Page 1

Mestrado em Relaçþes Internacionais Teresa Cierco


Introdução à Investigação Científica e à Unidade Curricular

Metodologia de Investigação   

Objectivos e procedimento Ruptura, Construção e Verificação Etapas

A Pergunta de Partida (1ª Etapa)   

Objectivos e Forma de actuação Critérios (Clareza, Exequibilidade e Pertinência) Algumas técnicas para chegar à pergunta de partida: Princípios heurísticos para a resolução de problemas (Reversão, Decomposição e Refinamentos), Mapeamento cognitivo e abordagens top-down e bottom-up.


A Exploração (2ª Etapa)  A Leitura (Critérios, Onde, Como) e as Entrevistas exploratórias (Com quem, como)

A Problemática (3ª Etapa)  Problemática (escolher e construir a nossa própria problemática)

A Construção do Modelo de Análise (4ª Etapa)  Conceitos, Hipóteses


A Observação (5ª Etapa)  

Observação (O quê, Em quem, Como) Noções gerais de construção de um Inquérito/Questionário e erros mais comuns

A Análise das Informações (6ª Etapa)    

Dados quantitativos e qualitativos Noções de escalas de resposta, de escalas e de pesos Análise qualitativa e interactiva de dados Operações (Preparação, Análise, Comparação dos resultados e Interpretação)


As Conclusões  

Redacção do Trabalho de Investigação 

Pergunta de Partida/Pergunta Central da Investigação e sua resposta Retrospectiva, Novos contributos, Considerações (perspectivas) de ordem prática Como começar, Linhas de Orientação, Estruturação de um trabalho de investigação

Apresentação do Trabalho  

Escolha das partes mais importantes em função do tempo disponível Características da apresentação oral e da apresentação gráfica


Bibliografia 

MANUAL DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS  Raymond Quivy e Luc Van Campenhoudt  Ed. Gradiva, 4ª. Edição, 2005

COMO REALIZAR UM PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO  Judith Bell  Ed. Gradiva, 3ª Edição, 2004 http://www.gradiva.pt/

Normas sobre citações e referências bibliográficas  Normas Portuguesas    

NP 405-1 (1994) “Informação e Documentação. Referências bibliográficas: Normas bibliográficas (documentos impressos)” NP 405-2 (1998) “Informação e Documentação. Referências bibliográficas. Parte 2: Materiais não livro” NP 405-3 (2000) “Informação e Documentação. Referências bibliográficas. Parte 3: Documentos não publicados” NP 405-4 (2002) “Informação e Documentação. Referências bibliográficas. Parte 4: Documentos electrónicos”


Teoria e Prática 

TEORIA

Conjunto de conceitos - conhecimentos ordenados (classificados) produzidos pela investigação

PRÁTICA

Situações ou fenómenos observados ou vividos


Da TEORIA à PRÁTICA Olhar as situações através de uma grelha de leitura teórica

Da PRÁTICA à TEORIA Pesquisar, procurar os conceitos, os conhecimentos que possam ajudar a compreender as práticas


INVESTIGAÇÃO / INVESTIGAÇÃO APLICADA / PRÁTICA

INVESTIGADOR Produz Saber:   

Saber Transferível saber geral conhecimento generalizável

ESPECIALISTA Utiliza Saber:  

Saber Aplicado ao Terreno Dar carácter explicativo tendo por base uma referência

PRÁTICO Pratica


INVESTIGAÇÃO / INVESTIGAÇÃO APLICADA / PRÁTICA INVESTIGADOR Produz Saber

PESQUISA  Segue metodologia investigação científica  Visa produzir SABER  Parte de HIPÓTESES 

ESPECIALISTA

PRÁTICO

Utiliza Saber

Pratica

ESTUDO • Segue metodologia investigação científica • Visa aplicar o SABER existente à resolução de problemas concretos • É formulada uma QUESTÃO • Carácter explicativo (PORQUÊ) e não apenas descritivo (COMO)

RELATÓRIO • Não segue metodologia investigação científica • Dar conta do que se passa • Carácter descritivo


Investigação Científica 

A investigação científica funda-se e é metodologicamente construída objectivando a resolução ou o esclarecimento de um problema.

O problema está no ponto de partida da investigação, pois da sua formulação dependerá o seu desenvolvimento.

A percepção de um problema leva-nos ao raciocínio que gera a pesquisa / investigação, e nesse processo se formulam hipóteses, soluções possíveis para o problema identificado.


Um problema é qualquer objecto de discussão, conhecimento, ou uma situação que necessita decisão ou solução.

questão não resolvida e que é em qualquer domínio do questão que mostra uma de discussão, investigação,

Assim, problema é a questão que se pretende responder, através da investigação, na busca de uma solução.


A Escolha do Problema 

Muitos factores determinam a escolha de um problema para ser investigado ou pesquisado, sendo de levantar as seguintes perguntas:     

o problema é original? o problema é relevante? ainda que seja “interessante”, é adequado para mim? tenho possibilidades reais para executar tal investigação? existem recursos financeiros que viabilizarão a execução do projecto? terei tempo suficiente para investigar tal questão?


Dever-se-á considerar, muito especialmente: 

a relevância do problema: existe quando propicia conhecimentos novos à área de estudo e, na prática, traz benefícios para a humanidade, país, área de conhecimento, etc.;

a oportunidade da investigação: existe na possibilidade de obter conhecimento, prestígio ou financiamento. “Janela de oportunidade”.


A Formulação do Problema 

Na formulação do problema considera-se que as recomendações não devem ser rígidas e devem ser observadas como parâmetros para facilitar a formulação de problemas. Recomenda-se que o problema deve: 

ser formulado como uma pergunta, para facilitar a identificação do que se deseja pesquisar;

ter dimensão viável, i.e. ser restrito para permitir a sua viabilidade. O problema formulado de forma ampla poderá tornar inviável a realização da pesquisa;


ter clareza: os termos adoptados devem ser bem definidos para esclarecer os significados com que serão usados na pesquisa;

ser preciso: além de definir os termos é necessário que sua aplicação esteja delimitada.


RaciocĂ­nio Dedutivo e Indutivo


Procedimento cientĂ­fico


O procedimento 

Procedimento 

forma de progredir em direcção a um objectivo

Problemas de método   

Devorar informação sem reflectir Recolher dados antes de ter formulado hipóteses Falta de autenticidade e de clareza


ETAPAS 

3 actos (ruptura, construção e verificação)

7 etapas (Pergunta de partida, Exploração, Problemática, Modelo de análise, Observação, Análise das informações e Conclusões)


Actos – A Ruptura

1º acto : A RUPTURA

bagagem “teórica” → armadilhas romper com os preconceitos e as falsas evidências


Actos – A Construção

A CONSTRUÇÃO – fundamental para haver experimentação válida. sistema conceptual organizado -» exprimir a lógica do investigador Proposições = trabalho racional + bagagem conceptual


Actos – A Verificação

Verificação ou Experimentação: Teste pelos factos. Dá à proposição estatuto científico.

Slides Metodologia  

Power Point