Page 1

1


2

Rotary Club de Bandeirantes: Uma história de ética e serviços. Gestão 2012/2013 Presidente do Rotary International: Sakuji Tanaka Governador do Distrito 4710: Antonio de Alencar Governador Assistente, grupo XI: Olavo Generoso Lorena Presidente do Rotary Club de Bandeirantes: Ivanilde Regina Pavão Messias Presidente do Interact Club de Bandeirantes: Bianca Martins Presidente do Rotaract Club de Bandeirantes: Luiz Henrique Biaggi Presidente da ASR de Bandeirantes: Luzivan Lopes Castanho

Bandeirantes, PR 2013


3

Ficha catalográfica elaborada na Biblioteca Pública Municipal de Bandeirantes/PR Jamil Fares Midauar ________________________________________ 372.8981Balla, Cristiano Júnior (organizador) e colaboradores. B188r Rotary Club de Bandeirantes: Uma história de ética e serviços Bandeirantes, Fruir Editoração, 2012 104pgs. 1. Bandeirantes – História – Rotary I. Título ________________________________________ Organização, revisão, tradução e editoração: Cristiano Jr. Balla/ FRUIR Editoração &Artes Gráficas. editoracaocjballa@gmail.com Arte final, capa: José Renato de Souza Lazari. Pré-impressão e Impressão: Editora Alpha - Bandeirantes/PR

Todos os direitos reservados.


4

SUMÁRIO Mensagem do Governador/06 Mensagem da Presidente/07 O Rotary no Mundo/08 O Rotary na Ibero-América/10 O que o Rotary significa para a comunidade/11 Estatutos do Rotary International/13 O Fundador Paul Harris/18 Definição de Rotary/20 A Prova Quádrupla/20 Compromisso Rotário/20 O Objetivo do Rotary/21 Razões para ser Rotariano/21 Declaração para Executivos e Profissionais Rotarianos/24 Dia Nacional do Rotary/24 Histórico do Distrito 4710/26 Breve Histórico de Bandeirantes/28 A Fundação do Rotary Club em Bandeirantes/31 Presidentes do Rotary Club de Bandeirantes/37 Sócios Representativos do Rotary Club de Bandeirantes/53 Mensagem do Companheiro Paulo R. Balla/55 Mensagem de Celso A. Belizário/57 Sócios Paul Harris do Rotary Club de Bandeirantes/59 Sócios Honorários Homenageados pelo Rotary Club de Bandeirantes/60 Regimento Interno do Salão Social da Casa da Amizade/61 Primeira Alteração do Estatuto Social do Rotary Club de Bandeirantes/63 Projetos Rotários/73 O Programa Pólio Plus/73 Programa de Intercâmbio de Jovens/75 Projeto Bom Vizinho/78 O Rotary International e as Futuras Gerações/80 O Rotaract Club/83 O Interact Club/86 Ata de Posse do Primeiro Conselho Diretor do Interact Club de Bandeirantes/88 Associação das Senhorasde Rotarianos em Bandeirantes/90 Notáveis Atividades Recentes/93 Desdobramentos Positivos do Projeto Bom Vizinho/96 Galeria de Troféus/101 Agradecimentos/103


5

PRÓLOGO Quintiliano, um dos maiores mestres da oratória romana, legou aos tempos modernos um postulado que permite, virtualmente, abordar um tema histórico, literário ou científico de modo a analisar e esgotar todas as suas faces, e, desta forma, fornecer uma crítica aos elementos que compõem determinada história, abrangentemente, sem deixar nenhum aspecto excluído de um olhar mais acurado. Este postulado estrutura-se em oito perguntas: 1) quis? (quem?); 2) quid? (o quê?); 3) ubi? (onde?); 4) auxilis? (por que meios?); 5) cur? (por quê?); 6) quomodo? 7 (como?) e 8 quando? (quando?). Assim, ao se responder a estas oito perguntas capitais, delimita-se uma resposta completa sobre o tema histórico em análise. Seguindo este raciocínio clássico, nas páginas seguintes propor-nos-emos a expor as respectivas respostas ao tema deste opúsculo histórico, a saber, a História do Rotary Club de Bandeirantes, no estado do Paraná, Brasil, desde sua fundação até os dias atuais, bem como ilustrar seus sócios fundadores, membros e presidentes, desde 1949 até 2012, e também esboçar dados pertinentes aos clubes que lhe são complementares ou afiliados, como a Associação das Senhoras de Rotarianos, o Rotaract Club e o Interact Club, todos de Bandeirantes. Em 63 anos de história e trabalho junto à comunidade de Bandeirantes e região, muitos fatos sucederam-se e foram consequências de atos e projetos rotarianos; entretanto, a popularização de mídias jornalísticas, fotográficas, e demais que se destinam ao registro histórico dos acontecimentos popularizou-se apenas a poucas décadas, dificultando uma abordagem mais completa de todos os dados do Rotary Club de Bandeirantes. Assim, os elementos fornecidos pela direção rotariana local, para levantamento de dados pertinentes, constaram de dados obtidos através de atas, álbuns fotográficos, publicações em jornais locais, entrevistas com os membros do clube e depoimentos espontâneos das pessoas que fizeram parte da história do clube em questão. No entanto, sem que haja detrimento da fidedignidade historiográfica deste opúsculo, é sabido que muitas boas lembranças não estão devidamente registradas por mídias tecnológicas antigas ou modernas, mas sim que é na memória dos que fizeram parte dos serviços realizados pelo Rotary Club de Bandeirantes que elas se inscreveram e permanecerão por longos tempos, bem como na da comunidade a quem tem servido prestimosamente.


6

MENSAGEM DO GOVERNADOR Caros amigos, Em um mundo cheio de intolerâncias, preconceitos, disputa de poder, doenças, fome, sofrimentos, os esforços para se obter a harmonia chegam a ser imensos. A filosofia do Rotary está presente em cada processo de tomada de decisões, procurando facilitar os canais de cooperação nos âmbitos local, nacional e internacional, fomentando o ideal da verdadeira paz entre as pessoas. O lema rotário – 2012/13 – do nosso presidente Sakuji Tanaka “Paz através do Servir” vem para alavancar a verdadeira missão dos rotarianos, levar a paz a todos e do quanto esse clube trabalhou, serviu ao longo de sua existência. Com certeza, essa foi a caminhada deste valoroso Rotary Club de Bandeirantes que completará 63 anos de serviços à comunidade. Parabéns a todos que passaram, e os que hoje atuam, nesse clube dedicando-se a minimizar o sofrimento do outro, trabalhando para que todos tenham paz e também sejam solidários com seus amigos e companheiros nos momentos difíceis. Temos confiança que o Rotary Club de Bandeirantes continuará a implementar novos projetos, pois o lema “Paz através do servir” é um convite para que saiamos da zona de conforto e passemos a agir como cidadãos engajados no meio em que vive, como rotarianos valorosos que partilham a solidariedade, a amizade, a paz na sociedade. Como o nosso presidente Tanaka disse “a Paz não é ausência de guerra, mas o direito à dignidade, saúde, moradia, alimentação e do ir e vir quando quiser.” Para termos a Paz precisamos estar bem conosco mesmos, ter Deus no coração, compreender e amar a natureza e principalmente amar e respeitar o nosso próximo. Assim, rotarianos e família rotária, convido-os para mais esta caminhada de trabalho e sucesso, e que juntos possamos realizar o lema rotário 2012/13. “PAZ ATRAVÉS DO SERVIR”

Antonio de Alencar Governador eleito 2012/2013 Distrito 4710


7

MENSAGEM DA PRESIDENTE

Prezado leitor, Somos de uma geração em que tudo se transformou. Fui educada para ser uma dona de casa, andava na charrete do meu avô, aprendi datilografia e outras coisas mais da minha época. Hoje, o homem não só foi à Lua, como já chegou até Marte, converso e vejo minha filha que está praticamente do outro lado do mundo em tempo real. O mundo de hoje nos força à reflexão do que é certo e errado. Mesmo sabendo e tendo nossos princípios inegociáveis, encontramo-nos vez ou outra indecisos conosco mesmos, a respeito dos costumes, modismos e comportamentos. Fazer parte da família Rotária, neste momento da minha vida, confirma tudo aquilo que sempre defendi e acreditei. Usar o bem, fazer, envolver-se, lutar por um mundo melhor, exercitar a cidadania, e pensar no outro. Usar da justiça, como se fosse uma extensão de nós mesmos, acreditar que o mundo pode ser bem melhor se você for parte integrante dele. A vida é pra ser vivida, e tê-la com abundância, assim dizia nosso Mestre há 2000 anos, e não há possibilidade nenhuma de abundância de vida , se não houver compartilhamento, companheirismo ,envolvimento com nossos irmãos. Em Rotary, isso é possível trabalhamos nossas diferenças, pois são com elas que nos completamos. E, sendo completos, formamos um organismo dinâmico, onde é possível arregimentar energia suficiente e ajudar a transformar o lugar onde vivemos em algo bem melhor. Estamos, em nível de mundo, chegando bem perto de erradicarmos um dos mais cruéis males da humanidade que é a Poliomielite, e isso me orgulha muito. Ser Presidente do Rotary Club de Bandeirantes, não fazia parte dos meus sonhos pueris. Estava muito além dos meus quintais onde brincava, quiçá, das ousadias de mocidade. Por isso agradeço a Deus por esta oportunidade, e espero fazer um bom trabalho junto com meus valiosos e queridos companheiros de Club. Minha mensagem é: “Envolva-se que terá vida. Se errar ou acertar, fica a lição.”

Srª Ivanilde Regina Pavão Messias – Presidente do Rotary Club de Bandeirantes Gestão 2012/2013.


8

O ROTARY NO MUNDO

Após a iniciativa de Paul P. Harris em fundar o Rotary Club na cidade de Chicago, em 1905, e de seus primeiros resultados positivos, sua ideia foi, pouco a pouco, com, mais ou menos ímpeto, difundindo-se pelo mundo, atingindo hoje, a maioria dos países do globo terrestre, contribuindo com os serviços comunitários e formativos nas sociedades em que se instala. Em 12 de novembro de 1908 foi fundada em São Francisco da Califórnia o segundo Rotary Club; logo em seguida, mais clubes foram fundados em cidades da costa do Pacífico americano; sendo o terceiro, em Oakland e o quarto em Seattle e o quinto em Los Angeles. No ano de 1909 fundou-se o Rotary Club de Nova York. Em 1910 realizava-se em Chicago a primeira Convenção com a participação de 14 dos 16 Rotary Clubs então existentes, contando com a presença de 1500 rotarianos. Os trabalhos desta convenção foram presididos por ChesleyReynold Perry, que ingressara no ano de 1908 no Rotary Club de Chicago. Foi nessa Convenção que nasceu a Associação Nacional de Rotary Clubs, sob a presidência de Paul Harris, que designou Chesley Perry como secretário, cargo que exerceu durante 32 anos. Paul Harris foi o arquiteto dos Rotary Clubs e Chesley Perry foi seu construtor;existia, como sempre houve, os cépticos,contudo, o Rotary se expandia continuamente. Ainda em 1910 o Rotary transpõe as fronteiras norte-americanas com a fundação do Rotary Club de Winnipeg, no estado de Manitoba, no Canadá, trazendo consigo o significado de internacionalização deste clube de serviço. Em 1911 o Rotary funda 3 clubes na Grã-Bretanha, sendo 2 na Irlanda e 1 em Londres. Funda-se também a revista The Rotarian. Na convenção de Duluth, em Minnesota, em 1912, a entidade máter mudou seu nome de Associação Nacional para Associação Internacional de Rotary Clubs. Em 1916, instala-se o Rotary Club de Havana – Cuba. Era o primeiro clube em país de Língua não Inglesa. Este foi um teste decisivo, pois acreditava-se que a ideia de Rotary seria incompatível com a mentalidade latina, mas o tempo encarregou-se de demonstrar o contrário pelo sucesso obtido em Havana. Nesse ano o número de Rotary Clubs aumentara para 1000, fato relevante ao se considerar as dificuldades oriundas do próprio período da I Guerra Mundial. Em 1917, criou-se a Fundação Rotária, que trouxe muitos benefícios à humanidade como formação humanista, educacional e comunitária advinda dos programas eficientes que executou. A Carta Constitutiva, hoje diploma de Admissão, número 1000, coube à histórica cidade de York, na Inglaterra. Na América do Sul, o primeiro Rotary Club foi o de Montevidéu, no Uruguai, no ano de 1918. Na Convenção de Los Angeles, em 1922, mudou-se novamente a denominação da entidade para Rotary International, o que permanece até hoje. Após tentativas frustradas desde 1921, finalmente em 1923 fundou-se o Rotary Club do Rio de Janeiro, sendo o primeiro do Brasil, sob o número1326, em 28 de fevereiro de 1923, tendo como presidente João Thomé de Saboya e Silva, sendo o primeiro em país de Língua Portuguesa. O Rotary Club de Lisboa, Portugal, foi fundado posteriormente, em 1925. O segundo clube fundado no Brasil foi o Rotary Club de São Paulo e teve como seu presidente Victor da Silva Freire; o terceiro foi o Rotary Club de Santos, presidido


9

primeiramente por Ismael de Souza; o quarto foi o Rotary Club de Belo Horizonte, presidido por Christiano Teixeira Guimarães e o quinto, o Rotary Club de Juiz de Fora, presidido por Fausto Alves. Como se denota da história do Rotary International, fica patente que todo rotariano consciente e capaz é parte de uma história de 107 anos de perseverança e serviços prestados à comunidade. Ser rotariano é um privilégio que estimula a servir, pois nas palavras de seu fundador, o rotariano deve: “Dar de si antes de pensar em si” e “Mais se beneficia quem melhor serve”. Neste ano de 2012 pode-se contar com mais de 1,2 milhão de rotarianos presentes em 216 países e regiões, distribuídos em 34.247 clubes. Afiliados ao Rotary, ainda há mais de 209 mil Rotaractianos, mais de 321 mil Interactianos e aproximadamente 169 mil voluntários do Rotary International Os principais programas do Rotary International são: - INTERACT: organizado e patrocinado pelo Rotary Club, voltado para jovens de 14 a 18 anos; - ROTARACT: tem como sócios jovens de 18 a 30 anos que prestam serviços à sociedade e desenvolve as qualidades de liderança; - NÚCLEO ROTARY DE DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO: são formados por nãorotarianos que, com o apoio do Rotary, prestam serviços à comunidade. - INTERCÂMBIO ROTÁRIO DA AMIZADE: rotarianos e seus familiares que visitam e recebem companheiros de outros países. - VOLUNTÁRIOS DO ROTARY: rotarianos que prestam serviços voluntários no exterior; - INTERCÂMBIO DE JOVENS: o clube patrocina e hospeda jovens de 15 a 19 anos, pelo período de um ano, em acordo com distrito de outro país; - PRÊMIOS ROTÁRIOS DE LIDERANÇA JUVENIL (RYLA):Seminário patrocinado por clubes e distritos com o objetivo de cultivar as habilidades de lideranças em pessoas de 14 a 30 anos; - SERVIÇOS À COMUNIDADE MUNDIAL (SCM): parcerias internacionais entre clubes e distritos para fornecer assistência a projetos em outro país. A Fundação Rotária Internacional é uma entidade sem fins lucrativos cuja missão é apoiar os esforços do RI no cumprimento do Objetivo do Rotary e na busca da paz e da compreensão mundial por intermédio de programas humanitários, educacionais e culturais em âmbito nacional e internacional. O Rotary International desenvolve apoio financeiro nos seguintes projetos: - FUNDO ANUAL PARA PROGRAMAS, que financia os programas da Fundação. - FUNDOS PERMANENTES, do qual apenas os rendimentos são empregados na execução dos programas da Fundação, sendo uma tática que garante a viabilidade da entidade a longo prazo. PROGRAMAS EDUCACIONAIS, promovem a compreensão internacional ao congregar pessoas de diferentes países e culturas; BOLSAS EDUCACIONAIS: este programa concede estudos a pessoas qualificadas para estudar no exterior e atuar como embaixadores da boa vontade; BOLSAS ROTARY PELA PAZ MUNDIAL: são outorgadas às pessoas selecionadas para freqüentar os Centros Rotary para Estudos Internacionais da Paz e Resolução de Conflitos, onde aperfeiçoarão seus conhecimentos nessa área; INTERCÂMBIO DE GRUPOS DE ESTUDOS: realizado entre distritos de diferentes países cujo objetivo é interagir profissional e culturalmente com pessoas de ambos os sexos na faixa etária de 25 a 40 anos;


10

SUBSÍDIOS ROTARY PARA PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS: destinados a professores de nível superior para que lecionem em países de baixa renda. O Rotary International desenvolve programas humanitários no mundo todo, são eles: - SUBSIDIO "SAÚDE, FOME E HUMANIDADE" (3Hs – Health, Hungry and Humanity): Financia projetos de grande âmbito, de um a cinco anos de duração, que combatem a fome, melhoram as condições de saúde e ou promovem o desenvolvimento humano; PÓLIO PLUS: programa que financia atividades de vacinação relacionadas a campanha de imunização voltada à erradicação da poliomielite em todo planeta; SUBSÍDIO EQUIVALENTE: ajuda os Rotary Clubs e distritos a empreender projetos de Serviços à comunidade mundial em parceria com clubes de outros países; COMBATE AO ANALFABETISMO: programa implementado em regiões onde faltam escolas ou regiões em que se luta para a alfabetização de adultos. ASSOCIAÇÃO DE SENHORAS DE ROTARIANOS: entidade formada pelas esposas de rotarianos e voluntárias, apoia o Rotary em serviços filantrópicos e de atendimento social junto à comunidade. Além destes programas e projetos rotaries, os representantes do RI colaboram com muitas organizações internacionais, inclusive com a ONU, UNICEF, Organização dos Estados Americanos, Conselho Europeu, União Africana, Centro Norte-Americano de Controle e Prevenção de Doenças, este é parceiro no combate à poliomielite. As áreas de atividade rotária abrangem as crianças em situação de risco, o deficiente físico, a saúde, a pobreza e a fome; luta pela compreensão e boa vontade internacional, pelaalfabetização e ensino da aritmética, pela preservação do planeta Terra, e coopera em assuntos urbanos e catastrofes naturais.

O ROTARY NA IBERO-AMÉRICA A fundação do “Clube Rotário de La Habana” – primeiro Rotary Club instalado em país de língua não inglesa – em abril de 1916, foi um marco na história do Rotary porque, conforme mais tarde escreveu o próprio fundador, Paul Harris, dissipou o mito criado com o insucesso da primeira tentativa para organizá-lo, mito segundo o qual o Rotary era “uma ideia de cunho anglo-saxão que nunca seria compreendida por outrasraças”. Na verdade, o espírito associativo era, então, quase um privilégio dos anglosaxões, a ponto de muitos dos clubes mais tarde fundados na América Latina serem, inicialmente, verdadeiros “Rotary Clubs Coloniais” porque constituídos por maioria de anglo-saxões, geralmente residentes provisórios. Outros clubes seguiram-se rapidamente ao de Havana e Rotary chegou sucessivamente ao Uruguai, Argentina, México, Peru, Brasil, Chile e, finalmente, a todos os países da Ibero-América. Atualmente, vinte países contam com menos de dez clubes, e cinco têm um clube cada um. Existem, porém, mais de 2.300 clubes e 70.000 rotarianos, 65% localizados no Chile, 10% no México, 22% na Argentina e 40% no Brasil - situando-se este como o quarto país do mundo em relação aos Rotary Clubs e o quinto em número de sócios. Embora os clubes da cidade do México e de Santiago contem com mais de 200 sócios, Buenos Aires e Rio de Janeiro com mais de 300, e São Paulo com mais de 400, a média de sócios nos Rotary Clubs na América Latina pouco excede de 30-média que é a mais baixa em todo o mundo rotário. Espalhados em terras diferentes, esses clubes diferem em tamanho, força e eficiência. Os que se concentram nas grandes áreas


11

metropolitanas, como Buenos Aires ou São Paulo (quase trinta clubes em cada uma delas), Lima ou Rio, ampliam sua prestação de serviços através da conjugação de esforços; os menores e distantes, chegam a encontrar dificuldade em se manter. Deste o princípio, os Rotary Clubs da América Latina têm prestado serviços relevantes às suas comunidades: ajudando pobres; idosos, incapacitados e especialmente crianças: construindo e mantendo, ou ajudando a manter escolas, asilos e hospitais; cooperando para o melhoramento dos serviços públicos e do meioambiente. Os Rotary Clubs têm sido bem sucedidos no estímulo e cooperação para o estabelecimento de organizações de assistência social. O seu quadro social, atualmente qualificado, exerce influência até mesmo na solução dos mais importantes problemas nacionais. Os rotarianos da América Latina, em geral não sendo ricos, mas suas contribuições monetárias para diversas causas nem sempre alcançam cifras vultosas. Mas, são generosos: dedicam-se pessoalmente ao serviço, por exemplo, emprestando ênfase especial ao Programa de Intercâmbio de Estudos, porque as famílias grandes são comuns e um “filho” ou uma “filha” a mais constitui diferença. Os visitantes na América Latina recebem cordial acolhida e rapidamente se sentem à vontade. Substituem-se os apertos de mão, formais, pelos abraços e beijos amigos. No Brasil constituem associações autônomas e trabalham em estreita colaboração com os Rotary Clubs. Não apenas arrecadam fundos, mas costuram, fazendo roupas para os pobres, doentes e para uso hospitalar. Fervorosos nacionalistas que são, os rotarianos latinos exaltam seus heróis. E reverenciam as bandeiras nacionais no inicio das reuniões, sem esquecer, porém, o internacionalismo do Rotary. As reuniões entre clubes de diferentes países são frequentes, e a solidariedade é positiva no envio de auxílio a áreas atingidas por calamidades. O trabalho rotário é conhecido pelos governos e povos de toda a America Latina. Dezesseis países emitiram selos alusivos às comemorações de datas e eventos rotários. E é fácil encontrar o Rotary e rotarianos homenageados em nomes de ruas, monumentos, edifícios, escolas, bibliotecas e hospitais. Vários clubes construíram edifícios para o Rotary. Mas a apreciação maior dos méritos do Rotary na America Latina foi expressa por Paul Harris em seu livro “This Rotarian Age”, quando, referindo-se à afirmativa de que o Rotary só seria bem-vindo nas nações anglo-saxões, disse: “Aquele que tem o privilégio de conhecer os magníficos rotarianos da America Latina sabem quão errônea foi esta conclusão”. (Alberto Pires Amarante) O QUE ROTARY SIGNIFICA PARA A COMUNIDADE O Rotary Club desempenha um papel singular na vida de uma cidade e de um povoado. O clube é, na realidade, um fenômeno sociológico; pode realizar coisas que outros elementos humanos não podem fazer tão bem quanto eles. Uma das principais razões da eficiência de um Rotary Club consiste no seu plano inicial: os sócios representam, praticamente, toda atividade reconhecida na comunidade. Esse grupo representativo da vida social, econômica e cultural da comunidade pode tornar-se uma fonte ideal de informação e recursos, em assuntosconcernentes a problemas vitais confrontados pela comunidade. Se os sócios são dotados de intuição e imaginação, como muitas vezes sucede, juntos poderão fazer a comunidade consciente de suas necessidades, problemas atuais que precisam


12

ser solucionados, e discutirem situações que não poderiam ser enfrentadas facilmente sem a colaboração de pessoas não egoístas. Na realidade, eles podem servir de mediadores entre os cidadãos e autoridades políticas e administrativas. Há limites, é claro. Os Rotary Clubs podem-se desenvolver mais facilmente nas nações com tradições de mais liberdade do que naquelas que autoritariamente reivindicaram para si a maior parte das tarefas por vezes complexas e extensas. Os Rotary Clubs, geralmente, gozam de mais liberdade de ação e influência nas cidades pequenas do que nas grandes. Em centros menores, todos sabem o que se passa na comunidade. Isto facilita a percepção e a compreensão dos problemas; as soluções são mais facilmente encontradas e a coordenação dos esforços torna-se mais fácil. Por ser um clube de serviço, o Rotary não pode ser substituído por outros tipos de instituições e organizações. O clube de serviços, por natureza, preocupa-se com o bem-estar da comunidade, tanto em questões pequenas como grandes. Em muitos países as atividades do Rotary têm passado despercebidas porquanto os sócios evitam publicidade; recentemente, porém, achamos conveniente informar o público sobre as realizações do Rotary, visando dar uma resposta às frequentes perguntas: “O que é o Rotary” e “Que faz o Rotary”. Embora esteja em uma posição ideal de dar sugestões, orientação às autoridades públicas, um Rotary Club,em geral, não age diretamente. Muitas vezes, porém, através de seus programas, projetos e debates, têm-se mostrado às autoridades públicas maneiras eficazes de solucionar os problemas da comunidade. As qualificações dos rotarianos, por exemplo, fazem deles pessoas altamente habilitadas a darem orientação na elaboração de projetos da cidade e planos para a construção de escolas, bibliotecas, museus, hospitais e centros de reabilitações de jovens. Em alguns países e comunidades do mundo, foram os Rotary Clubs e não as autoridades públicas que primeiro examinaram os problemas ecológicos. A poluição da água e do ar constitui preocupação séria para muitos Rotary Clubs. Constantemente encontramos Rotary Clubs trabalhando de maneira mais direta e informal em situações em que não há presença de autoridades públicas. Talvez seja a adoção de uma escola, a beneficência a cegos, em países onde o governo não dá conta com fundos suficientes, a plantação de flores e árvores em cidades congestionadas pelo tráfego, a reabilitação de jovens viciados em drogas ou a procura de solução dos problemas dos delinquentes juvenis. Recentemente, alguns Rotary Clubs começaram a preocupar-se especialmente com as necessidades psicológicas das pessoas idosas, a fim de fazê-las sentirem-se ainda úteis, livrá-las do isolamento que, na velhice, pode causar uma grave depressão. Quando há terremotos, enchentes, fome e outras catástrofes semelhantes, os rotarianos se apressam a socorrer as vítimas. Enviam dinheiro e provisões diversas,e trabalham para ajudar os infelizes. Este é o espírito de Rotary: dar ao pobre, ao infeliz e despojado a atenção e desvelo daqueles que desejam redimir a fraqueza e misérias da vidacom ações generosas e desinteressadas, movidos pela nossa condição humana comum.Além disso,o Rotary ajuda a seus sócios e a outros a compreenderem que o verdadeiro valor da vida não está na riqueza,mas na capacidade de discernir o que é essencial ao espírito e o que une os homens além das diferenças de raça,religião e condição social. O Rotary irá, sem dúvida alguma, assumir um papel importante nas comunidades vindouras.O futuro parece constituir uma grande ameaça à liberdade e bem-estar do Homem.O desenvolvimento tecnológico é contínuo, mas talvez traga consigo a degradação das qualidades morais,como sucede atualmente. O homem


13

chegou á Lua, mas seu progresso de espírito não é tão grande, como se pode observar no dia-a-dia. Os Rotary Clubs, por seus interesses humanitários e civis, têm contribuído muito para tornar suas comunidades mais atraentes. Precisam, entretanto, no futuro, continuar a descobrir novos meios de servir e de trabalhar juntos no que seja verdadeiramente humano e de valor. Desta forma, faz-se necessário que os estatutos e normas rotarianas estejam de sintonia com as demandas que a comunidade lhe apresenta. ESTATUTOS DO ROTARY INTERNACIONAL Artigo I definições: conforme usadas neste estatuto e no regimento interno do Rotary International, a menos que o texto expressamente indique em contrário, as palavras abaixo terão o seguinte significado: Conselho diretor: significará o conselho diretor do Rotary International. Clube: significará um Rotary Club. Sócio: qualquer sócio, exceto sócio honorário, de um Rotary Club. Ano: significará o período de doze meses a partir do primeiro dia de julho. RI: Significará o Rotary International Governador: significará o governador de um distrito do Rotary. Artigo II: Nome e descrição O nome desta descrição será Rotary International. RI é a associação do Rotary Clubs de todo mundo. Artigo III: Propósitos Os propósitos do RI são: Encorajar, promover, propagar e supervisionar o Rotary no mundo inteiro; Coordenar e, de um modo geral, administrar as atividades do RI. Artigo IV: Objetivo O objetivo do Rotary é estimular e fomentar o ideal de servir, como base de todo empreendimento digno, promovendo e apoiando. Primeiro: O desenvolvimento do companheirismo como elemento capaz de proporcionar oportunidades de servir; Segundo: O reconhecimento do mérito de toda ocupação útil e a difusão das normas de ética profissional; Terceiro: A melhoria da comunidade pela conduta exemplar de cada um na sua vida pública e privada. Quarto: A aproximação dos profissionais de todo o mundo, visando à consolidação boas relações, da cooperação e da paz entre nações. Artigo V - Membros Seção 1-Constituição do quadro social. O quadro social do RI será constituído de clubes que cumpram e continuem a cumprir com as obrigações estabelecidas neste estatuto e no regimento interno. Seção 2-Composição dos clubes. (a) O clube será integrado por pessoas adultas, possuidoras de caráter ilibado e de boa reputação comercial ou profissional.


14

(i) Que sejam proprietários, sócios diretores ou gerentes de qualquer negócio ou exercem profissão útil e idônea; ou (ii) Que desempenhem importantes funções executivas, com ampla autonomia, em qualquer negócio ou profissão útil e idônea, ou (iii) Que tenham se aposentado de funções descritas nos itens (i) ou (ii) acima. E com os respectivos locais de negócios, ou residências, situados na localidade do clube ou arredores. O sócio representativo que se mudar na localidade do clube ou de seus arredores poderá permanecer como sócio do clube quando o conselho diretor emitir autorização para tal e quando o dito sócio representativo continuar a representar a mesma classificação. Se o sócio se aposentar ou, depois de estar filiado ao clube por pelo menos três anos, mudar de residência ou trabalho deixado, consequentemente, de satisfazer os supracitados requisitos quando à localidade, poderá continuar a ser sócio do clube sem alteração de sua classificação. (b) Todo clube deverá manter bom equilíbrio em seu quadro social sem que qualquer profissão ou tipo de negócio predomine. O clube não deverá eleger à categoria de sócio representativo alguém de classificação que já esteja representada no clube por pelo menos cinco sócios, exceto se o clube possuir mais de 50% sócios, caso em que poderá eleger novos sócios representativos do clube. Sócios aposentados não são levados em consideração no cálculo de número de pessoas que representem a classificação. Se algum sócio mudar de classificação poderá continuar filiado ao clube na nova classificação independente dos limites aqui estabelecidos. (c) O regimento interno do RI poderá estabelecer as categorias de sócio representativo e sócio honorário no clube, assim como os requisitos de cada uma delas (d) Nos países onde a palavra “clube” tiver uma conotação imprópria, os Rotary Clubs, com o consentimento do conselho diretor, não serão obrigados a usar o termo na sua denominação. Seção3 - Ratificação dos estatutos e regime interno. Cada clube que aceitar o diploma de admissão do RI, também aceita, ratifica e concorda em respeitar o teor deste estatuto e do regimento interno do RI, que não seja contrário às leis, concordando, além disso, com as alterações neles introduzidas e comprometendo-se a observar fielmente seus dispositivos. Seção4- Exceções. Independentemente de qualquer outro dispositivo destes estatutos ou do regimento interno do RI, ou dos estatutos prescritos para o clube, o conselho diretor poderá, como parte de um projeto piloto, admitir ao quadro social ou autorizar a reorganização de até 200 clubes que tenham em seus estatutos dispositivos que não estejam em conformidade com os estatutos e regimento interno do RI. Este projeto piloto terá a duração de, no máximo, cinco anos e, após sua conclusão, os estatutos de todos os clubes admitidos ao quadro social da organização ou autorizados a se reorganizar deverão estar em conformidades com os estatutos prescritos para o clube em vigor na ocasião. Artigo VI - Conselho diretor Seção 1- Constituição. O conselho diretor será constituído de dezenove membros do RI. Os demais diretores serão nomeados e eleitos de acordo com os dispositivos do regimento interno. Seção 2- Poderes. As atividades e fundos do RI estarão sob a direção e controle do conselho diretor de acordo com o estabelecido nestes estatutos e regimento interno pelo decreto Geral sobre Corporação sem Fins Lucrativos promulgado pelo Estado delllinois em 1986 e por qualquer alteração posterior deste último. No exercício desta


15

direção e controle de fundos do RI, o conselho diretor pode, de acordo com o fixado nos orçamentos previstos pelo regime interno, despender em qualquer ano fiscal a receita corrente e tal importância dos fundos gerais excedentes que foram utilizados. O conselho diretor jamais assumirá compromisso que acarrete débito superior ao ativo liquido do RI. Seção 3- Secretário. O secretario geral do RI deverá atuar como secretário do conselho diretor, mas não terá o direito de votar nas suas deliberações. Artigo VII - Administradores Seção 1- Denominações. Os administradores do RI serão o presidente, o presidente eleito, o vice-presidente, o tesoureiro, outros diretores, o secretario geral, os governadores de distrito, e o presidente, o mais recente ex-presidente, o vicepresidente e o tesoureiro honorário do RI na Grã-Bretanha e Irlanda. Seção 2 - Como são eleitos. Os administradores do RI serão indicados e eleitos na forma prevista pelo regimento interno. Artigo VIII - Administração Seção 1- Os cubes situados na Grã-Bretanha, Irlanda, nas ilhas do Canal e na ilha de Man formarão a unidade territorial administrativa do Rotary International, que será conhecida como “Rotary International na Grã-Bretanha e Irlanda”, cujos poderes, objetivos e funções devem ser aquelas estabelecidos nos estatutos do RI na GrãBretanha e Irlanda, como aprovado pelo conselho de legislação e pelos estatutos e regimento interno do RI. Seção 2- A administração dos clubes estará sob a supervisão geral do conselho diretor, juntamente com uma ou outra das seguintes formas de supervisão direta que serão sempre exercidas em conformidade com os dispositivos deste estatuto e regimento interno: (i) Supervisão de clube pelo conselho diretor. (ii) Supervisão dos clubes pelo governador em um distrito constituído. (iii) Supervisão que o conselho diretor ache aconselhável e que seja aprovada pelo conselho de legislação. (iv) Supervisão dos clubes na Grã-Bretanha, Irlanda, nas ilhas do Canal e ilha Man pelo RI na Grã-Bretanha e Irlanda. Seção 3- O RI e os clubes são incentivados a informatizar suas operações para agilizar e tornar mais econômica a administração do Rotary. Artigo IX - Convenção Seção 1- Data e local. A convenção do RI será realizado anualmente no ultimo trimestre do ano fiscal, em data e local a serem determinados pelo conselho diretor, sujeitos a mudança pelo referido conselho por justa causa. Seção 2- Convenções especiais. Em situações extraordinárias e mediante a aprovação da maioria dos membros do conselho diretor, o presidente poderá convocar convenções especiais. Seção 3- Representação. (a) Em qualquer convenção, cada clube terá o direito de ser representado por pelo menos um delegado. Qualquer clube com um quadro social de mais de cinquenta (50) sócios terá direito a ser representado por um delegado extra desse número. Para esse fim, a representação será determinada com base no quadro social do quadro social do clube no dia 31 de dezembro imediatamente precedente à convenção. O clube pode autorizar o delegado a emitir um ou mais votos, aos quais o clube tem direito.


16

(b) Será dever de cada clube se fazer representar em todas as convenções do RI, quer por um dos seus próprios sócios, como delegado ou por um procurador, e de votar em cada proposta submetida à votação. Seção 4- Delegados gerais: Todo administrador e ex-presidente do RI que ainda sejam sócios de um clube serão delegados gerais. Seção 5- Eleitores e votação: Os delegados, procurados e delegados gerais devidamente credenciados constituirão o órgão votante da convenção e serão conhecidos como eleitores. A votação será efetuada de acordo com o estabelecido no regimento interno. Artigo X- Conselho de Legislação Seção 1- Objetivo. O conselho de legislação será o órgão legislativo do RI. Seção 2- Data e local. O conselho de legislação se reunirá a cada três anos em abril, maio ou junho, mas de preferência em abril.O conselho diretor determinará a data e o local do evento, ficando estabelecido, entretanto, que, exceto por motivos econômicos ou outros de força maior conforme determinado pelo voto majoritário de dois terços de todos os membros do conselho diretor, o evento terá lugar na vizinhança da sede mundial do RI. Seção 3- Procedimento. O conselho de legislação deverá analisar e deliberar sobre todas as propostas que lhe foram devidamente submetidas. A sua deliberação estará sujeita apenas à deliberação dos clubes, conforme estabelecido do regimento interno do RI. Seção 4- Composição. O quadro de membros do conselho de legislação será formado de acordo com o estipulado no regimento interno. Seção 5- Reuniões extraordinárias para adotar emendas ou resoluções. O conselho diretor pode identificar a concorrência de uma situação de emergência que requeira, por meio do voto afirmativo de 90% (noventa por cento) de seus membros, a convocação de uma reunião extraordinária do conselho de legislação para que este delibere sobre a aprovação de legislação. O conselho diretor determinará o local e data de referida reunião extraordinária do conselho de legislação, assim como seu objetivo. O conselho de legislação somente poderá analisar e deliberar o específico projeto de legislação de emergência apresentado pelo conselho diretor, motivo da reunião extraordinária. Alterações a itens de legislações a serem analisadas e deliberadas nas referidas reuniões extraordinárias não estarão sujeitas aos prazos finais nem, tampouco, às normas de procedimento para a apresentação de propostas, especificamente, estabelecidas nos estatutos do RI, ficando expressamente entendido que, à medida que o tempo assim o permitir, o referido procedimento deverá ser observado. Qualquer deliberação adotada em reunião extraordinária estará subsequentemente sujeita à deliberação pelos clubes, conforme estabelecido na seção 3 acima. Artigo XI - Quota per capita Cada clube pagará semestralmente ao RI quotas per capita, de acordo com dispositivos do regimento interno. Artigo XII - Fundação Seção 1- Uma Fundação do RI deverá ser por este organizada e administrada, como previsto no regimento interno do RI. Seção 2- Todas as cessões, doações ou legados, quer de numerário ou de bens móveis, ou quaisquer rendas oriundas deste, assim como qualquer dos fundos


17

excedentes do RI, conforme possa vir a ser autorizada pela convenção, deverão ser de propriedade da fundação. Artigo XIII - Título de sócio e insígnia Todo e qualquer sócio do clube será denominado rotariano e terá o direito de usar o emblema, crachá ou qualquer outra insígnia do RI. Artigo XV - Interpretação Neste estatuto, assim como no regimento interno do RI e nos estatutos prescritos para o clube, pronomes do gênero masculino ou feminino são empregados em sentido geral, incluindo tanto as pessoas do sexo masculino quando feminino. Na interpretação da terminologia “correio”, “mala direta” e “votação por via postal” entendam-se também o uso de correio eletrônico (e-mail) e da internet visando reduzir as despesas e aumentar a proporção das respostas recebidas. Artigo XVI - Emendas Seção 1- Circunstâncias. Estes estatutos somente poderão ser alterados por meio de voto afirmativo de dois terços dos presentes e votantes no conselho de legislação. Seção 2- Quem pode propor. Alterações a este estatuto somente poderão ser propostas por clubes, por conferências distritais, pelo conselho geral ou pela conferência do RI na Grã-Bretanha e Irlanda, pelo conselho de legislação ou pelo conselho diretor. Seção 3- Procedimento 1°) Qualquer proposta para alterar estes estatutos deverá ser entregue ao secretário geral até o dia 30 de junho, o mais tardar, do ano rotário imediatamente anterior à que o conselho de legislação for se reunir. 2°) O secretário geral do RI deverá enviar a cada governador do distrito dez cópias do texto de todas as propostas de ementas devidamente submetidas, uma cópia a cada membro do conselho de legislação e uma cópia ao secretario de qualquer clube que a solicitar até o dia 30 de dezembro, o mais tardar, do ano rotário em que o conselho de legislação for se reunir. As propostas de emenda também poderão ser acessadas no site do Rotary na internet (world wide web). 3°) O conselho de legislação analisará e deliberará sobre as alterações devidamente propostas que lhe forem transmitidas e sobre quaisquer modificações a elas devidamente introduzidas.


18

O FUNDADOR PAUL HARRIS

“Ter amigos disseminados pelo mundo é uma bênção inefável”

Paul Percy Harris (1868 – 1947)

Paul Percy Harris foi o fundador e idealizador do Rotary International, a primeira e maior organização internacional de serviços formada por profissionais e executivos que implementavam atividades humanitárias, promovendo alto padrão de ética profissional, assim como a paz e a compreensão mundiais. Nascido em Racine, no estado de Wisconsin, nos EUA, no dia 19 de abril de 1868, era o segundo dos seis filhos de Georges N. Harris e Cornelia Bryan Harris. Aos 3 anos de idade, foi morar em Wallingford, no estado norte-americano de Vermont, onde fora criado por seus avós paternos. Casou-se com Jean Thompson Harris (18811963), porém, não tiveram filhos. Formou-se em Direito na Universidade de Iowa e obteve o título de doutor honorário da Universidade de Vermont. Trabalhou como repórter jornalístico, lecionou Economia, foi ator de teatro e cowboy. Realizou inúmeras viagens pelos EUA e Europa como representante de uma companhia de mármore e granito. Em 1896, decidiu advogar em Chicago. Certa noite, após um jantar na casa de um colega de profissão, Paul Harris admirou-se emser apresentado a alguns amigos deste colega que eram proprietários de casas comerciais naquele bairro residencial da cidade; este episódio o inspirou a organizar um clube onde não houvesse restrições políticas nem religiosas e que os seus membros, executivos e profissionais tivessem oportunidade de desfrutar de companheirismo e fazer novas amizades. Em 23 de fevereiro de 1905, Paul Harris formou seu primeiro clube com mais três sócios: Silvester Schiele, comerciante de carvão; GustavusLoehr, engenheiro de minas e Hiram Shorey, alfaiate. O clube recebeu o nome de Rotary devido ao fato de seus membros se reunirem em rodízio nos respectivos locais de trabalho. O quadro social deste clube cresceu rapidamente, muitos dos sócios eram originários de cidades pequenas e, no terceiro ano de criação do clube, Paul Harris assumiu a presidência e decidiu que a ideia de Rotary Clube deveria ser expandida a outras cidades com o objetivo de prestação de serviços. O segundo Rotary Club foi fundado em São Francisco em 1908; já em agosto de 1910, quando o número de clubes chegou a 16, organizou-se a Associação dos Rotary Clubs. Em 1912 o movimento tornou-se internacional, com a criação de clubes


19

no Canadá e na Inglaterra e o seu nome foi abreviado para Rotary International, atingindo também a Europa e a Ásia; mas, devido às Grandes Guerras Mundiais, por muito tempo Europa Oriental fechou suas portas ao Rotary e, apenas em 1989 os Rotary Clubs foram estabelecidos na Polônia e Hungria. Em 1990, formou-se o primeiro Rotary Club na União Soviética. Em janeiro de 1947, por ocasião do falecimento de seu fundador, somavam-se 6000 Rotary Clubs pelo mundo todo, unidos pelos ideais de companheirismo e prestação de serviços. Atualmente, existem cerca de 31314 clubes em 166 países e o número de rotarianos atinge a soma de aproximadamente 1.300.000 membros congregados sob os lemas “Dar de si antes de pensar em si” e “Mais se beneficia quem melhor serve”. Embora Paul Harris se dedicasse diuturnamente ao Rotary Club, ele também se destacou por trabalhos cívicos e profissionais, tendo sido o primeiro presidente da Associação Internacional das Crianças Deficientes e membro da comissão da Ordem dos Advogados de Chicago e seu representante no Congresso Internacional de Direito em Hague. Foi homenageado com o prêmio “Silver Buffalo” da organização dos escoteiros dos EUA por distinguidos serviços em prol da juventude e condecorado pelos governos do Brasil, Chile, República Dominicana, Equador, França e Peru. No Brasil, Paul Harris e sua esposa Jean estiveram, no ano de 1936, em Santos, São Paulo, Petrópolis e Rio de Janeiro, onde participaram de reuniões em seus respectivos Rotary Clubs. Com intensa agenda, foram recebidos por diversas autoridades nacionais, como por Getúlio Vargas, então presidente da República, que o condecorou com a Ordem do Cruzeiro do Sul, a mais alta honraria da nação brasileira. Na sua autobiografia intitulada “Meu Caminho para Rotary”, Paul Harris faz referência às amarguras espirituais vivenciadas nos seus primeiros anos em Chicago, conforme sustentado por ele, os dias úteis da semana traziam frustrações, mas também o compensavam pela ocupação profissional e as relações interpessoais dela advindas. No entanto, domingos e feriados tornavam-se monótonos, pois ir à Igreja era bom, mas durava apenas uma manhã, assim, as tardes dominicais lhe eram solitárias. Nas suas meditações, vinha-lhe à mente recordações nostálgicas de amigos antigos. Nos parques que visitava via apenas uma multidão de desconhecidos, desta forma, ele percebeu que a inquietude que estava vivenciando também era comum a uma grande multidão de pessoas que vieram, como ele, para a cidade grande e ali se isolaram do mundo. A ideia que lhe ocorreu foi simples: por que não reunirmo-nos e estabelecer relações uns com os outros? No dia 23 de fevereiro de 1905, Paul Harris reuniu-se com Silvester Schiele, GustavusLoher e Hiram Shorey, realizando a primeira reunião do Rotary, ainda incipiente. As reuniões rotativas nos escritórios dos primeiros membros eram como um oásis no seio da alucinada Chicago, tanto que ele proferiu a seguinte frase em sua biografia: “Para mim, assistir a uma reunião do clube é bastante semelhante a estar de novo em casa, lá no meu vale”. É bom ressaltar que o primeiro serviço do Rotary foi iniciar uma campanha para a instalação de limpeza pública na cidade, o que obteve êxito e os estimulou a novas campanhas de serviços comunitários que vem se complementando até os dias atuais. “A amizade foi a pedra fundamental sobre a qual o Rotary foi construído e a tolerância é o elemento que o sustenta.” (Paul P. Harris)


20

DEFINIÇÃO DE ROTARY Em 1976 o conselho diretor do Rotary International interessou-se em criar uma definição concisa dos aspectos do Rotary. Solicitou a ajuda de três pessoas, que estavam no momento atuando na Comissão de Relações Públicas do Rotary, e pediu que chegassem a uma definição do Rotary que pudesse ser englobada em apenas em uma sentença. Após inúmeras minutas, chegou-se à seguinte definição, que tem sido usada desde então nas diversas publicações do Rotary: “Rotary é uma organização de líderes de negócios e profissionais, unidos no mundo inteiro, que presta serviços humanitários, fomentam um elevado padrão de ética em todas as profissões e ajudam a estabelecer a paz e a boa vontade no mundo”.

A PROVA QUÁDRUPLA A prova quádrupla do que nós pensamos, dizemos ou fazemos. 1° - É a VERDADE? 2° - É JUSTO para todos os interessados? 3° - Criará BOA VONTADE e MELHORES AMIZADES? 4° - Será BENÉFICO para todos os interessados?

COMPROMISSO ROTÁRIO “Ao aceitar a colocação deste distintivo integrando-me ao Rotary, como rotariano, declaro conhecer e respeitar os seus dispositivos estatutários, os quais me conduzem: A considerar todos os meus Companheiros dignos da minha estima e amizade; A levar o conceito ideal de Servir como base de todo o empreendimento digno; A reconhecer o mérito de toda ocupação útil, não fazendo distinção entre profissões, desde que legalmente reconhecidas; A esforçar-me, na medida do possível, no sentido de pesquisar, cooperar, aconselhar e promover atos ou iniciativas que resultem em melhores padrões de vida, material, moral e espiritualda comunidade em que vivo; Acompanhar o esforço comum pela aproximação de homens de todo mundo, trabalhando pela compreensão internacional e pela paz universal”.


21

O OBJETIVO DO ROTARY No primeiro Estatuto do RI, datado em 1906, apresentavam-se três objetivos para o Rotary: Promoção dos interesses profissionais de seus sócios; Promoção do companheirismo; Promoção do avanço dos melhores interesses da Comunidade. Em 1910 o número de objetivos aumentou para cinco e em 1915 ampliou-se para seis. Em 1918 os objetivos foram novamente rescritos e reduzidos para quatro. Em 1922 foram mais uma vez ampliados para seis e novamente rescritos em 1927. Ainda em 1935, na Convenção realizada na Cidade do México, os objetivos foram novamente alterados e reduzidos para quatro. Finalmente, em 1951 os objetivos receberam sua última alteração, sendo condensados em um único, manifestando-se de quatro maneiras diferentes, porém integrados à sua missão, assim descrito: O OBJETIVO DO ROTARY é estimular e fomentar o IDEAL DE SERVIR, como assim como abase de todo o empreendimento digno, promovendo e apoiando: PRIMEIRO: o desenvolvimento do companheirismo como elemento capaz de proporcionar oportunidade de servir; SEGUNDO: o reconhecimento do mérito de toda ocupação útil e a difusão das normas de ética profissional; TERCEIRO: a melhoria da comunidade pela conduta exemplar de cada um na vida pública e privada; QUARTO: a aproximação dos profissionais de todo o mundo, visando à consolidação das boas relações, da cooperação e da paz entre as nações. Esse objetivo que tem como principal mensagem o IDEAL DE SERVIR está registrado no artigo IV dos Estatutos do Rotary International. As quatro Avenidas de Serviços, que constituem os órgãos executivos de um Rotary Club refletem as partes integrantes deste objetivo. RAZÕES PARA SER ROTARIANO

Todo rotariano sente prazer no companheirismo gerado pelo clube onde é membro, e citam vários benefícios que corroboram seu entusiasmo em participar das atividades rotárias, entre eles estão: A Amizade Em um mundo cada vez mais complexo, o Rotary satisfaz a uma das necessidades mais básicas dos seres humanos: a de companheirismo. Esta é uma das duas razões pelas quais o Rotary foi fundado em 1905. Os Contatos Profissionais Este foi o segundo motivo do surgimento do Rotary. Toda pessoa precisa de uma rede de contatos. O Rotary representa um corte transversal das profissões de uma


22

comunidade, pois os rotarianos estão envolvidos em todos os ramos comerciais e profissionais, e ajudam-se uns aos outros. O Crescimento Pessoal O envolvimento com o Rotary favorece o crescimento pessoal na área de relações humanas. A Experiência em Liderança O Rotary é uma organização que congrega líderes e pessoas de sucesso. Servir em cargos rotários é sinônimo de maior experiência em liderança. A pessoa aprende como motivar, influenciar e liderar aqueles que já são líderes. A Atuação Cívica na Comunidade A ligação com um Rotary Club torna seus sócios melhores cidadãos. Tipicamente, o Rotary Club congrega as pessoas mais atuantes de uma comunidade. A Informação Atualizada As reuniões semanais de um Rotary Club procuram manter os sócios atualizados sobre o que está acontecendo na comunidade, no país e no mundo. Discutem-se temas variados apresentados por palestrantes convidados. A Diversão O Rotary também oferece diversão. Todas as reuniões semanais, projetos de clube e atividades sociais e o serviço são interessantes e divertidos. Além disso, prestar serviços também é divertido. A Oratória Muitas pessoas que ingressam em nossa organização têm receio de falar em público. O Rotary permite excelente experiência em oratória, fortalecimento da autoconfiança e aproveitamento de oportunidades no campo da comunicação. Ser Cidadão do Mundo Todo rotariano usa um distintivo que diz: “Rotary Internacional” e é bem recebido e incentivado a participar das reuniões de mais de 30.000 clubes e 165 países e regiões geográficas. São poucos os lugares do mundo que não contam com um Rotary Club. No Rotary fazemos amigos na comunidade local e mundial. A Assistência durante Viagens Como existem Rotary Clubs em tantos lugares, com muita frequência rotarianos que precisavam de médico, advogado, hotel, dentista, conselho, etc., durante alguma viagem conseguiram ajuda através do Rotary. O Entretenimento Todo clube organiza reuniões e atividades de entretenimento, as quais são muito importantes para trazer diversão as nossas ocupadas vidas profissionais ou de negócios. No Rotary são organizadas conferências, convenções, assembleias e institutos que, além de informação, orientação e serviço rotário, também oferecem distração. A Melhoria das Habilidades Sociais


23

Todas as semanas, e em vários tipos de reuniões e eventos, o Rotary aperfeiçoa nossas personalidades e habilidades interpessoais, oferecendo ambiente ideal para pessoas que gostam de se sociabilizar. Os Programas Familiares O Rotary oferece um dos mais abrangentes programas de intercâmbio de jovens do mundo, patrocina clubes em escolas secundárias e universitárias para os futuros rotarianos, programas e associações de cônjuges, bem como grande variedade de atividades úteis que difundem valores fundamentais para famílias de rotarianos Os Conhecimentos Profissionais Espera-se que todo rotariano envolva-se com a melhoria de sua profissão ou ocupação, sirva em comissões de serviços profissionais e participe da divulgação de sua profissão entre os jovens. Os rotarianos procuram conseguir que todos sirvam sempre da melhor maneira através de nossas profissões, sejam elas no ramo da medicina, educação, etc. Os Valores Éticos Os rotarianos aplicam em todas as suas atividades a Prova Quádrupla, a qual reflete seus padrões de ética. Espera-se que os sócios atuem eticamente em suas profissões e relacionamentos pessoais. A Conscientização Cultural Encontramos representadas no Rotary, mundialmente, quase todas as religiões, culturas, raças, nacionalidades e crenças políticas. Em nosso meio encontram-se os cidadãos de maior destaque dos mais variados campos do conhecimento humano. Os rotarianos entram em contato com outras culturas e anseiam por trabalhar e ajudar as pessoas de todos os lugares. Consequentemente, tornam-se melhores cidadãos em seus próprios países. O Prestígio Os rotarianos são pessoas de prestígio: líderes de negócios, profissionais, artísticos, governamentais, esportivos, militares, religiosos e muitos outros. O Rotary é a associação de clubes dedicada à prestação de serviços mais antiga e prestigiosa do mundo. Em suas fileiras encontram-se executivos, diretores e profissionais de destaque, ou seja, pessoas de influência acostumadas a tomar decisões. As Pessoas Agradáveis Acima de tudo, os rotarianos são pessoas agradáveis, são indivíduos que creem que o valor de cada um reside em ter bom coração e não no destaque pessoal. A Ausência de um Credo Oficial Pelo fato de o Rotary Internacional não ter caráter político ou religioso, não possuímos nenhum credo oficial. Somos uma sociedade aberta, integrada por homens e mulheres que acreditam no valor da ajuda ao próximo. A Oportunidade para Servir Rotary é formado por clubes dedicados para prestação de serviços. Seu interesse máximo é a humanidade, seu produto de maior valor é a dedicação ao servir. Os melhores motivos para tornar-se rotariano são a oportunidade de ajudar nossos semelhantes e o bem-estar que resulta de nossas ações.


24

Estes vinte benefícios citados pelos rotarianos fazem com que a prática rotária seja prazerosa e profícua no seio dos clubes de serviço em que se encontram, assim como também sejam úteis tanto para a vida pessoal do rotariano e para a comunidade em que se integram.

DECLARAÇÃO PARA EXECUTIVOS E PROFISSIONAIS ROTARIANOS (Adotada no conselho de legislação de 1989)

Como rotariano, no exercício de minha profissão ou na condução de meus negócios, devo observar as seguintes normas: 1 - Considerar minha ocupação como uma oportunidade adicional para servir; 2 - Ser fiel à letra e ao espírito do código de ética de minha ocupação, às leis de meu país e ao padrão moral de minha comunidade; 3 - Fazer todo o possível para dignificar a minha ocupação e para promover os mais altos padrões éticos no exercício da mesma; 4 - Ser justo com meu empregador, empregados, associados, concorrentes, clientes, o público e todos aqueles com os quais mantenho um relacionamento comercial ou profissional; 5 - Reconhecer o respeito devido a todas as ocupações úteis à sociedade, assim como a dignidade inerente às mesmas; 6- Oferecer os meus conhecimentos profissionais para propiciar oportunidades aos jovens, para atender as necessidades especiais de outros e para melhorar a qualidade da vida em minha comunidade; 7 - Ser honesto na propaganda que fizer, e em todas as apresentações ao público relativas à minha empresa ou profissão; 8 - Não procurar obter de um rotariano, nem lhe outorgar, um privilégio ou uma vantagem que não sejam normalmente concedidos num relacionamento comercial ou profissional.

DIA NACIONAL DO ROTARY O presidente João Batista de Oliveira Figueiredo, através da Lei n° 6.843 de 03 de novembro de 1980, instituiu no Brasil o “Dia Nacional do Rotary”, a ser comemorado anualmente no dia 23 de fevereiro. Fato único em todo o mundo, a iniciativa agradou sobremodo o presidente do Rotary International, James L. Bomar Jr. (1979-80), que tomou conhecimentodo projeto de lei quando visitou Brasília, em 1980, época de sua tramitação no Congresso Nacional.


25

A ideia de adotar o Rotary a uma data lembrada nacionalmente partiu do rotariano Antonio Wilson Rigolin, que foi Governador do Distrito 4310 no ano rotário 1977-78 e que reside na cidade de Salto, no Estado de São Paulo. Em sete de setembro de 1978, na cidade de Presidente Prudente, em conversa que manteve com seu amigo pessoal, o então candidato a Deputado Federal Antonio Zacharias, o Ex-Governador Antonio Wilson Rigolin solicitou ao destacado rotariano, fundador do primeiro clube prudentino, que, se eleito, apresentariao projeto de lei instituindo o Dia Nacional do Rotary. Vitorioso nas eleições, o parlamentar apresentou o Projeto de Lei que levou o número 567, em 03 de abril de 1979, o qual foi aprovado pela câmera federal em 07 de dezembro daquele ano. Submetida à apreciação no Congresso Nacional, a lei recebeu o número 6.843 e foi aprovada em 26 de outubro de 1980, e sancionada pelo Presidente João Figueiredo em 03 de novembro subsequente. Durante a Convenção Internacional de 1981, realizada na cidade de São Paulo, Governador Rigolin fez entrega ao Secretário Geral do RI, Herbert A. Pigman, de uma volumosa coleção de documentos de mais de 150 páginas, ricamente encadernada, contendo todo o material que deu origem à lei em referência, para que fizesse parte do acervo histórico de nossa instituição rotária. Na oportunidade o Secretário Geral garantiu que aquela era oficialmente a única Lei de um País em decretar o DIA NACIONAL DO ROTARY. Digno de realce é o fato de que o Governador Rigolin, acompanhado de sua esposa Maria, esteve na Capital Federal de 1° a 08 de agosto de 1979, colaborando com o Deputado Antonio Zacharias na tramitação do seu projeto. É o seguinte o texto da lei n° 6.843, de novembro de 1980: LEI N° 6.843, DE 03 DE NOVEMBRO DE 1980. Instituindo o Dia Nacional do Rotary O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: Art. 1° - Fica Instituído o Dia Nacional do Rotary, a ser comemorado em 23 de fevereiro. Art. 2° - Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação. Art. 3° - Revogam-se as disposições em contrário. João Batista de Oliveira Figueiredo Em 17 de dezembro de 1969, através da lei n° 5.575, os Rotary Clubs do Brasil, juntamente com os Lions Clubs do Brasil e as Casas da Amizade foram reconhecidas como instituições de utilidade pública pelo Governo Federal. Em 18 de maio de 1987, pela lei n° 8.474, o Rotary Club do Brasil e Lions Clube do Brasil foram declarados instituições de utilidade pública pelo Governo do Estado do Paraná. Antes disso, pela Lei n° 1.557, de 22.03.1978, o Governador Paulo Egydio Martins já havia instituído o “Dia do Rotary” no Estado de São Paulo. O texto aprovado no Paraná é o seguinte: A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARANÁ DECRETOU E O GOVERNADOR SANCIONOU A SEGUINTE LEI:


26

Art. 1° - Ficam decretadas de utilidade pública as entidades constituídas no Estado do Paraná, integrantes das instituições “LIONS CLUBES DO BRASIL” e “ROTARY CLUBS DO BRASIL”. Art. 2° - Para os fins previstos no artigo anterior, consideram-se as entidades filiadas e devidamente registradas junto às Associações Internacionais do Lions Clube e Rotary Club, desde que preencham todos os requisitos da Lei 6.994 de 10. 01. 1978. Art. 3° - Fica extensiva a declaração de utilidade pública previstas no artigo 1° as sociedades organizadas por segmentos destas entidades que se dedicarem à assistência social, filantrópica ou cultural (Casas da Amizade, etc.) Art. 4° - Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. HISTÓRICO DO DISTRITO 4710

Para todo o Brasil, no final da década de 1920, havia apenas um distrito, o 72, que contava com 12 clubes. A partir de 1º de julho de 1938, o distrito 72 foi dividido em 4, o D-26 para os estados do Amazonas, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas e Acre. O D- 27 para os estados de Sergipe, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, parte de Minas Gerais e parte de São Paulo. O D-28 para partes restantes de São Paulo e Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso e o D-29 para Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O Distrito 29 era composto dos 3 estados sulinos e seus governadores foram: 1939/40 – Antonio Jacob Renne, de Porto Alegre; 1940/41 – Hermano Franco Machado, de Curitiba; 1941/42 -David Antonio da Silva Carneiro, de Curitiba; 1942/43 -Francisco Behrensdorf Osório, de Pelotas, RS; 1943/44 -Walter Koch, de Porto Alegre, RS; 1944/45 - Hans Jordan, de Joinville, SC; 1945/46 -Ruy Cunha, de Londrina, PR; 1946/47 -José Vicente de Maria, de Uruguaiana, RS. Através da Conferência de 1945, com Fontoura Júnior e outros, separou-se do D-29 o estado do Rio Grande do Sul, formando-se o distrito 72, ficando o D-29 restrito ao Paraná e Santa Catarina. Seus governadores foram:


27

1947/48- João Eduardo Maritz, de Florianópolis, SC; 1948/49 - Francisco Pereira de Almeida Júnior, de Jacarezinho, PR. Em novo redistritamento, composto ainda pelos dois estados Paraná e Santa Catarina, quando o segundo passou a receber o número 120, tiveram como governadores os seguintes companheiros: 1949/50 – Arnoldo Soares Cuneo, de Florianópolis, SC; 1950/51 – Júlio Pacheco Monteiro de Itajaí, SC; 1951/52 – Anísio Figueiredo, de Londrina, PR; 1952/53 - Albary Guimarães, de Ponta Grossa, PR; 1953/54 - Ricarte de Freitas, de Curitibanos, PR; 1954/55 – Abdon Araújo, de Jacarezinho, PR; 1955/56- Cleones Velho Carneiro Bastos, de Lajes, SC. O distrito 120, em novo redistritamento, separou os dois estados e Santa Catarina passou a ter o número 141 e o Paraná manteve-se com o 120, sendo governador deste: 1956/57 – Olavo Alberto de Carvalho, de Ponta Grossa, PR; Outro redistritamento fez com que o Paraná recebesse o número 463 e seus governadores foram: 1957/58 – Newton Leopoldo da Câmara, de Londrina; 1958/59 – Júlio Estella Moreira, de Curitiba; 1959/60 - Severo de Rudin Canziani, de Londrina; 1960/61 - João Ernani Bettega, de São José dos Pinhais; 1961/62- Oscar Dantas, de Cornélio Procópio; 1962/63 – Júlio Domingos Marchiori, de Irati; 1963/64 – Orlando C. Kuenzer, de Rio Negro; 1964/65 – Guido Arzua, de Curitiba; 1965/66 - Hellenton Borba Cortes, de Maringá; 1966/67 – Milton Munhoz, de Curitiba; 1967/68 - Mário Augusto de Queiroz, de Curitiba; 1968/69 – Odésio Franciscon, de Londrina; 1969/70 – Caetano Gomes Corrêa, de Paranaguá; 1970/71 – Alceu Antimo Vezozzo, de Londrina; 1971/72 – Álvaro da Rocha Braga, de Curitiba; 1972/73 – Hilton Dácio Trevisan, de Curitiba; 1973/74 – Carlos Alberto Pereira de Oliveira, Curitiba. Mais um redistritamento dividiu o Paraná em dois, na altura do paralelo 24, sendo que o Norte conservou o número 463 e o Sul passou a ser denominado 464, os governadores do Paraná Norte foram: 1974/75 – João Dias Ayres, de Londrina; 1975/76 – Ivaldo Borges Horta, de Maringá; 1976/77 – João Batista Gomes Gatti, de Cornélio Procópio; 1977/78 – Ary Nogueira da Silva, de Rolândia; 1978/79 – Gerson Gonçalves, de Londrina;


28

1979/80 – Mário Dal Ry, de Santo Antônio da Platina; 1980/81 – Ludovico Axel Surjus, de Paranavaí; 1981/82 - Emílio Germani, de Maringá; 1982/83 – Nelson Teixeira de Barros, de Goioerê; 1983/84 – João Soares caldas, de Londrina; 1984/85 – Rubens Costa Monteiro, de Paranavaí; 1985/86 – Roberto de Araújo Bessa, de Arapongas; 1986/87 – Amaury Antônio Martins, de Maringá; 1987/88 – Joaquim Domingos Martins, de Londrina. Num último redistritamento, o 463 foi dividido em dois. O 463 destinou-se às regiões Noroeste e Norte Novíssimo. Para o Norte Pioneiro e Norte Novo, destinou-se o número 471 e seus governadores deste foram: 1988/89 – José Renato Castanheira, de Siqueira Campos; 1989/90 – Severo de Rudin Canziani Filho, de Londrina; 1990/91- Jurio Koguishi, de Assaí. O Rotary International acrescentou o número zero ao fim de todos os distritos do mundo, desta forma, a partir de então o distrito a que pertence Bandeirantes denominou-se Distrito 4710 e seus governadores foram: 1991/92 – Jacy carvalho de Mendonça, de Londrina; 1992/93 – Héber Soares Vargas, de Londrina; 1993/94 – Peter Joachim Moser, de Rolândia; 1994/95- Naylor André das Chagas Lima, de Londrina; 1995/96 – Fahed Daher, de Apucarana; 1996/97 – Mauro Onivaldo Ticianelli, de Londrina; 1997/98 – Moacir Veras, de Londrina; 1998/99 – Antônio Celso Costa, de Londrina; 1999/00 – Tertulino Aires Neto, de Rolândia; 2000/01 – Antônio Pedro Marquezi, de Cambé; 2001/02 – Alexandre Rachid Chueri, de Ibaiti; 2002/03 – José Pelayo Sanchez, de Londrina; 2003/04 - Reynaldo de Paula Martins, de Apucarana; 2004/05 – Otávio Frederico Scandelae, de Londrina; 2005/06 – Álvaro Claúdio Amorim Brochado, de Londrina; 2006/07 – Oswaldo Aparecido Fávaro, de Bela Vista do Paraíso; 2007/08 – Reinaldo Seleti, de Cornélio Procópio; 2008/09 – Pilar Alavares Gonzaga Vieira, de Londrina; 2009/10 – José Machado Botelho, de Londrina; 2010/11 – Claudinei de Oliveira, de Santo Antônio da Platina; 2011/12 – João Pedroso Filho, de Arapongas; 2012/13 – Antônio de Alencar, de Cambé.

BREVE HISTÓRICO DE BANDEIRANTES O município de Bandeirantes situa-se na Zona Fisiográfica do Norte do Paraná e vem-se despontando como um dos exemplos de riqueza e prosperidade devido a sua agricultura pujante e como centro universitário. Seu clima é temperado semiúmido.


29

Bandeirantes é, desde a década de 1960, além das vantagens da união de esforços e objetivos, o resultado da integração inicial de 3 vilas dispersas em torno da Estação da Estrada de Ferro São Paulo – Paraná, fator de progresso proporcionado pelas comunicações rápidas e fáceis. É mais um milagre da “mula preta”, como eram chamados os trens que por aqui transitavam. Até o ano de 1920 o município era sertão bruto, sendo habitado pelos índios caingangues. O primeiro explorador do território de Bandeirantes foi o engenheiro Carlos Burromei, a quem se deve a divisão das terras que formam os municípios de Bandeirantes e Cornélio Procópio, atraindo os primeiros colonos tão logo terminou sua tarefa. Inicialmente formaram-se os povoados de “Invernada” – 10 alqueires da Fazenda Laranjinha vendidos a João Manoel dos Santos em 24 de dezembro de 1926, o qual veio a ficar cerca de 3 Km distantes do traçado da ferrovia. A Vila Rezende, em terras de propriedade de Zacarias Vieira de Rezende e ainda o povoado que se formou em torno da Estação Ferroviária, em terras de Juvenal Mesquita, inaugurada em julho de 1930, sob a denominação de “Bandeirantes”. Desta forma, Invernada fora elevada à condição de “distrito de paz” do município de Jacarezinho em 12 de abril de 1929, mas já em setembro de 1931 iniciouse o movimento de abandono deste Patrimônio em favor do povoado da Estação, o qual se fortaleceu com a inauguração da primeira capela, em outubro de 1932 e se consolidou com a decisão de Eurípedes Mesquita Rodrigues, num acordo firmado com Ozório Gonçalves Nogueira, doador de “datas” aos moradores de Invernada para transferirem suas residências. Em 1932, Bandeirantes foi visitada pelo então Interventor Federal no Paraná,o saudoso e inesquecível administrador Manoel Ribas, o qual notou desejo de emancipação do povo de então. Pelo decreto estadual nº 2396 de14 de novembro de 1934, foi finalmente criado o município, com território desmembrado de Jacarezinho e instalando-se a 5 de janeiro de 1935. Em 1938 seu território sofreu desmembramento para criação do município de Cornélio Procópio, o que ocorreu novamente em 1947 e 1951 para a criação de Santa Mariana e Santa Amélia respectivamente. Atualmente a área de Bandeirantes é de 424Km2, sendo a sua terra roxa considerada uma das melhores terras do planeta, proporcionando até duas safras agrícolas ao ano. A infraestrutura de acesso é boa, devido à passagem da BR 369; as distâncias entre os principais polos econômicos são: Curitiba – 430 Km; Londrina – 100Km; Cornélio Procópio – 35 Km; Porto de Paranaguá – 548 Km; Foz do Iguaçu – 591 Km. A altitude da sede municipal é de 492 metros e seu clima é quente; como atração turística o município contou, por décadas, com uma importante fonte de água mineral, denominada “Fonte de São Domingos” ou “Termas da Yara”, dotada das mais modernas instalações arquitetônicas, incluindo balneário, hotel e engarrafamento de água mineral, então muito procurada devido ao seu teor de enxofre, benéfica para afecções dermatológicas. Atualmente as Termas da Yara enfrentam problemas jurídicos para seu devido funcionamento como atração turística, mas o município conta com novas atrações turísticas, como a Rota do Rosário, que inclui diversos santuários e Igrejas que recebem visitantes de diversas localidades paranaenses e brasileiras para um turismo religioso. O desenvolvimento da área foi bastante rápido, partindo da agricultura para a industrialização ou beneficiamento de seus próprios produtos, sendo os Irmãos Meneghel pioneiros neste setor, os quais se associaram à empresa Dedini e instalaram a Usina Bandeirantes, que produz álcool e açúcar. Da mesma forma o município contou com a produção de algodão através da Algodoeira Matsubara Indústria e


30

Comércio Ltda. Ainda outras indústrias se destacaram no cenário nacional como a Perfumaria Palmindaya e a Indústria de Refrigeração Bandeirantes Ltda., dentre inúmeras de menor porte como as olarias, serralherias, serrarias, fábrica de tacos e ladrilhos, de colchões, de artefatos de cimento, de aguardentes, de palha para cigarros, de carroças e carrocerias para caminhões, máquinas de beneficiamento de café e arroz, alfafa, milho, etc. As atividades comerciais, na década de 1960, além de múltiplas e variadas foram de grande intensidade nos seus 280 estabelecimentos varejistas e nos 15 atacadistas. Já na primeira década do século XXI, os aspectos econômicos da economia bandeirantense eram distribuídos no setor primário (agricultura e pecuária); setor secundário (indústrias) e setor terciário (comércio e funcionários públicos). A arrecadação de impostos municipais em 2004 foi de R$ 1,1 milhão e as principais culturas são: cana-de-açúcar, algodão, milho, soja, feijão, uva, entre outras. As empresas de Bandeirantes cadastradas na Secretaria da Fazenda somam um total de 1178 empresas, sendo que há 93 bares e restaurantes, 14 borracharias, 6 clínicas médicas, 26 clínicas odontológicas, 11 escolas, 16 farmácias, 2 funerárias, 2 hospitais, 9 hotéis, 63 lojas de calçados e confecções gerais, 22 oficinas mecânicas, 15 padarias, 8 postos de gasolina, 3 rádios, sendo uma comunitária. As principais indústrias na cidade são: Açúcar e Álcool Bandeirantes S/A, Nutritop Rações, Cera Saci, Zenaplast, Nema Conectores Elétricos, Katyara, Vinícola La Dorni. A mãodeobra no município é composta na maioria pelo sexo masculino de idade entre 25 e 35 anos e com nível escolar médio incompleto, sendo que as principais entidades formadoras destes funcionários são: CDI – informática, UENP, UNOPAR – presencial e virtual, Net Work – informática, Wizard, SINE, Colégio Estadual Cyríaco Russo, Colégio estadual Prof. Mailon Medeiros, Escola Estadual Nóbrega da Cunha, Colégio Estadual Usina Bandeirantes, Escola Estadual Juvenal Mesquita, Escola Municipal Leda de Lima Canário, Escola Maria Fumaça, Educandário Santa Isabel e Colégio Integrado de Bandeirantes – CIB. O município ainda conta com recentes programas de alfabetização de jovens e adultos- EJA. Existe uma ampla rede bancária na cidade, além de escritórios de crédito e financiamento; também conta com uma infraestrutura de serviços públicos que se vem notabilizando e evoluindo com o passar dos anos, como hospitais, centros de saúde, bombeiros, fórum, previdência pública, etc. A população bandeirantense é de cerca de 32.994 habitantes e distribui-se na zona rural e urbana, sendo que na década de 1970, a população urbana era de 36% e a rural era de aproximadamente 63% do total. Atualmente, notam-se peculiares movimentos migratórios no município, tanto no sentido de o povo voltar à zona rural, assim como a emigração para a zona urbana, bem como a existência de uma população flutuante de cerca de 2000 pessoas na zona urbana de Bandeirantes formada pela massa demográfica de estudantes universitários que aqui aportam em busca de sua formação acadêmica, isso durante os meses letivos, regressando às suas cidades natais quando do episódio das férias, ou seja, há, em Bandeirantes uma flutuação demográfica de aproximadamente 5%, formada pelos estudantes universitários dos Campi da UENP e UNOPAR, reforçados por eventuais viajantes, comerciantes, etc. Desde 1998, com os esforços políticos para a transformação da Fundação Faculdade de Agronomia Luiz Meneghelem um dos campi da UENP – Universidade Estadual do Norte do Paraná, a cidade consolidou-se como polo de formação de universitários em seus cursos de Agronomia, Medicina Veterinária, Enfermagem, Biologia e Informática, atraindo jovens de todo o estado do Paraná e do Brasil.


31

No campo da agroindústria, vem-se destacando o cultivo de vegetais em regime de estufa. O que proporciona renda efetiva aos inúmeros agricultores municipais, criando-se um verdadeiro cinturão verde na zona rural do município. Os prefeitos municipais de Bandeirantes foram primeiramente nomeados, sendo eles: Rafael Antonacci – 1935 a 1936; Eurípedes Mesquita Rodrigues – 1936 a 1941; Domingos A. Macedo Soares Pereira – 1941 a 1943; Edgar Camargo – 04/1943 a 10/1943; José de Assumpção – 1943 a 1945; José Gomes Figueiredo – 05/1945 a 11/1945; Cezar Botarelli Neto – 1945 a 1946; Agenor Ferreira dos Santos – 03/1946 a10/1946; Antenor Moretti – 1946 a 1947 e Ozório Gonçalves Nogueira – 1947 a12/1947. Os prefeitos subsequentes já foram eleitos pelo sufrágio popular, são eles: Dino Veiga – 12/1947 a 1951; Luiz Meneguel – 1951 a 1955; Dino Veiga – 1955 a 1959; José Mário Junqueira – 1959 a 1963; Moacyr Castanho – 1963 a 1969; Luiz Meneguel – 1969 a 1973; Jamil Fares Midauar – 1973 a 1977; José Fernandes da Silva – 1977 a 1982; Moacyr castanho Filho – 1982 a 01/1983; João do Carmo Santiago – 1983 a 1988; José Fernandes da Silva – 1989 a 1992; Alécio Zamboni Neto – 1993 a 1996; Lino Martins - 1997 a 2000; Nilton de Sordi Junior – 2001 a 2004; José Fernandes da Silva – 2005 a 2008; Celso Benedito da Silva – 2009 a 2012. Com o advento do Plano Real no Brasil da década de noventa, chega-se aos dias atuais evidenciando-se avanços políticos e econômicos que se refletem no município de Bandeirantes, como o aumento da renda familiar, novos projetos sociopolíticos implantados pelos prefeitos de então, mas ainda é preocupante o indicador IDH – Índice de Desenvolvimento Humano da cidade, pois este é elaborado não apenas pela situação econômica, mas por fatores como educação, evasão escolar, mortalidade infantil, saúde e saneamento, entre outros itens.

A FUNDAÇÃO DO ROTARY CLUB EM BANDEIRANTES

Lista de sócios fundadores do Rotary Club provisório de Bandeirantes, estado do Paraná, Brasil, copiada na íntegra do quadro próprio do RC de Bandeirantes, de sua secretaria: “Lista encerrada em 20 de dezembro de 1949 e registrada em cartório em 06 de março de 1950. Ao secretário do Rotary International: As pessoas seguintes foram escolhidas para sócios fundadores deste clube, aceitaram figurar na respectiva lista e pagaram as quotas correspondentes para tanto. Nota: A classificação dada a cada sócio deve descrever o serviço principal que sua firma ou negócio ao público. Esta lista conterá como mínimo 15 nomes e, como máximo 35, excetuando-se as cidades que passem de 100000 habitantes, onde o máximo poderá ser aumentado até 50 nomes. Enviem-se dois exemplares ao governador de distrito e conserve-se um para o arquivo do clube.” Nome do sócio Nome da firma Classificação no clube Endereço comercial, Endereço particular


32

1 Dr. Yves de Oliveira Ribeiro Consultório particular Proprietário Medicina- clínica geral Caixa 188 Avenida Maranhão 2 Benedito Bernardes de Oliveira Consultório Particular Proprietário Medicina- Odontologia Caixa 83 R. Eurípedes Rodrigues 3 Ozório Gonçalves Nogueira Fazenda da Figueira Proprietário Pecuária – gado bovino Caixa 9 Fazendinha 4 Nelson Rocha Banco do Estado Do Paraná Gerente Finanças- banco de descontos Caixa 76 Rua Quintino Bocaiúva 5 JoaquimAraújo Dias &Araújo Ltda. Sócio gerente Café –compra Caixa 93 Rua Paraná 6 Dr. Wilson Piazetta Promotor público Governo=Promotoria pública Rua Paraná 7 José César Rando Sociedade Comercial Bandeirantes Ltda. Sócio-gerente Agricultura – cana-de-açúcar Avenida Bandeirantes Rua Santa Catarina 8 MassatoUêno Sassatani, Uêno&Cia Ltda. Sócio-gerente Café- benefício


33

Caixa 75 AvenidaBandeirantes 9 Dino Veiga Farmácia Santo Antônio Proprietário Indústria – química, farmácia Caixa 126 RuaBenjamim Constant 10 Nivaldo Nicolau Conter Cartório Registro Civil Caixa 57 Avenida Bandeirantes 11 Ely Arantes Pereira Ely Arantes Pereira Proprietário Agricultura – alfafa, cultivo Avenida Amazonas Avenida Amazonas 12 Amavel Ligeiro de Carvalho Cia. Bandeirantes Armazéns Gerais Direção RuaMarechalFloriano RuaMarechalFloriano 13 Dr. Hazael Martins Casa de Saúde Proprietário Instituto Hospitalar Casa de Saúde Caixa 128 RuaEurípedes Rodrigues 14 Dr. Pedro Athos Cunha Campo experimental Agrônomo chefe Engenharia - agronomia Avenida Minas Gerais 15 EurípedesMesquita Rodrigues Prprietário Agricultura – cereais – cultivo Caixa 70 Chácara Paraizo 16 Brasil Gambaré Posto Bandeirantes Proprietário


34

Indústria Óleo Mineral – Gazolina – distribuição Avenida Espírito Santo Av. Espírito Santo 17 Manoel Neves Fernandes Banco Noroeste Estado de São Paulo Gerente Finanças - Banco de Crédito Avenida Goiaz 18 Taro Niyashiki Proprietário Mercadoria em geral Avenida Bandeirantes Av. Bandeirantes 19 Dr. Augusto CezarVianaEspinola Juiz de Direito Direito - Magistratura Rua Benjamim Constant 20 Álvaro Bulgherone Silva Alvaro Bulgherone Silva Proprietário Serviços comerciais – representações Caixa 187 Avenida Bandeirantes.

“Estamos de acordo em que (a) o clube não admitirá sócios enquanto não receber aviso oficial de sua admissão como membro do RI; (b) que o clube procurará de modo constante aumentar o número de seus sócios de tal maneira que cada um dos diferentes e legítimos aspectos de atividade na comunidade fiquem representados no seio do mesmo; porém (c) que durante o primeiro ano não serão admitidos mais de três sócios por mês. Os abaixo assinados, diretores do Rotary Club provisório de Bandeirantes, certificam que a lista e bases atraz (sic) mencionadas constituem a lista de sócios fundadores do clube e os acordos relacionados com o aumento de sócios do mesmo: Ozorio Gonçalves Nogueira – secretário Yves de Oliveira Ribeiro – presidente.” Em 23 de agosto de 1985 o Rotary International emitiu certificado em que o Rotary Club de Bandeirantes, Paraná, Brasil, havia sido organizado e estava de acordo, através de seus membros e executivos, a cumprir a Constituição e demais leis do Rotary International, os quais se evidenciam pela emissão do certificado que o admite como membro do Rotary International, e lhe outorga todos os direitos e privilégios de membro. Este documento foi assinado pelo presidente do RI e também


35

pelo secretario geral do RI. O documento, em língua inglesa, encontra-se encontra afixado nas dependências do Rotary Club lub de Bandeirantes, Casa da Amizade. Foto de posse do primeiro Conselho Diretor do Rotary Club de Bandeirantes - 1949

Fonte: Antônio Castanho/ Fototimo, Fototimo Cornélio Procópio rocópio PRESIDENTES DO ROTARY CLUB DE BANDEIRANTES Presidente::

gestão provável:

Yves de Oliveira Ribeiro

1949/1950

Yves de Oliveira Ribeiro

1950/1951

Yves de Oliveira Ribeiro

1951/1952

Augusto Cesar Viana Espíndula ndula

1952/1953

Wilson Piazeta

1953/1954


36

Ozório Gonçalves Nogueira

1954/1955

Benedito Bernardes de Oliveira

1955/1956

Nivaldo Conter

1956/1957

José Mario Junqueira

Newton Bonilauri

Massato Ueno

1957/1958

1958/1959

1959/1960


37

Moacyr Castanho

1960/1961

Apolônio Zardo Fernando Teixeira Pereira Tufy Mathias

1961/1962 1962/1963 1963/1964

Heráclito Ferreira Dias / Roldão Zambon

1964/1965

Marcelo Tosca

1965/1966

Celso M. Silveira Fontes

1966/1967

Dino Veiga

1967/1968


38

Geraldo Paulino de Carvalho

1968/1969

Édson Hélio Bernardes da Silva

1969/1970

Dino Veiga

1970/1971

Felipe Chequer

Woldir Souza e Silva Woldir Souza e Silva

1971/1972

1972/1973 1973/1974


39

Benedito Bernardes de Oliveira

Felipe Chequer

Woldir Souza e Silva

1974/1975

1975/1976

1977/1978 e 1978/1979

Atas das gestões: No dia 28 de junho de 1977 o então presidente Celso Fontes, em reunião na sede do Guaíra Club de Campo, transmitiu a presidência ao companheiro Woldir de Souza e Silva, que constituiu o novo conselho diretor, assim estabelecido: Vicepresidente: Milson dos Anjos Fermino; 1º secretário: Waldemar Barbosa de Lima; 2º secretário: Hydeo Hiroshi; 1º tesoureiro: Felipe Chequer; 2º tesoureiro: Yoshiu Matsunaga; Diretor de protocolo: Celso Fontes; Diretores sem pasta: Celso Fontes, Benedito Bernardes de Oliveira e Felipe Chequer. Nesta reunião de posse houve a presença de caravanas de outras cidades do distrito e da região. As reuniões festivas e ordinárias que se seguiram ao longo do ano rotário, em sua maioria, como ainda não havia sido construída a Casa da Amizade, sede dos atuais encontros do Rotary Club de Bandeirantes, se deram no restaurante Cuca Legal, na Rua Santa Catarina, nº 583. E elas abordaram os seguintes tópicos: a presença do vive-prefeito Dr. Ilton de Souza Guerra e sua esposa Bete Guerra, a presença do presidente do Lions Club local, o aumento do quadro social do clube, a construção da Casa da Amizade em Bandeirantes, a Independência do Brasil, semana da Compreensão Mundial, a Carta Constitutiva do Rotary Club de Bandeirantes recebida em setembro de 1950 e a primeira reunião realizada em 21/09/1946, a venda de uma rifa de um automóvel em prol da construção da Casa da Amizade, o pagamento de


40

mensalidades dos sócios, doações para a construção da Casa da Amizade, presença de José Fernandes da Silva, do Major Zenon Silva Filho, do coronel Juarez Getúlio B. Sigwalt e do sargento Natalino Lemes da Rocha como convidados e ou visitantes, recebimento do companheiro Marcelino Torres e família como membro do Rotary Clube de Bandeirantes no dia 04/04/1978 durante reunião festiva, lançamento da pedra fundamental da Casa da Amizade às 17:00 do do dia 04 de julho de 1978 no terreno da Vila São José com área total de 1425m2, constituído dos lotes 6,7,8,9 e 10 da quadra nº 7; neste mesmo dia houve reunião festiva na sede do Guaíra Clube de Campo às 20:00 para instituir o novo conselho diretor que contou com a reeleição do presidente Woldir de Souza e Silva, que nomeou seu conselho diretor para o ano rotário de 1978/1979 com a seguinte disposição:Vice-presidente: Moacyr Castanho; Secretário: Felipe Chequer; 2º secretário: Marcelino A. G. Torres; Tesoureiro: João Pereira;2º tesoureiro Cândido M. Trindade; Diretor de protocolo: Irapuan Gomes Ribeiro; 2º diretor de protocolo: Hiroshi Ikeda; Diretores sem pasta: Celso M.S. Fontes, Édson H. Bernardes da Silva e Dino Veiga, assim como se anunciou a nova diretoria da ASR. Artur Pinto Lima Antônio Notório Teté

Felipe Chequer

s/dd s/dd

1979/1980

Atas gestão: No dia 08 de julho de 1978 reuniram-se os companheiros rotarianos e realizaram votação para eleição do novo presidente. Com 07 votos elegeu-se o companheiro Felipe Chequer para presidir a gestão de 1979/1980. As reuniões subsequentes ordinárias e ou festivas, tidas mormente no Restaurante Cuca Legal, à Rua santa Catarina, nº 583, referiram-se a temas tais que: ajuste de mensalidades, taxas do Rotary International, presença de Arthur Pinto Lima e Srª Terezinha e de Fernando Flores e sua esposa e admissão destes ao quadro social do Rotary Club de Bandeirantes na data 07/11/1978, assim como a admissão do companheiro Álvaro Consalter como membro deste clube; a importância da FFALM para toda a região,


41

presença de visitantes e convidados, a mudança de cidade do companheiro 1º tesoureiro Cândido Magalhães Trindade, sendo a tesouraria então ocupada pelo companheiro Waldemar Barbosa de Lima, campanha para angariar fundos para a construção da Casa da Amizade de Bandeirantes, posse do novo companheiro rotário Sr. Mário Doracy Urso , saudações aos aniversariantes e familiares, entre outros tópicos pertinentes ao ano rotário de então. Milson dos Anjos Fermino

1981/1982

Atas da gestão 1981/1982- Presidentes: Antonio Notório Teté/ Milson dos A. Fermino No dia 16/06/1981 os companheiros rotarianos reuniram-se na sede do Guaíra Clube de Campo em reunião festiva para constituir novo Conselho Diretor e posse do novo presidente, a saber: Presidente: Antonio Notório Teté; vice-presidente: Milson dos Anjos Fermino; 1º secretário: Woldir de Souza e Silva; 2º secretário: Aparecido José Filho; 1º tesoureiro: Elio Rodela; 2º tesoureiro: Lourenço Vale Luca; diretor de protocolo: Edson H. Bernardes da Silva; 2º protocolo: Fauze M. S. Hussein; diretor de avenida de serviços internos: Milson; diretor de avenida de serviços à comunidade: Felipe; diretor de avenida de serviços profissionais: Mario; diretor de avenida de serviços internacionais: Edson H. Bernardes da Silva. Nessa época a Casa da Amizade ainda estava em construção, mas já se havia realizado reunião extraordinária nas dependências da mesma, quando os companheiros se entusiasmaram com o projeto e foram feitas várias doações para a conclusão da obra, portanto as reuniões ordinárias que se seguiram foram tidas no restaurante Cuca Legal até a inauguração da Casa da Amizade de Bandeirantes em reunião festiva no dia 14/11 de 1981, sendo, desde então sede das reuniões rotárias, embora ainda fossem realizadas reuniões no restaurante supracitado. Em reunião festiva na Casa da Amizade, no dia 02/02/1982 o então presidente Antonio Notório Teté despediu-se dos companheiros rotarianos, pois havia transferido sua residência para a capital do estado, ficando a presidência a cargo do companheiro Milson dos Anjos Fermino, que era seu vice-presidente, este presidiu as reuniões rotárias concluindo a gestão.


42

Waldemar Barbosa de Lima

1982/1983

Atas da gestão: Houve reunião festiva para posse do novo conselho diretor no dia 06/07/1982, na Casa da Amizade de Bandeirantes, ficando assim constituída a nova diretoria: presidente: Waldemar Barbosa de Lima; vice-presidente: Milson dos Anjos Fermino; 1º secretário: Sergio Sadao Kimura; 2º secretário: Valdery Mendes Vilela; 1º tesoureiro: Lourenço Vale Luca; 2º tesoureiro: Mario Doracy Urso; 1º protocolo: Fauze Mahamoud Salmen Hussain; 2º protocolo: Celso M. S. Fontes; avenida de serviços internos Celso Fontes. Avenida de serviços à comunidade: Felipe Chequer; avenida de serviços profissionais: Adilson Sorace; avenida de serviços internacionais: Woldir Souza e Silva; diretores sem pasta: Milson A. Fermino e Arthur Pinto Lima Neto. Fauze Mahmoud Salmen Hussein

s/dd

José Diniz Saraiva

s/dd

Valderi Mendes Vilela

1983/1984

Fernando Justino Flores

1984/1985


43

Marcelino Álvares Gulpian Torres

Dr. Adilson Sorace

Roberto Castanho

1985/1986

1986/1987e 1987/1988

1988/1989

Atas da gestão: No data 28/06/1988 os membros do Rotary Club de bandeirantes reuniram-se no Buffet Acoban para a posse de nova diretoria, sendo que o então presidente Fernando Justino Flores transmitiu a presidência para o companheiro Roberto Castanho, que constituiu seu conselho diretor na seguinte disposição: Vice-presidente: Milson dos Anjos Fermino; 1º secretário: Fernando J. Flores; 2º secretário: Woldir S. e Silva; 1º tesoureiro: José Roberto Matheus; 2º tesoureiro: Orélio de Mattos; 1º protocolo: José Roberto Altizani; 2º protocolo: Ademir A. Mazer; Diretor de programação: Waldemar B. de Lima; Diretores sem pasta: Fernando J. Flores, Adilson Sorace e Marcelino A. G. Torres; Avenida de serviços internos: Laudemir M. Godoy; Avenida de serviços profissionais: Paulo Roberto Balla; Avenida de serviços à comunidade: Geraldo Jacobucci; Avenida de serviços internacionais: Édson H. Bernardes da Silva.


44

As subsequentes reuniões festivas e ou ordinárias que abordaram tópicos pertinentes ao ano rotário, tais como: a presença do companheiro Deputado Estadual Valderi Vilela, visitas a RC de outros municípios do distrito como Andirá, Cornélio Procópio e Jaguapitã; a despedida do intercambistaMathew Charles Bugbee, que retornou aos EUA; apoio ao Colégio Maylon Medeiros, correspondências para a Maçonaria de Bandeirantes, o SINDIREPA então presidido pelo companheiro Paulo R. Balla, a presença do incipiente Rotaract de Bandeirantes, a Festa das Nações, a presença do Interact, a promoção da Boate Rock em prol da APAE, apoio à creche da Vila União, presença do governador distrital José Renato castanheira, levantamento de fundos para suprir o clube, entre outros assuntos relativos às atividades rotárias em Bandeirantes. José Roberto Mateus / Paulo Roberto Balla

Celso S. Fontes

1989/1990

1990/1991

Atas dagestão: No dia 03/04/1990, em reunião rotária, houve posse do novo presidente Dr. Celso Fontes, que compôs seu conselho diretor, assim estabelecido: Vice-presidente: Roberto Castanho; Secretário: José Diniz Saraiva; 2º secretário: Woldir Souza e Silva; Tesoureiro: José Peguim; 2º tesoureiro: Orélio de Mattos; Protocolo: Osvaldo Catossi; Avenida de serviços profissionais: Osvaldir Messias; Avenida de serviços à comunidade: Marcelino Torres; Avenida de serviços internos: Roberto castanho; Avenida de serviços internacionais: Milson A. Fermino. Osvadir Alves Messias

1991/1992


45

José Roberto Altizani

1992/1993

Willian Osinaga Willian Osinaga

1993/1994 1994/1995

Hamilton Alves Pereira Júnior

1995/1996

Atas da gestão: Houve reunião festiva de posse no dia 27 de junho de 1995 nas dependências da Casa da Amizade em que o então presidente Willian Osinaga empossou como novo presidente ao companheiro Hamilton Alves Pereira Júnior, este compôs seu conselho diretor da seguinte forma: Vice-presidente: Roberto Castanho; 1º secretário: Antônio Castanho; 2º secretário: João batista Ferreira; 1º tesoureiro: Roberto Carlos Panizio; 2º tesoureiro: Roldão Zambon; 1º protocolo: Marcelino A. Torres; 2º protocolo: João Cirino; Diretor de avenida de serviços internos: Roberto Castanho; Diretor de avenida de serviços profissionais: Augusto Nadoni; Diretor de avenida de serviços à comunidade: Willian Sodré; Diretor de avenida de serviços internacionais: José Roberto Altizani; Diretores sem pasta: Willian Osinaga, José Roberto Altizani e Osvaldir Alves Messias. As reuniões desta gestão abordaram temas pertinentes à vida rotária tais como: a presença de companheiros de outras cidades do distrito, a presença do


46

tenente Jorge Ademar do TG de Bandeirantes, a 2ª festa Sorriso de Criança, bingos beneficentes na ACEB, o lema rotário rotário “Seja amigo”,ofício ao DER referente à conservação da ponte de Itambaracá, Olimpíadas distritais do Rotary, consórcio da BJ veículos, churrasco anual da APAE, Pastoral da família, baile em prol da Santa Casa de Bandeirantes intercâmbio da jovem Leandra Lopes Lopes Castanho nos EUA, presença de rotaractianos e interactianos, entre outros tópicos relativos ao Rotary Club de Bandeirantes. Roberto Castanho

1996/1997

Atas da gestão: No dia 02 de julho de 1996 o presidente presidente então empossado Roberto Castanho nomeou seu conselho diretor para o ano rotário, sendo assim dispostos: ViceVice presidente: Genilda Amorim de Souza; 1º secretário: Carlos Alberto de Matos Silva; 2º secretário: Roberto Carlos Panizio. 1º tesoureiro: Geraldo Jacobucci; 2º Tesoureiro: Roldão Zambon; 1º protocolo: Felipe Chequer; 2º protocolo: Antônio Castanho; Serviços internos: Genilda Amorim de Souza e Jorge Ademar da Silva; Serviços profissionais: Roldão Zambon e Paulo Soares da Silva; Serviços à comunidade: comunidade Marcelino A. Torres e João batista Ferreira; Serviços internacionais: Édson Hélio Bernardes da Silva e Willian Osinaga; Relações públicas Rogério Antônio Lopes e Wanda Rossi de Carvalho; Diretor de boletim: Roberto Carlos Panizio e Pedro Luiz Sanches Venâncio; âncio; Diretores em pasta: Hamilton A. P. Junior e Willian Osinaga. Durante a reunião de posse mencionou-se mencionou se o lema rotário de 1996/1997: “Construa o futuro com ação e visão.” E as seguintes reuniões desta gestão abordaram tópicos tais que: promoções de churrasco chu para angariar fundos, a presença do Rotaract e Interact, visita de Wanda Rossi à Fazendinha, barraca na festa da Jacutinga visitas a Rotary Clubs de outras cidades, reunião extraordinária – festiva de Natal no dia 14/12/1996 com a presença da presidente presidente da ASR, Srª Vera e esposo Rogério e da presidente do Interact, Juliana; balanço da Prefeitura Municipal de Bandeirantes, campanha do diabetes e da hipertensão, campanha para plantio de árvores, reportagens da Folha de Londrina sobre drogas, caravana da da Alemanha recebida em Bandeirantes e liderada pelo companheiro Claus, velório do Dr. Sebastião Pelegrini na Casa da Amizade, a creche do Rotary – que foi considerada a melhor da cidade, entre outros temas pertinentes ao ano rotário de então.


47

Genilda Amorin de Souza

1997/1998

Antônio Castanho

1998/1999

Atas da gestão: Em meados do ano 1998 ocorre a transmissão da presidência da então presidente Genilda Amorim ao companheiro Antônio Castanho, que forma seu conselho diretor e dá-se início ao ano Rotário, sob sua gestão, e foram feitas várias reuniões ordinárias e ou festivas, nas quais se falou sobre tópics variados, como: datas comemorativas de aniversários e bodas dos companheiros rotarianos, projetos em conjunto com a SAAE contra a esquistossomose (barriga d’água), bingos junto com a ACEB, presença do presidente do RC de Andirá, intercâmbio da filha do companheiro Altizani, a Roberta, nos EUA; presença de rotaractianos e suas promoções para angariar fundos. Em 13 de julho de 1999 houve reunião de posse do conselho diretor de 1999/2000 com a presença do Padre Antônio fazendo a oração da noite, o então presidente Antônio Castanho transmitiu o cargo para o novo presidente Roberto castanho, dando-lhe o sino, o martelete e o distintivo, seu conselho diretor ficou assim constituído: vice-presidente: Édson Hélio Bernardes da Silva; 1º secretário: Antônio Castanho; 2º secretário: Paulo Roberto Balla; 1º tesoureiro: Geraldo Jacobucci; 2º tesoureiro: Paulo Soares; 1º protocolo: Mário Weege; 2º protocolo: Roldão Zambom; Avenida de serviços internos: Genilda Amorim e Marcelino Torres; Avenida de serviços profissionais: Rogério e Roldão; Avenida de serviços à comunidade: Wanda Rossi e Hamilton; Avenida de serviços internacionais: Willian Osinaga. Entre suas várias reuniões abordaram-se temas tais como intercâmbio de jovens – Roberta Altizani e a americana Nicolleti, promoção do churrasco no TG de Bandeirantes em prol da APAE, campanha de vacinação, subsídios aos computadores do CSU, entre outros tópicos que se referenciaram até a última reunião da gestão Roberto Castanho, em 27 de junho de 2000.


48

Roberto Castanho

Édson Hélio Bernardes ernardes da Silva

1999/2000

2000/2001

Atas da gestão: No dia 4 de julho de 2000 houve reunião de posse da nova gestão, em que se transmitiu a presidência ao companheiro Édson H. Bernardes da Silva, ficando o conselho diretor disposto da seguinte forma: vice-presidente: presidente: Roberto castanho, 1º secretário: Antônio Castanho; 2º secretário: Hugo; 1º tesoureiro: Geraldo Jacobucci; 2º tesoureiro: Paulo Soares; 1º protocolo: Mário Weege; 2º protocolo: Marcelino Torres; Avenida de serviços internos: internos Marcelino Torres e Genilda Amorin; Avenida de serviços profissionais: Roldão Zambon e o companheiro Rogério; Avenida de serviços à comunidade: Roberto Altizani e Srª Wanda Rossi; Avenida de serviços internacionais: Willian Osinaga e Roberto castanho; Diretores Diretores de Comunicação social: Willian e Paulo R. Balla. As reuniões desta gestão abordaram temas tais que o combate ao fumo, a preservação do meio ambiente desenvolvida em conjunto com o Rotaract e o Interact, bingos na ACEB, a presença do Secretário Municipal Municipal de Saúde Cláudio Enjoji que falou sobre doenças transmissíveis como a AIDS, o projeto CAUEM, as metas de trabalho do Rotary International para o Terceiro Milênio, entre outros temas pertinentes às reuniões rotárias.


49

Roberto Castanho

2001/2002

Atas da gestão: * A Reunião debateu sobre o Conselho municipal de saúde, controle da Bolsa alimentação, criação de Boletim informativo, intercâmbio e Bolsa de Estudos do rotaractiano Marcelo Otênio, em Portugal, para realizar seu doutorado. * Reunião sobre a FENABAND – Festa das Nações de Bandeirantes, e jogos florais de Bandeirantes, com a presença da companheira rotariana Sra. Wanda Rossi; *Reunião com a presença do Dr. Marcelo Bernardes, que palestrou sobre a Copel. * Reunião com Dr.Odair Buzato, que proferiu palestra sobre os direitos e deveres do adolescente. A presença do intercambista Omar, que relatou sobre sua estada em Bandeirantes, suas viagens ao Nordeste, ao Pantanal e Brasília. Recebimento de carta da intercambista Nicolleti. O bolsista Marcelo Otênio apresenta seu relatório final sobre a sua Bolsa de Estudos em Portugal e agradece ao Rotary pela oportunidade de concluir seu doutorado. O presidente recebe uma carta da Organização Mundial da Saúde parabenizando o Rotary Club pela campanha de combate à poliomielite – projeto POLIPLUS; * Reunião com membros do Interact Club local que irão participar de encontro interactiano em Praia do Leste nos dias 22 a 24 de março de 2002; * Reunião com interactianos que agradeceram o apoio oferecido para sua viagem para o encontro na Praia do Leste. O presidente Roberto menciona a 7ª coloação do Rotary Club de Bandeirantes em relação ao quadro social distrital; Reunião com a presença do presidente do RC de Andirá, Valdemar Jensen. *Reunião quando Sra. Lygia Veiga entrega um ramalhete de flores a Emilia, esposa do companheiro Marcos, que fora empossado como membro do RC em Bandeirantes; * Reunião em que Paulo Roberto Balla fala sobre sua escolha para presidir do Club em 2002/2003 e expõe seu conselho diretor. Também contou com a presença de Marcelino, então afastado do RC de Bandeirantes por trabalhar no Mato Grosso. A interactiana Dayane menciona que em 23 de agosto iria à Cidade do México para intercâmbio de jovens. * Reunião em que se menciona o primeiro boletim informativo do Intreract, o INFORMARACT. Os companheiros Paulo Soares, Sebastião, Marco, Paulo Balla, Willian e Antonio falam sobre suas áreas a respeito da Assembleia Distrital. Altizani fala sobre a mudança no trânsito da cidade, que foi uma iniciativa da ACIAB; * Reunião em que Paulo R. Balla fala sobre suas metas para a próxima gestão como presidente do RC de Btes, o interactiano Mouhamed fala sobre a campanha da vacinação e que o Interact atuará no posto da Capela N. S. Aparecida. Houve a presença de Irineu Abilio Vieira, do RC Londrina Cinquentenário, ele falou sobre o trabalho da ADESG e do XI CEPE – Ciclo de Estudos da Política e Estratégia a ser realizado em sua cidade; * Reunião com a presença de Antonio Paulo Portugal, inspetor do CREA-PR, que falou sobre os trabalhos desta entidade;


50

* Reunião em que se discutiu sobre a festiva de posse do futuro presidente do Rotary Club de Bandeirantes, Paulo R. Balla, relatou-se a situação financeira do clube e fez-se prestação de contas da gestão 2001/2002 e se agradeceu ao conselho diretor. Paulo Roberto Balla

2002/2003

Isaías Gomes da Silva Junior

2003/2004

Atas da gestão: Em reunião no dia 01/07/2003, tomou posse o conselho diretor do Rotary Club de Bandeirantes, e o presidente empossado Isaías Gomes da Silva Júnior assim o nomeou: Vice-presidente: José Roberto Altizani; Secretário: Antonio castanho; 2º secretário: Pedro de Fatimo Duque; Protocolo: Roberto castanho; 2º protocolo: Volney Luiz Pavão; Tesoureiro: Pedro de Fátimo Duque; 2º tesoureiro: Geraldo Jacobucci; Comiissão de serviços 1) Internacionais: Édson Hélio Bernardes da Silva e Paulo Roberto Balla, 2)Profissionais: Genilda Amorim de Souza e José Roberto Altizani, 3) Comunidade: Wanda Rossi de Carvalho e Paulo Roberto Balla, 4) Interno: Roldão Zambom e Paulo Roberto Balla; Conselheiros: 1) Interact: José Roberto Altizani e Isaías Gomes da Silva Júnior, 2) Rotaract: Paulo Roberto Balla. Nesta mesma data houve posse do novo conselho diretor do Interact Club de Bandeirantes, em que a então presidente Pollyana Maria Delgado Balla transmitiu a presidência para Fernanda Capi, a qual também formou empossou seu conselho diretor. Durante o ano de 2003 houve 22 reuniões ordinárias e/ou festivas que versavam sobre diversos temas pertinentes ao clube, como a reforma da creche do Rotary, apoio a necessitados, promoções para angariar fundos, o intercâmbio de Marcelo Fuji na Finlândia, o intercâmbio de Dayane Capi no México, a posse de Andreia Castanho de Lima na Associação das Senhoras de Rotarianos então ocupada por Aureliana Aparecida Martins Delgado Balla, repasse de porcentual de promoções à Fundação Rotária, a presença de companheiros de Rotary Clubs de outras cidades do distrito, o projeto de lei de utilidade pública estadual a entidade filantrópica ASR, relatos sobre a campanha Polio Plus – a qual o Rotary International repassou cerca de U$ 500 milhões até então, sobre a situação da FALM e demais faculdades regionais, campanhas de vacinação e a participação do Interact Club de Bandeirantes, entre outros assuntos relativos à gestão do presidente Isaías e de seu conselho diretor. As reuniões ordinárias e festivas do Rotary Club de Bandeirantes, de janeiro de 2004 a junho desse ano totalizaram 19 sessões e abordaram tópicos tais como o projeto do SESI na luta contra o analfabetismo brasileiro, promoções para angariara fundos como bingos, a meta para aumentar o quadro social do clube, intercâmbio de Samuel no México, os 99 anos da Fundação do Rotary International, apoio AP grupo GLA – Grupo de Libertação dos Alcoólatras, convite para o aniversário de fundação do SINDIREPA, encontro do RYLA em Londrina, posse dos novos companheiros Paulo


51

Soares e Eurípedes Rodrigues, com suas respectivas esposas Odete e Débora, a participação histórica dos rotarianos Moacyr Castanho, Benedito Bernardes, Edson Bernardes e Celso Fontes para o reconhecimento da FALM pelo Ministério da Educação então regida pelo ministro Ney Braga, apoio ao projeto CAUEM através de doação de 440 fraldas infantis, investimentos para a creche do Rotary, presença de rotarianos de outras cidades como Andirá, rifas, declamações de poesias de Wanda Rossi, entre outros temas ora aventados. José Roberto Altizani

2004/2005

Volney Luiz Pavão / Antonio Castanho

2005/2006

Antonio Castanho

Wanda Rossi de Carvalho

Volney Luiz Pavão

2006/2007

2007/2008

2008/2009


52

Paulo Roberto Balla

Roberto Castanho

2009/2010

2010/2011

Celso Agostinho Belizário

2011/2012

Ivanilde Regina Pavão Messias

2012/2013

Atas da gestão: Na reunião festiva de posse do Conselho Diretor da gestão 2012/2013 do Rotary Club de Bandeirantes, em 10 de julho de 2012, ele ficou assim constituído: Presidente: Ivanilde R. Pavão Messias Vice-presidente: Reginaldo C. Neves 1º Secretário: Antônio Castanho 2º Secretário: Osvaldir A. Messias 1º Tesoureiro: Celso A. Belizário 2º Tesoureiro: Roldão Zambon 1º Protocolo: Roberto Castanho 2º Protocolo: Carla Botti da Silva


53

Comissões do Quadro Associativo: Alexandre Henrique de Souza e Volney Luiz Pavão; Fundação Rotária: Paulo Roberto Balla e Édson H. Bernardes da Silva; Imagem Pública: Reginaldo Correia Neves; Projetos e prestações de serviços: Sergio Mendes Vilela; Intercâmbio de grupo de estudos: Silvana Moretti de Macedo; Relações Externas: Cecília Mendonça Belizário, Wanda Rossi de Carvalho e Irene Jorge Zambon; Comissão Novas Gerações: Nelson Gonçalves da Mota Neto; Administração do clube: José Roberto Altizani.

SÓCIOS REPRESENTATIVOS DO ROTARY CLUB EM BANDEIRANTES

O Rotary Club de Bandeirantes contou, até o final de 2012, com 21 membros efetivos, que constam abaixo de acordo com as suas datas de admissão como tais, seus nomes, a classificação que ocupam como profissionais no mercado de trabalho em Bandeirantes, seus números de inscrição no Rotary International e suas datas de admissão, que estão nessa ordem respectiva. No entanto, em reunião festiva no dia 11 de março de 2013, o Rotary Club de Bandeirantes recebeu mais 3 sócios representativos, portanto, neste ano de 2013 o clube de Bandeirantes conta com 24 sócios representativos, o que mostra sua dinâmica em renovar e aumentar seu quadro social. O Rotary Club de Bandeirantes, segundo seus presidentes durantes todos os anos desde sua fundação, tem-se preocupado com a admissão de novos membros, pois o número deles vem oscilando sensivelmente. Para que haja a fundação de um novo Rotary Club em Bandeirantes, teria que haver uma quantidade maior de membros, o que se mostra uma intenção de diversos governadores do distrito 4710, no entanto, mesmo que o número de membros seja menor que o esperado por presidentes e governadores, há que se prestar atenção no que tange à qualidade e dedicação destes valorosos membros, grandes no servir a sua comunidade.


54

Foto dos membros representativos do RC de Bandeirantes em 2012

01 Edson H. Bernardes da Silva, Advocacia Cível, 57985 , 20/03/1962;

02 Roldão Zambon, Açúcar e Álcool Fabricação, 1075124, 01/07/1985;


55

03 Roberto Castanho, Com. Cortinas e Persianas, 1192721, 01/08/ 1986;

04 Paulo Roberto Balla, Consultoria Empresarial, 1192716, 01/07/ 1986;

MENSAGEM DO COMPANHEIRO PAULO ROBERTO BALLA “Rotary: Minha Grande Escola”

“Em 1986, recebi o convite para participar da família rotária. Naquela oportunidade, interiormente, questionei o que queriam de mim, o porquê do convite, o que eu tinha de especial. Intrigava-me o fato de um rotariano experiente convidar uma pessoa de fora – naquele momento sem tanto a oferecer - para fazer parte da família. Ainda assim, encantado com as atividades, aceitei o convite e, aos poucos, fui-me tornando experiente também. Hoje, após 25 anos, compreendo perfeitamente a postura do meu “padrinho”, pois, como ele, sei o quanto cada pessoa pode ser lapidada para atingir o seu potencial e se tornar um grande rotariano. Foi isso que ocorreu comigo! O Rotary, através de suas reuniões, congressos, palestras, contribuiu para meu amadurecimento e meu desenvolvimento pessoal, ensinando-me grandes lições, porque nos desafia a fazer o melhor do que somos capazes, apesar das circunstâncias por vezes impostas, mostrando-nos que “a vida que a gente quer depende do que a gente faz” e, dessa forma, aprendi a ver o mundo com melhores possibilidades, através de nossas ações de servir. Todas estas lições fizeram com que o meu perfil de líder fosse sendo moldado e aperfeiçoado e, agora, sei o quanto minha contribuição é decisiva para um mundo melhor. E, por isso, continuo participando e tendo a oportunidade de aprender muito mais.


56

Aos 56 anos, sinto-me feliz e realizado, pois tenho uma família constituída que me dá suporte em todos os momentos e com valores bem firmados, um currículo considerável, pois já atuei em empresas públicas (nas esferas municipal, estadual e federal) e privadas, tendo a felicidade de auxiliar na implantação de vários projetos, inclusive a realização de projetos sociais. Ainda assim, conclui, recentemente, duas especializações e sou muito atuante na vida empresarial, política e social porque busco sempre mais e quero transmitir minha experiência profissional e de vida a muitos jovens, auxiliando na disseminação das ações rotarianas, pois se hoje colho e distribuo flores é porque muitas sementes foram plantadas, regadas e cultivadas em minha vida, com muito carinho, pelo Rotary Clube - um clube de serviço no qual fui lapidado para servir o mundo com tão pouco: minha mão de obra. E, por isso, reafirmo que “todas as flores do amanhã, estão nas sementes do hoje...” Vamos plantar nossas sementes e regá-las diariamente!” Paulo Roberto Balla- sócio Paul Harris safira

05 Thaís Lara Albertina Carmo da Silva, 8573080 – 20/11/2012

0 6 Antonio Castanho, Comércio de calçados, 2307956, 01/09/1994;

07 José Roberto Altizani, Gráfica e papelaria, 926660, 01/09/1984;

08 Volney Luiz Pavão, Consultor Financeiro, 6312161, 01/06/2004;


57

09 Celso Agostino Belizário, Comérciode motos, 6999280, 10/02/2009;

MENSAGEM DE CELSO AGOSTINHO BELIZÁRIO “Que Deus Nosso Eterno Pai abençoe a quantos ler este precioso livro da História do Rotary Club de Bandeirantes; que Jesus Cristo, o Filho Unigênito do Deus Vivo, o Príncipe da Paz, possa dar vitória a todos com saúde e prosperidade e que o Espírito Santo possa ajudar e consolar com unção de união, mansidão, alegria e vontade. Cada um possa dar de si antes de pensar em si, amando, respeitando e fazendo o melhor para seu próximo com muito desprendimento na visão de águia, para ser sal da Terra e luz do mundo. É o desejo do presidente na gestão 2011/2012.” O dia mais belo? Hoje. A coisa mais fácil? Errar. O maior erro? O abandono. A raiz de todos os males? O egoísmo. A distração mais bela? O trabalho. A pior derrota? O desânimo. Os melhores professores? As crianças. A primeira necessidade? Comunicar-se. O que mais te faz feliz? Ser útil aos outros. O maior mistério? A morte. A pessoa mais perigosa? A mentirosa. O pior sentimento? O rancor. O presente mais belo? O perdão. O mais imprescindível? O lar. A rota mais rápida? O caminho certo. Sensação mais agradável? A paz interior. A proteção efetiva? O sorriso. O melhor remédio? O otimismo. A força mais potente do mundo? A fé. As pessoas mais necessárias? Os pais. A mais bela de todas as coisas? O amor. “Conheça a si mesmo, para envolver a humanidade.” (Madre Teresa de Calcutá)


58

10 Cecília Mendonça Belizário, Professora – Ensino Médio, 8661797, 01/02/2011;

11 Osvaldir Alves Messias, Consultor Contábil, 8261806, 01 fevereiro 2011;

12 Ivanilde R. Pavão Messias, Modas –Estilista, 8261806, 01 fevereiro 2011; 13 Sérgio Mendes Vilela, Despachante - trânsito, 8344347, 02/08/2011; 14 Reginaldo Correia Neves, Comunicação – jornal, 8349686 , 16/08/ 2011; 15 Silvana Moretti Liberato de Macedo, Professora- Ed. Física, 8368600, 20/09/ 2011; 16 Alexandre Henrique de Souza – Com. De Telecom., 8435205, 14/02/2012;

Foto de quando de seu intercâmbio na Índia, patrocinado pelo Rotary Club.

17 Irene Jorge Zambon – Professora Aposentada, 8456034, 20/03/2012;


59

18 - Carla Boti da Silva – Professora de Yoga, 8456036, 20/03/2012;

19 – Nelson G. da Motta Neto – Prep. Físico/Academia, 8456037, 20/03/2012. 20 – Claudeci Apolinário da Silva – Comunicações. 83497000,

16/08/2011

21 – Michael Eymard R. de F. Araújo – Delegado de Polícia Civil/ 8517806 – 10/07/2012 22 - Marcos Antonio Silvestrini 12/março/2013

-

Consultor

em

informática,

8623554

23 - Carlos Antonio Lucio Alencar - Forças Armadas, TG - 8623557 12/março/2013 24 - Marleide Sabino L. Alencar - Salão de Beleza e estética, 8623562 12/março/2013

SÓCIOS PAUL HARRIS DO ROTARY CLUB DE BANDEIRANTES

01 – Edson Hélio Bernardes da Silva; 02 – Roldão Zambon; 03 - Roberto Castanho; 04 - Paulo Roberto Balla (safira); 05 - José Roberto Altizani (safira); 06 – Celso Agostinho Belizário; 07 – Osvaldir Alves Messias; 08 - Ivanilde R. Pavão Messias; 09 – Reginaldo Correia Neves; 10 - Hamilton A. Pereira Junior;


60

11 - Marlene A. de Souza Altizani; 12 - Aureliana A. M. Delgado Balla;

13 - André Márcio V. Messias; 14 - Pollyana Maria Delgado Balla;

15 - Dayane Regina de Oliveira

SÓCIOS HONORÁRIOS HOMENAGEADOS PELO ROTARY CLUB DE BANDEIRANTES

01 - Wanda Rossi de Carvalho – sócia honorária;


61

02 – Genilda Amorin de Souza – sócia honorária;

03 - João Pedroso Filho – sócio honorário;

REGIMENTO INTERNO DO SALÃO SOCIAL DA CASA DA AMIZADE Art. 1°- O Salão Social da Casa da Amizade é uma obra do Rotary Club de Bandeirantes e Associações das Senhoras de Rotarianos – Distrito 4710 e destina-se à realização de reuniões ordinárias, festivas, educativas e culturais e reger-se-à pelo presente regimento. Art. 2°- O Salão Social da Casa da Amizade será utilizado por: a) Rotarianos e suas famílias, Interactianos, Rotaractianos e Associação das Senhoras de Rotarianos, independente do município de residência; b) Entidades de caráter filantrópico; c) Pessoas físicas e jurídicas através de contrato de locação. Art. 3°- A administração do Salão da Casa da Amizade será exercida pelos seguintes órgãos: a) Conselho Diretor do Clube na figura de seu presidente; b) Tesouraria. Art. 4°- Ao Presidente do Conselho Diretor compete: a) Representar ou se fazer representar a diretoria em todas as atividades realizadas no Salão da Casa da Amizade. b) Velar pelo fiel cumprimento desse regimento interno; c) Convocar e presidir às reuniões do Conselho Diretor; d) Superintender todos os serviços; e) Propor ao Conselho Diretor modificações e emendas regimentais;


62

f) Exercer outras atribuições que lhe forem conferidas por esse regimento interno ou por delegações de decisões aprovadas em reuniões do Conselho Diretor. Art. 5°- O tesoureiro é o elemento responsável pelo salão da Casa da Amizade e por todas as atividades que nesse realizar-se. Art. 6°- O Tesoureiro será nomeado pelo conselho diretor do clube. Art. 7°- São atribuições do Tesoureiro: a) Zelar pelos bens materiais do salão; b) Manter sob controle todos os materiais do salão; c) Controlar os serviços de limpeza do salão; d) Nomear comissões temporárias ou permanentes para ajudá-lo; e) Administrar as finanças; f) Apresentar mensalmente balancete financeiro ao Conselho Diretor; g) Aplicar advertência a qualquer pessoa que esteja em desrespeito moral ou disciplinar nas dependências do salão; h) Exercer as demais atribuições inerentes ao cargo. Art. 8°- Os usuários do Salão da Casa da amizade serão classificados em duas categorias, a saber: a) Rotarianos, Interactianos, Rotaractianos e Senhoras de Rotarianos; b) Não rotarianos. Art. 9°- As Rotarianos, Interactianos, Rotaractinos e Senhoras de Rotarianos que quiserem fazer uso do salão, deverão observar os seguintes procedimentos: a) Verificar com o tesoureiro sua disponibilidade para o dia desejado; b) Assinar contrato de locação em duas vias; c) Responsabilizar-se por todo material do salão que lhe for entregue, providenciando a reposição quando ocorrer quebra ou sumiço, e no momento da devolução, d) No ato da assinatura do contrato de locação, o contratado deverá pagar pelo uso do salão uma taxa de limpeza a ser fixado pelo Conselho Diretor no inicio de sua gestão. Art. 10°- Os não rotarianos que quiserem fazer uso do salão deverão observar os seguintes itens: a) Acatar os itens a, b e c do Art. 9°; b) No ato da assinatura do contrato de locação, o contrato deverá pagar pelo uso do salão um aluguel a ser fixado pelo Conselho Diretor no inicio de sua gestão. Art. 11°- O Conselho Diretor deverá apresentar anualmente em reunião do Clube um relatório completo das atividades do salão. Art. 12°- Os casos omissos serão resolvidos pelo conselho diretor, observando-se as normas vigentes. Art. 13°- Esse Regimento interno entrará em vigor na data da sua aprovação pelo conselho Diretor do Rotary Club de Bandeirantes.


63

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUDO SOCIAL DO ROTARY CLUB DE BANDEIRANTES Capítulo I – DA PERSONALIDADE JURÍDICA

Seção 1. – O ROTARY CLUB de BANDEIRANTES, fundado em 21 de setembro de 1949, é uma associação civil, de natureza privada, sem fins econômicos, é regido pelo presente Estatuto Social consolidado e pelos diplomas legais aplicáveis, sendo sua duração por prazo indeterminado. Parágrafo Único – O presente Estatuto, na forma desta primeira alteração, passa a viger com a seguinte redação, mantido sem alteração apenas o artigo 4° constante do Estatuto primitivo, datado de 20 de outubro de 1997, registrado sob número de ordem 320, no cartório de Regimento Civil de títulos e documentos desta Comarca de Bandeirantes, em data de 11 de dezembro de 1997.

I. II. III. IV. V. VI. VII.

I. II. III. IV.

Artigo 2° - Os termos abaixo relacionados, quando mencionados neste Estatuto Social, terão indicado no presente artigo, exceto quando de outra forma for claramente exigido pelo contexto: Conselho: Conselho Diretor do Clube; Regimento Interno: Regimento Interno do Clube; Diretor: Membro do Conselho Diretor do Clube; Associação: Associação do Clube, executado o Associado Honorário; RI: Rotary International; Ano: exercício social que se inicia em 1° de julho; e, Rotary Club: A Associação à qual este Estatuto Social se refere. Artigo 3° - O Rotary Club de Bandeirantes, tem sede social à Rua São Paulo, n° 2126, nesta cidade de Bandeirantes, Estado do Paraná – Brasil, e foro na Comarca de igual nome. SEÇÃO II – DOS FINS Artigo 4° - Objetivo do Rotary é estimular e fomentar o “Ideal de Servir”, como base de todo empreendimento digno, promovendo e apoiando: O desenvolvimento do companheirismo como elemento capaz de proporcionar oportunidades de servir: O reconhecimento do mérito de toda ocupação útil e a difusão das normas de ética profissional; A melhoria da comunidade pela conduta exemplar de cada um na sua vida pública e privada; e A aproximação dos profissionais de todo o mundo, visando à consolidação das boas relações, da cooperação e da paz entre as nações. Artigo 5° - Para cumprir seu propósito, o Rotary Club atuará por meio de execução direta de projetos, programas ou planos de ações correlatas, de doações de recursos físicos e humanos; ou, pela prestação de serviços intermediários de apoio a outras organizações sem fins lucrativos e a órgãos do setor publico que atuam em áreas afins. SEÇÃO III – DO REGIMENTO INTERNO


64

Artigo 6° - O Rotary Club adotará um regimento interno aprovado em assembleia Geral passível de alteração a qualquer tempo, incorporando dispositivos adicionais destinados à sua administração. § Único – O Regimento Interno dó deverá estar em plena consonância com: (a) o presente Estatuto Social; (b) o regimento do RI; e, regras do procedimento para administração, fixadas pelo RI. CAPÍTULO II – DO QUADRO DE ASSOCIADOS SEÇÃO I – DAS CATEGORIAS E DIVISÃO – REQUISITOS PARA ADMISSÃO

I. II.

I. II.

I.

Artigo 7° - O quadro de associados do Rotary Club será integrado por pessoas físicas civilmente capazes, de caráter ilibado e de boa reputação empresarial ou profissional, sem qualquer distinção quanto a raça, cor, sexo, condição social, credo político ou religioso, o que será observado também no desenvolvimento das atividades das Associações. Artigo 8° - O quadro de associados do Rotary Club é divido em 02 (duas) categorias de associados: Representativo – Correspondente à pessoa que possuir as qualificações estabelecidas pelo Estatuto Social do RI, nomeada por força de eleição dos associados do Rotary Club, na forma do Regimento Interno; Honorário – Correspondente à pessoa que tenha se sobressaído por serviços meritórios em prol do ideal do Rotary, nomeada por força de eleição dos associados do Rotary Club, na forma do regimento Interno. § Único – É permitida a eleição de uma mesma pessoa na condição de associados honorários em mais de um clube. Artigo 9° - Todo associado representativo pagará a joia de admissão e a quota anual nos valores estabelecidos pela Assembleia Geral. § 1° - Os ex – associados ou associados representativos transferidos de outro clube que passarem a integrar o quadro de associados deste clube ficam dispensados de pagar uma segunda joia de admissão. § 2° - A quota anual poderá ser fracionada em parcelas mensais a critério do Conselho Diretor. § 3° - O Conselho Diretor poderá dispensar o pagamento de joia de admissão. Artigo 10. – Todo associado representativo será classificado de acordo com seu segmento empresarial ou profissional, sendo a respectivamente classificação correspondente àquela que descreve a atividade principal de sua empresa, instituição ou profissão. § 1° - Por razões justificativas, o Conselho Diretor, ouvido previamente o associado, poderá corrigir ou alterar a respectiva classificação. § 2° - O Rotary Club poderá ter, em seu quadro de associados, associados que sejam funcionários do RI. Artigo 11. Qualquer associado poderá propor como associado representativo o nome do ex-rotariano ou rotariano a ser transferido, se a pessoa proposta estiver deixando, ou deixou, de pertencer ao quadro de associados de seu clube pelo fato de não mais: Exercer a profissão, ou, Conduzir o negócio que lhe implica a classificação detida na localidade daquele clube ou em seus arredores. § ÚNICO: O clube ao qual o associado pertencia, ou do qual está se transferindo, também pode propor o associado representativo. Artigo 12. – Nenhum rotariano poderá ser: Associado representativo simultaneamente neste e em outro clube;


65

II. III.

Associado representativo e honorário neste clube; e, Ser simultaneamente rotariano e rotaractiano. Artigo 13. – Pessoas no exercício de cargo público por um período específico de tempo não serão elegíveis à categoria de associados representativos do Rotary Club na classificação do respectivo cargo. § 1° - Esta restrição não se aplica àquela que detenha cargo em instituição educacional ou no Poder Judiciário. § 2° - Os associados representativos na hipótese do caput continuarão a deter as classificações originalmente atribuídas. Artigo 14. – Não será admitido um associado representativo que detenha classificação ocupada por pelo menos cinco associados, exceto quando o clube possuir mais de 50 associados. § 1° - Caso o Clube possua um quadro de associados que ultrapasse a 50 associados, será permitida a admissão de novos associados representativos para uma mesma classificação, em número maior que cinco, limitado ao equivalente a dez por cento do quadro de associados representativos do clube. § 2° - No cálculo do número dos que representam a classificação não será incluído o associado aposentado. § 3° - Se algum associado mudar de classificação, poderá continuar filiado ao Rotary Club na nova classificação, independente dos limites estabelecidos no caput. SEÇÃO II – DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS Artigo 15. – São deveres do associado representativo:

I. II. III. IV. V. VI.

I. II. III.

Respeitar e observar o Estatuto Social, as disposições regimentais e as deliberações da administração e Assembleia Geral; Prestar ao Rotary Club cooperação moral, material e intelectual, esforçando-se pelo seu engrandecimento; Comunicar, por escrito, ao conselho Diretor, alterações cadastrais; Integrar as comissões para as quais for designado, cumprir os mandatos recebidos e os encargos atribuídos; Pagar pontualmente a quota anual, na forma estabelecida pelo Conselho Diretor; e, Acatar e cumprir os preceitos de Rotary, conforme expresso em seu objetivo. Artigo 16. – Os associados honorários terão o direito de comparecer a todas as reuniões e usufruirão todos os demais privilégios inerentes à associações ao Rotary Club. § 1° - Fica vedado ao associado honorário: O Direito a voto; Deter cargo de dirigente do Rotary Club; e, Deter classificação. § 2° - O associado honorário é isento do pagamento da joia de admissão e das quotas. § 3° - O associado honorário não desfrutará de quaisquer benefícios ou direitos em outros clubes, exceto o direito de visitá-los sem necessidades de convite por parte de rotarianos. SEÇÃO III – DA FREQUÊNCIA

I.

Artigo 17. – O associado do Rotary Cubdeve ter as seguintes frequências nas reuniões ordinárias: Comparecera pelo menos 60% das reuniões ordinárias realizadas a cada semestre do ano rotário; e,


66

II.

Comparecer a pelo menos 30% das reuniões ordinárias do Rotary Club em cada semestre do ano. Artigo 18. – O associado receberá crédito de frequência se estiver presente durante pelo menos 60% da reunião, ou estiver presente e houver necessidade comprovada de se retirar. § 1° - O associado poderá recuperar sua frequência conforme prescrito a seguir: 1 . 14 dias antes ou após a reunião ordinária, se em qualquer dia no período compreendido, alternativamente; a. Assistir a pelo menos 60% da reunião ordinária de qualquer outro clube ou clube provisório; b. Assistir reunião ordinária de Rotaract Club; de Interact Club; ou, de Núcleo Rotary de Desenvolvimento Comunitário, ainda que provisórios; c. Comparecer a convenção do RI, a reunião do conselho de legislação, a assembleia internacional, a Instituto Rotário para administradores atuais, anteriores e entrantes ou qualquer outra reunião do RI convocada com a provação do Conselho Diretor do RI, a conferencia distrital rotária, a assembleia distrital rotária, a qualquer reunião distrital realizada por instrução do Conselho Diretor do RI, a qualquer reunião de comissão distrital realizada por instrução do governador de distrito, ou a reunião interclubes devidamente convocada; d. Apresentar-se no local e na hora da reunião ordinária de qualquer outro clube com o propósito de assisti-la, e tal clube não estiver se reunindo nesse local e nessa hora; e. Participar de projetos de servir internos, de eventos comunitários organizados pelo clube ou de reunião, autorizados pelo Conselho Diretor; ou, f. Comparecer à reunião do Conselho Diretor ou, mediante autorização, a reunião de comissão de prestação de serviços à qual foi indicado.

III.

Se por ocasião da realização da reunião ordinária, alternativamente: a. Estiver viajando pela via razoavelmente mais direita para comparecer ou após haver comparecido, a uma das reuniões mencionados nas alíneas “a” até “c” do inciso I; b. Estiver a serviço do Rotary desempenhado funções inerentes ao cargo de administrador ou membro de comissão do RI, ou curador da Fundação Rotária, c. Estiver servindo como representante especial do Governador de Distrito na fundação de um novo clube; d. Estiver a serviço do Rotary como funcionário do RI; e. Estiver participando direta e ativamente de projetos de prestação de serviços patrocinados pelo Distrito, pelo RI ou pela Fundação Rotária em região remota onde seja impossível recuperar a frequência; ou, f. Estiver a serviço do Rotary, conforme autorizado pelo Conselho, que impeça seu comparecimento è reunião. III. S e decorrer de missão especial, desde que associado, enquanto estiver trabalhando em seu próprio país de residência por longo período de tempo em missão especial e, por acordo mútuo entre seu próprio clube e outro que lhe for indicado, comparecer às reuniões deste último. § 2° - quando em viagem ao exterior por período superior a 14 dias, o associado não estará sujeita aos prazos aqui estabelecidos para recuperação, devendo comparecer às reuniões de clubes no país visitado a qualquer tempo. Referido comparecimento será considerado como recuperação válida às reuniões ordinárias que tenha deixado de comparecer. § 3° - O associado será dispensado de satisfazer os requisitos de frequência quando: I: A ausência ocorrer em circunstancias e condições aprovadas pelo Conselho Diretor.


67

II: A Soma da idade e do numero de anos em que um associado participou deste ou mais clubes totalize pelo menos 85 anos, desde que o Clube seja notificado por escrito e que o Conselho Diretor manifeste sua concordância. § 4° - Serão consideradas justificadas as ausências de qualquer associado que estiver exercendo cargo como administrador do RI. § 5° - As ausências de qualquer associado que puderem ser justificados conforme os dispositivos do inciso II do § 3° deste artigo não constarão do registro de frequência do Rotary Club, sendo que nem suas ausências nem seu comparecimento serão computados para esse fim. SEÇÃO IV – DA VIGÊNCIA E CANCELAMENTO DO TÍTULO, DEMISSÃO E EXCLUSÃO DO ASSOCIADO

I. II.

Artigo 19. - A vigência do titulo de associado honorário será estabelecida pelo conselho diretor, que poderá prorrogá-la ou rescindi-la a qualquer tempo. Artigo 20. – O titulo de associado representativo vigorará por toda e existência do Rotary Club, observado o disposto a seguir: § 1° - O cancelamento do titulo será automático quando o associado deixar de possuir as qualificações para pertencer ao quadro de associados. § 2° - O associado que perder a classificação, por motivos alheios à sua vontade, poderá conservá-la mediante autorização do Conselho Diretor, por período não superior a um ano, para que possa retomar a atividade em sua classificação ou em outra, desde que, neste período, satisfaça as demais condições de afiliação ao clube, sendo que: – O cancelamento passara a vigorar somente ao término do período de licença concedido. - Quando a filiação de um associado tiver cessado em virtude do estabelecimento no presente parágrafo, este poderá solicitar nova admissão, quer na mesma classificação, quer em outra, ficando dispensado do pagamento de joia de admissão. Artigo 21. – O titulo de associado poderá ser cancelado por falta de pagamento, a critério do Conselho diretor, decorridos dez dias do recebimento da notificação, por escrito, expedida trinta dias após o vencimento. § Único – O conselho diretor poderá readmitir o ex-associado a pedido deste e mediante o pagamento de debito existente, salvo se a classificação que anteriormente representava tiver sido preenchida. Artigo 22. – O conselho diretor poderá conceder uma licença de, no máximo, um ano ao associado que se mudar da localidade do Rotary Club ou de seus arredores, para conhecer e visitar outro clube na nova comunidade, desde que ativamente empenhado na mesma classificação de negócio ou profissão, e satisfação às condições da afiliação ao Clube. § Único – O conselho diretor pode permitir ao associado representativo, que se mudar da localidade do Rotary Club ou de seus arredores, a preservação da condição de associado se continuar a representar sua classificação e satisfazer todos os demais requisitos estabelecidos para a filiação ao Clube. Artigo 23. – O associado que não respeitar a frequência estipulada estará sujeito a ter seu titulo cancelado. § 1° - Qualquer associado que falte injustificadamente, ou não recupere a frequência, a quatro reuniões ordinárias consecutivas será informado pelo conselho diretor, de que suas faltas podem ser consideradas como pedido de baixa do quadro de associados do Rotary Club. Depois desse aviso, o Conselho Diretor, em caso de reincidência, por voto majoritário, poderá dar como cancelado o titulo.


68

I. II.

Artigo 24. – Poderá haver cancelamento do titulo, quando verificar causa justificada, reconhecida pelo Conselho diretor mediante o voto de pelo menos dois terço dos seus membros, em reunião convocada especialmente para tal fim, salvo se dirigente. § 1° - Antes do cancelamento conforme o disposto caput deste artigo, o associado Será notificado por escrito, com dez dias de antecedência, podendo encaminhar uma resposta, por escrito, ao Conselho diretor ou comparecer pessoalmente, na respectiva reunião, para apresentar sua defesa e assistir a deliberação. § 2° - A notificação será entregue por meio de portador, carta registrada, telegrama, email pessoal, remetida ao ultimo endereço conhecido do associado. § 3° - Dentro de sete dias após a data da deliberação do Conselho Diretor de cancelar titulo, o associado deverá ser notificado escrito da decisão, podendo, dentro de quatorze dias após a data de tal aviso, manifestar por escrito, sua intenção de interpor recurso, sendo que: A deliberação do conselho diretor, no prazo estipulado, se não for recorrida ao Rotary Club, deverá ser reconhecida como decisão final e imutável. Havendo a interposição de recurso, o conselho diretor convocará nos termos do presente Estatuto social, uma assembleia geral extraordinária do Rotary Club para julgamento do recurso interposto, a ser realizada no prazo de 21 dias após o recebimento da notificação. § 4° - Quando o conselho diretor cancelar o titulo de um associado obedecendo aos dispositivos deste artigo, o Rotary Club não poderá eleger novo associado para representar a classificação que o ex-associado detinha, ate que o prazo para interpor recurso tenha expirado e a decisão do clube tenha sido anunciada. § 5° - O associado detentor de mandato de dirigente somente poderá ter seu titulo cancelado por deliberação da Assembleia Geral. Artigo 25. O desligamento voluntário de associado poderá, a qualquer tempo, ser apresentado por escrito ao Presidente ou Secretário, e acatado pelo conselho diretor, desde que o associado esteja em dia com suas obrigações. SEÇÃO V – DA INEXISTÊNCIA DE RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA Artigo 26. – Os associados não responderão solidariamente, nem o mesmo subsidiariamente, pelas obrigações do Rotary Club, como também nenhum direito terão no caso de retirada ou exclusão, não recebendo remuneração ou honorários por serviços ou trabalhos realizados. § Único – Os associados independentes da categoria, não farão jus a restituição das contribuições prestadas ao patrimônio do clube/entidade, seja a que titulo for.

I. II. III. IV. V.

CAPÍTULO III – DA ASSEMBLEIA GERAL Artigo 27. – A assembleia geral, órgão soberano do Rotary Club, constituir-se-á de todos associados em pleno gozo de seus direitos legais, estatuários e regimentais. Artigo 28. – Compete à Assembleia Geral: Discutir a deliberar sobre todo e qualquer assunto de interesse do Rotary Club para o qual for convocada; Reformar o Estatuto Social; Aprovar e reformar o regimento interno; Decidir sobre a extinção do Rotary Club, observado no que couber o Estatuto Social do RI e o disposto no artigo 67°; Eleger ou destituir, a qualquer tempo, e empossar os conselheiros do Rotary Club, ressalvados as disposições especificas estabelecidas no presente Estatuto;


69

VI. VII. VIII.

I. II. III.

Tomar, anualmente, as contas dos dirigentes, e deliberar sobre os relatórios e as demonstrações financeiras por elas apresentadas; Julgar os recursos interpostos; e, Todas as demais atribuições previstas no presente Estatuto Social. § Único – Fica expressamente recomendado que não ocorra através do Rotary Club a aquisição de bens imóveis ou qualquer outro ato jurídico de eficácia de direito real sobre imóveis e/ou direitos sobre eles, de modo que compete à Assembleia Geral: 1) – Decidir sobre a possibilidade de alienar, hipotecar ou permutar bens patrimoniais, bem como de contrair obrigações de valor superior a 100 vezes a contribuição mensal de um associado representativo, concedendo, se for o caso, autorização ao Conselho diretor para tal fim; e, 2) – Conceder autorização para adquirir bens imóveis ou aceitar doações com encargos onerosos na qual; se faz necessário o quorum unânime de todos os associados do Roatry Club. Artigo 29. – A assembleia geral será convocada para fins determinados, mediante carta com AR (Aviso de Recebimento),com antecedência mínima de 08 dias. § 1° - Qualquer assembleia instalar-se-á em primeira convocação com 2/3 dos associados, em segunda convocação, decorridas tinha minutos, com qualquer numero. § 2° - As deliberações serão tomadas pela maioria de votos dos associados representativos presentes. § 3° - As deliberações serão tomadas necessariamente e sempre pelo voto concorde de 2/3dos associados presentes à assembleia especialmente convocada para este fim, não podendo ela deliberar em 1º. Convocação, sem a maioria absoluta dos associados, ou com menos de 1/3 nas convocações seguintes, no que tange às matérias, a saber: Extinguir o clube e nomear liquidante, Reformar parcial ou totalmente o presente Estatuto Social e o Regimento interno; e, Destituir membros do Conselho Diretor e Fiscal. Artigo 30. – A Assembleia Geral será convocada:

I. II. III. IV.

Pelo presidente do conselho diretor; Pela maioria dos membros do Conselho Diretor; PeloConselho Fiscal; e, Por 1/5 dos associados representativos, com notificação dirigida ao Presidente do Conselho Diretor. Artigo 31. - Quando a Assembleia Geral Extraordinária for solicitada pelos associados, as deliberações tomadas só serão válidas se o numero de participantes da mesma não for inferior ao numero de assinaturas contidas na solicitação. Artigo 32. – A alteração dos artigos 1° e 3° referentes, respectivamente, ao nome e a sede do Rotary Club, deverá ser submetida à aprovação do conselho diretor do RI, entrando em vigor, somente após assim ratificada. Artigo 33. – A Assembleia Geral reunir-se-á, Ordinariamente, no primeiro quadrimestre de cada exercício para: I. Tomar as contas dos dirigentes, examinar, discutir e votar o relatório de administração e as demonstrações contábeis e financeiras; e, II. Eleger os membros do conselho diretor e do conselho fiscal. Artigo 34. – A Assembleia Geral reunir-se-á Extraordinariamente, sempre que necessário para tratar de todos os assuntos que não sejam de competência da assembleia Geral Ordinária. CAPÍTULO IV – DA ADMINISTRAÇÃO Artigo 35. – São órgãos de administração do Rotary do Rotary Club: I . Conselho Diretor; e,


70

II. Conselho Fiscal. Artigo 36. – Toda pessoa que ocupe cargo nos órgãos de administração deverá ser associados do Rotary Club, em pleno gozo de seus direitos. Artigo 37. – Os diretores, conselheiros, associados, instituidores, benfeitores ou equivalentes, não perceberão remuneração, vantagens ou benefícios, direta ou indiretamente, por qualquer forma ou titulo, em razão das competências, funções ou atividades que lhe seja atribuída pelo presente Estatuto Social. Artigo 38. – Os órgãos de administração do Rotary Club, no desempenho de suas atividades deverão observar os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, economicidade, e eficiência. Artigo 39. – Toda pessoa que ocupa cargo nos órgãos de administração, não poderá obter de forma individual ou coletiva, benefícios ou vantagens pessoais, em decorrência da participação em processos decisórios, devendo para tanto ser adotado práticas administrativas eficientes no cumprimento do disposto no presente artigo. SEÇÃO I – DO CONSELHO DIRETOR Artigo 40. – Ao conselho diretor, formado pelos membros eleitos em assembleia geral, compete a administração executiva do Rotary Club e o controle geral sobre todas as comissões, podendo por justa causa, declarar qualquer cargo vago. § 1° - O conselho diretor se reunirá ordinariamente uma vez por mês, no dia e hora prescritos no regimento interno. § 2° - Por justa causa, o conselho diretor poderá transferir uma reunião ordinária para qualquer dia do período que se inicia no dia seguinte ao da reunião ordinária anterior e termina no dia que percebe a reunião ordinária subsequente, ou para uma hora distinta no dia regularmente, ou ainda para local distinto.

I. II. III. IV. V. VI.

Artigo 41 – O Conselho diretor será formado por um quadro de dirigentes do Rotary club, a saber: Presidente; Vice-presidente (um ou mais); Secretário; Tesoureiro; Diretor de protocolo; e, Outros designados pela Assembleia geral. Artigo 42. – Os mandatos serão de 01 ano, renováveis a critério da assembleia geral que os eleger. Artigo 43. – As posses dos demais conselheiros, inclusive fiscal, coincidirão com a do presidente do Rotary Club. Artigo 44. – Ao presidente compete a representação ativa a passiva, judicial e extrajudicial do Rotary Club, nos estreitos limites estabelecidos no presente Estatuto Social. § Único – Nas ausências e impedimentos ao presidente, esta será substituída pelo vice – presidente. Artigo 45. – O presidente, será eleito conforme estipulado no regimento interno, observado, no Maximo 02 anos e no mínimo 18 meses antes da data em que tomará posse de cargo, devendo servir como presidente, tomando posse no dia 1° de julho e servirá durante um ano ou até que seu sucessor tenha sido eleito. § 1° - O presidente eleito, a menos que autorizado pelo governador eleito, deverá participar do seminário distrital de treinamento para presidentes para presidente eleitos de clubes e da assembleia distrital.


71

§ 2° - Se o presidente eleito for dispensado do seminário, deverá enviar um representante do Rotary Club que posteriormente terá a obrigação de transmitir-lhe as informações obtidas. Artigo 46. – Os demais conselheiros serão eleitos conforme o estabelecimento no regimento interno e tomarão posse do cargo em Assembleia Geral Extraordinário, no dia 1° de julho imediatamente seguinte à sua eleição, servindo o período de seu mandado, ou até que seus sucessores tenham sido devidamente empossados. SEÇÃO II – DO CONSELHO FISCAL

I. II. III. IV. V. VI.

Artigo 47. – O conselho fiscal, é um órgão fiscalizador da gestão financeira do conselho diretor, tem sua instalação obrigatória e será composta de 03 membros efetivos e 01 suplente, eleitos entre os associados em pleno gozo de seus direitos estatuários e regimentais na forma estabelecida no regimento interno. Artigo 48. – O mandando do conselho fiscal coincidirá com mandado do conselho diretor. Artigo 49. – Compete ao conselho fiscal: Examinar livros contábeis e demais documentos relativos à escrituração; Verificar o estado do “caixa” e os valores em depósito; Examinar o relatório do conselho diretor e as demonstrações contábeis e financeiros anuais, emitindo parecer para deliberação da Assembleia Geral; Expor à assembleia Geral as irregularidades ou erros porventura encontrados, sugerindo medidas necessárias ao saneamento; Opinar e emitir parecer para deliberação da Assembleia geral, sobre os relatórios de desempenho financeiro e contábil bem como sobre as operações patrimoniais realizadas e apresentadas e ele pelo conselho diretor; e, Auditar a prestação de contas apresentadas pelo conselho diretor ou sugerir a eventual contratação de auditoria externa independente e acompanhar o respectivo trabalho. CAPÍTULO V – DOS ASSUNTOS ROTÁRIOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

I. II.

Artigo 50. – Qualquer assunto que envolva o bem – estar geral da comunidade, da nação e do mundo é do interesse dos associados do Rotary Club, é apropriado e pode ser estudado e discutido de maneira justa e imparcial em reunião do clube para o esclarecimento dos rotarianos na formação de suas opiniões individuais, não podendo, no entanto, este clube expressar opinião a respeito de qualquer questão de controvérsia publica. Artigo 51. – O Rotary Club não poderá referendar candidatos a cargos públicos, nem discutirá em qualquer de suas reuniões os méritos ou deméritos de candidatos políticos. Artigo 52. – É vedado ao Rotary Club: Adotar e fazer circular resoluções ou pareceres, bem como tomar medidas com referencia a questões mundiais ou problemas nacionais e internacionais de natureza política, e, Dirigir apelos aos clubes, pessoas ou governos, bem como enviar cartas, discursos ou planos propostos para a solução de problemas nacionais e internacionais específicos de natureza política. Artigo 53. – A semana do aniversário do Rotary e de fundação do Rotary (23 de fevereiro), será conhecida como “SEMANA DA PAZ E COMPREENSÃO MUNDIAL”. § Único – Durante este transcurso o Rotary Club deverá comemorar os serviços prestados pelo Rotary, refletir sobre as realizações alcançadas e destacar os programas em prol da paz, compreensão e boa vontade na comunidade e no mundo.


72

Artigo 54. – Todo associado do Rotary Club deverá ser assinante da revista oficial ou da revista regional aprovada e prescrita para o clube pelo conselho diretor do RI. §Único – Conforme previsto no regimento interno do RI, somente o conselho diretor do RI poderá dispensar o Rotary Club da obrigatoriamente de assinatura da Revista, conforme previsto no caput deste artigo. Artigo 55. – O exercício social do Rotary Club, tem início em 1° de julho e encerra-se em 30 de junho de cada ano. CAPÍTULO VII – DO PATRIMÔNIO – FONTES DE RECURSO PARA MANUTENÇÃO DA SOCIEDADE

I. II.

Artigo 56. – O patrimônio do Rotary Club compor-se-á dos bens móveis, imóveis, semoventes, ações e títulos da divida pública a ele pertencentes, etc., que venham a ser adquiridos por compra, doação ou legado, contribuições, donativos, auxílios oficiais ou subvenções de qualquer tipo de natureza. Contribuição dos associados; Contratos e acordos firmados com empresas e organismos de apoio nacionais e internacionais; Subvenções, doações ou legados; Artigo 63. – Nos exercícios que o Rotary Club receber recursos oriundos de termo de parceria firmado com o poder público, as demonstrações contábeis e financeiras deverão ser auditores externos independentes. Artigo 64. – O Rotary Club não distribuiu entre os seus associados, conselheiros, associados, instituidores, benfeitores ou equivalentes, eventuais excedentes operacionais, brutos ou líquidos, dividendos, bonificações, participações ou parcelas de seu patrimônio, auferidos mediante o exercício de suas atividades. CAPÍTULO VIII – DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 65. – O presente estatuto social entrará em vigor na data de seu registro em cartório. Artigo 66. – Os casos omissos no presente estatuto serão resolvidos pelo conselho diretor. Artigo 67. – O Rotary Club será dissolvido por decisão da assembleia geral extraordinária especialmente convocada para esse fim, quando se tornar impossível a continuação de suas atividades. §Único – Em caso de dissolução ou extinção, a Assembleia geral, destinará o eventual patrimônio liquido remanescente do clube, a outro clube, igualmente qualificado como OSCIP – Organização da sociedade civil de interesse publico, registrado noCNAS – Conselho nacional de assistência social e preferencialmente, com fins congêneres, ou entidades publicas . Artigo 68. – Na hipótese do Rotary Club, ter cassado o titulo de OSCIP, pelo ministério da justiça, o eventual acervo patrimonial disponível e adquirido com recursos públicos, durante o período em que perdurou a qualificação, será transferido a outra pessoa jurídica, qualificada como OSCIP e que preferencialmente, tenha o mesmo objeto social. Este documento foi assinado em Bandeirantes, no dia 10 de dezembro de 2003 pelo então presidente Isaías Gomes da Silva Junior, ratificado pelo advogado Dr. Luís Fernando Biaggi Júnior e devidamente registrado em cartório municipal e endossado


73

pelas testemunhas (rotarianos) Edson Hélio Bernardes da Silva, secretário da assembleia, Sr. Roldão Zambon, Geraldo Jacobucci, Roberto Castanho, José Roberto Altizani, Pedro de Fátimo Duque, Volney Luiz Pavão, SrªGenilda Amorim de Souza, Srª Wanda Rossi de Carvalho, Waterlay dos Santos Pedroso e Paulo Roberto Balla, ficando assim estabelecido o Estatuto Social do Rotary Club de Bandeirantes. PROJETOS ROTÁRIOS O PROGRAMA PÓLIO PLUS A tragédia da poliomielite é evitada de modo rotineiro mediante vacinas nos países industrializados, no entanto, esse terrível mal ainda é bastante comum nas nações em desenvolvimento. Mais de trinta anos após ter sido desenvolvida a primeira vacina antipólio, anualmente milhares de pessoas ainda são vitimadas pela poliomielite em todo o mundo. Cerca de 25.000 pessoas morrem e 25.000 sofrem os efeitos da paralisia por toda a vida. Nos países em desenvolvimento essas pessoas são condenadas a sobreviver à margem da sociedade. Através do Programa Pólio Plus da Fundação Rotária, o Rotary se comprometeu a livrar o mundo dessa ameaçadora e paralisante doença. Em colaboração com agências de saúde governamentais e internacionais, tais como a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF),o Pólio Plus providencia as vacinas antipólio e mobiliza especialistas rotarianos e apoio privado em auxílio aos programas de imunização de cinco anos de duração em países em desenvolvimento. O “Plus” no nome Pólio Plus representa o papel-chave que o Rotary exerce junto ao Programa Ampliado de Imunização da OMS, cujo objetivo é melhorar o nível da saúde infantil através de imunização contra seis doenças, prevê níveis mediante vacinação contra: a poliomielite, sarampo, difteria, tuberculose, tétano e coqueluche. O programa também ajuda a fortalecer sistemas privados de atendimento médico, orienta e educa os pais sobre a necessidade de imunização e, ocasionalmente, suplementa o suprimento de outras vacinas, além da antipólio. O Rotary iniciou sua luta contra essas ameaçadoras doenças em 1979, quando lançou um projeto para proteger seis milhões de crianças das Filipinas contra a poliomielite. Até junho de 1985, o programa já havia distribuído cerca de 38 milhões de doses de vários tipos. Nos nove meses seguintes, o Rotary intensificou seus esforços com o lançamento do programa Pólio Plus e sua meta de imunizar a população infantil mundial até o ano 2005, centenário do Rotary. Pólio Plus, o mais ambicioso programa na história do Rotary, evoluiu rapidamente com o apoio que lhe foi estendido pelos Rotarianos do mundo inteiro na forma de doações monetárias, potencial humano, suprimentos, transportes e publicidade. Até dezembro de 1988 os curadores da fundação Rotary já haviam aprovado subsídios Pólio Plus a 79 países para imunizar mais de 454 milhões de crianças. O sucesso do Pólio Plus ajudou a convencer a OMS a estabelecer oficialmente o ano 2000 como meta para obtenção da erradicação da poliomielite, uma decisão histórica de reconhecimento do trabalho do Rotary e de que sua meta podia ser alcançada.


74

Nacampanha de levantamento de fundos gerada por ocasião do lançamento do programa Pólio Plus, calculava-se que o custo das vacinas necessárias para controlar a doença mundialmente seria de 120 milhões de dólares. Para levantar essa importância, o Rotary lançou uma intensiva campanha de dois anos de duração que exigiu grandes esforços organizacionais. Cerca de 5.000 rotarianos colaboraram como coordenadores e membros de comissão em nível internacional, nacional e local. Milhares de outros trabalharam ativamente em atividades de angariação de fundos em nível de clube. Foram excelentes os frutos desses esforços. Na convenção de 1988 do R.I., na Filadélfia, Pensilvânia, EUA, o Rotary comemorou o sucesso dessa campanha. Balões, luzes coloridas e fogos de artifício acompanharam o anúncio de que US$ 219,350,449.00 haviam sido angariados em efetivo ou doação prometidas, ou seja, quase o dobro da meta originalmente estabelecida. Eventualmente, cerca de US$230 milhões terminaram sendo angariados. Embora firmas, fundações e agências governamentais tenham doadogenerosamente à campanha, mais de 75 por cento dos fundos vieram de fontes rotárias, seja através de donativos pessoais de rotarianos e seus familiares, seja através de fundações de fundos arrecadados pelos clubes e distritos. Depois de trabalhar arduamente para alcançar sua meta, os rotarianos continuam a se dedicar com afinco ao sucesso do programa coletando o pagamento de doações prometidas por indivíduos ou clubes, doando o equipamento, os suprimentos e o transporte necessários para a pronta entrega das vacinas, bem como colaborando com projetos de imunização em seus países. Numa segunda fase, quando a campanha do Rotary para levantar 120 milhões de dólares se iniciou em 1986, a tarefa parecia de proporções demasiado grandes e a meta muito distante. No entanto, a dedicação dos rotarianos em prol do bem-estar das crianças do mundo transformou o programa num sucesso retumbante, com o montante arrecadado ou prometido superando em mais de 85 por cento a meta inicial. Os fundos além dos US$ 120 milhões iniciais são utilizados durante a “Fase II”, estabelecida pelos curadores da Fundação Rotária para continuar fomentando os objetivos do programa Pólio Plus. A Fase II é um plano que visa a outorgar subsídios adicionais por até cinco anos a mais para países em dificuldades financeiras para a aquisição de vacinas antipólio; estabelecimento de correntes de apoio à mobilização social, treinamento e métodos de controle para detectar todos os casos de poliomielite naqueles países que concordarem em estabelecer um ano como meta para a erradicação da pólio ou uma redução específica em sua incidência; e estabelecimento de clínicas ou postos de saúde volantes para proporcionar cirurgia a preço acessível a jovens vítimas da doença. Aparticipação dos rotarianos nos projetos de imunização, para muitos rotarianos, além de participar das atividades de angariação de fundos, têm também a oportunidade de participar pessoalmente do próprio programa de imunização. A afiliação internacional do Rotary oferece o enorme potencial para participar diretamente de projetos Pólio Plus em muitas partes do mundo. Para coordenar essa enorme rede de trabalho potencial, a Força Tarefa de Imunização do RI conduz seminários nos países onde estão sendo implementados projetos a fim de treinar rotarianos voluntários interessados em colaborar com o programa de imunização. A participação dos rotarianos acrescentou uma nova dimensão ao programa,por exemplo: Durante os dias de imunização antipólio no México, rotarianos proporcionaram o gelo necessário para manter as vacinas a uma temperatura adequada para sua conservação, transporte para colaboradores e suprimentos,trabalho em postos de imunização e publicidade para a campanha de vacinação. O valor do apoio concedido pelos rotarianos foi calculado em 5 milhões de dólares.


75

Seminários de treinamento de voluntários em 1.500 comunidades da Índia contaram com a preparação de 35.000 rotarianos e seus cônjuges, rotaractianos, interactianos e membros de Núcleo Rotary de Desenvolvimento Comunitário para colaborar na vacinação de crianças em áreas onde o nível de imunização é baixo. Rotarianos de Ruanda estão promovendo Pólio Plus através da preparação de material educativo, organização de seminários para crianças de escola de primeiro grau, supervisão de pesquisas de casa em casa para determinar as necessidades do campo da imunização, organização de concursos de arte e redação, custeamento, produção e distribuição de dois cartazes e criando historias em quadrinhos. “É impossível dizer quantos rotarianos têm dedicado o seu tempo, esforço e energia a esse extraordinário programa’’, disse Leslie S. Wright, presidente da comissão internacional da campanha Pólio Plus. “Trabalhamos em conjunto, mais de 24.000 clubes, através de um verdadeiro espírito de companheirismo e amizade para servir a comunidade mundial.” Atualmente a poliomielite é considerada uma doença erradicada no Brasil, graças ao apoio e dedicação do Rotary Club e seu programa Pólio Plus.

Jovens do Interact Club de Bandeirantes durante vacinação contra poliomielite.

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DE JOVENS Eles escalaram picos cobertos de neve nos Alpes Suíços, conheceram a exuberante selva amazônica no Brasil, remaram com os Escoteiros do Mar na costa do Japão, participaram de safáris através de Queensland, excursionaram pelas maiores minas de diamantes do mundo na África do Sul, e fizeram mil outras coisas em suas jornadas para tornaram-se verdadeiros cidadãos do mundo. Sua curiosidade, vontade de conhecer e desejo de aprender como os outros vivem são igualados a sua disposição para atender costumes de vida que diferem dos seus próprios. Quem são estes viajantes tão interessantes e inteligentes? Eles são milhares através das oportunidades abertas pelo programa de intercâmbio de jovens do Rotary. O intercâmbio de jovens é uma parte essencial e extraordinariamente bem sucedida dos esforços de serviços internacionais do Rotary. Cada ano são enviados milhares de estudantes, quase sempre do segundo ciclo, entre 15 e 19 anos de idade, para completarem sua educação em países que não os seus próprios. Ao fazer isto,o


76

programa que promove a quarta avenida de Serviços do Rotary está ajudando a fomentar a compreensão mundial, a boa vontade e a paz, dando a estes jovens a oportunidade de enriquecer o seu conhecimento sobre si próprios e os outros. Mais da metade estuda no exterior por um ano letivo completo, os demais são enviados por um período de férias ou por intermédio de outros programas de curta duração. Um estudante Canadense assim escreveu sua estada na Colômbia: “No início, me senti um pouco isolado em meu país anfitrião, pois aindanão falava muito o idioma nativo.Entretanto, em poucos meses, quando aprendi a me comunicar mais fluentemente, percebi que oscolombianos eram amistosos e cordiais. Desfrutei bastante o meu intercâmbio e retornei com um senso de apreciação ainda maior pelo meu país”. O RI oferece uma série de publicação sobre o intercâmbio de jovens.O programa é igualmente popular entre os jovens, necessariamente, envolve famílias de rotarianos e outras pessoas da comunidade. No Intercâmbio de Jovens, como em todos os outros programas pró-juventude patrocinados por Rotary, os sócios do clube são incentivados a seguir o lema; “Cada Rotariano, um Exemplo para a Juventude”. O lema incentiva que cada rotariano, através de seu comportamento e alto padrão de conduta, ofereça exemplos dignos de serem seguidos pelos jovens, nos seus relacionamentos humanos. Os governos de distrito são incentivados pelo Conselho Diretor do Rotary International a indicar rotarianos qualificados que se tornem responsáveis a nível distrital pelo Intercâmbio de Jovens, para tratar dos aspectos importantes do programa. Um distrito pode optar por receber ou enviar estudantes, ou o que é mais comum, fazer ambas as coisas. Uma adolescente patrocinada por um distrito em Wisconsim, EUA, foi estudar em Bacolod, nas Filipinas. Lá, foi recebida no aeroporto pela primeira das quatro famílias com quem iria morar durante seu ano de estudos no exterior. O Rotary Club local procurou envolvê-la em várias de suas atividades e ela retornou o favor dando uma palestra no clube e apresentando um número de dança “subli”, típica do local. Seus anfitriões lhe apresentam aspectos da vida filipina e ela, por sua vez, auxiliou o clube anfitrião junto às clinicas oftalmológicas ambulantes organizadas pelo mesmo. No ínterim, do outro lado do mundo, em Wisconsin, suas cartas sobre a vida nas Filipinas eram publicadas regularmente no diário local. O papel da família anfitriã é especialmente importante. A família tem a responsabilidade de supervisionar o estudante de intercâmbio da mesma maneira como fariam seus próprios pais. Normalmente, o estudante mora com duas ou três famílias durante o ano, o que dá a ele ou ela melhor oportunidade de um conhecimento mais amplo dos costumes e da cultura do país anfitrião. Além de se concentrar nos estudos, o jovem excursiona, descansa e compartilha das tarefas caseiras com os demais membros de sua nova família. Em quase todos os casos, estabelecem-se profundos laços de amizade e mesmo um sentimento de fraternidade, que são profundamente gratificantes tanto para o estudante como para a família do anfitrião. De fato, o impacto da viagem dura para sempre! Uma das mães anfitriãs da Austrália escreveu um comovente comentário sobre uma jovem japonesa chamada Etsuko e outros intercambistas que teve o prazer de hospedar: “Os meses que passamos juntos praticamente voaram e, agora, tudo que nos resta são valiosas e agradáveis lembranças dessa tímida e adorável garota. Além de Etsuko, vários outros estudantes foram hospedados por nossa família – Latinos, africanos, alemães, americanos e filipinos. Cada um encontrou um cantinho em nossa família internacional, e cada um, ao retornar a seu país de origem, levou consigo um pedaço de nosso coração”. Apesar do fato de haver adultos envolvidos no programa, é o jovem intercambiado que tem o papel principal. A impressão que o estudante oferece, como


77

age, fala e convive com a família anfitriã e a comunidade em geral não só reflete o caráter pessoal, mas também a cultura de seu país de origem. Como disse a mãe de uma família anfitriã. O estudante torna-se não apenas um embaixador de seu país mas também parte integrante de sua família anfitriã nessa nova pátria. O estudante deve, portanto, compartilhar com os seus anfitriões o maior conhecimento de sua terra nativa e de seu passado. Uma maneira de fazer isto é dando palestras ao Rotary Club da comunidade anfitriã. Os rotarianos frequentemente organizam tais programas bem como promovem oportunidades para que os jovens sejam convidados a falar em reuniões de outras organizações da comunidade, inclusive escolas. O estudante deve corresponder-se regularmente com o distrito rotário que o enviou ao exterior, contando sobre suas novas experiências e impressões à medida que elas ocorram. Viver e aprender em outra nação é uma jornada de amizade. Ao mesmo tempo, a experiência modela o caráter e estimula o crescimento pessoal. Um novo nível de maturidade brilha nestas linhas de um poema “Verão Coreano” escrito por uma estudante de Intercâmbio de jovens: “Exótico. Antigo. Misterioso como meu lar nunca poderia ser... Eu estou nitidamente, docemente, sozinha. Sozinha em um mundo de rostos escuros, redondos, amáveis, mas, ainda assim, não estou feliz. De onde veio esta força? Esta confiança? Como me tornei tão serena, auto controlada, satisfeita? Quem é esta mulher que era, não há muito tempo, uma criança?” Uma razão pela qual a experiência de viver no exterior amadurece o jovem é porque lhe oferece uma oportunidade de ver de perto outra sociedade. Nesse processo, o estudante torna-se mais conhecedor de como a sociedade funcionaem seu país de origem, pois ele não pode evitar a comparação dos contrastes das instituições no país anfitrião com aquelas de sua terra natal. Além do mais, o jovem começa a ver e entender como nações diferentes se encaixam para formar o mundo.

Fonte: Jornal Líder - 18 de agosto de 1999. A intercambista Nicolette Lee Aviles dos Estados Unidos da América foi recebida na residência do companheiro rotariano de Bandeirantes José Roberto Altizani desde o dia 12 de agosto de 1999. Durante a fase de intercâmbio rotário a


78

jovem estudou na Escola Estadual Mailon Medeiros. Por outro lado, a filha do companheiro José Roberto Altizani, Roberta Altizani, de Bandeirantes, cumpriu uma estada de um ano nos EUA. Com certeza, foram períodos de grande troca de bagagens culturais e humanísticas obtidos por estes intercambistas do Rotary International, assim como pelas famílias de companheiros rotários que os receberam em suas estadas respectivas nos dois países cujas fronteiras se estreitam através do companheirismo do Rotary Club. Nos anos finais de 1987, a família anfitriã do companheiro Dr. Édson H. Bernardes da Silva recebeu o intercambista Mathew Charles Bugbee, dos EUA, em sua residência, e, em contrapartida enviou seu filho Luis Marcelo Mafra Bernardes da Silva para um ano de intercâmbio em Oregon, nos EUA. Em 1995 enviou-se Leandra Lopes Castanho a Cozad no Nebrasca, nos EUA; em 1997 enviou-se Cibele à Índia; em 1998 enviou-se Roberta Altizani a Muskegon, no Michigan, nos EUA; em 2000 a Diego Enjoji aos EUA; em 2002 a Marcelo Victor Fuji Ottoboni à Finlândia; em 2002, a Dayane Giselle Guimarães Carpi ao México; em 2003, a Mariana Fordelone Rosa Cruz aos EUA e em 2006, a Laysa Bianka Bohrer Gonçalves para Puebla, no México. Todos os intercambistas permaneceram 1 ano nos países a que se destinaram ir. Em contrapartida o Rotary Club de Bandeirantes recebeu os seguintes intercambistas estrangeiros: em 1987, o estadunidense Mathew Charles Bugbee; em 1996, Maria José Gaido, de Oncativo, Córdoba, da Argentina; em 1998, Nicoletti Lee Aviles, de Aurora, Illinois, EUA; em 2001, Omar Alberto Nunes Paz, de Vera Cruz, do México; em 2002, Emmi Johana Kytosalmi, da Finlândia; em 2003, Samuel Sosa Derati, do México; em 2006, Sarai Hernandes Ruiz, de Nueva Rosita, Coahuila, México. Todos estes intercambistas permaneceram por 1 ano no Brasil, sediados no município de Bandeirantes, Paraná, sob a tutela de famílias do Rotary Club local. No Intercâmbio de Grupo de Estudo – IGE, o Rotary Club de Bandeirantes enviou em 1997 Marcelo Otênio a Portugal (D. 1960); em 1999, Marisa Fordelone Rosa CVruz a Itália (D. 2050); em 2009 Elizabeth Daros - RCP - à Austrália e em 2011, enviou Alexandre Henrique de Souza à Índia (D.3212). Enquanto o RC de Bandeirantes recebeu os seguintes IGE, com o objetivo de grupo de estudos e troca de experiências profissionais: Em 1989/1990 – Grupo dos EUA/Canadá; em 1996/1997 – Grupo da Índia; em 1997/1998 Grupo de Portugal; em 1997/1998 – Grupo do Alasca; em 1998/1999 Grupo da Alemanha; em 2010/2011 - Grupo dos EUA (distrito 6490) e em 2011/2012 recebeu o Grupo da Índia (distrito 3212). Outra participação do Rotary Club de Bandeirantes é através do programa de bolsas de estudo de duração de 1 ano, que foram concedidas em 1999/2000 a Nádia Keiko Arai, para o Japão (D. 2700) e a Marcelo Otênio, para Portugal (D. 1960). PROJETO BOM VIZINHO

Banner do Estádio de Futebol Luiz Meneghel – BR 369


79

O projeto Bom Vizinho anuncia solidariedade e segurança no município de Bandeirantes, pois é um projeto comunitário que une moradores e lideranças municipais, com o objetivo de dar um basta à violência que grassa em todas as áreas urbanas e rurais da cidade do norte do Paraná, geralmente gerada por infratores, criminosos e dependentes químicos que assaltam lojas, residências e órgãos públicos, atentando contra patrimônios e vidas humanas. É um projeto de Segurança Pública Comunitária que vem ganhando força e se destacando no Norte do Paraná. Foi criado no início de 2009, visando a combater a onda de vandalismo, perturbações da ordem geral e assaltos a mão armada, latrocínios e estupros na região de Bandeirantes. Os clubes de serviço como o Rotary Club e outras entidades decidiram envolver a população nessa campanha que, nos últimos 3 anos, vem alcançando níveis satisfatórios efetividade e diminuindo sensivelmente a violência urbana, principalmente nos bairros e vilas periféricos de Bandeirantes. Este projeto de segurança pública foi uma iniciativa do Rotary Club de Bandeirantes e contou com o suporte legal do delegado de polícia Dr. RogérioAntonio Lopes. Esta iniciativa visava a, principalmente, promover a integração entre os moradores urbanos, conscientizando-os de que cada qual possui sua parcela de responsabilidade na tarefa de promover a segurança pública, que é um dever constitucional do Estado, mas a responsabilidade é de todos. O atual delegado de polícia municipal, Dr. Alessandro Roberto Luz afirma que “O projeto Bom Vizinho é um sistema de segurança no qual cada cidadão é uma peça integrante e atua sem se expor ou correr riscos para si, para melhorar a segurança de seu bairro”. A partir do projeto elaborado, o grupo gestor ajustou sua aplicação à realidade de Bandeirantes. O processo definiu ainda um modelo de gestão que resultou em diversas providências, entre ela, a confecção de uma cartilha informativa que destaca as atribuições da comunidade contra a violência. O custo total do projeto orça em R$50 mil, A Vila Maria foi primeira a receber os integrantes do grupo e todo o material de divulgação, pois esta vila possui a maior área residencial de estudantes universitários, e está propícia a assaltos quando das férias e onde já houve tentativas de estupro a alunas em anos posteriores, além de ser um bairro essencialmente residencial, com repúblicas de estudantes e moradores em geral. O patrocínio do projeto conta com empresas e indústrias da cidade e o apoio de clubes de serviço e de gestão pública como: Polícia Militar do Paraná, Polícia Civil do Paraná, Corpo de Bombeiros, Conseg, Rotary International, Rotaract e Interact Clubs, ASR – Associação das Senhoras de Rotarianos de Bandeirantes, Lions Club International, AMO- Sul, UNOPAR, ACEB, Fiep/ Ciep/Sesi/Senai/Iel, Loja Maçônica Estrela de Bandeirantes, Rádio Cidade Bandy, Yara FM, Rádio Cabiúna e Jornal Folha do Norte. O projeto é baseado em células compostas de 4 moradias, em que cada vizinho fica responsável a monitorar as casas dos outros 3 vizinhos, as casas laterais e as da frente, assim sucessivamente até que todas as residências do bairro estejam sob proteção de um bom vizinho; ainda a população é orientada para, em caso de suspeita, acionar a polícia imediatamente pelo fone 190, uma vez que a ligação é gratuita e a pessoa não precisa se identificar ao denunciar suspeitos. O companheiro rotariano e ex-presidente Paulo Roberto Balla, autor da proposta de Segurança Comunitária em Bandeirantes lembra que a campanha buscou o envolvimento das autoridades competentes desde o seu início; já em 2010 foi convocada uma reunião de emergência sobre o tema. Nos dizeres de Paulo R. Balla, “Convocamos todas as instituições sociais do município, além de lideranças políticas, religiosas, empresariais e líderes de bairros, e, para nossa surpresa, mais de 150


80

pessoas compareceram ao encontro, exceto (sic) representantes da Prefeitura Municipal de Bandeirantes, da sua respectiva Câmara de Vereadores e do Judiciário. A preocupação com o aumento da criminalidade estava na manifestação de todos e a campanha foi então finalmente decidida”. (Fonte: Fola de Londrina – 19/outubro/2011). A fim de justificar o envolvimento do Rotary Club de Bandeirantes e outras entidades no projeto, os integrantes do grupo de apoio elaboraram uma pesquisa com todas as estatísticas criminais no município de Bandeirantes. Segundo Paulo Roberto Balla, “Os casos de assaltos e roubos a mão armada, latrocínios, perturbação do sossego, vandalismo e estupro em bairros e vilas haviam aumentado consideravelmente naquele ano e a população estava desesperada e pedindo uma soluça urgente.” Para o comandante da Polícia Militar, Capitão Jeferson Agenor Busnello, o projeto Bom Vizinho contribui para o trabalho preventivo da PM em Bandeirantes, pois, segundo ele, “...é sem dúvida uma força auxiliar que permite o atendimento mais rápido e eficiente em casos de roubo a residências principalmente.” Até agora, o projeto Bom Vizinho tem sido um parceiro importante da PM e a partir de sua aplicação houve uma considerável diminuição nesse e em outros casos de violência urbana. O grupo gestor é composto por lideranças de toda sociedade bandeirantense. De acordo com o atual presidente do Rotary Club de Bandeirantes, Celso Belizário, a união de esforços permite que o projeto Bom Vizinho caminhe até atingir a todos os bairros e vilas da cidade. O envolvimento de classe, imprensa, empresários e da população vem garantindo a continuidade do programa que é hoje comemorado em todo o município. No começo de 2012, o grupo gestor vai encomendar uma nova pesquisa para levantar os índices de violência no município para ser devidamente comparado às pesquisas de 2010. A população aprova e participa do projeto, que para maior divulgação do mesmo, através do Rotary Club de Bandeirantes, pôs grandes Banners em vários pontos estratégicos da cidade, como o acima ilustrado, no Campo do União, onde passam muitos estudantes universitários, além de inúmeros cartazes nos muros da cidade. Esta iniciativa do Rotary Club de Bandeirantes veio ao encontro dos anseios populares por segurança pública e conta com a participação maciça da população bandeirantense, que, além de ser a maior beneficiada, também é a maior parceira do projeto Bom Vizinho. O ROTARY INTERNATIONAL E AS FUTURAS GERAÇÕES Desde o inicio do Rotary Club, a maior parcela dos rotarianos têm sido pais de família. Assim, era natural que o cuidado que dispensavam a seus próprios filhos se estendesse às crianças de outras famílias em suas próprias comunidades e em outras partes do mundo todo. Portanto, quando um jovem de 18 anos de idade, filho de um rotariano de Elyria, Ohio, E.U.A, morreu por falta de tratamento de emergência adequado, após um acidente ferroviário, seu pai começou a trabalhar para evitar a repetição de tragédias semelhantes,vendeu seu negócio e iniciou uma campanha para construção de um hospital especializado,tornou-se imensamente preocupado com a condição e negligência para com as crianças com deficiência física, e,convenceu seus companheiros rotarianos a se unirem a ele para fundarem a “Ohio Society for CrippledChildren.”


81

Consideravelmente auxiliado pelos rotarianos, aquele grupo, então de âmbito estadual, desenvolveu-se em uma organização de âmbito nacional, conhecida por “Easter Seal Society” dos E.U.A. O sonho de Edgar F. Allen, “Daddy”, de cuidar, tratar e educar as crianças incapacitadas do mundo, progrediu através de um descendente direto de sua sociedade original: “Rehabilitation International”, uma liga de organizações a serviço dos incapacitados, em 61 países. Além disso, centenas de Rotary Clubs trabalharam na localidade, com crianças deficientes. O Rotary Club de Chicago patrocina uma clínica de reabilitação intensiva, onde os jovens podem receber tratamento terapêutico e treinamento com aparelhos para corrigirem suas incapacidades. Em Taitung, Formosa, uma clínica local acomoda 65 crianças com vários tipos de deficiências, resultantes de poliomielite. Esta é mantida por dezenove Rotary Clubs – dezoito nos E.U.A. e um em Taitung. O Rotary tem sempre auxiliado a geração seguinte. Os Rotary Clubs patrocinam o escotismos para meninos e meninas, mantêm clubes de meninos, clubes de jovens, acampamento de verão, parques de diversão, piscinas e parques, concedem empréstimos e bolsas de estudo a estudantes de colégio e para treinamento técnico, proporcionam orientação sobre carreira profissional, concursos de composição e exposição de arte, para incentivar jovens talentosos. Milhares de estudantes secundários cruzam as fronteiras internacionais, anualmente, para excursão ou estudo no estrangeiro, sob os auspícios do Rotary. Por vários anos, milhares de estudantes têm continuado seus estudos superiores no estrangeiro, graças á fundação Rotária, a qual recentemente estendeu o seu programa para incluir atividades nãoacadêmicas, visando a aumentar a compreensão internacional. Uma nova dimensão para o Rotary surgiu em 1962, com a criação do Interact Club para jovens. Todo Interact Club é patrocinado por um Rotary Club e se dedica a projetos de serviços à comunidade e a promoção da compreensão mundial. O Interact tem sido um dos projetos mais empreendedores e significativos do Rotary. No principio, era um clube só para rapazes, hoje inclui ambos os sexos, uma vez que estejam cursando um dos quatro anos pré-universitários. De cinco Interact Clubs em 1962, localizadas no México, na Índia, Itália e nos Estados Unidos, o Interact conta agora com mais de 3.000 clubes, distribuídos em setenta países, e com 70 mil sócios. O adolescente do Interact e seu sucesso fenomenal levaram à inevitável criação de outra organização, cinco anos mais tarde, devido à pergunta de seus jovens membros: “Que acontecerá com o Interact, depois que sairmos do colégio e formos para a universidade?” O Rotaract foi a resposta. O Rotaract é uma organização de jovens de 18 a 28 anos de idade, dedicados ao ideal de servir à comunidade, à sua profissão e à humanidade inteira. Como o Interact Club, seus clubes são patrocinados por Rotary Clubs locais. Durante seus primeiros cinco anos, o Rotaract atraiu cerca de 35 mil sócios, distribuídos em 60 países, estendendo-se cada vez mais em nacionalidade, raça, religião e língua. Como o Interact, ele prospera no mundo inteiro, e a sua popularidade não se atribui facilmente a características nacionais ou a nenhum outro fator, a não ser o interesse e a iniciativa dos Rotary Clubs locais. Todas estas atividades contribuem para a união dos rotarianos e jovens, de maneira que a frase “Serviço Pró-Juventude”, frequentemente usada hoje em dia, pode ser substituída por “Serviço Com a Juventude”, que é especialmente apropriada para as décadas de 70 e 80. Esta nova expressão identifica-se com algumas das características de nossa época: a crescente sensibilidade dos jovens para com a justiça, a dor, os valores morais de seu mundo, sua compaixão, prontidão para agir,


82

sua própria vulnerabilidade para com as influências do mal e pressão dos impactos opressivos e a exigência de participar do planejamento de um mundo melhor. O Interact e Rotaract oferecem excelentes oportunidades para jovens e veteranos conversarem, planejarem e trabalhem juntos, num ambiente de respeito e companheirismo mútuos. Oportunidades semelhantes são apresentadas em outros contextos. Por exemplo, na Austrália, os vencedores dos “Prêmios Rotários de Liderança Juvenil” (RILA) se reúnem com seus companheiros rotarianos, em seminários de uma semana sobre liderança. Interact e Rotaract, programas de liderança juvenil (RILA), juntos, apresentam uma escala variada de atividades com a juventude, mas não abarcam o quadro completo. Porexemplo, o Rotary Club de Viajayawada, na Índia, criou uma biblioteca para crianças, como parte de um parque infantil. O Rotary Club de Cadiz, em Kentucky, E.U.A, organizou uma campanha na comunidade para angariar US$100 mil para a construção de uma biblioteca e um centro para a juventude – e isto, numa comunidade de 2.000 pessoas! Em Umtali, na Rodésia, as esposas dos rotarianos estão ativamente ajudando seus esposos no trabalho com as meninas da “Casa do Bom Samaritano”. A mudança rápida da índole de nossa sociedade tem causado um tremendo impacto emnossa juventude. A tecnologia moderna libertou o jovem da necessidade de trabalhar em idade precoce, exigindo dele prévio conhecimento através de um treinamento altamente técnico e sofisticado. Adiamento de responsabilidades profissionais, diminuição da idade para aumento de conhecimento acadêmico pessoal e maturidade, diminuição da idade para direitos políticos, aumento de meios da locomoção custeados pela prosperidade social, afrouxamento dos laços familiares, o paradoxo da dilatação da separação existente entre a riqueza do solo, a revolta contra o materialismo, a defesa ardente de muitas causas idealistas – tudo isso contribuiu para produzir o distúrbio nos padrões morais e éticos, impaciência para com as autoridades constituídas e uma forte reação contra as religiões existentes e das conveniências sociais. Os Rotary Clubs podem e têm participado na promoção de meios para a educação, desde livros até computadores; na construção de escolas, desde acampamentos de diversões até universidades, no treinamento de jovens em como servir à sociedade através de trabalho, desde um melhor cultivo de arroz até a construção de aeronaves. Mas o papel de maior importância para os rotarianos no futuro consiste em trabalhar, trocar ideias com a juventude e ouvi-la, e aproveitar o idealismo, energia, imaginação, empreendimentos e coragem dos jovens nas grandes realizações futuras. Para o Rotary, as gerações futuras significam o futuro da própria humanidade, uma vez que os jovens estão em sintonia e vivenciando os problemas por que passa o mundo, exigindo-lhes respostas e soluções não apenas tecnológicas, mas humanísticas e sociais. O Rotary patrocina outros programas oficiais que dão aos jovens a oportunidade de trabalharem juntos em confraternização mundial dedicado ao progresso da causa da compreensão internacional, paz e boa vontade. Por exemplo, hospitalidade também é oferecida a participantes de intercâmbios não patrocinados pelo Rotary que frequentem escolas num distrito rotário. Os rotarianos convidam esses jovens visitantes a sua casa e os fazem se sentir à vontade mediante conversação, refeições típicas e entretenimento. Emissários do intercâmbio de jovens do Rotary, rotaractinos, interactianos, e famílias de rotarianos também se beneficiam desses encontros incrementado o estabelecimento de amizades internacionais entre esses jovens como nas campanhas


83

para angariar fundos a fim de adquirir suprimentos médicos para as vitimas da fome na Etiópia. O ROTARACT CLUB O Rotaract tem como essência um certo idealismo que só o jovem pode experimentar. Jovens, de ambos os sexos, entre 18 e 28 anos de idade, em mais de 60 países, usam com orgulho o distintivo vermelho e amarelo do Rotaract. A maioria dos Rotaract Clubs conta com 20 a 30 jovens que, embora discordem frequentemente em questões políticas, morais e religiosas, estão trabalhando ativamente em seus projetos preferidos de serviço à comunidade, internacionais e profissionais, para alcançarem um objetivo: um novo mundo, em que as pessoas possam sentir-se livres da opressão da pobreza, doença, infelicidade, solidão e preconceito. As diferenças de opinião sobre como alcançar este objetivo são incentiváveis, mas pode ser asseguradoque centenas de projetos e atividades bem sucedidas em todos os continentes dão testemunho de que o Rotaract é um sucesso internacional. A organização de uma biblioteca em Papua, Nova Guiné, a doação de um motor de automóvel, para instrução de uma escola profissional, e de mantimentos e roupas às vítimas da fome na África, e o auxílio a pensionatos, aos incapazes de manterem suas próprias casas, são bons trabalhos realizados, graças aos rotaractianos e seu interesse. A angariação de fundos constituía, muitas vezes, um motivo de diversão em vez de uma tarefa penosa, devido à jovialidade de seus membros. Promoção beneficente de diversos tipos, tais como festas, concertos, feiras e barracas à beira de estradas, e jogos de raquete e bola, corridas de bicicleta e jangada e muitas outras atividades desse tipo têm sido realizadas pelo Rotaract em todo o mundo. Muitos dos projetos do Rotaract exigem mais tempo, talento ou grande esforço físico do que dinheiro propriamente. Por exemplo, o Rotaract Club no Norte de Brisbane leva mensalmente um grupo de cerca de 60 pessoas idosas para um passeio à praia, a um piquenique no parque ou a um concerto. Os programas tem sido de grande valor e proporcionam satisfação a ambos os grupos. Repetidas vezes, tem-se visto o distintivo do Rotaract abrir portas para amizades duradouras entre jovens de diferentes nacionalidades. Em 1971, em Saigão entregouse a um jovem órfão certa quantia para assistir em sua educação, foi doada pelos 22Rotaract Clubs da Austrália e Papua - Nova Guiné, do Distrito260. As técnicas organizacionais de longa duração são absorvidas pelos rotaractianos em suas reuniões semanais e quinzenais. Com o auxílio dos conselheiros rotarianos, aprendem sobre os assuntos financeiros do clube, como falar em público e adquirem até mesmo desembaraço social. Os oradores convidados incutem em suas mentes novas ideias das quais surgem os projetos futuros. Atualmente o Rotaract Club conta com cerca de 209000 membros efetivos em seu quadro social. John Gardner, ex-membro do gabinete do governo dos E.U.A., disse: “Os jovens desta geração estão talvez mais alerta quanto aos problemas de uma sociedade grande do que esteve qualquer geração passada. Mas ao iniciarem sua carreira, é bem provável que seu interesse diminua. Pelo seu ativismo, apresentam todos os sinais de seguirem as tendências da época – alguns anos de preocupação irascível por uma sociedade melhor, caracterizada pela exigência de soluções


84

imediatas de todos os problemas mundiais – e depois, então, caem na apatia e desinteresse esinteresse que caracterizam os jovens executivos ou profissionais.” profissionais. Pode-se crer que aqueles que ingressam ao Rotaract não terão o mesmo destino, conquanto todo rotaractiano otaractiano se torne sócio do Rotaract por diferentes razões – fazer amizades, conseguir uma vida social completa, vencer a solidão ou o sentimento de alienação – todos participam de atividades para beneficiar os outros. O Rotaract habilita os jovens a fazerem erem mais do que reclamarem e criticarem: abre-lhes abre o caminho para a ação, para realizar aquilo que desejam ver realizado no mundo. Transcrevemos, na íntegra, as palavras de Carlos Roberto da Silva, rotaractiano em Bandeirantes na década de 1980, 1980 hoje advogado ogado da Câmara Municipal de Bandeirantes: “Foi através do Rotaract Club de Bandeirantes, Paraná, que aprendi as primeiras noções de cidadania para com as pessoas e para com a nossa sociedade.Durante os primeiros anos de1980, 80, quando da fundação do Rotaract Club na cidade, travei contato com outras culturas, com pessoas que se tornaram amigos e amigas para toda a vida. Após este período de aprendizagem civil e serviços à comunidade e à cidadania, decidi prestar concurso vestibular para o curso de Direito, então então tive que me ausentar da cidade de Bandeirantes para buscar minha formação acadêmica, a qual exerço até os dias de hoje na Prefeitura Municipal de Bandeirantes. No entanto, senti falta das reuniões construtivas do Rotaract quando de minha estada na Universidade. Univ O que ficam de bom desta experiência de civismo e companheirismo são as bagagens adquiridas, as amizades feitas e as memórias que me confortam, pois hoje sinto que fui um jovem muito útil à sociedade bandeirantense e aos meus companheiros.”(Carlos companheiros.” Roberto da Silva – 20/02/2012 – entrevista pessoal) Em 11 de outubro de 1998 o Rotaract Club de Bandeirantes completou 10 anos de fundação e o seu primeiro presidente, Marcelo Otênio, subiu ao púlpito em reunião festiva em que discursou o seguine sobre o clube: “Rotaract Rotaract é algo que fica no coração dos participantes e até mesmo de quem não faz parte deste clube, é onde se enfrentam várias barreiras, onde tudo é importante, sendo que a instituição tme vida própria onde supera crises e sai sempre fortalecido de todas as dificuldades que enfrenta, mas nem por isso o clube se desfaz.” À época, o Rotaract Club de Bandeirantes apresentou o projeto, elaborado por Marcelo Otênio, sobre uma cozinha industrial para a então “Fazendinha dos Meninos”, que se concretizou ulteriomente. Nos marços de todos os anos, o Rotaract Club realiza a campanha do diabetes, que se dá em âmbito nacional. Marcelo Otênio, primeiro presidente do Rotaract Club de Bandeirantes

Fonte: Jornal Líder – 14 de outubro de 1998.


85

O Rotaract Club de Bandeirantes foi reinaugurado no ano de 2011 e no dia 10 de julho de 2012 durante reunião festiva de posse do novo Conselho Diretor para a gestão 2012/2013, ficou assim composto: Presidente: Luís Henrique Biaggi; Vice-presidente: Igor Valezze Spacolla; 1ª Secretária: Jacqueline Tamais; 2ª Secretária: Melissa Akemi Nouchi; 1º Protocolo: Camilla Felix; 2º Protocolo: Juliane Suzzi Pereira; 1º Tesoureiro: Felipe Augusto dos Santos; 2º Tesoureiro: Mário I. de Barros Martins; Diretor de Serviços à Comunidade: Adriano Ribeiro; Diretor de Desenvolvimento Profissional: José Eduardo Siqueira de Barros; Diretor de Serviços Internacionais: Carollyne Macedo Luciano; Comissão de Novas Gerações: Hellen Siqueira. Hoje o Rotaract Club de Bandeirantes conta com cerca de 40 membros e é atuante na comunidade, suas reuniões se dão ordinariamente nas dependências do SESI de Bandeirantes. Segue abaixo uma mensagem do seu atual presidente a respeito do clube de serviços e do que ele entende que o Rotaract Club de Bandeirantes sugnifica para a comunidade local: “Quero deixar uma mensagem fazendo referencia ao lema rotário deste ano: Paz através do servir que me faz lembrar o ritual do Lava-pés. O momento em que Cristo mostra como é importante fazer a inversão de papeis, onde aquele que representa o poder demonstra sua humildade perante os representados, enaltecendo sua vontade de servir, ou seja; servir ao próximo é a missão inarredável de quem acredita que o bem comum está acima das vaidades pessoais. Servir ao próximo é o gesto máximo de quem acredita que os interesses coletivos sobrepõem-se ao individual e que os recursos de todos são sagrados, quando se deseja construir uma sociedade justa e igualitária. Vejo o Rotaract como meio de continuar construindo a base de uma sociedade melhor, responsável por futuras gerações que, mais do que nunca, precisarão estar respaldadas por atos do presente. Acredito que nós rotaractianos somos responsáveis pelo futuro e por promover o desenvolvimento social de nosso município. Acredito que é assim que se assenta cada tijolo que garantirá o bom abrigo do amanhã.”

Luís Henrique Biaggi – Presidente do Rotaract, gestão 2012/2013.


86

O INTERACT CLUB O Interact é um clube de serviços, para jovens pré-universitários. Os sócios de mais de 3200 Interact Clubs, distribuídos em cerca de 109 países, participam de um mundo de companheirismo dedicado a servir e a fomentar a compreensão internacional. A preocupação desses jovens é expressa através de projetos de serviço relacionados com o melhoramento de escolas das comunidades e do mundo inteiro. Cada clube é patrocinado por um Roatry Club local. Os rotarianos ficam atentos à organização dos projetos dos interactianos para oferecer-lhes, depois, orientação e incentivo. Dá-se ênfase à colaboração mútua entre os rotarianos e interactianos e esta prática tem sido de benefício para ambos os clubes. O interactiano descobre, desde cedo, outros fundamentos sobre o Interact. O clube, em geral, é associado a uma escola, e, quando isso acontece, quase sempre um professor é escolhido como conselheiro. O clube se reúne duas vezes por mês ou semanalmente, e o lugar de reunião varia, de acordo com o clube. As reuniões e almoços são muitos comuns nas escolas, como também como também o são seus projetos, nelas ouvem-se os demais companheiros e discutem-se temas pertinentes a determinados projetos em andamentoorganizam-se comissões que tratam de arrecadar dinheiro para comprar material necessário para a escola, equipamento para os deficientes, ajudar outras organizações de serviço da comunidade ou às áreas atingidas por desastres, enquanto outros dão ênfase ao auxílio direto às pessoas, pintando e consertando prédios escolares, levando as crianças deficientes ao zoológico, arrecadando fundos para organizações de serviço da comunidade, organizando campanhas de angariação de gêneros alimentícios para os menos privilegiados e mantendo correspondência, ao mesmo tempo, com amigos de outros países. O interesse pelos objetivos, possíveis projetos e sócios amigos é o que faz novos membros do Interact que são assim convidados a participarem do clube de serviço, que podem elaborar novos projetos em companhia de membros veteranos. A elaboração de um projeto requer ponderação, tempo e trabalho. Os sócios trabalham e adquirem experiência com seus companheiros, conselheiros, rotarianos e com aqueles que procuram ajudar. A separação existente entre o ajudante e a pessoa ajudada desaparece, pois ambos se beneficiam com a experiência. Os projetos às vezes surpreendem. O que começou com um jantar para angariar fundos, patrocinado pelo clube, em colaboração como clube de companheirismo internacional de uma escola, pode-se tornar um acontecimento anual onde se servem alimentos e se proporciona entretenimento para os participantes. Observe-se que os interactianos trabalham ativamente como garçons, lavadores de talheres quando o evento finda, e demais serviços gerais demandados pelo mesmo. O Interact estende seus serviços através das fronteiras. A hospitalidade oferecida aos visitantes do estrangeiro e a correspondência com eles, têm sido projetos internacionais comuns no meio do Interact, desta forma, intercambistas de outros países podem participar como membros esporádicos do clube que os acolhe. Quando há cinco ou mais Interact Clubs em um distrito, pode-se formar um distrito de Interact e os clubes podem eleger um representante distrital. Este representante incentiva o fluxo de ideias entre os clubes, a competição amistosa em projetos, a solução mútua de problemas e o esforço conjunto na realização de projetos. Cada clube difere do outro. O espírito de cada clube depende de seus componentes: a juventude, o conselheiro e os rotarianos, contudo, em toda parte, ser sócio do Interact significa lutar ao lado de pessoas de diferentes formações e idades para se alcançar um objetivo comum: servir aos outros e concorrer para uma melhor compreensão no mundo.


87

No início dos anos 1980 soube-se que se poderia fundar um clube de jovens em Bandeirantes, esse clube de serviços tratava-se do Interact Club, afiliado do Rotary Club local. Desta forma, adolescentes do município com grande poder de liderança lançaram as bases para a concretização deste objetivo. Dentre estes jovens, figuraram na fundação do Interact Club de Bandeirantes, os seguintes fundadores:

Luís Marcelo Mafra Bernardes da Silva, Primeiro presidente do Interact Club de Bandeirantes/PR.

Posse de Fernando José Fermino

“Minha experiência do Interact foi um aprendizado de algumas lições que perduram por toda a minha vida. Lições de compartilhamento de decisões, de cidadania, de respeito a diferenças sociais e culturais e fundamentalmente de companheirismo. Foi uma experiência que me causa orgulho e muita honra.” (Fernando José Fermino – entrevista pessoal em 27/04/2012)


88

Posse de Paulo José Balla “Não é difícil escrever sobre o Interact Club de Bandeirantes. Naquele momento da década de 80, queríamos transformar o mundo e, do nosso jeito conseguimos. Ele nasceu pequeno, porém com grandes sonhos. Eu, o Fernando Fermino e o Marcelo Bernardes, plantamos uma semente que deu grandes frutos. O principal aprendizado nosso tenho certeza que foi amizade, companheirismo e cidadania. Os projetos de prestação de serviços são parte fundamental dos Interact Clubs, por intermédio das atividades de prestação de serviços, nós aprendemos a importância de: *Desenvolver qualidades de liderança e integridade pessoal; *Prestar auxílio e respeitar o próximo; *Compreender o valor da responsabilidade individual e dedicação ao trabalho; *Promover a compreensão e boa vontade internacional. O Interact é um dos programas mais bem-sucedidos do Rotary Interantional, um verdadeiro fenômeno com mais de 10.700 clubes em 109 países e regiões geográficas, e quase 321000 sócios! E tenho muito orgulho de ter feito parte da História do Interact de Bandeirantes. (Paulo José Balla – entrevista pessoal em maio de 2012)

ATA DE POSSE DO PRIMEIRO CONSELHO DIRETOR DO INTERACT CLUB DE BANDEIRANTES Estiveram presentes na Casa da Amizade de Bandeirantes em 5/11/1985 para a posse do 1º Conselho Diretor do Interact Club de Bandeirantes os seguintes participantes: Fernando José Fermino, Alexandre Leite de Meira, Lauro Hide Miyoshi Jr., Marcelo Henrique Otênio, Roberson Attilio da Silva, Nelson Farias dos Santos, Paulo José Balla, João Marco Ribeiro Meneghel, Johnny Tsuneo Sawano, João Ap. Príncipe Jr., Viviane Filipaki, Rosiani Cândido, Vera Cristina Teté, Carla Cristina Chrispim Santos, Daniela de Freitas Guilhermino, Luís Marcelo Mafra Bernardes da Silva, entre outros convidados para a cerimônia de posse do primeiro conselho diretor do incipiente Interact Club de Bandeirantes, após a qual muitos se tornaram membros efetivos do quadro social do clube de serviços recém-inaugurado. Os companheiros rotarianos ficaram felizes pelo fato de um dos netos do fundador do Rotary Club de Bandeirantes, o jovem Luís Marcelo Mafra Bernardes da Silva ter sido empossado como o primeiro presidente do Interact Club de Bandeirantes, dando, desta forma, prosseguimento a gestões de excelência na vida rotária. Nesta mesma data ficou constituído o primeiro Conselho Diretor do Interact, como se segue:


89

Vice-presidente: Fernando José Fermino; 1º secretária: Carla Cristina Chrispim dos Santos; 2º secretário: Marcelo Henrique Otênio; 1º tesoureiro: Vera Cristina Teté; 2º tesoureiro: Roseani Cândido; 1º protocolo: Lauro H. Miyoshi Jr.; 2º protocolo: Daniela de Freitas Guilhermino; avenida de serviços internos: João Ap. Príncipe Jr., Nelson Farias Santos e Robson Attlilio da Silva; avenida de serviços à comunidade: Karla Matida, Viviane Filipaki e Carla Pelegrini; avenida de serviços internacionais: Alexandre Leite de Meira, Johnny Sawano e Carla Estevão; Comissão de Boletim: Paulo José Balla e João Marcos Ribeiro Meneghel. Foto primeira gestão do Interact Club de Bandeirantes

Fonte: Arquivo Rotary Club de Bandeirantes A foto acima ilustra os primeiros membros do Interact Club de Bandeirantes, em 1985, juntamente com companheiros do Rotary Club local e senhoras de rotarianos. O apoio prestado a essa turma pelos rotarianos e suas senhoras foi de grande contribuição para se estabelecer um clube de serviços como o Interact Club de Bandeirantes, ampliando os horizontes desses jovens em todos os aspectos, sobretudo nas novas amizades e relações interpessoais que se firmaram entre os membros e que perduraram até os dias atuais. Nos dias 22, 23 e 24 de novembro de 2002, sob a presidência interactiana de Laura Graziele Zanini e da secretária Pollyana Maria Delgado Balla, ocorreu o X ENIDI – o décimo encontro interactiano do distrito 4710 na cidade de Bandeirantes, contando com o apoio do Rotary Club local e do apoio constante do companheiro Paulo Roberto Balla. O total de participantes deste encontro interactiano distrital somou 69 jovens interactianos de diversas cidades do distrito em questão, sendo que 17 membros eram de Bandeirantes, 25 de Santa Mariana, 12 de Arapongas, 16 de Santo Antônio da Platina, 01 de Apucarana, 01 de Londrina Sudeste e 03 de Jataizinho. O Interact Club de Santo Antônio da Platina agraciou este encontro com a presença da intercambista Lorena Lizarzaburu, do Equador. Após interregno de inatividade, o Interact Club de Bandeirantes foi reativado em 2011 e conta com significativo quadro social. O seu novo Conselho Diretor tomou posse em reunião festiva no dia 10 de julho de 2012 e vigorará pela gestão 2012/2013, ficando assim constituído:


90

Presidente: Bianca Martins; Vice-presidente: Bárbara Chotti; Protocolo: Larissa Correia; Secretária: Amanda Arantes; Tesoureira: Ana Carolina Fronteli; Diretor de interatividade: Luana Paduan; Diretores de projeto: Jéssica Richter Torrado, Gabriel Vasconcelos e Eduardo Bernardes Oliveira. Inegavelmente a participação de jovens neste clube de serviço faz com que eles se tornem adultos cônscios de seus deveres e direitos sociopolíticos, assim como contribui deveras para a formação de pessoas que visam a servir e ser útil à sociedade em que vivem e trabalham, contribuindo para sua transformação positiva.

ASSOCIAÇÃO DAS SENHORAS DE ROTARIANOS EM BANDEIRANTES De acordo com farto material apresentado pelas companheiras Maria Lúcia Daloce e Terezinha Castanho de Lima, a respeito da Associação das Senhoras de Rotarianos, apresenta-se um panorama geral em que a ASR no Brasil fora criada em 1938, na cidade de Bauru, São Paulo. Naquele ano o então presidente do Rotary Club de Bauru era Alencar Rezende de Carvalho. Sua esposa Violeta Loureiro de Carvalho, convidara diversas senhoras para uma reunião informal em sua residência. Nesta reunião alegre e festiva foi lançada por ela a ideia de se reunirem semanalmente, para um melhor entrosamento, com fins filantrópicos. Iriam proporcionar às crianças desprotegidas o agasalho, o pão e o leite para sua subsistência. Essa ideia fora aceita com grande entusiasmo. Uma ASR existe em consequência de Rotary, caminhando paralelamente, mas com vida própria e estatutos regendo seu funcionamento; é formada por esposas de rotarianos que espontaneamente passam a integrar a entidade, cujo nome está sendo adotado em todo o país para melhor identificação e sentido de unidade. É uma associação prestadora de serviços de caráter assistencial, moral e cultural, sem fins lucrativos e que tem por finalidade promover maior aproximação entre as Senhoras de Rotarianos, cooperar e auxiliar entidades filantrópicas, assistenciais e educativas, fundar, manter e orientar creches, lares, escolas e outras obras assistenciais necessárias à comunidade e ao bem-estar da coletividade. No Brasil a ASR é uma entidade civil considerada de utilidade pública pela Lei nº 5575 de 17/02/1969 (decreto 72.300) sancionada pelo presidente Médici, tem seus estatutos e regimento internos próprios sem nenhum vínculo com os Rotary Clubs; possui metas de trabalho que variam de acordo com as necessidades de sua cidade, atendendo aos necessitados nos seus variados aspectos. Seu principal objetivo deve ser a amizade. Ao se integrar na ASR, a companheira fará parte do quadro associativo, passando a ter direitos e obrigações; deverá pagar a contribuição mensal estipulada pela Assembleia, frequentar reuniões, cumprir as disposições estatutárias, procurar integrar-se na Entidade e entrosar-se com as companheiras, auxiliando-as nas promoções e nos trabalhos. A Associação das Senhoras de Rotarianos de Bandeirantes, estado do Paraná, foi fundada em 07 de outubro de 1977, com endereço de sua sede nas dependências da Casa da Amizade, à Rua São Paulo, nº 2126, sendo que a sede é mantida pelo


91

Rotary Club de Bandeirantes, assim como pela Associação das Senhoras de Rotarianos deste município, por meio de mensalidades dos sócios e pelas promoções ora realizadas por ambos, e também através de aluguéis da sede para realização de casamentos, aniversários, palestras, lançamentos de livros e exposição de obras de artistas locais, etc. A Associação das Senhoras de Rotarianos de Bandeirantes possui estatuto próprio e está registrada no CNSS – Conselho Nacional de Serviço Social, pois é considerada uma entidade de utilidade pública municipal com a meta de ser mantenedora da Creche Rotary, cujos serviços de assistência social são o atendimento a crianças de zero (0) a seis (6) anos de idade, sendo mantida por meio da ASR em conjunto a convênio da LBA, promoções da ASR, sendo que os funcionários que ali trabalham são cedidos pela Prefeitura Municipal de Bandeirantes. Além desta meta de assistência social a crianças por meio da Creche Rotary, a ASR de Bandeirantes, como entidade filantrópica, presta-se a dar atendimento a pessoas com os mais diversos tipos de problemas, entre eles, doação de remédios, óculos, passagens para exames ou consultas médicas em outras cidades, etc. Pois, em 07/10/1977, na residência da Senhora Wanda Rossi de Carvalho, na Avenida Azarias de Rezende, nº 627 em Bandeirantes, presidida pela orientadora do Distrito 463, setor A, Senhora Angelina Inocente Figueiredo, havendo sido eleita a primeira diretoria da ASR de Bandeirantes com duração de um ano e que ficou assim constituída: Presidente: Orlanda Duarte Chequer; vice-presidente: Harue Kawato Ikeda; 1ª secretária: Mariza Jacinto Trindade; 2ª secretária: Maria Eugênia Machado Fermino; tesoureira: Rosa Cury Souza e Silva; oradora: Yone M. B. da Silva; diretoras sociais: Terezinha Jacira Castanho de Lima e Maria Kimura; consultor jurídico: Édson Bernardes da Silva. Do quadro de sócias fundadoras fizeram parte 15 companheiras, a saber: Wanda Rossi de Carvalho, Mariza Jacinto Trindade, Lygia de Souza Veiga, Ana Rosa Bonfim Rodrigues, Maria Rodrigues Fontes, Harue Ikeda, Orlanda Duarte Chequer, Dorothy Matsunaga, Maria Eugênia M. Fermino, Maria Mafra de Oliveira, Rosa Cury Souza e Silva, Yone M. Bernardes da Silva, Terezinha Castanho de Lima, Maria Kimura e Maria Aparecida Sachs Castanho. A galeria das presidentes é a seguinte: Orlanda Duarte Chequer (1977), Yone Mafra Bernardes da Silva (1978), Orlanda Duarte Chequer (1979), Orlanda Duarte Chequer (1980), Nair Teté (1981), Maria Eugênia Machado Fermino (1982), Terezinha J. Castanho de Lima (07/1982); Eva P. Salmen (1983), Marília VaminSorace (1984),Lúcia Garcia Sanches Vilela (07/1984); Orlanda Duarte Chequer (1985), Marli Regina Filipaki (1986), Orlanda DuarteChequer (1987), Maria Eugênia M. Fermino (05/1987),Terezinha J. Castanho de Lima (1988), Orlanda Duarte Chequer (1989), Luzivan Lopes Castanho (1990), Luzivan Lopes Castanho (1991), Wanda Rossi de Carvalho (1992), Luzivan Lopes Castanho (1993), Elizabeth Castelar S. Venâncio (1994), Maria Lúcia Daloce Castanho (1995), Vera Lúcia Coeli Lopes (1996), Elizabeth Castelar S. Venâncio (1997), Rosilda Weege (1998), Rosilda Weege (1999), Rosilda Weege (2000), Maria Lúcia Daloce Castanho (12/2000), Luzivan Lopes Castanho (2001), Aureliana Apª M. Delgado Balla (2002), Andrea Castanho de Lima Silva (2003), Maria Lúcia Daloce Castanho (2004),Rosinéia Mesquita Pavão (2005), Maria Lucia Daloce Castanho (2006) Terezinha J. Castanho de Lima (2007), Rozinéia Mesquita Pavão (2008), Aureliana Apª Martins Delgado Balla (2009), Luzivan Lopes Castanho (2010 até hoje). “Em toda a existência da ASR de Bandeirantes foi e continua sendo prestadora de relevantes serviços à comunidade, sejam eles filantrópicos, culturais e de apoio às realizações do Rotary Club.


92

Além de inúmeros trabalhos planejados e concretizados, com certeza foi a dedicação da ASR como mantenedora da Creche Rotary de Bandeirantes desde sua instalação até o ano de 2008, quando passou a ser comandada pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Bandeirantes, um fato que dignificou os trabalhos assistenciais da ASR de Bandeirantes; a ASR, por esse trabalho, principalmente, merece o aplauso, respeito e reconhecimento pelo podo bandeirantense. A Creche do Rotary localiza-se à Rua Cândido Magalhães Trindade, s/n, ocupando uma área de 458,44 m2, e é também conhecida como a Creche da Vila Pompéia. Atualmente atende a 110 crianças em horário integral. Foi construída em 1983 na administração do então prefeito José Fernandes da Silva e foi inaugurada em 1985, na gestão do prefeito João do Carmo Santiago. A partir de 1985 sob a responsabilidade da coordenadora de creches da prefeitura municipal de Bandeirantes, Srª Maria Elizabeth dos Anjos Romanini, a Creche do Rotary entrou em funcionamento através da ASR de Bandeirantes, que firmou convênio com a LBA. Além deste convênio a ASR sempre realizou várias promoções para o suprimento das necessidades das crianças que ali ficavam e ainda ficam, recebendo alimentação, carinho, instrução e principalmente proteção enquanto seus pais trabalham. Reconhecemos o mérito de todas as presidentes da ASR, das diretoras e funcionários da Creche Rotary. Muitas vieram, mas algumas Senhoras de Rotarianos perduraram por anos a fio com dedicação extremada à Creche Rotary e às suas crianças. Essas figuras humanas extraordinárias e incansáveis como o Sol de todas as manhãs são as Associadas da ASR de Bandeirantes, sem elas a Creche existiria, mas não teria as bases sólidas que tornaram forte para o futuro. Sem elas as crianças passariam pela Creche, mas não conheceriam o verdadeiro significado do amor e da proteção, sem elas as crianças cresceriam, mas não seriam tão saudáveis, dada a preocupação em alimentá-las bem. Sem elas, as crianças ouviriam histórias, mas não conheceriam os livros coloridos e os encantos dos personagens. Sem elas a Creche Rotary não seria a Creche Rotary”. A autora do depoimento acima, Maria Lúcia Daloce, é poetisa e escritora e também compôs a letra do Hino da Creche Rotary, que possui a música composta por Ivanir Rebouças Leme:

Uma infância mais feliz Aqui posso desfrutar, Enquanto mamãe me diz: Já volto...Vou trabalhar. Refrão Do Brasil sou a esperança E o futuro em mim se embasa... Sou pequeno, sou criança E esta creche é a minha casa! Senhoras de Rotarianos, Dotadas de amor profundo, Construíram nesses anos A melhor creche do mundo!


93

Somos todos pequeninos E em nossos primeiros passos Trilhamos nossos destinos Amparados em seus braços! Creche Rotary querida Que não de deixas ao léu... Colocaste em minha vida Em Pedacinho do céu! Eu jamais vou me esquecer Do carinho e proteção, Não sei ainda escrever, Mas gravei no coração! Foto da Creche do Rotary em atividades

Fonte: Álbum próprio da ASR

NOTÁVEIS ATIVIDADES RECENTES SUBSÍDIOS E DOAÇÕES EM PROL DAS CRIANÇAS: Em 1998/1999 foi doada uma cozinha industrial para a Fundação Serafim Meneghel - Fazendinha, no valor de U$ 10,000.00, a qual atualmente destina-se às dependências do Instituto São Pio ( comunidade terapêutica para dependentes em substâncias psicoativas coordenada pelo Padre Roberto). Abaixo segue foto da entrega do cheque pelo então presidente do Rc de Bandeirantes, Antônio Castanho à Srª Carlota Meneghel, na presença do então governador distrital Antonio Celso Costa.


94

Fonte: Antônio Castanho Em 1998/1999 foi doada uma cozinha industrial para o Lar Bezerra de Menezes, por intermédio do Interact Club de Bandeirantes, no valor de U$ 5,000.00. A Associação São Pio também recebeu a doação de uma motosserra, uma roçadeira motorizada e outros itens por intermédio do Rotary Club de Bandeirantes. A APAE e o Asilo, ambos de Bandeirantes, receberam cada qual uma cadeira de rodas doadas pelo Rotary Club local, como ilustrado abaixo.

Fonte: Antônio Castanho O Banco Ortopédico do Lions Club recebeu a doação de 20 muletas e 3 cadeiras de banho pelo RC. O RC local em parceria com o RC de Itapeva doou 120 cestas básicas e 86 cobertores, para as vítimas da enchente do Ribeirão das Antas em 2012. Em parceria com o Distrito 4710, o Rotary Club local distribuiu farinha de trigo para instituições beneficentes do município de Bandeirantes.


95

Foto de confraternização com dia de churrasco do RC de Bandeirantes no Asilo São Vicente de Paulo

Fonte: Antonio Castanho A foto abaixo ilustra a entrega de uma máquina de lavar Electrolux completa, de aproximadamente R$1000,00 à Creche do Rotary – Centro de Educação Infantil, durante gestão de Antônio Castanho.

Fonte: Antonio Castanho Em 12 de outubro de 1998 realizou-se a quinta edição da Festa Sorriso de Criança no Estádio Comendador Luiz Meneghel, das 8 às 12 horas, onde cerca de 8 mil crianças receberam bolo (de 2000Kg, 50 metros), doces, salgados, refrigerantes, brindes, e participaram de diversas atividades recreativas, tudo isso patrocinado e projetado pelo Rotary Club de Bandeirantes, e cooperação de vários segmentos da comunidade compostos tanto por empresas como por pessoas físicas. Ao mesmo tempo em que oferece recreação às crianças, é uma homenagem à Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil.


96

5ª Festa Sorriso de Criança homenageia a padroeira do Brasil e o dia das crianças com a distribuição de grandioso bolo, como ilustrado abaixo:

Fonte: Jornal Líder – 14/ 10/1998. DESDOBRAMENTOS POSITIVOS DO PROJETO BOM VIZINHO. De acordo com artigo do companheiro Paulo Roberto Balla, com vistas a divulgar o reconhecimento dos esforços do Rotary Club de Bandeirantes para aumentar seu quadro de sócios, ele cita os diversos prêmios recebidos pela governadoria do Rotary distrital e do Rotary International, como desdobramentos positivos do PROJETO BOM VIZINHO desenvolvido na comunidade bandeirantense e que deve ser mantida como plano estratégico pelas demais gestões ulteriores. Desta forma, trancrevemos parte de seu relato: “… Vivemos junto ao Rotary todas as crises e passamos por modificações significativas, passamos o centenário e vamos entrar 2013 com plano visão de futuro: a reestruturação da fundação rotária. Esta introdução se dá pelo fato que vou falar sobre DQA - Desenvolvimento do Quadro Associativo, nosso clube teve nos últimos10 anos uma queda no quadro social de sócios e chegamos a ficar com treze sócios, mas valorosos companheiros, e com um agravante: a média de idade dos sócios altíssima. Foi então que na gestão rotária 2009/2010 presidida por Paulo Roberto Balla e seus companheiros fomos buscar novos sócios, mas o clube em baixa não era atraente ao convite, aí fomos buscar o que fazer depois de uma pesquisa em nossa comunidade e chegamos a conclusão de montar um projeto na área de Segurança Pública que tem o nome de “ Projeto Bom Vizinho” o qual envolve dezenove instituições do nosso município; este envolvimento com resultados começando aparecer, demos mais visibilidade ao Rotary e foi fundamental para o início da recuperação, em seguida inicia-se uma nova gestão 2010/2011 presidida por Roberto Castanho que entendeu junto com seu conselho diretor que daria continuidade ao “projeto Bom vizinho”, estendendo as reuniões rotárias em vilas da cidade para implantar o projeto e fizemos várias ações de mobilização na cidade para tornar o projeto mais conhecido, este foi o ponto alto, mas ainda faltam várias vilas a ser incluídas. Nasce o novo ano rotário 2011/2012, presidida pelo companheiroCelso Agostinho Belizário, e do nosso


97

governador João Pedroso Filho e intensificamos mais o trabalho no projeto e demos mais atenção nas metas presidenciais e distrital dando destaque para o clube, assim, foi inevitável chegarmos a 25 companheiros, e fomos destaque do distrito e ganhamos vários Prêmios que faço questão de nominar: Menção Presidencial, (Por atendimentos às metas presidencias);

Menção Distrital, (por atendimento às metas Distritais);


98

Prêmio Instrumento de Mudança, (por fazer uma mudança positiva e sgnificativa na comunidade e no mundo);

Reconhecimento Por Iniciativas de Desenvolvimento do Quadro Associativo (por sua abordagem inovadora);

Prêmio Por Desenvolvimento do Quadro Associativo e Expansão (Taxa de maior crescimento do Distrito);


99

Prêmio Por Desenvolvimento do Quadro Associativo e Expansão (maior taxa de retenção do Distrito),

Prêmio Por Desenvolvimento do Quadro Associativo e Expansão (recrutar maior número de associados no distrito);


100

Reconhecimento a Clubes de Pequeno Porte Por Crescimento (Por ter alcançado número de 15 ou mais sócios);

Prêmio Por Desenvolvimento do Quadro Associativo e Expansão (por apadrinhar um novo Club no Distrito):


101

Estes prêmios são importantes porque realmente coroam a gestão 2011-2012; não só destes anos, mas de todo o projeto. Vale a pena ressaltar que um bom projeto que atenda à comunidade local e a envolva definitivamente é essencial para o aumento do quadro social. Quanto PLC - Plano de Liderança de Club, foi o que fizemos nestes últimos três anos; quer dizer o Rotary Internacional está no caminho certo do planejamento de um mínimo de três anos. Iniciamos uma nova gestão 2012/2013 presidida Ivanilde Regina Pavão Messias que tem a responsabilidade de dar continuidade ao “Projeto Bom Vizinho” que é projeto do Club e não pode ser interrompido. Esta gestão tem a missão de buscar a estabilidade econômica e financeira do clube e do projeto, e dar continuidade ao aumento do quadro social, no escopo do projeto está prevista toda implantação na cidade até o ano de 2017. Será que podemos sonhar com cinqüenta companheiros e a possibilidade de mais um Rotary Club em nosso município? Por este motivo as gestões 2013/2014, Presidente Eleito Reginaldo Correia Neves; 2014/2105, Presidente Indicado Nelson G. da Motta Neto; 2015/2016, Presidente indicada Silvana Moreti Liberato de Macedo terão a incumbência de levar à frente o projeto que deu certo e está revolucionando nosso Club e ajudando significamente a nossa comunidade, servindo de exemplo para outros municípios e clubes.” Estes prêmios corroboram o empenho do Rotary Club de Bandeirantes em prol de seu futuro e dos demais clubes do distrito 4710 visando ao do aumento do seu quadro asociativo e criação de novos clubes para que o ideal de Rotary se difunda cada vez mais nas comunidades onde ele se insere.

GALERIA DE TROFÉUS Dentre as homenagens que o Rotary Club de Bandeirantes recebeu ao longo de sua História, figuram os troféus como recordaçõesmaterias de seus feitos para com a comunidade, com outros clubes, entidades e pessoas, seguem abaixo alguns deles: R.C. Cornélio Procópio Sul Caravana mais distante Gestão 1998/1999 Caravana mais distante Atue com integridade – Sirva com amor,trabalhe pela paz! Ana Rotário – 95/96 Rotary Club Primeiro de Maio, Paraná Rotary International 48 anos. Homenagem do Rotary Club de Jacarezinho ao Rotary Club de Bandeirantes Setembro/1997 Rotary Club de Bandeirantes 10 anos. Presidente José R. Altizani. Rotary Club de Bandeirantes. Troféu Benedito Bernardes Gestão 96/97 - 05/07/1997


102

Rotary Club. Santa Mariana Rotary Club de Andirá – PR (Distrito 4710 posse de conselho) Diretor Gestão 2002/2003 Caravana mais numerosa. Plante Semente de Amor. 03/07/2002 Rotary International Caravana mais distante do distrito R.C. de Porecatu. Posse – junho /97 Caravana mais distante Reunião festiva de posse R.C de Primeiro de Maio 06/07/2000 Rotary Club de Bandeirantes, distrito 4710 Festiva de posse. 2003/2004 Caravana de outro distrito Rotary Club de Andirá, gestão 93/94 Caravana mais numerosa “Acredita no que faz, faça o que acredita.” Caravana mais distante no Distrito R.C. Arapongas – R.C. Beija Flor R.C. Arapongas Maracanã. R.C. de Ibaiti Agradecemos sua presence na reuniãofestiva de posse do novo conselho diretor 2000/2001 - 01-07-2000 Caravana mais numerosa R.C. de Cornélio Procópio – Sul. 25/06/77 R.C. Cornélio Procópio, gestão 1980/81 Rotary International distrito 4710 Criar consciência, ser atuante - gestão 2000/01 Governador – Antonio Pedro Márquez. Presidente – Harley Machado da Silva. R.C. Santo Antônio da Platina. R.C. Colônia mineira. Siqueira Campos – PR Brasil. Distrito 4710 Caravana mais distante R.C.Ourinhos R.C.Ourinhos Oeste R.C.Ourinhos Integração Ourinhos, 23 de junho de 2001


103

Caravana mais distante R.C. Apucarana

distrito 4710 gestão 95/96

1° dia do companheirismo bistrital R.C.Rolândia Caviúna Caravana mais distante - distrito 4710 R.C. Astorga, 20/06/95 R.C. Caravana mais numerosa Cornélio Procópio – Sul Posse 95/96 R.C. Conferência da Brasilidade Rolândia 5,6 e 7 de maio 2000 Tertulino Aires Neto. Governador – 1999 – 2000 Colônia Mineira. 24/06/96 Caravana mais distante do distrito 4710 Lembrança da visita oficial do governador Moacir Veras e Jose Mostre que o Rotary se Interessa 97/98 A.S.R. de Bandeirantes Parabeniza o ROTARACT pelo seu 10º aniversário 1988 – 1998 BAND.PR São muitos os troféus e homenagens recebidos pelo Rotary Club de Bandedirantes, mas fica patente que o maior mérito é dado pelo reconhecimento público dos feitos dos rotarianos, rotaractianos, interactianos e senhoras de rotarianos e isto fica na galeria da memória dos membros que fizeram a História do Rotary Club de Bandeirantes, servindo com ética.

AGRADECIMENTOS Agradecemos a colaboração fundamental para a realização deste livro sobre a história do Rotary Club de Bandeirantes aos companheiros e ex-companheiros que prestaram depoimentos, relatórios a respeito de suas vivências no Rotary Club, no Interact, no Rotaract e na Associação das Senhoras de Rotarianos de Bandeirantes, assim como a participação ativa durante o transcurso deste livro sobre os 63 anos de fundação do Rotary Club de Bandeirantes até a atualidade, a saber: Carlos Roberto da Silva – ex- companheiro do Rotaract Club de Bandeirantes;


104

Antonio Castanho – companheiro do Rotary Club de Bandeirantes e colaborador; Roldão Zambon – companheiro do Rotary Club de Bandeirantes; Fernando José Fermino – fundador do Interact em Bandeirantes; Waldemar Barbosa de Lima – companheiro do Rotary Club em Bandeirantes; Terezinha Castanho de Lima – ex-presidente da ASR; Maria Lúcia Daloce – ex-presidente da ASR, colaboradora Dr. Édson H. Bernardes da Silva – companheiro do RC em Bandeirantes. Sr. Carlos Almeida – fotógrafo em Bandeirantes. Paulo José Balla – fundador do Interact Club em Bandeirantes Paulo Roberto Balla – rotariano, colaborador Max Willian Menegon – aprendiz de digitação da Fruir Editoração.

Este e-book foi composto pela:

editoracaocjballa@gmail.com

Sob a organização do editor Cristiano Jr. Balla, Prefixo Editorial/ Ministério da Cultura/ Fundação Biblioteca Nacional/Agência Nacional do ISBN nº 910512. O editor é pós-graduado em Literatura e Linguagem/Língua Portuguesa e Formação do Leitor.

Rotary Club de Bandeirantes  

Uma historia de etica e servico

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you