Page 1

1


2

ca r e p ! o ã N mpo te


EXPEDIENTE

DESTAQUES DESTA EDIÇÃO:

Diretora | Editora Dani Bueno dani@acontece.tv (12) 97404-5707 ID 35*19*13858 (12) 98121-9929 Diagramadora Hannie Bueno (12) 97408-8552 revista@acontece.tv Designer Rennan Bueno Uma publicação:

CNPJ 23.119.475/0001-05 www.editorared.com.br R. Prudente de Moraes, 95 Sl 01 Cachoeira Paulista-SP A revista Acontece não se responsabiliza pelas opiniões e conceitos emitidos nos artigos assinados pelos nossos Colaboradores, sendo estes de inteira responsabilidade dos autores. A revista Acontece não tem qualquer vínculo empregatício com os Colaboradores. O conteúdo dos anúncios publicados na revista Acontece é de total responsabilidade dos anunciantes.

Revista Mensal

08

22

24

26

28

30

06- Mulher ganha espaço e se destaca como empreendedora 08- Biomassa de banana verde! A queridinha da nutrição 22- Dica de produtividade pessoal: a regra dos dois minutos [GTD] 24- 5 vantagens de ser um profissional com inglês fluente

Revistas on-line

26- Concorrência e seus benefícios

www.acontece.tv

28- Homem de primeira - Ano 1 30- Como fazer os funcionários ficarem sempre animados /AconteceTuris

@Acontece_tv

com o trabalho

3


4

Equipe KNN Cruzeiro/SP, preparados e de braços abertos para recebê-los!

A KNN oferece treinamento pedagógico semanal para todos os professores no intuito de aperfeiçoar ainda mais o ensino. Os melhores estão aqui!

Professor Jonatas e seus alunos numa aula bem animada e divertida. Aulas dinâmicas e com muita conversação!

Mayra e Katia do CDA e Elloyna do Comercial, em externa no evento Food Truck em Cruzeiro/SP.

Teacher Francini Lima e a coordenadora pedagógica Gabriela Perroni foram para Camboriú/SC aprender ainda mais sobre o método.

Treinamento regional feita na unidade KNN Cruzeiro/SP e ministrada pelo consultor Jonas Alen!

Ganhadores do Desafio Nacional KNN! Valeu equipe KNN Cruzeiro por essa conquista!!! O primeiro de muitos que virão!

Av. Major Hermógenes, 476, Centro - Cruzeiro/SP


5


6

Mulher ganha espaço e se destaca como empreendedora Foi-se o tempo em que o mundo era dominado somente por homens. O mercado de trabalho demonstra cada vez mais a liderança feminina, ocupando cargos importantes e de destaque, tanto nas áreas empresarial quanto política. E essas desbravadoras servem de inspiração e exemplo para várias mulheres. A presença e admiração dessas líderes de sucesso são fundamentais para o empoderamento feminino, porque evidenciam que elas estão conquistando cada vez mais espaço e colocando em prática seus direitos e igualdade de gênero. Um exemplo na região é a diretora da Faculdade de Ciências Humanas de Cruzeiro – FACIC, Patrícia Baptistella, que está à frente da Instituição desde sua implantação em 2006. Em sua gestão de sucesso, Patrícia colocou a Faculdade em evidência, e tor-

nou-se referência no Vale do Paraíba, Sul de Minas, Vale Histórico e Sul Fluminense, desbravando obstáculos para levar educação de qualidade e preço acessível à população. Atualmente, essa cruzeirense de direito, é referência e destaque em diversos segmentos nas áreas de Educação, Indústria, Lazer e Saúde. Para Patrícia, empoderar a mulher significa superar diferenças: “Se antes não tínhamos espaço para demonstrar nosso valor e competência, hoje já podemos provar que somos capazes de atuar em diversos segmentos. Nosso lado feminino em

qualquer negócio é positivo porque promove um ambiente inclusivo, valorizando diversas perspectivas, estimulando a criatividade e favorecendo a inovação, além de incentivar e impulsionar a participação de outras mulheres brilhantes da sociedade que também transformam vidas”, disse. Mesmo com todas essas atribuições, Patrícia não deixou seu lado de mãe e administradora do lar. Com 17 anos, Matheus Baptistella, seu filho é só orgulho, porque a mãe serve de referência não só para ele, mas para muitos que passaram, passam e passarão pelo seu caminho.


7


8

Biomassa de banana verde! A queridinha da nutrição de?

O que é Biomassa de Banana Ver-

A banana ainda verde é considerada um alimento funcional. A biomassa é a polpa da banana verde cozida e processada. Por não ter passado por amadurecimento, possui grande quantidade de amido resistente em sua polpa. O amido resistente é um carboidrato complexo, não digerível, ou seja, chega praticamente intacto ao intestino. Seus benefícios são similares ao da fibra alimentar. Chegando ao intestino ele é fermentado, produzindo assim substâncias que servem como fonte de energia para produção de bactérias benéficas ao intestino. O consumo de biomassa auxilia no bom funcionamento do intestino, prevenindo assim diarréias e constipação; auxilia também no controle da glicose, por ser considerado um alimento com baixo índice glicêmico; promove saciedade, co-

laborando assim com a redução do peso corporal; atua na redução e controle do colesterol, levando assim à prevenção de doenças cardiovasculares. A biomassa pode ser incluída em inúmeras preparações culinárias, em substituição aos alimentos tradicionais, tal como a farinha de trigo utilizada em receitas de bolos, biscoitos, pães, tortas, entre outros. Pode ser também adicionada em sucos e vitaminas, pois seu sabor é neutro. Além de seus benefícios nutricionais, a biomassa de banana verde também é utilizada na forma de espessantes. Segue receita Ingredientes: - 10 bananas nanicas bem verdes - água (até cobrir as bananas) Modo de Preparo: Lave bem as bananas com casca uma a uma, sem retirar o cabo, utilizando esponja com água e sabão, e enxágüe bem. Coloque água na panela de pressão

até a metade e leve ao fogo, para esquentar. Quando a água estiver borbulhando, coloque as bananas e tampe. A partir do início da pressão conte 8 minutos, depois desligue o fogo e deixe a pressão sair naturalmente. Não acelere o processo colocando a panela embaixo da torneira. Ao término do cozimento, mantenha as bananas na água quente da panela. Retire a casca das bananas e coloque a polpa no liquidificador, se necessário acrescente um pouco de água quente na hora de bater. Inicie o processo até formar um creme uniforme. Guarde a mistura por até 7 dias, em um pote de vidro na geladeira. Consuma até 2 colheres de sopa por dia. Este creme também pode ser distribuído em fôrmas de gelo e levado ao congelador. Quando for utilizar a biomassa, retire do congelador um dia antes e deixe na geladeira. Pode ser preciso aquece-la e acrescentar um pouco de água quente, para que volte a ficar cremosa. A polpa congelada tem duração de até 4 meses.

Mariana Prado Nutricionista


9


10


11


12

O que é Autismo O Autismo, também conhecido como Transtornos do Espectro Autista (TEA), são transtornos que causam problemas no desenvolvimento da linguagem, nos processos de comunicação, na interação e comportamento social da criança. Atualmente, estima-se que 70 milhões de pessoas no mundo todo possuem algum tipo de autismo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Com relação ao Brasil, esse número passa para 2 milhões. Uma pesquisa atual realizada neste ano do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) diz que o autismo atinge ambos os sexos e todas as etnias, porém o número de ocorrências é maior entre o sexo masculino (cerca de 4,5 vezes). Esse transtorno não possui cura e suas causas ainda são incertas, porém ele pode ser trabalhado, reabilitado, modificado e tratado para que, assim, o paciente possa se adequar ao convívio social e às atividades acadêmicas o melhor possível. Quanto antes o Autismo for diagnosticado melhor, pois o transtorno não atinge apenas a saúde do indivíduo, mas também de seus cuidadores, que, em muitos casos, acabam se sentindo incapazes de encara-

rem a situação. Nomenclaturas para o Autismo Com o passar dos anos, o Autismo recebeu diversos nomes para ser representado. Entre eles estão: • Transtorno do Espectro Autista; • Condição do Espectro do Autismo; • Autismo Clássico; • Autismo Kanner; • Transtorno Invasivo do Desenvolvimento; • Autismo de Alto Funcionamento; • Síndrome de Asperger; • Demanda Patológica Avoidance. Atualmente, por conta das mudanças recentes e dos principais manuais de diagnóstico, o termo que abrange todos os outros e que será o mais comumente na hora do diagnóstico é o primeiro da lista, isto é, Transtorno do Espectro Autista. Tipos e Níveis de Gravidade do Autismo De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), são existentes 3 tipos de Autismo: Síndrome de Asperger; Transtorno Invasivo do Desenvolvimento; Transtorno Autista.

Outros 2 tipos também são anexados a esses, só que dessa vez pelo Manual de Diagnóstico e Estatística de Doenças Mentais: Síndrome de Rett; Transtorno Desintegrativo da Infância. Entenda melhor o que é cada tipo logo abaixo. Síndrome de Asperger A Síndrome de Asperger é a forma mais leve do espectro autista. As crianças que a possuem normalmente se tornam extremamente obsessivos por um único objeto e também se interessam demais pelo seu assunto preferido, podendo discuti-lo por horas a fio, sem parar. A síndrome afeta três vezes mais os meninos e, quem a desenvolve, normalmente possui inteligência acima da média. Por conta disso, alguns médicos a chamam de “Autismo de Alto Funcionamento”. Em contrapartida, quando esses pacientes atingem a fase adulta, o risco de depressão e/ou ansiedade se desenvolverem é muito alta. Transtorno Invasivo do Desenvolvimento Crianças que possuam um tipo de


13 autismo um pouco mais grave do que a Síndrome de Asperger e um pouco mais leve do que o Transtorno Autista são diagnosticadas com Transtorno Invasivo do Desenvolvimento. Pelo fato dos sintomas desse tipo de transtorno variarem bastante, pode-se dizer que os mais comuns são: Interação social prejudicada; Competência linguística razoável superior ao Transtorno Autista, mas inferior a Síndrome de Asperger; Menos comportamentos repetitivos. Transtorno Autista Todas as crianças que possuam sintomas mais rígidos do que os citados anteriormente possuem o transtorno autista. O funcionamento da capacidade social, cognitiva e linguística é bastante afetado, além de possuírem comportamentos repetitivos. Síndrome de Rett Por mais que as crianças com esse problema possuam comportamentos muito parecidos com os autistas, a Síndrome de Rett não está relacionada ao espectro autista. Especialistas dizem que a mutação presente na síndrome acontece de forma aleatória ao invés de ser herdada e ela afeta, em sua maioria, crianças do sexo feminino. A síndrome é caracterizada por alguns itens e aparecem entre o 6º e o 18º mês da criança: Para de responder socialmente; Torce demais as mãos, o que se torna um hábito; Perde competências linguísticas; O crescimento da cabeça diminui significativamente e, por 2 anos, é muito abaixo do normal. Transtorno Desintegrativo da Infância Esse tipo de autismo é o mais grave de todos os presentes no Espectro Autista, porém também é o menos comum cerca de 2 crianças de 100 mil são diagnosticadas com Transtorno Desintegrativo da Infância. Quanto aos sintomas, pode-se dizer que depois de um período de desenvolvimento normal, geralmente entre 2 e 4 anos de idade, a criança com esse tipo de transtorno perde de maneira muito brusca as habilidades sociais, linguísticas e intelectuais. Além disso, essas funções perdidas não são mais recuperadas. Além desses tipos apresentados, o Transtorno do Espectro Autista também é dividido em graus e você pode verificar quais são cada um deles no seguinte quadro:


14

Causas Até hoje, as causas do Autismo são inconclusivas e, desde os meados dos anos 1940, a medicina tenta desvendá-las. Devido a algumas pesquisas e estudos voltados ao assunto – que se fazem presente desde os anos 1970/1980 –, acredita-se que o transtorno possui ligações com alterações genéticas. Hoje, com a evolução gradativa da genética e dos avanços neurocientíficos e neuropsicológicos, os resultados de diversas investigações sobre o Autismo relatam que o transtorno possui associações com mutações genéticas, síndromes, doenças metabólicas, epilepsias e demais transtornos de desenvolvimento. Há alguma relação entre vacinas e o autismo? Antes de qualquer coisa, a resposta é: não, não há relação alguma entre o transtorno com o fato de tomar algum tipo de vacina! A ideia dessa relação surgiu em 1998 quando um estudo sugeriu que a vacina que combate o Sarampo, a Caxumba e a Rubéola (a MMR) pode provocar autismo. Desde então, inúmeras pesquisas foram realizadas e cada uma delas constatou que não há relação entre uma coisa e outra. Feito isso, o estudo foi dado como falso e o médico que o escreveu perdeu a sua licença. Por mais que haja diversas constatações sobre a informação ser apenas um mito, vários pais ainda ficam receosos na hora de vacinarem os seus filhos o que é de extremo risco, pois essas doenças são contagiosas e, quando uma criança as contrai, pode transmitir rapidamente para outras. Fatores de risco Por mais que as causas do Autismo não sejam conhecidas, os cientistas sugerem que alguns fatores desempenham papéis importantes no desenvolvimento do transtorno. Eles são: Gênero: Crianças do sexo masculino são mais propensos a terem Autismo. Estima-se que para cada 8 meninos autistas, 1 menina também é. Genética: Cerca de 20% das crianças que possuem Autismo também possuem outras condições genéticas, como Síndrome de Down, Síndrome do X frágil, esclerose tuberosa, entre outras. Pais mais velhos: A ciência diz que, quanto mais velho alguém ter um filho, mais riscos as crianças tem de desenvolver algum tipo de problema. E com o Autismo não é diferente.

Parentes autistas: Caso a família já possua histórico de Autismo, as chances de alguém também possuir são maiores. Mecanismo de acontecimento Todos os sintomas do transtorno decorrem de algumas mudanças que o cérebro sofre, porém ainda não é conhecido a forma exata de como o Autismo acontece. O seu mecanismo pode ser dividido em duas grandes áreas: A patofisiologia das estruturas cerebrais e os processos associados com o autismo; A neuropsicologia dos comportamentos cerebrais. Veja a seguir o que caracteriza cada uma dessas áreas. Patofisiologia Diferente de outros transtornos que afetam o cérebro, como o Mal de Parkinson, o Autismo não possui um mecanismo claro, seja ele a nível molecular, celular ou de sistema. Por isso, estudiosos ainda não sabem bem se o Autismo é caracterizado por diversas desordens ocasionadas por mutações nas moléculas ou se ele é um conjunto de doenças que possui diversos mecanismos. Alguns estudos apontam que o mecanismo do transtorno possui alteração no desenvolvimento do cérebro logo após a sua concepção, o que acaba fazendo com que esse órgão de crianças autistas cresça mais rapidamente do que o normal. Esse crescimento excessivo pode estar ligado a algumas dessas hipóteses: Excesso de neurônios que causam conexões em demasia em locais importantes do cérebro; Migração neuronal perturbado durante a gestação; Redes desequilibradas excitatórias-inibitórias; Formação anormal de sinapses e espinhas dendríticas. Com relação ao sistema imunológico, pensa-se que ele desempenha um papel super importante no autismo. Foram encontradas em algumas crianças que possuem o transtorno inflamações no sistema imunológico periférico e central. Essa interação entre os sistemas imunológico e nervoso se dá ainda no estágio embrionário da criança e acredita-se que isso acontece devido ao uso de substâncias tóxicas ou infecções por parte da mãe. Já quanto aos neurotransmissores, ainda não se compreende muito bem. Supõe-se que a serotonina, produzida por essas substâncias químicas, possui diferenças genéticas em seu transporte, o que acaba gerando

a síndrome do X frágil, causa mais comum do Autismo. Neuropsicologia Dentro desse grupo, têm-se duas grandes categorias de teorias cognitivas que relacionam o cérebro com o comportamento autista, sendo a primeira delas voltada ao déficit da socialização e a outra às transformações não-sociais. Primeira categoria A teoria de sistematização da empatia Simon Baron-Cohen diz que as pessoas autistas podem desenvolver regras internas de funcionamento para manipular acontecimentos que acontecem consigo, porém são incapazes de desenvolver a empatia. Estudos apontam que essa capacidade de ser empático com outras pessoas acontece quando é necessária a compreensão de emoções sociais mais complexas. Segunda categoria Essa categoria estuda as funções dos trabalhos da memória, planejamento e inibição. Estudiosos afirmam que o não funcionamento correto dessas funções interferem diretamente nas ações sociais e cognitivas das pessoas. Eles também dizem que há um progresso nessas funções a partir do final da infância para a adolescência, porém não atingem o nível dos adultos que não possuem o problema. Quais os sintomas do Autismo? O Espectro Autista é caracterizado pela dificuldade da pessoa em se comunicar e também em interagir socialmente. Além disso, a pessoa que sofre do transtorno tem a tendência de praticar alguns comportamentos repetidamente. Confira abaixo como cada sintoma interfere na vida do paciente. Mudanças sociais Geralmente, crianças entre 2 e 3 meses já observam os rostos próximos, voltam-se para vozes e sorriem. Na questão do autismo, essas ações não acontecem e, quando tem por volta de 8 a 10 meses, essas crianças começam a apresentar alguns sintomas como falta de resposta quando chamadas e também do interesse para com as pessoas ao seu redor. Além disso, muitas crianças autistas possuem dificuldade em participar de brincadeiras que envolvam um grupo, preferindo brincarem sozinhas. Também podem ter dificuldade em interpretar gestos e expressões faciais do outro, o que faz com que o mundo seja um lugar desconcertante para eles. Dificuldades de comunicação Em um desenvolvimento normal de


uma criança, a aprendizagem das línguas – tanto verbais quanto através de gestos – se dá desde muito cedo. Um dos primeiros meios de comunicação de um bebê é a fala balbuciada e até o seu primeiro ano, ele já afirma uma ou duas palavras. Em contrapartida, algumas crianças com Autismo tendem a não balbuciar, falar e também não aprendem a se comunicar com gestos. Outras, por sua vez, possuem atrasos de linguagem e começam a falar apenas alguns anos depois do que seria o normal. Quando a linguagem começa a se desenvolver, a criança autista pode utilizar a sua voz de forma inusitada, ter dificuldade em combinar palavras em frases que possuam sentido ou, ainda, repetir a mesma frase várias vezes. Comportamentos repetitivos Comportamentos repetitivos incomuns ou tendência a se envolver em apenas algumas atividades são outros sintomas característicos do Autismo. Dentre os comportamentos, encontram-se ações como mãos batendo, balançar de corpo, reorganização de objetos e repetição de sons e palavras. Já quanto a característica das atividades restritas, ela pode ser identificada, por exemplo, quando uma criança faz uma fila de brinquedos de uma maneira muito específica ao invés de brincar com eles. Quando a atividade sai da rota que a criança previamente estipulou, normalmente ela se estressa. Esses interesses extremos podem transformar-se em obsessões, gerando adultos que desenvolvem um interesse muito grande em números, símbolos, datas ou temas da ciência. Sintomas devido a outras condições médicas Além dos sintomas já descritos, alguns outros podem se manifestar também, devido a associação que o Autismo tem com outras condições. São eles: Doenças genéticas; Doenças gastrointestinais; Distúrbios convulsivos; Disfunção do sono; Problemas de processamento sensorial; Pica – tendência em comer coisas que não sejam comida. Diagnóstico Não há nenhum exame específico para que o diagnóstico seja realizado. Como o Autismo é um transtorno que afeta a linguagem e a interação social, a criança que o possui precisa ser analisada por um grupo de pessoas e profissionais que

convivem com ela – incluindo pediatras, psicólogos, professores e os pais. De acordo com a quinta edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), de 2013, os critérios para que um caso de Autismo seja identificado são: Inabilidade persistente na comunicação e interação social que se manifesta através de 3 características: Déficit na reciprocidade sócio-emocional; Déficit no comportamento não-verbal para a interação social; Déficit no processo de desenvolver e manter um relacionamento. Padrões restritos e repetitivos no comportamento e que são manifestados por, pelo menos, 2 destes itens: Fala, movimentos motores ou uso de objetos de maneira repetitiva; Adesão excessiva a rotinas, rituais verbais ou não-verbais ou excessiva relutância à mudanças; Interesses fixos e altamente restritos que acabam sendo anormais para quem vê de fora; Hiper ou hipo-reatividade à percepção sensorial de estímulos ou interesse excessivo para estímulos senso-perceptivos. Além da observação desses critérios, um exame físico e outro psicológico também podem ser requeridos, bem como uma ferramenta de exame específica, como por exemplo: Entrevista diagnóstica para autismo revisada (ADIR); Programa de observação diagnóstica do autismo (ADOS); Escala de classificação do autismo em crianças (CARS); Escala de classificação do autismo de Gilliam; Teste de triagem para transtornos invasivos do desenvolvimento. É importante lembrar que os sintomas do transtorno se apresentam de forma heterogênea, ou seja, cada criança possui um jeito muito particular de ser. Eles variam intensamente quanto ao grau de comprometimento, associação ou não com deficiência intelectual e com presença ou não de fala. Essas variações e o momento do diagnóstico influenciam – e muito – na definição da resposta aos tratamentos e se a evolução dos mesmos está sendo favorável ou não. Diagnóstico em crianças mais velhas e adolescentes Quando o autismo é notado após o início da escola, muitas vezes é reconhe-

cido pela equipe de educação da mesma. Dentre os problemas de comunicação que se apresentam nas crianças, podem ser encontrados a interpretação do tom de voz e a dificuldade em entender expressões faciais, figuras de linguagem, humor ou sarcasmo. Além disso, os pais podem achar também que seu filho tem dificuldade em fazer amizade com os colegas. Diagnóstico em adultos Em alguns casos, os adultos percebem sinais e sintomas de Autismo neles próprios. Quando isso acontece, normalmente procuram ajuda de um psicólogo ou psiquiatra e esse, por sua vez, irá fazer algumas perguntas referentes às suas preocupações com interação social e desafios de comunicação. Essas informações e o histórico de desenvolvimento da pessoa ajudam na hora do diagnóstico preciso. Tratamento Mesmo com todas as pesquisas referentes ao Autismo em andamento, ainda não há um medicamento específico para o seu tratamento, bem como uma cura. Porém, há diversas maneiras para se tratar as funções cognitivas e funcionais da criança desde o momento em que foi diagnosticada. Para isso, uma equipe multidisciplinar é importante, pois cada especialista irá trabalhar em um certo tipo de desenvolvimento. Nas fase de 0 a 2 anos, o acompanhamento da criança com um fonoaudiólogo é essencial, pois isso irá ajudá-la a desenvolver a linguagem não-verbal. A estimulação pode ser feita através de jogos e brincadeiras, contação de histórias e conversas. Terapia ocupacional e comportamental também são relevantes na hora do tratamento, pois assim o cérebro do paciente passa a perceber os estímulos sensoriais. Não há uma regra específica de tratamento, pois cada criança possui as suas particularidades. Portanto, a equipe multidisciplinar decidirá qual o tipo de tratamento que deve ser abordado. Dentre essas formas de tratamento, existem alguns tipos de métodos de intervenção, comprovados cientificamente, aos quais os profissionais acabam por se basear. Confira abaixo quais são eles: TEACCH (Treatment and Education of Autistic and Relate Communication Handcapped Children) Visando a independência e o aprendizado da criança, o TEACCH é estruturado para combinar diversas cores e materiais visuais em um único ambiente a fim de organizar a rotina e o sistema de trabalho empregado.

15


16

PECS (Picture Exchange Communication System) Esse método de comunicação é realizado através de troca de figuras e ajuda não só os pacientes que possuem problema e/ou limitações na fala, mas também aqueles que sequer chegaram a desenvolvê-la. ABA (Applied Behavior Analysis) Literalmente, a ABA é uma análise comportamental da criança que se embasa nos princípios fundamentais da teoria do aprendizado. Dentro dela, há algumas técnicas e estratégias de ensino que incluem: Tentativas discretas; Análise de tarefas; Ensino incidental; Análise funcional. Uso de medicamentos Alguns profissionais indicam o uso de certos medicamentos para que os sintomas do transtorno sejam amenizados, porém não há nenhum medicamento específico para o tratamento do Autismo em si. Os problemas comportamentais e/ou emocionais do paciente que podem ser tratados com medicamentos são: Agressividade; Ansiedade; Hiperatividade; Impulsividade; Irritabilidade; Alterações de humor; Surtos; Dificuldade para dormir; Ataques de raiva. Atenção! NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica. Dieta Vários especialistas não concordam com o fato de que uma dieta restrita possa ajudar no tratamento do Autismo. Porém, se mesmo assim você quiser usar essa via como forma de auxílio, é importante que consulte antes um gastroenterologista e um nutricionista para que eles possam desenvolver uma dieta correta para o pa-

ciente.

Apoio aos pais É importante salientar que nem sempre são apenas as crianças autistas que necessitam de acompanhamento. Como os pais normalmente se dedicam intensamente a elas, muitas vezes ficam frustrados e desgastados pelo fato de não poderem ajudá-las de maneira significativa. Portanto, acompanhamento psicológico pode ser efetivo na diminuição da ansiedade e do estresse que enfrentam. O Autismo tem cura? Infelizmente, para muitos especialistas no assunto, ainda não há uma cura definitiva para o Autismo. Porém, pelo fato do transtorno não ser de caráter progressivo, há vários casos de pacientes autistas que possuem um nível muito satisfatório de recuperação. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, crianças e adultos autistas podem fazer contato visual com outras pessoas, além de demonstrarem afeto ao sorrir/rir e diversas outras emoções. Algumas, ainda, conseguem manter um emprego de forma responsável, mantém uma relação estável com outras pessoas, casam-se e criam filhos. Mas, mesmo nesses casos, não se pode falar em cura, pois embora o desenvolvimento seja excelente, as características autistas permanecem por toda a vida. Enfrentando a situação Cuidar de uma criança autista pode ser, na maioria das vezes, exaustivo não só fisicamente mas também emocionalmente. Para que isso não ocorra, algumas dicas são válidas: Encontre uma equipe de profissionais de confiança Algumas decisões sobre a educação e o tratamento de seu filho precisam ser tomadas e, elas, muitas vezes não são fáceis. Portanto, em primeiro lugar, a equipe multidisciplinar que estará em constante contato com a criança precisa ser de confiança e eficiente. Tire um tempo para si mesmo Para que o esgotamento seja evitado e, assim, seus relacionamentos pessoais e familiares não sejam afetados, tire um tempo para você relaxar e se exercitar. Procure outras famílias que também tenham crianças com Autismo Às vezes procurar ajuda com outras pessoas que também enfrentam os desafios proporcionados pelo transtorno pode ser eficiente, devido aos seus conselhos. Procure ver se não há nenhum grupo de apoio em sua região.

Saiba mais sobre o transtorno Há diversos mitos e equívocos sobre o Autismo. Portanto, é sempre bom se informar sobre a questão para que você possa ajudar o seu filho da melhor maneira possível. Mantenha registros de visitas Seu filho poderá ter visitas de muitas pessoas ao longo de seu tratamento, seja com profissionais ou familiares. Para que isso ajude no desenvolvimento e na monitoração do mesmo, mantenha um arquivo organizado de todas as reuniões e seus respectivos relatórios. Mantenha-se atualizado sobre novas opções de terapias A cada ano que passa, pesquisadores buscam encontrar novas tecnologias e terapias para que novas abordagens de ajuda sejam feitas nas crianças que possuem Autismo. Prevenção Não há maneiras de prevenir o Autismo. Porém, como já explicado, o transtorno pode ser tratado, fazendo com que as crianças melhorem a sua linguagem e suas habilidades sociais. Caso o seu filho seja diagnosticado como autista, converse com especialistas sobre formas eficazes de tratamento. Além disso, compartilhe esse artigo com seus conhecidos e amigos, para que essas informações possam chegar ao maior número de pessoas possível!


17


18

ACONTECENDO Dani Bueno

Pietra e Hannie comemorando mais um mês da KNN Idiomas Cruzeiro/SP

Luciana Fidalgo com os filhos Bryan e Brysley. No mês da mulher a Acontece te deseja muita felicidade e força com todo carinho!

Encontro com os amigos Karin e Renatinho no show cover de Raul Seixas no Sport Bar em Cachoeira Paulista/SP

Denilson, Dani Bueno, Fábio Satim e Cristiane Ferreira nos bastidores da gravação

Miguel nasceu no dia 20 de março de 2018. O bebezão mais lindo, filho de Bruna e Luiz Felipe que estão radiantes de felicidade!


19

Yasmin Cristini dos santos Antunes tem 7 anos, é miss infantil Cachoeira Paulista e agora vai concorrer ao Miss São Paulo.

Parabéns, Julia!!! Nós da Acontece, sua família e amigos te desejam muitas felicidades!

Murilo e sua mãe Paula!

Niver de 70 anos da D. Cleide. Suas filhas, toda família e amigos desejam muitas felicidades!

Jhenifer Vitória e Davi Henrique em passeio no Jardim Botânico de Bauru. Só alegria!


20

ACONTECENDO Dani Bueno

Neste mês de março, a linda Letícia completou 15 anos em uma festa mais que especial. Nós da Acontece estavamos lá e com seus pais Claudiney e Daisy, seu irmão Vinícius, toda sua família e amigos. Pudemos marcar nossa presença na festa do ano! Parabéns, Letícia! Que você seja sempre feliz!!


21


22

Dica de produtividade pessoal: a regra dos dois minutos [GTD]

Uma das dicas práticas mais úteis extraídas do livro Faça Tudo Acontecer, de David Allen, e que modificaram minha rotina diária de ações é a regra dos dois minutos. Dentro da metodologia Getting Things Done [GTD], essa regra consiste em efetuar ações curtas tão logo surjam em nossa mente. O fundamento dela é o seguinte (p. 185): “A maioria das coisas que pode ser manuseada dentro desta estrutura de tempo levaria, na verdade, muito mais tempo para organizar e revisar novamente do que concluir naquele momento”. Exemplos: você acabou de tomar o café da manhã e está na dúvida se lava os pratos e talheres agora ou deixa para depois. Se deixar para depois, corre o sério risco de não cumprir a tarefa. É possível lavá-los em menos de dois minutos? É. Então faça agora. Você checa a sua caixa de mensagens e verifica que recebeu um email de um colega de trabalho pedindo algumas informações. Se for possível fornecê-las em menos de dois minutos, não titubeie: vá lá e escreva. Você constatou a necessidade de telefonar para a central de atendimento 0800 do seu cartão de crédito para transferir as milhas. Se esse procedimento puder ser feito em menos de dois minutos, pegue o telefone e faça a tarefa. Você ganhará muito mais tempo do que se anotasse na agenda a seguinte atividade: ligar para o 0800 do cartão

para transferir milhas na próxima sexta-feira às 14 horas. Você trocou de roupa para ir ao trabalho. As roupas que você estava até então usando foram deixadas em cima da cama. É possível guardá-las no armário em menos de dois minutos? Se sim, então não procrastine. Guarde-as no armário. E ponto final. Toda vez que estou diante de alguma atividade, confronto-a com essa regra, como se fosse uma espécie de âncora mental. Ela é simples, mas extremamente poderosa para modificar seus hábitos e aumentar sua produtividade. Ela evita a procrastinação e faz você agir. Como efeito colateral dessa prática, o ganho de tempo que se tem é enorme. Imagina você voltar para a cozinha e verificar aquela pilha de pratos e talheres para lavar. Se tivesse seguido a regra dos dois minutos… Ou então, aquele email que insiste em ficar na caixa de entrada aguardando resposta. Pense, ainda, no telefonema que você marcou para dar na sexta-feira, às 14 horas, e, quando chega o dia da bendita tarefa, você… adia mais um pouquinho. E a roupa que você deixou em cima da cama na hora de se trocar? Você já a guardou no armário ou… ainda está na cama? Quantas tarefas de nosso dia-a-dia não poderiam ser mais bem executadas – ou simplesmente executadas – incorporando-se a regra dos dois minutos? Muitas, acredito eu.

em todas as ações podem ser executadas em menos de dois minutos. Elas podem exigir ainda, conforme o caso, delegação (para outras pessoas), ou adiamento (em função da complexidade). Você deve decidir qual é a ação mais apropriada tendo em vista determinada tarefa que lhe apareça à frente. No nosso cotidiano, deixamos de fazer milhares de tarefas por não observar essa regra, o que provoca entraves em nossa vida profissional e até atrapalha na organização de nossas rotinas domésticas. Por isso, ela é tão válida para o mundo corporativo quanto para o ambiente familiar. Está querendo comprar os ingressos para aquele show/teatro/ cinema, que podem ser adquiridos via Internet? Então faça agora. Escrever um comentário no blog? Se deixar para depois, é capaz de não escrevê-lo. Faltou açúcar no açucareiro? Essa sem dúvida é uma atividade que você pode fazer assim que constatou a necessidade. É muito melhor realizar a ação tão logo ela surja, do que relacioná-la numa lista de tarefas. As listas são ótimas ferramentas de produtividade, mas elas não são necessárias em absolutamente todas as ações do dia-a-dia. Experimente você também a regra dos dois minutos e veja o impacto que ela pode causar no gerenciamento de seu tempo. Os resultados são promissores. E o ganho de tempo extra, inestimável.


23


24

5 vantagens de ser um profissional com inglês fluente

Salário maior e oportunidades de emprego no exterior são algumas das vantagens competitivas deste profissional com inglês fluente. “O inglês é uma janela que nos permite olhar o mundo com visão de longo alcance.” Cris Guerra - Escritora, colunista, publicitária e blogueira Quem aí concorda com a frase acima? Provavelmente, grande parte dos leitores! E não é para menos! O inglês passeia pela janela da Cris Guerra, profissional com inglês fluente, e abre incontáveis portas. O que isso tem de clichê tem de realidade também, principalmente se estivermos falando do mercado de trabalho - o dinâmico, exigente e concorrido mercado de trabalho. Nas empresas, algumas competências são consideradas como destaques, além de pontos de constantes melhorias para os funcionários. Um exemplo é a comunicação. Se saber se comunicar bem já é um diferencial imagina se você dominar

uma outra língua? Veja abaixo as principais vantagens de ser um profissional com inglês fluente. 1. Trabalhar em grandes empresas Quer trabalhar na Google? Na Apple? Que tal na Uber ou na Microsoft? Em grandes empresas como essas, o inglês fluente é indispensável. São escritórios em vários locais do mundo e empresas que estão revolucionando o mercado, principalmente de tecnologia. Quem tem habilidade nessa área não pode ficar de fora. Mas, para se qualificar para vagas nessas empresas, o inglês tem que estar fluente. Quer ver? A exigência em alguns casos, como numa vaga de Engenheiro de Software da Google é de, no mínimo, proficiência e habilidades de comunicação verbal e escrita em inglês. Você tem? Um profissional com inglês fluente tem. 2. Capacitação Os constantes avanços do mercado globalizado exigem profissionais qualificados e atualizados, e muitos dos cursos

e materiais para o aprendizado estão disponíveis na língua inglesa. Um exemplo: a melhor instituição de ensino superior do planeta em 2015 foi a Massachusetts Institute of Technology (MIT), dos Estados Unidos, seguido das universidades de Harvard, também nos EUA e de Cambridge, no Reino Unido. Já pensou como seu currículo ficaria com um curso em uma dessas universidades? 3. Salário maior Você sabia que o profissional fluente em inglês costuma ter um salário até 30% maior do que quem não é fluente? Pois é, isso acontece porque quem é fluente em inglês geralmente conquista cargos de liderança e tem mais possibilidade de conquistar melhores projetos e novas oportunidades de trabalho, dentro ou fora da empresa. 4. Maior estabilidade Garanta seu lugar ao sol! O profissional fluente em inglês tem maior estabilidade na empresa porque geralmente é um profissional em cargo de liderança e trás para dentro da empresa suas experiências internacionais, cursos no exterior e novas oportunidades para os projetos que está envolvido. Se a empresa ou empregador ainda não possui negócios ou parceiros internacionais, você pode usar sua fluência em outro idioma para abrir novos horizontes e oportunidades para o seu local de trabalho e para a sua carreira. 5. Oportunidades no exterior Você já deve ter visto por ai algumas vagas com altos salários, benefícios sensacionais e que não são preenchidas por não ter profissional capacitado. O profissional que é fluente em inglês tem maiores chances de conquistar uma dessas, já que pode abraçar inúmeras oportunidades em outros países. A Austrália e o Canadá, por exemplo, sempre oferecem esse tipo de oportunidade. E você? Ainda não tem inglês fluente?


25


26

Imagine você numa cidade que possua uma única academia. Querendo se cuidar, manter a forma e saúde não teria outra opção a não ser se render a essa empresa prestadora de serviços, que poderia cobrar o valor que bem entendesse e sua escolha seria entre treinar ou não. Claro que existem outras formas de se praticar atividade física e aqui foi apenas um exemplo. E se outras academias inaugurassem em outros bairros e a partir de agora você pudesse escolher entre duas ou mais opções? Essa escolha seria baseada em suas vontades e prioridades, como preço, distância, atendimento, conhecimento técnico dos profissionais ou outra vantagem que você pudesse enxergar. Inicialmente para o gestor da única academia da cidade isso poderia parecer ruim, mas a verdade é que a concorrência é ótima para seu próprio crescimento.

Concorrência e seus benefícios Da mesma forma que nós seres humanos costumamos sair da nossa zona de conforto para superar algum obstáculo pessoal, também somos levados a melhorar nossos produtos e serviços para estar na frente da concorrência, o que pode até deixar seu empreendimento melhor do que antes, ajustando pontos que você nem se dava conta. Esse panorama vai fazer com que essa academia se atualize, inclua novas modalidades, invista em atendimento de qualidade e coloque em prática as melhorias que até então estavam sendo adiadas. Discordo da ideia de apenas ter o melhor preço e prefiro trabalhar a geração de valor, através da proposta de um benefício tangível para o cliente, aquele diferencial que o faz reconhecer a identidade da marca durante sua experiência de compra ou serviço.

Gerando valor para o seu negócio ou serviço ficará bem mais difícil para a concorrência simplesmente copiar porque o seu “algo mais” é único e especial e não pode ser feito por outra pessoa ou empresa do dia para a noite. A sua motivação para melhorias deve ser contínua, além de usar a concorrência positivamente, sempre a seu favor, reconhecendo os pontos fortes de quem faz o mesmo que você e trabalhando a diferenciação, se destacando por algo que só você tem. Concorrência sempre vai existir e é saudável tanto para clientes como para as próprias empresas e profissionais envolvidos. Pense no seu esporte favorito e veja que num campeonato existem vários atletas num mesmo nível e merecedores da vitória, mas o ouro vai apenas para o melhor. O sol nasceu para todos, mas a sombra somente para quem merece.

Nilo Silva

Fitness Coach www.nilosilva.com.br


27

ESTRADA DA BOCAINA Km 06 - CACHOEIRA PAULISTA-SP (Estrada de acesso a Pedreira e ao Cachoeirão)

Informações ligue: (12) 3101-2546 / (12) 99147-3838 / (12) 99735-5514 GPS: S 22.70812° O 44.96273°


28

Homem de Primeira Ano 1

Olá, amigos! Que saudade! Nada como ter um espaço para se encontrar com quem nós gostamos, não é mesmo? Por isso, a partir desta edição da Revista Acontece, vamos nos encontrar sempre aqui, na coluna “Homem de primeira”. Será um espaço dedicado para trocarmos ideis sobre família, trabalho, vida cotidiana, enfim, serão diversos temas que, apesar do nome não são dirigidos apenas para homens, mas sim, mostrar como deve agir um “Homem de primeira” e todos que estão a sua volta. Lá se vão três longos anos afastado do rádio. Nova cidade, nova moradia, novo trabalho, novas situações, novas pessoas, novos pensamentos, novos relacionamentos, mas, o mais importante foi restaurar amizades adormecidas e reavivar laços familiares já desgastados que estavam literalmente agonizantes. Família é coisa séria!

Demorou, mas aprendi que é muito mais gostoso um abraço do que uma “curtida”. Prefiro um milhão de vezes receber uma carta à mão, com sentimento colocado numa simples folha de caderno ou de sulfite, escrita no final “eu te amo” ou “que saudade” do que um texto um texto frio colocado no meu perfil do Facebook ou enviado pelo WhatsApp, onde a pessoa nem lê tudo, só acha bonito e repassa. Adoro fotos! Gosto muito de ver o Instagram de algumas pessoas, mas, nada melhor que degustar com os próprios olhos, e não com a lente de uma máquina digital ou do smartphone, o sol nascendo no horizonte do mar ou a neblina cobrindo a cidade pela manhã. Em um mundo digital, multimídia, totalmente eletrônico, onde o contato com o outro é suprido pela tecnologia, nada mais emocionante que receber uma carta, isso mesmo! CARTA e não e-mail, onde um filho conta que irá cursas aquela faculdade que você sempre sonhou, ou, felizmente sua filha dizendo que está na-

morando (argh!!!) e que o “cidadão” à trata como uma princesa. Bom para a saúde dele, né?! Pois é... Brincadeiras a parte, o tempo está passando e nem eu, nem você amigo(a) leitor(a), podemos deixar ir embora momentos tão preciosos da nossa caminhada na Terra. Meu propósito é que busquemos juntos nos melhorar a cada dia. Aprendemos a ser alguém melhor para poder ter um convívio melhor com as pessoas e, por consequência, um mundo melhor. Então, antes de qualquer coisa: Cuide-se! Ame-se! Depois disso é que você poderá cuidar e amar de maneira eficaz seu próximo. Obrigado pela companhia nessa nossa viagem que está apenas começando. Que Deus abençõe você, sua família e todas as pessoas que fazem parte do seu dia a dia, direta e indiretamente. Forte abraço e sucesso!

Jésse Bruno Cristão, Radialista, ex-DJ e Jornalista.


29

Disk Entrega

(12) 3143-6164 (12) 99105-6546 (12) 99150-0792 Horário de Funcionamento: Quinta à Domingo das 19:30 às 23:00h Também temos diversas porções com acompanhamentos! Ligue e confira!

Cruzeiro-SP

Mais de

30 sabores entre

salgados e doces


30

Como fazer os funcionários ficarem sempre animados com o trabalho

Veja quatro estratégias que, se adotadas, com certeza farão com que os funcionários se sintam mais animados com o trabalho. Estratégias para ter funcionários sempre animados com o trabalho “Motivação no trabalho” é um dos assuntos de grande interesse das pessoas, sejam elas líderes ou subordinados. Para se ter uma ideia do nível de interesse, quando se busca esse tema no Google, aparecem mais de 7 milhões de resultados. Manter uma equipe motivada é um dos grandes desafios de um gestor, pois constantemente ele se vê diante de variáveis que fogem totalmente do seu controle. Por exemplo, as dificuldades financeiras da empresa, que o impedem de dar aumento de salários; contextos familiares dos funcionários, envolvendo doenças graves e desemprego na família do colaborador; autoimagem negativa de determinados membros da equipe; disputas e brigas internas; ciúmes; fofocas etc. São realidades que estão presentes em todos os ambientes de trabalho e contribuem para dificultar o desempenho da liderança para manter as pessoas animadas e produtivas. Pessoas desmotivadas e pouco comprometidas com o trabalho implicam queda de qualidade, perda de produtividade e de competitividade.

Diante desse cenário, o gestor da empresa ou do departamento tem duas alternativas – render-se diante das dificuldades e deixar as coisas irem acontecendo por elas mesmas, ou usar algumas estratégias que poderão ajudar a tornar o ambiente mais alegre e motivador para quem nele trabalha. Selecionei quatro estratégias que, se adotadas, com certeza farão com que os funcionários se sintam mais animados com o trabalho, mesmo diante de contextos tão adversos como os citados acima. Estratégias para ter funcionários sempre animados com o trabalho: 1 — Criar desafios Estabeleça objetivos claros e factíveis, de forma que os colaboradores se sintam desafiados por metas a ser cumpridas. A certeza de estar indo no caminho certo, atingindo as metas e cumprindo com os objetivos, eleva o grau de motivação de qualquer pessoa. 2 — Dar suporte As pessoas gostam de se sentirem valorizadas e se sentem mais comprometidas quando percebem que estão recebendo o suporte necessário para realização das tarefas. Auxílio no planejamento, capacitação com treinamento e direcionamento são importantes suportes, que geram um

ambiente de trabalho mais agradável, menos tenso e com maior entrosamento entre os funcionários. 3 — Dar feedback É importante apontar para as pessoas, regularmente, em que ponto elas precisam melhorar para crescer profissionalmente. Considero o feedback a ferramenta mais importante para o desenvolvimento profissional de qualquer pessoa. 4 — Reconhecer Mais importante do que o feedback corretivo é o feedback positivo, que é normalmente esquecido. As pessoas sentem falta de um reconhecimento quando fazem um bom trabalho. A neurociência mostra que há uma parte do cérebro dedicada à recompensa e à motivação, denominada de sistema de recompensas. Ao ativar essa área do cérebro, o organismo libera uma substância chamada ocitocina, que estimula a sociabilidade, facilita a formação de laços de amizade e reduz a ansiedade. As pessoas, quando são recompensadas, se tornam mais felizes, produtivas e focadas naquilo que fazem. Adotando essas estratégias, o gestor, muito provavelmente, criará um ambiente de trabalho mais agradável, com pessoas mais direcionadas e, portanto, menos ansiosas, mais felizes e produtivas.


NÃO USE MÁQUINAS, TORNE-SE UMA!!!

31


32


33


34

PROJETO MÚSICA E CIDADANIA ‘’Notas musicais que formam cidadãos’’. A lei Aprovado na Câmara Municipal, o Projeto de Lei Nº0052017, Art. 3º, do autor Vereador Ilwanderson de Oliveira – Nenê do São João, Institui o ‘’ Dia das Bandas e Fanfarras’’ no calendário do Município de Cachoeira Paulista.

Lorena /SP. Participou de oficinas técnicas para maestros e músicos de bandas, workshop de regência e sopro Novo. Tem participado de vários Congressos técnicos para regentes, instrutores e instrumentistas, e dirigentes de fanfarras. Atua como jurado no aspecto apresentação em concursos estadual e nacional e membro da diO Projeto Após a instituição da Lei pro- retoria executiva da Confederação mulgada em 03 de fevereiro de Nacional de Bandas e Fanfarras e 2017, a Prefeitura Municipal lan- membro da Beta Um Internacioçou entre os dias 03 a 06 de ou- nal Bandmasters Fraterity Alpha tubro de 2017, o Projeto Música Chapter. O Projeto visa despertar e Cidadania, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Educa- a vocação musical e estimular a ção, Secretaria Municipal de Cul- sensibilidade artística, oferecentura/ Eventos e pelo Coordenador do gratuitamente a cerca de 200 crianças e adolescentes, (60% inMaestro Washington de Oliveira. O Maestro Washington de fantil de 06 a 14 anos, 35% infanto Oliveira, Sargento aposentado, re- juvenil de 15 a 18 e 05% juvenil gente da Fanfarra da Escola Esta- acima de 19 anos) como a Dona dual Gabriel Prestes (FAGAP) des- Tereza de 84 anos da Turma 26, de 1995, é habilitado em música aulas de oficinas de fanfarra, inspela Escola de Instrução especiali- trumento de sopro, baliza e corpo zada do Exército (ESIEL), foi tubis- coreográfico. Contribuindo com a inclusão ta da Banda de Música do 5º Bil –

social, educacional e cultural, o projeto promove a integração de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade. Marcados mais especificamente 30% dos assistidos são de bairros carentes, filhos de presidiários, famílias desestruturadas ou ainda em situação de abrigamento por abandono ou afastamento do convívio familiar. O Projeto também atende crianças e adolescentes do Berço Redenção (Orfanato/ Abrigo) e o Projeto Social Casa das Meninas(o) do Bairro do Embaú. As atividades são desenvolvidas em quatro polos, sendo eles Turma 26, EMEF Regina Pompéia Pinto – São João, EMEIF Otton Fernandes Barbosa – CDHU e EMEIEF José de Godoy Roseira, Margem Esquerda. Neste sábado, 03 de março, das 14h às 18h os quatro polos irão se reunir na EMEIF Otton Fernandes Barbosa – CDHU a fim de realizar um ensaio com a participação dos quatro polos.


35


36

Revista Acontece 70  
Revista Acontece 70  
Advertisement