Issuu on Google+

Uma experiência enriquecedora

Agência Nacional para a Gestão do Programa Aprendizagem ao Longo da Vida

Dezembro 2011 Newsletter Assistentes Comenius

Comenius em movimento 2011-2012

A acção Assistentes Comenius O que é. A acção Assistentes Comenius destina-se a proporcionar uma experiência pedagógica na Europa, a qualquer futuro professor que tenha acabado a sua formação… mas que ainda não tenha dado aulas! Aliás, pode até não ter terminado a qualificação para a docência e candidatar-se ao financiamento para um período de assistência Comenius. Conhece a experiência Comenius? “Tive conhecimento sobre o programa Comenius através de um colega que já foi Comenius Assistente. Escolhi a Suécia como país para realizar o período de assistência porque é um dos países cujo sistema educativo é referência em Conhecer outros sistemas Portugal, pelo que gostaria de saber um pouco mais educativos sobre a educação na Suécia. (…) Entrei em contacto com a minha supervisora com o intuito de saber um pouco mais sobre a realidade sociocultural da Escola, perguntei o que teria de levar, entre outras coisas. O meu supervisor esteve sempre disponível para responder a qualquer dúvida. (CR, Assistente 2010). O que faz um Assistente Comenius: ensina a sua disciplina, ensina até a sua língua.

LINKS ÚTEIS Equipa Comenius - Mobilidades ⊗

Vera Caeiro, vcaeiro@proalv.pt

Sandra Caneira, scaneira@proalv.pt

João Santos, jsantos@proalv.pt

Preparar o acolhimento é importante Os nossos Assistentes dão testemunho da toda a equipa educativa e foram enviadas cartas para os importância da preparação para a partida e pais para informá-los da minha chegada. Fui também apresentada a cada turma. Além disso, a minha tutora e para o trabalho a desenvolver: “Na preparação e revisão de métodos pedagógicos, preparei uma extensa bibliografia para levar comigo, reuni livros dos autores que achei que gostaria de abordar nas aulas, recolhi bastante material da minha licenciatura em Filosofia, tal como textos de apoio e apontamentos, levei gramáticas da língua Portuguesa e livros pedagógicos. Tive o Verão inteiro para os rever tranquilamente e, uma vez na Polónia, tive que recorrer a eles semanalmente.” (TF, Assistente 2010). Depois de chegar, “Fui apresentada a

o meu director ajudaram-me a encontrar uma casa, forneceram-me informações sobre o país, sobre a escola e sobre o seu regulamento e código de conduta. Deramme também conselhos e sugestões sobre o que poderia fazer no meu tempo livre e o que de interessante poderia fazer e visitar. Ajudaram-me com algumas questões mais práticas, como inscrever-me no posto médico, informaram-me sobre as taxas que tive de pagar, entre outras questões burocráticas. Ofereceram-me ainda um emprego como “breakfast club supervisor”, o que me ajudou economicamente e a integrar na comunidade.” (CG, Assistente 2010)

Agência Nacional PROALV www.proalv.pt Agência Executiva (EACEA) http:// eacea.ec.europa.eu/ index_en.php

Após a preparação do período de assistência, um ritmo intenso e uma grande diversidade de actividades aguarda os Assistentes: “De início, o objectivo do projecto era a assistência na disciplina de inglês. No entanto, como também domino a língua espanhola e tenho conhecimentos de língua italiana (disciplinas linguísticas também ensinadas na escola de acolhimento), oferecime para também participar como assistente nestas aulas. Ensinar uma língua também significa, ao mesmo tempo, aprendê-la e praticá -la, pelo que o preparar das aulas e o interagir com os alunos permitia-me, igualmente, aperfeiçoar as minhas competências linguísticas ou rever/ aprender certos aspectos gramaticais e de vocabulário. Desenvolvi bastante o meu nível linguístico nestes idiomas e a minha capacidade de ensinar estas disciplinas.” (DC, Assistente 2010). As abordagens são diversificadas: “Em certas disciplinas, trabalhava em equipa com outros professores de línguas, seguindo um plano de trabalho estruturado por todos, ou seja, conteúdos e planos de trabalho em comum, mas métodos de desenvolvimento de actividades à escolha de cada um, o que me permitiu trabalhar em grupo e discutir com outros colegas, e fazer um pouco a comparação dos meus métodos pedagógicos com aqueles adoptados pelos outros professores. Noutras disciplinas, as actividades desenvolvidas em aula com os alunos eram

exclusivamente planeadas por mim, mas em concordância com o plano escolar dado, e ainda noutras, foi-me dada total independência no desenvolvimento de trabalhos com os alunos. Em todas estas práticas lectivas, pude desenvolver diferentes métodos de ensino de acordo com as competências e motivações dos alunos (enquanto que com uns funcionava melhor um método mais tradicional e formal de aprendizagem, com outros sentia que podia introduzir formas de aprender um pouco mais lúdicas e relacionadas com temas culturais e sociais).” (DC, Assistente 2010). Depois de um período de trabalho intenso, a importância de uma experiência enriquecedora: “Sem dúvida que foi uma experiência muitíssimo enriquecedora, tanto pessoal como profissionalmente. Acredito que cresci muito com este período e vou para sempre recordá-lo e aplicar todas as minhas aprendizagens no futuro. Penso também que estou ainda mais preparada para desenvolver a minha acção educativa em ambientes multiculturais, o que é sempre uma vantagem, considerando a crescente globalização que se verifica.” (CG, Assistente 2010).

Comissão Europeia http://ec.europa.eu/ Consulte regularmente o site da Agência Nacional www.proalv.pt

AGÊNCIA NACIONAL PARA A GESTÃO DO PROGRAMA APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA | AV. INFANTE SANTO, 2 PISO 4 13501350-178 LISBOA

A acção Assistentes Comenius tem um prazo de candidatura a financiamento anual, previsto para Janeiro de 2012 (a confirmar).

Educação de adultos: Consulte a informação sobre os Assistentes Grundtvig.


Newsletter Comenius