__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

Di s t ri bui çã o Gra t ui ta www. revistarmc.com.br

CIA. DE TEATRO FÁBRICA SÃO PAULO:

A RUA COMO RIBALTA

região m et rop ol it an a d e c am p i n a s / a n o 1 5 / n o 1 4

RMC R e v i s t a

Dis tribui çã o Gra t ui ta www. revistarmc.com.br


Somos uma empresa especializada em patês. Trabalhamos com uma ampla variedade de sabores, produzidos artesanalmente, com ingredientes de alta qualidade. Preparamos um cardápio sob medida para as suas necessidades.

pitã patês

pitanpates

“Cozinhar é um modo de amar os outros” – Mia Couto 2

revista RMC/1o semestre 2018

revista RMC/1o semestre 2018

1


R e v i s t a

RMC

região metropolitana de campinas/ano 15/ no 14 EDITOR EXECUTIVO Renato Leodário

JORNALISTA RESPONSÁVEL Berna Lopes Mtb. 19303/78/88/SP CONSELHO EDITORIAL Achilli Sfizzo Júnior Alessandro Andreo Claudia Garcia Cleber Poli Eduardo Rodrigues Hélio Soares da Silva Luiz Carlos Schlaschta Milton Morila Bonadio Raquel Rojas Ricardo Ribeiro Sérgio Castro Sônia G. Faraco Pires EDITOR DE ARTE & CULTURA Marcos Rizolli REVISÃO Marcelo Felix CONSELHO JURÍDICO Daniel Pinto COMERCIAL Renato Leodário renato@revistacampinas.com.br INTERNET e EDIÇÃO ON-LINE www.revistarmc.com.br cultura@revistacampinas.com.br Facebook: RevistaRMC Twitter: @revistarmc Flickr: RevistaRMC Instagram: @revistarmc YouTube: RevistaRMC DESIGN GRÁFICO Sueli Rojas COLABORADORES Alberto Nasiasene, Alcinéia Barão Martins, Ana Lúcia Freitas Ana Paula Silva, Bárbara Roncada, Cárita Abdal Célia Gonzalez Pinto, Cláudio Bernardo, Cuca Jorge, Darcy Misa Ede Rojas, Edivaldo Gonzalez, Edivaldo Alves Edlene Rodrigues, Elana Garofo, Gabriel Zanardelli Vince Esgalha Isabel Pagano, Jorge Santos, José PBK José Roberto Silva, Karla Ehrenberg, Lais Sansoni Leandro B. Peixoto, Leda Vasconcelos, Loly Demercian Lucy Ribeiro, Marcella Beolchi, Margarete Lopes, Maria Lúcia Ribeiro,Mariana Lapa, Monyca Kühl, Natália Mancio, Paulo Cesar Nascimento, Renata Maccimo, Ricardo Orsi, Rodrigo Lins, Rogério Oliveira, Rogério Parros Cappia, Sônia Maria Rodrigues, Syndi Siqueira, Renato Ferreira da Silva (in Memoriam) e Tatiane Fornari

Os artigos assinados e a publicidade são de inteira responsabilidade de seus respectivos autores e não refletem necessariamente a opinião da revista. Acesso livre pela Internet e, quando impressa, possui 20 mil exemplares e Distribuição Gratuita nas 20 cidades da RMC. Projeto Revista RMC, reconhecido como Produto Cultural por:

Editorial Nesse primeiro semes­

tre de 2018 o Brasil vive a expectativa de mais uma COPA do Mundo na Rússia e das Eleições em outubro, mas tudo ao seu tempo, com certeza teremos ótimos resultados e que sejam para o fortalecimento e crescimento do nosso Brasil. Não deixe de ler nossos destaques nessa edição, a belíssima atuação do pessoal do Teatro nos Parques, levando arte e cultura onde o povo está, o trabalho do Projeto dos Cabelos Mágicos, levando alegria e esperança aos pacientes com câncer em hospitais, usando super-heróis para entregá-los; em Arte, os belíssimos trabalhos de Azeite de Leos em Mur/Muros e na Fotografia Ideias sobre o Caos, na Gastronomia nosso amigo Netto Santos nos mostra um pouco da Campinas DECOR 2018; na Confeitaria o chocolate com suas histórias e sabores, contadas pela confeiteira Clau Garcia; em Meio Ambiente, o relato sobre tubarões ou cações e sua importância para o equilíbrio nos mares; em Saúde mais sobre a tireoide e em Educação, saiba tudo sobre o intercâmbio em Orlando/EUA para meninas. Nossos sonhos precisam de combustível para mantê-los vivos e lutarmos para realizá-los, por isso a Revista RMC sempre divulga trabalhos de pessoas que lutam por esses sonhos e também as que conseguem conquistá-los, não deixe de sonhar, pois o futuro de um grande país passa por eles, e como diria Aristóteles, “A esperança é o sonho do homem acordado.” Vamos manter nossos sonhos ‘acordados’, um grande abraço a todos e boa leitura! Renato Leodário Editor Executivo

revista RMC/1o semestre 2018

3


58

Revista RMC

sumário

3 4 8 10 16 26 44 52 54 58 64 66

Editorial / Expediente Índice Cartas Educação: Orlando só para meninas - intercâmbio e diversão nas férias de julho Meio Ambiente: Tubarões ou cações e sua importância, venha conhecê-los Arte: Azeite de Leos – Mur/Muros Capa: Companhia Fábrica São Paulo Confeitaria: Chocolate, suas histórias e seus sabores Gastronomia: Experiência gastronômica no Campinas DECOR Saúde: Cabelos mágicos entregues por heróis a crianças com câncer Religião/Vida – Desviando das Pedras Frases

44 4

revista RMC/1oo semestre 2018

54


16 10 52

26 revista RMC/1oo semestre 2018

5


RMC

6

revista RMC/1o semestre 2018


FOTO: AZEITE DE LEOS

revista RMC/1o semestre 2018

7


RMC

cartas

E-MAIL’S, TWITTER’S, FACEBOOK’S, INSTAGRAM E MÍDIAS SOCIAIS “Lindo o artigo do pessoal do Circo, lembrei da minha infância, adorei!” – Carlos Galli – Monte Mor “Legal essa da Fórmula E, carros elétricos são o futuro das ruas e das corridas.” Leila Mazza – Indaiatuba “Belíssimas imagens de fotografia que saem na Revista RMC, amei as de Praia & Sampa da Catarina Francia, valeu!” Antônia Melo – Vinhedo “Fotografia é mesmo uma arte, gostei muito do trabalho do Rodrigo Gontijo em Exílios.” Lauro Silva – Santo Antônio de Posse “Excelente trabalho do pessoal do Amá para leite materno, vale sempre a pena lutar pela vida.” Gilberto D. – Campinas

8

revista RMC/1o semestre 2018


CASAGALERIA OFICINA DE ARTE

DesDe 2004 a Casagaleria e ofiCina De arte loly DemerCian Vem se ConsoliDanDo Como um espaço De exibição e proDução De ConteúDo em arte Contemporânea Da CiDaDe, artiCulanDo exposições, projetos

, workshop,

e programas públiCos enVolVenDo artistas em DiVersos estágios De Carreira e De Diferentes naCionaliDaDes.

Venha nos Visitar! De terça a sexta Das 13h às 19h e sábaDos Das 13h às 17h

www.casagaleria.com.br

revista RMC/1o semestre 2018

9


RMC

educação

ORLANDO SÓ PARA

MENINAS:

INTERCÂMBIO E DIVERSÃO NAS FÉRIAS DE JULHO

10

o revista RMC/1o semestre 2018


revista revistaRMC/1 RMC/2ooosemestre semestre2018 2017

11


RMC

educação

PENSANDO NA FESTA DE 15 ANOS? QUE TAL UM PRESENTE DIFERENTE... sonho de toda menina com idade próxima aos 15 anos é viajar e viver momentos inesquecíveis! Imagina nas férias ter a experiência de morar em uma casa nos Estados Unidos com outras garotas e juntas fazer passeios, compras, oficina de maquiagem, aulas de dança e ainda estudar inglês? É um desejo que pode se tornar realidade! Pensando nisso, a IE Intercâmbio oferece o exclusivo programa Orlando

O

12

Teen para a faixa de 12 a 17 anos que acontecerá durante as férias de julho. Um intercâmbio onde o universo das young girls se une às diversas opções da cidade e a oportunidade de melhorar o idioma. Para meninas que completam 15 anos, a viagem é a opção perfeita por entregar uma experiência bem diferente da tradicional festa. A viagem inclui ainda os famosos parques da Disney e Universal Studios, compras nos outlets, atividades nas casas do condomínio The Foun-

revista RMC/1o semestre 2018

tains, como oficinas de maquiagem e dança. Criando assim, laços de amizades entre garotas de diferentes lugares. Além disso, elas serão acompanhadas por guias desde o Brasil garantindo segurança até a volta ao país. Para o especialista em intercâmbio teen Marcelo Melo, esse programa proporciona aprendizados que vão além de estudar inglês. “Mais que do que uma viagem de turismo! Nessa experiência, as meninas se divertem muito. Mas, também precisam res-


peitar horários, ter limites e regras de o inglês junto com as participantes, convivência, tornando a viagem um elas prometem organizar oficinas que aprendizado para a vida”, informou. deixarão as meninas mais amigas durante e até depois da viagem. Youtubers confirmadas “Nós estamos com uma ótima expectativa para esse programa. Temos Famosas por seus vídeos espon- certeza que as meninas que fizerem tâneos e cheios de carisma no you- esse intercâmbio com a gente vão tube, as irmãs do canal Beleza Teen, amar porque teremos muitas coisas Nathany e Mariany são presenças para fazer. Serão dias de muita diconfirmadas nessa edição de versão, muito inglês e, claro...muita 2018. A dupla acumula mais de história para contar sobre viver os 15 3 milhões de inscritos na plataforma anos de uma forma inesquecível!”, digital e o sucesso de views se dá por disseram ansiosas. conta de uma legião de meninas que se identificam com o perfil das irmãs Como funciona? e as seguem nas redes sociais. Ah, vale dizer que as youtubers são O programa Orlando Teen tem experts em maquiagem, moda e dan- como objetivo, a experiência cultural ça. E, nesse intercâmbio marcado para de meninas convivendo entre si em acontecer no segundo semestre desse outro país. Um ambiente favorável ano, em Orlando, além de aprimorar à descobertas pessoais, ao enriquecirevista RMC/1o semestre 2018

13


RMC

educação

mento do idioma de forma dinâmica e ao desenvolvimento dos talentos. O intercâmbio só delas, acontece no período das férias escolares e possui duração de aproximadamente duas semanas de aulas com atividades intensas. A temporada girl regada à atrações turísticas, está marcada para acontecer nos dias 16 a 28 de julho de 2018. Estudar inglês durante as férias

Acesse o site Oficial: www.ie.com.br Redes Sociais IE intercâmbio https://www.facebook.com/IEintercambio https://www.instagram.com/ieintercambio/ https://twitter.com/ieintercambio https://www.youtube.com/user/ieintercambio Mais em: www.rojascomunicacao.com.br

Informações e como participar:

O plano de incluir inglês na programação tem como objetivo auxiliar as meninas em questões do dia a dia nos Estados Unidos, ou seja, melhorar a comunicação quando precisar falar inglês no Shopping, no restaurante, no aeroporto ou conhecer pessoas de outras nacionalidades que não falam português. Não importa se o nível de inglês é básico, intermediário ou avançado, as alunas são separadas em turmas de acordo com o nível de inglês atual e a didática moderna foca em aspectos chamados de “pop culture” que sempre agrega no conhecimento dos brasileiros aprendendo inglês.  

Com guias experientes que acompanham o grupo desde o Brasil, o programa Orlando Teen dá atenção a todos os itens necessários para viagem: passagem aérea, acomodação, alimentação, transporte terrestre, seguro viagem, atividades recreativas, aula de inglês, passeios para os parques e outlets. A acomodação será no The Fountains at Champions Gate, um condomínio de casas que oferece segurança e comodidade em casas modernas. Duração: Duas semanas Pré-requisitos: meninas com idade entre 12 e 17 anos Aulas para todos os níveis de inglês: básico, intermediário ou avançado. O que inclui: Para participar do programa é necessário fazer a inscrição via: lAcomodação em casas de 3 ou 4 IE Intercâmbio. quartos no condomínio The Foun- WhatsApp: (11) 95054-3900. tains Instagram: @ieintercambio lAulas de inglês na escola Harvest School Orlando Sobre a IE intercâmbio lOficinas com as meninas do canal do Youtube Beleza Teen A IE é uma das maiores redes de lTransporte para todas as ativida- intercâmbio cultural do Brasil, com des: escola, parques, restaurantes e agências de norte a sul do país. Esshoppings pecialista em intercâmbio de estudo, lGuia brasileira desde o embarque trabalho ou universidades no exterior 14

revista RMC/1o semestre 2018

é uma das empresas mais reconhecidas e tradicionais do segmento. Para estudar no exterior, fazer high school, viajar nas férias ou ter uma experiência


de trabalho, a IE oferece intercâmbios para todas as idades.

www.ie.com.br revista RMC/1o semestre 2018

15


RMC

Meio Ambiente

TUBARÕES OU CAÇÕES E SUA IMPORTÂNCIA, VENHA CONHECÊ-LOS 16

revista RMC/1o semestre 2018


revista RMC/1o semestre 2018

17


RMC

Meio Ambiente

T

ubarões ou cações, está na hora de conhecer a importância destes predadores do topo da cadeia. Tubarões ou cações: sua importância reside no que diz o título, ‘predadores do topo da cadeia de vida marinha’. Ao acabar com eles, como vem acontecendo por motivos fúteis e mesquinhos, a pesca industrial está contribuindo para um tremendo e definitivo abalo em toda a cadeia de vida dos oceanos. Eliminando os tubarões, a pesca acaba com o que os pescadores mais precisam: abundância de peixes!

do mundo, o tubarão-baleia  com mais de 12 metros.

A importância dos predadores Predadores de topo de cadeia são responsáveis pela manutenção do equilíbrio no ecossistema marinho. Eles se alimentam de peixes e invertebrados que estão menos aptos à sobrevivência, garantindo a saúde dos estoques pesqueiros de todo o mundo. Ainda assim,  por ano são massacrados cem milhões de tubarões ou cações. O principal responsável pelo massacre é a pesca industrial, mas a esportiva, ao menos no Brasil, também tem sua parcela de culpa. Quanto à sobrepesca, nem se fala. Conheça os tubarões ou cações Eles habitam o planeta há mais de 450 milhões de anos. Os tubarões se distribuem em cerca de 470 espécies por todo o mundo (no Brasil são conhecidas 88), variando na sua forma e tamanho. Há os pequenos, como o tubarão-lanterna, o menor do mundo, com 17 centímetros de comprimento, até ao maior peixe

Os “temíveis” dentes Dentes de tubarão são incorporados nas gengivas e não diretamente no maxilar, e são constantemente substituídos ao longo da vida. Diversas linhas de dentes substitutos crescem  na parte interna da mandíbula e progressivamente avançam como em uma “escada rolante”; os tubarões ou cações perdem em média 6.000 dentes por ano e chegam a perder 30.000 durante toda sua vida.”

18

Tubarão ou cação? Tubarões ou cações são o mesmo animal.  Nome dado vulgarmente aos  peixes  de  esqueleto  cartilaginoso  e um corpo  hidrodinâmico.   A cartilagem é flexível e durável e tem cerca de metade da densidade do osso. Isto reduz o peso do esqueleto, poupando energia. “Geralmente não vivem em  água doce, com algumas exceções, como o tubarão-cabeça-chata e o tubarão de água doce que podem viver em ambas.

Expectativa de vida A expectativa   varia de acordo com a espécie. A maioria vive entre 20 e 30 anos. Algumas espécies, no entanto, como o cação espinhoso, ou o tubarão-baleia, podem viver mais de 100 anos. As barbatanas dos tubarões “A maioria dos tubarões ou cações têm oito barbatanas. Tubarões só podem desviar-se de objetos

revista RMC/1o semestre 2018


Barreira de coral Mesoamericana

Morto em Pernambuco (Foto:www.notibras.com)

revista RMC/2 RMC/1o semestre 2017 2018

19


RMC

Meio Ambiente

diretamente à sua frente ficando à deriva, porque suas barbatanas não permitem que nadem para trás.” E elas hoje são seus piores inimigos. Mais de cem milhões são mortos todos os anos, grande parte deles têm suas barbatanas arrancadas e são devolvidos ao mar para morrerem lentamente. As barbatanas tornaram-se sinal de status em países asiáticos. Com elas são feitas insípidas sopas (já que se tratam de cartilagem). O Brasil, infelizmente, participa deste massacre. Flutuabilidade “Ao contrário dos peixes ósseos, os tubarões ou cações não têm bexigas cheias de gás para a flutuabilidade. Eles dependem de um fígado grande, cheio de óleo que contém esqualeno,  um composto orgânico  produzido por todos os organismos superiores. Seu fígado constitui até 30% da sua massa corporal.” Visão, olfato e audição “Cientistas acreditam que, como muitos outros peixes,  os tubarões são  míopes.  Sua  visão é adaptada apenas para distâncias entre 2 e 3 metros, embora possa ser utilizada para distâncias de até 30 m  com menor grau de definição.” O olfato é, de longe, sua melhor arma. “Ele é extremamente apurado, permitindo-lhes identificar substâncias bastante diluídas na água, como concentrações de sangue, e outros líquidos também,  abaixo de uma parte por milhão, o que equivale a perceberem uma gota de sangue a 300 m de distância em pleno oceano.” 20

O seu ouvido interno, responsável pelo equilíbrio e detecção das vibrações de baixa frequência, situa-se próximo ao olho. Eles têm grande sensibilidade às vibrações. O tubarão ‘percebe’ o som de um peixe se debatendo a uma distância de 250 a 1500 m. Em conjunto com o olfato, esta sensibilidade às vibrações é o primeiro mecanismo utilizado na detecção de potencial alimentação. Reprodução O  tempo de gestação  é longo, podendo atingir os dois anos. E isso é outro sério problema com a matança que ocorre hoje.  Não há tempo suficiente para substituí-los. O número de crias, varia bastante podendo ir de 1 (tubarão  tigre da areia) a cerca de 300 (tubarão-baleia). O site   sharks-world. com diz que “aspectos gerais de sua reprodução são  crescimento lento e maturidade sexual tardia, ciclos reprodutivos muito longos, baixa fertilidade. Tubarões ou cações são agressivos, mito ou realidade? O grande  tubarão-branco, que chega a medir até 5,5 metros, ‘foi alçado à fama’ mundial como assassino  na década dos anos 70 com o filme “Tubarão”, de Steven Spielberg. Um desserviço prestado pelo cineasta; encheu seus bolsos de dólares, e sua reputação foi às alturas. Mas depois do filme os tubarões passaram a ser vistos como ‘inimigos a serem abatidos’, o que é um absurdo. Sobre ser um animal “agressivo”, leia o que disse o Dr. Erich K. Ritter, Senior Scien-

revista RMC/1o semestre 2018

Tubarão tigre (Foto: Daniel Botelho)


O tubarĂŁo- lanterna se alimenta de pequenos seres vivos que, por sua vez, se alimentam de microorganismos. (Foto: http://topbiologia.com/)

barbatana de tubarĂŁo

RMC/1o semestre 2017 2018 revista RMC/2

21


RMC

Meio Ambiente

tist no Green Marine Institute, e Professor Assistente na Hofstra University, New York: Quando seres humanos usam suas emoções para descrever organismos vivos, chamamos de antropomorfismo. Isso pode se estender do lobo “mau” até a raposa “astuta”,   ou a cobra “falsa”. Mas  não significa que o comportamento desses animais corresponda a esses atributos, e sim que os humanos percebem ou interpretam os animais sob essa luz. Um dos melhores exemplos disso é o tubarão “agressivo”.  O tubarão “agressivo” é tão irreal quanto o “adorável” tubarão. Ambos imagens de nossas próprias fantasias. As funções dos tubarões  ou cações no ecossistema marinho O site   sharksavers.org diz que “os tubarões evoluíram em uma interdependência estreita com seu ecossistema. Eles tendem a comer de forma  eficiente, indo atrás do peixe velho, doente ou mais lento em uma população, mantendo-a mais saudável. Os tubarões preparam populações   para o tamanho certo, de modo  que essas espécies não causem danos ao ecossistema tornando-se muito populosas.”  Alguns também buscam no fundo do mar carcaças mortas para se alimentarem.  Removendo os doentes e os fracos, eles impedem a propagação de doenças e previnem surtos que poderiam ser devastadores.    Como os peixes maiores, mais fortes e saudáveis geralmente se reproduzem em maior número, 22

o resultado é um número maior de peixes saudáveis. O ecossistema oceânico é composto de teias alimentares muito intrincadas. Os tubarões estão no topo dessas teias e são considerados pelos cientistas como “pedras-chave”, o que significa que removê-los faz com que toda a estrutura entre em colapso. Tubarões mantêm habitats saudáveis Tubarões mantêm leitos de gramas marinhas e outros habitats  saudáveis. Através da intimidação, os tubarões regulam o comportamento das espécies e impedem-nas de destruir habitats.  Cientistas do Havaí descobriram que os tubarões-tigre tiveram impacto positivo na saúde dos leitos de gramas marinhas.  As tartarugas, que são suas presas, pastam na grama do mar. Na ausência de  tubarões-tigre, as tartarugas passavam todo o tempo procurando a grama marinha de melhor qualidade e mais nutritiva. Esses habitats logo foram destruídos. Quando os tubarões-tigre estão na área, no entanto, as tartarugas pastam sobre uma área mais ampla e não sobrepujam toda uma região. Onde os tubarões são eliminados, o ecossistema marinho perde o equilíbrio. A excessiva pesca de tubarões ou cações já está causando sérios problemas ao mais importante ecossistema marinho, os corais. Tubarões podem desaparecer nas próximas décadas Quase 40% de todas as espécies de tubarão estão ameaçadas de extinção.  Estes animais, que sobreviveram por 450 milhões de

revista RMC/1o semestre 2018


revista RMC/1o semestre 2018

23


RMC

Meio Ambiente

anos, podem desaparecer em breve, mesmo que algumas espécies hoje sejam estudadas para curar doenças como a osteoporose por exemplo. A crescente demanda por sopa de barbatana aumentou de tal forma o abate  que o perigo se avizinha.

24

Muitas espécies estão em vias de extinção. É este o futuro que queremos deixar para as próximas gerações? Já está provado que estes animais valem mais vivos que mortos. Por isso ambientalistas lutam pela

revista RMC/1o semestre 2018

criação de s antuários de tubarões no Brasil, e no mundo. Por sua importância os tubarões são monitorados com satélites.

Mais em: Mar Sem Fim www.marsemfim.com.br


Por falar em fantasia, este ĂŠ o rarĂ­ssimo tubarĂŁo fantasma (foto:Foto: Azula)

revista RMC/1o semestre 2018

25


RMC

arte

AZEITE DE LEOS

MUR/MUROS É

que no século passado, circular com o ateliê nas costas e observar a cidade, o movimento, o tempo, os lugares, tal como um andarilho, era comum. Assim o fizeram Baudelaire e tantos outros no início do modernismo. Como salienta o artista plástico e educador Joe Fusaro, os trabalhos de arte contemporânea apresentam combinações dinâmicas de materiais, métodos, conceitos e assuntos que desafiam concepções tradicionais e definições simplistas. Muitos artistas da atualidade enfatizam as possibilidades de expressão das diversas linguagens artísticas para além do compromisso com técnicas consagradas pela história da arte. 26

revista RMC/1o semestre 2018


revista RMC/1o semestre 2018

27


RMC

arte

DE LEOS é artista e educador, professor do ensino médio e fundamental. Em razão disso, ele necessita de um olhar que transcenda o seu tempo, mas que, ao mesmo tempo, o mantenha sempre conectado ao presente. Fazer educação como quem faz arte implica a disponibilidade de experimentar as próprias ações desenvolvidas em escolas, centros culturais e exposições: a consciência de que é preciso deixar de utilizar obras de arte apenas para ilustrar temas e conceitos, desenvolvendo-se uma postura ativa de pesquisa em relação aos processos artísticos e seus desdobramentos. Em seus novos trabalhos que ora apresenta na Casagaleria e Oficina de Arte, DE LEOS, pensando nas constantes transformações e transitoriedade da urbe – e como essas transformações estão associadas às mudanças das relações entre as pessoas e o meio –realiza um estudo acerca dos resíduos urbanos, que simbolizam, na sua visão, as marcas da passagem do tempo e das transformações urbanas que acontecem cada vez mais rápido e de maneira desordenada. Por essa razão, no contexto das relações das pessoas com a dialética das reconfigurações do espaço urbano e suas memórias, as rachaduras em muros, as manchas nas fachadas das edificações, os desgastes nas calçadas e os fragmentos de construções podem, segundo o artista, ser utilizados como forma de questionar as possibilidades de permanência e reorganização. Esse é o sentido de MUR/MU28

revista RMC/1o semestre 2018


revista RMC/1o semestre 2018

29


RMC

arte

ROS, expressão que, contraída, gera o duplo sentido (murmuros), indicando as barreiras (muros) que dividem etnias, territórios, religiões, súplicas etc. O acaso está presente em seu processo, com materiais específicos, vindos de uma leitura dos gravuristas. A monotipia dirige seu olhar para a prática cotidiana, na qual impõe-se encarar e dominar a realidade. DE LEOS está na categoria do agir. A rigor, ele nunca sabe o que vai acontecer quando procede a descamação da parede. É nesse agir que a intencionalidade do artista se

30

torna independente, porque resulta ações construtivas. O acaso é apenas um dos seus elementos técnicos: ele desenvolve ainda a pesquisa das oxidações. Tal como nas gravuras em metal, as oxidações acontecem e o artista delas se apropria com muita maestria, encorporando-as em suas obras juntamente com vários tons do betume. Além disso, utiliza-se da cola que dá volume e faz emergir desenhos. Por desenvolver experimentos de natureza híbrida, o artista ainda se dedica à fotografia e ao video como dispositivos para sua ações. Apesar

revista RMC/1o semestre 2018

da utilização de superfície tradicional (a tela e o papel), as gravações são únicas, sem cópias. As tensões nos processos realizados por DE LEOS estabelecem ideias sobre o caos com deslocamentos de textura das paredes, estruturas dinâmicas em tons de betume e diferentes oxidações. Trata-se de um trabalho em transformação, um autêntico gesto inacabado. Roseli Demercian é curadora da Casagaleria Oficina de arte Loly Demercian


revista RMC/1o semestre 2018

31

Registro de tela finalizada. Pintura, inscrição, monotipia, ponta seca, cola, seledora, betume, casca de muros e galho sobre tela


RMC

arte

AZEITE DE LEOS fez graduação e licenciatura na Faap/SP, desenvolvendo os projetos “Monotipias - Processo Criativo” (gravuras) e “Eu no Desenho”. Ingressou no pós-graduação estrito sensu na Faculdade Santa Marcelina, apresentando a dissertação mestrado com o tema “Narrativas Cotidianas”. Pela FAAP foi selecionado para integrar uma residência artística “Cité Internacionale des Arts Paris”. Desde então, talvez por influência dos ares parisienses, passou a ser um andarilho das artes. azeitedeleos@gmail.com https://www.lolydemercian.com.br 32

revista RMC/1o semestre 2018


Monotipia sobre ampliação fotográfica impressa sobre papel desenho, inscrição, monotipia, impressão, incisão, ponta seca sobre papel

revista RMC/1o semestre 2018

33


RMC

fotografia

34

revista RMC/1o semestre 2018


AZEITE DE LEOS

IDEIAS

SOBRE

O CAOS revista RMC/1o semestre 2018

35


RMC RMC

fotografia a rte azeite de leos

ideias sobre o caos

36

revista RMC/1o semestre 2018


revista RMC/1o semestre 2018

37


RMC RMC

fotografia a rte azeite de leos

ideias sobre o caos

38 38

revista RMC/1oo semestre 2018 revista RMC/1 semestre 2018


revista RMC/1oo semestre 2018 revista RMC/1 semestre 2018

39 39


RMC

fotografia a rte

azeite de leos

ideias sobre o caos

40

revista RMC/1o semestre 2018


revista RMC/1o semestre 2018

41


RMC

fotografia a rte

azeite de leos

ideias sobre o caos

42

revista RMC/1o semestre 2018


revista RMC/1o semestre 2018

43


RMC RMC

c ca a p a p a

fรกbr

44 44

revista RMC/1o semestre 2018 revista RMC/1o semestre 2018


companhia

rica sĂŁo paulo

revista RMC/1o semestre 2018 revista RMC/1o semestre 2018

45 45


RMC

c a p a

A

Cia. Fábrica São Paulo nos anos iniciais de sua fundação em 1983, manteve sua sede de trabalho num antigo edifício no bairro da Penha – o Cine São Geraldo. Os primeiros espetáculos ocupavam construções arquitetônicas não comumente utilizadas pelas artes cênicas que mais tarde passou a ser conhecido como “teatro em espaços não-convencionais”. EPISTEMOLOGIA DO MEDO, EBENEZER, EM PRETO E BRANCO, EXPRESSO EXPRESSÃO e PAULA são os espetáculos desse período. A partir de 1990, produz espetáculos em formato de arena, apresentados em praças e espaços alternativos, atingindo uma média de 200 apresentações e 35 mil pessoas por ano. Entre eles, O ARQUITETO E O IMPERADOR DA ASSÍRIA de Fernando Arrabal e EM ALTO MAR de Slawomir Mrozec. No fim da década de 90, volta seu trabalho para o palco italiano e convida o inglês Robert McCrea para a direção de dois projetos: a estreia de A FALECIDA de Nelson Rodrigues no Festival de Cantebury, Inglaterra, e a montagem de MACBETH de Shakespeare, que reuniu mais de 60 estagiários nas diversas áreas da encenação. Em fevereiro de 2004, a Cia. Fábrica inaugura o TEATRO FÁBRICA, após ter sido contemplada pela primeira vez pelo Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo. No mesmo ano, estreia PEQUENOS BURGUESES, de Máximo Gorki. A partir daí, o grupo investe numa pesquisa que busca sistematizar a constituição do ator a partir de sua memória pessoal e historicidade, resultando na produção dos espetáculos GÊNERO HUMANO e ENSAIO PARA UM ESPETÁCULO. Em 2009, após ser contemplado pela quarta vez pelo Programa Municipal 46

revista RMC/1o semestre 2018


PAULA revista RMC/1o semestre 2018

47


RMC

c a p a

de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, estreia O OUTRO PÉ DA SEREIA e publica o livro MEMÓRIAS DE OUTRO MAR – PESQUISA ARTÍSTICA DA CIA. FÁBRICA SÃO PAULO. Atualmente, circula com o espetáculo ANTÍGONAS, Prêmio Zé Renato de Teatro da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, após encerrar as apresentações de A CONFECÇÃO DA QUEDA, contemplado pelo Prêmio Pró-Cultura de Teatro do Ministério da Cultura. www.ciafabricasaopaulo.com @ciafabricasp

O ARQUITETO E O

A FALECIDA 48

revista RMC/1o semestre 2018


O IMPERADOR DA ASSIRIA

revista RMC/1o semestre 2018

49


RMC

c a p a

MACBETH

50

revista RMC/1o semestre 2018


ANTĂ?GONA revista RMC/1o semestre 2018

51


RMC

confeitaria

CHOCOLATE, SUAS HISTÓRIAS E SEUS SABORES 52

revista RMC/1o semestre 2018


O

chocolate que hoje se tornou mania no mundo todo e ė para muita gente quase que um vicío tem uma história longa e bem misteriosa por trás. Como todos já sabemos o chocolate  é derivado do cacau que é uma planta nativa de uma região que vai do México, passando pela América Central até a região tropical da América do Sul. Os primeiros vestígios da descoberta do chocolate são de 1.500 a.C. e vêm da civilização Olmeca que habitava o México na época. Posteriormente, foi aproveitado pelos  Maias. O cacau  era cultivado e com suas sementes era feita uma bebida considerada sagrada, ela era amarga e geralmente temperada com  baunilha  e  pimenta, nas cerimônias religiosas, o cacau torrado era servido com especiarias e mel. Depois do domínio Espanhol sobre os Maias, o cacau foi introduzido em toda a Europa. Inicialmente somente mulheres, nobres e sacerdotes podiam consumir a novidade que era

usada em cultos da Igreja Católica. Descubram novos sabores com o Hoje o nosso país é o maior pro- chocolate nessa receita deliciosa de dutor de cacau da América Latina, Brownie sem Glúten. nossas terras tem o ambiente ideal Beijos doces! para seu cultivo. Receita: 460g barra chocolate 1/2 amargo 90g óleo de coco 8 ovos 290g açúcar mascavo 190g farinha de arroz 12g de fermento em pó 50g cacau em pó 60g de grão de chia Pré aqueça o forno a 150C 1. Bater os ovos com o açúcar até ficar um creme claro e fofo  2. Derreter o chocolate amargo com o óleo de coco 3. Misturar todos os secos 4. Qdo a mistura de ovos com açúcar estiver  clara e fofa acrescentar o chocolate derretido e continuar batendo 5. Parar a batedeira e na mão misturar os secos delicadamente  6.Untar uma forma retangular com manteiga e forrar com papel manteiga 7. Despejar a massa uniformemente na forma 8. Assar por aproximadamente 25 minutos tem que formar uma casquinha em cima e não pode sair firme do forno como bolo formou a casquinha pode tirar do forno

FONTE: Confeiteira Clau Garcia Instagram: @claucgr e-mail: cgrclau@yahoo.com.br

revista RMC/1o semestre 2018

53


RMC

gastronomia

E X PE RIÊNCIA G A S TR ONÔM IC A N O C AMPINAS

DEC O R

54

revista RMC/1o semestre 2018

N

ão tem jeito! Pra onde vamos, a gastronomia sempre nos acompanhará, sempre! Seja na feirinha do bairro do final de semana, e até mesmo em lugares remotos, sim, ela sempre estará lá! Uma vez me perguntaram se a gastronomia faz parte das necessidades do homem ou se ela existia no mundo e o homem foi lá a transformou. As duas situações são bem óbvias. O homem desde os primórdios teve


a necessidade de se alimentar e a gastronomia mesmo que de forma bastante rústica existia e existe, agora com mais técnica, sabores e com a assinatura do homem que se tornou chef, ou na maioria das vezes não com uma assinatura, mas com a sabedoria de um povo ou cultura. Seja na roça ou numa selva de pedras, ou no maior evento de arquitetura, decoração e paisagismo do interior paulista, lá está ela, sendo coadjuvante em meio a tanta beleza esculpida a cada canto da mostra. Eu diria que não apenas coadjuvante, mas com um papel principal talvez, mesmo porque tinha um espaço, o qual me refiro, o restaurante. Espaço idealizado pelos arquitetos Elton Casarin e Patricia Bonadia.

Ambos proporcionaram um espaço com o objetivo de surpreender quem o visitava, disponibilizando aos visitantes pontos peculiares e instigantes ao mesmo tempo. Ao entrar no espaço, logo me deparei com uma mesa comunitária, o que me chamou bastante atenção. No lado oposto avistei um lounge e ao lado deste, umas mesas solitárias, mas aconchegante. E mais a frente uma mesa para uma refeição mais formal sob um deslumbrante lustre. O conceito do projeto é levar aos que desfrutam do espaço a novas experiências sensoriais no que diz respeito a cada canto do local, experiências essas como conviver, sentir e saborear, destacam Elton e Patricia.

E acrescento ainda, experiências que não costumamos ver em restaurantes convencionais. A Campinas Decor é a maior mostra de arquitetura e paisagismo do interior de São Paulo e está em sua 23º edição. Esta aconteceu na fazenda Argentina em Campinas, com 50 ambientes internos e externos preparados por renomados profissionais da cidade e região. Fiquei no espaço 35 onde se localizava o restaurante por aproximadamente quatro horas, tempo suficiente para esquematizar ideias, observar a movimentação e funcionalidade. E claro, saborear a requintada gastronomia da banqueteira Claudia Porteiro, que estava no espaço oferecendo aos visitantes revista RMC/1o semestre 2018

55


RMC

gastronomia

um menu clássico contemporâneo. Fui logo ao assunto, com direito a entrada, prato principal e sobremesa. A entrada foi uma salada verde nobre, assim como a intitulam, com endívias, alface, roquefort e nozes caramelizadas e um molho de caramelo balsâmico. Não sei se era para impressionar, mas a salada por si só, pela quantidade que era bastante e já servia como uma refeição. Eu diria exagerada demais! Para o prato principal, escolhi medalhão de filé mignon com brie, mandioquinha chips com molho de ervas e dijon, com um acompanhamento que pra mim é um dos melhores, risoto de aspargos. O que dizer desse prato? Do prato nada. Sabor inigualável, carne ao ponto, o risoto, ah o risoto que estava dos deuses! (Talvez ainda melhor que a proteína do prato). E a crocância da mandioquinha dava um toque especial ao prato. Se tivesse algo pra reclamar seria

do tempo que foram quase 60 minutos até a chegada do prato. Se fosse em um restaurante convencional, teria reclamação com certeza. Entre o prato principal e a sobremesa, conversei com o chef designado pela Claudia. Notava-se a satisfação do mesmo em trabalhar para uma empresa de nome na região. A satisfação era visível em seus depoimentos. Pedi uma breve explicação de como preparou o prato principal e a medida que falava, via-se o prazer e a certeza de que essa era a profissão certa o qual escolheu. Vamos de sobremesa?! -Traz pra mim o clássico, por favor garçom! Traz o clássico pequeno bolo. Não sabe o que é isso? Sim, todo mundo sabe o que é um bolo pequeno, mas esse pequeno bolo vem lá da França, que não é francês como muitos acham que é. Na verdade,

ainda é desconhecida a origem da sua dominação nas américas, mas acredita-se que este tenha se popularizado entre os note-americanos. Mas o que importa agora de onde veio não é? Já sabe o que pedi? Sim! Pedi o clássico petit gateau, aqui pelo menos o nome tem origem francesa. Apesar de ser uma das sobremesas mais populares do país, me surpreendeu sua apresentação. O simples fato de disponibilizar a calda de frutas vermelhas que por sinal estava ótima em um recipiente a parte, deu um toque único ao modo de servir. Experiências gastronômicas nos levam a lugares onde jamais imaginamos que existe uma gastronomia, seja ela de rua, de restaurante ou de um evento. Em todos os casos, afirmo com toda convicção que o homem é movido a um combustível chamado comida, esta que por sua vez se destaca pelo fato de ser escolhida por todos, a todo momento, em todo lugar. E sim, ela não é coadjuvante e sim a peça principal.

Netto Santos da Johny & Netto Assessoria em Eventos Crédito das fotos Leandro Fachi

56

revista RMC/1o semestre 2018


revista RMC/1o semestre 2018

57


RMC

saúde

CABELOS MÁGICOS

ENTREGUES POR HER A CRIANÇAS COM CÂNCER

Projeto Era Uma Vez Cabelos Mágicos leva esperança aos hospitais

rianças com câncer e suas famílias enfrentam uma batalha difícil contra a doença. Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) revelam que aproximadamente 12 mil crianças e adolescentes são diagnosticados com câncer anualmente no Brasil. Pensando em amenizar a dor e levar alegria para crianças e adolescentes, o projeto Era Uma Vez Cabelos Mágicos produz e entrega toucas de lã nos hospitais. Os super-heróis Batman, Bela, Elsa, Cinderela, Homem-Aranha,

C

58

Mulher Maravilha, entre outros 115 voluntários já entregaram 330 cabelos mágicos. Foram mais de 2.100 horas doadas e 96.000 metros de lã utilizados. A Era Uma Vez Cabelos Mágicos é uma organização sem fins lucrativos, com a missão de levar esperança e momentos de descontração e alegria para crianças com câncer. A idealizadora do projeto, Thaís Casasola, se inspirou em um trabalho semelhante realizado no Alasca. Todas as ações são fruto de doação, sem nenhum fim lucrati-

revista RMC/1o semestre 2018


RĂ“IS

revista RMC/1o semestre 2018

59


RMC

saúde

vo. Toda ajuda é bem-vinda, seja seu tempo, lã ou contribuição em dinheiro. Não é necessário saber costurar para ajudar. Todos são voluntários e as toucas que se transformam em perucas de lã são produzidas no formato dos cabelos de princesas e heróis. Nos encontros semanais, os voluntários produzem e entregam as perucas nos hospitais. Os pequenos passam muito tempo no hospital, realizando exames e tratamentos desconfortáveis. Eles são os verdadeiros heróis. Nossas perucas são apenas um toque de magia em suas rotinas de batalhas. PRÓXIMOS EVENTOS: 28/04 - Faremos a oficina de crochê do nosso Era uma vez Cabelos Mágicos no Parque Salvador Arena em São Bernardo (Avenida Caminho do Mar, 2980), entre 10h e 13h. Teremos cerca de 100 voluntárias, um violinista e a turma dos Heróis do Bem vestida como personagens. 04/05 - Heróis do Bem levarão toucas do projeto para crianças do Hospital do Câncer de Barretos unidade Porto Velho - Rondônia   20/05 - Oficina aberta durante evento de aniversário da Rádio Bandnews FM. Teremos nossos voluntários fazendo toucas e exibindo o projeto durante o evento. Local ainda não definido. Será um domingo, entre 14h30 e 16h00.

60

revista RMC/1o semestre 2018

Imagens: Divulgação Mais em: www.cabelosmagicos.org


revista RMC/1o semestre 2018

61


ra tu u iç ã o G . D is tr ibr m c . c o m ista v e r . www

A Revista RMC

(Região Metropolitana de Campinas): é uma publicação cultural aprovada

Ministério da Cultura (MinC) e pela Secretaria Estadual da Cultura de São Paulo (SEC), que busca difundir com ênfase a Arte e a Cultura

E TE CIA. D AS FÁBRIC C

A RUA

pelo

em forma de artigos e informações para os habitantes da

RMC e também fora dela, através do acesso livre pelo site

r e g iã

R

om

R

ANUNC www.revistarmc.com.br

62

revista RMC/1o semestre 2018


u it a .br

EATRO ULO: A SÃO P RIBALTA

COMO

no 1 4 o 15/

t a s i e v a s /a n

C M R

metro

in camp na de p o li t a

ra tu it ar u iç ã o G .b D is tr ibr m c . c o m a t s i v . re w w w

Renato Leodário – Produtor Cultural

renato@revistacampinas.com.br e/ou renatoleodario@terra.com.br revista RMC/1o semestre 2018

63


RMC

religião/vida

ESPERANÇA E MEDO

al qual uma obra de arte pintada em tela com tinta e pincel, assim vem se compondo nestes últimos meses (ou para os mais entendidos, nestes últimos anos, ...décadas, etc), um retrato de nossa sociedade brasileira em meio a paisagem de fundo de mais uma eleição presidencial. É inevitável, até para os menos aptos em inter-

T

64

pretações artísticas, não se perceber o tom dramático e intenso ao qual se retrata a imagem do nosso povo por ocasião deste evento tão marcante para a sociedade. Observando a esta obra, percebe-se que a matiz desta nova eleição traz acentuadamente certas cores: agressividade verbal e física, polarização, mentiras, ignorância, desprezo... Em meio a tais cores, para os mais aptos nesta arte,

revista RMC/1o semestre 2018

ainda é possível perceber traços de amargura, de ira e de orgulho, que por meio de nuances, contrastes e bases, realçam e conectam todas as cores dando n ­ almente forma à Esperança e ao Medo. O Medo traçado em cores de agressividade e ignorância descreve com nitidez a tensão das expectativas e a incontingência de sentimentos desordenados revelando um coração inquieto de


muitos. A expectativa latente de muitos corações é retratada em cenas de con‑itos verbais com traços fortes de polarização evidenciando forças antagônicas, ora pela continuação e aprofundamento de movimentos ideológicos liberais diversos, ora por uma reversão e mudanças radicais a valores morais e conservadorismo social. Ao analisarmos esta combinação de cores na composição desta cena, pintadas sob um fundo de mentira e nuances de ira e orgulho, c­ a evidente a grande in‑uência nesta obra por parte do fundador deste estilo artístico, o Diabo. Ainda em consonância com o estilo, porém com conotação oposta, surge de entre os traços do Medo, a forma da Esperança, contrastada por traços mais fortes de orgulho e desprezo, mas ainda realçada por um fundo pintado em mentira. Essa combinação de cores utiliza a mesma matiz usada na composição do Medo, porém por meio de técnicas de sutileza e ilusionismo, produz um efeito de forma aparentemente oposto a esse, mas sem alterar as cores de origem. Esta técnica for-

temente utilizada por este estilo requer habilidade e treino do artista e é também conhecida entre os conhecedores de arte como a Arte do Engano (pecado). Assim muito embora possa se perceber o aspecto polarizado desta obra dramática que se constrói ao observarmos as cenas traçadas nesta combinação intensa de cores, em uma observação mais apurada percebe-se a forma primária que permeia toda obra, a Idolatria. Nesse clima de culto idólatra nosso povo tem pintado esta tela de nossa paisagem política de que se chegando ­nalmente às urnas, todos os medos e esperanças se tornarão realidade. Será mesmo? Eu tenho certas perspectivas do que poderá acontecer se um ou outro candidato ganhar e consequentemente algumas vezes despertei na noite tomado de alguma angústia, que logo tive que levá-la aos pés da cruz, aos pés do Deus todo amoroso, poderoso e soberano. Esse medo que acompanha, inclusive os l­hos de Deus nestes dias, precisa ser substituído pela con­ança na soberania de nosso Deus e Pai. Diga não a este medo rmando seu próprio coração na ­ soberania de Deus. Por outro lado, lamento quando vejo a con­ança que se tem em um ou outro candidato. Onde estamos? Estamos por m ­ con­ ando em homens, mesmo depois de tantas decepções com os próprios? Esquecemos do que é formada a essência da natureza humana, a corrupção? Você fez de alguém a esperança da sua vida? Lembre-se que o profeta nos adverte: Maldito

o homem que con­a no homem, faz da carne mortal o seu braço’. Não tema se o seu candidato não ganhar, nem descanse con­ antemente se ele ganhar. Nosso medo deve ser tratado com a certeza da soberania e bondade de Deus. Não con­e em nenhum candidato, mesmo que ele tenha ganhado. Algum bem poderá fazer, mas é Deus quem estabelece a paz e é ele quem julga com justiça, por isso nossa esperança deve vir somente daquele que nos amou, o perfeito Deus, o criador dos céus e da terra. Tão pouco devemos nos colocar como sendo devotos destes candidatos, defendendo suas bandeiras como se fossem verdades absolutas e da mesma forma, não sejamos desrespeitosos e agressivos com aqueles que pensam diferentemente de nós, pois devemos amar e orar mesmo por nossos inimigos. Pelo contrário, sejamos sábios ao tratarmos os que desconhecem a verdade no que diz respeito a ideologias politicas, pois a­nal “.. a sabedoria que vem do alto é antes de tudo pura; depois pací­ca, amável, compreensiva, cheia de misericórdia e de bons frutos, imparcial e sincera”. Por m ­ , ainda que a repulsa pela injustiça percebida nos incline a tomarmos nas mãos a justiça que é de Deus, lembremos que “o fruto da justiça semeia-se em paz para os paci­cadores”. Que as verdades de Deus possam colorir de outras cores este novo quadro das eleições no nosso país. Mais em: www.igrejafonte.org.br Felipe Silva e Fernando Leite fleite@igrejafonte.org.br revista RMC/1o semestre 2018

65


RMC

frases

Odeio Circo. Aliás, odeio tudo que me encanta e depois vai embora. Caio Fernando Abreu A vergonha de confessar o primeiro erro faz cometer novos erros. LaFontaine A vida inteira cometendo erros não só é mais honrada, mas é mais útil que uma vida sem fazer nada. George Bernard Shaw Antes de começar o trabalho de mudar o mundo, dê três voltas dentro de sua casa. Provérbio Chinês Aprendemos a voar como pássaros, e a nadar como peixes, mas não aprendemos a conviver como irmãos. Martin Luther King As palavras têm que ser suaves. Os argumentos é que precisam ser fortes. Tadeu Comerlatto A união do rebanho obriga o leão a ir dormir com fome. Provérbio Africano O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza de seus sonhos. Eleonor Roosevelt Para ser um bom conversador, basta seguir uma só regra: aprender a ouvir. Christopher Morley Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante, mas aquele que a conhece e diz que é mentira, este é um criminoso. Bertolt Brecht

66

revista RMC/1o semestre 2018


PARA ATENDER AS DEMANDAS DA COMUNICAÇÃO DIGITAL A ROJAS COMUNICAÇÃO CONTA COM EQUIPE EXCLUSIVA PARA PRODUÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO NAS REDES SOCIAIS:

e-rojas

Posts

no

Facebook.

atualização do

twitter.

textos Para blogs

conteúdo Para instagram. vídeos Para

Youtube

Pesquisa de target. monitoramento das redes sociais

Para ou

saber mais sobre a e-rojas ligue Para

mande um

:

(11) 3675-4940 revista RMC/1 semestre 2018 email Para: rojas.producao@uol.com.br o

67


68

revista RMC/1o semestre 2018

Profile for Renato Leodário

Revista RMC 1ºSemestre.2018  

Revista RMC (Região Metropolitana de Campinas) edição de 1ºSemestre/2018.

Revista RMC 1ºSemestre.2018  

Revista RMC (Região Metropolitana de Campinas) edição de 1ºSemestre/2018.

Advertisement