Issuu on Google+


Sumário Página 12

Os computadores começam a enteder a arte

Página 4

Tipografia?

Afinal, o que é isso?

Página 16

Portifólio Maurício Ricardo

Página 6

Só o pó dos PoKemons!

.

Página 8

Eco O que o Design tem a ver com a sustentabilidade?

Página 20

Tampografia

Expediente

Diretor responsável: Rangel Sales Técnico de Design Gráfico: Jéssica Paola Teixeira

Periodicidade: Edição Única Página 14

Quentin Tarantino Os filmes e seus posters

Página 10

O poder do Photoshop O que ele é?Do que ele é capaz?

Tiragem: 1 exemplar Atendimeno ao leitor: szjess@hotmail.com

3


Tipografia

Tipografia?

Em design só se fala sobre tipografia. Afinal, o que é isso? Qual a importância da tipografia na vida do designer gráfico? No que consiste a tipografia? Está na hora de responder suas perguntas.

4

Tipografia é a impressão dos tipos. Está

itálico e negrito, por exemplo) de

para transmitir instantaneamente,

morrendo com o computador. Tipolo-

uma determinada família são as fon-

atmosfera e imagem

gia é o estudo da formação dos tipos.

tes desenhadas para a elaboração de

No uso da tipografia o interesse visual

Mas no final, a nomenclatura usada

um conjunto completo de caracteres

é realizado através da escolha adequa-

é tipografia. Como fonte, (família do

que consta do alfabeto em caixa alta e

da de fontes tipográficas, composição

tipo) é atualmente chamada de tipo.

caixa baixa, números e símbolos.

(ou layout) de texto, a sensibilidade

O termo tipo é o desenho de uma

Os tipos constituem a principal fer-

para o tom do texto e a relação entre

determinada família de letras como

ramenta de comunicação. As faces

texto e os elementos gráficos na pá-

por exemplo: verdana, futura, arial,

alternativas de tipos permitem que

gina. Todos esses fatores são combi-

etc. As variações dessas letras (ligth,

você dê expressão ao documento,

nados para que o layout final tenha


uma “atmosfera” ou “ressonância”

nhecimento adequado do uso da ti-

cursos de design. Para o designer que

apropriada ao conteúdo abordado.

pografia é essencial aos designers que

se especializa nessa área, a tipografia

No caso da mídia impressa, designers

trabalham com diagramação, ou seja,

costuma se revelar um dos aspectos

gráficos costumam se preocupar com

na relação de texto e imagem. Logo a

mais complexos e sofisticados do

a escolha do papel adequado, da tinta

tipografia é um dos pilares do design

design gráfico.

e dos métodos de impressão. O co-

gráfico e uma matéria necessária aos

Revista

5


Ilustração

Só o pó dos O jeito sádico e criativo de Justin White

6

“Em tempos desconhecidos, criaturas

que os humanos compartilham com

desenvolveram ao longo do tempo

estranhas apareceram nesse planeta.

seus amigos Pokémon. Também hou-

e fizeram amizade com os humanos.

Nós os chamamos de Pokémon. Por

veram conflitos, mas através das eras,

Mas você já reparou que os Poké-

muitos anos, incontáveis espécies de

aprendemos a viver em harmonia e

mons vivem lutando e quase nunca

Pokémon se desenvolveram. Pesqui-

assim a história continua.”

se machucam gravemente? Pois bem,

sadores procuraram e identificaram

( Trecho de Pokémon 8)

o ilustrador Justin White imaginou

centenas dessas criaturas. E ainda há

Esta frase, trecho inicial de Poké-

estes retratos muito engraçados de

muitas mais para serem descobertas.

mon 8: Lucario and the Mystery of

como ficariam alguns deles, após

Muitas histórias foram passadas con-

Mew, define basicamente o que são

uma longa e violenta batalha, se re-

tando as extraordinárias aventuras

os Pokémon, isto é, criaturas que se

cuperando em suas Pokebolas.


PoKemons!

7


Eco Design

Eco O que o Design tem a ver com a sustentabilidade?

moradia, alimento, saúde. Aspiram viver os padrões de vida da sociedade

8

A sustentabilidade é o grande desafio

desenvolvida, o planeta não conse-

de nosso tempo. Significa viver em

guirá fornecer.

ambientes sociais e culturais onde

Eco-design, design para sustentabili-

nossas necessidades e desejos sejam

dade, green design… o importante

atendidos sem comprometer as pos-

é compreender que se pretendemos

sibilidades das gerações futuras em sa-

continuar a ocupar este planeta é ne-

tisfazer seus desejos e necessidades.

cessário conjugar o econômico, o so-

Mais da metade da humanidade vive

cial e o ambiental. Pessoas, ambiente

abaixo da linha da pobreza. Estes bi-

e produção têm que estar interconec-

lhões de pessoas têm direito a uma

tados, os pilares do futuro. O Design

condição de vida justa e adequada,

está intimamente ligado à comunica-


ção e à produção dos bens de con-

O profissional deve hoje buscar ma-

multifincionalidade dos equipamen-

sumo. Além de sua função utilitária,

neiras criativas para projetar produ-

tos, ou serviços. A pergunta então é

investe de significados os produtos e

tos e serviços, repensar a utilização

como o designer pode contribuir na

serviços, a Cultura Material.

dos materiais, através dos tão falados

questão da Sustentabilidade?

O Design é fundamental neste

3 Rs, (Reduzir, Reusar, Reciclar). Pes-

Sobretudo, os designers podem refle-

processo em direção ao futuro sus-

quisar novos materiais, aperfeiçoar

tir sobre os valores e o estilo de vida

tentável, repensando a forma como

técnicas de fabricação, montagem,

que estão estimulando e divulgando,

estamos produzindo e entregando

desmontagem e descarte. E também,

sobre as aspirações e desejos que es-

produtos e serviços, de forma que to-

o uso da energia, o ciclo de vida, o

tão gerando no consumidor para, de

dos possam viver em abundância sem

transporte. Ainda não deixar de es-

forma mais abrangente, inclusiva e

comprometer o entorno nem o bem

timular a desmaterialização, através

criativa, repensar os velhos estilos e

estar desta e das futuras gerações.

da redução do peso ou tamanho e a

criar novos conceitos.

9


Design

O poder do Photoshop O que ele é ? Do que ele é capaz?

10

O Adobe Photoshop é o aplicativo

Photoshop é que com o crescimento

ro deles. Mas sua interface objetiva,

de edição de imagem mais usado em

das vendas do software é um incen-

combinada com algumas funções

computadores Macintosh e Windo-

tivo claro para a Adobe reinvestir no

importantes fizeram dele o melhor

ws. Apesar da concorrência ser forte

programa e aperfeiçoar – ou, em al-

recurso desde a primeira versão. Mais

entre os mais variados programas ao

guns casos, corrigir – seus recursos,

de uma década depois – graças às in-

longo dos anos, com preços que che-

e quem ganha com isso é sempre

jeções substanciais de capital e a uma

gam a ser simbólicos até alguns mi-

o usuário. Enquanto o Photoshop

programação altamente criativa por

lhares de dólares por licença, a Adobe

avança numa escalada progressiva,

parte da equipe da Adobe e do cria-

informa que as vendas do Photoshop

outros fornecedores apresentam re-

dor do Photoshop – Thomas Knoll,

são responsáveis por mais de 80% do

cursos mais limitados para recuperar

ele passou a ser o mais conhecido

mercado de edição de imagens e que

a desvantagem, perdendo, assim cada

programa de sua categoria.

esse número continua crescendo.

vez mais sua fatia de mercado.

Se você já está familiarizado com o

Isso torna o Photoshop quatro ve-

Embora os concorrentes ofereçam

Photoshop e deseja apenas conhe-

zes mais usado do que todos os seus

recursos interessantes e, algumas ve-

cer seus novos recursos, continue

concorrentes juntos.

zes, surpreendentes, no somatório

sempre se atualizando, pois a cada

No que diz respeito à edição profis-

de suas partes eles permanecem bem

nova versão tem novidade e mais

sional de imagens, o Photoshop não é

aquém dos recursos do Photoshop.

facilidades são apresentadas pra to-

apenas líder de mercado, ele também

Como resultado, o Photoshop man-

dos nós. Manipulação fotográfica

é a única possibilidade para quem

tém o domínio em seu ramo de mer-

feita por profissionais com técnica

preza por maior qualidade nas ima-

cado. Ele nem sempre foi o melhor

e objetivo, geram trabalhos podem

gens e seu tratamento. A vantagem do

editor de imagens, nem foi o primei-

realmente surpreender.


11


Tecnologia

Os computadores começam a entender a arte Pesquisadores espanhóis e alemães desenvolveram algoritmos matemáticos que podem tirar conclusões sobre o estilo artístico de uma pintura. Medidas da estética

Informações pictóricas de baixo nível incluem aspectos Os computadores já podem detectar com precisão a com-

como a densidade das pinceladas, o tipo de tinta e de tela

posição de cores de uma imagem e fazer algumas medições

e a composição da paleta de cores.

estéticas - alguns pesquisadores já afirmam ter programas

O estudo mostra que o cálculo da “ordem” da imagem - a

capazes de detectar padrões da beleza feminina.

análise dos pixels e da distribuição de cores, assim como da

Mas será que os computadores já são capazes de compreen-

composição e da diversidade de cores - pode representar

der a arte e diferenciar uma pintura artisticamente relevante

determinadas medições estéticas.

de um monte de rabiscos de um pintor principiante?

Não é o suficiente para enquadrar automaticamente uma

Tendências da arte

pintura em um determinado período histórico, mas é o

Uma equipe de pesquisadores espanhóis e alemães afirma

bastante para auxiliar em programas de computador dedi-

estar a caminho disso. Eles desenvolveram algoritmos

cados à análise, classificação e busca em bancos de dados

matemáticos que podem tirar conclusões sobre o estilo

de imagens e coleções digitalizadas de museus.

artístico de uma pintura.

Os pesquisadores vão partir agora para desenvolver pro-

“Nunca será possível determinar matematicamente com

gramas especialistas nesse tipo de busca e em sistemas para

precisão um período artístico e nem a reação humana a

uso em quiosques interativos, auxiliando os usuários de

uma obra de arte, mas nós podemos detectar tendências,”

museus e galerias de arte.

explica Miquel Feixas, um dos autores do estudo.

12

Beleza, ordem e complexidade

Os pesquisadores da Universidade de Girona e do Institu-

O ser humano usa também informações de médio e de

to Max Planck demonstraram que determinados algorit-

alto níveis para compreender a arte.

mos de visão artificial permitem que um computador seja

As informações de nível intermediário diferenciam entre

programado para “entender” uma imagem e diferenciar

determinados objetos e cenas que aparecem em uma ima-

entre estilos artísticos com base em informações pictóricas

gem, bem como como o tipo de pintura (paisagem, retrato,

de baixo nível.

natureza morta etc.). Informações de alto nível levam em

Revista


conta o contexto histórico e o conhecimento que se detém

como a relação entre a ordem e a complexidade. Depois

sobre os artistas e as tendências artísticas.

disso, o filósofo Max Bense converteu essa noção em uma

Os primeiros trabalhos que procuravam sistematizar a

medida de informação baseada na entropia (desordem ou

compreensão da arte, foram feitos em 1933, quando o

diversidade). Segundo ele, o processo criativo é um proces-

matemático George D. Birkhoff tentou formalizar a no-

so seletivo ( “criar é selecionar”) dentro de uma gama de

ção de beleza por meio de uma medição estética definida

elementos (uma paleta de cores, sons, fonemas, etc.).

Revista

13


Posters

Quentin Tarantino Histórias, filmes e Posters

14

Quentin Jerome Tarantino (Kno-

Estética

filmes, com marcas como “Fruit Brute”

xville, 27 de março de 1963) é um di-

Os filmes de Tarantino são conheci-

em Cães de Aluguel e Pulp Fiction, e

retor, ator e roteirista de cinema dos

dos por seus diálogos afiados, crono-

“Kaboom” em Kill Bill.

Estados Unidos da América. Ele al-

logia fragmentada e sua obsessão pela

Outra caracteristica refere-se as cenas

cançou a fama rapidamente no início

cultura pop. Comumente, são vistos

de diálogos em que a camera se localiza

da década de 1990 por seus roteiros

como graficamente violentos e, em

dentro do porta-malas de um carro.

não-lineares, diálogos memoráveis

seus filmes Cães de Aluguel, Pulp

Mundo Paralelo

e o uso de violência que trouxeram

Fiction e Kill Bill, há uma enorme

Através dos roteiros de Quentin

uma vida nova ao padrão de filmes

quantidade de sangue jorrando.

Tarantino é possivel notar que as

norte-americanos.

Marcas fictícias como os cigarros “Red

histórias se passam num mundo pa-

Ele é o mais famoso dos jovens dire-

Apple” e a lanchonete “Big Kahuna

ralelo e que os personagens de seus

tores por trás da revolução de filmes

Burgers”, de Pulp Fiction, apareceram

filmes possuem elos entre si. Um

independentes dos anos 90, tornan-

depois em vários filmes, como Four

exemplo disso são os irmãos Vega,

do-se conhecido pela sua verborra-

Rooms, Um drink no inferno e Kill

Vicent Vega aparece em Pulp Fiction,

gia, seu conhecimento enciclopédi-

Bill. O diretor também é conhecido

já seu irmão Vic Vega é presente em

code filmes, tanto populres,quanto os

por gostar de cereais matinais, que

Cães de Aluguel.

considerados “cinema de arte”.

aparecem constantemente em seus

Revista


Kill Bill Vol. 1 (2003) Grindhouse: Planet Terror (2007)

Revista

Inglourious Basterds (2009) Jackie Brown (1997)

15


Portfólio

Maurício Ricardo Chargista, cartunista e músico.

senso de oportunidade. Oportunismo dá a impressão de

Maurício Ricardo Quirino nascido no Rio de Janeiro

[DiaGramando] Dá pra pensar em você sendo outra coisa

em 24 de setembro de 1963, foi criado em Uberlândia,

além do que é hoje?

Minas Gerais. Foi baixista e jornalista. É o roteirista e

O que eu tenho hoje é uma sensação de prazer. Coisas que a

desenhista do site “Charges.com.br”, que iniciou por di-

gente busca na vida e que eu fui obter com esse projeto. É você

versão. Quando o site começou a dar lucro, abandonou

acordar de manhã e se perguntar: o que eu vim fazer nesse

um emprego em um diário de Uberlândia. Hoje, além de

planeta? É bom poder dizer “já sei e já fiz”. Isso te desobriga de

desenhar (com uma prancheta digital) e animar, ele dubla

um monte de coisas. Tanto que, aos 36 anos, virei minha vida

(geralmente fazendo todas as vozes) e toca a música de

do avesso e se tiver que fazer isso de novo, eu faço. Sou um cara

fundo das charges apresentadas no site. Atualmente ele

de mídia e sei que as coisas têm começo, meio e fim. Sei que,

também faz charges para o programa BBB.

por mais que eu possa prolongar essa onda, não vou eternizá-la.

Para cartunistas, fãs de quadrinhos e bem-humorados

Mas como é um fenômeno de mídia (se referindo ao site) e

de plantão, Maurício se tornou quase um mito. São 31

que eu dependo de audiência pra pagar minhas contas, pode

comunidades no Orkut dedicadas ao Charges.com, uma

acabar amanhã. Mas me surpreende a longevidade dele, já está

delas com mais de 9 mil membros e outra dedicada exclu-

com seis anos. O que na internet dura seis anos?

sivamente ao cara, com mais de mil membros. Então vá lá.

[DiaGramando] A combinação clássica sexo, drogas e

Senhoras e Senhores, Maurício Ricardo Quirino.

rock’n’roll já fez parte da sua vida? Em que momento?

que você está fazendo algo violentando sua natureza. No meu caso, foi exatamente o contrário. É como se minha natureza estivesse o tempo todo esperando essa oportunidade. A internet veio como um catalisador das coisas que eu fazia mais ou menos, porque eu não era bom em nada daquilo. Eu era meia boca em tudo, mas consegui juntar num produto bem acabado.

Claro, no início da minha carreira o sexo e o rock’n’roll

[DiaGramando] Maurício, você se considera um artista,

estavam unidos. Nunca fui um cara de ter experiências for-

cartunista, empresário ou um tremendo oportunista que

tes com drogas, embora tenha conhecido e vivido aquele

uniu o talento a uma demanda de mercado?

momento como todo mundo. Fazia parte. A gente vivia

Sorte é o encontro da oportunidade com o trabalho e o

numa época em que você comprava o pacote completo.

que eu consegui fazer foi isso. Talvez tenha sido mesmo

Quando eu fui gravar o disco do Solo Vertical no Rio

16

Revista


(banda que Maurício formou nos anos 80), o produtor

minha. Nunca me senti confortável em ficar pegando uma

cheirava cocaína no piano de calda. Era uma realidade.

mulher por noite.

Não dava pra fingir que não estava vivendo aquilo. Mas

[DiaGramando] Até onde eu sei, você não está diretamen-

não me identifiquei com nada daquilo. Alias, só com o

te envolvido em causas sociais. Qual dos problemas globais

rock. Nem com o sexo, porque sexo casual nunca foi a

te sensibiliza ou em qual das causas se engajaria?

Revista

17


Portfólio

18

Eu diria que da minha maneira, usando meu veículo, eu

me achar, estou na Av. Rondon Pacheco todos os dias de

estou tentando me engajar numa causa, que é a da cons-

manhã fazendo caminhada. Eu não sou o Paulo Ricardo,

cientização política. Portanto, minha causa é ser o mais ético

sou um cartunista (risos).

possível na minha cobertura, porque sei que estou influen-

[DiaGramando] Quando o destino é generoso assim,

ciando um monte de jovens. Se a geração anterior à minha,

como tem sido com você, não dá pra ficar desconfiado?

que durante a ditadura teve um papel de lutar pela liberdade

Não, sabe por quê? Porque não existe essa generosidade.

e romper a barreira da censura através do humor, a minha

Quem me vê na rua, não vê a ralação aqui dentro, com o

geração tem o humor como um instrumento de justiça. O

cérebro fritando atrás de uma idéia bacana. Ninguém sabe

público sabe que sem o humor, a zoação, a falta de punição

o que é ficar recebendo nota ruim durante uma semana

será completa. É como se o público pudesse dizer: “olha seu

(no site). Ou receber 500 e-mails por dia e 150 deles te

babaca, você pode sair livre e rico, mas nós sabemos que

xingando, ou ser incompreendido porque ninguém en-

você é um crápula”. É uma espécie de vingança.

tendeu o que você fez e as pessoas te “sacanearem” ou te

[DiaGramando] Existe algum trauma de adolescência

execrarem e te odiarem. Todo mundo vê o lado bonito.

que você não tenha superado ou que superou, mas guarda

Ninguém sabe o quanto insisti com esse site, fazendo ele

como troféu?

de madrugada sem ganhar um centavo, saindo do jornal

Eu era gordo e feio. Tímido eu nunca fui. Pelo fato de

(Jornal Correio) tarde e ficar até as duas da manhã fazendo

saber desenhar, eu era o cara alternativo... Roqueiro né!

o site. Quem estiver a fim de fazer isso, cara, “tá” aí.

Normalmente, o cara que assume essa postura está tentan-

[DiaGramando] Você está com 42 anos. Afinal de contas,

do colocar uma capa em cima de um monte de traumas.

o que é ter 42 anos em pleno século XXI?

Se você é gordinho e cheio de espinhas, é melhor ser um

Eu não me sinto com a idade que tenho. Acho que essa

gordinho cheio de espinha cabeludo e com uma camiseta

coisa da idade cronológica não existe mais. Eu recebo e-

de banda. Pelo menos, mostra atitude (risos).

mails de garotos de 14 anos e me identifico com eles em

[DiaGramando] A fama te incomoda? Ser abordado na

muitos aspectos. Nossa geração é diferente da geração

rua te incomoda?

dos nossos pais, onde aos 42, você estava praticamente

Cara, meu nome está na lista telefônica, trabalho de

fechando um ciclo, estava praticamente no fim da vida.

bermuda, fico dois dias sem fazer a barba, quem quiser

Acho que estou só começando.

Revista


“Suelen”

“Tobb Entrevista”

Revista

19


Processos de Impressão

Tampografia Há também a versão em que, a tampografia tenha sido inventada por volta dos anos de 1950 para decorar os finos e delicados relógios suíços, principalmente os femininos, e em 1970 ela tenha sido aperfeiçoada na Alemanha que hoje é tida como o berço da

Capaz de imprimir em superfícies irregulares

tampografia. Consta que as primeiras máquinas a funcionar na Alemanha começaram a ser comercializadas em 1978 e 1979. A tampografia, apesar de bastante acessível e desenvolvida Tampão

para clientes de médio e grande porte,

20

ainda é deixada muito de lado, como

tinta suficiente para a impressão do

O tampão é semelhante à uma almo-

coadjuvante da impressão gráfica.

grafismo do clichê. Depois desta pas-

fada. É fabricado de silicone e usado

Porém vem se desenvolvendo em

sagem, o tampão de silicone desce

para transferir a tinta depositada no

escala industrial e modificando o

até ao clichê coletando a tinta que vai

clichê para a peça a ser decorada.

pensamento de vários clientes com

decorar o objeto. Tinteiro Fechado

O tampão varia de acordo com o

sua variedade de trabalhos.

ou Selado Quase todo o processo de

material e o formato da peça e com

A tampografia possui hoje dois ti-

impressão com máquina de tinteiro

as configurações do grafismo a ser

pos básicos de impressão (todos

aberto é igual ao de tinteiro selado.

impresso. Ele possui uma medida

indiretos pois a impressão é feita do

Porém, o processo de tinteiro selado

chamada dureza, que regula qual será

tampão para a peça e não do clichê

se difere porque as lâminas são subs-

a flexibilidade da massa de silicone

diretamente): Tinteiro Aberto Como

tituídas por um reservatório de tinta

do tampão. Essa medida para ser

o próprio nome diz, a máquina de

com formato cilíndrico (semelhante

ideal deve ficar entre 8 e 18 Shores

tinteiro aberto funciona da seguinte

à um copo, geralmente fabricado em

A. Cada peça pede um tipo diferen-

maneira: uma espátula empurra toda

cerâmica para maior durabilidade e

te de tampão, devido às distorções

a tinta para o clichê gravado em baixo-

resistência).

que podem ocorrer com o grafismo

relevo e quando volta retira todo o ex-

Esse reservatório fica sobre o cli-

e a pressão excessiva ou ausente, por

cesso de tinta com uma lâmina (como

chê e faz a raspagem de toda tinta

isso é necessário saber o que se quer

se fosse um rodo), deixando apenas

excessiva com sua própria borda.

fazer para que não haja erros de im-

Revista


pressão e “cabelinho de anjo” (erro

não possuem fabricante nacional no

de impressão).

mercado brasileiro e a importação

Clichê

das mesmas inviabiliza o processo

O clichê tampográfico é a matriz de

elevando o custo do trabalho. As

onde será gerada a impressão. Ele é

tintas específicas de tampografia

gravado em baixo-relevo, tecnica-

para que seu custo seja amortizado

são bicomponentes compostas por

mente chamado de encavográfico,

e não encareça a impressão. Tem

catalisador (aglomera os pigmentos

com cerca de 5 a 8 mícrons (a milé-

uma vida útil muito longa de mais de

da tinta) e solvente (que ajudam a

sima parte de um milímetro) de pro-

1.000.000 ciclos. · Clichê de lâmina

diluir a tinta para melhor aderên-

fundidade (esse é um dos motivos

de aço – É de difícil elaboração e tem

cia), além do acréscimo que pode

pelo qual não é aconselhável o uso

custo médio. Utilizado para tiragens

ser feito pelo profissional de tam-

de tinta serigráfica, pois o depósito

de 20.000 a 500.000 impressões.

pografia, o tampógrafo, de aditivos

de tinta de sua matriz é de 30 a 50

Tintas

secantes, anti-sedimentantes (para

mícrons, aproximadamente), solici-

Existem quatro tipos de tintas usadas

a não formação de coágulos de tin-

tando tintas de grãos finos. Existem

na tampografia que são a vinílica, a

ta), niveladores, anti-peles (para não

3 tipos de clichês na tampografia:

sintética, a epóxi e a poliuretânica. As

descascar e ficar com partes de im-

Clichê de aço – Feito em aço e de

duas primeiras são as mais usadas no

pressão soltas, anti-espumantes), etc.

custo elevado. Sua utilização somen-

mercado, porém são específicas para

Em alguns casos, é necessário um tra-

te se justifica com altíssimas tiragens

a impressão serigráfica. Isso aconte-

tamento superficial nas peças a serem

(500.000, 1.000.000 impressões)

ce porque as tintas para tampografia

tampografadas para melhor absorção

Revista

21


Processos de Impressão de tinta. Existem três tipos de tratamento: Químico - ideal para peças de difícil absorção; com poro (célula) fechado. Flambagem - aquecimento da peça por cerca de 8 horas para a abertura dos poros. Corona - feito superficialmente para limpeza através de um feixe de alta frequência. Alguns tipos de materiais possuem tintas que se adaptam mais facilmente a sua superfície. Curiosamente, este é o caso do isqueiro, que por ser uma das peças mais tampografadas, possui uma tinta específica para sua decoração, ideal para plástico tipo polipropileno, dispensando qualquer tratamento superficial. Após a decoração, peças

“As tintas específicas de tampografia são bicomponentes compostas por catalisador e solvente.”

que são manuseadas contantemente como controles remoto e teclados de computador são submetidas à sublimação. Sublimação é um tratamento térmico que promove a difusão da tinta na peça tampografada e só pode ser realizado e peças que agüentem até 200ºC, caso do polyester e do polyacetato, entre outros.

“Máquina Tampográfica Lógica 08”

22

Revista



MOD_2_T_PEP_Jessica Paola