Issuu on Google+

Venha para uma viagem rumo ao conhecimento.

Guia de

Atividades

(31)

3477-7757 9159-0510


Guia de Atividades Eco-Pedagógicas

manifestações folclóricas comunidades quilombolas palestras & exposições caminhada ecológica esportes de aventura atividades manuais animação de festas parques ecológicos biologia marinha acampamento estudo do meio arte educação ação social ecoturismo day camp arvorismo fábricas museus grutas cursos 3477-7757 - 9159-0510 Edmar Antônio ou Márcia www.tauanaturismo.com.br contato@tauanaturismo.com.br


ELABORAÇÃO TAUANÃ AGÊNCIA DE VIAGENS E TURISMO LTDA Rua Monte Verde 125 - São Salvador Telefax (31) 3477 7757 - 9159 0510 – 9313 8775 Belo Horizonte - MG - CEP 30 881- 410 Embratur 10 65 380 446/0001-34 E-Mail; contato@tauanaturismo.com.br www.tauanaturismo.com.br

COORDENAÇÃO GERAL Edmar Antônio da Silva

COORDENAÇÃO TÉCNICA AMBIENTAL Edmar Antônio da Silva - José Maria da Fonseca

EQUIPE TÉCNICA DE PESQUISA E ROTEIROS Edmar Antonio da Silva - José Maria da Fonseca Márcia Aparecida Santos Silva - Matheus Antônio Santos Silva

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta obra poderá ser reproduzida, sob qualquer forma, sem a autorização prévia da TAUANÃ Agência de Viagens e Turismo Ltda.

RECICLANDO IDÉIAS


ÍNDICE TAUANÃ Turismo Eco-Pedagógico e a Escola....................................................................... 5 Breve Histórico da Tauanã Turismo Eco-Pedagógico........................................................ 6 O que são os ROTEIROS TÉCNICOS EDUCATIVOS .............................................................. 6 Objetivos dos Roteiros Técnicos Educativos........................................................................ 7 Conclusão, recursos humanos e materiais........................................................................... 8 Guia de roteiros divididos por assunto................................................................................. 9 Breve Histórico da Excursão Pedagógica .............................................................................13

ROTEIROS TÉCNICOS EDUCATIVOS – RTE 1 - ESTUDO DO MEIO 1.1 - Roteiros Históricos......................................................................................................14 1.2 - Roteiros das Grutas ...................................................................................................16 1.3 - Roteiros dos Museus..................................................................................................18 1.4 - Roteiros das Fábricas e Indústrias .......................................................................20 1.5 - Roteiros Políticos ........................................................................................................22 1.6 - Roteiros de Desigualdade Social...........................................................................24 1.7 - Ação Social .....................................................................................................................26 1.8 - Transposição do São Francisco – Pirapora........................................................27 1.9 - Petrópolis ......................................................................................................................28 1.10 - Biologia Marinha e Ecossistemas Costeiros .....................................................29 1.11 - Estrada Real – Caminhada Ecológica ..................................................................30 1.12 - Metrô Metropolitano .................................................................................................31 1.13 - Aeroporto de Confins................................................................................................32 1.14 - City Tour Cultural.........................................................................................................33 1.15 - Parque das Mangabeiras .........................................................................................34 1.16 - Zoológico .........................................................................................................................35 2 - TRILHAS INTERPRETATIVAS 2.1 - Locais destinados ..........................................................................................................36 3 - TREINAMENTO EDUCACIONAL............................................................................................37 4 - ESTUDOS DO MEIO COM PERNOITE 41 - Roteiros Longos - Mínimo de 04 dias .....................................................................38 4.2 - Terra dos Descobridores - Porto Seguro .............................................................38 4.3 - Revivendo a Estrada Real...........................................................................................39 4.4 - Estrada Real, Ouro, Diamante, Seresta e História - Diamantina..................39


5 – Atividades de Fazenda 5.1 - Um dia na Fazenda........................................................................................................40 6 – Todos nós somos desta terra.............................................................................................41 6.1 - Inclusão Social do portador de necessidades especiais 6.2 - Comunidades Quilombolas e Assentamentos da Reforma Agrária 7 - ARTES E CULTURA 7.1 - São Paulo lazer e cultura............................................................................................42 7.2 - Rio de Janeiro histórico e cultural ..........................................................................43 8 - ÍNDIOS DE MINAS 8.1 - Dia de Índio – Festa das águas................................................................................44 9 – NOSSAS ÁGUAS 9.1 - Tour das águas, Pampulha e nascentes do Arrudas .......................................45 10 - OFICINAS 10.1 - Modelagem em papel e argila .................................................................................46 11 - Palestras 11.1 - Serra do Curral.............................................................................................................46 11.2 - Cerrado Mineiro...........................................................................................................46 11.3 - O Ciclo do Ouro em Minas Gerais ...........................................................................47 11.4 - O Barroco Mineiro.......................................................................................................47 11.5 - Educação para o Trânsito .........................................................................................47 12 – ESPORTES DE AVENTURA 12.1 - Rapel, Escalada, Caminhada Ecológica, Arvorismo .........................................48 13 - CURSOS 13.1 - Astronomia - Espeleologia - Primeiros Socorros Escalada Técnicas de Campismo...........................................................................................................48 14 - ROTEIROS DE FÉRIAS E FERIADOS 14.1 - Roteiros operados ......................................................................................................49 15 - ANIMAÇÃO DE FESTAS: 15.1 - Atividades oferecidas ................................................................................................49 16 - MANIFESTAÇÕES FOLCLÓRICAS 16.1 - Eventos e atividades...................................................................................................49 17 – CONFRATERNIZAÇÕES DE ENCERRAMENTO DO ANO LETIVO 17.1 - Viagens e jantares comemorativos .......................................................................49 18 - AGENDA DE ATIVIDADES ...................................................................................................50 OBS.: Disponibilizamos 480 roteiros dos mais diversos possíveis, abrangendo as áreas de ensino em todo o Território Nacional e na Região Platina. Consulte-nos estaremos aguardando para concretizar seu projeto pedagógico.


A TAUANÃ TURISMO E A ESCOLA Aproveitamos a oportunidade para expor um pouco mais detalhadamente de que forma nosso trabalho e o trabalho da escola se complementam.

Nosso trabalho é oferecer um forte instrumento pedagógico, através do qual o professor terá valioso subsídio prático para enriquecer o conteúdo de sua disciplina.

Todos nós sabemos que cada vez mais, o trabalho de vivenciamento e educação ambiental tornam-se fundamentais para que nosso futuro seja construído nos moldes da educação e no desenvolvimento sustentável, ou seja, um desenvolvimento no qual o homem possa ter “qualidade de vida e aprendizado”, utilizando com sabedoria os recursos naturais, melhorando a qualidade do ensino, sem comprometer a qualidade de vida das gerações futuras.

Procurando cada vez mais atender os Parâmetros Curriculares Nacionais e as diretrizes propostas pela Agenda 21, em n o s s o s p r o j e t o s p e d a gó g i c o s desenvolvemos temas com atividades enfocando História, Ciências, Meio Ambiente, Saúde, Ética e Pluralidade Cultural correspondendo as n e c e s s i d a d e s p e d a gó g i c a s d o professor. Oferecemos, a seguir, diver sas alternativas de trabalho extra classe, que poderão ser incluídas no seu planejamento. Se necessário adaptaremos ou criaremos novas formas para adequar as atividades de acordo com a sua programação.

Pela experiência acumulada nos últimos anos, percebemos que a aula prática pode e deve ser trabalhada para que o aluno tenha a oportunidade de vivenciar suas próprias experiências, questionando e buscando respostas, pois ninguém grava a resposta de uma pergunta que nunca se fez.

5


BREVE HISTÓRICO A TAUANÃ Turismo Eco-Pedagógico Esporte e Aventura é uma empresa que atua desde 1982 desenvolvendo trabalhos e projetos voltados à vivência de conteúdos pedagógicos, desde o maternal ao ensino superior, como

também educação ambiental, estudos do meio relacionado ao ecoturismo, treinamento empresarial e Educacional, consultoria para escolas, clubes, empresas e comunidades afins relacionadas ao turismo.

Roteiros Técnicos Educativos Excursão Escolar

INTRODUÇÃO Os "ROTEIROS TÉCNICOS EDUCATIVOS" foram criados para suprir a carência de muitas escolas, tanto da rede pública quanto privada, com relação às atividades extra escolares.

(Biologia, Física e Química) História, Geografia. Língua Portuguesa e Língua Estrangeira. No entanto, é possível integrar também as demais disciplinas, oferecendo assim ao aluno a oportunidade de por em prática as matérias estudadas em sala de aula, f acilit ando a compreensão e o aprendizado.

A TAUANÃ TURISMO, através do seu Departamento Cultural, partindo do princípio que, "APRENDE-SE MELHOR FAZENDO", desenvolveu atividades multidisciplinares, integrando Ciências

DEFINIÇÃO Os “ROTEIROS TÉCNICOS EDUCATIVOS” são excursões de instrução ou lazer orientado. Consistem em viagens planejadas em todos os seus passos,

com o propósito de prover o aluno de novas experiências e permitir a r ealização de estudos multi e interdisciplinares. 6


DEFINIÇÃO Os “ROTEIROS TÉCNICOS EDUCATIVOS – R.T.E” são excursões de instrução ou lazer orientado. Consistem em viagens planejadas em todos os seus passos, com o propósito de prover o aluno de novas experiências e permitir a r ealização de estudos multi e interdisciplinares.

Desta forma acreditamos que possam ser mantidas as condições de conforto e segurança dos participantes, além de garantir um trabalho de melhor qualidade, procurando causar um menor impacto ambiental e sociocultural possível. Através de uma didática simples, porém eficaz, procuramos orientar os alunos sobre os assuntos abordados conforme os temas transversais, para que seja dado um enfoque direcionado ao conteúdo, podendo assim, ser avaliado o aproveitamento de cada aluno e do trabalho realizado.

Os roteiros são elaborados de acordo com o conteúdo programático da escola, sendo analisados caso a caso, tornando-se uma exclusividade. Trabalhamos com um número mínimo de 35 alunos e no máximo 47 por ônibus, com 02 ônibus por dia para cada roteiro.

OBJETIVOS Os “ROTEIROS TÉCNICOS EDUCATIVOS” têm por objetivo estender as aulas para fora do âmbito escolar, levando os alunos ao contato com o meio em que vivem, onde aprendem na prática a observar e questionar, aguçando o interesse pela pesquisa, modificando a rotina do ensino, oferecendo-os:

Ÿexperiência para compreender e

c o mp l e m e n t a r o s e s t u d o s j á realizados; Ÿoportunidade para observar e colher dados para novos estudos; Ÿestímulo, ajudando a criar interesse pela pesquisa; Ÿopor tunidade de conhecer e compreender melhor o meio em que vivem, passando a respeitá-lo.

7


CONCLUSÃO Todo educador sabe que aprender é apreender, captar noções a partir de vivências. Ele sabe também que não basta treinar os alunos para esta apreensão da realidade: é preciso motivá-los, surpreendê-los. É por isso que inúmeras escolas utilizam recursos, jogos e vivências em suas viagens pedagógicas. Os Roteiros Técnicos Educativos levam os alunos a fazer suas próprias descobertas a partir de atividades que tr abalham seu imaginário em situações reais ou fabulosas.

Assim, imersos em um clima de aventura e descoberta, os alunos estarão prontos para assimilar informações e sedimentar um conhecimento que não será apenas memorizado, mas que se tornará simplesmente inesquecível. Prova disso é que, voltando da viagem, eles mostram que estão preparados para relacionar sua vivência com aspectos das mais variadas disciplinas e demonstram curiosidade a respeito de inúmeros conceitos. Cabe aos professores a tarefa de acolher suas perguntas e normatizar os conceitos e noções. Afinal, perguntar não é o primeiro passo de qualquer aprendizagem?

Na verdade, os roteiros pedagógicos oferecidos pela TAUANÃ TURISMO e seus parceiros, abrangem as mais diversas áreas do conhecimento humano.

8


RECURSOS HUMANOS / MATERIAIS OFERECIDOS ŸOrientação aos coordenadores e

professores para a elaboração dos projetos e roteiros através de consultoria prévia. ŸGuia acompanhante com especialização

em turismo Eco-Pedagógico, cadastrado p e l o M i n i s té r i o d o Tu r i s m o Mtur/EMBRATUR. ŸMonitoria especialização em turismo Eco-

Pedagógico, com formações diversas, os equipados telefonia celular e kit de 1 socorros. ŸÔnibus equipados com som, TV, DVD,

microfone e banheiro químico. ŸAlimentação sempre em restaurantes

tradicionais. ŸTaxa de visita e ingressos conforme a

programação. ŸCor tesia par a dois pr ofessor es

acompanhantes por ônibus. ŸSeguro facultativo de assistência médica

e acidentes pessoais.

9


ROTEIROS TÉCNICOS EDUCATIVOS EM MINAS GERAIS 01 Alimentos: Hortas de produção comercial • Abatedouro de frangos, suínos e bovinos • Criatório de peixes • CEASA • Mercado Central • Fábricas de derivados de leite, carne e trigo • Fazenda Experimental da UFMG • Escola Técnica de Florestal • EMBRAPA • Engarrafadora de Água Mineral • Hipermercados.

02 Animais: selvagens e domésticos: Zoológico • Parque das Mangabeiras • Fazendas • Criatório de aves e animais exóticos.

03 Antropologia, arqueologia e pinturas rupestres: Museu de Antropologia de Lagoa Santa • Museu de História Natural da UFMG, PUC • Paredão de Pinturas Rupestres de Cocais • Serra do Cipó • Arcos • Paíns • APAs de Matozinhos, Lagoa Santa, Cordisburgo e Sete Lagoas. •Espaço TIM do Conhecimento.

04 Artes cênicas e plásticas: Galeria de Artes • Teatros • Exposições • Cinemas • Oficinas de Artes e teatro.

05 Astronomia: Observatório da Serra da Piedade • Laboratório de Física da UFMG • Física Divertida Museu Interativo Leonardo Da Vinci.•Espaço TIM do Conhecimento.

06 Ciências, Biologia Marinha, saúde e tecnologia. Aquário Marinho de BH (Mundo das Águas) Fundação Ezequiel Dias • Hemominas • Usina de Compostagem e aterro Sanitário da S.L.U • Estação de Tratamento de Esgoto • COPASA • EMBRAPA • EPAMIG • Esc. Téc. de Florestal.

07 Comunidades Quilombolas e Assentamentos da Reforma Agrária: Arturos. • Mato do Tição. • Campinho • Assentamento das Pastorinhas

08 Cursos: Espéleologia • Escalada • Campismo • Ecoturismo.

09 Datas comemorativas, férias e feriados: Semana da Família • Dia da Árvore • Dia da Criança • Semana do Meio ambiente • Sete de Setembro • Semana do Magistério • Colônia de Férias Ecológica • Aventuras Ecológicas • Esportes de Aventura.

10 Desigualdade social e solidariedade: Bairro Taquaril • Salão do Encontro • Cidade dos Meninos São Vicente de Paula • Caminhos para Jesus e Asilos.

10


ROTEIROS TÉCNICOS EDUCATIVOS EM MINAS GERAIS 11 Ecologia e estudo do meio: Parque das Mangabeiras • Parque Municipal • Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG • Mata da UFMG • Mata do Jambreiro • Serra do Curral • Parque do Rola Moça • Sítios e fazendas de convivência ambiental • Serra do Caraça • Serra do Cipó • Serra da Canastra • Bacia do Ribeirão dos Arrudas e Pampulha.

12 Esporte, caminhadas ecológicas e atividades radicais. Mineirão • Mineirinho • Estádio Independência • Minas Tênis Clube • Cruzeiro Esporte Clube • Atlético Esporte Clube • CEPEL (hipismo) • Caminhada Ecológica (trekking) • Passeio a cavalo • Descida de Rapel • Muro de escalada • Escalada em rocha • Acampamento selvagem e em camping.

13 Fábricas: Tecidos • Automóveis • Cerâmicas • Vidros • Biscoitos • Pipocas • Artesanato em pedras • Jóias • Plástico injetado • Sapatos • Siderúrgicas • Louças • PETROBRAS • Derivados de carne e leite.

14 Grutas: Lapinha • Rei do Mato • Maquine. Grutas sem infra-estrutura turística (só para grupos especializados).

15 História e cultura: Belo Horizonte • Belo Vale • Caraça • Catas Altas • Cocais • Congonhas • Diamantina • Serro • Mariana • Sabará • São João del Rei • Ouro Preto • Ouro Branco • Santa Bárbara • Santa Luzia • Itabira • Itabirito • Cachoeira do Campo • Fazendas de Café • Estrada Real.

16 Lazer: Parques Ecológicos • Sítios • Parques Temáticos • Clubes • Cinemas • Rua Lazer • Feiras • Pesque e pague • Parque Guanabara.

17 Literatura e Cultura: Sala de Leitura das editoras • Biblioteca Publica Estadual • Biblioteca Pública Municipal • Bibliotecas Especializadas.

18 Meios de Comunicação: Museu do Telefone • Estação de Rádio • Rádio Escola, TV Bandeirantes, Alterosa; Globo • Parque Gráfico de Jornais • Centro de Processamento de Dados.

19 Meios de Transporte Aeroporto de Confins • Base Aérea de Lagoa Santa • BHTrans • Metrô • Transitolândia.

11


ROTEIROS TÉCNICOS EDUCATIVOS EM MINAS GERAIS 20 Meteorologia: Estação Meteorológica de Belo Horizonte.

21 Morfologia Humana: Ciências Morfológicas da UFMG • Memória da Medicina da UFMG.

22 Museus: Abílio Barreto • Mineiro • Imagem e do Som • Folclore Artes Sacras • Oratório • Redução • Industria • Indústria Têxtil • Locomotiva • Arte Moderna • Escravo • Índio • Memória da Mina de Morro Velho • História Natural da UFMG (Horto) • Ciências Naturais da PUC • FEB • Artes e Ofícios • Mineralogia • Museu de Artes da Pampulha MAP. • Arte Contemporânea Inhotim. •Museu das Minas e Metais

23 Oficinas de Arte Educação: Modelagem em argila, papel maché e massinha • Escultura em jornal, papel alumínio e sucata • Papel artesanal • Fotografia de Lata • Construção de marionetes • Silk screen • Estampa de transfer • Pintura com terra • Pintura com guache • Confecção de brinquedos em madeira • Coisa do lar (costura, bordado e cozinha) • Fantoche de luva • Dobradura • Decoração de festas • Painéis decorativos • Painéis temáticos • Colagem • Pintura e reformas de paredes, portas e portões • Jardinagem • Construção de horta e cultivo.

24 Palestras: Tóxicos • Educação Sexual • Família • Mata Atlântica • Cerrado Mineiro • Serra do Curral • Belo Horizonte • Ecologia • Prevenção de acidentes no lar e na infância • Ecoturismo • Grutas • Preservação e Meio Ambiente.

25 Produção de Energia Elétrica: Usina de Mazagão (aproveitamento do Ribeirão Arrudas) • Usina Termoelétrica de Igarapé • Peti •FURNAS.

26 Política: Câmara Municipal • Assembléia Legislativa • Prefeitura Municipal • Palácio da Liberdade.

27 Saúde Bucal: Higiene bucal • Monitoramento • Prevenção.

28 Sistema Monetário e comercial: Banco Central • Hipermercados • Bolsa de Valores.

12


ROTEIRO TÉCNICO EDUCATIVO - OUTROS ESTADOS 01 Astronomia e ciências afins: Museu de Astronomia (RJ) • Planetário (RJ) • Estação Ciências (SP). Brasil Modernidade/Atual – Brasília.

02 Biologia Marinha: Angra dos Reis. • Aquário Marinho de Ubatuba e Santos. • Ilha Grande. • Projeto TAMAR em toda a Costa Brasileira • Estação Biológica de Aracruz. • Dunas de Itaúnas • Manguezais de Mucuri e Nova Viçosa • Abrolhos • Fernando de Noronha.

03 Comunidades indígenas e Quilombolas Paraty. • Bertioga. • Ubatuba. • Espírito Santo. • Caravelas. • Porto Seguro.

04 Fazendas de Café nos Caminhos do Imperador: Rio de Janeiro: Vassouras • Barra do Piraí • Valença • Engenheiro Passos • Conservatória São Paulo: Queluz - S. J. do Barreiro • Lavrinhas e Silveira • Bananal.

05 História: Brasil Descobrimento – Porto Seguro. Brasil Colonial – Sul do Brasil. Brasil Império – Rio de Janeiro e Petrópolis. Brasil Republicano – Rio de Janeiro.

06 Lazer: Hopi Hari – SP - Beto Carrero – SC - Caldas Novas – GO.

07 Museus:

Artes Plásticas (RJ) (Portinari, Picasso, Miró e Dalí). Arte Contemporânea (SP) (Anita Malfatti, Di Cavalcante, Tárcila do Amaral). Banco do Brasil (RJ). Histórico Nacional (RJ) Nacional UFRJ. Naval e Oceanográfico (RJ). Imperial (Petrópolis). Ipiranga (SP). Aeroespacial (RJ) Museu de Artes de São Paulo MASP. Memorial JK (DF).

08 Religiosidade: Aparecida do Norte – SP • São José da Lapa – BA • Canção Nova – SP.

13


BREVE HISTÓRICO DA EXCURSÃO PEDAGÓGICA O termo excursão vem do latim “excursionem “, cujo significado é correria externa. Do significado inicial envolveu até à definição atual que a conceitua como um passeio de instrução ou recreio planejado previamente. A excursão é um dos recursos audiovisuais de ensino mais antigo que se conhece, pois data da Grécia de antes de Cristo e está irmanada a outros processos primitivos de ensino, como os mapas e as demonstrações de tabuleiros de areia. Sendo a viagem uma fonte de erudição e conhecimento, a excursão é uma viagem enriquecida por técnicas educativa. Na antiguidade, gregos e romanos percorriam terras e mares em busca de outras culturas. Na Idade Média, os mosteiros e cidades, que viviam isolados, eram frequentemente visitados por peregrinos que vinham em longas e penosas caminhadas. O comportamento pedagógico mais antigo que se assemelha à excursão moderna é o simples passeio de observação ao campo que os mestres gregos levavam a efeito, proporcionando um estudo em contato com a realidade, numa aprendizagem direta dos alunos. Sócrates e Aristóteles ensinavam caminhando com os discípulos. Daí o termo peripatético, qualitativo da Escola Aristotélica, por esse costume de dar lições em amena palestra, passeando nos umbrosos caminhos do Ginásio de Apolo. Somente na época contemporânea a excursão foi utilizada como técnica indicada como um valioso meio de ensino. Filósofos educadores como Comenius, Rousseau, Froebel e Pestalozzi foram seus principais apóstolos.

A Inglaterra foi a pioneira na utilização do meio geográfico para um banho de realismo nos escolares. Uma classe inglesa foi a Suíça em 1877 para estudar formações glaciais, sendo esta a primeira excursão pedagógica que se tem notícia. No após guerra, funda-se na Inglaterra a Associação de Excursões Escolares, neste período as excursões já eram dentro do período escolar, compreendendo desde o primário ao universitário. A Alemanha adota a excursão como meio de tornarem mais vivos os estudos, desenvolvendo o interesse estudantil e incrementar o sentimento patriota, sendo impulsinada na Itália e Rússia para desenvolver a lealdade ao estado, acima dos objetivos puramente educacionais. Já na Bélgica e países escandinavos, um lugar de importância foi dado aos exercícios de observação, inspirados no meio ambiente e nas realidades próximas. Nos Estados Unidos, Benjamim Franklin aconselhava visitas às plantações vizinhas, para que os métodos de trabalho dos fazendeiros pudessem ser observados e analisados. Mas foi Francis Parker quem introduziu a excursão educacional em 1890 tendo seu maior impulso em 1927 no centenário da morte de Pestalozzi, quando apareceu a primeira monografia especializada nos Estados Unidos sobre o título de 'A educação visual e as excursões' salientando a importância sensorial no processo de aprendizagem e a grande significação da excursão orientada com Técnica. Texto adaptado de: - F. Emery Trindade. Manual de Excursões Educativas. Edições de Ouro 1.963


“ROTEIROS HISTÓRICOS” Belo Vale – Caraça – Catas Altas – Cocais – Congonhas - Diamantina – Mariana Sabará – São João Del Rei – Serro – Ouro Preto - Santa Bárbara – Santa Luzia Caeté – Tiradentes - Bichinhos – Prados – Milho Verde

OBJETIVO GERAL Proporcionar ao aluno a oportunidade de conhecer a cultura do período colonial, a exploração do ouro e pedras preciosas, as manifestações artísticas e arquitetônicas do Barroco Mineiro.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS Conhecer os principais aspectos históricos e culturais da região.

Avaliar e identificar a vegetação típica do percurso, hidrografia e fauna local.

Observar e aprender a identificar a arquitetura rural, urbana, colonial, religiosa, civil, militar como também os principais artistas barrocos com suas obras e características.

Conhecer os principais usos e costumes, festas, casos, lendas e mitos da região.

PARTICIPANTES Alunos a partir da educação infantil. Sugerimos para melhor aproveitamento a partir da 4ª ano, podendo ser adaptado para as demais.

DISCIPLINAS Português, História, Geografia, Ciências, Literatura e Lingua estrangeira.

15


EXEMPLO

“DO OURO AO BARROCO - OURO PRETO” Fundada em 1689 pelo Bandeirante Antônio Dias, Ouro Preto guarda até hoje quase intacto seu aspecto colonial. A cidade ficou para sempre marcada pelos acontecimentos que se desenrolaram. Algo de indefinido paira

no ar, como se cada casa, cada beco, cada muro com sua vegetação de musgos e avencas falassem do sangue derramado de Tiradentes, do amor de Marília, da arte Barroca de Aleijadinho a Ataíde, de suas lendas e mitos.

TEMAS TRANSVERSAIS - A busca dos Bandeirantes pelo ouro e índios no interior das Minas Gerais. - A descoberta do ouro. - Origem do nome de Vila Rica. - A formação dos núcleos urbanos. - O Pico do Itacolomi como marco de referência. - O Barroco Mineiro e suas características. - A Inconfidência Mineira e seus mentores. - Mitos e Lendas. – Vegetação. – Fauna. - Relações Ecológicas. - Educação Ambiental - Extrativismo mineral e vegetal. - Hidrografia – Relevo. - Formações Rochosas. - Formação dos Veios Auríferos. - Clima.

Visita orientada (Locais disponíveis conforme programa básico)

Igreja de São Francisco de Assis - Igreja de Nossa Sra. da Conceição - Museu do Aleijadinho - Museu da Inconfidência Igreja do Carmo - Praça Tiradentes – Ruas, becos, feira e lojas de artesanato.

Metodologia Através de visita orientada o aluno terá contato visual com a arte barroca representada pela iconografia, pinacoteca, talhas, douramento, arquitetura, literatura e urbanismo onde poderá compreender e interagir com o período colonial mineiro. Indicado para alunos a partir da 4ª ano/EF Horário de saída da escola: 07:30 horas Horário de retorno na escola: 17:30 horas De terça a domingo 16


“ROTEIROS DAS GRUTAS” Maquine - Lapinha - Rei do Mato

OBJETIVO GERAL Proporcionar ao aluno a oportunidade de conhecer a formação rochosa da região do cárste, identificando os tipos de rochas, solo, elementos erosivos, espeleotemas, fauna, flora cavernícola,

pintura rupestre e fatos históricos. No local podemos acompanhar a evolução humana em uma viagem através do tempo.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS Conhecer a formação rochosa da região do Mar de Bambui desde sua formação até os dias de hoje, analisando os aspectos sedimentares encontrados. Analisar a gênese das cavernas, identificando os agentes formadores, espeleotemas, fauna, flora e elementos básicos para a subsistência das mesmas. Identificar os principais problemas ambientais da região tais como: extrativismo vegetal e mineral, poluição hídrica e atmosférica.

Conhecer os hábitos e costumes dos povos primitivos, comparar a evolução através dos tempos, tendo como referência as pinturas rupestres, cerâmicas e utensílios, desenvolvendo uma análise crítica do período em questão. Avaliar e identificar a vegetação típica do percurso, hidrografia e fauna local. Conhecer os principais usos e costumes, festas, casos, lendas e mitos da região.

PARTICIPANTES Alunos do ensino fundamental ao médios. Sugerimos para melhor aproveitamento a partir da 3ª ano, podendo ser adaptado para as demais.

DISCIPLINAS Português, História, Geografia, Ciências, Química, Física e Biologia. 17


EXEMPLO

“GRUTA DA LAPINHA” Descober t a no ano de 1835 pelo dinamarquês Peter Lund e conhecida mundialmente, a "Gruta da Lapinha" proporciona um excelente recurso para o estudo e interpretação da geologia, topografia, hidrografia, vegetação, paleontologia, antropologia, arqueologia e espeleologia. Localizada em uma região privilegiada proporciona um excelente laboratório.

A região da "Gruta da Lapinha" é um grande sítio arqueológico, berço de tribos préhistóricas, que deixaram suas marcas e restos mortais, hoje estudados com objetivo de tentar decifrar o enigma da origem do Homem de Lagoa Santa.

TEMAS TRANSVERSAIS A grande BH e seus municípios - Distribuição demográfica da população - Sítios, chácaras e sua economia de subsistência - Extrativismo vegetal - Pólo industrial - Histórico de Lagoa Santa e origem do nome - O ciclo do ouro - Peter Lund - Sítios arqueológicos e sua depredação. – Relevo, Hidrografia, Vegetação e Clima - Formações Rochosas - Relações ecológicas - Educação Ambiental.

Espeleologia: Formação das cavernas - Erosão, infiltração e reação química - Espeleotemas e suas formações - A vida cavernícola - Vida e morte de uma gruta.

Antropologia: O Homem de Lagoa Santa - Seus usos e costumes - O Homem fóssil - Pinturas rupestres Animais que habitaram a região.

Visita orientada: (locais disponíveis conforme programa proposto pela escola) Gruta da Lapinha - Museu Arqueológico - Paredões rochosos Gruta da Passagem – Painel de Pintura Rupestre da Lapa do Sumidouro.

Metodologia Através de visita orientada o aluno terá a oportunidade de vivênciar e interpretar a formação geológica da região, compreender a gênese das cavernas, animais cavernícolas, vegetação Cárstica, arte rupestre e a evolução do Homem de Lagoa Santa.

18


“ROTEIROS DOS MUSEUS”

2ª Guerra Mundial (F.E.B). - Abílio Barreto. - Aleijadinho. - Antropologia. - Arte Moderna. - Artes e Ofícios. - Artes Sacras - Ciências Morfológicas da UFMG História Natural e Jardim Botânico da UFMG (Horto). - Ciências Naturais da PUC. Circuito Cultural da Praça da Liberdade (Museu das Minas e Metal, Espaço TIM UFMG do Conhecimento, Memorial Minas Gerais). - Escravo. - Ferroviário. Folclore. - Giramundo. - Guimarães Rosa. - Imagem e do Som. - Mineiro. Mineralogia. - Reduções. - Telecomunicações.

OBJETIVO GERAL

Proporcionar ao aluno a oportunidade de conhecer o acervo do museu, compreender sua importância para a preservação da memória, onde poderá acompanhar a evolução e a pesquisa em uma viagem através do tempo.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS Conhecer os principais aspectos históricos e culturais do acervo do museu. Comparar a evolução através dos tempos, tendo como referência as peças expostas, desenvolvendo uma análise crítica dos períodos. Vivenciar o conteúdo desenvolvido em sala de aula, visualizando e participando do momento em questão. Inteirar-se das técnicas aplicadas para a conservação das peças e as pesquisas para identificação de período e origem das mesmas. Avaliar e identificar a vegetação típica do percurso, hidrografia e fauna local. Conhecer os principais usos e costumes, festas, casos, lendas e mitos da região.

PARTICIPANTES Alunos do ensino fundamental ao médio. Sugerimos para melhor aproveitamento a partir da 3º ano, podendo ser adaptado para as demais.

DISCIPLINAS Português, História, Geografia, Ciências, Química, Física e Biologia. 19


EXEMPLO

“A Cultura Do Trabalho Museu De Artes E Ofícios” O Museu de Artes e Ofícios é o mais novo espaço cultural da cidade de Belo Horizonte, abriga um acervo de mais de 2.000 peças, dedicado integralmente ao tema das artes, dos ofícios e do trabalho no país. Ocupa uma área de 9.000 m² no histórico prédio da Estação Central bem no coração da cidade.

O museu foi desenvolvido a partir da doação de uma coleção de peças datadas dos séculos XVIII, XIX e XX que mostra com detalhes a riqueza da produção popular na era pré-industrial: os fazeres, artes e ofícios que deram origem às profissões contemporâneas.

TEMAS TRANSVERSAIS Belo Horizonte. - As estradas de Ferro. - A Nova Capital. Construções neoclássicas. - A arte dos ofícios ao longo da historia da humanidade. - As técnicas na produção artesanal. - O uso do ferramental no dia a dia. - As invenções ao longo da história. - É assim que se fabrica. Os novos ofícios.

Visita Orientada Ao histórico prédio da Estação Central, acervo do museu e estação do metrô.

Metodologia Através da visita orientada o aluno irá conhecer o acervo do museu que é composto por materiais e instrumentos utilizados para a produção de bens de consumo no período préindústria que são apresentados de forma lúdica e interativa adequada a faixa etária do aluno.

Indicado para alunos a partir da 2º ano/EF Horário de saída da escola: 09:00 e/ou l3:30 horas Horário de retorno na escola: 11:30 e/ou 17:30 horas De segunda a sexta-feira 20


“FÁBRICAS / INDÚSTRIAS” Tecidos – Lapidação e Jóias em pedras - Biscoitos - Cerâmicas - Lentes Ópticas Automóveis - Mannesman - Beneficiamento de Lixo - Imprensa Oficial Estado de Minas - Hoje em Dia - MBR - Coca Cola - Reciclagem

OBJETIVOS GERAIS Conscientizar o aluno da importância da industrialização para o crescimento econômico e industrial de uma cidade, gerando empregos, divisas e melhorias na qualidade de vida da população. Sensibilizar para os problemas ambientais causados pela indústria, suas conseqüências para o meio ambiente e às pessoas de convívio diário, Inteirando-os ao desenvolvimento tecnológico industrial dos novos tempos.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS Conhecer o processo industrial do produto desde a matéria prima até a distribuição. Inteirar-se da tecnologia aplicada, as vantagens e desvantagens da modernização. Compreender a administração gerêncial de uma empresa.

Conscientizar e avaliar a poluição e o impacto ao meio ambiente causado pelas indústrias e as formas utilizadas para amenizá-la Desenvolver análise crítica e conscientizar da importância da industrialização para a melhor qualidade de vida da população

PARTICIPANTES Alunos do ensino fundamental ao médio. Sugerimos para melhor aproveitamento a partir da 3 ano do ensino fundamental, podendo ser adaptado para as demais.

DISCIPLINAS Português, História, Geografia, Ciências, Química, Física, Biologia. 21


EXEMPLO

“CIA DE TECIDO” Implantada no ano de 1892 na cidade de Itabira do Campo, hoje Itabirito, foi um dos pontos marcantes para o crescimento industrial e econômico para o município. Empregava grande parte da população local, caracterizada por mineradores e pecuaristas, que foram moldados para

operar máquinas até então jamais vista pelas redondezas. Com o crescimento da importação, as altas taxas dos impostos tornaram os custos de produções elevados, dando assim o início da crise da indústria têxtil do Brasil.

TEMAS TRANSVERSAIS Os Municípios da Grande BH.- Implantação das Cias de tecelagem.- Da agricultura à indústria.- Histórico da Cia Industrial Itabira do Campo.- Cada tecido para uma finalidade.Produção do tecido passo a passo.- Depósito de matéria prima.

Visita Orientada: Setor de Fiação: Engomadeira.- Tecelagem.- Acabamento. – Tinturaria - Estamparia.- Gravação. - Linha de produção. - Equipamentos de segurança - Transporte e comercialização. - Química na produção. - Noções de ecologia. - Tratamento de afluentes e resíduos. - Poluição sonora e atmosférica.

Metodologia Através de palestra e da visita o aluno terá conhecimento básico sobre a produção, beneficiamento da fibra de algodão percorrendo todo o processo empregado na produção do tecido.

Agendamento de acordo com a disponibilidade da fábrica Indicado para alunos a partir do 4º ano/EF Horário de saída da escola: 07:30 e/ou l3:30 horas Horário de retorno na escola: 11:30 e/ou 17:30 horas De segunda a sexta-feira 22


“ROTEIRO POLÍTICO” Assembléia Legislativa - Câmara Municipal - Palácio da Liberdade – Prefeituras Brasília – Rio Republicano – Petrópolis Imperial.

OBJETIVOS GERAIS Levar o aluno a vivenciar o dia a dia dos nossos representantes na Câmara Municipal e ou na Assembleia Legislativa durante o seu período de mandato, em favor do Município, do Estado e da população.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS Conhecer o funcionamento e as instalações da casa (nome dado à Assembleia e a Câmara Municipal), como plenário, sala das autoridades, ante sala, gabinetes, e toda

infra estrutura de funcionamento da casa. Fazer um simulado para melhor compreender o funcionamento de plenário.

PARTICIPANTES Alunos do ensino fundamental ao médio. Sugerimos para melhor aproveitamento a partir da 3º ano do ensino fundamental, podendo ser adaptado para as demais.

DISCIPLINAS Português, História, Geografia, Biologia.

23


EXEMPLO

“CÂMARA MUNICIPAL” Considerado como a melhor forma de governo, a democracia tornou-se uma das grandes maneiras de administrar o país, sendo adotada por várias nações com muito sucesso, levando uma melhor condição de

vida para a população, dando ao eleitor o direito de eleger os seus representantes junto às Prefeituras, Câmaras Municipais, Assembleias Legislativas, Senado Nacional e a Presidência da República.

TEMAS TRANSVERSAIS Democracia e outros sistemas de Governo – O papel dos Vereadores. – Como são os nossos representantes e qual é o seu perfil?

Visita Orientada: As instalações da Câmara Municipal, onde o aluno poderá vivênciar o dia a dia de um Vereador durante as seções e atividades de gabinetes. Na sala das autoridades conhecerá a pinacoteca dos Vereadores que ocuparam a presidência da casa desde sua criação.

Metodologia: Através de um simulado em Plenário, os alunos farão um projeto que será apresentado para ser votado. Todos terão seus papéis definidos como: presidente da mesa, secretário, orador, proponente, vereadores e convidados. O projeto será votado e poderá ser aprovado ou recusado pelos presentes, neste caso o projeto será aprovado e levado ao Prefeito para ser sancionado, mas, o Prefeito irá vetar o projeto que retorna à Câmara para ser votado o veto, gerando assim uma linha de debates entre os parlamentares.

Indicado para alunos a partir da 4 ano/EF Horário de saída da escola: 07:30 e/ou l3:30 horas Horário de retorno na escola: 11:30 e/ou 17:30 horas De segunda a sexta-feira com data programada 24


“ROTEIRO DESIGUALDADE SOCIAL” Bairro do Taquaril - Alto Vera Cruz - Santa Lúcia - Conjunto Morro Alto Conjunto Santa Maria - Mangabeiras – Pampulha – Vale do Jequitinhonha – Sul da Bahia

OBJETIVOS GERAIS Levar o aluno a ter uma visão ampla sobre as diferenças sociais que a população carente vem sofrendo, através do sistema imposto pelas autoridades governamentais e religiosas, sendo marginalizada por grande parte da sociedade.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS Conhecer os principais problemas enfrentados pelas comunidades no que diz respeito ao transporte, a moradia, a saúde pública, a alimentação e violência sendo esta uma realidade na qual os alunos muitas das vezes ignoram.

Mostrar as formas encontradas pela população para superar as dificuldades enfrentadas, sabendo que no fundo todos gostam dos seus respectivos locais de convivência, mas alimentam o sonho de um futuro melhor.

!

! PROJETO ESPECIAL Imersão de 03 dias em comunidade carente no Norte de Minas ou no Sul da Bahia com trabalhos direcionados para a população local.

PARTICIPANTES Alunos do Fundamental e Médio. Sugerimos para melhor aproveitamento a partir da 2ªano/EF, podendo ser adaptado para as demais.

DISCIPLINAS Português, História, Geografia, Ciências e religião.

25


EXEMPLO

“TAQUARIL X MANGABEIRAS” Nas últimas décadas, com o crescimento do êxodo rural, Belo Horizonte vem recebendo a cada dia dezenas de famílias em busca de melhores condições de vida e um sonho a realizar. A realidade é outra. Deixam sua terra natal, sua casa modes t a, os amigos e

familiares e saem em busca deste sonho. Acabam morando sob pontes, viadutos, marquises, favelas e às vezes em bairros sem as menores condições básicas, transformandose assim, pessoas modestas e simples em meros marginais do sistema.

TEMAS TRANSVERSAIS Sistema de transporte em massa, (Metrô, Trem Suburbano e ônibus coletivo); Comércio de lojas, (supermercados e barracas de camelô) - Recreação, lazer e cultura no Parque Municipal - Sistema Hospitalar, (saúde, atendimento e filas) - Cemitério da Saudade - Bairro do Taquaril, (população local, habitação, tipos de moradias, áreas de risco, saneamento básico, alimentação, saúde, escola, segurança, lazer e transporte) - Bairro das Mangabeiras (suas características topográficas em relação ao Taquaríl e suas desigualdades). Ecologia Urbana.

Indicado para alunos a partir do 3º ano/EF Horário de saída da escola: 07:30 e/ou l3:30 h Horário de retorno na escola: 11:30 e/ou 17:30 h De 2ª a domingo 26


“AÇÃO SOCIAL” Este projeto tem como objetivo propor aos alunos e grupos afins, um período de convivência com outras comunidades de diferentes partes de nossa cidade e de outros municípios brasileiros. Visa a integração cultural, convivência e solidariedade através de atividades lúdicas, oficinas e palestras dirigidas. Enfoca temas atuais possibilit ando melhoria na qualidade de vida, valorizando a autoestima das comunidades envolvidas.

Durante o período de convivência, notamos em cada olhar perdido na emoção, o carinho e a saudade dos bons momentos de convívio, da troca de experiências ali vividos em singular momento de doação.

TEMAS TRANSVERSAIS Realidade social. – Sexualidade. – Qualidade de vida. – Convivência em comunidade. – Grupos de trabalhos. – Solidariedade. - Saneamento básico urbano e rural. - Doenças de veiculação hídrica everminoses. - Educação sanitária. - Meio ambiente e poluição. - Relações ambientais. A interferência do homem na mudança dos ambientes naturais. - Paisagens modificadas. – Artesanato como fonte de renda. – Trabalhos manuais.

Trabalhos: Formação de grupos para trabalhos com os membros da comunidade divididos por oficinas dentro dos temas transversais.

Metodologia Através da imersão em uma comunidade e das oficinas orientadas, o aluno irá interagir com o cotidiano das pessoas envolvidas, sem promover a quebra dos valores e a cultura local. Assim sendo, ele será apenas um mediador entre a informação e a realidade, oferecendo através das oficinas a possibilidade de melhoria na qualidade de vida e ampliando novos horizontes.

PARTICIPANTES Alunos do ensino fundamental ao médio. Sugerimos para melhor aproveitamento a partir do 7º ano, podendo ser adaptado para as demais.

27


TOUR DAS ÁGUAS Revivendo o Rio São Francisco - Pirapora

ROTEIRO TÉCNICO EDUCATIVO Já fui chamado de rio sem história, depois reconheceram que sou importante na unidade e na integração nacional. Coisas da civilização moderna. O “Velho Chico” vem sofrendo com as ações devastadoras em nome do progresso. Nestes últimos anos temos acompanhados as mudanças do nosso clima, dos nossos mares e nossas florestas provocadas pelas transformações causadas pelo

crescimento industrial e econômico promovidos pelas grandes potências mundiais. Objetivando despertar o interesse pela preservação e uso sustentável dos nossos recursos hídricos, encontramos na Bacia do Rio São Francisco um grande potencial para um laboratório de pesquisa e estudos complementares.

TEMAS TRANSVERSAIS O Bandeirante e o caminho para as minas gerais. – Fernão Dias e o ciclo do ouro. - Pirapora. A navegação no são Francisco. - A Bacia do Rio São Francisco - A qualidade das águas. - Água potável e contaminada. - O Vapor Benjamim Guimarães - Barranqueiros. - As Carrancas. – Artesanato local. – Mitos e lendas locais. - Do tempo das capitanias, das sesmarias, das entradas e bandeiras, do século XVI ao século XVIII. - A economia da cidade baseada no entreposto de mercadorias. - A criação de gado. - A formação das cidades ribeirinhas. - Relevo e vegetação característicos da região. - O rio e o destino de suas águas. - Barra do Guaicuí e o encontro das águas. - O Rio das Velhas. - Áreas de preservação e manejo. - O homem e o meio em que vive. - A relação de sobrevivência das espécies. - Cadeia alimentar. - O uso sustentável dos nossos recursos naturais. A transposição das Águas. A produção de uva e frutas no vale do São Francisco. - Economia agrícola.

ATIVIDADE ECOLÓGICA Visita à cidade de Pirapora para conhecer, interagir e avaliar o potencial das águas e do turismo sócio cultural da região. Atividades de campo com oficinas de educação ambiental e arte educação com enfoque aos recursos culturais e naturais com coleta de material,

PARTICIPANTES

dados e fotografia. Visita ao encontro das águas do Rio das Velhas com o São Francisco na Barra do Guiacuí. Passeio no Vapor Benjamim Guimarães com homenagem ao rio que simboliza a luta pela sobrevivência da natureza e visita a um produtor de fruticultura e a um artesão local.

Alunos do ensino fundamental, médio e superior. Sugerimos para melhor aproveitamento a partir da 5ªano, podendo ser adaptado para as demais.

28


“PETRÓPOLIS” "De Fazenda à Residência Oficial do Imperador"

ROTEIRO TÉCNICO EDUCATIVO Ligada intimamente com o imperador Dom Pedro II, Petrópolis teve seu papel na vida da monarquia brasileira, representada pela luxuria e beleza da arquitetura majestosa dos palácios, residências, igrejas e jardins em meio a montanhas, mantendo assim um clima europeu. Hoje a cidade se destaca para o turismo ecológico e o comércio de malhas, movimentando assim milhares de pessoas o ano todo, que circulam freneticamente por suas ruas centenárias.

TEMAS TRANSVERSAIS - Napoleão e a corte portuguesa. - A Família Imperial no Brasil. - O Governo Imperialista. - O 1º Reinado. Dom Pedro I. - Princesa Isabel. A Coroa e a Colônia. - Abolição da escravatura. - A Corte - Arquitetura Colonial, a Arte-Nouveau e o Neoclássico. - O Brasil Império e Contemporâneo. - Revolução Industrial. Influência arquitetônica. - Fauna das regiões montanhosas – O paraíso das orquídeas brasilienses. – A exploração racional dos rios para criação de trutas e produção de cervejas. – O homem e o meio, um convívio em harmonia. – Ecoturismo, Turismo Rural e Esportes de Aventura.

VISITAS PROGRAMADAS E TOUR DE FACHADA Catedral de São Pedro de Alcântara - Casa do Barão de Mauá Palácio Rio Negro - Museu Imperial - Casa Patrone (Fábrica de Chocolate) – Casa do Colono - Palácio Quitandinha – Casa de Santos Dumont - Palácio de Cristal - Rua Teresa - Parque Cremerie Relógio das Flores - Palácio Itaboraí - Palácio Amarelo - Casa da Princesa Isabel, Florália (orquidário).

ATIVIDADE ECOLÓGICA Trilha da Serra da Estrela (Caminhada Ecológica opcional);

ROTEIROS MAIS FREQUENTES 02 - 03 e 04 dias, sendo contado a saída e retorno.

PARTICIPANTES Alunos do ensino fundamental, médio e superior. Sugerimos para melhor aproveitamento a partir da 5º ano do ensino, podendo ser adaptado para as demais.

29


“VIAJANDO PELOS ECOSSISTEMAS COSTEIROS” Biologia Marinha

ROTEIRO TÉCNICO EDUCATIVO Ocupando 70% da superfície do planeta, os mares e oceanos são fundamentais para a existência e propagação da vida no planeta, incluindo a do ser humano. Possuindo uma formação geológica peculiar, o Litoral Norte Paulista, associado às condições ambientais locais, possibilitou a formação de um rico ecossistema que

chamamos de Costão Rochoso e popularmente chamado pelo caiçara de “costeira”. Este ambiente abriga uma riquíssima fauna e flora que se adaptou ao forte batimento das ondas, correntes e as variações das marés. Neste rico ecossistema convivem em harmonia comunidades de algas e inúmeros animais marinhos como moluscos, crustáceos, peixes, tartarugas e outros animais que passam ali parte importante de suas vidas.

TEMAS TRANSVERSAIS Auditório - Ala de Água Doce - Aquabar - Aqualoja - Costão Rochoso - Crustáceos - Cavalos Marinhos Exposição de Conchas - Fundo Arenoso - Laboratório/Quarentena - Manguezal - Moluscos - Moréias Pinguinário -Recifes de Coral - Sala de Projetos - Tanque de Contato - Tanque Oceânico - Terrário – Comunidades de pescadores – Ecologia Oceânica.

ATIVIDADE ECOLÓGICA Visita ao Aquário - Passeio de escuna a Ilha Anchieta – Visita ao Projeto Tamar e Exposição de Serpentes – Trilha histórica e interpretativa que reúne contato com a Mata Atlântica, costão rochoso, praias e ruínas do século passado com colônia de pescadores descendentes de escravos.

ROTEIROS MAIS FREQUENTES 03, 04 e 05 dias, sendo contado saída e retorno.

PARTICIPANTES Alunos do ensino fundamental, médio e superior. Sugerimos para melhor aproveitamento a partir da 6 ano, podendo ser adaptado para as demais.

30


PELOS CAMINHOS DA ESTRADA REAL Arraial do Curral Del Rei/Arraial dos Macacos

ROTEIRO TÉCNICO EDUCATIVO A caminha ecológica vem promover uma maior integração entre alunos, escola, professores e proporcionar os participantes a oportunidade de estarem em contato com a natureza, praticando o mais antigo e gostoso esporte, que é a caminhada. Durante todo o trajeto, estaremos em meio a muita natureza, trilhando os mesmos caminhos percorridos pelos bandeirantes e convivendo com os impactos causados pelo homem.

TEMAS TRANSVERSAIS O Bandeirante João Leite da Silva Ortiz e o ciclo do ouro em Minas Gerais. - O Arraial do Curral del Rei tipicamente rural. - A economia do Arraial baseada na criação de gado. - As razões para a escolha do Arraial Del Rei para a Nova Capital. - Relevo característico da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Clima predominante nas áreas de entorno da capital. – A formação dos condomínios e seu impacto ao meio natural – Paisagem natural, modificada e artificial - As nascentes dos ribeirões que formam o Rio das Velhas e o destino de suas águas. - Áreas de preservação e manejo. - O homem e o meio em que vive. - A relação de sobrevivência das espécies. - Cadeia alimentar. - A qualidade das águas. - Água potável e contaminada. – Estação de Tratamento de Água e Esgoto a solução da saúde de nossas águas. – O uso sustentável dos nossos recursos naturais. – Mineração e degradação. – Água, sem ela não há mineração.

ATIVIDADE ECOLÓGICA Caminhada ecológica por trilha interpretativa, cortando as encostas do estremo sul da Serra do Espinhaço, em direção a São Sebastião das Águas Claras em Nova Lima. Durante a caminhada é possível abordar os temas

transversais dando enfoque direto aos pontos relevantes para a escola. É possível coletar material para promover o enriquecimento do trabalho no laboratório da escola ou em sala de aula.

PARTICIPANTES Alunos de ensino fundamental e médio. Sugerimos para melhor aproveitamento a partir do 5 º ano/EF, podendo ser adaptado para as demais.

31


"TRANSPORTE RÁPIDO E EFICAZ - CBTU - METRÔ" Considerado como o mais seguro, rápido e barato sistema de transporte, o metrô de Belo Horizonte oferece à grande parte da população da região norte e oeste da cidade, um meio eficaz e barato para o seu deslocamento, principalmente nas horas de maior tráfego nas vias normais. Com um sistema de operação muito organizado cumprindo todas as regras de segurança, o metrô vem a cada dia melhorando seus serviços, atraindo ainda mais usuários para a utilização deste transporte.

TEMAS TRANSVERSAIS Os principais pontos de referência na área central de Belo Horizonte - A importância do traçado para o transporte de Belo Horizonte - Ônibus X automóvel X metrô e suas consequências - A poluição sonora e atmosférica - As principais vias de tráfego - O metrô no contexto social e sua importância no sistema de transporte alternativo - Áreas de abrangência - Pólo industrial.

Visita Orientada Ao Metrô de Belo Horizonte, Estação do Eldorado, Estação Minas Shopping ou São Gabriel.

Metodologia Através da viagem do metrô o aluno conhecerá toda a rotina que milhares de pessoas fazem diariamente ao se deslocarem para o centro/bairro. Observará as normas de segurança, circulação e higiene.

Agendamento conforme disponibilidade da CBTU. Indicado para alunos a partir do 4º ano/EF. Horário de saída da escola: 07:30 e/ou l3:30 horas. Horário de retorno na escola: 11:30 e/ou 17:30 horas. De segunda a sexta-feira. 32


"AEROPORTO DE CONFINS" Construído na década de 80, o Aeroporto Internacional Tancredo Neves foi projetado para operar vôos domésticos e internacionais, sendo considerado um dos mais modernos do mundo, diminuindo as distâncias entre Minas Gerais e as demais capitais do Mundo.

TEMAS TRANSVERSAIS - Linha Verde. - Rodovias de acesso. - Características do transporte aéreo. - Tipos de aeronaves. - Como funciona um aeroporto. - Salas de embarque. - Balcão das Cias Aéreas. Voou doméstico e internacional. - Policia Federal. - Bagagem. - Segurança aeroportuaria. Atendimento de primeiros socorros. - Brigada de combate a incêndios. - Bombeiros.

Visita orientada Às instalações do aeroporto

Metodologia Através da visita às instalações, o aluno conhecerá os balcões das companhias aéreas, check-in, etiquetagem de bagagens, balança, painel de vôos, sala de desembarque nacional e internacional, Portal de Raios-X, sala de espera, mirante para ver a aterrissagem, decolagem de aeronaves (local ideal para lanche), sala de controle onde acompanharemos a movimentação das aeronaves e passageiros no aeroporto através de terminais de vídeo.

Agendamento de acordo com disponibilidade da INFRAERO Indicado para alunos a partir do 3º ano/EF. Horário de saída da escola: 07:30 e/ou l3:30 horas. Horário de retorno na escola: 11:30 e/ou 17:30 horas. De segunda a sexta-feira 33


"BELO HORIZONTE" Corria o ano de 1701 quando por estes sítios, então um oásis de vegetação exuberante, plantado em árido solo aurífero, chegou o paulista João Leite da Silva Ortiz. O moço não tinha ambições, amava a natureza, gostou daquele sossego e resolveu ficar, trocando a busca do ouro por uma vida sossegada e bucólica. Criou gado, plantou roças e formou uma fazenda à qual deu o nome de Cercado, a semente da futura capital de Minas. Decidida a mudança da capital, Curral Del Rei foi o

lugar escolhido, por ter "solo fértil e muita água". Finalmente a 12 de dezembro de 1897, é instalada a nova capital, no antigo Curral Del Rei, a chamada Cidade de Minas.

TEMAS TRANSVERSAIS O Bandeirante João Leite da Silva Ortiz e o ciclo do ouro - O arraial do Curral Del Rei - A Igreja da Boa Viagem - A criação de gado - A chegada da Cia. Construtora da nova capital Construção e inauguração da capital - O traçado urbanístico de Arão Reis - A chegada da nova população - A religiosidade e a nova cultura - Serra do Curral como marco de referência Prédios históricos e públicos Relações Ecológicas - Educação Ambiental - Poluição hídrica e atmosférica

Visitas Orientadas Museu Abílio Barreto. - Hipercentro de Belo Horizonte. - Circuito Cultural da Praça da Liberdade. - Praça da Estação. - Praça Sete. - Lagoa da Pampulha. - Mineirão e Mineirinho. - Igreja de São Francisco. - Casas do Baile. - Museu de Artes da Pampulha..

Metodologia: Através de visita aos pontos históricos e de grande valor cultural da cidade, o aluno receberá informações sobre conhecimentos gerais e específicos da cidade.

Indicado para alunos a partir do 1º ano/EF Horário de saída da escola: 07:30 e/ou l3:30 horas Horário de retorno na escola: 11:30 e/ou 17:30 horas De segunda a sexta-feira com data programada 34


"PARQUE DAS MANGABEIRAS" O "Parque das Mangabeiras" oferece uma excelente área para trabalho e estudo, um verdadeiro campo-escola. Apresenta uma vegetação heterogênea com características de cerrado, campos e mata tropical de altitude. Devido a este tipo de vegetação, os recursos hídricos (córregos, nascentes e cascatas) e a geologia local, o parque oferece uma rica fauna. Podem ser observados com frequência tatus, macacos, gambás, quatis, esquilos e uma variedade

de aves. Ambiente propício para a educação ambiental, investigações e pesquisas.

TEMAS TRANSVERSAIS A história de Belo Horizonte. - João Leite da Silva Ortiz. - O traçado urbanístico com suas ruas e avenidas. - Serra do Curral. - Ciclo da mineração. - Belo Horizonte hoje. - Principais problemas sociais. - Centro comercial. - Sistema de transporte, - comunicação. Relevo, - Hidrografia, - solo rochoso, humífero, arenoso e argiloso. - Agentes erosivos e suas conseqüências. - Identificação de espécies da fauna e flora predominante. - Relações ecológicas. Educação ambiental.

Atividade Caminhada em trilha interpretativa em meio à mata ciliar, dinâmica imitando os animais e comportamento dos mesmos

Metodologia Durante o deslocamento da escola para o parque, os alunos serão informados sobre os temas transversais. Durante a caminhada pela trilhas do parque, serão feitas paradas em locais pré-determinados para demonstração, identificação e coleta de materiais.

Material O aluno receberá em caráter de empréstimo uma lupa e uma vareta de prospecção.

Indicado para alunos a partir do maternal Horário de saída da escola: 07:30 e/ou l3:30 horas Horário de retorno na escola: 11:30 e/ou 17:30 horas De terça a domingo 35


"FUNDAÇÃO ZOO - BOTÂNICA DE BH" Em um mundo moderno, tecnificado, em que o homem encontra-se cada vez mais afastado da natureza, o Jardim Zoológico de Belo Horizonte oferece a oportunidade de um maior contato com a mesma, apreciando animais que dificilmente poderiam ser vistos de perto. No Zoológico, cada animal apresenta comportamentos específicos de sua espécie, alguns desses correm o risco de desaparecerem completamente. Ocupa uma área de 112 hectares, sendo 50 deles destinados à preservação animais e o restante em mata nativa, com fauna e

flora própria do cerrado. Apresenta um plantel de aproximadamente, 900 animais, de 200 espécies brasileiras e de várias partes de mundo, entre mamíferos, aves e répteis. Excelente área para estudo comportamental da fauna e flora. Hoje oferece ao visitante estufas e Borboletário.

TEMAS TRANSVERSAIS Expansão demográfica. - A lagoa dos anos 40. - Conjunto Arquitetônico da Pampulha. - Niemeyer e Buler Max. – Hidrografia. - Assoreamento dos leitos dos afluentes. - Poluição hídrica. - Aves aquáticas e sua adaptação na lagoa. - Os Aguapés e seu papel na natureza. - Plantas aquáticas. Recuperação e despoluição da lagoa. - Estudo comportamental de alguns animais. - Relação: espécie / habitat. - Classificação zoológica. - Características particulares da classe. - Fauna em extinção.

PARTICIPANTES Alunos da Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio.

Horário de saída da escola: 07:30 e/ou l3:30 horas Horário de retorno na escola: 11:30 e/ou 17:30 horas De terça a domingo

36


“TRILHAS INTERPRETATIVAS” Parque das Mangabeiras - Serra do Curral - Nova Lima - Pico Belo Horizonte - Sabará Mata do Jambreiro - Mata da Baleia – Macacos - Várzea das Flores - Caeté

OBJETIVOS GERAIS Proporcionar ao aluno a oportunidade de ter um contato direto com o meio em locais pitorescos e de rara beleza, onde poderá através da caminhada observar vários aspectos como: degradação ambiental provocada pelo extrativismo mineral e vegetal, áreas de risco, impactos causados pelos usuários, áreas de preservação, fauna, flora e solo, além de estar praticando um bom exercício físico.

OBJETIVO ESPECÍFICO Conhecer os principais aspectos históricos e culturais da região. Conhecer e identificar as formações rochosas, acidentes geográficos, fauna e flora local. Avaliar a degradação ambiental e o impacto causado pelas mineradoras, a poluição hídrica e atmosférica local e suas consequências no meio ambiente. Desenvolver análise crítica e se conscientizar da importância da preservação para uma melhor qualidade de vida da população local.

PARTICIPANTES Alunos do fundamental e médio. Sugerimos para melhor aproveitamento a partir do 2º ano/EF, podendo ser adaptado para as demais.

DISCIPLINAS Português, História, Geografia, Ciências.

37


“TREINAMENTO EDUCACIONAL” "Superação dos Desafios"

OBJETIVOS GERAIS É uma atividade onde o aluno será submetido a exercícios com vivências direcionadas ao trabalho em grupo, a união, a criatividade, ao cooperativismo e a superação dos obstáculos impostos pelo dia a dia. Os exercícios são elaborados após um minucioso estudo do grupo. Assim estaremos trabalhando a real necessidade dos participantes, independente de sua faixa etária.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS Superar obstáculos, tomar decisões, desenvolver a criatividade, aprimorar o espírito de equipe, superar os limites e ter coragem de enfrentar o novo sem temer as mudanças

EXERCÍCIOS Atividades de comando e confiança. Cobra Cega Conduzida. Cobra Cega Guiada. Campo Minado. Atividades de união e companheirismo. Caminhada. Siga o guia. Quem é meus olhos. Pulo do Macaco. Atividades de sensibilidades e sentidos. Jogo do KIM.

Atividades de coordenação motora. Nós e Amarras. Atividades de superação dos medos. Rapel. Escalada Tirolesa. Falsa Baiana. Comando Crawl. Atividades de recreação.

As atividades podem ser realizadas em 01, 02 ou 03 dias. Todo o trabalho sera realizado em área natural ou urbana de acordo com a disponibilidade da escola.

38


“ESTUDOS DO MEIO COM PERNOITE” Os estudos do meio com pernoite são trabalhos desenvolvidos em diversos pontos do país. Através do Turismo Ecológico, aplicamos a Educação Ambiental, História e Geografia, auxiliando o aluno a

desper t ar para a necessidade da preservação dos recursos naturais, artísticos e culturais, além de promover a integr ação com o ambiente e as características culturais locais.

ROTEIROS LONGOS Mínimo de 07 dias Vale do Peruaçu (MG) - Grandes Sertões Veredas (MG) Araguaia (TO) - Serra da Capivara (PI) - Chapada dos Guimarães (MT) - Pantanal (MT) - Chapada Diamantina (BA) - Monte Pascal (BA) - Foz do Iguaçu (PR) - Fernando de Noronha (PE) - Abrolhos (BA) - Porto Seguro (BA) Salvador (BA) - Bonito (MS) - Itaimbezinho (RS).

EXEMPLO

“Terra Dos Descobridores: Porto Seguro” É considerado monumento histórico nacional, reduto dos colonizadores nos séculos XVI e XVII, com seus casarões e igrejas que guardam os segredos da nossa história, como a Igreja de São Benedito, as ruínas do Colégio Jesuíta, Igreja de Nossa Senhora da Penha, o Paço Municipal, Marco da Posse, a Igreja da Misericórdia, Casa do Ouvidor. Tudo isto vivenciado junto aos índios Pataxós que mostram suas tradições no artesanato em madeira, conchas e palha. Nos mangues e rios, podemos identificar uma grande variedade da flora e fauna. Destacando os crustáceos que são uma grande fonte de alimento e renda para a população nativa.

39

Em um passeio de escuna até Recife de Fora e Coroa Alta, podemos vivenciar a convivência das espécies marinhas em piscinas naturais onde podemos ver e tocar: estrelas, ouriços, peixes diversos, caranguejos, lesmas, algas e arrecifes. Belas praias do litoral norte, Trancoso, Arraial D'Ajuda e Cabralia, vivenciaremos a grande indústria do turismo que a cada dia cresce mais, melhorando a qualidade de vida da população local. Neste roteiro aliamos cultura, lazer e muitas novidades.


ROTEIROS DE FINAIS DE SEMANA Pico do Itacolomi (MG) - Pico da Bandeira (MG) - Nascente do Rio São Francisco (MG) Parque Estadual do Rio Doce (MG) - Caraça (MG) - Carrancas (MG) - Ibitipoca (MG) Diamantina (MG) - Pirapora (MG) - São Tomé das Letras (MG) - Serro (MG) - Monte Verde (MG) - Petrópolis (RJ) - Angra dos Reis (RJ) - Parati (RJ) - Ilha Grande - (RJ) - Rio de Janeiro (RJ) - São Paulo (SP) - Brasília (DF)

EXEMPLO

“Ouro, Diamante, Seresta e História - Diamantina” Com a descoberta do ouro e diamante, na região denominada pelos nativos de "Montanhas Frias", surgiu o primeiro Centro Político-administrativo denominado Distrito de Diamantina. A cidade é imposta ao isolamento pela política repressiva da Coroa, formando assim uma sociedade aristocrática e estratificada que nos demais povoados mineiros, sendo um modelo na época, tanto no alto nível cultural da população quanto na elegância e leveza de suas construções de soluções próprias e altamente inventivas. A região foi privilegiada devido ao seu relevo montanhoso, rico em grutas e cachoeiras,

oferecendo ao visitante grande oportunidade de lazer, pesquisa e vivenciamento. Em pequenos passeios, podemos desfrutar de uma visita à cidade fantasma de Biri-biri que está abandonada a várias décadas, como também um bom mergulho na Cachoeira dos Cristais, Sentinela e uma aventura na Gruta do Salitre. É uma região de grande diversidade da cobertura vegetal destacando as orquídeas, bromélias, sempre-viva e outros arbustos frutíferos de especial sabor. As noites são saciadas por um farto cardápio típico mineiro, regado de boa variedade de bebidas e, embaladas por muita seresta de grupos locais com uma rica cultura popular.

PARTICIPANTES

Alunos do ensino fundametal e médio. Sugerimos para melhor aproveitamento a partir da4º ano/EF, podendo ser adaptado para as demais.

40


"DAY CAMP – UM PROJETO DE VIDA" O Day Camp é uma atividade desenvolvida em sítios, fazendas, pousadas ou campings, com o objetivo de integração dos alunos entre si e ao ambiente rural. Durante o dia são desenvolvidas e realizadas dinâmicas de integração com atividades que estimulem os cinco sentidos, gincanas ecológicas, oficinas de arte (sucata, papel reciclado, culinária, pioneiria etc), caminhadas no meio da mata, exercícios físicos, relaxamento. Tudo isso sem esquecer o lazer e a recreação, utilizando toda a infra-estrutura que o local oferece.

FAZENDINHA PALADINO - PAMPULHA

A Fazenda Paladino está dentro do centro urbano de Belo Horizonte, ainda é possível desfrutar das regalias da vida rural junto às belezas da Lagoa da Pampulha. O local oferece as mais diversas possibilidades de estar em contato direto com as atividades rurais tais como; ordenha, montaria em cavalo, cultivo de

horta, cuidar de aves e mamíferos e ainda mais, o berçário de filhotes, onde o toque é o que mais atrai os visitantes. Lá você poderá pegar e acariciar estas pequenas maravilhas e passar uma agradável manhã ou tarde, sem ter que sair para muito longe da cidade.

TEMAS TRANSVERSAIS O homem e o meio Rural. – As primeiras culturas e a domesticação dos animais. - Êxodo Rural. Distribuição demográfica. - Sítios, chácaras e sua economia de subsistência. - Extrativismo vegetal e mineral. - Pólo industrial. - Histórico de Itabirito. - O ciclo do ouro e a agricultura. - Vegetação de Cerrado e Mata Ciliar. – Fauna. Animais úteis ao homem – Animais peçonhentos. - Relações ecológicas. – Oficinas de Educação Ambiental.

Atividades Contato com aves e mamíferos, ordenha manual, berçário de filhotes, cultivo e manuseio de horta, Pescaria, passeio a cavalo, de charrete caminhada ecológica por trilha de Cerrado, oficinas de educação ambiental, muro de escalada, interpretação do conjunto arquitetônico e do ecossistema da Pampulha.

Metodologia Através de atividades lúdicas o aluno passará a conhecer um pouco sobre o cotidiano da vida rural, onde o homem torna-se preso às suas origens, na produção de alimentos e transformando o ambiente em que vive. Indicado para alunos a partir do maternal com saídas pela manhã e tarde no horário letivo com duração média de 03 horas. Funciona de 2ª a 6ª feiras. OBS. As atividades propostas nas fazendas são de acordo com a programação.

41


PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS Ter medo de altura, pavor de água, insegurança nas trilhas, medo de pedalar, são fatores que estão presente no nosso dia a dia. Mas, tem um grupo que está sempre atento aos acontecimentos e quase sempre ficam excluídos em função dos preconceitos e da falta de estrutura para recebê-los: são eles os cadeirantes (que usam cadeiras de rodas), os cegos, os amputados dentre outros. Os roteiros eco-pedagógicos que visam a inclusão dos PNEs (Portadores de Necessidades Especiais) no ecoturismo e na prática de esportes de aventura na natureza, tem a finalidade de valorizá-los e estimulá-las a romper as barreiras que lhes são presentes e tornam um desafio para seus corpo e mentes, despertando assim a curiosidade e a vontade pessoal do contato direto com a natureza e com os esportes praticados ao ar livre, aproximando-os, estimulando o companheirismo, o espírito de união, o respeito ao próximo e ao meio ambiente. Visando a inclusão, este roteiro procura resgatar este potencial, nós o adaptamos para que seja praticado com conforto, segurança e prazer.

42


NO MUNDO DA FÍSICA E DAS ARTES São Paulo/MASP/Memorial da América Latina/Planetário / Catavento / Estação Ciências / Hopi Hari/ Wet'n Wild

ROTEIRO TÉCNICO EDUCATIVO Vivendo em um mundo tomado por tecnologias, onde o homem freneticamente procura conciliar trabalho, artes e lazer, encontramos nas coisas que por mais simples que sejam, os resultados de tanto desenvolvimento intelectual e inventivo. Hoje tudo se torna mais simples e aproveitamos através dos esportes, do lazer e das artes. Em uma viajem ao Hopi Hari nos maravilhamos com as forças da física. Já no Wet´n Wild, encontramos as maravilhas da química, nos museus e centros culturais, a retratação de nossa história e do cotidiano mostrado em leves pinceladas

TEMAS TRANSVERSAIS Física e seus conceitos - A força da gravidade – As águas – Força centrífuga – Energia das águas – Frenagem – Aceleração – Queda Livre - A massa dos Corpos – Atrito – Inércia – Pressão sobre a massa – Uso sustentável das águas – Tratamento Químico – Rejeitos de afluentes líquidos – Tratamento das águas – Impactos ambientais – Lixo e resíduos – As artes ao longo da história – Artistas contemporâneos – Grandes mestres do passado – Retratando o cotidiano através das artes – Tecnologia e modernidade – O Brasil do Séc. XIX a XX – O bandeirantismo – Os Índios do Brasil e as etnias americanas.

Visita Orientada MASP, Estação Ciências da USP, Planetário, Museu do Ipiranga, Memorial da América Latina, Museu Afro-Brasil, Museu de Anatomia Humana, Museu do Instituto Biológico, Paço das Artes, Museu da Imigração Japonesa, Museu do Imigrante e atividades de lazer nos Parques Hopi Hari e Wet´n Wild para o estudo de física e química.

Metodologia Durante as atividades e no deslocamento, utilizando uma linguagem adequada à faixa etária, os alunos receberão informações básicas sobre os locais em que estiverem passando. Na visita, conforme a programação, os alunos estarão interagindo com os temas transversais propostos através de atividades lúdicas. OBS. Os locais indicados são meras opções figurativas para sugestão de montagem de projetos, isto não implica na visita de todos os monumentos que só será possível de acordo com a proposta da escola.

43


RIO HISTÓRICO E CULTURAL Brasil Império e República

ROTEIRO TÉCNICO EDUCATIVO O Rio não é só uma cidade maravilhosa. Viveu em seu passado os abusos do Imperialismo e, afrontou a monarquia com a república tornando-se a capital do Brasil. Preserva em sua história o maior acervo artístico e cultural do período imperial, republicano e democrático, onde podemos viajar pela história do povo brasileiro. Agora você pode montar seu roteiro pedagógico como melhor lhe convier.

OPÇÕES DE ROTEIRO CULTURAL E VISITAS Tour cultural pelo centro histórico. - Passeio ao Pão de Açúcar e Corcovado. – Museu da Vida da Fundação Fiocruz. – Museu Histórico da República. – Museu Histórico. – Ilha Fiscal. - Maracanã. – Planetário. – Jardim Botânico. – Arcos da Lapa. – Palácio Imperial da Quinta da Boa Vista.

TEMAS TRANSVERSAIS Rio Imperial e modernidade. - Arquitetura colonial. - Arquitetura Imperial. - Arquitetura Republicana. - O Movimento Artístico Brasileiro. - A Semana de Arte Moderna. - Os principais Artistas - Renomes internacionais. - Berço das artes e da intelectualidade. - As artes plásticas e a musicalidade brasileira. - A cultura carioca. - Principais pontos turísticos e de inspiração dos grandes artistas. - O turista na cidade maravilhosa. - A arte no contexto geral. - Mata Atlântica e sua preservação. - Panorama geral, social, econômico e cultural. Brasil 500 anos de história - 200 anos da Família Imperial.

Metodologia Durante a atividade o aluno receberá informações sobre os locais em que estiver passando como: características da região quanto à formação geológica, degradação ambiental, agricultura, densidade demográfica, ocupação irregular das encostas e vegetação. Na visita aos monumentos, será exposto o momento e o fato histórico entre Império, Monarquia e a República.

44


COMUNIDADES INDÍGENAS E QUILOMBOLAS Atualmente, apesar de convertidos em minoria da população ao longo dos 500 anos de colonização, cada vez mais os índios vêm criando instrumentos de interlocução com os "brancos", visando a garantia de seus direitos e a defesa de seus interesses, sobretudo têm viabilizado projetos de alternativas econômicas, cuja sustentabilidade possa conciliar a obtenção de renda, a proteção de suas tradições e a preservação da natureza.

“Pataxó” fazendo o caminho inverso.

Os povos indígenas têm suas opiniões sobre o "homem branco" e versões diferentes das nossas sobre a história do Brasil e a da humanidade, algumas das quais nos são repassadas durantes suas festas, rituais e jogos. Esta é a proposta da “Festa das Águas” onde podemos passar um dia de aculturamento indígena com a comunidade

COMUNIDADES QUILOMBOLAS E AFRODESCENDENTES Nesta atividade procuramos resgatar a importância e a influência da cultura negra em Minas e no Brasil. Quando se fala em quilombos, imaginamos que são os locais isolados, formados por escravos negros fugidos dos maus tratos das senzalas. Esta talvez seja a primeira idéia que vem à mente quando se pensa em quilombo, tendo com exemplo o Quilombo de Palmares, com seu herói Zumbi. Essa noção remete-nos a um passado remoto de nossa história, ligado exclusivamente ao período no qual houve escravidão no País. Quilombo seria, pois, uma forma de se rebelar contra esse sistema, seria onde os negros se escondiam e isolavam.

45


TOUR DAS ÁGUAS Nascentes do Ribeirão dos Arrudas

ROTEIRO TÉCNICO EDUCATIVO Dentro do tema da Campanha da Fraternidade 2004, encontramos uma oportunidade para avaliar nosso comportamento no que se refere ao meio ambiente. Na última década o nosso clima, os nossos mares e nossas florestas vêm sendo transformados em função da ganância, do crescimento industrial e econômico promovido pelas grandes potências mundiais.

Objetivando despertar o interesse pela preservação e uso sustentável dos nossos recursos hídricos, encontramos na Bacia do Ribeirão dos Arrudas um grande potencial para um laboratório de pesquisa e estudos complementares.

TEMAS TRANSVERSAIS O Bandeirante João Leite da Silva Ortiz e o ciclo do ouro em Minas Gerais. - O Arraial do Curral del Rei tipicamente rural. - A economia do Arraial baseada na criação de gado. - As razões para a escolha do Arraial Del Rei para a Nova Capital. - A chegada da Cia Construtora na nova capital. - Construção e inauguração da capital. - O traçado urbanístico de Aarão Reis que não levou em consideração o saneamento b ásico da cidade. - A chegada da nova população. Relevo característico de Bel o Horizonte. - Clima predominante em Belo Horizonte. - Arborização das vias urbanas e suas curiosidades - As nascentes da Serra do Curral e o destino de suas águas. - Áreas de preservação e manejo. - O homem e o meio em que vive. - A relação de sobrevivência das espécies. - Cadeia alimentar. - A Bacia do Ribeirão dos Arrudas - A qualidade das águas. - Água potável e contaminada. – Estação de Tratamento de Água e Esgoto. – O uso sustentável dos nossos recursos naturais.

ATIVIDADE ECOLÓGICA Visita à nascente da Vila Pinho e do Sítio da Dona Ivana para avaliação e oficina de educação ambiental, junto aos recursos naturais com coleta de material, fotografia e o grande abraço ao Jequitibá centenário, que simboliza a luta

pela sobrevivência da natureza. Coleta das águas do Arrudas para continuidade das atividades no laboratório da escola e em sala de aula.

PARTICIPANTES Alunos do ensino fundamental e médio. Sugerimos para melhor aproveitamento a partir da 3º ano/EF, podendo ser adaptado para as demais.

46


OFICINA: AQUARELA, MODELAGEM EM JORNAL E ARGILA Objetivos Gerais: Despertar a criatividade do aluno através da pintura e modelagem, desenvolvendo sua coor denação motor a e r aciocínio, proporcionando uma terapia de lazer e construtivismo. Estratégias:

Através da pintura e modelagem proporcionar ao aluno a o p o r t u n i d a d e d e m a n i fe s t a r s u a criatividade sem ser imposto limite para sua imaginação, sendo seu trabalho orientado dentro das técnicas previstas para um melhor desempenho. Os trabalhos executados ficam colocados em exposição por um breve período para incentivo dos mesmos (podem ser levados para casa).

Participantes: De todas as idades; Educadores, pais, alunos e interessados na arte da aquarela e modelagem como terapia e desenvolvimento da interação social do participante.

Duração: 02:00 horas. Materiais a Serem Utilizados: Papel Kraft, papel ofício, giz de cera, revistas e jornais velhos, tesoura, barbante fita crepe e cola.

PALESTRA: SERRA DO CURRAL Abordagem: Destacar a importância da Serra do Curral durante o período da colonização, servindo como ponto de referência para as Entradas e Bandeiras em direção a Sabará e Ouro Preto. Chamar a atenção sobre a importância da Serra em relação ao clima de Belo Horizonte, demonstrando as variáveis possíveis e sua função como barreira natural e divisor de ecossistemas. Conhecer e identificar a fauna e flora típica e sua importância para o equilíbrio ecológico.

47

Inteirar-se sobre a ação das mineradoras e o impacto causado ao meio, como também as novas técnicas aplicadas para amenizá-lo. Apresentar formas de utilização da Serra como campo escola para atividades interdisciplinares e turismo ecológico.

Material empregado: Recursos de multimídia.


PALESTRA: O CICLO DO OURO EM MINAS GERAIS Abordagem:

Enfocar os principais aspectos referentes ao Ciclo do Ouro em Minas Gerais, o papel dos Bandeirantes na busca do ouro e a captura de índios em nossos sertões. Identificar os primeiros núcleos urbanos e sua importância como centros administrativos, culturais e religiosos. Inteirar-se do processo de extração do ouro, desde a cata no leito dos rios até as mais profundas minas, com suas técnicas e ferramentas utilizadas. Avaliar a importância de Minas no contexto nacional no período colonial, seus mitos, contos e heróis que fizeram a história.

Destacar a importância do negro na sociedade colonial tanto na economia como nas artes.

Material empregado: Recursos de multimídia.

PALESTRA: O BARROCO MINEIRO Abordagem:

Enfocar em um contexto a importância da arte barroca no período colonial, sua influência junto à sociedade civil, religiosa e militar. Destacar as principais características desta arte, seus mentores e discípulos, obras de destaque por região, dando uma visão ampla de comportamento e estilo adaptado ao próprio local de acordo com os recursos disponíveis. Identificar o Barroco Mineiro e Litorâneo, suas fases e a influência do ciclo do ouro.

Material empregado: Recursos de multimídia.

PALESTRA: EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO Abordagem:

Levar ao aluno os conhecimentos básicos da melhor forma de utilização das vias, visando dotá-lo das regras de segurança, os preceitos básicos para: travessia de ruas, a utilização correta dos sinais e faixas de trânsito, forma certa para sinalizar,

48

embarcar e desembarcar de carros e ônibus. Conceituar: O que é Legislação do Trânsito, multas, DUT, bafômetro, direção agressiva e defensiva, as principais causas de acidentes, equipamentos de segurança e como utilizá-los e o uso correto do cinto de segurança.


ESPORTES DE AVENTURA Rapel, Escalada, Caminhada Ecológica, Canyoning.

ATIVIDADES INDOOR COM ESCALDA, RAPEL E TIROLESA. As atividades dos esportes de aventura são programadas para atender toda faixa etária, onde o participante terá à sua disposição um r oteir o elabor ado detalhadamente, onde se pode aprender as técnicas básicas para a prática das mesmas. O emprego de material coletivo e individual faz parte do cotidiano das atividades, onde acreditamos que, com a repetição e as dinâmicas aplicadas, poderemos adequar os participantes dentro das normas de segurança e sustentabilidade.

CURSOS / ECOTURISMO Espeleologia – Escalada – Rapel – Campismo – Condutor Ambiental

OBJETIVO GERAL Proporcionar aos alunos e professores os conhecimentos básicos para iniciantes sobre a origem e a formação das grutas e como preservá-las.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS Fornecer ao aluno e professor o conteúdo necessário sobre as noções básicas aplicadas em cada modalidade de curso. Avaliar o potencial e recursos oferecidos nos locais a serem aplicados às atividades e a influência da ação do homem no ambiente.

49

Capacitar o aluno a praticar, conduzir grupos e ser multiplicador das atividades dentro dos conceitos de segurança e sustentabilidade.


MANIFESTAÇÕES FOLCLÓRICAS Comunidade dos Arturos – Festa 13 Maio – Festa do Rosário – Festa de João do Mato – Folia de Reis – Guarda de Congo e Mossambique – Folia de Reis – Folguedo – Museu do Folclore. Cidades de: Contagem, Diamantina, Serro, Ouro Preto e Belo Horizonte

PROGRAME SUAS FÉRIAS Aproveite os feriados e venha curtir seus dias de folga com muito lazer, descontração e fazer novos amigos, aproveitando o que Minas e o Brasil têm a lhe oferecer. Praias - Sul do Brasil - Caldas Novas - Circuito das Águas - Pantanal - Beto Carrero World – Hotéis Fazendas – Carnaval – Semana do Magistério – Acampamentos – Esportes de Aventura e a melhor culinária do mundo.

Trabalhamos em parceria com todas as operadoras de Minas Gerais e fazemos seu atendimento a onde você estiver. Forme seu grupo ou trague sua família para realizar seus sonhos. Atendimento VIP.

ANIMAÇÃO DE FESTAS, FILMAGENS DE FORMATURAS A Tauanã Turismo possui também equipe de cobertura para festas e eventos escolares, tais como: equipe de segurança, animadores, palhaços, grupo cover, aparelhos para recreação, filmagem de formatura, pintura de painéis decorativos infantis, aluguel de ônibus, micro, salão de festa, sítios e fazendas.

50

Para o final de ano oferecemos um jantar dançante para alunos e professores comemorarem o final de um ciclo, assim podemos sair um pouco da rotina. Programe sua formatura que nos garantimos sua realização sem gastar muito.


ANOTAÇÕES


ANOTAÇÕES


SAC - Serviรงo de Atendimento ao Cliente 55 (31) 3477 7757 - 9159 0510 www.tauanaturismo.com.br E-mail: contato@tauanaturismo.com.br


Guia de Roteiros e Atividades Pedagógicos - 2012