Issuu on Google+

RAPOSINHO & SUPLEMENTO RAPOSINHO

8ª Edição Março de 2008

ESCOLA BÁSICA DOS 1º, 2º E 3º CICLOS/PE PROFESSOR FRANCISCO MANUEL SANTANA BARRETO Telefone: 291870040/email: eb23pfmsbarreto@madeira-edu.pt

Nesta edição: Aconteceu na Escola

2

Agenda do Raposinho

24

Eco-Página

25

Alimentação

28

Ciência Viva, Ciência Activa

29

Passatempos Ficheiros Secretos

30 32

O Sabor dos Sabores

33

Cantinho da Música

34

Dicas & Dicas

36

Correio Escolar

39

Olha Quem Faz Anos!

40

O DIA “HOJE À (HÁ) BOLEIA”

Ficha Técnica: Propriedade: Escola Básica dos 1º, 2º e 3º Ciclos/PE Professor Francisco Santana Barreto. Coordenação: Professores Élia Rodrigues, Judite Perestrelo, Lucinda Pereira, Rui Amaral e Vânia Moita. Repórteres/Redactores: Professores: Élia Rodrigues, Lucinda Pereira, Renato Azevedo, Rui Amaral, Vânia Moita, Cláudia Magalhães, Verónica Calado, José Carvalho, Ricardo Paixão, Ricardo Padrão. Alunos do Clube. Paginação e Esquema Gráfico: Professores Élia Rodrigues e Vânia Moita.

DESTAQUE: Jantar de Primavera no Dia 18 de Abril (Angariação de Fundos para a Viagem de Finalistas)

FEIRA MEDIEVAL EDITORIAL Bem-vindo de novo ao mundo das palavras que é o Raposinho. Folheia as páginas e recorda o que se passou na escola, em particular, o Dia Medieval. Tens também uma ligeira antevisão do que de mais importante se vai passar. De salientar o concurso ―Mais Horas, Mais Pontos‖ referente ao Projecto “Construção e Instalação de Aquecedores Solares”; o Concurso promovido pela Rádio Fajocas “O Cantinho”, e as actividades do dia 14 de Março. Está atento às informações relativas a este dia, pois serão muitas e interessantes. De destacar a comemoração do Dia da Árvore e da Água (plantação de árvores e sementeiras) e o Jantar de Primavera, organizado pelos alunos dos 9º anos de angariação de fundos para a viagem de finalistas. Para além de tudo isto, tens passatempos e as já conhecidas notícias da Ciência Viva, Ciência Activa e a Eco-Página. E não te esqueças nunca que o jornal é feito para ti e queremos que seja também feito por ti. Pois só assim poderás falar com a tua voz, deixando as tuas palavras impressas no jornal que queremos teu! Colabora com a tua escola, colabora com o jornal. Até breve e bom trabalho! Professora Élia Rodrigues


Página 2

RAPOSINHO

Visite du Père Noel à l’École No final do primeiro período, na manhã do dia 13 de Dezembro, alguns alunos da turma 8º B Vanessa, Sílvia, Ana, Michelle, Verónica, Catarina, Filipe, Ricardo e Hugo - substituíram ―Le Père Noel‖, por alguns minutos. Estes prestáveis discentes visitaram todas as salas e locais de trabalho da comunidade escolar para desejar aos alunos, funcionários e professores ―Joyeux Noel et Bonne Année!‖. É de salientar a euforia dos alunos do PréEscolar e do 1º Ciclo, quando receberam o bombom de chocolate e, por pouco, não arrancaram a falsa barba de um dos ―Père Noel‖! Foi desta forma que o Grupo e os alunos de Francês festejaram a quadra natalícia e desejaram a todos ―Feliz Natal e Bom Ano Novo!‖. A Professora Emília Silva

HANS CRHISTIAM

ANDERSEN

Hans Christian Andersen nasceu em Odense, no dia 2 de Abril de 1805 e faleceu em Copenhague, a 4 de Agosto de 1875. Foi um poeta e escritor dinamarquês de histórias infantis. O pai era sapateiro, o que levou Andersen a ter dificuldades para se educar, mas os seus ensaios poéticos e o conto "Criança Moribunda" garantiram-lhe um lugar no Instituto de Copenhagen. Escreveu peças de teatro, canções patrióticas, contos, histórias e, principalmente, contos de fadas, pelos quais é mundialmente conhecido. Entre os contos de Andersen, destacam-se: O Abeto, O Patinho Feio, A Caixinha de Surpresas, Os Sapatinhos Vermelhos, O Pequeno Cláudio e o Grande Cláudio, O Soldadinho de Chumbo, A Pequena Sereia, A Roupa Nova do Rei e A Princesa e a Ervilha, dentre outros. Publicou ainda: O Improvisador (1835), Nada como um menestrel (1837), Livro de Imagens sem Imagens (1840), O romance da minha vida (autobiografia em dois volumes, publicada inicialmente na Alemanha em 1847), mas a sua maior obra foram os contos de fadas (Eventyr og Historier, ou Histórias e Aventuras) que publicou de 1835 a 1872), onde o humor nórdico se alia a uma bonomia sorridente, e onde usa, simultaneamente, a base constituída por contos populares e uma ironia dirigida aos contemporâneos. A Pesquisa elaborada por: Mariana Serrão, 5ºA

A

MENINA DOS FÓSFOROS

O Clube de Expressão Dramática no presente ano lectivo é dinamizado pelos docentes Gabriela Queirós e Bruno Castro. Funciona às segundasfeiras e terças-feiras. À segunda-feira decorrem os ensaios e à terça-feira os alunos preparam os cenários e adereços para as peças que estão a ensaiar. Na Festa de Natal, os alunos do Clube de Teatro apresentaram uma peça de teatro, intitulada «A Menina dos Fósforos». Parabéns a todos os alunos que pertencem ao Clube de Teatro: Tina Jardim (A Menina dos fósforos) Joel Silva (pai da Menina dos fósforos), Nídia Andrade (avó que conta a história da Menina dos Fósforos), Sofia (Neta), Alexandre Silva (avó da Menina dos fósforos), Toni Pestana (neto da avó narradora), Jéssica (neta), Laura Mato (empregada da mãe do trombetista), Márcia Nunes (convidada da mãe do trombetista), Bia (neta), Verónica Teixeira (mãe da Menina), Jonas (trombetista), Jéssica Calaça (narradora), Carla Agrião (Menina dos fósforos quando era pequenina), Valter Fernandes (transeunte), Mariana Serrão (transeunte), Raquel Martins (mãe do trombetista), Alexandre Pereira (irmão da Menina), Lilia Ferreira (irmã do trompetista), Guida Fernandes (transeunte), Tatiana Oliveira (transeunte), Mónica Ferreira (transeunte). Tatiana Oliveira, 5ºA


8ª Edição

Página 3

Visita à EB1/PE do Paul do Mar A vinda da escritora - Irene Lucília No dia oito de Janeiro do ano em curso, os alunos da turma do 3º ano e a aluna vencedora do Triatlo Literário Baú da Leitura, Barbara Lourenço, do 4º ano, da nossa escola, foram à escola Básica com Pré -Escolar do Paúl do Mar. A acompanhá-los os professores, Rui e Manuela, que em conjunto com os seus alunos, assistiram à visita da escritora, Irene Lucília, que muito animou os presentes. Este encontro entre escolas teve início com a

A história foi acompanhado por uma

apresentação dos alunos do 3º ano da escola do

canção de Natal e todos os alunos destas duas

Paul do Mar, de uma dramatização do livro

escolas viveram momentos de ternura, alegria

"Histórias que o Vento Conta", obra da escritora. O

e muita amizade. Foi um dia inesquecível!

número apresentado intitulava-se "O Desfile das

Como recordação, os alunos da escola Profes-

Formigas". Citamos o estribilho desta história:

sor Francisco Barreto ofereceram cartões de

"Liberdade, liberdade!

agradecimento, quer para a escritora, Irene

Somos letras, somos flores,

Lucília, quer para a Comunidade Educati-

Flores de todas as cores

va da escola do Paul do Mar.

Para enfeitar a cidade

Este evento contou ainda com a

-Viva o formigueiro do meu quintal!"

entrega do livro: "De um a Dez da Cabeça aos

Todos os presentes aplaudiram esta dramatiza-

Pés", do autor José Jorge Letria, à aluna ven-

ção e, posteriormente, a autora, Irene Lucília fez

cedora, Bárbara Lourenço, da escola Profes-

uma breve abordagem às histórias que escreveu ao

sor Francisco Barreto. Esta, por sua vez, ofe-

longo da sua vida. Testemunhou que as histórias

receu um ramo de flores, à autora Irene Lucí-

contadas foram reais. Viveu-as durante o seu per-

lia.

curso de vida. Contou-nos a história: "Pinheirinho

A nossa escola agradece a hospitalida-

Diferente" e alegrou todas as crianças, desde o Pré-

de da escola do Paul do Mar, bem como a de

Escolar até ao 4º de escolaridade,

todos que tornaram possível a realização deste

bem como

os professores e restante Comunidade Educativa presente.

evento. Bem hajam a escritora, Irene Lucília e

Finalmente, a escritora propôs a criação uma de história colectiva livre. Elegeram-se as per-

a Coordenadora Lúcia. Enfim, a todos o nosso agradecimento.

sonagens, o local e surgiu uma bonita história, que se intitulava: "Uma história – Os três amigos à Procura de um Osso‖.

REPORTAGEM REALIZADA POR: BÁRBARA LOURENÇO E PROF. MANUELA

E. B.1.2.3.C./ P.E. Prof. Francisco Barreto – Fajã da Ovelha - Calheta


Página 4

RAPOSINHO

Biomassa — A Energia Desconhecida Assim que começou o 2º período, os alunos dos 8.º e 9.º tiveram a oportunidade de assistir a mais uma acção de sensibilização, no dia 8 de Janeiro, sobre as energias renováveis. Desta feita sobre a biomassa, uma fonte energética ainda muito pouco conhecida e explorada, até ao momento, na Região Autónoma da Madeira. Depois de uma primeira abordagem ao tema das energias alternativas, no mês de Dezembro, através de uma palestra ministrada por técnicos da AREAM (Agência Regional de Energia e Ambiente da RAM) sobre a Energia Solar, seguiram-se os Engenheiros Miguel Domingues e Duarte Barreto, da Direcção de Serviços de Informação e Planeamento Florestal da Direcção Regional de Florestas. Deram-nos a conhecer os primeiros passos da exploração desta fonte de energia com a construção a curto/médio prazo de uma central de biomassa para a rentabilização energética de restos florestais, desperdícios da actividade agrícola, limpeza de plantas infestantes, entre outros. Esta trata-se, sem dúvida alguma, de uma óptima notícia, pois poderá significar o melhor aproveitamento dos preciosos recursos vegetais que, desaproveitados são ainda utilizados para queimadas que, quase sempre evoluem para incêndios. Alunos dos 8º e 9 anos na Acção de esclarecimento sobre Biomassa

Presenciamos, com uma frequência inquietante, à ocorrência de fogos florestais em certas zonas da RAM, sobretudo no Concelho da Calheta. Aqui a maioria da população tem como principal actividade a agricultura e recorre às queimadas para efectuar a limpeza dos seus terrenos. A biomassa surge então como recurso de aproveitamento dos restos orgânicos, evitando a realização de queimadas que, não raras as vezes, evoluem para fogos descontrolados. Da biomassa se poderá obter também algumas contrapartidas financeiras resultantes do produto da sua venda a Centros de Tratamento da Biomassa para produção de Energia. Precisamos com urgência de soluções alternativas às existentes para que possamos ainda ter esperança de dar um futuro ao Planeta. E com soluções como a da biomassa isso será possível! Professora Élia Rodrigues


8ª Edição

Página 5

Insectos Vivos de Todo Foi no dia 9 de Janeiro que os alunos dos oitavo e nono anos da nossa escola tiveram oportunidade de ver “ao vivo” – literalmente – aquela que é considerada a maior colecção de insectos vivos de todo o mundo. A grande maioria das espécies apresentadas (cerca de uma centena) são efectivamente insectos, mas a exposição inclui também outros exemplares vivos de artrópodes, tais como aranhas, todos animais raros, de cores vivas e de diferentes formas. Conhecida como “Mundo das Metamorfoses”, esta é considerada a

maior colecção privada actual de animais exóticos a nível mundial, contando com os principais mestres na “arte” do mimetismo e camuflagem do mundo animal, como os bichos-folha ou os bichos-pau. Após terem sido realizadas exposições em vários países europeus e da América do Sul, esta mostra de insectos vivos percorreu, nos últimos meses, vários pontos de Portugal Continental,

tendo chegado à Região no passado dia 28 de Novembro, data a partir da qual esteve patente ao público, até ao dia da nossa visita, no antigo edifício da Universidade da Madeira. Os artrópodes, devidamente acondicionados em caixas de vidro adequadas a cada espécie, tiveram o mérito de conseguir dos visitantes a sua atenção, destacando-se, neste particular, uma espécie aranha conhecida como “comedora de pássaros", oriunda do interior da floresta Amazónica ou os diversos espécimes de bichos-folha. Mas a “estrela da companhia” foi, sem dúvida, a Blepharopsis mendica (louvadeus) – vá-se lá saber porquê! – espécie originária de Israel e áreas circundantes, aqui em cativante pose para a fotografia. Ao visitar a exposição, os nossos alunos acabaram por contribuir também para uma causa social, já que parte do custo dos ingressos reverte para a Fundação do Gil – Madeira, fundação que desenvolve a sua actividade em prol do bem-estar, valorização pessoal e integração social de crianças necessitadas. Professor Renato Azevedo


Página 6

RAPOSINHO

Santo Amaro A Tradição do “Varrer dos Armários” Foi no dia 14 de Janeiro que se festejou o Santo Amaro. Nesta época do ano, as famílias reúnem-se com os amigos e organizam uma pequena romaria com a finalidade de "limpar a casa" e de “varrer os armários”. Assim, grupos de pessoas percorrem as casas (uns dos outros), com vassouras e tachos com o propósito de comer os bolos de mel, as broas e beber os licores que restaram do Natal. Os alunos do Pré-Escolar e do 1.º ciclo percorreram as ruas da Raposeira do Lugarinho, visitando diversas casas, cantado as Janeiras. Desta forma, cumpriu-se a tradição e encerrou-se o ciclo das festividades do Natal.

TRADIÇÕES Para muitos a “Festa” termina a 6 de Janeiro, mas em alguns lares madeirenses a “lapinha” e o pinheiro só são desmontados a 15 deste mês. É o dia de Santo Amaro. Também conhecido, pelo povo, como o dia de “varrer os armários”. Fazem-se as últimas visitas da “Festa” para acabar com o que ainda resta do Natal. Antigamente, as pessoas limpavam as casas com vassouras, espanadores e outros objectos e, na última casa a ser limpa, comia-se uma canja e a festa só terminava quase de manhã. Era outro costume em Santo Amaro da Boiça, pelo Carnaval, ir de porta em porta pedir o “peidinho de galinha”. Para que a fogueira tradicional de Santo Amaro em Santiago não acabe, o Movimento de Jovens de Santiago, com o apoio da Junta de Freguesia local, realiza no dia 19 de Janeiro a tradicional fogueira de Santo Amaro. Professora Lucinda Pereira


8ª Edição

Página 7

Visita de Estudo Visita de Estudo à Academia de Línguas da Madeira No dia 22 de Janeiro de 2008, as docentes Emília Silva e Nélia Sousa acompanharam os alunos do 8º B a uma Visita de Estudo à Academia de Línguas da Madeira, no Funchal. Os alunos e as docentes foram recebidas por uma das Fundadoras da mesma Academia, Gabriela Fontoura e pela Directora Pedagógica, Marie-Claire Martin. Primeiramente, os alunos foram informados sobre a História da Academia de Línguas, fundada na Madeira em 1977 e que contou com o apoio da Secretaria Regional de Educação. O seu principal objectivo é o ensino e divulgação de línguas estrangeiras: Inglês, Francês, Alemão, Italiano, Espanhol e Português (língua estrangeira). De salientar que a aprendizagem da nossa língua para estrangeiros tem tido uma crescente procura, visto que existem muitos empresários que querem investir na Madeira. De seguida, os alunos viram uma apresentação em Powerpoint sobre as vantagens da aprendizagem de uma língua estrangeira, bem como o facto dos certificados, obtidos nesta Academia, serem reconhecidos nos respectivos paí-

ses estrangeiros – Cambridge University, Alliance Française, Goethe Institut, Chambre de Commerce et d’Industrie de Paris, Instituto Cervantes e Universidade de Lisboa (CAPLE). Existem cursos para crianças, adultos, estudantes, professores e outros profissionais. Os métodos utilizados visam desenvolver a conversação, leitura e escrita com fluência, uma aprendizagem acelerada e adequada e um contacto personalizado entre professor-aluno. A Directora Pedagógica, Marie-Claire Martin, deu-nos a honra de ser a nossa guia pela cidade de Paris, através da visualização de fotografias e de mapas. Após uma visita guiada às instalações, foram ainda esclarecidos sobre a experiência que a Academia de Línguas está a desenvolver na Escola Secundária da Calheta, desde o início do mês de Janeiro, e que já conta com quatro turmas de Inglês. Assim sendo, os nossos alunos poderão ter um acesso mais próximo a estes cursos de línguas estrangeiras através da Escola Secundária do mesmo concelho. A professora Emília Silva


Página 8

RAPOSINHO

“Das Entranhas da Terra” Feira de Rochas e Minerais

Visita dos alunos à Feira de Rochas e Minerais.

Mineral de Quartzo Rosa.

Na semana de 21 a 25 de Janeiro tiveste a oportunidade única de visitar a Feira de Rochas e Minerais – Das Entranhas da Terra, na sala sessões da nossa escola. Promovida pelo Grupo Disciplinar de Ciências Naturais e com a colaboração dos alunos do 9º ano esta feira proporcionou a todos os visitantes um contacto mais próximo com alguns dos pequenos tesouros do interior da Terra. Nesta feira, podias encontrar, a preços acessíveis, um conjunto de belas amostras de minerais e rochas, para além de outros objectos de adorno, como pulseiras, colares, fios, brincos e anéis, feitos com estas jóias da natureza. Foram poucos os que não apreciaram, deliciados, o produto final de um planeta em actividade e se surpreenderam com a aplicação deste material em objectos de uso diário. Pela primeira vez, os alunos puderam apreciar, manusear e, até, adquirir amostras do passado geológico da Terra. Foram evidentes o entusiasmo e a satisfação de todos quantos visitaram esta exposição. O agrado com que todos (pois ninguém a ela foi indiferente) receberam a feira tornou gratificante o esforço investido na sua realização. Os responsáveis pela organização deste evento congratulam-se pelo sucesso da mesma e agradecem o apoio dos alunos e demais visitantes. De referir ainda que uma percentagem dos lucros da venda dos artigos em exposição reverterá para a viagem de finalistas dos alunos do 9º ano.

Professora Élia Rodrigues Banca da Feira — Alguns dos artigos em exposição.


8ª Edição

Página 9

Hoje (H)À Boleia No dia 25 de Janeiro, decorreu na nossa escola a actividade Hoje (h) à Boleia, na sua segunda edição. Esta iniciativa constitui uma espécie de dia sem carros, cujo objectivo principal é alertar e sensibilizar para a problemática da utilização excessiva dos transportes – actualmente uma das principais fontes de poluição atmosférica – e a adopção de hábitos conducentes a uma mobilidade (mais) sustentável. Assim, o estacionamento no parque anexo à escola esteve, nessa sexta-feira, interdito a quaisquer veículos privados, salvo aqueles que se apresentassem com a totalidade da sua lotação preenchida. Sendo um dos objectivos desta acção encontrar soluções de mobilidade sustentável – pretendendo contribuir para a solução, não para o problema, esteve afixado na sala dos professores um mapa de carpooling. Os interessados em ceder e receber boleia tinham apenas de proceder à respectiva inscrição e acordar depois entre si locais e horários de paragem, tendo-se aconselhado ainda a troca de contactos para fazer face a qualquer imponderável. Os Eco-agentes (alunos que durante todo esse dia zelaram pelo cumprimento da “lei”) já estavam escalados, agrupados em quatro turnos com duração de aproximadamente três horas; os respectivos crachás impressos, plastificados

II HOJE (H) À BOLEIA COM MENOS “MULTAS”

Globalmente melhor do que na edição do ano passado. Foi, desta forma, que os responsáveis pela organização da actividade Hoje (h) à Boleia, iniciativa promovida pelo grupo disciplinar de Ciências com a colaboração dos alunos do Clube Eco, fizeram o rescaldo da “operação” mobilidade sustentável, que decorreu esta sexta-feira, no parque de estacionamento e troços viários anexos à Escola Professor Francisco M.S. Barreto. Actuando em sistema de rotatividade de turnos, um reforçado contingente de alunos – dezasseis – assegurou a “mega-operação stop” montada desde as 08h00 até às 18h00, devidamente supervisionados por agentes da Polícia de Segurança Pública e um professor.

e ostentados ao peito dos briosos agentes, os livretes de “multas” aguardaram os primeiros registos de ocorrências. Enfim, parecia estar tudo a postos. E estava – tudo correu bem. E correu melhor para o Ambiente! Numa analogia com o automobilismo, pode-se dizer que nestes dias sentiu-se na escola o roncar dos motores para “a grande operação”.

infractores - contabilizáveis por 1/5 dos dedos de uma mão -, fica aqui a "promessa" de que da próxima serão autuados "a sério" a ver se interiorizam o espírito desta actividade. Mas como uma erva não faz a floresta. Professor Renato Azevedo


Página 10

RAPOSINHO

Actividade Física na Escola Neste segundo período, o grupo de Educação Física realizou várias actividades, nomeadamente, 2 torneios (Basquetebol e Ténis de Mesa) e a batalha de balões de água. De destacar que, para além destas actividades previstas no Plano Anual de Escola, foram propostas e desenvolvidas outras actividades: jogo de futebol entre professores e alunos e os jogos de voleibol previstos entre professores e alunos (Masculino e Feminino). Assim, findo este período, é de realçar o balanço extremamente positivo quanto às actividades desenvolvidas e a importância que estas têm no seio escolar, estimulando as relações humanas entre professores e alunos da escola através da promoção das modalidades desportivas.

Professor José Carvalho


8ª Edição

Página 11

Dia Medieval — Uma Viagem no Tempo Pré-escolar, 1º Ciclo e Ensino Recorrente (1º Ciclo) Sob o tema ―Carnaval Medieval‖, o Clube ―Som, Luzes e Acção‖ (SLA) apresentou duas coreografias tradicionais (respeitantes à Idade Média). Os trajes alusivos à época foram planeados e concretizados pela docente da Expressão Plástica, alunos dos 1º, 2º e 4º anos e Ensino Recorrente (1º Ciclo) e respectivos docentes titulares de turma. Foi interessante o trabalho de investigação realizado nas aulas de Clube SLA, onde os alunos puderam cons-

Algumas das ―jovens‖ alunas do 1º Ciclo do Ensino Recorrente a preparar delícias gastronómicas.

tatar usos e costumes e reproduzir as danças medievais, de forma entusiástica. As crianças do Pré-escolar estavam bem caracterizados de ―bobinhos‖ da Corte e os

alunos do terceiro ano

representaram um coeso grupo de cavaleiros bem armados. O cenário construído na Sala de Sessões, pela docente Patrícia Sumares, transformou esse espaço num ―castelo medieval‖, encantando as crianças que, no final do dia, puderam também assistir à projecção do divertido filme ―Shreck III‖.

Alunas do 1º Ciclo do Ensino Recorrente na companhia das professoras Sofia Aguiar e Cláudia Magalhães.

Ensino Recorrente, 1º Ciclo L u


Página 12

RAPOSINHO

Dia Medieval — Uma Viagem no Tempo OS CAMBISTAS! O DIA MEDIEVAL MARCOU O “NASCIMENTO” DE UMA NOVA MOEDA!

No dia 1 de Fevereiro, teve lugar na nossa escola o Dia Medieval. Foi encenada uma feira medieval, com personagens vestidos a rigor. O Grupo de Matemática recriou a tenda dos Cambistas. ―Cunhou‖ em barro uma moeda para circular no recinto da feira. Podemos dizer que, pelo volume de câmbio a que tivemos que dar resposta, os comerciantes do recinto estão de parabéns.! Podemos dizer que gostámos da experiência e que foi uma maneira diferente de viver o Carnaval. Grupo de Matemática


8ª Edição

Página 13

Dia Medieval Uma Viagem no Tempo  OS CAMBISTAS  Durante a expansão do comércio, assim como durante as guerras de conquista, as moedas dos diferentes países eram trocadas, mas o pagamento só podia ser efectuado com dinheiro do país específico. Foi então que se deu uma divisão de tarefas no campo comercial: paralelamente aos comerciantes que se ocupavam com a troca de artigos comuns, surgiram os cambistas, isto é, comerciantes dedicados ao intercâmbio de uma mercadoria específica: o dinheiro. Num espaço de tempo relativamente curto, acumularam-se fantásticas somas de dinheiro nas mãos dos cambistas. Foi então que floresceu uma nova actividade: guardar e emprestar dinheiro. As pessoas entregavam seu dinheiro à custódia do cambista rico, que o guardava e devolvia ao dono quando ele pedisse. Como havia alturas em que os cambistas acumulavam grandes quantidades de dinheiro nos seus cofres, era natural que a seguinte ideia ocorresse: "Porque estas grandes somas de dinheiro haverão de permanecer em meu poder sem qualquer lucro para mim?”. Assim tiveram início as operações creditícias. Aqueles que, por alguma razão, se encontravam sem dinheiro - comerciantes, senhores feudais e não raras vezes o próprio rei ou o erário nacional -, recorriam ao cambista que lhes emprestava grandes somas de dinheiro a juros "razoáveis". O cambista exercia sua profissão sentado num banco de madeira em algum lugar do mercado. Daí a origem da palavra "banqueiro" e "banco". Os primeiros bancos de verdade da História foram criados pelos sacerdotes. O primeiro banco privado foi fundado pelo duque. Vitali em 1157, em Veneza. Após este, nos séculos XIII, XIV e XV toda uma rede bancária foi criada. Assim os bancos foram um dos grandes propulsores práticos para o avanço da Matemática Comercial e Financeira e da Economia durante os séculos X até XV. Pois sem essa motivação para o aprimoramento dos cálculos, talvez, essa área de Matemática não estivesse tão avançada nos dias actuais.


Página 14

RAPOSINHO

Dia Medieval — Uma Viagem no Tempo Poções Mágicas e Feitiços Foi montada uma tenda de feiticeira no pátio exterior da Escola, na qual foram realizadas algumas sessões de atendimento à Comunidade Educativa com o intuito de fazer as previsões para o Ano 2008 a vários níveis. Algumas actividades experimentais foram realizadas para despertar a curiosidade e o gosto pelas Ciências Físico-Químicas. Essas actividades consistiram em confeccionar sabonetes e utilizar plantas naturais para aferir o carácter ácido e básico das soluções. A cada coloração obtida, aquando da junção das substâncias, foi associado um significado (por exemplo: à coloração amarela foi associada a Felicidade e à coloração vermelha foi associada a Paixão). Estas sessões de atendimento, bem como a realização das actividades experimentais tiveram a colaboração das professoras responsáveis da disciplina de Ciências Físico-Químicas e das alunas, Cristina Raquel e Telma Vanessa do 6º A. Actividade nº 1: preparação de poções mágicas para feitiços Existem substâncias (naturais ou sintéticas) que adquirem cor diferente em presença de soluções ácidas e de soluções básicas. Na actividade em

questão utilizou-se as hortênsias e a beterraba na preparação de chás aos quais adicionámos a base de Hidróxido de Bário e o Ácido Acetilsalicílico (comprimido de aspirina). Obtendo-se a coloração amarela aquando da junção das hortênsias com o hidróxido de bário e a coloração avermelhada aquando da junção do chá da beterraba com o ácido acetilsalicílico . Actividade nº 2: Confecção de Sabonetes Os alunos dissolveram, por aquecimento, glicerina num copo de vidro. Depois, adicionaram corantes diferentes para dar coloração à mesma. Posteriormente, demolharam noutro copo de vidro, folhas de gelatina que adicionaram à glicerina anteriormente dissolvida. No final, verteram o conteúdo em moldes para sabonetes. Professoras Teresa Chá-Chá e Zelinda Abreu


8ª Edição

Página 15

Dia Medieval — Uma Viagem no Tempo No dia 1 de Fevereiro, decorreu na nossa escola «A Feira Medieval». Houve música, divertimentos, jogos e manjares alusivos à Época Medieval. Os alunos venderam uma grande variedade de produtos nas suas tendas: alimentos (chá, bolos, bifanas) e acessórios de vestuário (pulseiras, cordões), entre outras coisas. Os nossos comerciantes medievais até tinham animais (ovelhas e cabras) para venda. Todos os alunos, trajados a rigor, e passearam na feira. Alguns cavaleiros levavam armadura com elmo de viseira, peitoral e espada. Por vezes, improvisavam pequenas disputas.

Duelo Medieval

Os bobos desfilavam em grupo muito divertidos. Os alunos almoçaram frango assado, pão e fruta. Não havia talheres disponíveis, pois na Época Medieval comia-se à mão. Alguns alunos assistiram, no Polidesportivo, ao Jogo de Futebol entre os seus colegas e professores. Outros participaram na corrida de carrinhos de madei-

A Barraca das “Carnes” do 9º B

ra. De tarde, decorreu ainda um baile de Carnaval. Nesse dia festejou-se um CARNAVAL MEDIEVAL!

Por cá é tradição No dia de Entrudo, é costume as crianças pedirem malassadas nas casas dos familiares e amigos cantarolando: “Truc, truc, malassadas com açucre”. Professora Lucinda Pereira

Os animais com lugar cativo na feira...


Página 16

RAPOSINHO

Dia Medieval — Uma Viagem no Tempo

Barraca dos Bolos, Sinas e Signos A TUA SINA POR UM BOLO! (BOLINHOS DA SORTE)

Este era um dos cartazes que anunciava a venda de bolos da turma do 9º A. Na compra de uma fatia de bolo, cada cliente tinha direito a uma frasepensamento sobre Amor, Dinheiro, Amizade e outras áreas da vida. Para além dos bolos, a turma A do 9º ano também fazia a leitura das mãos e explicava as características dos signos, referindo as compatibilidades amorosas entre os mesmos. E diga-se de passagem, fazia-o muito bem! Acrescente-se que a venda de bolos foi um rotundo sucesso e os alunos que participaram activamente na barraca sentiram-se muito satisfeitos e orgulhosos do seu trabalho. O produto resultante das vendas feitas reverterá inteiramente para a viagem de finalistas destes alunos. Docente Élia Rodrigues


8ª Edição

Página 17

Dia Medieval — Uma Viagem no Tempo

Para recordar...

Funcionários vestidos a rigor...

Alunos do Pré-escolar, Educadoras e Auxiliar

Danças medievais


Página 18

RAPOSINHO

Dia dos Namorados

Concours “Le plus beau poème d’amour” Em homenagem ao Dia de S. Valentim, o Grupo de Francês incentivou os alunos a inscreverem-se no concurso ―Le plus beau poème d’amour‖, de modo que o romance e a paixão, que caracterizam este dia do Cupido, fossem uma fonte de inspiração para os nossos alunos apaixonados. Assim sendo, na manhã do dia 14 de Fevereiro foi eleito por um júri o poema vencedor, que é da autoria da Catarina Silva do 8ºB. Esta recebeu como prémio um Dicionário bilingue Português / Francês vs Francês / Português. Parabéns Catarina! O teu poema vencedor pode agora ser apreciado por todos: Poème d’amour Il y a des personnes qui, Même sans rien nous donner, Sont tout pour nous Et nous complètent. Elles séduisent notre coeur Avec des mots, Des moments, Des regards et des tentations. Il y a toujours quelqu’un Dans le monde Qui nous rend heureux. Aujourd’hui, c’est ce jour ! A Professora Emília

Silva

Os alunos do 1º Ciclo elaboraram o “Cantinho dos Afectos” e trocaram mensagens cheias de ternura de modo a celebrarem o Dia de São Valentim. Amigo Daniel, tu és um dos meus melhores amigos que eu tenho. És um bom guarda-redes. De vez em quando és melhor do que eu na baliza. Também adoras carros, motas e carros de comando e muito mais coisas. Também gostas de jogar futebol e andas no Clube Estrela. Um abraço. – Luís Miguel Jaime, quero que vás à minha casa, no sábado, às quinze horas. Traz o jogo do Ninja e dois do Nemo. Joga-se Need for Speed-Most Wanted. Eu já estou no nível 11 do Big lou. Eu tenho um mercedes muito bom com nitro, turbo e muito mais. Já passei o nível 12 da Yzzy. – Luís Miguel A Verónica é a minha prima e é a minha melhor amiga. Ela dá-me presentes. – Érica O Pedro é o meu melhor amigo da vida.- Aurélio Eu gosto de ir aos treinos com o Pedro e o Pedro é o melhor jogador. Eu gosto muito de jogar à bola.- Mário Eu gosto de brincar com o Paulo Jorge nos treinos. Pedro Eu gosto de ti, Luís Miguel. – Daniel Eu gosto de jogar à bola com o Pedro. – Nelson Os meus amigos favoritos são: o Luís, o Nelson, o Daniel, o André, o Miguel e o Pedro.- Jaime A Érica é a minha melhor amiga de sempre e eu gosto de brincar com a Érica. – Christine O Luís Miguel é o meu melhor amigo do mundo inteiro. - Miguel Eu gosto de brincar com a Christine em casa. - Raquel Tu és fixe Michael, porque és o meu melhor amigo. ….. Amigo de olhos brilhantes, coração de ouro, olhos castanhos assim como o oceano. Amigo de alma. - …………. Eu gosto de ti porque és a melhor amiga do mundo. Jéssica Anabella, tu tens uns cabelos de ouro e o teu olhar é um raio de sol. És uma amiga verdadeira. Quando fores embora, eu nunca te vou esquecer. - Sofia Ser amigo é bom. Meu querido amigo e primo Leandro, eu gosto muito de ti. Tu fazes muitas caretas e és o maior primo do mundo. Olga, o teu coração tem luz. Os teus olhos brilham. Eu só sei que tu também gostas de mim! Feliz dia de S. Valentim. - Marisa Cátia Raquel, os teus olhos são lindos como o céu. O teu coração é de ouro e o teu cabelo é de seda. Gosto muito de ti. – Marisa Meu querido amigo, tu és engraçado na catequese. Tu és o meu melhor primo do mundo. Espero que arranjes uma namorada. - …. Amigo Fábio, és “fixe”. Joga-se às cartas de Yo-ge-ho, hoje?- André Olá Barbara, pega um beijo. - .... Débora, és mais bonita do que uma rosa. - ..... Paula , és a minha melhor amiga da escola. – Olga Olá Anthonny, és muito brincalhão e eu sou muito tua amiga.- Bárbara Débora, a minha amizade é maior do que o meu coração. Gosto muito de ti como amigo.- ....


8ª Edição

Página 19

RAPOSINHO

Abriu portas no dia 18 de Fevereiro a 2ª Edição do Casino da Matemática. Desta vez, não tivemos convidados. O convite foi feito à Escola da Ponta do Sol mas, infelizmente, não puderam estar presentes. A grande novidade, este ano, foi a exposição de Jogos Comestíveis. Foram feitas réplicas, em bolo, dos Jogos do casino, nomeadamente o Ouri, o Reversi, o Pylos, o Moinho e o Dominó. Estiveram depois expostos numa vitrina e, posteriormente, foram vendidos. Grupo de Matemática

ALCOOLISMO E AS TOXICODEPENDÊNCIAS ACÇÃO DE SENSIBILIAZAÇÃO NO ÂMBITO DO PROJECTO ATLANTE

No passado dia 26 de Fevereiro, decorreu uma acção de sensibilização sobre o Alcoolismo e as toxicodependências no âmbito do projecto Atlante. A enfermeira Inês Araújo informou os alunos dos quintos e sextos anos sobre diversos aspectos desta temática. Em primeiro lugar, a enfermeira disse que era importante falar com os jovens a respeito do alcoolismo. É necessário prevenir os jovens dos problemas ligados ao álcool. Em seguida, foram colocadas diversas questões aos alunos: Quais as preocupações dos pais e educadores?, Quem não deve beber? O álcool aquece?, O álcool mata a sede?, O álcool dá força?, O álcool é um alimento e ajuda na digestão?, Quais as doenças ligadas ao alcoolismo?.

O álcool é uma droga que interfere com a actividade do sistema nervoso. Interfere com a razão. Devem dizer Não às bebidas alcoólicas as crianças, os jovens até aos dezoito anos, as mulheres grávidas e a amamentar, os condutores, os manobradores e os doentes alcoólicos tratados. Os adultos poderão beber álcool em doses moderadas e não devem ultrapassar ¼ de litro de vinho por dia ou duas cervejas repartidas pelas refeições. Os alunos foram também informados das doenças que o álcool pode provocar. Viram duas imagens: um fígado saudável e um fígado com cancro. Mónica Ferreira, 5ºC


Página 20

RAPOSINHO

Dia das Expressões No dia 8 de Fevereiro, decorreu na nossa escola o Dia das Expressões. Foram várias as actividades dinamizadas pelo Departamento de Expressões ao longo desse dia. Na sala de Educação Visual e Tecnológica, várias turmas pintaram, ao som da música, desenhos em papel de cenário. Uns faziam corações e outros desenhavam notas musicais. Esta actividade «Pintar a Música» foi dinamizada pelos professores Ricardo Paixão e Bruno Castro. Por volta das 10h30m, os alunos assistiram à actuação do «Quarteto de Tubas e Quinteto de Sopros». Pretendeu-se com esta actividade incrementar o gosto pela música portuguesa, salvaguardar a cultura musical e difundir temas de raiz popular. De seguida, na sala de leitura da biblioteca, decorreu uma palestra sobre «Música Tradicional Madeirense» pela professora Rubina Fernandes (GCEA). Posteriormente, os alunos ouviram música tradicional e tiveram a oportunidade de aplicar os seus conhecimentos através de jogos lúdicodidácticos subordinados ao tema acima referido. De seguida, os alunos assistiram à actuação do núcleo de Ginástica Acrobática da Escola Secundária da Calheta. Os alunos da Calheta mostraram o seu incrível talento com uma série de coreografias. De facto, surpreenderam a assistência que estava no Polidesportivo. Finalmente, assistiu-se à actuação do «Grupo de Percussão do Conservatório da Madeira» que marcou a sua presença pela extensa multiplicidade dos instrumentos apresentados e pela «qualidade timbrística» apresentada. A actividade «Desenhos com Ritmo», dinamizada pelo Grupo de Educação Musical foi desenvolvida também no local. Este dia terminou com um Lanche Convívio oferecido a todos os que participaram e assistiram às actividades.

Gabriel Neves, 5ºC Actividades realizadas no Dia das expressões.


8ª Edição

Página 21

Visita de Estudo ao Museu da Electricidade No dia 13 de Fevereiro, os alunos dos 9º anos acompanhados pelos professores Elisabete Teixeira, Élia Rodrigues e João Geraldes foram ao Museu da ―Luz‖. À chegada foram recebidos por um guia, que se revelou incansável nas suas explicações ao longo de toda a visita. Os alunos puderam acompanhar a evolução da tecnologia eléctrica no decorrer do tempo, desde a iluminação das ruas com candeeiros a azeite até aos modernos postes de electricidade.

Este museu revelou ser uma verdadeira surpresa com uma grande quantidade de máquinas e instrumentos desconhecidos até à data. Os alunos tiveram acesso à antiga sala dos ―contadores‖ da cidade do Funchal e observaram um fóssil de um carvalho encontrado aquando da construção das levadas. O guia encaminhou o grupo por todo um espaço ocupado pelas mais diversas ―engenhocas‖. A empresa de electricidade também está a explorar outras fontes de energia, nomeadamente, a eólica.

Prosseguindo a visita, os alunos só ficaram verdadeiramente ―iluminados‖ no andar superior. Aqui depararam-se com alguns mecanismos onde puderam verificar, de uma forma prática, o funcionamento da electricidade. Interagiram com estes mecanismos fazendo acender lâmpadas ao pedalar com vitalidade uma bicicleta, por exemplo. Quiseram demorar-se um pouco mais mas não foi possível. Era hora de voltar para a escola. Professora Élia Rodrigues


Página 22

RAPOSINHO

SEMANA REGIONAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA “Um olhar diferente, O Dia Internacional da Pessoa Portadora de Deficiência, 3 de Dezembro, é uma data referenciada a nível internacional promovida pelas Nações Unidas desde 1998, tendo como objectivo promover uma maior compreensão dos assuntos no que concerne à deficiência e para mobilizar a defesa da dignidade, dos direitos e o bem estar das pessoas. Procura, também, aumentar a consciência dos benefícios, trazidos pela integração das pessoas portadoras de deficiência em cada aspecto da vida política, social, económica e cultural. Assim, o objectivo principal das actividades a desenvolver, é chamar a atenção da sociedade para o dever de garantir a qualidade de vida e a inclusão social das pessoas com algum tipo de deficiência, bem como informar acerca das iniciativas e recursos hoje disponíveis para o benefício da qualidade de vida das pessoas portadoras de alguma deficiência. A cada ano, o tema deste dia é baseado num objectivo do exercício pleno dos direitos humanos e da par-

escolar para as diferentes problemáticas relacionadas com os handicaps da pessoa nesta data. Uma das iniciativas consiste na sensibilização dos alunos do 1º ciclo, através de observação de diapositivos. Terão oportunidade de vivênciar as dificuldades sentidas pelos portadores de deficiência nas aulas de Educação Física, através de jogos do boccia e goalball. Executarão trabalhos alusivos ao tema, que farão parte de uma exposição. Ao nível do 2º ciclo, os alunos terão contacto com a realidade do portador de deficiência através de jogos de simulação e jogos de boccia e goalball. Para além desta actividade, os alunos do 6º ano participarão numa acção de sensibilização promovida pelo DANTIC. O 3º ciclo participará com trabalhos de Expressão Plástica, com a finalidade de ser elaborada uma exposição, alusiva ao tema. Os alunos do 8º ano participarão, igualmente, na acção de sensibilização promovida pelo mesmo organismo. Para os docentes e outros elementos da comunidade escolar, haverá visita à exposição, bem como a


8ª Edição

Página 23

Actividades realizadas nos dias 3, 4 e 6 Dezembro - Jogos: Boccia e Goalball (professores de Educação Física, do 1º e 2º ciclos, nas respectivas aulas, com o apoio do Docente Especializado). - Sensibilização alusiva ao tema utilizando diapositivos de PowerPoint, seguido de debate. - Jogo/questionário apresentado em diapositivos, para mais fácil aquisição dos conhecimentos transmitidos pelos primeiros diapositivos. - A equipa do DANTIC irá fazer uma exposição das tecnologias de apoio existentes para as pessoas portadoras de deficiência, explicando as suas funções (Sensibilização do DANTIC —11 de Dezembro de 2007).

Um dia Diferente para a Tatiana No dia 3 de Março, a aluna Tatiana José Teixeira Correia da turma C do 5º ano recebeu uma nova cadeira, adaptada às suas necessidades. Esta oferta resultou de um esforço conjunto de várias pessoas, mas partiu da iniciativa da professora Rute Isabel Horta Lourenço da Escola Básica do 1º Ciclo/PE da Ponta do Pargo no ano lectivo de 2006/2007. Esta iniciativa teve continuidade no presente ano, culminando na oferta da cadeira à Tatiana, graças ao contributo de várias empresas e pessoas anónimas, bem como do apoio da Câmara Municipal da Calheta. A cerimónia de entrega da cadeira contou com a presença do Senhor Presidente e do Senhor Vereador da Área Social da Câmara, dos elementos do Conselho Executivo da nossa escola e de outros elementos da Comunidade Educativa que presenciaram a alegria da aluna. Após a entrega da cadeira, realizou-se um jogo — o Boccia, praticado pela Tatiana — e que foi dado a conhecer aos presentes. Foram muitos os alunos que se ofereceram para jogar com a Tatiana, mostrando um entusiasmo pelo desporto. Professora Gabriela Fontoura


Página 24

RAPOSINHO

AGENDA DO RAPOSINHO Concurso “O Cantinho” pela Rádio Fajocas

Este é o logótipo da recém baptizada Rádio Fajocas - A Voz da Diferença! Já fizemos uma emissão, no dia medieval. Esta foi gravada, por ter sido impossível fazer as emissões em directo, como gostaríamos. No entanto, em breve estaremos no ar. Entretanto, não estamos parados e, no âmbito da rádio, vamos criar O Cantinho na cantina para os alunos. Precisamos das tuas ideias para que seja um espaço teu. Colabora naquele que vai ser o teu Cantinho. E se quiseres ouvir a tua música ou dedicar alguma para alguém especial deixa o teu pedido junto à D. Marlene. Rádio Fajocas

Actividades do dia 14 de Março A Páscoa aproxima-se e com ela as talvez merecidas férias? No último dia, será celebrado o Dia da Árvore e da Água e, como já deves ter ouvido falar, temos planeado entre muitas actividades, uma directamente relacionada com o ambiente. De ti, só precisamos da vontade em participar. Depois é esperar que as sementes queiram germinar. Para isso precisam de ti para querer germinar. Também serão plantadas algumas árvores. Contamos contigo! Jantar de Primavera Os alunos dos 9º anos estão a organizar um jantar para angariação de fundos para a viagem de finalistas. Promete ser um jantar animado e completo numa época propícia à alegria e à diversão. A ementa para esse dia será divulgada em momento oportuno. E apenas por 8 Primaveras todas as pessoas do meio escolar e fora dele podem usufruir de um bom momento de convívio e de uma boa oportunidade gastronómica (basta dizer que a cozinheira será a D. Inês). Está feito o convite e as senhas para este jantar podem ser directamente compradas aos alunos responsáveis pelo jantar.

Docente Élia Rodrigues


8ª Edição

Página 25

ECO-PÁGINA Seminário Nacional Eco-Escolas Nos dias 13, 14 e 15 de Janeiro, decorreu, no município da Maia, o Seminário Nacional Eco-Escolas 2007/08. Este encontro anual, destinado a professores, técnicos de municípios, ou outros profissionais ligados à Educação Ambiental, distinguiu-se dos anteriores pelo particular enfoque no tema do ano do programa EcoEscolas: Alterações Climáticas. O evento abriu no domingo com um périplo pelo município, que constou de um percurso urbano e visita à Quinta da Gruta, uma quinta pedagógica de grandes dimensões e muito requintada em termos de biodiversidade. É importante dizê-lo (naturalmente sem querer ferir susceptibilidades), não chega nem “aos calcanhares” da nossa. Mais uma vez os nossos parabéns à Paróquia dos Prazeres e dinamizadores daquele espaço, que com tão pouco conseguem fazer tanto. Inicialmente foram formados diferentes grupos de trabalho que assistiram a seis painéis de comunicações, oito ateliers (Energia Solar, Plantas Aromáticas, Ribeiras de Gaia, Compostagem, Biodiversidade, Educação Ambiental, Instrumentos Musicais e Práticas de Educação Ambiental) e quatro fóruns de discussão. Posteriormente, os grupos procederam à delineação de um plano de acção face aos temas apresentados, completando o programa do encontro anual Eco-Escolas 2007/2008. Durante o Seminário, foram também apresentadas algumas novidades relativamente ao programa Eco-escolas deste ano, nomeadamente no que concerne ao concurso Escola da Energia, bem como a divulgação de algumas das da nossas actividades previstas para o ano lectivo em curso.

Esta edição contou com uma participação recorde relativamente a organizações anteriores. A “delegação” madeirense, entre professores, técnicos de municípios e autarcas, rondou as três dezenas de representantes, tendo para tal muito contribuído a comitiva câmara-lobense, com vinte elementos. Porto Moniz, São Vicente, Funchal e Calheta foram os outros concelhos da Região que se fizeram representar. A Escola Professor Francisco Barreto marcou presença pela segunda vez, neste seminário nacional, novamente na pessoa do professor Renato Azevedo, docente coordenador do programa Eco-Escolas na escola. Uma referência para a presença do nosso bem conhecido colega, José Carlos Moura, agora coordenador do programa Eco-Escolas da Escola Básica e Secundária Professora D. Lucinda Andrade, em São Vicente. Tendo por termo comparativo o I Encontro Regional Eco-Escolas da RAM que decorreu no Porto Moniz, de registar o facto de se verificar a participação de muitas “caras novas” neste seminário nacional, um facto curioso, sem dúvida.

Assistência do Seminário Eco-Escolas em Janeiro de 2008. Docente Renato Azevedo In Blogue ecobarreto


Página 26

RAPOSINHO

ECO-PÁGINA Construção e Instalação de Aquecedores Solares Utilizando Embalagens Descartáveis

Nome do Projecto:

Construção e Instalação de Aquecedores Solares com Embalagens Descartáveis

Para que serve um aquecedor solar? Para ter água quente sem gastar luz ou gás. Só precisa do Sol e do seu “calorzinho”! Desta maneira, aproveita-se um recurso natural valioso que é o Sol. Sem impostos nem promessas falsas. O Sol é um bem de todos e uma forma de energia para todos! Para poupar dinheiro, poupando a Terra!

Para lavar a loiça com água quente nos dias mais frios de Inverno e tomar duches merecidos ao fim de um dia cansativo!

Poupando em electricidade ou em gás sobrará para outras coisas!

Professores Responsáveis :

Élia Rodrigues Paula Sacramento Renato Azevedo

Aqui tens um breve resumo do projecto que estamos a desenvolver e, para o qual , pedimos a tua ajuda. Lê as páginas seguintes para saberes mais. O que significa?

Significa que de materiais baratos e até gratuitos que, normalmente, são deitados fora, vamos construir um mecanismo que irá permitir o aproveitamento do calor do sol para aquecer a água!

O SOL Como sabem, o sol é uma fonte de calor e energia para as plantas, animais e seres humanos. Sem ele não podia haver vida!

Então vamos aproveitar esta fonte de calor para aquecer a água.

Na cantina, será afixada um horário onde podes deixar a tua disponibilidade para trabalhar no projecto durante a semana e sem perderes aulas e cumprires com as tuas outras obrigações e prazeres escolares. Um grande obrigado pela tua atenção!

Dispositivo Montado e em pleno funcionamento — precisamos de mais 10 iguais a este! Com que materiais se constrói o aquecedor solar? Um tanque de 150 litros de água

Garrafas de plástico transparentes de 1,5 litros

Sacos de plástico pretos

Caixas de leite


8ª Edição

Página 27

PRECISAMOS DE TI!

ECO-PÁGINA

No âmbito do Concurso Nacional Rock In Rio Escola Solar, a escola tem vindo a desenvolver um projecto designado por

E para onde vão estes aquecedores solares?

Construção e Instalação de Aquecedores Solares Utilizando Embalagens Descartáveis. Dele já deves ter ouvido falar ou dele já deves ter visto algum material considerado ―lixo‖, como embalagens de leite, garrafas de plástico, entre outros, nas mãos de algum transeunte suspeito. Pois bem, é para este projecto de grandes ambições que vimos pedir a tua inestimável ajuda. Podes come-

Sessão de Esclarecimento para os Beneficiários do Projecto

çar por reunir todo o material de que preci-

“Construção e Instalação dos Aquecedores Solares Utilizando

samos como garrafas PET (garrafas de 1,5 l de água, coca-cola e outros, desde que sejam transparentes); embalagens de tetra-pak (de leite - lavadas e espalmadas) e, finalmente, sacos de plástico pretos de mercearia. Este material pode ser entregue à D. Fernanda ou no Laboratório de Ciências. Mas, se queres fazer mais, podes indicar, no horário semanal a ser afixado na cantina, a tua dis-

Embalagens Descartáveis” .

Nesta sessão estiveram presentes todas as famílias abrangidas por este projecto, os docentes coordenadores do projecto e o presidente do Conselho Executivo. Após a exposição do mesmo, seguiu-se o esclarecimento de algumas dúvidas dos beneficiários presentes. Terminada a sessão, passou-se para um momento de alegre lanche-convívio, onde o chá e as bolachas tiveram lugar cativo. Os nossos agradecimentos para as famílias que aceitaram fazer parte do nosso projecto, recebendo em suas casas os aquecedores solares.

ponibilidade para trabalhar no projecto. Ser-te-ão dadas todas as indicações necessárias. Quem trabalhar mais horas, ganha pontos e habilita-se a ganhar prémios, concretamente, bilhetes para o concerto Rock In Rio. Isto, SE a nossa escola ganhar o concurso – e com a tua ajuda ganhará, com toda a certeza. Não te esqueças que e, fazemos questão de sublinhar, o projecto é da escola e, portanto, teu. Contamos contigo para fazer a diferença. Até breve!

Docente Élia Rodrigues


Página 28

RAPOSINHO

HISTÓRIA E ORIGEM DA ALFACE Nome Científico: Lactuca sativa L. var. capitata Nome Comum: Alface Nomes Populares: Alface, leituga. Origem: Leste do Mediterrâneo, Índía. A alface é uma planta herbácea comestível, da família das Compostas. É originária da Ásia e é conhecida pelo homem há milénios. Por volta do ano 500 a. c, já várias civilizações consumiam alface. No Egipto, foi identificado um tipo de alface, em pinturas feitas em túmulos construídos há 4500 anos a.C. No Antigo Egipto, era cultivada para aproveitamento do óleo extraido das sementes. A alface foi cultivada pelos antigos Egípcios, existindo representações em alguns túmulos que datam de há quase 2700 anos antes de Cristo. Na mitologia Grega, a alface foi simbolicamente relacionada com a morte, pois segundo a lenda, o amor entre a deusa Afrodite e o jovem Adónis teve um fim trágico quando este último foi morto por um porco selvagem no jardim das alfaces onde ele se escondia. O povo romano, desde a época do Imperador Domitien, começou a ser consumidor da alface e era costume as elites servirem alface como entrada, antes do prato principal, com rabanetes e outros legumes crus. Essa prática ainda perdura em algumas regiões e países. Na época Romana, a alface já era possuidora de todo um conteúdo cultural, medical, religioso e alimentício. O nome "alface" vem do árabe "al-khass" ou "aa-lhaç". O termo "alfacinha", diminutivo de alface, foi muito usado no Brasil para designar, muitas vezes, de forma pejorativa, os portugueses nascidos em Lisboa. Composição da alface A alface é composta por 92-95% de água, óleo essencial, albumina, vitaminas A e C, cálcio, fósforo e ferro. A alface é uma planta herbácea, anual, compacta, hermafrodita, com raiz aprumada e muito curta, não ultrapassando geralmente os 25 cm de profundidade e com pequenas ramificações. Enquanto a planta está na fase de roseta o caule é imperceptível mas quando atinge o estado de perfeito repolhamento já se pode considerar como um pequeno caule em forma cónica e, na fase de espigamento, surge então um de maior tamanho e ramificado, que vai sustentar as flores.

Cultivar alfaces Há muitas variedades de alface, desde a verde clara à vermelha (quase ferrugem), com folhas de todos os tamanhos e feitios: de redondas a serrilhadas. As alfaces são semeadas na Primavera, num local definitivo. A germinação pode demorar 10 a 15 dias. Deve-se arrancar os pés mais débeis para os restantes ficarem a uma distância entre 15 a 30cm entre si (dependendo da variedade). A cultura da alface pode ser realizada durante todo o ano na nossa região, quando produzida em estufa, existindo variedades bem adaptadas às diferentes estações do ano. É a cultura hortícola protegida de maior expressão na época de Outono/Inverno, pois é capaz de crescer a baixas temperaturas e de tirar partido da fraca luminosidade da época. A alface cresce melhor com temperaturas a rondar os 21º. Uso Medicinal Indicações: agitação, conjuntivite, hipocondria, insónia, nervos, palpitação do coração, reumatismo, tosse, tensão nervosa, vertigem, nevralgia intestinal. Parte Utilizada: folhas, talos, raíz, seiva extraída dos caules. Modo de Usar Sumo e chá das folhas, talos e raízes, tem efeito sonífero, calmante do estômago e do sistema nervoso. O seu sumo pode também ser usado no fabrico de loções e cremes para hidratar e acalmar a pele e aliviar queimaduras do sol. Cataplasma: ferver algumas folhas de alface em pouca água, por cinco minutos. Deixar amornar e untar as folhas com azeite, estendendo-as sobre uma gaze. Aplicar sobre a região atingida, para evitar inflamações, contusões, inchaços, pele irritada e avermelhada. A infusão das folhas é tranquilizante, boa para a tosse, anti-reumática, sonífera, digestiva, laxativa suave. Constituintes Químicos: óleo essencial, albumina, vitaminas A e C, cálcio, fósforo e ferro. Matéria seca: 2,2% amido, 1,4% proteína, 0,3 % lípidos. Propriedades Medicinais: antiácida, antireumática, calmante do estômago e do sistema nervoso, diurética, eupéptica, laxante (leve), rejuvenescedora, sonífero.

Trabalho de pesquisa de: Luísa Ferreira, 5ºC


8ª Edição

Página 29

CIÊNCIA VIVA, CIÊNCIA ACTIVA CURIOSIDADES - Quantos estômagos tem a vaca?

- Qual é o animal que mergulha mais fundo? * É o elefante-marinho.

* A vaca tem 3 estômagos. - Qual é o animal que corre mais depressa ?

* O animal que corre mais rápido é o leopardo.

- Quantos espinho?

espinhos

tem

o

porco-

* Tem 32.000 curtos espinhos. – Qual é o animal maior do mundo?

- Quem tem o maior olho no mundo?

* É a baleia-azul.

* É a Lula-Gigante que tem um olho com 38cm de diâmetro . - Qual é o animal mais barulhento? *É o Bugio.

- Como se vê a diferença entre um macho elefante e uma fêmea elefante? * Vê-se pelo tamanho. Ou seja o macho é o maior e a fêmea é a mais pequena (como acontece com a maioria dos mamíferos). - Qual é o peixe que nada mais rápido? * É o peixe Agulhão -Vela. - Qual é o animal que vive mais tempo? *É a tartaruga-gigante vive mais de 150 anos.

- Qual é o animal que pula mais alto? * É a pulga.

Trabalho de pesquisa de: Patrícia, 6ºC


Pรกgina 30

RAPOSINHO

JOGOS E PASSATEMPOS

ECO-PASSATEMPOS


8ª Edição

PARA COLORIR—PÁSCOA

Página 31

Anedotas e Adivinhas Adivinhas:

4) Qual a coisa, qual é ela

1) Qual a coisa, qual é ela,

Que se faz para andar e não anda?

Que atravessa todas as portas Sem nunca entrar

Anedotas:

Nem por elas sair?

Na escola:

2) Qual a coisa, qual é ela,

- Professora, não quero assustá-la, mas o meu pai diz que se as minhas notas não melhorarem, alguém vai levar uma sova...

Que tem uma perna mais comprida que a outra E noite e dia anda sem parar? 3) O que tem dois pés, dois pernas e nada mais?

Os alunos da Rádio Fajocas (8oluções na próxima edição) Podes deixar as tuas soluções com a D. Marlene. Se souberes alguma anedota ou adivinha mostra-nos aqui.


Página 32

Ficheiros Secretos

RAPOSINHO

Entrevista à D. Fernanda:

Raposinho: Há quanto tempo trabalha nesta escola? D. Fernanda: Há 3 anos e 4 meses. Raposinho: Gosta de trabalhar aqui? D. Fernanda: Sim, gosto muito. Raposinho: Que tipo de trabalho faz? D. Fernanda: Faço muitas coisas como actualizar os livros de ponto; Dados Pessoais: registar a assiduidade do pessoal Nome completo: Fernanda docente e não docente, distribuir as Manuela Piquita Nunes turmas sem aulas pelo professor com Data de nascimento: 28 de Abril horário de substituição, coordenar o Naturalidade: África do Sul serviço do pessoal auxiliar, gerir o Cor preferida: Vermelho material audiovisual requisitado pelos Passatempos: Sair com amigos; professores e verificar os stocks do Fazer ginástica; Ver televisão. material de limpeza. As Raposinhas

O meu retrato Chamo-me Sofia Gonçalves Francisco e tenho onze anos. Nasci no dia 18 de Julho e moro no Paul do Mar. Fisicamente sou baixinha e magrinha. Tenho os olhos e o cabelo castanhos. Dizem que sou divertida, alegre e muito simpática. As qualidades que os outros mais apreciam em mim são duas em particular: sou divertida e simpática. O meu maior defeito é ser malandra. Os meus amigos chamam-se Leny, Patrícia, Jéssica, Lisa, Ivone, João Pedro, Fabrício, Renato e Pedro André. O que eu mais aprecio nos meus amigos é serem muito simpáticos e alegres. Vivo com a minha mãe, o meu pai e o meu irmão.

Tenho um animal de estimação: uma cadelinha. Os meus livros preferidos são os livros de anedotas e adivinhas. O meu passatempo preferido é estar com as minhas amigas. O site por onde eu mais navego é www.y8.com. A minha cantora preferida é a Rihanna. As minhas disciplinas favoritas são Língua Portuguesa, Educação Física e Educação Visual. Para mim, a escola é um local de estudo e de respeito. Este ano lectivo, gostava de ter muitos feriados, mas receio de ter más notas no final do período. Não gostaria de ter más notas. Sofia Francisco , 6º C


8ª Edição

Página 33

O SABOR DOS SABORES

Ingredientes: 5 quilogramas de farinha 1kg de açúcar 6 ovos 3 paus de canela 30 gramas de erva doce 3 batatas doce fermento padeiro 1 colher de sopa de sal raspa de 2 limões 2 litros de óleo Preparação: Verta a farinha e faça uma abertura no meio. Junte o fermento, a batata, a raspa do limão, o açúcar, os ovos, e o sal. Ferva a canela e a erva-doce num litro de água, deixe arrefecer, junte aos outros ingredientes e amasse tudo com as mãos. Se necessário, coloque margarina ou batata-doce para não pegar no fundo do recipiente. Deixa-se repousar 15 minutos, depois estende-se a massa em tiras sobre uma mesa, de preferência colocar sobre um cobertor e/ou uma toalha para depois cobrir a massa na totalidade. Deixa-se levedar e oito horas depois, corta-se com uma tesoura as tiras de massa. Coloque num tacho o óleo e quando este estiver a ferver, frite as Malassadas. No final, faz-se uma calda com açúcar, casca de limão e canela e regam-se as malassadas completamente. Se preferir, pode optar por verter o mel. Ivone e Purificação, Ensino Recorrente


Página 34

RAPOSINHO

CANTINHO DA MÚSICA I O seu nome, na verdade, é Robyn Rihanna Fenty, mas é conhecida como Rihanna. Faz anos 20 de Fevereiro de 1988. Tem 19 anos. Em 2005, ela lançou o álbum Music of the Sun, expondo sua mistura de reggae, dance hall e R&B. Influenciada por cantoras como Beyoncé Knowles, Alicia Keys e Mariah Carey, Rihanna escreveu quase todas as canções do álbum, inspirada nas suas noites selvagens, com destaques para o hit "Pon de Replay", além de "Last Time", "Let Me", "You Don't Love Me" e "Now I Know". Ainda em 2005 com a canção "Pon de Replay", Rihanna chega aos tops da fama, onde nessa altura lançou o seu primeiro videoclip, que mais tarde viria a ser um grande sucesso. Mais tarde lança o 2º single do seu cd estreia, "If It's Lovin' That You Want", o qual se tornou igualmente um grande sucesso nos tops de R&B. Em 2006 com o seu novo albúm "A Girl Like Me", alcança o êxito com as músicas, "SOS", "Unfaithfull" e "We Ride". Apesar de "SOS" ter sido a música do segundo álbum que se manteve durante mais tempo nos tops mundiais, Rihanna ficou igualmente prestigiada graças ao som "Unfaithfull". Após estes dois hits, de estilos um pouco diferentes, Rihanna mostra-se multifacetada no mundo da música.

Em 2007, Rihanna lança seu novo single, intitulado "Umbrella" com participação de Jay-Z. Este hit existente no seu terceiro CD, "Good Girl Gone Bad" (lançado em 5 de Junho de 2007), foi, sem dúvida, para muitos o grande êxito da cantora de Barbados e a música de 2007. Tendo ganho vários prémios internacionais devido a esta música, "Umbrella" manteve-se nos tops mundiais durante muitas semanas. Na Inglaterra, Rihanna é responsável por dez semanas consecutivas na primeira posição dos top ingleses, sendo a mulher mais jovem que se manteve por mais tempo na primeira posição neste país. Em 2007, surgem ainda os singles "Shut Up and Drive", e "Don't Stop the Music"; que já se encontram no top de vários países, apesar de estilos bem diferentes. "Shut Up And Drive" traz um ritmo pop/rock, enquanto "Don't Stop the Music" segue por um ritmo mais dance. Mais uma vez Rihanna surpreende-nos com a sua capacidade musical."Hate That I Love You" saiu em Outubro e já alcançou sucesso, com a participação de Ne-Yo, o qual nos trouxe novamente o ritmo de "Unfaithfull". Trabalho de pesquisa: Raquel Martins, 5º C


8ª Edição

Página 35

CANTINHO DA MÚSICA II Tens a certeza que ouves? EXERCÍCIOS – QUAIS OS SONS QUE ME ACALMAM E QUAIS OS QUE ME IRRITAM? "A cegueira separa as pessoas das coisas, a surdez separa-as das outras pessoas". Helen Keller

Vai ser realizado na nossa escola uma medição de ruído para determinar a sua quantidade e estabelecer se se encontra dentro dos limites considerados suportáveis ao ouvido humano. Por isso, nesta secção dedicada à música, vamos esclarecerte sobre os efeitos que os sons causam à nossa saúde. Não é recente a descoberta de que o som está associado à saúde. Unindo a arte da medicina com a arte da música, sabe -se que há uma espécie de “dieta do som” que, com pequenos exercícios simples, nos pode ajudar a manter saudáveis.

1. Pára e escuta. Só por momento. 2. Faz uma lista dos sons que ouves: o toque da campainha da escola; as vozes estridentes dos teus colegas; o professor, que, no corredor, ralha contigo; o telefone a tocar; as portas que se batem; as mesas que se arrastam; entre outros. 3. Escreve os sons que consegues distinguir e anota á frente deles um I para som que te irrita e A para aqueles que te são agradáveis. 4. No fim, vê o que escreveste e olha que te vais surpreender.

A SURDEZ MODERNA 1º TER CONSCIÊNCIA DO SOM A maioria de nós não dá importância à diferença entre os sons saudáveis e os sons prejudiciais que entram diariamente nos nossos organismos. Pode-se fechar a boca para não comer o que não gostamos ou fechar os olhos para não ver o que não queremos ver, mas não podemos tapar indefinidamente os ouvidos para não ouvir. Os nossos ouvidos permanecem abertos e em funcionamento mesmo quando dormimos. 2º A ESCOLHA DO SOM SAUDÁVEL·

Por incrível que te pareça, a nossa sociedade está mais surda e as pessoas falam mais alto do que nunca. Parece que se perdeu a consciência de que falar não é gritar. Quantas vezes ficas maldisposto, irritado, com dores de cabeça ou náuseas, com falta de concentração, perda de audição, entre outros, no final de um longo dia de aulas? Já pensaste que muitas destas perturbações podem dever -se ao som, ou melhor, ao ruído. Pois pensa um pouco. E já agora pensa também na diferença entre som e ruído. De qual gostas mais? E TU QUE FAZES PARA MELHORAR A TUA QUALIDADE DE SOM?

Cada pessoa tem o seu próprio “paladar” sonoro, ou seja, há sons que lhe agradam e outros que a incomodam bastante.

Podes testar os sons à tua volta e abrir os teus ouvidos – escuta de olhos fechados e tenta descontrair-te. Toma consciência de todos os sons. Professora Élia Rodrigues


Página 36

… & DICAS

RAPOSINHO

BIBLIODICAS

O Bibliodicas aconselha a leitura dos livros de literatura infanto-juvenil de Maria Alberta Meneres e António Torrado, recentemente adquiridos pela biblioteca da escola.

Trabalho de pesquisa elaborado por: Sérgio Emanuel Silva , nº 19, 6º C Pedro Alexandre da Luz, nº 16, 6º C Gilberto Faria de Freitas, nº 10, 6º B


8ª Edição

Página 37

Top Leitores

Mês de Dezembro

Mês de Janeiro

Mês de Fevereiro

1º Mariana Serrão 5/A

1º Carina Soares 6/A

1º Daniela Ascenço 6/B

2º Marisa Gomes – 3º ano

2º Cândida Rodrigues – 9/B

2º Liliana Nobrega – 5/B

3º Agostinho Andrade 5º C

3º Luís Miguel Gomes 2º ano

3º Luísa Ferreira 5/C

Colecções mais requisitadas 1º Disney

CIBERDICAS

2º Mini - Disney

3º Asterix

Plataforma Moodle (Sistema de Gestão de Aprendizagem em trabalho colaborativo www.fmsbarreto.com/ensino ), tem como principal objectivo a disponibilização e partilha de recursos educativos online, para os professores e alunos. Ficando assim criada a possibilidade de cada professor poder administrar um espaço virtual para a sua disciplina/actividade.

Para breve também a implementação da ferramenta GATo (Gestor de Actividades TIC na Educação) gato.ccems.pt visando facilitar a organização, planeamento e gestão de projectos de aplicação das TIC e PAA na Educação.

Professor Ricardo Padrão


Página 38

RAPOSINHO

CINEDICAS O CINEMA VEM À ESCOLA

Os alunos das turmas do 9º ano da escola estão a realizar sessões de cinema todas as quartas-feiras na parte da tarde. Estas têm lugar na sala de sessões das 15 às 17 horas. Têm um custo simbólico de um euro cada entrada com direito a um saco de pipocas. Com todos os ingredientes preparados acontece o cinema. E para que aconteça todas as quartas-feiras, precisamos que lá apareças. Podes dar as tuas sugestões, trazendo filmes que tenhas em casa. Estarás a ajudar os teus colegas “mais velhos” a conseguirem dinheiro para irem de viagem. A viagem de finalistas que têm feito por merecer. Um dia também será a tua vez, embora te possa parecer ainda um pouco distante. Colabora connosco, precisamos de ti. Aparece com ou sem filmes! Aparece para ver os filmes que trouxemos para ti ! E ainda podes comer pipocas, tal como no cinema “verdadeiro”! Os alunos dos 9º anos e a professora Élia Rodrigues

High School Musical 2 “O filme” As férias de Verão finalmente começaram. Troy, Gabriella e o resto dos WildCats são convidados para trabalhar no Country Club Lava Springs (dos pais de Rayan e de Sharpay). A maquiavélica Sharpay tem um plano para afastar Troy de todos os Wildcats principalmente de Gabriella. Sharpay oferece uma oportunidade de emprego a Troy. Troy passa de um simples empregado do Club e a professor de golfe. Sharpay pede-lhe para cantar com no show de talentos, mas ele já se tinha comprometido com Gabriella e com os WildCats. Todavia, Troy disse a Sharpay que cantaria com ela, mesmo não querendo. Será que Sharpay conquistará Troy? Será que os WildCats e principalmente Gabriella se afastarão de Troy? Queres descobrir? Então vê o filme! Mónica Ferreira, 5ºc


8ª Edição

POR CÁ SE RECORDA

Página 39

O Concelho da Calheta foi criado pelas reformas do liberalismo em 1835, agrupando inicialmente o concelho do Porto Moniz. Simão Gonçalves da Câmara foi o primeiro Conde da Calheta, título concedido por el -rei D. Sebastião em 1576, em paga de serviços prestados. O sacrário da Igreja da Calheta é uma obra de raro valor artístico, feito em ébano com incrustações em prata, oferecido pelo rei D. Manuel, comprado com dinheiro proveniente dos dízimos do açúcar. Durante os tempos de povoamento, surgiram alguns postos para arrecadação dos direitos que incidiam sobre o açúcar e a madeira, as chamadas estações de cobrança, que eram conhecidas por Calhetas. No século XIX, o Calhau do Pesqueiro na Ponta do Pargo, foi o último lugar de embarque dos emigrantes para a América. A Calheta foi um dos primeiros centros de exploração agrícola do arquipélago e as primeiras indústrias instaladas foram três engenhos de açúcar. Quando as mulheres do Paúl do Mar iam vender o peixe às freguesias vizinhas, usavam as carapaças das tartarugas para transportá-lo.

POR CÁ SE DIZ Arrenegado - enfurecido. Cachaço - pescoço. Debiqueiro - diz-se a quem come pouco. Encabaçado - estragado pelo uso.

Fagotes - rosto, cara, queixos. Impliquento - que censura e se intromete. Japona - casaco de homem. Marau - esperto, ladino. Professora Lucinda Pereira

CORREIO ESCOLAR Tem uma feliz Páscoa... Que o coelhinho te traga muito mais que simples ovos de chocolate... Que ele te traga muita saúde, amor, felicidade, compreensão, carinho e muuuuitos amigos verdadeiros. .. Que passes uns dias maravilhosos junto das pessoas de quem mais gostas. Mas atenção, não te esqueças que vamos já para o terceiro período, por isso, toma atenção: aproveita para estudar também. Pois, sem esforços nada consegues. Felicidades! Feliz Páscoa!!! A raposinha Carla Agrião


S 1º, 2º ESCOLA BÁSICA DO OFESSOR E 3º CICLOS/PE PR L FRANCISCO MANUE O SANTANA BARRET 0/email: Telefone: 29187004

OLHA QUEM FAZ ANOS! 2ºCiclo ☺Patrícia Martins Alves (5º B, nº 12) – 01/03/1997.

Pré-Escolar ☺Henriqueta Isabel Leitão Ferro Moita, dia 31/03. ☺Sofia Leonor Fernandes Jardim, dia 03/03. ☺Teresa Beatriz Pina, dia 26/03.

☺Guida Gouveia Fernandes/Olga Gouveia Fernandes (5º C, nº 14) – 21/03/1997. ☺José Paulo da Silva Sousa (6º A, nº 14) – 22/03/1995. ☺Ricardo de Jesus Leça Gouveia (6º A, nº 17) – 27/03/1995. ☺Lisa Nicole Garçês Rodrigues (6º C, nº 11) – 09/03/1996.

3ºCiclo ☺Carlos Gonçalves Borrageiro (7º A) – 22/03/1992.

1º Ciclo ☺Luís Miguel Jardim Gomes (1º Ano) – 10/03/2000. ☺Mário Pina Boldé (1º Ano) – 14/03/2001. ☺José Filipe da Silva Leça (2ºAno) – 11/03/1999. ☺Victor Manuel Silva Nascimento (3º Ano) – 15/03/1997.

☺Beatriz Ornelas Jardim (7º B, nº 2) – 17/03/1995. ☺Décio Paulo Lourenço Gonçalves (7º C, nº 2 ) - 20/03/1994. ☺Tânia Maria Reis Nascimento (8º A, nº 13) – 01/03/1994.

☺André Pereira (4º Ano) - 15/03/1996. ☺Teresa Beatriz Pina (Pré-Escolar) 26/03/2003.

☺Sofia Leonor Fernandes Jardim (PréEscolar) – 03/03/2002.

CEF ☺Manuel Leonardo Silva de Jesus – (CEF, nº 7) – 26/03/1990.

MUITOS PARABÉNS A TODOS! A raposinha Carla

PROFESSOR BARRETO O professor Francisco Barreto, o patrono da nossa escola, após a ter terminado o magistério primário, tornou-se professor primário. Exerceu a sua profissão durante quarenta e sete anos. Deu a sua última aula no dia 30 de Junho de 1992. O seu filho levou um órgão para a sala de aula. Tiveram presentes os alunos e o seu neto. Houve cantigas e despedidas. Nesse dia, acabava o fim de uma longa, dedicada e afectuosa carreira profissional que o professor Francisco Barreto tinha iniciado em 1945, na Fajã da Ovelha. V.M.

O professor Francisco Barreto, o patrono da nossa escola.


Raposinho 8