Page 1


01 Curriculum Vitae

4

de estudantes em Entrecampos, Lisboa 02 Residência Projeto 3 ano | 1 semestre

6

universitária em Campo Grande, Lisboa 03 Residência Projeto 3 ano | 2 semestre

10

de reconexão de duas cotas, Sines 04 Proposta Projeto 4 ano | 1 semestre e 2 semestre para concurso

14

Trienal de Arq. de Lisboa

do Pátio Dom Fradique, Lisboa 05 Reabilitação Projeto 5 ano | 2 semestre

20

Regeneração e Integração Social: 06 Entre Requalificação do Bairro Ilha d’Madeira em Ribeira Bote

28


4


5


02

Residência de estudantes em Entrecampos, Lisboa Projeto 3º ano | 1º semestre A área em questão encontra-se na freguesia das Avenidas Novas. Delimitada por cinco avenidas bastante movimentadas, é cortada pela linha de comboio de Lisboa. Apresenta uma heterogeneidade nos seus conjuntos edificados, sendo ocupada principalmente por áreas residenciais, serviços e comércio. Na área de intervenção existem diferentes linguagens arquitetónicas bem como a ocupação por diferentes classes sociais sendo a herança da época em que a cidade se expandia e a população aumentava. A complexidade organizacional da zona em questão reflete um problema urbanístico bastante notavel: a separação de duas zonas pela linha de comboio e o caos dos estacionamentos que muitos são feitos em terrenos baldios. Como resposta a estas questões propõe-se a organização urbanística com o desenvolvimento e criação de quarteirões, que sigam as mesmas linhas da malha envolvente, onde o espaço verde e público estaria presente, bem como estacionamento próprio. Em continuação a estes espaços, é proposto um jardim que faça a ligação entre a cota mais alta, neste caso separada pela linha de comboio. Além de ter a função de reconexão, este terá igualmente a função de diminuição do ruído, causado pelos comboios, trazendo a calmaria tanto a nível visual como a nível autidivo.

6


7


Na parte mais alta da área de intervenção, sendo o lado oposto da linha de comboio, propõe-se uma residência de estudantes assim como o programa exige. Com este projeto, procura-se criar espaços que tenham bastante permeabilidade, principalmente visual. Uma delas sendo a segunda fachada formada por tiras de madeira que podem mover consoante a necessidade da pessoa que utiliza o espaço. O edifício distribui-se em 4 pisos, sendo que os dois últimos pisos formam o corpo principal. Nestes encontam-se os quartos dos residentes, as salas de estudo, a lavandaria e as copas. No piso -1 localizam-se as salas de estar e multimédia, o ginásio e a área de refeições e esplanada. Todos os pisos têm entrada de luz através de claraboias formando assim pátios interiores com o objetivo de ter sempre uma ligação com um espaço que tenha muita luz e natureza. 8


Piso -1

Piso 1

Piso 0

Piso 2

9


03

Residência Universitária em Campo Grande, Lisboa Projeto 3 ano | 2 semestre Campo Grande sendo um lugar bastante denso em ocupação de território e em vias de passagem, a localização do terreno de intervenção encontra-se cercada pelas principais vias, como por exemplo a 2 Circular, por edifícios de grande dimensão e o metro de Lisboa. Dito isto, o terreno acaba por se situar numa área de grande potencial tanto a nível de questões organizacionais, como a nível de ocupação e transformação num espaço de transição e paragem. Foi então realizada uma análise das características espaciais e naturais da área em estudo, com o objetivo de arranjar soluções para estabelecer a ligação entre todos os aspetos que a envolvem. Primeiramente, com a implantação do programa pedido, uma residência universitária, seguido de ligações entre as variadas cotas e zonas que cercam este espaço e onde deveria haver um fluxo direto de pessoas.

10


11


Propõe-se a distribuição do programa em dois blocos, ligados por acessos verticais de forma a separar as áreas residências das àreas comuns e públicas. Esta separação faz com que a cobertura do piso 0 se torne numa cobertura acessível de estar e de passagem para as restantes partes do local de intervenção, nomeadamente a ponte que faz uma passagem superior à 2 Circular. Por fim, cria-se um jardim que ocupe toda a àrea de intervenção com o objetivo de ter um espaço que reforce a ideia de passagem, ligação e zonas de estar. 12


Piso 0

Piso 2

Piso 1

Piso 2 (quartos)

13


04

Proposta de reconexão de duas cotas, Sines Projeto 4 ano | 1 semestre e 2 semestre para Concurso Trienal de Arq. de Lisboa Sines é uma cidade portuguesa do distrito de Setúbal, região do Alentejo, com cerca de 18.298 habitantes. Sendo Sines uma cidade com grande importância industrial e tendo em conta a dimensão das áreas industriais, existe uma desconexão entre a cidade e a frente de água, consequentemente entre a cidade e o porto. Foi então realizada uma análise das carac- terísticas espaciais e naturais da área em estudo com o objetivo de arranjar soluções para estabelecer a ligação entre essas duas cotas. “CONNECTING SINES”. A ideia de reestabelecer a conexão em questão, parte da vontade de mudar a maneira que a população de Sines vive, ou seja, criar outro tipo de dinâmica neste local. Esta dinâmica irá surgir a partir da interligação da cota mais alta à mais baixa e esta união irá ser feita através de um aproveitamento das arribas. Este aproveitamento e prolongamento de algumas ruas relevantes serão ocupadas com parques, jardins, e até espaços de restauração e exposições. Temos como objetivo a expansão do fluxo de pessoas em Sines, o aumento da permanência a longo prazo e principalmente um fluxo contínuo da cidade para a praia e o porto.

14


15


Problema

Solução

Proposta

Sines 2015

Rua 5 | Consiste na continuação de uma estrada que não tem continuação e não faz ligação com a cota baixa.

Conexão existente 5 |

Conexão feita por estrada entre a cota superior e a cota nferior.

16

Situação Atual | Transição

Proposta | Subtração

Consoante as analises feit anteriormente, foi decidido representar detalhadamen ruas que passou pelo proc conceito do rasgo.

Os espaços criam-se dura


17


Sines 1620

Sines 1930

Desde o primeiro contacto com Sines e com base dasSines 1983

unir à cidade com a orla costeira. Mas não sabendo como

Rua 3 |

Rua 2 | iríamos fazer está conexão, foi então que nos deparamos

Ligação direta, de um dos antiga rua com uma foto antiga de Sines. Onde aparecia uma pontos que destaca na malha urbana, à cota baixa. de Sines que fazia um rasgo entre a cota mais alta a mais

Rua que inicialmente só tem conexão com a cota baixa através do elevador. Proposta de baixar o nível térreo até a cota baixa.

SINES 1983 baixa. Decidimos então repetir este mesmo rasgo em ruas

que se destacam. Este teria início apartir da cota 30 à cota 6, trazíamos a cota mais alta ao mar e ao contrário. Conexão existente 1 |

Sines 2015

Rua 1 | Reativação da antiga Calheta

análises feitas do local, sempre existiu uma vontade de

Conexão existente 2 |

Conexão existente 3 |

O percurso entre estas duas cotas, será feito através de

Conexão feita por elevador e rampas. Uma intervenção recente mas que ao nosso ver estabelece com mais força esta separação entre as duas cotas.

Apesar de ser uma Primeira conexão feita por estrada entre a ligação escadas, rampas e em algumas ruas escada rolantes.Para aparentemente útil, cota superior e a cota complementar este rasgo, decidimos propor corredores esta encontra-se inferior. bastante escondida e Esta estrada foi a que verdeseme1953 vários espaços que poderiam variar consoante não a existem apareceu com potenciais em termos futuros eventos e festivais da cidade o estação propósito deeligar de vistas. a cota mais alta ao porto de pesca.

Rua 2 |

Ligação direta, d pontos que desta Rua 5 | à malha urbana,

Rua 4 | Estudo detalhado

S

Uma das ruas com mais valor em Sines pelo facto de passar por pontos importantes da cidade, como o centro de artes e o castelo e tendo como ligação uma estrada e escadas que levam à cota mais baixa.

Consiste na continuação estrada que continuação ligação com baixa.

SINES 2015

Conexão existente 1 | Conexão existente 5 |

Primeira conexão feita

Conexão feitapor por estrada entre a estrada entre cota a cotasuperior e a cota superior e a cota inferior. inferior. Esta estrada foi a que

Conexão existente 4 | Esta consiste numa das primeiras intervenções feitas por escadas que conjugam a passagem rápida e alguns espaços, considerados pobres, de estar.

Rua Serpa Pinto

apareceu em 1953 com o propósito de ligar a cota mais alta ao porto de pesca.

Rua Teófilo Braga

Igreja Matriz de Sines

Castelo de Sines

30.00 25.00 20.00

15.00

10.00

6.20 6.18

0 5

18 20

50

0 5

20

50

30.00

25.00

20.00

15.00


Sines 1983

Sines 2015

Rua 3 | Rua que inicialmente só tem conexão com a cota baixa através do elevador. Proposta de baixar o nível térreo até a cota baixa.

de um dos aca na cota baixa.

SINES 1983

a o de uma e não tem o e não faz m a cota

Rua 4 | Estudo detalhado Uma das ruas com mais valor em Sines pelo facto de passar por pontos importantes da cidade, como o centro de artes e o castelo e tendo como ligação uma estrada e escadas que levam à cota mais baixa.

Conexão existente 2 |

Conexão existente 3 |

Apesar de ser uma ligação Situação Atual | Transição aparentemente útil, esta encontra-se bastante escondida e não existem potenciais em termos de vistas.

Conexão feita por elevador e Proposta | Subtração rampas. Uma intervenção recente mas que ao nosso ver estabelece com mais força esta separação entre as duas cotas.

Proposta | Áreas de estar

Rua 5 | Consiste na continuação de uma estrada que não tem continuação e não faz ligação com a cota baixa.

SINES 2015

Conexão existente 5 | Conexão existente 4 | Esta consiste numa das primeiras intervenções feitas por escadas que conjugam a passagem rápida e alguns espaços, considerados pobres, de estar.

Conexão feita por estrada entre a cota Consoante as analises feitas superior e a cota anteriormente, foi decidido inferior. representar detalhadamente uma das ruas que passou pelo processo do conceito do rasgo.

Situação Atual | Transição

Os espaços criam-se durante o percurso da cota mais alta à baixa. Estes espaços podem ter diversas funcionalidades, usos, alterando-se de Rua para Rua e de estação à estação. A escolha da rua foi propositada, devido ao enquadramento em que ela se encontra, pois ganha destaque por estar enquadrada na Rua central, onde encontramos o castelo de Sines, o centro de artes, alguns espaços com fins comerciais e de restauração.

Proposta | Espaços de subtração cobertos

Rua Serpa Pinto

Rua Teófilo Braga

Proposta | Áreas de estar

Igreja Matriz de Sines

Castelo de Sines

30.00 25.00 20.00

15.00

10.00

10.00

6.20

6.18

0.30

0

5

50

20

19 6.20

30.00

25.00

20.00

15.00

10.00


05

Reabilitação do Pátio Dom Fradique, Lisboa Projeto 5 ano | 2 semestre O conceito apresentado parte de um interesse pessoal sobre espaços que apresentam alma, carregados de história que os de nem como espaço. O Pátio Dom Fradique apresentase como um desses espaços e carrega em si uma história de culturas e com isto há uma procura de dinamizar este espaço que por alguns tornou-se esquecido, mas por outros existe como um espaço de retiro, de contemplação e descontração. Com isso, a reabilitação e a valorização da identidade e história do espaço existente apresenta-se como conceito principal do projeto. Existem duas cotas completamente distintas no pátio e e acesso e as ligações são importantes para manter o fluxo de pessoas e um bom ambiente, tendo em conta que este obtém um ponto forte: a vista para o rio tejo e o resto da Alfama. Portanto, resume-se a um programa misto que inclua salas de animação sociocultural, biblioteca, café, restaurante, feira ao ar livre, ajuda social que funcione como um centro comunitário, e sobretudo o espaço publico que envolve este ambiente.

20


21


polivalen tes Espaços

n ia e nc am r ê nh fe pa on C com tão A es G

im

to

An

Vide o

teca

ão

ci

so

o

paç

Es

l

ra

tu

ul

c o-

a par

as

anç

cri

Espaço Público Feiras periódicas Concertos periódicos

Biblioteca

Se

rv

iço

R

22

Castelo São Jorge

s|

es

In

ta

fo

ur

rm

an

te

ão

|C

af

et

ar

ia

Alfama

Miradouro

Metro | Eletrico


23


24


25


26

Cota 66

Cota 69

Cota 72.7

Cota 76.5


27


06

28

Entre Regeneração e Integração Social: Requalificação do Bairro Ilha d’Madeira em Ribeira Bote A dissertação aborda um dos maiores desafios que os países em desenvolvimento enfrentam atualmente: o rápido e descontrolado crescimento dos bairros precários sem um planeamento prévio. Tendo em consideração o caso de estudo – Ribeira Bote, mais precisamente Ilha d’Madeira – procurou-se, ao longo da investigação, compreender os processos de transformação dos assentamentos precários e as possíveis soluções para o melhoramento dos mesmos. De forma a compreender a evolução e a situação urbana e social atual, foi efetuada uma análise exaustiva sobre o local, levando assim, a perceção acerca das principais carências do bairro. Ribeira Bote, ao longo da história da cidade do Mindelo, ficou marcado como sendo um bairro conflituoso, porém, com um marco de identidade e cultura bastante forte e enriquecida. O estudo permite entender e refletir sobre as principais carências do bairro, nomeadamente a inexistência de espaços e equipamentos públicos que de certa forma impossibilita que a comunidade do bairro e a comunidade exterior criem uma conexão, levando à exclusão social. A investigação contribuiu para o desenvolvimento de uma metodologia através de estratégias de intervenção no bairro Ilha d’Madeira, podendo assim complementar as soluções existentes e preencher algumas das carências identificadas e expressas pela população. Nesta perspetiva, estas estratégias de intervenção têm o intuito de desenvolver uma relação entre a cultura desta população e as estratégias propostas para o bairro, tendo em consideração as suas expetativas e as suas necessidades.


29


30


PARTICIPAÇÃO

ESPAÇO PÚBLICO

ACESSIBILIDADE

MANDINGA

HABITAÇÃO

Envolvimento da comunidade Incentivo e Motivação Partilha e troca de informação Estimular e fortalecer a identidade Trabalho de sensibilização

Espaços de passagem e de estar Permeabilidade entre o espaço público e o privado Espaço social que as casas não possuem Praça

ABORDAGEM

DEFINIÇÃO

Reconhecimento do contexto Reconhecimento da intervenção e do projeto Abordagem à população

Reunião das instituições Definição das necessidades e prioridades

Requalificação das vias de circulação Conjugação de espaços de circulação e estar Melhoramento do estado das ruas Carácter pedonal no interior do bairro Única rua viária

INTERVENÇÃO

Interveção da população Calanderização dos programas

Extenção da exposição por todo o bairro Requalificação e construção de um museu e sede de Mandinga Estimular e fortalecer a cultura

ACOMPANHA\ MENTO

Avaliação do processo Discussão entre instituições e população Identificação de novas necessidades

ANÁLISE

Análise pós ocupação Avaliação das respostas às necessidades

Análise das necessidades Análise do estado das habitações Implantação de hortas e zonas de sombra nos terraços Intervenção no quintal das habitações

31


RAISSA VALCORBA RA I S S AVA LCO RB A @G MA I L .COM 32


33

Architecture Portfolio | Raïssa Valcorba  
Architecture Portfolio | Raïssa Valcorba  
Advertisement