Issuu on Google+

Pag.04

CUSTÓDIO OLIVEIRA

Nº 170 • ANO XV • MAIO 2013 DIRECTOR: JOAQUIM FORTE

RL MAGAZINE | Pag. 11 Aluno de Joane nas Olimpíadas da Informática Pedro Carvalho, um craque do andebol

EM FOCO | p. 03 Mogege foi mais rápida que Joane e já tem posto de bombeiros

RONFE | p. 10

AUTÁRQUICAS | Pag. 15 Porque há poucas mulheres nas listas?

Os jovens fazem a festa a 29 e 30 de Junho

“Não tenho visto os adversários no terreno como gostaria”

OPINIÃO | p. 18

Paulo Cunha (PSD-PP) em entrevista PUBLICIDADE

Candidato do PS à Câmara de Famalicão

Ai rosinha que andas tão murcha! Por Quintino Pinto


PUBLICIDADE


REPÓRTER LOCAL • MAIO DE 2013 • 3

EM FOCO

Se vive nas freguesias de Mogege, Joane, Pousada ou Vermoim, em caso de necessidade de uma ambulância ligue para o Posto Avançado de Bombeiros de Mogege através deste número de telefone.

252921140

segurança

Posto de bombeiros Mogege “ultrapassa” Joane

Junta de Mogege gastou 40 mil euros na construção do espaço que alberga o piquete de dois homens e uma ambulância Luís Pereira

A

final foi Mogege a receber o primeiro posto descentralizado de uma corporação de bombeiros do concelho de Famalicão. Joane, que chegou a assinar um protocolo nesse sentido, foi ultrapassada pelo vizinho. O posto funciona desde o dia 27 de Maio, em instalações na Praceta de Santa Marinha, e resulta de uma parceria entre a Junta local e os Bombeiros Voluntários de Famalicão. A sua função é acudir a emergências de saúde, contando para tanto com um piquete permanente de duas pessoas e uma ambulância. Os meios colocados agora em Mogege podem ser accionados pelo CODU (Centro de Orientação de Doentes Urgentes) do INEM, caso a chamada seja feita para o habitual núme-

ro de emergência nacional. Mas os residentes nas freguesias de Mogege, Joane, Pousada ou Vermoim, em caso de necessidade de uma ambulância podem ligar directamente para este Posto que abrange cerca de 15 mil utentes. “Havia a necessidade de aumentar a qualidade do serviço nesta região, aumentar a velocidade de resposta nas emergências. Teremos algum prejuízo económico mas vamos ter o lucro em termos de eficiência de resposta”, considera João Coelho, presidente dos BVF. A Paróquia e uma empresa privada cederam os terrenos e a Junta pagou o edifício, 40 mil euros. “Fixar em Mogege um serviço humanitário de utilidade pública para toda a região, evitando que a ambulância percorra 14 quilómetros para chegar a Mogege”, referiu Manuel Pimenta, presidente da Junta.

O posto instalado em Mogege remete-nos para um protocolo assinado em 2008, entre a Junta de Freguesia de Joane e os Bombeiros de Famalicão. O acordo previa a instalação, em Joane, de um Posto como o que agora existe em Mogege - de resto, contava com o apoio da Junta desta freguesia.

O serviço nunca arrancou por causa de diferendos à volta das zonas de intervenção concelhias das duas corporações de bombeiros existentes em Famalicão. Passado o diferendo, Mogege continua a ser servida pelos Bombeiros de Famalicão e Joane é “território” dos Bombeiros Famalicenses.

A Junta de Mogege não é de ficar à espera. Seriamos parceiros de Joane como seriamos de qualquer outra freguesia. A parceria não se concretizou e proporcionou-se instalar o serviço em Mogege. Quando as coisas nos caem nos braços, é mesmo para avançar. Manuel Pimenta Presidente da Junta de Freguesia de Mogege

CRONOLOGIA “Em Setembro a ambulância já deverá estar em Joane, faltando apenas definir o local. O protocolo poderá ainda ser alargado ao movimento associativo”.

A notícia da instalação do Posto de Bombeiros em Mogege suscitou dezenas de comentários de seguidores da página do RL no Facebook. Aqui ficam alguns.

(Sá Machado, Julho de 2008, na assinatura do protocolo com os Bombeiros de Famalicão que previa a instalação de uma ambulância permanente na vila e que serviria também Mogege)

Artur Magalhães Mogege fez um investimento que joane já deveria ter feito há muito. Parabéns à Junta de Mogege e aos bombeiros voluntarios de Famalicão pela iniciativa

João Couto Tenho 41 anos, desde sempre ouvi falar de bombeiros em Joane,mas nunca passou disso.

Alberto Fernandes Estou a ver que temos bombeiros em Mogege para apagar os fogos em Joane! Como diz o brasileiro: “Malta, tá pegando fogo!”. Ainda temos a possibilidade do hospital em Joane e possibilidade do concelho! Eu confio nos candidatos!

António Torrinha Isto é como ter um exército sem comandantes. Levamos “porrada” por todos os lados.

“Por nós já cá estava. Mas as rivalidades entre corporações, por vezes são postas acima dos interesses das populações. Estamos a trabalhar numa solução que ultrapasse as rivalidades.

Isaura Matias Se é para ajudar as populações, vamos lá gravar o número nos telemóveis.

“O projecto não fracassou e, não podendo adiantar pormenores, estou convicto que ainda este ano a ambulância será uma realidade em Joane”

Paula Campos Mogege foi mais rápido que Joane!

“Estou muito satisfeito com a parceria. Mogege sempre esteve solidária com Joane na instalação de uma corporação de Bombeiros, medida que fazia com que os serviços ficassem mais próximos da população”. (Manuel Pimenta, Julho de 2008, na mesma cerimónia)

(Sá Machado, Junho de 2010, em entrevista ao RL)

(António Oliveira, vice-presidente da Junta de Joane, Janeiro de 2012, em declarações ao RL)


4 MAIO DE 2013 • REPÓRTER LOCAL

QUEM É CUSTÓDIO OLIVEIRA? N a t u r a l d e J o a n e . É p r e s i d e n t e d a A s s o c i a ç ã o Te a t r o C o n s t r u ç ã o , d e q u e f o i f u n d a d o r. C o n s u l t o r d e c o m u n i c a ç ã o . Tr a b a l h o u c o m o assessor de Agostinho Fernandes na presidência da Câmara de Fa m a l i c ã o e d e F e r n a n d o G o m e s , n a C â m a r a d o Po r t o . É l i c e n c i a d o e m C i ê n c i a Po l í t i c a e M a s t e r e m C o m u n i c a ç ã o e M a r k e t i n g pela Universidade de Santiago de Compostela.

LOCALIDADES

FAMALICÃO • AUTÁRQUICAS

Joanense Custódio Oliveira candidato do PS à Câmara Candidato quer colocar o concelho nos 20 primeiros em qualidade de vida Luís Pereira

A

corrida eleitoral em Famalicão parece ter adquirido novo alento com a indicação, por parte do PS, do “novo” candidato à Câmara Municipal. Após a pouco edificante saga do primeiro candidato - António Peixoto, presidente da Associação Comercial e Industrial de Famalicão - a estrutura concelhia socialista virou-se para um joanense, exímio conhecedor dos meandros autárquicos famalicenses (foi adjunto de Agostinho Fernandes entre 1982 e 1990) e da comunicação (é coordenador de diversas campanhas eleitorais pelo país). Homem “dos bastidores”, conhecido pela sua capacidade dinamizadora à frente da Associação Teatro Construção, de que é presidente, Custódio Oliveira chega, agora, ao palco principal de uma disputa eleitoral. E não valoriza o facto da sua candidatura surgir após o “rompimento” do PS com a anterior escolha: “Se fosse uma segunda escolha, era bem bom. Mas a minha convicção é que serei a quarta ou quinta. Não ligo a esses chavões”, referiu o candidato na apresentação. O novo desafio que assume corta com a sua recusa de sempre de nunca ser candidato a cargos po-

líticos. “Enganei-me. Estou aqui e sou candidato. Nunca digas dessa água não beberei”, confessou. Se a opção saída da concelhia PS vai surtir efeito só o tempo o dirá. Por agora o “novo” candidato tem recebido as felicitações de muitos socialistas que andavam afastados e descrentes ao mesmo tempo que suscita interrogações no lado do principal adversário, Paulo Cunha, do PSD-PP, a que muitos vaticinavam um “passeio triunfal” até Outubro. No PS, porém, os ânimos estão longe de apaziguados. O processo “António Peixoto” debilita a actual estrutura, tanto mais que, em Abril, o seu líder, Nuno Sá, garantia publicamente que o candidato do PS estava “de pedra e cal”. Sinal disso é a posição assumida por um grupo de militantes, entre os quais João Casimiro e o joanense Sérgio Cortinhas, muito crítica da forma como a concelhia tem gerido o dossier autárquico. Quanto a Custódio Oliveira, aponta já algumas metas se vier a ser eleito: colocar o concelho, em seis anos, nos 20 primeiros do ranking nacional da qualidade de vida. Actualmente, de acordo com um estudo da Universidade da Beira Interior, Famalicão é o 182.º entre os 308 municípios do país. “Uma posição nada honrosa”, sublinha o candidato.

E s s a d e ro u b a r v o t o s a o S á Machado e dividir o meu Pa r t i d o d e s e m p re em 2001, não lembra ao diabo! Podiam lembrar os meus/nossos dias de ontem na Junta de Freg u e s i a co m m u i to trabalho, o b ra , p a i x ã o e d e d i c a ç ã o à nossa terra . Anda por aí cada co m e n t a d o r ! O d i t o c u j o c o m e n t a d o r,

O QUE ELE DISSE “Sá Machado, pelos res u l t a d o s p o l í t i co s co n s e guidos, tem argumentos sólidos para ser um dos principais candidatos, no campo do PS, à substituição de Armindo Cost a e m 2 0 1 3 . Va i s e r u m processo político muito interessante de seguir!”. Artigo de opinião no RL , Maio 2009

“Sá Machado teve uma g ra n d e v i t ó r i a , e q u a n d o isso acontece fica com avanço no terreno” Entrevista ao RL , Abril 2010

“Sempre disse que nunca me candidataria a cargos políticos. Enganei-me. Estou aqui e sou candidato. Nunca digas dessa água não beberei”. Na apresentação da candidatura à Câmara , 3 Junho

“Gosto muito do meu irmão mais novo e respeito as suas decisões. Não coloquem qualquer s o m b ra . Q u a n d o t i ve r e m dúvidas lembrem-se dos irmãos Portas. O meu apoio vai para o candid a t o d o P S .” S o b r e a c a n d i d a t u ra d e X av i e r Oliveira à Junta de Joane pelo PSD-PP

Uma questão de números

DIREITO DE RESPOSTA Exmº Senhor Director do Jo r n a l Re p ó r t e r Local. Nos termos da lei, por ter sido objecto de referência d i re c t a , q u e a fe c t a a m i n h a p e s s o a e i m a g e m, solicito se d i g n e p u b l i c a r, n o m e s m o local, na mesma página, os documentos que anexo, s e n d o ce r t o q u e o te xto será publicado logo após a foto e o co m e n t á r i o da mesma . Me l h o re s c u m p r imentos. O r l a n d o O l i ve i ra , Adv.

Custódio oliveira

merece resposta singela que passa por contar a fábula do Leon Tolstói, sobre o Frangote Vaidoso: Dois frangos brigavam num monte de esterco. Um era mais forte, venceu o outro a arrastou-o para fora dali. As galinhas todas reunidas ao verem aquilo, aplaudiram. O frangote vitorioso quis que no quintal vizinho soubessem da sua força e da sua glória . Voou até ao topo do celeiro,

bateu as asas e cacarejou b e m a l t o , “ o l h e m p a ra m i m , todos vocês. Sou um frangote vitorioso. Não há no mundo frangote mais forte do que eu”. O F ra n g o t e a i n d a n ã o h av i a terminado quando uma águia o matou com as suas garras e o le vou para o ninho. Tirem lá a moral da história , m a s s e a m u d a n ç a e m Jo a n e é necessária , que o seja como u m a b r i s a s u ave e t ra g a m elhorias em relação ao passado.

1982

1009

número de votos obtid o s p e l o P S , p a ra a A s sembleia de Freguesia d e Jo a n e , n a s E l e i ç õ e s Au t á r q u i c a s d e 1 9 9 7 .

n ú m e ro d e vo t o s o b t i dos pela lista do MAF ( M ov i m e n t o A go s t i n h o Fe r n a n d e s ) , e n c a b e ç a da pelo socialista Orlando Oliveira , para a Assembleia de Freguesia de Joane nas Eleições Au t á r q u i c a s d e 2 0 0 1 .

1521 n ú m e ro d e vo t o s o btidos pelo PS, para a Assembleia de Freguesia de Joane, nas Eleições Autárquicas de 2001.


REPÓRTER LOCAL • MAIO DE 2013 • 5

OPINIÃO | Página 08 e 18 João Moura : “Quem me salva desta morte”; Luís Santos: “Asf ixia editorial”; Quintino Pinto: “Ai rosinha que estás t ão murcha”; Fernanda Faria : “O melhor e o pior de Joane”. 16 MAIO DE 2013 • REPÓRTER

LOCAL

VERMOIM CO DAS CARNES EM CENTRO TECNOLÓGI ado, em parceria a Câmara tem abraç “É u m p r o j e c t o q u e as a indefinição ersidade do Minho, m co m o C I T E V E e U n i v e falar de algo unitário não permit do novo quadro com Fa m a l i c ã o ” . n t e é q u e v e n h a p a ra co n c r e t o . O i m p o r t a

ENTREVISTA

editorial

O

JOAQUIM FORTE

Eleições, segundo acto Não se pode dizer que o processo eleitoral autárquico em Famalicão esteja desprovido de emoção. Em Dezembro, o PS anunciou um candidato à Câmara Municipal. Tirando meia dúzia de frases que proferiu na pálida sessão de apresentação, o candidato apagou-se, como que recolhido a um espaço conventual. Em Abril deste ano, perante o recrudescer dos rumores que davam conta da desistência, o PS veio a terreiro garantir que o candidato estava “de pedra e cal”. Em Maio o PS “desistiu” dele. Quando se esperava o descalabro eis que o PS famalicense surge com nova candidatura: Custódio Oliveira, consultor de comunicação, presidente da A s s ociação Teatro Construção de Joa n e . A apresentação da candidatura de António Peixoto foi uma nota de rodapé, comparada com a de Custódio Oliveira.

FranciscO COSTA O treinador do GD de Jo a n e a i n d a n ã o s a b e se continua no clube ou se passa de malas e bagagens para o vizinho Desportivo de Ronfe. Francisco Costa queixa-se de falta de diálogo e abertura por parte da direcção encabeçada por Rui Ribeiro. RUI BARROS O novo preside nte do Desportivo de Ronfe tem nome de um antigo e conhecido jogador do FC do Po r t o . E e x p e r i ê n c i a futebolística é coisa que não falta a este Rui Barros (foi jogador d u ra n t e 2 0 a n o s ) q u e toma posse no próximo dia 30 de Junho.

FRASES

Mais tarde se verá se temos aqui um “caso de estudo”, se se verificar que o PS em Famalicão conseguiu, após uma apática e pouco abonatória falsa partida, recuperar a mobilização que há muito não conhece no concelho através de uma segunda candidatura. Há até quem, embalado por algum optimismo entusiástico, lembre que os socialistas em Famalicão só lograram alcançar o poder municipal com a candidatura de um joanense - Agostinho Fernandes, em 1982. O candidato do PSD-PP à Câmara Municipal de Famalicão, Paulo Cunha, na entrevista que concede a este jornal, garante que, se ganhar as eleições, não deixará de ser o presidente de todas as freguesias. Mas também confessa que o projecto que sustenta a sua candidatura, na parte que toca a Joane, pres-

protagonistas PEDRO SILVA É o que se chama “um verdadeiro crânio”. Este aluno do 11.º ano do Curso Profissional de Técnico de Informática de Gestão da escola secundária de Joane é craque em informática e o seu talento vai ser posto à prova na Austrália , na final internacional das Olimpíadas de Informática, de seis a 13 de Julho.

“Não tenho visto os meus adversários no terreno como gostaria”

concelho está condenado a ser local de passagem por entre estar “entalado” três cidades? izemOs últimos censos d cresnos que Famalicão cento. Está a por cinco ceu com crescer em contraciclo ís. Já a p o m o c o Norte e fomos acusados de fazermos mas muitas pequenas obras, prefiro continuar a fazê-las ias do por todas as fregues na que fazer grandes obras cidade. Como pode uma Câmara go? diminuir o desempre tem Sendo facilitadora . Não agên a missão de ser uma PSD-PP de o p s a m s Paulo Cunha, candidato do o g e r p m cia de e admite ab o r, à Câmara Municipal de Famalicão, dois at rai r e mp re s as . A M dos estão a Tesco, a Leika não descontentamento de militantes acaso. da escolha do em Famalicão por partidos em Joane por causa proxiOliveira. Os bons acessos; a candidato à Junta, Xavier raga, midade ao Porto, B porto Guimarães e Póvoa, ao de Leixões e ao aeroporto, antes. são factores import Luís Pereira cumh e ç o decisiva do processo. d o Em 2013, Famalicão legiado porque con scapa Ser J o a n e t e m e priu as metas na educação das SDmuito bem o concelho. i c i o n a construídos em funç��o ao domínio do P que o governo amb coisas autarca é estar no terreno r um ex: m a i s necessidade s. Serão o os PP. Escolhe para o país em 2015 as, sem e lá não tenho vist PS como jovens m u i t o l o c a l i z a d omo militante do de 50% dos nossos FEIRA DE JOANE meus adversários, c foi a forma É r o f i s - investimen tos faraónicos. frequentam cursos p “Acho uma boa solução. e seria positivo. candidatoquebrar esse ade ou d i c a desejava n r i t s e v e u n q I a em c i d a de tentar sionais. Isso signifi dinâmica . Sobre a obra freA votação consegu ? distribuir pelas as empresas têm cá recursos si não tenho ideia formada m i n d o C o s t a “enguiço” r A r o p contexO guesias? s. feiNão há enguiço. humanos qualificado porque vi o espaço com investifunciona como “meta”? ste ano, tinua Os dois maiores iado é to de Joane é, e No entanto con ra . Ta l ve z s e j a d e m a s foram o A única meta que tenho p r e - mentos em educação diferente e escolhemos com 16% de desem apertado”. ibeirão. ter condições de governanos parece s 12% em Joane e em R o que candidato que gados, acima do que têm bilidade na Câmara, 15, 5% Há equipamen tos l u t a . mais acertado. de Barcelos e dos e c e nexige maioria abso ntemente FREGUESIA S de ter uma óptica d elo, Independe de Braga. o de Parque reAlém de Nuno M “A l e i e s t i m u l a c r i a ç ã é com- t r a l i d a d e , c o m o o do que ditarem os O nosso contexto só de freguesias. na Assemblei a Municia, que não podia oane, s J e v e m associações D , e s a , e s d ã o r a d a m t i l u u G s utro parável com eirão ou erá pal, poderá ter o Se uma freguesia pequena Ave. O ser feito em Rib consigo não hav que é o do Vale do para mos joanense na vereação? das como não tem orçamento de C a s t e l õ e s . N ã o p o d e á fe- costas volta ário têxtil já não é um sector aço aso e A vereação não est co n t ra t a r u m f u n c i o n e não construir um esp entre Sá Machad emprego em massa para lideschada mas o meu sentido a tempo inteiro ou sociativo ou um po Armindo Costa? e se voltaremos a ter empresas só é para a continuida de. a relação c o m p r a r u m t r a c t o r, Esta portivo numa freguesia a j a Considero boa com mil trabalhador es. em o têm. Não teme que h Macha a freguesia vizinha t e p a r a porque as outras d o que tenho com Sá zona tem capacidad ntão etende um reacção negativa mesmo problema , e t o r ( o Se for eleito pr o. Não tenho nenh d Joane, e m em a desenvolver o sec a t m n u PP, u j g PSD e do m nenhum porque não se implementar al uma a n t i c o r p o c o sas? CITEVE é um bom exemplo) tracontra o recurso a dividem essas despe Era desejável ais política de descen m , e t n e r candidato. e f i d á r e s s e ma el s pessoa do PS? Tu d o i s t o é p o s s í v lização? que o Xavier fosse eleito qualificado , com um volume O facto de o Xavier Oliveiojecto que houver vontade local”. Vou reforçar as competên a um p o r q u e o p r de emprego muito inferior. relação ra ter estado ligado e execuu m a cias das Juntas na o- tenho para Joan Uma cidade sem idade. Não tro projecto polític n u não u o e m d o o c p a , EDUCAÇÃO e l m r e o e c m m o o c c e de t a - s s no sala de cinema partidário, não o inibe com outro “A t é a g o r a i n t e r v i m o i d a d e quero que uma associação para se concertar ndo cial não é uma c ser o homem certo “hardware”, melhora e Junta. Se tenha que vir de Vermoim unta presidente d culturalm ente manca? onspreciser presidente da J não haverá espaços físicos e c todas à c i d a d e p o r q u e i s s o não for eleito, A Casa das Artes tem s ou de de Joane e foi por de costas. truindo Centros Escolares. essão sa de umas grade n ã o qualquer voltar as semanas uma s alhar a festa. que foi convidado, A g o ra é p r e c i s o t ra b l gra- um palco para um Na última AF de Joane, por ou PS de cinema comercia do sejam sido conteúdos. por ter Câmara o “software”: os p o d e Quero que as Juntas da o PS acusou a tuita. A Câmara não ança ão de ter feito parte da lista mo polítiNão basta que a cri uma “loja do cidad h u m de oportunis substituir-s e aos privados, e isso actual Junta. Nen obras saiba matemática e inglês, com t e r c e i r a g e r a ç ã o ” , Há co por causa das e, construindo shoppings eios e candidato é unânime. 400 mil tem de saber socializar-s futu- não implica mais m Co - n a V I M . O s salas de cinema. No ados mas sim sempre resistência s. ntes e os currículos fech dina- recursos humanos, euros são suficie ro, quero apostar na ronheço casos de militantes não têm ensinado isso”. n h i a s mais organizaçã o. para resolver o p mização das compa osição descontent es mas encaro nais e A n o t ó r i a e x p de teatro, profissio natural. Não blema? imos t l forma ú de s o n isso a c i t á sob juá t i s d e r e e o s m de te A V I M n ã amadoras, que têm num é a decisão politicamen a Câmara. Foi meses coloca-o parece- r i s d i ç ã o d e agregadas. mas d o d a i correcta g e l i v mais i r tem cru entos ponto p Foi a mal construída, Faltam equipam mos nos a mais acertada. o n c e - partida para a corrida. s e zamentos perigosíssi a f a n a h l desportivos no c o c s e a r i e prim Concorda ? lho? privi s e r ã o Só estou num ponto Faltam alguns que

PAGs. 16 e 17 | entrevista Pa u l o C u n h a , c a n d i d a t o d o P S D - P P à Câmara Municipal de Famalicão, admite que há desconforto em Joane por causa da escolha de Xavier Oliveira

supõe ter como interlocutor na Junta de Freguesia o candidato da coligação, Xavier Oliveira. O “treinador-adjunto” de Armindo Costa (usando a expressão do actual presidente da Câmara de Famalicão) tem conhecido uma notória projecção mediática fruto das suas aparições, mas Paulo Cunha argumenta que o que tem feito é aquilo que qualquer autarca deve fazer - conhecer o território, contactar com autarcas e associações. E nesses périplos, Paulo Cunha alega que não tem encontrado os adversários. Mesmo não dispondo da condição de autarca a tempo inteiro, e da representação institucional de Paulo Cunha, os candidatos das outras forças, em particular do PS, tardam em fazer esse trabalho de proximidade, no terreno.

o que se diz PAULO CUNHA Há vários meses que Paulo Cunha é, para os famalicenses, o p r e s i d e n t e d a C â m a ra , tal a exposição que tem conhecido. Na entrevista ao RL , o candidato do PSD-PP ao lugar até agora ocupado por Armindo Costa admite o descontentamento de militantes dos dois partidos em Joane por causa da escolha do candidato à Junta , Xavier Oliveira .

Propriedade e Editor - Tamanho das Palavras, Lda Rua das Balias, 65, 4805-476 Stª Mª de Airão Telefone 252 099 279 E-mail geral@reporterlocal.com Membros detentores de mais de 10 % capital Joaquim Forte e Luís Pereira

“PS DE FAMALICÃO DESISTE DO CANDIDATO ANTÓNIO PEIXOTO” Título do jornal Opinião Pública

“Custódio Oliveira não se importa de ser a segunda escolha do PS de Famalicão” Público

“Surpreendidos pela denúncia unilateral do acordo que levou a Concelhia de Famalicão do PS a escolher o independente António Peixoto para encabeçar a candidatura à Câmara Municipal, aguardamos até hoje por uma explicação política convincente para a ruptura anunciada. Não o tendo feito e tendo já escolhido um novo cabeça de lista, evidencia falta de uma estratégia consistente”. Comunicado de militantes do PS Famalicão

“Se as eleições fossem hoje, o PS vencia as autárquicas em Guimarães com maioria absoluta”.

“Esta é uma candidatura que põe Joane primeiro, sem interesses pessoais, nem objectivos escondidos, e que só se quer submissa aos verdadeiros interesses, valores e identidade da nossa terra” António José Oliveira, carta de apresentação da sua candidatura, pelo PS, à Junta de Joane

Governo quer divulgar nomes de quem mora em habitação social” Público

“Vimaranenses doaram 28 mil quilos de alimentos para o Banco Alimentar Contra a Fome” Guimarães Digital

“Grupo que detém o Jornal de Notícias, Diário de Notícias e TSF vendido a fundo angolano” Público

Guimarães Digital

Director Joaquim Forte ( joaquim.forte@gmail.com) Redacção Luís Pereira (luispereira@reporterlocal.com) Paginação Filipa Maia Colaboradores Luís Santos; Sérgio Cortinhas; João Moura; Quintino Pinto Impressão Gráfica Diário do Minho | Tiragem 4000 ex. Jornal de distribuição gratuita Distribuição: Alberto Fernandes | Registo ICS 122048 | NIPC 508 419 514


6 MAIO DE 2013 • REPÓRTER LOCAL

JOANE | ACIP DESENVOLVE PROJECTO A Cooperativa de Intervenção Psico Social de J o a n e ( A C I P ) e s t á a d e s e n v o l v e r, d e s d e M a i o , o projecto “Neurofeedback/Neuroterapia”, vocaionado para crianças e jovens com problemas de hiperactividade, autismo e epilepsia .

VERMOIM | PASSEIO DE CLÁSSICOS A A s s o c i a ç ã o C u l t u r a l d e Ve r m o i m o r g a n i z o u , no dia 25, o passeio de automóveis clássicos e antigos. A caravana automóvel partiu da exf i a c ç ã o d e Ve r m o i m e c o n t o u c o m p a r a g e n s n o M u s e u d a I n d ú s t r i a Tê x t i l e n o M u s e u Fe r r o v i á r i o .

CASTELÕES • aSSociativismo

ADECA com gestão administrativa Clube conquistou taça concelhia sénior de futebol de salão Luís Pereira

A

Associação Desportiva de Castelões (ADECA) está sem direcção. Como não surgiu nenhuma lista candidata aos órgãos sociais, após conclusão do mandato de Sérgio Ferreira, a associação está a ser gerida por uma comissão administrativa. Segundo o dirigente anterior, é cada vez mais difícil encontrar pessoas disponíveis para trabalharem pela associação. “Exige muita disponibilidade e empenho e não dá qualquer proveito, a não ser a carolice e a amizade”, afirma Sérgio Ferreira ao RL. Por duas vezes a associação

Cinco anos do Coro Juvenil O Coro Juvenil de Vermil assinalou, a um de Junho, cinco anos de existência com um concerto na igreja local, a que se juntou o Grupo Coral de Viatodos. Uma forma de angariar fundos para adquirir um novo órgão para a paróquia que custa nove mil euros. Fundado por António Dias, conta com nove membros. “Na altura eram jovens de 15 anos, hoje andam nas universidades, o que significa um problema para ensaios”, refere António Dias, que pretende cativar novos membros. “Há muito pouca gente que se quer dedicar a este tipo de trabalho, sobretudo porque há o hábito de se querer tudo no imediato e um coro destes exige paciência”, aponta o dirigente.

Alfredo Mendes continua à frente do Agrupamento Alfredo Mendes foi reconduzido no cargo de Director do A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s Pa d r e Benjamim Salgado de Joane, por decisão do Conselho Geral Tr a n s i t ó r i o , n o p a s s a d o d i a 2 8 . Um Conselho onde têm direito a voto professores e representantes de autarquias, alunos, pais, associações e empresas. Alfredo Mendes ocupava provisoriamente o cargo há um ano, desde a constituição do novo agrupamento que fundiu o Agrupamento Bernardino Machado com a secundária.

tentou encontrar uma direcção, através de duas assembleias gerais eleitorais, mas não surgiu nenhuma candidatura. De tal forma que o presidente da Assembleia Geral procurou ultrapassar o vazio directivo, criando-se uma comissão administrativa constituída por vários dirigentes e com prazo de um ano, tempo considerado suficiente para se encontrar uma solução definitiva. Este cenário de desalento contrasta com os bons resultados obtidos pela ADECA em campo: a um de Junho conquistou a taça concelhia sénior de Futebol Salão, ao vencer em Riba d´Ave a Ramil por 6-3 (foto), reeditando assim o feito de 2010/1011.

VERMIL

JOANE

JOANE • religião

IURD atrás dos efeitos da crise A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) viu em Joane u m p ó l o a t ra c t i vo e co m potencialidade para fixar mais um dos seus Centros de Ajuda. Depois de Famalicão, realizou as primeiras sessões na vila em Maio e promete ficar por muito tempo, com eventos quinzenais. O pastor Valdnei Arruda (foto) diz que tais “eventos” são “sessões de cariz espiritual e de ajuda”, que têm sido realizados aos domingos à tarde num pavilhão junto ao Centro Escolar de Joane. Os participantes nas primeiras sessões têm sido sobretudo pessoas de Famalicão que já frequentam o Centro de Ajuda local. Este responsável diz que a IURD quer “iniciar um trabalho em Joane e arredores” que, por ser novo, “será mais difícil conseguir trazer novas pessoas”, porque ainda existe “um grande

preconceito” em relação a este culto. “A s p e s s o a s e n c a r a m nos com desconfiança e grande preconceito por desconhecimento do que somos e do que fazemos”, sustenta este pastor que presidiu a primeira sessão realizada em Joane, em Maio. O “staff” da IURD tem distribuído propaganda pelas caixas de correio da vila, a anunciar sessões que visam “dar a conhecer quem realmente é Jesus” e que prometem “ajuda aos problemas do quotidiano”. A primeira sessão em Joane foi muito rápida e começou com atraso devido a falta de participantes. O modelo é o mesmo dos vários centros de ajuda: palestras de motivação para ajudar a contornar “decepções e frustrações, enganos e mentiras”, explica o pastor.

Igreja Universal do Reino de Deus pondera criar um Centro de Ajuda em Joane. Sessões de culto já começaram, aos domingos, num espaço alugado junto ao Centro Escolar.


REPÓRTER LOCAL • MAIO DE 2013 • 7

LOCALIDADES

JOANe | PROCISSÃO DE Nª SRª DE FÁTIMA A procissão de velas organizada pela Fraternidade Nuno Á l va r e s d e Jo a n e , n o d i a 2 5 , p e r co r r e u a l g u n s l u g a r e s da vila . O ponto alto aconteceu no Largo 3 de Julho com a encenação da aparição aos pastorinhos. O padre António Aze vedo presidiu à procissão.

RONFE • aniversário

Promessas e recados nos 14 anos de vila Junta de Freguesia mostra-se aberta ao diálogo e cooperação mas quer mais atenção da Câmara às necessidades da vila Aniversário ronfe

Distinções Prémio Revelação Sara e Dulce Oliveira ( Atletas de Ronfe da Escola de Atletismo Rosa Oliveira de Joane) Prémio Associação Associação de Pais dos Alunos da Escola Abel Salazar Prémio Desporto Pe d ro C a r va l h o ( S e l e c ç ã o N a cional de Andebol) P r é m i o Pe r s o n a l i d a d e A r m i n d o Fa r i a ( P ro f e s s o r e m Ronfe de 1963-99) Prémio Dedicação Manuel Abreu (75 anos de Escutismo) Prémio Empresa Po l i b r á s Prémio Vila Daniel Rodrigues (Ex-presidente da Junta de Ronfe) Luís Pereira

A

sessão solene dos 14 anos da vila de Ronfe teve os ingredientes habituais: recados da Junta à Câmara Municipal de Guimarães; cultura e prémios de mérito. A crispação que habitualmente caracteriza o relacionamento entre Junta e Câmara esteve arredado dos discursos, excepção feita ao de Henrique Barros, presidente da Assembleia de Freguesia, que deixou bem clara a posição crítica quanto à actuação do poder municipal. Um dos temas dominantes, como se previa, foi o Centro Escolar: o vice-presidente da Câmara

“A Junta de Freguesia de Ronfe deseja uma cooperação aberta com a Câmara Municipal de Guimarães mas também que esta olhe com atenção para as carências de Ronfe”. António Sousa, presidente da Junta de Freguesia de Ronfe

Municipal, Domingos Bragança, garantiu que a obra “é mesmo para concretizar” logo que seja ultrapassado o problema da suspensão do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), considerado “o único responsável pelo atraso”.Depois disso, garantiu, “vai para o terreno”. A candidatura do Centro Escolar, disse ainda, tinha sofrido um revés pelo facto de o projecto não ter contemplado o jardimde-infância, uma falha que se deveu ao facto de Ronfe já dispor dessa valência. O problema foi entretanto ultrapassado e o Centro “tem projecto, candidatura e apoio comunitário aprovados”. Em dia de festa, o presidente da Junta endereçou os habitu-

ais recados à Câmara quanto à necessidade de intervenção nas ruas e na rede de saneamento e águas pluviais e sugeriu uma intervenção na escola de Gemunde (que concentra o ensino básico) caso persista um impasse no avanço do Centro Escolar. “Desejamos uma cooperação aberta com a Câmara mas também que esta olhe com atenção para as carências de Ronfe”, frisou António Sousa. Essa abertura, vincou Domingos Bragança, “é óbvia”, pese embora o facto de a Câmara ter “desistido” da piscina descoberta na vila. “Desistiu em Ronfe e noutras localidades. Foram equipamentos planeados em tempos em que tudo era mais fácil. Agora não

“O Centro Escolar de Ronfe é mesmo para concretizar. Assim que for ultrapassado o problema da suspensão do QREN, que é o único responsável pelo atraso, a obra vai para o terreno”.

“Basta de tratamento desigual na atribuição de apoios com critérios duvidosos, apenas por afinidades políticas”.

Domingos Bragança, vice-presidente da Câmara Municipal de Guimarães

Henrique Barros, presidente da Assembleia de Freguesia de Ronfe, referindo-se à Câmara de Guimarães

há dinheiro. Ninguém entenderia que, com tanta dificuldade, dessemos prioridade a esses investimentos”, argumentou Bragança ao RL. O tom de cordialidade em dia de festa revelou-se apenas aparente: Henrique Barros, presidente da Assembleia de Freguesia, tratou de clarificar a forma como a Junta entende a posição da Câmara: “Basta de tratamento desigual na atribuição de apoios com critérios duvidosos, apenas por afinidades políticas”, atirou. O pároco local, João Silva, vincou o sentimento de comunidade como “o mais importante” de Ronfe” e defendeu uma postura local em prol do bem comum e contra os “ individualismos”.

“O que Ronfe tem de mais importante é o sentimento de comunidade. É tempo de trabalharmos em prol do bem comum e deixar de lado os individualismos”. João Silva, pároco de Ronfe


8 MAIO DE 2013 • REPÓRTER LOCAL

VERMOIM | FALECEU ANTIGO PÁROCO Fa l e c e u n o p a s s a d o d i a 3 0 , v í t i m a d e doença prolongada , o antigo pároco d e Ve r m o i m . F r a n c i s c o Te i x e i r a e s t a v a afastado por motivos de saúde, tendo sido substituído por José Barbosa .

CRÓNICA

Quem me salva desta morte? João Moura | Jornalista e escritor

A

PUBLICIDADE

chuva entra dentro de casa sem ser convidada. O computador pifa , a impressora também. A PS3 vai pelo mesmo caminho. O carro avaria à noite, numa zona escura e debaixo de chuva . As coisas não correm como devido. Alguns planos s a e m f u r a d o s . Tu d o b e m . H á d i a s que são testes à nossa paciência e que dão ainda melhor sabor aos dias bons que virão. A espuma dos dias apaga-se rapidamente à frente dos nossos olhos. Irritante é mesmo ler e cruzar-se em momentos de suposto escape à realidade com frases como: “quem me libertará do corpo desta morte?” (S.Paulo). De facto, quem nos livrará da morte a que estamos sujeitos? Quem nos salva da nossa existência? Quem nos leva além daquilo que somos? Quem nos leva a fugir ao nosso fim? Quem nos salva do nosso ponto final? Os nossos amores? Os nossos filhos? As nossas obras? Muitos dizem que a realização passa por certos gestos, como ter um filho, escrever um livro ou plantar uma árvore. Mas de que adianta escrever um livro se ninguém o lê? De que adianta plantar uma árvore se ninguém a rega? Que adianta ter um filho se ele não tem a atenção, o amor e a educação devida? De que adianta ter uma rua com o nosso nome se

ninguém sabe quem somos/fomos ou se nos odeiam? Onde podemos encontrar mesmo a nossa realização? Se o objectivo é criar algo que dure para sempre ( já que nós não duramos para sempre), será mesmo essa a forma de nos sentirmos bem e de não cairmos no esquecimento? A morte é como uma curva, é deixar de ser visto, dizia algo do género Fernando Pessoa . No entanto, uma estátua no meio da cidade de uma suposta grande individualidade do passado é ignorada por todos, à excepção de uns cães com problemas de incontinência e de u n s p o m b o s c o m m i r a c e r t e i r a . Tu d o se vai desmoronando aos poucos, desde o estranho grito de Munch ao enigmático sorriso de Mona Lisa de Da Vinci. Há muito material para questionarmos nas nossas vidas, começando por esta pequena frase. Os rumos que as nossas vidas estão a tomar serão mesmo os melhores para nós? Interessa mesmo gladiarmo-nos p o r f u t e b o l ? Re l i g i ã o ? Po l í t i c a ? S e usamos turbante ou crucifixo? Se ganha esta ou aquela cor as eleições? Ta n t o o l a r a n j a c o m o o c o r - d e - r o s a parecem cores pouco masculinas para um homem se orgulhar…E uma crónica num jornal? Interessa mesmo para alguma coisa?

AIRÃO STª MARIA | CONCERTINAS NA PRAIA No próximo dia 10 de Junho, pelas 14:30 horas, realiza-se na Praia Fluvial de Airão Santa Maria o quinto encontro de concertinas. A organização é dos “Amigos da Concertina”.

OPINIÃO

Asfixia editorial Luís Santos | Membro da Junta de Freguesia de Joane (PS) Há dias chegaram-nos notícias da violação de uma jovem na Ciclovia que liga Fa m a l i c ã o à Pó v o a d e Va r z i m . Ainda que tal crime tenha sido cometido num troço pertenc e n t e a o c o n c e l h o d a Pó v o a (que por acaso até estava em obras de melhoramento e alargamento) a Câmara d e Fa m a l i c ã o a p r e s s o u - s e a publicitar informação para que ninguém circule sozin h o n e s t a v i a . Tu d o n o r m a l e prudente. Mas a Câmara d e Fa m a l i c ã o d e v e r i a , i s s o sim, aconselhar os munícipes a não circularem na pista por questões da integridade física. Quem por ali circula rapidamente se apercebe das condições degradantes: derrocadas que bloqueiam a passagem, enormes poças de água, lama, pedras, buracos, etc… Há muito que as famílias deixaram de circular por ali, porque simplesmente não é possível passear de bicicleta, caminhar ou praticar jogging. A ciclovia está abandonada , a degradação é tal que nem os praticantes de BTT a escolhem como ponto de passagem. Quando foi lançada pela Câmara, com pompa e circunstância, foi catalogada como “excelente meio para se desfrutar da natureza da região e para a prática desportiva, num ambiente de grande beleza e tranquilidade”. Nada mais contrário ao que hoje temos. “A s f i x i a d e m o c r á t i c a ” . E s t e slogan tornou-se famoso n u m a l e g i s l a t u r a a n t e r i o r.

Hoje, assistimos na quase generalidade da imprensa concelhia com edição semanal a uma “asfixia editorial”. Dizem-me que a publicidade paga pela Câmara em cada edição é uma base fundamental para o sustento destas publicações. Por mero exercício critico, contei há dias numa mesma edição oito fotografias onde aparecem ou o presidente da Câmara ou o vice-presidente (agora candidato a presidente). Consc i e n t e d o r i s co d a co m p a ra ç ã o e provável exagero, recordo os serviços noticiosos de um país do oriente em que qualquer nota informativa co m e ç a va s e m p r e p e l o “ N o s s o grande líder”. Hoje, chega a parecer que não é necessária a presença de jornalistas nos mais diversos acontecimentos. Alguém do “staff ” tira fotos, escreve um texto e envia às redacções para publicação. Estas “notícias” que noutros tempos receberiam tratamento jornalístico, e eram trabalhadas mediante o seu interesse e importância noticiosa, estão agora ao a l c a n c e d e u m s i m p l e s “c o p y / paste”. Só assim encontro justificação para que notícias de jovens premiados no estrangeiro e debates sobre a família tenham direito a umas linhas apenas e visitas a feiras de candidatos, a cinco meses das eleições, usem de um quarto de página. É o que temos, mas seguramente que não é o que merecemos.


REPÓRTER LOCAL • MAIO DE 2013 • 9

AIRÃO | PISCINAS REABREM A 8 DE JUNHO As piscinas de Airão São João reabrem ao público este sábado, oito de Junho. O equipamento possui um tanque principal, tanque chapinheiro para crianças, balneários, bar e serviços de apoio, e tem capacidade para 300 pessoas. Até Setembro, no horário das 10:00 às 20:00 horas.

JOANE | FESTIVAL DE FOLCLORE Realiza-se este sábado, dia oito, no Parque da Ribeira, pelas 21:00 horas, o 24º festival do Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Joane. O encontro, que abre com o Grupo de Danças da Escola Secundária de Joane, conta com grupos de Penafiel, Dalvares, Matosinhos e Esposende.

Pedro e o andebol Pedro Carvalho, de 18 anos, internacional ao serviço da Selecção Nacional de Andebol

A

v i da deste atleta do Xico Andebol (de Guimarães) g i ra em torno da modalidade. A paixão começou quando tinha nove anos, na equipa da Associação C ultural e Recreativa de Ronfe. Com a dissolução d e s t a , o a t l e t a f o i co n v i d a d o p a ra o X i co A n d e b o l , ú n i c a e q u i p a d a r egião que compete em campeonatos nacionais. Numa mesma época, 2008-2009, foi campeão nacional d e i n i c i a d o s e campeão nacional de selecções regionais. “ E s t a é p o c a estive a treinar três horas por dia . Jogava aos s á b a d o s p e l os seniores e aos domingos pelos juniores. Tem s i d o d i f í c i l conciliar com os estudos, mas apesar disso os r e s u l t a d o s escolares não são maus”, di z o atleta . A p r e s e n ç a em selecções nacionais começou aos 13 anos ( s u b - 1 4 ) e d e s d e e n t ã o é p r e s e n ç a a s s í d u a n a s co n vo c at ó r i a s d a e q u i p a d e j u n i o r e s B . J á r e p r e s e n t o u Po r t u g a l n a Ta ç a L a t i n a , s o m o u v á r i o s t o r n e i o s c o m E s p a n h a e disputou um apuramento para o campeonato europeu. E m Ju n h o e spera ser novamente convocado para o torneio d a s s e l e c ç õ e s n a c i o n a i s q u e n ã o co n s e g u i ra m a p u ra r - s e p a ra o c a m p e o n a t o e u ro p e u e t ra z e r d e l á o a p u ra m e n t o p a ra o m u n dial. A p e s a r d e g ra n d e fo r m a f í s i c a , o a t l e t a co n fe s s a q u e n ã o é “c u i d a d o s o na alimentação”, e que “legumes e fruta” não f a z e m p a r t e d a s s u a s e m e n t a s . “C o m p e n s o e s s e d e s c u i d o co m m u i t o treino”, explica . No último aniversário da vila de Ronfe, Pedro foi distinguido co m o “ P r é mio Desporto” por parte da Junta de Freguesia . “ U m , r e co n hecimento do trabalho feito”, diz . L . Pereira .

Antoninas Música e tradição Jo ã o Pe d ro Pa i s e Z é A m a ro s ã o a s “ e s t r e las” da edição 2013 ds Festas Antoninas de Fa m a l i c ã o , d e s e t e a 1 3 d e J u n h o . E s p e r a m se milhares de pessoas na cidade, atraídas pela animação musical, pelas tradições e sabores. A música popular domina o cartaz , com Zé Amaro no dia oito, às 22:00 horas, no P a r q u e d a D e v e s a e J o ã o Pe d r o P a i s n o d i a 1 2 , à m e s m a h o r a m a s n a P r a ç a D. M a r i a I I . As Marchas Antoninas (nove de Junho, à noite), habitual ponto alto das festas a Santo António, contam este ano com 10 grupos. Antes, no dia sete, realizam-se as Marchas Infantis. Do programa deste ano, realce para uma novidade: uma corrida de carrinhos artesanais, no dia nove, apadrinhada por nomes conhecidos do desporto, como Paulo Futre, Quim e Armindo Araújo, entre outros. A C a m i n h a d a C a m i l i a n a , o R a i d To d o - o Te r r e n o , a p r o v a d e t i r o a o s p r a t o s , o G r a n d e Prémio de Atletismo Bernardino Machado e a Ta ç a d e Po r t u g a l A l e x - R y u - J i t s u i n t e g r a m o programa , assim como a parte religiosa , com a distribuição do Pão de Santo Ant ónio e a procissão, no dia 13.


10 MAIO DE 2013 • REPÓRTER LOCAL

LOCALIDADES

Uma noite de comédia! Os humoristas João Seabra e Miguel Sete Estacas são dois dos atractivos da Festa da Juventude de Ronfe, para um espectáculo d e s t a n d - u p c o m e d y.

Ronfe • iniciativa

FESTAS DA JUVENTUDE

São os jovens que fazem a

Uma iniciativa inédita na nossa região

Festa da Juventude! Edição regressa nos dias 29 e 30 de Junho depois de dois anos de interregno parceria entre Junta de Freguesia e Casa do Povo, mas António Sousa, presidente da autarquia, salienta que a edição deste ano é feita com o voluntariado de jovens. A Junta, adianta, é a principal mobilizadora mas optou por entregar aos jovens a organização. “Em boa hora o fizemos porque nota-se o empenho e o entusiamo que colocam na preparação. A Junta e a Casa do Povo acompanham as operações para que nada falhe”, explica o autarca. Os voluntários, conta João Passos, trabalham desde Janeiro, em contra relógio, para garantir que tudo fica

pronto para o fim-de-semana que inclui música, diversão, desporto e “stand-up comedy”. “Está muita malta a ajudar na organização, o que diz bem do interesse que a festa desperta”, explica o jovem. A Casa do Povo disponibiliza o espaço, ajuda a custear as despesas e coloca ao dispor recursos humanos e logísticos, cumprindo, desta forma, um dos seus objectivos: “estar ao serviço da população”, contribuindo para “um evento marcante na região”, considera Daniel Rodrigues, presidente daquela instituição.

Ronfe foi pioneira na região ao realiz a r, e m 2 0 0 8 , a F e s t a d a J u v e n t u d e . A iniciativa teve grande adesão nas três edições mas a contenção orçamental da Junta local conduziu à sua suspensão em 2011. Este ano, a organização espera uma adesão de 5000 pessoas. O mais importante, contudo, segundo a organização, é Ronfe poder constar no cartaz de eventos para os jovens. “Não pretendemos fazer um mega concerto, mas cativar os jovens de Ronfe e freguesias vizinhas”, refere António Sousa.

Música e comédia Música , desporto, comédia e animação: eis o que promete o cartaz das Festas da Juventude de Ronfe. “Ráphia”, banda d e Fa m a l i c ã o q u e t e m s o m a d o s e g u i dores, está confirmada para a noite de sábado, tal como os “Sigla Dep”, que “jogam” em casa. Outros dos atractivos: os comediantes João Seabra e Miguel Sete Estacas, uma corrida de carrinhos de rolamentos (em parceria com a escola Abel Salazar) e u m a p a r t i d a d e “ p a i n t - b a l l ” . Tu d o a c o m panhado por um bar com cachorros e hambúrgueres. O RL figura como parceiro do evento abrindo as suas páginas à informação e reportagem sobre a festa , de que dará conta na próxima edição.

PUBLICIDADE

A

pós dois anos de silêncio, as Festas da Juventude de Ronfe regressam este ano, nos dias 29 e 30 de Junho, prometendo animar a vila num certame com entrada gratuita no recinto da Casa do Povo. “Queremos segurar os jovens à sua terra e mostrar-lhes que não só o que se faz fora de portas é que é bom. Ronfe já provou que tem capacidade para organizar um evento direccionado à malta nova. A festa vai dar um novo ânimo à vila”, diz João Passos, da organização. As festas resultam de uma


REPÓRTER LOCAL • MAIO DE 2013 • 11

No dia da criança , a ATC de Joane e o Starts Teatro estrearam, no Centro Cultural, “Aventuras Mágicas”, um musical infantil com duendes, fadas, espantalhos e estrelas. O trabalho surgiu no âmbito de um projecto da Câmara Municipal de Santo Tirso nos bairros sociais do concelho. C a r l a R o d r i g u e s , a s s i s t e n t e s o c i a l , foi a principal incentivadora do grupo. Ao teatro, a jovem acrescentou músicas infantis compiladas num CD da sua autoria , lançado aquando da estreia do musical.

Pedro Silva

A caminho das Olimpíadas da Infomática na Austrália

P

edro Silva é o que se chama um “verdadeiro crânio”. Este aluno do 11.º ano do Curso Profissional de Técnico de Informática de Gestão da escola secundária de Joane é craque em informática e o seu talento vai ser posto à prova na Austrália, na final internacional das Olimpíadas de Informática, de seis a 13 de Julho. A medalha de prata na competição nacional deu-lhe o acesso à final internacional. É um dos quatro “craques” que vão integrar a comitiva portuguesa e espera trazer uma medalha para Joane. “É muito difícil, porque é o meu primeiro ano na competição mas,

se conseguir uma medalha seria muito bom”, diz ao RL. Programar faz parte do quotidiano deste jovem de 17 anos. Aluno com média de 18,5 (20 a Informática e 19 a Matemática), Pedro já tinha alcançado, no ano passado, a medalha de bronze no concurso Ibero-Americano de Informática por Correspondência. Passa uma média de cinco horas por dia a programar e diz que esse prazer advém do resultado que o seu trabalho causa no quotidiano das pessoas. “Programar pode ser muita coisa. Podemos criar programas ou criar algoritmos que fazem cálculos pesados para, por exemplo, a bolsa de valores. Criar interfaces para as pessoas é aquilo que mais gosto de fazer. A maneira como

as pessoas utilizam e interagem com os programas e a utilidade que estes representam para o dia-a-dia, é isso que me motiva”, explica. Um dos muitos exemplos práticos do resultado de horas a fio a programar teve utilidade para a mãe de Pedro. O jovem criou um programa para ajudar a mãe, catequista, que permite gerir as faltas e os dados dos alunos. “Para já, não tenho tirado dividendos financeiros porque a maior parte são projectos para aprender novas coisas”, diz Pedro Silva. Dividido entre as provas escolares de final de ano e as Olimpíadas, Pedro Silva sabe que a fasquia na Austrália vai subir, ou não estivessem em prova mais

de 600 craques de todo o mundo. “Temos de resolver grandes cálculos e problemas. A competição é maior porque estão lá os melhores. São dois dias de competição, a soma do desempenho dos dois dará o resultado final”. Para o futuro, o jovem mostrase ambicioso e já faz planos. “É a área que quero seguir quando tiver que arranjar emprego e estes prémios em concursos servem para favorecer o curriculum. Trazem o prestígio do reconhecimento do nosso trabalho”. A notícia da conquista de Pedro Silva não passou despercebida na secundária de Joane. O jovem recebeu as felicitações de muitos alunos e espera que o seu êxito sirva de estímulo.

PUBLICIDADE

Luís Pereira


12 MAIO DE 2013 • REPÓRTER LOCAL


REPÓRTER LOCAL • MAIO DE 2013 • 13

VERMOIM | ANDEBOL A secção de andebol da Associação Cultural de Vermoim participa, de 27 a 30 de Junho, em Estarreja, no GarciCup’2013, um dos mais prestigiados torneios da modalidade.

FUTEBOL • contratações

BREVES

Francisco Costa no Ronfe?

Meninas campeãs!

Novo presidente do Desportivo confirma saída do treinador Eduardo Pereira Francisco Costa, actual treinador do GD de Joane, deverá ser o próximo técnico do Desportivo de Ronfe, substituindo Eduardo Pereira, com quem o clube não renovou contrato. Francisco Costa confirma ao RL o convite mas diz que está à espera de clarificar com a direcção a sua situação no clube joanense. “Sou treinador do Joane até que a direcção fale comigo, o que não acontece há um mês. É lamentável porque ouço coisas por Joane que não são ditas a quem interessa saber. Preciso de resolver a minha vida e antes de dizer sim a quem quer que seja, tenho de resolver a minha situação com o Joane”. Já Rui Barros, que toma posse no dia 30 como presidente do DR (ver caixa), confirma que “Eduardo Pereira não vai ser o treinador” mas não revela o nome do sucessor. “Não nos vamos precipitar em arranjar um treinador qualquer, queremos a l g u é m c o m p e t e n t e qu e c o n s i g a fazer um grande grupo”, diz.

As divergências entre o técnico e o recém-eleito presidente são públicas e antigas. A última conhecida deriva das declarações de Eduardo Pereira acusando Barros de criar instabilidade no plantel quando “falava com alguns jogadores e com outros não”. O Desportivo terminou a temporada no quarto lugar e, como a III divisão é extinta na próxima época, isso significa o regresso ao campeonato distrital. Já no GD Joane, a manutenção da equipa na II Divisão Nacional não terá sido suficiente para segurar Francisco Costa no comando técnico. O treinador lamenta a indefinição da direcção presidida por Rui Ribeiro e diz que tem recebido algumas propostas, como a do Ronfe. O técnico joanense acredita que a direcção “já deve ter a situação resolvida” mas lamenta continuar à margem dessas decisões. “Pessoas de bem já deveriam ter informado até mesmo os jogadores. Podemos estar a perder convites por não sabermos a nossa situação no

A equipa júnior da Rede Jovem de Mogege sagrou-se campeã interdistrital de futsal feminino, depois do triunfo contra o Deucriste por 5-3. A formação de Mogege é a única equipa federada neste escalão do distrito de Braga e, como tal, teve de disputar o campeonato com as equipas similares do distrito de Viana do Castelo.

Cláudia no pódio clube”, atira o técnico. Contactado pelo RL, Rui Ribeiro, presidente do Joane, anuncia uma decisão dentro de duas semanas. “Não sei se o Francisco Costa é treinador do Ronfe nem isso respeita ao GD Joane. Não mantemos nenhum impasse com ele pois a época terminou. Neste momento não posso responder a muita coisa, talvez daqui a duas semanas”, afirma Rui Ribeiro.

MINI-ENTREVISTA

RUI BARROS Presidente do Desportivo de Ronfe Porque decidiu abraçar a liderança do Desportivo? Porque o Carlos Oliveira demitiuse, com pena minha. O clube não podia entrar num impasse, pois tem 180 miúdos na formação e o futuro deles não podia estar em causa. Qual é o seu projecto? Apostar na formação, criando

mais condições para os miúdos, e fazer uma época tranquila na pró-nacional divisão, que é onde deve andar o Desportivo. A fasquia para a próxima época é o regresso aos nacionais? A aposta é fazer uma época tranquila e criar um grande balneário. Financeiramente como está o clube?

Acredito que vou encontrar um clube sem qualquer divida. A falta de dinheiro é a “grande dor de cabeça”? De qualquer clube! Vamos ter que trabalhar muito. O Ronfe tem 571 sócios mas só 288 pagam as quotas. Se chegarmos aos 500 sócios pagantes, isso daria mais saúde financeira ao clube.

A atleta Cláudia Pereira soma e segue ao serviço da Associação Moinho de Vermoim. Desta vez foi terceira na prova “BES Runing Chalenge”, em Sintra. Também da AMVE, João Antunes ficou em segundo (séniores) no Grande Prémio da Marginal na Póvoa de Varzim e Ana Caneiro foi terceira no torneio Olímpico Jovem (1500 metros obstáculos).

ADRO: Ténis de Mesa

Os atletas de ténis de mesa da ADRO, de Pousada de Saramagos, sagraram-se vice-campeões nacionais veteranos, em Vila do Conde. São eles Paulo Silva, em Veteranos I (dos 40 aos 49 anos) e António Fernandes, em Veteranos II (dos 50 aos 59 anos).

PUBLICIDADE

Luís Pereira


REPÓRTER LOCAL • MAIO DE 2013 • 15

AUTÁRQUICAS 2013

JOANE | CANDIDATO PSD-PP NA FEIRA Xavier Oliveira considera que a feira de Joane é “um espaço de referência” mas pode ser melhorado no que toca a acessos, conforto e salubridade. O candidato do PSD-PP diz que se for eleito presidente da Junta, o espaço da feira passará a ser “uma área multiusos ao serviço do tecido económico, social e cultural da freguesia e da região”.

JOANE • ASSEMBLEIA MUNICIPAL

O peso político de Nuno Melo Cabeça de lista à Assembleia Municipal escolheu Joane Luís Pereira

N

uno Melo escolheu Joane, a sua terra natal, para fazer a sua apresentação pública como candidato do PSD-PP à Assembleia Municipal de Famalicão. Esta “descentralização” evidenciou também a importância do titular da candidatura a um órgão tradicionalmente secundarizado em relação ao da Câmara Municipal. O facto de encher o gimnodesportivo da escola secundária e de ter, a apoiá-lo, as presenças

simbólicas de alguns notáveis, incluindo um membro do Governo, reforçam o capital do candidato. A ligação a Joane esteve presente logo nas primeiras palavras de Nuno Melo: “Sou candidato porque esta é a minha terra. A minha vida pode ter mudado do Porto para o Parlamento ou para a Europa mas sempre tive bem presente que o meu eixo está aqui, em Joane, para começar”. Nuno Melo foi eleito pela primeira vez em 2001, com Armindo Costa, que o eurodeputado

considera “mais do que político, um gestor que fez um concelho com contas em dia”. Em fim de ciclo, Melo renova a candidatura tendo como “parceiro” Paulo Cunha. Ou seja, usando a linguagem de Armindo Costa: “O treinador principal cede lugar ao treinador-adjunto”. Paulo Cunha mostrou mais uma vez que atribui muita importância ao acto eleitoral em Joane e à candidatura de Xavier Oliveira, esperando que este venha a ser “o presidente da Junta à altura dos pergaminhos desta terra”.

VERMOIM • PSD-PP

A U TÁ R Q U I C A S AGENDA DOS C A N D I D ATO S

Educação, acção social, associativismo e acessibilidades são os pilares centrais da candidatura de Manuel Carvalho (PSD-PP) à Junta d e Ve r m o i m . “ N ã o p r o m e t o projectos megalómanos para a fotografia , mas sim dedicação e muito trabalho”, disse o candidato na apresentação. No encontro, o actual presidente da Junta , Xavier Forte, a p ro v e i t o u p a ra l a n ç a r f a r p a s ao PS local, na ressaca do episódio do email enviado pela Junta a convidar as ass o c i a ç õ e s d e Ve r m o i m p a r a um almoço da candidatura d e Pa u l o C u n h a , d o P S D - P P, à C â m a r a d e Fa m a l i c ã o . “ O nosso adversário não evoluiu e não respeita as regras do jogo. Anda à espreita pelas fechaduras para descobrir emails para confundir os men o s a t e n t o s ” , a t i r o u X a v i e r.

TRIBUNA Porque há tão poucas mulheres nas Autárquicas? A Lei Eleitoral determina que as listas de candidaturas para as autarquias locais devem promover a paridade entre homens e mulheres, isto é, assegurar uma representação mínima de 33,3% de cada um dos sexos nas listas. O problema é que se contam pelos dedos as mulheres que integram as listas em lugares de relevo. Então casos de cabeças de lista são quase raros! Entre nós, apenas em Ronfe há uma mulher como primeira figura da lista, Adelaide Silva, do PS. Outro caso que se perspectiva é o da inclusão de outra mulher nos primeiros lugares na lista do PS à União de Freguesias de Airão, Santa Maria e Vermil. Segundo a lei, “as listas não podem conter mais de dois candidatos do mesmo sexo colocados consecutivamente”, exceptuando-se deste princípio freguesias com 750 ou

menos eleitores e municípios com 7500 ou menos eleitores. A que se deve esta evidente prevalência do sexo masculino também nas eleições locais? Ângela Machado, de Joane, vê este “machismo” autárquico como “um reflexo da forma de funcionamento da nossa sociedade”, portanto, “uma questão antiga” que não se explica “com o argumento da actual descredibilização da política ou da conjuntura”. Num país em que se verifica uma notória desigualdade entre o número de mulheres e homens em cargos de decisão, e nos salários, não admira que essa dsigualdade esteja patente no contexto autárquico, tanto mais que, salienta esta joanense, os homens dominam “as máquinas partidárias”. Mas isso, adianta, não explica tudo: “há muitas mulheres que se abstêm de terem o mesmo papel

no exercício democrático, não lutam pelo espaço que é delas de direito e continuam a reproduzir os papéis tradicionais de género (aceitando, muitas vezes, a descriminação como parte de um papel social que consideram normal), papéis esses construídos socialmente, pois as mulheres não nascem naturalmente com falta de interesse por esta ou outras áreas”. O certo é que a Lei da Paridade não é cumprida por muitas das listas - isso verificou-se nas últimas eleições autárquicas, em 2009 -, e por isso, Ângela Machado conclui que para mudar esta realidade “cabe a cada uma de nós a conquista diária de um espaço que deveria ser nosso por direito e, sobretudo, cabe a todos nós contrariar as desigualdades que continuam a persistir e as que despontam”.

11 DE JUNHO Apresentação do cabeça de lista do PS à Assembleia Municipal de Guimarães nas próximas Eleições Autárquicas. Sede do PS, no Largo do To u r a l , à s 1 1 : 3 0 h o r a s . 15 DE JUNHO António Sousa, candidato do PSD/PP à Junta de Ronfe, promove, pelas 15:00 hora s , n a C a s a d o Povo , u m a convenção autárquica que pretende colher contributos da população com vista a elaborar o seu programa eleitoral. 24 DE JUNHO Apresentação de André Coelho Lima, candidato da c o l i g a ç ã o P S D - P P “J u n t o s Po r Guimarães”.

MOGEGE • PSD-PP

O alargamento do cemitério e das redes de saneamento básico e água são as prioridades da candidatura de José Lima pelo PSD-PP à Junta de Freguesia de Mogege. O a c t u a l “ b ra ç o d i r e i t o ” d o p r e sidente Manuel Pimenta foi apresentado publicamente a 17 de Maio, com o apoio de Paulo Cunha , candidato da coligação à Câmara Mun i c i p a l d e Fa m a l i c ã o . Secretário da Junta desde 1989, José Lima foi eleito em listas do PS até 2005, altura em que acompanhou Manuel Pimenta nas candidaturas independentes com o a p o i o d a c o l i g a ç ã o P S D - P P. Este ano assume de vez a candidatura pela coligação de direita.


16 MAIO DE 2013 • REPÓRTER LOCAL

CENTRO TECNOLÓGICO DAS CARNES EM VERMOIM “É u m p r o j e c t o q u e a C â m a r a t e m a b r a ç a d o , e m p a r c e r i a co m o C I T E V E e U n i v e r s i d a d e d o M i n h o , m a s a i n d e f i n i ç ã o do novo quadro comunitário não permite falar de algo co n c r e t o . O i m p o r t a n t e é q u e v e n h a p a ra Fa m a l i c ã o ” .

ENTREVISTA

O

concelho está condenado a ser local de passagem por estar “entalado” entre três cidades? Os últimos censos dizemnos que Famalicão cresceu cinco por cento. Está a crescer em contraciclo com o Norte e com o país. Já fomos acusados de fazermos muitas pequenas obras, mas prefiro continuar a fazê-las por todas as freguesias do que fazer grande s obras na cidade. Como pode uma Câmara diminuir o desemprego? Sendo facilitadora. Não tem a missão de ser uma agên cia de empregos mas pode at rai r e mp re s as . A M ab o r, a Tesco, a Leika não estão em Famalicão por acaso. Os bons acessos; a proximidade ao Porto, Braga, Guimarães e Póvoa, ao porto de Leixões e ao aeroporto, são factores importantes. Em 2013, Famalicão cumpriu as metas na educação que o governo ambiciona para o país em 2015: mais de 50% dos nossos jovens frequentam cursos profissionais. Isso significa que as empresas têm cá recursos humanos qualificados. No entanto continua com 16% de desempregados, acima dos 12% de Barcelos e dos 15, 5% de Braga. O nosso contexto só é comparável com Guimarães, que é o do Vale do Ave. O têxtil já não é um sector de emprego em massa e não voltaremos a ter empresas com mil trabalhadores. Esta zona tem capacidade para desenvolver o sector (o CITEVE é um bom exemplo) mas será diferente, mais qualificado, com um volume de emprego muit o inferior. Uma cidade sem uma sala de cinema comercial não é uma cidade cult uralmente manca? A Casa das Artes tem todas as semanas uma sessão de cinema comercial gratuita. A Câmara não pode substituir-se aos privados, construindo shoppings com salas de cinema. No futuro, quero apostar na dinamização das companhias de teatro, profissionais e amadoras, que têm de ser agre gadas. Faltam equipamentos desportivos no concelho? Faltam alguns que serão

“Não tenho visto os meus adversários no terreno como gostaria” Paulo Cunha, candidato do PSD-PP à Câmara Municipal de Famalicão, admite descontentamento de militantes dos dois partidos em Joane por causa da escolha do candidato à Junta, Xavier Oliveira.

Luís Pereira

construídos em função das necessidades. Serão coisas muito localizadas, sem investimentos faraónicos. Investir na cidade ou distribuir pelas freguesias? Os dois maiores investimentos em educação foram em Joane e em Ribeirão. Há equipamentos que têm d e t e r u m a ó p t i c a d e c e ntralidade, como o Parque da Devesa, que não podia ser feito em Ribeirão ou Castelões. Não podemos construir um espaço associativo ou um polidesportivo numa freguesia só porque as outras têm. Se for eleito pretende implementar alguma política de descentralização? Vou reforçar as competên cias das Juntas na relação com a comunidade. Não quero que uma associação tenha que vir de Vermoim à cidade porque precisa de umas grades ou de um palco para uma festa. Quero que as Juntas sejam uma “loja do cidadão de terceira geração”, e isso não implica mais meios e recursos humanos, mas sim mais organização. A notória exposição mediática nos últimos meses coloca-o num ponto privilegiado de partida pa ra a corrida. Concorda? Só estou num ponto privi -

FRASES FEIRA DE JOANE “Acho uma boa solução. É dinâmica . Sobre a obra em si não tenho ideia formada porque vi o espaço com feira . Ta l ve z s e j a d e m a s i a d o apertado”. FREGUESIAS “A l e i e s t i m u l a c r i a ç ã o d e associações de freguesias. Se uma freguesia pequena não tem orçamento para co n t ra t a r u m f u n c i o n á r i o a tempo inteiro ou para c o m p r a r u m t r a c t o r, e s e a freguesia vizinha tem o mesmo problema , então porque não se juntam e dividem essas despesas? Tu d o i s t o é p o s s í v e l s e houver vontade local”. EDUCAÇÃO “A t é a g o r a i n t e r v i m o s n o “hardware”, melhorando espaços físicos e construindo Centros Escolares. A g o ra é p r e c i s o t ra b a l h a r o “software”: os conteúdos. Não basta que a criança saiba matemática e inglês, tem de saber socializar-se, e os currículos fechados não têm ensinado isso”.

legiado porque conheço muito bem o concelho. Ser autarca é estar no terreno e lá não tenho visto os meus adversários, como desejava e seria positivo. A votação conseguida por Armindo Costa funciona como “meta”? A única meta que tenho é ter condições de governabilidade na Câmara, o que exige maioria absoluta. Além de Nuno Melo, na Assembleia Municipal, poderá ter outro joanense na vereação? A vereação não está fechada mas o meu sentido é para a continuidade. Não teme que haja reacção negativa do PSD e do PP, em Joane, contra o recurso a uma pessoa do PS? O facto de o Xavier Oliveira ter estado ligado a um outro projecto políticopartidário, não o inibe de ser o homem certo para ser presidente da Junta de Joane e foi por isso que foi convidado, não por ter sido do PS ou por ter feito parte da lista da actual Junta. Nenhum candidato é unânime. Há sempre resistências. Co nheço casos de militantes descontentes mas encaro isso de forma natural. Não é a decisão politicamente mais correcta mas parecenos a mais acertada. Foi a primeira escolha na fase

decisiva do processo. Joane tem escapado ao domínio do PSDPP. Escolher um exmilitante do PS como candidato foi a forma de tentar quebrar esse “enguiço”? Não há enguiço. O contexto de Joane é, este ano, diferente e escolhemos o candidato que nos parece mais acertado. Independentemente do que ditarem os resultados, em Joane, consigo não haverá costas voltadas como entre Sá Machado e Armindo Costa? Considero boa a relação que tenho com Sá Macha do. Não tenho nenhum anticorpo com nenhum candidato. Era desejável que o Xavier fosse eleito porque o projecto que tenho para Joane executa-se com ele, pode não se concertar com outro presidente de Junta. Se não for eleito, não haverá qualquer voltar de costas. Na última AF de Joane, o PS acusou a Câmara de oportunismo político por causa das obras na VIM. Os 400 mil euros são suficientes para resolver o problema? A VIM não está sob jurisdição da Câmara. Foi mal construída, tem cru zamentos perigosíssimos


REPÓRTER LOCAL • MAIO DE 2013 • 17

José luís araújo é o c a n d i d a t o d o B l o co d e E s q u e r d a à C â m a ra M u n c i p a l d e Fa m a l i c ã o .

(como o de Pedome), mas vamos minorar o risco. Sobre o oportunismo: só agora reunimos as condições, nunca adiamos uma obra por questões tácticas. Em Vermoim, a EN 206 t em o piso degradado e muito trânsito . A Junta tentou resolver o problema lutando por duas rotundas. A Câmara está atenta? Os problemas do país têm afastado o trânsito da A7 por causa das portagens, fazendo aumentar o tráfego na 206. Temos pressionado a Estradas de Portugal para requalificar a via mas o problema do trânsito não se resolve com rotundas. Conhece o projecto de retirar o ringue desportivo da ADERM de Mogege para construir um polidesportivo para servir a associação e a escola? É preciso entendimento com a Paróquia, dona dos terrenos. Há duas associa ções desportivas (ADERM e Rede Jovem) e não é possível um polidesportivo para cada uma. Os Aquedutos de Caste lões aguardam classificação do IGESPAR. Famalicão não tem tratado mal aquele património e desperdiçado oportunidades de rentabilizá-lo como ponto turístico concelhio? A parcela pública onde estão os aquedutos é muito curta. Para serem valorizados não podem ser transformados num carreiro. Há verba mas é preciso negociar terrenos.

ENTREVISTA | PAULO cUNHA (PSD-PP)

“Em Joane não há união, cada um luta por si, nos seus quintais” O pároco de Joane afirmou que o parque da Ribeira é manifestamente insuficiente. Concorda? Concordo, precisa de uma solução semelhante à de Oliveira S. Mateus: um excelente parque com circuito, zonas de lazer e desportivas. A Junta não pode dizer que quer o alargamento para os terrenos da estamparia e que estes custam um milhão de euros. Não podemos investir esse dinheiro em terrenos porque depois não há para fazer o parque. Há dois anos não disse não à propost a da Junt a para adq ui rir os terrenos da estamparia. Continua a pensar assim ou tem dúvidas? Continua a fazer sentido, mas o problema não se resolve com a compra. Há um projecto de construção e capacidade construtiva instalada e quem constrói tem de fazer cedências ao domínio público. H á d e z a n o s , qu a n d o h a vi a a p e t i t e para a construção, o problema teria solução. O interesse público não sai beneficiado se todo o terreno for para o parque. A construção é também uma forma de tornar o parque sustentável. De vez em quando acena-se a bandeira do concelho de Joane como forma de conseguir progredir. Como lê essa pretensão? A questão da autonomia financeira coloca-se sempre na reciprocidade entre o que a freguesia produz e o que recebe, só que Sá Machado sabe que tem feito mal as contas porque só vê o investimento directo, nunca o indirecto. A Junta também beneficia dos serviços feitos pelos

União • PSD-PP

trabalhadores da Câmara. Mas nos últimos anos Joane não foi contemplada com protocolos, como acusa Sá Machado? Joane não é discriminada. Sou vice-presidente da Câmara há quatro anos e tenho feito protocolos com Joane todos os anos. O último prevê a intervenção na Rua das Charrueiras. Dentro de um mês deslocaremos a biblioteca da ATC para o Complexo das Piscinas... As contas não podem ser só feitas ao alcatrão! O centro de Joane foi requalificado, com alguma polémica, há quatro anos, mas está por acabar. Que ideias tem para a área? Os centros das três vilas precisam de planos específicos de ordenamento. Não podemos avançar sem uma planificação que considere a dinâmica social e económica, que, no caso de Joane, mudou muito com a saída da feira. A construção do parque de que falávamos pode reanimar o centro. Fica de fora uma nova sede de Junta no centro, como se falou aquando da mudança para o antigo posto da GNR? Essa pretensão terá de ser direc-

cionada pela Junta. É provável que o provisório fique definitivo porque a tendência é para parar os investimentos em edifícios públicos. Joane precisa de uma piscina descoberta como defendeu Miguel Azevedo, líder do PSD? Há uma solução de proximidade em Airão que acho que funciona bem. Não quer dizer que Joane não a possa ter - não é tão cara quanto isso - mas não considero investimento prioritário. Que potencialidades Joane não está a aproveitar? Não está unida, não há uma imagem de rede, cada um luta por si, em pequenos quintais. Falta escala e algo que amarre todas as pontas e faça da vila um bloco só. Apresentar candidatos em todas as freguesias, sem considerar as agregações, não é enganar os eleitores? Vamos ter candidatos de todas, não em todas as freguesias. Vamos ter 34 juntas mas 49 freguesias. Nenhuma sede vai fechar e a Câmara vai manter as mesmas verbas livres. Uma “estratégia” dessas é um “cartão vermelho” ao Governo? Não é ao Governo, é à reforma. Não concordo com ela. Ao contrário do que têm dito, não há uma linha escrita minha a defendê-la. A poupança de uma senha de presença é ridícula num contexto de reforma de um país que está como está. O que podemos perder é medonho e é precisamente aí que as Câmaras podem diminuir os impactos.

Joane • Ps

Marçal Mendes confirmado “Sem interesses pessoais nem para a União de Freguesias objectivos escondidos” Está confirmado: Marçal Mendes é o cabeça de lista da coligação PSD-PP à União de Freguesias de Airão, Santa Maria e Vermil. O nome do actual secretário da Junta de Vermil foi confirmado pela comissão política concelhia de Guimarães, esta terça-feira, dia quatro. Confirma-se, assim, a notícia avançada em Março por este jornal e que terá levado, numa primeira fase, a estrutura concelhia do PSD a repensar a escolha . Que agora veio

confirmar. André Coelho Lima, do PSD, nega , porém, que Marçal tenha sido uma segunda escolha: “nunca houve outra e é a mais acertada porque é o candidato mais motivado e com um trabalho autárquico que fala por si”.

“Esta é uma candidatura que põe Joane primeiro, sem interesses pessoais, nem objectivos escondidos, e que só se quer submissa aos verdadeiros interesses, valores e identidade da nossa terra”. Esta é uma das frases da carta de apresentação do candidato do PS à Junta de Freguesia de Joane. António Oliveira, actual vice-presidente da equipa liderada por Sá Machado, revela também a imagem da sua candidatura, onde não consta, curiosamente, o logótipo do partido.


18 MAIO DE 2013 • REPÓRTER LOCAL

joane | V elha s g ló ria s voltam a re u nir - s e Realiza-se no dia 22 de Junho, a partir das 15:00 horas, o convívio das Velhas Glórias do Liceu de Joane. A iniciativa, a ter lugar na escola secundária, inclui música, um piquenique e DJ´s. Cada participante deve levar um género alimentar [bebida/comida].

OPINIÃO

Quintino Pinto Jurista | Joane

1. Os leitores mais atentos terão ainda presente que no último esboço de crónica que aqui plantei terminava falando da comédia vivida no seio da então ainda existente candidatura autárquica do Partido Socialista. Escrevia-se então que “ (…) há quem aparentemente tenha de andar a segurar com toda a força no candidato escolhido. Com medo que ele caia ou fuja? Não sabemos”. Ficamos recentemente a saber que o PS em VN de Famalicão ficou sem candidato à Câmara Municipal. O lacónico comunicado afiançava que os objetivos propostos não tinham sido alcançados e que, por via disso, tinham as partes decidido cessar o acordo. Mais coisa, menos coisa foi isto que se escreveu e disse. Aparte a versão oficial (que não é coisa nenhuma, porquanto não se sabe que objetivos não foram alcançados como bem fez

notar o candidato entretanto desistente), existem versões oficiosas para o divórcio e que apontam para: 1) mão oculta numa teoria da conspiração que aponta para adversários políticos externos; 2) o famigerado e inexistente “lobby” socialista de Joane (alegando aqui que Sá Machado, Orlando Oliveira e uns outros tantos não aceitavam a candidatura); 3) falta de entendimento entre candidato e as estruturas no que concerne a nomes a propor para as listas; 4) a postura do candidato; 5) uma estratégia de campanha sui generis e inédita (aparentemente defendida por um dos estrategas) que passaria por fazer vingar a tese que se pode ganhar eleições, escondendo o candidato. Independentemente das reais razões que estiveram na origem deste desfecho, a verdade é que o ónus principal recairia sempre sobre as estruturas locais e muito particularmente

Ai rosinha que andas tão murcha! sobre o rosto mais visível, Nuno Sá de seu nome. Tomando por boa a narrativa oficial que o candidato António Peixoto não correspondeu às reais expetativas, existiriam consequências políticas que deveriam ser retiradas, certamente por todos quantos participaram de forma ativa na escolha. Porque não terão tido o cuidado de ponderar todas as circunstâncias que rodeavam ou poderiam rodear o candidato e a sua candidatura. Como Deus saberá de todos e cada um de si … e ninguém tirará consequências, os famalicenses saberão tirar as devidas conclusões do que se passou e do que se passará! 2. Desconheço (à hora a que escrevo) se a solução que o PS oficial encontrou para este vácuo que entretanto se abriu foi e ratificada pelos órgãos próprios, mas já há mais de dez dias que existia um candidato, com encomenda do próprio

Ex-presidente do PSD de Joane

naquele corredor. Mostrou que não sabe gastar o dinheiro público, que não sabe ver as prioridades da Vila e que não sabe fazer projectos com o arrojo que esta merece! A obra positiva, e que marcará a sua saída, será o Parque da Ribeira: trouxe dinâmica e qualidade de vida aos Joanenses e, apesar da sua degradação, é um local aprazível. Quanto ao concelho, o pior investimento é o Monumento ao Empreendedor na Avenida do Brasil. Sobre a sua arquitectura e arte nada a apontar! Mas em plena crise gastar 400 mil euros, na conjuntura económica que o País e o

estas escolhas, fica mais uma vez adiada. 4 – Entretanto, e quando estamos já no mês dos Santos Populares, é caso para perguntar o que se passa em Joane quanto a candidaturas. Tirando o maratonista Xavier Oliveira (e vamos ver em que condições chega à última parte do percurso), os restantes parecem apostar numa corrida de cem metros! E afiançando-se que há descontentamento em várias famílias políticas, há lugar à apresentação duma candidatura independente? Ou as gentes locais desistiram de vez da participação cívica? O autor escreve de acordo com o novo acordo ortográfico.

O Melhor e o Pior de Joane

Fernanda Silva Faria

A Junta de Freguesia de Joane conseguiu fazer a pior obra dos últimos anos: o Percurso Pedonal do Parque da Ribeira. Poucos Joanenses devem conhecer, fica situado na Rua de São Bento, ao lado da farmácia. Com um investimento de 24 mil euros (18.000 na compra de terreno e 6.000 em obras), tornouse numa obra sem utilidade alguma, não morasse eu ao lado e nunca ter visto lá nenhum Joanense a praticar a sua caminhada diária. Digamos que só o Sr. Presidente da Junta teve uma visão futurista e conseguiu ver alguma utilidade

Secretário-Geral. Inicialmente havia quem presumisse que este fosse Sá Machado, mas a escolha recai em Custódio Oliveira! Costuma dizer-se que quem quer a bolota, trepa mas a ser este o nome, é legítimo perguntar: Custódio Oliveira vê aqui um trampolim para uma vida política sem estar sempre nos bastidores? Como conciliar o nome de Custódio Oliveira com o de Sá Machado? Vai um em primeiro e outro em segundo? Como Deus saberá de todos e cada um de si … 3. De qualquer modo, a situação do PS local já lá não vai com tisanas e torradas. O que era mesmo preciso era que surgissem vozes disponíveis para ir a votos num projeto que não tivesse problemas de cortar rente onde fosse necessário cortar, em fazer uma revolução. Há muito tempo que se pede uma rutura! Penso que com

Concelho atravessavam, não era permitido tal luxo. Podíamos prestar uma homenagem aos empreendedores do Concelho, e que são muitos, de uma forma diferente, criativa, sem ser cara. Nesse mesmo ano a Câmara estava a abrir a sua oitava Loja Social, sinal de que o Concelho estava mais pobre, mais carenciado; as lojas sociais a

pedirem donativos e a taxa de desemprego no 2º trimestre de 2012, em relação ao período homólogo, a aumentar 23,7%, segundo dados do IEFP. E os políticos, uma vez mais, não souberam fazer as melhores opções. Mesmo sabendo que houve esforço financeiro de empresários para o investimento, não deixo de manifestar que esse gasto público deveria

ter sido mais contido. Mas não posso deixar de dizer que Armindo Costa foi um bom exemplo de eficiência do gasto público comparando-o a outras autarquias do País. A obra que marcará a sua gestão para sempre será o Parque da Devesa. Obrigada pela consumação do prometido! Dificilmente se repetirá uma obra destas em Famalicão.


www.reporterlocal.com



Rl maio