Page 1

Realização:

Parceiro Executor:

Financiadores:

MINISTÉRIO DO TURISMO Apoio:


Sobre Esta Publicação: Coordenação Editorial e Textos: Projeto Bagagem e Giral - Viveiro de Projetos Diagramação: Paola de Lima www.paoladelima.com

Fotos: Ana Gabriela da Cruz Fontoura Ana Lee Lucilene Almeida Paiva Selene Valentini Garcia Sobre o evento: Realização e Coordenação: Projeto Bagagem Facilitação: Marcelo Cavalcanti Financiadores: SST, Ministério do Turismo e Fundação Kellogg Parceiro Executor: Instituto Floresta Viva Apoio: Sebrae, Prefeitura Municipal de Uruçuca e Ashoka Empreendedores Sociais


ÍNDICE

APRESENTAÇÃO ........................................................................................................................ 5 SOBRE A REDE TURISOL ............................................................................................................ 9 A JORNADA DO ENCONTRO ...................................................................................................... 11 Dia 1 - Quem sou eu e por que estou aqui?................................................................................ 13 Dia 2 - Ampliando o olhar .......................................................................................................... 15 Dia 3 - Quem somos nós: do indivíduo à rede ........................................................................... 19 Dia 4 - O que queremos e para onde vamos? ............................................................................ 25 GOVERNANÇA E QUEM FAZ PARTE DA REDE TURISOL ............................................................. 33 PLANO DE AÇÃO 2010 A 2012 .................................................................................................. 35 AVALIAÇÃO DO ENCONTRO ...................................................................................................... 38 LISTA DOS PARTICIPANTES DO ENCONTRO ............................................................................... 40


Cecilia Zanotti, Olivia Martin e Marcelo Cavalcanti


APRESENTAÇÃO De 14 a 18 de Julho de 2010 foi realizado o encontro nacional da Rede Turisol, no hotel INH, próximo à vila de Serra Grande no município de Uruçuca, na beira da praia, entre Ilhéus e Itacaré, na Bahia. Contamos com apoio financeiro da Coordenação de Projetos Estruturantes do Ministério do Turismo, da Fundação Kellogg e da SST, Fundação Suíça de Apoio ao Turismo Solidário, parceria na execução do encontro do Instituto Floresta Viva e apoio do Sebrae e da prefeitura de Uruçuca. Também contamos com a participação e assessoria da Ashoka Empreendedores Sociais representado pelo seu programa Geração Muda Mundo. O encontro de turismo comunitário da Rede Turisol em 2010 foi a concretização de um sonho que nasceu em 2006. Ao escrever um projeto de apoio ao desenvolvimento do turismo comunitário no Brasil para a Fundação Kellogg pelo Projeto Bagagem, foi previsto ao final de 3 anos, um encontro que reuniria as comunidades que recebem visitantes, as agências de viagens que apoiam estes destinos e enviam os turistas e os representantes do governo que desenvolvem políticas públicas de turismo comunitário, para um planejamento coletivo para os próximos anos. Seria a reunião das 3 redes que compuseram os programas do Projeto Bagagem até 2010: rede de destinos, rede de comercialização e a rede de saberes onde são sistematizados e compartilhados os conhecimentos adquiridos nas outras duas redes. Essa publicação, que registra o encontro, tem como objetivos disponibilizar aos demais membros da Rede Turisol que organizarão encontros futuramente, a metodologia das atividades desenvolvidas, marcar o novo momento da Rede Turisol, disponibilizando o plano de ação com as 6 linhas prioritárias definidas no encontro para os próximos dois anos e servir como relatório para os financiadores conhecerem o que foi produzido ao longo dos quatro dias de trabalho. Para quem fez parte, agradeço com muito afeto a presença e a realização de um encontro diferente, a coragem de ir até o fim e acreditar que sairíamos com um plano, e mais forte do que isso, com um vínculo que poderá concretizar, mudar, ou transformar futuramente novos planos e assim, seguirmos na construção de uma nova economia, mais criativa, justa e sensível aos desafios socioambientais no nosso país, aqui pensada sob a ótica do turismo.

Cecilia J. S. Zanotti Projeto Bagagem

5


Por acreditarmos profundamente nos princípios do Turismo de Base Comunitária, buscamos trazê-los para a prática ao sonharmos e conduzirmos esse evento tão importante. Aconchego, que as pessoas se sentissem muito bem acolhidas, muito à vontade para se dedicar de corpo e alma ao trabalho. Trazer elementos da cultura local para a decoração e condução de atividades culturais. Que incluísse a todos – desde aqueles que às vezes têm dificuldades de se comunicar em grupos, aos que geralmente ocupam um lugar muito formal e que acabam sendo escondidos atrás da instituição que representa. Que realmente promovesse o encontro real entre essas pessoas – afinal de contas, são pessoas que irão tocar adiante tudo o que foi construído lá. Ritual, arte, trabalhos corporais, mas também muita troca e reflexão – e mãos à obra – produzir juntos um plano de ação que pudesse orientar os trabalhos futuros. Sinto-me muito honrado pelo convite e muito agradecido a Cecilia Zanotti, que tem estado na liderança desse processo, por toda a confiança e pela liberdade de colocar nesse trabalho tudo o que acredito e todo o meu coração. O Encontro Nacional da Turisol foi um dos trabalhos que mais me deu prazer em co-desenvolver recentemente e tenho muita gratidão pela oportunidade de conhecer e conviver com pessoas tão especiais. Espero que esse encontro tenha sido o primeiro de muitos.

Marcelo Cavalcanti Consultor em Processos de Desenvolvimento


Foi um privilégio ter sido convidada para contribuir com o desenho e a facilitação do Encontro da Rede Turisol de 2010, na região do Sul da Bahia. Um encontro que resultou mágico pela sua diversidade e por ter sido pautado pela horizontalidade e o círculo, além da riqueza dos conteúdos apresentados e intercambiados. O diálogo e a cooperação foram o fio condutor dos 4 dias de troca entre os mais diversos atores, todos comprometidos com o turismo solidário como um caminho de superação das desigualdades; da descoberta prazerosa e da arte do encontro digna e justa entre seres humanos, terras e culturas do Brasil. Como representante da rede Ashoka foi também um prazer fazer parte de uma iniciativa que integra tantos empreendedores sociais da rede, além das suas instituições, e várias outras iniciativas de grande valia no país. Agradeço pela inspiração e pela oportunidade de aprendizagem. E parabenizo a todos os integrantes desta rede e a sua liderança, no nome da Cecilia Zanotti, pela ousadia, integridade e comprometimento com que estão sendo encarados os desafios e abrindo-se caminhos para novas oportunidades de crescimento desta importante iniciativa. Que ela continue crescendo e se fortalecendo e que sirva de exemplo Brasil afora.

Contem comigo!

Olivia Martin Ashoka Empreendedores Sociais

7


SOBRE A REDE TURISOL A Embaixada da França no Brasil iniciou, em fevereiro de 2003, um programa de cooperação no setor de economia solidária. No intuito de fomentar a discussão sobre turismo solidário no Brasil, a Embaixada promoveu uma reunião de trabalho em Brasília, no dia 04 de julho de 2003. Este evento reuniu atores de diferentes projetos desta natureza no país, além de representantes de organismos públicos e outras entidades de apoio. Naquela oportunidade, foram apresentados os projetos e as instituições presentes, identificadas experiências inovadoras e discutidos meios para desenvolver este setor. O potencial para a ampliação desta proposta no Brasil ficou evidente. Dando seqüência a esta discussão, sete projetos brasileiros – Prainha do Canto Verde (Ceará), Acolhida na Colônia (Santa Catarina), Ecoporé (Rondônia), Palmatur (Ceará), Parque Regional do Pantanal (Mato Grosso do Sul), Aldeia dos Lagos (Amazonas) e Bordados da Caatinga (Piauí) – representaram o País no Fórum Internacional de Turismo Solidário – FITS, em Marseille/França, de 25 a 30 de setembro de 2003, com o apoio da Embaixada da França no Brasil. No intuito de continuar a discussão sobre turismo solidário no Brasil, a Embaixada promove nova reunião de trabalho em Brasília, nos dias 24 e 25 de novembro de 2003. A partir desses encontros o grupo demonstrou seu interesse em permanecer em contato para trocar experiências e contribuir para o debate sobre o turismo solidário nacionalmente. Com o objetivo de incentivar a reflexão sobre os efeitos do turismo e de consolidar os empreendimentos de turismo solidário já existentes no Brasil, em 2003 nasce, informalmente, a Rede Brasileira de Turismo Solidário e Comunitário – Turisol. A rede se caracteriza pela união de diversas organizações no Brasil que desenvolvem projetos de turismo solidário e que buscam, através da união e troca de experiências, fortalecer as iniciativas existentes e despertar outras comunidades para a construção de um turismo diferente. Em 2008, o Ministério do Turismo lança o primeiro edital de turismo comunitário no Brasil. Dentre os 25 projetos apoiados, 5 se inscreveram de maneira articulada com objetivos comuns descritos em seus projetos e pelo menos uma ação em cada projeto de apoio e fortalecimento para toda a rede. Encontros de formação em gestão e questão fundiária pela Rede Tucum, agroturismo e desenvolvimento do território rural pela Acolhida na Colônia, um encontro internacional organizado pela Fundação Casa Grande, intercâmbios entre os projetos, a criação de materiais promocionais coletivos, ações de comercialiazação e um encontro nacional também fez parte deste plano coletivo com ações distribuídas entre os participantes.

9


Com todas essas ações realizadas e com o número de iniciativas novas no turismo comunitário nascendo no Brasil, a Rede Turisol decide se expandir e abre em maio de 2010 uma seleção para receber novos destinos membros da rede. Foi criado pelos membros, com apoio dos consultores Maria das Mercês Torres Parente e René Schärer, o formulário de inscrição, bem como os critérios de avaliação. Nesta seleção foram identificados 16 novos projetos que foram convidados para participar do Encontro Nacional em Uruçuca na Bahia em junho de 2010, para que todos pudessem se conhecer e a rede se formar e fortalecer a partir das novas relações. O encontro foi planejado para cumprir os três objetivos listados abaixo e teve a facilitação de Marcelo Cavalcanti e Cecilia Zanotti com apoio voluntário de Olivia Martin da Ashoka Empreendedores Sociais. Os objetivos eram:

Definir as prioridades da Rede Turisol para os próximos 2 anos

Fortalecer as estratégias de comercialização

Criar vínculos entre os atores presentes


A JORNADA DO ENCONTRO Em quatro dias e com um grupo heterogêneo de 60 pessoas de comunidades, universidades, ONGs, governo e empresas privadas, o desafio era fazer com que todos se conhecessem, criassem laços de confiança para o trabalho, pensassem o que queriam fazer juntos e definissem ações e responsáveis. Para isso foram pensados em primeiro lugar os propósitos de cada dia.

11


PRIMEIRO DIA PROPÓSITO : “QUEM SOU EU E POR QUE ESTOU AQUI? “

ATIVIDADE 1 Chegada dos participantes e roda de abertura e bênção indígena com Laura dos Yawanawa do Acre e Sérgio, dos Tucano de Rio Preto da Eva, Amazonas.

ATIVIDADE 2 Roda de apresentação. Para cada convidado foi solicitado trazer um objeto que representasse sua comunidade ou sua organização. Com todos eles foi criado o centro da roda que permaneceu todos os dias montado ao longo do encontro. Além da explicação do objeto, cada um dizia sua intenção para o encontro e ganhava um caxixi, chocolates de cacau orgânico da região e o kit de materiais impressos do encontro com programação, lista de participantes e carta de boas-vindas.

Ao redor da sala foi montada uma exposição permanente sobre cada projeto presente.

ATIVIDADE 3

Divisão dos Grupos de Trabalho e preparação para as visitas do dia seguinte.

Como uma das estratégias de criação de vínculos e trabalho coletivo foram divididos no primeiro dia diferentes grupos de trabalho para o encontro. Gastronomia ficou com a tarefa de organizar um jantar coletivo com comidas trazidas pelos participantes, o GT do Despertar tinha que, de maneira criativa e sonora, acordar todos de manhã cedo, o GT da Fogueira organizou uma linda fogueira em uma das noites do encontro e assim por diante. 13


SEGUNDO DIA PROPÓSITO : “AMPLIANDO O OLHAR“

Experimentação dos roteiros de turismo comunitário da região organizados pelo Instituto Floresta Viva e Casa do Boneco de Itacaré. Cada caminho recebeu entre 8 e 12 participantes para percorrêlo e avaliar os pontos fortes e desafios no turismo comunitário. Os visitantes deveriam escrever uma carta de agradecimento e entregá-la como um presente às lideranças de cada roteiro.

Agradeço muito a realização deste evento aqui na nossa região. Foi um grande impulso para quem está aqui trabalhando e lutando para o desenvolvimento das comunidades.

Cinira Fernandes Consultora da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Uruçuca - BA

15


HORÁRIO

1.

ATIVIDADE

08:00

Roda de apresentações

08:30 10:00

Trilha Ecológica Janela da Gindiba Transferência para Villas de São José – Visita ao Café Cacau

10:00

Lanche e bate papo com Seu Beca e Marly filha e dona do Café Cacau do Villas de são José Trasferência para Cabana Oca Cuiã Porã Almoço na cabana Oca Cuiã Porã de Dona Otilia - Agricultora Orgânica Transferência para Café Cacau da Estrada Parque Bate papo com Marly do Café Cacau Parada para ver o Jogo do Brasil Intervalo do jogo com lanche Termino do jogo e encerramento Retorno ao Hotel

11:40 12:00

CAMINHOS DA MARAMBAIA 14:00 14:00 15:30 16:15 17:15 17:30 08:30 09:00

15:30 16:15 17:15 17:30

Roda de apresentações Vivências na propriedade-Preparação do Bio-fertilizante/ Retirada da seringa/Colheita das hortaliças para almoço do grupo/Colheita dos ovos no galinheiro para preparação do almoço/Retirar os frutos do SAF para o suco do almoço. Parada para um bate papo e café na roça com Dona Ofélia Tapiocas preparadas na hora no forno a lenha Retorno às atividades de vivência. Parada para almoço na antiga casa de farinha Saída para Reserva Alto da Esperança Saída para casa de Dona Maria Araújo - Agricultora orgânica para ver o Jogo do Brasil Parada para ver o Jogo do Brasil Intervalo do jogo com lanche Termino do jogo e encerramento Retorno ao Hotel

3.

08:30 11:30 12:00

Trilha Boa Paz Transferência para Propriedade de Seu Claudemiro- Almoço Almoço na casa de Seu Claudemiro - Produtor Orgânico

CAMINHOS DO BRILHANTE

13:30

Saída para Propriedade de Beco

2. CAMINHOS DA CAMBOINHA

10:00 10:30 12:00 13:30 15:00


3. CAMINHOS DO BRILHANTE

HORÁRIO

ATIVIDADE

13:45 14:15

Roda de apresentações Vivências na propriedade: Preparação do Bio-fertilizante, conhecer o trabalho na produção de hortaliças e colheita para entrega no hotel Parada para ver o Jogo do Brasil Intervalo do jogo com lanche Termino do jogo e encerramento Retorno ao Hotel

15:30 16:15 17:15 17:30 08:00 08:30 10:30

4. CAMINHOS DE SERRA GRANDE

5. CAMINHOS DO QUILOMBO

15:30 16:15 17:15 17:30

Roda de apresentações Trilha Poço Azul com banho de rio Vivências na propriedade para conhecer o trabalho na produção de hortaliças e colheita para entrega no hotel. Retirada da seringa Saída para Cabana do Veloso Almoço na Cabana do Veloso Saída para o Viveiro de Mudas de Serra Grande Transferência para retornar à Cabana do Veloso para ver o Jogo do Brasil Parada para ver o Jogo do Brasil Intervalo do jogo com lanche Término do jogo e encerramento Retorno ao Hotel

08:00 08:30 09:00 10:00 10:30 13:00 14:00 14:40 15:00 15:30 17:30 18:00

Travessia de barco Itacaré x quilombo Roda de apresentações Trilha ecológica e patrimonial Lanche Vivências de Dança e Estética afro Almoço com som ao vivo com comidas afro brasileiras Performance e integração Encerramento Retorno para Itacaré Parada em Itacaré para ver o jogo do Brasil Termino do jogo e encerramento Retorno ao Hotel

11:30 12:00 14:00 15:15

17


Poema dedicado aos agricultores Gilberto Alves - “Seu” Beca, Marly Britto, Otília Maria Nogueira e a todos que fizeram desse dia um dia muito especial Quando eu for, Eu quero lembrar de um dia como este.

E olha, a teia da aranha, ela escondida mostrando o seu intrincado tear.

O coração preenchido da verde mata O espírito enriquecido do amor dos meus irmãos

Lá na praia... O sol a brilhar nas ondas do mar A espuma branca coroando as ondas A floresta acariciando o mar As rochas pretas ancorando Yemanjá.

As folhas de toda cor O cipó com escadinha As plantinhas em espiral O angelím de 500 anos E a janela....a janela no meio do antigo toco Nessa forma singular, do grande círculo ancestral. O senhor de idade Pequeninho, humilde e grande servidor Grande na sua sabedoria, grande no seu amor. Guardião da floresta, servidor do grande Senhor. E a sua filha, a rainha do cacau, A coragem sua arma A fé sua grande aliança A entrega e o amor, Os ingredientes das suas delicias, e do seu candor. E aquela refeição! Aquela mesa, A senhora, meio índia meio negra A apresentação, um primor. O gosto, uma festa de sensação A galinha caipira no caldo de cana dentro do melão, a tapioca, a pimenta, a geléia e o arroz. Cada ingrediente um ator Na platéia da nutrição e do prazer, Num equilíbrio delicioso, incluindo todo o saber. E os bichinhos, animais Acompanhando nossa jornada Trazendo mensagens de alegria na caminhada Uma hora o guacho, Mostrando o amarelo no seu esplendor E animando a floresta, com seu canto alegre e imitador Outra hora o jacaré, descansando e depois mergulhando, Tranqüilo mas nos relembrando Do império de um ser remanescente de um tempo que já passou Eis aqui o cachorrinho, pequeninho e companheiro O guia primeiro

E os hermanitos, companheiros da jornada? É o índio e o francês, A artesã e o professor, A mamãe, a tiazinha, a menina...o motorista! Cada um vem de uma terra Cada pele de uma cor Cada fala é um sotaque Cada olhar e de si só. Porém todos tem o mesmo raio Que permeia o coração e irradia para fora Com força e com calor É o raio da irmandade É o raio da humildade De respeito do honrar, Toda vida e celebrar Esta ciranda de cores De verdade e de amor Uma comitiva que acredita com louvor Nas suas terras Nos seus povos Na floresta, na batalha Por um bom pedaço do bolo Para todos, sem distinção. A nossa tribo a Marambaia O nosso grito de guerra é o Pa-pa-pa-pa-pau! O segredo do amor O afrodisíaco cacau! A nossa cor, o vermelho Urucum Com risada e alegria Todos dão um grande VIVA Para este nosso – eu posso?- Brasil... Que ganhou!

Olivia Martin 15.06.10


TERCEIRO DIA PROPÓSITO : “QUEM SOMOS NÓS - DO INDIVÍDUO À REDE“

ATIVIDADE 1

Avaliação dos roteiros de turismo comunitário e leitura das cartas.

Gostei da visita aos roteiros comunitários, a troca de experiência e quando eles estavam sendo avaliados, sentíamos como se aquele recado fosse repassado para a gente, para adequação do nosso próprio roteiro.

Valneide Souza, Comunidade de Caetanos de Cima - Rede Tucum - CE

ATIVIDADE 2

Café comunitário ou World Café.

Referência da metodologia: A metodologia do café comunitário ou world café é simples, aberta e eficaz para anfitrionar conversas sobre questões importantes. No refeitório em mesas de 4 pessoas foram distribuídos o café, pães e bolos do intervalo e uma folha de papel para registro. Cada participante tinha que se apresentar e conversar sobre a seguinte pergunta: Quais são os 3 maiores desafios da minha organização? Ao final era feita uma rodada de comentários e possíveis soluções para os desafios apresentados. Foram realizadas 3 rodadas de 20 minutos com trocas de mesas, podendo cada pessoa compartilhar e escutar os desafios com mais 9 participantes do encontro. Os representantes das 9 agências presentes eram responsáveis pelo registro. 19


ATIVIDADE 3

Oficina de cerâmica.

Nas mesmas mesas do World Café, cada participante recebeu um kit com materiais para a criação de dois azulejos de cerâmica em forma triangular. Um dos objetivos dessa oficina foi homenagear a Associação de Artesãs de Coqueiro do Campo que estava presente e que faz as bonecas de cerâmica do Vale do Jequitinhonha, criadas por Dona Izabel de Santana do Araçuaí.

Gostei de ter sido escolhida entre tantas, e gostei do acolhimento e recepção. Maria do Carmo Barbosa Souza, Associação de Artesãs de Coqueiro do Campo, Vale do Jequitinhonha - MG

O outro objetivo foi a criação de duas peças de cerâmica por pessoa, sendo que uma seria oferecida à rede e seu complemento seria levado para casa. Cada triângulo produzido foi amarrado com palha formando um belo painel que acabou inspirando a empresa de design gráfico contratada para a confecção da logomarca da Rede Turisol, formada por uma peça de cada projeto que, quando reunidas, formam um novo e coletivo conjunto. A artista plástica Ana Maria Vieira Silva, talentosa ceramista de Ilhéus, foi a responsável pela condução desta atividade e pela criação do painel final.

21


ATIVIDADE 4 Plenária sobre o café comunitário ou world café e comercialização. Compartilhados os desafios e discussões sobre comercialização na grande roda.

ATIVIDADE 5

Contação de história da Rede Turisol.

Os consultores da Rede Turisol, René Schärer e Maria das Mercês Torres Parente, tiveram um papel fundamental, desde o início das primeiras conversas em 2003, na discussão e integração entre projetos e apoiadores. A partir do encontro se consolida a posição de consultores estratégicos da Rede Turisol e neste momento do encontro, contaram a história da Rede Turisol de 2003 até hoje na grande roda.

23


ATIVIDADE 6

Diálogo sobre os princípios do turismo comunitário.

Referência da metodologia: “Encontros temáticos. Educação Biocêntrica de Ruth Cavalcante.“

Os encontros temáticos são uma variação dos círculos de cultura de Paulo Freire que utilizam palavras geradoras lançadas pelo animador e nos quais os participantes se reúnem em duplas, trios, quartetos e mais pessoas para dialogarem sobre elas. Ao final podem produzir uma síntese para ser devolvida na grande roda. Com a presença de Tisza e Cabello da Fazenda Cultural Ouro Verde, que presentearam o grupo com músicas afro brasileiras tocadas e cantadas ao vivo, os participantes caminharam e cantaram e se reuniram alternando as danças e discussões para dialogarem sobre as palavras geradoras presentes no encontro relacionadas aos princípios do turismo comunitário, que foram faladas pela facilitadora: Participação (duplas) / Conservação e Turismo Comunitário (trios) / Partilha Cultural (seis pessoas)/ Comercialização e preço (oito pessoas) / Influência em Políticas Públicas (doze pessoas).


QUARTO DIA PROPÓSITO : “O QUE QUEREMOS E PARA ONDE VAMOS“

Para mim, um dos momentos que mais me marcou no encontro foi ter o privilégio de estar em uma das regiões mais lindas de Mata Atlântica do Brasil e poder, antes de começar o dia, dar um mergulho no mar e sentir o sol no corpo. Não somos apenas mentais. Quando fui ao mar com a Ednelza, gerente da Pousada Uacari, e vê-la brincando no mar, corajosa, uma ribeirinha do Amazonas, que conhece tudo de rio, experimentar as águas salgadas na Bahia pela primeira vez e, mais do que isso, brincar com ela, para mim foi um momento de muito significado. Obrigada, Ednelza!

Cecilia Zanotti, Projeto Bagagem Santos - SP

25


ATIVIDADE

Abertura na praia – brincadeira em duplas – ganhe o quanto puder ganhar.

Nessa atividade cada dupla recebeu a orientação de que deveria dar a mão direita ao outro, como em um aperto de mãos, um de frente para o outro, e cada um deve tentar colocar a mão do outro na sua cintura. A cada vez que conseguir fazer isso, ganha um ponto. O objetivo é fazer o maior número de pontos possível em um minuto. Ao final de um minuto, as duplas que tentaram individualmente fazer o maior número de pontos, competindo entre si dentro da dupla, fizeram cada pessoa no máximo 5 pontos, porque usaram a força para evitar que o outro fizesse pontos, enquanto que as duplas que colaboraram um com o outro permitindo que o outro fizesse pontos e vice versa, conseguiram fazer mais de 100 pontos. No trabalho em rede é a mesma coisa, se permitirmos que cada um faça o seu melhor e se encontrarmos os espaços de cada um dentro da rede, faremos juntos muito mais pontos. Aquecidos com isso, o grupo partiu para definir as prioridades da rede e planejar juntos como essa rede pode fazer o maior número de pontos possível.

Estar na Bahia foi a realização de um sonho, conviver com pessoas de diversas regiões do país foi comprovar o quão grande é esse Brasil, dançar quadrilha e carimbó à luz de uma fogueira à beira-mar é ver que cada povo e cultura é bela pela simplicidade e que cada um de nós quando está longe de casa ganha uma nova família ou melhores amigos de poucos dias se for capaz de se deixar doar e receber amor e carinho! Aprendi que o trabalho em grupo demanda tempo e sabedoria para lidar com tantas idéias, propostas e pensamentos, mas que só dessa forma e com essa chuva de informações avançaremos rumo aos nossos sonhos, pois em conjunto, tendo um ao outro para apoiar-se ou tirar dúvidas, fica prazeroso e até divertido caminhar. Isso é trabalhar em rede!

Naiara Miranda Projeto Saúde e Alegria, Santarém - PA


27


Com os vínculos criados durante as diversas atividades em subgrupos, chegava a hora de uma ação em grupo de planejamento futuro. A idéia era, na grande roda, definir os temas prioritários da rede que pulsaram mais durante o encontro para serem discutidos em pequenos grupos e a partir deles planejar as ações dos próximos anos. A metodologia usada para este momento foi a dos espaços abertos (www.openspaceworld.org). Referência da metodologia: A tecnologia do espaço aberto é uma tecnologia aberta e gratuita que pode ser usada para a facilitação de grupos de 5 a 2.000 pessoas onde os participantes saem do lugar de meros expectadores para serem protagonistas do processo. Os temas, as discussões e os resultados sairão da organização do próprio grupo, portanto a facilitação apenas orienta por meio de regras simples e não se preocupa em controlar o resultado final. Na grande roda, com levantamento na plenária foi perguntado o que cada um tinha para contribuir mais com a rede e o que esperava que a rede pudesse oferecer. A partir da rodada inicial, foram listados e sistematizados 6 temas prioritários para a Rede Turisol:

1- Comercialização 2- Formações e Intercâmbios 3- Comunicação 4-Juventude e Turismo Comunitário 5- Universidade e Turismo Comunitário 6- Influência em Políticas Públicas

Em seguida, todos os participantes receberam as orientações sobre como participar dos espaços abertos e se dividiram nos grupos por interesse, para discussão e levantamento de ideias que poderiam ser desenvolvidas na Rede Turisol dentro daquele assunto. Foi definido um espaço do hotel para cada um dos temas prioritários. O espaço aberto possui uma única regra: a lei dos dois pés que dita “Se você está em um lugar onde não esteja nem contribuindo, nem aprendendo, use os seus dois pés e vá para outro lugar.”

Além da lei, há quatro princípios:

1- Quem quer que venha, são as pessoas certas. 2- Quando começar é a hora certa. 3- O que quer que aconteça é a única coisa que poderia ter acontecido. 4- Quando acabar, acabou.


29


As ideias foram registradas em papel por grupo e apresentadas na plenária depois do almoço. Na mesma plenária foi definido um projeto responsável por cada linha prioritária, para liderar o plano de ação daquela linha, para o próximo ano. Os projetos responsáveis tiveram até dia 16 de agosto de 2010 para enviar aos demais membros da rede a sugestão de plano que estão em discussão para serem definidos como plano de ação final para o ano de 2010-2011 da Rede Turisol. A responsabilidade se dividiu da seguinte maneira:

Comercialização – Projeto Bagagem Formações e Intercâmbios – Acolhida na Colônia Comunicação – Saúde e Alegria Juventude e Turismo Comunitário – Fundação Casa Grande em parceria com Geração Muda Mundo da Ashoka Universidade e Turismo Comunitário – Instituto Mamirauá em parceria com UFRJ Influência em Políticas Públicas – Rede Tucum

Aprendi que existem diversas instituições bem intecionadas e dispostas a desenvolver o turismo comunitário. Para mim, o impacto na minha vida profissional foi que agora tenho mais facilidade em analisar projetos relacionados ao turismo comunitário, após conhecer alguns deles mais a fundo no encontro.

Selene Garcia, TAM Linhas Aéreas São Paulo - SP

Que as propostas sejam compartilhadas o quanto antes com todos. Yoroshiku onegai itashimassu – muito obrigado, estamos à disposição! Wellington Azevedo, Pousada Aldeia dos Lagos Silves - AM


Um ponto positivo do encontro foi ter contato direto com pessoas que representam as iniciativas e as comunidades e perceber a motivação de todos.

Notei que houve participação ativa dos participantes do evento no debate e processos decisórios com grande entrosamento e o compromisso de todos. Outro aspecto interessante foi a sistematização dos resultados ao longo do encontro em um documento com diretrizes para atuação da rede. Por outro lado, observei que há grande ansiedade por apoio do governo, entretanto há desconhecimento dos procedimentos para realizar demandas e dos processos de formulação de políticas públicas. Sugiro para a rede o fortalecimento da comunicação à parte dos encontros físicos e o aprimoramento da comunicação entre os gestores das ONGs e as pessoas das comunidades, em alguns momentos parece haver distanciamento e descompasso entre seus discursos.

Clara Ferreira Cerqueira Pinto, Ministério do Turismo Brasília - DF

Sou muito grata pelo cuidado com que nos receberam e cuidaram de cada um. Vocês são leves, as vezes confusos, mas por isso são maleáveis. Adorei! Rosinha Martins,

Instituto Terramar, Fortaleza - CE 31


Achei um desafio bem sucedido e a metodologia de trabalho proporcionou uma aproximação muito legal do grupo. Apenas sugiro explicações mais sucintas e mais tempo para as atividades em si. Foi um encontro muito prazeroso!

Daniele Lima Gelbcke, Acolhida na Colônia - SC


GOVERNANÇA E QUEM FAZ PARTE DA REDE TURISOL Colegiado - formado pelos sete projetos: Saúde e Alegria, Rede Tucum, Fundação Casa Grande, Projeto Bagagem, Instituto Mamirauá, Pousada Aldeia dos Lagos e Acolhida na Colônia. Tem direito a voto nas decisões em 2010 até julho de 2011 e deve consultar os demais membros, construir as estratégias coletivamente e executar sozinho ou com mais parceiros as ações do Grupo de Trabalho que ficou responsável. Secretaria Executiva – assumida no encontro pelo Projeto Bagagem de junho de 2010 até junho de 2012. A Secretaria Executiva terá como responsabilidades a captação de recurso para projetos da rede e a utilização do escritório do Projeto Bagagem como uma base para a Rede Turisol no Brasil, reunindo materiais, e investindo recursos para remunerar uma pessoa tempo integral dedicada às articulações da rede no Brasil. Cada responsável por um Grupo de Trabalho também pode e deve captar recursos para implantar o plano de ação da linha estratégica que ficou sob sua responsabilidade. Destinos membro - esse grupo é formado pelos 7 projetos do colegiado mais os 16 projetos convidados para o encontro nacional que participaram da seleção de novos membros de maio de 2010. Os 16 novos integrantes da rede terão um ano de experimentação como destinos membro da Rede Turisol. De acordo com a participação, necessidade de utilizar a rede, iniciativas tomadas pelo projeto em prol da rede e estruturação do próprio projeto de turismo comunitário, em julho de 2011 será feita uma reflexão entre o projeto e o colegiado afirmando se há ou não interesse em seguir como parte da Rede Turisol. Todos os projetos passarão por essa reflexão, inclusive os membros do colegiado e afirmarão ou não sua vontade de seguir parte da rede e terão uma devolutiva sobre seu projeto e participação na rede. São eles: Associação de Artesãs de Coqueiro do Campo (MG), Instituto Inhotim (MG), Associação Etnoambiental Beija Flor (AM), Associação Sociocultural Yawanawa (AC), Associação dos Produtores Rurais do Assentamento Bela Vista (BA), Associação Rede Cananéia (SP), Instituto Floresta Viva (BA), Associação de Jovens da Juréia (SP), Associação das Mulheres do Pesqueiro (PA), Instituto Tapiaim (PA), Cooperativa de Produção Agropecuária Canudos (MT), Centro Ecológico Aroeira (CE), Centro de Pesquisa e Promoção Cultural (MG), Instituto Formação (MA), Casa do Boneco de Itacaré (BA) e Instituto Socioambiental com o projeto Circuito Quilombola (SP). A Rede Turisol conta também com um grupo de apoiadores que muito tem ajudado a construir e fortalecer a rede: Consultores - destacam-se dois nomes importantes: René Schärer e Maria das Mercês Torres Parente que ajudam na captação, são consultados no planejamento e execução de atividades e participam colaborando na articulação da Rede Turisol e seus membros com financiadores e governo.

33


Parceiros comerciais ou rede de agências parceiras – Esse grupo é formado por agências de turismo de pequeno porte interessadas em enviar visitantes aos destinos da Rede Turisol e em fomentar uma maneira de viajar mais justa e sustentável. São elas: Araribá, Aniyami, Turismo Consciente, Estação Gabiraba, Aoka, Saiga da França, Tory e Trip on Jeep. Pesquisadores e universidade - ajudarão a construir um plano de pesquisa, extensão e currículo para universidades sobre o turismo comunitário, envolvendo a Rede Turisol e seus destinos. Destacamse os pesquisadores Davis Gruber e Ivan Bursztyn do Instituto Virtual do Turismo da UFRJ. Financiadores – Atualmente financiam ações da Rede Turisol o Ministério do Turismo, a TAM Linhas Aéreas com apoio financeiro e institucional para o Projeto Bagagem como Secretaria Executiva da rede e passagens aéreas gratuitas para ações da rede, a SST que ajudou a financiar o encontro nacional e a Fundação Kellogg que também financia institucionalmente o Projeto Bagagem como secretaria da Rede Turisol. Em julho de 2012 acontecerão eleições para o colegiado e para a secretaria executiva, e será realizado o planejamento da Rede Turisol 2012 a 2014 com novos responsáveis pelas linhas prioritárias. Os debates acontecem principalmente virtualmente no grande grupo dos 23 membros por meio de um Fórum criado pelo Saúde e Alegria e da lista de discussão da rede. Cada Grupo de Trabalho das 6 linhas prioritárias se reúne para se organizar para a proposição e execução das estratégias.


PLANO DE TRABALHO 2010 - 2012 LINHA PRIORITÁRIA

Comercialização

Comunicação

AÇÕES RESPONSÁVEL • Assessoria aos membros para formatação de viagens • Organização de visitas de campo das agências aos projetos • Divulgação das parcerias em eventos e feiras comerciais • Elaboração dos Termos de Referência e cartas de adesão, disponíveis no site da Rede Turisol para: Comunidades, Visitantes, Agências e Universidades • Implantação da estratégia de venda pelas agências do Grupo de Agências parceiras da Rede Turisol a partir da identificação de roteiros na rede que se alinhem ao perfil da agência e por meio da discussão integrada entre projetos, comunidades, agência e Secretaria Executiva. • Pesquisa sobre a implantação da venda direta por outros canais alternativos. • Implantação da estratégia de criação de agências de receptivo local Projeto de turismo comunitário e cultura lideradas por jovens nas comunidades Bagagem e ONGs parceiras. • Busca por outros parceiros comerciais para se vincularem à Rede Turisol. • Articulação da estratégia de vendas internacionais para os destinos da Rede Turisol. • Representação da rede em eventos nacionais e internacionais. • Trazer a cada ano novos membros para o catálogo de destinos da Rede Turisol e para a página exclusiva de destinos da rede. • Captar recursos e prestar serviços para realização das visitas de campo, assessoria aos membros para formatação de viagens, participação nas feiras, realização de famturs, implantação de receptivos locais, e articulação de novos parceiros. Implantação do plano de comunicação contendo: • Grupo de emails • Fórum para cada linha estratégica • Blog do turismo comunitário • Portal da rede • Participação nas redes sociais ativa • Organização de oficinas no Encontro Nacional e no Seminário de JuProjeto ventude para qualificação dos membros e formação de multiplicadores Saúde e locais em oficinas de jornalismo, vídeo, foto, blog, rádio e HQ nos destiAlegria nos produzindo material de apoio e refêrencia. • Captar recursos para a publicação da Série Turisol de Metodologias no Turismo Comunitário • Captar recursos para a publicação de outros materiais sistematizados pela Rede Turisol

35


LINHA PRIORITÁRIA

Influência em Políticas Públicas

Universidade e Turismo Comunitário

AÇÕES RESPONSÁVEL • Realização do mapeamento de políticas públicas federais de turismo • Realização do seminário entre projetos membros da rede para passar a metodologia de monitoramento de políticas públicas aos demais membros e analisar os resultados do primeiro edital do Mtur. • Identificação de projetos participantes do seminário para assumirem o monitoramento das políticas públicas em seus estados. • Apresentação ao Mtur no Salão do Turismo o resultado da análise do primeiro edital e apresentar proposta da Rede Turisol de processo para Rede Tucum construção da política nacional de turismo comunitário • Organização de seminários nas comunidades convidando os gestores municipais, estaduais e federal para apresentar os destinos já estruturados e as demandas necessárias para que o turismo comunitário de fato se desenvolva a ponto de atingirmos a missão da Rede Turisol de “tornar o Brasil um país referência no turismo comunitário”. • Captar recursos para a realização dos seminários de formação em monitoramento de políticas públicas • Elaboração do Termo de Referência para Universidades e Pesquisadores com código de ética, que levem em conta os seguintes princípios: - para fazer pesquisa é preciso fazer vivência nas comunidades - a pesquisa desde o início tem que beneficiar a comunidade - o foco das pesquisas deve estar no conteúdo e conhecimento para agregar valor aos serviços de turismo oferecido pelas comunidades - pesquisa sobre indicadores dos projetos devem ser feitas internamente por quem está envolvido e o Observatório pode ser um parceiro para auxiliar este processo - antes de publicar precisa ter autorização expressa dos membros da rede e das comunidades envolvidos na pesquisa • Apoio ao Observatório na criação da base de dados de TBC no Brasil • Implantação do link do Observatório no site da Rede Turisol • Indicação de pesquisadores para o Observatório • Indicação de demandas de pesquisas da Rede e repasse a alunos que queiram desenvolver estes trabalhos • Aprimoramento dos indicadores criados junto com a rede para autoavaliação dos projetos ao invés de trabalhar com pesquisadores externos e criação de instrumentos e metodologia de aplicação inovadora e por meio do diálogo • Apoio ao Observatório para implantação do banco de monografias, dissertações e teses • Articulação de expedições científicas em parceria com a Rede de Agências, especialmente Araribá que já tem este foco

Instituto Mamirauá


LINHA PRIORITÁRIA

Universidade e Turismo Comunitário

Formações e Intercâmbios

AÇÕES RESPONSÁVEL • Implantação de projetos de extensão em parceria com as universidades que beneficiem as comunidades e projetos de turismo comunitário da rede • Captar recursos ou prestar serviços para realização das oficinas duInstituto rante o encontro nacional de formação em metodologia inovadora de Mamirauá aplicação de instrumentos de avaliação, implantação de projetos de extensão, apoio a pesquisadores que agreguem valor aos serviços oferecidos pelas comunidades • Criação do catálogo de ofertas e demandas de capacitações, estágios e intercâmbios a serem compartilhadas dentro da rede, de forma que os projetos possam colaborar com aquilo que tem de melhor para o desenvolvimento dos demais. • Identificar até 3 pontos fortes por projeto que possam ser compartilhados por meio de formação/capacitação dos demais membros da rede • Identificar até 3 demandas de desafios por projeto que necessitem de apoio por meio de capacitação, estágio ou intercâmbio, dos demais membros da rede • Secretaria Executiva: Elaborar o boletim periódico com oportunidades de formações atualizadas • Captar recursos para oportunizar 10 intercâmbios, estágios ou formações entre os membros da Rede Turisol • Com apoio da Secretaria Executiva da Rede Turisol formatar prestações de serviço de cursos e formações junto aos membros da Rede Turisol

Acolhida na Colônia

• Realizar o encontro de Juventude da Rede Turisol de 3 dias na Fundação Casa Grande:

Juventude e Turismo Comunitário

manhãs - apresentação dos projetos de turismo comunitário pelos Jovens Fundação tardes - capacitações e oficinas de jovens para jovens blog, produção Casa Grande de vídeo, programa de rádio e produção de HQ noites - show dos meninos da Casa Grande e jogo de futebol de rua com Instituto Formação • Realização da feira com os produtos de cada localidade

37


AVALIAÇÃO DO ENCONTRO Ao final do encontro, realizamos uma grande roda de avaliação. Cada um teve a oportunidade de compartilhar como o encontro contribuiu para seu desenvolvimento pessoal e profissional, bem como o que foi bom e o que precisa melhorar. Depois da roda, ao som de uma música animada, todos levantaram e circularam dando um abraço de agradecimento e despedida uns aos outros. Para completar a avaliação, foi circulado o questionário de avaliação, atividade por atividade descrita com as possibilidades de avaliação Péssimo, Ruim, Regular, Bom e Ótimo. Com os questionários reunidos, foi possível compilar em uma única tabela a opinião geral dos participantes. As últimas linhas do questionário com informações gerais sobre o encontro estão aqui descritas:

OUTROS ASPECTOS

NÃO RESPONDEU PÉSSIMO RUIM REGULAR BOM ÓTIMO

Local / Estrutura / Localização

0

0

0

0

12

30

Formato do Evento: círculo, dinâmicas, equilíbrio entre pequenos grupos e plenária Alimentação

2

0

0

0

15

25

0

0

0

3

12

27

Facilitação

1

0

0

1

20

20

Troca entre os participantes

1

0

0

1

9

31

O que você achou do encontro de forma geral

1

0

0

0

9

32


39


LISTA DOS PARTICIPANTES DO EVENTO

Aline Craveiro

Instituto Floresta Viva - BA

Ana Gabriela da Cruz Fontoura Agência Estação Gabiraba - PA

Cecilia Zanotti

Projeto Bagagem - SP

Cícera Elizangela Cordeiro Alves Fundação Casa Grande - CE

André Marconato Ramos

Cinira Fernandes

Agência Tory - SP

Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Uruçuca –BA

Andreia Cisi

Cinthia Oliveira

Secretaria de Turismo de Itacaré - BA

Anne Thebault

Agência Saiga - FR

Instituto Floresta Viva - BA

Clara Ferreira Cerqueira Pinto

Ministério do Turismo - DF

Antonio Lopes de Lima

Ass. Caiçara Rede Tucum – CE

Cleber Rocha Chiquinho Associação Rede Cananéia – SP


Cristian Miró

Agência Aniyami - RN

Davis Gruber

Pesquisador Instituto Virtual do Turismo - UFRJ

Daiana Bastezini

Dino Xavier Zammataro

Damião Aureliano

Edilson Miranda Costa

Fundação Casa Grande - CE

Comunidade de Arimum - PA

Daniele dos Santos de Jesus

Ednelza Martins

Acolhida na Colônia – SC

Casa do Boneco de Itacaré - BA

Daniele Lima Gelbcke

Acolhida na Colônia – SC

Davide Pompermeier

Projeto Saúde e Alegria - PA

Agência Araribá - SP

Pousada Uacari - AM

Eduardo de Ávila Coelho Instituto Mamirauá - AM

Gilson Machado Cruz Assentamento Bela Vista - BA

41


Ivan Bursztyn

Instituto Virtual do Turismo- UFRJ - RJ

Magna Maria Carvalho Agência Trip On Jeep - SP

Laura Soriano Yawanaua

Manuel Messias Silva

Leandro Goldinho

Comunidade de Anã - PA

Marcela Giovanna Nascimento Gomes

Lindomar Spredemann

Marcelo Cavalcanti

Ass. Cultural Yawanaua – AC

Acolhida na Colônia – SC

Lucilene Almeida Paiva Instituto Formação – MA

Lyndon Célio

Agência Borun - MG

Associação Agropecuária Canudos – MT

Instituto Inhotim - MG

Facilitador - BA

Marcos Souza Prado

Associação de Jovens da Juréia – SP

Maria das Mercês Torres Parente Consultora – DF


Maria de Fátima Blandes Lima

Mauricio de Carvalho

Comunidade de Vila Amazonas - PA

Instituto Socioambiental – SP

Maria do Carmo Barbosa

Naiara Miranda

Associação de Artesãs de Coqueiro do Campo- MG

Projeto Saúde e Alegria - PA

Maria Selma Souza Martins

Nelson Moraes

Comunidade de Atodi – PA

Instituto Floresta Viva - BA

Maria Teresa Meinberg

Núbia Maria Pinto

Agência Turismo Consciente - SP

Marla Gomes Sampaio Bahiatursa - BA

Marta Verônica

Centro Ecológico Aroeira - CE

Casa do Boneco de Itacaré - BA

Olivia Martin

Ashoka Empreendedores Sociais - BA

Olivier Massicot

Ass. Mama Nature - FR

43


René Schärer

Consultor Prainha do Canto Verde - CE

Tauana Cristina de Oliveira Costa Agência Aoka – SP

Rosa Maria Pereira Martins

Valneide Souza

Robson Santos

Wellington Azevedo Leite

Associação Embaúba - BA

ASPAC - Pousada Aldeia dos Lagos - AM

Sayonara Malta

Werter Valentim de Moraes

Instituto Terramar - CE

Comunidade de Caetanos de Cima - CE

Casa do Boneco de Itacaré - BA

CEPEC – MG

Selene Valentini Garcia

Wherlles da Silva Galvão

TAM Linhas Aéreas - SP

Sergio Campos Sampaio Tucano Ass. Etnoambiental Beija Flor - AM

Instituto Tapiaim – PA

Profile for Raízes Desenvolvimento Sustentável

Livro TURISOL  

Resultados do I Encontro da Rede Brasileira de Turismo Solidário e Comunitário realizado em 2010

Livro TURISOL  

Resultados do I Encontro da Rede Brasileira de Turismo Solidário e Comunitário realizado em 2010

Profile for raizesds
Advertisement