11_4_2008_15_59_17