Issuu on Google+

ESCOLA BÁSICA DOS 1º, 2º e 3º CICLOS/PE PROFESSOR FRANCISCO MANUEL SANTANA BARRETO - FAJÃ DA OVELHA

17ª Edição

Telefone: 291870040 email: eb23pfmsbarreto@madeira-edu.pt Site: escolas.madeira-edu.pt/eb123pepfmsbarreto

04 de Fevereiro de 2010

NESTA EDIÇÃO Escola@Notícias

2

YouClube

6

ArteCool

12

Gráphos (Γράφος)

16

LudoTime

20

COLABORADORES Professores: Eduardo Oliveira, Fátima Agrela, Filomena Reis, Joana Menezes, José Manuel Fernandes, Elisabete Perdigão, Lurdes Ferro, Nélia Sousa, Patrícia Brito, Patrícia Sumares, Ricardo Padrão, Sara Ferreira, Sónia Bastos, Teresa

EDITORIAL

Chá-Chá e Vânia Moita. Alunos: Alexandre Nóbrega, André Castro, Ana-

É sempre bom regres-

tos de que faz falta, entre nós,

bella Luiz, Artur Agostinho, Anthony

sar e folhear páginas que noti-

continuar a divulgar textos

Silva, Arlete Sardinha, Bárbara Louren-

ciam os acontecimentos da

escritos de e para os alunos,

ço, Chistine Henrique, Cláudia Lourenço, Cláudio Rodrigues, Cristina Pestana,

nossa

escola.

As

nossas

membros da comunidade esco-

Daniela Ascenço, Duarte Fernandes,

vivências e opiniões irradiam

Duarte Gonçalves, Flávio Sardinha,

mais um novo número do

Gonçalo Caldeira, Jéssica Calaça, José

nosso jornal.

Pedro Teixeira,

Lúcia Silva, Magno

Carreira, Margarida Agrela, Nelson Silva, Paulo Gama.

como também para os restantes

lar. Para já desejamos a todos um

Já lá vão seis anos desde o número inaugural deste jornal

bom ano. Contribuam para que o «Raposinho seja cada vez mais policromo.

escolar. Desde então, muitas Técnica Profissional de Biblioteca e Documentação: Zélia Gonçalves.

têm sido as fases e mudanças,

Clubes e Projectos: Baú de Leitura,

de todos aqueles que têm

Dinamização da Biblioteca, Euro-

acreditado neste Projecto e

peu, Eco e Alimentação em Acção. Projecto Atlante e Atelier da Matemática.

muitas têm sido as prestações

que estiveram sempre convic-

Professora Vânia Moita


Escolas@Notícias Página 2

O RAPOSINHO

TRIATLO LITERÁRIO No dia 13 de Janeiro,

Sol, no próximo dia 10 de Março,

entre as 12:00h e as 13:30h, teve

pelas 14:00h.

lugar na nossa escola a primeira fase do Concurso “Triatlo Literário”, destinada a alunos do 3.º ciclo. Para esta fase, foi seleccionada a obra A Lua de Joana de Maria Teresa Maia Gonzalez. Participaram neste evento quatro aluAluna

nos do 7.º ano, dois do 8º e dois

vencedora,

Nídia

Andrade da turma 9ºB acompanhada

do 9.º ano.

pela Professora Fátima Nunes.

Alunas durante a realização da prova.

O júri convidado, composto por cinco elementos da comunidade educativa, apurou o vencedor, a aluna Nídia Andrade, do 9ºB. Alunas concorrentes.

Ao longo do concurso,

Alunas participantes junto a

estes alunos tiveram que realizar

aluna vencedora Nídia Andrade.

três provas: leitura expressiva de um excerto da obra, escrita criativa a partir do fim da história e resolução da modalidade de cultura (dez perguntas de escolha múltipla sobre o livro acima referido).

Júri convidado.

Esta discente recebeu um livro como prémio e representará a nossa escola na segunda fase deste concurso, que decorrerá na Escola Básica e Secundária da Ponta do

Professora Fátima Agrela


Escolas@Notícias 17ªEdição

Página 3

Resultados da 1ª Eliminatória:

CONCORRENTES

LEITURA

ESCRITA

1 2 3 4 5 6

Cláudia Rocha Liliana Nóbrega Tânia Pinto Alexandra Nascimento Laura Jarimba Lucia Silva

5,3 4,4 3,5 5,8 8,1 0

3 4 4,5 5,5 7 0

9 6 9 7 8 0

17 14 17 18 23 0

7

Jéssica Calaça

7,3

8,5

9

25*

8 9

Leonel Alves Beatriz Jardim

0 7

0 8

0 6

0 21

8,5

8,5

8

25*

10 Nídia Andrade

CULTURA TOTAL

*Critério de desempate foi o tempo de resolução da Prova de Cultura .


Escolas@Notícias Página 4

O RAPOSINHO

ATELIER DE MATEMÁTICA O Clube iniciou o seu lução e a construção do cone e do

Além disso, houve a resolu-

funcionamento no início do mês cilindro com revistas, de forma a ção de desafios matemáticos, enigde Outubro, no horário de 5ª fei- que os alunos percebessem que um mas, quebra-cabeças. Também foi ra, das 16h15m às 17h45m, com era a rotação de um triângulo rec- feita a participação no concurso 22 alunos inscritos, das diferentes tângulo e o outro, a rotação de um “AgenteX”, para os alunos interessaturmas do 2º Ciclo. Há uma rectângulo, respectivamente. Este dos e a resolução das provas de raciomaior frequência por parte dos trabalho foi realizado com o intuito cínio realizadas na escola para os alualunos de 5ºano, nomeadamente de existir uma vertente interdisci- nos que quiseram participar, dos 2º e do 5ºB, havendo também alguns plinar, pois também poderiam asso- 3º Ciclos no âmbito do projecto Trialdo 6ºano, turma C. É de referir ciar estes sólidos à época natalícia, tlo da Matemática. que alguns alunos inscreveram- sendo o cone parecido com uma se, mas que nunca frequentaram o árvore de Natal e o cilindro, com Atelier, do mesmo modo que há velas. Posteriormente, procedeualunos que foram desistindo, pois se à decoração destes mesmos traestavam inscritos noutros clubes balhos, utilizando spray dourado e e projectos em simultâneo e não prateado e purpurinas. conseguiram conciliar.

Consideramos que o trabalho

Ao longo deste primeiro

desenvolvido foi bastante satisfatório,

período foram abordados alguns

pois queremos continuar com o traba-

conteúdos,

os

lho que temos vindo a efectuar nas

Sólidos Geométricos. Para tal,

aulas. Gostávamos de ir mais vezes à

realizaram-se algumas activida-

sala de Informática para fazer jogos

des, nomeadamente a construção

matemáticos.

nomeadamente

do cubo soprado e do cubo de seis faces distintas, no que diz

Professora Sónia Bastos Alunos do 6ºC: Anthony da Silva

respeito aos poliedros. Relativa-

Bárbara Lourenço

mente aos não poliedros, foi feita

Duarte Fernandes

a referência aos sólidos de revo-

Duarte Gonçalves


Escolas@Notícias 17ªEdição

Página 5

CONCURSO ESCOLA ELECTRÃO NA NOSSA ESCOLA… A Escola Básica do 1º, 2º e eléctricas e electrónicas, os brin3º Ciclos/PE Professor Francisco quedos com componentes eléctriManuel Santana Barreto aderiu, cas, os sistemas de equipamentos, pela segunda vez consecutiva atra- os instrumentos de monitorização e vés do Clube ECO, ao Projecto controlo (por exemplo: balanças e Escola Electrão. O Projecto Esco- medidores de tensão arterial), as la

Electrão,

promovido

pela lâmpadas

fluorescentes,

entre

Amb3E – Associação Portuguesa outros. de Gestão de Resíduos de Equipa-

Muitos

desses

resíduos

mentos Eléctricos e Electrónicos – contêm substâncias perigosas para com a colaboração do Ministério o ambiente e para a nossa saúde, da Educação, pretende sensibilizar tais como: o arsénio, o chumbo, o

Contentores de recolha de

a comunidade escolar para o cor- cádmio e o mercúrio. Por tal moti- materiais. Desta forma, a nossa Escola recto encaminhamento dos Resí- vo, é necessário que quando estes fica habilitada a ganhar prémios de duos Eléctricos e Electrónicos equipamentos se encontrem inutiliacordo com os quilos recolhidos. (REEE). zados sejam encaminhados para os O tratamento adequado dos Os Equipamentos Eléctri- devidos locais. Equipamentos Eléctricos e Electrónicos e Electrónicos são equipamenOs alunos e as professoras cos é urgente e fundamental para o tos cujo funcionamento depende de responsáveis pelo Clube ECO dinaFuturo do nosso Planeta, para tal correntes eléctricas ou campos mizaram esta iniciativa com a afiexige-se cada vez mais da sociedade electromagnéticos, tais como, os xação de cartazes na escola, a fim novas atitudes perante este tipo espeelectrodomésticos, os equipamen- de divulgar o Projecto no seio da cífico de resíduos… tos de tecnologias da informação e comunidade escolar. Para dar início Fique atento a este tipo de de telecomunicações (por exem- à campanha de recolha, foram taminiciativas e participe … plo: computadores, pen drives e bém colocados os materiais de contelefones), os equipamentos de tentorização. O período de recolha iluminação (por exemplo: candeei- teve início a onze de Janeiro e fin-

Professoras: Joana Menezes Sara Ferreira

ros e gambiarras), as ferramentas dou a vinte e nove de Janeiro.


YouClube Página 6

O RAPOSINHO

CLUBE ECO no Concurso “Natal com a Natureza I” Os alunos do Clube ECO

Chada e de Educação Tecnológica,

e as docentes responsáveis pelo

Patrícia Brito.

Clube participaram no Concurso

Foi com incentivo que, os

promovido pelo Serviço do Par-

alunos e professoras do Clube parti-

que Natural da Madeira (SPNM,

ciparam neste tipo de iniciativas pois,

através do seu Centro de Informa-

o trabalho desenvolvido reflecte-se

ção, numa parceria com o Caniço

na

Shopping) intitulado “Natal com a

ambiental, a fim de incutir as boas

Natureza I”. O Concurso consistiu

práticas ambientais nos alunos.

temática

da

sensibilização

em apelar à criatividade dos aluPresépios construídos pelos

nos e construir um Presépio, tendo

por base elementos naturais e alunos do Clube Eco sob orientação materiais reutilizados. Na construção do Presé-

das Professoras Joana Menezes e Sara Ferreira.

O Presépio da nossa Escola

pio, os alunos utilizaram diversos materiais, nomeadamente: garrafas de plástico, tampas de plástico, pasta de papel, rolhas de cortiça, tecidos, bases de ovos, cartões, cápsulas de café expresso e, ainda, palha de bananeira.

esteve juntamente com outros de várias Escolas da região em exposição no Caniço Shopping até ao dia onze de Janeiro. Denota-se ainda que, uma das fotos do nosso Presépio, assim como de outros quatro contemplados, foram apresentadas numa das edições do Diário de Notícias da Madeira online. O Clube ECO aproveita, ainda a oportunidade para agradecer a

importante

colaboração

dos

docentes de Matemática, Gabriel

Professoras: Joana Menezes Sara Ferreira


YouClube 17ªEdição

Página 7

Exposição: A Árvore de Natal Mensagem de Natal A árvore de Natal tornouse um símbolo universalmente aceite e é o elemento central das decorações da época natalícia nas ruas, jardins, lojas e sobretudo nas casas. O costume mantém-se e os enfeites diversificam-se podendo incluir bolas, velas, estrelas, fitas, brinquedos, chocolates, conforme a imaginação de cada um. Foi solicitado aos alunos de 3º Ciclo a elaboração de uma Árvore de Natal e que a decorassem utilizando materiais recicláveis. Aos alunos de 2º Ciclo, foi solicitado a escrita de uma mensagem de Natal. E o resultado é o que se segue nas fotografias.

A criatividade nos presépios não nos passa despercebida!

Baú de Leitura


YouClube Página 8

O RAPOSINHO

CLUBE ECO em Acção No passado dia dezanove da água e do solo, com consequênde Janeiro, na Escola Básica 1º, 2º cias negativas para os ecossistemas e 3.º Ciclos/PE Professor Francis- e para a saúde pública. co Manuel Santana Barreto reali-

Os

alunos

partiram

da

zou-se uma actividade intitulada Escola com sacos de lixo e luvas a “Enveredar pelo Ambiente” que, fim de, poderem recolher o lixo foi dinamizada pelas professoras existente na Vereda. No percurso responsáveis do Clube ECO, Joana realizado, os alunos recolheram os Menezes e Sara Ferreira. A activi- resíduos existentes no local, e transdade realizada teve como público- portaram-nos até à Escola, para alvo os alunos inscritos no Clube.

posteriormente serem devidamente

Esta iniciativa consistiu na colocados nos contentores. realização de um percurso relativamente curto por uma Vereda existente nos arredores da Escola, com

Os alunos do Clube Eco durante a recolha de lixo na Vereda.

A actividade promoveu o o objectivo de incutir as boas práespírito de equipa e sensibilizou os ticas ambientais, nomeadamente, a alunos para a temática da poluição. de sensibilizar os alunos para a grande problemática do abandono do lixo – poluição – e suas consequências para o ambiente. A poluição é a alteração indesejável nas características físicas, química ou biológicas do ar,

Professoras: Joana Menezes Sara Ferreira


YouClube 17ªEdição

Página 9

CLUBE ALIMENTAÇÃO EM ACÇÃO No passado dia vinte e um

O Clube da Alimentação em

de Janeiro, na Escola Básica 1º, 2º

Acção e o Plano de Saúde pretendem

e 3.º Ciclos/PE Professor Francis-

dinamizar mais iniciativas do género

co Manuel Santana Barreto reali-

pois, além de promoverem hábitos de

zou-se pela terceira vez uma

vida saudáveis, os alunos podem

Caminhada Saudável, dinamizada

apreciar e desfrutar da Natureza.

pelos professores responsáveis do

Denota-se ainda que, os alu-

Os alunos do Clube Alimen-

Clube da Alimentação em Acção e tação em Acção acompanhados dos nos demonstram interesse e empenho do Plano de Saúde. A

actividade

respectivos professores.

realizada

por este tipo de actividades. Nas pró-

Esta iniciativa assinalou a ximas

Caminhadas

Saudáveis,

o

teve como público-alvo os alunos Semana Promocional da Água e do público-alvo será ampliado a toda a do Clube da Alimentação em Chá, dinamizada na nossa Escola. comunidade escolar. Acção e do Plano de Saúde.

Nessa respectiva semana,

A Caminhada Saudável os alunos tiveram a oportunidade de consistiu na realização de um per- na compra de uma tosta de queijo curso relativamente curto por uma ou fiambre, ter como oferta um chá. vereda existente nos arredores da Além de que, se consumissem PipoEscola.

cas ou um Saco de Frutos Secos teriam como oferta uma garrafa de água.

Os alunos do Clube Alimentação em Acção e os respectivos professores dinamizadores da actividade.

Professores: Joana Menezes Caminhada Saudável por Patrícia Brito uma vereda nos arredores da Escola.


YouClube Página 10

O RAPOSINHO

Alemanha

Ich Liebe Dich

França

Je t’aime Espanha

Itália

Ti Amo

Grécia

S’ayapo Dinamarca

Jeg elsker dig

Te Amo

Lituânia

Tave myliu Finlândia

Minã rakastan sinua Clube Europeu


YouClube 17ªEdição

Página 11

A garrafa não fala, mas poderá ser motivo de conversa, de grandes questões sociais e económicas. Também poderá ser a causa de uma série de situações que induzem ao falso bem-estar! A experimentação de bebidas alcoólicas é uma fase quase obrigatória em todo o adolescente, que vibra com as novas sensações. Mas não te esqueças que só segues alguns caminhos porque queres. Não podes alegar que precisas de ser aceite… aprende a aceitar-te como és e começas a ganhar respeito e autonomia de pensamento. Mas não podes esquecer que também deves respeito aos outros! Poderá ser um meio de inserção num grupo, mas a questão primordial é: precisas de te integrar num grupo que vê a bebida alcoólica como um meio de auto reconhecimento? NÃO!!!! Só pertences a um grupo se te souberem respeitar e se te aceitarem tal como és. O convívio social que obriga ao consumo de bebidas alcoólicas não pode ser considerado uma mais valia. Poderá ser o início de um problema gravíssimo, com repercussões a todos os níveis, na tua vida. A frase: “não é preciso beberes para encontrares um bom momento de diversão” é uma grande verdade. Os bons momentos só te pertencem se conseguires vivê-los completamente acordado(a), sem qualquer tipo de “bengala” como desculpa para a diversão. Por isso aprende a viver, sabendo dizer a palavra NÃO, os amigos aceitam e/ou sabem dizer o “sim” e o “não”! Logo aprende a dizer SIM aos convívios saudáveis e NÃO às vontades despropositadas! Não te deixes convencer pelo belo design de uma garrafa, lembra-te que a beleza exterior poderá não ser acompanhada pelo conteúdo interior. O álcool não aquece o corpo em dias frios, não refresca em dias de Verão, não te faz esquecer os problemas… nem os resolve! Vive e ajuda a viver com comportamentos saudáveis e não te deixes enganar pela garrafa que te sorri com a promessa de grandes experiências. A tua consciência deve estar sempre alerta e atenta à vida, não a prives disso. Não troques a beleza da vida por momentos de alheamento com consequências. Se resolveres fazer -te acompanhar da garrafa, lembra-te que estás a fechar os olhos à beleza do que te rodeia! Projecto Atlante


ArteCool Página 12

O RAPOSINHO

PAULA REGO | Les Planches Courbes e Outras Histórias O livro Les Planches Courbes (2001) do poeta francês Yves Bonnefoy (1923) inspirou Paula Rego para uma nova série de gravuras. O texto aborda o momento em que um menino sem nome, sem pai, sem mãe e sem casa pede a um barqueiro que o leve à outra margem do rio. O barqueiro protege o menino para ele não cair à água e este gesto de ternura leva o menino a pedir-lhe para ele ser o seu pai. Mas o barqueiro vive no seu frágil barco entre uma margem e outra do rio nada tendo para oferecer ao menino. Na travessia as tábuas curvas do barco cedem ao peso dos seus corpos e menino e barqueiro ficam ao sabor da corrente. Nas gravuras de Paula Rego sobre esta recriação da lenda de S. Cristóvão, a par do menino e do barqueiro, vemos também uma rapariga assustada conduzindo um frágil barco de papel e a tentar encontrar o seu porto de abrigo. Mas Paula Rego arranja não só um tecto para abrigar o menino e o barqueiro mas também uma estranha família de acolhimento. As gravuras eximiamente executadas a água-forte e água-tinta apresentam personagens estranhas e familiares em cenas, por vezes, delirantes, por outras, banais, que ilustram uma determinada narrativa textual. Contudo, o universo onírico da artista, que muitas vezes se sobrepõe à linearidade da história narrada, questiona, deste modo, a experiência visual – entendida como sensorial e, também, como intelectual. Com este desfasamento, entre imagem e texto, o espectador deixa de ser um mero observador para ser tocado ou atingido por algo que o surpreenderá. A surpresa pode ser prazerosa ou dolorosa. E é nesta estreita linha que se promove a imaginação de quem se propõe a sentir e de quem se inquieta com o mundo mundano.

PAULA REGO O VINHO Composta por um conjunto de litografias datadas de 2007, esta série confirma a importância que a literatura detém na prática artística de Paula Rego, nomeadamente enquanto objecto instigador de múltiplas reacções criativas. Neste caso particular, o conto homónimo de João de Melo, agora editado pela Dom Quixote, surge como oportunidade para a recuperação de uma série de obras nas quais o vinho assume o papel de personagem principal. Sem que se estabeleça uma relação directa entre o conteúdo deste livro e as litografias que agora se apresentam, esta série convida o visitante a descobrir o diálogo que se institui entre estes dois corpos autónomos, largamente marcado pela tensão, pela violência e pela subversão características de Paula Rego. Mais uma vez aborda temas ligados à mulher - a depressão pós-parto e o recurso ao álcool assim como os maus tratos a que é sujeita pelo companheiro alcoolizado.

Nascida em Lisboa em 1935, Paula Rego vive em Londres desde 1976. Uma das mais celebradas pintoras da actualidade, Paula Rego viu a sua obra ser exposta em diversos museus e centros culturais, de entre os quais destacamos o Centro Cultural de Belém, o CAM - Fundação Calouste Gulbenkian, a Tate Britain e a Tate Liverpool, o Museu de Serralves, o Museu Rainha Sofia em Madrid o Museum of Women in the Arts em Washington, a École Supérieure des Beaux-Arts de Nimes, o Centro de Arte Manuel de Brito em Algés ou o Centro de Arte Contemporânea Graça Morais em Bragança. Em Setembro deste ano abriu em Cascais A Casa das Histórias, um edifício projectado pelo arquitecto Souto Moura, para acolher a sua obra. Responsável pela Galeria 111: Arlete Silva


ArteCool 17ªEdição

Página 13


ArteCool Página 14

O RAPOSINHO

Alexandre Nóbrega

André Castro

Artur Agostinho

Cláudio Rodrigues

Cristina Pestana

Daniela Ascenço


ArteCool 17ªEdição

Página 15

Flávio Sardinha

Jéssica Calaça

Magno Carreira

Lúcia Silva


Γράφος Página 16

O RAPOSINHO

Verso: Viemos vos cantar os Reis Não é por sumo nem pão Viemos vos desejar Bom Ano Que é nossa tradição Refrão: Se vos não sabias agora sabeis Que no dia de hoje se cantava aos Reis Verso: Viemos vos cantar os Reis Pelo folhinha da vinha Senhor abra nos a porta Queremos ver a lapinha Refrão final: Se vos não sabias agora sabeis Que no dia de hoje se cantava aos Reis Afastai os bancos afastai as mesas Que aqui vem um velho de canetas tesas Afastai as mesas afastai os bancos Que aqui vem um venho de cabelos brancos Professor: José Manuel Fernandes

TOP DE LEITORES — MÊS DE JANEIRO Utilizadores mais Assíduos

Colecções/Livros mais requisitadas:

1º Sofia Nascimento - 5º B

1º Colecção Andersen

2º André Fernandes - 7º B

2º Colecção Cherub

3º Luís Pombo - 5º A

3º Colecção Ratolândia

4º César Rodrigues - 5º A 5º Marisa Gomes - 5º A

Total de utilizadores: 197 Utilizadores

Total de livros requisitados: 339 livros

Técnica Profissional de Biblioteca e Documentação: Zélia Gonçalves


Γράφος 17ªEdição

Página 17

Nome da autora: Maria Teresa Maia Gonzalez Título: A Lua De Joana Editor: Editorial Verbo, 1ª edição. Local e data: Lisboa, Outubro de 1994.

Informações sobre a autora: Maria Teresa Maia Gonzalez nasceu em Coimbra, em 1958. É uma das mais prestigiadas autoras portuguesas de livros dedicados a crianças e jovens adolescentes. É licenciada em Línguas e Literaturas modernas, variante de Estudos Franceses e Ingleses, pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, foi professora de Língua Portuguesa de 1982 a 1997 e os seus livros têm particularidade de reflectirem assuntos relacionados com a juventude e os seus problemas revelam uma grande sensibilidade e actualidade em relação aos mesmos. A Lua de Joana, o seu maior sucesso editorial, conta já com 17 edições e 250 000 exemplares vendidos.

Outras obras da autora: A Fonte Dos Segredos, Gaspar & Mariana, O Guarda Da Praia.

Resumo: Este livro pode ser considerado uma espécie de diário (apesar de não o ser), porque a personagem principal escreve cartas para uma amiga que já morreu, contando-lhe tudo o que se passa na vida dela. Trata-se de uma história de uma rapariga chamada Joana, que perdeu a sua melhor amiga, quando esta se envolveu com as drogas. Joana interrogava-se ao tentar entender o que teria levado a sua amiga Marta a fazer aquilo. Joana era uma rapariga exemplar, na escola e em casa, mas tudo mudou quando ela se envolveu com uma amiga da Marta, a Rita, (a amiga que teria levado Marta a envolver-se com as drogas), e com o próprio irmão da Marta, o Diogo, também vítima das drogas. Devido à morte da sua avó, a pessoa de quem ela mais gostava no mundo e a falta de atenção e de diálogo por parte dos pais, levou a que ela começa-se a sentir-se só e as únicas pessoas que lhe derem atenção foram a Rita e o Diogo. Ela começou a vender as suas coisas, para conseguir dinheiro, para ajudar Diogo acabando também ela por se envolver com as drogas. Um dia ela olhouse ao espelho e reparou como tinha mudado, entendendo agora, como, tão facilmente Marta se tinha envolvido com a droga. Joana tentou abandonar as drogas mas, já foi tarde de mais… Professoras: Fátima Agrela e Teresa Chá-Chá


Γράφος Página 18

O RAPOSINHO

Se eu fosse uma banana, seria um fruto muito bom e de cor amarela. Iria ser comida por alguém. Primeiro iria estar na boca, onde iria ser transformada em bolo alimentar, com a acção da língua, dos dentes e da saliva, que depois passaria para a faringe. Na faringe ocorreria o fenómeno da deglutição, e em seguida, eu (bolo alimentar) desceria para o esófago, onde as paredes se contraíam, empurrando-me para o estômago. Quando lá chegasse, iria ser misturada com o suco gástrico, transformando-me em quimo, que depois chegaria, ao intestino delgado. No intestino delgado, o quimo entraria no duodeno, que sofre a acção da bílis (produzida no fígado), do suco pancreático (produzido pelo pâncreas) e do suco intestinal (produzido pelas glândulas do intestino delgado), e transformava-me em quilo, e daí iriam ser seleccionados os nutrientes úteis par os vasos sanguíneos. E as substâncias não absorvidas passariam para o intestino grosso, onde os resíduos constituintes das fezes irão ser expulsas pelo ânus. Margarida Agrela Dória, 6ºC

O dióspiro é originário da China, sendo muito popular no Japão. Sendo uma fruta de calda, contém grandes quantidades de água no seu interior. O dióspiro entra na boca que é onde sofre as primeiras transformações por acção dos dentes, da língua e da saliva. A língua, os dentes e a saliva transformam o dióspiro em bolo alimentar. O bolo alimentar desce no esófago, graças a um movimento muscular e chega ao estômago, onde a digestão se processa. O suco gástrico, um ácido muito poderoso produzido pelo estômago, decompõem o bolo alimentar até ter a consistência de uma sopa. O suco gástrico que dirige as proteínas, sendo o bolo alimentar transformando em quimo. O quimo passa então para o intestino delgado, onde está pronto para desempenhar o seu papel de combustível. Substâncias químicas provenientes do fígado, do pâncreas e da vesícula biliar misturam-se com o bolo alimentar e decompõem-no em unidades mais simples que o sangue pode absorver. Tudo o que existe de nutritivo e útil neste quimo é conservado (nutrientes, vitaminas B1, B2, E e C); apenas restam os detritos. Estes últimos prosseguem o seu trajecto no intestino grosso onde a água e os minerais são, pouco a pouco, absorvidos. As restantes substâncias do quimo formam as fezes. São entrepostos no recto antes de serem evacuados pelo ânus. Bárbara Lourenço, 6ºC


Γράφος 17ªEdição

Página 19

Este livro foi lido por mim e pelo meu colega Magno, no âmbito da Leitura Recreativa, na disciplina de Língua Portuguesa. É um livro interessante e que cativou a nossa leitura. Para todos os interessados o livro encontra-se na Biblioteca da Escola. Eis aqui o nosso resumo em forma de poema:

O RECRUTA James é um rapaz que não tem muitos amigos, É alto, gordo e muito forte E enfrenta todos os perigos. A sua irmã vive com o pai James seguiu o seu caminho: o seu pai abandonou-o E agora vive sozinho. James tornou-se rebelde Mas sente falta do carinho. A sua mãe ja morreu, Era esse o seu destino. Foi viver para um Centro de Acolhimento E fizeram-lhe uma proposta: «Entra para a Cherub, Mas pensa bem na resposta!». James pensou, pensou E aceitou o convite. Sabia que iria ser dificil, Tinha um longo caminho pela frente. Como correu a sua missão? O que será que vai acontecer? Leiam "O Recruta", Só assim irão saber…

Lucy da Silva 8ºA


LudoTime Página 20

O RAPOSINHO

Encontra as 7 diferenças entre as duas imagens abaixo.

Será que alguém consegue adivinhar os animais onde

Encontra o caminho até ao queijo.

estão as letras? Já sabem, não podem repetir os mesmos animais nas linhas, nem colunas, nem dentro dos pequenos quadrados 2 por 2.

Professora Teresa Chá-Chá

Paulo Gama 3.º ANO


LudoTime 17ªEdição

Página 21

Descobre na sopa de letras diversos utensílios escolares.

Encontra 9 rostos na figura. Recorta e monta o quebra-cabeças.

Professora Teresa Chá-Chá


LudoTime Página 22

O RAPOSINHO

Em casa: Uma menina chega da escola primária, chorando muito alto. - Mãe, mãe, sniff... sniff… - O que foi, minha filha? - Hoje... na escola... puseram-me de castigo... sniff… - De castigo? Por quê? - Por uma coisa... sniff... que eu não fiz… - Mas isso é um absurdo! - grita a mãe - Vamos, vou já falar com a directora. E agarrando a mão da menina, arrasta-a para fora de casa. Na rua, vendo a filha um pouco mais calma, pergunta: - E o que foi que não fizeste, minha filha? - Os trabalhos de casa... buáááá... Na aula de Físico-Química: Durante a aula o professor pergunta para a Mariazinha: - Menina, o que significa a formula H2SO4 ? E a Mariazinha diz: Eu sei ! Eu sei ! Está aqui professor, na ponta da língua...e o Joãozinho, mais rápido dá uma palmada na cabeça da Mariazinha dizendo: - Cospe ! Cospe que é ácido sulfúrico. Professora Teresa Chá-Chá


LudoTime 17ªEdição

Página 23

TENHO

(camisa) E

(casaco)

SEM REMENDO NEM

(buraco)

ESTOIRO COMO UM

SE ALGUÉM NO

(foguete)

(lume) ME METE Arlete José Sardinha, 1.º ANO Christine José Gouveia Henrique, 2.ºANO Cláudia Sofia Carrapatoso Ferra Lourenço, 2.ºANO Gonçalo Neto Caldeira, 2.ºANO

O QUE É?

TEM

TEM

EM QUALQUER

(chapéu), NÃO TEM

(pé), MAS NÃO TEM

(bosque) OU NO

(cabeça)

(pernas).

(prado)

Nelson Rodrigo Sardinha Silva 4. Ano Anabella Luiz 4. Ano José Pedro Martins Teixeira 4. Ano


Fídias Fídias, em grego Φειδίας, (Atenas, c. 490 — Olímpia, c. 430 a.C.) foi um célebre escultor da Grécia Antiga. A sua biografia está cheia de lacunas e incertezas, mas o que se tem como garantido é que ele foi o autor de duas das mais famosas estátuas da Antiguidade, a Athena Parthenos e o Zeus Olympeios, e que, sob a protecção de Péricles, se encarregou da supervisão de um vasto programa construtivo em Atenas, concentrado na reedificação da Acrópole, devastada pelos persas em 480 a.C. Nenhuma de suas obras originais sobreviveu até hoje, salvo os grupos escultóricos do Parténon, mas não se sabe em que medida ele participou pessoalmente na sua execução. Algumas partes em particular têm-lhe sido atribuídas, sem qualquer garantia, e a considerar a quantidade de peças, a relativa rapidez com que foram esculpidas e seu envolvimento concomitante e directo com a gigantesca Athena Parthenos, o mais provável é que a sua própria mão pouco as tenha tocado, ainda que a homogeneidade dos conjuntos sugira fortemente uma única personalidade criadora na concepção geral da decoração. Outras obras suas sobrevivem presumivelmente através de cópias romanas e fragmentos originais a ele atribuídos actualmente, são-no em bases também conjecturais. Também a sua morte é fonte de controvérsias e nada se sabe ao certo sobre as suas circunstâncias. Apesar da quase total ausência de dados concretos sobre a sua vida, Fídias é tido como um dos fundadores e um dos mais perfeitos expoentes do Alto Classicismo na escultura, sendo louvado desde o seu tempo até os dias de hoje como um dos mais importantes escultores do ocidente. Professor Eduardo Oliveira


RAPOSINHO 17