Page 5

REPÚBLICA JAHUENSE

Jaú, 07 de Junho de 2014

05

Formigão faz trabalho de formiguinha

Ronaldo Formigão anuncia a inclusão do projeto na Lei Estadual do Incentivo ao Desporto O vereador Ronaldo Formigão (DEM) realiza um trabalho de formiguinha com crianças e adolescentes através do Projeto Informatibola, que agora foi reconhecido pelo Governo do Estado de São Paulo. O Projeto Informatibola é um serviço voluntário de proteção social básica e tem como missão contribuir para a educação das crianças e adolescentes dos bairros onde o mesmo atua, buscando desenvolver ações que vão ao encontro direto do aumento do nível cultural e social das crianças e adolescentes que participam do projeto, através da informática e das atividades de esporte educacional. Há 15 dias, em solenidade no Palácio dos Bandeirantes, Geraldo Alckmin entregou certificado que autoriza o Informatibola captar recursos de até 3% do ICMS - Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços – das empresas de Jaú, que podem abater 100% do valor doado ao projeto. No final de 2013, Ronaldo Formigão inscreveu o Projeto Informatibola da Associação de Moradores e Amigos do Jardim Pedro Ometto na lei Estadual do Incentivo do Desporto. Este projeto específico é para um centro de treinamento de futebol no Pedro Ometto, um de futsal no Nova Jaú e outro futsal no Orlando Ometto e é para atender 180 crianças, 60 em cada bairro.

A Lei Estadual do Incentivo ao Desporto é um dos programas da Secretaria do Esporte, Lazer e Juventude (SELJ) do Estado de São Paulo e possibilita as empresas, prefeituras, instituições, associações de todo o Estado apoiar projetos esportivos elaborados pela sociedade civil organizada, por meio de patrocínio ou doação financeira provenientes da renúncia de ICMS por parte do Estado. Ou seja, o Estado abre mão de parte de sua arrecadação do imposto para que as Pessoas Jurídicas possam investir diretamente esses recursos em projetos esportivos como o Informatibola, aprovado pela SELJ. A Associação de Moradores do Pedro Ometto foi fundada em 2001 pelo vereador Ronaldo Formigão, com atividades de esportes. Projeto Informatibola teve inicio em 2006, onde juntou atividades de esportes e informática. De acordo com o release, o projeto é desenvolvido em 7 bairros periféricos da cidade e atende aproximadamente 700 crianças/ adolescentes. Do Informatibola saiu o jogador Auro Alvarez da Cruz Júnior, que hoje atua no São Paulo F.C. No ano passado ele disputou a Copa do Mundo Sub-2; no mês de abril, Auro foi convocado para disputar as olimpíadas de 2016. Vinícius Ferreira, que joga no Atlético do Paraná

e é atacante da seleção brasileira Sub-15 também saiu do projeto. “Mas o foco é formar cidadãos, fazer com que a criança tenha um bom rendimento na escola e depois nos treinos, ser um bom filho e no futuro um bom profissional. Se for jogador, como alguns poucos são, a gente fica muito feliz. Mas o foco é formar pessoas, é impedir que essas crianças caiam no uso das drogas, no tráfico, porque a gente sabe o quanto sofre uma criança, uma família, vizinhos, uma comunidade inteira quando uma dessas crianças se perde do bom caminho”, explica Formigão. COMO PATROCINAR Para uma empresa poder usufruir como patrocinador, ela deve fazer o seu credenciamento no site da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (SEFAZ). No início do mês seguinte ao do pedido, a SEFAZ verifica se a empresa cumpre os requisitos estabelecidos pela legislação, habilitando-a no sistema. A empresa pode escriturar 100% do valor investido nos projetos como crédito do ICMS referente àquele mês. Ou seja, no caso de investir 3% do valor do ICMS tributado em determinado mês no Informatibola, a empresa terá que pagar apenas os 97% restantes para a Fazenda referente ao mês em questão.

FORMIGÃO NA TORCIDA Formigão fica emocionado quando fala que do projeto saiu Auro Alvarez da Cruz Júnior, o jogador do São Paulo e da Seleção Brasileira Sub-20. “O menino começou no Informatibola com 6 anos, quando ele completou 14 anos foi para o Centro de Treinamento de Cotia do São Paulo Futebol Clube (SPFC) e no ano passado disputou a Copa do Mundo pela sub-20”. Auro diz, no site oficial do SPFC, que desde pequeno gostava mais da bola do que qualquer o outro brinquedo; o dia inteiro ele só queria brincar de futebol. “De manhã, tarde e de noite era sempre a mesma coisa. E foi assim que cheguei ao São Paulo. Quando eu vi, já fazia parte das equipes de base”. O projeto é dar oportunidades a essas crianças, temos contato com o São Paulo, Santos e Atlético paranaense, se houver interesse deles, os pais levam e se der certos, parabéns Formigão, que é policial militar reformado, conhece de perto as mazelas da vida e acha que o esporte pode tirar a criança do mau caminho. “Acredito, comprovadamente, que o esporte, não só o futebol, todas as modalidades do esporte, ocupa o tempo da criança; ela vai estar com o seu tempo ocupado, praticando esporte, o esporte traz boa saúde, ensina a criança a ter disciplina, ensina a respeitar o colega, traz cultura, lazer, cidadania”. As crianças para participarem do projeto têm que estar freqüentando a escola e ter idade entre 7 a 17 anos. “O projeto é dar oportunidades às essas crianças, temos contato com o São Paulo, Santos e Atlético paranaense, se houver interesse deles, os pais levam e se der certos, parabéns”, explica. COPA DO MUNDO Formigão torce para que a Seleção do Brasil tenha sucesso: “É o nosso país, ‘né’?, mas estou um pouco temeroso”. Se a seleção não for campeã, teme pela segurança. “Mesmo que o Brasil vá bem, acho que vai haver manifestações e espero que não ocorra tanta violência. Mas Jaú é uma cidade pacífica, não vai entrar nessa onda de protestos”. Para ele a Copa está estranha, está parada. “Estou sentindo que o povo brasileiro, quando anunciou a Copa do Mundo ficou feliz, só que depois vieram as construções dos estádios da Copa, onde a forma como foram construídas, fazendo um custo e depois fazendo aditamentos volumosos, monstruosos, esses aditamentos trouxeram uma desconfiança muito grande, aí o povo brasileiro começou a sentir falta de investimento em saúde, educação, segurança... O povo sentiu uma falta de investimento em atendimento básico e um gasto exagerado em estádios, foi aí que gerou um descontentamento, uma desconfiança”, finaliza Formigão.

Jornal República Jahuense - Edição 3  
Advertisement