Issuu on Google+

Exposição | trabalhos nova centralidade para a Cidade Sol, Barreiro

2012/2013

Regeneração Urbana da Quinta da Mina e Cidade Sol, cidade para todos, como caso de estudo


Sumário 05 06 10 11 12 14 16 17 18 20 22 24 46 82

Prefácio Enquadramento Visita ao lugar Trabalho dos alunos nas aulas Exposição dos trabalhos para apreciação do júri Apreciação do júri Acta do júri Os trabalhos 1º Prémio 2º Prémio 3º Prémio Menções Honrosas Restantes trabalhos Ficha técnica

3


Exposição | trabalhos nova centralidade para a Cidade Sol, Barreiro

4


Prefácio A intenção de realizar este concurso de ideias no âmbito da Unidade Curricular de Projecto I foi resultado de um entendimento prévio com a Senhora Vice-Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Engª Sofia Martins, que percepcionou desde logo as virtualidades que poderia ter uma realização desta natureza. Todavia, embora espectável, não era previsível que houvesse por parte dos alunos tão grande adesão ao trabalho proposto, adesão esta que se veio a reflectir na qualidade dos trabalhos apresentados. De facto, para além dos três primeiros prémios, o júri entendeu atribuir várias menções honrosas, em número de 11, devido ao nível projectual que estas também alcançaram. Esta experiência veio por outro lado reforçar a ideia da importância da abertura da universidade para o exterior – o que a Universidade Lusíada já vem praticando há longo tempo – nomeadamente na colaboração com autarquias, sendo este tipo de relacionamento sem dúvida, muito vantajoso em ambos os sentidos. Isto é, no caso das autarquias pela janela da investigação que as universidades lhes proporcionam e no caso das universidades, pela possibilidade de focalizarem também o conhecimento científico numa realidade com que os municípios se confrontam na sua gestão. Assim, este concurso de ideias, que surge no contexto de um projecto de investigação em curso, “Regeneração Urbana da Quinta da Mina e Cidade Sol - Cidade para Todos, como caso se estudo”, que o CITAD está a elaborar para a Câmara Municipal do Barreiro, embora não estivesse inicialmente previsto, veio demonstrar também a agilidade desta parceria que viabilizou incursões em áreas que vêm ampliar e aprofundar objectivos inicialmente traçados.

Queremos ainda manifestar a nossa satisfação pelo empenho demonstrado por todos os alunos que participaram neste concurso, mesmo aqueles cujos trabalhos não foram objecto de qualquer distinção, o que está bem patente no catálogo que agora é apresentado em formato digital. Finalmente, não queremos deixar de agradecer à Senhora Vice-Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Engª Sofia Martins e ao Senhor Arqt. Mário Nunes a disponibilidade e interesse com que se envolveram no trabalho como júri do concurso, que como é sabido é sempre uma tarefa árdua e delicada, por obrigar a um exercício de profunda ponderação por se tratar de julgar o trabalho de outrem, especialmente quando este foi feito com tanta entrega. Deste modo, podemos concluir, que os alunos de Projecto I das turmas A e B que escolheram fazer este trabalho, estão todos de parabéns, independentemente de terem sido ou não premiados, pelo facto de terem revelado, na generalidade, grande qualidade nos trabalhos apresentados, honrando deste modo aquilo que é um dos apanágios da Faculdade de Arquitectura e Artes da Universidade Lusíada de Lisboa.

Rodrigo Ollero e Pedro Boléo 5


Enquadramento Arranjo da zona central da Cidade Sol, Barreio No âmbito do Projecto de Investigação “Requalificação Urbana da Quinta da Mina e Cidade Sol, como Casos de Estudo” que o CITAD está a realizar para a Câmara Municipal do Barreiro, foi proposta uma alternativa do projecto existente para se criar uma centralidade na Cidade Sol, no espaço compreendido entre os dois centros comerciais separados por uma via que atravessa o bairro. O projecto do arranjo dos espaços exteriores para Cidade Sol, do atelier NPK Arquitectos Paisagistas Associados, prevê a criação de uma alameda que acompanha a via e, independentemente da qualidade da solução proposta, acaba, de alguma maneira, por contrariar o objectivo da centralidade atrás referida, acentuando ainda mais a divisão existente e continuando a “cortar” o bairro em duas unidades habitacionais. Neste sentido, pretende-se que os alunos façam uma proposta para esta área de forma a que ela possa protagonizar a pretendida centralidade relativamente a toda a Cidade Sol – independentemente da via existente – através de intervenções ligeiras, que podem passar pelo desenho do pavimento, criação de estruturas leves que ajudem a definir um outro sentido da espacialidade do local – estruturas estas coadjuvadas por elementos escultóricos/instalações – complementadas com o desenho de espaços verdes, eventualmente com novo cromatismo para as torres e para os centros comerciais, etc. Este tema que se incluirá na 1ª Fase do Exercício 3, funcionará como alternativa ao enunciado do tapume previsto para a reabilitação das ruínas do Cabo Espichel e, como este, será realizado no 2º Semestre, estando a sua entrega prevista para 5 de Abril.

A proposta referente ao espaço central da Quinta da Mina e Cidade Sol será desenvolvida em duas fases, sendo a 1ª Fase, não só destinada à normal avaliação da Componente Prática de Projecto I, mas também para aquilatar da viabilidade da melhor das soluções apresentadas do (concurso de ideias) se vir a transformar em projecto de execução, sendo para este efeito indispensável contar para com a participação de representantes da Câmara Municipal do Barreiro. (1) Caso esta 1ª fase seja realizada com o êxito que se espera, a 2ª Fase será materializada com o adequado enquadramento institucional a defini posteriormente, sendo os alunos melhores classificados chamados a trabalhar no projecto de execução, sob a orientação e responsabilidade dos respectivos professores.

(1) O painel de avaliação com o objectivo de se escolher o projecto para se desenvolver na 2ª fase será constiruído pelos professores das turmas A e B, Rodrigo Ollero e Pedro Boléo e pela Senhora Vice-presidente da Câmara Municipal do Barreiro Sofia Martins e pelo arquitecto Mário Nunes, Director de Projecto Municipal para as Áreas Urbanas. 6


7


Bibliografia recomendada

“Los ciudadanos tenemos en común un territorio que, sin embargo, cada vez nos pertenece menos, Las ciudades en las que vivimos – nuestras pistas de esfuerzo cotidiano, el ámbito de nuestra rutina, nuestros mapas de obligaciones y placeres – se están fragmentando en dominios acotados. Es un conflicto antiguo, en el que la esfera de lo público es succionada por la espiral de lo privado, a la velocidade que marca la revalorización del suelo. Las sucessivas crisis industriales, que agitaron el mundo desarrollado a partir de los años 70, ocultaban una recompensa inesperada para las ciudades: enormes cantidades de suelo liberado, vacíos de oportunidad en el centro de las viejas metróplis, baldíos en cascos urbanos colmatados. El contraste entre este fuente inesperada de materia prima urbanizable y la creciente escassez de suelo, se convirtió en una tentación a la que desde entonces se enfrentam muchas ciudades, con mayor o menor fortuna para lo público. De una parte pujan los intereses privados de corporaciones más o menos globales, las fobias colectivas, más o menos infundadas, los privilegios adquiridos, más o menos legítimos y de otra resisten los derechos del ciudadano, más o menos maltrechos. Está en juego el dominio público, que es un estado físico y social en el que las personas se reconecen como iguales.”

- PER, A. Fernandes e ARPA, Javier (2008) – The public chance. A+T architecture publishers - GEHL, Jan (2010) Cities for people. Washington: Iland Press - Filme/documentário “Fazer cidade para todos”, realização Joana Leitão e Paulo Pinto, coordenação Professor Rodrigo Ollero Elementos a apresentar - Maqueta à escala 1/200 da área de intervenção - Plantas, cortes e alçados à escala 1/200. - Fotomontagens e margens virtuais de projecto. - Apresentação em dois painéis A1 ao baixo. Data da entrega da 1ª fase – 5 de Abril

Fernandes A. Per, The Public Chance, p.8 8


9


10

Visita ao lugar


Trabalho dos alunos nas aulas

11


Exposição dos trabalhos para apreciação do júri

12


13


Apreciação do júri Eng.ª Sofia Martins (Presidente do Júri) Sr.ª Vice-presidente da Câmara Municipal do Barreiro

Prof. Doutor Arqt. Pedro Boléo Professor da UC de projecto I da turma B

Prof. Doutor Arqt. Rodrigo Ollero Professor da UC de projecto I da turma A

Arqt. Mário Nunes

Chefe da Equipa Multidisciplinar para a Regeneração de Áreas Urbanas

14


15


Acta do jĂşri

16


os trabalhos

Nota: A sequência das Menções Honrosas segue ordem alfabética. A sequência dos restantes trabalhos segue, igualmente, ordem alfabética.

17


.

João Veríssimo

3º A

1 Prémio

!!!!!!!!"#$%!&'"()%*+,%,'!-%)%!&+,%,'!.#*!/!!"##$%#&'!-)#0'&(#!1!/!231242315!/!(&)&*+$#,--%.&*'!11316113!/!57!%"#8!%!/!

*IJ

R R R

R

R

R

R

R

R

R

R ~

R

R

R

R

R

R

R RR R RR

R

R

R R

R

R

R

R R

R

R

R R

R

R R R

R

R

R

*

!!-)#;'..#)/!,)/!%)</!#&/#%0&*&1

18


!9"+$').+,%,'!*9.+%,%!,'!*+.:#%!/!;%&9*,%,'!,'!%)<9+('&(9)%!'!%)('./ !"#bairro#$%"#&'()*#!")#$+,-$.) centralidade*#/-'$#centros comerciais#%# 0+).1-#torres*#!")#1+)#0+%#)$#separa2#(+)$#)#(+)$*#3+%#$%,)1)#-4(%#-#(%&%1#5# unir*#!"#6)'11-#$%"#7%4.1)8'()(%* 9-#$:.'-#$%4.%;$%#+"#&)<'-2#0+)$%#7-"-#$%#(%#+")#ferida#$%#.1).)$$%*#!")#=%1'()# 0+%#0+%1#cicatrizar#")$#0+%#4>-#7-4$%?+%* @#,1-,-$.)#7-4$'$.%#6)$'7)"%4.%#4%$.)#cicatrização*#@#união#(-$#(-'$#8)(-$#()# 1+)2#6%"#7-"-#-$#(-'$#7%4.1-$#7-"%17')'$2#-4(%#$%1A#71')()#+")#praça central*      

  marcadas2#%$.)#4>-#=-?%#A#1%?1)*#B)"65"#.%1A# irregularidades#-4(%#$+1?%"#percursos2#espaços verdes#%#zonas de estadia*#C# transito#$%1A#$%,)1)(-##%"#(-'$#$%4.'(-$#7'17+4()4.%$#D#,1)E)#7-"#-#'4.+'.-#(%# redução de velocidade*#F+1?%"#(+)$#,)1)?%4$#,)1)#.1)4$,-1.%$#,G68'7-$# )(H)7%4.%$#D#,1)E)*

R R

R

!!!!!!!!"#$%!&'"()%*+,%,'!-%)%!&+,%,'!.#*!/!!"##$%#&'!-)#0'&(#!1!/!231242315!/!(&)&*+$#,--%.&*' !!!!!!!!11316113!/!57!%"#8!%!/!9"+$').+,%,'!*9.+%,%!,'!*+.:#%!/!;%&9*,%,'!,'!%)<9+('&(9)%!'!%)('./

/@A

B#,C4%7#)%#pavimento   estereotipo   betão 1(7)")(#2(1#@5D1#)%#7"&-.&"/#B$#   2, 3 e 6 m#)%# 2(13&*1%,+(/#9&*"#$%#%,+'(#.1"# estereotomia  regra   $%,+*)(#)(#ângulo#)"#&%2+"#E.%#.,%# "$#%,+&")"$#)($#2%,+&($#comerciais/

!"#praça central#$%&'(#)*$+*,-.*)"$# 3 zonas/#0$+"$#$%&'(#enterradas "# .1"#2(+"#)%#1%,($#um metro#(#      atmosfera#,'(#3%&)%,)(#,(#%,+",+(# unidade  %,+%&&")"$#$%-.%1#"#regra#)"# %$+%&%(+(1*"#)(#3"4*1%,+(5#2&*",)(# "$$*1#limites irregulares 6"$+",+%# *,+%&%$$",+%$/#!%$+%$#7*1*+%$#4'(# ,"$2%&#%$3(&")*2"1%,+% bancos          %,+&%#"#2(+"#)%#"$%,+"1%,+(#%#"# 2(+"#)%#$(7%*&"#4'(#3%&1*+*&#(# encosto#"(#.+*7*8")(&/#!(.+&"$# 3"&+%$#centrais#"3%,"$#$%#%7%4"1#      6",2($#,(&1"*$#corridos/#9(1#"# 1%$1"#&%-&"#$%&'(#retiradas peças# ,"$#8(,"$#2%,+&"*$#2&*",)( espaços verdes   percursos# *&&%-.7"&1%,+%#1"$#,(#%,+",+(# $%13&%#$%-.*,)(#.1"#&%-&"/ 0$+"$#8(,"$#$%&'( versáteis#"# )*4%&$($#+*3($#)%#actividades/#

!"$#fachadas#)($#2%,+&($#2(1%&2*F "*$#%#,"$#3"&+%$#,."$#)"$#>"2:")"$#   revestimento#%1#CRF 2(1#"$#1%$1"$#    F *,+%$#)(#3"4*1%,+(#1"$#2(1#"# 4",+"-%1#)%#$%&#1"*$#leve/#!($# 2%,+&($#2(1%&2*"*$5#")G"2%,+%#H# >"2:")"#)($#cafĂŠs##(#&%4%$+*1%,+(#        .1"#pĂŠrgula#E.%#"(#2(7*)*&#2(1#(# 3"4*1%,+(#>"8#,"$2%&#.1#2(,G.,+(# )%#)(*$#bancos#%#.1"#mesa#     1"+%&*"*$/

01#+%&1($#)%#   .1"#1"7:"#)%#;<#1# (,)%#(#1()%7(///# $%&=#*137",+")(

R

R

R

R

R

R

!($#7*1*+%$#)"$# 8(,"$#4%&)%$#6%1# 2(1(#%1#"7-.,$# 6",2($#$%&'(# *,$+"7")($#>(2($# 2(1#?%)$/#

R

R

R R

R

*

11$#&*'!-)#;'..#)/!,)/!%)</!-',)#!:#*'#!/!-)#;'..#)/!%)</!(&#0$*-&2-"*-"34&-*'

!!-)#;'..#)/!,)/!%)</!#&/#%0&*&11$#&*'!-)#;'..#)/!,)/!%)</!-',)#!:#*'#!/!-)#;'..#)/!%)</!(&#0$*-&2-"*-"34&-*'

19


.

Miguel Almeida

3º B

2 Prémio

20


21


.

Pavol Dobsinský

3º A

3 Prémio

PAVOL

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . DOBŠINSKÝ . 11081812 . 3º ANO, A . U The main goal of this project is to revitalize the urban space consisting of 4 residental buildings and two shopping centres. This area is currently in poor condition, so this intervention is more then necesarry. In the present, this area is mainly used as a parking lot. But the potential of this space is much higer. The concept of the revitalization is based on removing all parking spaces between these two shopping centers and restricting the car traffic. This is achieved by narrowing the car lines and with differentiation of the pavement used in this section. Cars are forced to slow down, or use another roads, so the preference of pedestrian movement appears. The concpt of the design is based on main grid with dimensions of 12m X 6m. All elements used in design are strictly defined within this grid. Axis in the vertical direction are used for placement of the lines of trees. Also within this axis the benches are placed nearby the trees, which provide a shadow. In horizontal axis of the main grid there are situated main points of interest e.g. playgrounds, kiosks, pergolas, art instalations. The design of the pavement consist of concrete blocks in dark colour which are used for main grid, concrete blocks in light colour, grass concrete blocks, concrete benches with integrated light system and blocks of calcada portuguesa. All blocks are in dimension 1200mm X 600mm. Between each main line is smaler line filled with concrete blocks with dimension of 300mm X 150mm.

existing buildings

proposed road system

main conceptual grid 12m X 6m

0

5

10

15m

points of interest - kiosks, playgroun parking for bikes

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR

22


PAVOL

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . DOBŠINSKÝ . 11081812 . 3º ANO, A . UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

nds, pergolas

vertical axis of the main grid - lines of trees

addition of benches

1

concrete pavement block, (1200mm X 600mm X 75mm), dark grey

2

concrete pavement block, (1200mm X 600mm X 75mm), light grey

3

calçada portuguesa arrayed in 1200mm X 600mm blocks

4

grass concrete block, 1200mm X 600mm, possible integration of bushes and flowers

5

tree embedded in steel grid,1200mm X 600mm

6

bench, 1200mm(2400) X 600mm X 450mm, integrated light system

7

concrete pavement block, (300 X 150mm X 75mm), light grey

8

pergola, white steel frame [], 150mm X 75mm, height - 2700mm, fabric shades between the frames, white colour

9

column, corten steel plate - 10 mm, defining lines for cars

10

plaster, white plastic paint

11

plaster, red plastic paint

4

1

2

6

3

5

7

8

8 6

9

0

5

10

15m

0

5

10

15m

placement of grass concrete blocks

11

10

8

placement of light gray concrete blocks

(empty grid cells = calçada portuguesa)

R. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

23


Ana Santos

3º A

Menção Honrosa

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . ANA SANTOS . 11087810 . 3º ANO, A . UNI

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. D

24


IVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

25


Ana Teresa Pereira

3º B

Menção Honrosa PRODUCED BY AN AUTODESK EDUCATIONAL PRODUCT

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL. BARRE

PRODUCED BY AN AUTODESK EDUCATIONAL PRODUCT

PROJECTO I . 2012/2013 . TERESA ROSENDO . 11104810 . 3º ANO B . UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LIS

JARDIM . PERCURSO . ESTAR . CONVIVER . CAMINHAR . PARQUE .

PRODUCED BY AN AUTODESK EDUCATIONAL PRODUCT

26


PRODUCED BY AN AUTODESK EDUCATIONAL PRODUCT

EIRO

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL. BARREIRO

SBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES

Alรงado Sul (Lotes 34 e 35)

AR LIVRE . ENVOLVER . VIVER

Alรงado Sul (Lotes 34 e 35)

PRODUCED BY AN AUTODESK EDUCATIONAL PRODUCT

27

PRODUCED BY AN AUTODESK EDUCATIONAL PRODUCT

PRODUCED BY AN AUTODESK EDUCATIONAL PRODUCT

PRODUCED BY AN AUTODESK EDUCATIONAL PRODUCT

PROJECTO I . 2012/2013 . TERESA ROSENDO . 11104810 . 3ยบ ANO B . UNIVERSIDADE LUSรADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES


Andreia Veríssimo | Rafael Gomes

3º B

Menção Honrosa

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . ANDREIA VERÍSSIMO . 11015310 . 3º ANO, B . U

ESPELHO DE ÁGUA

ENTRADA JARDIM / PASSEIOS

JARDINS

ESPLANADAS

ZONA DE ESTAR

PASSEIO + CICLOVIA

ZONA DE ESTACIONAMENTO

RAFAEL GOMES . 11019610

Conjunto de jardins que se moldam entre si resguardando o espaço de vivência e percursos da via rodoviária que atravessa esta mancha. Este espaço cria vári-

os pontos de encontro-desencontro físicos e visuais e tornando todas as zonas de estar deste grande jardim diferentes umas das outras. Os corredores de passagem vão acontecendo naturalmente junto a cada modulo.

CORTE LONGITUDINAL

28

Junto ao p volve-se abaixo d plas e resguarda podem ser usada forme as suas ne

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PED


UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

parque infantil o projecto desen-

da cota zero, criando zonas am-

adas do sistema rodoviário que

as e vividas pela população con-

ecessidades.

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . ANDREIA VERÍSSIMO . 11015310 . 3º ANO, B . UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES. RAFAEL GOMES . 11019610

Conjunto de jardins que se moldam entre si resguardando o espaço de vivência e percursos da via rodoviária que atravessa

esta mancha. Este espaço cria vários pontos de encontro-desencontro físicos e visuais e tornando todas as zonas de estar deste grande jardim diferentes umas das outras. Os corredores de passagem vão acontecendo naturalmente junto a cada modulo. Para dar continuação até ao final da rua 6 o prejecto desenrolou-se até à frente onde será o futuro centro médico local. Na mesma linguagem que foi utilizada na criação do grande jardim propomos agora utilizando linhas rectas um percurso, entre espelhos de água que fazem a ligação entre o centro médico, o parque e escola infantil, as zonas comerciais e habitacionais.

DRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS

Junto ao parque infantil o projecto desenvolve-se abaixo da cota zero, criando zonas amplas e resguardadas do sistema rodoviário que podem ser usadas e vividas pela população conforme as suas necessidades.

Para dar continuação até ao final da rua 6 o prejecto desenrolou-se até à frente onde será o futuro centro médico local. Na mesma linguagem que foi utilizada na criação do grande jardim propomos agora utilizando linhas rectas um percurso, entre espelhos de água que fazem a ligação entre o centro médico, o parque e escola infantil, as zonas comerciais e habitacionais.

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS

29


Francisco Ferreira

3º A

Menção Honrosa

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . FRANCISCO FERREIRA . 11070510 . 3º ANO, A . UN

MEMÓRIA DESCRITIVA A IDEIA BASE PARA ESTE PROJECTO DESDE MUITO CEDO SE BASEOU NA CRIAÇÃO DE UMA MALHA QUASE ORGÂNICA QUE RESPONDESSE À NECESSIDADE DE CRIAR UMA CENTRALIDADE NA RUA 6 E QUE AO MESMO TEMPO DESSE À ZONA DIANMISMO QUASE COMO QUE “ALEGRANDO-A”. MAIS TARDE OS OBJECTIVOS MANTIVERAM-SE MAS A FORMA SOFREU UMA MUTAÇÃO TRANSFORMANDO-SE NUM PADRÃO BASE INSPIRADO EM ALGORÍTMOS BIOMÉTRICOS. ESTA FORMA PARECEU IDEAL PARA RESOLVER TODA AQUELA ÁREA DEVIDO ÀS ENORMES POSSIBILIDADES DE PERCURSOS E ESPAÇOS QUE PERMITIA CRIAR. POR FIM OS MATERIAIS FORAM ESCOLHIDOS DE FORMA A SEREM DURADOUROS, SIMPLES E QUE OBRIGATORIAMENTE “ALEGRASSEM” ESTA ZONA. PARA ISTO FORAM ESCOLHIDOS O BETÃO PIGMENTADO, COM COFRAGEM DE MADEIRA, O BETÃO COM MOLDE DE PEDRA, E MAIS UMA VEZ O BETÃO QUE NO PAVIMENTO GANHA UMA TEXTURA QUASE DE GRAVILHA.

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR.

30


NIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . FRANCISCO FERREIRA . 11070510 . 3º ANO, A . UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

BETÃO COM COFRAGEM DE MADEIRA PIGMENTADO I MUROS

BETÃO IRREGULAR I PAVIMENTO

BETÃO COM COFRAGEM DE MOLDE DE PEDRA I PAVIMENTO DOS ESPAÇOS VERDES

. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

31


Gonçalo Santos

3º A

Menção Honrosa

32


33


Inês Afonso

3º A

Menção Honrosa

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO.

o

b

j

e

c

t

i

v

o

s

. p

A Cidade Sol, uma zona de bairro na cidade do Barreiro, foi o espaço apresentado para um intervenção de reabilitação e dinamização, para uma nova forma e um novo olhar sobre toda a área. Trata-se de uma zona com dinamismos próprios, onde existem quatro torres de habitação e um centro comercial que acabam por funcionar como pontos de interesse e com ritmos próprios, que geram percursos. A estrada que atravessa esta grande rua opõe-se ao grande objectivo do projecto que se trata de impor uma ideia de centralidade para a Cidade Sol. Também os hábitos de quem habita este espaço são elementos a respeitar e a repensar em toda a proposta, redefinir percursos, criar uma linha natural entre os automóveis e as pessoas que ali permanecem, criar novos espaços de permanência e toda uma nova ambiência que se integra na pré-existência e a respeita de forma natural.

r

o

p

o

s

t

a

.

Ao longo de toda a proposta existem zonas livres de percurso - um percurso automóvel redesenhado e percursos pedonais em espaço aberto - onde pontualmente vão surgindo os restantes elementos. As zonas de permanência criadas são distintas em duas formas, criaram-se muros de betão e foram colocados segundo a malha, onde é possível sentar, e a segunda forma encontrada são núcleos dispostos, também eles, na malha desenhada e numa cota mais baixa, onde existe um muro que o delimita e que funciona como banco e com apontamentos vegetais.

PROJECTO 1 . 2012/2013 . INÊS AFONSO . 11062410 . 3º A

A MALHA foi desenhada a partir das linhas de força encontras no espaço . Tanto as torres de habitação como o centro comercial têm um peso muito significativo em toda a área e seria impossível fugir a isso. Assim, através das linhas do edificado que envolve a praça construiu-se a malha que , desta forma, transporta essa força para o pavimento e o projecto que se desenvolve na totalidade sobre ela. Isto possibilitou a naturalidade de relações visuais e físicas entre aquilo que ali existe e a nova proposta, a nova praça.

O PAVIMENTO é constituído maio betão com dimensões consederáve alteração de pavimento acontece n criados, ou seja, a mudança de p núcleos optou-se utilizar pedra es mento, numa malha aberta, permi ral de elementos vegetais. Esta m mente para diferenciar espaços e

A RUA COMO UM ESPAÇO DE ESTAR, PRAÇA.

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO .

34


ANO, A . UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

oritariamente por lagetas de eis - 1metro * 2.5m. A única nos núcleos de permanência pavimento é pontual. Nestes scura de calçada para paviitindo o aparecimento natumudança acontece precisae os demarcar visualmente.

A LUZ foi uma das preocupações, também, uma vez que se trata de um espaço público e, ainda, porque a luz é um elemento que completa o ambiente e o pode pontenciar, quando aplicada de forma correcta. Neste caso a luz é colocada em elementos ligados aos muros , esses elementos prefazem 90graus com o muro e a luz é colocada numa das peças. Assim, fica enquadrada com todos os elementos.

OS ELEMENTOS VEGETAIS são um dos elementos mais importantes porque, através dele se delimitam e marcam espaços em toda a proposta. Foram colocadas nos núcleos de permanência e nos apontamentos que ajudam na percepção da estrada. Nesses mesmos apontamentos existe ainda alguma relva.

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . INÊS AFONSO . 11062410 . 3º ANO, A . UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

A ESTRADA foi completamente redesenhada por uma linha muito mais orgânica que acaba por funcionar como o ponto de contraste em todo o projecto mas , em simultâneo, de forma muito discreta uma vez que se pretendia desde início tornar a estrada num elemento com menos impacto e menos peso em todo o espaço. A estrada continua a passar pelo centro da praça mas, agora, de forma mais sinuaosa e não tão directa. Para que não ficasse marcada no projecto de forma tão definida optou-se por não interromper o pavimento de lajetas de betão previsto e não criar nenhuma diferenciação de pavimento, assim, a estrada desenrola-se de forma menos nítida para quem habita o espaço. A linha da estrada desaparece e aparecem apenas algunas apontamentos de relva e árvores , desenhados em cima de pequenos troços da alinha apagada. Esta foi a forma encontrada para resolver o problema do peso da estrada.

O ESTACIONAMENTO foi completamento removido da zona de intervenção e deslocado da zona da nova praça para a tardoz dos edifícios. Foi ainda aumentado o número de lugares, não existindo, assim, desvantagem alguma com esta alteração a um equipamento importante no lugar.

A RUA COMO UM ESPAÇO DE ESTAR, PRAÇA.

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

. PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

35


José Maria Moniz

3º A

Menção Honrosa NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO.

o b j e c t i v o s . Foi lançado o desaio de um novo olhar sobre a cidade sol, uma zona de bairro na cidade do Barreiro, onde habitam pessoas comhábitos bem definidos e espaços próprios, onde uma intervenção é, apenas, uma tentativa de reabilitação de um espaço urbano de área reduzida. As linhas iniciais e condutoras do projecto foram precisamente os objectivos delineados pelo exercício proposto - a criação de uma nova centralidade para o espaço, reduzindo o impacto da passagem de automóveis pela rua que o atravessa e criando novos percursos, novos espaços de estar e uma nova roupagem ao lugar; isto inserido de forma natural e harmoniosa, claro, em todas as estruturas que ali existem, nomeadamente as quatro torres de habitação e o centro comercial que acabam por ser o ponto dinamizador de toda a área. Assim, o novo projecto deve responder a tudo isto e melhorar a ambiência na pré-existência encontrada.

p

r

o

p

o

s

t

a

PROJECTO 1 . 2012/2013 . JOSÉ MARIA MONIZ . 110804

PERCURSOS E NÚCLEOS D

.

A criação de pontos de permanência e passagem através de estrutturas metálicas com traves de madeira aplicadas foi a opçãp tomada. A ambiência que se consegue sob um espaço é completamente distinta de uma outra onde o espaço é totalmente aberto - foi precisamente esta transição entre espaço coberto e descoberto que se quis criar. Para a criação de percursos foi tido sempre em conta os pontos de circullação já porpostos pelo centro comercial e pelas torres de habitação, claro. Vão existindo núcleos de permanência pontual. A MALHA criada a partir de linhas de força impostas pelos edificícios das tores e é a partir dese mesmo desenho da malha que surgem todos os elementos que constituem a proposta. Tanto os núcleos de permanência como as estruturas metálicas e, ainda, o próprio pavimento, são desenhados sobre essa malha. O PAVIMENTO é constituído por dois momentos distintos - lagetas de betão e calçada de pedra escura e não muito fechada, permitindo a existência de pequenos elementos vegetais nela misturada. A transição é a ideia que se volta a demarcar, mais uma vez, de forma relacionada com todos os outros elementos, naturarlmente. A LUZ é, também ela, trabalhada de forma inserida na malha, existindo duas formas de iluminação. Existem luzes no pavimentos que surgem de forma pontual e adequada às necessidades em questão de iluminação, com o propósito principal de auxiliar a estrada que ali existe. A outra forma de iluminação parte das estruturas metálicas, onde estão instaladas lâmpadas para esse efeito. OS ELEMENTOS VEGETAIS foram dispostos com base nos núcleos de permanência. A plantação de árvores de maior porte acontece com proximidade a esses espaços referidos. Tudo o resto são apontamentos de vegetação que surgem interrompendo o desenho do pavimentos e, também estes, inseridos na malha.

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLE

36


NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO.

410 . 3º ANO, A . UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

PROJECTO 1 . 2012/2013 . JOSÉ MARIA MONIZ . 11080410 . 3º ANO, A . UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

PERCURSOS E NÚCLEOS DE PERMANÊNCIA

DE PERMANÊNCIA A ESTRADA era o principal ponto de interrupção no espaço original, a sua localização no centro de uma possível praça foi a principal preocupação durante a fase inical de projecto. A resposta dada a este problema prendeu-se com duas intenções - o percurso automóvel queria-se o mais directo possível, de forma a simplificar tudo e, ainda, a tentar reduzir a permanência de automóveis no espaço, assim, quanto mais directa e obvia fosse a estrada melhor isso se conseguiria; também este percurso deveria tomar uma importância e um impacto reduzido em toda a área que se quer tornar praça. A estrada deveria ser dissolvida no projecto e não ter grande peso no final. Isto foi trabalhado a partir do pavimento e da sua materialidade, o pavimento tem dois momentos intercalados que acabam por ter o resultado esperado, a estrada continua a atravessar toda a área em linha recta, estamto camuflada através dos materiais, das luzes e dos elementos vegetais. Assim, torna-se a vivência entre automóvel e indivíduo mais natural em toda a praça. O ESTACIONAMENTO está previsto na proposta apresentada. Todos os lugares que existiam anteriormente junto ao centro comercial e às torres de habitação foram deslocados para a tardoz dos mesmos. Foi deslocado, aumentado e melhorado.

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

ERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

37


Mafalda Marçal e Tiago Taveira

3º B

Menção Honrosa

38


Universidade Lusíada de Lisboa-Faculdade de Arquitectura e Artes

Ano Lectivo 2012/2013-Curso de Arquitectura Tiago Manuel dos Santos Taveira 11046010

CENTRO URBANISTICO NA CIDADE SOL NO BARREIRO Descrição

Desenhos Técnicos

A proposta projectual consiste em dois espaços separados pela via da rua 6 relacionados um com o outro, fundindo-se num só espaço mesmo com a presença da via, esta é in cortada de quatro para duas vias e pavimentada com pedra da calçada, chamando a atenção dos utilizadores da via da presença de uma zona onde o peão está em prioridade. Tanto de um lado como do outro lado da via existem duas esplanadas diferenciadas e relacionadas entre si ao mesmo tempo, com a ajuda da presença de um espelho de água em cada lado que relaciona ambos os lados. No lado norte da rua 6 encontramos um passadiço sobre um eixo de água que corre para o espelho de água, este eixo passa, também por debaixo do passeio caindo por uma caleira para um fosso á beira da via, separando o passeio da estrada e criando a ilusão de que a agua passa por debaixo da via passando para o espelho de água do lado sul, este espelho também detém um passadiço e uma esplanada sobre a água. No lado norte encontramos uma esplanada subterrada, cujo acesso consiste numa rampa proveniente do passadiço, e do qual a água, que passa por baixo do passadiço, escorre para um fosso presente na esplanada. Os percursos surgem da ligação do centro de saúde, da escola e do campo de jogos interferindo com o centro. A intervenção detém um campo de jogos, posicionado de maneira a quem venha da zona escolar sega obrigado a passar pelo centro, criando mais movimento e uso a este, alem disso existe a presença de um quiosque posicionado na zona escolar e uma ciclo via.

Por fim no lado sul, ao pé da esquadra, e do lado norte, junto ao campo de jogos, encontramos vários desníveis de terreno, criando pequenos montes, de maneira a dar dinamismo as restantes linhas rectas e cercando o centro com os arvoredos do lado do centro de saúde e da zona escolar de maneira a centrar mais o centro.

39


Marco Teixeira

3º A

Menção Honrosa ARRANJO DA ZONA CENTRAL DA CIDADE SOL | BARREIRO PROJECTO 1 | 2012/2013 | MARCO TEIXEIRA | 11047710 | 3º ANO A | UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA -FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.|

_VISTA NO SENTIDO ESTE-OESTE (ZONA DAS ESTRUTURAS COBERTAS E PASSADIÇO DE PEDRA)

_VISTA NO SENTIDO ESTE-OE

_VISTA NO SENTIDO ESTE-OESTE ( ZONA DAS ESTRUTURAS COBERTAS E PASSADIÇO DE PEDRA)

40


ESTE (VIA AUTOMÓVEL)

__RIGA NOVA

_DETALHE CONSTRUTIVO 1 _LIGAÇÃO DE PEÇA DE MADEIRA - ESTRUTURA DE FERRO

_DETALHE CONSTRUTIVO 2 _LIGAÇÃO LANCIL COM PAVIMENTO

__FERRO

_CORTE CENTRAL TRANSVERSAL 1.:200

_CORTE NORTE-SUL 1.:200 _AXONOMETRIA DE ESTRUTURA-TIPO

__PEDRA PARALELEPIPÉDICA

_CORTE SUL-NORTE 1.:200 N

_VISTA NO SENTIDO SUDOESTE-NORDESTE

_PLANTA PARCIAL A 1.:200

41


Renato Franco

3º A

Menção Honrosa

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . RENATO FRANCO . 11026510 . 3º ANO, A . U

1|2

INCENTIVAR O PERCURSO PERIFÉRICO AUTOMÓVEL

DIMINU DE VEÍC

betão branco, de 20 x 10. Destas la a limitação dos espaços, abrem pe limitadores dos espaços.

Zona de estadia - Espaço de Pa

Diamond Grass

Ipê Amarelo

PROFESSOR. DR. ARQ. ROD

42


UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

UIR A PASSAGEM CULOS A MOTOR

2|2

Memória Descritiva A proposta para a realização de uma centralidade para o Bairro Cidade Sol e Quinta da Mina parte com a problemática de unificar e dinamizar duas partes distintas.

BUS STOP

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . RENATO FRANCO . 11026510 . 3º ANO, A . UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

BUS STOP

Materiais a Utilizar

Esta distinção acontece tanto pela forma como os moradores, dos dois bairros, interpretam a forma de vivenciar o espaço como pelas caracateristas do sítio, em que a ligação entre duas zonas comerciais, a precisarem de um ambiente que revitalize e dinamize a zona. e existência de uma futura zona unicamente pedonal ou só de transportes públicos.

Lajeta de Betão - Ardósia Negra 60x40 cm

Paralelo de Betão - Branco 20x10 cm

Deste modo a proposta realizada é pensada para a libertação desta zona para ser pedonal, em que os transportes públicos passaram, existindo mesmo as suas paragens de autocarro dentro deste espaço, de modo a trazer também mais público.

=

O projecto propõe assim, que a deslocação automóvel seja feita periféricamente, e só realizada nesta zona excepcionalmente. A nível dos estacionamentos que ajudam à dinamização do espaço estes mantém-se mas nas zonas periféricas do espaço, não acontecendo na zona central da praça.

+

+

+

+

+

=

A zona central, em que a ligação dos dois centro é promovida, pretende criar um novo ambiente ao sitio, pelas cores da vegetação, e pelos espaços de relação do utilizador com a natureza e com os outros utilizadores. Para a criação de um ambiente unico e agradável à estadia, é criada uma separação pela vegetação com grandes zonas, em que os jardins são atravessados tanto para a zona central da praça com para o exterior desta centralidade. Evidenciando a importância da cor para a criação do ambiente o pavimento é todo realizado em dois tipos de lajes de betão, o primeiro preto, de 40 x 60 e as segundas em

ajes surgem volumes que variam entre 10 cm e 70 cm que fazem ercursos, bancos e mesas. Sendo estes elementos os principais

artilha

o

Esquemas de Zonas Verdes e Esplanadas

Dazzleberry Sedum

Ipê Roxo

Lavanda

DRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

43


Samantha Silva

3º B

Menção Honrosa NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL

. BARREIRO.

PROJECTO 1 . 2012/2013 .Samantha Silva . 11121710. 3º ANO, A . UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

A requalificação da avenida na rua da cidade do sol é concebida com o cuidado de recuperar grande parte dos espaços verdes na sua envolvente, oferencendo-os como nova opção de percurso para o visitante. Como ponto de partida, é desenhada uma escultura para que os mais novos possam tambem disfrutar de um novo espaço. A escultura curvílinea extende-se por toda a cidade do sol criando um desenho de pavimento puro e orgânico. Este transforma-se e cria novas áreas de permanência e de esplanada correspondentes aos estabelecimentos de comércio que se encontram nos centros comerciais. As linhas verticais que acompanham o percurso de quem habita o espaço além de criarem uma divisão subtil são tambem um convite para passear pela avenida livremente deixando se conduzir até ao pinhal.

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

44


NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL

. BARREIRO.

PROJECTO 1 . 2012/2013 .Samantha Silva . 11121710 . 3ยบ ANO, A . UNIVERSIDADE LUSรADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

45


Ana C. Santos

3ยบ B

46


47


Ana Vasquez

3º A

Fazer cidade

“O urbano só pode ser confiado a uma estratégia do urbano (...)” Portas Nuno, A Cidade Como Arquit

No problema da relação entre o conteúdo pré-existen ou dissimulada, deve ser assegurada. Assim, na pr Sol, partiu-se do quotidiano consolidado, respeitando ente «tempo»”, Portas Nuno A Cidade Como Arquite O metabolismo na Cidade Sol é evidente. O objectiv participe na estrutura urbana e sua morfologia. Pre cidade enfatizando a “nova centralidade”. Criaram-se vários percursos pedonais de modo a co “centralidades” secundárias, para igual disponibilid uma malha estrutural cujas pausas são, por vezes, s Reaproveitou-se o parque infantil para uso público, re formaram num espaço obsoleto. À falta de sombra e árvores no modelo e ainda um quiosque com espaço A iluminação das ruas é feita por luzes embutidas no donais. O programa satisfaz, salienta e confere todo o protag

0

48

5


que ponha em primeiro plano a problemática tectura

nte da cidade e o proposto, a unidade, expressa roposta para uma nova centralidade na Cidade o a ”(...) aquisição [como] reflexo (...) de um diferectura vo da proposta é fazer com que a comunidade etende-se, então, criar uma praça no núcleo da

onduzir os utilizadores à descoberta das várias dade colectiva. Os percursos pedonais formam substituídas por espaços verdes. espondendo às suas problemáticas que o transde um local de convívio urbano, propõe-se mais o-esplanada. chão, servindo de guias para os utilizadores pe-

gonismo às problemáticas do urbano.

5

10

25

25

0

49

5

10

25

25


André Ribeiro

3º A

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . ANDRÉ RIBEIRO . 11040510 . 3º ANO, A

A qualificação urbana e paisagistíca da rua 6 da Cidade Sol, no Barreiro, tem como meta a criação de uma nova centralidade, no espaço essencialmente compreendido entre os dois centros comerciais existentes. Os objectivos da intervenção incluem o ordenamento dos sentidos rodoviários, a melhoria da acessibilidade pedonal e com isto é procurado estabelecer uma maior fluidez e rigor na circulação e o aumento da segurança de peões e automobilistas favorecendo a qualidade de vida nesta rua. A par do rigor dado às questões de trafego rodoviario foram ainda recriadas a praça ajardinada em frente ao centro comercial 2 e uma “avenida” para peões arborizada em frente ao centro comercial 1. 45 árvores | 46 bancos | Separador central da via com acesso pedonal e arborizado | Circulação automóvel numa só via em cada sentido | Redimensionamento da faixa de rodagem | Criação de novos pavimentos que limitam os espaços (lajes de betão 40cm x 80cm para o pavimento destinado a percurso pedonal e calçada grossa a 45 graus para as vias rodoviárias

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR

50


A . UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . ANDRร‰ RIBEIRO . 11040510 . 3ยบ ANO, A . UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

R. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

51


António Sousa

3º A

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . ANTÓNIO SOUSA . 11069410 . 3º ANO-A . U

A partir de uma malha axadrezada dada da Rua 6 da Cidade Sol. Calçada preta sub-áreas de lazer, passagem, ajardinada to dessa malha, esta conta com a dinamic as de rodagem na rua 6 de cariz não reto Para reforçar essa importancia de uma ça foram introduzidas 3 rotundas de mod

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESS

52


UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . ANTÓNIO SOUSA . 11069410 . 3º ANO-A . UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

pela continuidade dos 4 elementos chave e branca de modo contrastante definem as, esplanada. Na concepção/delineamenca do espaço pela introdução de duas faixo de modo a limitar a velocidade existente. revelancia maior ao peão e sua segurando a fluir o trânsito de modo mais seguro.

Uma das principais caracteristicas desta estrutura urbana são a continuidade dada ao percurso da rua pelas árvores colocadas numa metrica própria de modo a harmonizar o espaço. Pelo facto de o cromatismo ser um aspecto importante no espaço este está presente não só na quadricula da malha da calçada como também na ciclovia ,que por segurança dos peões não se encontar junto à estrada, em dois tons de encarnado, o mais claro aplicado a calçada branco e o mais escuro na calçada preta e nos estacionamentos de modo a contastar com o alcatrão não tendo assim necessidade de criar marcações para os delimitar. A paragem de autocarros apresenta o tom mais ecuro por ser pontual pois este não cria um contarste tão grande como o tom de encarnado mais claro e mais utilizado no estacionamento.

Escala 1:1000

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

SOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

53


Diana Neves

3ยบ A

54


01 Já na outra margem de lisboa, Cidade Sol, no Barreiro, procurava uma nova centralidade, na tentativa desta busca, o projecto desenvolve-se em torno da criação de uma praça, que envolve os dois centro comerciais. A ligação entre os dois lados da rua é conseguida, através dac criação de uma estrutura em madeira que se prolonga, e resolve um dos grandes problemas desta praça, a zona de estadia e repouso. No prolongamento dos pilares de madeira, desenvolvem-se bancos, e p quenos canteiros que darão outra vivencia a esta praça.

55


David Veiga França | 11022810 | 3º B

David Veiga França | 11022810 | 3º B

David França 3º B

56


57


Eva Andrasova

3º A

EVA ANDRÁŠOVÁ 11081912 . 3º ANO, A . UNIVE NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . TIAGO PINTO . .11062410

SHELTER CHALK WALL

PLACE TO SEAT PUBLIC INSTALLATION

PUBLIC TABLE PLAYGROUND FIELD

GRASS BLOCKS

WATER ELEMENT

CALÇADA PORTUGUESA

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR

58


ERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

EVA ANDRÁŠOVÁ 11081912 . 3º ANO, A . UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES. NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . TIAGO PINTO . .11062410

THE MAIN GOAL OF THIS TASK WAS TO RE-DESIGN PUBLIC SPACE IN BARREIRO - CIDADE DO SOL. IN MY INTERVENTION I AM FOLLOWING THE SHAPE OF SURROUNDED BUILDINGS, WHICH IS CUBIC. WHEN WE LOOK AT THE HOUSES, WE CAN SEE SOME RASTER AND ALSO GRID. I DECIDED TO USE SIMILAR GRID ALSO ON PAVEMENT AND THIS WAY CONNECT BOTH SIDES OF AVENIDA - WHICH IS SEPARATING THIS TWO PARTS. THAT´S WHY I DECIDED TO RESTRICT THE TRAFFIC IN THIS AREA - WITH THE SPEED LIMIT BUT ALSO WITH THE DIFFERENT KIND OF PAVEMENT, SO IN THIS WAY ALMOST NOTHING IS DIVIDING THIS PUBLIC SPACE TO TWO PARTS.

CONNECT

THE GRID CONSISTS OF MAIN LINES, WHICH ARE FOLLOWING SIDES OF HIGHER BUILDINGS. THIS GRID IS DIVIDED TO SQUARES (APROX. 2,6 X 2,6 M). IN THIS SQUARES ARE ALSO DIVIDED DIFFERENT FUNCTIONS - LEASURE, PLAYGROUND, WATER AREA, SHADOW AREAS, SEATING AND GRASS AREAS. IN MOST OF THIS PUBLIC SPACE IS USED CALCADA PORTUGUESA IN TWO COLORS - BLACK STONE FOR LINES AND WHITE STONE FOR SMALL SQUARES. IN THIS SQUARE ARE ALSO PLACED TREES - WHICH ARE DESIGNED ACCORDING TO THE GRID OF PAVEMENT. THEY ARE GREAT FOR THE REST DURING THE DAY, BECAUSE PEOPLE CAN SIT UNDER AND ENJOY THE DAY IN THE SHADOW.

DRAWINGS

RESTRICT TRAFFIC

SECTION

IN MY INVENTION ARE ALSO PLACED AREAS FOR CHILDREN - THEY ARE MADE OF CONCRETE BLOCKS, WHERE CHILDREN CAN DRAW WITH CHALK, DANCE, JUMP, SING... AND THEY CAN ALSO DRAW ON THE BUILDINGS, BECAUSE THEY ARE PAINTED IN BOTTOM PARTS WITH BLACKBOARD COLOUR. IN MY INVENTION ARE ALSO GREEN AREAS, MADE BY CONCRETE BLOCKS AND ALSO SOME WOODEN PERGOLAS - TO CREATE SHADOW DURING THE DAY. IN THE MIDDLE OF THIS PUBLIC SPACE IS PLACED ALSO "WATER AREA" WHERE PEOPLE CAN REFRESH THEMSELVES.

0

5

10

25

PEDESTRIAN ZONE

GRID

+

=

R. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

59

50


Filipa Sรก

3ยบ B

60


61


Joรฃo Caetano Manso

3ยบ A

62


63


Joรฃo Jorge

3ยบ A

64


65


Lara Oliveira

3ยบ B

66


67


Maddalena Crucitti

3ยบ A

68


69


Mariana Henriques

3º A NOVA  CENTRALIDADE  PARA  CIDADE  SOL  .  BARREIRO. PROJECTO  1  .  2012/2013  .  MARIANA  HENRIQUES  .  11062710  .  3º  ANO,  A  .  UNIVERSIDADE  LUSIADA  DE  LISBOA  .  FACULDADE  DE  ARQUITECTURA  E  ARTES.  

MAQUETE.    

DE  ACORDO  COM  O  PAINEL,  QUE  APENAS  APRESENTA  FOTOGRAFIAS  DA  MAQUETE,  PODEMOS  OBSERVAR  COMO  SE  RELACIONAM  OS  DIFERENTES  ESPAÇOS  E   AS  DIFERENTES  “VIVENCIAS”.  

PADRÃO  DO  QUAL  SURGEM  OS  BANCOS  DE  GRANITO  FAZ  TAMBEM  SURGIR  OS  ESPAÇOS  VERDES  QUE  HARMONIZAM  E  CRIAM  ZONAS  VERDES  AO  LONGO  DA   RUA  NÃO  DE  UMA  FORMA  FORMAL  MAS  FUNCIONAL.        

PROFESSOR.  DR.  ARQ.  RODRIGO  OLLERO  .  PROFESSOR.  DR.  ARQ.  PEDRO  BOLEO  .  PROFESSOR.  ARQ.  JORGE  SOUSA  SANTOS  .

70


71


Miguel Serrรฃo

3ยบ A

72


73


Sandra Baptista

3º A

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL. BARREIRO PROJECTO 1. 2012/2013. SANDRA BAPTISTA 11036210, 3º ANO, A. UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES

CONCEITO PARA A REALIZAÇÃO DO PROJECTO DA NOVA CENTRALIDADE CIDADE SOL NO BARREIRO OPTEI POR DESENVOLVER UMA IDEIA QUE MELHORASSE AS CONDIÇÕES DO LUGAR, A FIM DE CRIAR ESPAÇO PÚBLICO APELATIVO.

EM PRIMEIRO LUGAR CRIEI MODELOS ESPACIAIS QUE FOSSEM DE ACORDO AS NECESSIDADES DOS HABITANTES LOCAIS, TAIS COMO ZONAS DE SOMBREAMENTO, SEGURANÇA, DESCANSO, LAZER E SOBRETUDO QUE OFERECESSE UNIDADE AO LUGAR. ASSIM OPTEI POR UM ESPAÇO URBANO COMPOS DIFERENTES ESCALAS.

O DESENHO URBANO É ENTÃO COMPOSTO POR UMA VIA CENTRAL PRINCIPAL, SEIS MÓDULOS DOS QUAIS DOIS SÃO COM UMA ESCALA SUPERIOR COM O OBJECTIVO DE PROPORCIONAR UM MAIOR CONVÍVIO SOCIAL AO LUGAR E OBJECTOS DE CARÁCTER URBANO (ASSENTOS, CANDEEIROS). PARA P AO LOCAL, O SÍTIO É COMPOSTO POR DIVERSAS ÁRVORES EM AMBOS AS ZONAS PARALELAS A VIA. CADA MÓDULO É COMPOSTO POR UM CONJUNTO DE VIGAS METÁLICAS COBERTAS COM BETÃO, ASSENTOS EM MADEIRA E COMPONENTES NATURAIS. TODOS OS MÓDULO ENCONTRA-SE A 0.48M DA COTA ZERO. O CONJUNTO DE VIGAS É COMPOSTO POR PEQUENAS ESTRUTURAS QUE PERMITEM A PA MOVENDO ASSIM MAIORES ZONAS DE SOMBRA. OUTRO ASPECTO A TER EM CONTA FOI O DE CRIAR ESPAÇOS QUE FOSSEM ABERTOS PARA UMA MAIOR SGURANÇA AOS UTENTES. O PROJECTO É COMPOSTO POR TRÊS TIPOS DE PAVIMENTO: PEDRA DA CALÇADA CINZENTA PARA A VIA CENTRAL, OBRIGANDO OS CARROS A CIRCULAR LENTAMENTE; PLACAS DE BETÃO E MADEIRA. POR FIM A COMPOSIÇÃO DE VIGAS E MÓDULOS ESTABELECE UM LIGAÇÃO ESTRUTURAL E VISUAL ENTRE AMBOS OS LADOS OFERENCO UMA NOVA CENTRALIDADE A CIDADE SOL.

RENDER COM VISTA PARA O INTERIOR DA ESTRUTURA

PROFESSOR DR. ARQ. RODRIGO OLLERO. PROFESSOR DR. ARQ. PEDRO BOLEO. PROFESSOR ARQ. JORGE SOUSA SANTOS

74

RENDER GERAL DA PROPOSTA

RENDER COM VISTA AS ESTRUTURAS E PAVIMENTOS


NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL. BARREIRO PROJECTO 1. 2012/2013. SANDRA BAPTISTA 11036210, 3º ANO, A. UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES

FOTOGRAFIAS DA MAQUETE ESCALA 1:200 NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL. BARREIRO PROJECTO 1. 2012/2013. SANDRA BAPTISTA 11036210, 3º ANO, A. UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL. BARREIRO

N

PROJECTO 1. 2012/2013. SANDRA BAPTISTA 11036210, 3º ANO, A. UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES

CORTE A A ESCALA 1:200 PROFESSOR DR. ARQ. RODRIGO OLLERO. PROFESSOR DR. ARQ. PEDRO BOLEO. PROFESSOR ARQ. JORGE SOUSA SANTOS CORTE AA

N

CORTE B B ESCALA 1:200

PLANTA DE IMPLATAÇÃO

CORTE B B´

PROFESSOR DR. ARQ. RODRIGO OLLERO. PROFESSOR DR. ARQ. PEDRO BOLEO. PROFESSOR ARQ. JORGE SOUSA SANTOS

PILAR METÁLICO PILAR METÁLICO

PARAFUSOS DE ANCORAGEM

ESTRUTURA METALICA COM COBERTURA EM BETÃO

DETALHE CONSTRUTIVO EM CORTE ENRIJECEDORES

STO POR VÁRIOS MÓDULOS A PLACA DE APOIO E DE ANCORAGEM

PROPORCIONAR MAIS SOMBRA

ASSAGEM DE ARVORES, PRO-

ARMADURA DE LIGAÇÃO

ESTRUTURA EM BETÃO COM REVESTIMENTO DE MADEIRA ESCADAS EM BETÃO COM REVESTIMENTO EM MADEIRA ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO

DETALHE CONSTRUTIVO EM CORTE

DECK DE IMITAÇÃO DE MADEIRA COLA

JUNTA SECA DETALHE CONSTRUTIVO EM CORTE LAJETA DE BETÃO EXEMPLO ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO BASE

PROFESSOR DR. ARQ. RODRIGO OLLERO. PROFESSOR DR. ARQ. PEDRO BOLEO. PROFESSOR ARQ. JORGE SOUSA SANTOS

75

PAVIMENTO EM LAJETAS DE BETÃO


Tatiana Silva

3ยบ B

76


77


Tiago Pinto

3ยบ A

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . TIAGO PINTO . 11020410 . 3ยบ ANO, A .

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR

78


UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES.

NOVA CENTRALIDADE PARA CIDADE SOL . BARREIRO. PROJECTO 1 . 2012/2013 . TIAGO PINTO . 11020410 . 3º ANO, A . UNIVERSIDADE LUSIADA DE LISBOA . FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES. uma nova centralidade para a cidade sol. situado na rua 6 da cidade sol (barreiro), encontrase um complexo habitacional composto por 4 torres de habitações, fundeadas por 2 centros comerciais. presentemente, a via de circulação que separa estas 4 torres, assume-se como uma fronteira física para o encontro de duas centralidades. com a minha proposta tenciono proporcionar aos habitantes e utilizadores da rua 6, uma única e clara centralidade. com a uniformização e nivelamento do pavimento, proponho transformar estes dois universos num só. com recurso à cor, ligo os dois lados da rua garantindo uma única e continua leitura do espaço. com a intenção de solucionar o inconviniente da circulação automóvel, proponho o estreitamento da via de circulção, e a aplicação do colorpav por forma a que os condutores se apercebam que estão a entrar numa zona, preferencialmente, pedonal.

pavimento colorpav primário base em betão tout-venant acabamento texturado e acetinado

luminária em perfil circular de aço inox (preto) escovado, com rasgo de projecção de luz na metade superior. as luminárias possuem uma ligeira inclinação, por forma a garantir uma iluminação mais concreta e direccional.

com o estreitamento e texturização da via de circulação automóvel, tenciono reduzir a velocidade de circulação dos veículos motorizados. esta via de circulação será rebaixada 2cm relativamente às praças por forma que os condutores se apercebam desta marcação, e sem que seja necessário quebrar a continuidade do pavimento. a diferenciação da textura do pavimento serve para aviso, quer dos condutores quer dos transeuntes, de que se encontram em zona de circulação automóvel.

árvore da familía das magnoliaceae. árvore com tronco esbelto e alongado, culminando numa copa larga e de densidade variável. com a característica de ser uma árvore de folha perene, atribui uma vida e cor constante ao longo do ano, independentemente da estação do ano.

o pavimento assume formas quadráticas direccionadas às duas praças existentes. além da forma que a cofragem desenha no pavimento, a unidade desta centralidade é criada pela cor que, alterando de tonalidades de vermelho, faz a ligação /continuidade visual deste espaço.

os banco são feitos de betão e surgem, pontualmente, nos encontros da cofragem do pavimento criando diferentes zonas de estar ao longo desta nova centralidade. em zonas onde o pavimento tem um acabamento acetinado, surge uma calha de luz na parte inferior dos bancos, assumindo-se como um complemento à iluminação da rua.

R. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

PROFESSOR. DR. ARQ. RODRIGO OLLERO . PROFESSOR. DR. ARQ. PEDRO BOLEO . PROFESSOR. ARQ. JORGE SOUSA SANTOS .

79


Vanessa Lima

3ยบ A

80


81


Ficha Técnica Título

Exposição | Trabalhos - nova centralidade para a Cidade Sol, Barreiro

Proprietário

Fundação Minerva - Cultura - Ensino e Investigação Científica

Organização

Centro de Investigação em Território, Arquitectura e Design

Local Ano Editora

Lisboa 2013 Universidade Lusíada Editora Rua da Junqueira, 188-198 1349-001 Lisboa Tel.: +351 213611500 / +351 213611568 Fax: +351 213638307 URL: http://editora.lis.ulusiada.pt E-mail: editora@lis.ulusiada.pt

Revisão e coordenação

Rodrigo Ollero

Fotocomposição

Joana Leitão

Capa

Joana Leitão

Solicita-se permuta – On prie l’échange – Exchange wanted – Pídese canje – Sollicitiamo scambio – Wir bitten um Austausch Mediateca da Universidade Lusíada de Lisboa Rua da Junqueira, 188-198 – 1349-001 Lisboa Tel.: +351 213611617 / Fax: +351 213622955 E-mail: mediateca@lis.ulusiada.pt © 2011, Universidade Lusíada de Lisboa Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida por qualquer processo electrónico, mecânico ou fotográfico incluindo fotocópia, xerocópia ou gravação, sem autorização prévia da Editora O conteúdo desta obra é da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não vincula a Universidade Lusíada.

82


83


Exposição | nova centralidade para a Cidade Sol