Page 1

Nº 171• ANO XV • JUNHO 2013 DIRECTOR: JOAQUIM FORTE

RL MAGAZINE | Pag. 11 Em Ronfe, há listas de espera de voluntários para ajudar nas Festas de S. Tiago AUTÁRQUICAS | Pag. 15 VERMOIM: Frente a frente dos candidatos do PSD-PP e PS “Se conseguir passar a mensagem, o povo vai dar a vitória ao PS”

PUBLICIDADE

Custódio Oliveira, candidato do PS à Câmara de Famalicão

EM FOCO | p. 03

Em Ronfe, a festa é da Juventude! Vila acolhe este fim-de-semana (29 e 30 de Junho) certame que junta dança, música, humor e desporto Pag.04 e 05

Festa com sabor a despedida em Vermoim e Mogege

JOANE | p. 03 Bombeiros em Mogege é “oportunismo político”

DESPORTO | p. 13 Empresa partilha gestão do GD de Joane


PUBLICIDADE


REPÓRTER LOCAL • JUNHO DE 2013 • 3

MOGEGe | CASA NOVA PARA ASSOCIAÇÕES Mogege aproveitou o Dia da Freguesia para inaugurar a sede da Associação Rede Jovem e assinar o protocolo de entrega da escola centenária do préescolar aos escuteiros. Uma medida que, para Jorge Rodrigues, Chefe do Núcleo do CNE, é o reconhecimento do trabalho de 53 anos que abre a porta a “mais condições e mais segurança”.

EM FOCO mogege e vermoim • dia da FREGUESIA

Festa com sabor a eleições Dia da Freguesia assinalado em Vermoim e Mogege em ambiente de despedida de autarcas Luís Pereira

M

ogege e Vermoim assinalaram o dia das freguesias num ambiente marcado pela despedida de três autarcas. Os discursos que se ouviram, nos dias 22 e 23, foram de balanço e de final de ciclo. Armindo Costa, presidente da Câmara de Famalicão, está de saída e quis estar ao lado de Manuel Pimenta, presidente da Junta de Mogege, e de Xavier Forte, autarca de Vermoim, no momento em que estes transformaram o “Dia da Freguesia” na despedida dos cargos que ocupam. Manuel Pimenta está de saída depois de 24 anos de autarca, um “longo ciclo” que transformou Mogege. O Posto Avançado dos Bombeiros - que garante uma ambulância em permanência na freguesia - foi a última das conquistas. “Fizemos um protocolo que poupa vidas”, considerou Pimenta, apontando que a ambição,

agora, é garantir que o Posto funcione 24 horas por dia. Haja voluntários para tal: “Já temos espaço para dar formação mas é necessário contar com mais voluntariado jovem”, apelou o comandante dos Bombeiros de Famalicão. Em dia de festa, a Junta homenageou autarcas, instituições e empresas e distribuiu elogios, em particular à Câmara de Famalicão. Armindo Costa também deixou escapar a lágrima ao recordar os encantos de Mogege, “uma freguesia extremamente conservadora onde me sinto bem”. O ano é de eleições autárquicas e o presidente da Câmara de Famalicão, Armindo Costa (PSD-PP), deixou um “um conselho”: “Em e quipa que ganha, não se deve mexer. Deixo-vos este conselho”, referiu o autarca, fazendo questão de esclarecer, “para que não haja maus entendimentos” que estava ali “na qualidade de presidente da Câmara”. E foi nessa

JOANE • ASSEMBLEIA DE FREGUESIA

Junta diz que instalação de posto de bombeiros em Mogege é “oportunismo político” Bancada do PSD-PP considera que é “uma vergonha” Joane ter perdido para Mogege um serviço de socorro com ambulância que em tempos foi anunciado para a vila

qualidade que em Vermoim, no dia seguinte, apelou à continuidade: “O Artur (Xavier Forte, presidente da Junta de Vermoim, do PSD-PP) não merece que o seu trabalho seja interrompido. Espero vê-lo a assumir o lugar

de presidente da Assembleia. Vamos ter eleições e, para bom entendedor, meia palavra basta: pensem no que era e no que é Vermoim e não se deixem enganar”, aconselhou o edil, criticando de seguida a promessa de Custódio

Oliveira, candidato do PS à Câmara de Famalicão, da oferta de manuais escolares até ao 12.º ano: “Durante 12 anos o PS votou sempre contra os livros. Em ano de eleições, vota a favor”, observou o autarca.

Joane não tem uma ambulância em permanência por causa das “guerras” entre as duas corporações de b o m b e i r o s d e Fa m a l i c ã o . Esta é a justificação da Junta de Freguesia e surge na sequência da abertura , em Mogege, de um posto avançado de socorro, fruto de uma parceria entre a autarquia local e os Bomb e i r o s d e Fa m a l i c ã o . De acordo com o vice-presidente da Junta de Joane, António Oliveira , o protocolo assinado em 2008 com uma das corporações ainda não foi cumprido por causa da definição territorial em que actua cada uma das corporações. Naquela altura , disse o autarca na última Assembleia d e F r e g u e s i a ( q u a r t a - f e i ra ) , Jo a n e e ra s e r v i d a p e l a s d u a s corporações (a EN 206 dividia o território atribuído a cada uma). ”A n d a m o s e s t e t e m p o a

negociar para que houvesse entendimento quanto ao local onde instalar a ambulância. Entretanto, a lei mudou e agora só uma corporação serve Joane. Não foi falta de zelo da Junta, foi um problema entre corporações, que nos ultrapassa”, respondeu António Oliveira em nome da autarquia joanense ao ser questionado pela colig a ç ã o P S D / P P. A oposição diz que é “uma vergonha” Joane ter perdido para Mogege um serviço de socorro com uma ambulância. Munido da última edição do RL , José Carlos F e r n a n d e s , d o P S D / P P, r e leu cada uma das declarações que os responsáveis da autarquia fizeram desde 2008, sobre o assunto, e que este jornal recordou a p r o p ó s i t o d o Po s t o d e M o gege, pedindo satisfações sobre o processo. António Oliveira reafirmou

a vontade da Junta em continuar a lutar pelo serviço e c o n s i d e ro u “ o p o r t u n i s m o político” a abertura do posto em Mogege. “Queremos algo diferente, uma ambulância em Joane com serviço permanente de 24 horas”, referiu o autarca . Carlos Rego, do PS, mostrou-se contra a instalação do Posto Avançado em Mogege (“não é sustentável e em poucos meses a ambulância será retirada”) e ava n ç o u o u t ra s e x p l i c a ç õ e s para a escolha daquela f r e g u e s i a . “ O Po s t o r e s u l t a da generosidade de alguém de Mogege que passou a ter dinheiro e quis dar alguma coisa à freguesia . Se tivesse tido outro acompanhamento que não o do oportunismo político, dir-lhe-iam para dividir o dinheiro e dar um cheque a cada uma das corporações que tanto precisam”, atirou o eleito. LP


4 JUNHO DE 2013 • REPÓRTER LOCAL

RONFe | FEIRA DE VELHARIAS E USADOS Realiza-se a seis de Julho, na Casa do Povo de Ronfe, a Feira de Velharias e 2ª Mão. Os interessados podem vender roupa , c a l ç a d o , l i v ro s , b r i n q u e d o s ( m e n o s o b j e c t o s , e l e c t ro d o m é st i co s o u m o b i l i á r i o d e g ra n d e s d i m e n s õ e s e a r t i g o s n o vo s ) . Inscrições, limitadas, até quatro de Julho.

RONFE • cultura

Festa da Juventude 2013 Ronfe recebe este fim-de-semana (29 e 30) a Festa da Juventude organizada por jovens e impulsionada pela Junta de Freguesia e C a s a d o Po v o , q u e a s s i m r e a c t i v a m um evento que esteve dois anos em silêncio. “Está tudo pronto para recebermos os jovens não só de Ronfe mas de toda esta região”, garante João Passos, um dos promotores da iniciativa . O cartaz promete dois dias de animação com comédia , música ,

dança e desporto, no recinto da C a s a d o Po v o , a p a r t i r d e s á b a d o , o dia que concentra o maior número de iniciativas. O torneio de “paintball” abre a programação, num espaço preparado para o efeito, atrás do cemitério de Ronfe. À noite, actuam as b a n d a s “ R a p h i a ” , d e Fa m a l i c ã o , e “Sigla Dep”, de Ronfe e a dupla de comediantes Miguel Sete Estacas e João Seabra , que prometem pôr R o n f e a r i r. A f e s t a p r o s s e g u e n o i t e dentro com o Dj Mister Cox .

O domingo está reservado para uma corrida de carrinhos de rolamentos. “A f e s t a d e r i v a d e u m c o m p r o m i s s o a s s u m i d o co m o s j ove n s d e s t a t e r ra . O cartaz é apelativo, os jovens (e não só) necessitam de alguns momentos de diversão e nós acreditam o s q u e e s t e m o m e n t o d e e n co n t ro será um marco encorajador para que a festa tenha continuidade”, refere António Sousa, presidente da Junta de Ronfe.

A Festa da Juventude, feita por jovens e que pretende ser uma referência na região, regressa em 2013 depois de dois anos de silêncio

Humor, música, desporto e uma corrida de carrinhos de rolamentos: dois dias com um cartaz para gostos variados. Em Ronfe, 29 e 30 de Junho.

M I N I - E N T R E V I S TA

“Esperamos que seja uma referência” António Sousa Presidente da Junta de Ronfe

MIG U E L S E T E E S TA C A S E J O Ã O S E A B R A HUMOR | SÁBADO | 21H30

Humor popular sem ser brejeiro Os humoristas Miguel Sete Estacas e João Seabra foram contratados individualmente pela organização mas na noite deste sábado, 29 de Junho, surgirão lado a lado na Festa da Juventude de Ronfe. Os artistas de “stand-up comedy” são amigos desde o tempo do programa televisivo “Levanta-te e Ri”, que lhes granjeou fama, em 2003. “Eu e o João já estamos habituados a actuar em palco. Há um lado do espectáculo que preparamos mas ele tem de se

ajustar, na hora, ao público que temos, por isso, há uma grande dose de improviso que tem uma boa base de trabalho por detrás”, explica Miguel Sete Estacas. O artista promete uma hora de espectáculo com “humor de qualidade” para um público “de várias gerações” e “popular sem ser brejeiro”, aqui e ali com “uma ou outra asneira que todos utilizamos no dia-a-dia” mas sem exagerar no palavrão. “Não fazemos do palavrão comédia. O público tem de rir porque teve

piada e não porque dissemos uma asneira”, afirma o humorista. Além de espectáculos ao ar livre e em auditórios, Miguel Sete Estacas tem trabalhado na TV, nomeadamente no programa “Cinco para a meia-noite”, e, com João Seabra, prepara um novo programa para o Porto Canal. Por agora, são estrelas na Festa da Juventude de Ronfe, no recinto da Casa do Povo, este sábado, 29, a partir das 21:30 horas.

A entrega da organização aos jovens é para se manter? O programa , a organização e montagem têm a “marca” dos jovens e estes têm demonstrado competência e responsabilidade. A parceria irá resultar e manter-se. Qual o papel da Junta e da C a s a d o Po v o ? A forma de manter e incrementar estas actividades implica uma união de esforços e economia de recursos. Foi esse o nosso entendimento. Querem fazer da festa uma referência regional? A nossa ambição é medida e pensada para ser atractiva para os jovens de Ronfe e da região. Esperamos que seja uma referência pela festa de jovens para jovens mas que sirva também como interacção geracional. A festa pode crescer? A festa tem um custo muito reduzido. A entrada gratuita obriga a uma disciplina e c o n t e n ç ã o n o s g a s t o s . Te m uma atracção regional que terá sempre um balizamento proporcional, e esta realidade é proporcional à medida da sua exigência financeira . Será uma festa feita por jovens de Ronfe, à medida dos recursos humanos disponíveis.


REPÓRTER LOCAL • JUNHO DE 2013 • 5

VERMOIM | S. PEDRO NO ZÉ RINGO O c a f é Z é R i n g o , e m Ve r m o i m , v o l t a a o r g a n i z a r a s f e s t a s d e S . Pe d r o n a f r e g u e s i a . A s f e s t i v i d a d e s d e c o r r e m e s t e f i m - d e - s e m a n a (29 e 30 de Junho). A dupla de artistas Ricardo & Henrique é a atração da noitada de sábado. No domingo, há missa campal e a t a r d e é a n i m a d a p e l o g r u p o “A m i g o s d o Po m b e i r o ” .

JOANE | AJJ PROMOVE CAPTAÇÃO DE JOVENS ATLETAS A Associação Juventude de Joane (AJJ) vai realizar treinos de captação de novos atletas, femininos e masculinos, para a modalidade de futsal. Os treinos realizam-se nas manhãs de sábado no pavilhão das piscinas de Joane. Os interessados devem apresentar-se com equipamento e documento de identificação.

RONFE • FESTA DA JUVENTUDE

Uma corrida especial com carrinhos de rolamentos Máquinas de todos os feitios foram feitas por alunos da escola Abel Salazar Recordar aqueles tempos que a modernidade das Playstions e dos computadores já nos fizeram esquecer, quando a diversão dos jovens era feita na rua, quando esta ainda era um lugar de brincadeiras - eis os propósitos da organização da Festa da Juventude ao incluir no cartaz uma corrida de rolamentos, tirando partido da criatividade dos alunos da escola Abel Salazar. No dia 30, Ronfe vai assistir ao desfile de “máquinas” feitas por alunos do segundo ciclo (Educação Tecnológica e Visual). “Depois da teoria, gostamos de pôr os alunos a aplicar os conhecimentos na prática. Eles mostraramse motivados e divertidos na construção de carrinhos de rolamentos”, garante Inácio

Coelho, professor responsável pelo projecto. Em dois meses, seis turmas construíram 25 carrinhos de rolamentos, que foram devidamente sujeitos a testes com vista ao dia da corrida. A particularidade destas coloridas viaturas é serem feitas com material reciclado que os alunos trouxeram de casa, como rolamentos usados, restos de móveis e cadeiras. “Tudo foi feito por eles mas houve pais que quiseram matar saudades do tempo de crianças e se envolverem na construção”, adianta o docente. Quem se deslocar a Ronfe, no dia 30, pode apreciar carrinhos para vários gostos e feitios. Uns mais elaborados que outros. Uns mais decora-

dos e “quitados” que outros. “Há carrinhos com acessórios (volantes, matrículas, grafitis e decorações)”, desvenda Inácio Coelho. Todos eles foram construídos com a mesma base simples, como portas de móveis que iam para o lixo e cadeiras de plástico. “Ver a alegria de uma criança a construir o seu próprio brinquedo não tem comparação com ver a mesma criança a brincar sentado em frente a um computador”, remata o professor. A organização desafia todos os que desejem recordar estas corridas a participarem com os carrinhos mais diversificados. A prova começa às 14:00 horas e as inscrições podem ser feitas na sede da Junta.

MÚSICA

Palco para bandas da região RAPHIA| MÚSICA SÁBADO| 22H30

Banda famalicense liderada por N u n o Ve l o s o , f o r m a d a h á d o i s anos, já fez mais de 50 concertos à base de versões de temas pop-rock conhecidos. “O concerto em Ronfe é diferente e por isso estamos a preparar uma apresentação especial que vai agradar a novos e graúdos”, g a r a n t e N u n o Ve l o s o .

S IG L A D E P | M Ú S I C A SÁBADO | 23H30

+ INFO

Joga em casa , a banda “Sigla Dep”. Com mais três temas originais, o grupo afirma-se “imparável” e promete não defraudar as expectativas d o s c o n t e r r â n e o s . “A c t u a r e m R o n f e traz maior responsabilidade mas simultaneamente maior à-vontade”, d i z To m é D i a s , v o c a l i s t a d a b a n d a . Depois do EP de estreia, o grupo de Ronfe espera lançar um álbum em 2014.

TO R N E I O D E PA I N T B A L L Sábado todo o dia , nas traseiras do cemitério. A organização aceita até um máximo de oito equipas. As inscrições custam 30 euros por equipa (a que se junta o custo das bolas utilizadas) e podem ser feitas na sede da Junta de Freguesia ou na organização.

D J MI S T E R C OX Depois dos concertos, o DJ da casa promete animação noite dentro, no sábado. B A R N O R E C I N TO N ã o h á f e s t a s e m o “c o m e s e bebes”: a funcionar no recinto das Festas, permite petiscar durante os dois dias ou jantar na noite de sábado.

SORTEIO DE UMA G U I TA RR A E L É C T RI C A Durante os concertos agendados para as Festas da Juventude (com as bandas “Raphia” e “Sigla DEP”) será sorteada uma guitarra eléctrica por todos os espectadores que tiverem comprado a rifa do sorteio (tem um custo de um euro).


6 JUNHO DE 2013 • REPÓRTER LOCAL

JOANE | FIM DE ANO NA ESCOLA BÁSICA A Escola Básica de Joane encerrou o ano lectivo, no dia 15 de Junho, com uma festa organizada pela Associação de Pais. Dança , canções e convívio marcaram a festa , que decorreu na escola secundária. No final foram entreguesa os diplomas e livros de curso aos finalistas.

LOCALIDADES JOANE • educação

Alfredo Mendes até 2017 Garantir uma educação mais vasta, indo além dos programas curriculares, para dotar os jovens de competências para um “exercício pleno da cidadania”. Este foi um dos compromissos anunciados por Alfredo Mendes

no dia 25, na tomada de posse como director do Agrupamento de Escolas Padre Benjamim Salgado. Fazer do Agrupamento “uma referência nacional na gestãoe nos resultados escolares” é a meta do director, que quer “ser

RONFE

ção e Ensino Profissional, a pensar no mercado de trabalho. Alfredo Mendes interpreta a nomeação como um “voto de confiança” e mostra-se “ciente da enorme responsabilidade” que requer “o envolvimento de

toda a comunidade”. Para o vice-presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha, “a escola não pode restringir-se aos seus muros”, devendo ser “inclusiva”. Depois de mais de 20 anos à frente da secundária e de um ano como director provisório do novo Agrupamento de Escolas P. Benjamim Salgado, Alfredo Mendes foi o escolhido do Conselho Geral Transitório, cargo a que também concorreu Carlos Dias, docente na Escola Bernadino Machado, uma das escolas que integra o Agrupamento. O seu mandato termina em 201x.7. Teresa Mota (subdirectora), Hermenegildo Almeida (adjunto do director), José Fernandes e Susana Vieira completam o elenco directivo. Luís Pereira

RONFE • património

Mais apoio para Centro Social A Paróquia de Ronfe vai receber 100 mil euros a mais de apoio financeiro para a obra do novo Centro Social. A verba resulta de um aumento na percentagem comparticipada pelo Programa Operacional Potencial Humano para equipamentos sociais e que, no âmbito do QREN, já havia assegurado o apoio financeiro de 450 mil euros do total de dois milhões que custa a obra. “Este apoio extra poderá ser utilizado

escrutinado”. A cerimónia encheu o polivalente da secundária (professores, funcionários e responsáveis políticos e associativos) e serviu para anunciar a candidatura à instalação de um Centro de Qualifica-

na compra do mobiliário ou para abater ao empréstimo junto da banca”, explica o pároco, João Silva. Entretanto, a abertura do Centro mantém-se incerta, à espera dos acordos com a Segurança Social. Só depois será inaugurada, “porque sem financiamento o centro não pode funcionar”, justifica o sacerdote.

Monumento ao Caminhante foi alvo de vandalismo O Monumento ao Caminhante, situado na vila de Ronfe, foi vandalizado. Os estragos são significativos, segundo a autarquia local (na foto). Situado na confluência das ruas da Sobreira e Salvador Ribeiro de Sousa, o monumento foi danificado na cabeça e num

dos cotovelos. O presidente da Junta de Ronfe, António Sousa, já classificou este acto destrutivo de inqualificável, tendo apresentado queixa na GNR de Guimarães e comunicado o sucedido à Câmara Municipal de Guimarães.


REPÓRTER LOCAL • JUNHO DE 2013 • 7

crónica | Página 09 João Moura : “O tempo é solitário por natureza” A propósito do encontro das Velhas Glórias do Liceu de Joane, o autor mergulha nas suas memórias.

16 JUNHO DE 2013 • REPÓRTER

LOCAL

S AUTÁRQUIC AS | ENTREVISTA c a n d i d a t u r a s à s C â m a r a s a pelas Pa r a c o n c l u i r a r o n d vistas com nesta edição as entre (Gui Municipais, publicamos e Domingos Bragança Custódio Oliveira (Famalicão) n ú m e ro , co n c e n t ra r e m o s p ró x i m o m a rã e s ) . A p a r t i r d o das freguesias. atenções nos candidatos

ENTREVISTA

editorial

O

JOAQUIM FORTE

Rumo a 29 de Setembro As Eleições Autárquicas 2013 estão marcadas para o dia 29 de Setembro. Faltam, portanto, três meses para o acto eleitoral de maior proximidade aos eleitores. O que quer dizer que os próximos 90 dias serão intensos para as centenas de pessoas que, na nossa região, estão envolvidas no processo democrático autárquico, nas listas, na colaboração às acções, e até nos contributos dados em sessões públicas. Mas serão, também, dias intensos para a pequena equipa que assegura a publicação deste jornal. O noticiário sobre as Autárquicas tem ocupado um espaço considerável no alinhamento de cada edição, mas daqui até final de Setembro, e com ponto de partida neste número que o leitor tem em mãos, o RL reforça a cobertura dada às candidaturas nas freguesias que cobre. Com entrevistas aos candidatos, noticiário sobre iniciativas e tomadas de posição

nde é que é possível fazer melhor em Famalicão? CâmaEm quase tudo. Uma tar ao ra tem o dever de es o mas lado, de ser incentiv Quero também de ser força. âmara abrir as portas da C que às pessoas. No contacto institenho feito com as ntado tuições tenho pergu sidenquantas vezes o pre ve nas te da Câmara este doze iniciativas delas. Em que anos, só uma disse-me isso vez, só uma teve e por ajuda é inconcebív el. Só se se estivermos presentes. uma Mas o senhor dirige s das maiores instituiçõe camCustódio Oliveira, candidato do concelho e nesse razão do PS à Câmara de Famalião, po, não deve ter de queixa… admite a dificuldade da missão pata Porque estamos num mas considera que vencer tem Câmara A superior. mar não é impossível. tido uma lógica centralista a n i É . s e d n a r g s à de só ir e mais ceitável que se gast e u q o d s e t na Casa das Ar de euros. Luís Pereira uições q u e 1,3 e 1,4 milhões em todas as instit No apoio social, ProCo Para que servirá o culturais do concelho. políticas propõe? p t u r a exportador, mas Famalicão a d e - vedor do Munícipe? migo haverá uma ru é que A Câmara faz carid remune tem voz? Em que a d a É um cargo não muito forte nesse domínio. ja-se e ter ado zinha. Não tenho n somos ouvidos? Ve “ Fa m a l i c ã o t e m q u rado que será ocup A cultura é indústria porque l, que igo: 12 contra a caridade, e neste Fernandes. influência regiona Artes o comboio Porto-V pre- por Agostinho produz e a Casa das União Famamomento ela é muito não tem, e nacional. paga milhões de euros da que tenha o máxi Quero uma de r a é consumo: a Câmara a del que cisa, mas o papel Agradeço Europeia para remo licão produz mais do o de mo de eficácia. consumo de cultura. o não i parar Câmara não pode ser este cargo c i d a d e d o Po r t o : i s t la de a ligação e não va ser o a s c r í t i c a s e Mas não é uma sa mara País?” das dar o peixe, tem de em Famalicão! A Câ tem que ter peso no i n a r servirá de catalisador d a referência ? O meu adveri de dar a cana e ens r a isto? b r a a b s n a a d reagiu , m s a o r x i i e e u m mos q É Já foi, no pri a a pescar. Não quere mal feitas. o s t a . sário disse alguma coisa? “Não tenho nada contra q u e des, das coisas dato de Armindo C que o pobre tenha o freguesias concebível que o comboio caridade, e neste momento a b a r Investir nas Hoje tem vindo a apagar-se. minucomer, queremos ac mas o s t a d o não possa parar dois ela é muito precisa , a é a será o caminho? Essa projecção à cu que tem não com a pobreza, ess o Parque da d u ç ã o tos num concelho papel de uma Câmara e r a Fez-se, e bem, orçamento e da pro gasminha maneira de v peixe, comi- esta dimensão económica? pode ser o de dar o do Devesa mas a Câmara origem cultural no concelho, à ir voz, a s na cana sociedade: pode Se não levantarmo tou mais na cidade que tem de ser o de dar a go não! A cultura não or nós. problema. freguesias, Pegar ninguém o fará p e ensinar a pescar ” f o r totalidade das ser municipalizada. ter in Anunciou que se entralista. v e s t i r Famalicão tem que a i s numa lógica c nesse dinheiro e in que não licão eleito quer manu práticas o s f a - fluência regional, “A C â m a r a d e Fa m a i t o s Esta Câmara tem na produção, serem que escolares gratu . Como é z i r e m tem, e nacional. Famalicão gastou mais na cidade PS inconcebíveis malicenses a produ de até ao 12.º ano. O - produz mais do que a cidade na totalidade das freguer o u possível os presidentes e a venderem o que produ que n t rasempre se most falar do Porto: isto não tem s i a s , n u m a l ó g i c a ce e m Junta não poderem zem, isso é que é promoção contra a medida Câmara?! de ter peso no país? lista” até nas reuniões cultural. vigor dos manuais Não há mérito do papel É absolutame nte inaceitáOnde vê esses centralisação ao 9.º ano. O anúncio activa da Câmara na fix vel que não possam defen“Paulo Cunha é parte mos da Câmara? na embaraço u o PS? r PSD de empresas ? d e s t e gove r n o , vo t a a b - der as suas populações e d a d i r o Há uma tentativa de municio i r p mas a h n i rtodos m o A en os meus as Há mérito de e m Fa m a l i c ã o é u m ç ã o . reunião. Quando palização de quase todas esas. soluta será a educa izem que é maior é o das empr míssimo apoio ao governo” o PS a d v e r s á r i o s d coisas do concelho. Veja-se a acção Respeito na integra rumo estão social, A C â m a r a t e m u m m a - para manter o o exemplo, ao nível É muito e esta decisão foi to 0% da continuar conce - s e m p r e r e a c t i v a . “ Va m o s p e g a r e m 5 i u m a dizer que vão das redes sociais do Na ecoda com eles. Criare lhões Pedem m e - s e pouco pró-activa. derrama (dois mi o a s - com estas práticas. lho. A Câmara assu pelouro que reúna , o que as Câmaras devem a para um t ) u l o o o n s ã a b / nomia, n a s o o a s i r s r u i o e i e a e a m d r i e ura, como parc plataforsociativismo, cult ão do er absoluC â m a - servir para criar programa de criaç que q u e r e m é p o d pode ser porque a esários educação e economia uero poder o d e r . mas onde os empr próprio emprego e empresob a t o . E u n ã o q ra é um órgão de p plano estará directamen te esmo s e e n c o n t r e m n o absoluto algum. go jovem” Parceiros estão no m minha alçada. em colar n ã o é internacion al. Os negócios que Tem insistido patamar e a Câmara contacArmindo Costa diz sumo . Essas cada vez mais são (Se perder) Não as a i s Paulo Cunha (candidaigual às associações um dos a medida custa m r (...) o Goverais do t o s . V o u t r a z e r o lugar de vereado eu- t o P S D / P P ) a e parcerias não são m para de dois milhões de égia inteli- dirigentes de Moçambiqu no. É uma estrat porque fui convidado que formas políticas vem ros… de ser votos? asso - mais importante s que l i d e ra r u m d e s a f i o p r e - para ganhar gentes de dominar as porta Não é verdade. O com o embaixador . À rigente nacional i ente de Câmara e d d i é s e e l centralismo r E p é á t isso s e a r a ciações, emconsidente da Câm sidente da fechada vai reunir com não vereador. Se fosse ntas d o P S D , p r e puro e duro. A enganado. Tenho co PSD. presários de Famalicão. distrital de Braga do vidado para ser vereador, Que Câmara defende? isso, avor muito rigorosas que dizem próxi - Câmara deveria fazer Sempre escreveu a f não aceitava”. Uma Câmara aberta, a medida custa entre semana não. , que m i s a n a m e s Somos ma e reivindicat iva. m a i s Comigo, fará. o terceiro concelho

“Votar PSD em Famalicão é um enorme apoio ao Governo”

FRASES

e artigos de opinião. Mas o RL pretende ir além das suas páginas. Tal como há quatro anos (Eleições Autárquicas de 2009) também este ano pretendemos promover debates com os candidatos nas principais freguesias da nossa área de abrangência. Joane e Ronfe, como em 2009, mas também, e por óbvios motivos de importância jornalística, na União de Freguesias de Airão Santa Maria, Airão S. João e Vermil. Trata-se, com efeito, de uma nova realidade administrativa - consequência da malfadada reforma que concita críticas de representantes de todas (ou quase todas) as forças partidárias, e até de responsáveis políticos locais que passaram de fervorosos entusiastas da medida a acérrimos críticos da mesma. No fundo, a União representa uma nova “freguesia” que obriga a apresentação de listas comuns nas três terras, embora não se prevejam alte-

protagonistas JONNAS O j o a n e n s e J o ã o Pe i x o t o (cujo nome artístico é Jonnas) é um apaixonado pela música , “profissão” das horas vagas. Depois de uma experiência no grupo “Utter”, está a lançar o seu novo disco a solo, “Bright Side”, que quer promover em 20 países, tirando partido dos conhecimentos que tem de amigos desta zona que estão emigrados pelo mundo.

AGOSTINHO FERNANDES Presidente da Câmara de Fa m a l i c ã o e n t r e 1 9 8 3 e 2001, pelo PS, Agostinho Fernandes surge de novo no palco político-mediático. Custódio Oliveira, candidato socialista à Câmara famalicense “ r e c u p e r o u - o ” p a r a s e r, se ganhar as eleições, Provedor do Munícipe. Ao mesmo tempo, lança novo livro, “No Caminho da (Im) Perfeição”, sobre Joane, sua terra natal.

PAGs. 16 e 17 | entrevista C u s t ó d i o O l i ve i ra , c a n d i d a t o d o P S à Câmara de Famalicão: vencer as eleições de 29 de Setembro é missão difícil mas não impossível.

rações substanciais ao enquadramento actual. Face ao incipiente debate sobre a nova realidade, e em particular sobre o póseleições (Como funcionará? A quem é que os fregueses recorrem em caso de necessidade? E onde?) torna-se crucial, e mesmo obrigatório, efectuar um debate com os candidatos e, acima de tudo, com as populações das três localidades que formam a União. O tempo que falta até às eleições é escasso, mas não impossibilita, havendo vontade, que os candidatos/partidos esclareçam os eleitores das freguesias que foram agregadas sobre as dúvidas que persistem. Seria bem mais edificante do que ver a componente de esclarecimento soçobrar por uma qualquer orientação exclusiva à captação de votos mediante o uso da estafada cartilha das promessas fáceis.

o que se diz FESTAS DE S. TIAGO

Em Ronfe, ao contrário do que acontece em muitas localidades, não há falta de voluntários para a organização das tradicionais festas ao padroeiro. Pelo contrário: até há lista de espera! Fruto da dedicação notória de dezenas de vo l u n t á r i o s , q u e h á u m ano se atarefam nos preparativos, as festas d e co r r e m d e 2 5 a 2 8 d e Julho.

PEDRO HIPÓLITO O novo treinador do GD d e J o a n e v e m d o A t l é t i co - treinou o escalão júnior. O Joane é a sua estreia nos nacionais de futebol.

Propriedade e Editor - Tamanho das Palavras, Lda - Rua das Balias, 65, 4805-476 Stª Mª de Airão Telefone 252 099 279 E-mail geral@reporterlocal.com Membros detentores de mais de 10 % capital Joaquim Forte e Luís Pereira Director Joaquim Forte ( joaquim.forte@gmail.com) Redacção Luís Pereira (luispereira@reporterlocal.com) Paginação Filipa Maia Colaboradores Luís Santos; Sérgio Cortinhas; João Moura; Quintino Pinto Impressão Gráfica Diário do Minho | Tiragem 4000 ex. Jornal de distribuição gratuita Distribuição: Alberto Fernandes | Registo ICS 122048 | NIPC 508 419 514

“Não beneficiei mogege por sEr uma freguesia onde estou há 38 anos mas por umA Questão de justiça” Armindo Costa, presidente da Câmara de Famalicão;

“PS de Famalicão propõe na Câmara Municipal oferta de livros gratuitos até ao 12º ano já no próximo ano lectivo, maioria PSD-PP rejeita a proposta” Opinião Pública

“...vem agora a maioria acusar o PS de populista por prometer, nesta fase de miséria a que nos conduziu o governo PSD-PP, a oferta dos manuais até ao 12º ano” Domingos Peixoto, Opinião Pública

“O candidato do PS à Câmara Municipal de Famalicão surpreendeu os mais distraídos com a pomposa promessa eleitoral de oferecer os manuais escolares até ao 12º ano. É caso para dizer que agora vale tudo pelas “bandas” do PS local” José Leite, Opinião Pública

“Paulo Cunha apresenta seis medidas para intensificar o uso de transportes públicos” Cidade Hoje

“Paulo Cunha (candidato do PSD-PP à Câmara) quer manter e valorizar o Estádio Municipal de Famalicão” Cidade Hoje

“Custódio Oliveira (candidato do PS à Câmara de Famalicão) quer dinheiro da derrama para apoio à criação de emprego” Cidade Hoje

“O Estado lucrou com a Guimarães Capital Europeia da Cultura. Só em impostos directos recebeu 28 milhões de euros, acima dos 26 milhões da comparticipação” Guimarães Digital


8 JUNHO DE 2013 • REPÓRTER LOCAL

JOANE | NARCISO OLIVEIRA VOLTA A SER OURO NA SUÍÇA O joanense Narciso Oliveira, emigrado na Suíça, conquistou, no passado domingo, a sua terceira medalha de ouro, deste ano. Depois de ter sido campeão suíço de cross e dos 10.000 metros de estrada foi, agora, campeão suíço de Montanha numa distância de 9.000 metros.

Jonnas

À conquista do mundo pessoal daqui lá fora , infelizmente, que eu estou a contactar”, adianta . O projecto vai decorrer em Setembro porque aguarda pela finalização do vídeo. O single está gravado e é resultado de um “bichinho que nunca morre” chamado música. “Este é um projecto meu, que conta com a participação de dois músicos da região. É um tema melancólico, que transmite emoções”, afiança Jonnas. O músico inspira-se nas experiências d e v i d a p a r a c o m p o r, t e n d o “ P e a r l Jam” e “Sigur Rós” como influências, e espera que o novo disco seja o p r i n c í p i o d e o u t r o s p r o j e c t o s . “A música é a melhor maneira de me e x p r i m i r. N ã o f a ç o m ú s i c a p a r a m i m m a s , s e n ã o g o s t a r d e a f a z e r, n ã o vale a pena”, afirma Jonnas.

Há três anos que a Escola Secundária de Joane conta com um Grupo de Danças. Resultado de um projecto e x t r a c u r r i c u l a r, o g r u p o e n v o l v e u m a d ú z i a d e a l u n a s , do 7.º ao 12.º ano. “Há três anos a dança era uma disciplina opcional que tinha uma professora específica . Fora da disciplina , a professora criou a dança como modalidade de desporto escolar e desde então temos participado”, explica Joana Marques. E m d e s p o r t o e s c o l a r, o g r u p o j á f o i p r i m e i r o n o c a m peonato regional e o facto de não ter sido apurado, na segunda fase, para o campeonato nacional, não esmorece o bichinho da dança. O grupo é totalmente feminino mas nem sempre foi assim: os rapazes saíram por motivos vários. Mas são desejados. “Para o ano têm de entrar rapazes. Já estamos a tentar convencer a l g u n s e a c h o q u e v a m o s co n s e g u i r ” , d i z J o a n a M a r q u e s . O g r u p o j á a c t u o u n a C a s a d a s A r t e s d e Fa m a l i c ã o e n o I I E n c o n t r o d a s “ Ve l h a s G l ó r i a s d o L i c e u d e J o a n e ” .

PUBLICIDADE

O j o a n e n s e Jo ã o Pe i xo t o ( n o m e a r t í s t i c o : J o n n a s ) q u e r p o r a t o c a r, e m 20 países diferentes, no mesmo dia , o seu último disco, “Bright Side”. O projecto a solo do ex-vocalista do grupo “Utter ” quer aproveitar o lado menos mau da emigração de jovens da região e colocá-lo ao serviço de uma projecção internacional da sua música. “A i d e i a é m a r c a r u m d i a c o m b i n a d o com vários amigos emigrados em diversos países, que vão ao bar mais próximo e arranjam forma de pôr a tocar o videoclipe com a minha música. Quando dás por ela, estás a “estrear” um vídeo em 20 países diferentes”, explica o músico. “Quero lançar tudo ao mesmo tempo e com a m b i ç ã o i n t e r n a c i o n a l . Te m o s m u i t o

Elas dançam... (à espera deles)


REPÓRTER LOCAL • JUNHO DE 2013 • 9

AIRÃO S. JOÃO | ATLETA DO CURVIÃ CAMPEÃO REGIONAL Mihail Lalev, búlgaro radicado em Portugal, conquistou o título de Campeão Regional ao serviço do Desportivo Airão-Curviã. Foi nas Caldas das Taipas, na 8ª edição da Corrida Intermarché, ganha pelo atleta Bruno Silva, do Maia AC.

JOANE Velhas Glórias no Liceu O s e g u n d o e n c o n t r o d a s “ Ve l h a s G l ó rias do Liceu de Joane” , no dia 22, foi uma montra de talentos de alunos que passaram por aquela escola ao longo dos últimos anos. Em vez de um jantar - como no primeiro encontro, em Março do ano passado, que j u n t o u e x - a l u n o s c o n v o c a d o s a t r av é s d a p á g i n a d o Fa c e b o o k – e s t e a n o f o i adoptado um formato mais cultural apostado na promoção de talentos. Houve cinema (“Tio Rui” , de Mário M a c e d o e “ A r p é g i o ” , d e H é l d e r Fa r i a ) , uma tertúlia em torno dos livros “Nos destroços de um Naufrágio” , d e J o ã o M o u r a e “ O Ve n t o d a N o i t e ” , de Mário Rui Oliveira , pintura e DJ´s, num encontro que juntou gerações de jovens talentos que, em comum, têm o facto de terem estudado no Liceu de Joane.

CRÓNICA

O tempo é solitário por natureza instantaneamente. Ficará encostado a um canto, até alguém começar a embrulhar postas de bacalhau com ele, ou o colocar no lavatório para cortar a barba e impedir que os pelos entupam os canos. Comigo o tempo soltou-se das correntes e latiu com mais força no encontro das Velhas Glórias do Liceu de Joane, onde me convidaram a participar numa agradável tertúlia literária. Ninguém é tão velho que não possa aprender, nem ninguém é tão novo que não possa ensinar, pelo que a ideia da iniciativa passou por juntar novos talentos do liceu com os “velhos” -

a própria palavra liceu parece que é de velhos, agora diz-se secundária, se bem que nosso tempo chamava-se penitenciária, como um grande graffiti à entrada fazia questão de o mostrar. Se na altura a vida parecia um inferno, e havia pressa de lá sair, agora tudo parece um inferno e há vontade de lá voltar. Vontade de vestir umas calças largas com correntes (quando isso ainda era original), colocar gel no cabelo à Nuno Gomes e de sair tarde para a escola, com os amigos já à porta à espera. De passar as aulas e os intervalos rodeados de

amigos, de jogar futebol, basquetebol ou matraquilhos nos feriados, de namorar nos bancos ou atrás dos pavilhões, de escrever declarações nas mesas, de meter música pesada na rádio escola, de ouvir e sentir a liberdade do toque de saída, de esperar que o autocarro chegue, de parar para uns rebuçados e jogar máquina no café, de acompanhar as amigas a casa depois da escola, de repousar ao fim do dia no lar sob a alçada dos pais que se esforçavam para nos dar segurança, e de imaginar um futuro melhor. Algumas coisas mudaram na escola – novos pavi-

lhões e equipamentos – mas ainda se encontram os mesmos professores, funcionários, vivências e sobretudo, as mesmas memórias. Memórias daquilo que se teve, e até daquilo que se quis e não se chegou a ter. Peço desculpa. Esta não era para ser uma crónica sobre como o passado era e o presente é. Mas as coisas raramente acabam como planeamos. Já agora, se me derem a escolher, um bom sitio para esta crónica morrer é na biblioteca do liceu de Joane.

João Moura Jornalista e escritor

PUBLICIDADE

O tempo é solitário por natureza. Passa, passa, e torna a passar, e não há ninguém que o acompanhe. Talvez por isso, além de ladrar, ele morde. Aqui e ali, ele ataca a mão do homem que o alimenta, quando este menos espera. Pessoas ou coisas, não há ninguém que lhe resista e amanse o pelo. Um exemplo bastante simples é este jornal que o meu amigo leitor tem agora na mão (trate-me com carinho por favor). Quando chega a si pela primeira vez é um jornal fresco, que pela aura de novidade que contém, merece a sua atenção. Depois de o ler ele morre


PUBLICIDADE

10 JUNHO DE 2013 • REPÓRTER LOCAL


REPÓRTER LOCAL • JUNHO DE 2013 • 11

LOCALIDADES

JOANE| EARO FOI QUINTA EM GUIMARÃES E INAUGURA SEDE NO DOMINGO Sílvia Oliveira, atleta da Escola Atletismo Rosa Oliveira (EARO) ficou, nos dias 22 e 23 de Junho, em 5.º lugar nos 3.000 metros, no Campeonato Nacional de Juvenis em Pista Ar-Livre, em Guimarães. Na mesma competição, Sara Oliveira ficou em 8ª lugar. Entretanto, a instituição joanense inaugura no próximo domingo, dia 30 (15:00 horas), a sua sede social, na antiga escola primária de Montelhão.

Em Ronfe, há listas de espera de voluntários para ajudar nas Festas de S. Tiago Preparação das Festas (de 25 a 28 de Julho) mobiliza dezenas de pessoas. A comissão não se queixa da crise económica

H

á quase um ano que mais de 70 pessoas estão envolvidas nos preparativos das Festas de S. Tiago em Ronfe. A romaria anual afirma-se como uma das mais importantes do concelho de Guimarães mas, para manter o nível de atractividade, por detrás dos quatro dias de festa (de 25 a 28 de Julho) há uma equipa com muitos voluntários. “São sacrifícios pessoais que se fazem por devoção ao santo e por paixão pela festa da nossa terra”, diz António Costa, da comissão organizadora. A equipa é formada por

dez casais “mesários” que têm a incumbência, juntamente com o juiz, da organização dos festejos, contando com a ajuda de 50 jovens mordomos. Em Ronfe, ao contrário da tendência de outras localidades, os jovens envolvem-se na organização e até há listas de espera para poderem ajudar. De tal forma que, lembra António Costa, foi preciso dizer não e agradecer a alguns candidatos. “Os jovens gostam disto e procuram-nos para oferecerem ajuda. Este ano são 50 e têm sido um grande apoio”, refere o obreiro. O programa deste ano

ficou fechado em Maio e desde Outubro do ano passado que o artista de cartaz está contratado. Mas, cumprindo a tradição, o nome permanece “guardado a sete-chaves”. “A única coisa que garanto é vai surpreender”, diz. O S. Tiago implica um investimento de “várias dezenas de milhares de euros” mas a organização não se queixa da crise, apesar de Ronfe estar situada bem no coração do Vale do Ave, onde se fazem sentir os efeitos da redução do número de postos de trabalho no sector têxtil. “O povo de Ronfe tem um grande carinho

pela festa e mostrou grande generosidade. A crise obriga-nos a negociar mais com os artistas e é aí que reside o segredo do sucesso da organização”, realça António Costa. Ainda falta uma parte mas o principal conseguiu-se muito à custa das cantinas aos fins-de-semana, do peditório, do cantar dos reis e de diversas iniciativas nos últimos meses. Trazer cada vez mais gente a Ronfe é o grande objectivo. O fogode-artificio e o tapete para a procissão são já ex-libris das festas. Mas o programa inclui o jantar no Dia dos Avós (26 de

Julho) oferecido a todos os fregueses com mais de 70 anos. “Há idosos que só saem de casa nesse dia. O jantar contribui para que os mais velhos, mesmo que limitados, tenham um “cheirinho” da festa”, explica António Costa. E nada de competições com a comissão anterior. A preocupação é “manter a qualidade” e chamar gente das freguesias vizinhas”. Este ano, o RL figura como parceiro de divulgação das festas e a próxima edição sairá mais cedo que o habitual, com um especial. L u í s Pe r e i r a

“Os jovens de Ronfe gostam disto e procuramnos para oferecerem ajuda. Este ano são 50 e têm sido um grande apoio. São sacrifícios pessoais que se fazem por devoção ao santo e por paixão pela festa da nossa terra”. António Costa Comissão de Festas de S. Tiago


12 JUNHO DE 2013 • REPÓRTER LOCAL

FAMALICÃO | VISITAS GUIADAS À CÂMARA A partir de seis de Julho, a Câmara de Famalicão abre as portas ao público, no primeiro sábado de cada mês, para visitas guiadas ao edifício e jardins dos Paços do Concelho, animadas por actores de teatro.

Memórias de Joane

As alcunhas mais conhecidas e caricatas; as figuras típicas; a vida de uma terra conservadora. É tudo isto e muito mais que perpassa pelo novo livro de Agostinho Fernandes, “No caminho da (im)perfeição”, que é apresentado em Joane, no dia seis de Julho, às 21:00 horas, no Centro Cultural. “O livro relata o tempo e as circunstâncias em que o autor viveu mas, olhando melhor, são também as mesmas que nortearam a nossa existência, a tua, a minha e a de cada pessoa”, diz o autor. Presidente da Câmara de Famalicão durante duas décadas, Agostinho Fernandes tem desenvolvido, nos últimos anos, uma profícua actividade como escritor e pesquisador das

memórias, algumas delas ligadas Às suas raízes joanenses. Antes de percorrer este “Caminho...”, o autor lançou outro fruto da ligação que sempre manteve com a terra onde nasceu, em 1942: o livro “Sete Joanenses Ilustres”. Agostinho Fernandes fez a instrução primária e ingressou na Ordem do Carmo, em Viana do Castelo, tendo terminado a licenciatura em Filosofia na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Foi professor do ensino secundário, vereador da Cultura, pelo PS, entre 1980 e 1982, na Câmara Municipal de Famalicão (na presidência de Antero Martins, do PSD) e, em 1983, foi eleito presidente da Câmara, cargo que ocupou até 2001.

O seu nome está ligado a projectos como o Citeve, Matadouro Central, Universidade Lusíada, Escola Superior de Saúde do Vale do Ave, Biblioteca Municipal, Artave, Centro Coordenador de Transportes, Casa das Artes, Museu da Indústria Têxtil e piscinas municipais, mas também a decisões polémicas, como a urbanização da parte dos terrenos de Sinçães, a instalação de grandes superfícies comerciais e a demolição do Cine-teatro Augusto Correia.

AIRÃO STª Mª • iniciativa

ROCK no Rio 2

A P ra i a F l u v i a l d e A i rã o S a n t a M a r i a a co l h e e s t e sábado, dia 29, a segunda edição do “Rock no R i o ” , i n i c i a t i va d a C o n f ra r i a d o s B o m b o s . O p rograma inclui jogos tradicionais (torneios de sueca e “ Pa u L i m p o ” ) , “c o m e s e b e b e s ” ( d e t a r d e ) e o s concertos de “Bob Dealer do Bairro” e “Epic Road ” (à noite), fechando com o Dj Carlos Poça . Com o Rock no Rio, a Confraria pretende angariar fundos p a ra a a q u i s i ç ã o d a a g u a r d a d a a m b u l â n c i a p a ra a freguesia .

PUBLICIDADE

LIVRO


REPÓRTER LOCAL • JUNHO DE 2013 • 13

JOANE | TROFÉU PARA A A JJ A Associação Juventude de Joane recebeu o troféu de campeões no escalão minis. Os troféus, referentes à época 2012-2013, foram entregues pela Liga Futsal de Famalicão

FUTEBOL • GD JOANE

BREVES

Empresa gere contratações

Eixo Atlântico Famalicão participa na X edição dos Jogos do Eixo Atlântico, que decorre em Guimarães, de 30 de Junho a quatro de Julho, com uma delegação de 120 atletas de todas as modalidades.

Pedro Hipólito, vindo do Atlético (Lisboa), é o novo treinador. Sócrates (foto) renova. plantel competitivo” e “poupar nas despesas”. Mas o discurso não é unânime em Barreiros. O director desportivo, Adriano Sousa, mostra-se cauteloso nas explicações sobre a mudança, optando por classificar a empresa em causa como “patrocinadora principal” da nova temporada. “As decisões em matéria de plantel continuam a ser tomadas pela direcção”, assegura. Consequência ou não desta parceria, a verdade é que Francisco Costa, anterior treinador, não renovou, saindo em ambiente de descontentamento face à opacidade quanto ao

futuro. Para o seu lugar vem Pedro Hipólito, que na época passada conseguiu o título de campeão nacional da segunda divisão para a equipa júnior do Atlético (Lisboa). Aos 34 anos, o ex-jogador formado pelo Benfica estreia-se em Joane como treinador principal dos campeonatos nacionais. A apresentação do plantel para a próxima época está agendada para 15 de Julho mas há ainda muito por definir: por agora confirma-se apenas a permanência de Sócrates e a entrada de João Cruz, ex-Oliveirense. LP

FUTEBOL • ronfE

Plantel quase fechado Ainda sem treinador no activo (Francisco Costa inicia funções em Julho), o Desportivo de Ronfe já tem o plantel definido para a próxima época, mas o novo director desportivo, Tiago Dias, admite ainda uma contratação para completar o lote de 22 jogadores. De resto, o treinador Francisco Costa (foto) teve influência nas escolhas de parte dos jogadores, em particular dos que vêm da equipa que orientou na última época. O plantel, diz Tiago Dias, “não é curto” e pode sempre ser reforçado pela convocação de atletas das

DESPORTIVO 2013-2014

Renovações Mika; Paulinho; André Macedo; Vítor Guedes; Hugo Dias e Vítor Hugo. Júniores Alex, Afonso e Morais. Reforços Dinis, António, Miguel e André Costa (ex-Joane); Diogo (ex-Júnior Ribeirão); Armando (ex-Campelos); Nuno (exSerzedelo); Ryan e Eloy (ex-Júniores Rio Ave); Paulinho (ex-Airão) e Zézé (exTaipas)

Pousada Arpo nas Caldas das Taipas A ARPO participou na 8ª Corrida das Caldas das Taipas com seis atletas. Em Benjamins, Tiago Silva alcançou o 2º lugar e Rui Ferreira o 4º. Em Iniciados, João Sousa ficou em 3º. Na prova mista masculina (Juniores + Seniores), Joaquim Silva ficou em 26º lugar, José Peixoto em 37º e Paulo Carvalho em 52º.

O atleta José Azevedo, da Associação Moinho de Vermoim, venceu a Milha Urbana “Corrida das Emoções”, em Vila do Conde, num regresso aos títulos após um período de lesões. Por seu lado, Cláudia Pereira ficou em segundo no GP da Junta de Freguesia de Alcabideche, no escalão Sénior.

PUBLICIDADE

A gestão e escolha do plantel e equipa técnica do Grupo Desportivo de Joane para a próxima época estão a ser feitas por uma empresa ligada a carreiras de jogadores, que também participará nas decisões do clube sobre contratações. A empresa em causa, revela Rui Ribeiro, presidente do Joane, é a Soccer Champions, que passa a ter poder de decisão, não só em matéria de jogadores mas também na contratação do treinador. Para o Joane, que não é o primeiro clube do concelho a adoptar este modelo de gestão, isto permite, na óptica de Ribeiro, “um

AMVE: mais pódios

camadas de formação. O director desportivo justifica a saída de mais de metade do plantel com a necessidade de assumir um novo projecto de quatro anos que passa por uma “mudança de filosofia”, traduzida numa aposta na formação (“o Ronfe é uma boa montra de jogadores para outros campeonatos”) e por uma redução do orçamento, “porque os tempos não estão fáceis”. O clube apresenta o plantel a 27 de Julho e começa a treinar dois dias depois com vista ao jogo de apresentação, a 15 de Agosto.


REPÓRTER LOCAL • JUNHO DE 2013 • 15

AUTÁRQUICAS 2013

JOANE | CANDIDATO PSD-PP EM CAMPANHA Xavier Oliveira, candidato do PSD-PP à Junta de Joane, colocou o primeiro outdoor da sua candidatura. Nos próximos dias vai inaugurar a sede de campanha, na Avenida Pedro Hispano, e colocar um miniautocarro a percorrer a vila. Em Junho, contactou com o GD de Joane e Centro Social da Paróquia e promoveu o fórum da juventude.

VERMOIM • candidatos

PSD/PP e PS na linha de partida A polémica em torno da antiga fiação e do cemitério aquece a troca de argumentos entre os principais candidatos Luís Pereira

V

ermoim conta, para já, com dois candidatos ao cargo de presidente da Junta ocupado por Xavier Forte. A coligação PSD-PP, que governa Vermoim há 12 anos, escolheu Manuel Carvalho, “braço direito” do actual presidente; o PS aposta, pela segunda vez, em José Azevedo, que em 2009 “roubou” o único eleito da CDU na Assembleia de Freguesia, fazendo baixar a votação da maioria. A antiga fiação de Vermoim promete ser “tema quente” da campanha. O candidato socialista assume a aquisição dos 10 mil metros quadrados de terreno como prioridade, argumentando que “é fundamental para resolver a questão da malha urbana da freguesia”. Manuel Carvalho discorda, lembrando o valor elevado (400 mil euros). Reconhecendo que a Junta não terá capacidade financeira para adquirir sozinha o terreno, Azevedo adianta que o candidato do PS à Câmara (Custódio Oliveira) já se comprometeu em apoiar a compra se vier a ganhar as eleições. Muitas são as ideias para o espaço. O candidato do PSD/PP aponta a sede de Junta e uma feira semanal. Acima de tudo, afirma Carvalho, é preciso dar um destino “ao mamarracho” que é “um autêntico pombal em pleno centro”. Manuel Carvalho defende ou-

tras prioridades (“não sou de projectos megalómanos”): saneamento, água e pavimentar os nove caminhos em terra que ainda existem em Vermoim, além do reforço do apoio social aos cidadãos em dificuldades. “A maior obra nos dias de hoje é acudir aos cidadãos com necessidades sociais. Há muita telha em Vermoim a encobrir muita fome. A Junta não pode pagar as prestações das casas mas pode ajudar com a alimentação”, garante. Em matéria de apoio social os candidatos estão de acordo: José Azevedo reconhece que os tempos são de crise e defende que a Junta abrace outras valências, deixando de se “limitar a limpar as silvas dos caminhos”. “ Nenhum dos candidatos considera partir em vantagem mas ambos querem o mesmo: vencer. “Não fujo do passado mas haverá novas ideias. Espero contar com muitas das pessoas que acompanham este executivo, incluindo Xavier Forte”, refere Carvalho. “A Junta faz coisas à revelia da população, esquecendo-se facilmente de quem a elegeu. Uma Junta não é a dona da freguesia, tem de ouvir sempre a população e por isso o meu programa será consequência do que tenho recolhido no porta-a-porta. A coligação diz que quer manter o rumo e isso diz tudo: quer continuar a manter este rumo destorcido e é preciso clarificação”, contrapõe Azevedo.

PERFIL JOSÉ AZEVEDO 34 anos. Licenciado em Arquitectura. Docente do 3.º ciclo. Casado. Militante do PS. Foi cabeça de lista pelo PS em 2009.

MANUEL CARVALHO 54 anos. Escriturário. 12.º ano. Casado. Uma filha. Independente. Secretário da Junta de Vermoim desde 2002.

RESULTADOS 2009 PSD/PP: 55,07% (1.021 votos; 5 mandatos) PS: 37,32% (692 votos, 4 mandatos) CDU: 6,15% (114 votos) Abstenção: 29,14%

DISCURSO CRUZADO Z O N A I N D U S T RI A L MC: “Depende da revisão do PDM. Será uma mini z o n a i n d u s t r i a l Ve r m o i m / Re q u i ã o , n o a c e s s o à a u t o estrada , criada pelos privados e com incentivos fiscais da Câmara . Uma mais-valia para combater o d e s e m p r e g o e m Ve r m o i m ” . JA : “Há quatro anos que o PS fala nisso. A revisão do PDM é essencial para a freguesia . Não podemos continuar a esperar 15 anos para definir o PDM”. C E MI T É RI O JA : “Quando se faz uma obra é necessário conhecer o projecto, a empresa que o executa , o custo e o tempo que demora. No caso do cemitério, ninguém sabe nada . Nunca foi uma obra gerida com principio meio e fim, permitiram que ela se alongasse como bandeira eleitoral. M C : “ Fo m o s f a z e n d o n o t e m p o e a o s p o u co s a l g u m a s obras, como casas de banho, capelas, ossários e gavetões. A oposição critica os valores cobrados mas a Junta não tem lucro com o cemitério, só dá prejuízo”. V E RM O M R E C E B E M A I S Q U E J O A N E ? (O presidente da Junta de Joane utiliza recorren t e m e n t e o c a s o d e Ve r m o i m p a r a s u s t e n t a r a f a l t a de investimento da Câmara na vila). J A : “ Ve r m o i m t e m s i d o b e n e f i c i a d a p e l o M u n i c í p i o em detrimento de outras freguesias, mas, face ao d i n h e i r o r e c e b i d o , f e z - s e m u i t o p o u c o .” M C : “ Ve r m o i m n ã o r e c e b e u m a i s q u e J o a n e . Te m o s sido persistente nas negociações enquanto Joane andou de costas viradas e assim é mais difícil atrair investimento”. PA U L O C U N H A V S C U S TÓ D I O O L IV E IR A M C : “A c r e d i t o q u e o f u t u r o p r e s i d e n t e d a C â m a r a s e r á Pa u l o C u n h a m a s s e f o r o c a n d i d a t o d o P S o meu desempenho será igual”. J A : “ O P S d e Fa m a l i c ã o t e r á d e f a z e r a a v a l i a ç ã o d o que aconteceu, independentemente dos resultados. O Custódio Oliveira tem projectos e ideias para o concelho, dará um excelente presidente”.

JOSÉ AZEVEDO

MANUEL CARVALHO

A Junta fez bem em requalificar as escolas? Fez bem em manter as duas escolas em vez de construir u m C e n t r o E s c o l a r. N ã o s e i se houve a preocupação do executivo em perceber por quantos anos está garantido o funcionamento das escolas. Esperemos que dentro de anos a escola da Estalagem não esteja encerrada e que todo o investimento tenha sido em vão. Que papel dará ao associativismo? As associações têm colma-

tado muitas necessidades de Ve r m o i m . A s i n s t i t u i ç õ e s t ê m actuado em várias áreas e é possível a criação de projectos em conjunto. Estão ultrapassadas as divergências com o grupo do ex-presidente Joaquim Almeida? E l e f e z u m e x c e l e n t e t ra b a l h o . Lamenta-se que a Junta não o reconheça e nunca o tenha h o m e n a g e a d o . Te n h o f a l a d o com essas pessoas porque, apesar de jovem, gosto de beber da experiência de quem já fez muito.

Candidato PSD-PP à Junta de Freguesia de Vermoim

TRÊS PERGUNTAS

Candidato do PS à Junta de Freguesia de Vermoim

Po r q u e é q u e a J u n t a p r e f e r i u requalificar as escolas em vez de construir um Centro Escolar? O n ú m e ro d e c r i a n ç a s n ã o j u s t i f i c a v a . A t e n d ê n c i a e m Ve r m o i m é d e r e d u ç ã o d o n ú m e ro d e a l u n o s . O Centro Escolar custaria à volta de 400 mil euros e a requalificação ficou por 180 mil e permitiu dotar a escola da Estalagem de melhores condições. O C e n t r o Te c n o l ó g i c o d a s C a r n e s v a i “ f u g i r ” d e Ve r m o i m ? O projecto é uma ideia do Xavier Fo r t e p a ra a a n t i g a f i a ç ã o . A l g u n s industriais aproveitaram-se da

ideia e, como têm pavilhões de vago, tentaram negociá-los. Po d e s e r q u e a i n d a f i q u e c á . A rede social inter-freguesias funciona? As pessoas vêm mais depressa à Junta do que à rede, que está distante, em Joane. Há muito q u e e s t á p ro j e c t a d o i n s t a l á - l a n a escola Mato da Senra mas não t e m p a s s a d o d o p a p e l . Ve r m o i m já propôs um espaço na sede da Junta. Queremos o melhor para os cidadãos, tanto faz ser e m J o a n e , M o g e g e o u Ve r m o i m . Te r e m o s d e r e v e r o m o d e l o d e actuação da rede.


16 JUNHO DE 2013 • REPÓRTER LOCAL

autárquicas | entrevistas Pa r a c o n c l u i r a r o n d a p e l a s c a n d i d a t u r a s à s C â m a r a s Municipais, publicamos nesta edição as entre vistas com Custódio Oliveira (Famalicão) e Domingos Bragança (Gui m a rã e s ) . A p a r t i r d o p ró x i m o n ú m e ro , co n c e n t ra r e m o s atenções nos candidatos das freguesias.

ENTREVISTA

O

nde é que é possível fazer melhor em Famalicão? Em quase tudo. Uma Câmara tem o dever de estar ao lado, de ser incentivo mas também de ser força. Quero abrir as portas da Câmara às pessoas. No contacto que tenho feito com as instituições tenho perguntado quantas vezes o presidente da Câmara esteve nas iniciativas delas. Em doze anos, só uma disse-me que teve e por uma só vez, isso é inconcebível. Só se ajuda se estivermos presentes. Mas o senhor dirige uma das maiores instituições do concelho e nesse campo, não deve ter razão de queixa… Porque estamos num pata mar superior. A Câmara tem tido uma lógica centralista de só ir às grandes. É inaceitável que se gaste mais na Casa das Artes do que em todas as instituições culturais do concelho. Co migo haverá uma ruptura muito forte nesse domínio. A cultura é indústria porque produz e a Casa das Artes é consumo: a Câmara paga consumo de cultura. Mas não é uma sala de referência? Já foi, no primeiro mandato de Armindo Costa. Hoje tem vindo a apagar-se. Essa projecção à custa do orçamento e da produção cultural no concelho, comigo não! A cultura não pode ser municipalizada. Pegar nesse dinheiro e investir na produção, serem os famalicenses a produzirem e a venderem o que produ zem, isso é que é promoção cultural. Onde vê esses centralis mos da Câmara? Há uma tentativa de municipalização de quase todas as coisas do concelho. Veja-se o exemplo, ao nível social, das redes sociais do conce lho. A Câmara assume-se como parceira e isso não pode ser porque a Câmara é um órgão de poder. Parceiros estão no mesmo patamar e a Câmara não é igual às associações. Essas parcerias não são mais do que formas políticas inteligentes de dominar as asso ciações, isso é centralismo puro e duro. Que Câmara defende? Uma Câmara aberta, próxi ma e reivindicativa. Somos o terceiro concelho mais

“Votar PSD em Famalicão é um enorme apoio ao Governo” Custódio Oliveira, candidato do PS à Câmara de Famalião, admite a dificuldade da missão mas considera que vencer não é impossível.

Luís Pereira

exportador, mas Famalicão tem voz? Em que é que somos ouvidos? Veja-se o comboio Porto-Vigo: 12 milhões de euros da União Europeia para remodelar a ligação e não vai parar em Famalicão! A Câmara reagiu a isto? O meu adversário disse alguma coisa? É concebível que o comboio não possa parar dois minutos num concelho que tem esta dimensão económica? Se não levantarmos a voz, ninguém o fará por nós. Famalicão tem que ter in fluência regional, que não tem, e nacional. Famalicão produz mais do que a cidade do Porto: isto não tem que ter peso no país? Não há mérito do papel da Câmara na fixação de empresas? Há mérito de todos mas o maior é o das empresas. A Câmara tem uma acção sempre reactiva. É muito pouco pró-activa. Na economia, as Câmaras devem servir para criar plataformas onde os empresários se encontrem no plano internacional. Os negócios cada vez mais são contactos. Vou trazer um dos dirigentes de Moçambique mais importantes que vem com o embaixador. À porta fechada vai reunir com empresários de Famalicão. A Câmara dev eria fazer isso, semana sim, semana não. Comigo, fará.

FRASES “ Fa m a l i c ã o t e m q u e t e r influência regional, que não tem, e nacional. Famalicão produz mais do que a c i d a d e d o Po r t o : i s t o n ã o tem que ter peso no País?” “Não tenho nada contra a caridade, e neste momento ela é muito precisa , mas o papel de uma Câmara não pode ser o de dar o peixe, tem de ser o de dar a cana e ensinar a pescar ” “A C â m a r a d e Fa m a l i c ã o gastou mais na cidade que na totalidade das fregues i a s , n u m a l ó g i c a ce n t ra lista” “Paulo Cunha é parte activa d e s t e gove r n o , vo t a r P S D e m Fa m a l i c ã o é u m e n o rmíssimo apoio ao governo” “ Va m o s p e g a r e m 5 0 % d a derrama (dois milhões de euros/ano) para um programa de criação do próprio emprego e emprego jovem” (Se perder) Não assumo o lugar de vereador (...) porque fui convidado para l i d e ra r u m d e s a f i o d e s e r presidente de Câmara e não vereador. Se fosse convidado para ser vereador, não aceitava”.

No apoio social, que políticas propõe? A Câmara faz caridadezinha. Não tenho nada contra a caridade, e neste momento ela é muito precisa, mas o papel de uma Câmara não pode ser o de dar o peixe, tem de ser o de dar a cana e ensinar a pescar. Não queremos que o pobre tenha o que comer, queremos acabar com a pobreza, essa é a minha maneira de ver a sociedade: ir à origem do problema. Anunciou que se for eleito quer manuais escolares gratuitos até ao 12.º ano. O PS sempre se mostrou contra a medida em vigor dos manuais até ao 9.º ano. O anúncio embaraçou o PS? A minha prioridade absoluta será a educação. Respeito na integra o PS e esta decisão foi tomada com eles. Criarei um pelouro que reúna o associativismo, cultura, educação e economia que estará directamente sob a minha alçada. Armindo Costa diz que a medida custa mais de dois milhões de euros… Não é verdade. O presidente da Câmara está enganado. Tenho contas muito rigorosas que dizem que a medida custa entre

1,3 e 1,4 milhões de euros. Para que servirá o Provedor do Munícipe? É um cargo não remune rado que será ocupado por Agostinho Fernandes. Quero que tenha o máxi mo de eficácia. Agradeço as críticas e este cargo servirá de catalisador das queixas, das barbaridades, das coisas mal feitas. Investir nas freguesias será o caminho? Fez-se, e bem, o Parque da Devesa mas a Câmara gastou mais na cidade que na totalidade das freguesias, numa lógica centralista. Esta Câmara tem práticas inconcebíveis. Como é possível os presidentes de Junta não poderem falar nas reuniões de Câmara?! É absolutamente inaceitável que não possam defender as suas populações na reunião. Quando os meus adversários dizem que é para manter o rumo estão a dizer que vão continuar com estas práticas. Pedem maioria absoluta, o que querem é poder absoluto. Eu não quero poder absoluto algum. Tem insistido em colar Paulo Cunha (candidato PSD/PP) ao Governo. É uma estratégia para ganhar votos? Ele é dirigente nacional do PSD, presidente da distrital de Braga do PSD. Sempre escreveu a favor


REPÓRTER LOCAL • JUNHO DE 2013 • 17

RONFE | AS PROMESSAS DO CANDIDATO O candidato do PSD/PP à Câmara Guimarães assumiu o compromisso de requalificar o centro cívico de Ronfe e as margens do Rio Ave caso seja eleito presidente de Câmara. Promessas feitas no dia 15 de Junho, na convenção autárquica da candidatura PSD-PP à Junta de Ronfe.

das políticas deste governo, não lhe conheço uma crítica pública a este governo. Não se trata de colar, trata-se de dizer a verdade porque há aqui uma tentativa de embuste. Até o emblema do PSD apare ce com outra cor, já o mudaram. Isto é fazer do povo parvo e o povo não o é. Paulo Cunha é parte activa deste governo, votar PSD em Famalicão é um enormíssimo apoio ao governo. Paulo Cunha é o candidato da continuidade? Até agora não tem obra. Ele diz que quer manter. Eu não quero manter, quero entrar numa dinâmica completamente nova de poder municipal mais moderno e mais avançado. Como é que uma Câmara pode combater o desemprego? A derrama é um imposto que advém do trabalho. Por lei, a verba tem de ser adstrita a uma área específica. Vamos pegar em 50% da derrama (cerca de dois milhões/ano) para um programa aberto às empresas e IPSS para criação do próprio emprego e emprego jovem. É um exemplo de pró-actividade de uma Câmara que tem um efeito multiplicador. É com medidas destas que em 2020 trarei o concelho do 182º lugar do ranking da qualidade de vida para os 20 primeiros. Assume o lugar de vereador, caso não ganhe? Não. Não por arrogância mas porque fui convidado para liderar um desafio de ser presidente e não verea dor. Se fosse convidado para ser vereador, não aceitava.

ENTREVISTA | custódio oliveira (PS)

“Se conseguir passar a mensagem o povo vai dar a vitória ao PS” Vai ser fácil dar-se a conhecer em pouco tempo? A minha dificuldade será a de passar a mensagem. Se conseguir, o povo de Famalicão vai dar a vitória ao PS. Tenho consciência de que é muito difícil. Tenho estado no terreno, faltam cerca de 90 dias, tenho o tempo bem controlado mas sei que é difícil. Não tenho os rios de dinheiro dos nossos adversários. O sistema mediático em Famalicão também não ajuda nada. Há jornais, pelo menos um, que tem umas dez fotografias em cada página do meu adversário. Como nós estamos! Respira-se um controle municipal! Acredito na seriedade dos jornalistas jovens que o concelho tem mas as linhas editorias de um ou outro jornal deixam-me preocupado. Numas eleições demo cráticas, um dos elementos-chave é que todos os candidatos deveriam ter as mesmas igualdades de opor tunidades em expor as suas ideias para que cheguem às pessoas no mesmo pé de igualdade.. Que papel caberá a Sá Machado, presidente da Junta de Joane? Já tinha dito que Sá Machado seria um excelente candidato a qualquer coisa que tenha a ver com a Câmara. O seu irmão Orlando tem feito um bom trabalho, como vereador, que lhe possa valer a renovação do convite? Não tenho seguido o papel dos vereadores. Não tenho opinião. Tinha as minhas preocupações nas minhas actividades profissionais e em Famalicão a preocupação estava centrada na ATC. A sua candidatura é o início de

uma actividade política mais exposta? De alguma maneira, o que critiquei aos meus colegas quando eles enveredaram por esse caminho, acabei também por fazê-lo. Mas pode ser também e apenas uma experiência de três meses, se os famalicenses não me quiserem para presidente. Se assim for, voltarei à minha actividade profissional. Não o vamos ver noutros desafios, por exemplo, na lista do PS por Braga na s próximas Legislativas? Não. Nem pensar nis so. Já disse uma vez que nunca concorreria a cargos políticos… É uma circunstância especial, numa situação de emergência. Aceitei este desafio e não aceitarei mais nenhum. Nunca farei outra excepção. A sua candidatura é como um bombeiro a apagar um fogo? Aceitei porque sabia que não era nem primeira, nem terceira esco lha. Os adversários não vão aceitar debates, não estou a dizer que eles tenham medo mas já percebi que não vão querer debater coisa nenhuma. É uma pena porque deveria haver confronto de ideias, seria positivo para o concelho.

A sua escolha reacendeu esperança de vitória? Tenho sentido o PS muito unido. Já tive ao meu lado o Dr. Moniz e 0 Dr. Agostinho Fernandes, numa unidade tremenda. Temos homenageado antigos autarcas, tenho visto lágrimas a lamentar o que aconteceu em 2001. Há quem diga que a sua candidatura já estava a ser preparada há muito tempo… Não sei. Da minha parte, não. Não tenho ambição política e, por isso, não estava minimamente a pensar ser candidato e não fiz nada para o ser. Quem disser o contrário, mente. Já falou com António Peixoto? Irei estar com ele numa acção que temos agendada. Na parte inicial da candidatura dele estive profissionalmente ligado. Mas só no início e nunca cheguei a ter alguma função directiva, como um jornal escreveu. Já conhece melhor António Oliveira, candidato do PS em Joane? Ainda não, mas vou conhecer porque farei campanha em Joane ao lado dele. O seu irmão Xavier, candidato PSD/PP, daria um bom presidente de Junta de Joane? Gosto muito do Xavier. Não me vou pronunciar sobre isso porque o valor família é superior ao político. Qualquer opinião que der sobre isso vai melindrar o Xavier e eu não quero. Por respeito, nunca farei nenhuma avaliação sobre a candidatura do meu irmão.

JOANE • APRESENTAÇÃO PS

António Oliveira é apresentado esta Sexta-feira António Oliveira é apresentado esta sexta-feira à noite como candidato do PS à Junta de Freguesia de Joane. O candidato optou por uma sessão “singela”, na antiga escola primária de Giestais (um regresso à infância), contando com Custódio Oliveira, candidato à Câmara e Nuno Sá, líder da concelhia de Famalicão do partido. “Apesar de Joane possuir auditórios e outros espaços onde esta apresentação poderia ocorrer, optei pela escola pelo que aquele espaço representa para mim”.

O candidato vai apresentar “compromissos e ideias para Joane”, sobretudo na áreas social, juventude, ambiente, obras. A candidatura de António Oliveira era esperada, tanto mais que para muitos joanenses há meses que ele é “o presidente da Junta” de Joane, desde que Sá Machado foi deixando caminho livre para a projecção do seu número dois. Se a escolha s u s c i t o u r e s e r va s e n t r e a “família socialista” elas não se fizeram sentir publicamente de forma sonante: tirando o

episódio da candidatura de Xavier Oliveira pelo PSD-PP, alegadamente justificada com a alegada falta de debate no seio do PS sobre escolhas de candidatos - pouco mais se ouviu sobre esta “sucessão”. Oliveira promete uma campanha séria, baseada nas ideias, à frente de uma “candidatura que põe “Joane em primeiro, sem interesses pessoais, nem objectivos escondidos” e manifesta intenção de manter “um diálogo aberto, constante e permanente” com a Câmara Municipal de Famalicão, em

contraste, portanto, com a crispação que caracterizou, particularmente, o actual mandato de Sá Machado na relação com Armindo Costa. Quanto à equipa , António Oliveira não deverá apresentar muitas alterações em relação ao elenco que tem corporizado o desafio autárquico do PS em Joane. Em 2009, o PS ganhou com 50,98 por cento (2.356 votos e sete mandatos); a coligação PPD-PP ficou-se pelos 39, 69 por cento (1834 votos) obtendo seis mandatos.


18 JUNHO DE 2013 • REPÓRTER LOCAL

UNIÃO | ANTÓNIO CARVALHO CANDIDATO DO PS António Carvalho é o cabeça de lista do PS à União de Freguesias de Airão Santa Maria, Airão S. João e Vermil. Domingos Forte, autarca de Airão S. João, e Marlene Silva, de Vermil, integram a lista. António Carvalho cumpre actualmente o segundo mandato em Airão Santa Maria.

Que proposta vai apresentar aos eleitores? A 18 de Junho último, num inquérito realizado pelo JN, disse que, se fosse eleito, iria isentar totalmente de taxas municipais as obras promovidas por Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS). A taxa de IMI não será aumentada. Pode diminuir este ano em função da redução determinada pelo Município, de 0,4 para 0,375% (25% abaixo do máximo permitido). Não equacionamos alterar a taxa de IRS que cabe ao Município, a derrama de 1% aplicada às pequenas empresas já é inferior em 33% ao máximo legal, por isso, equacionamos uma redução para as empresas criadoras de emprego líquido. O candidato do PSD diz que Guimarães vive um fim de ciclo. É o discurso de quem não tem argumentos válidos. Os cidadãos valorizam o trabalho, a persistência, e por isso, o PS tem merecido a confiança generalizada. Que pontos dis tinguem a sua candidatura da do PSD-PP? Nós queremos continuar Guimarães; a Coligação da Direita pretende inverter um rumo que todos reconhecem ser bem-sucedido. A Coligação da Direita só aponta defeitos. Nós temos orgulho em Guimarães, a Coligação da Direita desvaloriza o que já alcançamos, desconfia dos resultados positivos que Guimarães conquistou e coloca permanentemente em causa a capacidade de ousar ser um concelho de referência nacional e europeu. Nós acreditamos em Guimarães; a Coligação da Direita apenas almeja um poder que lhe foge há duas décadas, convicta que, repetindo até à exaustão que tudo está mal, seja possível mudar o curso da história contemporânea Vimaranense. Ser o braço direito de António Magalhães é uma mais-valia ou, como diz o seu principal adversário, sinal de continuidade? Os vimaranenses o dirão. Nos últimos oito anos fui o principal responsável pelos exigentes sectores

“A Direita em Guimarães partilha da ideologia do Governo” Domingos Bragança, actual número dois do presidente António Magalhães, é o candidato do PS à Câmara Municipal de Guimarães Redação

das finanças municipais, obras públicas e fundos comunitários. O resultado do meu trabalho está no equilíbrio e estabilidade das nossas contas, no sucesso das candidaturas que permitiram edificar n o vo s e qu i p a m e n t o s . M a s continuar Guimarães pressupõe, e isso farei, aceitar os novos desafios e lutar para encontrar as melhores respostas aos problemas que um Governo cego e intransigente está a criar. A Direita em Guimarães partilha da mesma ideolo gia e cartilha do Governo. Alguém acreditará que tenha soluções milagrosas para o desemprego, quando é o seu Governo que destrói emprego todos os dias? Ou para a pobreza, quando é o seu Governo que destrói pensões, vencimentos e apoio social todos os dias? O candidato do PSD-PP, disse ao RL que Guimarães foi a melhor Capital Europeia da Cultura mas ao mesmo tempo mostrou-se céptico quanto à sustentabilidade dos equipamentos construídos... Bom, à míngua de argumentos para criticar a melhor CEC portuguesa de sempre, e para minimizar o nosso trabalho, utiliza o argumento da sustentabilidade, reduzindo ao mero cálculo financeiro aquilo que tem alcance

muito maior. No p assado, recordo-me de igual argumentário em relação ao Multiusos, às Piscinas, ao Centro Cultural Vila Flor, etc. Os equipamentos foram decisivos para dar uma nova escala a Guimarães, maior notoriedade a nível nacional e internacional. Reduzir a discussão a uma mera lógica financeira é uma falácia, porque, a ser assim, não se construíam escolas, pavilhões, lares, serviços públicos, todos eles deficitários em termos de gestão financeira. É isso que nos distingue da Direita em Guimarães. A agregação de freguesias pode gerar confusão nos eleitores de Airão, Santa Maria e Vermil? A a g re g a ç ã o f o i u m a p é s sima decisão do Governo. Numa lógica puramente economicista, tenta destruir-se a essência do poder local. No caso de Guimarães, se não fosse a Câmara a decidir o mapa, em vez de 48 Juntas de Freguesia, passaríamos a ter 42, e todas elas seriam privadas de uma majoração de 15% nas transferências do Estado. Faremos um es forço para explicar a todos que, embora não desejando e não concordando com a agregação de freguesias, tudo faremos para manter os actuais serviços e valências de cada Junta.

Como vai funcionar a União? Na prática, o candidato de cada freguesia será o pre sidente da freguesia. Dou um exemplo: a candidata a presidente de Vermil será a Marlene Fernandes; a Airão S. João será o Domingos Forte; e a Airão Santa Maria será o António Carvalho. As sedes de Junta manter-se-ão abertas e as pessoas serão atendidas na sua freguesia. Não receia desmobilização nas Eleições? Acredito que muitos ainda tenham dificuldades em perceber esta nova realidade. Lamento que o Governo responsável pela sua agregação nada faça para explicar o que está na sua base. No limite das nossas possibilidades, estare mos no terreno, com os nossos candidatos, a explicar o que está em jogo, a nossa vontade em manter a iden tidade de cada freguesia e a tudo fazer para que ning uém saia prejudicado deste processo. Quero crer que não haja desmobilização nas eleições; não participar no acto eleitoral significará dar um voto de aceitação a uma lei injusta e sem sentido. Se for eleito presidente da Câmara de Guimarães que certezas pode dar aos fregueses de Airão S. João, Airão Santa Maria, Vermil,

Oleiros e Ronfe? O que mudará nestas terras? Acompanharei todos os projectos, atenderei aos seus anseios e problemas. Tudo que seja apoio social, de mãos dadas com as nos sas Juntas e IPSS’s, serão encontradas as melhores soluções. Dou um exemplo concreto: o Centro Social de Ronfe terá todo o meu apoio para cumprir integralmente o seu serviço de prestação social, tendo em conta a dimensão das instalações construídas. O PSD acusa a Câmara de discriminar Ronfe, apontando como exemplos o impasse na construção da piscina e do Centro Escolar. No último dia 19 de Maio, por ocasião da comemoração do 14º aniversário da elevação de Ronfe à categoria de Vila, tive oportunidade de esclarecer as pessoas de Ronfe sobre esse assunto. Os Ronfenses ficaram a saber que o processo relacionado com o Centro Escolar e com as Piscinas resulta de uma suspensão por decisão do actual Governo, que decidiu prolongar o congelamento de novas operações no Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN), até concluir a reprogramação estratégica dos fundos co munitários.


www.reporterlocal.com


Rl junho2013