Issuu on Google+

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

A comunicação pede licença Marcio de Moraes,reitor da Universidade Metodista, fala dos 40 anos da Faculdade de Comunicação

ABC mapeia todo sistema de saúde

Dilma teve mais voz que Alckmin

Novidades em Decoração & Imóveis


Indice

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Jornalistas e editores responsáveis: Airton Resende - Mtb 16.372 airton@reporterdiario.com.br Maria do Socorro Diogo - Mtb 16.283 msdiogo@reporterdiario.com.br

RD Ideias promoveu Ciclo de Palestras sobre saúde na Faculdade de Medicina da Fundação do ABC

3

EDITORIAL Ano Novo vem com desafios e boas oportunidades para a região.

4

POLÍTICA Reflexo de Lula, Dilma fala mais alto na região, que ressente oposição a Geraldo Alckmin.

6

RADAR POLÍTICO Vereador Ailton Lima (PTB) diz que a oposição à bancada petista não será odiosa.

7

ARTIGO MÁRIO REALI Para Mário Reali, ex-presidente do Consórcio, a regionalidade entra na fase decisiva.

8

ANIVERSÁRIO MAUA Em dezembro, Mauá completou 58 anos com fome de desenvolvimento.

11

ANIVERSÁRIO DIADEMA Após 3o anos administrada pelo PT, Diadema comemora 53 anos com virada política.

14

MOBILIDADE URBANA Plano Diretor de Mobilidade do ABC identifica 210 demandas no sistema viário.

16

SAÚDE Mapeamento para o Coap traça radiografia do sistema regional de saúde e define metas.

19

ARTIGO ARTHUR CHIORO Coordenador do GT de Saúde do Consórcio diz que as perspectivas são animadoras.

20

SEGURANÇA Novos prefeitos traçam planos e orçamentos em Segurança

22

EDUCAÇÃO Márcio de Moraes, reitor da Metodista, fala dos 42 anos da universidade e de 40 da FAC.

24

SOCIAL Novembro e dezembro foram de inaugurações, premiações e muita festa.

26

CEIAS DE NATAL Apesar das tentações, a recomendação é preparar a mesa de Natal condizente com o verão.

28

MÚSICA Malu Marccocia entrevista Victor & Leo, que celebra 20 anos de carreira em shows na região.

30

HISTÓRIA Livro de Ademir Medici ajuda São Bernardo a reconstruir 200 anos de história.

31

CINEMA & LIVROS Filme Django Livre é a grande novidade em 2013. Veja também lançamentos em livros.

32

DECORAÇÃO & IMÓVEIS Seção traz novidades sobre portas, janelas, Feng Shui, pet home e escritórios femininos. 2

Reportagem: Camila Bezerra camila@reporterdiario.com.br Cíntia Alves cintia@reporterdiario.com.br Marcelo Melo marcelo@reporterdiario.com.br Nathália Blanco nathalia@reporterdiario.com.br Colaboração: Malu Marccocia Diagramação: Flória Napoli Projeto gráfico: Rubens Justo Fotos: Banco de Dados RD, Forlan Magalhães, Fundação do ABC, Houzz, J.Vilhora, Nathalia Blanco, prefeituras de Diadema, São Bernardo e São Caetano, SESI, Rodrigo Lima e Divulgação. Capa: Márcio de Moraes, reitor da Universidade Metodista de S.Paulo Departamento Comercial: Claudia Polimeni comercial@reporterdiario.com.br Tecnologia: André Resende resende@gmail.com Suporte: Pedro Diogo e Mirella Teixeira. adm@reporterdiario.com.br Endereço: Rua Álvares de Azevedo, 210 Conjuntos 41/42 - Centro Santo André - SP - CEP 09020-140 Tels.: 11 4436-3965 - 4427-7800 Internet: www.reporterdiario.com.br www.twitter .com/reporterdiario É proibida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização por escrito dos editores. A Revista RD Ideias não se responsabiliza pelos conceitos e informações emitidos nos artigos de terceiros. Tiragem auditada por:


Editorial

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Bons desafios em 2013 E

ste final de 2012 e começo de Ano Novo é especial para o ABC, quinto maior mercado consumidor do Brasil. O nosso eleitor foi às urnas e determinou mudanças aonde não tem gostado do jeito de administrarem e continuidade para gestões que, na sua visão, têm cumprido o ofício. Foi um exercício animador e quem venceu foi a população. É certo, porém, que o nosso eleitor ainda tem muito ainda a se exercitar enquanto cidadão de deveres e direitos, como acompanhar o passo a passo dos camaradas que ajudou a eleger, comparar as suas promessas feitas em campanha nas sessões das câmaras e nas ações das prefeituras e, principalmente, questionar aqueles que têm memória curta quanto às obrigações no mandato. As eleições municipais quebraram sim paradigmas e a região só tem a avançar, seja também na saúde, educação, mobilidade e outras importantes áreas. Diadema, que acaba de comemorar 53 anos, é um dos que enfrentará uma desafiante virada. Sob gestão petista durante 30 anos, o município terá de continuar a crescer. Agora em mãos verdes, a cidade

é também de boas oportunidades para despontar mais. Mauá não fica atrás. Ao completar 58 anos também dia 8 de dezembro, o município que continua administrada pelo PT, está cheia de problemas estruturais para resolver, a começar pela dívida de R$ 1,4 bilhão, mas as promessas de investimentos, provenientes principalmente de parcerias com o governo federal, remetem para uma Mauá interessante para morar e fazer negócios. Os outros cinco municípios também começam 2013 com belos desafios, lições e administrações pautadas em diferentes realidades, a começar pela política, todos em busca de soluções, de preferência, metropolitanas em razão da complexidade e da geografia. Isso porque o eleitor vai cobrar mais segurança, melhor atendimento nos postos de saúde, qualidade dentro das escolas, transporte público decente e muito outros direitos durante pagos em impostos. Com esta nova RD Ideias, o Repórter Diário abraça o desafio de oferecer notícias com mais frequência no formato revista, para aprofundar o debate e ampliar o espaço no noticiário regional. Boa leitura!

Airton Resende Diretor do Jornal Repórter Diário


Política

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

X No ABC, Dilma fala mais alto que Alckmin B

ceder em iniciativas direcionadas ao município. Derrota semelhante ocorreu em Santo André, onde o criticado prefeito Aidan Ravin (PTB) perdeu no segundo turno para o deputado estadual Carlos Grana (PT), político ligado ao sindicalismo, mas que nunca havia exercido cargo público na cidade. Neste caso, mesmo sem Ravin representar uma liderança tucana, Alckmin fez questão de vir ao município pedir votos para a sua reeleição, o que claramente demonstrou sua preocupação em ocupar espaço no ABC. “Sem dúvidas, o PTB foi o partido que mais perdeu espaço nas eleições deste ano, já que não estará mais à frente das administrações de duas cidades. Mas, de modo geral, saíram prefeitos que integravam partidos com maior proximidade junto ao governo do Estado, para darem lugar a outros alinhados com o governo federal, o que demonstra a força do PT”, analisa Nilton Tristão, cientista político e diretor do Instituto Opinião. Tristão também avalia o desempenho do PSDB de Alckmin nas urnas. Diz que o partido, que já não ocupava grande espaço na região, ficou ainda menor, ao levar apenas a Prefeitura de Rio Grande da Serra e não eleger muitos vereadores. “Não houve renovação nas lideranças do partido e a comparação com o trabalho feito pelo PT em âmbito federal pesou bastante”, completa.

erço dos movimentos sindicais no País, o ABC demonstrou nas últimas eleições que o PT e a figura do ex-presidente Lula continuam a ser exaltados nas sete cidades. Segundo especialistas, a nova composição do cenário político da região também reforça o sentimento de oposição ao governo de Geraldo Alckmin (PSDB) no Estado de São Paulo, já que dos sete municípios, cinco serão governados por partidos que possuem proximidade junto ao governo federal: três pelo PT e outros dois pelo PMDB. Em São Caetano, a histórica continuidade do PTB frente à administração municipal e a indicação do bem avaliado prefeito José Auricchio Júnior não foram suficientes para que Regina Maura fosse eleita. A ex-prefeiturável foi preterida pela candidatura do vereador Paulo Pinheiro (PMDB), que deixara a legenda petebista justamente por não ter sido indicado por Auricchio como seu respectivo sucessor. Mesmo sem atrelar sua imagem ao PT, que nunca obteve bons resultados na cidade e que não contou com chapa na disputa por denúncias de corrupção contra seu respectivo indicado, Edgar Nóbrega (PT ), Pinheiro rapidamente foi apontado como o nome que poderia fazer a interlocução com o governo federal, por integrar o mesmo partido que o vice-presidente Michel Temer, que, por diversas vezes, prometeu inter-

4


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Vácuo de Lula foi decisivo

Líder tucano admite erros e falta de renovação

Durante todo o período eleitoral, oficialmente realizado entre 6 de julho e 28 de outubro, um dos termos mais utilizados por especialistas em marketing político e pela imprensa na cobertura dos pleitos municipais foi o chamado “efeito Lula”, denominação responsável por classificar a interferência do expresidente nos resultados verificados periodicamente pelas pesquisas eleitorais. Na região, Lula esteve presente em comícios realizados em praticamente todas as cidades, em momentos cruciais para a definição dos candidatos petistas, nos dois turnos. As visitas do ex-presidente eram anunciadas como armas fatais para brecar as perspectivas de avanços dos concorrentes apontadas pelas pesquisas. Se em Diadema o otimismo virou sufoco em razão da derrota do prefeito Mário Reali (PT), e a consequente perda do comando da Prefeitura, governada há 30 anos pelo partido, é inegável que a maior liderança da história da legenda, teve sim influência na vitória alcançada em outros municípios, como Mauá, onde Donisete Braga (PT) foi eleito, e Santo André, com Carlos Grana (PT). “Depois de analisarmos os resultados, podemos dizer que os eleitores realmente apontaram que preferem o trabalho feito pelo governo federal. As pessoas que se sentiram bem com o Lula atrelam sua imagem aos novos petistas e isto impacta muito”, avalia o especialista em marketing político e professor da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp), Marcelo Alves Cruz.“Lula realmente tem uma imagem muito forte, e, por isso, conseguiu passar sem problemas por uma grande crise causada pelo escândalo do mensalão e pelo julgamento deste processo, realizado junto com as eleições”, define.

Não é apenas na fala de especialistas da política que o PSDB é apontado como legenda que não soube renovar as lideranças e que, por isso, pode enfrentar problemas nos próximos pleitos eleitorais, principalmente pela força demonstrada pelo maior rival, o PT, e por outros partidos, como o recém-criado PSD, que em sua primeira eleição conseguiu ótimo e inesperado resultado. Presidente estadual tucano, Pedro Tobias também considera que a legenda cometeu erros, os quais atrapalharam o desempenho nas urnas e que o resultado no ABC ficou aquém do esperado. Para o político, em 2012 ficou claro que houve falta de planejamento do partido. “O governador Geraldo Alckmin sempre ganha estourado em Santo André, por exemplo, portanto, há uma grande simpatia pelo partido na região. Falhamos como um todo e não nos saímos bem nesta eleição. Temos que preparar nossos próximos candidatos com maior antecedência”, avalia. Pedro Tobias também fez suas considerações sobre a tão comentada renovação dos políticos do partido na região, já que o PSDB elegeu apenas o prefeito Gabriel Maranhão, em Rio Grande da Serra, o menor dos sete municípios do ABC. “Esta transição está ficando difícil para nós. Criamos a coordenação regional e as prévias, mas não fomos bem. Creio que o partido está vivendo um pouco do passado, ainda da geração de Fernando Henrique Cardoso e Mário Covas, temos de mudar isto”, avalia.

‘PSDB precisa inovar’ Marcelo Alves Cruz também relaciona o êxito do PT, que além de mais prefeituras elegeu mais vereadores que os maiores rivais, como um alerta para o PSDB, já que os tucanos, historicamente, sempre polarizaram o cenário político nacional com o Partido dos Trabalhadores. “Se eu integrasse a cúpula tucana, estaria bem preocupado. A legenda tem grande necessidade em apresentar novos nomes, mas as brigas internas não permitem isto de maneira tão prática quanto ocorre no PT, que possui em Lula uma figura centralizadora, indica novos nomes quase imediatamente aceitos pelo eleitor”, pontua. Cruz refere ao próximo prefeito da cidade de São Paulo, Fernando Haddad (PT), que, antes de disputar as eleições deste ano, era um desconhecido do grande público. “A candidatura de José Serra (PSDB) na Capital demonstra que, mesmo com fortes indicativos de que não obteria sucesso, a escolha se pautou em sua respectiva força política dentro do partido”, ressalta. Ainda de acordo com o professor da Metodista, o futuro dos embates entre petistas e tucanos não deverá mudar de imediato, pois não enxerga mudanças reais no planejamento estratégico do partido, que governa o Estado há mais de 20 anos. “É muito difícil que isto ocorra já nas eleições de 2014 ou nas de 2016. Apenas uma tragédia no governo Dilma pode colaborar para uma virada do PSDB”, finaliza.

Encerramento O presidente estadual do PSDB cita as próprias perspectivas políticas como exemplo para os colegas. “Estou no meu quarto mandato como deputado e, após terminá-lo, não me candidatarei a mais nada, justamente para abrir espaço para os mais jovens”, promete. Ainda de acordo com Pedro Tobias, em determinados casos as brigas internas também acabaram prejudicando o lançamento de novos nomes com grande potencial eleitoral. “É o caso de Diadema, onde faltou humildade para que as lideranças da cidade abrissem caminho para os mais jovens, como o Lauro”, avalia. Tobias faz referência ao prefeito eleito da cidade, Lauro Michels (PV ), que saiu do partido após não ser escolhido como o candidato da legenda no município, sendo preterido por Maridite Oliveira, esposa de José Augusto, também integrante o PSDB e considerado o grande cacique tucano em Diadema. 5

Para Nilton Tristão, o PTB ficou menor na região e foi o partido que mais perdeu espaço nas eleições

Marcelo Alves Cruz diz que, desta vez, o eleitor preferiu votar no trabalho feito pelo governo federal

Pedro Tobias diz que a legenda cometeu erros ao deixar as brigas internas atrapalharem


Política

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Radar

Ailton Lima adianta que oposição não será odiosa em Santo André R

Ailton Lima diz que vai apenas se posicionar a favor da cidade

Tiago Nogueira afirma que o PT não vetou projeto de impacto

eeleito como vereador de Santo André nas últimas eleições e apontado como um dos principais líderes do partido que fará oposição ao prefeito eleito, Carlos Grana (PT), em 2013, Ailton Lima (PTB), promete bom senso no relacionamento com a bancada petista, a quem classifica como “odiosa”. “Vou cumprir o papel que devo que é o de me posicionar a favor da cidade, mas não como faz o PT, que adota uma oposição raivosa, que não contribui em nada. Não esperem isto de mim, pois não vou atrapalhar o desenvolvimento da cidade”, afirma. Segundo Lima, a atuação dos vereadores do PT na gestão do prefeito Aidan Ravin (PTB) foi responsável por inúmeros embates que prejudicaram a governabilidade nos quatro anos. “Claro que cometemos erros, mas houve exagero”, avalia O vereador diz que o atraso no pagamento dos servidores neste final de ano não foi responsabilidade do prefeito e sim na redução dos repasses do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação). “Tivemos de tirar dinheiro do Tesouro para pagar os profissionais de Educação. Em 12 anos o PT criou uma defasagem de 67% nos salários, em quatro, o PTB concedeu 36% de aumento”, conclui. Um dos vereadores mais combativos da gestão de Aidan Ravin e escalado por Carlos Grana para fazer as relações institucionais com a Câmara, o também reeleito Tiago Nogueira (PT) é outro que faz projeções para o próximo mandato. Para Nogueira é melhor ser situação, pois é possível por em prática parte dos projetos, o que muitas vezes não acontece quando se faz parte da oposição. “A expectativa é de otimismo e muito trabalho, sem colocar problemas para debaixo do tapete. Discordo do Ailton, pois não vetamos nenhum projeto de impacto, quem se comprometeu foi o próprio governo”, afirma.

Eleições OAB Os 7,7 mil advogados do ABC que compareceram às urnas na última eleição da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ficaram divididos. Três das seis seccionais - São Bernardo, Diadema e Mauá – escolheram novos dirigentes. Em Mauá, Luiz Carlos Spíndola venceu o pleito com 191 votos, apenas dois a mais que a segunda colocada. São Bernardo preferiu o atual vice-presidente Luiz Ricardo Vasques Davanzo, enquanto Diadema votou em Marilza Nagasawa, única mulher da Ordem em toda a região.

Reeleito com ampla vantagem, Fábio Picarelli reassume a OAB de Santo André. Já o presidente Adílson Paulo Dias, de São Caetano, diz que sua reeleição foi justa por conta das realizações do primeiro mandato, e que continuará brigando por sede própria. Indicado pelo atual presidente Patrik Pavan, José Valdemar Romaldini Júnior disputou sozinho a seccional de Ribeirão Pires, que atende também Rio Grande da Serra. Os seis presidentes tomam posse dia 1° de janeiro.

Escolha técnica Responsável por quebrar a hegemonia do PTB em São Caetano, o novo prefeito, Paulo Pinheiro (PMDB), não fugiu do discurso em toda a campanha, que garantia preferência a indicações técnicas para ocupar as secretarias de sua gestão, em janeiro. Para áreas consideradas primordiais, como Educação e Saúde, Pinheiro escalou Daniel Belluci e Sallum Kalil Neto, que não possuem forte histórico partidário, mas que participaram de trabalhos pertinentes às áreas. Enquanto Belluci foi diretor de Educação no primeiro mandato de Luiz Tortorello (1989-1992), Kalil presidiu o Fundo Municipal de Saúde (Fumusa). Outras escolhas também foram técnicas. A Segurança será chefiada pelo coronel da PM, José Quesada Filho, excomandante da corporação no ABC entre 2006 e 2007, e a Cultura por Jander Cavalcanti de Lira, jornalista e professor da Prefeitura, executivo da Secretaria de Planejamento e Economia Regional do Estado. O jornalista e assessor de imprensa de Paulo Pinheiro, Fernando Scarmelloti, comanda a pasta de Comunicação

Fim do sufoco Após longa batalha judicial, o prefeito eleito de Ribeirão Pires, Saulo Benevides (PMDB), não corre mais o risco de não ser diplomado para o cargo. É certo agora que o peemedebista será o novo chefe do Executivo do município em 2013. O vice-prefeito da cidade, Edinaldo de Menezes, o Dedé da Folha (PPS), decidiu retirar a ação que acusava Benevides de abuso de poder econômico no hipotético uso de um jornal da cidade em sua campanha, ao alegar que não desejava atrapalhar o futuro do município. Alvo de processo movido pelo peemedebista e que lhe causou a impugnação nas eleições, Dedé teria seguido orientação de seu partido para não levar a rixa adiante. 6 .


Artigo

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Regionalidade, a fase decisiva N Mário Reali é prefeito de Diadema e foi presidente do Consórcio Intermunicipal Grande ABC no biênio 2011/12.

que integram uma das maiores metrópoles globais de nosso tempo. Também de suma importância é a adesão efetiva e prática do governo estadual, por meio da secretaria de Desenvolvimento Metropolitano, que ainda atua como mediadora entre órgãos estaduais e as demandas municipais, muitas vezes sujeitas a situações políticas locais. Ou seja, o comprometimento com a implementação das políticas públicas e aplicação dos recursos em escala regional e metropolitana necessitam de entendimentos entre o governo estadual, a capital e os 38 municípios através de um planejamento de ações que vise um pacto entre os entes. Essa pactuação pode ser definida como a busca de consensos para a execução das políticas pública. Porém, para que isso ocorra será fundamental que cada uma das partes envolvidas abra mão de parcela de poder inerente as suas funções específicas. Outra ação necessária é a consolidação de um corpo técnico efetivo e permanente para a gestão metropolitana que sobreponha os mandatos eletivos e mantenha em curso o que foi acordado. As cidades que fazem parte dos grandes aglomerados urbanos não podem mais prescindir de ações integradas que vão muito além dos limites locais. As políticas públicas de alcance metropolitano não serão viáveis ou passíveis de serem implantadas, se não contarem uma ação que vislumbre o conjunto dos municípios que integram a Grande São Paulo com base na gestão pública integrada e no diálogo permanente com a sociedade civil. A participação social é um desafio que ainda não foi enfrentado, mesmo nas experiências mais inovadoras como a do Consórcio Intermunicipal Grande ABC, que ao longo de sua trajetória não consolidou de maneira permanente o papel da sociedade civil. Essa situação poderá levar à perda de credibilidade e de adesão da opinião pública aos programas implantados pelos órgãos de caráter público. Mais do que nunca, o cenário que nos levará às soluções metropolitanas para os próximos anos está colocado para a urgente formulação e execução de políticas públicas sustentáveis em nossas regiões mais populosas. Os esforços nesse sentido deverão ser cada vez maiores e mais desafiadores; é preciso enfrentá-los com espíritos desarmados e confiança nos benefícios que virão.

os últimos 20 anos e graças ao espírito visionário de Celso Daniel, o Consórcio Intermunicipal Grande ABC acumulou uma trajetória de vitórias e de referência como política regional. Neste último período, marcado pela transição para uma entidade de direito público, criou-se um novo patamar de desafios e uma nova perspectiva de enfrentamento dos problemas regionais e das questões metropolitanas. Os novos prefeitos eleitos para os anos 2013/2016 têm como missão consolidar essa estratégia, com boas possibilidades de êxito. Porém, será necessário enfrentar cenários construídos a partir de um passado pautado em diferentes realidades políticas. Entre 2009 e 2012 foram realizados esforços no sentido de buscar uma concertação entre os poderes públicos, nas esferas municipais, estadual e federal, retomando também os canais de diálogo com a sociedade civil. Essa estruturação trouxe importantes conquistas como a viabilização de recursos para as áreas de defesa civil e combate às enchentes, proteção às mulheres vítimas de violência, saúde regional, segurança pública,defesa do consumidor, mobilidade urbana através da extensão da Linha Bronze para o ABC por meio da implantação de um sistema de monotrilho. Ao mesmo tempo colocou o Consórcio Intermunicipal Grande ABC como interlocutor reconhecido também junto ao novo arranjo de governança metropolitana estabelecido no Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana de São Paulo, dialogando em nome das sete prefeituras que compõem a sub-região do ABCD. Porém, políticas públicas envolvendo temas estruturantes, como a mobilidade metropolitana, infraestrutura urbana e habitação, que demandam expressivo aporte de recursos e amplo entendimento entre os entes federados, não foram ainda plenamente concretizados pelo caráter inédito de institucionalidade dos consórcios públicos, ou pela falta de consenso e divergência de interesses entre as partes envolvidas. Os avanços da integração na Grande São Paulo demandam também a definição em torno do papel protagonista da capital paulista como centro catalisador das grandes questões metropolitanas, articulando-se de modo inovador e propositivo junto aos 38 municípios

7


Cidades

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Mauá

Donisete Braga avisa que o município tem áreas disponíveis

58 anos com fome de desenvolvimento C

om sua localização privilegiada, Mauá é uma das Feliz com o potencial econômico do município, o cidades mais promissoras do ABC, pois está enprefeito eleito Donisete Braga (PT ) dará continuidatre a Capital – o maior polo produtor do País - e o de à política de atração de novas empresas, já que, Porto de Santos – principal ponto de entrada e saída além da intenção de tornar Mauá “a melhor esquide mercadorias do Brasil. Por isso, o município que na do ABC”, garante que se trata do local celebrou dia 8 de dezembro 58 anos com maior número de áreas disponíveis. tem ainda mais motivos para comemo“Ainda estamos fazendo levantamento, mas rar. A previsão do orçamento para 2013 Estimativa do os bairros Sertãozinho e Capuava são dois está estimada em R$ 794 milhões, R$ industriais que podem ofertar alterorçamento para polos 100 milhões a mais que o orçado para nativas para as indústrias que quiserem se 2013 é de 2012 (R$ 686 milhões). Mauá foi uma instalar no município”, garante o futuro das cidades que mais obteve aumento R$ 794 milhões, prefeito. “Qualquer política que pudermos na previsão do orçamento e a instalação fazer para atrair novas empresas, nós fare15% superior mos. Vamos brigar para trazer novas emde novas empresas é a principal justificativa para o aumento da arrecadação. presas e fortalecer o comércio”, continua. ao previsto Graças ao Rodoanel, grande aliado para 2012 na logística de escoamento da produção Emprego industrial, Mauá ficou ainda mais atratiA torcida é grande para que o próximo va do ponto de vista empresarial. Para governo continue a incentivar, de maneia indústria, o novo complexo facilitou o fluxo de ra ordenada, a vinda de empresas para a cidade e, carga pesada com destino ao Porto de Santos. “A via assim, gere mais empregos para a população. Para facilitou ainda o acesso a regiões como Zona Leste e o comércio, a esperança é de maior incentivo para as demais alças do Rodoanel que se ligam às estradas a regularização de micros e pequenos empresários estaduais e federais do País, por exemplo: Raposo para que saiam da informalidade e passem a figurar Tavares, Airton Senna, Fernão Dias, entre outras”, no cenário normal, com pagamento de impostos e enumera Antonio Corrêa, presidente da Aciam (Assogeração de postos de trabalho. “Sabemos que estas ciação Comercial e Empresarial de Mauá). empresas menores são as que geram maior número 8


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

de empregos”, diz o presidente da Aciam. Alinhado com o panorama de desenvolvimento econômico, Donisete Braga projeta também ações para formar mão de obra qualificada e, assim, atender à demanda da indústria e mudar o perfil de Mauá: de cidade dormitório a geradora de empregos. Para isso, Donisete afirma que já conta com a Fatec (Faculdade de Tecnologia), ETEC (Escola Técnica Estadual) e Fama (Faculdade de Mauá), mas que, ainda, irá trabalhar para concretizar a instalação de um campus de universidade federal e, assim, concretizar o sonho de oferecer curso de engenharia ao munícipe.

Saúde e transportes são prioridades

Município ganhou investimentos no sistema viário, mas possui vários desafios, como ampliar e melhorar a saúde e lazer para a população

Mas apesar da boa perspectiva de desenvolvimento econômico de Mauá, o próximo gestor terá grandes desafios. Um deles será administrar os recursos da cidade junto com o pagamento da dívida, que hoje soma aproximadamente R$ 1,4 bilhão, além de melhorar o serviço médico prestado à população, que reclama constantemente da falta de profissionais e remédios nos postos. Donisete, que define como prioridades a saúde e transporte na gestão, almeja a construção de duas UBS (Unidade Básica de Saúde) e também do Poupatempo da Saúde. A criação de um centro de formação em medicina é outro projeto visto como solução para a falta médicos nos postos da rede pública da cidade. “Também vamos investir na informatização do atendimento, para otimizar recursos e fiscalizar a saída de medicamentos, além de buscar parcerias com o governo estadual para trazer recursos com o governo federal para melhorar o Hospital Nardini”, diz. Cerca de 10% dos pacientes atendidos no hospital são de outras cidades. No Transporte, Braga promete duas melhorias já para 2013: a instalação de internet wi-fi nos ônibus e a implantação do bilhete único, com integração entre ônibus municipais e CPTM. Ainda em 2013 devem ser iniciadas as obras do novo terminal rodoviário.

Desafios são inúmeros Chafic, Jardim Rosina e Jardim Oratório são três dos bairros localizados em áreas críticas de Mauá. Ao todo, a cidade possui 30 áreas de risco espalhadas pelo município e, do total, 65% são consideradas críticas pelo IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas). Diante do índice, medidas como a construção de moradias populares também demandam grande atenção da Prefeitura. No plano de governo, Donisete Braga anuncia a construção de 1.886 unidades habitacionais pelo programa federal Minha Casa, Minha Vida, o término da

9


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Fernanda Santos: tempo de espera por atendimento na saúde é inaceitável

William Bolonha: em horário de pico eles colocam microônibus na linha

Sistema Jacu Pêssego, quando pronto, permitirá a integração de Mauá com o Rodoanel Sul

Flávia Reis: o abastecimento de água é interrompido sem qualquer aviso

regularização fundiária de 8,6 mil lotes e outros projetos. Na questão de meio ambiente, destacam-se os projetos de ampliação da coleta e tratamento de esgoto. Donisete estuda elevar em 85% o índice de tratamento do esgoto, que atualmente é de apenas 4%. A coleta de esgoto hoje é de 85%. Outro desafio será a ampliação do alcance dos programas sociais. Na gestão, Donisete Braga quer fortalecer a política de tratamento para os moradores de rua.

anos. “Minha filha estuda em escola municipal e tem dia que eles combinam que não vai ter aula”, conta. O metalúrgico se incomoda ainda com a limpeza e manutenção das vias. “Com o novo prefeito, também espero melhorias nas ruas, que estão muito sujas e esburacadas”, diz. A Saúde foi um dos temas que mais pautou a campanha eleitoral. Todos os oito postulantes ao Paço reconheciam que a pasta era a mais problemática, em razão das constantes reclamações sobre falta de médicos e remédios nos postos, além da demora da fila de espera por atendimento especializado. A consultora de vendas Fernanda da Silva Santos alega ser inaceitável o tempo de espera por atendimento. “Mesmo com as UPAs (unidades de pronto atendimento) demorei mais de uma hora para ser avaliada e medicada por causa de uma febre”, reclama. Para o auxiliar de produção William de Souza Bolonha, o transporte é uma das áreas que mais precisa de atenção. “É pouco ônibus para muita gente. No horário de pico eles põem micro-ônibus e nos finais de semana colocam ônibus grandes na linha”, reclama o morador do jardim Zaíra 2. Bolonha conta que a espera passa de 30 minutos para conseguir embarcar num ônibus em horário de pico em Mauá. A falta de água é outra queixa. “O abastecimento é interrompido sem aviso, eles interrompem de manhã e o serviço só é reestabelecido à noite”, reclama a artesã Flávia Carneiro Reis.

População pede melhores serviços

Luiz França: na escola tem dia que eles combinam de não dar aula

Os mais de 417 mil munícipes de Mauá, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), têm muitas reivindicações no tocante à melhoria da qualidade de vida. Ao questionar os pedestres no Centro sobre o que precisa melhorar no município, a primeira resposta dos entrevistados é “tudo”. Mas ao identificarem os problemas que mais enfrentam no dia a dia, a baixa qualidade do atendimento na rede pública de saúde e a dificuldade com transporte público são os mais citados. A população reclama até mesmo da qualidade de ensino nas escolas municipais. “Gostaria de ver melhorias na Educação, como o término desse programa de avaliação continuada”, pede o metalúrgico Luiz França, de 47 10


Cidades

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Diadema

Lauro Michels (PV) prevê reformulações em diversas áreas

53 anos com virada histórica na política D

de R$ 70 milhões na unidade. A obra, entretanto, não resolveu o gargalo na saúde municipal. Zilda Carvalho, 52, moradora do bairro Canhema, diz que o sistema ainda apresenta lentidão no atendimento. “O tempo de espera é grande e muitas vezes faltam médicos e outros profissionais, além das UBS [Unidade Básica de Saúde] não funcionarem 24 horas”, relata. O salário baixo da categoria está entre os desafios que precisam ser enfrentados para melhorar a qualidade dos serviços, aponta o novo chefe do Executivo da cidade, Lauro Michels. “Na reforma administrativa, eu vou criar o plano de cargos e salários para os profissionais da área da saúde. Vamos fazer uma readequação financeira dos médicos, que são a principal mão de obra em falta hoje”, afirma. Michels ainda prevê reformulação do Quarteirão da Saúde. “A ideia é redefinir a saúde pública de Diadema, por meio de parcerias com o governo do Estado, fundações, Hospital das Clínicas e o Hospital São Paulo para trazer mais especialidades para o Quarteirão da Saúde”, explica. Considerado durante anos um dos municípios mais violentos do Estado, Diadema assistiu ao declínio vertiginoso dos índices de criminalidade a partir da implantação de políticas públicas como o Pronasci

iadema comemora o 53º aniversário num ano marcado por virada de página na história política local. A cidade, que celebrou sua emancipação dia 8 de dezembro, esteve sob o domínio do Partido dos Trabalhadores nas últimas três décadas. A partir de 2013, entretanto, o município que mais investe em saúde no ABC estará sob o comando do prefeito eleito Lauro Michels, do Partido Verde. Diadema também passará por mudanças na Câmara em 2013. O número de vereadores responsáveis por representar os 385 mil habitantes aumentará de 17 para 21. Os parlamentares aproveitaram os últimos dias da atual legislatura para aprovar o Orçamento 2013, que estima o montante de R$ 932 milhões, 12% inferior em relação à peça orçamentária de 2012. A Secretaria de Saúde deve receber o maior repasse: mais de R$ 280 milhões, equivalente a 30% do orçamento, o dobro da taxa mínima estipulada pela Constituição Federal. Um dos últimos grandes investimentos assistido pela população foi a criação do Quarteirão da Saúde, centro que conta com 28 especialidades médicas inaugurado em 2008, no final da gestão do ex-prefeito José de Filippi Jr. (PT). Os governos federal e municipal investiram cerca 11


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

(Programa Nacional de Segurança Pública Com Cidadania), em 2007. O projeto articula políticas de segurança com ações sociais, como a valorização os profissionais do setor. Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública, em 2011 a queda nas taxas de homicídio foi de 57%. A criação da Lei Seca, em 2002, que proibiu o funcionamento de bares após as 23h, também colaborou com a queda da violência. De acordo com Lauro Michels, a partir de 2013 o município vai estudar a criação de um centro de entretenimento na cidade. “Nós vamos manter a Lei seca, mas vamos tentar criar um centro de entretenimento noturno, com várias lanchonetes, espaço para as pessoas poderem ter a sua vida de lazer”, afirma o prefeito eleito.

Educação tem a segunda maior verba do município

Com a Lei Seca, desde 2002, Diadema atacou a violência e investiu em qualidade de vida e cultura

De acordo com o Orçamento 2013, a Educação terá o segundo maior repasse, com R$ 219 milhões, algo em torno de 26% da peça orçamentária. Com mais de 290 escolas nas redes pública e particular, e ensino a caminho da municipalização, Diadema espera pela ampliação de vagas em creches e a criação de um curso pré-vestibular voltado para jovens carentes. Atualmente, a cidade conta com três instituições de ensino superior: a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo (Fatec) e Faculdade Diadema (FAD). Uma das metas de Michels é a criação de mais cursinhos preparatórios para os vestibulares. Para Renato Moreni, fundador do GEB (Grupo Estudantil de Base), organização não-governamental que há 10 anos promove atividades culturais e cursos pré-vestibulares gratuitos para cerca de 350 alunos por ano, é preciso mais investimentos na Educação. “O primeiro passo é investir nas escolas de ensino fundamental, ensino básico e nas creches. Os cursinhos preparatórios existem justamente porque as escolas públicas não estão dando conta de preparar os alunos para ingressar na universidade”, disse. Comércio Embora integre a região tradicionalmente industrial do Estado de São Paulo, a principal fonte de renda de Diadema é o setor de prestação de serviços, tendo o comércio como importante atividade econômica. Um das importantes iniciativas, nos últimos anos, foi a retirada de comerciantes populares de vias públicas, com a criação do Shopping Popular de Diadema, no Centro, em 2002. Hoje, o espaço conta com 241 empreendedores. Pedro Valcelho de Souza, comerciante e membro da Associação dos Empreendedores Populares de Diadema, afirma que a categoria espera por novos incentivos e investimentos do poder público. “A gente espera muito do prefeito que vai atuar a partir de 2013 a preocupação com a classe, que necessita de mais investimentos no nosso espaço e divulgação”, aponta. 12


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Jaqueline Monteiro, jogadora, pleiteia atenção aos diversos esportes na cidade

Mostra das Oficinas Culturais reuniu, em novembro, mais de 1,5 mil alunos para apresentação de resultados

Cultura é referência regional

Pedro de Souza, comerciante, pede ajuda ao novo prefeito para o comércio popular

acontecem durante o ano nas oficinas culturais gratuitas nos centros culturais, casa da música, centro de memória, museu de arte popular, circo escola e bibliotecas da cidade. As oficinas abrangem públicos das mais diversas faixas etárias, a partir de seis anos até a terceira idade. O programa de formação da Secretaria de Cultura atende média de 3,2 mil alunos a cada mês na rede de equipamentos. Entre os cursos a população pode fazer artes visuais, música, incluindo hip hop e oficinas de instrumentos musicais, dança, circo Renato Moreni é fundador do Grupo discotecagem e teatro.

Com importante tradição cultural, que vai desde o turismo até o esporte, passando pela produção artística no âmbito audiovisual, teatral e musical, Diadema sem dúvida é capital da cultura na região. Sede de diversos espetáculos de grande expressão, realizados todo ano, a cidade possui alguns pontos turísticos que acompanham a vocação, como o Borboletário, o Jardim Botânico, o Museu de Arte Popular e o Observatório Astronômico. Diadema desponta entre os municípios do ABC com seis centros culturais (Serraria, Diadema, Nogueira, Heleny Guariba, Vladimir Herzog e Taboão), além de duas bibliotecas (Promissão e Paineiras), Casa da Musica, Videoteca Municipal, Casa do Hip Hop, Companhia de Danças, Banda Jazz Sinfônica e Centro de Memória. A movimentação cultural é forte e não para. Em abril de 2012, Diadema lançou o Plano Municipal de Cultura, documento que consolida o trabalho de produção cultural local e que atende às exigências do Sistema Nacional de Cultura. Os objetivos do plano serão implementados nos próximos 10 anos pela Secretaria Municipal de Cultura, com supervisão do Conselho Municipal de Cultural. Diadema também é referência em oficinas e cursos culturais. Em novembro, a segunda edição da Mostra das Oficinas Culturais reuniu mais de 1,5 mil alunos, numa grande apresentação de resultados. A mostra ao público trouxe a dimensão dos projetos e processos de experimentação e formação, que

Divulgação Mas a cidade que respira cultura popular precisa contar mais o que faz ao munícipe. O estudante Rafael Rodrigues, 25 anos, morador do bairro Eldorado, afirma que usufrui dos espaços culturais da cidade desde que tinha 10 anos de idade, mas os eventos precisam ser mais divulgados. “Poderiam expandir inclusive para as redes sociais, criando vínculos entre o público e os produtores culturais. Assim, se cria o hábito de acompanhar a agenda cultural da cidade, criando um público assíduo e participativo”, sugere. No esporte, os atletas de Diadema também pleiteam mais investimentos em todas as modalidades de esportes. “O futebol tem muita visibilidade, enquanto o vôlei, handebol, basquete, são esquecidos. Nós temos de correr atrás de patrocínio por conta própria”, diz Jaqueline Pinheiro Monteiro, 16 anos, que integra o time de vôlei de Diadema desde o começo de 2012. 13

Estudantil de Base, que oferece atividades culturais e curso

Rafael Rodrigues sugere Diadema divulgar mais a produção cultural da população


TRÃNSITO

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Mobilidade

Plano identifica demandas regionais Para ter acesso às bicicletas em São Caetano é preciso se cadastrar no site www. brasilemovimento.com.br

A

ou integrados entre os municípios do ABC. primeira fase do Plano Diretor de Mobilidade da A próxima fase do projeto classificará as demandas em Região do Grande ABC, realizado pelo Consórcio obras de interesse local, municipal e regional. “A implanIntermunicipal Grande ABC em conjunto com a Oficitação dessas diretrizes exige uma etapa na Consultores Associados, identificou 210 mais detalhada, que inclui a participação demandas de obras na região. Do total, 43 foram executadas e 4 descartadas (todas em Conclusão do estudo, das prefeituras na elaboração dos projeRibeirão Pires), e 163 ainda estão em andaapresentado pelo tos”, adianta Marcos Bicalho, arquiteto da Oficina Consultores Associados. mento, a maioria em São Bernardo (37) e O arquiteto ressalta que as demandas Santo André (36). O diagnóstico apresenta- Consórcio Intermudo pelo Consórcio traz dados e análises pre- nicipal Grande ABC, identificadas vão contribuir para resolver gargalos na região hoje e no futuro. liminares das condições de mobilidade nos sairá no começo de alguns Exemplo é a ligação de Santo André com sete municípios Entre as demandas, 20 são de obras para 2013 já com as even- Sertãozinho, não tão evidente hoje, mas o Rodoanel atrairá empreendimentos melhorias, 39 de ampliação da capacidade tuais propostas dos com de logística e de transporte de carga. “Nos do sistema, 93 de viário novo e 11 relativas novos prefeitos próximos anos, o crescimento da demanda a intervenções modestas que priorizam o por transporte no local será muito grande transporte coletivo. As obras do eixo Anchielá”, explica. ta, como a construção de uma ponte estaiada Para Andrea Brisida, coordenadora do GT de Mobilino km 14 (extensão da av. Lauro Gomes até av. Taboão) dade do Consórcio, o principal ganho com o estudo é e de um trevo de acesso da via Anchieta para a av. Guido a classificação e priorização das demandas de obras. “A Aliberti, em São Caetano, são algumas das demandas. identificação de obras como de interesse regional nos dá Orçado em R$ 1 milhão, sendo R$ 800 mil provenientes do governo do Estado e R$ 200 mil do Consórcio Inrespaldo para pleitearmos recursos”, diz. A conclusão do termunicipal, o plano propõe ações regionais de mobiliplano foi prorrogada para o início de 2013 para que os dade urbana que subsidiem políticas e projetos comuns novos prefeitos possam se inteirar e adicionar propostas. 14


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Integração tarifária é desafio A integração entre as redes de transporte com diminuição da tarifa é uma das metas a serem perseguidas na região, na opinião de Marcos Bicalho. “Há um entendimento de que o sistema viário extrapola o interesse local. A ideia é que as redes de transporte sejam integradas, inclusive no quesito tarifário, e não sobrepostas e competitivas entre si, como vemos hoje”, diz. O especialista explica que a integração tarifária é complicada na prática porque provoca redução do dinheiro do caixa do sistema, o que seria resolvida com planejamento. “Quando você faz a integração, você planeja melhor a rede e ganha redução no custo operacional. Na teoria, os ganhos eficientes seriam repassados aos usuários, que pagariam tarifa mais barata”, acrescenta.

Uso do automóvel no ABC é maior que em São Paulo De acordo com o diagnóstico, pouco mais de 6 milhões, das 38 milhões de viagens realizadas na região metropolitana de São Paulo, têm origem ou destino na região. Cerca de 4,8 milhões são internas, 1,1 milhão têm origem ou destino na Capital e 80 mil nos demais municípios. São Bernardo e Santo André puxam a participação, com 29% e 27%, respectivamente. Das viagens, 43% são a trabalho, 34% para educação e 11% assuntos pessoais. Em relação à região metropolitana, o ABC sai na frente em utilização do transporte individual (34,3% ante 29,5%) e atrás na utilização do transporte coletivo (31,3% ante 36,5%) e se aproxima no uso dos meios de transporte não motorizados (34,5% ante 33,9%). São Caetano tem a maior utilização relativa do transporte individual (50,6%) e a menor utilização do transporte coletivo (17,2%). Mauá apresenta maior utilização dos transportes não motorizados (47,0%), seguida por Rio Grande da Serra (41,9%) e Diadema (41,8%). De acordo com Marcos Bicalho, a presença da indústria automobilística no ABC causa impacto significativo no aumento na frota de veículos, com média regional 15% superior em relação à região metropolitana. Em números relativos, São Caetano possui a maior taxa de distribuição de frota, com 0,3, seguido de Santo André (0,24), Ribeirão Pires (0,23) e São Bernardo (0,22).

São Caetano larga com bikes A cidade, que já disponibiliza 60 bicicletas, distribuídas em nove estações, é pioneira mundial no empréstimo de bicicletas públicas adaptadas às pessoas idosas e com deficiência. Ao todo são 30 triciclos (bicicletas com três rodas) e handbikes, pedaladas com as mãos, em posição sentada (passeio) ou deitada (esportiva). A iniciativa faz parte do projeto experimental SancaBike, em parceria com a Brasil e Movimento, que disponibiliza bicicletas grátis para uso da população por um período de 45 minutos. A previsão é de 30 estações até março de 2013. 15


GESTÃO

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Saúde Mapa traça radiografia do sistema regional Case em gestão, a Fundação do ABC mantém de 12 hospitais, três AMES (Ambulatório Médico de Especialidades), três prontosocorros, da Faculdade de Medicina do ABC e de uma Central de Convênios

E

1,5 mil internações e 1,5 mil cirurgias por mês, o equim breve o ABC terá uma radiografia completa sobre pamento só estará em pleno funcionamento no final do a situação da rede de saúde pública. O mapeamento ano. “Mas com certeza a abertura do HC vai permitiré feito pelo governo federal, como parte da primeira conseguir reorganizar a atenção hospitalar da região. O etapa do Coap (Contrato Organizativo de Ação Públihospital está voltado para os munícipes de ca), que surgiu com o decreto 7.508/11 São Bernardo, mas o acesso é de nível regioe regulamenta a Lei Orgânica da Saúde Mapeamento faz nal”, garante Harada. (nº 8.080/1990). A proposta inicial foi Segundo o diretor de apoio e gestão do apresentada em maio de 2012, durante o parte do Coap, SUS, o ABC ganhará, com o Hospital das ClíCiclo de Palestras RD Ideias – Saúde no contrato que define nicas, maior capacidade para atender casos ABC, promovido pelo Repórter Diário. O mapa está em fase final de conso- conjunto de metas e de média complexidade. Porém, a região ainlidação. “O documento é rico e comple- compromissos entre da não terá a tão sonhada autossuficiência, porque muitos tratamentos ainda dependem xo, ao trazer os indicadores de saúde da as três esferas de da articulação com a Capital para o tratamenregião, indicadores de produção e como está a distribuição dos equipamentos de governo para boa to de casos de alta complexidade, como cirurgias cardíacas infantis. A região também não saúde no município, a qualidade dos sergestão na saúde conseguirá atender a toda a demanda, pois viços de especialidades, como está a rede ainda será necessário construir um hospital de saúde pública, a vigilância sanitária, regional próximo a Ribeirão Pires e Mauá. entre outros”, afirma Jorge Harada, direArthur Chioro, secretário de Saúde de São Bernardo tor de apoio e gestão do SUS (Sistema Único de Saúde) e coordenador do Grupo de Trabalho Saúde do Conda Secretaria de Saúde de São Bernardo. sórcio Intermunicipal Grande ABC, afirma que existe Para Harada, uma das grandes evoluções na área é importante demanda para que o governo do Estado ima abertura do Hospital das Clínicas, em São Bernardo, plante um hospital de longa permanência, destinado a previsto para funcionar no primeiro semestre de 2013. idosos sem cuidadores e pacientes sem a possibilidade Projetado para tratar casos de alta complexidade, com de fazer terapia em casa. “Também precisamos alterar o 293 leitos e capacidade para realizar 10 mil consultas, 16


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

perfil dos hospitais estaduais Mário Covas e Serraria para modificar o perfil assistencial das instituições para que haja mais integração e participação com os municípios”, diz. Chioro conta que se encontra em articulação a instalação no ABC de unidade da Rede de Reabilitação Lucy Montoro, referência nacional em tratamentos fisioterápicos de alta complexidade.

Ciclo do RD apresentou Coap O Coap foi apresentado no ABC, em maio, pelo secretário de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde, Luiz Odorico Monteiro de Andrade. O objetivo é definir metas e compromissos com o objetivo de estabelecer uma governança tripartite entre as três esferas – municipal, estadual e nacional – de acordo com regiões geográficas. O ABC foi pioneiro no contrato de saúde regional, pois apresenta a estrutura formalizada do Consórcio Intermunicipal. Ao todo, o governo federal estima que sejam firmados 415 contratos em todo o País, similares ao do ABC. Além de mapear demandas e metas integradas, o objetivo, segundo a União, é melhorar o acesso aos serviços oferecidos nas redes de cada cidade. O contrato foi apresentado durante o 3º Ciclo de Pa-

lestras RD Ideias – Saúde no ABC – Desafios e Oportunidades. Aberto com uma reunião de todos os prefeitos da região, o encontro realizado pelo Repórter Diário debateu, na Faculdade de Medicina do ABC, em Santo André, temas como o SUS e a Saúde Pública, o Papel da Fundação do ABC no Sistema de Saúde e o Cenário e Desafios da Saúde Suplementar. Além de Luiz Odorico Monteiro de Andrade, o ciclo contou com a participação de Arthur Chioro; Paulo Eugenio, secretário de Saúde e vice-prefeito de Mauá; Mau-

17

Com entrega parcial no primeiro semestre de 2013, o HC vai reorganizar a rede hospitalar da região


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Ministério da Saúde apresentou Coap para os prefeitos da região

blica. “É uma grande parceira na gestão da saúde na região, um case na área, pois traz benefícios à população na questão da agilidade na administração, seja na gestão de pessoas e na compra de equipamentos”, define. A FUABC é mantenedora de 12 hospitais, três AMES (Ambulatório Médico de Especialidades), três prontosocorros, da Faculdade de Medicina do ABC e de uma Central de Convênios. O orçamento previsto para 2013 é de R$ 1,1 bilhão, o mesmo de 2012. Só na região a FUABC é responsável pela gestão administrativa e clínica dos hospitais Estadual Mário Covas de Santo André, Hospital da Mulher de Santo André, Hospital Nardini de Mauá, Complexo Hospitalar de São Bernardo (Hospital de Ensino Anchieta, Hospital Municipal Universitário e Pronto-Socorro Central), Complexo Hospitalar de São Caetano (Hospital Márcia Braido, Hospital Maria Braido e Hospital de Emergências Albert Sabin), Hospital de Olhos de São Caetano e Hospital São Caetano. A Fundação também marca presença na Praia Grande e Bertioga, ambas cidades do litoral paulista.

rício Mindrisz, presidente da Fundação do ABC; Marco Akerman, vice-diretor da Faculdade de Medicina do ABC; Antonio De Giovanni Neto, secretário de Saúde de Santo André; Luiz Antonio Della Negra, diretor técnico da Rede D´Or São Luiz, Hospital Brasil e Hospital Assunção; Alice Lang Simões Santos, presidente da Associação Paulista de Medicina Regional Santo André, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra; Luciano Lourenço da Costa, presidente do Conselho Municipal de Saúde de São Bernardo, e Geraldo Reple Sobrinho, ex-superintendente do Hospital Estadual Mário Covas.

Intercâmbio busca modelos Entre os dias 3 e 5 de dezembro, Arthur Chioro, secretário de Saúde de São Bernardo e coordenador do Grupo de Trabalho Saúde do Consórcio Intermunicipal Grande ABC, integrou a delegação brasileira que participou do Congresso Internacional de Saúde Pública – Cuba Salud 2012, junto com o ministro de Saúde, Alexandre Padilha, e outros 29 ministros de Saúde de diversos países. A experiência deve resultar em novos projetos para a saúde pública de São Bernardo e também da região. “Conheci não só a área da família, mas o Instituto Nacional do Câncer, já pensando em mudanças para o Hospital Anchieta, que será transformado em centro oncológico. Além disso, tivemos muitas discussões sobre o trabalho médico e também sobre a área médica”, conta Chioro.

Parceria é case nacional Arthur Chioro, secretário de Saúde de São Bernardo e coordenador do Grupo de Trabalho Saúde do ConsórRDIdeias – cio Intermunicipal Grande ABC, ressalta a importância Saúde no ABC, da parceria técnico-administrativa da FUABC (Fundação em maio ABC) na qualidade dos serviços prestados pela rede pú-

Coap abriu o Ciclo de

18


Artigo

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Perspectivas animadoras na Saúde A

tem sido colocada a serviço dos municípios, especialsaúde nos sete municípios do ABCD ainda enmente por intermédio da Faculdade de Medicina. O frenta muitas dificuldades, notadamente no acesatual presidente da Fundação, Maurício Mindrisz, tem so às vagas hospitalares e aos serviços especializados se mostrado empenhado em estreitar as relações com de média e alta complexidade. Esse panorama, poo Grupo de Trabalho de Saúde do Consórcio de Munirém, vem mudando gradativamente, graças à capacicípios e é fundamental que a instituição seja fortalecidade de organização e à relação harmônica entre as da no apoio ao processo de regionalização da saúde e cidades da região. A expectativa é que, nos próximos na gestão dos serviços públicos no ABC. quatro anos, essa sintonia se consolide ainda mais, Nos próximos quatro anos, a saúde na região deverá de maneira a garantir a melhoria da qualidade dos ter um incremento notável na ampliação dos serviços, serviços prestados à população. com destaque para as redes de atenção básica e de urO Sistema Único de Saúde (SUS) teve uma expangência e emergência e na retaguarda hospitalar. Além são significativa nos últimos anos. Com o apoio do da criação de UPAs, do aprimoramento do SAMU, governo federal, os municípios têm melhorado e amda ampliação do Programa de Internação Domiciliar pliado a rede de Atenção Básica, não só em instala(PID) e da expansão da rede básica e dos programas ções, mas no reforço e capacitação dos profissionais de saúde mental, a região ganhará uma nova conforde saúde, especialmente os agentes comunitários, mação hospitalar já a partir de 2013, apoiadores e equipes da Estratégia de com o término da construção do HospiSaúde da Família, possibilitando o es“Será possível tal de Clínicas, em São Bernardo, e do treitamento dos serviços com as comunidades dos territórios. racionalizar a oferta de Hospital Municipal de Ribeirão Pires, bem como da entrada em funcionamenTambém houve investimentos expressivos na rede de urgência e emergên- serviços e a ampliação to do Hospital da Mulher, de São Caetacia, na política de saúde mental e na dos equipamentos, com no, que no momento está fechado, mas reaberto muito em breve. assistência farmacêutica, entre outras benefícios à população, seráEspera-se, também, que os hospitais áreas, o que vem permitindo minimizar que saberá a quem Mário Covas, de Santo André, e o Serraria, gargalos assistenciais nessas áreas. O de Diadema, que já são estabelecimentos ministro da Saúde, Alexandre Padilha, cobrar” de reconhecida qualidade, ampliem o entende que a integralidade e a equidaacesso à população do Grande ABC por de no atendimento da população pelo meio das tratativas com o Grupo de TraSUS só será possível por meio de forte parceria com balho de Saúde para melhorar a oferta de vagas nesses os gestores municipais para que sejam aplicados inestabelecimentos. Ainda no âmbito estadual, estão adianvestimentos de monta na melhoria e ampliação das tados os esforços para que o governo estadual implanunidades e na qualificação dos trabalhadores. te uma unidade regional da Rede Lucy Montoro para a O ABCD, a exemplo de outras regiões metropolitareabilitação física e fornecimento de órteses e próteses. nas, ainda necessita aperfeiçoar seu processo de re Por fim, vejo com muito otimismo a implangulação com a finalidade de consolidar a integração tação, já em 2013, do Contrato Organizativo de Ação entre os serviços municipais e as referências regioPública, o COAP, que vai dar um salto na organizanais, assegurando um planejamento adequado para a ção da pactuação regional em saúde, possibilitando otimização dos recursos disponíveis. A demanda rea definição das responsabilidades de cada uma das primida para o acesso às internações hospitalares e às esferas de governo. Com isso, será possível racionaespecialidades médicas de maior complexidade ainda lizar a oferta de serviços e a ampliação dos equipaé um problema muito grave, mas as perspectivas de mentos de saúde, por exemplo, beneficiando toda a solução são auspiciosas, graças à abertura de diálopopulação da região, que saberá a quem cobrar pela go com os municípios promovida pelo secretário de prestação dos serviços do SUS. Saúde do Estado, Giovani Guido Cerri. Essa postura tem resultado em avanços na pactuação entre os gestores e esperamos que as negociações entre as cidades da região e o governo estadual prosperem ainda mais no próximo quadriênio para que tenhamos um sistema realmente participativo, calcado em critérios bem definidos, evitando que o acesso aos serviços do SUS Arthur Chioro é coordenador do Grupo aconteça à margem da regulação pactuada. de Trabalho de Saúde do Consórcio Intermunicipal Grande ABC e Na organização regional da saúde, é importante secretário de Saúde de São Bernardo destacar o papel da Fundação do ABC, cuja estrutura 19


Segurança

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Segurança

Novos prefeitos traçam planos N

os últimos meses, a explosão de casos de violência e de assassinatos no Estado amedrontaram a população, principalmente pelo forte envolvimento de policiais militares. O cenário remeteu à onda de ataques realizada pela facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) em 2006, com ameaças de toque de recolher na periferia. A “guerra silenciosa” entre polícia e bandidos resultou, apenas no feriado de Finados, em 16 vítimas, oito delas fatais, em São Bernardo, Santo André e Mauá. Como o quadro não permite que a Segurança Pública seja tratada como dever somente do Estado, os novos prefeitos se preparam para entrar na empreitada. Considerado por muito tempo como um dos municípios mais violentos do Estado, Diadema abriu guerra à criminalidade ao proibir, em 2002, o funcionamento de bares após as 23h. Entretanto, a onda de violência reacendeu a insegurança na população. Como resposta, o prefeito eleito Lauro Michels (PV ) anunciou a busca de interlocução entre as diferentes forças policiais para combater possíveis ataques. “Quero integrar o trabalho da PM com o da Polícia Civil e a Guarda Civil Municipal (GCM), e trabalhar com a inteligência na prevenção, ampliar o efetivo e as operações de rua, e trazer o programa Atividade Delegada”, diz ao acrescentar que reforçará as rondas e as bases policiais. Melhorar as condições de trabalho da GCM e investir em equipamentos estão na lista de Saulo Benevides (PMDB), ao

20

assumir o Paço de Ribeirão Pires em 2013. Benevides diz que vai enxugar os gastos para investir na Pasta, além de buscar, junto ao governo federal, recursos para novos projetos, como videomonitoramento 24h, orçado em R$ 1 milhão. “Pretendemos equiparar o salário dos GCMs (atualmente entre R$ 904,96 e R$ 1.499,54) aos valores pagos na região e investir em equipamentos com a redução dos gastos, que espero diminuir até 20%”, aponta. Para 2013, o Orçamento de Ribeirão Pires, é de R$ 241,1 milhões, sendo R$ 4,7 milhões em Segurança. Com inúmeros gargalos estruturais, Mauá nunca deixou de conviver com problemas relacionados à violência. Exemplo é que em março de 2011 entrou em vigor a lei 3.508, que obriga bares a fecharem a partir das 23h, e que também atingiu relativo sucesso. Com a onda de crimes, o prefeito eleito, Donisete Braga (PT), pretende aliar tecnologia e efetivo policial “Temos uma defasagem de 110 guardas e iremos contemplar esta demanda assim que possível, assim como investir mais no videomonitoramento”, projeta. Donisete Braga diz já ter conversado com lideranças das polícias Militar e Civil e da própria GCM para identificar ações de segurança. O petista também defende a interlocução com o governo estadual e federal como estratégia para manter sob controle a segurança na cidade.


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Rio Grande busca ajuda e Santo André cria pasta

São Bernardo reforça estrutura e São Caetano amplia efetivo

Menor município do ABC, com 37 km² e apenas 40 mil habitantes, Rio Grande da Serra não possui Pasta de Segurança e, consequentemente, não tem orçamento voltado à área. Baseada em lei orgânica municipal, a cidade conta apenas com destacamento da PM subordinado a Ribeirão Pires e, também, não há atuação da GCM. De acordo com o prefeito eleito, Gabriel Maranhão (PSDB), os projetos para a segurança estão baseados na criação de políticas de prevenção. O tucano diz que a maior parte dos problemas advém do tráfico. “Por isso, queremos atuar com ações preventivas e educacionais, que são mais baratas”, aponta. Maranhão pretende criar uma Escola Técnica Estadual (ETEC) na cidade, para preparar os jovens para o mercado de trabalho e diminuir o envolvimento deles com a criminalidade. “O crime é um lugar rentável, quando o jovem não tem opção, ele parte por essa via”, acredita. Em 2013, o tucano quer transformar o destacamento da PM local num batalhão e avisa que vai buscar ajuda do governo estadual para fazer a mudança. Para Maranhão, a criação da GCM é uma demanda do município, mas não está nas prioridades do mandato. “Temos o desejo de criar a GCM, mas isso pede uma verba para investimentos que ainda não temos”, explica. Em Santo André, Carlos Grana (PT) cogita a possibilidade de apresentar ao novo Legislativo um projeto de reforma administrativa, que criaria uma pasta específica para segurança, que desde 2008 é de responsabilidade da Secretaria Municipal de Segurança e Trânsito. De acordo com o novo chefe do Executivo, o orçamento para segurança em 2013 está estimado em R$ 83 milhões, sendo 80% direcionado ao trânsito. “A segurança não é responsabilidade apenas do Estado”, sentencia Grana. Entre outras propostas do petista estão o fortalecimento da GCM e a implantação do programa Banho de Luz, que revitalizaria a criticada falta de iluminação da cidade com a instalação de 30 mil lâmpadas. Grana quer, ainda, debater junto ao Consórcio Intermunicipal a adesão do município à Atividade Delegada, o chamado “bico oficial” da PM. O vereador Paulinho Serra (PSD) conta que há linha de crédito disponibilizada pelo governo federal exclusiva para políticas integradas, voltadas para trânsito e segurança pública, caso do sistema de monitoramento.

São Bernardo se tornou nos últimos quatro anos também o grande captador de recursos federais da região, fato que propiciou realizar inúmeras obras estruturais e de habitação. O grande aporte, conquistado pelo prefeito Luiz Marinho (PT), também refletiu na Pasta da Segurança, criada em 2009. “Tivemos do governo federal um direcionamento de R$ 8 milhões, que contribuiu para a compra de viaturas, bicicletas, coletes para a GCM, que hoje possibilitam 100% dos guardas trabalharem com colete à prova de bala”, diz o secretário de Segurança da cidade, Benedito Mariano, ao revelar a intenção de recorrer ao videomonitoramento para fortalecer a atuação policial. “Recebemos R$ 1 milhão do governo federal para iniciar o projeto de videomonitoramento e já monitoramos 10 escolas do bairro Alvarenga. O nosso projeto mais estratégico é o programa Cidade Segura que prevê a instalação de 400 câmeras na cidade e a integração por meio de software, junto ao Samu, Defesa Civil e Departamento de Trânsito”, completa. O secretário também revela que São Bernardo doará para o Consórcio Intermunicipal Grande ABC, seu atual prédio do Centro Regional de Formação de Guardas Civis. “Temos contribuição do governo federal para compras de equipamentos novos e dois micro-ônibus. Doaremos o prédio e as sete cidades vão ter uma contribuição para o custeio. A ideia é que o Grupo de Trabalho de Segurança formate um plano gestor deste centro que possa beneficiar a região”, diz Mariano, coordenador do GT. Em São Caetano, Paulo Pinheiro (PMDB) afirma que começará seu mandato com a pasta de Segurança planejada, sob comando do coronel José Quesada Farina (PMDB), e o aumento do contingente da PM estará entre as prioridades no mandato. “Vamos fazer circular mais viaturas, para reforçar o policiamento ostensivo”, diz. O próximo passo será aumentar o salário dos policiais militares, que recebem cerca de R$ 200 menos do que os oficiais de outras cidades do ABC. Segundo Pinheiro, a Prefeitura subsidiará a diferença. Embora leve mais tempo para execução, por conta de investimentos e processos de licitação, a instalação de um sistema integrado de monitoramento, triplicando o número de câmeras existente na cidade (cerca de 60, atualmente) também está entre os planos de Pinheiro. O orçamento na Segurança é de R$ 15 milhões, que representa cerca de 1% do total. Em 2012, policiais marcaram forte presença nas ruas por causa da onda de violência

21


Educação

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Metodista

Com a palavra, o reitor

Marcio de Moraes afirma que a Umesp, com 42 anos de história, intensifica a atuação regional e investe em EAD e na internacionalização dos cursos

A

história da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp) vem sendo traçada há mais de 70 anos, desde a implantação da Faculdade de Teologia em São Bernardo, no final da década de 1930. Mas foi na década de 1970, entretanto, que o Instituto Metodista de Ensino Superior (IMS) surgiu, inicialmente com três faculdades dissociadas, para atender demandas de Comunicação, principalmente. Em 1997, a entidade conquistou o status de universidade, ao ampliar o número de cursos. Com três campi em São Bernardo (Rudge Ramos, Vergueiro, Planalto), espalhados em 117 mil m² de área total, a Metodista oferece hoje 38 cursos presenciais de graduação, 25 especializações e cinco programas de mestrado e doutorado. Na modalidade à distância, 17 são graduações e quatro de pós-graduações. À disposição da enorme grade, 26 mil alunos estão matriculados. Com participação ativa na produção de pesquisas e discussões sobre os rumos da educação e da formação acadêmica no ABC, a Metodista tem se destacado a nível nacional com o recebimento de diversos prêmios. Este ano, a universidade venceu, pela quarta vez consecutiva, o Prêmio Guia do Estudante, como Melhor Faculdade de Comunicação e Informação Privada do País. Para o reitor Marcio de Moraes, esse reconhecimento

se deve à qualidade do corpo docente, ao desempenho dos alunos e aos investimentos em infraestrutura. “A área da Comunicação tem importância desde a origem da instituição. A Metodista completa 42 anos, e a Faculdade de Comunicação, 40. Elas nasceram juntas e, hoje, a Comunicação se destaca. A dedicação de alunos, professores e funcionários são um diferencial. Em termos de infraestrutura, procuramos nos manter atualizados”, explica. Marcio de Moraes lembrou que, nos idos de 1980, o campus central da universidade, em Rudge Ramos, foi palco de diversas manifestações político-ideológicas. A história do movimento sindical no ABC e o próprio nascimento do Partido dos Trabalhadores passam pelas salas de aula da instituição, aponta o reitor, que ressalta o nascimento do Rudge Ramos Jornal, informativo que completou 30 anos de existência em 2012, como um dos veículos que garantiram a liberdade de expressão. Hoje, a Metodista atua nas questões regionais participando, junto a outras instituições de ensino, de fóruns organizados pelo Consórcio Intermunicipal Grande ABC, além de subsidiar pesquisas realizadas pelos cursos de pós-graduação. “Nós participamos do Unifórum, núcleo de debate sobre Educação do Consórcio, além de estarmos presentes nas discussões sobre 22


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

a criação do Polo Tecnológico de São Bernardo”, diz. Ainda de acordo com o reitor, um dos desafios da Metodista será internacionalizar o ensino superior, por meio de cursos em inglês. Para os próximos anos, a instituição também quer expandir do EAD, oferecido desde 2006. Na modalidade, as aulas são geradas num estúdio, transmitidas via satélite para 13 Estados. Os alunos frequentam os 30 polos de apoio presencial uma vez por semana, quando assistem às aulas e tiram dúvidas com professores. A carga horária é a mesma de uma graduação presencial e as avaliações são locais. Treze mil estudantes estão matriculados no programa. No EAD, Pedagogia, Gestão Ambiental e Gestão Pública são os cursos mais procurados. “Inclusive, o maior número de alunos se concentra no Gestão Ambiental, em Altamira [Pará], onde acontecem debates sobre o impacto ambiental da construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte”, afirma o reitor. O objetivo da Metodista é expandir esse tipo de serviço nos próximos anos.

Laboratórios da Faculdade de Comunicação, que já formou 15 mil profissionais e lança o curso de EAD em Jogos Digitais

Comunicação completa 40 anos A Faculdade de Comunicação (FAC) celebrou, em dezembro, 40 anos de existência com o saldo de mais de 15 mil profissionais formados. Hoje, são oferecidos os cursos de Comunicação Mercadológica, Jornalismo, Relações Públicas, Publicidade e Propaganda, Design de Interiores, Rádio, TV e Internet, Produção Multimídia e Cinema Digital, que acaba de formar a última turma. Para 2013, a novidade é o curso à distância de Jogos Digitais. Paulo Rogério Tarsitano, diretor da FAC, explica que a busca da instituição é sempre por se adequar às mudanças do mercado – daí o diferencial da Metodista no tocante ao corpo docente e projeto pedagógico. Segundo o educador, os cursos são permeados de desafios aos alunos, assim como é a vida. “Tem prazos, clientes, coisas que pedem criatividade. Tudo isso vem de dentro da sala de aula, com produção muito próxima do que o aluno vai encontrar no mercado de trabalho”, diz. Fundado em 1973, o curso de Jornalismo é um dos mais antigos da casa. Nos últimos anos, a instituição apostou no perfil multidisciplinar do profissional, com a criação da Redação Multimídia, que consolida o projeto de convergência entre as mídias televisiva, impressa e radiofônica com a Internet. Rodolfo Carlos Martino, coordenador do curso, conta que as fronteiras entre o homem de rádio, de TV e de impresso estão caindo. “Com a Internet e as novas tecnologias, o jornalista tem de estar preparado para tudo”, avalia. De acordo com Tarsitano, os alunos, que são os responsáveis pelo reconhecimento da universidade, podem esperar por novidades nos próximos anos. “Nossos objetivos são criar a web TV e a TV universitária, além de garantir a evolução da nossa rádio”, revela.

23


Repórter Social

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Nassau recepciona com café da manhã A Nassau Empreendimentos inaugurou o estande de vendas do Atrium Shopping Santo André, com um café da manhã para convidados. A apresentação foi feita pelo presidente Marcos Romiti, que entrega o empreendimento em outubro de 2013. Marcaram presença a diretoria e superintendência do shopping, parte de um grande complexo de natureza mista: comercial e residencial.

Nelson Letaif, diretor de Comunicação, Claudia Bocciardi, gerente de Marketing Institucional, e Flávio Chantre, gerente de Relações Institucionais do eixo SP-RJ Marcos Romiti, presidente da Nassau Osvana Famelli, vice presidente da Acisa

Braskem, 10 anos e confraternização Em 2012 a Braskem, maior fabricante de resinas plásticas da América Latina, fez 10 anos. Para comemorar a data, a empresa organizou almoço de confraternização, em Santo André, exclusivo para a imprensa e diretoria de comunicação e marketing. A Braskem conquistou a liderança em resinas com a produção, em escala industrial, do plástico verde, à base de etanol.

Fábio Oliveira, superintendente do Atrium; Zildo Borgonovi, diretor de Gestão da Nassau; e Domingo Aimola, diretor de Engenharia da Nassau

Ferrazópolis ganha São Bernardo Plaza Shopping Aline, Carlos Medeiros, CEO da BRMALLS, Frank Aguiar, viceprefeito, e Mauro Silvestre, CEO da Construtora São José

Em clima de Natal, empresários, autoridades, lojistas e equipes de vendas comemoraram a inauguração do São Bernardo Plaza Shopping, da BRMALLS. O empreendimento, segundo da rede no ABC, chegou com mais de 200 lojas. O Shopping ABC também pertence ao grupo.

Alex Trajano, gerente de Marketing, e Leila Dada, superintendente do shopping

Aline, esposa do Frank Aguiar, e Alessandra Scatena 24


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Pesquisadores expõem potencial do ABC Fábio do Prado, reitor da FEI, Adilson Casemiro Pires, diretor da UFABC, Oduvaldo Cacalano, reitor da FSA, Charles Camargo, coordenador do Inctec, Helio Waldman, reitor da UFABC, e Jefferson da Conceição, secretário de de São Bernardo

Solange Frazão e Antonio José Monte

Mexa-se repete sucesso A 6ª edição do Mexa-se – Encontro Coop de Corrida e Caminhada agitou 20 mil adeptos do esporte, em Santo André. A personal trainner Solange Frazão novamente marcou presença e foi recepcionada por Antonio José Monte, presidente da Coop.

Reitores e pesquisadores de sete universidades do ABC abriram o 2º Simpósio de Pesquisa do Grande ABC, no Cenforpe (Centro de Formação dos Profissionais de Educação), em São Bernardo. O encontro reuniu 400 trabalhos, aproximou a academia e fomentou mais pesquisa na região.

Polo Design premia arquitetos em jantar

Hospital Brasil amplia maternidade

Alan Mazzonetto, diretor de Marketing, Damazio Silva, diretor administrativo, João Mazza, presidente, Roberto Babler, vicepresidente, e Claudio Lorca, diretor financeiro

Diretoria do Hospital Brasil: Luiz Sérgio Santana, Márcia Pimenta, Márcio Gimenes, Della Negra, Ruy Bevilacqua e José Roberto Guersola

Em Santo André, o Hospital Brasil, que há anos atende na especialidade, inaugurou ala exclusiva de maternidade, com 24 leitos e berçário central. Luiz Della Negra, diretor da Rede D'Or São Luiz, recebeu os convidados na cerimônia de inauguração. Em 2013, a ala terá mais 26 leitos e UTI Neonatal.

Renata Bertoni, Teresa Simões e Gisele Pacheco comemoram a premiação em noite de festa no Samyr Buffet, em São Caetano

Della Negra, Neife Hanze e George Maeda gerente de Marketing da Rede D'or

25

A arquiteta Teresa Simões foi a estrela na noite de premiação do 2° Semestre do Plano de Incentivo, do Polo Design Center. Como prêmio, Teresa levou um automóvel Audi A1. Renata Bertoni e Gisele Pacheco foram a segunda e terceira colocadas e ganharam um passeio completo para a Feira de Milão. O concurso movimentou 90 profissionais. Na festa, a diretoria do Polo recepcionou cerca de 700 convidados.


Gastronomia

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Natal

Tendência é oferecer ceia leve A

pernil, lombo, tender, chester ou bacalhau não podem faltar. Os peixes de carne branca, no entanto, ganham a preferência dos brasileiros. Para Bete, o peixe fresco é indicado para o jantar de Natal. “Geralmente, na noite de 24 de dezembro, jantamos muito tarde, e o peixe é uma boa opção, pelo sabor e leveza”, recomenda. As espécies principais são truta, salmão, atum e tainha, mas qualquer tipo de peixe, de água doce ou salgada, é indicado. “O principal é saber harmonizar os molhos. Alcaparras, champignon e vinho branco são importantes nesta hora”, explica Bete.

imagem da família inteira reunida em volta da mesa com pratos fartos e grande variedade de frutas e doces logo remete ao Natal, data mais tradicional do ano. É a hora de comer sem culpa. Mas o hábito de se cultivar fatura na ceia brasileira, por influência do jantar natalino norte-americano, ganhou nova recomendação: a adoção de pratos mais balanceados, com acompanhamentos leves e frutas típicas do País, em razão do clima quente. Derileusa Scott, docente do curso de Gastronomia do Senac, é partidária da ceia tropical. “Hoje a tendência é ter saladas e sobremesas mais leves, já que as carnes são gordurosas”, explica a professora. Como sobremesa, Derileusa recomenda tortas de frutas da época, como maçã, morango ou abacaxi. Diz também que é possível caprichar na salada verde sem deixá-la pesada e de quebra utilizar frutas secas, tradicionais no Natal. É o caso da Salada de Maçã Verde, Peito de Peru e Damasco, receita exclusiva de Derileusa. Outra recomendação é trocar alguns alimentos pesados por outros leves. “Costumamos usar muita maionese, que tem muita gema e óleo. Neste caso é possível trocar por iogurte ou creme de leite light”, recomenda a professora. Bete Carneiro, chef e professora de gastronomia do IGA (Instituto Gastronômico), com unidade em Santo André, diz que os verdes também chegam com força. “Vegetais, como couve-de-bruxelas, e legumes assados com azeite e sal grosso estão muito presentes na mesa do brasileiro”, afirma. Embora saladas e frutas sejam boa pedida, é impossível abrir mão das carnes na ceia de Natal. Peru, frango,

26


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Dica é adiantar preparo Com tantas pessoas para servir e pratos para elaborar, as chances de atrasar o preparo da ceia são grandes. A dica é congelar as carnes pré-preparadas, inclusive temperadas e assadas. “É interessante deixar a carne pronta, só colocar o molho na hora. Isso só não vale para peixe fresco, que tem o cozimento rápido, em torno de 20 minutos”, explica a professora. O alerta é quanto ao descongelamento. “Carnes não podem ser descongeladas na temperatura ambiente. É na geladeira, micro-ondas ou banho-maria”, ensina Derileusa. Segundo Bete, algumas sobremesas podem ser congeladas até uma semana antes. Já folhas e peixe fresco devem ser comprados no dia anterior. A professora de Gastronomia do Senac, Derileusa Scott, disponibilizou duas receitas exclusivas para a ceia de Natal.

Salada de maçã verde, peito de peru e damasco

Uso de frutas na ceia é saudável e enriquece a decoração

Ingredientes 2 maçãs verdes grandes (cubos ) 50 g damasco (picados) 1 talo de salsão (fatiados) 200 g peito de peru (cubos) Molho 2 colheres (sopa) de suco de limão 1 colher (chá) de açúcar 50 ml de maionese 100 ml creme de leite Sal e pimenta-do-reino a gosto

Lombo ao molho cítrico

Ingredientes 1 peça de lombo de porco (aproximadamente 2kg), 2 limões (suco), 2 laranja (suco), 10 ml vinagre de maçã 2 cebolas médias, 3 dentes de alho, 15 gr açúcar mascavo 15 ml molho inglês, 200 gr de bacon em cubos, Q.B hortelã, Q.B tomilhoQ.B, sal e pimenta do reino, 100 gr manteiga gelada, 80 ml vinho branco seco Modo de preparo Bata no liquidificador o alho, a cebola, o açúcar, o molho inglês, os temperos, os sucos, as ervas até obter um molho homogêneo. Faça pequenos furos no lombo e deixe na marinada cítrica por 40 minutos, Retire da marinada e preencha os furos com os pedaços de bacon. Transfira o lombo e um pouco da marinada para uma assadeira untada com manteiga e cubra com papel alumínio. Leve ao forno préaquecido a 180°C por uma hora e 30 minutos. Retire o papel e deixe por mais 30 minutos ou até dourar. Retire o lombo da assadeira e reserve. Para aproveitar o sabor do fundo da assadeira, adicione o vinho e mexa bem, passe o líquido por uma peneira, coloque numa panela com restante da marinada reservada, deixe reduzir pela metade, verifique o sal e adicione aos poucos pedacinhos de manteiga, e mexendo bem. Fatie o lombo e regue com o molho. Sirva com abacaxi grelhado e farofa.

Modo de preparo Em uma travessa misture todos os ingredientes. Molho Misture todos os ingredientes e tempere a gosto Regue a salada com o molho e misture bem. Sirva com folhas verdes.

Torta é bemvinda na mesa de Natal, pois é leve e sacia a fome

27


Música

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Victor & Leo celebra 20 anos de carreira em shows no ABC V em Ribeirão Pires, em julho, às apresentações ao longo do ano ictor & Leo desembarcaram pelo menos cinco vezes este ano no Restaurante São Judas Tadeu e no Estância Alto da Serra, em no ABC em shows abertos, repetindo o fenômeno de bilheSão Bernardo, o ABC também aplaudiu o novo trabalho. terias esgotadas antecipadamente. Além de clássicos da música RD - Após mais de 3 milhões de cópias vendidas até 2011, sertaneja que jogaram para cima a carreira de uma das duplas como é a chegada de um novo CD/DVD? O meio artístico presmais festejadas na atualidade, trouxeram na bagagem o novo CD siona para se bater marcas a cada lançamento ou vocês mesmos “Ao Vivo em Floripa” gravado em março em Santa Catarina. se fazem essa exigência? Em entrevistas ao Repórter Diário, eles se disseram mais LEO -- Temos noção de que o mercado é competitivo, uma maduros após o deslumbramento com a fama que veio em apeguerra mesmo, mas procuramos não entrar nisso. Mas fazer um nas cinco anos e definem o novo trabalho como celebração à boa trabalho 70% coração e 30% olhando o mercado. música. O mais recente álbum foi ao extremo do mix de gêneros, VICTOR -- Não, os outros 30% também são de espécies como os sertanejos Chitãozinho & Xororó, os roqueiros Nando Reis e Haroldo Em S.Bernardo, a coração (risos...). LEO -- Buscamos trabalhar com aquilo que Ferretti (do Skank), além de Thiaguinho. Reunir essa constelação não é coisa de prin- dupla apresentou emociona, que desperte sorriso, reflexão, que acrescente valores. Queremos que nossa arte seja cipiantes. É efeito do que V&L definem como o novo CD “Ao Não se trata de vender por vender, de fazer misto de mérito e responsabilidade, alcançados Vivo em Floripa” útil. sucesso a qualquer custo. numa carreira que parece não caber nos 20 anos gravado em RD - Vocês se recriaram ao longo desses 20 que celebraram juntos em 2012. Já são 10 CDs e anos ou o segredo é justamente ficar constante três DVDs ao vivo, além de dois DVDs documen- março em Santa num estilo de música? tários. Calculam ter arrastado mais de 13 milhões Catarina VICTOR -- Maturidade é a melhor coisa na de espectadores entre 2007 e 2011 em busca do vida. Na música dá para manter e renovar. “sertanejo renovado” que rotula as canções desRD - Como assim? ses irmãos mineiros, que cantaram na noite de Belo Horizonte e VICTOR -- Chamo isso de essência renovada. Mantemos de São Paulo por quase 15 anos antes de despontarem. nossa verdade artística, continuamos a falar do sertão, mas na Prova de que o público gostou da nova turnê é que o novo linguagem contemporânea. Continuamos tendo como referênCD de 17 faixas conquistou Disco de Ouro ainda na pré-venda e cia a roça cantada por Sérgio Reis, Renato Teixeira, mas também atingiu em agosto, em menos de um mês de lançamento, 40 mil nos influenciam gerações como Dire Straits, James Taylor, Eric unidades. O DVD de 25 faixas vendeu 20 mil edições antes de ir Clapton. É um sertanejo revisitado e que todos gostam. às lojas, além de levar Disco de Platina. Do Festival do Chocolate 28


CD -Lançamentos

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

RD -- Com o reconhecimento que explodiu nos últimos cinco anos e shows quase diários, sobra tempo para curtir o sucesso? VICTOR -- Não é fácil, é difícil, diria que é trabalhoso. Às vezes encontro alguém de relações mais antigas dizendo: “Cara, que saudade do tempo em que vocês ralavam”. Mas é hoje que a gente rala muito. São 14, 15 horas diárias. Temos noção da responsabilidade da fama e queremos fazer diferente na vida de alguém. Não é só focar numa conta bancária. RD -- Vocês chegam com repertório pronto ou cada show tem energia especial? LEO -- Temos um repertório básico. Mas improvisamos, sim. Dependendo da plateia, da receptividade para um estilo mais de raiz ou mais romântico, mudamos algumas apresentações. RD -- Vocês saíram de apresentações em bares direto para o sucesso. Há ainda sonhos a realizar? LEO -- Ter uma carreira duradora. A cada lançamento, a gente acrescenta um tijolinho para ter essa base bem estruturada. RD -- Vocês sempre se manifestam em favor de valores como respeito humano, família, enaltecem muito a fraternidade como irmãos. Um ídolo deve mesmo emprestar a visibilidade para mostrar esse lado cidadão? VICTOR -- Se as pessoas absorverem um pouco do que cantamos, das mensagens que procuramos transmitir, fico satisfeito. Sinto um pouco de falta de conduta social, de respeito ao próximo tão esquecido. Me preocupa o futuro de crianças e jovens sem um referência educacional sólida, e não é só educação escolar, porque essa vai mal também. RD – Como tem sido a receptividade ao novo trabalho? O público gostou da mistura do pagode de Thiaguinho até pop reggae de Nando Reis e a baianidade de Pepeu Gomes? V&L – É mais uma celebração à música brasileira. Pegamos pontos importantes dos 20 anos de carreira e fizemos uma homenagem a alguns dos personagens que marcaram nossa trajetória. Talvez aí esteja um dos segredos do sucesso. Beber de diversas fontes e transformar o palco em celebração à boa música. O CD retrata bem a essência das nossas referências, que trafegam do sertanejo de raiz ao folk, ao rock e blues. RD – Em que fase vocês estão na vida profissional? Consideram-se mais maduros e em busca de algo mais raro no meio artístico, como prestígio e respeito? V&L - Cremos que sim. A curiosidade é um fator que leva muitas pessoas ao seu show. Depois será visto se gostaram do que viram, quando voltam outras vezes por pura identificação. Isso representa um misto de mérito com responsabilidade, já que em nossos shows há pessoas de todas as idades e gostos. RD - Pela quarta vez vocês foram indicados a Grammy Latino. Isso leva a pensar mais numa carreira internacional? V&L - Não necessariamente. Mas é um estímulo à nossa arte. RD – Enquanto vivem a essência artística de compor e cantar, vocês também se aventuram em outra frente que é produzir e empresariar a carreira. A múltipla condição não tira o foco? V&L - Isso está diretamente ligado ao fato de querermos sempre melhorar, evoluir a cada disco, e para isso tem que ter o dedo da gente em tudo. Não só gostamos como achamos importante imprimir nossa essência nos trabalhos. Faz parte da característica da dupla, que é ser original. Mas hoje temos cada vez menos tempo de fazer tudo.

Artista: Ivete Sangalo Distribuidora: Universal Músic Ano: 2012

Real Fantasia (Ivete Sangalo): Ivete Sangalo, uma das cantoras mais poderosas do Brasil, lança novo álbum com faixas inéditas. Após o lançamento do CD e DVD Multishow Ao Vivo – Ivete Sangalo no Madison Square Garden, a cantora prepara para este trabalho um repertório de 12 músicas com axé, baladas, samba reggae e pop. Incluindo canções como Me Levem Embora, tema da novela Gabriela, da TV Globo e Eu nunca Amei Alguém Como Te Amei da novela Fina Estampa, como faixa bônus, o CD tem projeto gráfico feito por Giovanni Bianco, mesmo designer da Madonna.

O Quintal do Pagodinho (Zeca Pagodinho): Zeca faz um disco para seus compositores e dá de presente a eles. Este é o conceito do novo CD lançado este ano pelo cantor. O samba gosta de palco, mas se sente bem mesmo é ao ar livre, no espaço de um quintal, queimanArtista: Zeca Pagodinho do uma carne e molhando a palavra. É nesse ambiente que Zeca se mostra como realmente é: Distribuidora: fraterno, solidário, generoso, amigo. Também em Universal Music DVD, o 24° trabalho de Zeca traz 16 faixas e é Ano: 2012 lançado pela Universal Music.

Artista: Adele Distribuidora:Sony Ano: 2012

Artista: Jota Quest Distribuidora: Sony Ano: 2012

29

Live At The Royal Albert Hall (Adele): No Brasil, o primeiro álbum de Adele, 19, é disco de Ouro com mais de 20 mil cópias e 21, o último lançamento da cantora, é Platina Duplo com mais de 80 mil discos vendidos. Agora Adele lança um kit que traz o primeiro DVD com todos os sucessos da artista, gravado no The Royal Albert Hall. O trabalho, também em CD, conta com 90 minutos do show, além dos bastidores e inclui gravações de Rolling In The Deep, que foi tema da novela Morde & Assopra e Someone Like You, parte da trilha sonora de Fina Estampa. DVD Multishow Ao Vivo - Jota Quest: Folia & Caos - Doze álbuns, cinco milhões de cópias vendidas e 15 anos de carreira são algumas conquistas da banda Jota Quest, que produz este projeto intitulado de Multishow ao Vivo - Jota Quest: Folia & Caos. O trabalho traz a banda com os shows da turnê Jota 15 pelo Brasil e mostra novas versões de canções que já fizeram grande sucesso com o público. Faixas Tempo Perdido, de Renato Russo e Pro Dia Nascer Feliz do Cazuza e Frejat, recebem nova roupagem ao som da banda. Há também participações especiais, como: Maria Gadú, Seu Jorge, Erasmo Carlos, Pitty, entre outros que participaram dos shows da turnê.


História

Dezembro/2012 - Janeiro/2013

memória

Rua Marechal Deodoro, 1967

São Bernardo reconstrói 200 anos de história R Ademir Medici, jornalista e historiador, é o autor da obra

esgatar o passado para compreender o presente e projetar o futuro. Este foi o objetivo de São Bernardo ao decidir ano passado juntar os fragmentos de sua história. O resultado está no livro São Bernardo do Campo, 200 anos depois - A história da cidade contada pelos seus protagonistas, escrito pelo jornalista e historiador Ademir Medici. A publicação, em 320 páginas, apresenta a história do município contada pelos moradores, alguns dos personagens que contribuíram para a construção de São Bernardo ao longo dos anos, como a ex-primeira dama Marisa Letícia. Para Medici, o relato dos próprios moradores foi essencial para a elaboração do livro, já que estes são os verdadeiros historiadores locais e testemunhas vivas do processo de urbanização do município. “São pessoas que nasceram em São Bernardo ou que vieram do Exterior ou internamente numa tentativa de sobrevivência para trabalhar na indústria da cidade e que constituíram seu pedaço. Que criaram a família, se fixaram, lutaram para que os bairros pudessem ganhar melhoramentos mínimos de sobrevivência, criaram igrejas, sindicatos e clubes e hoje têm boas histórias para contar”, justifica. A ideia de produzir um livro que resgatasse a história da cidade partiu do prefeito Luiz Marinho, que há um ano tomou conhecimento da primeira obra de Medici, o livro São Bernardo, Seus Bairros, Sua Gente, escrito em 1981. Marinho então quis republicar o trabalho, mas o jornalista sugeriu escrever uma nova obra. “Quando eu fiz o meu primeiro livro, há 30 anos, não havia nem o

bairro vila São Pedro, hoje é um dos locais mais populosos da cidade, nem o Swiss Park, bairro de classe média alta. Então, eu percorri todos esses locais, tomei café com os velhinhos, subi morros e fotografamos de tal maneira que deu material para 20 livros”, conta. A realização na cidade das plenárias do Orçamento Participativo também contribuiu para resgatar os fragmentos da história de todas as regiões do município.

Olhar futuro

30

Ademir Medici afirma que a obra não se trata apenas de uma memória saudosista, mas que pode ajudar São Bernardo a estabelecer planos para o futuro, como o cuidado com o meio ambiente, em especial com a represa Billings, além das demandas da região pós-balsa. “Para quem mora do outro lado é um pesadelo enfrentar aquelas filas [da balsa] diariamente. Se o Rodoanel agrediu a natureza e passou por aquela região para servir e tirar o trânsito de São Paulo, por que não fazer mais um viaduto dentro do processo de cuidar do meio ambiente e cuidar da fauna e da flora para servir a essa população?”, questiona o jornalista. Rico em ilustrações e fotos, muitas de acervos particulares, o livro São Bernardo do Campo, 200 anos depois. A história da cidade contada pelos seus protagonistas não está à venda, apenas disponibilizado em escolas, bibliotecas e nos centros de memória. No entanto, todo o material está à disposição no site da Prefeitura www.saobernardo.sp.gov.br


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Cinema

so, o ex-escravo decide resgatar Broomhilda (Kerry Washington), sua esposa, que ele não tem contato desde que ela foi vítima do tráfico de escravos. A busca de Django o leva a Calvin Candie (Leonardo Di Caprio), dono de Candyland, uma fazenda onde os escravos são obrigados a lutar entre si. Com falsos pretextos, Django e Schultz começam a explorar o local, mas logo são descobertos e, para conseguirem fugir com Broomhilda, terão de escolher entre a solidariedade e a sobrevivência. Django Livre estreia no próximo dia 18 de janeiro.

sétima arte

Django Livre é a novidade em janeiro

Filme de Tarantino traz Jamie Foxx, Leonardo Di Caprio e Johnny Depp em grande produção

O ano de 2013 promete agitar o mercado cinematográfico com mega produções e grandes nomes que voltam a estrelar nas telonas. Atores premiados, como Jamie Foxx, Leonardo Di Caprio e Johnny Depp retornam à cena e trazem grandes expectativa para quem aprecia a sétima arte. O mesmo pode se dizer de quem fica atrás das câmeras, pois diretores, produtores e roteiristas notáveis, como Quentin Tarantino, Zack Snyder e Christopher Nolan são as figuras que comandam os bastidores das produções no Ano Novo.

Livros

Algemas de Seda: sensualidade e suspense

Os livros eróticos nunca estiveram tão em alta depois da trilogia de sucesso de E. L. James, com Cinquenta Tons de Cinza, Cinquenta Tons de Liberdade e Cinquenta Tons Mais Escuros. Frank Baldwin segue a mesma linha de romance e suspense erotizados. Em Algemas de Seda, obra da coleção Muito Prazer, Mimi Lessing mantém relacionamento há seis anos e tem uma vida sexual satisfatória. Com a proximidade do casamento, Mimi começa a se perguntar sobre seu futuro, se realmente quer viver ao lado de seu amor ou se apenas está acomodada com a situação. Erótico e absorvente, o thriller tem um clima de sensualidade e suspense eletrizantes até o final. Autor: Frank Baldwin Editora: Geração Editorial Páginas: 320 Preço sugerido: R$ 30

Uma das maiores expectativas fica com a nova produção de Tarantino, Django Livre, em que ele é roteirista e diretor. O filme é um faroeste ambientado no sul dos Estados Unidos, dois anos antes da Guerra Civil, onde Django (Jamie Foxx) é um escravo cujo passado violento com seus antigos senhores o coloca lado-a-lado com o caçador de recompensas Dr. King Schultz (Christoph Waltz). Schultz está à procura dos sanguinários irmãos Brittle e conta com a ajuda de Django para sua missão, com a promessa de libertá-lo depois. Após o plano ser um suces-

Van Gogh – A Vida

Vicent Willem van Gogh (1853-1890) nasceu no sul da Holanda e era o filho mais velho de um pastor protestante. Impulsivo e solitário desde criança, o pintor nunca conseguiu ter carreira profissional respeitável. Encontrou tranquilidade depois que começou a produzir desenhos e pinturas, enquanto mergulhava na própria loucura. Steven Naifeh e Gregory White tentam representar nessa biografia a problemática relação de van Gogh com os pais, a amizade com o irmão Theodorus, a forte ligação com a religiosidade, a vida sexual e o grande fracasso no reconhecimento de suas obras, desprezadas pela crítica da época, e ainda sugere uma explicação para o suicídio do artista holandês. Autor: Steven Naifeh e Gregory White Editora: Companhia das Letras Páginas: 1144 Preço sugerido: R$ 70 31

Duro de Matar 5

Duro de Matar 5 - Um Bom Dia para Morrer é outra novidade em 2013 para quem gosta de cinema, principalmente para os fãs de bastante ação. John McClane (Bruce Willis) retoma a série agora ao lado de seu filho Jack (Jai Courtney). Os dois mantêm um relacionamento complicado, mas são parceiros e têm de trabalhar juntos numa missão internacional. Ambos são enviados à Moscou, na Rússia, para impedir que Komorov (Sebastian Koch) um poderoso líder russo, controle armas nucleares e coloque em jogo a paz mundial. Duro de Matar 5 - Um Bom Dia para Morrer tem direção de John Moore e roteiro de Roderick Thorp e Skip Woods. O filme estreia no dia 22 de fevereiro.

Mensalão

A obra de Marco Antonio Villa mostra como se desenrolou o escândalo e o julgamento dos envolvidos num dos maiores casos de corrupção da história política brasileira. No dia 15 de maio de 2005, em pleno governo Lula, o povo brasileiro foi apresentado a um novo jargão, chamado “mensalão”. Tudo começou com um vídeo gravado de forma amadora que mostrava um alto funcionário dos Correios, Maurício Marinho, recebendo propina em troca de favorecimento político. Depois de muitos discursos, desabafos e cassações, toda a novela chega ao fim, com a condenação dos principais envolvidos nos atos criminosos de comercialização de poder. Autor: Marco Antonio Villa Editora: Leya Brasil Páginas: 392 Preço sugerido: R$ 40


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Novas Portas

têm estilo e são clássicas

Portas pivotantes estão em alta e são as mais procuradas pela funcionalidade

A

entrada do lar ou a passagem para outro cômodo pode contar com um toque de requinte ou até mesmo praticidade. A porta, item muitas vezes batido aos olhos, é essencial em qualquer ambiente e hoje esbanja funcionalidade. A versão mais procurada e recomendada atualmente, segundo especialistas em arquitetura e decoração, é a pivotante. A versão está em alta no setor. Não possui sustentação por dobradiças e é altamente recomendada em ambientes de entrada e saída. “É o tipo de porta mais usado para locais de acesso, por apresentarem maior impacto porque são maiores que as portas comuns”, afirma Melissa Martins, designer de interiores, em São Caetano. Devido a tais características, as portas pivotantes necessitam de maior espaço. “São um tipo de abertura alta, com três, quatro ou até cinco metros e outros dois de largura. Tem de ter pé direito bem alto também”, diz a arquiteta Elisabete Schadt. Por outro lado, as portas camarão dão o tom em locais de espaço restrito. Esse tipo de acesso é predominantemente usado em residências menores ou apartamentos. “São portas com duas ‘folhas’ e uma dobradiça no meio. Não é muito usada, só em casos de extrema necessidade, onde o ambiente chega a ser minúsculo”, garante Melissa. Veneziana - Para o leitor que busca ambiente mais arejado, a dica fica por conta das portas ao estilo da veneziana. Este tipo de equipamento é recomendado para

locais que necessitem de maior ventilação, como áreas de serviço ou até mesmo divisória entre um ambiente e a cozinha. “A veneziana não é muito indicada para ambientes externos. Somente em lugares onde haja necessidade de circulação de ar”, conta Melissa. A porta balcão é um estilo de divisória pouco usada em ambientes internos. Entretanto, leva praticidade e pode ser utilizada na integração entre a cozinha e sala. “É um estilo mais utilizado em casas de campo, por não ter tanto propósito de integrar um lugar interno e externo da casa”, garante Schadt. Se o propósito é ‘ligar’ vários cômodos de uma residência, o recomendado é utilizar uma porta deslizante. Este tipo de divisória pode delimitar espaços de uma sala, cozinha e até mesmo outro ambiente. “Elas não ocupam muito espaço e têm essa facilidade de integração de vários locais”, diz Elisabete. De uso similar às portas deslizantes, as articuladas são indicadas para salas de reunião. A facilidade que esse tipo de divisória traz fica por conta da possibilidade de anexar outro ambiente. “É algo versátil, para ampliar ou diminuir um determinado espaço”, cita Elisabete. CONTATOS: Elisabete Schadt - Tel: 9702-7475 - www.beteschadt.com.br Melissa Martins - Tel: 9.9666-4485 - meli_martins@terra.com.br Colognesi Loja da Madeira -Tels: 4366-3737 / 4177-5889 www.colognesi.com.br 32


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Praticidade

Janela domus retoma claraboia C

om terrenos cada vez mais apertados, é preciso buscar soluções que unam sustentabilidade e design contemporâneo para aproveitar ao máximo a iluminação e ventilação naturais. A legislação brasileira determina que uma janela deve estar, pelo menos, distante 1,5 metro do limite da casa vizinha. Geralmente este espaço acaba sendo perdido e tomando áreas que poderiam ser utilizadas no interior. Iluminação e Neste sentido, a ventilação e a iluminação podem ser feitas pelo ventilação lado interno da casa. É o caso da janela domus, que retoma um centrais são conceito muito utilizado na Roma Antiga e em claraboias. Instasoluções para ladas no teto, algumas proporcionam ventilação e iluminação pequenos espaços permanente. “São mais utilizadas em banheiros, lavabos, sótãos e lavanderias, até porque a estética não é apropriada para salas de estar”, explica a arquiteta Maria Alice de Melo Aguiar. Nas áreas centrais da casa, o artifício é o átrio, que deve ter no mínimo 6 m². Espécie de vão no centro da casa, cercado por janelas ou portas, o átrio proporciona ventilação natural, vinda do centro do imóvel. “Geralmente estes espaços são transformados em jardins de inverno”, diz. Para Maria Alice, a iluminação e ventilação zenitais (que vêm do céu) são as melhores em termos ecológicos, econômicos e estéticos.

Nas janelas convencionais, o que muda são as esquadrias. Maria Alice explica que a madeira ventila naturalmente e troca calor com mais facilidade. “É o material mais nobre para janelas, além de deixar o ambiente charmoso e aconchegante, principalmente para residências”, diz. Por outro lado, a peça exige manutenção anual. O estilo de janela que combina bem com a madeira é a bay window, que remete ao estilo vitoriano. O estilo de janela forma espécie de anexo ao cômodo, que pode ser preenchido por um espaço para leitura com sofá. “Clientes que utilizam janela em madeira estão em busca de aconchego”, diz Júlia Colognesi. Para grandes empreendimentos, as esquadrias de alumínio

têm o melhor custo benefício, porque exigem pouca manutenção e, se compradas em larga escala, tendem a ter preço menor. Já para locais frios ou com muito barulho, a dica são as esquadrias de PVC, que são acústicas e oferecem boa vedação. São ideais para janelas acústicas, com vidro duplo ou até triplo. No entanto, o material é mais caro.Já para substituir o insulfilm, que desgasta com rapidez, a sugestão são os vidros acidados. “É uma opção decorativa que segura um pouco a temperatura, mas a luz do sol passa”, diz.

33

CONTATOS Maria Alice de Melo Aguiar - Telefone: 4432-1316 www.escalaarquitetura.com.br/site/ Julia Colognesi - www.lojasdepisos.com.br


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Técnica milenar relaciona o homem com a natureza

CONTATOS Mirna Mitiko Tanaka - arquiteta@mirnamtanaka.com Cibele Julio Augusto - www.animaterapia.com.br

Feng Shui ajuda a equilibrar energias F

eng Shui, técnica milenar chinesa, é utilizado por muitos designers e arquitetos em projetos de ambientes comerciais, residenciais e até em edificações como forma de equilibrar as energias do ambiente. Os principais elementos que o Feng Shui utiliza para harmonizar os fluidos são terra, água, fogo, metal e madeira, organizados em áreas da vida ou os chamados guás, que representam o trabalho, amigos, criatividade, relacionamento, sucesso, prosperidade, família e espiritualidade. Assim, para garantir harmonia, o ambiente precisa receber objetos e cores que representem os principais elementos do Feng Shui. É o baguá (imagem acima) que determina qual elemento e guá devem ser aplicados em cada cômodo. “Muitas vezes alguns móveis ou elementos estão em posições incorretas dentro da casa ou do escritório, o que pode provocar mal estar ou até mesmo doença nos moradores. É aí onde entra o Feng Shui, que indica o que deve ser feito no ambiente para equilibrar as energias do local”, explica a arquiteta Mirna Tanaka. “Vale lembrar que esta é uma técnica milenar, ainda sem nenhuma comprovação científica sobre sua eficácia”, alerta. Apesar de complexo e cheio de detalhes, é possível aplicar alguns elementos básicos do Feng Shui em casa sem precisar contratar um profissional especializado. Mirna explica que o primeiro passo é ter em mãos a planta do ambiente onde o Feng Shui será aplicado e uma cópia do baguá, de preferência do mesmo tamanho que a planta, conforme modelo nesta página acima. A arquiteta ensina que o baguá deve ser posicionado em cima da planta do imóvel, de forma que o guá trabalho fique posicionado na mesma parede que a porta da entrada principal. O centro do baguá deve ficar no centro da planta.

34

Depois é necessário dividir a planta de forma que cada guá esteja num cômodo do imóvel. A partir daí basta aplicar objetos e cores nos cômodos de acordo com o guá correspondente. O guá trabalho, por exemplo, está associado às cores azul e preto e ao elemento água. Se o cômodo do trabalho é a lavanderia, ela pode ter paredes num tom azulado ou objetos que simbolizem a água, como quadros com pintura de água ou fontes. Se o guá for sucesso, a dica é utilizar objetos verticais ou elementos virados para cima, além do vermelho, como a foto da página. Pode acontecer de um elemento ficar dividido entre dois cômodos ou um ambiente conter dois guás diferentes. “Nestes casos a recomendação é que sejam colocados objetos ou cores daquele elemento que ocupa a maior parte do cômodo. No caso de um elemento ficar dividido entre dois ambientes, estes devem conter o mesmo elemento”, destaca. O Feng Shui trabalha a relação do homem e a natureza. Feng significa vento e Shui água. “No passado, os chineses observaram detalhes, como onde batia o sol na casa, onde tinha água próxima, o lugar onde havia mais umidade ou de onde vinha o vento, e passaram a analisar como influenciavam na saúde e no bem-estar dos moradores”, explica Cibele Julio Augusto, consultora em Feng Shui na Anima Espaço Terapêutico, em Santo André. Como o Feng Shui é uma técnica que valoriza os elementos da natureza e da casa, a influência de energias está inserida neste contexto. A partir disso, Mirna Tanaka ensina que o elemento vento afasta os maus fluidos e, por isso, a ventilação é importante dentro de um imóvel. Já para acolher bons fluidos, ela utiliza o elemento água em forma de fonte, por exemplo. Os cristais são utilizados para neutralizar as energias, ou seja, manter o equilíbrio no ambiente.


Pet Home aproxima dono do animal de estimação C

achorros e gatos ganham cada vez mais espaço na vida do ser humano. Por isso, a dica é ter um ambiente dedicado: moderno, prático, eficiente e aconchegante. Feito para o dono cuidar, conviver e guardar os pertences do bicho de estimação. Responsável pela criação e decoração do espaço Pet Home, na Mostra de Design de Interiores - Polo Design Show, em 2010, a arquiteta Elaine Benedetti desenvolveu projeto inspirado na falta de espaços para bichos nas exposições. “Só existem projetos para salas, quartos de casal e crianças, senti que faltava planejar um ambiente específico para animais”, declara. A proposta é concentrar tudo o que é preciso para atender as necessidades do animal, sem abrir mão da praticidade e elegância. Espaço para as necessidades fisiológicas, banho, armazenamento de comida, roupas, coleiras e todos os pertences dos pets; itens que não podem faltar na hora de montar um ‘quarto’ para os bichos domésticos. A ideia é organizar tudo. Separar um lugar para cada objeto. “Isso também ajuda no adestramento do cão, pois o animal aprenderá onde está cada coisa e, consequentemente, fará menos bagunça”, explica. Elaine conta que o pet home pode ser montado em casa ou apartamento. “Criar um espaço assim é igual a criar qualquer outro projeto arquitetônico. Independentemente do tamanho, é preciso olhar, criar e planejar”, diz. Na hora de escolher os materiais a serem usados no piso, na parede

35

e até mesmo dos móveis, a recomendação é que todos possam ser lavados e higienizados. “O espaço que projetei recebeu pintura com tinta acrílica, piso em porcelanato e armários de madeira laqueada”, revela Elaine. Para compor a decoração, a administradora de empresas Nilza Reple, da Focinho Dourado, distribuidora de produtos pets, dá opções de objetos caninos e felinos, como camas, arranhadores e coleiras. Entre as novidades do mercado estão almofadas de veludo de vários tamanhos e diferentes estampas, que além de servirem de cama ajudam na decoração. “Esses almofadões são muito bonitos e fáceis de lavar, e possuem o tamanho GG, versão esquecida pelo mercado”, diz. Nilza também indica arranhadores para felinos, que vão dos mais simples, de sisal e carpete, e até os com aplicações de plush (material parecido com camurça). “O arranhador é brinquedo e também local de descanso para os gatos”, explica Nilza.

CONTATOS: Elaine Benedetti Telefone: 4229-5288 ecbarquitetra@uol.com.br Focinho Dourado Telefone: 2311-0495 www.focinhodourado. com.br


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Peculiaridades femininas chegam ao

Escritório

Escritório da Estilista, de Rosana Pintor, exposto na 3° Mostra de Design de Interiores do Polo Design Center

o

avanço da mulher no mercado de trabalho tem inspirado os profissionais de arquitetura e decoração a desenvolverem projetos exclusivos para este público. Cores fortes, estampas, papel de parede e até local específico para colocar a bolsa e o casaco são estrategicamente pensados, assim como espelhos e nichos para colocar desde maquiagem até bijuterias também não podem faltar. A arquiteta Natalia Pini, que assinou o projeto da Sala da Diretora na edição 2012 da Mostra de Design de Interiores do Polo Design Center, lembra que a mulher passa hoje muito tempo no ambiente de trabalho. “Por isso, o escritório feminino acaba sendo uma extensão da residência e, por isso, o projeto é muito mais complexo”, analisa a arquiteta. Assim, os escritórios atuais não são mais planejados com móveis específicos para qualquer público. “Aquelas cadeiras coorporativas não fazem mais sucesso. Hoje quase todos os escritórios femininos são montados com poltronas estilizadas, estampadas e coloridas”, revela Carolina Gonçalves, gerente de Marketing da Florense, especializada em móveis de alto padrão. No projeto de Natalia, o intuito é mostrar uma mulher de personalidade forte por meio das formas dos móveis com muitos bicos e linhas retas e a delicadeza, por meio das cores. “Uso bastante cor em estampas, papéis de parede ou na laca dos próprios móveis”, exemplifica. Natalia lembra que mulher não vive sem espelho, por isso abusa do objeto na sala toda.

Juliana Corradi, arquiteta do projeto do Escritório das Jovens Advogadas, feito em conjunto com Andrea Ceconello – também exposto na Mostra de Design deste ano - chama atenção para outra peculiaridade feminina. A especialista afirma que não pode faltar um lugar específico para colocar a bolsa. “Precisa ser um local de fácil acesso, porém escondido do cliente. É bom ter um cabideiro para colocar o casaco também”, explica a arquiteta Juliana.

Aconchego é fundamental

Por passar muito tempo no local de trabalho, a mulher acaba levando um pedaço de intimidade para a sala de trabalho. Afinal, quem nunca quebrou a unha ou lascou o esmalte no meio de um dia corrido de trabalho? Ou precisou retocar a maquiagem e o perfume no expediente? É por estes e outros motivos que as arquitetas também pensaram em nichos específicos para colocar maquiagens e outros objetos de ordem pessoal, para facilitar a vida de quem quer estar sempre linda, mesmo que com a rotina apressada. Ter uma micro sala de estar no ambiente coorporativo também remete ao conforto e a forte influencia residencial no ambiente de trabalho. A tendência também chegou aos escritórios femininos, que ganharam mais um local para mulheres pintarem e bordarem da decoração. Na sala de estar do projeto, Natalia Pini utilizou poltronas de pelúcia. “A sala estar é um local para relaxar, conversar sobre 36


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Escritório das Jovens Advogadas é assinado por Andrea Ceconello e Juliana Corradi

assuntos variados e receber o cliente para tomar um café. É importante sair da mesa de trabalho para um local mais intimista no mesmo escritório”, explica a arquiteta Natalia Pini. A tecnologia também marca presença na automação que permite o controle da iluminação, computação, som ambiente e o ar condicionado. “As profissionais precisam fazer muita apresentação de projetos ou até mesmo teleconferência”, aponta Juliana.

Espaçosa Sala da Diretora, criação da arquiteta Natália Pini

CONTATOS: Natália Pini - telefone: 4902-4334 Juliana Corradi e Andrea Ceconello - telefone: 4432-1191 arquiteturamais.com.br Carolina Gonçalves – telefone: 4438-2298 - florense.com.br

37


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Spa une natural ao tecnológico P

ara os consumidores que não abrem mão de relaxamento e cuidados com o corpo ter spa dentro de casa pode ser um bom investimento. O espaço para revigorar as energias, que reúne banheira, espreguiçadeiras e produtos, como óleos, sais e muitos cremes, está em alta. A novidade é que o spa ganha conceito cada vez mais amplo dentro de casa, principalmente com a introdução de tecnologias. A arquiteta e design Silvia Dias, que assinou o Spa-Fitness na Mostra de Design de Interiores deste ano, abusou da automação e iluminação no ambiente. “Coloquei um sistema de áudio e vídeo para possibilitar um momento de relaxamento ao ouvir música, ou de lazer ao assistir um filme”, explica. No projeto, Silvia colocou a televisão atrás de uma parede de vidro para camuflar o aparelho quando não estiver em uso. A iluminação também ganha mais importância nos projetos. “É um item fundamental, pois traz efeitos de aconchego”, analisa Silvia, que iluminou as águas da spa de borda infinita (geralmente utilizada em piscinas) com luzes coloridas que acendem uma de cada vez. “A função da luz com cor é a cromoterapia e o ritmo com o qual as cores mudam torna o ambiente agradável”, explica.

Silva não gosta de trabalhar com cores fortes. A preferência é por tonalidades claras e materiais naturais, como água, madeira, metal, fogo, palha e revestimentos cimentícios. A presença de paisagismo e da aromatização também é considerada nos projetos. Para a arquiteta, as velas aromáticas e plantas são indispensáveis no tipo de ambiente. Uma forma de valorizar o spa é instalar um deck de madeira, que além da função estética, é apropriado para ambientes molhados. “Geralmente os decks de madeira são utilizados em ambientes externos e molhados, por ser ideal para a questão da umidade”, explica Elton Silva Pinto, gerente da Dupará, especializada em pisos de madeira, ao dizer que o deck também se adapta bem a ambientes internos com banheiras. Para quem quiser investir ainda mais no spa, a opção é instalar sauna, cadeira de massagem e até seguir o exemplo de Silvia, que criou o spa-fitness, com aparelhos e equipamentos para exercícios físicos. Se a opção é pelo spa econômico, a dica de Silvia é saber compor materiais, iluminação e vegetação. “Você consegue um resultado legal com materiais prontos. Banheira de fibra ou ofurô são mais baratos”, recomenda.

38


Dezembro/2012 - Janeiro/2013

Reforma planejamento evita desperdícios A

Além de um projeto feito por um especialista, o ssim como a construção, a reforma do imóvel, contratante também evita problemas com a equipe, tarefa comum no início do ano, também exige normalmente indicada pelo arquiteto. planejamento. Além de problemas estruturais que podem ser evitados com projetos feitos aleatoriamente, Custo-benefício - Para a arquiteta Renata fazer o projeto das intervenções que serão realizadas Giannelli Bertoni, a contratação de equipes chefiadas também colabora para a otimização dos recursos por profissionais cresceu em razão do disponíveis à obra e contratação de custo-benefício oferecido pela aposta. “A profissionais qualificados. “O planejamento evita gastos Contratação de contratação de um arquiteto não sai tão cara quanto muitos imaginam e previne desnecessários, pois há tempo útil para profissional problemas que encarecer a obra”, diz. elaborar uma planilha de custos que caiba para coordenar Desde 2007, a procura para Renata dentro do orçamento, para comparar preços dos materiais que serão utilizados e pesquisar tudo minimiza cresceu cerca de 70% e na sua avaliação o histórico dos pedreiros”, afirma a arquiteta eventual dor de um profissional sai em torno de R$ 30 a R$ 70 por metro quadrado. “Além de Natalia Pin. A profissional diz que a maior cabeça todo o projeto ser feito por um perito, o parte dos problemas acontece durante os contratante também evita problemas com trabalhos, não há como prever que um cano a mão de obra”, diz. esteja danificado, por exemplo. “Mas, Renata também atribui a busca pela ampliação do cuidados podem ser tomados para que isso não aconteça, espaço como um dos fatores que mais incentivam o com a análise do espaço disponível e dos materiais mais consumidor a planejar a reforma. “A maior parte dos adequados”, completa. apartamentos de hoje não possui uma área muito De acordo com Natalia, a contratação de grande e isso faz com que busquem aproveitar melhor profissionais que possam organizar e coordenar a o espaço. O trabalho de um arquiteto envolve reforma, como engenheiros e arquitetos, também é diretamente esta questão”, define. importante para o andamento das intervenções. 39



Revista Ideias _ dezembro 2012