Issuu on Google+

GUILHERME CINHA LIMA

O GRA FICO AMA DOR


O GRAFICO AMADOR


GUILHERME CUNHA LIMA

COSACNAIFY


APRE SENTACAO

O GRÁFICO Amador foi fundado em maio de 1954, por

um grupo de intelectuais criativos formado por Aloisio Magalhães, Gastão de Holanda, José Laurênio de Melo e Orlando da Costa Ferreira, com o objetivo de publicar pequenos textos literários, principalmente poesia, em tiragens artesanais limitadas.

Era uma oficina experimental de artes gráficas, que se iniciou com uma antiga prensa manual e uma velha fonte de tipos, adquiridos por seus fundadores pela quantia de dez mil cruzeiros. Esse grupo de intelectuais teve sua importância extrapolada, não apenas para a história do design, mas também da intelectualidade do Recife dos anos de 1950. Através desse seu empreendimento foram impressos livros de jovens intelectuais que se viam excluí-


dos do mercado editorial brasileiro, tendo inclusive o apoio da Le Corbusier Graphique, de Paris, e da Curwen Press, de Londres. Suas edições revelam uma acentuada preocupação artística, quanto à escolha dos tipos, o aproveitamento dos espaços em branco, a composição e a apresentação. Em 1959, suas publicações foram apresentadas em uma exposição realizada pela Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro. Funcionava na Rua Amélia, n.415, no bairro do Espinheiro, no Recife e, para conseguir manter-se atuante, contava com a colaboração de sócios (chegou a ter 57), entre artistas e intelectuais pernambucanos, que contribuíam com uma cota mensal e recebiam alguns livros por ano. Encerrou suas atividades em 1961, quando os seus quatro fundadores mudaram-se do Recife para a cidade do Rio de Janeiro.

LÚCIA GASPAR BIBLIOTECÁRIA DA FUNDAÇÃO JOAQUIM NABUCO


SUMA


S

APRESENTACAO S S

INTRODUCAO S I

O GRAFICO AMADOR S

RIO

I

CONSIDERACOES TEMATICAS S OBRAS PUBLICADAS CRONOLOGIA

4 8 10 12 18 32


INTRO DUCAO O RECIFE da década de 1950 viu uma experiência gráfica surgir: nasce O Gráfico Amador. Uma oficina de impressores que teve como núcleo principal Orlando da Costa Ferreira, Aloísio Magalhães, Gastão de Holanda e José Laurênio de Melo. Os objetivos do grupo estão expressos no seu boletim nº 1, publicado em 1955, onde “O Gráfico Amador reúne um grupo de pessoas interessadas na arte do livro. Fundado em maio de 1954, tem a finalidade de editar, sob cuidadosa forma gráfica, textos literários cuja extensão não ultrapasse as limitações de uma oficina de amadores” (apud CUNHA LIMA, 1997: 85) Outro fator, expresso diretamente no Noticiário nº 1, consistia na qualidade dos livros impressos no Brasil. Normalmente eles possuíam um preço alto, em compensação a acuidade era muito baixa. Objetivavam também desmistificar o livro esteticamente bonito com edições de luxo, produzindo obras de qualidade a preços acessíveis. Do mesmo modo, podem ser observadas iniciativas isoladas em diversos locais do Brasil, mas, para as

8

O G RAFICO A MADOR


repercussões que as oficinas de amadores tiveram, em muito se destacou as do Gráfico Amador. O grupo mesmo administrando poucas verbas conseguiu edições de alto nível que lhe conferiram boas críticas, desde jornais locais até jornais europeus. Esse texto consiste na revisão bibliográfica dos poucos livros lançados com este tema. Também foram feitas análises gráficas das peças produzidas pelo grupo e estudos sobre suas matérias publicadas no Diario de Pernambuco. Além disto, cabe salientar que as análises gráficas seguiram o entendimento da semiótica de Charles Peirce, onde “um signo, ou representâmen, é aquilo que, sob certo aspecto ou modo, representa algo para alguém. Dirige-se a alguém, isto é, cria, na mente da pessoa, um signo equivalente, ou talvez, mais desenvolvido. Ao signo assim criado denomino Interpretante. O signo representa alguma coisa, seu Objeto”.

Simbolo do O Grafico Amador

TIAGGO CORREIA CAVALCANTI DE MORAIS MESTRE EM COMUNICAÇÃO E SEMIÓTICA PELA PUC-SP MESTRE EM DESIGN PELA UFPE

O G RAFICO A MADOR

9


GRAFICO


O AMADOR


CONSIDERACOES TEMATICAS O DESIGN possui em sua história diversas definições, conceitos marcados pela sua temporalidade e seus objetivos. Pudemos observar as mais diversas definições, desde as funcionalistas da Bauhaus alemã as mais simplistas, como a de Richard Hollis. Contudo definimos Design por sua matriz etimológica latina, do termo designare, que significa tanto desenho quanto designar. Portanto, design não é apenas a realização de um projeto, mas também o sentido criado pelo profissional envolvido. Têm-se aí a evidência da potencialidade criativa do design. Sobre o termo “criar sentido”, este foi uma preocupação constante na história do Gráfico Amador. Eles criavam livros seguindo conceitos desenvolvidos nas próprias obras que estavam a editar. Além desta ligação conceitual, eram observados os princípios da economicidade e estética, uma vez que os poucos recursos disponíveis ao grupo eram sempre otimizados. Foi uma oficina importante porque

Orlando da Costa Ferreira, em sua biblioteca. (Foto de Gastão de Holanda)

12

O G RAFICO A MADOR


Da esquerda para a direita: José Laurenio de Melo, Gastão de Holanda e Orlando da Costa Ferreira com seu filho. (1955)

as suas obras serviram para mostrar os trabalhos da nova e jovem intelectualidade da época, visto que as grandes editoras apenas divulgavam livros de intelectuais renomados e pesava sobre os poetas uma fama de mal vendedores. Foram oficialmente publicados 27 livros, pequenos, no formato in-octavo e também em pequenas tiragens, a maioria oscilando entre 100 ou 200 exemplares. Usavam duas impressoras tipográficas (uma elétrica e outra manual) e uma litográfica. Suas principais fontes foram a medieval, garamond, bodoni, kabel, Bernhard tango swash initials, pater noster e romano. Vale salientar que em aspectos técnicos, embora as edições fossem esteticamente experimentais, sua diagramação seguia, muitas vezes, o postulamentos clássicos. Em termos literários o grupo não rompeu padrões, mas também não se prendeu a nenhum critério localista.

O G RAFICO A MADOR

13


Aloisio Magalhães no estúdio do O Gráfico Amador.

14

O G RAFICO A MADOR

O Gráfico Amador era mantido em primeiro lugar pelos laços de amizade que mantinham o grupo, e em segundo lugar – em termos financeiros – por sua rede de relações estabelecidas na época em que a uma parte do grupo estudou na Faculdade de Direito do Recife e participou do Teatro do Estudante de Pernambuco. Os sócios (30 em 1955 e 51 em 1961) contribuíam com um pequeno pecúnio mensal, e em troca recebiam os livros quando lançados. Chama atenção a falta de documentação sobre estas relações, devido à grande informalidade existente. As reuniões eram sempre à noite, duas vezes na semana. Esporadicamente havia uma reunião no sábado. Não existiam hierarquias entre o grupo, e as reuniões sempre corriam na informalidade, tendo um caráter boêmio. Eles se reuniam tanto para discutir a


melhor forma de executar os projetos, como também para falar sobre diversos assuntos filosóficos, artísticos e culturais. Aliás, sobre o projeto sempre prevalecia o consenso e os bons argumentos, sendo o entendimento coletivo a última palavra dada. Logo as reuniões se converteram em um local de passagem obrigatório para a jovem intelectualidade da cidade o que resultou em crescente influência local. No entanto, conforme aponta Flávio Weinstein, o Gráfico também se tornou como um ponto de visitação pública, desestruturando o cerne inicial do grupo. Passados sete anos de atividades, as percepções e intenções dos quatro mudaram sobre o destino que a oficina tipográfica deveria tomar e seus projetos profissionais amadureceram:

Da esquerda para a direita: Aloísio Magalhães, Ariano Susassuna, Gastão de Holanda, Hermilo Borba Filho, Joel Pontes, Fernando Rocha e José Laurenio de Melo.

O G RAFICO A MADOR

15


Da esquerda para a direita: Aloisio Magalhães, José Laurenio, Orlando da Costa Ferreira e Abel Accioly Carnaúba.

16

O G RAFICO A MADOR


Gastão de Holanda via nela um momento inicial para dotar a cidade do Recife de uma editora comercial. Possuiu um escritório de design no Recife, a Minigraf, e deu aulas no curso de Artes Visuais na Escola de Belas Artes. Depois vai também paora Rio de Janeiro, onde funda a Editora Fontana. José Laurênio trabalhou para a editora José Olímpio. Orlando da Costa editou um caderno no Jornal do Commercio até o Golpe Militar de 1964. Após este evento ele vai ao Rio de Janeiro onde se dedicou à pesquisa em comunicação visual. A Aloísio Magalhães, homenageado do carnaval de 2008 de Olinda, cabem algumas palavras mais. O principal ilustrador do grupo tornou-se um dos primeiros grandes designers brasileiros, indo morar no Rio de Janeiro onde, alavancado pela experiência vivida com o Gráfico fundou: em 1960 seu pioneiro escritório de design (Aloisio Magalhães Programação Visual Desenho Industrial Ltda, desde 1976 PVDI Design). em 1963, juntamente com outros intelectuais, funda a primeira Escola de Ensino Superior de Desenho Industrial do Brasil e da América Latina, a ESDI, onde torna-se seu professor.

O G RAFICO A MADOR

17


OBRAS


PUBLICADAS


20 O G

RAFICO

A MADOR


1958 Aniki Bóbó JOÃO CABRAL DE MELO NETO E ALOISIO MAGALHÃES

Design: Aloisio Magalhães Ilustrações: Aloisio Magalhães (Clichê de barbante, uma cor, mais três cores em pochoir) 150x126 mm

O G RAFICO A MADOR

21


22 O G

RAFICO

A MADOR


P谩ginas do livro Aniki B贸b贸

O G RAFICO A MADOR

23


24 O G

RAFICO

A MADOR


1958 Improvisação Gráfica ALOISIO MAGALHÃES

Design: Aloisio Magalhães Ilustrações: Aloisio Magalhães (10 experimentos tipográficos utilizando tipos manuais sobre dez papéis diferentes) 240x150 mm

O G RAFICO A MADOR

25


Algumas das páginas do livro Improvisação Gráfica com experimentações tipográficas de Aloisio Magalhães.

26 O G

RAFICO

A MADOR


O G RAFICO A MADOR

27


28 O G

RAFICO

A MADOR


19 6 1 Dois Poemas Incidentes ORLANDO DA COSTA FERREIRA

Design: Orlando da Costa Ferreira Ilustrações: Orlando da Costa Ferreira (Vinhetas em linóleo, duas cores, verde e laranja.) 235x167 mm

O G RAFICO A MADOR

29


30 O G

RAFICO

A MADOR


Pรกginas do livro Dois Poemas Incidentes O G RAFICO A MADOR

31


CRONO LOGIA

O GRÁFICO Amador publicou oficialmente 27 livros, pequenos, no formato in-octavo e também em pequenas tiragens, a maioria oscilando entre 100 ou 200 exemplares. Usavam duas impressoras tipográficas (uma elétrica e outra manual) e uma litográfica. Além dos livros, O Gráfico Amador publicou três volantes e um programa de teatro de uma pela de Ariano Suassuna, bem como alguns cartões de Natal. Segue uma apresentação cronológica das obras publicadas pelo O Gráfico Amador , com representações de publicações extras que não foram mostradas nos capitulos anteriores.

32 O G

RAFICO

A MADOR


PUXE

O G RAFICO A MADOR

33


19 54 Amador em Recife, Pernambuco.

34 O G

RAFICO

A MADOR

19 55 Publicação do primeiro livro: As Conversações Noturnas, de José Laurenio de Melo.

seu primeiro boletim, o Noticiário 1.


19 56 Publicação do livro Ode, de Ariano Suassuna em edições in quarto e in octavo.

Publicação do livro Mãe da Lua, de José de Morais Pinho.

O livro Macaco Branco, de Gastão de Holanda, é publicado.

O livro A Tecelã, de Mauro Mota é publicado.

Publicação do livro Memórias de um Boi Serapião, de Carlos Pena Filho.

O G RAFICO A MADOR

35


19 57 Publicação do livro Ciclo, de Carlos Drummond de Andrade. Publicação do livro Rumeur & Vision, uma seleção de poesias francesas,

36 O G

RAFICO

A MADOR

primeiro volante: Receita de Mulher, de Vinicius de Moraes.


19 58 Publicação do livro Mundo Guardado, de Luiz Delgado.

Publicação do segundo volante: Encontro de Manual Bandeira, de Sebastião Uchoa Leite.

Publicação do terceiro volante: Pergunta, de José Laurenio de Melo.

O livro História de um Tatuetê de Hermilo Borba Filho, é publicado.

O G RAFICO A MADOR

37


19 59

19 60

Publicação do ensaio Capela de N. S. da Conceição da Jaqueira, de José Antonio Gonsalves de Melo Neto.

É publicado um romance de Gastão de Holanda: O Burro de Ouro. Publicação de um programa de teatro para a peça de Ariano Suassuna, A Pena e a Lei.

38 O G

RAFICO

A MADOR


19 61 Publicação do livro Dez Sonetos sem Matéria, de Sebastião Uchoa Leite.

Publicação do livro O Casamento Suspeitoso, de Ariano Suassuna.

Publicação do livro Gesta e Outros Poemas, de Jorge Wanderley.

Publicação do livro Heredianos, poesia traduzida do francês por Severino Montenegro.

FIM Publicação do livro Elegia de Ouvídio, poesia traduzida do francês por Gastão de Holanda. Publicação do livro Dois Poemas Incidentes, de Orlando da Costa Ferreira. Publicação do livro Francisco Bernhard, de Flavio Motta.

O G RAFICO A MADOR

39


40 O G

RAFICO

A MADOR



O Gráfico Amador