Page 1

Uso de Aditivos em Rações de Aves Med.Vet. Alberto Bernardino BIOSYNERGIC Consultoria e Representação Ltda alberto.bernardino@biosynergic.com.br


Introdução  A Saúde Gastro-Intestinal  Fase inicial  Por quê manter a saúde intestinal

 Aditivos utilizados  Promotores de crescimento  Enzimas e Óleos essenciais  Ácidos Orgânicos  Prebióticos e Probióticos

 Conclusão


Introdução  Define-se saúde gastrointestinal como ausência de enfermidades que possam lesar; causar inflamação no trato gastrointestinal ou induzir ao comprometimento de sua função secretória, digestiva, absortiva e peristáltica  Refere-se a um equilíbrio dinâmico no sistema digestivo, suficiente para atingir as metas esperadas no desempenho zootécnico e econômico das aves comerciais


Introdução  A microbiota intestinal das aves é composta de inúmeras espécies bacterianas, formando um sistema complexo e dinâmico. Aquelas que colonizam o trato intestinal no início tendem a persistir ao longo da vida da ave passando a compor a microbiota intestinal  Essa formação se inicia logo após o nascimento e aumenta nas primeiras semanas de vida – os principais gêneros são: Bacillus; Bacteróides; Bifidubacterium; Citrobacter; Clostridium; Enterobacter; Enterococcus; Escherichia; Eubacterium; Fusobacterium; Lactobacillus; Lactococcus; Pediococcus; Peptoestreptococcus; Propionibacterium; Ruminococcus; Serratia; Veillonella e Atreptococcus.


Desenvolvimento da mucosa intestinal Jejum pós-eclosão Em jejum prolongado, pode haver digestão das células da mucosa intestinal (Yamauchi et al., 1996), levando a um aumento da taxa de extrusão e conseqüente, redução na altura do vilo. O Jejum de água e/ou ração 24 horas pós-eclosão alteram o desenvolvimento morfológico do TGI (Maiorka et al., 2003).


Por quê manter a Saúde Intestinal?  É neste segmento que ocorrem os processos finais de digestão e a absorção seletiva de nutrientes  A Nutrição representa de 60% a 65% dos custos de produção.


Por quê manter a Saúde Intestinal?  Situações de agressão podem alterar a capacidade de absorção e permeabilidade seletiva, o que, em casos extremos, pode levar a quadros de alteração da motilidade e distúrbios de digestão e absorção de nutrientes.


CĂŠlula Caliciforme


Perda celular (Extrusão) Zona de extrusão

Enterócito em plena atividade

Célula caliciforme

Enterócito em atividade

Central lacteal

Vênula Migração celular da cripta para a extremidade

Arteríola


Desenvolvimento da mucosa intestinal

O “Turnover” celular é de 96 horas, o que, considerando o tempo de criação do frango, representa 9% do ciclo de produção.


Aditivos Alimentares  Aditivos são substâncias ou microorganismos adicionados intencionalmente, que normalmente não se consome como alimento, tenha ou não valor nutritivo, que afete ou melhore as características do alimento ou dos produtos animais (Compêndio Brasileiro de Alimentação Animal, 2005)

18


Categorias de Aditivos

ď ś Vamos nos fixar nos aditivos zootĂŠcnicos.


Promotores de Crescimento


Promotores de Crescimento  Os promotores de crescimento para Gram + são usados como ferramentas de grande valor no controle de patologias do TGI e a alternativa mais viável na relação custo/benefício.  São em sua maioria ATBs com pouca ou nenhuma absorção, usados em doses muito pequenas com ausência de resíduo e não utilizados como terapeuticos em animais.  Ex: Virginiamicina; Avilomicina; Bacitracina de Zn; Bacitracina metil dissalicilato; Flavomicina, etc. 21


Promotores de crescimento  Alguns promotores usados são drogas terapêuticas em aves ou humanos e requerem maiores cuidados em seu uso (ex; Lincomicina);  A escolha do promotor de crescimento a ser usado, uma vez que o mercado permita este uso, deve levar em conta o desempenho deste no controle de Clostridium, uma vez que este controle é um dos pontos fundamentais no equilíbrio do TGI.


Promotores de crescimento  Foco na saúde intestinal e aparte de mascarar erros de higiene e manejo produzem efeitos reconhecidos:  Redução da população bacteriana nos intestinos  Redução de problemas entéricos  Melhora da parede intestinal  Economia de energia, em especial devotada á

imunidade  Melhora no crescimento e conversão alimentar  Resistência Bacteriana***


Enzimas


Enzimas  Definidas como proteínas naturais, sem efeito adverso para o animal e para o meio ambiente, sem restrições técnicas para a espécie e idade do animal, com ampla diversidade de origens sendo a indicação e recomendação totalmente atrelada à formulação da ração; à qualidade dos ingredientes e ao custo de produção.


Enzimas  Não se restringe às dietas formuladas exclusivamente com ingredientes vegetais  Tem suas atividades catalíticas dependentes de fatores como temperatura, pH, umidade, concentração da enzima e tipo e concentração do substrato  Fitase é a enzima mais comumente utilizada, melhorando a disponibilidade de fósforo no organismo das aves.


28


Enzimas ď ś VĂĄrios produtos apresentam mistura de vĂĄrias enzimas

29


Enzimas  Podem ajudar na manutenção da homeostase do TGI principalmente quando usamos alguma matériaprima alternativa ao milho, rica em polissacarídeos não amiláceos.  A redução da viscosidade da dieta facilita a ação dos ionóforos; melhora a ação do sistema de defesa do TGI e aumenta a absorção dos nutrientes, melhorando a digestibilidade (diminuindo o substrato para bactérias patogênicas).


Ă“leos Essenciais


Óleos Essenciais  São extraídos de produtos vegetais através da destilação em vapor de água ou da atividade enzimática seguida da destilação.  Abrange uma gama de componentes como os terpenóides;alcoois; aldeídos e ésteres acíclicos  Mecanismo de ação ainda não muito claros mas o mais aceito é que eles aumentam a palatabilidade da dieta, estimulam a secreção de enzimas endógenas, facilitam a digestão, alteram a microflora intestinal e ajudam na redução de infecções subclínicas


Óleos Essenciais  Largo espectro de ação: leveduras, bactérias e fungos  Entre eles estão os oriundos de orégano (timol e carvacrol); cravo (Eogenol), canela (cinnamaldeido);  Os efeitos conhecidos vão além do controle de microrganismos promovendo a melhoria do consumo de ração; e estímulo da secreção de enzimas endógenas;


Óleos essenciais  A mistura dos óleos com ácidos orgânicos potencializam a ação destes sobre as bactérias do TGI.  Supõe-se que haja uma sinergia entre estes compostos onde os danos causados na membrana celular das bactérias facilitam a ação dos ác. orgânicos.


Óleos Essenciais  A combinação de 2 ou mais proporciona respostas melhores bacteriostáticas e bactericidas (Chang; Langhout 2005)  Antes de compor uma mistura é necessário certificar se eles atuam de forma sinérgica ou antagônica


Óleos Essenciais  Fukayama et al, 2005 conduziram teste em FC de 1 a 42d de idade para efeito do carvacrol e thimol (extrato de orégano) em diferentes concentrações  Comparação com controle negativo sem ATB e controle positivo com ATB.  Sem efeito significativo em peso; consumo de ração; CA; rendimento de carcaça; peso do Timo; medidas da Bolsa de Fabrícius e profundidade de criptas do duodeno  Positiva no peso do baço e altura das vilosidades  Autores ressalvaram que a possível falta de desafio possa ter inibido a atuação mais efetiva


テ…idos Orgテ「nicos


Ácidos orgânicos  Em geral, quando o termo ácido orgânico é empregado na produção animal, refere-se aos ácidos fracos, de cadeia curta (C1-C5) (DIBNER e BUTTIN, 2002) que produzem menor quantidade de prótons por molécula ao se dissociarem.  A maior parte do efeito nutricional dos ácidos orgânicos em aves acontece devido à influência do ácido sobre a microflora intestinal (porém precisam estar protegidos para chegar ao intestino)


Ácidos orgânicos  Os ácidos orgânicos reduzem o pH do trato gastrintestinal. Dessa forma, ajudam a criar um ambiente intestinal favorável ao desenvolvimento dos microorganismos probióticos do intestino e inibem o desenvolvimento de microorganismos patogênicos


Ácidos orgânicos  Atuam como agentes quelantes que se ligam a metais formando os quelatos metálicos, os quais previnem ou reduzem a oxidação oriunda da catálise dos metais-íons.  Agem diretamente como fortes inibidores do crescimento microbiano podendo ter uso na preservação de grãos e rações, sanitização da carne e como aditivo promotor de crescimento na ração.


Ácidos orgânicos  (Hinton et al., 2000).  Em aves, as bactérias patogênicas (e.g. Salmonela) atingem o trato digestivo após vencerem a barreira do papo (inglúvio). A existência de um ambiente ácido com pH baixo no papo é muito importante para impedir ou diminuir a colonização de patógenos no trato digestivo. A quantidade alta de Lactobacilus e pH baixo no papo têm mostrado reduzir a ocorrência de Salmonella


Ácidos orgânicos  (Thompson e Hinton, 1997).  O efeito antibacteriano tem efeito maior na parte anterior do trato digestivo, houve recuperação dos ácidos fórmico e propiônico principalmente no papo e moela, mostrando maior ação nesses compartimentos.  (Bolton e Dewar, (1964).  Os ácidos acético, propiônico e butírico usados no nível de 2,5% na forma de sais de cálcio, são completamente digeridos antes do divertículo de Meckel.  (Hume et al., 1993).  Apenas uma pequena porção de ácido propiônico da dieta alcança os cecos e final trato digestivo


Ácidos orgânicos  Modo de ação dos ácidos orgânicos (Eidelsburger, 2001).  a ) Efeito antimicrobiano nos alimentos em si.  b ) Diminuição do pH na parte inicial do trato digestivo, ação bactericida e bacteriostática na microflora (bactérias, fungos e leveduras) do trato digestivo. • •

A ação antimicrobiana se dá porque o ácido diminui a capacidade de aderência da bactéria com fimbria à parede intestinal, Capacidade de desnaturação sobre as proteínas;

 c ) Capacidade aniônica tamponante com cátions das dietas (Ca++, Mg++, Fe+ +, Cu++, Zn++), aumentando a digestibilidade e retenção desses elementos.  d ) Utilização da energia do ácido no metabolismo com ácido propiônico. Hume et al. (1993)


Ácidos orgânicos  A utilidade dos ácidos orgânicos compreende a sanitização de carcaças, preservação de grãos e melhoria no desempenho animal devido aos efeitos digestivos, controladores da microbiota intestinal e metabólicos;  O efeito dos ácidos orgânicos está relacionado com a capacidade de ceder ânions e portanto, com o seu peso molecular e valência;  Os ácidos atuam diminuindo o pH intracelular e podem causar alteração na permeabilidade da membrana com o bloqueio do substrato do sistema de transporte de elétrons;


テ…idos orgテ「nicos Mecanismo de aテァテ」o


テ…idos Orgテ「nicos


Ácidos Orgânicos  Uso como acidificante em água


Ácidos orgânicos  Há variação nos resultados encontrados na literatura, os quais são dependentes da concentração e combinações dos ácidos orgânicos empregados, bem como da capacidade tampão das dietas utilizadas;  O principal efeito da redução da microbiota se dá no inglúvio e cecos;  A redução do pH ocorre principalmente até o divertículo de Meckel;  Devido as características anatomo-fisiológicas das aves a estratégia de uso deve incluir todo o período de produção dos frangos;  Há que se considerar a adaptação de bactérias aos ácidos após longos períodos de utilização;


Prebi贸ticos; Probi贸ticos e Simbi贸ticos


Prebióticos; Probióticos e Simbióticos • O termo probiótico deriva do grego e significa “próvida” sendo antônimo de antibiótico que significa “contra a vida”. • Prebióticos; Probióticos e Simbióticos são produtos orgânicos e não deixam resíduos tóxicos ou que venham a causar algum problema seja nas aves ou em quem venha a consumir produtos avícolas


Simbióticos  O Simbiótico constitui um novo conceito de aditivos alimentares, sendo definido como um produto onde a interação entre o prebiótico e o probiótico favorece a saúde do animal  A utilização de simbióticos na alimentação de aves tem crescido na última década, com o aumento do rigor das entidades de saúde animal da Europa e América do Norte.


Prebióticos  PREBIÓTICOS Os prebióticos são carboidratos não digestíveis que estimulam o crescimento e/ou a atividade de um limitado número de microorganismos capazes de proporcionar um ambiente intestinal saudável ao hospedeiro (Gibson & Roberfroid, 1995).


Prebióticos  PREBIÓTICOS Entre os prebióticos que têm sido mais estudados como aditivos em alimentação animal estão os frutoligossacarídeos (FOS), glucoligossacarídeos (GOS) e mananoligossacarídeos (MOS). Salmonella sp. e Escherichia coli são incapazes de fermentar os prebióticos, tendo seu crescimento diminuído quando em presença destes produtos


PREBIÓTICOS  MOS – Mananooligossacarideos  Estrutura da Saccharomyces cerevisae


PREBIÓTICOS Nas salmoneloses, durante o processo de proliferação microbiana as bactérias se aderem às células epiteliais, ligando-se a estas através de fimbrias em sítios de ligações específicos ricos em resíduos de manose.O MOS usa esta semelhança entre os sítios de ligação dos enterócitos ricos em manose , diminuindo a fixação de patógenos à mucosa e facilitando a sua expulsão juntamente com o quimo alimentar através do trato intestinal por mecanismos fisiológicos normais.


MOS


MOS  OUTRAS AÇÕES 1.

2.

3. 4.

Com a impossibilidade da colonização de bactérias patogênicas, o MOS favorece o crescimento de bactérias benéficas lácticas ---- queda do pH A redução do pH impede a proliferação de bactérias de putrefação que liberam amônia como subproduto da fermentação, prejudicial para a integridade do epitélio intestinal (FERKET, 2003) favorecer o crescimento de anaeróbios benéficos e com isso reduz clostridios Nos tecidos linfóides age estimulando as células B e as células T colaboradoras das placas de Peyer para desenvolvimento da imunidade geral e inespecífica.


Probióticos  PROBIÓTICOS Os probióticos são microrganismos naturais do intestino, os quais após uma dosificação oral efetiva, são capazes de se estabelecerem no trato gastrointestinal e manter ou aumentar a microbiota natural, prevenindo a colonização de alguns microrganismos patogênicos e assegurando melhor utilização dos nutrientes (VANBELLE et al. 1990).


PROBIÓTICOS  Segundo FULLER, 1989, para ser classificado como probiótico o produto deve: 1. ser capaz de exercer efeitos benéficos no animal hospedeiro, aumentando seu crescimento ou a sua resistência às doenças 2. não deve ser patógeno ou tóxico 3. estar presente como células viáveis 4. ser capaz de sobreviver e metabolizar-se no ambiente intestinal, resistente ao baixo pH do estômago e ácidos orgânicos


PROBIÓTICOS  Os microrganismos utilizados como probióticos são classificados em quatro grupos: 1. aeróbios (Bacillus sp.); 2. anaeróbios (Clostridia sp.); 3. bactérias produtoras de acido lático (Bifidobacterium sp., Lactobacillus sp.) 4. leveduras (Saccharomyces cerevisiae).


PROBIÓTICOS  trazem benefícios por diferentes mecanismos: 1. 2. 3. 4.

Exclusão competitiva; Antagonismo direto; Estímulo ao sistema imune; Efeito nutricional.


PROBIÓTICOS  Exclusão Competitiva  se aplica aos microrganismos dos gêneros

Lactobacillus, Enterococcus e Bifidobacterium, pois são bactérias que, como os principais patógenos, colonizam o trato intestinal, aderindo-se por meio de fímbrias ao epitélio intestinal.


PROBIÓTICOS  Antagonismo Direto:  ocorre pela produção de defensinas (peróxido de

hidrogênio ou ácido lático) e bacteriocinas.


Probi贸tico


Probi贸tico


Probi贸tico


Probi贸tico


Probi贸tico


PROBIÓTICO


PROBIÓTICOS 

Efeito nutricional:

1. A prevalência do PROBIÓTICO no intestino dificulta a fixação dos patógenos, resultando em menor produção de amônia, toxinas e aminas contribuindo para integridade do epitélio intestinal. 2. aumento da permeabilidade do epitélio, proporcionando maior eficiência na digestão e absorção de nutrientes. 3. também produzem enzimas, vitaminas facilitando a digestão. 4. Ao reduzir o pH intestinal, facilita e aumenta o transporte de ácidos graxos voláteis através do epitélio intestinal, pois em pH abaixo de 6.0 os ácidos se apresentam na forma dissociada que é dez vezes mais absorvida que a forma não dissociada. Uma vez absorvidos, parte destes ácidos graxos se transformam em energia para os enterócitos, melhorando o metabolismo celular e, consequentemente, a absorção de nutrientes.


CONCLUSÃO  O uso de aditivos na alimentação tem crescido nos últimos anos e novas alternativas aos Promotores de Crescimento surgiram com o intuito não apenas de substituição mas sim de efeito sinérgico.  O uso de promotores orgânicos (ácidos orgânicos; prebióticos e probióticos ou produto completo que é o simbiótico) surge como um método eficaz, promovendo saúde e bem estar das aves traduzido em resultados econômicos e sem deixar resíduos que possam afetá-las ou aos consumidores de produtos avícolas


OBRIGADO !

85

aditivios na ração BA  
Advertisement