Page 4

4 - MARÇO - Raízes Rurais - O jornal do Agronegócio

Novos conceitos na pecuária leiteira para melhorar a qualidade de vida do produtor Os produtores Heitor e Adriana, do Sítio Três Coqueiros, Emater-BM e prefeitura formam unidade modelo em Barra Mansa

A

pecuária leiteira sempre esteve na veia do produtor Heitor José Amante Neto. Desde a infância no Sítio Marimbondo, em Rialto, Barra Mansa (RJ), a atividade faz parte da sua vida. Nos últimos anos trabalhou no Rio de Janeiro. Viajava segunda e retornava sexta-feira. Longe da família e da atividade que tanto gosta, sonhava em poder se dedicar a ela. De outubro de 2008 pra cá, as coisas têm mudado. O sonho tem se tornado realidade no dia-a-dia de Heitor, da esposa Adriana Stornelli e das filhas. Primeiro porque Heitor deixou o trabalho de mecânico no Rio e agora se dedica integralmente à família e à produção de leite no Sítio Três Coqueiros, na Colônia Santo Antônio, em Barra Mansa. O programa que possibilitou uma virada na vida de Heitor começou quando o escritório da Emater-BM e a Secretaria de Desenvolvimento Rural, decidiram montar um projeto de acompanhamento de fazendas de cunho familiar e pecuária leiteira. Precisavam de algúem disposto a mudar, rever conceitos e a rotina para implantação de novas técnicas de produção. Heitor e sua família toparam a empreitada e desde então as semanas têm sido curtas no sítio pra tanta mudança. Mas tudo está em dia. A implantação do pastejo rotacionado, a complementação da alimentação na seca com cana e uréia e a qualidade do leite foram as ferramentas que visaram, primordialmente, o bem estar do produtor e da sua família. “O que a Emater e a secretaria buscam é oferecer informações, técnicas e tecnologia que vão melhorar a qualidade de vida na propriedade através de uma atividade economicamente viável”, disse o supervisor local da Emater-BM, Antônio Paz Griscafé, o Toninho. Tudo que tem sido feito desde 2008 é discutido entre as partes envolvidas. “O Heitor aceitou as tecnologias e seguiu as orientações. Por isso, está com quase tudo pronto”, destacou o coordenador de Desenvolvimento Rural da cidade, Luiz Antônio Ferreira Lima. Depois de encontrar na família de Heitor o perfil ideal para a implantação do projeto, o próximo passo foi fazer o diagnóstico da propriedade. O trabalho envolveu a mudança no sistema de alimentação, os controle reprodutivo, leiteiro e zootécnico. Além do pastejo rotacionado, foi implantado um novo canavial, passou-se a utilizar a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Heitor observa a baixada onde ficava a antiga capineira que hoje dá lugar aos piquetes rotacionados: mudança de manejo e dedicação ao lado da família (IATF) para reduzir manejo e custos e, por fim, foi montado um projeto para que a propriedade tivesse acesso ao crédito rural e realizar os investimentos necessários para os próximos passos do programa.

Mais conforto para as vacas Heitor e Adriana lembram com orgulho da compra da ordenhadeira mecânica e brincam com o trabalhão que deu para mudar a rotina para um outro curral em área arrendada. “Antes a gente tirava leite aqui do lado de casa, agora fica mais longe, mas a comida e as vacas ficam lá pertinho”, disse Adriana. Ou seja, deixaram o conforto próprio para garantir conforto às vacas.

Tudo planejado para ampliar a produção. A redução na jornada de trabalho e no manejo proporcionaram esse tipo de mudança. “Antes tinha que rodar com o trator pra cortar capim. Gastava óleo, tempo, furava pneu. Hoje não tem mais isso”, comentou Heitor, acrescentando que também reduziu despesas com cevada e mãode-obra. Atualmente estão produzindo 200 litros/ dia com um custo bem baixo e a meta é chegar aos 1.000 litros. “Vamos devagar. Começamos ganhando uma lata de 10 litros de prêmio. O segundo foi uma de 30. Tem dificuldades sim, mas vamos melhorando porque acreditamos nisso”, complementou Adriana. A empolgação do casal com as vacas é nítida. Estão sempre disputando os

concursos leiteiros de Barra Mansa e se orgulham de aumentar a cada ano a média das vacas no torneio de curral. “Em 2008 fizemos média de 27 quilos. Ano passado foram 39,7 quilos”, lembrou. As visitas periódicas à propriedade continuam. Toninho e Luiz Antônio estão sempre por lá. Nesse período conseguiram melhorar o acesso à propriedade, um tanque de resfriamento comunitário foi implantado para atender Heitor e os vizinhos e aos poucos a parceria vai consolidando o Sítio Três Coqueiros como uma unidade de referência em pecuária leiteira na região Sul Fluminense. No dia 20 abril, Heitor e Adriana, Emater e prefeitura realizam um Dia de Campo para apresentar o trabalho. Sítio Três Coqueiros: (24) 3328-0949.

Jornal Raízes Rurais - Edição de Março de 2010  

O Jornal do Agronegóco

Jornal Raízes Rurais - Edição de Março de 2010  

O Jornal do Agronegóco

Advertisement