a product message image
{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade

Page 1

Número 1 • Ano 1

ENTREVISTA ALISON E BRUNO, A DUPLA DE OURO DO VÔLEI DE PRAIA BRASILEIRO E MAIS MOQUECA CAPIXABA, DESTINOS TURÍSTICOS DO ES, MITOS E VERDADES DA ALIMENTAÇÃO

TOMMASI LABORATÓRIO CHEGA AO

RIO DE JANEIRO


Editorial Número 1 • Ano 1 Central Administrativa Rua General Osório, 83, Ed. Portugal, térreo e 11o andar, Centro, Vitória, CEP 29028-900 Central: 27 3381.3884 3381.3872 • 3381.3873 Central de Análise Av. Luciano das Neves, 1807,

No Rio aos 55 anos... Quando comecei a tornar realidade o sonho de cuidar com tecnologia e carinho da vida das pessoas, eu talvez não tenha imaginado ir tão longe. Não que eu não pense grande, pelo contrário, eu acredito no

Divino Espírito Santo, Vila Velha, CEP 29107-015 Central: 27 3381.3884 3381.3872 • 3381.3873 CONSELHO EDITORIAL

potencial de quem trabalha com o que ama e dá o melhor de si, mas é muito gratificante ver nossas ambições de juventude ampliarem

Bruno Tommasi

horizontes, superarem fronteiras, vencerem temores e ganharem vida.

Sócio | Diretor

Lembro-me bem da primeira sala que montei no centro de Vitória, de como fazíamos tudo manualmente, eu e mais alguns comigo apenas (alguns deles, inclusive, estão comigo até hoje!). O primeiro laudo, a primeira automação, o primeiro grande investimento, a primeira crise

Carlos Henrique Almeida Departamento de Marketing | Grupo Tommasi

atravessada. Foram muitos aprendizados e grandes vitórias. Inovar

Fernanda de Albuquerque

era um lema para mim e estudava a fundo cada nova possiblidade

Assessoria de Imprensa |

de agregar valor ao diagnóstico do meu cliente. É muito bom olhar a

Tommasi Laboratório

história e ver que muitos desses clientes são cuidados com excelência pelo Tommasi há mais de três gerações familiares.

PRODUÇÃO EDITORIAL

E é com esse mesmo propósito que pedimos licença e ultrapassamos a divisa para chegar ao Rio de Janeiro oferecendo o mesmo cuidado, com a mesma responsabilidade e alta tecnologia. Meu sonho agora

www.realizaeditora.com.br

é ser recebido de braços abertos pelos cariocas. E é com o mesmo

contato@realizaeditora.com.br

amor e dedicação que farei de tudo para merecer essa confiança!

27 3314.5117 • 27 3024.3355

Nestas páginas vocês poderão conhecer um pouquinho mais do nosso laboratório, ver um pouquinho do nosso estado, saber sobre alguns cuidados com a saúde e, claro, algumas inovações. Que o nosso “seja bem-vindo” seja recíproco!

HENRIQUE TOMMASI Diretor-presidente do Tommasi Laboratório

Diretor Eder Mota Jornalista responsável Ariani Caetano (MTB-ES 2420) Projeto gráfico e editoração Link Editoração Impressão Edigráfica Gráfica e Editora 10.000 exemplares

4


Especial

TRADIÇÃO CAPIXABA NA TERRA DA BOSSA Com 55 anos de história em análises clínicas no Espírito Santo, o Tommasi Laboratório chega ao Rio de Janeiro com a proposta de cuidar da vida e da saúde dos cariocas.

R

eferência em qualidade,

Netto, que, com sua visão ino-

segurança e comprome-

vadora e determinada, abriu o

timento em análises clí-

laboratório em 1962.

nicas no Espírito Santo há 55

Recém-saído da faculdade, o

anos, o Tommasi Laboratório ex-

jovem já propunha exames que

pande sua atuação ao Rio de Ja-

eram novidade para a época,

neiro e abre duas unidades na

sempre almejando agregar va-

cidade: uma na Tijuca e outra

lor ao diagnóstico do paciente.

em Madureira. Para quem ain-

Seu primeiro traço de pioneiris-

da não conhece o laboratório, é

mo surgiu em 1972, quando sua

impossível falar de sua história

paixão por automação e tecno-

sem confundi-la com a da vida

logia foi aliada a investimentos

de seu fundador, o farmacêuti-

em novas técnicas, como a Au-

co-químico Henrique Tommasi

toanaliser, para a área de bioquí-

5


Especial

6

mica e, em 1987, o Coulter, para

ção do Sistema de Gestão Qua-

automação da hematologia. Em

lidade pelo Sistema de Qualida-

1993, implantou o primeiro siste-

de do Laboratório Clínico (DICQ).

ma totalmente automático para

E também o primeiro laboratório

identificação de bactérias e fun-

brasileiro a disponibilizar os re-

gos e realização do antibiograma

sultados on-line e, a partir daí,

(Walkway) e, em 1995, foi o pio-

oferecer o histórico do paciente.

neiro no Brasil a integrar todos

“Todas essas nossas con-

os seus postos com a área téc-

quistas tinham a visão de ga-

nica, após a chegada do sistema

rantir a qualidade e a confiabi-

de informática.

lidade de nossos laudos, mas

As unidades de Tijuca

Durante todos esses anos, o

também o bem-estar dos nos-

e Madureira contarão

trabalho foi sério e voltado para

sos pacientes”, relata Henrique.

com um espaço lúdico

assegurar a vanguarda no diag-

Por isso, o Tommasi também foi

para atendimento

nóstico ao cuidar da saúde das

o primeiro laboratório do Brasil a

pessoas. Para Henrique Tomma-

implantar o AccuVein (visualiza-

si, o importante era promover

dor de veias por infravermelho).

aos clientes ferramentas para

E, é claro, se as palavras de

ajuda na interação

que aprimorassem diagnósti-

ordem são qualidade e confian-

e aproximação dos

cos, prognósticos e prevenção.

ça, a equipe de profissionais

pacientes mirins,

“O meu ideal sempre foi ajudar

que desenvolve e gerencia toda

auxilia na hora de

a manter a saúde das pessoas,

essa tecnologia é motivada a

e não cuidar de sua doença”, res-

garantir uma harmonia dessa

salta o empresário.

união entre tecnologia e ca-

acaba aliviando não

E foi com esse pensamento

pacitação profissional, geran-

só o sofrimento

que o Tommasi ganhou tradição

do assim conhecimento cien-

das crianças, mas

em pioneirismo no desenvolvi-

tífico e laudos com exatidão e

também dos pais, que

mento de novas metodologias.

coerência. “Os nossos profis-

costumam ficar de

O Tommasi foi o primeiro labora-

sionais são altamente qualifi-

tório do Brasil a obter a Acredita-

cados e, hoje, formam um su-

dos pequenos. Nele, o Super Coragem, personagem que ambienta a sala e

encarar a agulha para fazer a coleta do exame. A tática

coração partido com o choro dos filhos.


Conheça mais sobre a história do Tommasi

Chegada do Autoanaliser / SMA 1260, aparelho automatizado de bioquímica e

1968

Fundação

do sistema de coleta a vácuo

Implantação do primeiro aparelho de hemograma totalmente automatizado da

1962

Início da metodologia eletroforese das proteínas e lipoproteínas

Implantação do sistema de

informática, com integração de todos 1995 os postos de coleta e área técnica

1974

América Latina 1987 (Coulter STKS)

Implantação do primeiro sistema totalmente 1993 automático para identificação de bactérias e fungos e realização do antibiograma (Walkway)

Primeiro laboratório do Brasil a obter a Acreditação do Sistema de Gestão Qualidade pelo Sistema de Qualidade 2000 do Laboratório Clínico (DICQ) e primeiro a disponibilizar os resultados on-line e oferecer o histórico do paciente

Começa o envio 2007 de SMS de aviso de resultado

Primeiro laboratório do Brasil a implantar o AccuVein (visualizador

de veias por infravermelho) e obtenção da Acreditação ONA 2012

(Organização Nacional de Acreditação do Ministério da Saúde) 2015 Centralização das análises na matriz em Vila Velha

Credenciamento ao 2016

Denatran para realização

Automatização do 2017

processo pré-analítico

de exame toxicológico de

com a chegada

larga janela de detecção

do Automate

Ampliação de atuação, com a chegada ao Rio de Janeiro com duas unidades 2018

7


Especial

per time com mais de 300 pes-

detalhe para garantir um am-

soas, provando competência e

biente de conforto e seguran-

agregando valor para alcançar

ça aos clientes. Em 2017, con-

os resultados que conquista-

quistou todos os prêmios do se-

mos”, explica o Chefe, como é

tor de análises clínicas com vo-

carinhosamente chamado por

tações populares, baseadas em

sua equipe.

qualidade e reconhecimento de

O Tommasi hoje possui a

marca e liderança. “Essa é uma

maior rede de atendimento do

prova de uma relação de confian-

Espírito Santo, com recepções

ça que nos guia para como olhar

preparadas com carinho em cada

para frente.”

Unidade recéminaugurada do Tommasi Laboratório em Vitória/ES: estrutura moderna para atender com excelência

8


A Central de Análise do Tommasi fica em Vila Velha, no Espírito Santo, com capacidade para cerca de 20 mil atendimentos por dia

ACREDITAÇÕES E CERTIFICAÇÕES DO TOMMASI LABORATÓRIO • Acreditação da Organização Nacional de Acreditação (ONA), avaliada pelo Instituto Qualisa de Gestão (IQG) • Acreditação DICQ, desde 2000, expedida pela Sociedade Brasileira de Análises Clínicas (SBAC) • Teste de Proficiência PNCQ (Programa de Controle Externo da Qualidade), com desempenho excelente na última avaliação (2012) • Certificação de Proficiência em Ensaios Laboratoriais (PELM), programa renovado anualmente, uma avaliação externa da qualidade dos serviços prestados pelo laboratório

O meu ideal sempre foi ajudar a manter a saúde das pessoas, e não cuidar de sua doença. Henrique Tommasi Netto

CONHEÇA AS NOVAS UNIDADES DO TOMMASI LABORATÓRIO NO RIO DE JANEIRO • Tijuca - Rua Barão de Mesquita, 314, loja L SSL, Tijuca, Rio de Janeiro/RJ, CEP: 20.540-901 • (21) 3851-6664 • Madureira - Av. Ministro Edgard Romero, 224, loja A, Madureira, Rio de Janeiro/RJ, CEP: 21.360-200 • (21) 2458-8718

9


Entrevista

Fotos: Divulgação

O MAMUTE E O MÁGICO 10


F

ormada em 2014, a

e moro no Espírito Santo des-

para a minha família. Meu pai

dupla de vôlei de praia

de 2004. Gosto de dar o meu

também pratica esportes até

responsável pelo ouro

melhor sempre e faço da me-

hoje. Na minha família, as con-

nos Jogos Olímpicos do Rio de

lhor maneira possível tudo o

versas eram sempre sobre es-

Janeiro em 2016 tem muito o

que me proponho a fazer. Olho

porte, e eu peguei esse gos-

que comemorar e também o

muito para a frente e não gos-

to muito cedo. Eu digo que me

que trabalhar. Alison (o Mamu-

to de estar preso no passado.

tornei profissional nessa mo-

te) e Bruno (o Mágico) treinam

Tenho uma ambição positiva,

dalidade aos poucos, não foi

duro, superam juntos os desa-

mas, ao mesmo tempo, sou

de uma vez.

fios, olham sempre para a

muito tranquilo, discreto, low

frente e querem mais. A julgar

profile. Sou um cara muito co-

pela vontade de jogar ainda

mum, e não preciso de gran-

melhor e pelo foco que eles

des coisas para ser feliz.

têm nos resultados da equipe,

Que atributos um parceiro precisa ter para a dupla funcionar tanto em quadra quanto fora dela?

Quem é você?

Qual é sua história com o esporte? Como ele entrou na sua vida e como e quando virou uma profissão?

Alison: Sou Alison Conte Ce-

Alison: Nasci em Cachoeiro de

po, as escolhas, até mesmo a

rutti, tenho 32 anos e sou atle-

Itapemirim e me mudei para Vi-

opção por uma tática. Quando

ta do vôlei de praia desde os

tória aos 11 anos. Na escola

um fala o outro tem que escu-

17. Conheci o vôlei com 11

em que estudei, sempre gos-

tar. E isso vai desenvolvendo

anos, quando comecei no vô-

tei de praticar esportes, e me

nos dois uma maturidade mui-

lei de quadra. Devo tudo o que

encontrei no voleibol de qua-

to grande.

tenho hoje ao voleibol. Tenho

dra. Dali em diante não parei

Bruno: Tem que ser muito ver-

duas medalhas olímpicas, sou

mais. Fiz escolinha de vôlei de

dadeiro, estar em sintonia e

bicampeão mundial e repre-

praia e comecei profissional-

superar as dificuldades. É uma

sento o meu país com mui-

mente no Clube Álvares Cabral.

situação de muita cumplicida-

to orgulho.

Bruno: Eu nasci numa famí-

de, de fazer mais pelo parcei-

Bruno: Sou Bruno Schmidt, te-

lia de esportistas. O Oscar foi

ro do que por você mesmo. A

nho 31 anos, nasci em Brasília

uma influência muito grande

gente tem que saber que inde-

não vai ser nada difícil vê-los daqui a dois anos em mais um pódio olímpico.

Alison: O principal é respeitar as diferenças. Nós somos diferentes, mas a gente respeita o momento do outro, o tem-

Bruno é muito dedicado e não gosta de perder. Isso faz com que a chama pela vitória nunca se apague. Alison 11


Entrevista

te fizer, o objetivo é sempre a

segredo de tanto sucesso?

dupla, no final é tudo pelo me-

Alison: Acho que é trabalho,

lhor do nosso time.

respeito e dedicação. Humil-

pendentemente do que a gen-

dade também é importante

Que característica melhor define o seu parceiro? Como ela colabora para o sucesso da dupla?

porque temos que saber que

Alison: Bruno é muito dedica-

vira super herói, somos pes-

do e não gosta de perder. Isso

soas comuns, normais e temos

faz com que a chama pela vi-

que passar pelas dificuldades

tória nunca se apague.

para crescer e evoluir em de-

Bruno: Alison é muito profis-

terminados aspectos.

quanto mais ganhamos, mais trabalho temos que fazer. Bruno: O segredo é saber que não tem segredo. Ninguém

sional, e, quando a gente for-

ele é muito agregador, defen-

Como é a preparação para as temporadas? Quais cuidados toma com o corpo e a mente?

de todo mundo. Essas coisas

Alison: A gente tem um acom-

são muito importantes para

panhamento psicológico há

a nossa união, pois sabemos

mais de cinco anos – eu há cer-

que a gente vai junto até o fim,

ca de 10. Fisicamente, a gen-

dando certo ou errado.

te se cuida muito, e a parce-

mou a dupla, ele fez questão de profissionalizar o máximo a nossa equipe. Fora de quadra,

ria com o Tommasi Laborató-

Apoiada pelo Tommasi, a dupla conquistou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 2016 e se prepara para os de 2020

12

A dupla Alison e Bruno está junta desde 2014 e desde então foram muitos campeonatos conquistados e um ouro olímpico. Qual é o

rio nos dá total tranquilidade para trabalhar com o fisiologista a parte técnica. Bruno: A gente está sempre se monitorando com nosso fisiologista. As taxas que os


Quais são seus hobbies? O que faz no tempo livre?

maior desafio foi quando ope-

Alison: Eu sou um cara mui-

va que eu não iria voltar, e em

to família. Como a gente tem

2015 fui campeão mundial e

uma vida muito louca de via-

em 2016, olímpico. Como time,

gens, longe de tudo, no tem-

foi sair de uma final olímpi-

Quais são os maiores desafios do vôlei de praia e do esporte de forma geral? Em que medida eles impedem o crescimento da modalidade e o desenvolvimento de novos talentos?

po livre adoro receber meus

ca em 2012 com uma meda-

Alison: O Brasil é um celeiro

amigos em casa, ficar com

lha de prata e ganhar uma de

de talentos de várias modali-

meus cachorros, minha es-

ouro em 2016.

dades. Mas enquanto houver

posa, ir para Guarapari, fi-

Bruno: Cada temporada é um

a política muito forte no nos-

car com minha mãe e irmã.

desafio novo. A gente esque-

so país, nós não vamos cres-

Adoro um churrasco e estar

ce o que passou, aprende e

cer. Tem muita gente que tem

com as pessoas que sempre

enfrenta as novas dificulda-

potencial e não tem condições

me apoiaram.

des. O título olímpico veio co-

de pagar uma passagem. Isso

Bruno: Já gostei de fazer mui-

roar uma temporada bem feita,

me deixa muito mal. Fico en-

ta coisa, mas hoje em dia tenho

mas o título Sub-21, o Mundial

tristecido que a educação físi-

deixado os hobbies de lado,

e meu primeiro título brasilei-

ca não seja essencial. Se fos-

porque é difícil conciliar. Sem-

ro me marcaram muito porque

se, as pessoas teriam menos

pre fui muito hiperativo, gos-

me deram um norte, me mos-

problemas de saúde, toma-

to de fazer atividades, surfar,

traram que eu estava no ca-

riam menos remédios, como

velejar, correr. Mas o que mais

minho certo. O momento olím-

é comprovado em vários paí-

tenho feito é estar com minha

pico é de muita pressão, nos-

ses desenvolvidos.

família, curtir o final de sema-

sa equipe merecia e deu tudo

Bruno: O vôlei de praia é um

na com eles.

certo. Claro que dá uma ex-

esporte complicado, porque

pressão absurda, mas outros

requer muito investimento

títulos foram mais importan-

e, às vezes, o retorno não é

tes para mim porque me mo-

igual ao investimento feito.

tivaram a continuar.

Paralelamente, tem crise e

exames apontam é o norte do nosso preparo.

até hoje? E qual foi a maior conquista? Alison: Pessoalmente, meu

Qual foi o maior desafio que já enfrentou no esporte

rei o joelho direito no final de 2014. Muita gente acredita-

Alison é muito profissional. Fora de quadra, ele é muito agregador. Essas coisas são muito importantes para a nossa união. Bruno 13


Entrevista

interesses. Quando chega

Bruno: Os dois. É a tal ambição

perto das Olímpiadas, todo

gostosa que nos movimenta...

profissionais e pessoais?

mundo quer saber do vôlei

Não são essas premiações que

Alison: Eu botei na minha

de praia, mas, depois que

a gente busca, nossos objeti-

cabeça que iria jogar três

passa, cai no esquecimento,

vos são muito maiores, como

jogos olímpicos, então, que-

como todo esporte olímpico.

a competividade da equipe, fa-

ro mais um, mais uma meda-

O que se mostra na TV é so-

zer um bom ano, uma boa tem-

lha, e estou fazendo de tudo

mente futebol, mas o resto

porada. Esses títulos mostram

para isso. No futuro, quero

fica definhando.

que estamos no caminho cer-

pensar no desenvolvimento

to, mas não são nossos obje-

do meu esporte. Tenho uma

Bruno já foi eleito o melhor do mundo. Alison, o melhor bloqueador do mundo. E a dupla, a melhor do mundo. O que esses feitos significam? Ser a melhor é um objetivo da dupla ou consequência do trabalho realizado?

tivos finais.

escolinha de vôlei de praia em Viana e também preten-

O que o Espírito Santo representa para você?

do começar um projeto pro-

Alison: Representa tudo para

de família, fazer outras coi-

mim. É a minha casa, meu es-

sas que não fiz.

tado, meus amigos, a bandei-

Bruno: Sou movido a obje-

ra que eu carrego. Esse esta-

tivos e sonhos, estou no iní-

do é maravilhoso, tem de tudo,

cio de muita coisa, começan-

tem pessoas bacanas e mistu-

do mais um ciclo olímpico im-

ra de povos, mas, mesmo as-

portante. Em paralelo, tem a

Alison: Total consequência.

sim, uma identidade própria.

minha família e, futuramen-

Os prêmios individuais, a gen-

Bruno: Representa muita coisa.

te, quero ter filhos. Também

te nem conta. Claro que são

É o local do meu trabalho, onde

estou terminando meu curso

gratificantes, mas o mais im-

fiz meu hobby virar profissão,

de Direito. Quero poder olhar

portante é ganhar, estar no

é o estado onde me encontrei.

para trás e ver que dei o meu

quência do trabalho que está sendo feito.

bito pessoal, quero ser pai

máximo, que fiz tudo o que eu

pódio, isso é o que mais conta. O prêmio individual é conse-

fissional em 2020. Em âm-

O que ainda falta realizar? Quais são seus sonhos

queria. Por ora, quero ser o melhor no que eu faço, competir da melhor maneira possível.

TÍTULOS DA DUPLA ALISON E BRUNO

14

• Medalha de Ouro nos Jogos Olímpicos Rio 2016

• Bicampeã do World Tour Finals (2015 e 2016)

• Campeã do Mundo em 2015

• Campeã do Circuito Brasileiro 2015/2016

• Bicampeã do Circuito Mundial (2015 e 2016)

• Tetracampeã do Super Praia (2014, 2015, 2016 e 2017)


Foto: Cloves Louzada

Artigo

CORRIDA E MONITORAMENTO LADO A LADO Atualmente, vivemos num

mas uma em especial vem se

tinuidade nos treinamentos.

contexto no qual cada vez

apresentando em constante

Caso contrário, o atleta/prati-

mais substituímos nossa ati-

crescimento nos últimos anos:

cante sente-se desestimula-

vidade física pelo trabalho.

a corrida de rua. Seus princi-

do e é grande a possibilidade

Estamos diminuindo nosso

pais benefícios são, normal-

de desistência.

“movimento” e aumentando

mente, o controle do estresse,

Hoje, cada vez mais pes-

a nossa produção. Também

a melhora da composição cor-

soas “comuns” se transfor-

as atividades cotidianas re-

poral e da qualidade do sono

mam em corredores. Na caro-

querem cada vez menos tem-

e a redução da pressão arte-

na do aumento da prática da

po e “movimento”.

rial, entre outros.

corrida de rua, surge uma nova

Esperava-se que com a con-

A corrida pode ser praticada

necessidade: o acompanha-

quista desse tempo “extra”

por qualquer pessoa saudável

mento e monitoramento das

as pessoas realizassem mais

e que busque uma atividade

adaptações dos treinamen-

atividades físicas e de lazer,

sem grandes limitações de es-

tos e competições. O “bom-

mas, infelizmente, essa não é

paço. O corredor iniciante não

bardeio” de propagandas, as

a realidade. O resultado disso

precisa ter uma habilidade es-

mídias sociais e o grande nú-

é uma população com muito

pecífica. Além de saber correr,

mero de competições se apre-

sedentarismo e doenças cor-

basta apenas o engajamento

sentam como grandes vilões

relatas, entre elas a síndro-

em assumir um compromisso

para os casos de overtraining

me metabólica. Todavia, uma

com a saúde e o bem-estar.

e lesões resultantes do exces-

grande mobilização da socie-

Para o indivíduo que inicia

dade tem em seu pilar princi-

na prática de uma modalida-

Assim, a supervisão e o

pal a indicação e a prescrição

de esportiva, é fundamental

acompanhamento durante

da prática de atividades físi-

que sejam percebidas melho-

esse programa de treinamen-

cas para o controle dos “ma-

ras em suas valências físicas,

to e competições são impres-

les do mundo moderno”.

ou seja, que possa ser nota-

cindíveis, pois, com isso, aten-

Temos diversas possibili-

da uma evolução no seu con-

der de forma plena e segura as

dades de atividades físicas

dicionamento, pois isso ser-

expectativas do praticante ou

acessíveis e com baixo custo,

virá de estímulo para a con-

atleta torna-se mais factível.

so do exercício.

HELVIO AFFONSO Professor de Educação Física, doutorando em Ciências Farmacêuticas, mestre em Ciências Farmacêuticas, especialista em Treinamento Desportivo de Alto Rendimento e em Fisiologia do Exercício, professor de Fisiologia do Exercício e sócio da Appto Assessoria Esportiva

15


Viver

A GENÉTICA EXPLICA Sabe aquela vontade constante de comer um docinho, a incapacidade de correr grandes distâncias ou a predisposição a engordar mesmo vivendo de regime? Será que seus genes têm uma parcela de culpa nisso?

E

16

studos recentes de-

ambiental, da nossa cultura,

monstram que a gené-

do que comemos. Quando fa-

tica pode ajudar a ex-

lamos, por exemplo, de per-

plicar certas tendências ou

fis genéticos de atletas, es-

inaptidões. Intolerância a

tamos falando de tendên-

certos tipos de alimentos tam-

cias”, ressalta a bióloga do

bém pode ser explicada pela

Tommasi Laboratório, Gabrie-

constituição genética do indi-

la Nogueira.

víduo, e conhecer-se portador

De acordo com ela, saben-

de uma alteração gênica que

do de certas predisposições, o

provoca, por exemplo, doença

indivíduo pode ter um contro-

celíaca, intolerância à lactose

le maior do seu problema. “Por

ou outros problemas de saúde

sugestão, uma pessoa pode

permite que a pessoa se trate

pensar que tem determinada

corretamente e tenha quali-

predisposição, mas só com tes-

dade de vida.

tes genéticos ela vai ter certe-

“Nossos genes ajudam a

za. Isso vale desde para saber

traçar quem nós somos, mas,

se a pessoa metaboliza bem o

claro, somos mais do que isso.

café até determinar possíveis

Dependemos do nosso fator

riscos cardíacos.”


VOCÊ SABE O QUE É O DNA? O ácido desoxirribonucleico (ADN, em português, ou DNA, em inglês) é um composto orgânico cujas moléculas contêm as instruções genéticas

Entretanto não é o fato

nado atleta tem mais poten-

que coordenam o desen-

de ter predisposição a deter-

cial para correr longas distân-

volvimento e o funcio-

minada doença, por exem-

cias, e não curtas, ele vai in-

plo, que vai fazê-la se mani-

vestir sua carreira naquilo que

festar. Uma pessoa que sabe

lhe trará melhores ganhos. “O

que tem tendência a engordar,

DNA não determina a vida de

tárias. Os segmentos de

mas que se alimenta muito

ninguém, apenas orienta com

DNA que contêm a infor-

bem tem bem menos chances

relação às condutas mais ade-

mação genética são de-

de ser obesa. No campo das

quadas que devem ser toma-

nominados genes.

potencialidades, se determi-

das”, explica Gabriela.

namento de todos os seres vivos e alguns vírus e ainda transmitem as características heredi-

Alguns dos testes genéticos que podem ser realizados para a detecção de alterações gênicas CAFEÍNA: A cafeína é metabolizada por uma enzi-

ACTN3: Existem dois tipos de fibras muscula-

ma hepática codificada pelo gene CYP1A2. Algumas

res, as de contração lenta e as de contração rá-

pessoas têm uma alteração genética nessa enzima,

pida. As fibras musculares de contração rápi-

podendo ser classificadas como metabolizadoras rá-

da trabalham com mais força e velocidade, im-

pidas (ou lentas) de cafeína. Os indivíduos que me-

portante para corridas de tiros ou levantamen-

tabolizam a cafeína rapidamente devem ingerir a su-

to de pesos. As fibras musculares de contra-

plementação logo no início do exercício. Já aqueles

ção lenta trabalham por períodos mais longos e

que demoram mais para eliminar a cafeína do orga-

com intensidades mais baixas, importante para

nismo são mais propensos a sentirem efeitos colate-

atividades como caminhada e corrida. O gene

rais como ansiedade, irritabilidade, falta de sono, ta-

ACTN3 codifica a proteína alfa-actina 3, que é

quicardia e hipoglicemia.

expressa apenas em fibras musculares de con-

GLÚTEN: A doença celíaca é um distúrbio engatilhado

tração rápida. Portanto, determinadas variações

pela ingestão de glúten em indivíduos geneticamen-

nesse gene podem ser benéficas para exercí-

te susceptíveis. O teste genético para sua intolerân-

cios ou atividades que exigem energia e for-

cia avalia seis variantes genéticas no gene HLA. Evi-

ça. Em particular, indivíduos com a variante CC

dências científicas mostram que o HLA é o preditor

no ACTN3 são mais propensos a se destacarem

genético mais importante para a intolerância ao glú-

em atividades baseadas na força. Aqueles com

ten. Os resultados do teste revelam se a pessoa pos-

a variante TC têm um potencial de força leve-

sui baixo, médio ou alto risco de intolerância.

mente aumentado.

17


Conhecer

DESCUBRA O ESPÍRITO SANTO

Foto: Setur

O estado da moqueca, da panela de barro e do Tommasi tem muitos atrativos turísticos para quem o visita. Preparamos um “top 10” de lugares incríveis para você conhecer ou revisitar sempre que tiver vontade de vivenciar novas experiências.

1 • Convento da Penha Localizado num penhasco a 154 metros de altitude no município de Vila Velha, o Santuário de Nossa Senhora da Penha foi fundado por Frei Pedro Palácios em 1558. Em seu interior, o espaço mais expressivo é o da igreja, com sua capela-mor. Já no exterior, chama a atenção a beleza da Mata Atlântica que o circunda. O Convento da Penha é o maior atrativo turístico e religioso do estado, e a festa dedicada à Nossa Senhora da Penha é a maior manifestação religiosa do Espírito Santo e a terceira do país, atrás apenas das comemorações de Nossa Senhora Aparecida e do Círio de Nazaré.

20


2 • Pedra Azul Pedra Azul, distrito de Domingos Martins, é um charme só. Nele está o Parque Estadual da Pedra Azul, o lugar ideal para o turista apreciar as imponentes pedras Azul e do Lagarto, espécies raras de flores e plantas, como orquídeas e bromélias, fazer escaladas, caminhadas e trilhas e tomar banho em piscinas naturais. Já na Rota do Lagarto, é possível apreciar muito da gastronomia e do artesanato local. Nela, há restaurantes, cafés, empresas de ecoturismo e muito mais, no terceiro melhor clima do mundo.

Foto: Yuri Barichivich

3 • Mosteiro Zen Morro da Vargem A 350 metros de altitude, o Mosteiro Zen Morro da Vargem está localizado entre rochedos e vegetação exuberante no município de Ibiraçu. Foi fundado em 1974 pelo mestre Rychan Shingu e abre para visitação aos domingos, das 8 às 12 horas quando não chove. Durante a visita, o público é orientado por monitores, que informam sobre toda a área ecológica e o funcionamento do mosteiro. Também são apresentados os templos e demais instaFoto: Yuri Barichivich

lações, num roteiro histórico e cultural. O visitante pode apreciar as belezas naturais e percorrer trilhas em meio à Mata Atlântica.

4 • Guarapari Guarapari talvez seja uma das cidades mais conhecidas do Espírito Santo por suas famosas praias, que se enchem de turistas no verão. Conta com as 52 praias mais belas e concorridas do estado, além de ilhas, lagoas, áreas de preservação permanente, parques temáticos e cozinha típica, além das famosas areias monazíticas, com propriedades medicinais, monumentos históricos e culturais localizados no centro da cidade e cinco pontos naturais de mergulho, onde se pode apreciar a mais rica biodiversidade de peixes e recifes do Brasil.

21 Foto: Sagrilo


Conhecer

5 • Itaúnas O Parque Estadual de Itaúnas é conhecido por suas belezas naturais, principalmente a área de alagado, as duas, as praias e o Rio Itaúnas. Há a possibilidade de fazer passeios diferenciados e trilhas, mas o acesso às dunas e as praias é fácil. Já na bucóFoto: Yuri Barichivich

lica Vila de Itaúnas, o forró é o protagonista do lugar, onde são realizados festivais nacionais dedicados ao ritmo.

7 • Igreja e Residência Reis Magos Localizado em Nova Almeida, a 40 metros do nível do mar, este conjunto arquitetônico encanta os visitantes por sua história, arquitetura e bela vista. Inaugurado em 1615, como sede do aldeamento fundado pelos jesuítas, desde 1982 está sob a guarda do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan). No altar da igreja encontra-se um retábulo retratando a adoração dos Reis Magos, considerado a primeira pintura a óleo sobre madeira do Brasil.

Foto: Yuri Barichivich

6 • Museu Vale Inaugurado em 1998 em Vila Velha, o Museu Vale é uma iniciativa da Fundação Vale, que tem o compromisso de ampliar o acesso da população aos bens culturais, a preservação das identidades culturais regionais e a valorização da memória e do patrimônio históricos brasileiro. No espaço, são realizadas exposições, seminários e oficinas de arte, além de haver um acervo próprio que conta a história da Estrada de Ferro Vitória a Minas.

22 Foto: Cloves Louzada


10 • Caparaó A Região do Caparaó é formada por 11 municípios do Espírito Santo, além de outros do estado de Minas Gerais.

8 • Santa Teresa Município pioneiro da imigra-

Foto: Tadeu Bionconi

ção italiana no Brasil, Santa

É um lugar ideal para a prática do turismo de aventura, do ecoturismo e do agrotu-

Teresa localiza-se na região

9 • Palácio Anchieta

rismo. São centenas de que-

serrana e está entre os des-

Sede do governo do Espírito

das d’água na maior área de

tinos turísticos mais impor-

Santo e uma das mais antigas

preservação da Mata Atlân-

tantes do Espírito Santo. Com

do Brasil, o Palácio Anchieta

tica do Espírito Santo. O lu-

cerca de 40% de seu territó-

foi construído para funcionar

gar ainda conta com a maior

rio coberto por Mata Atlânti-

como colégio jesuíta. E assim

reserva bionatural e o princi-

ca preservada, destaca-se por

foi até 1760, até quando abri-

pal santuário de observação

ter uma das mais exuberan-

gou o Colégio de São Tiago,

de pássaros.

tes biodiversidades do mun-

que ensinava a ler, a escrever

do. É também terra dos bei-

e também era a sede adminis-

ja-flores, das orquídeas e de

trativa e das missões dos je-

Augusto Ruschi, patrono da

suítas no Espírito Santo. Com

Ecologia no Brasil, além de o

a expulsão dos jesuítas, foi

maior produtor de uva e vinho

transformado em sede do go-

do estado e a capital capixa-

verno, função que exerce até

ba do jazz e do blues.

os dias atuais, além de também abrir suas portas para exposições e mostras artísticas.

Foto: Tadeu Bionconi

Foto: Setur

23


Experimentar

Fotos: Cloves Louzada

A rainha da culinária no trono máximo do artesanato capixaba

A MAJESTADE DA MESA DOS CAPIXABAS “Moqueca, só capixaba; o resto é peixada.” A frase é famosa e quase um mantra entre os capixabas. Cunhada pelo jornalista Cacau Monjardim, expressa bem o sentimento de todo o Espírito Santo de propriedade e originalidade do principal prato típico do estado, a moqueca capixaba.

24


Depois de retirado

E ASSIM É FEITA A PANELA DE BARRO

"A

A panela começa a ser

do Vale do

moldada pelas

Mulemá,

paneleiras. Só

o barro é

barro e água

pisado e

fazem parte

preparado

do processo

moqueca é sím-

praticamente sozinho nesse

bolo estadual, já

mercado até a década de 70,

foi até declarada

quando começaram a surgir

patrimônio cultural imaterial

as outras casas”, conta Pau-

do estado. A forma de prepa-

lo Henrique. DIA DA MOQUECA

rá-la tem que ser a legítima,

A receita autêntica da

com peixe fresco, coentro,

moqueca capixaba é a que o

cebola, tomate, sal, alho e

Restaurante São Pedro insti-

tintura de urucum”, ressalta

tuiu e que prepara até hoje,

Paulo Henrique Portes, ge-

do mesmo jeito, mantendo

desde 2012 tem

rente do Restaurante São

o padrão e a tradição, que

um dia só para ela:

Pedro, a primeira casa comer-

são tão importantes quando

30 de setembro.

cial a servir a moqueca em

se fala do principal prato da

Vitória, em 1952.

culinária capixaba. O apego

A moqueca capixaba é tão importante e reverenciada no Espírito Santo que

“Naquela época, a moque-

a eles, inclusive, rende ain-

do Espírito Santo, berço onde

ca era preparada e servida

da hoje uma rivalidade com

são preparadas e repousam

apenas nos lares. Não havia

os vizinhos baianos, que pre-

as postas de peixe na hora

um restaurante de peixe. O

param a moqueca com azei-

de serem servidas. A pane-

São Pedro surgiu de forma

te de dendê e incluindo, al-

la de barro, que é patrimônio

meio improvisada, atenden-

gumas vezes, leite de coco.

cultural brasileiro, é produzi-

do aos pedidos dos traba-

Mas para os capixabas, esse

da artesanalmente há mais

lhadores da construção ci-

prato pode ser qualquer coi-

de 400 anos. Tudo começou

vil que estavam atuando em

sa, menos moqueca.

com os indígenas, e hoje as

obras próximas, de empresá-

panelas são feitas principalmente por mulheres da As-

sim, o então armazém de se-

Para uma rainha, o melhor trono

cos e molhados foi dando lu-

Não dá para falar de moque-

Goiabeiras, bairro de Vitória.

gar ao restaurante, que ficou

ca sem falar de outro ícone

A atividade passa de gera-

rios e da classe política. As-

sociação das Paneleiras de

25


Depois de

Cada panela

seca, a panela

é polida com

é virada e

pedra de rio

moldada em sua parte inferior

para ficar o mais lisa possível

ção em geração. Paneleiras

ca capixaba tem cheiro e sa-

para no dia seguinte ser pisa-

de hoje são bisnetas, netas,

bor muito particulares”, afirma

do, também por homens. Esse

filhas e irmãs de paneleiras.

Berenicia Correa Nascimento,

processo é importante para re-

As novas gerações também

presidente da associação, que

tirar dele pedacinhos de pedra

aprendem e executam o ofí-

produz e comercializa mais de

e outras impurezas.

cio, que, de tão rústico, é fa-

três mil panelas de barro todos

Depois de pisado, o bar-

cilmente identificado.

os meses, que são vendidas no

ro já começa a ser trabalha-

“Há mais de 400 anos, a pa-

próprio galpão onde as pane-

do pelas paneleiras. Elas co-

nela é feita da mesma forma,

leiras trabalham, mas também

meçam a moldar cada pedaço

e o barro é retirado do mesmo

são enviadas para outros es-

com água e o auxílio de uma

local. Eu mesma digo que nasci

tados, como São Paulo, Belo

tábua. A panela vai tomando

dentro de uma panela de barro.

Horizonte, Paraná etc.

forma e segue para o processo

Tem 43 anos que faço panela

Fazer a panela de barro é

de secagem. No dia seguinte,

e a única profissão que apren-

algo realmente muito artesa-

as paneleiras tiram o excesso

di foi essa. Essa tradição não

nal. Tudo começa com a reti-

de barro do fundo da panela,

pode acabar nunca, e as pane-

rada do barro por homens do

o que elas chamam de virar a

las de Goiabeiras são únicas,

Vale do Mulembá, e as bolas

panela, e aí a secagem ocor-

têm a identidade e as marcas

são vendidas às paneleiras. O

re do outro lado, com a pane-

das nossas mãos. A panela de

barro precisa, então, ser limpo,

la de boca para baixo.

barro é tão importante que, só

cortado com a enxada, molha-

Mais um dia, e a panela é po-

por ser feita nela, a moque-

do e coberto com um plástico,

lida com uma pedrinha de rio.

ASSOCIAÇÃO DAS PANELEIRAS DE GOIABEIRAS Rua das Paneleiras, 55, Goiabeiras, Vitória/ES Abre de segunda a sábado, das 7h30 às 18h30, e aos domingos, das 9 às 15 horas

26


Para finalizar, as A panela é

paneleiras surram cada

queimada

panela com tanino,

em fogueira

uma tinta extraída da

de madeira

casca do manguezal

MOQUECA CAPIXABA RECEITA ORIGINAL INGREDIENTES • 1,5 kg de peixe fresco (robalo, badejo, papaterra, dentão ou namorado)

Ela é alisada e vai para a queima, que é realizada ao ar livre, numa fogueira de madeira em formato de uma cama no chão. Se o vento estiver bom, são necessárias de três a quatro ho-

• 3 maços de coentro

ras para fazer a queima da pa-

• 3 maços de cebolinha verde

nela; se estiver contrário, seis

• 2 cebolas brancas pequenas

a sete. Na retirada da panela

• 3 dentes de alho • 4 tomates • 3 limões

da fogueira, há o processo de surrá-la com uma varinha de

• Azeite de oliva

mato, chamada de muxinga,

• Sementes de urucum

molhada em tanino, uma tin-

• Pimenta malagueta

ta extraída da casca do man-

• Óleo de soja ou de algodão

guezal, até que ela fique preta.

• Sal fino

MODO DE PREPARO Limpe bem as postas do peixe, lave com limão e separe. Soque

Panela pronta, é só comprar o peixe e os temperos e preparar a tradicional moqueca,

junto o alho e o sal. Em uma panela de barro grande, coloque

como muitas famílias e restau-

um pouco de óleo (duas colheres) e azeite de oliva (uma colher).

rantes fazem no Espírito San-

Adicione o alho socado e refogue. Coloque as postas de peixe na

to todos os dias.

panela. Pique o coentro, o tomate e a cebola e coloque por cima das postas. Regue com azeite e suco de limão. Frite em um pouco de óleo quente uma colher de sopa de sementes de urucum e despeje esse óleo por cima do peixe. Quando começar a abrir fervura, verifique o sal. Não ponha água, não vire as postas e cozinhe em fogo baixo, com a panela bem tampada. Deixe no fogo por 20 a 25 minutos. Quando for servir, salpique mais coentro picadinho.

27


Desmistificar

MITO OU VERDADE? Pode ou não pode? Faz bem ou faz mal? É mocinho ou vilão da dieta? O consumo de determinados alimentos pode suscitar dúvidas, gerar polêmicas e criar mitos que, às vezes, demoram anos e demandam muito estudo para serem derrubados. Nesta edição, convidamos a nutricionista Lilian Bonatto para acabar de vez com alguns deles. Confira.

Ovo pode? Com ou sem gema? Apesar de a gema do ovo possuir colesterol, não há relação entre seu consumo e o aumento dos seus níveis. Sabe-se que a ingestão total de gorduras saturadas será muito mais significativa para o aumento dos níveis plasmáticos de colesterol do que o consumo do próprio colesterol. E tudo dependerá de outros fatores presentes na alimentação e no estilo de vida da pessoa, inclusive sua predisposição genética. Ovos são excelentes fontes de proteínas, lipídios e outros nutrientes. Sua associação com doença cardiovascular e altos níveis de colesterol não possui fundamento. A questão é o cuidado na forma

Lilian Bonatto, nutricionista esportiva 28


de preparo e a correta distribuição dentro de um programa alimentar. Na elaboração de um plano alimentar, devemos ajustar individualmente as relações entre carboidratos, proteínas e lipídios. Um ovo inteiro possui aproximadamente 6g de proteína e 6g de gordura, sendo que toda essa gordura está na gema. A clara possui 3g de proteína e quase nada de gordura. Logo, se a intenção é uma refeição com menor teor de gordura, o consumo da gema deverá ser reduzido.

Consumir alimentos com ou sem glúten?

zem a peptidase (enzima res-

tos alimentos ricos em carboi-

ponsável pela quebra dessa

dratos. O glúten não engor-

O glúten é uma proteína en-

proteína). Para eles, o glúten

da nem provoca inchaço. Po-

contrada em quase todos os

é um vilão por atacar as pare-

rém o excesso do consumo

alimentos com trigo, centeio,

des do intestino delgado, di-

do glúten pode irritar a muco-

aveia, cevada e malte. Está

ficultando a absorção de nu-

sa intestinal, podendo se tor-

presente na maioria dos pães,

trientes e provocando vários

nar nocivo para o corpo. Logo,

bolos, macarrão, biscoitos e na

sintomas, como inchaço abdo-

deve haver um equilíbrio no

cerveja. A doença celíaca é o

minal, diarreia, perda de peso

seu consumo.

único problema de saúde que

e outros.

Em resumo, pessoas sem

exige a retirada total do glú-

Quem elimina o glúten só

intolerância ao glúten não têm

ten da alimentação. Os celía-

pensando em emagrecer pro-

necessidade de excluir radi-

cos (pessoas que têm intole-

vavelmente vai perder peso

calmente qualquer alimento

rância ao glúten) não produ-

por ter deixado de comer mui-

fonte dessa proteína da dieta.

Ovos são excelentes fontes de proteínas, lipídios e outros nutrientes. Sua associação com doença cardiovascular e altos níveis de colesterol não possui fundamento. 29


Por sua vida

DE ESTAGIÁRIO A GERENTE TÉCNICO

J

osé Robson Venturim já

sável pelos exames de imu-

atividades no laboratório, não

dedicou 23 anos de sua

nologia e hormônios. “Como

o agradou. Pediu exoneração e

vida ao Tommasi Labora-

eu já tinha experiência e tem-

passou a se dedicar integral-

tório. O farmacêutico-bioquí-

po de laboratório, fui trabalhar

mente ao Tommasi.

mico de 42 anos começou a

com essa parte, que envolvia

Hoje atua como gerente

estagiar na empresa em 1995,

os equipamentos mais sofis-

técnico, dando suporte técni-

quando acadêmico. Na unida-

ticados que o laboratório pos-

co e científico à equipe e fa-

de do laboratório no Hospital

suía nessa época. Com o tem-

zendo a liberação de laudos

Santa Rita de Cássia, ele acom-

po passei a coordenar o setor

dos exames, além de coor-

panhava os exames dos pa-

e fiquei exclusivamente nes-

denar a área de toxicologia.

cientes internados, muitas

sa área até 2013, embora tam-

“Neste tempo todo de Tom-

vezes nos plantões noturnos.

bém atuasse como gerente de

masi, o laboratório sempre

“Em hospital tem de tudo. Isso

qualidade e tenha ajudado a

me incentivou e apoiou. Fo-

me deu uma vivência muito

montar a nova unidade do la-

ram duas especializações e

grande e amplitude não só

boratório no Hospital Santa

no meu mestrado em Patolo-

técnica, mas em termos de

Rita de Cássia.”

gia Geral das Doenças Infec-

humanidade, noções de ur-

A partir de 2013, passou a

ciosas, na Ufes, alguns estu-

gência e emergência e toma-

coordenar a área de toxicolo-

dos só foram possíveis por-

da de decisões críticas”, conta

gia do laboratório. Nessa épo-

que o laboratório apoiava.

José Robson.

ca, em que também lecionava

Esta é uma segunda família

Em 1999, já formado pela

em uma universidade e uma

para mim. Desde o início me

Faculdade de Farmácia e Bio-

faculdade, foi aprovado em pri-

identifiquei muito com o jei-

química do Espírito Santo, foi

meiro lugar em concurso para

to Tommasi de fazer as coi-

efetivado e passou a traba-

a Secretaria de Saúde do Es-

sas e o amor pela profissão.

lhar na Central de Análise do

tado, mas a experiência no se-

Aqui o relacionamento é sem-

laboratório, no setor respon-

tor público, em paralelo com as

pre muito positivo.”

José Robson Venturim é farmacêutico bioquímico especialista e pós-graduado em Análises Clínicas e mestre em Patologia Geral das Doenças Infecciosas. É casado há 16 anos, pai de dois filhos, natural do Rio de Janeiro, mas capixaba de coração. Atua por sua vida há 23 anos.

30


EXAME TOXICOLÓGICO

O

ALGUMAS SUBSTÂNCIAS

exame toxicológico

mo muito tempo depois do

de larga janela tor-

seu consumo.

IDENTIFICADAS NO EXAME TOXICOLÓGICO

nou-se obrigatório

Com uma amostra de três

para a renovação da Carteira

centímetros de cabelo, e con-

Nacional de Habilitação (CNH)

siderando que ele cresce cer-

e outros)

a partir da Lei n. 13013/2015,

ca de um centímetro ao mês,

• Cocaína e

sendo também exigido para

é possível detectar o uso des-

derivados (crack,

fins de admissão e demissão

sas substâncias até três me-

merla e outros)

de profissionais de transpor-

ses atrás (90 dias). Quando

te a partir da Portaria n. 116/

são utilizados pelos ao invés

2015, do Ministério do Traba-

de cabelos, e dependendo do

lho e Previdência Social

tamanho deles, pode-se che-

(MTPS). A análise é realiza-

gar a uma janela de detecção

• Mazindol

da em conjunto aos já tradi-

de até um ano atrás, por isso o

• Ecstasy (MDMA,

cionais exames médicos e psi-

nome larga janela de detecção.

cotécnicos e tem como finali-

A importância do exame to-

dade identificar evidências da

xicológico de larga janela, en-

existência de substâncias psi-

tão, é voltada para estabele-

coativas no organismo.

cer o perfil do profissional que

• Maconha e derivados (haxixe

• Anfetaminas (anfetamina, anfepramona, metanfetamina, femproporex).

MDA) • Opiáceos (heroína, morfina, codeína e outros)

O exame é realizado com

atua com o transporte de pas-

impressão digital e assinatu-

amostras de cabelo ou pelos,

sageiros e cargas em relação

ra de documentos. As amos-

sendo capaz de indicar a pre-

ao uso de substâncias psicoa-

tras seguem lacradas para o

sença das substâncias pes-

tivas, sejam elas lícitas ou ilí-

laboratório, onde são conferi-

quisadas no organismo por

citas, descritas na legislação.

das e a documentação é che-

mais tempo do que sangue e

Devido a essa grande im-

cada. O material coletado é la-

urina. Isso ocorre porque as

portância, o exame é realiza-

vado e triturado e as substân-

substâncias psicoativas ana-

do de forma ainda mais contro-

cias são extraídas para serem

lisadas mantêm-se acumula-

lada, com coleta diferenciada

analisadas. Em sete dias úteis,

das em cabelos e pelos mes-

e supervisionada, retirada da

o resultado é emitido.

31


Por sua vida

APOIO AO ESPORTE... Um dos esportes mais po-

Recentemente, o laborató-

pulares em todo o mundo

rio promoveu em uma de

e considerado o rei dos jo-

suas unidades o 1º Tor-

gos de inteligência, o xa-

neio de Xadrez Tommasi

drez está sendo incenti-

Laboratório, com apoio da

vado pelo Tommasi Labo-

Federação Espírito-San-

ratório para todas as ida-

tense de Xadrez e coorde-

des como estímulo à disci-

nado pela empresa Gente

plina, concentração, equi-

Pensando. Além do cam-

líbrio emocional, criativi-

peonato, foi realizada uma

dade e capacidade de re-

oficina do jogo utilizando

solver problemas.

um xadrez gigante.

... À PRODUÇÃO CIENTÍFICA...

32

Como forma de fomentar a

de pós-prandial de dipepti-

... E À EDUCAÇÃO

produção científica, o Tom-

dil peptidase-4 no diabetes

O Tommasi Laboratório deu

masi Laboratório tem apoia-

melitus do tipo 2”, apresen-

uma mãozinha na reforma

do a apresentação de tra-

tado em um congresso inter-

do refeitório da Umef Maria

balhos em congressos na-

nacional em Vancouver, no

Eleonora D’Azevedo Pereira,

cionais e até internacionais,

Canadá, e os “efeitos agu-

que fica no bairro Rio Mari-

além da produção de artigos

dos do treinamento aeróbi-

nho, em Vila Velha. O apoio

para revistas especializadas.

co na enzima dipeptidil pepti-

se deu por meio da doação

Os dois últimos trabalhos fo-

dase-4 em diabéticos do tipo

dos materiais necessários

ram sobre os “efeitos agudos

2”, apresentado em congres-

para a obra, como tintas e

do exercício sobre a ativida-

so no Rio de Janeiro.

outros utensílios de pintura.


Super Coragem

O MUNDO SOB A PERSPECTIVA DA CRIANÇA Faça um esforço e ava-

Já parou para pensar que a

dois anos manipula é olhar

gente estuda para exercer

para a criança sob a perspec-

lie a situação pela perspectiva

nossa profissão, para dirigir

tiva do adulto. Ela ainda não

da criança. Apesar de ter tido

um veículo, mas para guiar

tem como ter essa intenção,

uma ação inadequada, ela foi

vidas (dos nossos filhos),

pois seu cérebro não é ma-

desrespeitada pela professo-

normalmente a gente não

duro para isso.

ra, que, muito provavelmente,

estuda? Vamos repetindo,

Vamos a uma outra situa-

jamais arrancaria a toalha das

de geração em geração, os

ção. Se uma criança de qua-

mãos de outro adulto enquan-

erros e acertos dos nossos

tro anos joga o prato de co-

to este a estivesse arruman-

pais, avós etc. Não temos,

mida na professora, qual deve

do. Mas nós nos acostumamos

por cultura, o hábito de es-

ser a atitude dos pais? Bater?

a desrespeitar as crianças. En-

tudar para ser pai e mãe.

Colocar de castigo? Obrigar a

tão, se a criança precisa se re-

Mas por que isso pode ser

criança a pedir desculpas? Dei-

tratar com o adulto pelo que

importante? Você já pensou

xar a criança sem TV, tablet ou

fez, é importante que o adul-

em olhar o mundo sob a pers-

qualquer coisa de que ela gos-

to também cuide de reparar o

pectiva da criança?

te? Esse foi um caso real. Tive

seu desrespeito, certo?

Uma criança de um ano e meio que chora e se joga no chão para conseguir al-

a chance de conversar com a criança e foi assim: - Você fez isso por querer

Temos muito o que aprender sobre o universo infantil. A primeira infância, que

guma coisa do adulto, por

ou sem querer?

é o período que vai de zero

exemplo, está fazendo bir-

- Por querer.

a seis anos, é o período em

ra? Está manipulando? Ou

- E por que você quis jogar

que se forma a base de to-

está usando os recursos que

o prato na professora?

dos os pensamentos, sen-

possui na sua imaturidade –

- Porque eu estava arru-

timentos e comportamen-

choro e movimentos corpo-

mando minha toalha na mesa,

tos que uma pessoa terá por

rais – para tentar comunicar

ela veio, arrancou a toalha, jo-

toda a sua vida! Precisamos

sua dor, insatisfação, von-

gou e colocou o prato. Eu fiquei

nos preparar para ser pai e

tade ou necessidade? Achar

bravo e bati no prato, que foi

mãe, e é urgente!

que uma criança de menos de

em cima dela.

Um abraço e até a próxima!

ISA MINATEL Diretora pedagógica da escola de pais MundoemCores.com, autora do livro “Crianças sem limites”, coach de pais e psicopedagoga especialista na Pedagogia Montessori e youtuber do canal www.youtube.com/isaminatel


Mil palavras

ABSTRAÇÕES CHEIAS DE SIGNIFICADO

O

artista visual urbano Ficore, de 33 anos, se expressa na pintura em diferentes suportes, principalmente os murais. Suas criações sugerem subjetividade com compo-

sições de imagens fragmentadas em elementos geométricos e

orgânicos que parecem abstratos ao primeiro olhar, mas que reservam significados intrínsecos. Nesta arte digital, sua proposta foi representar elementos que remetem a equilíbrio, paz, saúde e tranquilidade. Dessa forma, a arte foi elaborada fazendo referência a pássaros e folhas, escolhidos por representarem os sentimentos de liberdade e confiança e transmitindo harmonia através do equilíbrio das peças.

34


Profile for Realiza Editora

Revista Por Sua Vida | Edição 1  

Edição 1 da revista Por Sua Vida, desenvolvida para o Tommasi Laboratório.

Revista Por Sua Vida | Edição 1  

Edição 1 da revista Por Sua Vida, desenvolvida para o Tommasi Laboratório.

Advertisement