Page 1

www.registo.com.pt

SEMANÁRIO

1

Director Nuno Pitti | 29 de Março de 2010 | ed. 099 | 0.50 euros

Sines: Trabalhadores da refinaria da Galp anunciam greve de três dias

12

08

Estrela de Vendas Novas já leva 22 jogos sem perder

O ESTRELA FUTEBOL CLUBE, DE VENDAS NOVAS, JÁ GANHA HÁ 22 JOGOS SEGUIDOS, TORNANDO-SE ASSIM A ÚNICA EQUIPA DE FUTEBOL PORTUGUÊS QUE ESTE ANO AINDA NÃO CONHECEU O SABOR DA DERROTA.

Évora acolheu Olimpíadas de Matemática

Lagoa de Santo André foi reaberta ao mar

Aeroporto de Beja “importantíssimo” para o turismo

Sismo no Alentejo não fez estragos

PÁG.10 A Escola EB 2,3 de Santa Clara,

PÁG.04 Cumprindo uma tradição que remonta ao século XVII e se repete anualmente por ocasião do equinócio da Primavera, mais de três mil pessoas assistiram domingo à abertura artificial da Lagoa de Santo André.

PÁG.06 O aeroporto de Beja é uma “in-

PÁG.06 Ao princípio da tarde de sábado,

em Évora, acolheu a final nacional das XXVIII Olimpíadas Portuguesas de Matemática, um evento que contou com a participação de mais de 30 mil alunos de todo o país, bem como de escolas portuguesas espalhadas pelo mundo.

PUB

fraestrutura importantíssima” para dinamizar projetos turísticos que “estão a arrancar” no Alentejo e “em breve” serão uma realidade, considerou sexta-feira o secretário de Estado do Turismo, Bernardo Trindade.

o Alentejo foi sacudido por um tremor de terra com a magnitude de 4,1 na escala de Richter, que causou algum susto mas não provocou danos.


2

29 Mar ‘10

Opinião

Sónia Ramos Ferro

Jurista e Deputada Municipal

Da justeza do PEC A vida política portuguesa está ao rubro. Se não fosse tão patriota até sentiria vergonha. Do PEC já outros e muitos ilustres analistas falaram. Já todos sabemos que vamos ser prejudicados. O que me interessa é a moralidade da questão e a justeza das opções. Ética e Moral precisam-se. Qualquer português mediano clama por Moralidade e decoro, nas medidas adoptadas. Como justificar que seja a classe média (média baixa) e até os beneficiários de prestações sociais do regime não contributivo a pagar o pato/PEC? E os reformados e pensionistas? As Famílias e as empresas em geral? Os trabalhadores por conta de outrem? São os mesmos de sempre. Os que vivem do seu trabalho. A função pública também é chamada ao sacrifício. Aumento zero: contenção nas despesas da Administração Pública, principalmente nas despesas com pessoal. Isto é, contenção para algum pessoal: só para quem trabalha na Administração Publica Central Directa e Indirecta. Porque tudo o resto fica de fora: Caixa Geral de Depósitos, Empresas Públicas, parcerias, autarquias, prémios e salários principescos dos gestores públicos, etc. Os bancos, as mais-valias bolsistas, os off shores, todos ficam de fora, e se voltarem a investir o dinheiro em Portugal ainda são ilibados, se pagarem o dízimo, claro. Que belo exemplo de justiça contributiva e equidade social. O crime sempre compensa. De crescimento económico, nada se diz. Como vamos sair da crise, quais as estratégias económicas para a recuperação, quais os sectores para onde deve ser canalizado primordialmente o investimento público e privado, como retrair o desemprego. Nada. Mas quando o Primeiro-ministro anunciou as medidas do PEC, afirmou que não havia aumento de impostos. Realmente, há muitas maneiras de chamar nomes aos burros, mas reduzir a possibilidade de dedução das despesas de educação e saúde, impondo limites, é na prática um aumento de impostos, porque ou os reembolsos vão ser menores, ou quem recebia vai começar a pagar. Mas só alguns, claro! Por outro lado, a questão das deduções é duplamente injusta. Vejamos. Já pagamos um sistema nacional de

saúde e uma escola pública que não correspondem às necessidades de qualquer família que exija uma educação rigorosa e disciplinada para os filhos, e lhes queira dar um plano de saúde adequado. Assim, se eu quiser fazer um esforço financeiro para que os meus filhos frequentem um bom colégio, porque nas escolas públicas nem vigilância há, sou penalizada porque não consideram isso como despesa dedutível, ou consideram, mas em menor percentagem. Isto é, pago uma escola pública que não desejo para os meus filhos e pago a escola que quero. Duplamente penalizada. O mesmo se passa com a saúde, onde sou obrigada a recorrer à clínica privada, mas pago mensalmente, através dos meus impostos, um sistema nacional de saúde que não corresponde às minhas necessidades no tempo em que preciso dele. Num País em grave risco de rotura financeira, pagam-se prémios milionários a gestores arguidos em processos-crime por corrupção, suspensos judicialmente; os pilotos da TAP ameaçam fazer greve e levam 1,8% de aumento e ainda comparticipam nos lucros; os altos cargos de Direcção nos Institutos Públicos são recompensados com veículos automóveis de serviço de topo de gama, tal como todos os Juízes dos Tribunais Superiores; o Sr. Dr. Victor Constâncio, depois da negligência (para não dizer outra coisa) demonstrada no desempenho do cargo de Presidente do Banco de Portugal, vai para Bruxelas assumir a Vice-presidência do Banco Central Europeu e a nossa Assembleia da República orçamenta para 2010 uma despesa total de funcionamento que ascende a oitenta e sete milhões, duzentos e dois mil, seiscentos e cinquenta e oito euros. (Vide Resolução da Assembleia da República n.º 11/2010 publicada no DR n.º 28, I. ª Série, de 10 de Fevereiro.) Esta verba repito, é só de funcionamento, porque o orçamento total da AR é de cento e noventa um milhões, quatrocentos e cinco mil, trezentos e cinquenta e seis euros e sessenta e um cêntimos. Será que o PEC também atinge o orçamento desta instituição democrática? Sim, para dar o exemplo. Daquela verba, dois milhões e cento e dez mil euros serão utilizados para aquisição de equipamento de informática, para o Deputado José Lelo utilizar como bem próprio em plena sessão pública da Assembleia e interpelar o Presidente da Mesa da Assembleia, por sinal seu camarada, porque os jornalistas presentes podem conseguir visualizar, através das potentes objectivas das suas máquinas fotográficas, a reserva de sua vida privada cons-

tante nesse mesmo equipamento público, numa sessão pública, na qual deveria estar a participar, em vez de resolver a sua vidinha (de certo mais empolgante, não discuto). Vergonhoso e deprimente o gesto colectivo de fechar os computadores, por parte da maioria dos Deputados da bancada do PS, numa demonstração de total ignorância e desrespeito pelo erário público e mais do que isso, pelo povo português, que ostenta esta gente indigna. Num raro momento de lucidez e ponderação, Francisco Assis, líder da bancada parlamentar do PS, ignorou o protesto. Bem andou Jaime Gama, que acima dos interesses partidários e do despautério típico de José Lelo, que aliás já nos habituou às suas graçolas nos debates televisivos onde participa, lembrou o Sr. Deputado de que todo equipamento à sua disposição é público. Em sessão pública, nada é privado, acrescento eu. E privado não é seguramente o caso PT/TVI. Embora o Sr. Primeiro-ministro se mantenha em silêncio (agora), os seus mais fiéis discípulos defendem-no ferozmente. É chicana política chamá-lo a depor na Comissão de Inquérito (dizem), apesar de haver fundada suspeita de que tenha mentido na casa da democracia. Coisa pouca, qualquer um tem direito a um “deslize”! Para mais é absolutamente compreensível que o Sr. se tenha baralhado com as contas. Quem fala demais e quer ser protagonista do jornal das 8h todos os dias, acaba por confundir alguns factos e datas. Ninguém esperava é que os deputados do PSD se atrevessem a tanto! Maçar o Primeiro-ministro com umas perguntas, que até podem ser incómodas, logo agora que ele se prepara para pedir sacrifícios aos portugueses, mas não os exige aos camaradas que empregou no Estado, Estado esse que lhes reconhece mérito, através de louvores, por terem prestados serviços ao Primeiro-ministro durante quatro dias. Que vá à Comissão de Inquérito, que preste todos os esclarecimentos necessários e presencialmente, se nada tem a esconder, que se comporte como qualquer cidadão humilde deste país e perceba que ninguém – nem mesmo ele - está acima da Lei, da Verdade e da Justiça. E é na casa da democracia que deverá fazê-lo.

Quando o Primeiroministro anunciou as medidas do PEC, afirmou que não havia aumento de impostos”

Évora

O cobre está na mira dos ladrões

Sete furtos de material elétrico com componentes de cobre já foram registados pelas autoridades desde o início do ano, nos concelhos de Vila Viçosa e Alandroal, cujo o valor atinge os 50 mil euros, disse quinta-feira uma fonte da GNR. O tenente Vítor Ribeiro, comandante do Destacamento de Reguengos de Monsaraz da GNR, adiantou à Agência Lusa que os furtos têm-se registado, sobretudo, em pedreiras de mármore nos arredores de Vila Viçosa. O oficial da GNR adiantou que também se registaram furtos do mesmo tipo de material em estaleiros de construção civil, de barragens e vinhas, na mesma região. O tenente Vítor Ribeiro explicou que aqueles furtos devem-se ao facto de se tratar de um material que “é muito procurado, tem um valor considerável e é fácil de vender”. A GNR está proceder a investigações. Entretanto, a PSP anunciou ter detido terça feira, em Estremoz, dois homens, de 36 e 42 anos, por tentativa de roubo a uma bomba de combustível. No mesmo dia, a Polícia realizou, no âmbito da Operação “Pela Vida, Trave!”, uma operação de fiscalização rodoviária em Évora, onde foram controladas 59 viaturas e detetadas 11 infrações, na sua maioria por estacionamentos irregulares

Efemérides 29 de Fevereiro * 1865 - Segunda intervenção francesa no México: a França desembarca tropas em Guaymas. * 1982 - O Canada Act é assinado pela rainha Elizabeth II. * 1998 - É inaugurada a Ponte Vasco da Gama, sobre o rio Tejo, a maior da Europa. Nasceram neste dia * 1788 - Infante Carlos de Bourbon, pretendente ao trono de Espanha (m. 1855). * 1802 - Johann Moritz Rugendas, pintor alemão (m. 1858). * 1930 - Lima Duarte, ator e diretor brasileiro. Morreram neste dia * 1792 - Gustavo III da Suécia (na imagem) (n. 1746). * 1982 - Carl Orff, compositor alemão (n. 1895). * 1993 - Juan Luis Martínez, poeta chileno (n. 1942).

Correio do Leitor O correio do leitor é feito para si. É voz activa no nosso jornal. Queremos saber a sua opinião sobre conteúdos ou propostas de abordagem. Somos uma equipa que desejamos dar-lhe a melhor informação. Para isso, contamos consigo e com a sua confiança. Somos REGISTO. A nossa marca, a sua informação. correiodoleitor@registo.com.pt


3

Em Foco D.R.

Almodôvar

Ver estrelas no Museu de Évora D.R.

“Planetas do Sistema Solar” é a designação de uma actividade para pais e filhos que vai decorrer, na noite de 09 de Abril, no Museu de Évora, e que integra astronomia, uma sessão de histórias e uma visita guiada à instituição. A partir do terraço do museu, miúdos e graúdos vão poder participar na observação astronómica das estrelas da Via Láctea e de alguns planetas do sistema solar. A actividade está prevista começar às 22:00 e, terminadas as pesquisas científicas, as crianças, dos seis aos 10 anos, estão convidadas a passar a noite no museu, ouvindo histórias e participando numa visita guiada nocturna.

Projecto envolve Portugal, Espanha e França

Caminho de Santiago vai ser dinamizado

Redescobrir e dinamizar itinerários, recuperar património e criar albergues e pontos de apoio aos peregrinos do caminho da peregrinação a Santiago de Compostela é o objectivo de um projecto apresentado quinta-feira por três instituições de Portugal, Espanha e França.

O “Loci Iacobi – Lugares de Santiago”, promovido pelo governo autónomo da região espanhola da Galiza, Comunidade Urbana da cidade francesa de Le Puy-en-Velay e Diocese de Beja, foi apresentado no Seminário Internacional “O Caminho de Santiago e a Identidade Europeia”, que decorreu no Centro Cultural da vila de Alvito (Beja). “O principal intuito é contribuir para dinamizar itinerários usados ao longo dos séculos pelos peregrinos”, redescobrindo os “outrora famosos mas que caíram no esquecimento”, como os do Baixo Alentejo, e criar novos, explicou à Lusa o director do Departamento do Património Histórico e Artístico (DPHA) da Diocese de Beja, José António Falcão. Em Espanha e França, a marcação dos itinerários “está a ser feita com grande disciplina e há uma articulação de esforços entre as autoridades diocesanas e civis”, mas em Portugal “há a tendência de cada concelho marcar unilateralmente o seu caminho de Santiago”.

“Isto é complicadíssimo” porque “muitos dos caminhos não foram marcados com critério científico, não são reconhecidos pela igreja, desembocam no nada, não têm continuidade e, por isso, não são praticáveis”, disse. “Não se pode actuar isoladamente. A organização é a chave do sucesso”, frisou, defendendo que “é necessário um esforço concertado”, aos níveis nacional e internacional. O projecto, orçado em um milhão de euros e que irá decorrer até final de 2011, vai “identificar os itinerários mais praticáveis” para “obter a sua homologação pelas entidades religiosas e civis”, ou seja, as dioceses, a Junta da Galiza e a Unesco, explicou José António Falcão. Depois, “é preciso criar condições de circulação, albergues e pontos de apoio”, “uma das grandes lacunas com que se deparam os peregrinos”, e “recuperar e tornar acessíveis os monumentos e outros valores culturais e naturais associados ao Caminho”.

Após a Restauração da Independência de Portugal, lembrou, por “motivos nacionalistas” e “porque se pensava que o Caminho de Santiago era uma coisa espanhola”, o Caminho português “entrou em decadência e praticamente morreu no sul” e “manteve-se no Norte mas de forma decante”. Nos últimos anos, os antigos itinerários dos caminhos existentes no território abrangido pela Diocese de Beja, a segunda maior de Portugal, têm vindo a ser redescobertos por investigadores e peregrinos e recuperados pelo DPHA. Ao longo do território existem “alguns dos principais itinerários do Caminho de Santiago no Sudoeste Peninsular”, como o chamado “Caminho Atlântico”, que “é o mais conhecido e o que regista maior número de peregrinos” e entra no Alentejo por S. Teotónio (Odemira) e tem “referências importantes em Odemira, Santiago do Cacém e Alcácer do Sal”, disse José António Falcão. Além da apresentação do “Loci Iacobi – Lugares de Santiago”, o se-

minário, organizado pelo DPHA, reflectiu sobre o passado, presente e futuro do Caminho de Santiago e sobre a forma de dar a conhecer a experiência e as perspectivas das instituições envolvidas no projecto.

NÚmero

1’000’000€ <custo do projecto Loci Iacobi, que irá decorrer até final de 2011>

Seminário de arquitetura debateu recuperação de edifícios A reabilitação de edifícios antigos foi um dos temas do seminário de arquitectura “Linguagens no Tempo - Recuperação e Edificação dos Elementos Edificados”, que decorreu sexta feira e sábado nos Paços do Concelho de Almodôvar. Promovido pelo município, o seminário, que contava com mais de 100 inscritos, visou promover e divulgar a construção e a recuperação dos edifícios, contribuir para a formação dos vários intervenientes na área e o desenvolvimento regional sustentável e promover o uso de materiais tradicionais, segundo uma fonte da Câmara Municipal de Almodôvar. Arqueologia do espaço, o sentido do tempo na conservação e transformação dos espaços territoriais, arquitectura reciclável e reabilitação estrutural de edifício antigos foram alguns dos temas em debate.


4

29 Mar ‘10

Opinião

Em Foco

António Costa da Silva Economista

Porquê tanta hesitação na ajuda à Grécia Custa-me muito a perceber porque é que existiam tantas dúvidas ao Conselho Europeu em ajudar a Grécia. Na realidade, surgiram, porque a Alemanha, mais preocupada com a sua situação interna, abdicou totalmente de liderar com determinação, persistência, eficácia e empenho, a crise económica e financeira da UE - União Europeia. E esse é um erro muito grave. Quer queiramos quer não a UE para avançar necessita que o seu principal motor esteja a funcionar plenamente. Na prática, isso não tem acontecido. A Europa (entenda-se UE) só avança com uma Alemanha forte, mas também é verdade que a Alemanha só avança com uma Europa forte. Nestas coisas dos egoísmos nacionais, onde os contribuintes líquidos se queixam dos maus comportamentos dos recebedores líquidos, não nos podemos esquecer que todas as economias têm que convergir no mesmo sentido. Nesse aspecto, todas as economias devem estar implicadas nos mesmos objectivos. Quer quem paga, quer quem recebe. Parecem-me totalmente absurdas as afirmações de Angela Merkel quando pôs a hipótese de excluir membros da zona Euro que não conseguem cumprir as regras. Se fosse assim, já há muito tempo que a França já tinha sido excluída. Evidentemente que as situações são completamente diferentes, mas falamos de regras. Curiosamente foi a França quem começou por ultrapassar a regra do défice superior a 3% do PIB, e ninguém teve a coragem de ameaçar este país com quaisquer tipo de sanções. Aliás, Gerhard Schroeder, chanceler da Alemanha nessa altura, nunca sujeitou Jacques Chirac, então Presidente da França, a quaisquer penalizações. Aliás, nem se atreveu a falar do assunto. Também a própria Alemanha tem um historial um pouco complexo. Há um assunto pouco abordado mas que foi vital para o desenvolvimento da UE nos anos noventa: a integração da RDA – República Democrática Alemã na RFA – República Federal Alemã. Na verdade, A RDA ao ser integrada na RFA (apesar de eu considerar um aspecto bastante positivo), foi como se tivesse aderido um novo País na UE (na altura o 13º País, porque nos encontrávamos numa Europa a 12), sem que se tive perguntado a ninguém. Ou seja, a RDA entrou porque a Alemanha entendeu que deveria entrar, enquanto que os outros países não foram vistos nem achados sobre esta matéria. Se calhar, ainda bem que foi assim. Como já referi, considero a entrada da RDA na UE como muito positiva.

Foi fundamental para aperfeiçoar o modelo Europeu (mas isso é outra história). No entanto, a sua entrada abalou totalmente o modelo de desenvolvimento e crescimento da Europa. Esta mudança estrutural exigiu um esforço de investimento que ninguém estava à espera. A luta da Alemanha no início da década de noventa contra as elevadíssimas taxas de desemprego, e ao tentar colocar a funcionar uma economia lenta e muito pouco competitiva, fez com que a Europa se ressentisse fortemente. Mas tudo foi considerado como normal, ninguém questionou esta integração. Provavelmente nem podiam. Voltando à questão inicial, por muito que seja desagradável à opinião publica alemã ajudar um país que fez um exagero de asneiras, e que isso torne impopular a senhora Merkel, parece-me fundamental que o principal país europeu não se demita da sua liderança e da sua capacidade económica e financeira em ajudar uma nação que se está a afundar. É claro que todos os outros países membros da UE também têm que assumir coragem e responsabilidade para confrontar este problema. Não resolver este problema de frente, significa gerar mais desconfiança e aumentar um clima de descrença no futuro. Não nos podemos esquecer que mais de dois terços das exportações da Alemanha vão para a UE. Por isso mesmo, a Alemanha não pode só olhar para a Europa como seu absorvedor de recursos, mas sim como sendo determinante para o seu próprio desenvolvimento. A economia alemã consegue ser mais forte quando usa a sua força para fazer crescer a Europa. Isso é precisamente o que está a deixar de acontecer. Falta alguém à Alemanha com as características de liderança, de estadista e de visão de futuro, como foi Helmut kolh. Também me parece claro, para que a moeda única não saia debilitada nesta matéria, os países da UE, e sem dúvida alguma, com a liderança alemã, controlem ao máximo aquilo que a Grécia pretende fazer para ultrapassar esta grave situação que criou. Utilizando uma linguagem mais simples, é fundamental andar em cima da Grécia. É preciso entender que a Grécia é só mais um problema que a UE tem dificuldade em resolver. Não é a Grécia o problema. Outro aspecto determinante para acabar com estes problemas, tem a ver com o resolver a falta de responsabilidade dos governantes europeus, que passam a vida atacar-se sistematicamente, a olhar apenas para os seus umbigos e problemas internos. Não há quem lhes meta na cabeça que os seus países só serão fortes quando a UE for forte no panorama internacional. Por isso, goste-se ou não se goste, os países que fazem parte desta importante organização terão que, obrigatoriamente, perder muito dos seus instrumentos de gestão. Por outras palavras, terão que forçosamente perder soberania. Senão mais vale inventar outra coisa qualquer. A UE tem que deixar de criar os seus próprios embaraços, senão isto não vai correr nada bem. Os tempos que se avizinham não vão ser nada fáceis.

Uma tradição secular

Lagoa de Santo André foi reaberta ao mar D.R.

Cumprindo uma tradição que remonta ao século XVII e se repete anualmente por ocasião do equinócio da Primavera, mais de três mil pessoas assistiram domingo à abertura artificial da Lagoa de Santo André. Mais de três mil curiosos aproveitaram a tarde solarenga de domingo para assistir ao trabalho das máquinas que abriram um canal pelo cordão dunar, cumprindo a tradição centenária da abertura artificial da Lagoa de Santo André ao mar, no concelho de Santiago do Cacém. O trabalho esteve a cargo de duas ‘lagartas’ (ou tractores de rastos) e de uma escavadora giratória, numa iniciativa promovida pelo Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB). A tarde de domingo foi aproveitada por milhares de pessoas - turistas, famílias e muitos habitantes da região -, que não perderam a oportunidade de testemunhar a repetição do ritual bem de perto, chegando a praia da Costa de Santo André a ter mais movimento do que durante a época balnear. O corredor, este ano com cerca de dez metros de largura e 50 de comprimento, abriu a lagoa às águas do Oceano Atlântico poucos minutos depois das 16:00, dando início à renovação das águas. Para além da renovação

das águas, o processo é repetido anualmente para permitir a saída de matéria orgânica e a entrada de sedimentos arenosos e de organismos (peixes e invertebrados). “É uma acção de gestão não só do ecossistema - as lagoas costeiras são habitats prioritários e como tal temos obrigação de os proteger e renovar -, mas também para que a pesca continue a existir na lagoa”, explicou à Lusa a responsável da Reserva Natural das Lagoas de Santo André e da Sancha, Ana Vidal. Com os níveis de água mais elevados desde 2001, a lagoa onde desaguam cinco ribeiras atingiu este ano uma área de 350 hectares, com uma média de dois metros de profundidade. “A massa de água vai permitir que o canal se mantenha aberto durante bastante tempo”, disse, prevendo uma abertura de cerca de 60 dias, o que considera “muito bom”, porque quanto mais tempo se mantiver aberto, mais eficaz é a renovação das águas. “Em 2008 esteve cinco dias aberto e no ano passado não chegou a um mês”,

recordou, explicando que, apesar de a abertura ao mar ser feita artificialmente, o cordão dunar acaba por se voltar a formar de forma natural e encerra a lagoa novamente. O dia de abertura é escolhido tendo em conta as condições ideias, como a maior amplitude das marés (a maior e a mais baixa no mesmo dia), a agitação marítima e o vento calmo. A Lagoa de Santo André recebe “uma abundante avifauna aquática”, sendo que, para algumas espécies, funciona como refúgio pós-reprodutor durante o verão, apresentando também no Outono e no inverno, “grandes concentrações de aves, em grande parte provenientes do norte e centro da Europa”, revelou o ICNB. Considerado o maior sistema lagunar da costa alentejana, a Lagoa de Santo André está classificada como Sítio RAMSAR - Zona Húmida de Importância Internacional, sendo a sua existência considerada pelo ICNB decisiva para a manutenção dos valores naturais e para actividades humanas como a pesca.


5 Em Foco Fotografia Lusa

Eleito por mais de 60 por cento dos militantes

Passos Coelho é o novo líder do PSD

Pedro Passos Coelho, o novo líder do PSD, eleito na sexta-feira com mais de 60 por cento dos votos dos militantes, saiu vencedor em todo o país excepto na Madeira, arrasando Paulo Rangel, Aguiar-Branco e Castanheira Barros. Logo após o anúncio da vitória, Passos Coelho apelou à unidade do partido e avisou os socialistas que não pretende abrir crises políticas desnecessárias mas garantiu que não andará com o Governo ao colo nem votará contra as suas ideias. Em relação ao Alentejo, o recém-eleito líder social-democrata manifestou recentemente a sua preocupação quanto ao futuro de empreendimentos como o aero-

porto de Beja. No dia 18, aquando da sua passagem pelo Alentejo em campanha eleitoral, Passos Coelho disse esperar que o Governo e a ANA – Aeroportos de Portugal criem rapidamente condições para o aeroporto de Beja começar a operar e a fazer sentido. Pedro Passos Coelho manifestou, no entanto, “dúvidas” sobre “a opção que o Governo parece ter feito de entregar a exploração” do aeroporto de Beja à ANA,

referindo que sobre esta matéria “há ainda uma indefinição muito grande”. Citado pelo semanário Alentejo Popular, Passos Coelho disse ainda: “Era bom reflectir seriamente se não seria preferível encontrar um outro destino de gestão para este equipamento que não fosse o da ANA”. Nascido em Coimbra a 24 de Julho de 1964, Pedro Manuel Mamede Passos Coelho viveu em Angola na infância, mudando-se de-

pois para Vila Real, onde aderiu à Juventude Social Democrata (JSD) quando tinha 13 anos. Depois de exercer os cargos de secretário geral e vice-presidente da “jota” entre 1984 e 1990, foi presidente da JSD durante dois mandatos consecutivos, de 1990 a 1995, em pleno “cavaquismo”. Em 2001 concluiu a licenciatura em economia pela Universidade Lusíada de Lisboa. Foi consultor da Tecniforma e é actualmente

administrador executivo do grupo Fomentinvest e também docente no Instituto Superior de Ciências Educativas. Casado e pai de duas filhas, Passos Coelho é um melómano, com voz de barítono, e chegou a ter aulas com uma professora do Conservatório. O gosto pela música levava-o também a cantar o fado, quando ia com os amigos e companheiros da JSD aos restaurantes do Bairro Alto, em Lisboa.

Cavaco felicita e lembra que Portugal precisa de estabilidade política O Presidente da República felicitou hoje o novo líder do PSD, Pedro Passos Coelho, sublinhando que Portugal precisa de estabilidade política porque, neste momento, “depende muito” da apreciação de outros países. “Neste momento, independentemente de se gostar ou não gostar do Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC), temos que nos colocar na posição de defender Portugal perante o estrangeiro”, disse Aníbal Cavaco Silva em Loulé. O Presidente da República falava aos jornalistas à margem da inauguração da exposição “Aníbal Cavaco Silva: Exposição Biográfica de um Presidente nascido em Loulé”, patente no Convento de Santo António até 09 de maio. Salientando que Portugal precisa de estabilidade política para fazer face aos “desafios muito complexos” que tem pela frente, Cavaco Silva disse estar convencido de que todas

as forças políticas pensam da mesma forma. “Nós dependemos muito neste momento da apreciação de cidadãos de outros países e por isso como Presidente da República estarei sempre ao lado daquilo que é melhor para Portugal perante os estrangeiros que nos observam”, resumiu. Segundo Cavaco Silva, o país deve ter “muito cuidado” para não contribuir para que os mercados internacionais julguem mal o programa português porque assim as famílias e empresas terão ainda de pagar “juros mais elevados”. Durante a visita que fez à exposição em sua homenagem, promovida pela Câmara de Loulé no âmbito das comemorações do

centenário da implantação da República, o Presidente da República recordou momentos desde a sua infância, em Boliqueime, ao início da carreira política. Aos jornalistas Cavaco Silva confessou que o momento mais surpreendente da sua vida política foi o convite de Francisco Sá Carneiro para integrar o Governo como ministro das Finanças em 1979. “Foi uma surpresa e a minha primeira reação até foi negativa”, lembrou, contando que na altura se preparava para prestar provas para ascender a professor catedrático e que não tinha qualquer experiência política. O chefe de Estado português recordou ainda os momentos passados em África,

altura em que fazia vários filmes, uma fase da sua vida documentada na exposição com a exibição da câmara de filmar que usava. “Fui um cineasta e aprendi mesmo a fazer desenhos animados”, contou, dizendo que em África percorreu boa parte de Moçambique e da África do Sul com a mulher, registando tudo em película. A exposição que faz uma retrospetiva da vida do presidente reúne uma mostra de 200 documentos e objetos pessoais de Cavaco Silva - entre fotografias, condecorações, documentos manuscritos e presentes de Estado -, alguns dos quais o próprio Cavaco Silva já não se recordava, como confessou aos jornalistas.


6

29 Mar ‘10

Em Foco D.R.

Costa alentejana

Porto Covo e Sines vão beneficiar do Plano de Acção para o Litoral Porto Covo e Sines foram identificados como pontos vulneráveis na costa alentejano, e vão por isso beneficiar de obras de requalificação no âmbito do Plano de Acção para o Litoral.

1º Congresso de Turismo do Alentejo

Aeroporto de Beja “importantíssimo” para o turismo O aeroporto de Beja é uma “infraestrutura importantíssima” para dinamizar projetos turísticos que “estão a arrancar” no Alentejo e “em breve” serão uma realidade, considerou sexta-feira o secretário de Estado do Turismo, Bernardo Trindade. Quando forem uma realidade, os projectos turísticos vão “precisar” do aeroporto de Beja “para trazer turistas dos nossos principais mercados emissores”, frisou Bernardo Trindade, que falava à Agência Lusa à margem do 1.º Congresso de Turismo do Alentejo, que arrancou sexta-feira em Beja. Segundo o governante, o aeroporto de Beja “é um caso em que a administração pública esteve à frente” da iniciativa privada, conseguindo “concluir uma infra-estrutura aeroportuária” no Alentejo “quando investimentos turísticos privados, na sua grande dimensão, ainda não estão concluídos”. “Noutros territórios acontece o contrário. Os investimentos privados vão acontecendo e depois não há uma infra-estrutura pública

aeroportuária que sirva as regiões”, frisou. “Felizmente, não é isso que acontece no Alentejo”, salientou, garantindo que o Governo e a ANA - Aeroportos de Portugal vão “saber aliciar companhias aéreas a voarem” a partir do aeroporto de Beja. Quanto à ANA, admitiu sextafeira à Agência Lusa que a operação de voos charters no aeroporto de Beja deverá começar a partir de Março de 2011 e a instalação de indústrias aeronáuticas avançará quando a ANA puder assinar contratos. “Estamos a fazer mesmo um grande esforço para que seja possível viabilizar uma operação” de voos charters no Verão de 2011 da Associação Internacional de Transporte Aéreo, que “vai de

Março a Outubro”, disse o director de estratégia e marketing aeroportuário da ANA - Aeroportos de Portugal, Leonel Horta Ribeiro. O responsável falava à Agência Lusa à margem de um painel sobre o desenvolvimento turístico do aeroporto de Beja, no âmbito do 1.º Congresso de Turismo do Alentejo. “Não julgamos, dentro dos ritmos que a aviação tem, que seja possível começar a operar no aeroporto de Beja antes de Março de 2011”, insistiu, sublinhando que tal “não quer dizer que a instalação das indústrias aeronáuticas não se comece a processar logo que a ANA tenha legalmente condições” para assinar contratos, disse. “Neste momento, a ANA não pode assinar contratos, porque, formalmente o aeroporto de Beja ainda não foi transferido [pelo Es-

tado] para a concessão” da empresa, explicou. Na sua intervenção no painel, o presidente da White Airways, José Miguel Costa, revelou que a empresa tem um projecto para a construção de um hangar de manutenção de aviões no aeroporto de Beja, num investimento de cerca de 5,5 milhões de euros. “Se tudo correr como está previsto”, a construção do hangar, que irá criar “55 postos de trabalho”, deverá arrancar em 2011, disse José Miguel Costa. O 1.º Congresso de Turismo do Alentejo, com 850 participantes inscritos e 35 oradores distribuídos por seis painéis, decorreu sextafeira e sábado, no Teatro Municipal Pax Júlia, em Beja, para “discutir temas de interesse para o turismo em Portugal”.

4,1 na escala de Richter

Sismo no Alentejo não fez estragos Ao princípio da tarde de sábado, o Alentejo foi sacudido por um tremor de terra com a magnitude de 4,1 na escala de Richter, que causou algum susto mas não provocou danos. Portugal registou sábado às 13h37 um tremor de terra com epicentro a cerca de seis quilómetros a Leste da vila alentejana de Sousel, no distrito de Portalegre, informou a Agência Lusa citando o Instituto de Meteorologia (IM). O Comando Distrital de Opera-

ções de Socorro (CDOS) de Évora afirmou àquela agência que o sismo foi sentido em várias localidades do distrito, nomeadamente em Évora, Estremoz, Vila Viçosa, Arraiolos e Borba, não havendo até quaisquer vítimas ou danos a lamentar. O CDOS de Portalegre afirmou

que o sismo foi sentido em todo o distrito e não há conhecimento de damos e de vítimas. Também o CDOS de Beja disse que o abalo foi sentido em Cuba e Beja. Na passada segunda feira, dia 22, Portugal registou um sismo de 3,5 graus na escala de Richter, sentido em Santarém, Caste-

lo Branco, Portalegre e Leiria, Coimbra, Guarda, Évora, Viseu e Setúbal. O tremor de terra do dia 22, que também não causou danos, teve o epicentro a cerca de 8 km a Nordeste de Mação, na fronteira dos distritos de Santarém e Castelo Branco.

Depois de um inverno “especialmente agressivo”, o combate à erosão costeira e a requalificação das zonas afectadas vão ser alvo este ano de um investimento de 100 milhões de euros, adiantou a ministra do Ambiente, citada quarta-feira pela agência Lusa. Segundo Dulce Pássaro, as condições meteorológicas dos últimos meses foram motivo de preocupação em pontos mais vulneráveis, como as ilhas barreiras do Algarve (o caso que requer uma intervenção mais célere) ou a zona da Lagoa de Óbidos, mas “nenhuma situação é irrecuperável”. Na costa alentejana, a falésia em que assenta a fortaleza do Pessegueiro, a praia da Samouqueira (Porto Covo) e a praia Vasco da Gama (Sines) são apontadas como as áreas mais vulneráveis. O presidente da Câmara de Sines, Manuel Coelho, considera não existirem situações de “risco de derrocada imediata”, mas afiança que a palavra de ordem continua a ser “prevenir”. “Vamos ter de investir mais, em alguns casos, em protecção, recuperação e requalificação”, afirmou Dulce Pássaro, referindo que os 100 milhões estimados para 2010 integram o Plano de Acção para o Litoral 20072013, que inclui verbas comunitárias, da administração central e de autarquias. A ministra disse que o montante vai permitir “salvar a costa” portuguesa e sublinhou que a tutela não se vai coibir de solucionar os problemas a nível da construção que se coloquem nas zonas mais sensíveis. “Respeitando os direitos das pessoas, temos de actuar, é uma questão de defendermos o bem público e de minimizarmos os riscos”, defendeu.


7 PUB


8

29 Mar ‘10

Sociedade Luís Pardal Fotografia

Após quatro dias de greve

Operários da Kemet consideram novas formas de luta

Os trabalhadores da fábrica de Évora da Kemet Electronics puseram fim a uma greve de quatro dias mas não desistiram das suas reivindicações e analisam novas formas de luta, que poderão passar por “mudarem de atitude perante as chefias, de uma forma silenciosa, para responder ao silêncio” da empresa. Os trabalhadores da fábrica de Évora da multinacional norteamericana Kemet Electronics terminaram quinta-feira uma greve de quatro dias, de duas horas em cada turno, prometendo continuar os protestos com eventuais novas paralisações. O delegado sindical e dirigente do SIESI, Hugo Fernandes, adiantou à Agência Lusa que a greve superara as expetativas, registando uma adesão “superior a 90 por cento”.

“Os trabalhadores da Kemet Electronics não pensam desistir e têm vontade de continuar a lutar, apesar de ainda não termos qualquer resposta, por parte da direção da empresa, em relação às nossas reivindicações”, afirmou o sindicalista. Por isso, acrescentou, “têm surgido, por parte dos trabalhadores, várias propostas para novas formas de luta”, que deverão ser discutidas num plenário a realizar na próxima semana.

“Existem várias propostas e nem todas são de uma nova greve”, disse, revelando que uma das formas de luta poderá passar por os trabalhadores “mudarem de atitude perante as chefias, de uma forma silenciosa, para responder ao silêncio” da empresa. Os operários da unidade alentejana iniciaram na segunda-feira passada uma greve de duas horas no princípio de cada turno e durante quatro dias para protestar

contra a decisão da administração da empresa de suprimir o pagamento do subsídio de turno e do trabalho noturno. Os trabalhadores reivindicam também o cumprimento do direito legal a um mínimo de 22 dias úteis de férias, o respeito patronal pelos direitos dos trabalhadores estudantes, a atribuição de funções correspondentes às suas categorias profissionais e o fim da deslocalização de equipamentos

para o México. A Lusa contactou a administração da empresa, que se escusou a prestar declarações sobre a paralisação. Com cerca de 350 operários, a fábrica de Évora da multinacional norte-americana Kemet Electronics produz condensadores de tântalo, componentes utilizados na produção de telemóveis e em equipamentos eletrónicos para a indústria automóvel.

Refinaria de Sines

Trabalhadores da Galp anunciam greve de três dias Os trabalhadores das refinarias da Galp Energia, incluindo a unidade de Sines, vão realizar uma greve de três dias, de 19 a 21 de Abril, em protesto contra a atualização salarial proposta pela empresa. O recurso à greve nas refinarias da Galp Energia em Portugal foi ratificado quartafeira pelos trabalhadores da unidade do Porto, confirmando assim a vontade anteriormente expressa pelos colegas de Sines. Além da greve nos dias 19, 20 e 21 de Abril, os trabalhadores das refinarias da Gal Energia farão greve ao trabalho extraordinário nos dois dias anteriores, 17 e 18 de Abril. “Uma paragem de três dias implica a paragem de toda a produção e, em termos de abastecimento ao público, poderá haver postos de abastecimento que vão sofrer consequências, uma vez que não haverá abastecimento normal a sair das refinarias”, afirmou à Lusa o coordenador do Sindicato dos

Trabalhadores da Química, Farmacêutica, Petróleo e Gás do Norte (Sinorquifa). Segundo o sindicato, a paralisação de três dias contra a atualização salarial proposta pela Galp Energia terá “implicações fortes na produtividade da empresa e no abastecimento de gasolina e gasóleo nos postos de abastecimento”. Ribeiro dos Santos defende que, apesar das várias rondas negociais, a proposta de aumento salarial da Galp “está muito distante” dos valores reclamados pelo sindicato. “Na última reunião a empresa avançou mais 0,1 por cento face à sua anterior posição, o que corresponde a um aumento de 1,3 por cento para salários até 2.310 euros e

de 1 por cento para salários superiores. Nós definimos que os trabalhadores deveriam exigir uma distribuição de lucros e um aumento salarial de 2,8 por cento, com 55 euros de aumento mínimo”, recordou Ribeiro dos Santos. O protesto, segundo disse, será de âmbito nacional e acontecerá “em simultâneo em todas as instalações” da Galp Energia. Uma vez que quer na Refinaria de Sines, quer na do Porto, decorrem atualmente obras, Ribeiro dos Santos alertou que a greve terá “uma dimensão muito elevada”, já que os trabalhadores das empreitadas em curso serão “naturalmente impedidos de entrar nas instalações”.

Por sua vez, Hélder Guerreiro, dirigente do SINQUIFA (Sindicato dos Trabalhadores da Química, Farmacêutica, Petróleo e Gás do Centro, Sul e Ilhas) e membro da Comissão Sindical Negociadora, considera que a decisão dos trabalhadores de Sines foi o “espelho” da sua “determinação” em “forçar a empresa a chegar mais próximo das posições sindicais”, que entende serem “as mais justas”. O sindicalista considera que não há justificação para a empresa “apostar na contenção salarial”, defendendo que, apesar de afetada pela situação económica global, a Galp “não está em crise”, tendo apresentado mesmo “213 milhões de euros de lucro em 2009”.


9 Sociedade Greve nos caminhos-de-ferro

Paralisação causou atrasos no Intercidades Lisboa-Évora

A ligação ferroviária entre Lisboa e Évora sofreu importantes atrasos no dia 23, motivados pela greve nacional de 24 horas que afectou a circulação de comboios em todo o país. Luís Pardal Fotografia

A greve dos trabalhadores ferroviários causou “bastante dificuldade” nas primeiras horas da manhã, reconheceu o porta-voz da CP, Bruno Martins, em declarações à Antena 1. Essa situação estendeu-se “a todo o território nacional, nomeadamente nos comboios urbanos de Lisboa e Porto”. “No que diz respeito a comboios de longo curso, foram garantidas as ligações internacionais entre Madrid e Lisboa e entre a fronteira francesa com Espanha e Lisboa”, precisou Bruno Martins. O porta-voz da CP acrescentou que “no que diz respeito a comboios do serviço regional nos eixos espalhados pelo país foi possível garantir cerca de metade da oferta”. Ao início da manhã, o sindicato do sector garantia que a circulação ferroviária estava a ser “fortemente perturbada” pela greve. A adesão dos trabalhadores ao protesto atingia, segundo a estrutura, os 80 a 90 por cento “em alguns locais”. José Manuel Oliveira, do Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Sector Ferroviário denunciou ainda que os trabalhadores incumbidos dos serviços mínimos no Centro Operacional, perto da Estação de Santa Apolónia, em Lisboa, foram “expulsos” e “substituídos por quadros superiores da empresa”: “O objectivo deles é fazer circular os comboios a qualquer custo”. O Sindicato dos Trabalhadores do Sector Ferroviário solicitou mesmo a intervenção da Autoridade para as Condições do Trabalho e pondera agora avançar com uma queixa-crime contra a Refer por alegada violação da lei.

Conflito laboral na Neves-Corvo

Mineiros querem saber o que fez Cavaco para ajudar O Presidente da República prometeu no dia 13 mediar o conflito entre os trabalhadores e a administração das minas Neves-Corvo, e agora uma delegação de mineiros vai a Lisboa para avaliar o que fez de concreto Cavaco Silva nesse sentido. Uma delegação do sindicato dos mineiros desloca-se quarta-feira à Presidência da República para saber que diligências Cavaco Silva já tomou para “ajudar” a resolver o conflito entre a concessionária e trabalhadores da mina de Neves-Corvo. Através da reunião, o sindicato quer saber “quais as diligências” que a Presidência da República “já fez até ao momento”, disse, lembrando que no passado dia 13, durante uma visita a Almodôvar, Cavaco Silva ouviu os apelos e as queixas dos mineiros e prometeu analisar o documento que entregaram a um representante da Casa Civil do Presidente da República. “Temos alguma esperança de que a Presidência da República venha a ajudar na resolução do conflito” na mina de Neves-Corvo (Castro Verde), disse uma fonte do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira

(STIM), adiantando que “não sabe” quem irá receber a delegação”. Falando à Agência Lusa, Jacinto Anacleto, dirigente do STIM, precisou: “É-nos indiferente, desde que venha ao encontro da resolução do conflito”. Segundo Jacinto Anacleto, a Constituição da República “tem um artigo que diz que há o direito à negociação”, mas esta palavra “não tem sido pronunciada” pela administração da concessionária da mina, a Somincor, que “não se quer sentar à mesa para negociar as reivindicações dos trabalhadores”. “Nunca vimos uma administração com uma postura como a da Somincor”, que pertence ao grupo Lundin Mining, o antigo dono das minas de Aljustrel e do qual o STIM tem “recordações más”, disse. A greve na mina de Neves-Corvo, de duas horas diárias no início de cada turno e que começou no dia 16 de Fevereiro por tempo in-

determinado, “é para continuar”, disse Jacinto Anacleto, garantindo que “os trabalhadores estão determinados em levar a greve até que a administração da Somincor se sente à mesa para negociar as reivindicações”. Em declarações à Lusa, a porta-voz da Somincor, Lígia Várzea, reafirmou quartafeira que a administração da empresa “dialogará com os trabalhadores se a greve for desconvocada”. Através da greve, os trabalhadores reivindicam um aumento de cem euros no subsídio de fundo, que é atribuído aos trabalhadores que trabalham no fundo da mina. Trata-se de “pouco mais de três euros por dia”, precisou Jacinto Anacleto, justificando o aumento do subsídio com a “penosidade do trabalho no fundo da mina, a 700 metros de profundidade, com temperaturas elevadíssimas, humidades muito ex-

cessivas e constante eminência de ocorrerem derrocadas”. Os trabalhadores reivindicam também “o pagamento dos 50 por cento em falta da compensação do dia de Santa Bárbara” (padroeira dos mineiros) de 2009 e “a garantia do pagamento da compensação na totalidade este ano e nos próximos anos”. Desde o primeiro dia, a adesão à greve tem sido “acima dos 90 por cento” nos turnos das 06.00, 14:00 e 22:00, que abrangem os trabalhadores do fundo da mina, onde “o descontentamento é maior”, disse Jacinto Anacleto. No turno das 08:00, que abrange os trabalhadores à superfície, só abrangidos pela reivindicação relativa à compensação do dia de Santa Bárbara, “a adesão é fraca”, disse, referindo que a greve está “a afetar a produção” da Somincor, que “está a um terço daquilo que seria normal”.


10

29 Mar ‘10

Sociedade Na Escola de Santa Clara

Évora acolheu fase final das Olimpíadas de Matemática Fotografia de Arquivo

A Escola EB 2,3 de Santa Clara, em Évora, acolheu a final nacional das XXVIII Olimpíadas Portuguesas de Matemática, um evento que contou com a participação de mais de 30 mil alunos de todo o país, bem como de escolas portuguesas espalhadas pelo mundo. A fase final da 28ª edição das Olimpíadas Portuguesas de Matemática (OPM), referente ao ano lectivo 2009/10, decorreu sábado entre quinta-feira e domingo na Escola de Santa Clara, com a participação de 70 alunos de várias regiões do País, desde o 8º ao 12º ano, tendo também concorrido pela primeira vez algumas escolas portuguesas de vários países do mundo. A cerimónia de entrega dos prémios teve lugar ontem, pelas 10h00, no Teatro Municipal Garcia de Resende, e contou com a presença da ministra da Educação,

Isabel Alçada, e do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago. As OPM são organizadas pela Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM) e pelo Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra com o objectivo de desenvolver o gosto pela matemática. Podem participar alunos do segundo ciclo (pré-olimpíadas), terceiro ciclo e secundário, que encontram desafios que exigem raciocínio, criatividade e imaginação. As OPM foram organizadas pela primeira vez em 1980, com a

designação de Mini-Olimpíadas de Matemática. Naquele ano e nos seguintes, apenas as escolas da região Centro participaram. A procura, no entanto, fez com que a partir de 1983 fossem aceites alunos de todo o país. Pretende-se com este desafio, segundo os organizadores, desenvolver o gosto dos jovens pela matemática, estimulando nomeadamente o conhecimento, o treino, o raciocínio e a criatividade. Uma fonte da organização precisou no entanto que a final nacional não encerra o ano Olímpico. Os

estudantes da categoria B aí medalhados concorrem ainda para representar Portugal nas Olimpíadas Internacionais e Ibero-americanas. Em 2010, estas competições decorrerão na República do Cazaquistão e no Paraguai, respectivamente. Entre os dias 27 e 29, representantes de todos os países lusófonos estiveram reunidos em Portugal para discutirem a criação das Olimpíadas CPLP. O objectivo era criar um evento de carácter internacional, que permita aos estudantes dos diversos países

participar numa competição de matemática. O encontro teve início em Évora, onde os convidados assistiram à final das OPM e onde se iniciaram os primeiros contactos entre as delegações e as representações diplomáticas. Segundo a programação, os participantes farão hoje no Instituto Superior Técnico, em Lisboa, uma exposição sobre as competições matemáticas dos respectivos países, seguida da apresentação e discussão de propostas para a criação das Olimpíadas de Matemática da Lusofonia.

Cáritas apoiou mais de mil famílias em 2009

O Alentejo está mais pobre Devido ao “custo de vida e à falta de emprego”, registou-se um acentuado aumento no número de famílias alentejanas que se vêem obrigadas a pedir ajuda à Cáritas Diocesana de Évora, segundo revelou a directora da instituição, Maria do Anjo Marques. Mais de mil famílias do Alentejo e do Ribatejo procuraram a Cáritas no ano passado, pedindo sobretudo apoio financeiro, vestuário e alimentação, declarou quarta-feira à Agência Lusa aquela responsável. “No ano passado, atendemos mais de mil famílias. Nós também sentimos um acréscimo de necessidades aqui na nossa região e muitas delas têm a ver com o custo de vida e a falta de emprego”, disse Maria do Anjo Marques. De acordo com a mesma responsável, há famílias na região que “não conseguem fazer face às despesas mensais e recorrem, muitas vezes, à Cáritas para fazer o paga-

mento de telefone e da electricidade e também na área da saúde, como na compra de medicamentos e de exames médicos”. Além do apoio financeiro, a instituição fornece aos mais carenciados cabazes de alimentos, em colaboração com a Segurança Social e o Banco Alimentar, mas que se tornam insuficientes perante a procura. “Nós próprios temos que adquirir alimentos para fornecer às pessoas”, porque “o que vem da Segurança Social e do Banco Alimentar é insuficiente”, explicou Maria do Anjo Marques. Por outro lado, a Cáritas de Évora, que abrange a totalidade dos concelhos do dis-

trito de Évora e alguns de Portalegre, Santarém e Setúbal, registou um aumento significativo de pedidos de roupa. “Vemos pessoas da classe média que no passado não recorriam ao roupeiro e agora já começam a recorrer, não apenas da cidade de Évora, mas também de localidades próximas”, alertou Maria do Anjo Marques, indicando ainda que aparecem na instituição “famílias muito endividadas”. Com este tipo de problemas “é mais difícil de ajudar, mas mesmo assim tentamos orientar as pessoas para reduzirem a sua dívida”, afiançou. O apoio social aos imigrantes, sobretudo

brasileiros e do Leste Europeu, “também eles afectados pelo problema do desemprego”, é outra das valências da Cáritas Diocesana de Évora. Através de “um clube de emprego”, segundo a directora da instituição, a Cáritas coloca os imigrantes “a prestar serviços domésticos em casas de famílias e apoio a idosos que estão sozinhos em casa”. Já os idosos e os adultos em idade activa constituem-se como os grupos que mais preocupam a Cáritas de Évora, registandose “uma grande procura de ajuda, devido ao problema do envelhecimento e da solidão”.


11 PUB


12

29 Mar ‘10

Desporto

Estrela de Vendas Novas já venceu 22 jogos seguidos

Este clube só sabe

De um momento para o outro, uma equipa de futebol alentejana passou a merecer a atenção da comunicação social, e já tem direito a tempo de antena nos canais de rádio e de Vendas Novas, já leva 22 jogos seguidos a ganhar, tornando-se assim a única equipa de futebol português que este ano ainda não conheceu o sabor da derrota. Texto de José Pinto de Sá Fotos de Luís Pardal

O

ntem à tarde, a jogar em casa no Estádio Municipal de Vendas Novas, o Estrela Futebol Clube impôs um concludente 5-0 ao Arcoense, e manteve-se invencível. Com 18 partidas disputadas na Divisão de Honra da Associação de Futebol de Évora, o Estrela segue isolado em primeiro lugar. Leva uma dezena de pontos de avanço sobre o segundo classificado, o Monte do Trigo, apesar de contar com menos um jogo, já que a partida disputada no dia 21

contra o Viana foi interrompida devido ao mau tempo, e deverá ser repetida. Nesses dezoito jogos, o Estrela marcou nada mais nada menos que 56 golos, sofrendo apenas 10. Portanto, o campeonato distrital o título está praticamente assegurado; na Taça Distrito de Évora o Estrela já está apurado para a final. Qual o segredo para tantos êxitos? Para o presidente do Estrela Futebol Clube, Sérgio Ferreira, estes sucessos explicam-se por um grande rigor “em termos de orçamento”, na forma como o clube tem gerido os 70 mil euros de que dispõe para esta época. Manter a cabeça fria e um perfil modesto parece ser a palavra de ordem, mas a mas-

sa associativa está, naturalmente, eufórica. Nos seus noventa anos de existência, o Estrela Futebol Clube teve os seus momentos de glória, épocas em que disputou o campeonato nacional, tanto na 3ª Divisão como na 2ª Divisão. A perspectiva de regressar aos escalões nacionais na próxima época tem sido um importante factor de mobilização para os sócios, e os responsáveis entendem que o clube tem condições para uma honrosa prestação a esse nível. “As bases estão formadas,” considera Sérgio Ferreira, garantindo que o clube se encontra “sem dívidas e com verbas para começar” a próxima época na III Divisão.

Em termos de instalações, o Estrela satisfaz à vontade os requisitos exigidos. Nesse aspecto, o presidente salienta que o “apoio camarário tem sido fundamental”, mormente através da cedência do moderno Estádio Municipal de Vendas Novas. “Temos o melhor relvado do distrito, talvez até do Alentejo”, orgulha-se Sérgio Ferreira. Outro aspecto que o presidente considera fundamental é o bom entendimento e a “grande entreajuda”. O clube é dirigido por uma Comissão Administrativa presidida por Sérgio Ferreira, tendo como directores Joaquim Telha, César Florindo e Carlos Vitorino, o treinador principal. O mister concorda e retribui, elogiando a estreita cola-


13 Desporto

Plantel Guarda Redes: Bonifácio André Rainha Defesas: Bruno Mendes Ricardo Ramos André Almeida André Nicha Paulo Sérgio Nelson Valente Xarez Médios: Marco Fadista Mauro Miguel Pimenta Magalhães Nuno Aldeias Milho Sergio Palmeiro Zé Tó Avançados: Renato Jair Julio Fadista Neves Equipa técnica Carlos Vitorino (treinador) Toy N. (treinador-adjunto) Arménio Espada (massagista) Carlos Vitorino dando instruções aos seus pupilos

No domingo em Vendas Novas o Estrela cilindrou o Arcoense por 5-0

ganhar

Sérgio Ferreira, Presidente do Estrela Futebol Clube

de televisão. E não é caso para menos. O Estrela Futebol Clube,

boração com a presidência e a “prioridade ao espírito de grupo” que reina em Vendas Novas. Para Carlos Vitorino, a “organização da direcção” constitui justamente um dos três factores que explicam os êxitos alcançados nesta época. O segundo factor citado pelo treinador refere-se à escolha dos jogadores com base no seu nível técnico-táctico. Vitorino explica que, nesse aspecto, a “honestidade” tem sido um factor essencial. Na sua opinião, os jogadores começam a descrer de promessas douradas. Muitos clubes prometem mundos e fundos, mas depois não conseguem pagar e os salários vão-se atrasando, às vezes durante meses a fio. Com o

Estrela isso não sucede. Os valores podem ser mais modestos, mas os jogadores sabem que todos os meses recebem a tempo e horas, o que leva muitos atletas a optarem por envergar a camisola verde e branca. “Rigor, disciplina e organização do treino” constituem, finalmente, o terceiro dos factores de sucesso que o treinador evoca, e que o levam a encarar com optimismo uma próxima época num escalão nacional. No entanto, o treinador não deixa de recear as consequências possíveis de uma certa indefinição em termos directivos. Sérgio Ferreira já anunciou que abandonará a presidência do Estrela até Maio, por motivos pessoais, e isso não deixa de preocupar

Carlos Vitorino. “Continuando com uma boa direcção, o Estrela poderia disputar os primeiros lugares da III Divisão”, garante o técnico. Para Vitorino, “o ponto forte do Estrela é a organização coletiva”, e assim a equipa “consegue ter nos processos defensivo e ofensivo uma capacidade de jogo que corresponde àquilo que se pretende”. E o que se pretende, em última análise, é ganhar o campeonato e subir à III Divisão nacional, além de voltar a vencer a Taça Distrital de Évora, como sucedeu no ano passado. Para tal, conta com pouco mais de duas dezenas de jogadores, todos portugueses, uma quinzena dos quais é vendanovense.

O mister manteve os pilares da equipa da época passada e reforçou-se com uma dezena de jogadores novos, como o avançado Júlio Fernandes, que jogava no Barreirense. Em Dezembro, a fechar as contratações, o Estrela recebeu ainda o reforço do médioavançado Zé Tó, (ex-Vitória de Setúbal, Farense), vindo de Espanha, onde jogava no Cerro Reyes, de Badajoz. Além disso, a equipa recebeu vários reforços oriundos das camadas jovens do clube. Estes atletas “são o fruto de um excelente trabalho que este clube tem vindo a realizar nos últimos anos na formação de jogadores”, conforme se pode ler no dinâmico e actualizado blog do Estrela.


14

29 Mar ‘10

Opinião

Desporto

José Filipe Rodrigues Engenheiro

A Reforma do Sistema de Saúde Americano A noite da votação da reforma do sistema de saúde americano foi longa. A televisão trouxe-me a casa os debates e as declarações de voto de cada um dos eleitos na Câmara dos Representantes. Mais do que às emoções, eu tentei estar atento aos objectivos e às razões que conduziram ao sucesso da liderança do Presidente Obama nesta “nova viagem do comboio de Filadélfia,” com destino a todo o território do Estados Unidos da América do Norte. Não são as emoções, na grande maioria das vezes, que facilitam a capacidade de decisão racional, objectiva e justa. Elas podem limitar a grandiosidade de pensamento, visão e acção. Os nossos conterrâneos Republicanos, agarrados a paradigmas anquilosados, apadrinhados e protegidos pelos milhões de dólares que as companhias seguradoras do ramo da saúde investem nas suas campanhas, revelaramse incapazes de se afastarem do amuo, da birra e de uma visão só compreensível nos tempos do Feudalismo. Eles julgam-se os únicos herdeiros e continuadores dos Fundadores da Nação e os únicos com capacidade para interpretar a Constituição da Republica. Deus é totalmente Republicano, para os adversários de Obama e dos Democratas, não é Universal. Os valores sociais e familiares só são coerentes se estiverem de acordo com os gestores de mentalidades conservadores. Quem não concorda com a maneira de pensar dos Republicanos não é patriota nem democrata (faz-me lembrar um engenheiro que ainda consegue ser primeiro ministro no meu país de origem, a minha primeira nacionalidade, do que sou muito orgulhoso). Este sucesso e estes comportamentos acontecem na democracia mais antiga da nossa civilização. Ela tem vários defeitos mas as virtudes superam os aspectos negativos. Uma das vantagens em viver esta realidade reside na participação cívica. Nós votamos em pessoas, não em listas. Os nossos eleitos devem ser os nossos representantes, antes e depois de serem militantes ou simpatizantes de um partido. As

suas decisões, bem como a sua continuidade nos cargos para que foram escolhidos, estão dependentes da vontade dos eleitores, sem obrigar a disciplinas de voto ou à veneração oportunista de bandeiras partidárias. Nas situações em que se participa na eleição de mais do que um representante, como é o caso dos Senadores, Federais ou Estaduais, ou dos Vereadores Municipais, a nossa liberdade de voto, juntamente com os ideais individuais e sociais, manifesta-se com vários votos a que temos direito, para escolher as pessoas que entendemos ser competentes, sem obrigatoriamente serem do mesmo partido. Existe a possibilidade de votarmos ao mesmo tempo em candidatos Democratas, Independentes e Republicanos, se essa for a nossa vontade. Depois das eleições e antes de cada votação de significado mais relevante, os eleitores atentos informam os seus representantes acerca da sua opinião na decisão a tomar. Em todo este processo considero-me “um dos passageiros deste Comboio de Filadélfia.” Para além de acreditar nos ideais que nortearam a eleição de Barack Obama, neste caso concreto da Reforma do Sistema de Saúde, manifestei, através do telefone, a minha opinião acerca do sentido de voto junto do representante eleito pelo meu Distrito para a Câmara dos Representantes e dos dois Senadores Federais do Estado onde resido. Se algumas dessas decisões for divergente da minha maneira de pensar terei sempre a possibilidade de nas próximas eleições votar num outro candidato, do mesmo partido ou de um partido diferente, com ideais mais próximos dos meus. A reforma do sistema de saúde Americano ficou aquém do que, na minha maneira de pensar, era desejado. Todavia, este é um grande pontapé no status quo, um grande passo no caminho que se deverá desbravar no futuro, que desejo próximo. A birra e o amuo dos Republicanos demonstra que eles ainda continuam órfãos, depois das últimas eleições presidenciais, e sem capacidade de liderança.

A reforma do sistema de saúde Americano ficou aquém do que, na minha maneira de pensar, era desejado.

Évora

Quinhentos jovens disputaram quarta etapa da Taça Coca Cola Cerca de quinhentos jovens participaram ontem na quarta etapa da Taça CocaCola 2010, no Campo Estrela, do Lusitano Ginásio Clube, em Évora, disputando o troféu de melhor equipa da região, nos escalões masculino e feminino. O maior evento de futebol juvenil em Portugal conta com Fábio Coentrão a apa-

drinhar a edição deste ano, e tem a expectativa de conseguir juntar mais dez mil jovens em competição, ao longo de dez etapas regionais. O pontapé de saída da Taça Coca-Cola 2010 foi dado no Complexo Desportivo da Ribeira Grande, São Miguel, a 13 de Março. A Taça Coca-Cola conta

com o apoio do Instituto do Desporto de Portugal, do Instituto Português da Juventude e do Instituto da Droga e da Toxicodependência. O seu principal objectivo é o de incutir nos jovens portugueses o interesse pela adopção de um estilo de vida que integre práticas desportivas regulares.

Troféu BTT Évora em Nª Sra. de Machede Luís Pardal Fotografia

Disputou-se no domingo em Nossa Senhora de Machede, no concelho de Évora, a quarta prova do Troféu Bicicletas Todo-o-Terreno Évora 2010, organizada pelo clube Os Para e Bebes.Com PUB

o bom tempo a ajudar, a prova atraiu numeroso público, que acompanhou animadamente o esforço dos ciclistas, em número de uma centena e meia. As primeiras três provas

a contar para este troféu foram disputadas em Portel, Torre de Coelheiros e Arraiolos, e as próximas terão lugar em Viana do Alentejo, S. Pedro do Corval e Évora.


15

Infância D.R.

Biodiversidade dos rios portugueses apresentada no Fluviário de Mora A festejar o seu terceiro aniversário, o Fluviário de Mora inaugurou terçafeira uma nova exposição temporária, uma fascinante mostra sobre a biodiversidade nos rios portugueses.

Férias da Páscoa

Monte Selvagem propõe uma semana na Natureza

Uma semana a dormir com a Natureza é o fascinante convite que o parque Monte Selvagem endereça aos mais novos, por ocasião das férias da Páscoa. Para crianças dos 6 aos 12 anos, o parque Monte Selvagem organiza, na semana de 5 a 11 de Abril, uma série de seis acampamentos, onde pequenos campistas poderão viver grandes experiências em contacto íntimo com a Natureza. Com a duração de uma noite cada acampamento, esta acção lúdico-pedagógica ensina as crianças a conhecer, interpretar e intervir, contribuindo para a con-

servação do ambiente e da vida selvagem. Integrada no Projecto Pedagógico do Monte Selvagem, trata-se de uma acção de educação ambiental implícita nestes acampamentos que possibilita aos participantes um maior conhecimento do parque, dos seus habitantes e rotinas, proporcionando, simultaneamente, animação e várias actividades. Monitorizados por uma equi-

pa de profissionais – animadores, educadores de infância e naturopatas – os “Acampamentos Selvagens” contemplam um peddypaper nocturno por equipas, animação musical e leitura de histórias, actividades rematadas pela ceia e dormida nas tendas. De manhã, após o pequeno-almoço, é tempo para a preparação dos tabuleiros e alimentação de alguns animais, tarefa seguida

de brincadeiras no Parque, entre elas o trampolim gigante, almoço, visita guiada e o “Ateliê Selvagem”. Sedeado em Montemor-o-Novo, freguesia do Lavre e com mais de 400 animais de 75 espécies, o parque Monte Selvagem é um dos destinos turísticos mais procurados na região, detendo uma média anual de 50 mil visitas durante os nove meses em que está aberto.

Estremoz

Feira das Escolas permitiu aproximação à comunidade Na Feira da Escolas, que decorreu na semana passada em Estremoz, foram apresentados trabalhos e atividades de estabelecimentos de ensino de Estremoz e Vila Viçosa, no distrito de Évora, e de Avis, Fronteira, Ponte de Sor e Sousel, no distrito de Portalegre. O presidente do município de Estremoz, Luís Mourinha, referiu que a Feira das Escolas permite o encontro entre professores, alunos, pais e encarregados de educação, “proporcionando o convívio e a transmissão de saberes e oportunidades”, mas também revelar “as condicionantes que afectam o ensino no concelho”. A quinta edição deste certame, que decorreu nos dias 25 e 26, no parque de feiras e exposições, coincidiu com o final do segundo

período lectivo, e permitiu uma maior aproximação entre os estabelecimentos de ensino e a comunidade. O vereador do pelouro da Educação do município de Estremoz, Francisco Ramos, considerou que este é “um evento com história e com histórias firmadas”, promovido pela Câmara Municipal de Estremoz em colaboração com a comunidade escolar do concelho. Segundo o vereador, a autarquia contou neste evento com a colabo-

ração de todos aqueles que interpretam estes encontros como “janelas de oportunidade em sede de aperfeiçoamento de conhecimentos e troca de experiências profícuas e enriquecedoras do potencial humano, que vai muito para além da comunidade escolar”. “Queremos um concelho dinâmico, vivo, proactivo, solidário, que alimente o orgulho de quem aqui vive, e que sirva de referência para quem nos visita”, realçou Francisco Ramos.

Entre os expositores destacamse escolas, autarquias e outras instituições e associações do concelho de Estremoz, entre as quais o Centro Ciência Viva local. Dramatizações, demonstrações gímnicas, desportos radicais, equitação, gira vólei, experiências científicas, leituras animadas, ateliers temáticos, sala de aula virtual, música e exposições foram algumas das actividades paralelas programadas para o evento.

Apostando numa vertente gráfica muito forte e apelativa, com inúmeros exemplos visuais, a exposição desenvolve-se em torno de um conceito basilar e caro ao Fluviário: o percurso de um rio da nascente à foz, complexos e importantíssimos corredores ecológicos, que se distribuem por milhares de quilómetros, fraccionando o país na chamada rede hidrográfica nacional. Nessa viagem, o visitante pode familiarizar-se com os diferentes ecossistemas de água doce e suas características, como os pauis, os diversos tipos de rio ou os sapais, mas também com valores naturais verdadeiramente únicos no mundo como o pequeno saramugo, a lampreia-de-rio, o cágado-de-carapaça-estriada, a toupeira-de-água ou o glamoroso guarda-rios. Ao mesmo tempo, a exposição alerta contra as principais ameaças que hoje questionam a existência da vida e o papel do Homem na sua manutenção. Numa ilha central, uma maquete esquemática dá a conhecer a pequenos e graúdos como as espécies se distribuem num rio desde a nascente à foz, e a importância e papel que cada uma das espécies desempenha nesse percurso. A mostra propõe-se dar “uma noção da variedade de vida na Terra em ambientes aquáticos e da complexidade de processos ecológicos e evolucionários que a suportam.” A nova exposição temporária do Fluviário de Mora, em colaboração com a Universidade de Évora e o Centro de Oceanografia, assinala o Ano Internacional da Biodiversidade, apostando na divulgação do riquíssimo património natural de água doce que existe em Portugal. Com mais de 500 peixes de 55 espécies diferentes de todo o mundo em habitats naturais, aquáticos e terrestres, num percurso entre a nascente e a foz de um rio, o Fluviário de Mora já recebeu, desde 2007, cerca de 450 mil visitantes.


16

29 Mar ‘10

Gastronomia Sabores da Páscoa

Gastronomia alentejana atrai turistas O borrego e o porco estão em lugar de honra nas mesas alentejanas, com a realização da Semana Gastronómica do Borrego e das Jornadas Gastronómicas “Sabores do Porco Alentejano”, dois eventos que reafirmam a gastronomia como “produto âncora” do turismo na região. Ensopado, assado, guisado ou à pastora são algumas das “mil e uma maneiras” de cozinhar borrego e que vão enriquecer, a partir de hoje, ementas de 117 restaurantes do Alentejo, durante a Semana Gastronómica do Borrego. Em plena Semana Santa, quando o borrego é “rei” à mesa dos alentejanos, a iniciativa, promovida pela Turismo do Alentejo, envolve, até domingo de Páscoa, restaurantes de 36 concelhos dos distritos de Beja, Évora, Portalegre e Setúbal. A iniciativa, à semelhança de outras semanas gastronómicas promovidas pela Turismo do Alentejo, pretende “divulgar a cozinha tradicional”, no caso à base de carne de borrego, e “potenciar” o património gastronómico do Alentejo, explicou sábado à Agência Lusa o presidente da Entidade Regional de Turismo, Ceia da Silva. Trata-se de “mais um evento para atrair turistas”, disse, frisando que a gastronomia “é o produto âncora” do turismo no Alentejo, onde “a restauração desempenha um papel fundamental na oferta turística”. A iniciativa pretende também “incentivar” os proprietários dos restaurantes a PUB

manterem nos seus cardápios pratos típicos do Alentejo e segundo o receituário alentejano. Entre os pratos disponíveis nos menus, os apreciadores de borrego vão poder deliciarse com pratos mais tradicionais, como pezinhos de coentrada, borrego à pastora ou com ervilhas. Os mais aventureiros em termos de paladar vão poder saborear borrego confeccionado de “mil e uma maneiras”, como acompanhado de migas, favas, cogumelos selvagens, beringelas, feijão, grão ou alcachofra ou com molhos de alho, coentrada, hortelã, pimentos, alecrim ou de mel e tomilho. Entretanto, pratos de porco alentejano confeccionado de várias maneiras enriqueceram as ementas de 19 restaurantes do concelho de Ourique durante a quarta edição das Jornadas Gastronómicas “Sabores do Porco Alentejano”, que arrancou sexta feira. As jornadas, promovidas pelo município e a Associação de Criadores de Porco Alentejano, decorreram até domingo, para “afirmar” Ourique como “capital do Porco Alentejano” e divulgar “a excelência e a qualidade” dos produtos derivados daquela carne.

D.R.


17

Publireportagem Évora

M’AR DE AR Aqueducto destinguido com chave de ouro e um garfo de ouro

O M’AR DE AR Aqueduto – Historic Design Hotel & Spa e o seu restaurante Degust’AR, da responsabilidade do Chefe António Nobre, receberam uma Chave de Ouro e um Garfo de Ouro, respectivamente, na cerimónia de entrega de prémios do Guia “Boa Cama Boa Mesa 2010. O evento decorreu, dia 24 de Março, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, e reuniu os 26 melhores hotéis e os 26 melhores restaurantes de Portugal. «O M’AR De AR Aqueduto e o Degust’AR em tão pouco tempo de existência, já premiado com duas Chaves de Ouro e um Garfo de Ouro. Segundo Diogo Fonseca e Silva, Director Geral dos Hotéis M`AR DE AR. É o reconhecimento do nosso trabalho e sem dúvida prestigiante para o hotel, e para Évora». O M’AR De AR Aqueduto é um sofisticado boutique hotel, que surge da adaptação do antigo Palácio dos Sepúlveda. Com cinco estrelas, encontra-se localizado junto ao Aqueduto da Água de PUB

Prata, no centro histórico de Évora e em pleno coração da zona classificada como Património da Humanidade. Com uma arquitectura igualmente deslumbrante, o restaurante Degust’Ar oferece uma gastronomia inovadora de inspiração mediterrânea, que tem a assinatura do Chefe António Nobre. O Degust’AR é reconhecido pelos seus sabores inovadores, dentro dos limites da gastronomia mediterrânea, consistindo numa manipulação contida dos ingredientes, com o intuito de preservar o paradigma de uma gastronomia autêntica, ligada aos produtos da terra. Na rua Cândido dos Reis, 72 em Évora um local a visitar.


18

29 Mar ‘10

Opinião

Economia

Carlos Moura Engenheiro

A páginas tantas Normalmente utiliza-se a expressão para dar a entender um desfecho, ou o caminho deste, ou para designar uma peça interessante ou curiosa que, por motivos que muitas das vezes não nos cabe saber, são remetidas para as páginas mais obscuras e menos demandadas por quem folheia uma qualquer publicação. Não cabem nesta definição os livros, porque como é óbvio qualquer capítulo, por interior que seja, tem relevância no desenvolvimento da trama. Assim serão comentários a páginas tantas aqueles que vos trago hoje. A maioria meras curiosidades ou observações, na maior parte das vezes sem qualquer ligação imediatamente inteligível, mas que penso merecerem alguma reflexão: A agência Fitch decidiu alterar o rating de Portugal de AA para AA- na véspera de votação do Projecto de Resolução, que consagra o PEC, na Assembleia da República. Diz esta agência: “que no cenário base, os dois principais partidos políticos em Portugal conseguem chegar a um acordo relativo às medidas de consolidação orçamental”, mais dizem “Se a determinada altura, se tornar claro que as alterações na legislação necessárias ao esforço de consolidação não vão ser aprovadas, o nosso rating pode ser ainda mais afectado”. Devo admitir que não deve ter havido na nossa história, desde o ultimato britânico, nenhuma ingerência feita de forma tão clara e arrogante na determinação das directrizes políticas do país. Não que não soubéssemos já quem determina as políticas em Portugal há muito tempo, mas ficámos a saber que certa oposição, quando se porta mal, é chamada à pedra pela voz do dono. Fica-me a dúvida para que precisa de um líder, se já tem vozes de comando? O Presidente Obama afirmou: “Privatizar serviços do Estado é, normalmente, uma má ideia... Privatizar os nossos serviços postais é, definitivamente, uma má ideia”. Estou em crer que ninguém, pelo menos quem esteja no seu juízo perfeito, acusará o Presidente Norte-americano de Comunista ou sequer de Esquerdista, no entanto parece que para os nossos governantes privatizar uma empresa que além de ser o garante de um serviço postal de qualidade, que observa e respeita o sigilo e priva-

cidade dos cidadãos, até dá lucro, não levanta os problemas que levanta à administração federal do EUA. Dizia há uns anos Edouard Goldsmith, que as multinacionais estavam a tornar-se mais poderosas do que os Estados, passando a ditar as suas políticas. Parece que não se enganava. Num outro Registo, os Partidos são, por natureza, grupos de pessoas que partilham entre si afinidades ideológicas e que se associam livremente em torno de Programas e Estatutos de carácter político e intervenção social e económica. Quando se filiam em partidos os cidadãos fazem-no conscientes desses documentos e, pese embora possam não os compartilhar na totalidade, com estes se identifiquem. Ninguém é obrigado a aderir a um Partido. Donde as suas regras internas foram aceites e deveriam ser da exclusiva responsabilidade dos seus órgãos legítimos as prorrogativas de os ajustar e alterar. As decisões de sanções por quebra da disciplina partidária têm de vistas a esta luz, e deveriam estar fora do âmbito de terceiros que nada têm a ver com a vida interna dos partidos. Quando um partido levanta questões de normas que lhe não dizem respeito, tendo ainda por cima normas idênticas nos seus estatutos, o que deveria ser considerado? As regras democráticas começam quando se reconhece os direitos dos partidos escolherem e decidirem da sua própria organização e regras internas. Tudo o resto é querer ser dono em casa alheia. Por fim ocorre-me deixar nestas notas esparsas um sinal da minha perplexidade. A Câmara Municipal de Évora, pela voz do seu Presidente, informa que começará a cobrar as dívidas de abastecimento de água, algumas que remontam a oitenta e oito. Previdente iniciativa. Dívidas são dívidas, mesmo que bastante antigas e o município não pode dar-se ao luxo de não as cobrar. Certamente, junto com esta cobrança a Câmara Municipal pagará indemnizações pela fraca qualidade do serviço prestado, porque quando os cidadãos contrataram com o Município o fornecimento de água, esta era para entre outras utilizações, a lavagem de roupa e loiça e o consumo directo. Acontece que nenhuma destas actividades pode ser efectuada convenientemente, e que grande parte da população se vê forçada a adquirir água engarrafada para o consumo familiar. Donde as dívidas têm de ser pagas, mas a Câmara deveria pagar ela também todas as garrafas e garrafões de água, consumidos por todos os utentes dos serviços de abastecimento de água do município ao longo destes anos. Sim, porque ou há moral…

Vinhos alentejanos promovidos além-fronteiras Beneficiando de um importante esforço de divulgação, os vinhos do Alentejo estão a ser exportados para os quatro cantos do mundo, sendo Angola, Brasil, Estados Unidos, Suíça e Canadá alguns dos principais mercados.

Na Suiça, actualmente o quarto principal destino de exportação dos vinhos do Alentejo, a Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA) promoveu recentemente em Zurique uma prova temática. A iniciativa, segundo a CVRA, reuniu cerca de duas centenas de visitantes, a maioria profissionais e lideres de opinião dos sectores do vinho, gastronomia, hotelaria e restauração daquele país. Os vinhos do Alentejo estiveram representados por 16 produtores. “Esta acção foi importante para ajudar à divulgação da região e, principalmente, para que os produtores possam alargar os seus contactos e aumentar a base de consumidores das suas marcas”, salientou a presidente da CVRA, Dora Simões. No Brasil, outro dos prin-

PUB

cipais mercados importadores, os vinhos do Alentejo vão marcar presença na Expovinis, em São Paulo, Brasil, de 27 a 29 de abril, considerado o maior salão do sector na América Latina, anunciou a Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA). Segundo a mesma fonte, a CVRA está a ultimar os preparativos da participação dos vinhos do Alentejo na Expovinis Brasil-Salão Internacional do Vinho, certame que recebe habitualmente milhares de visitantes. A área de vinha no Alentejo ronda actualmente os 22 mil hectares e a região, que produziu cerca de 79 milhões de litros em 2008, tem em actividade 260 produtores de vinho. Os vinhos do Alentejo representaram quase metade das vendas em Portugal em

2008, mantendo uma “liderança destacada” no mercado dos vinhos certificados portugueses, segundo os dados da CVRA. A Comissão Vitivinícola Regional Alentejana, criada em 1989, é um organismo de direito privado e utilidade pública que certifica os vinhos com Denominação de Origem Controlada (DOC) e Vinho Regional Alentejano. A CVRA é ainda responsável pela promoção dos vinhos do Alentejo no mercado nacional e em mercados prioritários internacionais. A atividade da CVRA é financiada através da venda dos selos de certificação que integram os contra-rótulos dos vinhos do Alentejo. O Alentejo abrange oito sub-regiões vitivinícolas: Portalegre, Borba, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Vidigueira, Moura, Évora e Granja/Amareleja.


19 Cultura “O teatro deve fazer-nos pensar”

Mário Barradas homenageado em Évora

Dia Mundial do Teatro celebrado no Alentejo

D.R.

D.R.

Judy Dench

À semelhança do que sucedeu por todo o país, o Alentejo comemorou sábado o Dia Mundial do Teatro, com destaque para uma homenagem a Mário Barradas que reuniu em Évora conhecidas personalidades do mundo da Cultura. Em Évora, o Cendrev dedicou a programação do Dia Mundial do Teatro ao seu fundador, Mário Barradas, que morreu no passado dia 19 de Novembro. Durante a tarde de sábado, o Teatro Garcia de Resende acolheu uma sessão pública de evocação da figura de Barradas, para a qual o Cendrev convidou um conjunto de amigos que o acompanharam em diferentes momentos da sua vida. À noite, na mesma sala, teve lugar uma representação de “A Mosqueta”, de Ruzante, pela Companhia de Teatro de Almada, numa encenação de Mário Barradas, a última que assinou. O Dia Mundial do Teatro foi também assinalado em Reguengos de Monsaraz, com um espetáculo dos Bonecos de Santo Aleixo no Auditório Municipal. Em Viana do Alentejo, no Cineteatro Vianense, o grupo de teatro Casa dos Afectos apresentou a peça “Frei Luís de Sousa”, de Almeida Garrett, com encenação de João Nuno Esteves. Em Santiago do Cacém, o Auditório Municia-

pl António Chainho acolheu um recital constituído por uma série de textos de autores consagrados, interligados e interpretados pelos atores Vítor Norte e João Lagarto. Em Lisboa, a ministra da Cultura apelou sábado aos jovens atores para que “tenham confiança e mantenham a dedicação e o amor ao teatro”, uma das artes que, na sua opinião, “terá seguramente a vida mais longa”. “Quando vou a peças e vejo tantos jovens envolvidos com um compromisso tão forte como o teatro percebo que esta é um expressão artística com futuro porque tem o compromisso e dedicação dos jovens”, disse. Gabriela Canavilhas falava aos jornalistas durante uma iniciativa de rua no Rossio, Lisboa, organizada pelo Teatro Nacional D. Maria II para celebrar o Dia Mundial de Teatro. A convite do Teatro Nacional D. Maria II, quatro escolas de teatro e artes performativas construíram, ao longo do dia de hoje, cenas em

vários locais emblemáticos da capital. Este ano, as celebrações do Dia Mundial do Teatro ficaram marcadas pela entrega de condecorações a actores por parte do Presidente da República. Cavaco Silva realçou o papel do teatro “na educação, na cultura e na vida social” dos portugueses, numa cerimónia em Lisboa de condecoração de sete personalidades ligadas à arte dramática. O Chefe de Estado afirmou, na cerimónia, que decorreu sextafeira no Museu dos Coches, que o teatro é uma arte “apreciada por ricos e pobres, nas cidades, nas vilas e nas montanhas”. Na véspera do Dia Mundial do Teatro, Cavaco Silva relevou o papel da arte dramática na sociedade portuguesa, “de Gil Vicente aos dias de hoje, passando por Almeida Garrett e muitos outros”. O ator Ruy de Carvalho foi condecorado com o grau honorífico de Grande Oficial da Ordem de Sant’Iago da Espada, enquanto

o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique foi atribuído aos atores António Feio, Beatriz Batarda e Manuela Maria e ao encenador Joaquim Benite. Maria Custódia Gião foi agraciada com o grau de Oficial da Ordem do Mérito e a Companhia de Teatro Seiva Trupe recebeu o grau de Membro Honorário da Ordem do Mérito. Falando em nome dos condecorados, António Feio reconheceu “muita emoção pela distinção”, manifestando-se “orgulhoso e honrado em pertencer à família do teatro”. O ator Ruy de Carvalho manifestou-se hoje “honrado” com a condecoração atribuída pelo Presidente da República, Cavaco Silva, lembrando que o teatro necessita de mais apoios. “É um momento muito bonito, é uma alegria saber que se tem sido útil ao povo português”, afirmou o ator à agência Lusa, considerando “uma grande honra” ser distinguido pela mais alta figura do Estado.

O teatro “tem a capacidade de unificar as numerosas populações e culturas existentes no mundo”, destacou a atriz britânica Judi Dench na mensagem oficial que escreveu para assinalar o Dia Mundial do Teatro. A data comemora-se sábado, dia 27 de março, em todo o mundo, oficializada pelo Instituto Internacional de Teatro da UNESCO (organismo das Nações Unidas dedicado à Educação, Ciência e Cultura) e a entidade divulga anualmente uma mensagem para reflexão. A UNESCO convidou este ano Judi Dench - conhecida do público em filmes como “O rgu l ho e P reconceito” (2005) e “James Bond - Casino Royale” (2006), e que começou por estudar teatro e pertenceu à Royal Shakespeare Company - para escrever a mensagem oficial. Divulgada “O teatro é uma fonte de divertimento e de inspiração e tem a capacidade de unificar as numerosas populações e culturas existentes no mundo. Mas é mais do que isso e também oferece oportunidades para educar e informar”, considera a atriz de 75 anos. Na missiva recorda ainda que esta arte é feita por todo o mundo, e nem sempre nos espaços tradicionais: “Os espetáculos podem acontecer numa pequena aldeia de África, no sopé de uma montanha da Arménia, em uma pequena ilha do Pacífico. Só precisa de um espaço e de público”. “O teatro tem o dom de nos fazer sorrir, de nos fazer chorar, mas também deve fazer-nos pensar e refletir”, sublinha a atriz que já foi galardoada com um óscar pela Academia Norte-Americana do Cinema. Sobre a profissão em si, Judi Dench sublinha o trabalho de equipa: “Vêem-se os atores, mas existe um conjunto extraordinário de pessoas que não é visto. Elas são tão importantes como os atores e são as suas competências diversas e específicas que permitem que o espetáculo aconteça”.


20 29 Mar ‘10

Arqueologia D.R.

Com mais de 5 mil anos

Pinturas rupestres descobertas em Portalegre Fotografia Lusa

Uma equipa de arqueólogos da Universidade de Évora (UE) identificou um conjunto de pinturas rupestres com mais de 5 mil anos, numa gruta situada sob o altar de uma Igreja na vila de Alegrete, no concelho de Portalegre.

Elvas

Fortificações candidatadas a Património Mundial

A candidatura das fortificações militares de Elvas a Património Mundial deu um passo importante, com a entrega do respectivo dossier à Comissão Nacional da UNESCO, ao cabo de três anos de preparação. “Estamos a aguardar os desenvolvimentos do processo. A partir de agora, a candidatura vai para as instâncias internacionais que terão de se pronunciar e, eventualmente, pedir elementos complementares como já aconteceu em processos semelhantes”, referiu sábado à agência Lusa a vereadora Elsa Grilo. O dossier de candidatura das fortificações de Elvas a Património Mundial, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO),

PUB

demorou três anos a preparar. “Não havia nada em termos de documentação das fortificações e património militar da cidade, pelo que tivemos de fazer um estudo de base”, justificou Elsa Grilo. Elvas integra uma candidatura transfronteiriça em série que envolve também os municípios de Estremoz, Marvão, Almeida e Valença. No entanto, e para já, a única cidade a entregar o dossier foi Elvas. “A candidatura das fortificações de Elvas seria sempre a cabeça de

série, uma vez que se trata de uma candidatura por ciclos. Os outros municípios avançaram mais tarde e, por isso, têm os processos mais atrasados, mas quando estiverem concluídos serão entregues para juntar ao de Elvas”, explicou a vereadora da Cultura. O município alentejano vai reunir na segunda feira com Ray Boundin, vice-presidente da Comissão Internacional do ICOMOS para cidades e vilas históricas e fortificações e Património Mundial, a quem vai convidar

para ser o embaixador técnico da candidatura de Elvas junto das instâncias internacionais da UNESCO. A autarquia de Elvas assinala a partir de hoje o Dia Nacional dos Centros Históricos com a realização de diversas atividades, quer para crianças quer para adultos. “O objetivo passa por promover o diálogo e encontro entre as diferentes gerações que habitam o centro histórico e mais uma vez valorizar o património da cidade”, disse a autarca.

“Do ponto de vista patrimonial (igreja, gruta e pinturas rupestres) é de uma importância extrema este achado”, disse sexta-feira à agência Lusa Jorge Oliveira, professor responsável pelos trabalhos de arqueologia da UE. “Este achado é importante porque traz consigo uma memória de cinco mil anos de história e de devoção naquele espaço”, sublinhou o arqueólogo. O acesso à gruta, onde foram descobertas as pinturas rupestres esquemáticas de cor avermelhada, faz-se através de uma pequena porta oculta sob o altar da Ermida de Nossa Senhora da Lapa, espaço de culto erguido nos campos circundantes à vila de Alegrete. De acordo com Jorge Oliveira, as pinturas rupestres, com mais de cinco mil anos, pertencem ao período do “Neolítico e Calcolítico”.Ainda que parcialmente cobertas por cal, estas pinturas revelam, segundo os especialistas, uma continuada sacralização do espaço, ao qual está associada uma antiquíssima lenda relacionada com um cavaleiro medieval.


21

Lazer FIlme desta semana

livros

As Maltratadas

Maníacos de Qualidade

Sinopse

Autor Joana Amaral Dias Sinopse

Realização Ana Campina

Há anos, Laura sofre silenciosamente, com os maus tratos e com a violência doméstica do seu marido, Paulo, um homem bem posicionado socialmente e acima de qualquer suspeita. João, companheiro de Paulo, um homem sem escrúpulos, ajuda Paulo a realizar um negócio obscuro de tráfico internacional de mulheres. Flávia, uma modelo brasileira que sonha em fazer carreira no mundo da moda na Europa, embarca para Portugal após conhecer João pela internet. Marta, filha de Paulo e Laura, descobre mais

um lado sujo do seu pai. Laura e Flávia: um passado de sonhos destruídos, um futuro marcado pela coragem de duas mulheres que sonham com a liberdade.

SOPA DE LETRAS U P O P O N R C H T A B T N T R S A A O N M I A T O M R M I O G Õ B

I

U

V T C H O

A O V

I

G

I

O

L C N Õ A E C C A O V R A C E

I

V L

B S E

L

E E Õ M S

I

L B B R R R

R N P T O O E

I

L B A B O C

N C G A Õ C B L

S O G O

O R E T P O C

L

T R O T

I

I

E H T

N E T A Õ H U

B A R C O O P U A R T A Objectivo: Descubra os 15 meios de transporte escondidos

SUDOKU 8 3

6

7

5

4

9

3

1

6

2

4

5

1 8 5

7

9

3

5 6

9

8

9

6 2

4

3

Nota: O sudoku consiste em preencher uma grade de 81 espaços dividida em nove blocos. O objectivo do jogo é completar os espaços em branco com algarismos de 1 a 9, de modo que cada número apareça apenas uma vez na linha, grade e coluna. Nenhum número pode ser repetido e todos os números de 1 a 9 devem estar presentes.

Antes de fugir para o Brasil, D. Maria I já se encontrava louca. Passava por períodos de frenesi e supunha que o seu próprio corpo estava oco. No Rio de Janeiro, imaginava que o Diabo se escondia no Pão de Açúcar. Como foi que a vida sexual de D. Afonso VI e os seus órgãos genitais acabaram escrutinados num tribunal que ambicionava demonstrar que o soberano era impotente, louco e incapaz de governar? Hoje é possível entender os bastidores das acções destes monarcas? O Marquês de Pombal encontrarse-ia tão obcecado com os jesuítas que só admitia conversas que os visassem. Um dia, Antero de Quental sentou-se num banco de um jardim público e deu dois tiros na cabeça. Porque foi que esse poeta-herói encerrou assim a sua vida? Adoptando diferentes classificações psiquiátricas para si mesmo. Estaria louco ou apenas com medo?

Mitos Urbanos e Boatos Autor Susana André Sinopse

«Susana André propôs-se a um trabalho surpreendente, exaustivo e, já agora, bem mais do que útil: tentar explicar como nasce, como cresce e como morre um boato (quando ele chega a morrer, o que raramente acontece).» Miguel Sousa Tavares, in Prefácio. O clarão foi visto numa extensão de vários quilómetros e o barulho ouviu-se em Cascais. Onze pessoas foram esfaqueadas na Praça de Espanha por um árabe de túnica branca alertava o que correu milhares de caixas de correio electrónico. Lembra-se de ter recebido um e-mail a pedir pijamas para o IPO? De lhe garantirem que o cantor Carlos Paião mudou de posição dentro do caixão? De ler numa revista que Teresa Guilherme e Manuel Luís Goucha estavam de casamento marcado ou de ouvir falar na alegada relação entre José Sócrates e o actor Diogo Infante? Certamente também já lhe contaram que os hambúrgueres da McDonald’s são feitos de minhocas e que saem crocodilos vivos das sanitas nova-iorquinas.

HORÓSCOPO SEMANAL - 29/03 a 04/04

Telefone: 21 318 25 91 E-mail: mariahelena@mariahelena.tv

Carneiro

Touro

Gémeos

Carta da Semana: Valete de Paus, que significa Amigo, Notícias Inesperadas. Amor: Tome cuidado quando se dirigir à pessoa que ama. Meça as suas palavras. Saúde: Poderão surgir algumas dores musculares. Dinheiro: Ajude o seu melhor amigo. O dinheiro não é tudo! Número da Sorte: 33 Dia mais favorável: Segunda-Feira

Carta da Semana: 9 de Copas, que significa Vitória. Amor: Encontra-se numa fase positiva, mas poderá surgir algo que o conduza a uma reflexão acerca do futuro. Saúde: Adopte uma alimentação equilibrada. Dinheiro: Seja prudente, cuide das suas economias. Número da Sorte: 45 Dia mais favorável: Sábado

Carta da Semana: Rei de Copas, que significa Poder de Concretização, Respeito. Amor: Tome cuidado para não perder aquilo que pensava estar conquistado. Saúde: Relaxe! Aproveite melhor o seu tempo disponível. Dinheiro: Os seus negócios estão no bom caminho. Dinamize os seus projectos pessoais e não deixe de acreditar em si. Número da Sorte: 50 Dia mais favorável: Quinta-Feira

Horóscopo Diário Ligue já!

760 30 10 11

Horóscopo Diário Ligue já!

760 30 10 12

Horóscopo Diário Ligue já!

760 30 10 13

Caranguejo

Leão

Virgem

Carta da Semana: Ás de Ouros, que significa Harmonia e Prosperidade. Amor: Desfrute da companhia da pessoa amada, pois o amor irá encher o seu coração de felicidade e bem-estar. Saúde: Proteja-se, tome cuidados especiais para prevenir o aparecimento de alergias. Dinheiro: Atravessa um período positivo. Avalie as condições que se proporcionarão. Número da Sorte: 65 Dia mais favorável: Quarta-Feira

Carta da Semana: O Diabo, que significa Energias Negativas. Amor: Enfrente os problemas de modo a poder resolvê-los. Fale abertamente com o seu par. Saúde: Controle a fadiga, descanse mais. O seu corpo tem limites que deve aprender a respeitar. Dinheiro: Poderá vir a receber uma pequena fortuna, mas não se exceda se não a quer ver desaparecer rapidamente. Número da Sorte: 15 Dia mais favorável: Quarta-Feira

Carta da Semana: A Lua, que significa Falsas Ilusões. Amor: Acredite no seu companheiro, não ligue a intrigas. Amar é confiar. Saúde: Cuide de si, não exagere nos doces. Dinheiro: Possível aumento nos seus rendimentos, fruto de muito trabalho e dedicação. Número da Sorte: 18 Dia mais favorável: Sexta-Feira

Horóscopo Diário Ligue já!

760 30 10 14

Horóscopo Diário Ligue já!

760 30 10 15

Horóscopo Diário Ligue já!

760 30 10 16

Balança

Escorpião

Sagitário

Carta da Semana: Ás de Paus, que significa Iniciativa. Amor: O desejo de quebrar a rotina será intenso. Dê asas à imaginação. Saúde: Faça exercícios respiratórios, dê atenção ao seu organismo. Dinheiro: A sua capacidade de organização é muito boa, no entanto não seja inflexível. Número da Sorte: 23 Dia mais favorável: Domingo

Carta da Semana: 9 de Paus, que significa Força na Adversidade. Amor: Dê espaço ao seu companheiro. O excesso de ciúme poderá vir a afectar o vosso relacionamento. Saúde: Escute o seu organismo, não adie mais a ida ao médico. Dinheiro: Atravessa uma fase favorável. Número da Sorte: 31 Dia mais favorável: Segunda-Feira

Carta da Semana: 7 de Espadas, que significa Interferências. Amor: A sua profissão ocupao demasiado. Tente aproveitar ao máximo o seu tempo disponível criando momentos especiais com o seu parceiro. Saúde: Procure levar uma vida mais calma e tranquila. Dinheiro: A rebeldia para com os seus superiores só lhe pode ser prejudicial, procure ser mais comedido e disciplinado. Número da Sorte: 57 Dia mais favorável: Terça-Feira

Horóscopo Diário Ligue já!

760 30 10 17

Horóscopo Diário Ligue já!

760 30 10 18

Horóscopo Diário Ligue já!

760 30 10 19

Capricórnio

Aquário

Peixes

Carta da Semana: 9 de Espadas, que significa Angústia. Amor: O relacionamento com as pessoas que o rodeiam não é favorável, tenha cuidado com os seus actos se não quer fazer alguém sofrer. Saúde: Prováveis problemas de fígado. Modere o consumo de álcool. Dinheiro: Momento propício para investir em bens materiais. Número da Sorte: 59 Dia mais favorável: Segunda-Feira

Carta da Semana: Valete de Espadas, que significa Atento. Amor: Dê mais atenção ao seu companheiro. Uma demonstração de carinho sabe sempre bem. Saúde: Procure um ginásio e comece a frequentá-lo regularmente, o exercício fará com que se sinta melhor. Dinheiro: Revele os seus conhecimentos e mostre o que vale, pois a sua vida profissional poderá estar prestes a mudar. Número da Sorte: 61 Dia mais favorável: Quinta-Feira

Carta da Semana: 6 de Ouros, que significa Generosidade Amor: Esforce-se por compreender melhor os pontos de vista e as necessidades da sua cara-metade. Saúde: Evite os temperos exagerados. Poderá prejudicar o seu aparelho digestivo. Dinheiro: Momento favorável. Aproxima-se um período de concretizações. Número da Sorte: 70 Dia mais favorável: Sexta-Feira

Horóscopo Diário Ligue já!

760 30 10 20

Horóscopo Diário Ligue já!

760 30 10 21

Horóscopo Diário Ligue já!

760 30 10 22


22 29 Mar ‘10

Oferta de Trabalho Senhora Oferece-se para cuidar de Idosos c/carta de Referência Contacto: 92644941

SEMANÁRIO

Anuncie no seu jornal REGISTO

Évora - Índia Sensual, peitão, peludinha, toda boa, casada, marido ausente. Completa!

Telf: 266751179 Telm: 913546103

925291605

Vende-se Habitação T1 Horta das Figueiras como nova em Évora Rua General Humberto Delgado

Portuguesa desempregada 32 anos peluda. Atende por necessidade completa.

Contacto: 964 950 214

919726503

Carpinteiro Credenciado

Angélica loirinha 20 anos. Anjo do prazer. Atende em privado.

Montagem de cozinhas - Roupeiros Chão flutuante - Montagem de Portas e pequenos arranjos Os melhores preços do mercado

965594293

Contacto: 963 287 512

Profissional em limpeza oferece-se para trabalho em todas as áreas: Montras, Vidros, Construções, Etc.... Contacto 266040530 - 960327500

Ficha Técnica SEMANÁRIO

Director Nuno Pitti (nuno.pitti@registo.com.pt) Propriedade Nothing Else-.meios&comunicação; Contribuinte 508 561 086 Sede Travessa Ana da Silva, n.º6 -7000.674 - 266 751 179 fax 266 730847 Administração Silvino Alhinho; Joaquim Simões; Nuno Pitti Departamento Comercial Maria João (maria@ registo.com.pt) Redacção José Pinto Sá (jose@registo.com.pt); Paginação Arte&Design Luis Franjoso (luis.franjoso@registo.com.pt) Fotografia Luís Pardal (luis.pardal@registo.com.pt) Colaboradores Carlos Moura; Capoulas Santos; Sónia Ramos Ferro; Carlos Sezões; Margarida Pedrosa; António Costa da Silva; Marcelo Nuno Pereira; Eduardo Luciano; José Filipe Rodrigues; Luís Martins Impressão Funchalense – Empresa Gráfica S.A. | www.funchalense.pt | Rua da Capela da Nossa Senhora da Conceição, nº 50 - Morelena | 2715-029 Pêro Pinheiro – Portugal | Telfs. +351 219 677 450 | Fax +351 219 677 459 ERC.ICS 125430 Tiragem 10.000 ex Distribuição Nacional Periodicidade Semanal/Segunda-feira Nº.Depósito Legal 291523/09


23 Cartaz Cultura MÚSICA évora

VEJA

d.r.

LOS, ESPÉCTAU CARTAZ DE CONCERTOS , ES Õ EXPOSIÇ E CULTURA

CINEMA arraiolos

Terças Jazz

Planeta 51

terças-feiras às 23h00

dia 4

Antigos Celeiros da EPAC Rua do >Eborim, 18 Entrada livre.

MÚSICA Évora

O rosto levantado

Cine-Teatro

dia 30, às 21h30

Nas Nuvens

de Norberto Ávila pelo Cendrev

dia 4

Cine-Teatro

Contos da Lua cheia

évora

dia 30, às 18h00

O amor às três da tarde

Contadores de histórias Biblioteca Pública de Évora

dia 29, às 22h00 de Eric Rohmer (França 1972), com Bernard Verley e Zouzou. Sociedade Harmonia Eborense, Praça do Giraldo

EXPOSIÇÕES Évora

Miniaturas sobre rodas até 15 de Junho

Artesanato em madeira e cortiçaPosto de Turismo, Praça do Giraldo

Quem fez a República até 31 de Março

Exposição documental

Biblioteca Pública de Évora

SORAIA E O PAPARAZZO dia 5 auditório Municipal, Portel Mariana, uma jovem estrela da televisão nacional, está à beira de um ataque de nervos. O seu trabalho no cinema e na novela corre mal e a sua popularidade está em queda, mas as revistas “corde-rosa” continuam a persegui-la e a vasculhar a sua vida privada. A responsabilidade principal recai em Gabriela Santos, a mais terrível paparazzo de Lisboa, que consegue sempre as fotos mais comprometedoras. O que Maria ignora é que Gabriela Santos é o nome artístico de João, o fotógrafo contratado para perse-

guir Mariana dia e noite, sem que a sua presença seja detectada. Até ao dia em que a actriz e o fotógrafo, por acaso, se conhecem… Este é o ponto de partida do argumento de “A Bela e o Paparazzo”, um filme que, segundo a crítica, “não é uma obra-prima mas pode vir a marcar um ponto de viragem na comédia portuguesa”. Realizada pelo veterano cineasta António-Pedro Vasconcelos, a película conta com as interpretações de Soraia Chaves, Marco D’Almeida, Pedro Laginha, Nicolau Breyner e o próprio realizador.

Rituais de Poder

Dança na escola

até 31 de Março

Horário: 10:00 às 14:00

Colecção de armas orientais de Jorge Caravana

O atelier/espectáculo de longa duração dança aborda a vivência da linguagem do movimento expressivo numa perspectiva que se direcciona para o autoconhecimento e desenvolvimento de relações interpessoais. Com a realização pretende-se promover o alargamento das possibilidades expressivas de cada criança, e um desenvolvimento no domínio das “nova linguagens” expressivas. Info: 266 743 492 Email: office@cdce.pt Site: www.cdce.pt Org.: Companhia de Dança Contemporânea de Évora Nota: A apresentação acontece em itinerância pelos diversos espaços. Entra da livre

Museu de Évora

A luz de um século até 31 de Março

100 anos de electricidade em Évora Átrio da Câmara, Praça do Sertório

Nas Nuvens

dia 30, às 18h00 e às 21h30 de Jason Reitman (EUA 2009), com George Clooney e Vera Farmiga.

Auditório Soror Mariana, Rua Diogo Cão.

Andando

dia 31, às 21h00

de Hirokazu Koreeda (Japão 2008), com Abe Hiroshi e Takahashi Kazuya. Auditório Soror Mariana,

Rua Diogo Cão

Portel

O sítio das coisas selvagens

dia 29

Planeta 51

dia 4

A bela e o paparazzo

dia 5


24 29 Mar ‘10

Sede travessa ana da silva, n.º6 -7000.674 Tel. 266 751 179 Fax 266 730 847 Email geral@registo.com.pt

SEMANÁRIO

Cdu viabiliza orçamento da Câmara Ps em beja A bancada da CDU na Assembleia Municipal de Beja, liderada pelos comunistas, absteve-se na votação do orçamento deste ano da Câmara PS, permitindo assim viabilizar o documento. “O sentido de voto da CDU na Assembleia Municipal de Beja é de abstenção”, disse o líder da bancada comunista Rodeia Machado, numa conferência de imprensa em Beja. O anúncio da abstenção da CDU, força com maioria absoluta na Assembleia Municipal de Beja, surgiu uma semana após o executivo PS da Câmara ter aprovado o documento com os votos contra da oposição CDU. “Era importante a abstenção para viabilizar o orçamento”, disse Rodeia Machado, frisando que, desta forma, o executivo da Câmara “não se pode queixar” porque “tem as ferramentas suficientes para desenvolver a atividade”.

PUB

nesta ediÇÃO 12// Estrela de Vendas Novas já leva 22 jogos sem perder 00// Monte Selvagem propõe uma semana na Natureza 19// Évora Mário Barradas homenageado 20// Elvas Fortificações candidatadas a Património Mundial

29’ Mar 10

Luis PardaL

fotografia & texto www.luispardalfotos.com

ESPÍRITOS? Inegavelmente existem três versões para este tema que tanta polémica e discussão trás a todos nós. Aquele que acredita: “Eu tenho muito respeito por essas coisas! Conheço alguns casos e até me arrepio só de falar. Acredito que existem e andam por aí… Nas nossas casas, nos nossos quartos… Em todo o lado!” Aquele que não acredita: “Nem espíritos nem meios espíritos! Não passa de um negócio e de uma mentira só para assustar as pessoas. Cadeiras que mexem e vozes estranhas, só em filme!.”

Por fim, aquele que tem medo mas não assume: “Não acredito lá muito nessas coisas, mas que os há, há!” Acreditando ou não, este é um tema que mexe com a população em geral, levando a estudos e levantamentos científicos para tentar responder aos mais curiosos. Cientificamente, estudos comprovam que visões de espíritos, não passam de imagens distorcidas produzidas por um cérebro em mau funcionamento. Por este confronto entre a ciência e os relatos do povo serem tão diferentes, nunca se chegará a nenhuma conclusão, talvez porque esse será o objectivo.

Supondo que amanha através da comunicação social recebíamos a noticia de que na realidade existem mesmo espíritos. O que seria de todos nós? Teríamos de rever todo o conhecimento científico e cultural. Seria das maiores revoluções da história, deitando fora livros, teses e conhecimentos. Quantos negócios seriam extintos? Passaríamos a viver com medo? O nosso dia-a-dia seria igual? São estas mesmas questões que fazem com que este oculto seja tão atractivo e desperte a atenção de todos, deixando uma poeira no ar para servir interesses sociais e até mesmo económicos com o desconhecido.


Registo Ed99  

Edição 99 do Semanário Registo

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you